Вы находитесь на странице: 1из 21

Alternativas de Desenvolvimento para a Região Noroeste

Fernando Pinheiro

Conselheiro da Representação Regional do Sistema FIRJAN

Diretor-Presidente da Cia. Paduana de Papéis – COPAPA

24/06/2016

Região Noroeste

Região Noroeste  13 Municípios  324 mil habitantes (2,0% da população estadual)  PIB (2013)

13 Municípios

324 mil habitantes (2,0% da população estadual)

PIB (2013) de R$ 5,6 bilhões – 0,9% do PIB estadual

PIB industrial de R$ 752,7 milhões – 0,5% do PIB industrial fluminense.

Em 2013, a indústria respondeu por 13,4% do PIB da região, com destaque para as cadeias de alimentos & bebidas, vestuário & acessórios, minerais não metálicos e papel & celulose.

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

O Sistema FIRJAN tem contribuído com estudos e propostas para a construção de um melhor ambiente de negócios para o desenvolvimento socioeconômico da região

e propostas para a construção de um melhor ambiente de negócios para o desenvolvimento socioeconômico da
e propostas para a construção de um melhor ambiente de negócios para o desenvolvimento socioeconômico da
e propostas para a construção de um melhor ambiente de negócios para o desenvolvimento socioeconômico da
Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional O IFDM acompanha anualmente o desenvolvimento

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

O IFDM acompanha anualmente o

desenvolvimento socioeconômico de todos os municípios brasileiros em três áreas: Emprego &

Renda, Educação e Saúde. Criado em 2008, ele é

feito, exclusivamente, com base em estatísticas públicas oficiais, disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde.

com base em estatísticas públicas oficiais, disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde.
com base em estatísticas públicas oficiais, disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde.
Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional O IFGF objetiva estimular a cultura

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

O IFGF objetiva estimular a cultura da responsabilidade administrativa, informando a forma como os tributos pagos pela sociedade são administrados pelas prefeituras. Utiliza dados fiscais próprias prefeituras, de declaração obrigatória e disponibilizadas anualmente pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

prefeituras, de declaração obrigatória e disponibilizadas anualmente pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN).
prefeituras, de declaração obrigatória e disponibilizadas anualmente pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Os perfis municipais e as interações regionais permitiram a identificação de grandes setores, alguns já consolidados e outros ainda insipientes economicamente, com forte potencial de crescimento na próxima década.

Fortalecimento dos setores de pedras ornamentais e minerais não-metálicos

(em especial o polo cimenteiro)

Expansão do setor agropecuário (12% da produção estadual).

Expansão do setor de papel e celulose (12,4% dos empregos estaduais no

segmento)

Investimentos na melhoria do sistema logístico

A duplicação da BR-356 e a construção da EF-354 (ferrovia ligando São João da Barra a Uruaçu/GO) melhorarão a conexão da região com o Norte Fluminense e com o Centro-Oeste do país, beneficiando as indústrias instaladas no Noroeste.

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Para que estes setores possam atingir sua plena capacidade, é necessário que sejam observados alguns fatores básicos:

Competência técnica e um ambiente que permita a inovação

Programas claros indicando o caminho a ser seguido pelos municípios e pela região, como um todo, para estimular a inovação e a construção de novas competências

Programas voltados para a redução dos desequilíbrios socioeconômicos regionais a partir dos usos das competências e potenciais locais

Garantia de que o desenvolvimento econômico possa ser estimulado de forma integrada com a proteção ambiental, uma vez que as características naturais da região são um de seus maiores ativos para o desenvolvimento

Ordenação dos territórios regionais, a partir de seus perfis produtivos, de ocupação e exploração (inclusive integrada à plena preservação ambiental, uma das mais fortes bases do turismo)

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Para o desenvolvimento deixar de ser potencial e se tornar real é preciso estimular as potencialidades.

A partir dos apontamentos, sugestões e constante interação com o empresariado, governos e a sociedade local, o Sistema FIRJAN identificou um grupo de seis eixos essenciais ao desenvolvimento regional

governos e a sociedade local, o Sistema FIRJAN identificou um grupo de seis eixos essenciais ao

Criação, preservação e adequação de zonas industriais e empresariais

Adequar a infraestrutura (água, energia, gás natural, banda larga, etc.) dos distritos, condomínios e plantas industriais existentes;

Criar um Plano Diretor Regional de Desenvolvimento, incluindo as inter- relações com outras regiões do estado;

Preservar as áreas destinadas à instalação de distritos e condomínios industriais;

Criar uma entidade consorciada para gerir o planejamento e as ações de impacto regional;

Controlar

o

crescimento

residencial

próximo

às

áreas

industriais

e

seus

acessos;

Implantar na região posto do INEA, de

processo de

forma

a

dinamizar

o

concessão

e

renovação

de

licenças

ambientais

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Adequação da logística e da mobilidade urbana

Duplicar integralmente a BR-356, adequando-a ao crescimento do tráfego de cargas;

Restaurar as rodovias de integração regional (RJ-206, RJ-210, RJ-214 e RJ-

230);

Construir o Arco Rodoviário de Itaperuna, na BR-356;

Reativar o Aeroporto de Itaperuna;

Duplicar a RJ-116, a partir de Macuco;

Duplicar a BR-393 de Santo Antônio de Pádua a Bom Jesus do Itabapoana;

Construir, na BR-393, os contornos de Pirapetinga/MG Miracema e Santo Antônio de Pádua;

Construir a Estrada de Ferro 354 (EF-354), entre São João da Barra e Uruaçu/GO.

