Вы находитесь на странице: 1из 7

Cad. Xaturol. 1erap. Complem - Yol.

2, X°¹ - 201¹
!9
A RT I u u ÐI R I V I S Au
ÐuRIS HUSCUIuISQUIIËTICAS RIATIVAS
A HUÐANÇAS ÐI TIHPIRATURA:
CuNCIITu ÐI SINÐRuHI ÐA uBSTRUÇAu
ÐA HIÐICINA TRAÐICIuNAI CHINISA
8KFIFTAI MU8CIF ACHF8 RFACTIVF T0
TFMPFRATURF CHAN0F8: THF C0NCFPT
0I THF 0B8TRUCTIVF 8YNÐR0MF 0I THF
TRAÐITI0NAI CHINF8F MFÐICINF
RISUHu
muito representativa na cultura e terapêutica chinesa, de forma que
as dores musculoesqueléticas reativas a mudanças de temperatura
1radicional Chinesa (V1C). A Síndrome da Obstrução (8i Zhcng) é
um achado muito comum na pratica clínica da acupuntura devido aos
excelentes resultados dessa terapia. Xa atualidade, a pesquisa médica
ocidental começa a lançar luz sobre como as condições meteoroló-
articulares e, também, o desconforto em antigas lesões. O objetivo
da Síndrome da Obstrução e, acima de tudo, diferencia-la de outras
da literatura classica e contemporânea sobre o tema, concluindo que a
Síndrome da Obstrução constitui-se de qualquer dor musculoesque-
lética gerada e/ou agravada, impreterivelmente, pelos fatores patogê-
nicos externos vento, frio e umidade.
Síndrome da obstrução.
Iores musculoesqueléticas.
Vedicina tradicional chinesa.
Henrique Adam Pasquini
- ucccntc dc cursc dc pcs-
graduaçac cm acupuntura dc
Cc|êgic 8rasi|circ dc Acupuntura
c Mcdicina Chincsa, C8A/SI.
- Cc|abcradcr dc |abcratcric dc
Mctcdista dc Sac Iau|c
C u R R I S P uN Ð I N T I
Henrique Adam Pasquini
Cc|êgic 8rasi|circ dc Acupuntura
c Mcdicina Chincsa
Iraça da Iibcrdadc n° 23õ, 1° andar.
8airrc Iibcrdadc. Sac Iau|c - SI.
adam_pasquiniqig.com.br
Recebido: ¹1/01/1!
Aprovado: 1¹/06/1!
¯0
Cad. Xaturol. 1erap. Complem - Yol. 2, X° ¹ - 201¹
ABSTRACT
and therapy; therefore the skeletal muscle aches reactive to temperature changes require a lot of attention, whi-
8i Zhcng) is very com-
mon in the clinical practice of acupuncture due to its excellent results. Xowadays, the western medicine studies
1raditional Chinese Vedicine. 1o accomplish that, we studied the classic and contemporary literature about
the topic and got to the conclusion that the Obstructive Syndrome is the result of any skeletal muscle ache,
which is strictly caused by the invasion of external pathogenic factors such as wind, cold and moist.
KIYWuRÐS: Obstructive Syndrome. Skeletal muscle aches. 1raditional Chinese Vedicine.
INTRuÐUÇAu
A sensação dolorosa é um importante domínio da
experiência humana e, talvez, aquela que tenha, con-
tinuamente e com mais sucesso, iludido inumeras
tentativas de conceituação consistente, de quanti-
sendo sua percepção uma rica e multidimensional
experiência
17
. Para a Vedicina 1radicional Chinesa
(V1C) a dor ocorre devido a uma estagnação de Qi
(¨energia") e Xuc (¨sangue") nos canais e colaterais
energéticos (jing|uc) e, não constitui um simples
sintoma, mas sim uma entidade clínica com carac-
terísticas que se apresentam como parte essencial
para o correto diagnóstico das possíveis síndromes
¨energéticas" correlatas
9,1¯
. Quando algias musculo-
esqueléticas tornavam-se reativas as condições me-
teorológicas e mudanças de temperatura os antigos
chineses interpretavam o fenômeno como uma obs-
Qi e Xuc nos canais energéticos
pelo próprio fator climatico (vento, frio ou umidade)
e, desta forma, determinaram essa condição como
uma Síndrome da Obstrução (8i Zhcng)
7,12
.
