Вы находитесь на странице: 1из 30

Instituto Politécnico de Setúbal

Escola Superior de Saúde

CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM

ENFERMAGEM I

“A TEORIZAÇÃO EM ENFERMAGEM”
SÍNTESE DOS MODELOS TEÓRICOS DE VIRGINIA HENDERSON; ROPER,
LOGAN E TIERNEY; HILDEGARD PEPLAU; MADELEINE LEININGER

Setúbal, Outubro de 2006


Sumário
folha

0 – Introdução 3
1 – O que é um paradigma 4
1.1 - Paradigma da Categorização 4
1.2 – Paradigma da Integração 5
1.3 - Paradigma da Transformação 6
2 – Escolas, Teorias e Modelos Teóricos 7
2.1 - Escola das Necessidades 7
2.1.1 - Modelo Teórico de Virginia Henderson 7
2.1.2 - Modelo Teórico de Roper, Logan e Tierney 11
2.2 - Escola da Interacção 19
2.2.1 - Modelo Teórico de Hildegard Peplau 20
2.3 - Escola do Cuidar 25
2.3.1 - Modelo Teórico de Madeleine Leininger 25
Bibligrafia 30

2
0 – INTRODUÇÃO

Este documento enquadrado na Unidade Temática “História e Concepções de Enfermagem” da


Disciplina de “Enfermagem I” participa na abordagem inicial à teorização em enfermagem que é
feita durante a licenciatura. Tem como objectivo sistematizar o entendimento das diversas estruturas
teóricas (Paradigma, Escola de Pensamento, Teoria e Modelo Teórico). Nele são apresentados
também, de forma sintética, os Modelos Teóricos de Virginia Henderson; Roper, Logan e Tierney;
Hildegard Peplau e Madeleine Leininger.

3
1 – O QUE É UM PARADIGMA
Define-se paradigma como o conjunto de elementos culturais, de conhecimentos e códigos teóricos,
técnicos e metodológicos compartilhados pelos membros de uma comunidade científica.
São três os paradigmas em que a enfermagem se tem inscrito no tempo: Categorização, Integração
e Transformação. Estes paradigmas são localizáveis cronologicamente porque são representativos
da época onde se inserem ( ideologias, política social, organizações).
Cada paradigma contém conjuntos de representações de ideias, valores e crenças de uma
sociedade em determinada época - As Escolas de Pensamento. Dentro destas situam-se as
Teorias, das quais os Modelos Teóricos pretendem ser representações práticas (e por isso mais
perceptíveis do ponto de vista do real).
No caso dos modelos teóricos de enfermagem, verifica-se que se apoiam em teorias sobretudo
oriundas das ciências sociais e humanas, consideradas mais consentâneas com a especificidade da
enfermagem (antropologia, psicologia, sociologia), orientam as práticas em enfermagem e servem
de guia para a formação, investigação e gestão dos cuidados de enfermagem.
Por diferentes que sejam os modelos conceptuais de enfermagem, todos têm em comum quer o
facto de serem centrados na pessoa como sujeito dos cuidados numa perspectiva holística, embora
só tardiamente se tenha introduzido este conceito, quer na acção do enfermeiro, quer ainda na
relação entre este e a pessoa.
Os conceitos de pessoa, ambiente, saúde e enfermagem são conceitos chave em todos os modelos
(conceitos meta-paradigmáticos ou metaparadigmas da enfermagem). É a partir da forma como os
enfermeiros experimentam estes conceitos e da relação entre eles que se clarifica o campo
específico da Enfermagem, ou seja a forma como a enfermagem encara os fenómenos.

1.1 - PARADIGMA DA CATEGORIZAÇÃO (sec. XVIII – XIX)


Perspectiva os fenómenos de modo isolado, não inseridos no seu contexto. Entende-os por isso
dotados de propriedades definidas e mensuráveis.
Aplicado ao domínio da saúde, este pensamento orienta-se na procura de um factor causal para as
doenças e da associação entre esse factor, uma determinada doença e um quadro sintomático
característico. Organiza cuidados de enfermagem centrados na doença, dirigidos para os
problemas, limitações ou incapacidades. O enfermeiro “faz por”, sem que as pessoas doentes
participem no seu auto-cuidado.

4
1.2 – PARADIGMA DA INTEGRAÇÃO (decada de 50 – sec. XX)
Tem origem nos Estado Unidos da América, nos anos 50, após a segunda guerra mundial. Surge da
necessidade de dar resposta às carências resultantes da guerra. Contextualiza-se nos grandes
desenvolvimentos tecnológicos das ciências sociais e humanas e de novos saberes focados no
indivíduo; para isso contribuíram estudiosos e cientistas com novas teorias, Maslow com a teoria da
motivação, Rogers com a terapia centrada no indivíduo e Adler com a psicologia social.
Dá continuidade ao anterior mas perspectiva os fenómenos como multidimensionais e os
acontecimentos como contextuais. Integra as manifestações de um fenómeno no contexto
específico em que o mesmo se situa. Analisa e valoriza os dados quer objectivos quer subjectivos e
considera as mudanças como probabilísticas. Caracteriza-se pela orientação para a pessoa e
influenciou por isso a orientação da enfermagem para a pessoa - todo formado por partes em inter-
relação - “PESSOA” – Ser bio-psico-sócio-culturo-espiritual. Sendo que os cuidados de enfermagem
passam a ser entendidos como o “agir com” a pessoa, com o objectivo de responder às suas
necessidades. Saúde e doença passaram a ser perspectivadas como entidades distintas que
coexistem e que estão em interacção dinâmica.
A gestão dos cuidados é feita através de equipas de enfermagem e é neste período que a
enfermagem começa a desenvolver-se como ciência e com um corpo teórico específico.
Surgem os modelos conceptuais de enfermagem com a intenção de objectivar a prática dos
cuidados de enfermagem e orientar a formação e investigação. Neste paradigma enquadram-se
quatro escolas de pensamento em enfermagem.

ESCOLA DAS NECESSIDADES ESCOLA DA INTERACÇÃO


Virginia Henderson – 1955 Hildegard Peplau – 1952
(Roper, Logan e Tierney) Josephine Paterson e Loretta Zderad – 1961
Dorothea Orem – 1959 Ida Orlando – 1962
Faye Abdellah – 1960 Joyce Travbelbee – 1964
Ernestine Wiedenbach – 1965
Imogene King – 1968
ESCOLA DOS EFEITOS DESEJADOS ESCOLA DA PROMOÇÃO DA SAÚDE
Dorothy Johnson – 1958 Moyra Allen – 1963
Lydia Hall – 1961
Myra Levine – 1967
Callista Roy – 1971
Betty Neuman – 1975

