Вы находитесь на странице: 1из 9

FACULDADE INTEGRADA TIRADENTES- FITS

CURSO DE PSICOLOGIA

Ana Luiza
Mayara Ricardo

RELATÓRIO DO SNIFFY

Maceió
2010
Ana Luiza
Mayara Ricardo

RELATÓRIO DO SNIFFY

Relatório apresentado à disciplina Processos


Psicológicos Básicos II, do curso de
Psicologia da FITS- Faculdade Integrada
Tiradentes, como requisito parcial para
avaliação bimestral, sob a orientação da prof.
Christianne Couto.

Maceió
2010

INTRODUÇÃO
A utilização de laboratórios experimentais já se tornou uma tradição no ensino de
análise do comportamento. Adota-se, preferencialmente, o uso de ratos pelo fato de haver
uma semelhança entre sua fisiologia e a do ser humano, além deste possuir um período de
gestação curto e metabolismo acelerado. O estudo desse animal inferior permite a
compreensão dos comportamentos mais primitivos dos seres humanos.
No entanto, muitas são as dificuldades encontradas no manuseio deste animal (caso
utilize-se um verdadeiro) como, por exemplo, ser extremamente difícil obter um ambiente sob
condições perfeitamente específicas para a prática da observação, análise e previsão do
comportamento, já que o rato será facilmente suscetível ao estresse.
Devido a esta dificuldade, optou-se pela escolha da utilização do programa de
computador Sniffy Pro, cuja finalidade é servir de material didático no tocante às práticas de
análises comportamentais, mais especificamente o comportamento operante.
Este programa, de fácil manuseio, ainda oferece a vantagem de economia de tempo,
permite ao aluno associar conceitos básicos de análise do comportamento a experiências reais
(associação de teoria a prática) e é uma forma de iniciação do estudante à forma de pensar
científica e experimentalmente.
Nesta primeira etapa serão abordados três níveis de condicionamento: 1) Nível
Operante; 2) Treino do Comedouro; 3) Modelagem.
O que designamos por Nível Operante nada mais é do que a observação do
comportamento do rato virtual sem qualquer interferência, ou seja, é a observação do
comportamento instintivo do rato.
O Treino do Comedouro são os primeiros passos do condicionamento do Sniffy. O
objetivo aqui é fazer com que ele associe o barulho feito pelo pressionamento da barra ao
local onde sairá a comida.
Já na Modelagem condicionaremos o Sniffy para que ele próprio passe a pressionar a
barra para que saia a comida.
Logo mais serão descritas as reações do Sniffy durante as etapas do condicionamento.

OBJETIVO

Observar, analisar e controlar o comportamento do Sniffy em um dado período de


tempo e em níveis específicos, associando o condicionamento deste rato com o dos seres
humanos.

MÉTODOS
A observação deverá ser realizada em dupla.
Nível Operante
1. Abrir o programa Sniffy Pro;
2. Selecionar no menu Experiment o item “Design Operant Experiment”;
3. Alterar o tipo “continuous” selecionado para “Extinction”;
4. Clicar no botão ok;
5. Uma vez iniciada a sessão, um dos componentes da dupla observará durante 15
minutos os comportamentos do Sniffy e ditará para o companheiro;
6. O outro integrante anotará o que estará sendo ditado na Tabela 1 (olhar anexos), tendo
em vista que deverá ser dividido minuto a minuto - para facilitar a anotação utilizam-
se as iniciais de cada comportamento (olhar anexos- exemplos de iniciais de
comportamento);
7. Encerrar a sessão clicando no menu File, em seguida Save As e escolher o local que
quer que seja salvo a sessão;
8. Após salvar, clicar novamente no menu File e em seguida Exit.

