Вы находитесь на странице: 1из 42
Estrutura da Matéria Teoria dos Orbitais Moleculares Aula 10

Estrutura da Matéria

Teoria dos Orbitais Moleculares
Teoria dos Orbitais Moleculares

Aula 10

2
2

Limitações da TLV

2 Limitações da TLV

Modelos de elétrons localizados entre os átomos viola as regras da Mecânica Quântica

Não explica convenientemente

- Propriedade ópticas (cores dos materiais e minerais)

- Propriedades elétricas (condutor, semicondutor, isolante)

- Propriedades magnéticas (ex: O 2 )

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

3
3

Paramagnetismo do O 2

3 Paramagnetismo do O 2

Como explicar ?

3 Paramagnetismo do O 2 Como explicar ? É necessária a existência de elétrons desemparelhados para

É necessária a existência de elétrons desemparelhados para que haja interação com o campo magnético aplicado

para que haja interação com o campo magnético aplicado A TLV indica que todos os elétrons

A TLV indica que todos os

elétrons nos orbitais da

molécula de O 2 estão

emparelhados

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

da molécula de O 2 estão emparelhados Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010 Teoria

Teoria do Orbital Molecular

4
4
4 Orbitais moleculares: base teórica Elaborada inicialmente por Robert Mulliken - 1935 Orbitais moleculares : –
Orbitais moleculares: base teórica
Orbitais moleculares: base teórica

Elaborada inicialmente por Robert Mulliken - 1935

Orbitais moleculares:

Cada um contém no máximo dois elétrons;

Têm energias definidas;

Podem ser visualizados com diagramas de contorno;

Estão associados à molécula como um todo.

Na TOM a combinação de 2 orbitais atômicos produz 2 orbitais

moleculares espalhados por toda a molécula.

• Na TLV a combinação de dois orbitais atômicos produz apenas

um novo orbital molecular localizado entre os átomos.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

5
5

Orbitais moleculares: base teórica

5 Orbitais moleculares: base teórica

Combinação linear de orbitais atômicos (LCAO)

Procedimento matemático (combinação de função de onda)

Construção

dos

orbitais

moleculares

a

partir

dos

atômicos de cada átomo.

orbitais

Combinação linear: Adição e subtração das funções de cada orbital

atômico, onde cada termo tem sua contribuição ou seja, um

coeficiente de participação

apenas os orbitais atômicos (AO) da camada de valência são incluídos: conjunto base

Importante:

OM estão espalhados por toda a molécula.

Cada OM tem uma contribuição x de cada AO.

x varia muito (moléculas átomos iguais e/ou diferentes)

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

6
6
6 Orbitais moleculares: base teórica • Os orbitais atômicos estão isolados nos átomos. • Orbitais moleculares
Orbitais moleculares: base teórica
Orbitais moleculares: base teórica

Os orbitais atômicos estão isolados nos átomos.

Orbitais moleculares incluem dois ou mais átomos

Obtidos através de LCAO (CLOA):

Combinação Linear de Orbitais Atômicos (OA)

Ψ 1 = C A f 1 (A) + C B f 2 (B)

Ψ 2 = C A f 1 (A) - C B f 2 (B)

Para moléculas

homonucleares

C A = C B

Para heteronucleares

C A ≠ C B

Quanto maior for o coeficiente, maior é a contribuição para o orbital molecular

maior é a contribuição para o orbital molecular Orbital molecular ligante Orbital molecular antiligante

Orbital molecular ligante

Orbital molecular

antiligante

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

7
7
7 Orbitais moleculares: base teórica Y + = orbital molecular ligante, resulta da sobreposição da função
Orbitais moleculares: base teórica
Orbitais moleculares: base teórica

Y + = orbital molecular ligante, resulta da sobreposição da função de onda de mesmo sinal interferência construtiva

de onda de mesmo sinal – interferência construtiva Y + 2 = N 2 { f

Y + 2 = N 2 {f1s(A) + f1s(B)} 2

construtiva Y + 2 = N 2 { f 1s(A) + f 1s(B)} 2 Y 2

Y 2 é a probabilidade de encontrar o elétron na molécula

Y - = orbital molecular anti-ligante, resulta da sobreposição da função de onda de sinal oposto interferência destrutiva

de onda de sinal oposto – interferência destrutiva Y - 2 = N 2 { f

Y - 2 = N 2 {f1s(A) - f1s(B)} 2

destrutiva Y - 2 = N 2 { f 1s(A) - f 1s(B)} 2 Estrutura da

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

• 2 orbitais 1s se sobrepõem na mesma região do espaço • Possuem o mesmo

2 orbitais 1s se sobrepõem na mesma

região do espaço

Possuem o mesmo sinal Funções de onda interferem construtivamente (linhas azuis) Forma regiões com maiores amplitudes entre os dois núcleos (linha preta).