5
1.3 – PARADIGMA DA TRANSFORMAÇÃO

Em vigor desde meados decada de 70 do sec. XX, o paradigma da transformação representa uma
mudança sem precedentes na mentalidade. Nas condições de mudança e de desequilíbrio, a
interacção de fenómenos complexos é entendida como o ponto de partida de uma nova dinâmica
mais complexa. Trata-se de um processo recíproco e simultâneo de interacção.
O paradigma de transformação é a base de uma abertura da ciência de enfermagem face ao
mundo. Inspirou as novas concepções da enfermagem.
De envergadura internacional, esta abertura face ao mundo teve lugar na metade da década de 70.
Ficou marcada pelos seguintes acontecimentos: abrem-se as fronteiras, primeiro nos aspectos
culturais, depois na economia e finalmente nos aspectos políticos. A cultura ocidental influencia a
cultura oriental e vice-versa.
É nesta perspectiva que em 1978 a conferência internacional sobre cuidados de saúde primários
destaca a necessidade de proteger e promover a saúde de todos os povos do mundo. A
Organização Mundial de Saúde (OMS) autora da declaração de Alma-Ata reconhece as relações
entre a promoção e a protecção da saúde dos povos e o progresso equitativo sobre o plano
económico e social. Propõe que se ponha em prática um sistema de saúde baseado sobre uma
filosofia em que os homens têm direito e o dever de participar individual e colectivamente na
planificação e na realização de medidas de protecção sanitária que lhe são destinadas. A população
é agora agente da sua própria saúde, participando nela com o mesmo grau que os profissionais de
saúde. Dentro desta óptica, a pessoa é considerada como um ser único cujas múltiplas dimensões
formam uma unidade. Este ser íntegro e único é indissociável do seu universo. A pessoa está
relacionada com o seu interior e com o seu exterior.
Os enfermeiros que aderem a esta filosofia dos cuidados de saúde primários podem trabalhar numa
relação de igualdade, nas etapas de um projecto sanitário com as pessoas cujos valores e
prioridades são por vezes diferentes dos seus. Acolher a participação do outro exige espírito aberto,
tolerância, capacidade de negociar, abertura do compromisso e apreciação pela diversidade.
Engloba as seguintes Escolas de Pensamento:
ESCOLA DO SER HUMANO UNITÁRIO ESCOLA DO CUIDAR
Martha E. Rogers – 1970 Madeleine Leininger – 1978
Margareth Newman – 1979 Jean Watson - 1979
Rosemarie R. Parse – 1981

6
2 – ESCOLAS, TEORIAS E MODELOS TEÓRICOS

2.1 - ESCOLA DAS NECESSIDADES


A Escola das Necessidades sofre as influências da teoria da motivação humana de Maslow (1968)
que encara a motivação humana sob a forma de uma hierarquia de necessidades que devem ser
satisfeitas, da teoria de desenvolvimento de Erikson e da psicologia individual de Rogers.
Sendo uma das Escola do Paradigma da Integração é orientada para a pessoa como ser total em
permanente mudança desde o nascimento até à morte. Entende-se também que todo o indivíduo
tem um conjunto de necessidades hierarquizadas de acordo com o grau de importância para a sua
sobrevivência, capazes de induzirem acções que visam a satisfação da necessidade que quando
obtida deixa de causar tensão ou desconforto. Só depois de satisfazer as necessidades mais
prementes (fisiológicas) é que emergem novos padrões de necessidades não vitais como a
segurança, os afectos e a auto-estima. A pessoa desenvolve-se no sentido de satisfazer as suas
necessidades de forma autónoma.
O principal obstáculo à satisfação das necessidades é a doença, sendo o objectivo dos cuidados de
enfermagem substituir a pessoa agindo com ela até esta readquirir a sua autonomia e
independência. Os factores sociais e ambientais são também considerados pela positiva ou pela
negativa para a satisfação e para a independência da satisfação das necessidades da pessoa.
Desta escola são de seguida sintetizados os modelos teóricos de Virginia Henderson e de Roper,
Logan e Tierney

2.1.1 - Modelo Teórico de Virginia Henderson


Tornar-se-á claro que há uma correlação entre as catorze Necessidades Fundamentais e a
Pirâmide das Necessidades Humanas de Maslow.

PRESSUPOSTOS DO MODELO
Os pressupostos inerentes ao modelo de Virgínia Henderson baseiam-se nas crenças, valores,
teorias (para definir conceito de enfermagem, saúde, ambiente e pessoa) sendo estes
determinantes para as atitudes que a enfermeira deve assumir ao relacionar-se com o doente.

Enfermeira: tem como função primordial ajudar indivíduos saudáveis e enfermos; faz parte da
equipe com o médico; actua independentemente do médico elaborando o seu plano de cuidados;
pode e deve diagnosticar e tratar se a situação assim o requer; possui conhecimentos no campo
das ciências sociais e biológicas; deve avaliar as necessidades humanas básicas; ajuda o paciente

7
a adquirir independência no trajecto dependência/independência; deve interiorizar de tal forma as
necessidades sentidas e aparentes do paciente, de modo a saber de uma forma mais precisa o que
o paciente necessita; pode modificar o meio ambiente proporcionando o ambiente mais adequado
ao paciente; ajuda o paciente a atingir a sua independência ou a ter uma morte serena; tem como
objectivo promover a saúde, prevenindo em vez de tratar.
A enfermeira sintetiza todas as suas funções na procura da satisfação das 14 necessidades básicas
do doente.

Pessoa/Paciente: deve manter o equilíbrio fisiológico e emocional;a mente e o corpo do indivíduo


são inseparáveis; o paciente e a família formam uma unidade; os 14 componentes abarcam todas
as necessidades do paciente.

Saúde: é uma qualidade de vida; é básica para o funcionamento do ser humano; requer
independência e interdependência; é mais importante a promoção da saúde do que o cuidar da
enfermidade; os indivíduos obterão a saúde se possuírem a força, a vontade e os conhecimentos
necessários.

Ambiente: os indivíduos saudáveis são capazes de controlar o meio que os envolve, mas a doença
pode interferir com essa capacidade; os enfermeiros devem receber formação sobre medidas de
segurança; cabe aos enfermeiros proteger os pacientes de possíveis lesões produzidas por agentes
mecânicos; os enfermeiros devem reduzir ao mínimo as probabilidades de lesão mediante
recomendações relativas à construção de edifícios e compra de equipamentos; são na maior parte
das vezes os enfermeiros que observam o que posteriormente é prescrito pelos médicos como
dispositivos de protecção; é de grande importância ter conhecimentos sobre os hábitos sociais e as
práticas religiosas de modo a valorizar os perigos.

COMPONENTES DA TEORIA - são cinco:


Enfermeira - definida pela teórica como tendo obrigação de assistir o indivíduo saudável e doente
na realização das suas actividades para que mantenha a saúde ou a recupere e deve fazê-lo de
modo a que o ajude a ganhar a independência com a maior brevidade possível, ou a morrer com
serenidade .

Saúde – definida como a habilidade que um indivíduo tem para, sem ajuda realizar as 14
necessidades básicas do modelo da Teórica.

8
Ambiente - definido como o conjunto de todas as condições externas que afectam a vida e o
desenvolvimento de um organismo.

Pessoa /paciente - indivíduo que necessita de assistência para alcançar a saúde e a


independência ou ter uma morte pacífica . A mente e o corpo são inseparáveis.

As necessidades que Henderson identifica como básicas para os indivíduos - são as seguintes:
1º- Respirar com normalidade;
2º- Comer e beber adequadamente;
3º- Eliminar os resíduos corporais;
4º- Movimento e manutenção de uma postura adequada;
5º- Repousar e dormir;
6º- Seleccionar roupa adequada, vestir-se e despir-se;
7º- Manter a temperatura corporal dentro de limites aceitáveis, adaptando a roupa às modificações
do ambiente;
8º- Manter o corpo limpo, bem cuidado e proteger a pele;
9º- Evitar os perigos do ambiente e ferir outras pessoas;
10º- Comunicar com os outros, exprimindo emoções, necessidades, medos e opiniões;
11º- Exercer a sua religião de acordo com o culto que professa;
12º- Trabalhar de modo a sentir-se realizado;
13º- Jogar e participar em diversas actividades recreativas;
14º- Estudar, aprender e descobrir ou satisfazer a curiosidade que conduz ao desenvolvimento
normal e à saúde.

A teórica identificou estas 14 necessidades básicas e fundamentais, que podem ser ou não
satisfeitas se o indivíduo não se encontrar de perfeita saúde, isto em qualquer etapa do seu ciclo de
vida. É então que a enfermeira tem que ajudar o paciente a recuperar a saúde.
Virgínia Henderson parte do princípio que todo o ser humano só não satisfaz as suas necessidades
se não tem saúde ou se não tem conhecimentos suficientes para o fazer. Segundo ela as
necessidades básicas são as mesmas para todos os seres humanos, verificando-se
independentemente da situação em que se encontra cada indivíduo.
Estas necessidades modificam-se por dois tipos de factores:
Os permanentes – idade, nível de inteligência, meio social e cultural, capacidade física;

9
Os variáveis – que são os estados patológicos, como falta grave de oxigénio, hiper ou hipotermia,
infecção, doença infecciosa ou infecto-contagiosa, situação pré ou pós operatória, dor persistente,
doença com prognóstico reservado, etc.

