Вы находитесь на странице: 1из 1

4A

%HermesFileInfo:4-A:20060905:

JTCIDADE

JORNAL DA TARDE TERÇA-FEIRA, 5 I 9 I 06

JT CIDADE JORNAL DA TARDE TERÇA-FEIRA, 5 I 9 I 06 curio c idade Quermandar sua

curio

cidade

Quermandar sua curioCidade? Envie sua pergunta para:

curioso@jt.com.br

curioCidade? Envie sua pergunta para: curioso@jt.com.br Marcelo Duarte Comreportagemde VanessadeCampos

Marcelo

Duarte

Comreportagemde

VanessadeCampos

Teatrodo

BomRetiro

voltaàcena

O Teatro de Arte Israelita Brasi- leiro, mais conhecido como

voadministradordoteatro,Fernan-

do Lyra, o espaço estava passando por um processo de deteorização.

“OTAIBtinhaproblemasdeinfiltra-

ção, iluminação e lixo”, afirma. “Além disso, a programação não erabem aceita pelo público”.

A história do teatro começou de-

pois da Segunda Guerra Mundial,

quando diretores do Centro Cultu-

TAIB(RuaTrêsRios,252,BomReti- raeProgressoeoutraspersonalida-

ro,3227-4015),vaireabrirsuaspor- des judaicas de São Paulo resolve-

tas no mês que vem, depois de oito meses de reforma. E também sob novadireção. Nos últimos 22 anos, ele estava

paços de lazer e,principalmente,

biblioteca,salasdeconferências,es-

gemaosjudeus.Neledeveriahaver

ramconstruirumlocalemhomena-

sobaadministraçãodoCooperTea-

cidadepara700pessoas,foiinaugu-

rado no dia 22 de outubro de 1960. Com a atual reforma, o número de lugares vai diminuir. “Nós tere-

àsmãosdoInstituto.Segundoono- mos 300 bons lugares, com espaço

ta judicial arrastada, o TAIB voltou

Háseismeses,depoisdeumadispu-

tro Oscar Felipe, que pagava alu- guelaoInstitutoIsraelitaBrasileiro.

umteatro.Assim,oTAIB,comcapa-

VIVI ZANATTA/AE

umteatro.Assim,oTAIB,comcapa- VIVI ZANATTA/AE Lyra e a reforma do TAIB: ingressos especiais para carentes

Lyra e a reforma do TAIB: ingressos especiais para carentes

reservadotambémadeficientesfísi-

cos”, descreve Lyra. O administra- dorafirmaquenãotemtidomuitas dificuldades para montar a nova agenda.“Levarasproduçõesparao teatrotemsidofácil”,conta.“Muita gente importante tem vontade de voltara se apresentar lá”.

Apartirdasuareinauguraçãoha-

veráingressosparaapopulaçãoca-

rente. “Se o preço normal de uma peça for R$ 30, nós cobraremos só R$ 10 dos mais pobres”, afirma

Lyra.Onovonomenãoestádecidi-

do. Há duas opções: Novo Taib ou Teatro Israelita Brasileiro.

Correção O telefone do evento “Noite do Cupido”, publicado ontem, estava errado. O número correto é

3898-0033.

ontem, estava errado. O número correto é 3898-0033. DESABAMENTO >

DESABAMENTO > AntônioSilvaestavaprestesaseaposentar.Foiesmagadoporareia.Torreestavasemmanutenção

Mortenafábricadeconcreto

Mortenafábricadeconcreto EDUARDO NICOLAU/AE Acidente na fábrica de concreto da

EDUARDO NICOLAU/AE

Mortenafábricadeconcreto EDUARDO NICOLAU/AE Acidente na fábrica de concreto da Concremix, na Marginal

Acidente na fábrica de concreto da Concremix, na Marginal do Tietê, perto da Ponte do Limão: uma torre que continha areia e pedriscos desabou,matando o operário Antônio Manuel da Silva, 63 anos, que estava prestes a se aposentar

NAIANA OSCAR

naiana.oscar@grupoestado.com.br

para a sala de operação, localizada

entreocompartimentodearmaze- Eletrabalhava

nagem (na parte de cima) e o local

Eletrabalhava nagem (na parte de cima) e o local debaixodoperigo.” JOSÉDECASTROBARBOSA, MOTORISTA,AMIGO

debaixodoperigo.”

