Вы находитесь на странице: 1из 17

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE – NORTE

BIOQUIMICA
1º ANO

TEMA: Afinidade da hemoglobina para


oxigénio - exemplos de casos em que
podem estar modificados

Data de entrega do trabalho: 04/12/2007

Turma:1
Grupo: 5
Trabalho realizado por:
-Antonio Pereira
Bioquímica – 1º ano

Índice

 Introdução_______________________________________________________3

 Estrutura e função da hemoglobina ___________________________________4

 Interacções da hemoglobina com oxigénio e outros ligantes________________6

 Ventilação pulmonar ______________________________________________9

 Asfixiantes químicos (monóxido de carbono) __________________________10

 Hemoglobinopatia________________________________________________11

 Anemia falciforme _______________________________________________13

 Conclusão ______________________________________________________16

 Bibliografia_____________________________________________________17

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte 2


Bioquímica – 1º ano

Introdução

A bioquímica é voltada principalmente para o estudo da estrutura e função de


componentes celulares: hidratos de carbono, lipídicos, ácidos nucléicos e outras
biomoléculas. Recentemente a bioquímica tem se focalizado mais especificamente na
química das reacções enzimáticas e nas propriedades das proteínas.
Neste trabalho escrito, o objectivo resume-se a conhecer a estrutura, função e
coordenação de uma proteína, a hemoglobina, na respiração, tendo em conta anomalias
que afectam esta coordenação e consequentemente a alteração dos processos de
respiração, que afectam o nosso organismo. Para tal, começou por descrever-se o tipo
de ligação que a hemoglobina é capaz de estabelecer, bem como os diferentes
compostos a que esta é capaz de se associar. Ao longo do trabalho foram apresentadas
as diferentes relações, bem como as consequências da ligação entre a hemoglobina e o
oxigénio, responsáveis pelas trocas gasosas, durante a respiração. As deficiências desta
ligação podem provocar no indivíduo várias disfunções, que estão retratadas ao longo
do trabalho, sendo que podem ter diferentes intensidades, sendo que todas as doenças
por certo não foram expostas, apenas as mais relevantes e as que foram encontradas nas
pesquisas efectuadas.

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte 3


Bioquímica – 1º ano

Estrutura e função da hemoglobina


A hemoglobina é o principal componente do sangue e é responsável pelo
transporte do oxigénio dos pulmões aos tecidos e de dióxido de carbono dos tecidos até
aos pulmões. A hemoglobina situa-se então no sangue, mais concretamente nos
eritrócitos que são um dos constituintes do sangue. É uma proteína tetramérica
constituída por dois tipos de subunidades, α e β, num arranjo α2β2, em que cada
subunidade tem um heme como grupo prostético. Este grupo prostético consiste em
porfirina com um átomo de ferro como átomo central, ao qual se liga ao oxigénio. Este
define-se como uma unidade não peptídica mas essencial à função da proteína.
A hemoglobina é formada por quatro cadeias polipeptídicas, duas de um tipo, e
duas de outro. As quatro são mantidas juntas por ligações não covalentes. Cada uma
contém um grupo heme e um só centro de ligação ao oxigénio. O interior das cadeias é
constituído maioritariamente por aminoácidos apolares e cada uma das cadeias
assemelha-se a uma cadeia de mioglobina. A hemoglobina A, a principal dos adultos, é
constituída por duas cadeias alfa (α) e duas beta (β). Uma outra hemoglobina nos
adultos (cerca de 2% da hemoglobina total) é a hemoglobina A2, na qual as cadeias β
são substituídas por cadeias delta (δ). Sendo assim, a composição da hemoglobina A é
α2 β2 e da hemoglobina A2 é α2δ2. Os fetos produzem subunidades um pouco diferentes.

Figura 1 - Formação da estrutura quaternária da hemoglobina

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte 4


Bioquímica – 1º ano

Figura 2 - Estrutura quaternária da hemoglobina

O grupo heme consiste num átomo de ferro no estado de oxidação +2 no centro


de uma molécula de porfirina, localiza-se num nicho apolar que o protege da oxidação à
forma férrica. O ião Fe(II) tem um número de coordenação 6 e apresenta uma geometria
octaédrica: os quatro ligandos do plano são azotos da porfirina; a quinta posição de
coordenação é ocupada por um resíduo de histidina e a sexta é onde se liga o oxigénio.
Esta posição pode também ser ocupada por outros ligandos (H2O, NO, e NO-2).