Treino do Comedouro
1. Abrir a sessão salva na última aula;
2. Clicar no menu “Experiment” e selecionar a opção “Design Operant Experiment”;
3. Alterar o tipo “Extinction” para o tipo “Continuous”;
4. Clicar no menu “windows”, em seguida “mind Windows” e “operant association”- que
dará origem a um gráfico;
5. Uma vez iniciada a sessão, um dos integrantes ficará pressionando a barra para liberar
a comida toda vez que o Sniffy se aproximar;
6. Quando ele estiver comendo essa pelota liberada, pressionar a barra suscetivamente
para tentar fazer com que ele não saia do comedouro;
7. Depois de aproximadamente 15 pelotas de comida liberada, deixar que o sniffy volte a
andar um pouco;
8. Repetir o esquema acima descrito;
9. O outro integrante anotará os comportamentos do rato na tabela 2 (olhar anexos);
10. Encerrar a sessão clicando no menu “File” em seguida Save As e escolher o local que
quer que seja salvo a sessão;
11. Após salvar, clicar novamente no menu File e em seguida Exit.

Modelagem
1. Abrir a sessão salva na última aula;
2. Clicar no menu ““Experiment” e selecionar a opção “Design Operant Experiment”;
3. Alterar de “No Reinforcement” para “Bar Press”;
4. Um dos integrantes ficará responsável pelo pressionamento da barra e o outro pelas
anotações dos comportamentos na tabela 2 (anexos);
5. Estando o Sniffy já condicionado a associar o barulho emitido pela barra a ser
pressionada a obtenção de comida, inicie dando algumas pelotas de comida a ele;
6. Agora, pressione a barra somente quando ele estiver em pé;
7. Vá condicionando o sniffy de forma que ele fique em pé cada vez mais próximo da
barra;
8. Com o tempo ele passará a pressionar sozinho a barra;
9. Encerrar a sessão clicando no menu “File” em seguida Save As e escolher o local que
quer que seja salvo a sessão;
10. Após salvar, clicar novamente no menu File e em seguida Exit.

RESULTADOS
Nível Operante
As observações feitas nesta sessão estão descritas na tabela abaixo, sendo
quantificados os comportamentos do Sniffy minuto a minuto da observação:
Tempo Farejar Andar Coçar Levantar Parar Virar PB Beber
1 10 4 6 1 1 2 0 0
2 6 2 7 2 1 4 0 0
3 3 1 3 1 3 2 0 0
4 1 4 2 1 2 0 0 0
5 3 2 2 4 6 6 1 0
6 5 6 5 6 5 8 0 0
7 4 5 0 4 1 3 0 0
8 6 7 4 2 3 8 0 0
9 9 4 3 3 7 5 0 0
10 5 7 6 3 10 9 2 0
11 7 7 3 2 7 9 0 1
12 8 8 5 3 7 8 0 0
13 7 8 4 2 11 5 0 0
14 3 8 5 4 7 7 0 0
15 7 7 2 5 3 5 0 0
Freqüência 84 80 57 43 74 81 1 1
(total)
Taxa de 5,6 5,33 3,8 2,86 4,93 534 0,66... 0,66...
Resposta

Desta tabela podemos elaborar o gráfico onde está expressa a taxa de resposta do
Sniffy sem qualquer condicionamento:

Figura 1. Taxa de resposta apresentadas pelo Sniffy durante 15 minutos no Nível Operante

Treino do comedouro:
Os comportamentos observados nesta outra etapa do condicionamento estão descritos
na tabela abaixo:
COMPORTAMENTOS Pelotas de comida OBS

liberadas
1 F/V/L/A/F/A/C/A (se aproximou da barra) 9
2 C/P/C/P/C/A(bebedouro) 4
3 V/P/V/C/A/A/A/A(se afastou da barra)/F/L/V 0
4 A/A/A/A/F/C/F/C/F/P 0
5 A/A/A(se aproximou da barra) 7
6 C... 11
7 (se afastou da barra) 0
8 V/C/V/A/V/A/V/A/L/F/L/C/A 0
9 C/F/C/F/V/F/V/V/V/A/A/A(se aproximou da barra) 7 PB
10 C... 11
11 C... (ia se afastar, liberei pelota, voltou...) 21
12 (ia se afastar, liberei pelota, voltou...) 6
13 A(se afastou, liberei pelota, se aproximou)C/V/C/V 16 PB (3)
14 C... 12
15 L/C/P/C/V/ 6