JOSÉDECASTROBARBOSA,

MOTORISTA,AMIGO

DEANTÔNIO

MANUELDASILVA

dos Condutores de Transporte Ro- doviário de Cargas Próprias, Almir Macedo. Segundo funcionários, a

máquinaeravelhaeestavaenferru-

jada.“Hácincoanospedíamospara

osadministradoresregularizarema vistoria. Sabíamos do risco de uma tragédia”,disse Macedo.

O advogado da empresa, Jordão

de Gouveia, não quis falar sobre o

Elenãoiareclamar

denada.Eraum

sa. Chegou na Concremix às 15h, sem saber que o corpo soterrado

por50toneladasdeareiaecimento

era o de seu pai. A empresa não li- gou para comunicá-lo. Até o final da tarde, a mãe, de 58 anos, e o ir- mão, que vive em Manaus, não ha-

viamsidoinformadossobreamor- denteduranteotransportedemer-

mamorreu,ontemànoite,numaci-

OfuncionárioFranciscoFerreiraLi-

família, masficou sem resposta.

Carrefour

O funcionário da empresa Concre-

ondeoscaminhõesparamparades-

anos,estavaprestesaseaposen- carregar. “Ele trabalhava debai-

tar, quando um reservató- rio de areia, pedras e ci- mento desabou sobre ele, durante o trabalho,

e o matou. O acidente

aconteceu, ontem, às

xodoperigo”,disseomoto-

mix Antônio Manuel da Silva, 63

homemmuitopacífico.”

RICARDOANTÔNIOSILVA,

FILHODESILVA

te de Silva. Há dois meses, Ricardo visitou o lugar em que o pai trabalhava. Per-

acidenteantesdadivulgaçãodolau- cebeuqueoestadodeconservação

dodaperícia,quedeveserconcluí- nãoeradosmelhores.Segundoele,

do em até 30 dias. Gouveia disse

apenasqueaempresafazmanuten- davaacessoàsaladeoperaçãoesta-

ção periódica nos equipamentos. O filho da vítima, Ricardo Antô- nio Silva, de 33 anos, soube do aci- dente por uma amiga de sua espo-

osprimeirosdegrausdaescadaque

USINA

Produçãodafábri-

caéde300metros

cúbicosdeconcre-

rista José Barbosa, amigo

deSilva.Nasaladeopera-

ção, o funcionário pesa- va o material que seria

misturadoe transforma- do em concreto. Na Con-

cadorias no elevador de cargas do Hipermercado Carrefour Villa-Lo-

bos, na Avenida Queiroz Filho, no Parque da Lapa, Zona Oeste.

Segundoaassessoriadeimpren-

sa do Carrefour, Lima trabalhava para a empresa Gelre, que presta serviço para o estabelecimento. As equipes de segurança e prevenção de risco no trabalho do Carrefour e apolíciacomeçaramainvestigaras causas da morte do funcionário. (colaborou JoséDacauaziliquá)

11h40,nausinadeconcre- topordia

to da Concremix, no bairro

da Casa Verde, Zona Norte de

São Paulo. O desabamento abalou

aestrutura dos outrosequipamen-

tosdausina.Todaaáreafoiinterdi-

tada pela Defesa Civil.

Logo depois do almoço, Silva foi

cremixhámaisde30anos,o

salário de Silva era de R$ 850.

Oequipamentoemqueeletraba-

lhavaestavahavia15anos semma- nutenção, quando deveria passar por vistoria a cada 5 anos, segundo informouopresidentedoSindicato

vamdestruídospelaferrugem.“Ele eraumhomemmuitopacífico,não ia fazer nada.” Agora, Ricardo pre- tende processar a Concremix. Questionou o advogado Jordão Gouveiasobrealgumauxílioparaa

Questionou o advogado Jordão Gouveiasobrealgumauxílioparaa DEBATES >

DEBATES > Amanhã,oseminário‘RepensandoSãoPaulo’terácomotemaotransportepúblico.SegundopesquisadaANTP,imagemdosônibuséaindapiordoqueadostrens

