Вы находитесь на странице: 1из 14

MANUAL PARA O PLANTIO DE ALGUMAS ESPÉCIES

INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO SUPERTHRIVE .Instruções fornecidas


pelo fabricante do produto! Quantidade de produto caso a caso: 1) para a
maioria dos procedimentos: como desenvolvimento ativo ou resistência ao
stress; utilizar ¼ de colher de chá por galão de 5 litros de água 2) para plantas
mais macias, delicadas; ou para uso constante, diário, ou simplesmente
manutenção saudavel da planta; utilizar entre 1 e 5 gôtas por galão de 5 litros
3) para raizes puras : encharcar as raizes na solução pronta por 15 minutos 4)
rosas e plantas delicadas : 1 e ½ colher de chá por 5 galões de água de 5 litros. 5) outros: 2
colheres de mesa cheias por 5 galões de água de 5 litros. 6) para reviver galhos e árvores : 1 onça
para 5 galões ( de uma só vez) dicas: 1) para acelerar o crescimento, adicionar sempre a qualquer
programa de fertilização, ou sempre que for adubar uma planta. 2) para plantar e reviver:
primeiramente, utilize o produto sozinho. Evite fertilizantes. Especialmente se o reavivamento for
necessário, por excesso de fertilizantes. 3) esteja certo de que o produto chegue as raizes das
plantas. Faça a camada de cima do solo penetravel. ATENÇÂO, regar com superthrive puro ou
concentrado demais em sua planta pode danificá-la portanto, siga as orientações quanto a
diluição.

INSTRUÇÕES PARA PLANTAR


GRAMA AZUL E PAMPAS GRASS E PRIDE OF MADEIRA, CAPIM GUINE BUFFALO, KOCHIA,
GLOBO DE

VARA preparar sementeira com terra apropriada para germinação sugestão: 1 parte de vermiculita
1 parte de turfa 1 parte de terra comum ½ parte de perlita . umedecer o substrato e colocar as
sementes; cubrindo-as levemente. cobrir a sementeira com plástico transparente acelera a fase de
germinativa a germinação se dá entre 3 e 4 semanas quando a temperatura fornecida varia entre
18 e 24ºc transplantar quando as mudas estiverem ente 10 e 15 cm para o local definitivo. o
transplante deve ser feito em dia nublado. deve ser podado sempre que necessário, para que
mantenha uma forma e coloração sempre mais atrativa. As informações prestadas são apenas
sugestões baseadas nas informações coletadas com os produtores das espécies, podendo cada
cultivador desenvolver seus próprios métodos e utilizar outras formas de cultivo.

INSTRUÇÕES PARA PLANTAR MARACUJA BANANA: próprio para regiões


tropicais e subtropicais, com temperatura média mensal de 20 a 32ºC. Não tolera
geadas ou ventos frios. Luminosidade plena. Plantar em solos de textura média,
profundos e bem drenados. Não utilizar baixadas, solos pedregosos ou com
possibilidade de encharcamento. Práticas de conservação do solo: plantar em nível
e manter cobertura vegetal sempre roçada nas entrelinhas. Plantar em
sementeira, e depois de bem fixada, transferir para o local definitivo. Pode semear o ano todo em
regiões muito quentes. Em regiões com inverno demarcado, semear em agosto-setembro, dois
meses antes do início das chuvas. Pode-se utilizar sacos plásticos 14 x 28 cm, ou tubetes de
polietileno. Plantar uma ou duas sementes por recipiente. Desbastar após germinação, deixando
apenas a muda mais vigorosa.

Uva-japonesa

• Nome Científico: Hovenia dulcis


• Sinonímia: Hovenia inaequalis, Hovenia dulcis var. latifolia, Hovenia dulcis var. glabra
• Nome Popular: Uva-do-japão, banana-do-japão, bananinha-do-japão, caju-do-japão, caju-japonês, chico-magro, gomari,
mata-fome, passa-do-japão, passa-japonesa, macaquinho, pau-doce, pé-de-galinha, tripa-de-galinha, uva-da-china, uva-
paraguaia, cajueiro-japonês, uva-japão,
• Família: Rhamnaceae
• Divisão: Angiospermae
• Origem: China, Coréia e Japão
• Ciclo de Vida: Perene

A uva-do-japão é uma árvore caduca, de porte médio, muito utilizada na arborização


urbana. Sua copa é aberta, de formato globoso a oval. O caule apresenta rápido
crescimento e pequeno diâmetro. Sua casca é escura, de textura lisa a levemente
fissurada. As folhas são ovais, verdes, brilhantes, de disposição alterna e caem no
outono e inverno. As flores numerosas, surgem no verão. Elas são pequenas,
hermafroditas, perfumadas, branco-esverdeadas e atraem muitas abelhas. Os frutos
são cápsulas secas, marrons, sustentadas por pedúnculos carnosos, doces e de cor
castanha. Cada fruto contém de 2 a 4 sementes amarronzadas. A dispersão das
sementes é zoocórica (por animais).

Os frutos da uva-do-japão têm sabor aprazível, mas devem ser colhidos maduros.
Quando verdes, têm sabor adstringente e quando passados, fermentam e ficam com
gosto alcoólico. Eles podem ser consumidos in natura ou na forma de geléias. É uma
árvore apropriada para o paisagismo urbano, em estacionamentos, rodovias, praças
e parques. Devido ao seu tamanho um pouco avantajado (atinge cerca de 25 metros),
a uva-do-japão não é indicada para arborização de calçadas sob fiação elétrica.

