Вы находитесь на странице: 1из 30

Anno

VIII

_

Rio

de

Janeiro,

Quarta-feira,

26

de

Fevereiro

de

/

1913

N.

AVENTURAS

admirado

viu cahindo cabellos do ceu.

cabellos

Oue

1) Sabbado

sei

a

quasi

-

(icou

lhe

quando

Lm dos

quebrou

a cabeça.

rrou

para

iodos

chegar

ca-

os

i-os

bem

Ia

de

ara-

KAXIMBOWN

NA

Ir-^^

~)

ümquanto

Sabbado

em

inda

luta

gava,

aranha.Já

do,

atinai,

Kaximbown

estava

todo

a

«arranhado»,quan-

com

estava

Sabbado

PÂNDEGO LAN Dl

3)

.avistando-o,

tomou

d

enorme tesoura de cortar i disposto a livrar Kaximbown d

que o prendia.

 

tela

e zás—começou

a dar tesouradas

a

matroca

De

repente,

cahiu uma orelha.

Por distracção,

esquerda

de

Sabbaá tara

Kaximbown

a

oi

6)

e,

recollocal-a

depois,

dr

teve

no

rafusos, os

um

seu

trabathão

luga

todoT

,

uma para chave

1

ara

UM

ASSENTO

ESPINHOSO

O

TICO-TICO

E^- MÊÊmÍ^ ^

I r

"

'

j

i_^

Em tudo

Um dia

í_22

mão.

ouriço,

a

J

I

bféca.

Em Zézinho,

que

mãos,

sabendo

lalcnier bicho

quer viu

um pôr

quer pe^ar.

tirou o chapeo

maneira.

-

-/

/

dava seu passeio.

Ihor

-

r

e

."""

--^

que

se

procurou aprisionar

não

pega

esse

o

r^

animal

ouriço

com

da

as

me-

ím magnífico

¦ X"""""^

guarda-

snte,

foi

4Ü_ ^

I]

nçar, sentando-se numas

í«e

pedi

naturalmente

.gy/.

th

.••

Í

N

X

3" X.

^Mn&O'

^^

^-s_

^^

se O

vovô de

Zézinho

que comera

sardinhas,

bárbaro.

ram

passeava uma semana

também,

antes. para

digerir

um

Fazia

»4

y~\

"*T&sr>.lo'

_

s<

um

mez qu< hos das calças

ui

o

Creanças palliáas, Lymphaticas, Escrophulosas

kACIIITICAS

OU

ANÊMICAS

Lymphatismo,

Rachitlsmo,

Anemia

Escrophulose

O

Juglandlno

é

um

dos

tônico

nunca

ds

Glffonl

lente reconstítuinie

peral mos

das creanças

roso

tivoeanti-escroprui-

na

da*

no moléstias consum- piivas acima aponta-

das.

baca-

soes,

lhau

emul-

em

porção

vege-

de

contém

ao oleo

excel-

pode-

depura-

tal

organis-

enfraquecidos

loso.que

tratamento

E'superior

fígado

de

e

suas

porque

K^^k. ata«

muito

o

maiorpro-

iodo

reRia)eophos

physiologico.

emi-

vitaliza-

forma

saboroso.que

freqüentemente

*«*•

üiana-

„,„„-.„ glycepo

epnarma-

uma

*C

\a!i/ado,tnhmamen-

r.binadoaotan-

-

nino danoíiueiratju

{•lans

phoro

meJicamento

nentemenie

dor.

sob

agradável

níio

fcuecede

fliandino

mente

Photphatado. os

int-

o

ao cleo

e

!ramente

estômago

e

assimilável,

e

os

ir um xarope

como

perturba

pelos

ai.s

.

u tsia

Capital

e

RUA

ás

intestinos,

d"ahi

clínicos,

-

Vinho

emulsões;

distinclos

o

n

a

preferencia receitam dada

que

o

.

,

lodo-tannlco .„_

.

GIFF0H1

a

mais

seus adultos próprios

filhos.

Encontram-se

e

dos

preparamos

ambos

de

MARÇO,

i-,

listados e no -ial:

^•a,

Pharmacia

9,

prosaria

I

DE

FRANCISCO

9

RIO BE JÀNHRO

111

10S

"

- 9uchs\

[

fe

S.9au/o\

TxuaS.