INTER-RELAÇÃO ENTRE CONCEITOS


A relação enfermeira – paciente
Henderson descreve a relação enfermeira – paciente, destacando três níveis de intervenção: como
substituta, como ajudante e como companheira.
A sua principal influência consiste na adaptação de uma estrutura teórica, que permita que os
objectivos que levam à saúde, ou seja, à independência, restabelecimento, manutenção ou em
alguns casos à morte serena sejam conseguidos.
Desta forma o enfermeiro dá vida a estes conceitos «enfermeiro-indivíduo-ambiente», numa
perspectiva da prestação de cuidados centrados no indivíduo.

A relação enfermeira – médico


Henderson insiste que a enfermeira tem uma função diferente da do médico.
O plano de cuidados, formulado pela enfermeira e o paciente, deve realizar-se de modo a potenciar
o plano de terapêutica prescrita pelo médico. Muitas funções de enfermagem e médicas
sobrepõem-se.

A enfermeira como membro de uma equipa de saúde


A enfermeira trabalha em interdependência com outros profissionais de saúde. A enfermeira e os
outros membros da equipa de saúde colaboram para que o plano de cuidados seja cumprido na sua
totalidade, no entanto ninguém deve fazer o trabalho que compete a cada um, porque cada
elemento tem funções precisas em cada etapa do processo de recuperação.
Henderson inclui na equipa de saúde o paciente e a sua família, assim como o representante da sua
religião, e todos os recursos humanos que poderão ser necessários para a sua recuperação.
Em cada altura do processo de doença a importância de cada elemento vai variando, isto é,
aumentando ou diminuindo consoante a necessidade do paciente. Por isso em algumas situações
não se incluem certos membros da equipa que em outras estão presentes.

10
2.1.2 - Modelo Teórico de Roper, Logan e Tierney
CONCEITOS
Poder-se-á dizer que a conceptualização é uma actividade individual, ou seja, o mesmo fenómeno
observado por diversas pessoas, poderá ser visto de uma forma semelhante, mas cada um
introduzirá características únicas acerca da situação, de acordo com os conhecimentos valores e
crenças que possui. Desta forma Nancy Roper definiu no seu modelo alguns conceitos por ela
considerados como sendo os mais importantes no mundo da enfermagem – Pessoa, Saúde,
Enfermagem e Ambiente.

Pessoa - È um sistema aberto, em relação permanente com o seu meio ambiente, adapta-se,
cresce, desenvolve-se, caminha para a independência e caracteriza-se pelas actividades de vida
que realiza. O homem começa na concepção e vai até à morte, tendo como principal objectivo
atingir a auto-satisfação e o máximo de independência em cada actividade de vida dentro dos
limites impostos pelas circunstâncias em que se encontra.

Saúde - Saúde não é uma situação estática, evolui em função da capacidade económica, social,
cultural e dos estilos de vida da sociedade em que o homem está inserido. Nancy Roper considera
que não há um estudo de saúde absoluto, mas é o indivíduo que julga, de uma forma subjectiva se
está bem ou mal. Referir saúde terá de ser sempre em relação a cada indivíduo e ao seu próprio
nível de saúde. Saúde e doença não existem isoladamente, dependem de vários factores que
individualmente ou em conjunto influenciam e determinam saúde ou doença. Entre os vários
factores referenciou factores sociais, culturais, ambientais, psicológicos e político-económicos.

Enfermagem - Nancy Roper baseou o seu conceito de enfermagem no conceito proposto por
Virgínia Henderson. Assim, enfermagem será um modo de ajudar cada indivíduo a evitar, resolver,
aliviar ou enfrentar os problemas relacionados com as actividades de vida, os quais têm diversas
origens e tanto podem ser reais ou potencias. Quando o indivíduo não é capaz de ser independente
em algumas das actividades de vida e a família não consegue assegurar essas necessidades a
enfermagem existe para o substituir ou ajudar na realização das actividades de vida com o objectivo
de o tornar independente o mais precocemente possível e atingir o seu estado de saúde.
Para que a enfermeira desempenhe o seu papel eficazmente deve ter conhecimento sobre os
factores que referenciam as actividades de vida e também sobre o desenvolvimento progressivo ao
longo da vida.

11
Ambiente - Ao longo do seu modelo Nancy Roper não definiu o que para ela representava o
ambiente. Refere apenas que o ambiente por si só poderá pôr em risco a saúde, a segurança, e a
própria vida do indivíduo. Diz ainda que este, em cada fase do seu ciclo de vida está sujeito a riscos
próprios do ambiente que deverão ser conhecidos, afim de se evitarem.

PRESSUPOSTOS DO MODELO
Na elaboração do seu modelo teórico, Nancy Roper partiu dos seguintes pressupostos:
- O modo como cada um realiza as actividades de vida contribui para a individualidade de vida.
- A vida pode ser descrita como uma amálgama de actividades de vida.
- O indivíduo é avaliado em todos os estádios do ciclo vida.
- O indivíduo até à idade adulta tende gradualmente a tornar-se cada vez mais independente nas
actividades de vida.
- Enquanto que a independência nas actividades de vida é valorizada, a dependência não deverá
reduzir a dignidade do indivíduo.
- O conhecimento, atitudes e comportamentos do indivíduo, relacionado com as actividades de vida,
são influenciados por uma variedade de factores que se podem categorizar como: físicos,
psicológicos, sócio-culturais, ambientais e politico económicos.
- O modo como cada indivíduo realiza as actividades de vida pode oscilar dentro de certos limites,
considerados normais para aquela pessoa.
- Durante o ciclo de vida a maioria dos indivíduos vivência factores significativos que podem afectar
o modo de realização das actividades de vida e originar problemas reais ou potenciais.
- O conceito de problema potencial incorpora a promoção e manutenção de saúde, prevenção de
doença e identifica o papel do enfermeiro como um educador para a saúde, mesmo numa situação
de doença
- No contexto de cuidar, o enfermeiro trabalha em estreita colaboração com o doente que salvo
circunstancias especiais é uma pessoa autónoma e com poder de decisão.
- A enfermeira faz parte de uma equipa multiprofissional que trabalha para o benefício do utente e
para a saúde da comunidade.
- A função específica da enfermagem é ajudar o indivíduo a prevenir, avaliar e resolver os
problemas (actuais ou potenciais) relacionados com as actividades de vida.

DESCRIÇÃO DO MODELO - Nancy Roper, Winifred Logan e Alison Tierney, foram influenciadas
por Virgínia Henderson, Dorothea Orem e também pela teoria geral dos sistemas. Para constituírem
o modelo de enfermagem, basearam-se no modelo de vida que tem como núcleo o Homem.

12
Este modelo é constituído por 5 componentes em permanente interacção:
Actividades de vida
Ciclo vital/Etapas da vida
Grau de dependência/independência
Factores que influenciam as actividades de vida
Individualidade de vida

ACTIVIDADES DE VIDA
O modelo encara os indivíduos como empreendendo doze actividades de vida básicas. No entanto,
há estádios no decorrer da vida em que o individuo ainda não pode, ou já não pode realizar uma ou
mais dessas actividades. Circunstâncias especiais podem ainda e também restringir a realização de
uma ou mais das actividades.
São doze as actividades de vida:
Manter um ambiente seguro
Respirar
Alimentação
Eliminar
Comunicar
Higiene pessoal e vestuário
Controlar a temperatura corporal
Trabalhar e divertir-se
Movimentar-se
Exprimir a sexualidade
Dormir
Morrer

Manter um ambiente seguro - È uma actividade de carácter preventivo. O indivíduo procura realizar
no seu dia a dia actividades que de uma forma ou de outra contribuam para a preservação de um
ambiente seguro e embora se trate de rotina, realizam-se quase sem esforço consciente. Exemplos
de algumas medidas de segurança são as que evitam acidentes no lar e as protegem contra os
incêndios. Algumas pessoas, para além de garantirem a sua própria segurança, procuram garantir
que as futuras gerações tenham um ambiente tão seguro quanto possível.