Por ser uma árvore que frutifica em abundância, ela têm sido amplamente utilizada na recuperação de áreas degradadas, com o
objetivo de atrair a fauna (aves e mamíferos Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, bem drenável e leve, com
regas regulares no primeiro ano após o plantio. Cobrir a semente com 2 centimetros de terra bem fértil, manter a umidade até a
germinaçã. Não tolera encharcamento ou inundações. Multiplica-se por sementes e estacas.. A frutificação inicia-se de 3 a 4 anos após
o plantio.
GOJI - Como plantar: Começa por demolhar algumas bagas goji cerca de 8
horas para facilitar o processo de germinação (alternativamente podes
colocá-las no frigorífico). Coloca as sementes em vasos num local protegido
da chuva e do sol, de preferência num lugar quente. Nem todas as sementes
germinarão, portanto será melhor colocar uma boa quantidade de bagas na
terra. Coloca as sementes a 1-2 cm abaixo do solo e espalha um pouco de
composto/fertilizante orgânico por cima delas. Rega levemente. As sementes irão geminar em 5-10
dias, dependendo da temperatura. Depois de germinadas, as plantinhas deverão ser aclimatizadas
ao sol directo até estarem bem estabelecidas.Quando as folhas se desenvolverem é tempo de as
transplantar para o solo do jardim ou para vasos de cerca de 10 cm. Se, no entanto, o Inverno for
muito rigoroso, espera pelo início da Primavera para colocá-las lá fora. No exterior: Preparar uma
área de solo numa parte do jardim que seja muito ensolarada, preferencialmente voltada a sul e
sem árvores e/ou prédios que possam fazer sombra. As gojis adoram o sol! Escolhe um pedaço de
terra livre de pesticidas. As goji, tal como todas as plantas, são muito mais nutritivas, bonitas e
saborosas quando plantadas sem químicos, que são absolutamente desnecessários e prejudiciais à
nossa saúde e à do Planeta. Dentro de casa: Proceder da mesma forma, colocando as sementes
em vasos, que serão substituídos a cada ano. Depois de germinadas, coloque os vasos em
parapeitos de janelas onde as goji possam receber muito sol ou coloque os vasos no exterior.
Fertilizar 1-2 vezes por ano. Tipo de terra: Moderamente rica, com matéria orgânica em
abundância (composto, fertilizantes naturais) e sem tratamentos químicos. O solo deverá ter uma
boa drenagem. Se a terra for muito compacta, junta areia. Água: É necessário manter a terra
húmida até as gojis germinarem e estarem bem estabelecidas. Depois pode-se regar apenas
quando o solo estiver seco. Não satures a terra de água e deixa-a secar até à proxima rega.
Demasiada água (da rega ou da chuva) apodrece as goji e torna-as vulneráveis a doenças. As tuas
bagas goji irão aparecer no segundo ano, quando podes esperar cerca de 1 a 2 kg de bagas por
arbusto. Come-as directamente da planta ou seca-as para consumo posterior.

INSTRUÇÕES PARA PLANTAR MELANCIA NEGRA e GiGANTE: se desenvolve


nos locais onde o período de crescimento das plantas e da maturação dos frutos
coincide com dias longos e noites quentes, com temperaturas medias entre 18 e
25ºC.Nos estados sulinos, especialmente no Rio Grande do Sul, seria, por
conseguinte, recomendável a plantação na primavera, por ser alí o verão quente e
seco. No Estado de São Paulo, tendo essa lucrativa cultura interessado aos
lavradores das mais diversas zonas, as plantações são levadas a efeito quase o ano todo, porém,
será preferível plantar-se em fins de abril e durante o mês de maio, quando cai normalmente,
alguma chuva, e. a temperatura ainda é própria para a germinação, colhendo-se em setembro,
que, em geral, não é muito úmido e apresenta temperatura propícia ao desenvolvimento dos
frutos.Ademais, com a plantação nesse período, há a grande vantagem de se poder lançar o
produto no mercado em época de escassês de frutas, quando alcança, pela falta de concorrência,
melhores preços.A melancia pode ser cultivada em diferentes tipos de solos, uma vez que não
sejam muito úmidos. Prefere, entretanto, os solos areno-argilosas, que, embora não sendo as mais
ricas, quando bem estercadas ou adubadas, dão boas colheitas.Nos solos pesados, o
desenvolvimento da planta e o tamanho e a qualidade do fruto são, em geral, inferiores. A
melancia é tolerante aos solos medianamente ácidos, apresentando boas colheitas em terras com
pH e 6,8 e 5,0. Plantar melancia em terra com baixo teor matéria orgânica, é prejuizo na certa. As
sementes de melanca gigante deve receber o mesmo trato, no entanto, assim que saírem os
frutos, deve deixar apenas 1, eliminando os demais. Deixe o mais vigoroso, maior.

AMORA E CEREJA AMERICANA e Katsura Tree Instruções


corretas para estratificação de sementes A forma mais correta para
estratificação de sementes é colocar as sementes juntamente com
vermiculita umedecida em sacos plásticos ziploc ( sem furos). O
próprio saquinho das sementes poderão serem usados ,não existe estratificação a seco. Armazene
os sacos plásticos na geladeira pelo periodo exigido, de 15 a 60 dias, verifique sempre para
assegurar se houve germinação de alguma semente. Caso não tenha vermiculita para
estratificação das sementes, você pode substituir por papel toalha umedecido, e depois armazená-
lo dentro de um recipiente fechado na geladeira. Não esqueça de sempre dar uma checada para
assegurar-se de que o mesmo se mantenha úmido. Lembre-se: não existe estratificação sem
umidade e meio próprio para que a mesma seja promovida. Para plantar, recomenda-se primeiro
semear em uma sementeira com terra fértil, cobrindo a semente com terra ( 0,5 cm ) regando-a
delicadamente 1 vez ao dia, evitando encharcarmento , cobrir o recipiente com um saco plástico
para manter a umidade e o calor necessário a germinação, ou colocar sua sementeira dentro de
um zip lock. Manter sua sementeira em local abrigado e iluminado; porém sem luz solar direta e
após adquirirem tamanho aproximado de 15 cm , transplantar no local definitivo.