Disponibilidade e qualidade de energia

Ampliar a carga de energia disponível nas áreas e distritos industriais e empresariais;

Garantir

estabilidade no

fornecimento de energia nas áreas e distritos industriais e empresariais;

da

Garantir

a

a

universalização

cobertura de energia elétrica;

Implantar a rede de distribuição de gás natural nas áreas industriais consolidadas e potenciais.

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Ordenamento habitacional

Identificar, preservar e desenvolver novas áreas para núcleos habitacionais formados por residências, comércio e serviços, adequando a política de habitação popular e alinhando os programas às faixas salariais demandantes;

Impedir a ocupação irregular, em especial nas áreas industriais e seus entornos;

Implementar o programa de UPP para aumentar a segurança da região;

Requalificar e incentivar a ocupação de áreas urbanas que já possuem infraestrutura de transporte, saneamento, energia e telecomunicação;

Adequar a infraestrutura de transporte, saneamento, energia e telecomunicação nas áreas de baixa renda.

Sistema de saneamento ambiental

Universalizar a rede coletora de esgoto, construindo novas estações de tratamento;

Instalar unidades locais de coleta e reciclagem, bem como Centros de Tratamento de Resíduos (CTR), para aumentar a destinação segura de resíduos urbanos e industriais;

Agilizar o processo de emissão da Outorga de autorização para a captação direta de água pela indústria (construção de poços artesianos, uso de mananciais subterrâneos, etc.);

Implementar políticas de reflorestamento para a recuperação da cobertura verde, preservação de recursos hídricos e exploração da silvicultura econômica, inclusive na geração de energia.

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Educação e qualificação da mão de obra

Ampliar a qualificação dos professores da rede pública;

Implantar programas voltados para melhoria do nível de escolaridade e da qualidade do ensino.

É PRECISO “NOVOS OLHARES” PARA IDENTIFICAR SEGMENTOS POTENCIAIS, TORNÁ-LOS FONTES DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, EM HARMONIA COM O PERFIL E AS TRADIÇÕES PRODUTIVAS LOCAIS

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Um novo olhar pode significar a recuperação ou a expansão de um setor tradicional, com potencial de grande crescimento, como a produção de leite.

a recuperação ou a expansão de um setor tradicional, com potencial de grande crescimento, como a

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Produção de Leite e Consumo de Leite Equivalente no Estado do Rio de Janeiro (Mil litros)

Produção de Leite in natura na Região Noroeste Fluminense – 2014 (milhões de litros)

na Região Noroeste Fluminense – 2014 (milhões de litros) Fonte: Produção - IBGE – Pesquisa Pecuária

Fonte: Produção - IBGE – Pesquisa Pecuária Municipal Consumo - Conab – Companhia Nacional de Abastecimento

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

O consumo de leite no estado, em 2014, foi de 168,3 litros/ano por habitante.

O estado produziu 32,8 litros/ano por habitante (apenas 19,5% do consumo interno).

As importações representaram 135,4 litros/ano por habitante (mais de 6,1 milhões de litros/dia, principalmente de Minas Gerais e São Paulo).

O Noroeste Fluminense produziu 143,4 milhões de litros (26,6% do estado).

O Noroeste produziu 88,9 milhões de litros a mais do que consumiu, sendo uma região “exportadora” .

Com valor médio de R$ 1,10 por litro, as “exportações” atingiram R$ 97,8 milhões.

A tradição agropecuária, a disponibilidade de terras e a demanda do estado superior à sua produção geram oportunidades para a expansão da produção de leite na região.

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Demais setores ligados à cadeia de produção do leite, inclusive em segmentos de

pesquisa & desenvolvimento e de maior valor agregado podem ser

desenvolvidos.

do leite, inclusive em segmentos de pesquisa & desenvolvimento e de maior valor agregado podem ser

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Um novo olhar para a cadeia do papel e celulose

regional Um novo olhar para a cadeia do papel e celulose Noroeste fluminense possui um importante

Noroeste fluminense possui um importante polo papeleiro, que configura um dos setores industriais mais importantes da região, que responde por 12,4% dos empregos e por 5,5% dos estabelecimentos do setor no estado.

Identificando caminhos para melhorar o “Ambiente de Negócios” regional

Cadeia de celulose e papel integra uma cadeia maior, da silvicultura econômica

e papel integra uma cadeia maior, da silvicultura econômica  Estudo do Sistema FIRJAN apontou que
e papel integra uma cadeia maior, da silvicultura econômica  Estudo do Sistema FIRJAN apontou que

Estudo do Sistema FIRJAN apontou que o Estado do Rio importa de outros estados 89% da madeira que as indústrias consomem. Há enorme espaço para o crescimento do setor na região.

Conclusão

O desenvolvimento socioeconômico integrado às questões ambientais passa, primeiro, pela identificação dos perfis, dos potenciais e dos caminhos para produzir o desenvolvimento.

É preciso um novo olhar para identificar novos caminhos para a região, muitos já

conhecidos mas pouco trilhados, em especial devido à falta de apoio e

infraestrutura.

Em julho o Sistema FIRJAN vai lançar a Agenda para o Desenvolvimento da Região Noroeste Fluminense.

Nos próximos 10 anos, a busca pelo desenvolvimento socioeconômico vai pautar as ações do Sistema FIRJAN na região.

O Sistema FIRJAN entende que é de grande importância os governos estadual e

municipais, a sociedade civil organizada e o setor privado, se unirem para construir um futuro melhor para a Região Noroeste.

OBRIGADO!

Antonio Fernando Pinheiro da Silva

fpinheiro@copapa.com.br