You are on page 1of 100

FUNDAÇÃO MARIO COVAS

em revista
ano 1 - março 2009 - n º 1

comendas &
honrarias
Em revista

comendas &
honrarias
editorial

Os méritos de Covas
O êxito é sempre mérito da equipe; o erro é sempre culpa do chefe. Mario
Covas pensava assim e fazia questão de deixar claro seus princípios para quem
quer que fosse. Talvez por isso ficasse tão pouco à vontade quando recebia
uma condecoração por mérito pessoal. E não foram poucas as honrarias, nos
mais elevados graus, que recebeu em sua vida pública. Integram o acervo
da Fundação Mario Covas mais de 800 peças, entre comendas, medalhas,
diplomas, troféus, placas, salvas de prata e presentes diplomáticos curiosos,
como os porta-retratos oferecidos por Akihito e Michiko, o casal imperial do
Japão, numa rara visita a São Paulo e a seu então governador.

Ainda quando prefeito da cidade de São Paulo, Covas recebeu a Medalha


Brigadeiro Tobias, a mais alta honraria do órgão de segurança paulista, e a
Medalha de Cidadão Honorário de Tóquio, no mesmo dia em que os mandatários
de Paris e Nova Iorque. Depois, como senador da República, foi galardoado
com insígnias do Judiciário e de Portugal. As realizações de Covas à frente do
governo do Estado de São Paulo, como a privatização e o saneamento das contas
públicas, foram reconhecidas. O governador recebeu as mais altas comendas
da República, como a Ordem do Mérito Militar e a Ordem do Rio Branco. Foi
também agraciado com insígnias de outros países, como Itália, Alemanha,
Chile, Finlândia, França, Líbano, Portugal, Mônaco e Dinamarca.

Cada peça do acervo tem uma história para contar. A réplica do Astrolábio
Náutico de 1624, por exemplo, oferecida pelo então primeiro-ministro de
Portugal, António Guterres, remete ao naufrágio de uma fragata portuguesa
no litoral brasileiro e a um instrumento de navegação que faz parte da história
da Ciência. Há ainda preciosidades como o troféu de Eminente Engenheiro
de 1998, outorgado pelo Instituto de Engenharia como reconhecimento pela
reestruturação do Estado de São Paulo, e a placa dos portuários de Santos, em
agradecimento à sua intervenção em favor da readmissão de colegas.

Além do mérito que representam, as peças são belas. A fina joalheria milanesa
está presente no conjunto de condecorações da Ordem do Mérito da República
Italiana, enquanto o vaso vermelho presenteado pelo Partido Comunista Chinês
revela a delicadeza do artesão no entalhe da madeira. Nas páginas seguintes,
a Fundação tem o prazer de mostrar um pouco da história e da beleza das
honrarias que Mario Covas fez por merecer.

Antonio Carlos Rizeque Malufe


Presidente da Fundação Mario Covas

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 3


Índice

Fotoclip 6
As moedas da honra 9
Insígnias & Cia. 12
Anos 1980 13
Grã-Colar José Ferraz de Almeida Júnior 14
Medalha de Cidadão Honorário de Tóquio 15
Medalha Brigadeiro Tobias 16
Ordem da Instrução Pública 18
Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho 19
Medalha Governador Pedro de Toledo 21
Ordem do Mérito do Trabalho 22
Anos 1990 23
Ordem do Mérito Militar 24
Ordem do Rio Branco 25
Ordem do Mérito da República Italiana 26
Medalha Constitucionalista 28
Ordem do Mérito Aeronáutico 29
Cerimônia do Chá 30
Ordem do Ipiranga 32
Salva da Casa Imperial do Japão 34
Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha 36
Ordem de Bernardo O’Higgins 38
Medalha da Província de Mie para Cidadãos do Exterior 40
Ordem do Mérito do Tocantins 41

4 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Ordem da Rosa Branca da Finlândia 42
Ordem Nacional do Mérito 44
Homenagem do Casal Imperial do Japão 46
Ordem do Cedro 48
Ordem do Mérito Naval 50
Ordem do Infante Dom Henrique 52
Medalha Comemorativa de Mônaco 53
Ordem de Dannebrog 54
Ordem do Mérito Cultural 56
Medalha de Ouro da Galícia 58
Ordem da Estrela e Cruz de Honra do Mérito Rural 60
Ordem do Mérito dos Palmares 61
Anos 2000 63
São Paulo: a maior cidade italiana do mundo 64
Reis da Espanha homenageiam Covas 66
Medalha da Junta Regional da Lombardia 68
Curiosidades - Presentes - Placas 69
Certificado do Livro dos Recordes 70
Chave da Cidade de Jacksonville 71
Bombeiro Honorário 72
Imortal da Academia Brasileira de Ciência Política 73
Título de Sócio Honorário 74
Patrono da Escola Politécnica 75
Engenheiro do Ano 76
Martelo do Leilão de Privatização 77
Astrolábio Náutico de 1624 78
Coroa da Coréia 79
Porcelana húngara 80
Chicote em couro 81
Faca trinchante 82
Homenagem chinesa 83
Medalha Cultura Monteiro Lobato 84
Medalhão da Universidade de Tel Aviv 84
Troféu Pedro II 85
Caneca da Baviera 85
As Placas de Covas 86
Créditos 94

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 5


fotoclip

6
7
As moedas da honra
Como a humanidade agradece realizações de valor inestimável

Bravura nas guerras, coragem no enfrentamento à tradição e às regras de concessão – quanto


das adversidades, abnegação no cuidado mais seletivas, mais valiosas. Com a brasileira
dos desvalidos, honradez em cargo público e Ordem Nacional do Mérito, por exemplo, foram
descobertas científicas salvadoras de vidas são agraciadas cerca de 200 pessoas, apesar de suas
algumas das atitudes que não têm preço. Por cinco classes disporem de 875 vagas.
isso mesmo, o reconhecimento, a gratidão e a
compensação moral por tais atos atravessam O costume de reconhecer publicamente as
os séculos na forma de moedas de honra, como realizações civis, militares e desportivas remonta
condecorações, medalhas e coroas. à Antiguidade. Gregos e romanos recompensavam
seus pares com coroas, ovação e triunfo, com
Símbolo honorífico dos mais difundidos, a direito a desfile a cavalo ou em carro especial
condecoração é concedida por chefes de governo e desde a entrada da cidade até o local da
instituições a pessoas físicas e jurídicas, nacionais premiação. Os acadêmicos de destaque recebiam
ou estrangeiras, pelo desempenho em processos uma coroa de louros, e os atletas olímpicos, coroas
de engrandecimento do país ou da aproximação de ramos de oliveira, por exemplo. Atualmente,
amistosa entre os povos. Seu valor está ligado as ordens honoríficas são as mais utilizadas como
homenagem na maioria dos países.

Ordens de Cavalaria
As ordens honoríficas espelham-se nas Ordens
de Cavalaria, organizações religiosas e militares
criadas na Idade Média (476 d.C. a 1453 d.C.), com
o objetivo de expandir e manter o cristianismo no
mundo. Era atribuição dos cavaleiros defender os
territórios conquistados nas Cruzadas, proteger
os peregrinos na Terra Santa e fazer caridade. A
hierarquia, nessas ordens, seguia os padrões da
Igreja Católica, e o posto de cada integrante era
identificado por uma insígnia.

As Ordens de Cavalaria eram lideradas por um


Grão-Mestre eleito pelos cavaleiros e dirigidas por
um Conselho de Armas que, com o Grão-Mestre,
formava o Capítulo. Entre as mais conhecidas
estão a Ordem dos Cavaleiros do Templo, os
implacáveis templários, a do Santo Sepulcro, a de
Sant’Iago da Espada e a de Malta, que se mantém
Sant’Iago Mata-mouros com o hábito de sua ordem em ativa, inclusive no Brasil, como organização
pintura do século XVII, de autor desconhecido humanitária internacional.

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 9


Em paralelo às ordens religiosas, os imperadores
instituíram as ordens laicas, como meio de
fidelizar alguns de seus súditos. São exemplos
a Ordem da Jarreteira, na Inglaterra, e a Ordem
da Torre e Espada, em Portugal.

Comendas à brasileira
As primeiras ordens honoríficas do Brasil surgem
logo após a Independência, regulamentadas
pela Constituição de 1824. Na prática, o
imperador D. Pedro I aplicou o jeitinho brasileiro,
nacionalizando três ordens portuguesas: de
Nosso Senhor Jesus Cristo, de São Bento de Avis
e de Sant’Iago da Espada. Concedeu-as durante
três anos sem poder, uma vez que o Grão-Mestre
dessas ordens ainda era seu pai.

Quando D. João VI morreu, em 1827, D. Pedro


tentou legitimar seus condecorados, pedindo
o reconhecimento do Papa Leão XII. Foi bem-
sucedido, mas a bula papal causou tanta
polêmica, que ninguém mais tocou no assunto.
As ordens só foram regularizadas em 1843, por
um decreto que lhes tirava o caráter religioso e
oficializava D. Pedro II como Grão-Mestre.
D. Pedro I ostenta suas condecorações em pintura de Simplício
Rodrigues de Sá, do acervo do Museu Imperial
Ainda no Primeiro Reinado, foram criadas a
Ordem da Rosa, a Ordem do Cruzeiro e a Ordem
de Pedro Primeiro, considerada a mais rara
Para inibir a distribuição destemperada, as
desse período. Curiosamente, os galardoados
ordens honoríficas brasileiras são reguladas por
da época tinham de comprar as suas próprias
lei, que descreve sua insígnia e os métodos de
insígnias, o que gerou diferenças no desenho
concessão. Em geral, são formadas por cinco
de cada uma. Com o advento da República,
graus — Grã-Cruz, Grande Oficial, Comendador,
em 1889, deixou-se de cobrar pelos títulos, e
Oficial e Cavaleiro —, pelos quais as funções
a maior parte das ordens imperiais foi extinta,
públicas são classificadas hierarquicamente. Além
exceto a de Avis, que continuou condecorando
desses graus, há o de Grão-Mestre, atribuído ao
apenas os militares, e a do Cruzeiro.
presidente da República, a quem cabe nomear,
por decreto, os demais membros. As principais
Os imperadores brasileiros foram generosos.
ordens nacionais são: do Cruzeiro do Sul, do
D. Pedro I concedeu 2.635 comendas da
Mérito e do Rio Branco.
Ordem de Cristo e 1.174 da Ordem do Cruzeiro.
D. Pedro II foi mais longe. Em 49 anos, Fontes: Banco Central do Brasil (www.bcb.gov.br),
Academia de História Militar Terrestre do Brasil
condecorou 3.002 súditos com a Ordem de (www.resenet.com.br/ahimtb/medalhas1.htm)
Cristo e 2.190 com a Ordem de São Bento de Avis. e Wikipedia (www.wikipedia.org)

10 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Ordem milenar condecora Covas
O Grão-Mestre Fra’ Angelo de Mojana di Cologna, autoridade máxima da quase milenar Soberana Ordem de Malta,
condecorou o prefeito Mario Covas com a Cruz do Mérito, no grau de Grande Oficial, em 1984. Cologna, que veio a
São Paulo para a inauguração das novas instalações do Centro Assistencial Cruz de Malta, no Parque Jabaquara,
outorgou a condecoração em reconhecimento ao apoio do prefeito ao trabalho beneficente da instituição.

A Soberana Ordem de Malta nasceu por volta de 1099 como ordem militar e religiosa. Criada por mercadores italianos
de Amalfi na regra beneditina, tinha a missão de cuidar dos peregrinos no hospital de São João, em Jerusalém, e dar
assistência à população local. Foi oficializada em 1113 pelo Papa Pascoal II.

Com a expulsão dos cristãos da Terra Santa, em 1312 os cavaleiros de São João transferiram-se para Rodes, e, em
1530, para a ilha de Malta, como Estado vassalo do Reino da Sicília. Assim, passou a chamar-se Ordem Soberana e
Militar Hospitalária de São João de Jerusalém, de Rodes e de Malta, também conhecida por Ordem do Hospital.

Em 1798, os cavaleiros perderam Malta para Napoleão Bonaparte e, em 1834, estabeleceram-se em Roma, numa
área de 6 quilômetros quadrados. A soberania da Ordem de Malta foi reconhecida em 1966, com status de organização
internacional, como a Cruz Vermelha. Atualmente, a ordem mantém relações diplomáticas com mais de 90 nações
e ações humanitárias em cerca de 160 países, incluindo o Brasil.

Cruz do Mérito da Soberana Ordem de Malta


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Soberana Ordem de Malta


Data do recebimento: 1984
Condecoração: Insígnia pendente em fita, miniatura, placa e roseta
Detalhes: Cruz de quatro braços e oito pontas, esmaltada em branco e perfilada em dourado, pendente a uma coroa. Medalha
central com a cruz em fundo bordô e a inscrição, no anverso, em letras douradas e fundo de esmalte branco: Mil. Ordo Equitum
Melit. Bene Merenti. No reverso, em fundo bordô: A.D. MCMXX. Fita de gorgorão branco com as bordas em vermelho. Placa
com a mesma insígnia, irradiante, em metal prateado, encimando cora de metal dourado envelhecido.
Confecção: Joalheria E. Gardino Succ. Cravanzola, Roma – Via Del Corso, 341
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1007

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 11


Insígnias & cia.
Conheça alguns termos do mundo das moedas de honra

Anverso - Parte da frente da condecoração Miniatura - Redução


em escala da
Banda - Fita larga de insígnia ou medalha,
tecido chamalotado, pendente de fita

cores e dimensões estreita, para ser


usada na casaca
definidas, usada a
militar ou civil ou
tiracolo, da direita
vestido de gala
para esquerda, pelos
Grã-Cruzes. Em sua
Passadeira - Conjunto de barretas usadas
extremidade pende a do lado do coração, cuja disposição, de cima
insígnia ou venera da ordem honorífica para baixo e, da esquerda para a direita,
traduz o grau de importância relativa de cada
condecoração, segundo regulamento específico
Barreta - Pequeno
pedaço de fita da cor Passador - Guarnição de metal retangular
da condecoração, que passa por dentro da fita e é usado com a
guarnecido por condecoração. Seus complementos indicam
prêmios, distinções, tempo de serviço etc.
metal e outros
adereços
Placa ou crachá
- Chapa fixa de
metal usada pelos
Conjunto - Os condecorados costumam receber,
condecorados de
além do diploma, a insígnia, a barreta, a determinados graus.
miniatura da insígnia ou medalha e a roseta, Possui formato
cada item para uso em ocasiões específicas geralmente circular,
semelhante a um
Diploma - resplendor
Documento oficial
de outorga de uma Reverso - Parte de trás da condecoração
condecoração.
Roseta - Topo de fita
Sem o diploma, ela
redondo, semelhante
não terá valor
a um botão para
lapela. Seus
adereços indicam o
Fita - Tira de tecido, em faixa com cores e
grau do condecorado
dimensões definidas, para sustentar uma na ordem
medalha ou insígnia até determinado grau

Fita chamalotada ou chamalote - Fita de Venera - Insígnia de uma ordem


seda com desenhos semelhantes a ondas honorífica religiosa, militar ou civil

12 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


anos 1980
Grã-Colar
José Ferraz de Almeida júnior

Em 13 de setembro de 1983, no comando da Prefeitura de São Paulo, Mario Covas foi agraciado com o Grã-
Colar José Ferraz de Almeida Júnior, outorgado pela Academia Paulista de Belas Artes. Recebeu também
um diploma, conferindo-lhe a honraria como “deputado federal e prefeito”.

A condecoração combinava com o estilo despojado de Covas. Paulista de Itu, o pintor José Ferraz de Almeida
Júnior é tido como precursor da abordagem de temática regionalista, retratando personagens simples e
anônimos numa época em que predominava a rigidez formal do academicismo. O Caipira Picando Fumo,
de 1893, um de seus quadros mais famosos, faz parte do acervo da Pinacoteca do Estado.