'Bento

l

83

mm

•AIXACO#li£/03r3 ri

CA/A* C0M&0

373 r£L£ef>

FVX/0i

3

HA

.-

O

>

SAÚDE

em

CADA

TICO-TICO

GOTTA

i>k

UM

DELICIOSO

FÍGADO

de

SEM

PREPARADO

DE

bacalhau

OLEO

I^m todas n» phnrniacias o c1i-o«yívrins

CVis-

Únicos

agentes

para

Brazil

Paul

.T.

ophCo. Rio de Janeiro.

im-

as

sejam

exemplos de robus-

tez.

mães

portancia

bons

£ de grande

que

Em todos os maternidade a

períodos

deve

da

tomar-se

EMULSAOÜSCOTT

Üiliai

CUELHO BARBOSA

para o

Dai-lhes

futuro

de vossos

de (principio bacalh

& G.

filhos

Morrhuina

figado

aetivo do oloo d.9 de

a)

-B0ATSHSa3?o<

assim

os

tomareis

muitas

fortes

moléstias

e livres

tifi

de

iuv?nmd»

O

TICO-TICO

Peçam a este Homem

que

lhes leia

a Vida.

O

seu.

vidas

cia

poder

extraordinário

seja

todos a q.-u.e

de

lêr

distar:-

as

humar.as,

fòr, assombra

les

qus

lhe

aquel-

escrevem

Milhares de ressoai cm todas as

pro-

veitodos conselhos desle homem.

as

e

suas

ami-

Bos

cada

que

los

causar-lhes-haespanto.e servir-lhes-

elle

quanto traba-

da

mãu

eade-

man-

d'este

d'Kn-

que

ofíereci-

dar

jornal

saio

ler

en-

bons

om

de

os

faz do

acontecimen-

Diz-lhes

sendas da vida.tccm

tnaJo bom

destinos

lhes

que

promeüem

I

futuros,

quaes

os

capacidades

modo

inimigos,

passedos.

auxilio.

para

o

êxito que desejado.

e

os

os

existência.

ha

diz

podeiãoatnngiro

Indica-lhes

os

e

descreve

de

que

e

seu

ho

de

e

e

maus A desci períodos ipção

respeilo

aos

presentes

E

tudo

guiar isto:

no

o

nome

pela

nascimento

própria

E"

Citem

escusado

o

nume

uma

i.ittlura

a

pessoa este

uma

mais

Íirecisa

limita-sc

a

(escriplo

adalado

pessoa

d"ella).

claracãodosexo.

&S

dinheiro.

obterão

Sc

gratuita.

quizer

mento especial

da

viaroseu

e

e

pto

seu

sua

vida.

nome.

a datado

anno,

tudo

também

e explicado),

•u

ou

a

senhora

ando

versos

menina

pela

seguintes:

daes

os

paiz,

i.lay

Fi

aproveitar

eobter

não

conselhos que

attingir

sem

ventura.

pessoa que escrever,

pedidoaquantia despezas de para

Burton

porte

revista

tem

arpcllido. que morada

mez

e>cn-

senhor,

copi-

nascimentotdia,

bem

claramente

e

quer

seia

solléira,

sua

lettra

nos dizem

os

par:

se essa

de

Soo

e

de

fòr

réis

São milhares

Que

Para

Quereis-meocaminhoensinar>

A

vontade,

sua

a

em

cstampilhas

Dirija

pode do

a sua

escriplorio.

vanec. Suite. ans

Franca.

anca devem seu franqueadas com

As cartas

200 réis.

juntar

próprio

a

para a

caria

-

i*—»:-:-»

****

Jkw

&ik

/

-;;;

/,"

";

,

,

,

,.

m

JL galante Mne- mosyna, filha, do

Sr. •'. Goi>

.

resi-

ife,

VO

T-yo-Tico

:¦:,:

lh—*$ ^ « >

:¦:,:

¦

>

•,.

*t»

&&

'••.,»•»

ANTAPNEA

""""

"

t.co

Samuel

r,"" de

¦

¦

•™«"

igradavel

e

conhecidas

creança-

os

nas

hoje

das

bronchiaes

l.l\»

substituivel

pnncipaes

CIA ALRORA

-ate

Para

soberana

na

a

para

é

um

excellente

Xa-

espe-

crean-

pharmaceu-

carnais

rope

formulado

cialmente

cialmente

ças, pelo

para

completa

combater

CHE

das

e

Macedo Soare-VVr.ilMEM

mais

pi.

as aneccões

BRON-

l.tlldi

in-

PI 1ARMA-

COQUELl

adultos

a bronchites, bcldcs

rre-raramos

pulmonar.

e drogarias

Encontra-se

e

na

e

l

fraqueza

pharmacias

Rua

Aurora,

57S.