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

(linha preta). Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010 • 2 orbitais 1s se sobrepõem

2 orbitais 1s se sobrepõem na mesma

região do espaço

Possuem sinais opostos Funções de onda interferem destrutivamente (linhas azuis) Origina regiões de menor amplitude e um nó entre os dois núcleos (linha preta).

Teoria do Orbital Molecular

9
9

Orbitais moleculares: base teórica

9 Orbitais moleculares: base teórica Para moléculas diatômicas homonucleares (Li 2 , Be 2 , B

Para moléculas diatômicas homonucleares (Li 2 , Be 2 , B 2 etc.), os OAs combinam-se de acordo com as seguintes regras:

O número de OMs = número de OAs;

Os OAs de energia similar se combinam;

À medida que aumenta a superposição, menor é a energia do OM

gerado;

O princípio de Exclusão de Pauli se aplica, cada OM tem no

máximo dois elétrons;

A regra de Hund se aplica, para orbitais degenerados (mesma

energia), cada OM é inicialmente ocupado por um elétron.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

Orbitais moleculares: base teórica 10
Orbitais moleculares: base teórica
10
Orbitais moleculares: base teórica 10 Como construir? 1. Determinar quais AO da camada de valência de
Orbitais moleculares: base teórica 10 Como construir? 1. Determinar quais AO da camada de valência de

Como construir?

1.

Determinar quais AO da camada de valência de cada átomo pode formar

OM de mesma simetria.

2.

Fazer a combinação dos AO. Gerar os OM e

3.

Distribuir em ordem crescente de energia

4.

Adicionar o total de elétrons

Distribuição de elétrons obedece às regras de exclusão de Pauli e de Hund. Os OM são ocupados em ordem crescente de energia.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

11
11
Orbitais moleculares: terminologia
Orbitais moleculares: terminologia
11 Orbitais moleculares: terminologia • Os orbitais moleculares são classificados como σ, π e δ de

Os orbitais moleculares são classificados como σ, π e δ de acordo com a simetria da rotação ao longo do eixo de ligação

No caso de orbitais moleculares centrossimétricos, os mesmos

recebem o sufixo g (par) ou u (ímpar) de acordo com a simetria em relação ao centro de inversão (paridade do orbital).

em relação ao centro de inversão ( paridade do orbital ). Formação de orbitais σ Formação

Formação de orbitais σ

inversão ( paridade do orbital ). Formação de orbitais σ Formação de orbitais π Formação de

Formação de orbitais π

). Formação de orbitais σ Formação de orbitais π Formação de orbitais δ Estrutura da Matéria

Formação de orbitais δ

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

de orbitais δ Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010 O orbital σ ligante é

O orbital σ ligante é par (g) e o antiligante ímpar (u)

O orbital π ligante é ímpar (u) e o antiligante é par (g)

Teoria do Orbital Molecular

12
12
12 Orbitais moleculares a partir de orbitais atômicos p
Orbitais moleculares a partir de orbitais atômicos p
Orbitais moleculares a partir de orbitais
atômicos p
12 Orbitais moleculares a partir de orbitais atômicos p

Existem duas formas nas quais dois orbitais p se superpõem:

os

Frontalmente:

densidade

eletrônica

no

eixo

entre

(orbital do tipo );

núcleos

Lateralmente: densidade eletrônica acima e abaixo do eixo entre os núcleos (orbital do tipo ).

Os seis orbitais p (dois conjuntos de 3)

devem originar seis OM: , * , , * , e *

Conseqüentemente, há um máximo de 2

ligações que podem vir de orbitais p.

