Наслаждайтесь миллионами электронных книг, аудиокниг, журналов и других видов контента

Только $11.99 в месяц после пробной версии. Можно отменить в любое время.

Contra Sainte-Beuve

Contra Sainte-Beuve

Автор Marcel Proust

Читать отрывок

Contra Sainte-Beuve

Автор Marcel Proust

Длина:
190 страниц
3 часа
Издатель:
Издано:
31 мая 2021 г.
ISBN:
9786586683899
Формат:
Книга

Описание

Contra Sainte-Beuve é o livro sombra de Em busca do tempo perdido. Antes de escrever sua obra-prima, Marcel Proust elabora neste livro as suas considerações mais profundas sobre a necessidade de escrever. Encontra-se aqui o arcabouço teórico de Em busca do tempo perdido. Proust revela o significado de sua escrita: dar forma à memória pessoal, fazê-la emergir de objetos vistos como ordinários. Escrever para dar uma marca da própria existência, que do contrário estaria perdida, na convicção de que nada parecido fora escrito antes. Contra Sainte-Beuve é um texto de extraordinária intensidade, sobretudo por sua forma direta.


Misto de crítica literária e confissão pessoal, é um documento único da construção de uma obra imortal. Se na Busca do tempo perdido, de fato, é encenada a esplêndida construção artística é somente em Contra Sainte-Beuve que se há a oportunidade de sentir o pensamento em ato que se esconde por trás da obra-prima.
Издатель:
Издано:
31 мая 2021 г.
ISBN:
9786586683899
Формат:
Книга

Об авторе

Marcel Proust (1871–1922) was a French novelist, critic, and essayist best known for his monumental novel À la recherche du temps perdu (In Search of Lost Time; earlier rendered as Remembrance of Things Past), published in seven parts between 1913 and 1927. He is considered by critics and writers to be one of the most influential authors of the twentieth century.


Связано с Contra Sainte-Beuve

Похожие Книги

Предварительный просмотр книги

Contra Sainte-Beuve - Marcel Proust

seguinte).

O método de Sainte-Beuve

¹

Cheguei ao ponto ou, melhor dizendo, encontro-me na incômoda situação de temer que as coisas que mais desejaríamos dizer – ou, ao menos, na falta dessas, se o enfraquecimento da sensibilidade e a bancarrota do talento não mais o permitirem, as que viriam em seguida, que somos levados, em comparação a esse mais elevado e secreto ideal, a não ter em alta conta, mas que, afinal, não lemos em parte alguma, que podemos pensar que não serão ditas se não as dissermos, e mesmo percebendo ocuparem uma parte menos profunda de nossa mente –, de repente, já não podemos mais dizer. Já não nos consideramos mais como depositários, podendo desaparecer de um momento para outro, de segredos intelectuais que desaparecerão conosco, e gostaríamos de poder vencer a força de inércia da preguiça anterior, obedecendo a esse belo mandamento de Cristo, em São João: «Trabalhai enquanto tendes a Luz». ² Parece-me que teria, assim, o que dizer sobre Sainte-Beuve, e logo muito mais com relação a ele do que sobre ele, coisas que possuem, talvez, alguma importância, que, mostrando no que ele pecou, a meu ver, enquanto escritor e enquanto crítico, eu conseguiria, talvez, dizer o que deve ser a crítica e sobre o que é a arte, certas coisas às quais frequentemente pensei. En passant, e a seu propósito, como ele o faz tão amiúde, eu o tomaria por pretexto para falar de certas formas de vida... ³ Eu poderia [dizer] algumas palavras sobre alguns de seus contemporâneos, sobre os quais também tenho algumas opiniões. Em seguida, depois de ter criticado os demais e deixando totalmente de lado Sainte-Beuve, eu tentaria dizer o que, para mim, seria a arte, se...

Essa definição e esse elogio do método de Sainte-Beuve, tomei-os de empréstimo⁴ desse artigo do sr. Paul Bourget,⁵ porque a definição era curta e o elogio, autorizado. Mas eu poderia ter citado outros vinte críticos. Fazer a história natural das mentes, recorrer à biografia do homem, à história de sua família, a todas as suas particularidades, à inteligência de suas obras e à natureza de seu gênio, eis o que todos reconhecem como sua originalidade, o que ele próprio reconhecia, e no que, aliás, tinha razão. O próprio Taine, que sonhava com uma história natural das mentes mais sistemática e mais bem codificada, com a qual, aliás, Sainte-Beuve não concordava no tocante às questões de raça, não diz outra coisa em seu elogio a Sainte-Beuve:⁶ «O método de Sainte-Beuve não é menos precioso do que sua obra. Nisso, ele foi inventor. Ele importou para a história moral os procedimentos da história natural. Ele mostrou...»⁷ (página 96), até mesmo «ciências positivas».