Paulo.

Ir

MENINOS!

lEs!!

SABOREÁEÍ^

Um «e

DELANGRENIER

0 mais

delicioso

e

alimento

em

fortificante

se

as

bem

dos

almoços, o mais

manhã.

k

delicado

que

todas

pode

tomar

pela

A

ncontra-se

mais

19.

Pharmacias,

sortidas

Drogaria

acreditadas

e

Mercearias.

Parla

rue des Salnts-Pères,

Peptol

digere,

nutre,

faz viver

«o

PEPTOL»

INVENTO

DO

PHAÇMACEUTICO

 

PEDRO

DANTAS

eura toda

a espeeie

de fraqueza,

o este-

mago

e

a

prisão

de ventre

326,

Boulevard

2S

RIO

DE

de

Setembro,

JANEIRO

52$

Depositário:

DROGARIA

PACHECO —Venae-se

em

todas

as

pharmacias

e drogarias

Telophon©

n.

1.313

COIFFEUR DE DÂMES

Uruguayana,

78

serviço

espe-

POSTIÇO DE ARTE

Sisâh,

Todos,

„.

tos com

CRE4NÇA8

os

trabalhos

sendo

naturaes.a

cabellos

fei-

casa não tem imitação.

Marii3.-::c

cataloc:

:i:u;Vrc.ií

JiPVTu (T

?

f

Qual,

!

istes

homem,

ni

Compra

o

coara-

o

soberano

deusdosmedicamentos

a

que em

bomesâol

o quasi

vilhoso

xarope,

compra

BR< )M1I.,

dá-lhe

horas

e

elle

vi

e

feu filho;

21

5

O

TICO-TICO

EXPEDIENTE

Condições

da assignatura:

interior:

exterior:

1 anno

1 anno

6 mezes

11$000

20$000 — 6 mezes

6$000

li$000

Numero avulso, 200 réis. Numero atrazado, 500 réis

A importância

em

do

carta

Ouvidor,

das

assignaturas

ou

—A

em

deve

vale

ser

remet-

para

a

O

tida

rua

Malho.

registrada,

!«-!.

postal,

Sociedade

Anonyma

As assignaturas

terminam

eiu

acceilas

começam

é

em

Dezembro

qualquer

de

cada

mas

Náo serão

Junho

por menos

de seis meze-.

tempo,

anno.

Pedimos aos nossos

TEIt.YII.V4HAH

asslgnantes,

EM

31

(empo,

eou» suas

DE

~ cuja*

asslgna-

DEZEMBRO

haja

inull-

(aras

mandarem

Interrupção

usadas.

reformal-as em

e

não

Qearem

não para colleeeoes que

ia::::i

EDIÇÃO i

m::::n

32

PAGINAS

1U

UI—1U

UL—U>«.

em

trm.

WS}

Vemos,

um

então, que

quaes C; um

lábios que

faz

fígado,

órgãos

a

—T; ostra

tem

uma

bocca—

com

peixes;

B,

auxilio dos

um

de veu denominado

concha,

um

ostra.

e

como

estes

broncchios —D,

como

os

etc.

numa

é

a respiração,

intestinos,

coração Todos

todo

Feita

os

são envolvidos

bem que

parte

não

no

á

espécie

á

formando

da

a

passo A sua

manto e

a

adherente

desenvolvem-se

camudo.,

assim

algo

faz-se

das

são

a

a

em

Esta

de

meio,

que

comemos

mollusco,

mollusco,

ostra.

anatomia d'este

mais,

tanques

dizer-lhes

creação

afamados os de

ca.

ostras

a setembro.

d'ellas se sirva

crevam

maio,

manda

r.

respeito

especiaes,

recommenda

nos

sendo os mais

Fran-

As

maio

que ninguém

se es-

de

que

de

Arcachon,perto

da

Normandia

como

nocivas

se

de Bordeaux, na

e

de

Saintonge.

nos mezes

mezes

que mezes

costas

tomadas

Também

como

Só

se

julho

alimento,

e

as

deve

agosto.

popular.

com

junho,

comer nos

E'

Delo

menos o

Vovô

a sabedoria

O professor

—A

das

casa

seria:

a casa

um

jornal

foi

jornal,

— Eu comi

—Muito

A gallinha

na aula

de

phrases

queimou-se,

foi

na

comprado

gallinha, respondeu

me

comeu,

grammatica

activa

na

está

a con-

pas-

Outro exemplo :—Eu

na

r4

explica

na

strucção

siva

comprei

um

Dêem

:

e na voz passiva activa;

queimada.