Figura 3 - Esquema do ferro hexacoordenado numa disposição octaédrica.

A mioglobina do tecido muscular armazena oxigénio. Esta funciona como uma


reserva de oxigénio. Quando há falta de oxigénio no músculo, o oxigénio armazenado é
libertado e será utilizado, na mitocôndria do músculo, para a síntese de ATP. Uma das
situações em que pode haver falta de oxigénio nos músculos é em casos de exercício
físico intenso.

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte 5


Bioquímica – 1º ano

Figura 4 - Comparação entre mioglobina e hemoglobina

Interacções da hemoglobina com o oxigénio e outros ligantes


A capacidade da hemoglobina se ligar ao oxigénio depende de uma unidade não
peptídica que é o grupo heme. Este grupo também dá à hemoglobina a sua cor
característica. Muitas proteínas requerem unidades não peptídicas específicas, tais
unidades já foram referidas e são denominadas de grupo prostético. Uma proteína sem o
seu grupo prostético característico é designada por apoproteína.
O átomo de ferro no grupo heme liga-se aos 4 azotos no centro do anel
protoporfirínico. O ferro pode formar duas ligações adicionais, uma em cada lado do
plano do grupo heme. Estes pontos de ligação são denominados de quinta e sexta
posição de coordenação. O átomo de ferro pode estar no estado de oxidação ferroso (+2)
ou no férrico (+3), e as formas correspondentes de hemoglobina são denominadas,
respectivamente, ferro-hemoglobina e ferri-hemoglobina (também chamada meta-
hemoglobina). Somente a ferro-hemoglobina, o estado de oxidação +2, pode ligar-se ao
oxigénio.

Figura 5 - Átomo de ferro ligado aos 4 átomos de azoto

Interacções alostéricas habilitam a hemoglobina a transportar O2, CO2 e H+


coordenadamente. As subunidades α e β da hemoglobina têm o mesmo plano estrutural
da hemoglobina. A hemoglobina transporta H+ e CO2, para além do O2. As propriedades
de ligação ao oxigénio da hemoglobina são reguladas por locais separados e não
adjacentes. A ligação de O2 à hemoglobina promove a ligação de mais O2 à mesma

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte 6


Bioquímica – 1º ano

molécula de hemoglobina. Por outras palavras, o O2 liga-se cooperativamente à


hemoglobina. A afinidade da hemoglobina para o oxigénio depende do pH e do CO 2.
Tanto o H+ como o CO2 promovem a libertação do O2 ligado. Reciprocamente o O2
promove a libertação de H+ e CO2. A afinidade entre o oxigénio e a hemoglobina é
também regulado por fosfatos orgânicos, tais como o 2,3-bifosfoglicerato, o que resulta
numa menor afinidade para o oxigénio da hemoglobina. A hemoglobina é, portanto,
uma proteína alostérica. O CO2 liga-se às aminas terminais da hemoglobina e a sua
afinidade pelo oxigénio baixa. No metabolismo aeróbio por cada O2 consumido, cerca
de 0,8, em proporção, de CO2 é produzido. A maior parte do CO2 é transportada como
bicarbonato, o qual é formado dentro das células vermelhas, pela acção da anídrase
carbónica.

