Вы находитесь на странице: 1из 254
INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Departamento de Gestão FISCALIDADE I
INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU
ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO
Departamento de Gestão
FISCALIDADE
I
Gestão de Empresas
Contabilidade e Administração
V
A
MANUAL DE APOIO
Imposto
sobre o
Ano Letivo de 2012/2013
Valor
Acrescentado
Setembro de 2012
Carlos Manuel Freitas Lázaro
FISCALIDADE Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração ÍÍnnddiiccee 11. 1 IIN I NNT TTR
FISCALIDADE
Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração
ÍÍnnddiiccee
11. 1
IIN
I
NNT
TTR
RRO
OOD
DDU
UUÇ
ÇÇÃ
ÃÃO
OO
2
22. 2
IIN
I
NNC
CCI IID DDÊ ÊÊN NNC CCI IIA AA
12
33. 3
TTA
T
AAX
XXA
AAS
SS, ,, VVA
V
AAL LLO OOR RR TTR
T
RRI IIB BBU UUT TTÁ ÁÁV VVE EEL LL, ,, FFA
F
AAC
CCT
TTO
OO GGE
G
EER
RRA
AAD
DDO
OOR
RR EE EEX
E
E
XXI IIG GGI IIB BBI IIL LLI IID DDA AAD DDE EE
32
44. 4
IIS I SSE EEN NNÇ ÇÇÕ ÕÕE EES SS
53
55. 5
DDI IIR RRE EEI IIT TTO OO ÀÀ DDE EED DDU UUÇ ÇÇÃ ÃÃO OO EE RRE EEN NNÚ ÚÚN NNC CCI IIA AA ÀÀ IIS SSE EEN NNÇ ÇÇÃ ÃÃO OO
D
À D
E
R
À I
68
66. 6
SSU
S
UUJ JJE EEI IIT TTO OOS SS PPA
P
AAS
SSS
SSI IIV VVO OOS SS MMI IIS SST TTO OOS SS
M
96
77. 7
SSI IIT TTU UUA AAÇ ÇÇÕ ÕÕE EES SS DDE EE IIN
S
D
I
NNV
VVE
EER
RRS
SSÃ
ÃÃO
OO DDO
D
OO SSU
S
UUJ JJE EEI IIT TTO OO PPA
P
AAS
SSS
SSI IIV VVO OO
117
88. 8
RRE EEG GGI IIM MME EES SS EES SSP PPE EEC CCI IIA AAI IIS SS DDE EE TTR RRI IIB BBU UUT TTA AAÇ ÇÇÃ ÃÃO OO
R
E
D
T
128
99. 9
OOB BBR RRI IIG GGA AAÇ ÇÇÕ ÕÕE EES SS DDO
O
D
OOS
SS SSU
S
UUJ JJE EEI IIT TTO OOS SS PPA
P
AAS
SSS
SSI IIV VVO OOS SS
135
110 1
OOP PPE EER RRA AAÇ ÇÇÕ ÕÕE EES SS IIN
O
I
NNT
TTR
RRA
AAC
CCO
OOM
MMU
UUN
NNI IIT TTÁ ÁÁR RRI IIA AAS SS
((R
(
RRI IIT TTI II) ))
160
111 1
LLO
L
OOC
CCA
AAL LLI IIZ ZZA AAÇ ÇÇÃ ÃÃO OO DDA
D
AAS
SS OOP
O
PPE
EER
RRA
AAÇ
ÇÇÕ
ÕÕE
EES
SS SSU
S
UUJ JJE EEI IIT TTA AAS SS
202
112 1
RRE EEG GGI IIM MME EES SS DDA
R
D
AA MMA
M
AAR
RRG
GGE
EEM
MM
237
11
Setembro de 2012
Carlos Lázaro
Manual do IVA 2012/2013

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração 1 1 1 I I

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

111 IIInnntttrrroooddduuuçççãããooo

AArrttºº 110044,, nnºº 44,, CCoonnssttiittuuiiççããoo ddaa RReeppúúbblliiccaa PPoorrttuugguueessaa

A tributação do consumo visa adaptar a estrutura do consumo à evolução das necessidades do desenvolvimento económico e da justiça social, devendo onerar os consumos de luxo

CCóóddiiggoo ddoo IImmppoossttoo SSoobbrree oo VVaalloorr AAccrreesscceennttaaddoo

aprovado pelo DL 394-B/84, de 26 de Dezembro - entrou em vigor em 1.1.1986l l o o r r A A c c r r e e s s

substituição do Imposto de Transações pelo IVADL 394-B/84, de 26 de Dezembro - entrou em vigor em 1.1.1986 adesão de Portugal à

adesão de Portugal à U.E. em 1.1.19861.1.1986 substituição do Imposto de Transações pelo IVA  criação de um sistema comum a todos

criação de um sistema comum a todos os Estados-membros

harmonização comunitária da tributação geral do consumo, tendo em vista a realização de um mercado interno europeu

CCaarraatteerriizzaaççããoo ddoo IIVVAA

Imposto geral sobre o consumot e e r r i i z z a a ç ç ã ã o

incide sobre as transmissões de bens e/ou prestações de serviços

Imposto de base comunitáriaas transmissões de bens e/ou prestações de serviços  regulado por várias diretivas do Conselho da

regulado por várias diretivas do Conselho da União Europeia

“6ª Diretiva” (77/388/CEE, de 17.5.1977), que procedeu à uniformização da base tributável do imposto a aplicar em todos os Estados-membros

Imposto plurifásicotributável do imposto a aplicar em todos os Estados-membros  incide em todas as fases do

incide em todas as fases do circuito económico, desde a produção/importação ou aquisição intracomunitária ao retalho

suportado de facto pelos consumidores e utilizadores finais de bens e serviços

Imposto sem efeitos cumulativospelos consumidores e utilizadores finais de bens e serviços  todos os operadores económicos são obrigados

todos os operadores económicos são obrigados a calcular o imposto sobre o preço de venda

regime de pagamentos fracionados, mas com dedução do imposto que incidiu diretamente sobre o gasto dos diversos elementos constitutivos do preço dos diferentes bens e serviços sujeitos a tributação

Cada operador económico apenas entrega ao Estado uma fração do total do imposto que, no fim do circuito, irá ser suportado, efetivamente, pelo consumidor final

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração O O I I V

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

OO IIVVAA nnaass rreellaaççõõeess iinntteerrnnaacciioonnaaiiss

O imposto sobre o valor acrescentado abrange tendencialmente todo o consumo ou despesa efetuado pelos cidadãos, quer tal consumo respeite a bens, de origem nacional ou importados, ou a serviços