Acer palmatum O Acer palmatum é uma das árvores mais belas do mundo.
Nativa do Japão. Excelente para bonsai as sementes possuem um grau de
dormência, necessitando ser estratificadas por 2 a 3 meses para facilitar sua
germinação. Sua quebra de dormência pode ser feita mantendo a semente em
água a 38-39 graus por 2 dias (alguns cultivadores colocam as sementes num
saquinho com água atrás da geladeira, e deixam lá por 2 dias) e depois deixe
dentro de um saquinho com turfa, ou terra fértil levemente umidecida por 2 a 3 meses na
geladeira, assim que começar a germinar, retire do saquinho e da geladeira e plante no local
desejado, recomendamos uma sementeira ou vaso inicialmente. Pode-se plantar sem quebrar a
dormência, no entanto, isso poderá dificultar a germinação. A coloração das suas folhas sofre
alterações bastante intensas ao longo das estações do ano, variando desde verde vivo, passando
por amarelo e chegando a vermelho intenso antes da queda da folha no outono. Cultivo . O bordo
japonês tem sido cultivado em áreas temperadas ao redor do mundo desde o século XIX. Suas
sementes são populares na maioria das lojas arboricultoras, mesmo no Brasil. O cultivo mais
popular é o das folhas vermelhas. Como a maioria dos bordos, o bordo japonês é bem adaptável,
mas cresce melhor em solos profundos, bem-drenados e férteis. O bordo japonês cresce bem em
todas as áreas do Brasil, conseguindo melhores resultados em áreas temperadas como o sul do
Brasil, e em climas tropicais de altitude com mais de 800m, como as mais conhecidas cidades da
será fluminense (Petrópolis, Nova Friburgo, Teresópolis), mas por seu alto poder de adaptação, é
possível ótimos resultados em locais quentes e com baixas altitudes. Localização no inverno: A
planta prefere sombra parcial ou total, principalmente durante o período da tarde, que é quando o
sol está mais quente. O bordo japonês aguenta bastante bem o frio, desde que não esteja à mercê
do vento. Desde que esteja a uma temperatura superior a -10ºC não há problema. Calor excessivo
durante o inverno pode fazer a árvore desfolhar demasiado cedo, o que pode ser extenuante.
Alimentação e rega As regas no verão devem ser frequentes e é melhor regar pouco de cada vez e
com regularidade do que deixar que o solo seque entre as regas.

Sequóia gigante. Sequoiadendron é um género de conífera pertencente à família Cupressaceae.


Ela possui apenas uma única espécie, a Sequoiadendron giganteum ou Sequoia gigantea A Sequóia gigante é
considerada a maior árvore do mundo em termos de volume. Ela cresce em média 50-85 m e 5-7 m em
diâmetro. A Sequóia gigante mais velha conhecida possui mais de 4000 anos de idade e se encontra no
Parque Nacional da Sequóia, na Califórnia. Medidas recordes de sequóias como mais de 100 metros de altura
e 8 metros de diâmetro já foram reportadas. A casca da sequóia é fibrosa, com sulcos, podendo chegar a 60
cm de grossura na base do tronco. Uma casca assim fornece uma excelente proteção contra fogo. As folhas
são como as folhas dos pinheiros, com 3-6 mm, fazendo uma espiral nos brotos. As sementes vêm em cones,
e cada cone têm em média 230 sementes de cor marrom-escura, cada uma com 4-5 mm de altura e 1 mm
de espessura, possuindo umas "asinhas" marrom-amarelas de 1 mm. As sementes são carregadas pelo vento
quando se desprendem do cone. É considerada um fóssil vivo. Tem sido plantada no Brasil para fins
ornamentais e de adaptação da espécie, já que em seu lugar de origem vem sendo destruída.Uma maneira
de acelerar o processo de germinação (supostamente só deveriam germinar na Primavera) é fazer a
estratificação das sementes. Não consiste em mais do que simular as condições de Inverno durante algumas
semanas e depois colocá-las num ambiente que simule a Primavera. Para isso basta colocar num saco de
plástico (de preferência daqueles com fecho) uma porção de terra e as sementes e
simular as condições de Inverno. Neste caso colocar apenas terra de bonsai ou
composto e as sementes dentro de um saco num refrigerador entre 1ºC e 5ºC. Há
quem diga que as sementes devem estar ensopadas durante 24 a 48 horas (por
exemplo no meio de um pano encharcado) antes da estratificação, outros acham
melhor apenas regar bem após todo processo e posterior colocação num vaso. Para
semear No fundo de vários vasos coloca-se uma camada de composto caseiro ou
industrializado. Depois adicionar terra para bonsais até sensivelmente 2/3 do vaso
(2)
(podem usar terra para jardim, ou outra). Normalmente recomendam turfa com
vermiculite, que ajuda à circulação de ar na terra. E que pode ser encontrada em
casas para jardinagem. Depois de germinada, a planta deve ser cuidada como
todas as outras planta, bastando evitar sol e frio intenso, mantendo sempre a umidade da terra para um
melhor desenvolvimento da planta.

Palmeira Yucca ( Palmeira Bicuda)

COMO PLANTAR : Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, Ou solo adubado orgânicamente (torta
de mamona, húmus de minhoca, farinha de ossos). Solo mais para o seco do que para o úmido bem drenável, enriquecido
com matéria orgânica e irrigado regularmente. Deve-se cobrir as sementes com 2 cm de terra, mantendo o solo levemente
molhado até a germinação . Em condições de muita chuva, é indicado regá-la apenas uma vez por semana. Desenvolve-se
bem à sol pleno. Pode –se plantar em sementeiras onde será mais fácil o manejo, em locais mais frios , deve ser colocada a
sementeira em local mais aquecido para favorecer a germinação. Planta tipicamente tropical, aprecia o calor e a umidade e
é muito sensível ao frio . Em regiões com estações bem marcadas, pode ser conduzida em interiores e estufas durante o
inverno e voltar para o jardim na primavera e verão. É capaz de tolerar encharcamentos, mas não resiste a estiagem.
Multiplica-se por sementes, e divisão das touceiras. As sementes germinam em um período que varia dois meses até um
ano.

Germinação de sementes de bambu e Taccas .


Dicas para semeadura e cultivo de bambu :A
germinação das sementes se dá em até 35 dias
para sementes de bambu e de 1 mês a 1 anos para
sementes de tacca, quando em temperatura entre
20 e 24ºc, para plantar, preencher recipiente com turfa, vermiculita e perlita
em partes iguais. Ps: o substrato acima pode ser substituido por: 1 parte de terra vegetal 1 parte
de turfa 1 parte de areia colocar as sementes e, cobri-las levemente., cobrir o recipiente com um
saco plástico para manter a umidade e o calor necessário a germinação, ou colocar sua sementeira
dentro de um zip lock. Manter sua sementeira em local abrigado e iluminado; porém sem luz solar
direta. Pequenas mudas são muito sensíveis ao transplante, esperar para que estejam fortes o
suficiente para então transferi-las para um vaso maior ou para o exterior.