Respirar - A primeira actividade de um recém-nascido é respirar è um acto inerente à vida. O


oxigénio é sem duvida alguma indispensável para todas as células cerebrais e a sua privação
poderá levar a lesões graves e irreversíveis. Consequentemente todas as actividades de vida, bem
como a própria, estão absolutamente dependentes da respiração.

Alimentação - A vida humana não poderá ser mantida durante muito tempo se o indivíduo não
receber alimentos, daí ser também tal como a respiração uma actividade essencial à vida pondo em

13
causa a própria sobrevivência e crescimento. Os factores socioculturais influenciam a forma como
as refeições são tomadas e a selecção dos alimentos e bebidas.

Eliminação - Nesta actividade estão consideradas a eliminação vesical e a intestinal. A eliminação


tem como objectivo eliminar os produtos resultantes do catabolismo orgânico. Deverá proceder-se
ao registo da forma como o doente habitualmente mantém a função dos intestinos e da bexiga.
É uma actividade essencial à vida. A aquisição de controlo voluntário sobre a eliminação é marco
importante para o desenvolvimento da pessoa nos primeiros anos de vida.

Comunicar - O homem é por natureza um ser social, e a comunicação com o outro é uma constante,
esta comunicação pode assumir várias formas. Pode ser verbal, ou não verbal. Tendo em conta
estes princípios compreendemos como a comunicação pode assumir o papel de promotora da
interacção interpessoal e o relacionamento entre as pessoas. E estes são aspectos fundamentais
para a vida. A comunicação e a interacção que o enfermeiro estabelece entre o doente e a sua
família, são meios de intervenção por excelência, não só para o restabelecimento da comunicação e
interacção do doente com os outros, como também uma forma de diagnosticar e identificar
dificuldades sentidas pelo doente.

Higiene pessoal e vestuário - A higiene pessoal e os hábitos de vestir dependem da cultura e de


cada pessoa, mas independentemente destes factores esta actividade quando realizada
correctamente e convenientemente pode prevenir muitas doenças.
O tipo de vestuário utilizado depende da personalidade de cada individuo, sendo ao mesmo tempo
uma forma de comunicação não verbal.

Controlar a temperatura do corpo - Por definição, o Homem consegue auto-regular a temperatura do


seu corpo, mantendo-a constante. Esta é uma característica de todos os mamíferos. Esta
capacidade permite manter processos biológicos relacionados com o seu metabolismo, bem como
contribuir para a promoção do seu bem-estar pessoal, tendo em conta as variações da temperatura
nos diversos ambientes onde vive.
Apesar do corpo auto-regular a sua temperatura, por vezes o Homem é obrigado a desenvolver
actividades que evitem os riscos provocados pelo calor ou pelo frio.

Trabalhar e divertir-se - Trabalhar, é sem duvida um acto de desenvolver qualquer actividade que é
consequentemente remunerada. São aspectos fundamentais desta actividade e para a maioria dos

14
adultos, o sentido de fazer parte de grupos de trabalho e lazer, as satisfações do desafio e sucesso
e a prevenção do tédio.

Mobilidade - É a actividade que está presente em todas as outras. E é tão importante que pode ser
relacionada com a respiração, a alimentação, o trabalho, o lazer, etc..
Quando está afectada por período longo faz sentir a sua falta a totós os níveis, quer psicológico,
físico, social, económico e cultural.

Exprimir a sexualidade - A expressão de sexualidade está ligada à idade, à etapa de


desenvolvimento, à cultura e à sociedade onde esta inserido. A actividade específica que tende a
estar directamente associada com sexo é a relação sexual. A feminilidade e a masculinidade são
reflectidas no espaço físico e na força, no estilo de vestuário, nos papeis familiares, sociais e
relacionamentos e ainda nas escolhas relacionadas com o trabalho e lazer. Um dos objectivos da
actividade sexual é a continuação da espécie.

Dormir - Os aspectos bio-fisiológicos do sono e o repouso dependem da idade e do estado de


saúde do indivíduo. O tempo de sono difere de indivíduo para indivíduo.
Sem sono ou privados de repouso, as pessoas sentem mal-estar e podem adoecer.

Morrer - A morte é a última etapa do ciclo de vida.É a grande certeza que dá lugar a muitas e
variadas formas de a encarar, dependendo das culturas e das formas de realização dos indivíduos.
A reacção à morte dos entes queridos dá lugar a um sentimento de desgosto, que pode assumir o
papel de actividade ligada à morte. Este sentimento faz parte do processo de luto, do qual se espera
a resolução e compreensão da morte do ente querido, que dará lugar à coragem para continuar a
viver.

O modelo identifica ainda três tipos de actividades interrelacionadas entre si e com as 12


actividades de vida:
Actividades preventivas – Estas preocupam-se em prevenir certos acontecimentos que alteram a
vida tais como as doenças e os acidentes.
Actividades de conforto – São realizadas com o objectivo de dar bem-estar físico, psíquico e social.
Actividades pesquisadoras – São as que se realizam com o objectivo de adquirir conhecimentos.

15
CICLO VITAL/ETAPAS DA VIDA
Considera-se ciclo de vida, todas as fazes que o indivíduo percorre desde o nascimento ate à morte.
Viver é intrínseco a toda a vida do ser humano. Cada pessoa tem as suas etapas de vida desde a
concepção até à morte. Estas etapas de vida são representadas em diagrama, como um segmento
de recta que indica a direcção do movimento, desde o nascimento até à morte.
À medida que cada pessoa vai percorrendo o seu ciclo de vida, esta é influenciada por um processo
de desenvolvimento que produz alterações. Associado a este processo, regista-se uma evolução
intelectual, psíquica, social e emocional, integrada numa série de fases que constituem o ciclo vital:

Intra uterina - Infância (0-5 anos)


Primeira infância (6-12 anos)
Adolescência (13-18 anos)
Idade intermédia (19-30 anos)
Idade adulta (31-45 anos)
Idade matura (46-65 anos)
Velhice (65 + anos)

GRAU DE DEPENDÊNCIA/INDEPENDÊNCIA
Move-se de forma dinâmica e é afectado por uma série de factores. Está em interacção contínua
com as várias etapas da vida e com a capacidade do indivíduo as realizar, ou seja, desde o
nascimento até à morte, o indivíduo atravessa diversas fases posicionando-se de modo diferente no
continuum dependência/independência.
No homem não existe uma independência absoluta. “Os conceitos de dependência e independência
apenas são significativos quando se consideram um em relação ao outro” Roper et al (1990, p32).
Quando nasce (o Homem) é um ser completamente dependente. Com o passar do tempo, vai
desenvolvendo e adquirindo capacidades de realização de algumas, se não todas as actividades de
vida. No entanto, nem todos os indivíduos nascem com o mesmo potencial para atingir a
independência perante cada actividade de vida.