AAbboolliiççããoo ddaass ffrroonntteeiirraass ffiissccaaiiss,, nnoo iinntteerriioorr ddaa UU EE

desde 1 de Janeiro de 1993 1 de Janeiro de 1993

significativas alterações do IVAr i i o o r r d d a a U U E E desde

um regime autónomo, a aplicar, por um período transitório, às trocas intracomunitárias de bens entre os vários Estados-membros1 de Janeiro de 1993 significativas alterações do IVA Regime do IVA nas Transações Intracomunitárias (RITI)

Regime do IVA nas Transações Intracomunitárias (RITI)intracomunitárias de bens entre os vários Estados-membros  DL 290/92, de 28 de Dezembro M M

DL 290/92, de 28 de Dezembro

MMééttooddooss ddee ccáállccuulloo ddoo IIVVAA

Métodos de cálculo utilizados para apuramento do IVA devido por cada operador económico:

Método indireto subtrativo (ou método de crédito de imposto ou método das faturas)para apuramento do IVA devido por cada operador económico: IVA = (taxa 1 × valor venda)

IVA = (taxa 1 × valor venda) (taxa 2 × valor compra)

Método direto subtrativo ou método de dedução base da base:1 × valor venda) – (taxa 2 × valor compra)  IVA = t × (O

IVA = t × (O

I)

t = taxa; O = outputs; I = inputs

 

Método Directo

 

Subtractivo

T

=

t

×

( V C )

 
 

Aditivo

T

=

t

×

( S + J + L + R )

 
 

Método Indirecto

 

Subtractivo

T

=

t

×

V

t

×

C

 

Aditivo

T

=

t × S

+

t × J

+

t × L

+

t × R

Legenda:

 

V

C Valor Acrescentado

T Valor do IVA Apurado

V Vendas

 

C

Compras

S Salários

J Juros

L Lucros

t Taxa do IVA R Rendas

 

Nos métodos diretos é necessário conhecer o valor acrescentado gerado por cada agente económico, enquanto que no indireto tal não é necessário

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração O O d d i

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

OO ddiirreeiittoo àà ddeedduuççããoo

Cada operador económico:

é devedor do Estado pelo valor do imposto faturado aos clientes nas vendas ou serviços efetuados em determinado período

e é credor do Estado pelo total do imposto suportado nas compras ou serviços efetuados nesse mesmo período

um direito financeiro e não físico

significa que o seu exercício por parte do sujeito passivo é feito com referência a um período e não a um bem

Obrigação da Liquidação do imposto

Direito à dedução do imposto

IIVVAA -- iimmppoossttoo pplluurriiffáássiiccoo

corresponde, em termos de receita arrecadada, a um imposto monofásico lançado na fase do

corresponde, em termos de receita arrecadada, a um imposto monofásico lançado na fase do

 

retalhista

permite entregas repartidas do imposto por todos os agentes do circuito económico e,

permite entregas repartidas do imposto por todos os agentes do circuito económico e,

consequentemente, entregas de uma menor parcela de imposto, por cada um deles, diminuindo

a

tendência para a evasão fiscal

mecanismo do direito à dedução permite ao Estado, não sendo liquidado IVA numa das fases

mecanismo do direito à dedução permite ao Estado, não sendo liquidado IVA numa das fases do circuito, recuperá-lo em entregas posteriores

o

Fornecedor

Estrangeiro

Importador

Grossista

Retalhista

Consumidor

Final

Venda: 30.000

Venda: 40.000

Venda: 55.000

Venda: 60.000

IVA Liquidado na Alfândega:

30.000 × 23% = 6.900

IVA Liquidado:

IVA Liquidado:

IVA Liquidado:

40.000

× 23% = 9.200

55.000 × 23% = 12.650

60.000 × 23% = 13.800

IVA Dedutível:

IVA Dedutível:

IVA Dedutível:

30.000

× 23% = 6.900

40.000

× 23% = 9.200

55.000

× 23% = 12.650

Entrega ao Estado:

Entrega ao Estado:

Entrega ao Estado:

9.200 6.900 = 2.300

12.650

9.200 = 3.450

13.800

12.650 = 1.150 €

Estado

6.900 + 2.300 + 3.450 + 1.150 = 13.800 €

O Estado recebe exatamente o mesmo montante de IVA pago pelo Consumidor Final

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 I I n n c c i i d d ê ê

IInncciiddêênncciiaa ddoo iimmppoossttoo

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

Uma operação, para ser sujeita a imposto, terá de reunir simultaneamente as seguintes condições:

tratar-se de uma transmissão de bens, importação, prestação de serviços ou operação intracomunitáriaterá de reunir simultaneamente as seguintes condições: ser efetuada a título oneroso, sendo também tributadas as

ser efetuada a título oneroso, sendo também tributadas as operações a título gratuito, por se assimilarem a título onerosoprestação de serviços ou operação intracomunitária ser efetuada por um sujeito passivo agindo como tal efetuada

ser efetuada por um sujeito passivo agindo como tala título gratuito, por se assimilarem a título oneroso efetuada em território nacional T T a

efetuada em território nacionaloneroso ser efetuada por um sujeito passivo agindo como tal T T a a x x

TTaaxxaass ddoo iimmppoossttoo

Operações e taxas (artº 18, CIVA)

Bens e serviços sujeitos à taxa reduzida da Lista I

Bens e serviços sujeitos à taxa reduzida da Lista II

Restantes operações à taxa normal

RReeggiimmeess ddoo IIVVAA

Continente

Madeira

Açores

66%%

55%%

44%%

1133%%

1122%%

99%%

2233%%

2222%%

1166%%

Desde 1.Abril.2012

RReeggiimmee NNoorrmmaall

RReeggiimmeess EEssppeecciiaaiiss

Mensal

Trimestral

Isenção

Pequenos Retalhistas

(artº 53, CIVA)

(artº 60, CIVA)

EEnnqquuaaddrraaddooss nnoo RReeggiimmee NNoorrmmaall

liquidam o IVA nas vendas e prestações de serviçoss n n o o R R e e g g i i m m e

e, eventualmente, deduzem o IVA nas aquisiçõesa l l liquidam o IVA nas vendas e prestações de serviços Sujeito Passivo do Regime