• Nome Científico: Ficus benjamina


• Sinonímia: Ficus benjamini, Ficus nitida
• Nome Popular: Ficus, figueira, fico, fico-chorão
• Família: Moraceae
• Divisão: Angiospermae
• Origem: Ásia e Austrália
• Ciclo de Vida: Perene

O ficus é uma árvore muito popular, utilizada principalmente na decoração de ambientes


internos. Com caule acinzentado, raízes aéreas e ramos pêndulos, ela tem crescimento moderado e em condições
naturais, chega a 30 metros de altura. Suas folhas são pequenas, brilhantes e perenes, de coloração verde ou variegada
de branco ou amarelo. Elas têm formato elíptico com a ponta acuminada e apresentam leves ondulações nas bordas. As
flores discretas e brancas não têm valor ornamental. Os frutos pequenos e vermelhos são decorativos e atraem
passarinhos. Suas raízes agressivas e superficiais chamam a atenção, e não raramente racham vasos e pavimentos.
O ficus é uma árvore belíssima, largamente utilizada no paisagismo. Recomenda-se o plantio isolado desta figueira em
jardins extensos e fazendas, onde o aspecto escultural do caule têm destaque especial. Plantada em vasos, também
pode ser conduzida como arvoreta ou arbusto. Seu caule flexível permite que se realize trançamentos quando jovem, o
que lhe dá um charme todo especial. Além disso é muito visada em trabalhos topiários, adquirindo belas formas
arredondadas e compactas. Suas características a tornam bastante apropriada também para a arte do bonsai.

Infelizmente no entanto, devido a sua popularidade, o ficus vêm sendo implantado em locais impróprios, como em
calçadas, ruas e próximo a muros e construções. Com o desenvolvimento da árvore, as raízes agressivas acabam
provocando grandes danos às estruturas e tubulações subterrâneas, de forma que já é proibido o seu plantio em
diversas cidades. Todo cuidado é pouco ao podar o ficus, sua seiva leitosa é tóxica e pode provocar irritações e alergias
na pele.

Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado
regularmente. É bastante rústico, mas quando plantado em vasos, em interiores (residências, escritórios), não aprecia
mudanças de lugar, correntes de ar frio, encharcamentos e ar-condicionado. Quando estressado por este fatores é
comum que suas folhas amarelem e caiam, mas pode rebrotar com vigor depois de resolvido o problema. Plantas
envasadas devem ser adubadas mensalmente na primavera e verão, e transplantadas para um vaso maior uma vez ao
ano. Multiplicam-se por estacas lenhosas e sementes, que devem ser plantadas em turfa ou solo fértil úmido, mas não
encharcado. Sua germinação ocorre de 15 a 45 dias em médias, podendo esse tempo ser diminuído ou aumentado
conforme condições e características do local do plantio.

Cipreste Hinoki: Nome Botânico: Chamaecyparis obtusa Nome


em Inglês: Hinoki Cypress Nome em Japonês: Hinoki, HempakuvÁrvore
confífera, nativa do Japão.vTratam-se de espécies coníferas, com distribuição
circular das folhas em torno dos ramos. Folhas em forma de escamas, muito
pequenas, verde-escuro na face superior e com marcas brancas brilhantes em
forma de Y ou X na face inferior, onde as escamas se encontram. As folhas são
aromáticas quando esmagadas, achatadas (num só plano), abrindo-se em leque.
Em regiões mais frias, parte da folhagem pode tomar uma coloração bronze,
voltando ao normal com o aumento da temperatura. No nosso clima, tal
fenômeno ocorre com menor frequência. O tronco apresenta cortiça marrom-
avermelhada e suave, descamando-se com a idade. Flores muito pequenas,
masculinas de cor amarelo-avermelhado e femininas marrom claro. Frutos
(cones) redondo, de até 1,2cm de diâmetro, verdes tornando-se marrons. . Excelente para bonsai as
sementes possuem um grau de dormência, necessitando ser estratificadas por 40 dias para
facilitar sua germinação. Sua quebra de dormência pode ser feita mantendo a semente em
água a 38-39 graus por 2 dias (alguns cultivadores colocam as sementes num saquinho com
água atrás da geladeira, e deixam lá por 2 dias) e depois retira-se a agua e deixe dentro de
um saquinho com turfa, ou terra fértil ou papel toalha, levemente umidecida por 40 dias na
geladeira, assim que começar a germinar, ou quando der os 40 dias , retire do saquinho e da
geladeira e plante no local desejado, recomendamos uma sementeira ou vaso inicialmente.
Pode-se plantar sem quebrar a dormência, no entanto, isso poderá dificultar a germinação

Pinheiro negro A família dos Pinos é composta de mais de 80 espécies diferentes. O


Pinheiro Negro Japonês é encontrado no alto das montanhas, e como bonsai é uma das
árvores mais tradicionais. Na natureza pode alcançar até 25 metros e viver mais do que dez
mil anos. Suas agulhas de coloração verde musgo proporcionam uma estética diferenciada
da maioria dos bonsai. Para plantar, basta colocar a semente em terra fértil ou substrato
próprio para bonsai, e cobri - lá levemente , aguar quando necessário, mantendo a umidade
da terra. Sua taxa de germinação fica entre 60% a 80 %. Não há necessidade de
estratificar, contudo, pode-se efetuar a estratificação par acelerar o processo de germinação
e uniformidade das mudas. Normalmente a germinação se dá em até 2 semanas, mas há
possibilidade desse prazo sofrer alteração par mais ou para menos, em função das condições
climáticas e de solo.Deve-se dar atenção especial ao Pinheiro Negro no inverno. Devido a sua origem japonesa, ele está
acostumado a invernos rigorosos. Por isso, deveremos deixá-lo ao tempo no mais intenso frio. Escolher lugares frescos
que possibilitem que o pinheiro tome muito sol diretamente em suas agulhas. Poupá-lo do sol forte do verão. Na
primavera somente regar o pinheiro quando a superfície da terra estiver seca. Isso ajudará as agulhas a manterem seu
tamanho reduzido. A rega do pinheiro negro no geral não deve ser feita em excesso, regando-o somente quando
necessário ( quando a superfície da terra estiver seca ). No inverno o consumo de água é moderado. Umidade constante
no tronco e raízes favorece o surgimento de fungos ( Pó Branco ), estes podem até ocasionar sua morte se não forem
tratados. Para evitar problemas com muita umidade é aconselhável regar com moderação e usar uma mistura de solo
arenosa. O adubo mais indicado para o Pinheiro Negro é o orgânico de decomposição lenta. Este deverá ser aplicado
desde a primavera até o outono.