FACTORES QUE INFLUENCIAM O MODELO DE VIDA


Até agora foram descritos três componentes do modelo – as actividades de vida, as etapas de vida
e o grau de dependência / independência.
Considera-se que cada indivíduo no decorrer do seu ciclo vital realiza as actividades de vida de uma
forma diferente, porque a realização das mesmas, difere de pessoa para pessoa na mesma fase do
ciclo e porque sofrem a influência de factores que o tornam um ser único. Temos ainda que ter em

16
conta a forma como estes factores interagem e se interpenetram entre si. Deste modo esses
factores são:
Físicos
Psicológicos
Sócio-culturais
Ambientais
Político-económicos

FÍSICOS - Neste modelo de vida, quando se refere o termo físico, este esta relacionado com a
função fisiológica e anatómica do corpo humano.
Num individuo saudável, a sua capacidade física varia consoante a idade e o grau de
dependência/independência de si mesmo, o que influencia a sua individualidade.
Partindo que o corpo humano é resultante da função de vários sistemas, é importante ajustar cada
sistema corporal a uma actividade de vida, ou seja, por exemplo: O sistema cardio-respiratório está
relacionado com a actividade de vida respirar, o sistema gastrointestinal inferior e o sistema urinário
estão relacionados com a actividade de vida eliminar etc.
Embora a pessoa seja vista como um todo, é importante relembrar que a divisão por sistemas serve
apenas para avaliar as actividades de vida.

PSICOLÓGICOS - Estes factores influenciam as actividades de vida no aspecto intelectual e


emocional e são importantes no grau de dependência/independência de cada individuo. Influenciam
a individualidade da pessoa e afectam a forma como cada pessoa desempenha as suas actividades
de vida.

ASPECTOS INTELECTUAIS - Baseiam-se no desenvolvimento cognitivo que por sua vez está
relacionado com a aquisição de aptidões intelectuais tais como o raciocínio, o pensamento e a
capacidade de resolução de problemas, essenciais à sobrevivência física. Tomando como exemplo
um problema físico tal como a cegueira ou surdez, (privação sensorial), esta poderá resultar num
desenvolvimento intelectual tardio, influenciando de uma forma negativa todas as actividades de
vida. O processo de envelhecimento leva de uma forma natural, a uma perda de capacidade
intelectual, que por sua vez, diminui a independência para realização de algumas actividades de
vida.

ASPECTOS EMOCIONAIS - Baseiam-se no desenvolvimento emocional, relacionado com


aquisição de valores, auto confiança, formação da família, adaptações emocionais etc.

17
SÓCIO-CULTURAIS - Estes factores englobam aspectos da vida espiritual ética e religiosa. As
actividades de vida de cada indivíduo, são influenciadas de uma forma individual pela cultura, a
ética e a religião.

AMBIENTAIS - As actividades de vida sofrem uma grande influência dos factores ambientais. Por
exemplo a atmosfera pode influenciar as actividades de vida como a temperatura corporal, dormir,
ambiente seguro, etc.

POLITICO ECONÓMICOS - Estes factores neste modelo de vida, são frequentemente a pressão e
a acção politica e/ou económica reflectidas na legislação. Influenciam as actividades de vida, nas
etapas de vida e no grau de independência do indivíduo, influenciando consecutivamente a sua
individualidade.

INDIVIDUALIDADE DE VIDA - Sabendo-se que as actividades de vida são o componente principal


deste modelo sabe-se também que cada individuo realiza essas actividades de forma diferente.
Em termos do modelo, esta individualidade pode ser observada como um produto de influência
sobre todas as actividades de vida de todos os outros componentes do modelo e da interacção
complexa entre estas. Assim, a individualidade de cada um é influenciada pela conjugação dos
primeiros quatro componentes do modelo.

A individualidade de cada indivíduo pode-se manifestar de diferentes formas:


Como realiza as actividades de vida;
Com que frequência realiza as actividades de vida;
Onde realiza as actividades de vida;
Porque realiza as actividades de vida daquela forma;
O que sabe sobre as actividades de vida;
O que acredita sobre as actividades de vida;
Que atitude tem em relação ás actividades de vida;

Logo, a individualidade de vida é um componente do modelo, resultante do produto das outras


componentes. É ainda importante referir que embora o modelo, tenha a característica de ser
individual, a individualidade de vida, pode ser utilizada para discussão do indivíduo, da família, de
um grupo, ou até mesmo de uma comunidade.

18
2.2 - ESCOLA DA INTERACÇÃO

Esta escola surge no fim da década de 50, principio da de 60 e tem origem nos Estados Unidos da
América. Com o desenvolvimento económico e cultural da época surge esta escola em que se
verificava um crescente aumento de atenção para as necessidades relacionais e de intimidade das
pessoas.
Nesta escola, surgem teorias que a influenciam tais como a terapia centrada no cliente, de Rogers
(1974), a teoria sistémica de Van Bertalanlly, a fenomenologia e o existencialismo. Existem diversas
teóricas que se incluem nesta escola. Destacamos Hildegard Peplau
Dentro desta escola são considerados quatro conceitos chave:
A pessoa é encarada como um sistema aberto, delimitado por fronteiras permeáveis face ao
ambiente que a rodeia, com o qual mantém trocas de matéria, energia e informação com o ambiente
circundante. Essa pessoa é constituída por vários subsistemas, dando esta escola maior relevância
ao psicológico.
A saúde é definida como a capacidade de ajustamento aos “stressores” do ambiente interno e
externo e pela óptima utilização dos recursos, com o objectivo da pessoa aprofundar o seu potencial
máximo de vida.
O ambiente é entendido como um conjunto de pessoas significativas com o qual cada um de nós
interage.
Os cuidados de enfermagem são definidos como um processo interactivo entre uma pessoa que
tem necessidade de ajuda e uma outra que é capaz de lhe a oferecer. Este papel é assumido pela
enfermeira que ao ajudar o outro clarifica os seus próprios valores, usa a sua própria pessoa de
modo terapêutico e compromete-se nos cuidados que presta. Por último, os cuidados de
enfermagem levam à criação de condições que permitem o desenvolvimento da personalidade da
pessoa que necessita de ajuda. O processo de cuidados de enfermagem desenvolve-se em quatro
fases que são: a orientação, o reconhecimento, o aprofundamento e a resolução. Enquanto decorre
todo este processo é essencial manter a integridade da pessoa de forma que ela seja capaz de
reconhecer as suas necessidades e de promover a sua auto-afirmação. Neste processo passaram a
ser valorizadas a subjectividade e a integração.

19
2.2.1 - Modelo Teórico De Hildegard Peplau
Devido ao grande desenvolvimento económico e cultural que se verificou a partir de 1950, começou
a dar-se ênfase às necessidades relacionais e de intimidade das pessoas. Na necessidade de dar
resposta a este fenómeno, foi constituída uma corrente de opinião na procura dos fundamentos que
norteiam a profissão de enfermagem.
É neste contexto que surge o Modelo Teórico de Hildegard Peplau, que veio constituir um marco na
enfermagem. Tornava-se necessário delimitar e enquadrar a existência de uma determinada forma
de actuar, que guiasse a prática profissional.
A sua teoria recai sobre as relações interpessoais e tem por finalidade favorecer o desenvolvimento
da personalidade do paciente, valorizando a pessoa como unidade bio-psico-socio-culturo-espiritual.