Sujeito Passivo do Regime Normal, enviam a Declaração Periódica (artº 41, CIVA):

até ao dia 10 do 2º mês seguinte (Regime Normal Mensal)Normal, enviam a Declaração Periódica (artº 41, CIVA):  se volume de negócios 650.000 € no

se volume de negócios

seguinte (Regime Normal Mensal)  se volume de negócios 650.000 € no ano civil anterior até

650.000 € no ano civil anterior

até ao dia 15 do 2º mês seguinte ao trimestre (Regime Normal Trimestral)se volume de negócios 650.000 € no ano civil anterior  se volume de negócios <

se volume de negócios < 650.000 € no ano civil anterior

Declaração de alterações, se da iniciativa do Sujeito Passivo, durante o mês de Janeiro

efeitos a partir do dia 1 de Janeiro do ano da sua apresentaçãoda iniciativa do Sujeito Passivo, durante o mês de Janeiro A mudança de periodicidade devido ao

A mudança de periodicidade devido ao Volume de Negócios (ou anualizado)

notificação pela AT, produzindo efeitos a partir dessa dataA mudança de periodicidade devido ao Volume de Negócios (ou anualizado) 5 5 Setembro de 2012

FISCALIDADE Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração P P l l a a n

FISCALIDADE

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

PPllaannoo ddee CCoonnttaass ((CCoonnttaabbiilliiddaaddee))

2431 IVA Suportado

2432 IVA Dedutível

Outras

subdivisões

24321 IVA Dedutível Existências

24322 IVA Dedutível Ativo fixo

24323 IVA Dedutível Outros bens e serviços

2433 IVA Liquidado

Por tipo de mercado:

1. Mercado interno (Continente)

2. Mercado interno (Madeira)

3. Mercado interno (Açores)

4. Intracomunitário

5. Países terceiros Por taxas

1. 6%

2. 13%

3. 23%

4. 5%

5. 12%

6. 22%

7. 4%

8. 9%

9. 16%

24331 IVA Liquidado Operações gerais

24332 IVA Liquidado Autoconsumos e operações gratuitas

2434 IVA Regularizações

24341 IVA Regularizações Mensais (ou trimestrais) a favor da empresa

24342 IVA Regularizações Mensais (ou trimestrais) a favor da Estado

24343 IVA Regularizações Anuais por cálculo do pro-rata definitivo

24344 IVA Regularizações Anuais por variação dos pro-ratas definitivos

24345 IVA Regularizações Outras regularizações anuais

2435 IVA Apuramento

2436 IVA a pagar

2437 IVA a recuperar

2438 IVA Reembolsos pedidos

2439 IVA Liquidações oficiosas

CCoonnttaabbiilliizzaaççããoo ddoo IIVVAA

Manual do IVA 2012/2013
Manual do IVA 2012/2013

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração C C a a s

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

CCaassoo PPrrááttiiccoo

Em Agosto de 2012 a empresa ESTV, LDA (Regime Normal Mensal) apresenta as seguintes operações

Apure o IVA a pagar ou a recuperar relativamente ao mês de Agosto

Com a empresa X, LDA (venda de mercadoria com desconto de pronto pagamento)

06.08.2012: Venda de mercadorias por 12.000 € à taxa normal Emissão da fatura nesse dia; : Venda de mercadorias por 12.000 € à taxa normal Emissão da fatura nesse dia; venda a 30 dias

15.08.2012: Cobrança da fatura emitida concedendo um desconto por pronto pagamento de 5% sobre o valor em dívidataxa normal Emissão da fatura nesse dia; venda a 30 dias     D/ 211 Clientes

   

D/ 211 Clientes c/c    14.760  

14.760

 

X, LDA

06.08.2012

C/ 24331 IVA LiquidadoX, LDA 06.08.2012 2.760 Campo 3: 12.000 2.760 Campo 4:

2.760

Campo 3: 12.000

2.760

Campo 4:

C/ 711 Vendas – Mercadorias Mercadorias

12.000

 

D/ 12 Depósitos à Ordem  14.022  

14.022

 
 

15.08.2012

D/ 682 Desconto pronto pagamento  15.08.2012 738 (14.760 × 5%)

738 (14.760 × 5%)

C/ 211 Clientes c/c14.760

14.760

Com a empresa Y, LDA (venda a crédito e anulação do adiantamento)

08.08.2012: Recebimento de adiantamento de 1.000 € (+ IVA 6%) do cliente, relativo a futura venda de mercadorias ntamento de 1.000 € (+ IVA 6%) do cliente, relativo a futura venda de mercadorias (preço fixado)

20.08.2012: Emissão da fatura correspondente à venda, no total de 8.000 € (+ IVA) correspondente à venda, no total de 8.000 € (+ IVA)

27.08.2012: Recebimento do restantecorrespondente à venda, no total de 8.000 € (+ IVA)     D/ 12 Depósitos à

   

D/ 12 Depósitos à Ordem    1.060  

1.060

 

08.08.2012

C/ 24331 IVA Liquidado08.08.2012 60 Campo 1: 1.000 Campo 2: 60

60

Campo 1: 1.000

Campo 2:

60

C/ 276 Adiantamentos p/ conta de vendas1.000 (Preço fixado)

1.000 (Preço fixado)

Y, LDA

20.08.2012

D/ 211 Clientes c/cC/ 24331 IVA Liquidado

C/ 24331 IVA LiquidadoD/ 211 Clientes c/c

8.480

480 (8.000 × 6%)

Campo 1: 8.000

480

Campo 2:

C/ 711 Vendas8.000

8.000

 

D/ 276 Adiantamentos por conta de vendas  1.000  

1.000

 
 

20.08.2012

D/ 24341 IVA Regularizações a favor da empresa60

60

Campo 40:

60

C/ 211 Clientes c/c1.060  

1.060

 

27.08.2012

D/ 12 Depósitos à Ordem27.08.2012 7.420  

7.420

 

C/ 211 Clientes c/c7.420

7.420

Com a empresa P, LDA (compra a crédito e anulação do adiantamento)

11.12.2010: adiantamento ao fornecedor da quantia de 10.000 € (l iquidação de IVA a 21%) ao fornecedor da quantia de 10.000 € (liquidação de IVA a 21%)

20.08.2012: Receção da fatura de 61.500 €, referente à compra de mercadorias .500 €, referente à compra de mercadorias

   

D/ 311 Compras – Mercadorias Mercadorias

50.000

 

20.08.2012

D/ 24321 IVA Dedutível20.08.2012 11.500 Campo 22: 11.500

11.500

Campo 22:

11.500

P, LDA

C/ 221 Fornecedores c/cP, LDA 61.500  

61.500

 
 