No ano de 1983, em que assumiu a Prefeitura, Mario Covas lançou dois programas culturais importantes.
O primeiro deles, Museu Comunidade, destinava-se a promover a interação da Secretaria Municipal de
Cultura com sociedades de bairro, igrejas, clubes e outras entidades em prol da recuperação da memória
coletiva da comunidade. O segundo, Programa de Integração Biblioteca-Comunidade, introduziu o carro-
biblioteca no Parque do Ibirapuera, para a utilização de seus freqüentadores.

Grã-Colar José Ferraz de Almeida júnior


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Academia Paulista de Belas Artes


Data do recebimento: 13 de setembro de 1983
Honraria: Grã-Colar José Ferraz de Almeida Júnior e diploma
Detalhes: No anverso, medalha central dourada, com o brasão
da Academia em relevo, na parte central, e esferas com as
cores de São Paulo. Encimando o brasão, a inscrição: Academia
Paulista de Belas Artes. Na parte inferior: Ars long vita breve.
No reverso, a dedicatória: Grã-Colar Almeida Júnior.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-0074 (honraria)
BR.FMC.MCJ-O-0526 (diploma)

14 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Medalha de
Cidadão Honorário de Tóquio
Dezenove prefeitos das maiores cidades do Bangcoc, Pequim, Berlim, Cairo, Istambul,
mundo reuniram-se para discutir os problemas Jacarta, Lima, Cidade do México, Montreal,
das metrópoles que comandavam entre 20 e 22 Moscou, Sidnei, Paris, Nova Iorque, São Paulo,
de maio de 1985, em Tóquio, Japão. Entre eles Seul, Estocolmo, Viena e Tóquio compartilharam
estava Mario Covas, que recebeu de Shunichi suas experiências e preocupações, especialmente
Suzuki, prefeito da capital japonesa, a Medalha sobre superpopulação e destruição ambiental.
de Cidadão Honorário de Tóquio.
No documento elaborado ao final da conferência,
A despeito das diferenças étnicas, culturais, os dezenove signatários declararam que “o pré-
políticas, sociais e econômicas das cidades requisito para melhorar a segurança e a felicidade
que representavam, os prefeitos de Abidjan, dos cidadãos é a manutenção da paz mundial”.

Medalha de Cidadão Honorário de Tóquio


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Shunichi Suzuki, governador de Tóquio


Data do recebimento: 22 de maio de 1985
Honraria: Medalha de Cidadão Honorário de Tóquio
Detalhes: Medalha de metal dourado, esmaltado em azul, verde e
branco, tendo ao centro o olho de tigre. Peça menor, com o símbolo
da cidade, representando a pomba da paz. Fita larga de gorgorão na
cor roxa, com fecho dourado. Caixa em laca, na cor preta, tendo na
parte externa dizeres em dourado. Na parte interna, placa em metal
marrom e prateado, bordas trabalhadas, com a inscrição: Honorary
Citizenship of Tokyo presented to the Hon. Mario Covas Mayor of
São Paulo, May 22, 1985 – Shunichi Suzuki – Governor of Tokyo.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1528 (medalha) e
BR.FMC.MCJ-O-0505 (documento)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 15


Medalha
Brigadeiro Tobias
Mario Covas estava a um trimestre do final de seu mandato como prefeito da capital paulista, quando
recebeu do comandante geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo a Medalha Brigadeiro Tobias, a
mais alta honraria do órgão de segurança paulista.

A condecoração foi instituída em 1965, pelo governador Adhemar de Barros, em comemoração à criação
do Corpo de Guardas Municipais Voluntários, em 15 de dezembro de 1831, pelo brigadeiro Rafael Tobias de
Aguiar. O Corpo de Guardas foi mais tarde transformado na Polícia Militar do Estado de São Paulo.

São condecorados com a Medalha Brigadeiro Tobias os componentes das Forças Armadas pela prática de
atos relevantes em benefício da Polícia Militar do Estado de São Paulo. A título excepcional, a medalha
pode ser concedida a personalidades civis ou entidades consideradas merecedoras da outorga.

16 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


O comandante geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo condecora
o prefeito Mario Covas com a Medalha Brigadeiro Tobias

Medalha Brigadeiro Tobias


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Comandante geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo


Data do recebimento: 29 de setembro de 1985
Condecoração: Barreta, insígnia pendente em
fita, miniatura, placa, roseta e diploma
Detalhes: Medalha em formato circular, de bronze, com 36 mm de
diâmetro, trazendo no anverso, no campo, a efígie em relevo do
Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, de perfil, oitavado, circundada de 16
estrelas de cinco pontas, postas em orla, simbolizando as campanhas
de que participou. As estrelas são circundadas pela inscrição: Medalha
Brigadeiro Tobias. Nos semicírculos superior e inferior estão as datas
de nascimento e falecimento do brigadeiro. Acompanha fita de gorgorão
de seda chamalotada, nas cores azul, vermelha, branca e preta.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1019 (medalha) e
BR.FMC.MCJ-O-0035 (diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 17


Ordem da
Instrução Pública
O senador Mario Covas ainda saboreava os 7,7
milhões de votos que recebera na eleição de
1986, quando foi condecorado com a Ordem da
Instrução Pública. A honraria foi concedida no
grau Grã-Cruz, por Mário Soares, presidente de
Portugal. A insígnia portuguesa tem o objetivo
de galardoar personalidades que prestaram altos
serviços à causa da educação e do ensino.

A reforma das ordens honoríficas portuguesas,


em abril de 1927, criou a Ordem de Instrução e
Benemerência. Dois anos mais tarde, a ordem foi
desdobrada em duas: Ordem da Benemerência
e Ordem da Instrução Pública. A primeira deu
origem à atual Ordem de Mérito, e a Ordem da
Instrução Pública manteve-se inalterada.

Ordem da Instrução Pública


FICHA TÉCNICA

Grau: Grã-Cruz
Outorgante: Mário Soares, Presidente
da República Portuguesa
Data do recebimento: 23 de abril de 1987
Condecoração: Insígnia pendente de
fita, miniatura, roseta e diploma
Detalhes: Metal dourado, envelhecido, esmaltado em
azul e branco. Inscrição: Bem Merecer. Acompanha
fita de gorgorão nas cores preto e laranja.
Confecção: Casa das Condecorações
Helder Cunha Ltda.
Identificação no acervo:
BR.FMC.MCJ-O-1086 (medalha) e
BR.FMC.MCJ-O-1388 (diploma)

18 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Ordem do Mérito
Judiciário
do Trabalho
Em 11 de agosto de 1987, o senador Mario
Covas foi condecorado, em Brasília,
capital da República Federativa do
Brasil, com a Ordem do Mérito Judiciário
do Trabalho, no grau de Grande Oficial.

A insígnia destina-se a agraciar


personalidades civis e militares,
nacionais e estrangeiras, que tenham
se distinguido no exercício de suas
profissões e se constituído em grande
exemplo para a coletividade.

Também estão habilitadas a fazer


parte da Ordem as pessoas que tenham
contribuído para o engrandecimento
do país, internamente ou no exterior,
da Justiça do Trabalho ou de qualquer
ramo do Poder Judiciário, do Ministério
Público ou da advocacia. Premia ainda
instituições civis e militares.

Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho


FICHA TÉCNICA

Grau: Grande Oficial


Outorgante: Tribunal Superior do Trabalho
Data do recebimento: 11 de agosto de 1987
Condecoração: Barreta, insígnia pendente
de fita, miniatura, roseta e diploma
Detalhes: Cruz de Malta pommetée (pontas
em forma de maçaneta), com as bordas em
metal dourado, esmaltada em vermelho.
No campo central, no anverso, em esmalte
branco e letras douradas, a inscrição: Jus,
e, no reverso: Ordem do Mérito Judiciário do
Trabalho. Fita de gorgorão vermelho e branco.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1182
(insígnia) e BR.FMC.MCJ-O-0036 (diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 19


Medalha Governador
Pedro de Toledo

Em julho de 1985, Mario Covas, então prefeito


da cidade de São Paulo, foi agraciado com a
Medalha Governador Pedro de Toledo, honraria
da Sociedade Veteranos de 32, oficializada em
dezembro de 1972, no governo Laudo Natel.

A honraria é destinada a homenagear


personalidades civis e militares, brasileiras
e estrangeiras, que por seus méritos tenham
colaborado para a preservação ao culto da
Revolução Constitucionalista de 1932.

Medalha Governador Pedro de Toledo


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Sociedade Veteranos de 32 – MMDC


Data do recebimento: 29 de julho de 1985
Condecoração: Insígnia pendente em fita, miniatura,
roseta e diploma
Detalhes: Metal dourado envelhecido. No anverso,
efígie, com a inscrição: Governador Pedro de Toledo.
No reverso, a inscrição: Viveram pouco para morrer
bem. Morreram jovens para viver sempre. Fita
de gorgorão branco, preto e vermelho, cores da
bandeira do Estado de São Paulo.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1008
(insígnia) e BR.FMC.MCJ-O-0034 (diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 21


Ordem do
Mérito do
Trabalho
O presidente da República, José Sarney,
condecorou o senador paulista Mario Covas com a
Ordem do Mérito do Trabalho, no grau de Grande
Oficial, no dia 9 de dezembro de 1987.

A insígnia, criada em 17 de novembro de 1965, é


concedida a todo cidadão que tenha prestado
notáveis serviços ao país e àqueles que tenham
se distinguido no exercício de sua profissão.

Estão habilitados a receber a honraria também


os cidadãos que se revelaram excepcionalmente
capazes no serviço público em geral; os que
tenham tido marcante destaque pela sua cultura,
capacidade científica e técnica em geral, e os
que, por qualquer forma, contribuíram para o
realce do nome do país no exterior.

Ordem do Mérito do Trabalho

FICHA TÉCNICA
Grau: Grande Oficial
Outorgante: José Sarney, presidente da
República Federativa do Brasil
Data do recebimento: 9 de dezembro de 1987
Condecoração: Barreta, insígnia pendente de
fita, miniatura, placa, roseta e diploma
Detalhes: Cruz de quatro braços e oito pontas, esmaltada
de bordô. No anverso, medalha central em metal dourado
envelhecido, efígie do trabalhador no emblema da Ordem, com
a inscrição em fundo verde-água e letras douradas: Ordem do
Mérito do Trabalho. No reverso, a legenda: Ministério do Trabalho.
Placa com a mesma insígnia, irradiante, em metal prateado.
No reverso, medalha em metal dourado, com a inscrição:
Ministério do Trabalho. Fita de gorgorão de cinco listras, verde
bordô e amarelo, para a insígnia, miniatura, roseta e barrete.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1118 (insígnia) e
BR.FMC.MCJ-O-1300 (diploma)

22 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


anos 1990
Ordem do
Mérito Militar
O governador do Estado de São Paulo, Mario Covas, recebeu das mãos do presidente da República Federativa
do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, em 19 de abril de 1995, a Ordem do Mérito Militar, no grau Grande
Oficial. A criação da honraria militar data de 11 de junho de 1934. O objetivo da comenda é premiar civis
e militares, brasileiros ou estrangeiros, que tenham prestado relevantes serviços ao Exército. A Ordem do
Mérito Militar é a mais elevada distinção honorífica do Exército Brasileiro.

Ordem do Mérito Militar


FICHA TÉCNICA

Grau: Grande Oficial


Outorgante: Fernando Henrique Cardoso,
presidente da República Federativa do Brasil
Data do recebimento: 19 de abril de 1995
Condecoração: Insígnia pendente de fita, placa, roseta e diploma
Detalhes: A insígnia é constituída por uma cruz, no modelo da
tradicional Cruz de Avis, com quatro braços iguais, esmaltada
em branco, perfilada de metal dourado. As quatro pontas
terminam numa flor-de-lis. No anverso, a medalha tem a
efígie da República, com os dizeres: Mérito Militar, em letras
douradas e fundo esmaltado de verde. No reverso, as cores da
República, em círculos. Traz a inscrição: República Federativa
do Brasil, 1934, em letras de metal dourado. Placa em metal
prateado, com resplendor de 56 pontas e a mesma Cruz de Avis
Confecção: Joalheria Randal, Rio de Janeiro
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1532
(insígnia) e BR.FMC.MCJ-O-1300 (diploma)

24 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Ordem do
Rio Branco
Mario Covas foi condecorado pelo presidente Fernando
Henrique Cardoso com a mais alta honraria da diplomacia
brasileira, a Ordem do Rio Branco, no grau de Grã-Cruz.

Criada em 5 de fevereiro de 1963, a comenda homenageia


pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras, que,
pelos seus serviços ou méritos excepcionais, tenham se
tornado merecedoras dessa distinção. A Ordem foi instituída
em homenagem ao Barão do Rio Branco, patrono da
diplomacia brasileira, e possui cinco graus: Grã-Cruz, Grande
Oficial, Comendador, Oficial e Cavaleiro.

Ordem do Rio Branco


FICHA TÉCNICA

Grau: Grã-Cruz
Outorgante: Fernando Henrique Cardoso,
presidente da República Federativa do Brasil
Data do recebimento: 27 de abril de 1995
Condecoração: Insígnia pendente em fita,
miniatura, placa, roseta e diploma
Detalhes: Cruz de quatro braços e oito pontas esmaltadas
de branco, tendo no centro a esfera armilar, em prata
dourada. Inscrita num círculo de esmalte azul, está
a legenda: Ubique Patriae Memor - em qualquer
lugar terei sempre a pátria em minha lembrança. No
reverso dourado, as datas 1845-1912, correspondentes
aos anos de nascimento e morte do Barão do Rio
Branco. Fita de gorgorão azul, orlada de branco.
Confecção: Joalheria H. Stern, Brasil
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1186
(insígnia) e BR.FMC.MCJ-O-0022 (diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 25


Ordem do Mérito da
República Italiana

Oscar Luigi Scalfaro, presidente da Itália, teve uma agenda cheia em


São Paulo, em junho de 1995. Visitou a colônia italiana, acompanhou a
assinatura de um acordo entre as confederações de indústrias de seu
país e do Brasil e, no dia 28, condecorou o governador Mario Covas
com a Ordine al Mérito della Repubblica Italiana (Ordem do Mérito da
República Italiana), no grau de Cavaleiro da Grã-Cruz.

Na recepção oferecida a Scalfaro e comitiva no Palácio dos Bandeirantes,


Covas assinalou a importância da imigração italiana na transformação
da “economia latifundiária e escravista paulista numa economia urbana
e assalariada. A ela se devem muitas oficinas artesanais e muitas
manufaturas, além da base de um operariado habilidoso”.

Instituída em 3 de março de 1951, a Ordem do Mérito da República


Italiana é um reconhecimento pelo trabalho realizado em favor da Itália
no campo das letras, das artes, da economia e das atividades sociais ou
humanitárias. Os graus da Ordem são: Cavaleiro da Grã-Cruz, Grande
Oficial, Comendador, Oficial e Cavaleiro.