-
tores naturais que condicionam o conforto e a sau-
de humana ja era reconhecida na China ha mais de
!.600 anos
16
. Inquanto que no mundo ocidental esta
-
culo IY por Bipócrates no tratado ¨Ie ares, aguas e
lugares¨; trabalho que tinha como objetivo incenti-
var os médicos viajantes que pretendiam curar em
terras estranhas a observarem os ventos, as aguas, o
clima e os habitos desses lugares
1
.
-
meteorológicas nas queixas de pioras nas dores ar-
ticulares pré-existentes ou mesmo desconforto em
antigas lesões dos pacientes
¯
de forma que a baixa
temperatura do ambiente tem sido associada a dores
articulares de maior intensidade
18
. Xuma revisão da
-
aveis meteorológicas nos sintomas da osteoartrite
¯
.
A Síndrome da Obstrução é frequentemente en-
contrada na pratica clínica da acupuntura
12
, a qual,
síndromes dolorosas musculoesqueléticas que mui-
tas vezes não responderam a outros tratamentos
!
.
A motivação e o objetivo do presente trabalho foi
-
tura a correta conceituação e, consequentemente, a
-
trução (8i Zhcng); por meio de subsídios teóricos
da literatura classica e contemporânea sobre o tema.
Constatamos, ao longo de mais de uma década de
atuação como docente de cursos de pós-graduação
em acupuntura, o frequente equívoco por parte de
-
Benrique Adam Pasquini
Cad. Xaturol. 1erap. Complem - Yol. 2, X° ¹ - 201¹
¯1
-
dade de realizar o diagnóstico diferencial em rela-
(Wci Zhcng) e a simples estagnação de Qi e Xuc em
um determinado Canal Inergético após um trauma
a questão de que o correto diagnóstico implica no
correto princípio de tratamento e tratamento, reper-
cutindo assim no objetivo maior da atuação clínica
que é cessar ou minorar o sofrimento humano.
HATIRIAIS I HËTuÐuS
Iste trabalho caracterizou-se por uma revisão bi-
critério para a escolha da literatura referente à V1C
foi o rigor com relação ao embasamento do tema
(Síndrome da Obstrução, Síndrome 8i ou 8i Zhcng)
no paradigma da Vedicina 1radicional Chinesa,
Interno de Vedicina do Imperador Amarelo (Euang
ui Nci jing), versão traduzida e comentada por Ins-
chuld
19
(200¹) e versão original da dinastia 1ang
(618-907) compilada por \an
21
(2001).
-
tou como critério para a seleção a busca do conteudo
utilizando como descritores as palavras-chave ¨8i syn-
drcmc¨, ¨b|cckagc syndrcmc¨ e ¨cbstructicn syndrcmc¨.
Para os artigos que relacionavam as alterações mete-
orológicas com as dores musculoesqueléticas, utili-
zamos como descritores as palavras-chave ¨wcathcr
ccnditicns¨ ou ¨condições climaticas" combinadas com
¨dor" ou ¨pain¨. A busca encontrou artigos relevantes
entre os anos de 1978 e 2010. A pesquisa aconteceu no
período de junho a novembro de 201¹ e a analise dos
mesmos foi realizada por meio de criteriosa leitura.
-
tério a escolha pelos autores ocidentais que melhor dis-
correram sobre o tema respeitando a fundamentação
classica do assunto como anteriormente apresentada.
SINÐRuHI ÐA uBSTRUÇAu
A Síndrome da Obstrução (8i Zhcng)
como dor, sensibilidade ou parestesia ao longo dos
musculos, tendões e articulações, devido, impres-
cindivelmente, à invasão dos fatores patogênicos
exteriores vento, frio e umidade
7
. Ainda segundo o
autor
7
é provavelmente a mais universal de todas as
patologias, podendo afetar todos os indivíduos em
algum momento da vida. O ideograma 8i exprime
uma ideia de obstrução, de maneira que seus sin-
tomas derivam da obstrução nos canais e colate-
rais energéticos (jing|uc) pelos fatores patogênicos
exteriores
7,12
. Segundo Xeedles
12
o entendimento
do correto diagnóstico diferencial e da etiologia da
Síndrome da Obstrução, ou Síndrome 8i, é de suma
importância para o êxito clínico da acupuntura no
tratamento de dores musculoesqueléticas reativas
aos fatores climaticos.