As energias relativas desses seis

orbitais podem mudar.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

relativas desses seis orbitais podem mudar. Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010 Teoria do

Teoria do Orbital Molecular

13
13
13 Orbital molecular para o H 2

Orbital molecular para o H 2

13 Orbital molecular para o H 2 10m09an1.mov 10m09an2.mov Estrutura da Matéria - 1º Semestre de

10m09an1.mov

10m09an2.mov

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

molecular para o H 2 10m09an1.mov 10m09an2.mov Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010 Teoria

Teoria do Orbital Molecular

14
14
14 Ordem de ligação

Ordem de ligação

Espécies estáveis possuem mais elétrons em

orbitais ligantes do que em orbitais antiligantes.

em orbitais ligantes do que em orbitais antiligantes. • Ordem de ligação = 1 para uma

Ordem de ligação = 1 para uma ligação simples.

Ordem de ligação = 2 para uma ligação dupla.

Ordem de ligação = 3 para uma ligação tripla.

São possíveis ordens de ligação fracionárias.

Para o H 2

Ordem de ligação = ½ (2-0) = 1

Conseqüentemente, o H 2 tem uma ligação simples.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

15
15
15 Porque o H 2 + é instável e o He 2 não existe?
15 Porque o H 2 + é instável e o He 2 não existe?
15 Porque o H 2 + é instável e o He 2 não existe?

Porque o H 2 + é instável e o He 2 não existe?

 - E  +
-
E
+

H 2 + : 1 elétron

1e - no orbital 1é menos efetivo para estabilizar a molécula, apesar do orbital ter energia menor.

 - He 2 : 4 elétrons E E - pois vai haver 2e -
-
He 2 : 4 elétrons
E
E
-
pois vai haver 2e - no orbital anti-ligante
que desestabiliza a molécula
E
+
+
Ordem de ligação: O.L. = ½ ( + –  - )

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

16
16
16 Propriedade da Ligação

Propriedade da Ligação

Um valor grande para OL reflete num valor elevado para a variação de entalpia de dissociação da molécula, no caso para N 2 é de +946 kJ.mol -1

(uma das maiores!!!)

para N 2 é de +946 kJ.mol - 1 (uma das maiores!!!) Estrutura da Matéria -

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

17
17
17 Propriedade da Ligação

Propriedade da Ligação

Outro ponto:

quanto maior a ordem da ligação, menor o comprimento da ligação!

a ordem da ligação, menor o comprimento da ligação! Estrutura da Matéria - 1º Semestre de

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

18
18
Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para
moléculas homonucleares do 2º período
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período Moléculas diatômicas homonucleares - Período 2 (8 O.A)

Moléculas diatômicas homonucleares - Período 2 (8 O.A) Como construir? 1. Definir o eixo da ligação como sendo o eixo z 2. Dois tipos de sobreposição e

Quem poderá formar OM e ?

z z z
z z z
z z z
z z z
s s s s s s z z
s s
s
s s
s
z z
z z
z
z
p p s s z z p z p z p z p z z
p
p
s s
z
z
p z
p z
p z
p z
z
z z
p x
p x
p x
p x
p x
p x
z z z
z z
z

19
19
19 Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para
moléculas homonucleares do 2º período
19 Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período

orbitais 2s têm menos

energia do que os orbitais 2p,

têm

menos energia do que os orbitais 2p.

Há maior superposição entre orbitais 2p z , o OM 2p tem menos energia do que os orbitais 2p.

Os

logo, os orbitais 2s

Há uma superposição maior entre orbitais 2p z , logo, o OM *2p tem maior energia do que os orbitais *2p.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

 *2 p . Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010 À medida que o

À medida que o número atômico aumenta,

o orbital 2s em um átomo passa a interagir

menos com o orbital 2p no outro. Com a

diminuição da interação 2s-2p, o 2p

diminui em energia e o orbital 2p aumenta em energia

Teoria do Orbital Molecular

20
20
20 Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para
moléculas homonucleares do 2º período
20 Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período Li 2 , Be 2 , B 2 ,
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período Li 2 , Be 2 , B 2 ,

Li 2 , Be 2 , B 2 , C 2 , N 2

O 2 e F 2

21
21
Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para
moléculas homonucleares do 2º período
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período Diagrama de níveis de energia dos O.M. de moléculas

Diagrama de níveis de energia dos O.M. de moléculas do período 2

Li 2 N 2

4 2 3 1 2 1
4
2
3
1
2
1

F 2 e O 2

4 2 1 3 2 1
4
2
1
3
2
1

Por que a diferença de configuração entre os orbitais das moléculas F 2 O 2 e Li 2 N 2 ?