DEFINIÇÃO DE TERMOS E CONCEITOS SEGUNDO A TEORIA DE HILDEGARD PEPLAU


A teoria de Hildegard Peplau desenvolveu-se em torno de quatro conceitos fundamentais: pessoa,
saúde, enfermagem e ambiente.
Pessoa, define-a como indivíduo, não inclui família, grupos, nem comunidade. É um “organismo vivo
em estado de equilíbrio instável e que luta para alcançar o equilíbrio perfeito”. É um organismo em
desenvolvimento que se esforça por reduzir a ansiedade provocada pelas necessidades não
resolvidas.
Saúde, define-a como uma palavra simbólica que significa um movimento de avanço da
personalidade e outros processos humanos, com vista a uma vida criativa, construtiva, produtiva,
pessoal e comunitária. São condições interpessoais e psicológicas que interactuam. É conseguida
através de um processo.
Ambiente, não é definido explicitamente por Peplau. Define-o implicitamente como “forças
existentes fora do organismo e no contexto da cultura, de onde se obtêm costumes, hábitos e
crenças”, que se deve ter em consideração quando o doente está a adaptar-se às rotinas
hospitalares, mas não trata as possíveis influências deste sobre o doente.
Enfermagem, é definida como um processo interpessoal (porque exige a participação de duas
pessoas em interacção) e terapêutico (porque visa a satisfação das necessidades do paciente). É
um instrumento educativo (porque tenta favorecer o avanço da personalidade, possibilitando a
resolução dos problemas pessoais e em sociedade) e funciona em cooperação com outros
processos humanos que tornam a saúde possível para os indivíduos na comunidade. Isto é, um
relacionamento humano entre um indivíduo doente ou necessitando de cuidados de saúde e uma
enfermeira preparada para reconhecer e responder à necessidade de ajuda.

20
TEORIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS DE HILDEGARD PEPLAU
A definição de natureza e a utilização das relações humanas por parte de Peplau fez com que fosse
considerada uma das pioneiras em Enfermagem, desenvolvendo um modelo teórico para a
enfermagem psiquiátrica/psicodinâmica.
A enfermagem psicodinâmica é definida por Hildegard Peplau como a utilização da compreensão da
conduta de um mesmo, para ajudar os outros a identificar as suas dificuldades. Este tipo de
enfermagem, aplica os princípios das relações humanas aos problemas que surgem a todos os
níveis da experiência humana.
Para tal, a enfermagem segundo Peplau, baseia-se em conhecimentos provenientes das Ciências
Físicas, Ciências do Comportamento, Teorias de Enfermagem e técnicas de enfermagem. Com
estes conhecimentos a enfermeira apreende as diferentes formas universais de agir, amadurecendo
e renovando-os.
O tema central do modelo evolucionista de Peplau é o processo interpessoal. A ideia do valor da
enfermeira como pessoa e a forma como reflecte a filosofia particular de enfermagem, foi uma das
razões porque foi tão valorizada a sua teoria.
Esta teoria considera que para o exercício da enfermagem são necessárias três condições que
Hildegard Peplau definiu como postulados e que são:
- A personalidade da enfermeira marca uma diferença ao nível do que o paciente pode aprender,
durante a experiência da doença.
- Uma das funções da enfermeira e do ensino de enfermagem, é contribuir para o desenvolvimento
da personalidade, tanto do paciente como da enfermeira.
- A profissão de enfermagem tem a responsabilidade legal de aplicar de forma eficaz. O exercício da
profissão e das suas consequências sobre os pacientes.
É uma teoria que nos diz que, através da experiência da doença, a enfermeira contribui para o
desenvolvimento da personalidade do paciente por meio da relação interpessoal.
Neste modelo conceptual consideram-se quatro fases que se sobrepõem e interrelacionam,
variando em duração à medida que o processo vai evoluindo para uma solução. As fases são a
orientação, a identificação, a exploração e a resolução. Cada uma das fases do processo
interpessoal e dos papeis da enfermeira, caracterizam-se por comportamentos observáveis e
demonstrados, o que proporciona claros objectivos de ensinamento e aprendizagem.

FASES DA TEORIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS


De acordo com Peplau, a enfermagem é terapêutica, no sentido de que se trata de uma arte
curativa, auxiliando um indivíduo doente ou necessitado de cuidados de saúde. A enfermagem pode

21
ser entendida como um processo interpessoal pelo facto de envolver interacção entre duas ou mais
pessoas com uma meta comum.
A conquista dessa meta, ou qualquer outra, é obtida através do uso de uma série de passos que
seguem determinado padrão. Uma vez que a relação do enfermeiro com o paciente se desenvolve
nesse padrão terapêutico, há uma flexibilidade na maneira como o profissional age, na prática,
fazendo julgamentos, utilizando habilidades fundamentadas no conhecimento científico, utilizando
habilidades técnicas e assumindo papéis.
A perspectiva de Peplau dá importância ao crescimento, tanto do paciente como da enfermeira, com
ênfase nas fases e nos papéis através dos quais ambos passam no processo interpessoal. Ela vê
todos os indivíduos como pessoas únicas com comportamentos biológicos, psicológicos, espirituais
e sociológicos, que são capazes de realizar novas aprendizagens e mudanças positivas. Cada
pessoa aprende de modo diferente a partir do ambiente diversificado, usos, costumes e crenças de
uma determinada cultura.
No processo interpessoal de relacionamento distinguem-se quatro fases, que ao longo do seu
desenvolvimento se relacionam, interligando-se frequentemente.

Fase de Orientação
Durante esta fase inicial, o indivíduo apercebe-se que tem uma necessidade e procura assistência
profissional. A enfermeira e o paciente encontram-se como estranhos. É aqui que os valores,
crenças e experiências anteriores de ambos são questionados; cada um confronta-se com os seus
pensamentos, com o que vê, com o que sente e com as suas expectativas. Nesta fase, tanto o
paciente como o profissional de enfermagem possuem um papel igualmente importante na inter
relação terapêutica, pelo que podemos dizer que a enfermagem é um processo interpessoal.
No final desta fase a enfermeira e o paciente conjuntamente estão empenhados em identificar o
problema.

Fase de Identificação
Surge quando o paciente reconhece a relação de ajuda. Nesta fase, o paciente já consegue
identificar as pessoas que podem ajudá-lo, começa a desenvolver a sensação de pertença e de ser
capaz de lidar com o problema. Nesta fase, os objectivos de cada um dos intervenientes na relação
podem não ser os mesmos. Cabe então, à enfermeira canalizar os seus conhecimentos específicos
de enfermagem, para que o paciente compreenda e se aperceba da dificuldade de saúde em
questão; dá-se início ao planeamento.

22
A resposta do paciente, a esta fase, pode variar de três formas:
Dependente – Mostra passividade e deixa o enfermeiro abranger toda a Situação;
Interdependente – Participa e respeita a opinião da enfermeira;
Independente – Autónomo, planeando ele mesmo sem interferência directa da enfermeira.

A enfermeira deve facilitar a exploração dos sentimentos, de forma a ajudar o paciente a diminuir a
sua sensação de desamparo e angústia, criando uma atitude optimista em que o paciente é capaz
de encarar a doença como uma experiência que irá fortalecer as forças positivas da sua
personalidade.

Fase de Exploração
O processo de inter-relação está no seu auge. Durante esta fase o paciente tenta tirar o maior
benefício possível dos serviços que lhe são oferecidos através da relação. Cabe à enfermeira ajudar
o paciente a utilizar os recursos auxiliando-o a resolver os seus problemas e para isso vai usar
instrumentos de comunicação como o esclarecimento, a escuta, a aceitação, o ensino e a
interpretação. O paciente fica cada vez mais independente, mais auto-determinado, mais
responsável pelos cuidados. No entanto, pode haver flutuações pela possibilidade de dependência,
como já foi referido anteriormente. Aqui a enfermeira deve estimular o crescimento, minimizando as
fragilidades.

Fase de Resolução
É a fase durante a qual o paciente se liberta da sua identificação com a enfermeira; surge a
necessidade de terminar o relacionamento terapêutico entre a enfermeira e o paciente, visto que
houve êxito na resolução das outras fases. As necessidades do paciente/enfermeira estão
satisfeitas. O problema de saúde está resolvido, como tal, a relação terapêutica finaliza. Dissolve-se
a relação enfermeira/paciente. Numa resolução bem sucedida, o paciente torna-se independente da
enfermeira e vice-versa; ambos tornam-se indivíduos mais fortes e amadurecidos. A enfermeira faz
uma avaliação final de todo o processo e apreende os pontos essenciais, a utilizar em futuras
aplicações. Quando termina a relação interpessoal a enfermeira adquiriu conhecimentos que irá
utilizar posteriormente.