26 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Oscar Luigi Scalfaro e Covas trocam presentes e Lila Covas conversa com Brasília de Arruda Botelho, a chefe do cerimonial

Ordem do Mérito da República Italiana


FICHA TÉCNICA

Grau: Cavaleiro da Grã-Cruz


Outorgante: Oscar Luigi Scalfaro, presidente da República Italiana
Data do recebimento: 28 de junho de 1995
Condecoração: Insígnia pendente de fita, miniatura, placa, roseta e diploma
Detalhes: Cruz de Cristo (quatro braços) em esmalte branco, com bordas em dourado. Estrela de cinco
pontas central, dourada, circulada por figuras de águias em dourado envelhecido (anverso e reverso
idênticos), pendente em fita por coroa no formato de uma torre. Fita larga em gorgorão verde e vermelho.
As mesmas cores se repetem na roseta e na miniatura. Placa com a mesma cruz da insígnia, irradiante,
em prata. No anverso, o timbre do fabricante.
Confecção: Joalheria S. Johnson, Milão, Roma
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1303 (insígnias), BR.FMC.MCJ-O-1361 (diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 27


Medalha Constitucionalista
Durante a comemoração do 63º aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932, no dia 9
de julho de 1995, a Sociedade Veteranos de 32 – MMDC condecorou o governador Mario Covas
com a Medalha Constitucionalista. A honraria foi criada em maio de 1989, para homenagear
pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras, que, por seus méritos e relevantes
serviços prestados, colaboraram com o culto da Revolução de 1932.

Em 1932, as elites paulistas deflagraram o movimento contra o governo federal, pedindo a


instauração da Assembléia Constituinte e o fim das intervenções nos Estados. Na ocasião,
manifestações e comícios se espalharam por São Paulo. Em confronto com a polícia, morreram
quatro estudantes cujos nomes – Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo – compuseram a sigla
MMDC, que passou a ser o emblema do movimento. Depois de quase três meses de luta, os
paulistas se renderam. Porém, em 3 de maio de
1933, foram realizadas eleições, e a Constituição
foi promulgada em 15 de julho de 1934.

Medalha Constitucionalista
FICHA TÉCNICA

Grau: Grã-Cruz
Outorgante: Sociedade Veteranos de 32 - MMDC
Data do recebimento: 9 de julho de 1995
Condecoração: Insígnia pendente de fita, miniatura, roseta e diploma
Detalhes: Medalha de prata canelada, tendo ao centro, no anverso, um disco, com o emblema da Campanha
do Ouro Para o Bem de São Paulo e, na orla a divisa Pela Lei- Pela Grei. No reverso, o contorno geográfico do
Brasil, com os dizeres: Sociedade Veteranos de 32 – MMDC – 9 de julho de 1932. Fita nas cores preta, branca
e vermelha, debruadas em amarelo e verde.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1168 (medalha) e BR.FMC.MCJ-O-1198 (diploma)

28 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Ordem do Mérito Aeronáutico
O presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, Grão-Mestre da Ordem do Mérito Aeronáutico,
admitiu o governador Mario Covas no corpo de graduados especiais da mesma ordem. Em 23 de outubro
de 1995, Dia do Aviador, durante solenidade realizada em Brasília, o governador do Estado de São Paulo
foi agraciado com a comenda no grau de Grande Oficial.

A Ordem do Mérito Aeronáutico foi a primeira condecoração criada pela Força Aérea Brasileira, instituída
em 1° de novembro de 1943. É considerada a mais alta distinção honorífica do Ministério da Aeronáutica
e destina-se a personalidades civis e militares, brasileiras ou estrangeiras, e a corporações militares e
instituições civis, nacionais ou estrangeiras, em reconhecimento a serviços prestados à Aeronáutica.

Ordem do Mérito Aeronáutico


FICHA TÉCNICA

Grau: Grande Oficial


Outorgante: Fernando Henrique Cardoso, presidente da República
Federativa do Brasil
Data do recebimento: 23 de outubro de 1995
Condecoração: Insígnia pendente em fita, placa e diploma
Detalhes: Insígnia pendente em fita de gorgorão azul e branco,
constituída por uma cruz floretada dourada, esmaltada em branco,
em que figura o símbolo da Força Aérea Brasileira e a inscrição em
letras douradas e fundo azul escuro: Mérito Aeronáutico. No anverso
a inscrição: República Federativa do Brasil. Na placa, a mesma
cruz, em metal prateado. Diploma em pergaminho, com brasão da
República em dourado. Texto: Ordem do Mérito Aeronáutico.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1135 (insígnia)
e BR.FMC.MCJ-O-001 (diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 29


A princesa Masako, da casa imperial do Japão, recebe presente diplomático do governador Mario Covas

Cerimônia do Chá
Um vaso de estanho decorado em azul escuro e uma peça em porcelana, ambos utilizados na delicada,
mística e lendária cerimônia do chá, uma tradição secular japonesa, foram os presentes diplomáticos
recebidos por Mario Covas das mãos da princesa Masako, da casa imperial do Japão. A princesa veio
acompanhada de seu marido, Sen Sôshi, presidente da Fundação Urasenke do Japão, guardiã e promotora
da cultura japonesa, e também mestre em Chadô - cerimônia do chá, em japonês.

O evento, realizado no Museu de Arte de São Paulo, fez parte das comemorações do Centenário do Tratado
de Amizade, Comércio e Navegação entre o Brasil e o Japão. A cerimônia do chá, na ocasião, representou
um momento de difusão do sentimento cultural dos japoneses radicados no país.

30 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Cerimônia do chá
FICHA TÉCNICA

Outorgante: Princesa Masako e Sen Sôshi, mestre em Chadô e


presidente da Fundação Urasenke
Data do recebimento: 27 de outubro de 1995
Honraria: Utensílios para a cerimônia do chá - vaso de estanho com
decoração em azul e peça de porcelana
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-0070 (vaso) e
BR.FMC.MCJ-O-0076 (peça de porcelana)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 31


Ordem do Ipiranga

Em 11 de novembro de 1995, o governador Mario Covas recebeu a Ordem do Ipiranga, no grau Grã-Cruz, das
mãos do presidente do Conselho de Honrarias do Estado de São Paulo, Lauro Ribeiro Escobar. A insígnia
é a mais elevada distinção paulista. Destina-se aos cidadãos nacionais e estrangeiros que mereceram a
gratidão dos paulistas pelos méritos pessoais e serviços de excepcional relevância prestados ao Estado.

A ordem, que respeita os graus convencionais: Grã-Cruz, Grande Oficial, Oficial, Comendador e Cavaleiro,
foi instituída por decreto, em junho de 1969, pelo então governador Roberto Costa de Abreu Sodré. A
denominação evoca o episódio histórico, ocorrido em São Paulo, que tornou o Brasil independente de
Portugal, em 7 de setembro de 1822. O lema que a ordem ostenta é a célebre frase do imperador D. Pedro
I: Independência ou Morte, dita às margens do riacho do Ipiranga.

32 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Covas exibe a Grã-Cruz da Ordem do Ipiranga entre Brasília de Arruda Botelho e Dalmo Nogueira (à esq.) e Lauro Ribeiro Escobar

FICHA TÉCNICA Ordem do Ipiranga


Grau: Grã-Cruz
Outorgante: Lauro Ribeiro Escobar, presidente de
Honrarias do Estado de São Paulo
Data do recebimento: 6 de novembro de 1995
Condecoração: Insígnia pendente de fita, miniatura, placa
e roseta
Detalhes: Cruz de Malta esmaltada de vermelho,
maçanetada de oito pérolas, encimada pelas iniciais SP,
entrelaçadas, sobrepostas a um resplendor circular.
No anverso, ao centro, um disco de esmalte vermelho,
sobre o qual se assenta a figura da Pátria do Monumento
do Ipiranga, trazendo, na orla, sobre esmalte negro, a
legenda: Independência ou Morte. No anverso, sobre
idêntico disco, o brasão de armas do Estado de São Paulo,
orlado pela legenda: Ordem do Ipiranga – Estado de São
Paulo. O todo é montado em ouro. Placa dourada, tendo
ao centro o grupo triunfal da Pátria do Monumento do
Ipiranga, sobre um oval de esmalte vermelho, cercada
pela legenda Independência ou Morte, assentada sobre
esmalte negro. Fita de gorgorão na cor vermelha,
trazendo junto às orlas as cores branca e preta.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1094

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 33


A princesa Sayako e Mario Covas participam de comemoração do Tratado de Amizade Brasil-Japão

Salva da
Casa Imperial do Japão
Os eventos de comemoração do centenário do Tratado de Amizade, Comércio e Navegação
entre Brasil e Japão contaram com a presença da princesa Sayako, filha caçula do
imperador Akihito, em sua primeira visita oficial ao Brasil.

Em cerimônia de boas-vindas à princesa em São Paulo, em 8 de novembro de 1995,


Sayako presenteou o governador Mario Covas com uma Salva da Casa Imperial do Japão
e um porta-retratos com sua fotografia.

34 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Salva da Casa Imperial do Japão
FICHA TÉCNICA

Outorgante: Princesa Sayako


Data do recebimento: 8 de novembro de 1995
Honraria: Salva em prata e porta-retratos
Detalhes: Salva em prata de lei, em formato redondo, com bordas decoradas, tendo ao centro , em relevo, o brasão
da Casa Imperial do Japão. Porta-retratos em prata, com o brasão da Dinastia Imperial, em dourado, exibindo a foto
da princesa
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-0225 (salva) e BR.FMC.MCJ-O- 0087 (porta-retratos)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 35


Ordem do Mérito da
República Federal
da Alemanha
Em viagem oficial ao Brasil, o presidente da República
Federal da Alemanha, Roman Herzog, esteve com
o governador Mario Covas no dia 27 de novembro de
1995, quando recebeu a Ordem do Mérito da República
Federal da Alemanha, no grau de Grã-Cruz.

Instituída em 1951 pelo então presidente Theodor


Heus, a condecoração alemã homenageia pessoas que
alcançaram méritos especiais, sejam elas cidadãs da
Alemanha sejam estrangeiras, por serviços prestados
na área política, sócio-econômica e intelectual e na
ajuda social, caritativa e humanitária.

36 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Roman Herzog entrega a Mario Covas o conjunto de medalhas da Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha

Ordem do Mérito da República Federal da Alemanha


Grau: Grã-Cruz
FICHA TÉCNICA

Outorgante: Roman Herzog, presidente da República Federal da Alemanha


Data do recebimento: 27 de novembro de 1995
Condecoração: Insígnia pendente de fita, miniatura, placa, roseta e diploma
Detalhes: Insígnia de metal dourado, cruz de quatro braços, esmaltada em vermelho,
com o símbolo da República Federal da Alemanha, no reverso e anverso da medalha.
Fita de gorgorão com três listras: vermelha, preta e amarela. Placa: cruz de quadro
braços, resplendor de 56 pontas, em metal dourado, esmaltada em vermelho e, na
medalha, o símbolo alemão, em preto.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1082 (insígnia) e
BR.FMC.MCJ-O-0008 (diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 37


Em 27 de março de 1996, o governador
Mario Covas recebeu do presidente
do Chile, Eduardo Frei Ruiz-Tagle, a
Ordem de Bernardo O’Higgins no grau
de Grã-Cruz, a mais alta honraria do
país vizinho. A comenda surgiu como
extensão da Ordem do Mérito do Chile,
ampliando sua outorga e os graus.

Bernardo O’Higgins era o líder das


milícias chilenas que derrotariam as
tropas dos colonizadores espanhóis
em 12 de fevereiro de 1817, na Batalha
de Chacabuco. O’Higgins foi nomeado
Diretor Supremo e, um ano depois,
formalizou a independência do Chile.

O significado da comenda revela a


importância que o presidente do Chile,
Eduardo Frei, atribuiu ao encontro
com Covas. A insígnia destina-se a
recompensar o cidadão estrangeiro
que merece ser distinguido por sua
participação extraordinária nas artes,
educação, indústria, comércio ou
cooperação humanitária e social.

Ordem de
Bernardo O’Higgins

38 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


O presidente do Chile, Eduardo Frei Ruiz-Tagle, condecora Covas com a Ordem de Bernardo O’Higgins

Ordem de Bernardo O’Higgins


FICHA TÉCNICA

Grau: Grã-Cruz
Outorgante: Eduardo Frei Ruiz-Tagle, presidente da República do Chile
Data do recebimento: 27 de março de 1996
Condecoração: Insígnia pendente em fita, medalha, placa, diploma.
Detalhes: Insígnia pendente em fita, com medalha de ouro, formada por duas estrelas de cinco pontas,
superpostas simetricamente, esmaltada de branco e, entre os dez vértices, folhas de ouro. No centro, traz
efígie com a inscrição: República de Chile. No anverso, a inscrição: Al Mérito. A fita de gorgorão é azul, com
bordas vermelhas e a figura do condor, em metal dourado, dando sustentação à medalha. Placa com estrela
e as mesmas características da insígnia e, ao centro, medalha com brasão do Chile e a inscrição em letras
douradas: Orden al mérito – Chile.
Confecção: Joalheria Hours, Santiago, Chile
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1112 (insígnia) e BR.FMC.MCJ-O-0005 (diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 39


Medalha da
Província de Mie
para Cidadãos do Exterior
O governador da província japonesa de Mie, Masayasu Kitagawa, visitou São
Paulo em 25 de abril de 1996, acompanhado do presidente da Assembléia
Legistativa, Hideki Iwana, e comitiva. Nessa data, outorgou ao governador
Mario Covas a Medalha da Província de Mie para Cidadãos do Exterior e diploma,
em reconhecimento aos relevantes serviços prestados na promoção de amplo
intercâmbio artístico, cultural, educacional, esportivo e tecnológico.

A outorga da comenda foi baseada no convênio estabelecido entre o Estado


de São Paulo e a província de Mie. Celebrado em 7 de novembro de 1973
pelos governadores Laudo Natel e Ryozo Tagawa, o convênio tornou irmãos
ambos os Estados, contribuindo assim para o fortalecimento dos laços de
compreensão mútua e de amizade entre os povos.

Medalha da Província de Mie para Cidadãos do Exterior


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Masayasu Kitagawa, governador da Província de Mie, Japão


Data do recebimento: 25 de abril de 1996
Honraria: Medalha da Província de Mie para Cidadãos do Exterior, diploma
Detalhes: Medalha em metal prateado, esmaltado em verde, vermelho e azul. Fita de
gorgorão verde-água e amarelo.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1099 (medalha) e BR.FMC.MCJ-O-1357
(diploma)

40 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Ordem do Mérito do
Tocantins
A honraria Ordem do Mérito de Tocantins, no grau Grã-Cruz, foi oferecida ao
senador Mario Covas, em 9 de março de 1991, na cidade de Palmas, capital do
Tocantins, pelo então governador José Wilson Siqueira Campos.

O Estado do Tocantins nasceu com a promulgação da Constituição de 1988.


Miracema do Tocantins tornou-se capital provisória até 29 de maio de 1989,
data de lançamento da pedra fundamental de Palmas, a capital definitiva.

Considerado um mito em Tocantins, o tucano José Wilson Siqueira Campos


foi um defensor intransigente da criação do novo Estado, tendo sido eleito
governador três vezes: em 1989, 1995 e 1999.

Ordem do Mérito do Tocantins


FICHA TÉCNICA

Grau: Grã-Cruz
Outorgante: José Wilson Siqueira Campos, governador do Estado de Tocantins e Grão Mestre da Ordem, e Clarismar
Fernandes dos Santos, Chanceler da Ordem
Data do recebimento: 9 de março de 1991
Condecoração: Diploma
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1343

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 41


Na troca de presentes diplomáticos, Mario Covas oferece um tucano ao presidente finlandês Martti Ahtisaari

Ordem da
Rosa Branca da Finlândia
Primeiro presidente da República da Finlândia eleito pelo voto direto, o socialista Martti Oiva
Kalevi Ahtisaari, esteve em visita a São Paulo em fevereiro de 1997. Na ocasião, o presidente
liderava uma missão comercial composta por 20 empresários finlandeses.

Em jantar realizado no Palácio dos Bandeirantes, Ahtisaari ofereceu ao governador Mario Covas
a Ordem da Rosa Branca da Finlândia, no grau Grande Oficial. A honraria é conferida a cidadãos
finlandeses e também a estrangeiros que mereçam ser recompensados com essa deferência.