CO2 + H2O <―> HCO3- + H+

A maioria dos H+ gerados por esta reacção é captada pela desoxi-hemoglobina,


como parte do efeito de Bohr. O restante CO2 é carregado pela hemoglobina na forma
de carbamato, porque a forma não ionizada das aminas ą da hemoglobina pode reagir
reversivelmente com CO2. Os carbamatos ligados formam pontes salinas que
estabilizam a forma T. Daí, a ligação do CO2 baixa a afinidade da hemoglobina pelo
oxigénio. As propriedades alostéricas da hemoglobina surgem de interacções entre as
suas subunidades. A unidade funcional da hemoglobina consiste em dois tipos de
cadeias polipeptídicas. Em 1938, Félix Haurowitz descobriu que cristais de desoxi-
hemoglobina se fragmentavam quando eram expostos ao oxigénio. A fragmentação dos
cristais da hemoglobina sugeriu que a proteína passa por uma mudança conformacional
importante quando se liga ao O2. De facto, estudos de cristalografia com raios X
mostraram que a oxi e a desoxi-hemoglobina diferem acentuadamente nas suas
estruturas quaternárias. A molécula oxigenada é mais compacta. A estrutura quaternária
da desoxi-hemoglobina é chamada de forma T (Tensa), a da oxi-hemoglobina é
chamada de forma R (relaxada). Resumindo, na estrutura quaternária tensa há ligações
salinas entre as subunidades, o que diminui a afinidade de ligação ao oxigénio,
enquanto na estrutura quaternária relaxada ocorre precisamente o contrário. Assim a
estrutura quaternária da hemoglobina muda acentuadamente pela oxigenação, sendo
que o átomo de ferro move-se em direcção ao plano do grupo heme quando o oxigénio
se liga.

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte 7


Bioquímica – 1º ano

Figura 6 - Transição da hemoglobina da forma T para a forma R

Efeito de Bohr

Na hemoglobina o aumento do pH induz uma maior libertação de oxigénio.


Fisiologicamente, baixando o pH há um deslocamento da curva de dissociação do
oxigénio para a direita, de tal maneira que a afinidade pelo oxigénio fica diminuída.
Aumentando a concentração de CO2 (a pH constante), diminui também a afinidade pelo
oxigénio. Em tecidos em rápida metabolização, tais como o músculo em contracção,
muito CO2 e ácido são produzidos. A presença de maiores níveis de CO2 e H+ nos
capilares de tal tecido metabolicamente activo promove a libertação de O2 da oxi-
hemoglobina. Este importante mecanismo para enfrentar a maior necessidade de
oxigénio nos tecidos metabolicamente activos foi descoberto por Christian Bohr, em
1904. O efeito recíproco, descoberto 10 anos mais tarde por J. S. Haldane ocorre nos
capilares alveolares dos pulmões. A alta concentração de O2 promove a libertação do
H+ e o CO2 da hemoglobina, assim como as altas concentrações de H+ e de CO2 nos
tecidos activos libertam o O2. Estes elos entre a ligação do O2, H+ e CO2 são conhecidos
como o efeito de Bohr.

Figura 7 - Efeito do pH e da concentração de CO2 na afinidade da hemoglobina ao oxigénio

O abaixamento do pH de 7.4 (curva vermelha) para 7.2 (curva azul) resulta em


libertação de O2 pela oxi-hemoglobina. O aumento da pressão parcial de CO2 de 0 para
40 torr (curva violeta), também promove a libertação de oxigénio.

O 2,3-Difosfoglicerato (DPG)

Nos tecidos periféricos, a deficiência de oxigénio determina uma acumulação de


2,3- difosfoglicerato (DPG). Este composto é formado de um intermediário glicolítico,
o 1,2-difosfoglicerato. Uma molécula de DPG liga-se à hemoglobina tetramérica, numa
cavidade central, formada pelas 4 subunidades. Portanto, a afinidade da hemoglobina
para o oxigénio é também regulada pelo 2,3-BPG, que se liga à desoxi-hemoglobina
mas não à oxi-hemoglobina, diminuindo a afinidade para o oxigénio. Assim, o DPG
estabiliza a forma T, a forma desoxigenada, da hemoglobina, por ligação cruzada das

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte 8


Bioquímica – 1º ano

cadeias beta, e contribui, adicionalmente, para a formação de pontes salinas, que devem
ser rompidas para que a forma T se “transforme” na forma R da hemoglobina. O
indicador da transição entre as formas R e T da hemoglobina é o movimento do ferro
para dentro e para fora do anel porfirínico. Factores estéricos e electrostáticos regulam a
iniciação com uma energia livre de 3000 calorias por mol. Assim, a mudança mínima da
posição do Fe2- em relação ao anel porfirínico induz uma significativa mudança na
conformação da hemoglobina e produz efeitos cruciais nas suas funções biológicas, em
resposta a factores externos como na adaptação do organismo a elevadas altitudes.