Xo cap. !¹ do Su Wcn intitulado ¨Sobre a enfer-
midade do tipo 8i" (8i Iun)
21
(p. 222) encontramos
a seguinte passagem:
O Imperador Amarelo perguntou: ¨Como ocorre a
Síndrome 8i:". Qi 8c respondeu: ¨Quando os per-
versos, vento, frio e umidade, invadem, eles se mis-
turam e causam a Síndrome da Obstrução. Im caso
de vento dominante ocorre 8i migratória, em caso
de frio dominante ocorre 8i dolorosa e em caso de
umidade dominante ocorre 8i
Inschuld
19
(200¹) lança luz aos valores metafóri-
cos das palavras vento, frio e umidade na conceitu-
ação da Síndrome da Obstrução; segundo o autor a
palavra vento foi utilizada por se referir a algo que
se move constantemente, portanto não existe na au-
sência de movimento, causando uma Obstrução Vi-
gratória. A experiência sensorial de um frio cortante
foi escolhida para caracterizar a Obstrução Iolorosa.
Inquanto que a palavra Imidade remete aos sinto-
mas de peso e lentidão, bem como a capacidade de
sendo empregada para caracterizar a Obstrução Iixa.
ÐIFIRINCIAÇAu
-
ferenciação diagnóstica e conceitual entre a Síndrome
da Obstrução e a simples estagnação de Qi/Xuc em
um canal energético devido a um trauma físico (ex.
contusão). Vuitas vezes ocorre, também, um equí-
voco com relação à diferenciação conceitual entre a
Síndrome da Obstrução (8i Zhcng) e outra síndrome
(Wci Zhcng).
Benrique Adam Pasquini
¯2
Cad. Xaturol. 1erap. Complem - Yol. 2, X° ¹ - 201¹
A Síndrome da Obstrução ocorre somente em
virtude de invasão de um fator patogênico exterior.
O fator patogênico externo invade o complexo de
canais e colaterais energéticos (canais de conexão
i
),
sendo, desta maneira, uma Síndrome de Ixterior
(que acomete, na concepção da V1C, o exterior do
organismo
ii
) é uma desarmonia de canal energético
e não de Sistema Interno (Zangfu)
7
. A estagnação
isolada de Qi/Xuc num determinado canal energé-
tico compreende uma simples disfunção na circu-
lação energética sem presença de fator patogênico
externo obstruindo o canal energético. Imbora uma
estagnação prolongada predisponha a uma invasão
e consequente surgimento de uma Síndrome da
Obstrução. Isto posto, a obrigatoriedade da presença
do Iator Patogênico Ixterno para caracterizar uma
Síndrome da Obstrução é opinião unanime entre to-
dos os autores que tratam sobre o tema
7,10-1¹,20-22
.
Os autores enfatizam que dois fatores devem co-
existir para o surgimento da Síndrome da Obstru-
-
ciência do Qi Correto (Zhcng Qi
iii
)
7,10-12,1!
. Intretanto,
-
ência do Qi Correto (principalmente o Qi Iefensi-
vo - Wci Qi
relativa, isto é, em relação à força dos Iatores Pato-
absoluta
7-8,11
. ¨Scmcntc quandc cs fatcrcs c|imaticcs
sac tcmpcraria c rc|ativamcntc mais fcrtcs quc c Qi
dc ccrpc, ê quc sc tcrnam patcgèniccs c causam Sin-
drcmc da ubstruçac¨
7
(p. ¯70).
A diferenciação entre a Síndrome da Obstrução
apresentam como duas entidades clínicas bastante
-
belecida como um quadro de fraqueza dos mem-
de andar corretamente e eventual paralisia
7
. Ainda
segundo Vaciocia
7
, o termo chinês Wci
¨murcho" e para a V1C corresponde à secagem dos
musculos provenientes de desnutrição e esse enfra-
quecimento, na grande maioria das vezes, ocorre
representada como Wci 8i, no entanto o ideograma
8i neste caso é outro e sugere, por sua vez, uma in-
capacidade em andar, de elevar o pé para caminhar.