42 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Ordem da Rosa Branca da Finlândia
FICHA TÉCNICA

Grau: Grande Oficial


Outorgante: Martti Oiva Kalevi Ahtisaari, presidente da República da Finlândia
Data do recebimento: 26 de fevereiro de 1997
Condecoração: Insígnia pendente de fita, placa, roseta e diploma
Detalhes: Cruz de quatro pontas em esmalte branco, bordas em ouro, largura de 54
milímetros, circulada por cabeças de leões, em ouro. No centro figura uma rosa heráldica,
em ouro, esmaltada em branco e azul escuro. A placa é uma estrela de prata com cinco
pontas, raiada. No centro há uma rosa heráldica em ouro, esmaltada em branco e azul
claro. Traz inscrição com letras douradas, em fundo preto: Para o bem da Pátria
Presente diplomático: vaso em vidro azul-marinho, de formato irregular, com a inscrição
iitala Finland.
Autor: Alvar Aalto, artista plástico
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-0009 (insígnia e diploma) e
BR.FMC.MCJ-O-0075 (vaso)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 43


Ordem Nacional do Mérito
A visita ao Brasil do presidente da França, Jacques Chirac, e sua comitiva teve parada
obrigatória na capital de São Paulo para dois compromissos importantes, no dia 13 de
março de 1997: o encontro de empresários franceses e brasileiros na Federação das
Indústrias do Estado de São Paulo e a condecoração do governador Mario Covas com a
Ordre National du Mérite (Ordem Nacional do Mérito).

O governador recebeu o grau de Grande Oficial da Ordem, um acima do de Comandante,


com o qual fora agraciado em 28 de maio de 1986, quando exercia o mandato de deputado
federal. Além da honraria e do diploma que a confere, Covas ganhou de Chirac a Salva
Tradição, toda em prata, com a imagem do palácio do governo francês em baixo relevo.

A Ordem Nacional do Mérito foi criada em 3 de dezembro de 1963 pelo então presidente
Charles de Gaulle com o objetivo de substituir o grande número de ordens ministeriais e
ser oferecida mais livremente do que a Légion d’honneur (Ordem Nacional da Legião de
Honra), estabelecida em maio de 1802 por Napoleão Bonaparte.

Jacques Chirac, presidente


da França, cumprimenta o
governador Mario Covas durante
encontro em São Paulo

44 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


FICHA TÉCNICA

Ordem Nacional do Mérito


Grau: Grande Oficial
Outorgante: Jacques Chirac, presidente da República da França
Data do recebimento: 13 de março de 1997
Condecoração: Insígnia pendente em fita, miniatura, placa, roseta e diploma
Detalhes: A insígnia pendente traz estrela de seis pontas com a efígie da República e a inscrição République Française
no anverso e, no reverso, a bandeira francesa e a inscrição Ordre National du Mérite. Na placa, estrela de 12 pontas,
raiada, com efígie e a inscrição République Française, Ordre National du Mérite.
Confecção: Joalheiro Arthur Bertrand, Paris, França
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1533 (insígnia), BR.FMC.MCJ-O-0224 (salva), BR.FMC.MCJ-O-0010
(diploma de Grande Oficial) e BR.FMC.MCJ-O-1302 (diploma de Comandante)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 45


Homenagem do
Casal Imperial do Japão
Bandeiras do Brasil, do Japão e de São Paulo tremularam no alto dos mastros do Palácio dos
Bandeirantes no dia 5 de junho de 1997, anunciando um importante encontro. Em um almoço solene,
delicado e bem cuidado pelo cerimonial do governo paulista, Mario e Lila Covas receberam a visita
do casal imperial do Japão, o imperador Akihito e a imperatriz Michiko. Do casal real, Mario Covas
recebeu em homenagem um vaso em porcelana com o brasão da Dinastia Imperial do Japão e dois
porta-retratos com imagens do imperador e da imperatriz.

46 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Na troca de presentes, tradutores auxiliam o casal imperial a acompanhar a explicação de Covas sobre o tucano

Vaso de porcelana e porta-retratos com brasão da Dinastia Imperial do Japão


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Imperador Akihito e imperatriz Michiko, casal imperial do Japão


Data do recebimento: 5 de junho de 1997
Honraria: Vaso em porcelana e dois porta-retratos
Detalhes: Vaso de porcelana verde-claro, com filete prateado na base e na borda e brasão da
Dinastia Imperial, em branco. O vaso é apoiado em uma base de acrílico preto. Porta-retratos
em prata de lei, contendo o brasão da Dinastia Imperial em alto relevo, com a fotografia
do casal imperial. Porta-retratos em cristal com fotografia do casal imperial
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-0074 (vaso),
BR.FMC.MCJ-O-1691 (porta-retratos em cristal) e BR.FMC.MCJ-O-0086 (porta-retratos em prata de lei)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 47


Lila Covas, o presidente Elias Hraoui e tradutora, Mario Covas e Mouna Elias Hraoui em jantar de gala

Ordem do Cedro
O governador Mario Covas e sua esposa dona Lila receberam, para um jantar de gala no Palácio dos
Bandeirantes, o presidente do Líbano, Elias Hraoui, e sua mulher, Mouna Elias Hraoui. No encontro, em 4
de setembro de 1997, o governador de São Paulo foi agraciado com a Ordem do Cedro.

Trata-se de uma condecoração outorgada às personalidades que prestam relevantes serviços por longo
período ao país, a grandes instituições nele existentes e a autoridades julgadas dignas de tal distinção.
É a mais alta honraria concedida pelo governo libanês, na pessoa de seu presidente.

O país tem como uma das suas maiores riquezas o cedro, símbolo do Líbano eterno, por se tratar de
uma árvore milenar que se apresenta verde na bandeira, por ser esta a cor da planta plena de vida. Sua
madeira era usada desde tempos imemoriais para construções sólidas. O cedro é citado em alguns salmos
da Bíblia como símbolo do justo que se fortalece e produz frutos, firmados na Casa de Deus.

48 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Ordem do Cedro
FICHA TÉCNICA

Grau: Grande Oficial


Outorgante: Elias Hraoui, presidente da República Libanesa
Data do recebimento: 4 de setembro de 1997
Condecoração: Insígnia e diploma
Detalhes: Estrela de cinco braços e oito pontas, circulada por árvores de cedro
raiadas (cantonadas), em prata. No campo, medalha de ouro, com inscrição em
relevo, cujo significado é a palavra Líbano, e círculos em prata e ouro.
Confecção: Joalheria Arthus Bertrand, Paris, França
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1114 (insígnia) e BR.FMC.MCJ-O-0024
(diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 49


Ordem do
Mérito Naval

Oficial da Marinha condecora o governador Mario Covas com a Ordem do Mérito Naval, em São Paulo

50 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Durante as comemorações do 133° aniversário
da Batalha Naval do Riachuelo, realizadas em
São Paulo, no 8° Distrito Naval, o governador
Mario Covas recebeu, por outorga do presidente
Fernando Henrique Cardoso, a medalha da Ordem
do Mérito Naval, no grau de Grande Oficial.

Criada a 4 de julho de 1934, a comenda destina-


se a agraciar os militares que se distinguem no
exercício de sua profissão e, excepcionalmente, a
corporações militares e instituições civis, nacionais
e estrangeiras, suas bandeiras e estandartes,
assim como civis e militares brasileiros que
tiverem prestado serviços à Marinha do Brasil.

A Batalha Naval do Riachuelo foi um dos episódios


da Guerra do Paraguai (1864-1870), também
denominada Guerra da Tríplice Aliança, uma vez
que Brasil, Argentina e Uruguai uniram-se em
luta contra o Paraguai para decidir rivalidades
internacionais, limites territoriais - solucionados
depois do conflito armado – e a abertura do rio
Paraguai às navegações. A batalha deu-se em 11
de junho de 1865, data em que o poderio naval
do presidente do Paraguai, Francisco Solano
Lopes, foi destruído. O enfrentamento contou
com a persistência de Francisco Manuel Barroso
da Silva, comandante da divisão naval brasileira.
FICHA TÉCNICA

Ordem do Mérito Naval


Grau: Grande Oficial
Outorgante: Fernando Henrique Cardoso, presidente da República
Federativa do Brasil
Data do recebimento: 11 de junho de 1998
Condecoração: Insígnia pendente em fita, placa e diploma
Detalhes: Insígnia pendente em fita de gorgorão chamalotado, de cor
vermelha, com uma listra azul clara no centro. Tem a forma de uma cruz
branca. Entre os braços da cruz há âncoras douradas cantonadas. No
anverso, no centro, aparece uma medalha com efígie da República rodeada
por um círculo de esmalte azul, no qual encontram-se as palavras Mérito
Naval. E no reverso, em idêntico círculo, a palavra Brasil, com o brasão da
República.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1113 (insígnia) e
BR.FMC.MCJ-O-0007 (diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 51


Ordem do
Infante Dom Henrique
O presidente português, Jorge Branco Fernando Sampaio, condecorou o governador Mario Covas com a
Ordem do Infante Dom Henrique, no grau de Grã-Cruz, no dia 9 de novembro de 1997.

Criada em 2 de junho de 1960, a comenda é destinada a premiar serviços de assinalado mérito prestados
por indivíduos ou órgãos nacionais ou estrangeiros, principalmente os que conhecem e divulgam a
expansão de Portugal no mundo. Com esse gesto, o presidente Jorge Sampaio reafirmou os laços de
amizade entre Brasil e Portugal.

Ordem do Infante Dom Henrique


FICHA TÉCNICA

Grau: Grã-Cruz
Outorgante: Jorge Fernando Branco de Sampaio, presidente
da República Portuguesa
Data do recebimento: 9 de novembro de 1997
Condecoração: Insígnia pendente de fita, miniatura, placa e
diploma
Detalhes: Cruz de quatro braços, esmaltada em bordô,
filetada em metal dourado. Placa: estrela de nove pontas,
irradiada, em metal dourado. Medalha central em esmalte
preto, branco e a mesma cruz da insígnia. Inscrição: Talent
de bié faire. Fita de gorgorão com listras em azul, branco e
preto.
Confecção: Frederico Costa, Lisboa, Portugal
Identificação do acervo: BR.FMC.MCJ-O-1087 (insígnia) e
BR.FMC.MCJ-O-0029 (diploma)

52 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


O príncipe Albert, de Mônaco, entrega medalha comemorativa de seu país ao governador Mario Covas

Medalha Comemorativa de
Mônaco
Sua Alteza Sereníssima, o príncipe Albert, de Mônaco, visitou Mario Covas, no Palácio dos
Bandeirantes, em 11 de novembro de 1998. Durante o encontro, o príncipe Albert, que chefiava
uma missão para promover a aproximação sócio-econômica entre o Brasil e o Principado de
Mônaco, presenteou o governador com a medalha comemorativa de seu país.

Mônaco é o segundo menor Estado independente do mundo – seus cerca de dois quilômetros
quadrados superam apenas o Vaticano. Fica encravado no Sul da França, banhado pelo mar
Mediterrâneo. Desde 1297, a família Grimaldi, de origem genovesa, detém o poder.

Medalha comemorativa
FICHA TÉCNICA

Outorgante: Príncipe Albert, do Principado de Mônaco


Data do recebimento: 11 de novembro de 1998
Condecoração: Medalha
Detalhes: Medalha de prata, inserida em acrílico cristal. No anverso,
a figura de um cavaleiro com a espada na mão, o escudo no peito e a
inscrição Monaco. No reverso, a inscrição: Dynastie des Grimald 1297-
1997.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1174

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 53


Ordem de Dannebrog
Com enorme simpatia e uma certa descontração, a rainha da
Dinamarca, Margrethe II, acompanhada do príncipe consorte, Henrik,
e de seu filho mais velho, o príncipe herdeiro Frederik, estiveram com
Mario e Lila Covas no Palácio dos Bandeirantes.

No encontro, o governador recebeu da rainha a Ordem de Dannebrog,


comenda criada em 12 de outubro de 1671 pelo rei Christian V, como
continuidade da antiga Ordem de Dannebrog, fundada pelo Rei
Valdemar II, o conquistador, após a Batalha de Revel, em 1219. De
acordo com o estatuto de 1° de dezembro de 1693, a Ordem contava
com 50 nobres cavaleiros em uma única classe, mas o rei Frederik VI,
em 1808, ampliou-a e passou a reconhecer o mérito civil para todos,
independentemente de posição ou classe.

54 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


O vice-governador Geraldo Alckmin faz as honras da casa na troca de presentes com a rainha Margrethe II

Ordem de Dannebrog
FICHA TÉCNICA

Grau: Comandante de 1° Grau


Outorgante: Margrethe Alexandrine Thorhildur Ingrid, rainha Margrethe II da Dinamarca
Data do recebimento: 5 de maio de 1999
Condecoração: Miniatura, placa, roseta e diploma
Detalhes: Cruz latina de oito pontas em ouro, bordas em esmalte vermelho,
centro em ouro branco, simbolizando as cores nacionais da Dinamarca. Inscrição:
encimando a cruz a frase Gud og Kongen - Deus e o Rei, o lema da Ordem. No
anverso, o timbre real com a coroa. Na miniatura, como suporte da cruz, a coroa
real, e o monograma da rainha. Cruz esmaltada em branco e quatro coroas de ouro,
formando um círculo. A mesma inscrição tendo no centro a coroa da realeza. No
centro, a coroa real e a letra w. Fita de gorgorão branco e bordas em vermelho.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ.-O-1530 (insígnia)
e BR.FMC.MCJ.-O-0011 (diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 55


Ordem do
Mérito Cultural
O Dia Nacional da Cultura é comemorado
anualmente em 5 de novembro, com a
solenidade de outorga da Ordem do Mérito
Cultural a personalidades que, de alguma
forma, contribuíram com ações relevantes à
cultura brasileira. Em 1999, em evento no Salão
Oeste do Palácio do Planalto, em Brasília, Mario
Covas foi agraciado com a honraria pelas mãos
do presidente Fernando Henrique Cardoso e do
ministro da Cultura, Francisco Weffort.

A insígnia teve inspiração na Ordem de São Tiago,


criada em 1170 por D. Afonso, rei de Castela, para
homenagear os cristãos espanhóis que defendiam
o túmulo de São Tiago, na Galícia, dos ataques
dos mouros. Em 1862, a comenda espanhola foi
restabelecida em Portugal, com a denominação
Ordem de São Tiago do Mérito Científico, Literário
e Artístico. Foi nessa época, e com a mesma
função, que a condecoração chegou ao Brasil.

No Império, de todas as honrarias que existiam em


Portugal e no Brasil, essa era a única destinada
ao estímulo da cultura - as outras apresentavam
caráter militar. Após a proclamação da República,
a comenda deixou de ser outorgada. Foi
restaurada apenas em 1991, com a denominação
Ordem do Mérito Cultural.

Ordem do Mérito Cultural


FICHA TÉCNICA

Grau: Grã-Cruz
Outorgante: Fernando Henrique Cardoso, presidente da República Federativa do Brasil
Data do recebimento: 4 de novembro de 1999
Condecoração: Barreta, insígnia pendente de fita, roseta e diploma
Detalhes: Cruz esmaltada de branco, perfilada de ouro no centro e no anverso. No círculo, esmaltado
em branco, a imagem de um livro aberto lavrado em ouro sobre uma coroa de louros, circundado
pela inscrição Ordem do Mérito Cultural, também em ouro, sobre um campo esmaltado na cor
púrpura. No reverso, são apresentadas as Armas Nacionais, em círculo de ouro. Acompanha a
comenda uma fita vermelha de gorgorão.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1134 (insígnia) e BR.FMC.MCJ-O-0318 (diploma)

56 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Manuel Fraga Iribarne, governador da Galícia, aplaude Mario Covas após condecorá-lo com medalha de ouro

Medalha de Ouro da Galícia


Em novembro de 1999, o governador Mario Covas recebeu em audiência, no
Palácio dos Bandeirantes, Manuel Fraga Iribarne, presidente da Junta de
Governo da Região Autônoma da Galícia, na Espanha. Na pauta do encontro,
com a participação de vinte representantes do governo e empresários
galegos, foram assinados protocolos de cooperação para estimular as
relações econômicas bilaterais, fortalecer intercâmbios universitários e
culturais e implantar programas de bolsas de estudo.

