You are on page 1of 2

Todos pretendem algo quando dizem sobre a vida e sobre o

que se ou se pode ser. Eu no sei afirmar mais o que eu


posso ser. No me interessa mais esperar sermpre ser algo
ou algum. No quero ser um artista no sentido de dominar
uma arte absoluta e nem acho que a arte me parece muito
mais fluida na poesia do que nas formas dos filsofos e
tericos-crticos por a.
Isso se tornou meio que efmero. Esse discutir sobre algo ou
correr o risco de se ficar reduzido a um pensamento muito
bem formado e estruturado. Detesto Hegelianismos...ou
melhor, qualquer pensamento que suponha ser fechado.
At onde pode ir a imaginao humana? Se eu sou um
perfeito maluco por acreditar que existe um oceano de
possibilidades de se viver. Isso ruim?
Cansei mesmo
desse tanto filosofar. Em no poder ler poesias s minhas e
de mais ningum. Quero tornar minhas palavras somente
poesia para mim. No interessa mais tanto ao outro. Todos
outros podem ser vividos em apenas um outro. Basta um.
Quero que a razo se exploda e que a linguagem humana
seja sempre um desabafo por algum caminho entre as
florestas e ruas da vida.
Ou melhor, eu olho para a literatura com uma tica especial.
A da amplitude de saber. E o que esse saber?
Pode ser o do contato com o livro ou do homem que come
aquele churrasco ali na minha frente. O movimento das
vrias partes do ato potico apresenta ao homem uma
imagem na matria. A lgica dos movimentos to absurda
no cotidiano!
Busco algo anterior aos pensamentos das imagens. Quero
saber sentindo a imagem. Desfrutando dela.

Isso muitas vezes di? Eu, eu, eu... imagem, imagem,


imagem. Sempre sou eu e a imagem?
A imagem do desprezo aparece... uma neurose camuflada no
ato de punir, de vigiar e de falar no altar de um sanatrio
mental. Pode se atravessar a loucura e conviver com ela!
Isso sendo um paranico, obsessivo, viciado... !
Acendo um cigarro ansiosamente e esqueo das vrgulas e
dos pontos. Sou um lerdo qualquer andante apenas com o
pensamento. Lerdo e andante. Cem e tantos dilogos.
Crticos! Totalmente, to somente, frases de imediato. Sou
maluco, mas no mato. Prefiro o silncio. Como-me e o diabo
a quato.