D/ 221 Fornecedores c/c  12.300 Campo 41: 2.300

12.300

Campo 41:

2.300

20.08.2012

C/ 24342 IVA Regularizações a favor do Estado20.08.2012 2.300 (10.000 × 23%) Anterior a 1/1/2011

2.300

(10.000 × 23%) Anterior a 1/1/2011

 

C/ 39 Adiantamento por conta de compras  10.000

10.000

Preço sem IVA = 61.500 ÷ 1,23 = 50.000 €

Aquando da receção da fatura da compra, deve-se registar o desreconhecimento do adiantamento e regularizar a favor do Estado o valor do IVA correspondente (à taxa atual: 23%) (Ofício-Circulado 30121/2010)

IVA = 50.000 × 23% = 11.500 €

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração Com a empresa F, LDA

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

Com a empresa F, LDA (devolução de mercadorias)

06.08.2012: Aquisição de mercadoria pelo valor de 6.000 € à taxa de 2 3% (IVA : Aquisição de mercadoria pelo valor de 6.000 € à taxa de 23% (IVA dedutível)

09.08.2012: Devolução de parte da mercadoria no montante de 2.000 € : Devolução de parte da mercadoria no montante de 2.000 €

15.08.2012: Pagamento ao fornecedor da parte em dívida, com desconto de pronto pagamento de 5%Devolução de parte da mercadoria no montante de 2.000 €     D/ 311 Compras -

   

D/ 311 Compras - Mercadorias    6.000  

6.000

 

06.08.2012

D/ 24321 IVA Dedutível06.08.2012 1.380 (6.000 × 23%) Campo 22: 1.380

1.380 (6.000 × 23%)

Campo 22: 1.380

C/ 221 Fornecedores c/c7.380

7.380

F, LDA

 

D/ 221 Fornecedores c/cF, LDA   2.460  

2.460

 

09.08.2012

C/ 24342 IVA Regularizações a favor do Estado09.08.2012 460 Campo 41: 460

460

Campo 41:

460

C/ 317 Devoluções de compras2.000  

2.000

 
   

D/ 221 Fornecedores c/c    4.920  

4.920

 

15.08.2012

C/ 782 Descontos de pronto pagamento obtidos15.08.2012 246

246

C/ 12 Depósitos à Ordem4.674

4.674

Desconto: (7.380 2.460) × 5% = 4.920 × 5% = 246 Esta regularização do IVA é suportada por uma nota de crédito emitida pelo fornecedor (artº 29, CIVA)

Com a empresa G, LDA (Dívida declarada incobrável)

27.08.2012: o Tribunal declarou a insolvência do cliente G, Lda, com um débito acumulado de 21.120 € Este cliente já estava reconhecido como cliente de cobrança duvidosa desde Fevereiro de 2009 Este cliente já estava reconhecido como cliente de cobrança duvidosa desde Fevereiro de 2009

G, LDA

27.08.2012

D/ 219 Perdas por imparidade acumuladasG, LDA 27.08.2012 21.120  

21.120

 

C/ 213 Clientes cobrança duvidosa21.120

21.120

27.08.2012

D/ 24341 IVA Regularizações – a favor da empresa a favor da empresa

3.520

Campo 40:

3.520

 

C/ 783 Recuperação de dívidas a receber  3.520  

3.520

 

Dívida líquida de IVA: 21.120 ÷ 1,20 = 17.600 €

O CIVA admite a regularização do IVA, incluído no crédito, a favor do sujeito passivo (artº 78, CIVA)

A prova dessa situação é obtida pela sentença/acórdão da declaração de insolvência

Como o cliente já estava classificado em clientes de cobrança duvidosa desde 2009, admitimos que já naquela data havia sido reconhecida a respetiva perda por imparidade pelo valor total do crédito

IVA = 17.600 × 20% = 3.520

Com a empresa AA, LDA (aquisição de serviços de construção civil)

18.08.2012: Aquisição de um serviço de construção civil pelo valor de 1.000 € à taxa de 2 de um serviço de construção civil pelo valor de 1.000 € à taxa de 23% (inversão do sujeito passivo e IVA dedutível)

Fatura-recibo emitida nesse mesmo dia

AA, LDA

 

D/ 622 FSE Serviços especializadosAA, LDA   1.000  

1.000

 

18.08.2012

C/ 12 Depósitos à Ordem18.08.2012 1.000 Campo 3: 1.000

1.000

Campo 3: 1.000

(Construção

 

Campo 4:

230

civil)

D/ 24323 IVA Dedutívelcivil) 230 Campo 24: 230

230

Campo 24:

230

C/ 24331 IVA Liquidado230 (inversão)  

230 (inversão)

 

Transmissão Intracomunitária de Bens (TIB)

18.08.2012: Venda e envio de mercadoria no valor de 40.000 € para empresa de Espanha : Venda e envio de mercadoria no valor de 40.000 € para empresa de Espanha

(SP Espanhol fornece o NIF)

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração Emissão da fatura correspondente à

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

Emissão da fatura correspondente à venda, nesse mesmo dia. IVA à taxa normal

ES

18.08.2012

D/ 211 Clientes c/cES 18.08.2012 40.000 Campo 7: 40.000 (isenção: artº 14, RITI)

40.000

Campo 7: 40.000 (isenção: artº 14, RITI)

(TIB)

C/ 711 Vendas - Mercadorias(TIB) 40.000

40.000

Aquisição Intracomunitária de Bens (AIB)

28.08.2012: Compra e receção de mercadoria no valor de 30.000 € de empresa Francesa, à ta xa normal ão de mercadoria no valor de 30.000 € de empresa Francesa, à taxa normal - Enviou o NIF à empresa francesa

Receção da fatura correspondente à compra, nessa data

   

D/ 311 Compras – Mercadorias Mercadorias

30.000

 

FR

28.08.2012

C/ 221 Fornecedores c/cFR 28.08.2012 30.000 Campo 12: 30.000

30.000

Campo 12:

30.000

 

Campo 13:

6.900

 

(AIB)

D/ 24321 IVA Dedutível  (AIB) 6.900 Campo 22: 6.900

6.900

Campo 22:

6.900

C/ 24331 IVA Liquidado6.900 (inversão)  

6.900 (inversão)

 

Exportação

12.08.2012: Venda e envio de mercadoria no valor de 20.000 € para empresa dos EUA : Venda e envio de mercadoria no valor de 20.000 € para empresa dos EUA Emissão nessa data da correspondente fatura. IVA à taxa normal