Só que ele acrescentava: «Basta aplicá-lo...» ⁸ a um «... momento duradouro».⁹

Taine dizia isso porque sua concepção intelectualista só concebia a verdade na ciência. Entretanto, como possuía gosto e admirava diversas manifestações da mente, para explicar seu valor, ele as considerava auxiliares da ciência (ver prefácio de L’Intelligence). Ele considerava Sainte-Beuve um iniciador, admirável para o seu tempo, quase tendo encontrado o seu próprio, o de Taine, método.

Ora, em arte não há (ao menos no sentido científico) iniciador, precursor. Tudo [está]¹⁰ dentro do indivíduo, cada indivíduo recomeça, por sua própria conta, a tentativa artística ou literária; e as obras de seus predecessores não constituem, como na ciência, uma verdade adquirida da qual seu sucessor se aproveita. Um escritor de gênio, hoje, ainda tem tudo por fazer. Não foi muito além que Homero.

Mas os filósofos que não souberam encontrar o que há de real e de independente, com relação à ciência, na arte, foram obrigados a imaginar a arte, a crítica etc., como ciências em que o predecessor avançou forçosamente menos do que aquele que o sucede.

Porém, de resto, de que adianta nomear todos aqueles que veem nisso a originalidade, a excelência do método de Sainte-Beuve? Bastar dar-lhe, a ele mesmo, a palavra: p. 15 (suprimindo os antigos),¹¹ p. 16, 17.

«A literatura, dizia Sainte-Beuve,¹² não é, para mim, diferente ou, nem mesmo, destacável do restante do homem e da organização... Não teríamos¹³ demasiadas maneiras ou demasiadas perspectivas para se conhecer um homem, isto é, outra coisa que não seja mente pura. Enquanto não tivermos destinado, a propósito de um autor, certo número de perguntas, e enquanto não as tivermos respondido, mesmo que somente para nós mesmos e a meia-voz, não temos certeza de o haver compreendido inteiramente, por mais que essas perguntas pareçam estranhas à natureza de seus escritos: que pensava ele sobre religião? Como era afetado pelo espetáculo da natureza? Como se comportava em relação às mulheres, ao dinheiro? Era rico, pobre; qual era o seu regime, sua maneira de viver cotidiana? Qual era o seu vício ou sua fraqueza? Nenhuma das respostas a essas perguntas é indiferente ao se julgar o autor de um livro e o próprio livro, se esse livro não for um tratado de geometria pura, se for, sobretudo, uma obra literária, ou seja, na qual há [de] tudo etc.». Nesse método, que aplicou instintivamente durante toda a vida e no qual, nos últimos anos, ele via os primeiros lineamentos de uma espécie de botânica literária...¹⁴

A obra de Sainte-Beuve não é uma obra profunda. O famoso método, que faz dele, segundo Taine, segundo o sr. Paul Bourget e tantos outros, o mestre inigualável da crítica do século XIX, esse método que consiste em não separar homem e obra, em considerar que não é indiferente, para se julgar o autor de um livro, se esse livro não for «um tratado de geometria pura», se ter, antes, respondido às perguntas que parecem ser as mais estranhas à sua obra (como ele se comportava...), ter-se cercado de todas as informações possíveis sobre um escritor, coletado sua correspondência, interrogado os homens que o conheceram, conversado com eles, caso ainda vivam, lido tudo o que pode ter sido escrito sobre ele, se estiverem mortos, esse método desconhece o que um convívio pouco profundo consigo mesmo nos ensina: que um livro é o produto de um outro eu, que não é aquele que manifestamos em nossos hábitos, na sociedade, em nossos vícios. Esse eu, se o quisermos compreender, é no fundo de nós mesmos, tentando recriá-lo em nós, que podemos conseguir fazê-lo. Nada pode nos dispensar desse esforço de nosso coração. É preciso construir essa verdade peça por peça e...¹⁵ É demasiadamente fácil imaginar que ela nos chegará, uma bela manhã, em nosso correio, sob a forma de uma carta inédita, que um bibliotecário de nossos amigos nos comunicará, ou que a ouviremos da boca de alguém que muito [conheceu] o autor. Ao falar da grande admiração inspirada pela obra de Stendhal em vários escritores da nova geração, Sainte-Beuve diz:¹⁶ «Se me permitirem dizer-lhes, para julgar claramente essa mente assaz complicada, e sem, em nada, exagerar, em qualquer sentido, retornarei sempre e de preferência, independentemente de minhas próprias impressões e lembranças, ao que me dirão aqueles que o conheceram em seus bons anos e em suas origens, ao que dirá o sr. Mérimée, o sr. Ampère, o que me diria sobre ele Jacquemont, se estivesse vivo, aqueles que, em suma, muito o viram e saborearam em sua forma

Вы достигли конца предварительного просмотра. Зарегистрируйтесь, чтобы узнать больше!
Страница 1 из 1

Обзоры

Что люди думают о Contra Sainte-Beuve

0
0 оценки / 0 Обзоры
Ваше мнение?
Рейтинг: 0 из 5 звезд

Отзывы читателей