Mimosa pudica, planta bastante difundida no Brasil , e de fácil plantio. Deve-se plantar
em terra fértil diretamente, ou em sementeiras, regar constantemente até que a planta
atinja 10 cm aproximadamente. A mimosa pudica se destaca por sua beleza e por ser
uma planta sensível ao toque.

A palmeira-laca - é uma planta tropical de grande efeito paisagístico, que


chama a atenção pelo colorido vermelho vivo dos pecíolos e bainhas foliares. Ela apresenta múltiplos estipes
(caules) verdes, anelados, lisos, entouceirados, com diâmetro de 5 a 7 centímetros e altura de até 6 metros
cada, podendo chegar a 9 metros nas ilhas de onde é nativa. As folhas são pinadas, arqueadas, verdes, com
cerca de 50 folíolos lineares, e pecíolos e bainhas de cor vermelha ou laranja, de acordo com a variedade. A
inflorescência é ramificada, e sua cor, inicialmente verde, vai gradativamente se tornando vermelha. Os frutos são do tipo drupa,
oblongos e negros quando maduros. A palmeira-laca é perfeita para composições de paisagismo tropical. No jardim, ela pode ser
utilizada isolada, como destaque, ou em grupos, como em maciços ou renques ao longo de caminhos e muros. O vermelho vibrante em
contraste com o verde das folhas quebra a monotonia de verde que às vezes toma conta de jardins tropicais. Quando jovem, pode ser
plantada em vasos, adornando varandas, pátios e mesmo em interiores bem iluminados. Também é indicada para jardins litorâneos,
por tolerar a salinidade do solo. Nome Científico: Cyrtostachys renda Sinonímia: Cyrtostachys lakka Nome Popular: Palmeira-laca,
Palmeira-laca-vermelha, Palmeira-vermelha, Palmeira-lacre, Palma-de-cera, Palmeira-de-cera Família: Arecaceae Divisão:
Angiospermae Origem: Malásia, Indonésia, Tailândia, Bornéu e Sumatra Ciclo de Vida: Perene . COMO PLANTAR : Deve ser cultivada
sob sol pleno ou meia-sombra, em solo fértil, bem drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Deve-se cobrir
as sementes com 2 cm de terra, mantendo o solo levemente molhado até a germinação. Pode –se plantar em sementeiras onde será
mais fácil o manejo, em locais mais frios , deve ser colocada a sementeira em local mais aquecido para favorecer a germinação. Planta
tipicamente tropical, aprecia o calor e a umidade e é muito sensível frio . Em regiões com estações bem marcadas, a palmeira-laca pode
ser conduzida em interiores e estufas durante o inverno e voltar para o jardim na primavera e verão. É capaz de tolerar
encharcamentos, mas não resiste a estiagem. Multiplica-se por sementes, preferencialmente recém colhidas, e divisão das touceiras. As
sementes germinam em um período que varia dois meses até um ano.

Pata-de-elefante,Nome Científico: Beaucarnea recurvata Sinonímia: Beaucarnea


tuberculata, Nolina recurvata, Nolina tuberculata Nome Popular: Pata-de-elefante, nolina, biucarnea
Família: Ruscaceae Divisão: Angiospermae Origem: México Ciclo de Vida: Perene A pata-de-elefante é
uma planta arbustiva, de textura semi-lenhosa e aspecto escultural. Apesar de se assemelhar com as
palmeiras, a pata-de-elefante não é uma palmeira verdadeira. Ela é considerada um arbusto ou arvoreta,
que pode alcançar cerca de 5 metros de altura quando adulta. Seu tronco é muito ornamental,
geralmente único com a base dilatada, para o armazenamento de água. Uma adaptação para sobreviver
por longos períodos de estiagem. Suas folhas são muito belas também, com um aspecto de cabeleira,
dispostas em densos tufos nas extremidades dos ramos. Elas são coriáceas, achatadas, longas e
recurvadas, com margens ásperas. As flores somente são produzidas nos exemplares mais velhos, já
arbóreos. Elas despontam em inflorescências longas e eretas, com numerosas flores pequenas e
esbranquiçadas. Ocorrem plantas fêmeas e plantas machos (espécie dióica). As patas-de-elefante fazem
muito sucesso no paisagismo, criando pontos de destaque no jardim. Sua beleza imponente e escultural pode ser valorizada isolada ou
em pequenos grupos. Encaixa-se perfeitamente em jardins contemporâneos, de inspiração desértica ou tropicais. Devido ao lento
crescimento, também é muito explorada como planta envasada, enquanto é jovem, para decoração de interiores, pátios, sacadas e
varandas. É uma planta que praticamente não exige manutenção, mas que alcança altos valores no mercado de plantas ornamentais.
Deve ser cultivada sob sol pleno, meia-sombra ou luz difusa, em solo fértil, bem drenável e irrigado a intervalos bem espaçados, para
evitar o apodrecimento das raízes. É muito rústica, tolerando o calor e o frio, não suportando apenas o encharcamento. Multiplica-se por
estaquia e por sementes produzidas apenas nas plantas fêmeas.

PEQUENO MANUAL PARA SE FAZER UM BONSAI


BONSAI

A ORIGEM DO NOME

O objetivo principal dos chineses quando começaram a cultivar o bonsai era


poder contemplar a natureza de perto através da árvore miniaturizada plantada
em pedras ou em bandejas. Daí vem o significado da palavra bonsai:
BON = bandeja ou bacia SAI = cultivo. Ou seja, "cultivado em uma bandeja".