está

na

activa;

concluiu

agora

passiva:

por mim. Comprehenderam

disse

um

pequeno.

o mestre;

continue.

elle.

um exemplo.

a

bem,

Gchos

do

CapnaOal

ANATOMIA DA OSTRA

Meus netinhos:

Certo, conhecem vocês a ostra,

em casa,

que sempre

como

bem já

tra,em que

te

lhes

têm

á

mesa,

prato.

ou

o papá

pescada

qualidade

um

magnífico

disse

é

Tam-

a ma-

na os-

des-

é ella.

da

tanto

determinada pérola

a

de

gênero

ostra

que

mollusco

fallar que hoje,

varia

Pois

bem,

anatomia.

é

A

da

lhes vou

Sua

Suanto

A(3uelles

prisco

,6u

f.°

Criadas

"1a's

£?rn-se

estructura

faculdades-e

faculdades

exemplo,

são

é

aquelles

e

corpo

preciso animaes

Seus

notar

dos animaes

seus

as

as

suas

gêneros

de vida.

um

o

cujas

por

mais

que

limitadas,

os órgãos

a menos

o

a

cujas

a vida

formiga,

constituem

possível.

as

dizer,

corpo

outro

ma's

d

"Çs

"hoso

e

apresentam

lado,

diversidade

funcções

é,

são

assim

os

uma

mais

a

por órgãos multipli-

estructura

a ainda que um mara-

assegurar

anatomia

para os quaes

como

perfeita,

Dito

mais

isto,

também

complicada.

offerece

bem,

constitue

simples

mecanismo.

órgãos «devem

às?

BPBT^y,

n

!ÍSD

B?

S_!t

_l

jbê

\ '¦

SP^

—I Br^_Bt_^^l

P»4 _í":-ji—_|j

ms

'

_B_Vur

^

^rf"_R

^

**_^I

_;^vv33Kj \

>

¦

Infantil, cuja directoriaé

Celso e

os

Cyro

três

Corypheu, 'que

fizeram

Marques,

Carnaval

durante

as

delicias

do ba.iro

do

Ples"!ervac;i0 ;,c°ns

não,jIesP"'ain.

Abrar5Vc

vista

0r&ãò«nada

^aruu n°l-a -i s°s

c

uma

da

espécie.

Os animaes,

etc.

os

mais

sim-

comem,

nelles

digerem,

uma

Eis porque

de

se gfe/&j_ g_

Trio Carnavalesco

dos

meninos

de

ver

s

somente

porção Ahi,

carne.

A

olhos,

confu-

ostra,

por exemplo.

de

á primeira

Os seus

descobrimos

se

interessante.

com

os

nossos.

aos

oryãos,

nossos

ficamos

composta

ern nada

Um

de Azevedo

dias

naturalista parecem disseca

e

a

os seus

da petizada

d

Preser,tando espanto.

Pedregulho

«v

O

TICO-TÍCO

AVENTURAS II PE-YOD

(CONTO

F*NT*STIC0)

Vocês não conhecem

é

um homemsinho uma

o.cupaçoes

esquimáu,

simplicidade,

o

muito

quecido

e

quedos. Succedeu,

terrível

a

todos

de fallar como

roupa

justa, de

sua

de

seu

de

gorro usadas

de

vestido

o meu

da

ami;o

cabeça

Pé-You?

aos

Pois

pes, com

pre- paiz esta

adornando

talvez,

es-

Pé-Vou

dos Brin-

uma

da maneira

como

que

côr de macaco

como

e

é

costume grandes no

sem

entretanto,

azues

nao

eu

são,

tinha

me

cabeça^e

no paiz

esquimáu

em que,

tendo

permis

silencio a

elegância,

pátria.

um

pellucia.

com

na

File attenúa,

laço de

Fstas

fitas

íitas

mas

a

Groclandia,

prevenir a vocês

e

nós

estamos que

porcellana,

que ultimamente, ao nosso

rompem o

aventura que poderia ter acabado

trágica. contou-me na noite

vocês

sabem,

do Natal,

os brinquedos,

os homens,

mais

Elle

R_2^_!^fc_-^»^^ '

-¦¦

¦^^^-P-5^3

»«Y~">*—:>-<o,

"l

^>V-sT*--l

\

não

conhecem

o meii amigo

ri-You?

siio condemnados

vou relatar a vocês essa historia

lhe-; interessar, e

perigos

da curiosidade. que

habitualmente.

lhes

*

*

Fu,

por

mjnha

de

constantes

\

ha

j

que. asseyuro,

os

or oceasião

do

Nata!, o

Brinquedos está em festa e em divertimentos

a sorte.

paiz de

dos

t

6

entre Qualquer nos; porém

fumes,

vertem

ether

adiante.

cousa

mascara

assim como os dias sem mascarados,

os

de

nem

Brinquedos

e

precisarem

dos outros.