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

22
22
Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para
moléculas homonucleares do 2º período
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período Com o aumento de Z* no período, os elétrons
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período Com o aumento de Z* no período, os elétrons

Com o aumento de Z* no período, os elétrons estão mais fortemente ligados ao núcleo, a energia dos orbitais s e p são mais negativas. Isso está de acordo com o aumento da eletronegatividade.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

23
23
Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para
moléculas homonucleares do 2º período
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período Carga nuclear efetiva aumenta “A inversão das energias
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período Carga nuclear efetiva aumenta “A inversão das energias

Carga nuclear efetiva aumenta

“A inversão das energias entre e é atribuida ao aumento da

separação entre os orbitais 2s e 2p que ocorre ao se ir para a direita

ao longo do segundo período“

“ Mistura de funções de onda é mais intensa se as suas energias são similares. Portanto, à medida que a separação energética entre s e p aumenta, os orbitais moleculares tornam-se mais semelhantes

aos orbitais s e p puros.

24
24
Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para
moléculas homonucleares do 2º período
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período • Preenchimento para B 2 ?? • Preenchimento para

Preenchimento para B 2 ??

Preenchimento para N 2 ??

25
25
Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para
moléculas homonucleares do 2º período
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período Preenchimento para B 2 B: 1s 2 , 2s

Preenchimento para B 2 B: 1s 2 , 2s 2 , 2p 1

Preenchimento para B 2 B: 1s 2 , 2s 2 , 2p 1 Preenchimento para N

Preenchimento para N 2 N: 1s 2 , 2s 2 , 2p 3

Preenchimento para B 2 B: 1s 2 , 2s 2 , 2p 1 Preenchimento para N
26
26
Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para
moléculas homonucleares do 2º período
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período • Preenchimento para O 2 ?? • Preenchimento para

Preenchimento para O 2 ??

Preenchimento para F 2 ??

27
27
Diagrama de orbitais moleculares para moléculas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais moleculares para
moléculas homonucleares do 2º período
moleculares para moléculas homonucleares do 2º período Preenchimento para O 2 O: 1s 2 , 2s

Preenchimento para O 2 O: 1s 2 , 2s 2 , 2p 4

Preenchimento para O 2 O: 1s 2 , 2s 2 , 2p 4 Preenchimento para F

Preenchimento para F 2 F: 1s 2 , 2s 2 , 2p 5

4 Preenchimento para F 2 F: 1s 2 , 2s 2 , 2p 5 Elétrons desemparelhados
4 Preenchimento para F 2 F: 1s 2 , 2s 2 , 2p 5 Elétrons desemparelhados

Elétrons desemparelhados explica o paramagnetismo da molécula de O 2

para F 2 F: 1s 2 , 2s 2 , 2p 5 Elétrons desemparelhados explica o
28
28
28 Diagrama de orbitais para moléculas diatômicas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais para moléculas diatômicas homonucleares do 2º período
Diagrama de orbitais para moléculas
diatômicas homonucleares do 2º período
28 Diagrama de orbitais para moléculas diatômicas homonucleares do 2º período
para moléculas diatômicas homonucleares do 2º período Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010 Teoria

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

29
29
Variação da energia dos orbitais moleculares de moléculas diatômicas do 2º período
Variação da energia dos orbitais moleculares de
moléculas diatômicas do 2º período
moleculares de moléculas diatômicas do 2º período Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010 Teoria

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

30
30
Orbitais de fronteira
Orbitais de fronteira
30 Orbitais de fronteira • HOMO - highest occupied molecular orbital Sigla em inglês de orbital

HOMO - highest occupied molecular orbital

Sigla em inglês de orbital molecular ocupado de mais alta energia de acordo com o

princípio de preenchimento (regra de Hund)

LUMO lowest unoccupied molecular orbital

Sigla

em

inglês

de

orbital

molecular

desocupado de mais baixa energia

de orbital molecular desocupado de mais baixa energia LUMO HOMO Esses orbitais, chamados de orbitais de
de orbital molecular desocupado de mais baixa energia LUMO HOMO Esses orbitais, chamados de orbitais de

LUMO

HOMO

Esses orbitais, chamados de orbitais de fronteira, estão relacionados com as propriedades, estruturas e reatividade das moléculas.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