PAPEL DA ENFERMEIRA
Segundo Hildegard Peplau, a relação enfermeira/paciente deve ser dinâmica e flexível, pois o
contacto profissional com o paciente está em contínua mudança.

23
Para um bom relacionamento a enfermeira necessita de ter confiança em si mesma, de modo a
poder desenvolver os papéis que lhe compete junto dos pacientes, deve ser capaz de aplicar as
suas habilidades interpessoais e profissionais, assentando as suas atitudes numa base de
maturidade e reflexão. Para Peplau, ao longo da relação enfermeira/paciente, a enfermeira
desempenha diferentes papéis, alguns dos quais em simultâneo, conforme as necessidades do
paciente. Desta forma, poderá assumir o:
Papel de Desconhecida/Pessoa Estranha - É o primeiro papel que a enfermeira desempenha.
Durante esta fase impessoal, o paciente deve ser tratado como uma pessoa estranha,
emocionalmente capaz e deve receber um trato cortês normal.
Papel de Pessoa de Recurso - Neste papel, a enfermeira oferece respostas específicas às
perguntas, em especial às relacionadas com a saúde, explicando ao paciente o plano de tratamento
ao qual será submetido. Auxilia na compreensão de um problema ou de uma situação nova.
Escolhe a resposta mais adequada, tendo em vista a aprendizagem construtiva, esta pode ser uma
resposta directa ou de natureza orientadora.
Especialista Técnica - Proporciona o atendimento especializado, demonstrando habilidades técnicas
e utilizando o equipamento para esse fim.
Papel de Professora - Este papel é uma combinação de todos os outros. O ensino avança sempre a
partir do que o paciente conhece e desenvolve-se em torno do seu interesse de querer e ser capaz
de utilizar informação adicional.
Papel de Líder - É estabelecida uma relação democrática com o paciente como participante activo.
A enfermeira realiza o processo de iniciação e de maturação de metas através da interacção com o
paciente.
Papel de Substituta - O paciente projecta na enfermeira sentimentos surgidos numa relação
anterior. A função da enfermeira consiste em ajudar o paciente a reconhecer semelhanças e ver as
diferenças entre ela e a pessoa que ele recorda, resolvendo assim um conflito interpessoal.
Papel de Conselheira - Peplau considera que este papel é de maior importância na Enfermagem
Psiquiátrica. Através do uso de certas habilidades e atitudes, a enfermeira ajuda o paciente a
reconhecer, enfrentar, aceitar e resolver problemas que estão a interferir na sua capacidade de viver
feliz. Promove experiências que conduzem à Saúde.

24
2.3 - ESCOLA DO CUIDAR
Situa-se no contexto de uma orientação de abertura face ao mundo e do paradigma de
transformação.

2.3.1 - Madeleine Leinninger - Teoria da Diversidade e Universalidade Cultural


A corrente de pensamento defendida por Leininger, integrada no paradigma da transformação (ou
de abertura para o mundo) origina que os principais conceitos da disciplina de enfermagem (pessoa,
saúde, ambiente e enfermagem) se agrupem naquela que foi designada de Escola do Cuidar:
O conceito de “cuidar” reverte-se de especial interesse dentro da enfermagem apenas desde o
início da década de 80, embora hoje seja difícil encontrar qualquer literatura dentro desta disciplina
que não fale do cuidar.
Madeleine Leininger foi das primeiras enfermeiras a propor este conceito como fundamental nesta
disciplina. Resumidamente, Leininger e as outras teóricas que esta escola abrange acreditam que a
qualidade dos cuidados prestados melhorará significativamente se os enfermeiros se abrirem a
dimensões como a espiritualidade e a cultura e se integrarem os conhecimentos ligados a estas
dimensões na prestação de cuidados.

O SURGIMENTO DA TEORIA
Foi ainda nos anos 40 que Leininger teve a verdadeira noção da importância dos cuidados de
enfermagem quando os seus pacientes demonstravam reconhecimento pelos actos por si
prestados; este alerta fê-la dar sempre um enfoque especial aos cuidados de enfermagem,
considerando-os como a característica dominante na profissão que escolhera.
Alguns anos mais tarde, já na década de 50, enquanto trabalhava num lar de orientação infantil com
crianças perturbadas e seus pais, ela observou e tomou consciência das diferenças de
comportamento entre essas famílias, atribuindo essas diferenças a questões culturais. Madeleine
sentiu isto como algo que designou de choque cultural, uma vez que identificou a falta de
conhecimento sobre a cultura daquelas famílias como o elo que faltava na sua profissão para o
entendimento das variações nos cuidados de enfermagem a serem prestados.
Foi sem dúvida esta experiência que a levou a ter necessidade de frequentar um doutoramento em
Antropologia, propiciando assim o desenvolvimento da enfermagem transcultural como um
subcampo dentro da enfermagem. Assim sendo ela definiu enfermagem transcultural como um sub-
campo ou ramo da enfermagem que enfoca o estudo comparativo e a análise de culturas com
respeito à enfermagem e às práticas de cuidados de saúde / doença, às crenças e aos valores, com

25
a meta de proporcionar um serviço de atendimento de enfermagem significativo e eficaz para as
pessoas de acordo com os seus valores culturais e o seu contexto de saúde / doença.

Para construir a sua teoria de enfermagem transcultural ela apoia-se no facto que as pessoas de
culturas diferentes, além de saberem e definirem as formas nas quais experimentam e percebem o
mundo de atendimento em enfermagem, também conseguem relacionar essas experiências e
percepções com as suas crenças e práticas gerais de saúde. Assim, o atendimento de enfermagem
desenvolve-se de acordo com o contexto cultural da pessoa.

Nesta perspectiva teórica, os cuidados de enfermagem, ou melhor, o cuidado humano, é essencial à


prática de enfermagem, devendo por isso ser preservado como a essência da enfermagem.
Procedendo à fusão das suas duas formações (enfermagem e antropologia) surge o termo cuidado
cultural. Partindo ainda do pressuposto que as culturas têm tanto de práticas de saúde específicas
como de padrões culturalmente comuns, Madeleine acrescenta os termos “diversidade” e
“universalidade” à sua teoria, tendo em conta o atrás descrito, ou seja, culturas diferentes
percebem, conhecem e praticam o cuidado de maneiras diferentes apesar de haver pontos comuns
no cuidado de todas as culturas do mundo. Assim surge o título mais actual da teoria de Madeleine
Leininger:

TEORIA DA DIVERSIDADE E UNIVERSALIDADE DOS CUIDADOS CULTURAIS


Leininger acredita que as diferentes culturas podem determinar quase todos os cuidados que
querem ou necessitam receber da parte dos profissionais de saúde; pensa que os “consumidores de
cuidados” devem propor os seus pontos de vista, conhecimentos e praticas como base para acções
e decisões profissionais válidas.
Leininger aponta 4 principais razões justificativas do estudo sobre cuidados:
1º- Os cuidados parecem ser decisivos para o crescimento, desenvolvimento e sobrevivência dos
seres humanos ao longo de milhões de anos;
2º- É necessário explicar e perceber os papéis de prestador e receptor de cuidados nas diferentes
culturas;
3º- É necessário preservar e manter os cuidados já que estes são essenciais à sobrevivência dos
seres e das culturas através dos tempos;
4º- Sendo os cuidados uns fenómeno capaz de proporcionar uma base sólida para que os
enfermeiros os utilizem de modo específico na manutenção da saúde, prevenção da doença e cura
ou alívio da doença, então, devem ser estudados sistematicamente.