EUA

12.08.2012

D/ 211 Clientes c/cEUA 12.08.2012 20.000 Campo 8: 20.000 (isenção: artº 14, CIVA)

20.000

Campo 8: 20.000 (isenção: artº 14, CIVA)

(Exportação)

C/ 711 Vendas - Mercadorias(Exportação) 20.000

20.000

Importação

22.08.2012: Receção de mercadorias na Alfândega de Lisboa, relativas à encomenda efetuada ao nosso fornecedor EUAC/ 711 Vendas - Mercadorias 20.000 Importação O valor da encomenda cifrava- se em 5.500 USD

O valor da encomenda cifrava-se em 5.500 USD (câmbio do dólar nesta data: 1,10 USD = 1 €) Valor da encomenda: 5.500 USB = 5.000 €

 

22.08.2012

D/ 311 Compras - Mercadorias  22.08.2012 5.000  

5.000

 

EUA

(Importação)

C/ 221 Fornecedores c/cEUA (Importação) 5.000

5.000

(IVA na

D/ 24321 IVA Dedutível(IVA na 1.150 Campo 24: 1.150

1.150

Campo 24:

1.150

 

Alfândega)

C/ 12 Depósitos à Ordem  Alfândega) 1.150  

1.150

 

Aquisição de serviços na U.E.

02.08.2012: Pagamento da fatura de serviços a um especialista espanhol, relativo a um serviço de prospeção de mercado em Espanha, no montante de 1.500 € (IVA excluído – taxa normal) € (IVA excluído – taxa normal)

 

02.08.2012

D/ 622 FSE Serviços Especializados  02.08.2012 1.500   1.500

1.500

 

1.500

ES

(Serviço

C/ 12 Depósitos à OrdemES (Serviço 1.500 Campo 16: Campo 17: 345

1.500

Campo 16:

Campo 17:

345

localizado em

PT)

D/ 24323 IVA DedutívelC/ 24331 IVA Liquidado

C/ 24331 IVA LiquidadoD/ 24323 IVA Dedutível

345

345 (inversão)

Campo 24:

345

   

Outros Bens e Serviços

Durante o mês: Aquisição de gasóleo para viaturas da empresa, no montante de 4.920 € (IVA incluído) 0 € (IVA incluído)

23.08.2012: Pagamento da fatura da eletricidade, no montante de 2.460 € (IVA incluído) 0 € (IVA incluído)

26.08.2012: Reparação da viatura de turismo, no montante de 2.460 € (IVA incluído) 0 € (IVA incluído)

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração Gasóleo     D: 6242

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

Gasóleo

   

D: 6242 FSE – Combustíveis Combustíveis

4.460

 

Agosto.2012

D: 24323 IVA DedutívelAgosto.2012 460 (50% × 920) Campo 24: 460

460

(50% × 920)

Campo 24:

460

C: 12 Depósitos à Ordem4.920  

4.920

 

Eletricidade

   

D: 6241 FSE EletricidadeEletricidade     2.000  

2.000

 

23.08.2012

D: 24323 IVA Dedutível23.08.2012 460 Campo 24: 120

460

Campo 24:

120

C: 12 Depósitos à Ordem2.460  

2.460

 

Reparação

viatura

26.08.2012

D: 6226 FSE ReparaçõesReparação viatura 26.08.2012 2.460  

2.460

 

C: 12 Depósitos à Ordem2.460

2.460

Crédito em situação de reporte

Transitou de Julho de 2012 um crédito no montante de 300 € (Campo 61) um crédito no montante de 300 € (Campo 61)

IIVVAA AAppuurraammeennttoo

IVA Liquidado: 6.900 + 230 + 2.760 + 60 + 480 + 345 = 10.775

IVA Dedutível: 11.500 + 1.380 + 6.900 + 230 + 1.150 + 345 + 460 + 460 = 22.425

IVA Regularização: 60 3.520 + 2.300 + 460 = 820

IVA Reporte do período anterior: 300

IVA a Reportar para o período seguinte: 10.775 22.425 820 300 = 12.770 (Campo 96)

Manual do IVA 2012/2013

Manual do IVA 2012/2013 FISCALIDADE Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração Descontos comerciais obtidos em

FISCALIDADE

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

Descontos comerciais obtidos em compras ou concedidos em vendas

Todos os que não estejam associados ao pagamento (rappel, bónus, descontos de quantidade, de revenda, etc)

Comerciais (compras) Extra-fatura

(conduz à regularização do IVA)

Incluídos na fatura

(compra registada pelo valor líquido)

Comerciais (vendas) Extra-fatura

(conduz à regularização do IVA)

Incluídos na fatura

(rédito da venda registado pelo valor líquido)

D/ 221 Fornecedores c/c C/ 318 Descontos e abatimentos em compras

D/ 31X Compras C/ 221 Fornecedores c/c

D/ 718 Descontos a abatimentos em vendas C/ 211 Clientes c/c

D/ 211 Clientes c/c C/ 71X Vendas

Descontos financeiros obtidos em compras ou concedidos em vendas

Descontos obtidos e concedidos em pagamentos (pronto pagamento e antecipação de pagamento)

Financeiros (compras) Extra-fatura

(pode conduzir à regularização do IVA)

Incluídos na fatura

(compra registada pelo valor líquido)

Financeiros (vendas) Extra-fatura

(pode conduzir à regularização do IVA)

Incluídos na fatura

(rédito da venda registado pelo valor líquido)

Adiantamentos de clientes

Adiantamentos com preço não fixado

(ou monetários)

Adiantamentos com preço fixado

(ou não monetários)

Adiantamentos a fornecedores

Adiantamentos com preço não fixado

(ou monetários)

Adiantamentos com preço fixado

(ou não monetários)

D/ 221 Fornecedores c/c C/ 782 Descontos de pronto pagamento obtidos

D/ 31X Compras C/ 221 Fornecedores c/c C/ 782 Descontos de pronto pagamento obtidos

D/ 682 Descontos de pronto pagamento obtidos C/ 211 Clientes c/c

D/ 682 Descontos de pronto pagamento obtidos D/ 211 Clientes c/c C/ 71X Vendas

D/ 12 Depósitos à ordem C/ 218 Adiantamentos de clientes C/ 2433 IVA Liquidado

D/ 12 Depósitos à ordem C/ 276 Adiantamentos por conta de vendas C/ 2433 IVA Liquidado

D/ 229 Adiantamentos a fornecedores C/ 2432 IVA Dedutível C/ 12 Depósitos à ordem

