You are on page 1of 4
BOTULISMO Muita bobagem tem sido dita sobre o botulismo, doenga causada pelas toxinas produzidas pela bactéria Ciostridia botulinum. Apesar de ser relativamente comum a contaminagao pela toxina botulinica de conservas de paimito, ha meios muito melhores @ mais eficazes de se produzir esse veneno. Serei o mais objetivo possivel nesse assunto. Material necessario: - amostras de subsolo (terra retirada de uma profundidade entre 30cm. e 50cm. abaixo do solo) de local onde o solo seja escura, rico em vida vegetal e matéria organica, bastante Umido e nada arenoso; sera preciso coletar ao menos amostrar de seis lugares diferentes pois, ambora a maioria do solo terrestre esteja repleto de Cfostridia botulinum, 6 necessério ter certeza de se ter obtido bactérias potentes e saudaveis. - doze jarras de boca estreita, do tipo usado para conservas domésticas, limpas @ esterilizadas (fervidas); - tampas para essas jarras; - alguns quilos de carne bem gorda, com bastante gordura mas sem nenhum 0Ss0; - um liquidificador ou multi-processador robusto (melhor seria um de tipo profissional); - doze colheres de sopa limpas e esterilizadas (fervida); - doze conta-gotas do tipo que se usa para pingar colirio nos olhos (que libera gotas pequenas); - luvas de borracha descartaveis, - protecées descartaveis para cabeca e rosto (usadas em salas cirlirgicas); - coberturas descartaveis para os calgados (usadas em salas cinirgicas); - avental do tipo usado em cirurgia; Produg&o: - bate-se no liquidificador a carne com a gordura, até se obter uma papa; - encher os jarros com essa papa, quase que até a boca, nao deixando espaco para muito ar; - colocar cerca de meia colher de sopa de uma amostra de solo em uma jarra - m cada jarra, colocar apenas essa quantidade de apenas uma das amostras de solo; depois, repetir todo o processo nas seis jarras restantes; nao deixar de etiquetar cada jarra com algo tipo "amostra 1 jarro 1", “amostra 1 jarro 2", “amostra 2 jarro 1", “amostra 2 jarro 2"," amostra 3 jarro 1"," amostra 3 jarro 2” @ assim por diante. - ao final, teremos doze jarros com amostras de seis solos diferentes, ou seja, cada duas jarras com amostras de um solo distinto. - tampar os jarros; - chacoalhar bem para o contedido ficar muito bem misturado,; - colocar os jarros num recipiente contendo agua fervente, mantido no fogo por 45 minutos a 1 hora (banho maria), exatamente como se se estivesse preparando molho de tomates em conserva (esse processo recebe o nome de "choque térmico" em microbiologia); - esse processo matara todos os germes vivos na conserva, deixando que apenas os espores sobrevivam - @ isso é 0 que nos interessa; - as condigées de auséncia de ar dentro dos jarros assim que eles esfriarem fara com que apenas as bactérias anaerébicas (micro-organismos que crescem na auséncia de ar) formadoras de esporos sobrevivam e crescam nas jarras; - talvez a mistura ainda permaneca contaminada por outros micro-organismos apés esse processo, mas muitos deles, como o tetanus, produzem venenos proprios - e isso nao sera nenhum problema para as metas deste trabalho; - apés o choque térmico, deixa-se que as jarras esfriem naturalmente; - devem ser colocadas num local escuro e com temperaturas entre 32 @ 35 graus centigrados (Celsius), pois temperaturas mais elevadas danificaram o produto final, e temperaturas inferiores podem causar a produgao de um produto inferior; - devem, as jarras,ser deixadas nesse local sem serem molestadas, mexidas ou movidas de lugar, pois isso faria com que o ar restante dentro dos jarros penetrasse na mistura, arruinando todo o trabalho; - t&o logo os jarros esfriem, as tampas deverSo ser desatarraxadas (embora mantidas sobre a boca da jarra), pois os germes de