Ventilação pulmonar
Na inspiração, o diafragma baixa e as costelas elevam-se, promovendo o aumento
da caixa torácica, com consequente redução da pressão interna (em relação à externa),
forçando o ar a entrar nos pulmões.
Na expiração, o diafragma eleva-se e as costelas baixam, o que diminui o
volume da caixa torácica, com consequente aumento da pressão interna, forçando o ar a
sair dos pulmões.

Figura 8 – Regulação da respiração

Transporte de gases respiratórios


O transporte do oxigénio está a cargo da hemoglobina, proteína presente nas
hemácias. Cada molécula de hemoglobina combina-se com 4 moléculas de gás
oxigénio, formando a oxi-hemoglobina.

Instituto Superior de Ciências da Saúde - Norte 9


Medicina Dentária Bioquímica – 1º ano

Figura 9 – Trocas gasosas ocorridas entre os alvéolos pulmonares e as células (entrada de O2)

Nos alvéolos pulmonares o oxigénio do ar difunde-se para os capilares sanguíneos


e penetra nas hemácias, onde se combina com a hemoglobina, enquanto o dióxido de
carbono (CO2) é libertado para o ar (processo chamado hematose).

Figura 10 – Trocas gasosas ocorridas entre os alvéolos pulmonares e as células (entrada de CO2)

Nos tecidos ocorre um processo inverso: o oxigénio dissocia-se da hemoglobina


e difunde-se pelo líquido tissular, atingindo as células. Cerca de 23% do dióxido de
carbono libertado pelos tecidos associam-se à própria hemoglobina, formando a
carboemoglobina. O restante dissolve-se no plasma.

Asfixiantes químicos (monóxido de carbono)


Asfixiantes químicos são gases que, penetrando no organismo, impedem a
obtenção do oxigénio do ar atmosférico, ou ainda, a utilização do oxigénio pelos
tecidos. Podem, portanto, causar asfixia mesmo que haja suficiente concentração de
oxigénio no ar. Os asfixiantes químicos mais conhecidos são o monóxido de carbono e
os cianetos.
O monóxido de carbono (CO) é um gás inodoro, incolor, insípido, mais leve que
o ar (densidade 0,97), produzido onde ocorre combustão incompleta de material
orgânico.

Instituto Superior de Ciências da Saúde – Norte


Medicina Dentária Bioquímica – 1º ano

Suas propriedades tóxicas sobre o organismo já vêm sendo observadas há muitos


séculos, pois antes que fosse conhecida sua composição química, gregos e romanos
utilizavam-no para a execução de criminosos, bem como para provocar o suicídio

Ocorrência

O CO é formado pela combustão incompleta de materiais orgânicos, tais como o


petróleo e seus derivados, gás natural e manufacturado, explosivos, madeira, carvão. No
processo de combustão, um excesso de carbono favorece à formação de monóxido de
carbono, enquanto que um excesso de oxigénio leva a formação de dióxido de carbono
(C02).
Devido ao uso universal de combustíveis fósseis, o CO pode ser encontrado em
concentrações perigosas tanto no ambiente doméstico quanto nas ruas, na agricultura e
principalmente na indústria.

Fisiopatologia

O monóxido de carbono exerce sua acção de asfixiante químico ao reduzir a


capacidade da hemoglobina, de transportar o oxigénio através de, principalmente, dois
mecanismos.
O primeiro mecanismo é ao fixar-se à hemoglobina com sua afinidade 210 a 300
vezes maior do que a do oxigénio, vindo a formar a carboxihemoglobina. Esta afinidade
pode ser medida pelo número de moles de oxigénio, necessário para cada mole de CO, a
fim de manter igual saturação da hemoglobina.
O monóxido de carbono, libertado pela combustão de combustíveis fósseis e
pelo fumo dos cigarros entre outros, combina-se com a hemoglobina de uma maneira
mais estável do que o oxigénio, formando a carboxiemoglobina. Dessa forma, a
hemoglobina fica impossibilitada de transportar o oxigénio, podendo levar à morte por
asfixia.
Para analisar os efeitos do CO sobre os seres humanos, dispõe-se dos seguintes
dados:

Concentração de CO (ppm) Sintomas em seres humanos


10 Nenhum
15 Diminuição da capacidade visual
60 Dores de cabeça
100 Tonturas, fraqueza muscular
270 Inconsciência
800 Morte

Hemoglobinopatia
Hemoglobinopatias são doenças genéticas decorrentes de anormalidades na
estrutura ou na produção da hemoglobina. Mais de 300 defeitos estruturais da
hemoglobina já foram identificados, sendo a anemia falciforme e a hemoglobinopatia
mais conhecida. Os defeitos na taxa de produção das cadeias de hemoglobina são as

Instituto Superior de Ciências da Saúde – Norte


Medicina Dentária Bioquímica – 1º ano

talassemias (alfa ou beta-talassemias, de acordo com a cadeia cuja síntese está


prejudicada). As hemoglobinopatias são causadas por uma alteração genética afectando
a estrutura da molécula (hemoglobinopatia estrutural) ou sua taxa de produção
(talassemia).
As manifestações clínicas variam muito de acordo com o tipo de problema
apresentado. As crianças com anemia falciforme produzem hemoglobina S no lugar da
hemoglobina A normal, sendo altamente susceptíveis à anemia hemolítica (por ruptura
dos glóbulos vermelhos) e a infecções que podem levar à sepsis (infecção generalizada
do sangue). Obstruções em pequenos vasos causam dor e comprometem
progressivamente a função de órgãos e tecidos. As alterações nas hemácias afectam
também o baço, que aumenta muito de tamanho e contribui ainda mais para a anemia.
As talassemias constituem um grupo de doenças genéticas que resultam da
diminuição do ritmo da síntese de cadeias α e β. Essas síndromes são causadas em geral
por delação de genes. Havendo normalmente quatro cópias do gene de α – globina, a
gravidade clínica pode ser classificada conforme o número de genes que faltam ou estão
inactivos. A perda de todos os quatro genes suprime completamente a síntese da cadeia
α. Sendo ela essencial na hemoglobina fetal e do adulto, esse defeito é incompatível
com a vida e leva à morte na fase uterina. Três delações do gene α provocam anemia
microcítica hipocrómica moderadamente grave com esplenomegalia. Ela é conhecida
como doença Hb H porque a hemoglobina H pode ser detectada nos eritrócitos desses
pacientes por eletroforese ou em preparações de reticulócitos. Na vida fetal ocorre a Hb
Bartz.
Embora não exista ainda cura para as hemoglobinopatias, as medidas de
tratamento da anemia, a prevenção das crises hemolíticas e das infecções aumenta
significativamente a qualidade e o tempo de vida. Alertados há tempo sobre o risco de
recorrência da doença na família, os pais podem beneficiar de aconselhamento genético
e/ou de diagnóstico pré-natal para uma futura gestação

Fisiopatologia

Em alguns casos de substituição de um aminoácido na cadeia de hemoglobina não


há significante alteração na sua função e outros casos há comprometimento fisiológico
da integridade da hemoglobina. A hemoglobina instável pode gerar:

• Diminuição da afinidade pelo oxigénio: lembrando que a hemoglobina normal


carrega oxigénio do sangue para os pulmões, quando há a produção de uma
hemoglobina anormal isso pode gerar uma diminuição na afinidade da
hemoglobina pelo oxigénio. Exemplos: Hb Seattle, Hb Vancouver e Hb Mobile.
• Aumento da afinidade pelo oxigénio: raramente acontece. Exemplos: Hb
Chesapeake e HbJ Capetown.
• Meta hemoglobina: a hemoglobina neste caso apresenta ião férrico no estado
oxidado (Fe3+) ao invés do ferroso normal (Fe2+). Acontece em caso de HbM.
• Hemoglobina instável: Ocorre a formação de inclusões dentro das hemácias
chamadas corpúsculos de Heinz.
• Cristalização: Ocorre em casos de HbS e HbC.
• Falcização: Em casos de HbS.