Segundo Inschuld
19
, em contraste com o ideograma
Wci
observavel, o ideograma 8i da Síndrome da Obstru-
ção, assumi um conceito muito mais abstrato, indi-
cando um constructo teórico que não se limita a um
simples bloqueio mecânico ¨obstruindo" um orifício
real, mas uma conceituação metafórica de bloqueio
Qi no canal energético.
Quadro 1
Fonte: VACIOCIA, C. A pratica da medicina chinesa. São Paulo: Ioca, 1996.
Síndrome da ubstrução
Itiologia Apenas Ixterna Combinação de causas Ixternas e Internas
Ðor
ucr |cca| prcnunciada, principalmente,
mas não somente, nas articulações.
Auscntc, exceto nos estagios avançados
devido à Istase de Xuc.
Outra relevante diferenciação entre Síndrome
-
enças ocidentais a elas relacionadas, corroborando
o fato de serem duas entidades patológicas distin-
tas. A Síndrome da Obstrução corresponde a uma
reativas a mudanças de temperatura, incluindo to-
das as mialgias e artralgias, lombalgias, isquiatal-
gias, artroses e artrites
12
enquanto que a Síndrome
-
lite, miastenia grave, doença neuromotora, esclero-
7,11
. Alguns autores
enfraquecimento muscular secundario ao desuso de
um membro em consequência de uma atitude an-
que toda Síndrome da Obstrução, principalmente de
membros inferiores, pode coexistir com uma Sín-
Benrique Adam Pasquini
Cad. Xaturol. 1erap. Complem - Yol. 2, X° ¹ - 201¹
¯¹
6
. Xão obstante, esta interpretação
não é corroborada pela literatura classica e, também,
pela contemporânea, de forma que decidimos ser-
mos cautelosos e preferimos a consagrada relação
-
rológicas anteriormente apresentadas
7,11,1!
.
Outro equívoco muito comum é a crença de que
a Síndrome da Obstrução é uma patologia pura e
simplesmente das articulações
22
. Isto é um engano,
pois a Síndrome da Obstrução é uma patologia que
acomete o sistema de canais e colaterais energéticos
e, portanto, mais de um tipo de canal pode ser aco-
metido
7,10-11
. Xo caso de acometimento dos canais de
não obstante o acometimento dos canais muscula-
res as dores se manifestam em musculos ou grupos
musculares. Vuitas vezes ambas categorias de ca-
nais estão envolvidos, principalmente nos envolvi-
mentos articulares, pois, segundo Carvalho
2
, a lesão
dos ossos e articulações é seguida da lesão dos mus-
culos e tendões. Com efeito, muitas vezes a patologia
dos canais coexiste com a patologia das articulações,
pois para a V1C as articulações ¨sac mais quc uma
cntidadc anatcmica· aprcscntam uma funçac impcr-
tantc cm rc|açac à circu|açac dc Qi c Xuc¨, sendo um
local propício para o fator patogênico se estabelecer
com facilidade
8
(p. 606).
TIPuS ÐI SINÐRuHI ÐA uBSTRUÇAu
com o Iator Patogênico dominante, para a V1C no
momento da invasão os três fatores patogênicos es-
tão combinados (vento, frio e umidade), estagio co-
nhecido como San 8i (1rês Obstruções). Xo entanto,
um dos fatores patogênicos predomina determinan-
1!
.
Síndrome da ubstrução Vento Ðominante (Ieng Bi)
1ambém conhecida como Síndrome da Obstrução
Vigratória (Xing 8i)
1!
. Xeste tipo de Síndrome da
Obstrução o envolvimento dos canais de conexão
-
ções (podendo mais de uma articulação estar en-
volvida); enquanto que o envolvimento dos canais
musculares ocasiona rigidez e dor migratória em
musculos ou grupos musculares
10
.
Síndrome da ubstrução Frio Ðominante (Han Bi)
1ambém conhecida como Síndrome da Obstrução
Iolorosa (Tcng 8i)
1!