Trenseônibusentreospiorestransportes

Trenseônibusentreospiorestransportes MARIAEUGÊNIATOMAZINI maria.eugenia@grupoestado.com.br ta de

MARIAEUGÊNIATOMAZINI

maria.eugenia@grupoestado.com.br

ta de respeito com os passageiros foiumadasprincipaisreclamações constatadas na pesquisa. O presi- dente da Associação, Rogério Bel- da,explicaquealémdodesrespeito com o passageiro, a incerteza no ponto também aparece entre as principais reclamações. “A dúvida

seoônibusvemounãoéoutrapreo-

cupação dos usuários, seguido de segurança”, disse.

O tema será discutido amanhã,

no seminário “Repensando São

Paulo”, comapresençadosecretá-

rio municipal de Transportes, Fre-

dericoBussinger.Segundoele,aso-

O ônibus municipal e o trem são os

dois transportes coletivos com a

pior imagem segundo os paulista-

nos. Esse dado foi constatado

naúltimapesquisadaAsso-

ciaçãoNacionaldeTrans- PESQUISA

portePúblico(ANTP),di-

vulgadanoiníciodoano.

lução é trabalhar nas linhas mestras de mobilidade –

trânsito, transporte e lo- gística. “Vamos cada vez

Faltaderespeito

comopassageiro

foiumadasprinci-

paisqueixas

maisintegrarotranspor-

tesobrerodascoordena-

Apesar da tradicional

imagem

trem, ele ainda foi mais

negativa

do

do com o transporte so- bre trilhos”, explica. O secretário ainda trará

um outro tema para a discussão

bem

colocado do que o ôni-

bus,

com 55% de aprovação con-

tra52%dosônibus.“Opioréocom-

portamentodosmotoristas.Tenho

81 anos e sempre preciso pedir pa-

ra outra pessoal dar sinal, senão o

ônibusnãopára”,explicaaaposen- mentos da Cidade”, diz Bussinger.

tada Maria Lourdes Miranda.A fal-

no“RepensandoSãoPaulo”:opro-

blemadascargas.“Éumassuntone-

vrálgico porque, além de geração

de renda, é daí que vêm os supri-

Já o diretor-presidente da Com-

EPITÁCIO PESSOA/AE

supri- Já o diretor-presidente da Com- EPITÁCIO PESSOA/AE Secretário Bussinger: “Problema das cargas é uma

Secretário Bussinger: “Problema das cargas é uma questão nevrálgica”

panhiaPaulistadeTrensMetropoli-

tanos (CPTM), Mario Bandeira, não se impressionou com a ima- gemdostrenssuperioràdoônibus.

Eleexplicaqueessapesquisafoifei-

ta apenas com a imagem do trans- porte, o que não significa que esta seja a imagem do usuário. “Em 2005 fizemos uma pesquisa com 3.500 usuários e a aprovação foi de

67%”, justifica. Vale ressaltar que na pesquisa anterior, em 2002, a aprovação doserviço erade 55%. Napesquisa,referenteaoanode

2006,alémdasperguntasjápresen- nutosde antecedência.

tes na pesquisa de 2005, dois no- vos temas serão abordados: se o usuáriodotransportecoletivotem

automóvel e, em caso afirmativo, como ele avalia o trânsito. A outra pergunta será qual é a opinião do usuário sobre a integração do bi- lhete único. O debate “Repensando São Pau- lo”éabertoaopúblico.Os interessa- dos devem acessar o site www.jt.

com.br/repensandooutelefonarpa-

ra(11)6972-1390.Ocredenciamen-

topodeser feitono local,com30mi-

acessar o site www.jt. com.br/repensandooutelefonarpa- ra(11)6972-1390.Ocredenciamen- topodeser feitono local,com30mi-
acessar o site www.jt. com.br/repensandooutelefonarpa- ra(11)6972-1390.Ocredenciamen- topodeser feitono local,com30mi-
acessar o site www.jt. com.br/repensandooutelefonarpa- ra(11)6972-1390.Ocredenciamen- topodeser feitono local,com30mi-