Mas,

Carnaval

per- di-

esguichar

vamos

lança

se

nem

sem

confetti, porque

sem

perfumado

nos olhos

da sua lcrra.com

ta-

ouvira fallar dessas mirificas solemni-

dades annuaes ; mas quando um explorador dos Pólos

bellezas

es-

lestas

met-

aca-

tava

sal-

lhes

como

dizer.

um jornalista

Pé-You disse adeus á sua

Pé-You,

isolado nas

geleiras de

alguns compatriotas e ursos

manhos, nunca

todas

da

as edades

o

e

lhe fez descortinar

quimáusinho

do

No

na capital

Onde esta

sentiu

as

Vocês sabem

civilisação,

nascer-lhe o deseio de assistir ás

altas de couro

e

cujos

trilhos

elle

dias depois

paiz dos Brinquedos!

dia 25 de bezembro

as

suas botas

trem

do paiz

cidade

é

família, calçou

teu-se no grande

bavam de ser assentados.

mecânico

Dous

dos

Brinquedos.

situada, eu não ninguém é tao discreto posso

.quando que o quer s_r.

W íth:

• _míyk

BF%

silencio quanto

E

eu

guardarei

si

á

posição

geogr"-

soubes-

da

o

plata-

phica

sem,

escola,

futuro.

de Brinquedopolis,

tomariam

o

que

o

lhes

caminho

Basta

vocês porque, dessa cidade

em

a

vez do

acarretaria

meio que

grande perigo para

desceu

na

uma

dos

multidão

saibam

Pé-You

de

forma da

sada de bonecas

e a vivacidade

estação que no

apres-

rumof

e

polichin.llos,

a

o

quaes cabeça á roda-

electricos descar-

in*

de todo

>

elle se din-

lin.la

praça

c

pela-''

encontrou,

começaram

dos

pór-lhe a

por

A actividads

indo

guindastes

awagons» de mercadorias

e o movimento

fazer

perder ao

protund

se-

Entretanto,

que

cessante dos

a cabeça ao nosso

trens, acabaram

seus eternos

a onda

esquimáu acostumado

gjl

dos

is.

silencio

g

^ia,

da

Pé-Yi

u

decores vtbrantcs.no

como ante os esplendores d_ uma

nos

na.

docilmentc.

to

Ia,

ao

forasteiros,

na mais

Amêndoas

mais

i";,rar da festa.

As barracas

cidade

:

me

a

disse

estavam armadas

Praça

que

das

nunca

Confeitadas,

boreal.

esquecerá o

qual aurora

se

meio do

Em

baixo

de um enorme

chapéu

de

sol

de

varias

cores, um picadeiro de cavallinhos de pau e balanços.

iva loucamente,

pbonograpbo

A> lado, que

resentaçSo

extasiou

Mas

joven

re

um

cidade grande

tios

acompanhado

c

polo

lanhosidade

ciia-pta-cha-pia-chJ-TIJ

sua

«"*

pela

de um

do motor

accionava o tivoli. um homem-serpente.

palhelado

c

ao

ar livre,

Pé-You,

faiscando

dava

na

a

vestimenta de veludo

cjue

exercícios.

o

cumulo das suas surprezas : oito Tyrolezcs dança"1

de ouro.

uma

linha

flexibihdao»

semclhan»'

ainc,an^)

()

pouco ha. ituadoa

não

esquimáu

lamboril,

seus

chegara

o encheram

movimentos:

de admira^'

mais

aJ|ai

um

jogo

de

quèda-nagua

tomado

d_

assalto

v-

multidão

xões

pessoal; accidente

de bonecas,

inspirou-lhes

de espirito

é,

e evitado

no

que

seguia

alteia

a

singulares

de todo

paiz a todo

via.

o

corrente

dos

civis,

com

refle-

aquelle

um

inteiramente

vi-

mantinham

carre-

que

do

gelo, custo.

a respeito

porque

Assim,

do estado

cahir n'agua

divertido

pelo ou

pouco maravilhado

por vezes,

por auxiliados

meio dos

balas

os

de

ovo,

aturdido,

sitantes,

a ordem,

gados de

avam

Pé-1

os por quaes alguns

policias

e guardas chocolate

recalcitrantes.