. Xeste tipo de Síndrome da
Obstrução o envolvimento dos canais de conexão
-
velmente rigidez articular; enquanto que o envolvi-
mento dos canais musculares ocasiona intensa dor
em contração nos musculos ou grupos musculares
10
.
Síndrome da ubstrução Umidade Ðominante (8hi Bi)
1ambém conhecida como Síndrome da Obstrução
Iixa (Zhac 8i)
1!
. Xeste tipo de Síndrome da Obstru-
-
ciais causa dor em peso e, possivelmente leve edema
articular; enquanto que envolvimento dos canais
musculares ocasiona dor em peso, com sensação de
parestesia nos musculos ou grupos musculares
10
.
Síndrome da ubstrução Calor Ðominante (Re Bi)
Ista é uma categoria distinta de Síndrome da Obs-
trução. Segundo Pei-Iin e Yangermeersch
1!
(199¯),
a Síndrome Ii Calor ocorre quando os três Iato-
res Patogênicos Ixternos (Yento, Irio e Imidade)
invadem um organismo que apresenta sinais de
Calor Interior, transformando-se em vento-calor-
-umidade. Segundo Vaciocia
7
(1996) esta categoria
de Síndrome da Obstrução é proveniente de quais-
quer dos três tipos anteriores, no entanto a umidade
é o aspecto primario desta categoria. A Síndrome da
Obstrução do tipo Calor esta diretamente relaciona-
da ao comprometimento articular da artrite reuma-
tóide aguda, apresentando-se como edema, rubor,
1!
.
Síndrome da ubstrução ússea (0u Bi)
1ambém conhecida como ¨Obstrução do Iim"
(Shcn 8i) e, uma vez que envolve um Sistema Inter-
no (Zang) ocorre um comprometimento do Interior
do Organismo
ii
aparecendo após uma longa história
de Obstrução
1!
. A obstrução persistente nas articu-
lações pelos fatores patogênicos exteriores leva a re-
(jin Yc) que se transformam em
(Tanyin) o qual, por sua vez, evolui para o
Benrique Adam Pasquini
¯!
Cad. Xaturol. 1erap. Complem - Yol. 2, X° ¹ - 201¹
aparecimento de deformidades articulares
7
. O prin-
cipal fator patogênico envolvido no aparecimento
da Síndrome da Obstrução 0ssea é a umidade. A
umidade, devido sua natureza ¨pegajosa", quando
em contato com o Calor pode se transformar em
Xuc e consequente
aparecimento da Síndrome da Obstrução 0ssea
¹
.
CuNCIUSAu
Conclui-se que a presença dos fatores patogênicos
exteriores é imprescindível para a existência da Sín-
droma da Obstrução; seja no entendimento tradicio-
nal da medicina chinesa
!,7,12
ou vistos como entida-
des metafóricas para caracterizar a sensibilidade do
paciente ao relatar seu tipo de dor e como ela reage a
diferentes condições meteorológicas e mudanças de
temperatura
19
. I fundamental enfatizar que o con-
ceito de Síndrome da Obstrução não pode limitar-se
apenas a comprometimento articulares, pois se trata
de uma patologia de canais e colaterais energéticos
-
lidade nos musculos, tendões (envolvimento dos ca-
nais musculares) e articulações (envolvimento dos
10
.
Xo que concerne à diferença entre a Síndrome
que são duas entidades patológicas bastante distin-
-
queza muscular, raramente encontrando-se a pre-
sença de dor
7,1!
.
Por ultimo, com relação à teoria contemporânea
determinadas artralgias ser considerada uma forma
6
preferimos ser cautelosos
e optamos pela tradicional relação da mesma com
muscular
7,11,1!
.
CuNFIITu ÐI INTIRISSIS
declarou não haver
FuNTI ÐI FINANCIAHINTu
não se aplica
RIFIRINCIAS
1 CAIIIS, BI. Ares, aguas e lugares. In: CAIIIS, BI 8 IIIIIIO
}I. \A. 1extos hipocraticos: o doente, o médico e a doença. Iio de
}aneiro: Iiocruz; 200¯.
2 CAIY
}aneiro: 1aba Cultural; 2002.
