Вы находитесь на странице: 1из 18

Enf.

Cristiane Lucena Borges Brito


INTRODUÇÃO
O que são doenças ocupacionais?

Qual a importância do conhecimento?


Histórico das Doenças
Ocupacionais
• Registro em papiros egípcios
• Idade média: riscos dos ourives, a asma dos
mineiros
• Em 1700, a ciência da medicina ocupacional
surge na Itália com o trabalho de Bernardino
Ramazzini que publicou um livro intitulado: De
Morbis Artificum Diatriba (Doenças dos
Trabalhadores), a primeira obra sobre
doenças ocupacionais
Histórico das Doenças
Ocupacionais
• Pai da Medicina Ocupacional o Dr. Robert Baker
• Na primeira metade do século XIX, com a
Revolução Industrial e conseqüentemente com o
aumento da necessidade de consumo da força
de trabalho, há um aumento das doenças do
trabalho, resultante da submissão dos
trabalhadores a um processo acelerado e
desumano de produção.
• Em 1830, o primeiro serviço de medicina do
trabalho
Histórico das Doenças
Ocupacionais
1842, na Escócia, Inicia-se a prevenção com
um serviço de medicina ocupacional
Após a Segunda Guerra Mundial a França foi o
primeiro país a criar a obrigação de haver
serviços médicos em empresas que
empregassem a partir de dez trabalhadores.
Doenças ocupacionais no
Brasil
1891 surge no Brasil a primeira legislação
sobre condições de trabalho, através da
promulgação do Decreto nº 1.313 – inspeção
1918, através do Decreto nº 3.550, foi criado
o
Departamento Nacional do Trabalho no
âmbito do Ministério da Agricultura,Indústria e
Comércio.
• Em 1931 surgiu no Brasil um sistema nacional de
inspeção do trabalho, com a criação do
Departamento Nacional do Trabalho no âmbito
do também recém-criado Ministério do Trabalho,
Indústria e Comércio.
• Posteriormente, em 1932, foram criadas as
Inspetorias Regionais do Ministério do Trabalho
com o objetivo de fiscalizar a aplicação das leis e
regulamentos.
• Em 1934, é criada a Inspetoria de Higiene e
Segurança no Trabalho.
Em 1957 foi aprovado o Regimento das
Delegacias Regionais do Trabalho (DRT).
1975 o Serviço de Segurança e Medicinado
Trabalho (SSMT), a atual Secretaria de
Segurança e Saúde no Trabalho (SSST).
 Esta Secretaria é o órgão de âmbito nacional responsável
por coordenar, orientar, controlar e supervisionar as
atividades relacionadas com a segurança e medicina do
trabalho, inclusive a fiscalização do cumprimento dos
preceitos legais e regulamentares, em todo o território
nacional.
Os direitos dos trabalhadores quanto ao risco
no trabalho estão estabelecidos no Artigo 7º
da Constituição Federal de 1988, enquanto
que a legislação ordinária sobre a questão faz
parte da legislação trabalhista e está contida
na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), e
em legislação complementar.
Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos
e rurais, além de outros que visem à melhoria
de sua condição social: XXII - redução dos
riscos inerentes ao trabalho, por meio de
normas de saúde, higiene e segurança; XXIII -
adicional de remuneração para as atividades
penosas, insalubres ou perigosas, na forma da
lei (CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA
FEDERATIVA DO BRASIL, 1988).
Em 1978, o Ministério do Trabalho, através da
Portaria nº 3.214, aprovou as Normas
Regulamentadoras (NRs) relativas à
segurança e medicina do trabalho. Em 1988,
através da Portaria nº 3.067, foram aprovadas
as Normas
Regulamentadoras Rurais (NRRs).
Entretanto, a partir do final de 1994, com a
entrada em vigor da nova NR-7, o enfoque da
inspeção do trabalho passou a considerar as
questões coletivas de trabalhadores,
privilegiando a clínica e a epidemiologia na
abordagem da relação entre sua saúde e o
trabalho.
DOENÇAS OCUPACIONAIS
Definição: São doenças que acometem o
trabalhador como consequência da profissão
que exercem ou exerceram, ou pelas
condições adversas em que seu trabalho é ou
foi realizado
NR-7 introduziu um “olhar coletivo” nos
procedimentos da inspeção do trabalho na
área de segurança e saúde com a exigência
de elaboração e implementação de um
Programa de Controle Médico de Saúde
Ocupacional (PCMSO).
CAUSAS DE
ADOECIMENTO
doenças comuns, aparentemente sem
qualquer relação com o trabalho;
doenças comuns (crônico-degenerativas,
infecciosas, neoplásicas, traumáticas, etc.)
Eventualmente modificadas no aumento da
freqüência de sua ocorrência ou na
precocidade de seu surgimento em
trabalhadores, sob determinadas condições
de trabalho. A hipertensão arterial em
motoristas de ônibus urbanos, nas grandes
cidades,exemplifica esta possibilidade;
doenças comuns que têm o espectro de sua
etiologia ampliado ou tornado mais complexo
pelo trabalho. A asma brônquica, a dermatite
de contato alérgica, a perda auditiva induzida
pelo ruído (ocupacional),doenças músculo-
esqueléticas e alguns transtornos mentais
exemplificam esta possibilidade, na qual, em
decorrência do trabalho, somam-se ou
multiplicam-se as condições provocadoras ou
desencadeadoras destes quadros nosológicos;
Agravos à saúde específicos, tipificados pelos
acidentes do trabalho e pelas doenças
profissionais. A silicose e a asbestose
exemplificam este grupo de agravos
específicos.