Obs.: Continuamos até o sound food ficar no ponto máximo. Durou mais de 15 minutos.
Desta tabela obtemos o seguinte gráfico:

Figura 2. Taxa de resposta apresentadas pelo Sniffy durante 15 minutos no Treino do Comedouro
Modelagem:
Os comportamento do Sniffy nesta etapa do condicionamento pode ser visualizado na
tabela seguinte:
COMPORTAMENTOS Pelotas de comida liberadas OBS
1 Se aproximou da barra 13
2 (se afastou e se aproximou da barra) 6
3 Farejou a barra 16
4 Farejou a barra 11
5 (se afastou, se aproximou, se levantou) 14
6 Farejou a barra (pressionou) 11
7 Se levantou perto da barra 13
8 Se levantou perto do bebedouro 3
9 Se levantou perto da barra 14
10 Se levantou diante da barra 12
11 Se levantou diante da barra 8
12 Se levantou diante da barra 11
13 Farejou a barra (pressionou) 5
14 Pressionou a barra 8
15 Farejou a barra (pressionou) 8

CONCLUSÃO
Este experimento foi a primeira forma de vivenciarmos a Psicologia como uma ciência
experimental.
Aqui observamos que é possível condicionar pouco a pouco o comportamento do rato
para que este ofereça as respostas que desejamos. Isto é facilmente visualizado através dos
gráficos, pois percebemos a mudança significativa na taxa de freqüência do nível operante
(onde o sniffy agia de forma espontânea, sem nenhuma espécie de estímulo) e no treino do
comedouro (onde ele passou, com o tempo, a associar o barulho emitido ao pressionarmos a
barra com a liberação de comida).
Outra forma também de provar esse condicionamento é o fato de que no início o
Sniffy realizava inúmeros comportamentos e andava constantemente por toda a extensão da
caixa, já na etapa da modelagem permanecia próximo a barra e tinha uma menor freqüência
de mudanças de comportamentos.

REFERÊNCIAS

Apostila do Sniffy fornecida pela professora Christianne Couto.


Karlla Patrícia. Por que o rato é usado como cobaia em experiências? Disponível em: <
http://diariodebiologia.com/2010/01/por-que-o-rato-e-usado-como-cobaia-em-experiencias/>
Acessado em: 19 de setembro de 2010.
LOPES, Manuela G.; MIRANDA, Rodrigo L.; NASCIMENTO, Silvania S. do; CIRINO,
Sérgio D. Discutindo o uso do laboratório de análise do comportamento no ensino de
psicologia. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbtcc/v10n1/v10n1a07.pdf>
Acessado em: 19 de setembro de 2010.

ZICARDI, Érika; CLEMENTINO, Anna Clara. Utilização Do Programa Sniffy Pro X


Laboratório Didático Com Animais Vivos: Comparação Dos Relatos De Estudantes.
Disponível em: <
http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2009/anais/arquivos/0257_0038_01.pdf > Acessado
em: 19 de setembro de 2010.

http://alunos.di.ubi.pt/~a14676/psicologia/condicionamento.pdf

ANEXOS

LEGENDAS COMPORTAMENTOS DESCRIÇÃO


F Farejar Cheirar o ambiente
A Andar Mover-se apoiado nas quatro patas em qualquer
direção
C Coçar Coçar qualquer patê do corpo com a língua, dentes
ou patas
L Levantar Permanecer sobre as duas patas traseiras
P Parar Ficar parado por mais de 2 segundos em qualquer
parte da caixa
V Virar Dar um giro de 180 graus sobre o próprio corpo
PB Pressão à barra Erguer-se nas patas traseiras e pressionar a barra
B Beber água Lamber o bico do bebedouro
Exemplos de iniciais de comportamentos

Tempo Farejar Andar Coçar Levantar Parar Virar PB Beber


1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
Freqüência
(total)
Taxa de
Resposta
Tabela 1: Nível Operante

COMPORTAMENTOS Pelotas de comida liberadas OBS


1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
Tabela 2: Folha de registro para o Treino do comedouro e Modelagem