You are on page 1of 6

ENGENHEIRO ELECTROTÉCNICO E

ENGENHEIRO TÉCNICO ELECTROTÉCNICO

Natureza do trabalho
Os engenheiros electrotécnicos e os engenheiros técnicos electrotécnicos planeiam
e supervisionam a construção, instalação e manutenção de equipamento eléctrico e
electrónico como, por exemplo, redes telefónicas, sistemas de áudio e vídeo e
hardware, na medida das suas competências (habilitações e formação profissional)
e de acordo com o grau de complexidade dos trabalhos a efectuar.

Algumas das funções desempenhadas por estes profissionais consistem na


concepção de sistemas eléctricos e electrónicos; no desenvolvimento da automação
e da instrumentação; na gestão da produção e do transporte de energia; na
definição de normas de qualidade e segurança dos dispositivos eléctricos e
electrónicos.

Os engenheiros electrotécnicos trabalham com conceitos, fenómenos, sistemas e


produtos, directa ou indirectamente relacionados com o electromagnetismo, em
áreas de especialização como:

- computadores e sistemas informáticos, que engloba actividades ligadas à


arquitectura de computadores, redes e comunicação de dados, ciência e tecnologia
da programação, algoritmia, sistemas operativos, bases de dados e sistemas de
informação, computação gráfica, multimédia e simulação, inteligência artificial,
programação de sistemas robóticos, integração de sistemas e manufactura
integrada por computador;

- controlo e instrumentação, que compreende, no que se refere ao controlo,


actividades relacionadas com os sistemas de controlo, o controlo industrial, o
controlo de robôs e a automação industrial; no que se refere à instrumentação,
actividades relacionadas com os diversos tipos de instrumentação eléctrica e
electrónica, designadamente instrumentação digital e instrumentação médica;

- electromecânica, em que se incluem as actividades referentes à concepção,


execução e exploração de sistemas e produtos onde se verifique a interacção entre
fenómenos eléctricos e mecânicos;

- electrónica, que agrupa as actividades ligadas às tecnologias de fabrico de


componentes electrónicos discretos ou integrados, projecto de circuitos e de
sistemas e respectiva produção, instalação, manutenção e reparação. Os domínios
de aplicação abrangem a electrónica das telecomunicações, das tecnologias, de
informação, de consumo, automóvel, industrial, médica e aeroespacial;

- energia, que abrange as actividades identificadas com os sistemas eléctricos de


energia, desde a produção desta, nas centrais hidroeléctricas, ao respectivo
transporte, via redes de alta e média tensão e, ainda, a gestão da sua distribuição
(qual a quantidade, a quem e como fornecer) e da sua utilização (instalação e
segurança) pelos clientes;

- produção, que aglomera actividades relativas, por exemplo, ao controlo e


instrumentação, sistemas de informação (em particular redes e comunicações),
gestão da produção, gestão da qualidade, gestão da manutenção, gestão industrial,
gestão da energia e avaliação de investimentos;

- telecomunicações, especialização que reúne as actividades referentes ao estudo,


desenvolvimento, operação e manutenção de sistemas e/ou serviços de
telecomunicações.

Quanto aos engenheiros técnicos electrotécnicos, também trabalham com o que se


relaciona com o electromagnetismo. Contudo, no início da sua vida activa, os
engenheiros técnicos electrotécnicos podem encontrar algumas limitações na
execução de certas actividades, designadamente na elaboração de projectos de
maior complexidade. Esta situação deve-se ao facto da formação teórica dos
engenheiros técnicos electrotécnicos não ser do mesmo nível da dos engenheiros
electrotécnicos, se bem que a experiência, adquirida ao longo da carreira
profissional, possa vir a atenuar algumas dessas limitações.

No que diz respeito às especializações dos engenheiros técnicos electrotécnicos,


são as seguintes:

- electrónica e telecomunicações, ramo que envolve, entre outras actividades, o


projecto de canais de comunicação com suporte de radiofrequência, cabos coaxiais
ou linhas telefónicas e o desenvolvimento de aplicações de software no domínio de
software de sistemas e de gestão e tratamento da informação;

- energia e sistemas de potência, que implica actividades próprias de produção,


transporte e utilização da energia eléctrica, bem como actividades ligadas aos
sistemas de automação e controlo como, por exemplo, a segurança centralizada de
edifícios.
A acrescentar às funções técnicas surge a função comercial: é cada vez mais
comum a participação destes profissionais na comercialização dos produtos, dados
os conhecimentos técnicos que possuem para aconselhar os clientes na sua
aquisição.