botulismo crescendo produzem um gas chamado suifidio de hidrogénio (que tem cheiro do ove podre) @ a pressao desenvolvida nesse periodo poderia fazer as jarras explodirem caso n&o haja ventilagao; - apés cerca de uma semana sob uma temperatura constante de 35 graus, os jarros estar&o prontos; identificagao: - 08 jarros que contiverem culturas botulinicas serao facitmente reconheciveis: a came tera ficado preta, a0 menos uma boa porgao dela, sinal de ter sido digerida pelas bactérias; - um odor nauseante tera se desenvoivido nos jarros; Testes: - sera necessario testar o grau de toxidez do veneno contido nos jarros; - isso devera ser feito testando-se a substancia em cobaias comuns de laboratério: rato branco, hamster ou porquinho-a-india, por exemplo, sao ideais nessa fase; - munido e luvas de borracha, éculos envolvente (protegendo n&o sé a frente dos olhos mas também as partes laterais), cobertura aa a cabecga (como dos cirurgi6es) e mascara para a faca (protegendo boca e nariz, como dos cirurgiées, novamente), tendo calgado as protegdes para os calcades @ 0 avental @ cirurgia, parte-se para essa nova etapa; ~ abre-se cuidadosamente uma jarra e colhe-se com 0 auxilio de um conta-gotas algum material liquido; - tendo-se prendido o animal cobaia de molde que nao possa morder o operader, pinga-se esse contetido diretamente na boca do animal, certificando- se que 0 liquido escorra para dentro de sua garganta; - rotule-se © viveiro de cada animal, de acordo com a amostra introduzida no mesmo, para controle da eficacia do veneno; - @ protegdo pessoal é necessaria pois essa substancia @ fetal se ingerida, aspirada ou injetada, e pode ser transportada para fora do laboratério nos cabelos e roupas da pessoa - portanto, apés a conclus&o das operacées, incinerar as roupas/luvas usadas e tomar um banho de 15 minutos com um sab&o que mate germes; rvacado: - em poucos dias (3 a 10) o animal devera ter morrido; - esse tempo nao tem nada a ver com a poténcia téxica do veneno: 6 de sua propria natureza; - 08 animais que tiverem sobrevivido ao teste indicaraéo que a amostra nao funcionou @ todo o contetido do jarro devera ser descartado (preferencialmente derramado na terra num focal ermo e distante, mas sempre com o uso de equipamento de protecSo como citado antes); Testes avangados: - apuradas as amostras eficazes, repetir os testes em animais maiores (cdes, gatos, porcos, bodes, macacos); - sugest4o: use porcos grandes, muito similares fisiologicamente acs humanos, porém muito mais resistentes; se funcionar num porce, funcionara methor num homem... macaces seriam ideais, mas custam caro, sfo e manuseio complexo (mordem e arranham com ferocidade) e podem despertar suspeitas; - os primeiros sinais de envenenamento sao: insénia, vémitos, diarréias, paralisia, coma @ morte. Conclusao: - concluidos os testes, cada jarro aprovado devera ter muitas doses letais de botulinum para cada mi. de liquido dentro dele; - sendo seu paladar e aroma nauseabundos, devera ser disfarcado, antes de ser administrado ao alvo, em algo de sabor forte: motho de pimenta ou café sao duas boas opgdes; - No inicio, os sintomas de envenenamento por butulinum em humanos podem ser confundidos com intoxicagao intestinal, problemas cardiolégicos, pélio ou mesmo um porre de bebedeira; nos estagios finais, porém, fica claro ser uma intoxicago botulinica; - no inicio da intoxicagao, ha tratamento - apés o inicio dos sintomas, especialmente se uma dose maciga tiver sido ingerida, nao ha saida; - a sobrevivéncia de uma vitima de envenenamento por botulinum sé depende e quo forte a pessoa 6 6 de uma dose nao maciga ter sido ingerida. E 0 que 6 uma dose macica? - diria que 4 vazes o necessario para matar um porco adulto é garantia...