Hemoglobinopatias mais comuns:

• Talassemias

Instituto Superior de Ciências da Saúde – Norte


Medicina Dentária Bioquímica – 1º ano

• HbS
• HbC
• HbE
• HbD-Punjab
• HbO-Arab
• HbM
• Hb Lepore

Figura 11 – Exemplo de uma hemoglobinopatia

Diagnóstico

Hemograma é o principal exame a ser realizado quando há uma suspeita de


anemia. O mais importante num hemograma, no que diz respeito a uma suspeita de
anemia, é a avaliação da série vermelha (glóbulos vermelhos ou hemácias). Esta
avaliação inclui a determinação do número de hemácias, hematócrito, hemoglobina, do
volume corpuscular médio (volume da hemácia), hemoglobina corpuscular média (peso
da hemácia) e concentração corpuscular média (concentração da hemoglobina dentro de
uma hemácia). Normalmente realiza-se uma análise estatística em testes realizados em
um grande grupo de indivíduos normais para se chegar aos limites estabelecidos para
hemoglobina, hematócrito e número de hemácias, isto quer dizer que cada região possui
um limite de normalidade. A normalidade varia de acordo com sexo, idade e etnia. A
morfologia das hemácias ou estudo da sua forma ajuda a diagnosticar alguns tipos de
anemias. Algumas formas só aparecem em alguns tipos de anemia.
A contagem de reticulócitos é usada para avaliar a produção de hemácias.
Expresso em percentagem, o valor normal é de até 2%. Há um aumento quando ocorre
uma anemia hemolítica ou após perda de sangue. Reticulócitos são hemácias imaturas e
possuem resíduos de RNA no seu interior, são visualizadas ao microscópio usando-se
corantes especiais.
Quando se desconhece a causa da anemia, outros exames são utilizados para
ajudar nos diagnósticos. A dosagem de ferritina ajuda no diagnóstico da anemia
ferropriva, assim como do ferro sérico. A eletroforese de hemoglobina é usada para
detectar o tipo de hemoglobinopatia que tem causa genética. A deficiência de G6PD,
uma enzima, é detectada pelo teste de G6PD. Resistência Globular Osmótica (ou RGO)
ajuda no diagnóstico de algumas anemias hemolíticas (esferocitose, eliptocitose). Teste
de Coombs é usado para detectar se a anemia é um defeito extracorpuscular adquirido.
Teste de HAM serve para detectar anemia causada pela hemoglobinúria paroxística
nocturna. DHL aumentado aparece quando há hemácias lisadas, portanto em casos de
hemólise.

Anemia falciforme

Instituto Superior de Ciências da Saúde – Norte


Medicina Dentária Bioquímica – 1º ano

A anemia falciforme é uma desordem onde metade das hemácias do indivíduo


possui um aspecto de foice, que resulta numa alta taxa de desintegração destas,
provocando uma anemia aguda. Ela foi descoberta em 1904 por um médico americano,
ao atender um estudante negro que apresentava fraquezas e dores de cabeça. Ao
examinar uma amostra de sangue do paciente, ele percebeu que o número de células
vermelhas estava diminuído pela metade, e que havia uma grande quantidade de
corpúsculos finos, alongados e em forma de foice. No passado, ela normalmente era
uma doença fatal, onde os afectados morriam antes dos trinta anos. A morte ocorria
devido a infecções, insuficiência renal, insuficiência cardíaca e trombose. As hemácias
falciformes, além de serem hemolizadas mais rapidamente, entopem pequenos vasos
sanguíneos, impedindo a circulação e provocando danos a vários órgãos.

Figura 12 – Ilustração dos diferentes tipos de estado em que as hémacias se podem encontrar

Transmissão

Essa doença é transmitida geneticamente. Pessoas afectadas são homozigóticas


para um gene anormal localizado num cromossoma autossomal. Se for recebido um
gene normal e um gene anormal de outro pai, o indivíduo é denominado portador da
anemia falciforme. Heterozigotos não apresentam sintomas da doença. Somente 1% das
suas hemácias é falciforme, onde nos homozigotos esse número chega a 50%. Ela é uma
doença genética recessiva. O gene anormal foi formado devido a uma mutação do tipo
transversão. Um nucleotídeo adenina foi substituído por uma timina na região beta 6 da
hemoglobina S ( o nome da hemoglobina normal é hemoglobina A ). O resultado disso
foi a substituição de um glutamato por uma valina na posição 6 das duas cadeias beta da
hemoglobina S. Isso não afecta a afinidade por oxigénio ou as propriedades alostéricas,
mas reduz drasticamente a solubilidade da desoxi-hemoglobina. A razão disso é que a
valina na cadeia da hemoglobina S reage com uma região complementar de outra
hemoglobina. A área complementar só é exposta na forma desoxigenada. Essa
interacção provoca uma precipitação fibrosa das hemoglobinas, deformando as
hemácias e proporcionando um aspecto falciforme.