Durante o encontro, Covas foi condecorado com a Medalha de Ouro da


Galícia, a mais alta distinção do governo galego, outorgada pelo Consello
de la Xunta de Galícia, para os que são considerados “bons e generosos”.

58 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Pitadas galegas
1 - Além de Mario Covas, receberam a Medalha de Ouro da Galícia Fernando Henrique Cardoso,
presidente da República Federativa do Brasil, o Papa João Paulo II, o Rei Juan Carlos I, da Espanha,
e o escritor brasileiro Paulo Coelho.
2 - A capital da Galícia é Santiago de Compostela que, ao lado de Fátima, Roma, Jerusalém
e Meca, compõe o grupo dos mais importantes pólos de peregrinação religiosa do mundo. O
Conselho da Europa definiu o Caminho de Santiago como o Primeiro Itinerário Cultural Europeu,
e a Unesco declarou a cidade patrimônio cultural da humanidade.
3 - Mario Covas ficou emocionado ao receber a homenagem, uma vez que seus avós paternos
nasceram na Galícia, em Pontevedra, cidade vizinha a Santiago de Compostela.

Medalha de Ouro da Galícia


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Manuel Fraga Iribarne, presidente da Junta de Governo da Galícia/Espanha


Data do recebimento: 17 de novembro de 1999
Condecoração: Insígnia, pendente de fita, roseta e diploma
Detalhes: Sobre fundo em ouro no formato octogonal, aparece o escudo da Galícia, esmaltado em azul
celeste com adornos também em ouro. Acima a coroa e, na parte inferior, a legenda “Ós Bós e Xenerosos”.
Acompanha roseta com o mesmo formato e fita, em tecido chamalote, com listras brancas nas laterais e
azul celeste ao centro.
Confecção: Joalheria Malde, Galícia, Espanha – Fundada em 1898
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1090

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 59


Mario Covas foi agraciado duas vezes com a Ordem
da Estrela e Cruz de Honra do Mérito Rural, no
grau de Comendador. Na primeira vez, em 11 de
junho de 1983, como prefeito da cidade de São
Paulo, e depois, em 1° de maio de 1995, como
governador de São Paulo.

Ordem da
Estrela e Cruz
de Honra do Mérito Rural
Na outorga, é possível ler a seguinte mensagem:
“Que no presente e no futuro seus descendentes
e amigos saibam que este Diploma foi lhe passado
pelo muito que merece no conceito público e na
gratidão de todos os brasileiros”.

Ordem da Estrela e Cruz de Honra do Mérito Rural


FICHA TÉCNICA

Grau: Comendador
Data do recebimento: 1º de maio de 1995
Condecoração: Insígnia pendente em fita, miniatura e roseta, diploma
Detalhes: Cruz de quatro pontas, perfilada de metal dourado, esmaltada nas cores bege e verde. A cruz é circulada
por quatro flores de lis, em metal dourado. Na medalha central, a estrela que dá nome à Ordem. Fita de gorgorão
verde na insígnia e na miniatura. Fita dourada na roseta.
Confecção: Sport Brindes
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1098 (insígnia) e BR.FMC.MCJ-O-1303 (diploma)

60 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Ordem do Mérito dos
Palmares
Em reunião de governadores de todo o país,
realizada no dia 22 de novembro de 1999,
em Maceió, Mario Covas foi agraciado pelo
governador de Alagoas, Ronaldo Lessa, com a
Ordem do Mérito dos Palmares, por estar “entre
aqueles que significam elevação moral e apego
aos princípios de liberdade e igualdade”.

A honraria nasceu com a intenção de resgatar


a luta em defesa das liberdades individuais e
de igualdade racial travada no Quilombo dos
Palmares, liderado por Zumbi, um dos maiores
símbolos da bravura, da dignidade e do espírito
indomável do brasileiro. A Ordem do Mérito dos
Palmares foi criada pelo governo de Alagoas, pelo
decreto n° 5.619, de 26 de junho de 1984.

Ordem do Mérito dos Palmares


FICHA TÉCNICA

Grau: Cavaleiro
Outorgante: Ronaldo Lessa, governador de Alagoas
Data do recebimento: 21 de novembro de 1999
Condecoração: Barreta, insígnia e pendente de fita
Detalhes: Cruz patée em esmalte branco com bordas
em ouro, servindo de fundo ao escudo com figuras em
relevo, tendo acima a palavra Palmares, com fundo
em esmalte verde. No reverso do escudo, em ouro,
pode-se ler a inscrição em relevo Ordem do Mérito
dos Palmares. Nos braços da cruz aparece o nome
do Estado de Alagoas, nas laterais os anos de 1602 e
1695, e, na parte inferior o ano de 1983. Acompanha
fita de gorgorão com listras nas cores verde, preto e
vermelho, prendendo a insígnia com círculo em ouro.
Origem: Joalheria Randal, Rio de Janeiro
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1083
(insígnia) e BR.FMC.MCJ-O-0327 (diploma)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 61


anos 2000
O governador Mario Covas cumprimenta o presidente da República Italiana, Carlo Azeglio Ciampi

São Paulo:
a maior cidade italiana
do mundo
O governo paulista recebeu com alegria, no ano em que o Brasil comemorava o seu quinto centenário,
a visita do presidente da República Italiana, Carlo Azeglio Ciampi, acompanhado de sua esposa, Franca
Ciampi, e comitiva. No dia 13 de maio de 2000, em um almoço no Palácio dos Bandeirantes, Mario Covas
foi presenteado por Ciampi com uma salva em prata de lei feita a mão.

Em seu discurso, o governador falou sobre os importantes investimentos que empresas italianas
estavam fazendo em São Paulo, cerca de 623 milhões de dólares anunciados entre 1995 e março de 2000.
Enfatizou os agradecimentos do povo paulista “aos italianos que aqui chegaram para construir o nosso
desenvolvimento, dos capitães da indústria aos milhares de operários”.

Na arte e na cultura, Covas lembrou de alguns nomes italianos importantes no Brasil: Anita Malfati,
Cândido Portinari, Alfredo Volpi, Camargo Guarnieri, Francisco Mignoni, Lívio Abramo, Cláudio Abramo,
Franco Zampari, Adolfo Celli, Lina Bo Bardi e Pietro Maria Bardi. E acrescentou: “Talvez sem qualquer
modéstia – e certamente com muito orgulho – nossa capital se considera a maior cidade italiana em todo
o mundo. E também a que faz a melhor pizza”.

64 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Os descendentes
Em 2000, ano da visita de Ciampi, segundo o Conselho Geral de Italianos no Exterior, a comunidade
de descendentes no Brasil era de 23 milhões de pessoas. Já o Consulado Geral da Itália em São Paulo
estimava que residissem, no Estado, cerca de 5 milhões de italianos e seus descendentes.

Salva de prata
FICHA TÉCNICA

Outorgante: Carlo Azeglio Ciampi, presidente da República Italiana


Data do recebimento: 13 de maio de 2000
Homenagem: Salva em prata de lei
Detalhes: Peça em prata de lei feita à mão em formato retangular, com as bordas trabalhadas em relevo com folhas
e frutos, tendo como inscrição a assinatura do presidente.
Confecção: Botteca dell’ Argento, Roma
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1100

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 65


Reis da Espanha
homenageiam Covas
O rei Juan Carlos I e a rainha Sofia, da Espanha, foram recebidos pelo governo paulista em um jantar,
na noite do dia 12 de julho de 2000, no Palácio dos Bandeirantes. Sentaram-se às mesas 24 pessoas da
comitiva real e, entre os paulistas, secretários de Estado, empresários e representantes da comunidade
espanhola na capital. Durante o encontro, Mario Covas recebeu uma homenagem dos reis da Espanha:
uma salva em prata de lei, com o brasão e as assinaturas dos monarcas.

Neto de Jesus Covas Peres, espanhol nascido na cidade de Pontevedra, o governador Mario Covas disse,
em seu discurso: “É uma grande honra para todos nós receber a visita de Suas Majestades, o rei Juan
Carlos I e a rainha Sofia, pois os laços que nos unem são tão antigos quanto a própria história de São
Paulo. Foi o trabalho de Anchieta, espanhol das Ilhas Canárias, que pacificou os índios do planalto e fez
crescer a cidade em torno do modesto colégio dos jesuítas”.

“Se a linha da Tordesilhas separou um dia as terras de Portugal e de Espanha, em São Paulo ela riscou
o traço de união do continente. Pois nossa gente não conheceu fronteira para cumprir a vocação
cosmopolita”, ressaltou o governador paulista, finalizando seu pronunciamento.

66 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


O rei Juan Carlos I, Mario Covas, Lila Covas e a rainha Sofia em
recepção no Palácio dos Bandeirantes

Salva de prata
FICHA TÉCNICA

Outorgante: Rei Juan Carlos I e rainha Sofia, da Espanha


Data do recebimento: 12 de julho de 2000
Homenagem: Salva em prata de lei
Detalhes: Salva em formato quadrangular com bordas trabalhadas, tendo ao fundo o brasão da família real da
Espanha com as assinaturas do rei e da rainha.
Confecção: Joalheria Pérez Fernández/JPF, Madrid
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1081

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 67


Medalha da
Junta Regional da Lombardia
Roberto Formigoni, presidente da região da Lombardia, Itália, em visita a São Paulo no dia 5 de dezembro
de 2000, homenageou o governador Mario Covas com a Medalha da Junta Regional da Lombardia. No
encontro, foi lembrado o protocolo de intenções entre a região da Lombardia e o Estado de São Paulo,
que entrou em vigor em 5 de junho de 1996. Tal protocolo tem a finalidade de promover o intercâmbio de
conhecimentos e a colaboração econômica entre os signatários, por meio do desenvolvimento de novos
produtos e serviços, transferência de tecnologia, abertura de novos mercados internacionais para médias
e pequenas empresas, treinamento e capacitação profissional e projetos de desenvolvimento regional.

Medalha da Junta Regional da Lombardia


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Roberto Formigoni, presidente da região da Lombardia, Itália


Data do recebimento: 5 de dezembro de 2000
Honraria: Medalha
Detalhes: Medalha em metal prateado, com um desenho no centro, em relevo. No alto, à direita, está o símbolo da
região da Lombardia, num círculo dourado. Na parte superior, em preto, a inscrição: Regione Lombardia. Na parte
inferior: Giunta Regionale. No verso, também desenhada, há a inscrição do fabricante: Johnson, Milano. O objeto
repousa em caixa de couro verde. Em prateado, o símbolo e a inscrição: Regione Lombardia Giunta Regionale.
Confecção: Johnson, Milano
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1115

68 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


curiosidades
PRESENTES
PLACAS

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 69


Certificado do
Livro dos Recordes
Na eleição de 15 de novembro de 1986 para o Senado Federal, Mario
Covas bateu o recorde de candidato mais votado do Brasil, com
7.785.667 votos. Por seu desempenho nas urnas, Covas foi incluído
no Livro dos Recordes e recebeu o certificado. O Certificado do
Livro dos Recordes comprova a inclusão do senador na edição
brasileira do Guinness - O Livro dos Recordes, de 1995. Assina o
documento Domingo Alzugaray, editor da publicação.

No diploma que recebeu ao ser eleito senador, consta o seguinte


texto: “O Desembargador José Gonçalves Santana, Presidente
do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, tendo em vista a
proclamação dos eleitos em 15 de novembro de 1986, realizada
pelo Egrégio Tribunal, em sessão de 12 de dezembro de 1986,
outorga o presente diploma a Mario Covas Júnior, eleito para o
cargo de Senador, pelo
Partido do Movimento
Democrático Brasileiro,
com 7.785.667 votos.
Tribunal Regional
Eleitoral de São Paulo,
em 22 de dezembro de
1986. Eu, Darcy de Barros
Gomes, Secretário do
Tribunal, subscrevi. José
Gonçalves Santana,
Presidente do Tribunal
Regional Eleitoral”.

Mario Covas discursa no Senado Federal

Certificado do Livro dos Recordes


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Domingo Alzugaray, editor do Guiness – O Livro dos Recordes


Data do recebimento: 1995
Documento: Certificado
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1205

70 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Chave da Cidade de
Jacksonville
Em visita oficial ao Estado de São Paulo, o prefeito do município norte-americano de Jacksonville, Lawton
Chiles, homenageou o governador Mario Covas com a chave de sua cidade. Na diplomacia, entregar a
chave da cidade significa abrir as portas para quem as recebe. Esse foi o gesto simbólico do prefeito
durante o ato de criação do Comitê de Intercâmbio Flórida-São Paulo.

Chave da Cidade de Jacksonville


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Lawton Chiles, prefeito de Jacksonville, Flórida, EUA


Data do recebimento: 21 de junho de 1995
Honraria: Chave
Detalhes: Chave simbólica da cidade em metal dourado, com brasão e a inscrição City
of Jacksonville – Florida, presa à fita de gorgorão azul, branca e vermelha
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1005

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 71


Bombeiro Honorário
Em cerimônia comemorativa do Dia do Bombeiro, no Parque Ibirapuera, em São Paulo, Mario Covas
recebeu, no dia 2 de julho de 1995, o título de Bombeiro Honorário, outorgado pelo comandante geral
da Polícia Militar do Estado de São Paulo, coronel Claudionor Lisboa, acompanhado pelo comandante do
Corpo de Bombeiros, coronel José Carlos da Silva.

Criado em dezembro de 1964, quando a Polícia Militar de São Paulo ainda era a Força Pública e Adhemar
de Barros governava o Estado, o título de Bombeiro Honorário é concedido às pessoas que se distinguem
pela dedicação ao desenvolvimento da prevenção e extinção de incêndios e dos salvamentos.

Bombeiro Honorário
FICHA TÉCNICA

Grau: Bombeiro Honorário


Outorgantes:
Cel. PM. Claudionor Lisboa, Comandante Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo
Cel. PM. José Carlos da Silva, Comandante do Corpo de Bombeiros
Data do recebimento: 2 de julho de 1995
Detalhes: Capacete branco apoiado em base de madeira. Título em fundo cinza, com letras pretas e vermelhas e
aplicação colorida dos brasões da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, acompanhada da seguinte inscrição: “A
Polícia Militar de São Paulo confere o Grau de Bombeiro Honorário ao Dr. Mario Covas Junior por ter se distinguido
pelo interesse e dedicação ao desenvolvimento da prevenção e extinção de incêndios e salvamentos”.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-0101(capacete) e BR.FMC.MCJ-O-1360 (título)

72 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Imortal da
Academia Brasileira de
Ciência Política

Pelos relevantes serviços prestados à ciência, arte, religião, filosofia e política, Mario Covas recebeu, em
abril de 1996, o título de Imortal da Academia Brasileira de Ciência Política. O governador foi perpetuado
na cadeira Troféu Pacífico por ter atuado a favor dos altos interesses do Brasil para a humanidade.

Criada em 1986, a ABCP é uma organização voluntária de caráter científico, que reúne professores e
estudantes de pós-graduação para promover o intercâmbio de idéias, o debate sobre problemas e
questões de relevância social e política, a ética profissional e a defesa dos interesses comuns da área
de ciência política e relações internacionais. Com sede no Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de
Janeiro, a entidade promove e apóia eventos científicos e realiza encontros nacionais a cada dois anos.