31 HOMO e LUMO
31
HOMO e LUMO

HOMO : orbital ocupado de maior energia

LUMO : orbital molecular não ocupado de menor energia

31 HOMO e LUMO • HOMO : orbital ocupado de maior energia • LUMO : orbital
32
32
32 Orbitais moleculares para moléculas heteronucleares
Orbitais moleculares para moléculas heteronucleares
Orbitais moleculares para moléculas
heteronucleares
32 Orbitais moleculares para moléculas heteronucleares

Moléculas diatômicas heteronucleares são polares. Elétrons

ligantes têm a tendência de serem encontrados no átomo mais

eletronegativo e os antiligantes no átomo menos eletronegativo.

e os antiligantes no átomo menos eletronegativo. Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010 Caráter
e os antiligantes no átomo menos eletronegativo. Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010 Caráter
e os antiligantes no átomo menos eletronegativo. Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010 Caráter

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Caráter iônico aumenta

Teoria do Orbital Molecular

Diagrama de orbital molecular do HF 33 • Orbitais atômicos envolvidos: 1s do H e

Diagrama de orbital molecular do HF

33
33

Orbitais atômicos envolvidos: 1s do H e 2s e 2p do F (8e - no total para serem acomodados nos orbitais do HF)

Orbitais moleculares são gerados pela sobreposição do orbital 1s do H com o 2s e o 2p z do F.

Ψ = C 1 f 1s (H) + C 2 f 2s (F) + C 3 f 2pz (F)

Os orbitais atômicos 2p x e 2p y do F não têm simetria adequada para interagir com o orbital s do H. Esses orbitais ficam inalterados no

diagrama de orbitais moleculares do HF e são chamados de orbitais não-ligantes.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

Diagrama de orbital molecular do HF 34 Distribuição eletrônica nos OMs: 1 σ 2 2

Diagrama de orbital molecular do HF

34
34
Diagrama de orbital molecular do HF 34 Distribuição eletrônica nos OMs: 1 σ 2 2 σ

Distribuição eletrônica nos OMs:

1σ 2 2σ 2 1π 4

Todos elétrons ocupam orbitais localizados sobre o átomo de F:

polaridade da molécula

Os orbitais moleculares π (HOMO) são orbitais não ligantes.

O

orbital

molecular

3σ

(LUMO)

é

antiligante

 

e

concentrado

essencialmente eletronegativo (H).

no

átomo

menos

Os orbitais moleculares 1σ e 2σ são

ligantes e concentrados sobre o átomo mais eletronegativo (F).

Como

a

molécula

não

é

centrossimétrica a notação de paridade do orbital (g e u) não é utilizada.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

35
35

Diagrama de orbital molecular do CO

35 Diagrama de orbital molecular do CO • Orbitais atômicos envolvidos: 2s e 2p do C

Orbitais atômicos envolvidos: 2s e 2p do C e 2s e 2p do O (10e - no total para serem acomodados nos orbitais do CO)

Orbitais moleculares são gerados pela sobreposição do orbital 2s e 2p z do C com o 2s e o 2p z do O. Desta combinação são gerados 4 OMs

.

Ψ = C 1 f 2s (C) + C 2 f 2pz (C) + C 3 f 2s (O) + C 4 f 2pz (O)

Os orbitais atômicos 2p x e 2p y do C e do O se combinam para formar 4 OMs do tipo π.

Ψ = C 1 f 2px (C) + C 2 f 2py (C) + C 3 f 2px (O) + C 4 f 2py (O)

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

36
36
Diagrama de orbital molecular do CO
Diagrama de orbital molecular do CO
36 Diagrama de orbital molecular do CO A distribuição eletrônicas nos OMs do CO está relacionada

A distribuição eletrônicas nos OMs do CO está relacionada com a reatividade em relação à formação de ligações químicas com metais de

transição: toxicidade do CO (ligação forte com

Fe da hemoglobina)

O orbital molecular 3σ é antiligante (HOMO) e contém um par de elétrons localizado sobre o átomo de C.

O par de orbitais moleculares 2π (LUMO) são antiligantes.

Os elétrons que participam da ligação estão concentrados sobre o átomo mais eletronegativo (O).