Este nome pelo qual a arte do bonsai é mais conhecida atualmente, é uma
palavra japonesa porém na China, ainda hoje, a linha chinesa de bonsai, que
sempre segue padrões estéticos diferentes dos modelos japoneses, é chamada
por outro nome: "Penjing "(panorama em bacia). Pois na China, diz-se mais
naturalmente panorama ou paisagem (jing) e não cultivo ("sai", pronúncia
japonesa do ideograma "Zai".- cultivo).

ORIGENS DO BONSAI

O Bonsai teve sua origem na China, acredita-se antes do século VIII ,


quando já era grande o interesse dos chineses por pedras decorativas e por
manter em vasos árvores naturalmente miniaturizadas, que eram em sua
grande influência da cultura chinesa, com uma forte expansão do Budismo. Foi
portanto, nesse período, conhecido no Japão como período HEIAN, que o gosto
por árvores em miniatura envasadas foi assimilado e começou a ser difundido
naquele país.
Nos vários séculos que se seguiam, o cultivo de árvores envasadas consistia
somente em coletar espécies miniaturizados na natureza e mantê-los em potes.
Esses exemplares tinham grande valor e eram possuídos somente pelos nobres.
A difusão do Zen, a partir do século XIII , viria a difundir mais ainda o gosto
pelas árvores-miniatura envasadas, sendo que três séculos mais tarde se
iniciaria a prática de trabalhar a forma e aspectos das árvores e, também, a
miniaturização de um exemplar não miniaturizado.
A arte do bonsai começava realmente existir e foi no período da Renascença no
Japão, que o Bonsai adquiriu definitivamente as suas características atuais.
OUTRAS HISTÓRIAS

Existe porém, outras hipóteses a respeito do surgimento do bonsai. Uma


delas diz que bonsai surgiu devido a invasão da China pelos povos bárbaros.
Pois , como muitas pessoas fugiam e se deslocavam para outros lugares, havia
a necessidade de trazer um "pedaço", como lembrança, das terras onde
moravam.

OS ESTILOS DE BONSAI

São as formas que o bonsai pode ter e por isso todas existem na natureza.
Dos cinco primeiros estilos básicos de bonsai, derivam os demais.

CHOKKAN ( ERETO FORMAL )

Este estilo baseia-se nas árvores gigantes que crescem isoladamente. Deve
Ter um único trono reto e rígido, e uma distribuição de galhos perfeita,
diminuindo a medida que o tronco se afasta do solo , formando um triângulo .
Os galhos podem ser horizontais ou dirigidos para baixo, mas nos dois casos
devem se harmonizar com a árvore.

MOYOGI ( ENRETO INFORMAL )

O bonsai neste estilo tem um único tronco com certa sinuosidade ou


inclinação. Esse estilo assume uma forma correspondente á maioria das arvores
nas praças , parques, ruas e na própria natureza.
O bonsai Moyogi pode ter galhos exageradamente tortuosos , ou com pouco
tortuosidade. O mais importante é que a árvore possua uma aspecto geral de
informalidade.

SHAKAN (INCLINADO )

O bonsai shakan tem o tronco inclinado e sempre reto, independente de ser


grosso ou fino. A diferença entre este estilo Fukinagashi (varrido pelo vento) é o
fato de os galhos crescerem nos dois lados da árvore.

KENGAI ( CASCATA )

No estilo Kengai a maior parte da árvore cresce para baixo, atingindo um


nível inferior ao da borda do vaso. A diferença entre este estilo e o estilo Han-
Kengai (semi cascata) é que no bonsai Kengai a parte da árvore em queda
realmente cai enquanto que no estilo Han-Kengai ocorre uma insinuação de
queda, uma queda parcial. Para este estilo são utilizados vasos mais profundos
que os comumente utilizados para os outros estilos de bonsai.
Este estilo é baseado na situação que ocorre na natureza com as árvores que
nascem nas encostas dos penhascos.

HAN-KENGAI ( SEMI CASCATA )

O Bonsai han-kengai é semelhanate ap Kengai. Tem um aspecto horizontal


e geralmente uma parte da árvore se inclina para baixo porém, com uma
inclinação menos acentuada que a do estilo Kengai. É plantado em vasos mais
rasos que os utilizados para o Kengai.
Estes são os estilos de bonsai que derivam dos estilos básicos. No caso de
observarmos um bonsai com características de dois estilos, por exemplo, um
bonzai de raízes expostos (neagari) geralmente é um Moyogi, o seu estilo não
será Moyogi e Neagari, somente Neagari. Ou seja o bonsai irá assumir o estilo
específico e não o básico no caso de possuir características de dois estilos.

NEAGARI ( RAIZ EXPOSTA )

O Bonsai neagari possui raízes grossas aparentes , que sustentam o tronco


acima do solo. Este estilo é característico do bonsai chinês, pois é muitas vezes
utilizado pelos chineses.

FUKINAGASHI (VARRIDO PELO VENTO)

A característica do bonsai fukkinagashi é possuir todos os galhos "caídos


"para um lado, como se fossem soprados constantemente pelo vento.

HOKIDACHI ( VASSOURA )

O bonsai hokidashi tem o tronco vertical, com os galhos muito ramificados


formando uma copa única. De certo modo, parece uma vassoura invertida.

NEJIKAN ( TRONCO RETORCIDO )

O tronco da árvore deve percorrer um movimento axial. O nejikan é um


belíssimo estilo e produz um efeito ainda mais interessante em espécies de
tronco particularmente bonito.

SHARIMIKI ( MADEIRA-EXPOSTA )

Não é difícil encontrarmos na natureza uma árvore com troncos inicialmente


vivos, mas com uma terminação seca e morta, muitas vezes por ter sido
atingido por um raio. São essas árvores que o estilo Sharimiki representa. Este
estilo é obtido através da coleta de árvores na natureza (yamadori) ou
artificialmente (Jin, Shari e Madeira - Arrastada).

BANKAN (SERPENTINA )

Este talvez seja o mais excêntrico de todos os estilos, pois o bonsai Bankan
tem um tronco formando círculos e arcos consecutivos.