D/ 39 Adiantamentos por conta de compras C/ 2432 IVA Dedutível C/ 12 Depósitos à ordem

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração 2 2 2 I I

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

222 IIInnnccciiidddêêênnnccciiiaaa

IInncciiddêênncciiaa rreeaall oouu oobbjjeettiivvaa

Operação sujeita a IVA se se verificarem cumulativamente os seguintes requisitos (artº 1, CIVA)

que consista numa:cumulativamente os seguintes requisitos (artº 1, CIVA)  transmissão de bens (artº 3, CIVA)  prestação

transmissão de bens (artº 3, CIVA)

prestação de serviços (artº 4, CIVA)

importação (artº 5, CIVA)

operação intracomunitária (tal como é definida e regulada no RITI)

que seja efetuada a título onerosointracomunitária (tal como é definida e regulada no RITI) por um sujeito passivo agindo como tal

por um sujeito passivo agindo como tale regulada no RITI) que seja efetuada a título oneroso que seja efetuada no território nacional

que seja efetuada no território nacional (artº 6, CIVA) (artº 6, CIVA)

Situações

sujeitas a

Imposto

(artº 1, CIVA)

Transmissões de bens

(artº 3, CIVA)

Prestações de serviços

(artº 4, CIVA)

Importação de bens

(artº 5, CIVA)

Operações Intracomunitárias de Bens (RITI)

Transferência onerosa de bens corpóreos por forma correspondente ao exercício do direito de propriedade

Todas as operações efetuadas a título oneroso que não sejam transmissões ou importações de bens

Entrada de bens em território nacional (países e territórios terceiros)

Conforme o Regime do IVA nas Transações Intracomunitárias de Bens

(RITI DL 290/92, de 24.12)

Transmissões de bens e prestações de serviços

exige-se que sejam realizadas por um sujeito passivo agindo como talde 24.12) Transmissões de bens e prestações de serviços a sua sujeição significa a inclusão no

a sua sujeição significa a inclusão no exercício de uma atividade económicaque sejam realizadas por um sujeito passivo agindo como tal ou, configuração como operações realizadas de

ou, configuração como operações realizadas de modo independente e com caráter económicoa inclusão no exercício de uma atividade económica Sendo um imposto sobre a despesa exige-se que

Sendo um imposto sobre a despesa

exige-se que sejam efetuadas a título oneroso (existindo assimilações de transmissões gratuitas) (existindo assimilações de transmissões gratuitas)

condição de sujeição que tais operações sejam realizadas em território nacionala título oneroso (existindo assimilações de transmissões gratuitas) 1 1 2 2 Setembro de 2012 Carlos

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADE Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração Importações de bens
FISCALIDADE
Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração
Importações de bens

respeito pelo princípio do destino, que modela o funcionamento do imposto no comércio internacional/ Contabilidade e Administração Importações de bens determina a sua sujeição qualquer que seja a entidade

determina a sua sujeição qualquer que seja a entidade que as realiza (sujeito passivo ou mero consumidor final)modela o funcionamento do imposto no comércio internacional quer as mesmas sejam efetuadas a título oneroso

quer as mesmas sejam efetuadas a título oneroso ou gratuitoque as realiza (sujeito passivo ou mero consumidor final) Condição: bens que deem entrada, para consumo,

Condição: bens que deem entrada, para consumo, em território nacional

As transações intracomunitárias de bens

tributação das transmissões de bens, a título oneroso, efetuadas entre sujeitos passivos de 2 diferentes Estados-membros da União Europeianacional As transações intracomunitárias de bens expedição ou transporte dos bens de um Estado-membro para

expedição ou transporte dos bens de um Estado-membro para outropassivos de 2 diferentes Estados-membros da União Europeia T T r r a a n n

TTrraannssmmiissssõõeess ddee bbeennss

Transferência onerosa de bens corpóreos por forma correspondente ao exercício do direito de propriedade

não é exigível que o transmitente seja titular do direito de propriedadeforma correspondente ao exercício do direito de propriedade Assimilados a bens corpóreos: energia elétrica, gás,

Assimilados a bens corpóreos:

energia elétrica, gás, calor, frio e similaresdo direito de propriedade Assimilados a bens corpóreos: S S i i t t u u

SSiittuuaaççõõeess aassssiimmiillaaddaass aa ttrraannssmmiissssõõeess ddee bbeennss (artº 3, nº 3, CIVA)

entrega de bens em execução de um contrato de locação-vendaõ e e s s d d e e b b e e n n s

entrega de bens móveis vendidos com reserva de propriedadede bens em execução de um contrato de locação-venda transferência de bens entre comitente e comissário

transferência de bens entre comitente e comissárioentrega de bens móveis vendidos com reserva de propriedade não devolução ao consignante, no prazo de

não devolução ao consignante, no prazo de 1 ano, dos bens entregues em consignação ao consignatáriotransferência de bens entre comitente e comissário entrega de bens móveis produzidos ou montados sob encomenda

entrega de bens móveis produzidos ou montados sob encomenda (totalidade dos materiais fornecida pelo SP que os produziu ou montou)1 ano, dos bens entregues em consignação ao consignatário autoconsumo externo e transmissão gratuita dos bens

autoconsumo externo e transmissão gratuita dos bens da empresa, quando tenha havido dedução do IVA nelas incorporadodos materiais fornecida pelo SP que os produziu ou montou) afetação a setor isento ou ao

afetação a setor isento ou ao ativo fixo de bens constantes no artº 21, nº 1, CIVA, se tiverem beneficiado do direito à deduçãogratuita dos bens da empresa, quando tenha havido dedução do IVA nelas incorporado 1133 Setembro de

1133
1133

Setembro de 2012

Carlos Lázaro

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração C C o o n

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

CCoonnttrraattooss ddee llooccaaççããoo--vveennddaa (artº 3, nº 3, a), CIVA)

A entrega material de bens em execução de um contrato de locação com cláusula, vinculante para

ambas as partes, de transferência de propriedade

Facto gerador: colocação dos bens à disposição (artº 7, nº 1, a) e nº 7, CIVA) (artº 7, nº 1, a) e nº 7, CIVA)

Antecipação da transmissão fiscal face à transmissão civil (as posteriores rendas são irrelevantes (as posteriores rendas são irrelevantes

para efeitos de IVA)

Não se inclui:

locação financeira “leasing” e contratos ALD (serviços, artº 4, CIVA) (serviços, artº 4, CIVA)

no leasing a transmissão / aquisição do bem é apenas facultativa, no caso de o locatário entender dever exercer a opção de compra“leasing” e contratos ALD (serviços, artº 4, CIVA) V V e e n n d d