Instituto Superior de Ciências da Saúde – Norte


Medicina Dentária Bioquímica – 1º ano

Figura 13 – Ilustração da forma das hémacias quanto aos genótipos e fenótipos humanos possíveis

Evidências Evolutivas

A frequência da doença é maior entre os negros, atingindo 4 em cada 1000


indivíduos. Em certas regiões da África, a presença do gene pode chegar a 40% da
população negra. Isso é devido a vantagem que um heterozigoto tem em relação ao não
portador. O heterozigoto possui uma boa protecção contra a forma mais letal da malária,
por causa da rapidez em que ele degrada os eritrócitos infectados. Em regiões assoladas
pela malária, um heterozigoto tem uma eficiência reprodutiva 15% superior a uma
pessoa com hemoglobina normal. De facto, os lugares mais afectados pela malária são
também onde se encontrará uma maior presença do gene anormal. Isso deve-se à
selecção natural, onde o homozigoto recessivo morria e o heterozigoto, por ter uma
vantagem, sobrevivia, promovendo a continuidade na propagação do gene anormal.

Importância

Análises de mutações que afectam o transporte de oxigénio tiveram um grande


impacto na genética, medicina e biologia molecular, como:

- Fonte de informação sobre a estrutura e função da hemoglobina, indicando as regiões


críticas e indispensáveis para o funcionamento da proteína.

- A descoberta de mutações da hemoglobina revelou que uma doença pode ocorrer


devido a uma troca de um aminoácido numa cadeia polipeptídica, ocasionada por uma
substituição de um nucleotídeo por outro. O conceito de doença molecular, que agora é
parte integrante da medicina, nasceu com os estudos sobre a anemia falciforme.

- A ocorrência de hemoglobinas mutantes melhorou o nosso entendimento sobre os


processos evolutivos. A matéria prima das evoluções são as mutações; o estudo sobre a
anemia falciforme mostrou que a mutação pode ser benéfica e maléfica.

Instituto Superior de Ciências da Saúde – Norte


Medicina Dentária Bioquímica – 1º ano

Conclusão

O objectivo do trabalho foi concretizado, possibilitando a compreensão da


importância da hemoglobina para a sobrevivencia do ser humano, ou seja, o estudo da
estrutura, função e coordenação da hemoglobina no sangue, e o controlo da respiração,
realizado pelo organismo foi concretizado. Com este estudo aprofundado foi
conseguindo assimilar conhecimentos sólidos sobre a hemoglobina.
Com o estudo das doenças relacionadas com a hemoglobina, pode-se constatar
os fenómenos que as envolvem e da perigosidade que contêm. Um alerta e
sensibilização sobre estas doenças é importante, nomeadamente, a patologia relacionada
com o gás asfixiante monóxido de carbono, pois este é produzido em enorme escala
pelo consumo de combustiveis fósseis e pelo tabaco consumido por milhões de pessoas.
Portanto a realização deste trabalho escrito foi importante, pois relaciona termos
e aspectos bioquímicos com factos actuais da sociedade.

Instituto Superior de Ciências da Saúde – Norte


Medicina Dentária Bioquímica – 1º ano

Bibliografia

1- Murray, R.K. et al; Harpers Biochemestry, Prentice-Hall International Inc;.24ª


edition; 1988
2- Campos, Luís S.; Entender a bioquímica; Escolar Editora, 4ª edição; Lisboa
2005

Web sites utilizados:

- www.afh.bio.br ;
- www.iq.usp.br ;
- www.biocristalografia.df.ibilce.unesp.br .

Instituto Superior de Ciências da Saúde – Norte