Imortal da Academia Brasileira de Ciência Política


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Azor J.Silva, presidente da Academia Brasileira de Ciência Política


Data da outorga: 19 de abril de 1996
Documento: Título
Detalhes: Brasão da República Federativa do Brasil, com fundo amarelo e desenhos em verde por toda a borda.
Brasão da Academia Brasileira de Ciência Política, encimando o título
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1331

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 73


Título de
Sócio Honorário
Em 25 de setembro de 1998, durante a cerimônia de reinauguração do Palácio da Bolsa do Café,
atualmente Museu do Café Brasileiro, na cidade de Santos, o governador Mario Covas recebeu o Título de
Sócio Honorário da Associação Amigos do Museu do Café Brasileiro.

O título foi conferido em reconhecimento à iniciativa do governador de apoiar a recuperação e a


restauração das instalações da Bolsa do Café. Considerado um dos mais belos prédios da cidade de
Santos, o Palácio da Bolsa do Café começou a ser construído em 1920 e foi inaugurado em 7 de setembro
de 1922, na comemoração do centenário da independência do Brasil.

A Bolsa do Café deixou de operar em períodos de crise, como em 1929, na quebra da Bolsa de Valores
de Nova Iorque; em 1932, na Revolução Constitucionalista, e durante a Segunda Guerra Mundial. Seu
último pregão ocorreu na década de 1950, quando os negócios do café foram transferidos para São Paulo.
O prédio foi relegado ao serviço de divulgação da cotação do café no mercado internacional até sua
desativação, em 1986. Ficou fechado por dez anos e restaurado em 1998, em parceria com Mario Covas.

Título de Sócio Honorário


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Eduardo Carvalhaes Júnior, presidente da Associação Amigos do Museu do Café Brasileiro
Data do recebimento: 25 de setembro de 1998
Documento: Título de Sócio Honorário
Detalhes: Fundo em papel reciclado bege, letras pretas, verdes e vermelhas. Encimando, emblema da instituição
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1385

74 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


O governador Mario Covas exibe camiseta presenteada pelos formandos da 102ª turma da Poli

Patrono da
Escola Politécnica
Os calouros da turma de 1994 do curso de
engenharia da Escola Politécnica da Universidade
de São Paulo tiveram sua aula inaugural ministrada
por Mario Covas, ex-aluno daquele mesmo curso.
Em janeiro de 1994, o então senador afirmou:
“Creio no Brasil e na sua infinita capacidade de
resistência e luta”.

Em janeiro de 1999, o governador Mario Covas


encontra aqueles mesmos alunos, agora
engenheiros formados pela Poli. Como patrono
da 102ª turma da Poli, orienta os graduados:
“Não se intimidem se encontrarem obstáculos
iniciais, que serão superados e não impedirão
os engenheiros de atenderem ao chamado da
sociedade brasileira, colocando a sua técnica a
serviço da construção de um grande país”.

Patrono da Escola Politécnica


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo (USP)


Data do recebimento: 28 de janeiro de 1999
Documento: Cartão
Detalhes: Cartão de metal prateado, inscrição com letras pretas
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1197

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 75


Cláudio Amaury Dall’Acqua, presidente do Instituto de Engenharia, entrega a Covas o troféu de Eminente Engenheiro de 1998

Engenheiro do Ano
Eminente Engenheiro de 1998. Esse foi o título que o Instituto de Engenharia outorgou a Mario Covas, em
maio de 1999. Durante a homenagem, o engenheiro falou do orgulho da carreira escolhida: “É imprescindível
compatibilizar três políticas: a tecnológica, a industrial e a de emprego. E aqui o poder público tem
sua parte. Mas a construção ou modernização da infraestrutura de transportes, telecomunicações,
saneamento e energia são tarefas típicas de engenheiros. Em suma: não haverá crescimento sem o
envolvimento da Engenharia. E é exatamente isso que me faz orgulhoso da carreira que escolhi e que
torna, para mim, ainda mais significativo o título de Eminente Engenheiro de 1998”.

o mérito da reconstrução do estado


O Instituto de Engenharia justificou a outorga do título nos seguintes termos: “Entre outros méritos,
o engenheiro Mario Covas reestruturou o Estado e trabalhou no combate às desigualdades sociais.
Sobressaiu-se também na área da habitação, tendo já entregue 120.091 unidades. Colocou em curso um
ousado plano de privatizações e concessão de serviços públicos, envolvendo principalmente as áreas de
energia e transportes e implementou profunda reforma”.

Engenheiro do Ano de 1998


FICHA TÉCNICA

Denominação: Eminente Engenheiro do Ano


Outorgante: Instituto de Engenharia, presidente Cláudio Amaury Dall’ Acqua
Data do recebimento: 24 de maio de 1999
Condecoração: Troféu e diploma
Detalhes: Troféu em mármore branco, com brasão da instituição em bronze. Denominação: Formas
do fogo. Inscrição: Engº Mario Covas, Engenheiro do Ano de 1998. No diploma, a inscrição: Eminente
Engenheiro de 1998.
Confecção: artesã Ilda Jacomi de Lucena
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-0097 (troféu) e BR.FMC.MCJ-O-0012 (diploma)

76 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Martelo do
Leilão de Privatização
O presidente da Bolsa de Valores de São Paulo, Alfredo N. Rizkallah, entregou ao governador Mario Covas
a réplica do martelo utilizado no leilão da Companhia de Geração de Energia Elétrica Paranapanema,
constituída a partir da cisão da CESP, para efeito de desestatização. A empresa é formada pelas Usinas
Jurumirim, Chavantes, Salto Grande, Capivara, Taquaçu, Rosana e Canoas I e II.

Martelo do Leilão de Privatização


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Alfredo N. Rizkallah, presidente da Bolsa de Valores de São Paulo - Bovespa


Data do recebimento: 28 de setembro de 1999
Objeto: Réplica de martelo
Detalhes: Réplica de martelo em madeira e metal dourado, gravado o nome BOVESPA nas duas faces. Caixa
com a mesma madeira, placa dourada e letras negras, com a inscrição: Réplica do martelo utilizado no
Leilão da Cia. de Geração de Energia Elétrica Paranapanema. Bolsa de Valores de São Paulo. 28/07/99.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-0143

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 77


Astrolábio Náutico de 1624
Durante sua gestão à frente do governo paulista, Mario Covas recebeu três vezes a
visita do primeiro-ministro de Portugal, António Manuel de Oliveira Guterres: em
1995, 1996 e em 1997. No terceiro encontro, Covas foi presenteado com a réplica do
Astrolábio Náutico de 1624, uma deferência portuguesa muito especial.

O Astrolábio Náutico de 1624 foi encontrado em meio aos destroços da fragata portuguesa
Santa Escolástica, naufragada em 27 de novembro de 1700, nas proximidades da
baía de Todos os Santos, Salvador. O ano de sua fabricação é 1624. Foi elaborado por
Francisco de Goes, o mesmo fabricante de um astrolábio que se encontra em Florença,
no Museo di Storia della Scienza, cuja produção data de 1608.

Astrolábio Náutico de 1624


FICHA TÉCNICA

Outorgante: António Manuel de Oliveira Guterres, primeiro-ministro de Portugal


Data do recebimento: 24 de julho de 1997
Objeto: Astrolábio
Detalhes: Réplica do Astrolábio Náutico de 1624, em prata de lei, com placa e inscrição: Astrolábio Náutico, 1624.
Acompanha certificado (selo) de autenticidade em prata. O astrolábio é preso em fita de gorgorão nas cores verde,
vermelha e dourada. No verso da peça, a inscrição do fabricante da réplica.
Confecção: Leitão & IR, Lisboa, Portugal
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1095

78 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Coroa da Coréia

O prefeito Mario Covas, em 8 de outubro de


1983, recebeu do doutor Lee Kang Silk a delicada
réplica de uma coroa real coreana da dinastia
Silla, acompanhada de flâmula da Academia
Internacional dos Cavaleiros, da Coréia.

Antes da era cristã, a Coréia era formada por clãs


reunidos em pequenas cidades-Estado. No século
I AC, três reinos dominavam a área: Goguryo,
Baekje e Silla. Sob a dinastia Silla (57 AC a 935
DC), o governo foi unificado, em 668 DC. A partir
daí, o país manteve sua independência política
e de identidade cultural e étnica, apesar das
frequentes invasões estrangeiras.

No final do século XIX, o domínio da Coréia


tornou-se foco de intensa competição entre
nações imperialistas, como China, Japão e Rússia.
Em 1910, o país foi anexado ao Japão, o que pôs
fim à dinastia Choson e à Coréia tradicional. O
país conseguiu se libertar em 1945, mas foi
seguido pela divisão territorial em Coréia do Sul,
democrática, e Coréia do Norte, comunista.

Coroa da Coréia
FICHA TÉCNICA

Outorgante: Dr. Lee Kang Silk


Data do recebimento: 8 de outubro de 1983
Honraria: Réplica de coroa real coreana e flâmula
Detalhes: Em nicho de vidro e madeira, coroa em metal dourado, com pedras coloridas, sobre pedestal vermelho.
Placa esmaltada de azul, escrita em dourado: Chunma Chong Gold Crown A.D. 5-6 Century Old Silla Dynasty –
National Treasure nº 188 – Size: 1/6 (actual)
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-0080a (coroa) e BR.FMC.MCJ-O-0080b (flâmula)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 79


Porcelana húngara
Encontro com Mario Covas, reunião com empresários brasileiros e visita aos dirigentes de organizações
húngaras e representantes da comunidade em São Paulo foram os compromissos do presidente da
Hungria, Árpád Göncz, em visita oficial em 4 de abril de 1997. No Palácio dos Bandeirantes, o governador
foi agraciado por Göncz com um conjunto de miniaturas em porcelana húngara, pintado à mão.

Porcelana húngara
FICHA TÉCNICA

Outorgante: Árpád Göncz, presidente da Hungria


Data do recebimento: 4 de abril de 1997
Objetos: Miniatura de sopeira, ânfora com tampa e salva
Detalhes: Conjunto decorativo de porcelana em fundo branco, pintado à mão, com motivo floral multicolorido,
composto de miniatura de sopeira, ânfora com tampa e salva tendo as bordas vazadas e com pés
Confecção: Herend, Hungary, Handpainted
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-0-0052

80 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Chicote em couro
Em visita ao Brasil, o presidente do Uruguai, Julio Maria Sanguinetti, acompanhado da primeira-dama
Marta Canessa de Sanguinetti, esteve em São Paulo para um encontro, no Palácio dos Bandeirantes, com
o governador Mario Covas. Do chefe da nação uruguaia, Covas recebeu um chicote em couro, artesanato
tradicional do país, utilizado como adorno, mas ainda muito presente nas mãos dos homens do campo.

Chicote em couro
FICHA TÉCNICA

Outorgante: Julio Maria Sanguinetti, presidente do Uruguai


Objeto: Chicote
Detalhes: Chicote em couro, atado a cabo de prata trabalhada
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-0-0202

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 81


Faca trinchante
Com uma trajetória pelo mundo político da Argentina, onde foi prefeito, secretário-geral de governo,
subsecretário da Saúde, deputado federal e presidente de partido político, Ramón Bautista Mestre, fez
uma visita de cortesia ao governo de São Paulo, como governador de Córdobam, em 1996.

Acompanhado por assessores e secretários na área de comércio, indústria e turismo, esteve com o
governador Mario Covas. No encontro, deixou um presente típico e do artesanato local de seu Estado: um
cuchillo, espécie de faca trinchante muito usada no corte da carne bovina – a parrilla argentina.

Faca trinchante
FICHA TÉCNICA

Outorgante: Ramón Bautista Mestre, governador de Córdoba, Argentina


Data da outorga: 2 de dezembro de 1996
Objeto: Faca
Detalhes: Faca trinchante com bainha em prata trabalhada contendo a inscrição R. Busto WS, acondicionada em
caixa de madeira clara, tendo na parte externa da tampa placa em prata de lei com o brasão do governo de Córdoba
e a inscrição Dr. Ramon B. Mestre – governador de Córdoba – República Argentina
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-0156

82 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Homenagem chinesa
Troca de experiências, cooperação técnica e econômica. Essa
foi a pauta do encontro entre o governador Mario Covas e a
delegação de representantes do Partido Comunista Chinês
(PCCh), no Palácio dos Bandeirantes.

Desde o comunicado conjunto sobre o estabelecimento de


relações diplomáticas entre o Brasil e a República Popular da
China, em 1974, dezenas de acordos bilaterais foram assinados.
Fora isso, dos 150 mil chineses que moravam no país em 1999,
ano do encontro, 135 mil viviam no Estado de São Paulo. Sempre
simpáticos e amáveis, os chineses homenagearam Covas com
peças dignas da tradição daquele país.

Homenagem chinesa
FICHA TÉCNICA

Outorgante: Li Changehun, chefe da delegação do Partido Comunista Chinês


Data de recebimento: 18 de outubro de 1999
Objetos: Vaso e escultura
Detalhes: Vaso em madeira entalhada, na cor coral, com fundo externo e a parte interna em azul, com borda em
ouro. Acompanha pedestal em madeira. Escultura na forma de cavalo em ferro patinado, com suporte em madeira
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-073 (vaso) e BR.FMC.MCJ-O-0192 (escultura)

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 83


Medalha Cultura
Monteiro Lobato
O presidente da Academia Brasileira de Literatura Infantil
e Juvenil, Sólon Borges dos Reis, condecorou Mario
Covas com a Medalha Cultura Monteiro Lobato, em 13 de
dezembro de 1999. O governador, complementarmente,
recebeu o diploma, pelos relevantes serviços prestados à
cultura infantil e juvenil, quando prefeito de São Paulo.

Medalha Cultura Monteiro Lobato


FICHA TÉCNICA

Outorgante: Sólon Borges dos Reis, presidente da Academia


Brasileira de Literatura Infantil e Juvenil
Data do recebimento: 13 de dezembro de 1999
Honraria: Medalha
Detalhes: Medalha prateada, no formato oval. No anverso, a efígie
do escritor Monteiro Lobato, circundada pelos dizeres: Academia
Brasileira de Literatura Infantil e Juvenil 2-2-1979. No reverso,
figura humana de toga, conduzindo uma criança, circundada pelos
dizeres: Um país se faz com Homens e Livros.
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1169

Medalhão da
Universidade de Tel Aviv
O presidente da Universidade de Tel Aviv,
de Israel, professor Itamar Rabinovitch, e
comitiva foram recebidos em audiência pelo
governador Mario Covas, em 7 de outubro de
1999. No encontro, foram assinados acordos
para intercâmbios técnicos nas áreas de
medicina, com o Hospital Albert Einstein,
e de administração e negócios, com o
Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais.
Nessa oportunidade, Mario Covas recebeu o
Medalhão da Universidade de Tel Aviv.

Medalhão da Universidade de Tel Aviv


FICHA TÉCNICA

Outorgante: professor doutor Itamar Rabinovitch, presidente da Universidade de Tel Aviv


Data do recebimento: 7 de outubro de 1999
Objeto: Medalhão
Detalhes: Medalhão de metal bronzeado, tendo no anverso o símbolo da Universidade de Tel Aviv. No reverso, a
representação do campus da universidade
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-1102

84 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Troféu Pedro II
Em 12 de setembro de 2000, em cerimônia de
entrega do V Prêmio Carlos Gomes, o governador
Mario Covas recebeu do Secretário de Estado da
Cultura, Marcos Mendonça, o Troféu Pedro II.

A honraria é atribuída anualmente àqueles que


se destacaram no desenvolvimento, desempenho
e divulgação da música erudita. O Prêmio Carlos
Gomes é dedicado à memória do grande regente
e compositor paulista.