VVeennddaa aa pprreessttaaççõõeess ccoomm rreesseerrvvaa ddee pprroopprriieeddaaddee (artº 3, nº 3, b), CIVA)

A entrega material de bens móveis no âmbito de um contrato de compra e venda que preveja a reserva de propriedade até ao pagamento total ou parcial do preço

Facto gerador: colocação dos bens à disposição (artº 7, nº 1, a) e nº 7, CIVA) (artº 7, nº 1, a) e nº 7, CIVA)

Antecipação da transmissão fiscal face à transmissão civil (as posteriores rendas são irrelevantes para efeitos de IVA)dos bens à disposição (artº 7, nº 1, a) e nº 7, CIVA) Irrelevantes para efeitos

Irrelevantes para efeitos de IVA as prestações periódicas (assim como os eventuais juros nelas (assim como os eventuais juros nelas

incluídas)

Contratos de locação-venda e venda a prestações com reserva de propriedade

Por se tratarem de contratos com condição suspensiva, a transmissão jurídica do bem só ocorrerá no momento em que se verifique a condição

isto é, no momento em que se mostre cumprida a obrigação que incumbe ao adquirente (pagamento total ou parcial)só ocorrerá no momento em que se verifique a condição A solução adotada foi a de

A solução adotada foi a de fazer prevalecer os efeitos económicos decorrentes daqueles contratos

sobre os efeitos jurídicos dos mesmos resultantes

EExxeemmpplloo

Venda a prestações com reserva de propriedade

Em 5 de Março do ano N, a empresa X, Lda, procedeu à entrega à empresa Y, Lda, de móveis fabricados segundo encomenda desta.

Fatura emitida em 9 de Março de N, sendo de 10.000 € com um desconto de 5% e o pagamento em 20 prestações mensais no valor de 550 €, com reserva de propriedade até ao pagamento total

Base tributável: 10.000 – 5% × 10.000 = 9.500 € – 5% × 10.000 = 9.500 €

Os juros não se incluem da base tributáveltotal Base tributável: 10.000 – 5% × 10.000 = 9.500 € Facto gerador: entrega dos bens

Facto gerador: entrega dos bens à disposição - 5 de Março de N10.000 – 5% × 10.000 = 9.500 € Os juros não se incluem da base tributável

Exigibilidade: 9 de Março de N9.500 € Os juros não se incluem da base tributável Facto gerador: entrega dos bens à

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração T T r r a

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

TTrraannssffeerrêênncciiaa ddee bbeennss eennttrree ccoommiitteennttee ee ccoommiissssáárriioo (artº 3, nº 3, c), CIVA)

Contrato de comissão (lei comercial)

mandato sem representação3, nº 3, c), CIVA) Contrato de comissão (lei comercial) carateriza-se pelo facto de o comissário

carateriza-se pelo facto de o comissário atuar em nome próprio e por conta de outrem, o comitentede comissão (lei comercial) mandato sem representação Situação diferente, a figura habitualmente designada de

Situação diferente, a figura habitualmente designada de comissionista

mandatário que atua em nome e por conta de outremdiferente, a figura habitualmente designada de comissionista A razão resulta da necessidade de ficcionar a existência

A razão resulta da necessidade de ficcionar a existência de uma transmissão tributável

entre comitente e comissário, numa comissão de vendade ficcionar a existência de uma transmissão tributável ou entre comissário e comitente, se se tratar

ou entre comissário e comitente, se se tratar de uma comissão de compraentre comitente e comissário, numa comissão de venda Transferência dos bens habitualmente efetuada diretamente

Transferência dos bens habitualmente efetuada diretamente do comitente vendedor para o terceiro adquirente, na comissão de venda, ou de terceiro vendedor para o comitente comprador na comissão de compra

Respeita a normal mecânica e funcionamento do IVA

evitar a quebra da cadeia das deduçõesde compra Respeita a normal mecânica e funcionamento do IVA uma vez que ao comitente que

uma vez que ao comitente que suportou o imposto na aquisição ou no fabrico do bem não seria concedido o direito à dedução por inexistência de operação tributável a jusantedo IVA evitar a quebra da cadeia das deduções E E x x e e m

EExxeemmpplloo:: Transferência de bens entre comitente e comissário

 

B, comissário, vende a um adquirente C, mercadorias no valor de 5.000 €, por ordem do comitente A, o qual as havia adquirido a F por 3.500 € (com IVA de 805 €)

Supondo que a comissão de B é de 10%, e que a taxa é de 23%:

 
na venda efetuada a C, o comissário B liquida 1.1 50 € (5.000 x 2

na venda efetuada a C, o comissário B liquida 1.150 € (5.000 x 23%)

 
o comitente A, na sequência da transmissão ficcionada que faz a B, emite uma fatura

o

comitente A, na sequência da transmissão ficcionada que faz a B, emite uma fatura pelo

valor de 4.500 € (5.000 – 10% x 5.000) de acordo com o artº 16º, nº 2, e), CIVA, liquidando o

correspondente montante de IVA de 1.035 € (4.500 x 23%)

 
com este procedimento ficam reunidos os pressupostos para que A possa deduzir a importância de

com este procedimento ficam reunidos os pressupostos para que A possa deduzir a importância de 805 € de IVA que lhe foi liquidado por F, significando uma entrega de IVA ao Estado por conta desta operação de 230 € (1.035 805)

entrega também 11 5 €, correspondente à diferença entre o IVA liquidado a C (1.

entrega também 115 €, correspondente à diferença entre o IVA liquidado a C (1.150 €) e o IVA suportado de A (1.035 €)

B

 

AA

CC

 

((CCoommiitteennttee))

((CClliieennttee))

IVA entregue ao Estado:

 

Envio dos bens

 

por B: 1.150 – 1.035 = 11 5 € 1.035 = 115 €

Transmissão de

 

por A: 1.035 – 805 = 23 0 € 805 = 230 €

 

bens

BB

Transmissão

(ficcionada)

 

((CCoommiissssáárriioo))

de bens

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração E E x x e

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

EExxeemmpplloo:: Transferência de bens entre comitente e comissário

Se B, atuasse em nome e por conta de A:

A, pela venda a C, liquidaria, na fatura emitida, a quantia de 1.150 € 50 €

B, pelo serviço prestado a A no valor de 500 €, emitiria a correspondente fatura com liquidação de IVA no montante de 11 5 €, quantia esta a entregar tura com liquidação de IVA no montante de 115 €, quantia esta a entregar nos cofres do Estado

