Вы находитесь на странице: 1из 2

O prazer em servir

A cada ano as pessoas estão mais conscientes. Uma vida


saudável é hoje uma necessidade. Com a forte penetração e
dominação da tecnologia da informação, há mais tempo livre
para o lazer, coisa impossível a nossos pais e avós. Melhorias
nas condições sanitárias aumentaram nossa expectativa de
vida (apesar da dengue). Digamos que o mercado, com uma
quantidade maior de concorrentes e uma infidelidade cada vez
maior às marcas, estamos mais exigentes. Concorda? Digamos
que sim.

Porém, a tecnologia tornou tudo mais difícil, apesar de vir para


facilitar. (Como assim? Não era para ficar mais fácil?). O
computador ajuda a pessoa a fazer tudo mais fácil e
rapidamente, mas, porém, todavia, quando dá "tilt"... pode
esquecer. Não dá para fazer nada.

Só nos resta chamar um técnico. Entendeu? Tudo ficou mais


complexo. Precisamos sempre de assistência técnica e
treinamento de usuário. Com a grande malandragem que
assola o país, tudo ficou mais burocratizado, fazendo
necessário apoio de advogados, corretores, tributaristas,
contabilistas. Profissionais especializados em fazer a parte
chata, a burocracia legal e administrativa. Não temos tempo
para cozinhar, cuidar do jardim, fazer a unha e costurar (ui ui
ui).

Por isso, contratamos uma cozinheira, um jardineiro, uma


manicure e uma costureira para fazer isso por nós. (Ah! Vá?).
Digamos então que não temos tempo e muitas vezes nem
interesse mais (para não falar preguiça) de fazer nossas coisas,
mas, temos quem faça por nós. A necessidade de reduzir
custos, contratando serviços terceirizados... Concorda?
Digamos que sim.

Tempo sobrando e faltando tempo. A Tecnologia facilita, mas


dificulta. Assim podemos ver várias diferenças. Conclusão um:
estou cada dia mais chato, exigente e preguiçoso. Conclusão
dois: o mercado de serviços está se desenvolvendo
bruscamente.

Serviços são intangíveis. Em serviços, cada um lida com


comportamento, desejo, promessa, atitude, enfim, mexe com o
psicológico das pessoas. Como dizia minha professora de
Gerência de Serviços e Endomarketing: "Quem trabalha com
serviço, antes de tudo, tem que gostar de gente, pois vai
conviver direta e indiretamente com pessoas".

Não há coisa pior que ser atendido por alguém que, naquele
momento, considera você a última pessoa que ela queria ver na
frente. Ou mesmo aquele lugar ser, para ela, o pior lugar do
mundo, pois sempre existe alguém enchendo o saco, querendo
saber os preços das coisas, comprar e etc.

Segundo Kotler, serviço "é qualquer atividade ou benefício que


uma parte possa oferecer à outra, que seja essencialmente
intangível e que não resulte em propriedade de coisa alguma.
Sua produção pode ou não estar ligada a um produto físico."

Um restaurante que fecha com uma empresa de bebidas para


obter descontos, forçando seus clientes a beber o acordo que
ela fez, está preocupada com quem? Quando você vai a um bar
com os amigos que só tem Pepsi, acha que o dono do bar está
preocupado com quem? Tenho certeza de que não é com o
consumidor. Afinal, você tem que engolir Pepsi. E isso é geral.
Serve também para o bar que só tem Coca-Cola.

Se ele quiser servir bem, deve ter tudo que agrada o público
dele e não somente o que agrada o bolso dele. Isso é um
exemplo generalizado. Você deve beber o que quiser e não o
que o dono do bar pagou mais barato porque subsidiou o
luminoso da frente do boteco. Afinal, você não é um
consumidor de favor, paga por tudo que consome. O mínimo é
que seja de acordo com o que você merece.