O

TICO-TICO

um gallo

brado de alarma.

muito forte, e basta o seu cocoricó que

mundo.

tou

teado

não

o

tivesse visto, e não soltasse o seu

Sabe-se

em

o

Chantecler tem a voi.

todo o

e levan-

peso Ilelios voava todo pra-

immediatamente.

seus

mecânicos

estremeceu para

assustar

Brinquedopolis

sol. para

o

ar,

foi

o nariz

A

pelo

onde

perseguição

saltaram

organisada

os

Officiaes

sobre

cavallos

~^QJT cz^h-y

E??tà?^~' '

Hv~7

%7[

r\vt

**Ü2EA-S%

)
\

PD\H '' \U

vt\

li

- v-/-

x> >\

v\

id=r< y^

Os porteiros

não o deixaram

enirzr

^*

«^^

fe3 *t=J

bobre a cidade

plainava

um acroplano

e

acroplano. partiram

pidos,

que,

abandonaram

tejo dos

a Ioda

a

brida

na

direcção em

o

ra-

jockeys

vizinha,

cor-

bombeiros acom-

ao passa-

que

trepidantes

que

fugia

o

e

Numerosos

automóveis,

juntaram-se

a e'les,assim

como

muitos

pista

montados em burros,corriam numa

a

hippodromo

perseguidores.

corrida

ordem

Ate o automóvel

áquella

fugitivo

a

municipal

louca

de

Entretanto,Pé-You

v >!tar

estava

abandonado,

inspirava-lhe

lnstallara-se

o

extasiado

para

dos

para

engrossar

intimar

panhava

ro

não

d'elle

tara.

e descer.

multidão

no

recobrava

a

animo; reparou

sua

e

confiança

êxito que da

corria atraz

aven-

e

desenrolava possível,

mais commodamente se

a

paisagem

que

olhava

abaixo dos seus

pés.

Deante dos

«ni

"lados com

risos

com lim ;"' :- •'¦

On nae itcs' pianps,faz;am quatro

os

* rcsPcito

"

novos brinquedos, os antigos passa-

vez,

de Pe-Vou não teve

campos de aviação,

aero-

apenas

de

verda-

3;

mote:adores.

pelos

e

eram,

por

sua

despreso

' chegar

aviadores,

outros.

a

eslupefacção

elle

aos

nos

seus

se

que mais

respectivos

espaço.

conhecia

tem

reputação

acroplanos

approximou

de

perto. não

teve

volta

magníficos

d3

pássaros,

vôos em pleno

Pé-You

nao não

os os

1irft~u"' porccrt'),

•j^ndes

hava achava

c

tanto assim

J.ban i a admiral-os

Mas,

coitado!

'""''iqueo ¦

O

dinheiro

cs

a>_

|'a

entrar.

Que

são

lanos e

De

os

sorle

allos

fto«ia-stai

rs'

ap

i

m-i

'

Os

biUhaes!c

PUn!

í»cha 'bandonado. OSl rerousava só

HlesciTH°u

da

tou.s'JSsu'do

o rri0,,no

¦tão,

'ogar

T.a

o

e

as

das

corria

entradas

qucelle

de

dos

barracões onde se guardam

Pé-\ou

bi-

bor-

s.'u hangar

^-

a>p,

a«viSaram ar_Par.i emente,cnormesquantias

rapaz

esquirr.áu

ven de

Que

pobre

adejar cm

esiv.alte

um

suas

de

Mandou

pescar o aviador

que,para

um

aquelle

£'

um

preciso

confessar

as ardores

suas

de

esquimausinno

panorama

bo-

não lon-

pastavam,

e

qual

e

ma-

per- la-

c

vivo.

necas

ge

como

vaccas

maravilhoso

Por entic

elevavam

do^ campos

Pé-You

fiotes animadas,

de pello

a

construído pães

depois

sobre

numerosas

avam

:mpre,

ao

gigante,

espectaculo

copadas,

as cidades

de

balões dirigiveis.

os

olhos de

c emoção:

sobre

no

e. com

mãos

aviador

elegantes

panno

verde

carnoiros

naretfádo.

>u

por

uma

uma

cima

ponte immcnsa

tropas.

de

montes e vales

construcçue:

de

em

de

um

que Ia

rio,

ferro

a

momento

c

esplendido

rodas

de