Troféu Pedro II

FICHA TÉCNICA
Outorgante: Marcos Mendonça, secretário da
Cultura
Data do recebimento: 12 de setembro de 2000
Objeto: Troféu
Detalhes: Mão de metal dourado, apoiando batuta
em acrílico transparente
Confecção: Cléber Rocha, artista plástico
Identificação no acervo: BR.FMC.MCJ-O-0077

Caneca da Baviera
Edmund Stoiber, ministro-presidente da
Baviera, Alemanha, homenageou Mario Covas
com uma caneca de porcelana durante visita
a São Paulo, em 4 de março de 1997. Stoiber
chefiava uma delegação de empresários
alemães interessados em participar do
processo de privatização dos setores de
energia e transportes. A Baviera produz
as melhores cervejas alemãs, servidas em
grandes canecas, como a oferecida a Covas.

Caneca da Baviera
Outorgante: Edmund Stoiber, ministro-presidente
da Baviera, Alemanha
FICHA TÉCNICA

Data do recebimento: 4 de março de 1997


Objeto: Caneca
Detalhes: Caneca de porcelana e metal, com
losangos nas cores azul, branco e preto, tampa
em prata, com a assinatura Edmund Stoiber,
Bayerischer Ministerpräsident. No fundo da base,
a indicação em preto: Handarbeit 21 1/2
Identificação no acervo: BR.FMC.MCI-O-0072

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 85


As placas de Covas
As realizações de Mario Covas, em toda a sua vida pública, foram reconhecidas de várias formas. Além de
condecorações e presentes diplomáticos, ele recebeu mais de 800 placas metálicas, todas catalogadas no
Centro de Memória da Fundação Mario Covas. Umas registram o respeito pelo governador, expresso pelas
prefeituras e câmaras dos municípios paulistas, outras, o agradecimento de associações de cidadãos,
como a dos Trabalhadores Sem Terra e a dos idosos de Rio Grande da Serra. Algumas demonstram o apreço
pelo companheiro de partido, caso das placas dos diretórios do PSDB, enquanto uma única carrega o
afeto dos Amigos, de Santos. Empresas, aeroportos, clubes de futebol, creches, eventos, associações
de classe e escolas também se manifestaram por placas, em alguns casos, mais de uma vez. Conheça, a
seguir, os que deixaram sua homenagem impressa em metal.

• 1ª Conferência Internacional da Água • Associação Brasileira de Infra-estrutura e


• 1º D. E. de São José dos Campos Indústrias de Base - SP
• 3ª Idade de Urupês • Associação Brasileira dos Advogados
• A.D.E.S., de Santos Trabalhistas, de Santos
• Academia de Polícia Militar do Barro Branco, • Associação Comercial e Industrial de Franco da
de São Paulo Rocha
• Ação Brasileira de Conscientização da Cidadania/ • Associação Comercial e Industrial de Osasco
Sociedade Amigos de Ermelino Matarazzo/ SAEM • Associação das Micro, Pequenas e Médias Empresas
Adolfo Quintas, de São Paulo de Fretamento e Turismo do Estado de São Paulo
• Ação Popular, de São Paulo • Associação de Médicos Legistas do Estado
• Aeroclube de Bragança Paulista de São Paulo
• Aeroclube de Praia Grande • Associação dos Despachantes Policiais de Santos
• Aeroporto Internacional de Congonhas, de São Paulo • Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing
• Alberto Belan, de Campinas do Brasil - SP
• Amigos, de Santos • Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing,
• Asea Brown Boveri, de Osasco de São Paulo
• Assembléia de Deus - Ministério Madureira, • Associação dos Fornecedores de Cana da Região
do Rio de Janeiro, RJ de Catanduva, de Palmares Paulista
• Associação Anti-Alcoólica de Jales • Associação dos Funcionários na Luta por Habitação,
• Associação Beneficente e Cultural da de Diadema
Comunidade do Hospital das Clínicas, de São Paulo • Associação dos Municípios da Araraquarense, de São
• Associação Brasileira “A Hebraica” de São Paulo José do Rio Preto

86 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


• Associação dos Municípios do Vale do Paranapanema/ São Sebastião
Consórcio de Desenvolvimento da Região Sul, São Vicente
de Piraju Suzano
• Associação dos Produtores de Açúcar e Álcool de Taboão da Serra
Catanduva, de Palmares Paulista Torrinha
• Associação dos Produtores de Açúcar, Aguardente e Urânia
Álcool da Região de Catanduva, de Palmares Paulista • Câmara Portuguesa de Comércio do Brasil - SP
• Associação dos Trabalhadores Sem Terra de São Paulo • Câmara Setorial de Flores, de São Paulo
• Associação dos Veteranos de Basquete do Brasil - SP • CAMP’Ipiranga, de São Paulo
• Associação e Sindicato da Indústria de Panificação e • Casa Candango, de São Paulo
Confeitaria do Estado de São Paulo • CDHU, de Tabatinga
• Associação Fortaleza Pró-Moradia, de Limeira • CEB’s, de Guapiara
• Associação Líder em Ação, de Guaianazes • Centro Acadêmico Oswaldo Cruz, de São Paulo
• Associação Nacional de Paisagismo - SP • Centro de Artes de São Paulo
• Associação Nacional dos Comerciantes de Materiais • Centro de Convivência da Terceira Idade, de Rio
de Construção - SP Grande da Serra
• Associação Paulista de Avicultores, de São Paulo • Centro de Convivência do Idoso Renovação de Vida
• Associação Paulista de Medicina, de São Paulo de Herculândia
• Associação Paulista de Municípios, de Praia Grande • Centro de Distribuição e Logística IBM, de Hortolândia
• Associação Pró Libertação do Aluguel, de São Paulo • Centro de Tomografia Computadorizada,
• Associação União de Moradores de Vila União, de Piracicaba
de Guaianazes • Centro Educacional Objetivo, de Olímpia
• Associação Viva o Centro, de São Paulo • Centro Espírita Divino Amor, de São Paulo
• Beatriz Vicentini, de São Paulo • Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula
• Box de Salgados em Geral, de São Vicente Souza, de Casabranca
• Câmara Municipal de: • Centro Universitário Monte Serrat - Curso de Turismo,
Adolfo de Santos
Altinópolis • Chicão, de Cidade Kemel, São Paulo
Bananal • Círculo Militar de São Paulo
Bertioga • Clain Ferrari, de Indaiatuba
Bom Sucesso de Itararé • Clube da Mãe Chora Menino, de São Paulo
Bragança Paulista • Clube de Campo Fazenda, de Itatiba
Canas • Clube dos Desbravadores Pérola do Atlântico,
Carapicuíba de Santos
Conchal • Clube Jundiaiense
Cosmópolis • Colégio Bandeirantes, de São Paulo
Cosmorama • Colégio Dr. Bernadino de Campos, de São Paulo
Curitiba - PR • Colégio Interamericano de Defesa, de São Paulo
Dirce Reis • Colégio Pequenópolis, de São Paulo
Estiva Gerbi • Coligação PSDB / PFL, de Pracinha
Guatapará • Comando de Policiamento Feminino, de São Paulo
Itajobi • Comgás / Secretaria de Energia, de São Paulo
Itararé • Comissão Organizadora do I Encontro Regional de
Mauá Mulheres Tucanas, de São Paulo
Mirandópolis • Comissão Organizadora do XVII Congresso Brasileiro
Morungaba de Odontopediatria, de São Paulo
Nova Castilho • Comitê do IV JORI, de Oswaldo Cruz
Nova Luzitânia • Comitê dos Italianos no Exterior, de São Paulo
Palmares Paulista • Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira, de Piracicaba
Piquete • Comunidade Barão Ataliba Nogueira, de Itapira
Platina • Comunidade da Zona Norte, de São Paulo
Pontes Gestal • Comunidade Kolping, Padre Antônio Luiz Marchioni
Registro (Ticão), de Guianazes
Ribeirão Branco • Comunidade Parque dos Bandeirantes,
Salto de São Vicente
Santa Bárbara D’Oeste • Comunidade Santa Luciense, de Santa Lucia
Santo Antônio do Aracanguá • Concessionária de Rodovias do Interior, de Araras
São João de Iracema • Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos,
São José dos Campos de São Paulo

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 87


• Confederação Nacional do Turismo, de Brasília - DF Buri
• Conjunto Habitacional João Crevelaro, de Birigui Caçapava
• Conselho de Desenvolvimento da Região Cafelândia
Metropolitana da Baixada Santista, de Bertioga Cajuru
• Conselho de Segurança de Bairros, de Ribeirão Preto Campo Limpo Paulista
• Conselho Estadual da Condição Feminina, Cananéia
de São Paulo Capão Bonito
• Conselhos Comunitários de Segurança, de São Paulo Capivari
• Coordenadoria Regional do PSDB do Vale do Ribeira Caraguatatuba
• COPROMO - Cooperativa Pró Moradia de Osasco Cássia dos Coqueiros
• Creche Escola Dona Joaninha C. Nogueira, Catanduva
de Santa Ernestina Cesário Lange
• D.A.R.E. Brasil, de São Paulo Charqueado
• De Nadai Alimentação S.A., de Santo André Conchal
• Deficientes Visuais de Igaraçu do Tietê Conchas
• Deputado Estadual Roque Barbieri, de Piacatu Cordeirópolis
• Diretoria da Casa do Menor, de Andradina Coroados
• Diretoria de Ensino, de Hortolândia Cosmópolis
• Diretoria e Integrantes do Projeto de Confecção de Cruzália
Lingerie, de Pontalinda Cruzeiro
• Diretório da Associação Beneficente dos Hospitais Cunha
Sorocabana, de São Paulo Curitiba - PR
• Diretório do PSDB de Cidade Ademar Descalvado
• Diretório do PSDB de São Miguel Paulista Dois Córregos
• Diretório Estadual do PSDB, de São Paulo Dolcinópolis
• Diretório Municipal do PSDB de: Duartina
Adamantina Eldorado
Águas da Prata Engenheiro Coelho
Águas de São Pedro Espírito Santo do Pinhal
Alambari Estrela do Norte
Alfredo Marcondes Estrela D’Oeste
Altinópolis Fernandópolis
Alto Alegre Fernão
Américo de Campos Franca
Andradina Francisco Morato
Aramina Franco da Rocha
Arandu Garça
Araraquara Gastão Vidigal
Areiópolis Guaimbé
Ariranha Guaíra
Artur Nogueira Guará
Arujá Guaraçaí
Assis Guarani D’Oeste
Atibaia Guarantã
Auriflama Guatapará
Avaré Ibaté
Balbinos Ibirarema
Barretos Iepê
Barrinha Igaraçu do Tietê
Bastos Ilha Bela
Batatais Ilha Comprida
Bauru Indaiatuba
Bento de Abreu Ipaussu
Bertioga Itapetininga
Bilac Itapevi
Boracéia Itapira
Bragança Paulista Itápolis
Braúna Itapura
Brejo Alegre Itaquaquecetuba

88 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Itararé Quatá
Itariri Redenção da Serra
Itatiba Registro
Itirapina Ribeirão Branco
Itupeva Ribeirão do Sul
Jaborandi Ribeirão Preto
Jaboticabal Rincão
Jales Rinópolis
Jandira Rio das Pedras
Joanópolis Riolândia
Júlio Mesquita Rosana
Juquiá Sales
Leme Salmourão
Lorena Santa Clara D´Oeste
Lupércio Santa Fé do Sul
Macaubal Santa Isabel
Macedônia Santa Rita D’Oeste
Mairiporã Santo André
Marília Santo Antônio da Alegria
Matão São Bento do Sapucaí
Mauá São Bernardo do Campo
Miguelópolis São Carlos
Mineiros do Tietê São João das Duas Pontes
Miracatu São João de Iracema
Mirandópolis São José do Rio Pardo
Mogi Mirim São Manuel
Monte Alto São Pedro do Turvo
Monte Aprazível São Roque
Monte Azul Paulista São Sebastião da Grama
Monteiro Lobato São Vicente
Nhandeara Sarapuí
Nova Canaã Paulista Serrana
Nova Lusitânia Sertãozinho
Ourinhos Sorocaba
Pacaembu Sumaré
Palestina Tabapuã
Palmares Paulista Taguaí
Palmeira D’Oeste Taiaçu
Panorama Taquaritinga
Paraguaçu Paulista Taquarivaí
Paraibuna Taubaté
Paranapuã Teodoro Sampaio
Pedreira Tietê
Pedro de Toledo Trabiju
Pereira Barreto Tremembé
Pindorama Tupã
Piquete Turiúba
Pirajuí Ubirajara
Pirangi Valentim Gentil
Pirapozinho Vargem Grande do Sul
Pirassununga Várzea Paulista
Pitangueiras Vitória Brasil
Poá Volta Redonda, RJ
Pongaí Votorantim
Pontal Votuporanga
Porto Feliz • Diretório Zonal do PSDB de Carapicuíba
Pradópolis • Diretório Zonal do PSDB de Ermelino Matarazzo
Pratânia • Diretório Zonal do PSDB de Guaianases
Presidente Alves • Diretório Zonal do PSDB de São Paulo

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 89


• E.E. Deputado Salomão Jorge, de Carapicuíba • Faculdade de Tecnologia de São Paulo
• E.E. Dinorah Silva dos Santos, de Cananéia • Família Garofalo
• E.E. do Centro, de Capela do Alto • Família LG
• E.E. do Jardim Arapuã II, de Jales • Família Supermercadista do Estado de São Paulo
• E.E. Dr. Paulo G. Bonilha, de Itapura • Famílias do Jardim Limoeiro, de São Paulo
• E.E. Irmã Anette M. F. de Mello, • Fapesp
de Ermelino Matarazzo • Febem - Internato Parada de Taipas, de São Paulo
• E.E. Prof. Luiz Darly Gomes de Araújo, • Federação Comunitária do Estado de São Paulo,
de Barra do Turvo de Itaquera
• E.E. Professor Hernani Furini, de Guarulhos • Federação das Associações de Engenharia,
• E.E. Vila Ayrosa, de Osasco Arquitetura e Agronomia do Estado de São Paulo,
• E.E.P.G. Afiz Gebara, de São Paulo de Ibitinga
• E.E.P.G. Amador Bueno, de Ipaussu • Federação das Entidades Assistenciais de Santo
• E.E.P.G. do Baiano de Marmeleiro, de Mairinque Amaro, de São Paulo
• E.E.P.G. do Balneário Regina Maria, de Mongaguá • Federação dos Taxistas Autônomos do Estado
• E.E.P.G. Joaquim Antonio Pereira, de Fernandópolis de São Paulo
• E.E.P.G. Noberto • Federação Paulista de Baseball e Softball
• E.E.P.G. Paulo Nogueira Filho, de São Paulo • Federação Paulista de Futebol
• E.E.P.G. Prof. Armando Bueno, de Bertioga • Federação Universitária Paulista
• E.E.P.G. Prof. José da Costa, de Cubatão • Federação Universitária Paulista de Esportes
• E.E.P.G. Prof. Salvador Gogliano Junior, • Federación Sefaradi Latino-americana
de Vista Alegre do Alto • Feira Internacional de Caça e Pesca, de São Paulo
• E.E.P.G. Profa. Anália Marquese Ramos, de Ipaussu • FETCESP, de Santos
• E.E.P.G. Profa. Helena Wirgues Ramos, • Folha de São Miguel, de São Paulo
de Paraguaçu Paulista • Ford Brasil, de São Bernardo do Campo
• E.E.P.G. Profa. Josepha Cubas da Silva, de Ourinhos • Ford Brasil, de São Paulo
• E.E.P.G. Ruy de Mello Junqueira, de São Paulo • Ford Brasil, de Taubaté
• E.E.P.S.G. Dom Artur Horsthuis, de Jales • Formandos da Escola de Engenharia, Instituto de
• E.E.P.S.G. Dom Pedro I Física e Química, Instituto de
• E.E.P.S.G. Jardim Roschel, de São Paulo • Ciências Matemáticas de São Carlos
• E.E.P.S.G. Padre Manoel da Nóbrega, de Cubatão • Formandos da Escola Politécnica de São Paulo
• E.E.P.S.G. Prof. Roque Bastos, de Ibiúna • Formandos de Economia
• E.E.P.S.G. Profa. Almerinda Rodrigues, de Mogi Guaçu • Fórum Permanente das Energias Solar, Eólica e de
• E.E.P.S.G. Profa. Rita M. Barreto, de São Paulo Biomassa, de São Paulo
• E.E.P.S.G. Vereador Odilon Batista Jordão, • Frente Intermunicipal dos Prefeitos da
de Pilar do Sul Média Noroeste
• E.E.S.G. Prof. Ascendino Reis , de São Paulo • Funcionários do DAEE, de Araraquara
• Empresa Paulista de Transmissão de Energia • Fundação Carlos Alberto Vanzolini, de São Paulo
Elétrica S.A. • Fundação Centro Esportivo Recreativo do Trabalhador
• Escola de Comando do Estado-Maior da Aeronáutica, - CERET, de São Paulo
de São Paulo • Fundação e Grupo Orsa, de Nova Campina
• Escola de Engenharia da Computação da USP, • Fundação Lusíada, de Santos
de São Paulo • Fundação Pio XII - Hospital do Câncer, de Barretos
• Escola de Guerra Naval • Fundação Ubaldino do Amaral / Universidade Pública
• Escola Estadual de Mongaguá de Sorocaba
• Escola Superior de Guerra, do Rio de Janeiro - RJ • Fundação Vanzolini, de São Paulo
• Espaço Convivencial • Fundo Social de Itapeva
• Estado-Maior das Forças Armadas • Fundo Social de Solidariedade de Bebedouro
• Estância Balneária de Praia Grande • Fundo Social de Solidariedade de Engenheiro Coelho
• Exarcado Apostólico Armênio para América Latina, • Fundo Social de Solidariedade de Mirandópolis
de São Paulo • Fundo Social de Solidariedade de Oswaldo Cruz
• Faculdade de Belas Artes de São Paulo • Fundo Social de Solidariedade de Praia Grande
• Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, • Fundo Social de Solidariedade de Tupã
de Jaboticabal • Fundo Social de Solidariedade e Câmara Municipal
• Faculdade de Engenharia Industrial da UNICEB, de Sales
de Santos • General Motors do Brasil, de Mogi das Cruzes
• Faculdade de Leme • Genial Dias, de Tuiuti
• Faculdade de Medicina da Universidade de Santo • Goro Hama, de São Paulo
Amaro, de São Paulo • Grupo Leão & Leão