BUNJINGI (MINIMALISTA)

O estilo Bunjingi é a presença de um minimalismo no cultivo do bonsai, provavelmente


por influência do Zen. O bonsai bunjingi não tem aspecto de profundidade e possui uma
razoável tortuosidade, passando na maioria das vezes uma idéia de simplicidade e leveza.

SEKIJOJU (RAIZ - SOBRE - ROCHA)

As raízes são aparentes como no neagari, mas nesse caso abraçam firmemente uma pedra ou
pedaço de rocha antes de penetrar no solo.

ISHITSUKI (ARVORE NA ROCHA)

Este estilo é semelhante ao anterior. A diferença é que neste estilo as raízes não vão de
encontro ao solo como no estilo anterior.
NETSURANARI (RAIZES INTERLIGADAS)

O bonsai netsuranari caracteriza-se por apresentar várias árvores que crescem de uma
única raiz serpentiforme.

KABUDACHI (TRONCOS MÚLTIPLOS)

Neste estilo vários troncos partem de um único tronco mais grosso.Os troncos devem
aparececer a poucos centímetros da superfície pois,desta forma tronco-mãe será mais curto.O
estilo da árvore da figura ao lado é chamado Sokan (tronco duplo).

SAIKEI (PAISAGEM EM UMA BANDEJA )

Neste estilo é criada uma paisagem miniatura formada por árvores que são pequenas mudas
ou mame bonsai de árvores de folhas muito pequenas.

YOSE - UÊ (FLORESTA )

Neste estilo representa uma floresta que deve Ter mais de nove árvores na mesma
bandeija. Quando o número de árvores é abaixo deste, o estilo não considerado Floresta, é
considerado árvores em grupo.

YAMAMORI (ÁRVORES EM GRUPO)

2 árvores : Soju
3 árvores: Sambon - Yose
5 árvores: Gohon - Yose
7 árvores: Nanahon - Yose
9 árvores: Kyuhon - Yose

Esta é a forma pela qual podemos limitar o comprimento do tronco e dos galhos , regulamos o
número de galhos e folhas, e podemos também diminuir o tamanho das folhas.
As podas de galhos secundários, de ramificações ainda menores e de folhas são chamadas de
podas de refinamento, e as podas de tronco ou até mesmo de galhos primários são chamadas
podas drásticas.

PODA DAS FOLHAS

Através desta podemos reduzir o tamanho das folhas, a medida em que podamos os
novos brotos, mas essa técnica só deve ser feita em plantas sadias e de crescimento vigoroso.
Além disso podemos aumentar ou miminuir a densidade e estabelecer o formato da parte
aérea da planta.

PODA DAS RAÍZES

Esta deve ser realizada, principalmente, durante o replantio, cuja freqüência depende da
espécie da planta utilizada e do grau de desenvolvimento. Geralmente em plantas jovens com
crescimento ativo, o replantio é feito uma vez por ano, já nas plantas de crescimento mais
lento, como os pinheiros e os carvalhos, o replantio é feito a cada três ou cinco anos.
Para se fazer um correto replantio, o torrão deve ser desprendido cuidadosamente do vaso
com uma faca ou uma ferramenta adequada para isso e a planta deve ser retirada segurando-
a pela base do tronco.
Então utilizando uma varetinha de bambu ou madeira, a terra em volta do torrão deve ser
desprendida e as raízes em volta do torrão devem ser desenroladas. Depois disso deve ser
removida cuidadosamente, 60 a 80% da terra do torrão e a poda então será feita nas raízes
que parecem estar muito vigorosas e nas que crescem verticalmente sob o torrão
Depois de tudo isso a planta deve ser plantada em um vaso utilizando uma mistura de terra
anteriormente preparada.

AMARRAÇÕES

As amarrações são feitas para estabelecer a direção dos galhos e troncos, adequada ao estilo
do bonsai.
Estas deverão ser feitas utilizando arames de cobre ou de alumínio e deve-se tomar cuidado
ao efetuá-las em plantas com crescimento vigoro para que os galhos não sejam
estrangulados .
Não existe um período certo para permanência de uma amarração, pois ela pode variar muito
dependendo da grossura do galho, da espécie em questão e do ritmo de crescimento durante
esse tempo. Dessa forma uma amarração poderá ser retirada após dois meses, enquanto que
outra poderá ser retirada após um ano e meio ou até mais tempo para surtir efeito.

ADUBAÇÃO

A adubação é o método pelo qual é feita reposição de nutrientes para o bonsai. Também é
obtido através desta, um crescimento mais acelerado para bonsais em formação . mas alguns
cuidados devem ser tomados para que a adubação não coloque em risco a vida da planta, pelo
fato do vaso e da qualidade de terra que mantém o bonsai serem menores que os utilizados
em plantas comuns.
No caso da utilização de fertilizantes orgânicos, como farinha de osso por exemplo, a
preocupação é menor pois eles são absorvidos gradativamente pela planta. Mas no caso da
utilização de fertilizantes químicos estes exigem maior cuidado, pois o mal uso pode causar
dano nas plantas. No caso do uso de fertilizantes químicos para fertilização de bonsais em
formação o deveremos administrar uma dose de, no máximo, 2/3 do recomendado para
plantas comuns pelo fabricante e l/2 no máximo, para os já formados. E, além disso, nunca
devemos adubar plantas doentes, ou recém transplantadas.

SOLO

A composição ideal do solo para bonsai vai variar de acordo com o clima de cada região e o
tipo de planta. A mistura deve manter a umidade ideal para o bom desenvolvimento do
bonsai, sem que, ao longo tempo, se tome compacto.
Para os pinheiros e os carvalhos, pode ser feita uma mistura de 4 partes de terra vegetal não
adubada com 6 de cascalho (2 a 8 mm).
Para as outras espécies , podem ser utilizadas 6 partes de terra vegetal não adubada, 3 partes
de cascalho fino e 1 parte de folhas secas bem maceradas ou composto orgânico.
E além disso , o fundo do vaso pode ser preenchido até aproximadamente l/4 da profundidade,
com cascalho lavado grosso, para facilitara drenagem de água.

Esta seção tem como objetivo ajudar os iniciantes na arte o bonsai citando os principais
cuidados que deve-se Ter com um bonsai já formado ou com um bonsai em formação.