¹ CIAYIY S. Iluid physiology and pathology in traditional Chinese
medicine. Second Idition. Philadelphia: Ilsevier; 200¹.
! IIAIVAX, P. Ii syndrome - Part two. } Chin Ved, 198¹ }an 11:
1-6.
¯ IICIIIIII
elementos meteorológicos na dor de pacientes com osteoartrite:
revisão da literatura. Iev Iras Ieumatol 2011 ¯1(6): 616-628.
6 BIA, I; O'IIIIX, I. Osteoarthritis and Chinese Vedicine: An
7 VACIOCIA, C. A pratica da medicina chinesa: tratamento das
doenças com acupuntura e ervas chinesas. São Paulo: Ioca; 1996.
8 VACI
comprehensive text for acupuncturists and herbalists. Second
Idition. Philadelphia: Ilsevier; 200¯.
9 VACIOCIA, C. Iiagnóstico na medicina chinesa. São Paulo: Ioca;
2006.
10 VACIOCIA, C. Canais de acupuntura: uso clínico dos Canais
secundarios e dos Oito Yasos Ixtraordinarios. São Paulo: Ioca;
2008.
11 VACIOCIA, C. A pratica da medicina chinesa: tratamento das
doenças com acupuntura e ervas chinesas. 2ª ed. São Paulo: Ioca;
2010.
12 XIIIIIS, }. Ii syndrome - Part one. } Chin Ved, 1982 Vay 10: 1-10.
1¹ XOIIIS, CV. Acupuncture: treatment of musculoskeletal
conditions. Oxford: Iutterworth-Beinemann; 2001.
1! S; YAXCIIVIIISCB, I.
Chin Ved, 199¯ }an !7: 8-1!.
1¯ PII-IIX, S. 1ratamento da Ior por Veio de Iitoterapia Chinesa e
Acupuntura. São Paulo: Ioca; 2008.
16 IOIIICIIS I. Considerações a propósito da variação estacional
da mortalidade por doenças vasculares em Portugal. Iev Port Clin
Ved 1978 !(¹): 97-10!.
17 SIIYA }A; IIIIIIO-IIIBO XP. A dor como um problema
psicofísico. Iev Ior, 2011 Abr-}un 12(2): 1¹8-1¯1.
18 S1IISIIIC I, VIXIIIIIIC IC, SIIIA BA, S1IISIIIC AV.
2002 29(2): ¹¹¯-¹¹8.
19 IXSCBIII, PI. Buang Ii Xei }ing Su \en: nature, knowledge,
\en). California: Iniversity of California Press; 200¹.
20 YAX XCBI, X; IICOIIS-XCIYIX, C. Vedicina tradicional
chinesa: acupuntura, moxabustão e massagens. São Paulo: Ioca;
2011.
21 \AX, I. Princípios de Vedicina Interna do Imperador Amarelo.
São Paulo: lcone; 2001 (original da dinastia 1ang: 618-907).
22 \AXC, IC. 1ratado contemporâneo de acupuntura e moxibustão.
São Paulo: CIIVIC; 200¯.
Benrique Adam Pasquini
Cad. Xaturol. 1erap. Complem - Yol. 2, X° ¹ - 201¹
¯¯
NuTAS IXPIICATIVAS
i

muito pequenos que se espalham na ¨Porção do Qi Iefensivo",
os Canais Vusculares (ou 1endinomusculares) são os próprios
musculos ao longo do Canal Principal os quais, por sua vez, são
os Canais que realizam a ligação interior-exterior do organismo e
contém os Pontos de Acupuntura.
ii
O exterior do organismo, segundo a Vedicina 1radicional Chinesa,
corresponde basicamente à pele, musculos e o espaço entre a pele
e os musculos conhecido como ¨Porção do Qi Iefensivo" (Ccu |i),
enquanto que o interior corresponde aos Sistemas Internos (Zang
Iu) e ossos.
iii
Qi Correto (ou Qi Yertical) não é um tipo particular de Qi, mas a
soma de todo o Qi do organismo que tem a capacidade de confrontar
um fator patogênico. I a resistência do organismo à patologia.

Benrique Adam Pasquini