A, que havia liquidado 1.150 € e suportado 80 5 € na compra do bem a F e 1 50 € e suportado 805 € na compra do bem a F e 115 € no serviço que lhe é prestado por B, deduziria então 920 €, a significar um valor de IVA a pagar no quantitativo de 230 €

B atua em nome e por conta de A:

AA

((CCoommiitteennttee))

Prestação de

serviços

Transmissão de bens

Envio dos bens

BB

((CCoommiissssáárriioo))

CC

((CClliieennttee))

IVA entregue ao Estado:

115 €

por A: 1.150 – 920 = 23 0 € 920 = 230 €

por B:IVA entregue ao Estado: 11 5 € por A: 1.150 – 920 = 23 0 €

RReemmeessssaa ddee mmeerrccaaddoorriiaass àà ccoonnssiiggnnaaççããoo (artº 3, nº 3, c), CIVA)

Contrato de consignação

é um mandato comercial, em que o consignante (mandante) entrega, temporariamente existências a um terceiro – o consignatário (mandatário) o consignatário (mandatário)

para que este proceda à sua venda, por conta e ordem do consignante, auferindo por essa intermediação uma comissãoa um terceiro – o consignatário (mandatário) mandato comercial regulado pelo artº 231 a 247, Código

mandato comercial regulado pelo artº 231 a 247, Código Comercial e artº 1157 e seguintes, Código Civilauferindo por essa intermediação uma comissão As existências em poder do consignatário, sendo este por

As existências em poder do consignatário, sendo este por elas responsável, não são, contudo, sua propriedade pois estas pertencem ao consignante

Fatura inicial emitida

aquando do envio da mercadoria ao consignatário deve ser emitida fatura, no prazo de cinco dias úteispois estas pertencem ao consignante Fatura inicial emitida esta fatura, numerada com uma série diferente, deve

esta fatura, numerada com uma série diferente, deve conter todos os requisitos previstos no artº 36, nº 5, CIVA e do DL 147/2003, 11 de Julho, e deve ainda conter a menção de que se tratam de mercadorias à consignaçãodeve ser emitida fatura, no prazo de cinco dias úteis por essa remessa de existências não

por essa remessa de existências não há liquidação de IVA, devendo ser mencionado nesta fatura “Sem IVA – artº 7, nº 5, CIVA” “Sem IVA – artº 7, nº 5, CIVA”

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADEManual do IVA 2012/2013 Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração Remessa de mercadorias à consignação

Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração

Remessa de mercadorias à consignação

Fatura definitiva emitida

aquando da venda pelo consignatáriode mercadorias à consignação Fatura definitiva emitida ou quando tiver decorrido um ano a contar da

ou quando tiver decorrido um ano a contar da entrega ao destinatário, se essas existências não tiverem sido vendidas ou devolvidasdefinitiva emitida aquando da venda pelo consignatário A A … … C C … … (

AA

CC

((CCoonnssiiggnnaannttee))

Envio dos

bens

((CClliieennttee))

 

Transmissão de

 
 

bens

Transmissão de

(ficcionada)

BB

((CCoonnssiiggnnaattáárriioo))

bens

Ou não devolução dos bens no prazo de 1 ano

EExxeemmpplloo:: Remessa de mercadorias à consignação

 

Em 15.01.N: Fatura provisória sem IVA (artº 37, nº 1, a), CIVA)

O nascimento da obrigação de liquidação do IVA ocorre no consignante, quando o consignatário, posteriormente, vender as mercadorias (artº 7, nº 5, CIVA)

Caso os bens permaneçam junto do consignatário por um período superior a um ano, ao perfazer um ano ocorre o facto gerador (artº 7, nº 6, CIVA)

Nesta altura, o comitente emite a fatura definitiva, com IVA, ocorrendo a exigibilidade do IVA

(artº 37, nº 1, b), CIVA)

 

Hipótese 1:

 

Em 15.01.N+1

 

Os bens ainda não haviam sido vendidos por B… nem devolvidos a A…

considera-se facto gerador de IVA em 15.01.N+1 

 
 

(IVA exigível a A… nessa data)

B… poderá deduzi-lo com base em fatura ou documento equivalente -lo com base em fatura ou documento equivalente

se B… entretanto vender os bens a C… em 01.03.N+1 .03.N+1

 
 

liquida IVA na fatura a C…

Hipótese 2:

Em 05.01.N+1

 
B… vende a C… os bens (ainda não havia decorrido 1 ano)

B… vende a C… os bens (ainda não havia decorrido 1 ano)

Assim, facto gerador de IVA em 05.01.N+1 para as 2 vendas:

de A… para B…

e de B… para C…

1177

Setembro de 2012

Carlos Lázaro

Manual do IVA 2012/2013

FISCALIDADE Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração Remessa de mercadorias à consignação
FISCALIDADE
Gestão de Empresas / Contabilidade e Administração
Remessa de mercadorias à consignação

Tratamento contabilístico

as mercadorias em poder do consignatário não são sua propriedade sendo apenas por elas responsável, pois as mesmas pertencem ao consignantede mercadorias à consignação Tratamento contabilístico assim, o consignatário não terá que as contabilizar,

assim, o consignatário não terá que as contabilizar, devendo, apenas, proceder a registoselas responsável, pois as mesmas pertencem ao consignante extracontabilísticos A remessa de mercadorias pelo

extracontabilísticos

A remessa de mercadorias pelo consignante ao consignatário não determina, só por si, o nascimento

da obrigação de imposto

só por si, o nascimento da obrigação de imposto a obrigação verificar-se-á quando se der a

a obrigação verificar-se-á quando se der a transmissão para terceiro

Para não prolongar indefinidamente o período de suspensão de IVA

estabelece-se uma presunção de transmissãoprolongar indefinidamente o período de suspensão de IVA quando as mercadorias não sejam devolvidas ao consignante

quando as mercadorias não sejam devolvidas ao consignante no prazo de 1 ano a contar da remessa ao consignatáriode IVA estabelece-se uma presunção de transmissão A não devolução, no prazo de 1 ano a

A não devolução, no prazo de 1 ano a contar da entrega ao destinatário, de mercadorias enviadas á

consignação (artº 3, nº 3, d), CIVA)

venda à consignação (exemplo: jornais, combustíveis, automóveis, etc.) (exemplo: jornais, combustíveis, automóveis, etc.)

EEnnttrreeggaa dd