1. Nunca adube plantas doentes ou recém transplantadas.


2. Durante o inverno diminua, ou até suspenda a adubação do bonsai.
3. Somente aplique fertilizantes, inseticidas ou fungicidas após regar completamente o bonsai.
4. Quando forem feitas amarrações é preciso prestar atenção para que os galhos não sejam
estragados, pois a planta poderá adquirir marcas que nunca mais sairão.
5. Utilize sempre para a composição do solo do bonsai, uma mistura que mantenha a
umidade, que não tome o solo compacto ao longo do tempo e que permita uma boa drenagem
da água.
ÁGUA

Regar um bonsai às vezes pode ser uma tarefa difícil , pois não existe uma regra geral para a
quantidade de água que devemos administrar para a rega de um bonsai. Vários fatores
influenciam nesta questão; a espécie, o tamanho e o material de que é feito o vaso, a
composição do solo, o clima da região, a época do ano, etc.
O ideal é que o solo onde está plantado o bonsai possua uma composição que facilite a
drenagem da água, para que possa ser feita uma rega diária de manhã cedo, ou duas vezes
por dia nos dias muito quentes (uma de manhã e outra no fim da tarde), até que a água
comece a sair pelos orifícios no fundo do vaso, os quais devem ter um tamanho razoável para
uma boa drenagem da água.
Porém devem ser tomados alguns cuidados, pois uma rega muito exagerada faz com o que o
solo torne-se encharcado, o que poderia causar o apodrecimento das raízes e, em
conseqüência disso, a morte da planta.
E, além disso, poderá ser feita uma rega de imersão, no caso de um ressecamento do bonsai.,
colocando o bonsai dentro de um recipiente (uma bacia ou pia) com o nível da água superior à
altura do vaso, durante uns 15 minutos.

LUZ SOLAR

A luz é um fator importante para o cultivo do bonsai, pois esta influencia no crescimento da
planta. O ideal é que o bonsai fique meio período do dia (preferencialmente durante a manhã)
exposto ao sol e durante o resto do dia na sombra. Mas isso não quer dizer que esta é a forma
correta, pois não existe uma regra que nos diga quanto tempo um bonsai deve ser exposto ao
sol. No caso de uma maior exposição à luz solar a atenção de e ser dobrada para que não
ocorra desidratação porém , permite uma maior inibição do crescimento do bonsai, pois este
estará exposto a luz solar constantemente.
Outro fator importante a ser observado é que plantas recém transplantadas, ou que tiveram
suas raízes podadas, não devem ficar muito expostas à luz solar e ao vento.
Todas as espécies de plantas que possuam caule lenhoso, podem ser utilizadas para se obter
um bonsai, com exceção das que possuem frutos ou folhas muito grandes, pois pelo fato de no
bonsai a genética da planta não ser alterada, o bonsai teria proporções entre o tamanho de
seus frutos ou folhas e seu tamanho total, que estariam fora do comum e por isso, não
poderia representar um cenário da natureza.

MÉTODO PARA SE FAZER UM BONSAI

Existem vários métodos que são utilizados para se obter um bonsai. Alguns
mais práticos, outros mais difíceis, porém, através de qualquer um deles
podemos obter um bonito bonsai.

MISHO (CULTIVO A PARTIR DE SEMENTES)

Este método de obtenção de mudas a partir de sementes requer muito


tempo e paciência, mas é muito poderoso, pois permite que você acompanhe
todo o desenvolvimento da plante passo a passo, desde seus primeiros
momentos de existência, até sua transformação em um bonsai.
Para a obtenção de um bonsai misho é necessário escolher sementes férteis e
plantá-las em vasos com terra preparada e cultivar as futuras mudas até
atingirem um tamanho e grossura do tronco razoáveis par iniciar um trabalho de
educação, para que sejam transformadas em bonsai.

YAMADORI (MUDAS COLHIDAS NA NATUREZA )


A prática Yamadori está ligada à origem do bonsai. Este método consiste na
procura e coleta na natureza, de araki: mudas que sirvam como matéria-prima
para obtenção de um bonsai.
Após encontrada a planta devemos Ter bastante cuidado na hora de retirá-las,
para que as raízes permanecem intactas. O modo correto para isso é cavar ao
redor e embaixo conservando as raízes da planta na terra onde está plantada. O
torrão, então, será retirado do solo e posto sobre o saco escolhido para
acondicioná-lo. Após envolvido, deverá ser amarrado várias vezes com uma
corda, para que seja transportado de forma segura. Chegando ao seu destino a
planta será plantada num valo ou ainda no solo.
As árvores recém transplantadas devem ser colocadas à meia sombra
protegidas dos raios diretos do sol e do vento. Como este é o estágio de
crescimento de raízes novas, as mudas têm de ser regadas nos três primeiros
meses, duas vezes ao dia. Mas é aconselhável não molhar a terra demais. É
necessário regar apenas o suficiente para deixar a terra levemente umedecida.
Após um ano, a planta deverá ser replantada a seu torrão deverá ser
desmanchado, substituindo o máximo da terra original por solo para bonsai.

MUDAS DE VIVEIRO

A prática do Yamadori é muito gratificante, porém outro método poderá ser


utilizado para se obter um bonsai que, inclusive, é mais prático e mais
aconselhável para iniciantes: o bosai a partir de mudas de viveiro.
Nesse caso, o mesmo processo visto anteriormente na prática do Yamadori,
deverá ser utilizado no plantio e cuidados posteriores.

O VASO IDEAL

Após aplicado um dos métodos para se obter um bonsai é necessário a


escolha de um vaso ideal e que se harmonize com a árvore, pois o vaso é parte
do trabalho e não apenas um acessório.

MEDIDAS DO VASO

A altura do vaso deverá ser igual ou menor do que a largura da base, ou


considerando-se a metade das raízes principais. O comprimento deve ser de
aproximadamente 2/3 da altura da árvore . se a altura da árvore for menor do
que a largura, determina-se o comprimento do vaso como pouco mais de 2/3 da
largura da árvore. O volume visual do vaso não deve ser maior do que 26% do
volume visual da árvore, inclusive no estilo cascata (kengai), no qual o vaso
deve ser mais profundo .