90 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


• Hermes Soncini, de São Bernardo do Campo • Povo, Prefeitura e Câmara Municipal de Mendonça
• Homenagem da Comunidade de Santa Cruz • Prefeitura e Câmara Municipal de Altair
da Esperança • Prefeitura e Câmara Municipal de Álvares Machado
• Hospital - Maternidade Leonor Mendes de Barros, • Prefeitura e Câmara Municipal de Álvaro de Carvalho
de São Paulo • Prefeitura e Câmara Municipal de Engenheiro Coelho
• Hospital Geral de Vila Nova Cachoeirinha Dr. Álvaro • Prefeitura e Câmara Municipal de Guarantã
Simões de Souza, de São Paulo • Prefeitura e Câmara Municipal de Holambra
• Hospital Internacional dos Estivadores de Santos • Prefeitura e Câmara Municipal de Itajobi
• Inauguração da Rodovia Carlos Fernando Malzoni, • Prefeitura e Câmara Municipal de Orlândia
de São Paulo • Prefeitura e Câmara Municipal de Palmares Paulista
• INDESP / ABRADECAR, de São Paulo • Prefeitura e Câmara Municipal de Pontalinda
• INMETRO / GLC-Germanischer Lloyd Certification, • Prefeitura e Câmara Municipal de Sales
de São Paulo • Prefeitura e Câmara Municipal de Santa Clara D’Oeste
• Instituto Ponto de Equilíbrio, de São Paulo • Prefeitura e Creche Municipal de Lavínia
• International Standard Organization, de São Paulo • Prefeitura e Diretório Municipal do PSDB
• IPEM e INMETRO, de São Paulo de Gavião Peixoto
• Irmandade da Santa Casa de Misericórdia e • Prefeitura e Diretório Municipal do PSDB de Populina
Maternidade de Dracena • Prefeitura e Fundo Social de Solidariedade de Birigui
• Juventude do PSDB, de Votuporanga • Prefeitura e Fundo Social de Solidariedade
• Leonel Damo, de Mauá de Paranapanema
• Loja Maçônica Escudo de Hiran 320, de Neves Paulista • Prefeitura e Secretaria Municipal de Esportes
• Loja Maçônica Independência, de Campinas de Mairiporã
• Margarida do Nascimento, de Santa Cruz • Prefeitura Municipal de:
da Esperança Adamantina
• Mário Pozzobon e Maria Muro Pozzobon, Adolfo
de Votuporanga Águas de São Pedro
• Marquinho de Paula, de Ilha Solteira Alambari
• Mil Milhas Alfredo Marcondes
• Ministério do Exército - CMSE, de São Paulo Altair
• Moradores de Vila Albertina II, de São Paulo Alvares Florence
• Moradores do Bairro do Jardim Ipê, de Mogi Guaçu Américo Brasiliense
• Movimento Feminino Suprapartidário de Cubatão Américo de Campos
• Município de Araçariguama Anhembi
• Mutuários do Conjunto Habitacional, de Tabapuã Araraquara
• Núcleo Educacional Armando Bucari, de São Paulo Araras
• OAB-RJ Arco-Íris
• P.S.F.A.E. Carvalho, de São Paulo Atibaia
• Parlamento Latino Americano XVII, Assembléia Auriflama
Ordinária, de São Paulo Barra Bonita
• Parlamento Latino Americano, de São Paulo Batatais
• Partido Liberal do Paraná Bebedouro
• Philips do Brasil, de São José dos Campos Bento de Abreu
• Polícia Militar do Estado de São Paulo - Regimento Bertioga
de Cavalaria 9 de Julho – Centro de Desenvolvimento Birigui
e Pesquisa de Equiterapia, de São Paulo Biritiba Mirim
• Ponto Frio, do Rio de Janeiro, RJ Boa Esperança do Sul
• População de Rinópolis Bofete
• População do Distrito Bacuriti, de Cafelândia Boituva
• População do Jardim São Manoel Piratininga, Bom Sucesso de Itararé
de São Paulo Boracéia
• Povo de Bariri Botucatu
• Povo de Barretos Brejo Alegre
• Povo de Fernandópolis Buri
• Povo de Lucélia Buritama
• Povo de Monte Alto Cafelândia
• Povo de Montes Caiabu
• Povo de Rafard Campos do Jordão
• Povo de São Carlos Canas
• Povo Pindoramense Capela do Alto

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 91


Capivari Mira Estrela
Caraguatatuba Mirandópolis
Cerquilho Mogi Guaçu
Clementina Monguaguá
Conchal Motuca
Conchas Murutinga do Sul
Cosmópolis Narandiba
Cosmorama Nhandeara
Cotia Nova Aliança
Cubatão Nova Lusitânia
Descalvado Novais
Dois Córregos Novo Horizonte
Dracena Olímpia
Echaporã Oswaldo Cruz
Elisiário Pacaembu
Emilianópolis Palmares Paulista
Fernão Paraguaçu Paulista
Floreal Parapuã
Florínea Pardinho
Francisco Morato Parisi
Franco da Rocha Pedrinhas Paulista
Guariba Penápolis
Guatapará Pereira Barreto
Herculândia Piacatu
Holambra Pinhalzinho
Iacri Piracicaba
Ibaté Platina
Ibirá Poloni
Ibiúna Pongaí
Igarapava Populina
Indaiatuba Pratânia
Indiaporã Presidente Epitácio
Ipiguá Quatá
Ipuã Quintana
Itapecerica da Serra Rafard
Itapetininga Rancharia
Itapeva Reginópolis
Itapevi Registro
Itararé Rincão
Jaborandi Rinópolis
Jacareí Rio Grande da Serra
Jaci Riversul
Jales Rosana
Jardinópolis Rubinéia
Jarinu Sales
José Bonifácio Salmourão
Jumirim Salto Grande
Jundiaí Santa Cruz da Esperança
Junqueirópolis Santa Cruz das Palmeiras
Juquiá Santa Fé do Sul
Lavínia Santo Expedito
Leme São Bernardo do Campo
Lorena São Carlos
Lourdes São João de Iracema
Louveira São João do Pau D’alho
Luís Antonio São Joaquim da Barra
Macedônia São Sebastião da Grama
Magda São Vicente
Marília Sarapuí

92 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Serra Azul Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de
Sertãozinho Guarulhos, Arujá, Mairiporã e Santa Isabel
Taboão da Serra • Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e
Tambaú Engenharia Consultiva, de São Paulo
Tanabi • Sindicato Rural de Jacareí
Teodoro Sampaio • Sindicatos de Santos
Terra Roxa • Sociedade Amigos Jardim Valquíria, de São Paulo
Trabiju • Sociedade Brasileira de Heráldica, Medalhística,
Ubarana Cultural e Educacional, de São Paulo
Urânia • Sociedade Brasileira de Tecnologia para
Valentim Gentil Equipamentos e Manutenção, de São Paulo
Valinhos • Sociedade Consular de São Paulo
Várzea Paulista • Sociedade Portuguesa de Beneficência, de Santos
Vera Cruz • Souza Cruz, de São Paulo
Vinhedo • Swimming Partnership Brasil/Argentina, de São Paulo
Votorantim • Tech Town, de Hortolândia
Votuporanga • Tião, de São Paulo
• Prefeitura, Câmara e Diretório Municipal • Troféu Zelo, de Santos
de Pontalinda • Tucanas de Paraguaçu Paulista
• Prefeitura, Câmara e Povo de Embaúba • Turma TDE´S de Franco da Rocha
• Produtores do Bairro Takaoka, de Paranapanema • UEFS, de Feira de Santana, BA
• Produtores Rurais de Palmeira D’Oeste • UNESP, de Araraquara
• Programa Sonho Meu - CDHU, de São Paulo • UNESP, de Presidente Prudente
• Projeto Guri / 28° Festival de Inverno, • Unimed, de Santos
de Campos do Jordão • UNIP - Curso de Engenharia, de São Paulo
• Projeto Qualis, de São Paulo • Universidade Bandeirantes - UNIBAN, de São Paulo
• Restaurante Categoria Turismo, de São Paulo • Universidade Cruzeiro do Sul, de São Miguel Paulista
• Ricardo Tripoli, de São Paulo • Universidade Metodista de Piracicaba
• Rotary Club de São Paulo • Universidade Mogi das Cruzes - Engenharia
• Salão Internacional de Granitos e Mármores e Pedras • Universidade Presbiteriana Mackenzie - Engenharia
Ornamentais, de São Paulo Civil, de São Paulo
• Santa Casa de Votuporanga • Universidade Presbiteriana Mackenzie - Escola de
• São Paulo Futebol Clube Engenharia, de São Paulo
• São Paulo Mart Center • Universidade Santo Amaro, de São Paulo
• São Paulo Woman’s Club • Usina Termelétrica Gov. Mario Covas, de Cuiabá, MT
• Secretaria da Educação de São Paulo • Vereadores do PSDB, de Campinas
• Secretaria de Estado da Cultura, de Campos do Jordão • Vereadores PSDB / PRP, de Mairinque
• Secretaria de Estado da Educação de Sorocaba • Viaoeste, de Sorocaba
• Secretaria de Estado de Energia de Rosana • Vilma Padilha, de Itapura
• Secretaria Municipal de Assistência Social, • Woman’s Club e Prefeitura Municipal de São José
de Mairiporã do Rio Pardo
• Segresp, de São Paulo • XIV Congress of the International Society of Aesthetic
• Simpósio Luso-Brasileiro de Progresso em Cirurgia Plastics Surgery, de São Paulo
Digestiva, de São Paulo
• Sindicato da Saúde de Campinas e Região
• Sindicato das Costureiras e Trabalhadores nas
Indústrias do Vestuário de São Paulo e Osasco
• Sindicato das Editoras de Jornais e Revistas
de São Paulo
• Sindicato dos Clubes Esportivos do Estado
de São Paulo
• Sindicato dos Despachantes no Estado de São Paulo
• Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos, Arujá,
Mairiporã e Santa Isabel
• Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil,
Montagens, Instalações e Afins de São Paulo
• Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de
Alimentação e Afins de Marília e Região
• Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 93


Fundação Mario Covas
Diretoria

Presidente da Fundação Mario Covas Antonio Carlos Rizeque Malufe


Diretor Secretário Luis Sergio Serra Matarazzo
Diretor Tesoureiro Marcos Martinez

Conselho Curador

Presidente Bruno Covas Lopes


Vice-Presidente Belisário dos Santos Junior
Secretário Marco Vinício Petrelluzzi
Membros Vitalícios Florinda Gomes Covas
Mario Covas Neto
Renata Covas Lopes
Rubens Naman Rizek
Membros Eletivos Edson Tomaz de Lima Filho
Edson Vismona
Fernando Padula Novaes
José da Silva Guedes
Luiz Carlos Frigério
Marcos Arbaitman
Marco Ribeiro de Mendonça
Mauro Guilherme Jardim Arce
Michael Paul Zeitlin
Osvaldo Martins de Oliveira Filho
Sami Bussab

Administração Rosangela Lopes Moreno Baptista


Eduardo Strabelli
Odair Aparecido Ribeiro Campos

Centro de Memória Mario Covas



Coordenação Raquel Freitas
Consultora Arquivística Maria Cristina de Carvalho Pazin
Técnicos Documentalistas Gustavo Molina Turra
Noubar Sarkissian Junior
Tiago Silva Rodrigues Navarro
Wesley Cunha Soares
Pesquisadores Pedro Rodrigues de Albuquerque Cavalcanti
Renato de Mattos

Gestão de Projeto Cultural


FormArte – Projetos, Produção e Assessoria Ltda.

94 F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias


Fundação Mario Covas
em revista
Coordenação Editorial Atelier de Imagem e Comunicação

Teresa Cristina Miranda - MTb 12.170

Editora Lucia Reggiani - MTb 11.479


Redação Teresa Cristina Miranda
Lucia Reggiani
Bárbara Ferreira Arena
Administração Cláudia Sardinha

Projeto Gráfico e Diagramação Anibal Sá Comunicação & Design

Fotografia A2 Fotografia

Edição Angelo Perosa


Produção Rosana Jerônimo Ribeiro
Ana Paula de Oliveira Silva
Produção Fotográfica Daniel Guimarães
Aline Arruda Miranda de Moraes
Fotos das Comendas Ciete Silvério
Fotógrafos Angelo Perosa
Armando Augusto
Tito Brito
Luiz Novaes
Enio de Freitas
Eliana Rodrigues
Dado Junqueira
Márcia Alves
Agradecimento
Ao Museu da Polícia Militar do Estado de São Paulo e ao setor de Comunicação do Comando da
Polícia Militar pela cessão da foto da página 17.

Ilustrações Wikimedia Commons – págs 9 e 10

F UN DAÇ ÃO M A R IO C OVA S E M R E V I S TA c o me n d as e h o n rarias 95


patrocínio

apoio
FUNDAÇÃO MARIO COVAS

RUA 7 DE ABRIL, 59 | 2º E 3º ANDARES | CENTRO | SÃO PAULO | SP | CEP 01043-090


TEL/FAX: 55 11 3129-7341 / 55 11 3129-7657
www.fmcovas.org.br
FUNDAÇÃO MARIO COVAS