26
.Leininger assenta a sua teoria em alguns pressupostos:
- A prática de cuidados entre os humanos é um fenómeno universal mas os modelos de cuidados
variam entre culturas;
- Os processos de cuidados são essenciais para o nascimento, desenvolvimento, crescimento,
sobrevivência e morte do ser humano;
- A prática de cuidados é a essência e a dimensão pragmática, intelectual e unificadora da profissão
de enfermagem;
- Os cuidados têm dimensões biofísicas, culturais, psicológicas e ambientais que devem explicar-se
e verificar-se para proporcionar cuidados de natureza verdadeiramente holística;
- As acções de enfermagem são transculturais e exigem por parte dos enfermeiros a utilização e
identificação de dados do sistema intercultural enfermeira- paciente;
- Os estilos, metas e funções da prática de cuidados variam com a estrutura social e com os valores
específicos de cada cultura;
- Os cuidados variam de uma cultura para outra e de um sistema de saúde para outro;
- A identificação das condutas, crenças e cuidados populares e profissionais universais e não
universais é essencial para o avanço dos conhecimentos de enfermagem e dos cuidados em geral;
- A administração de cuidados é uma pratica de profundas raízes culturais e requer por isso um
conhecimento de base cultural para a sua eficaz aplicação;
- Não pode existir cura sem cuidados mas podem existir cuidados sem haver cura.

CONCEITOS:
CUIDADO – O fenómeno abstracto e concreto relacionado com a assistência, o apoio ou a
capacitação de experiências ou de comportamentos para outros ou por outros com necessidades
evidentes ou antecipadas para melhorar uma condição humana ou forma de vida.

CULTURA – Valores, crenças, normas e modos de vida de um determinado grupo aprendidos,


compartilhados e transmitidos e que orientam o seu pensamento, suas decisões e suas acções de
maneira padronizada.

CUIDADO CULTURAL – Valores, crenças e modos de vida padronizados aprendidos, subjectiva e


objectivamente e transmitidos que auxiliam, sustentam, facilitam ou capacitam outro indivíduo ou
grupo a manter seu bem-estar, saúde, melhorar sua condição humana e seu modo de vida ou lidar
com a doença, a deficiência ou a morte.

27
DIVERSIDADE DO CUIDADO CULTURAL – Variações e/ou as diferenças nos significados,
padrões, valores, modos de vida ou símbolos de cuidados dentro ou entre colectivos que são
relacionados às expressões assistenciais, que apoiam ou capacitam o cuidado humano.

UNIVERSALIDADE DO CUIDADO CULTURAL – Os significados, padrões, valores, modos de vida


ou símbolos comuns, similares ou dominantemente uniformes de cuidados, que se manifestam em
muitas culturas e reflectem as formas assistenciais, que apoiam, facilitam ou capacitam o auxílio
das pessoas.

ENFERMAGEM – uma profissão e uma disciplina cientifica aprendida e humanista que baseia no
fenómeno e nas actividades do cuidado humano para assistir, apoiar, facilitar ou capacitar
indivíduos ou grupos a manterem ou readquirirem o seu bem estar (ou saúde) em formas
culturalmente significativas e benéficas ou para ajudar a pessoa a enfrentar a deficiência ou a
morte.

MODELO SUNRISE
Este modelo não é mais que uma representação esquemática da sua teoria de diversidade e
universalidade culturais, sendo desenvolvido para demonstrar as inter relações dos conceitos. O
objectivo do modelo é auxiliar o estudo de todos os componentes da teoria que influenciam o estado
de saúde dos indivíduos, das famílias, grupos ou instituições, bem como o cuidado que lhes é
oferecido numa cultura, sendo que o cliente é o foco do modelo sunrise, embora a importância do
conhecimento e compreensão da cultura do cliente constituam uma força modeladora importante no
modelo.

O modelo sunrise apresenta quatro níveis de focalização que vão da estrutura cultural e social até
decisões e acções de cuidado em enfermagem:
O nível 1 é a visão do mundo, da cultura e a sua interacção com os seres humanos. Leininger
afirma que este nível leva ao estudo da natureza, do significado e dos atributos do cuidado.
O nível 2 focaliza os indivíduos, as famílias, os grupos e as instituições socioculturais, em vários
sistemas de saúde. Este nível proporciona significados e expressões culturalmente específicos em
relação ao cuidado e à saúde.
O nível 3 representa o sistema popular, o sistema profissional e a enfermagem, pelo que, inclui as
características de cada sistema, bem como os aspectos específicos do cuidado de cada um.

28
Os níveis de 1 a 3 envolvem o desenvolvimento do conhecimento e quando adequadamente
utilizados podem ajudar a evitar o choque e a imposição cultural (esforços subtis ou não para impor
os próprios valores, crenças e comportamentos culturais a outros de culturas diferentes).
O nível 4, fala das decisões e acções de cuidado em enfermagem, como a preservação/
acomodação/ reestruturação cultural do cuidado, de forma a melhor satisfazer as necessidades do
cliente e proporcionar um cuidado coerente com a cultura.

A complexidade do modelo sunrise enfatiza a necessidade de inclusão de conhecimentos sólidos


sobre os conceitos antropológicos e culturais na educação e prática de enfermagem.
De acordo com Leininger e segundo o seu modelo do conhecimento da visão de mundo e da
estrutura social, grande parte dessa informação poderia ser colhida antes da identificação particular
do cliente, de modo a prevenir tanto o choque como a imposição cultural.

Leininger define saúde (já definida anteriormente), no entanto não específica os restantes principais
conceitos, mas estes podem ser deduzidos a partir das suas definições e pressupostos conceptuais.
Ela considera saúde como um conceito importante na enfermagem transcultural devido à
necessidade de as enfermeiras conhecerem a cultura específica, as crenças, os valores e as
práticas daquela determinada cultura na qual a enfermagem está sendo praticada, sendo assim,
tanto universal como diversificada. Segundo Leininger o conceito central no metaparadigma de
enfermagem é o cuidado.
Considera os seres humanos capazes de cuidar e de se interessar pelos outros, pelas suas
necessidades, seu bem-estar e a sua sobrevivência isto é, têm a capacidade de proporcionar a
universalidade do cuidado numa diversidade de culturas.

Relativamente à Enfermagem, uma das preocupações de Leininger é que as enfermeiras não


tenham preparação adequada e que não valorizem ou pratiquem os cuidados de enfermagem numa
perspectiva transcultural. Por isso, apresenta 3 tipos de acções de enfermagem que são baseadas
na cultura, respondendo ás necessidades e valores dos clientes e que são elas:
conservação/manutenção do cuidado cultural, o ajustamento/negociação do cuidado cultural e a
repadronização /reestruturação do cuidado cultural. Se forem tidos em conta estes modos de acção
o atendimento de enfermagem será direccionado de forma a existir uma melhor adaptação à cultura
do cliente.

29
BIBLIOGRAFIA

Colliére, Marie-Françoise – Promover a vida. 3ª ed. Sindicato dos Enfermeiros Portugueses LIDEL
Edições Técnicas. Lisboa. 1989.

George, J.B. et all - Teoria de enfermagem. Os fundamentos para a prática profissional. 4ª edição.
Editora Artemed. Porto Alegre. 2000

Kérouac, Suzanne et al – La pensée Infirmière : Conceptions et Stratègies. Editions Etudes


Vivantes.Maloine, Quebec, 1994.

Lopes, Manuel José - Concepções de enfermagem e desenvolvimento sócio-moral. Alguns dados e


implicações. Associação Portuguesa de Enfermeiros. Lisboa. 1999.

Marriner, A. - Modelos y Teorias de Enfermeria - 2ª Ed. Edições Rol S.A.. Barcelona. 1989.

Pearson, A; Vaugan, B. - Modelos para o Exercício de Enfermagem. 3ª Edição. ACEPS. Lisboa.


1992.

Roper, N. et al. - Modelo de Enfermagem. 3ª edição. Editora McGraw de Portugal, Lda. Alfragide.
1990.

30