Como

a

molécula

não

é

centrossimétrica

a

notação

de

paridade do orbital (g e u) não é utilizada.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

37
37
37 OM para moléculas poliatômicas • Segue as mesmas bases das moléculas diatômicas • O par

OM para moléculas poliatômicas

Segue as mesmas bases das moléculas diatômicas

O par de elétrons em um orbital ligante ajuda a manter unida toda

a molécula e não apenas 1 par de átomos. Deslocalização explica a existência de moléculas deficientes em elétrons (ex:

B 2 H 6 - 12e - e 8 núcleos)

Deve ser levada em conta a simetria das moléculas (modifica a simbologia de descrição dos orbitais)

a, b orbitais moleculares não degenerados

e orbital molecular duplamente degenerado

t orbital molecular triplamente degenerado

A descrição de moléculas poliatômicas pode se tornar muito

complexa

Estrutura da Matéria 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

38
38
38 OM para H 2 O

OM para H 2 O

38 OM para H 2 O 2b 2 3a 1 1b 1 2a 1 1b 2

2b 2

3a 1 1b 1 2a 1 1b 2 1a 1
3a 1
1b 1
2a 1
1b 2
1a 1

6 orbitais atômicos (1 O2s, 3 O2p e 2 H1s) que se combinam

orbitais

moleculares e um total de 8

serem

para

formar

6

elétrons

para

acomodados

OM que não tem nodo entre átomos vizinhos é totalmente ligante.

OM com nodos entre todos os átomos vizinhos é totalmente

antiligante.

1b 1 não ligante 1a 1 e 1b 2 principais responsáveis pela ligação 2a 1 e 1b 1 pares de elétrons isolados do O (Lewis)

Estrutura da Matéria 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

39
39
39 Exercícios

Exercícios

1 Desenhe o diagrama dos orbitais moleculares e determine a ordem de ligação esperada para cada uma das espécies: (a) B 2 ; (b) B 2 - (c) B 2 + . Decida se cada uma dessas moléculas tem caráter paramagnético ou diamagnético.

2 Com base no diagrama de orbitais moleculares do O 2 , dê a configuração dos orbitais de valência do (a) O 2 - ; (b) O 2 + ; (c) O 2 2- . Dê a ordem de ligação de cada uma dessas moléculas. Diga se são paramagnéticas ou diamagnéticas e se orbital HOMO tem caráter sigma ou pi?

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

40
40
40 Exercícios - Respostas

Exercícios - Respostas

1 - Desenhe o diagrama dos orbitais moleculares e determine a ordem de ligação esperada para cada uma das espécies: (a) B 2 ; (b) B 2 - (c) B 2 + . Decida se cada uma dessas moléculas tem caráter paramagnético ou diamagnético.

moléculas tem caráter paramagnético ou diamagnético. B 2 , OL = 1, paramagnético B 2 -

B 2 , OL = 1, paramagnético

ou diamagnético. B 2 , OL = 1, paramagnético B 2 - , OL = 3/2,

B 2 - , OL = 3/2, paramagnético

= 1, paramagnético B 2 - , OL = 3/2, paramagnético B 2 + , OL

B 2 + , OL = 1/2, paramagnético

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

41
41
41 Exercícios - Respostas

Exercícios - Respostas

41 Exercícios - Respostas

2 Com base no diagrama de orbitais moleculares do O 2 , dê a configuração dos orbitais de valência do (a) O 2 - ; (b) O 2 + ; (c) O 2 2- . Dê a ordem de ligação de cada uma dessas moléculas. Diga se são paramagnéticas ou diamagnéticas e se orbital HOMO tem caráter sigma ou pi?

diamagnéticas e se orbital HOMO tem caráter sigma ou pi? - O 2 O 2 +
- O 2 O 2 + O 2 -2
-
O 2
O 2 +
O 2 -2

Ordem de ligação O 2 - = 1,5; O 2 + = 2,5; O 2 2- = 1

São paramagnéticos os compostos O 2 - e O 2 +

Em todos os casos o HOMO tem caráter pi

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular

42
42
42 Exercícios

Exercícios

1. Explique resumidamente a Teoria dos Orbitais Moleculares através da molécula de H 2 . Explique seu preenchimento e as implicações resultantes do preenchimento de orbitais moleculares anti-ligantes

2. Como se formam os orbitais e os orbitais ?

3. Quais as diferenças observadas na construção de diagramas de níveis de energia para moléculas homonucleares e heteronucleares?

4. Esquematize os OM para o F 2 e para o N 2 . a) Explique a inversão da ordem dos OM.

Estrutura da Matéria - 1º Semestre de 2010

Teoria do Orbital Molecular