Para que muitas destas tarefas sejam realizadas, engenheiros electrotécnicos e


engenheiros técnicos electrotécnicos necessitam de trabalhar, frequentemente, com
profissionais das mais diversas áreas laborais. Exemplo desta situação são as
equipas multidisciplinares responsáveis por projectar os chamados edifícios
inteligentes, que para além dos engenheiros electrotécnicos e dos engenheiros
técnicos electrotécnicos, que concebem tanto o sistema eléctrico como o
informático (cérebro do edifício), incluem, entre outros, arquitectos, que desenham
os edifícios, engenheiros civis, responsáveis pela sua construção e economistas,
que analisam a viabilidade financeira dos projectos.

Emprego
As possibilidades de emprego destes profissionais distribuem-se pelas empresas,
privadas ou públicas, administração pública central e local, ensino e investigação.
Ainda que predominem os trabalhadores por conta de outrem, observam-se
também situações de trabalho por conta própria e ainda situações mistas.

Em relação às empresas que empregam engenheiros electrotécnicos e engenheiros


técnicos electrotécnicos, podem ser, entre outras, empresas de distribuição de
energia eléctrica, de telecomunicações, de componentes eléctricos e electrónicos
para automóveis, de transportes, de informática, de electrodomésticos e de
consultadoria (empresas que prestam serviços a outras empresas como, por
exemplo, a elaboração de pareceres técnicos ou de projectos). Quanto à
administração pública, entre os possíveis empregadores destacam-se os serviços
(ministérios, institutos ou outros) responsáveis por projectos hidroeléctricos, por
exemplo.

Relativamente à investigação, uma das possibilidades de emprego corresponde aos


organismos que se dedicam ao estudo e desenvolvimento da robótica. Aqueles que
optem por esta via devem ter em atenção o facto desta ser uma actividade
predominantemente destinada a engenheiros, em detrimento dos engenheiros
técnicos, devido a uma melhor preparação teórica que os engenheiros adquirem
durante a sua formação académica.
Actualmente, e não obstante o grande aumento da oferta de profissionais, o
mercado de trabalho continua a apresentar falta de mão-de-obra em todas as
áreas, com destaque para a das telecomunicações.

Os engenheiros electrotécnicos e engenheiros técnicos electrotécnicos distribuem-


se de forma irregular pelo território nacional, em função da distribuição geográfica
das entidades empregadoras. Assim, a maioria dos profissionais concentra-se na
região de Lisboa, enquanto os restantes se distribuem, basicamente, pelas zonas
industriais e de serviços, no norte e centro do país.

Formação e Evolução na Carreira


Para ser engenheiro electrotécnico ou engenheiro técnico electrotécnico é
necessário possuir um curso em Engenharia Electrotécnica, respectivamente (v.
http://www.acessoensinosuperior.pt). Contudo, o título profissional de engenheiro
só é atribuído aos licenciados inscritos na Ordem dos Engenheiros (v.
http://www.ordeng.pt), sendo para isso necessário estar habilitado com um curso
acreditado por esta instituição ou prestar provas de admissão. Em relação ao título
profissional dos engenheiros técnicos, a sua atribuição está a cargo da Associação
Portuguesa de Engenheiros Técnicos, a qual permite a inscrição apenas aos
diplomados nos cursos por si reconhecidos. Ainda assim, é normais as entidades
empregadoras não exigirem que os profissionais sejam membros da Ordem ou da
Associação para desempenharem as suas funções.

Os cursos de engenharia electrotécnica têm como matérias base Matemática e


Física e como matérias de especialidade Programação, Teoria dos Componentes
Magnéticos, Electrotecnia e Laboratórios de Medidas, entre outras. Para além
destas matérias, os profissionais da engenharia electrotécnica devem dominar
adequadamente as novas tecnologias informáticas. A evolução dos computadores,
bem como de qualquer outro sistema automático é constante, pelo que é
necessário frequentarem cursos de actualização, ou até pós-graduações e
mestrados, durante a vida activa (v. os cursos disponíveis nos estabelecimentos de
ensino superior que ministram formação nestas áreas em
http://www.acessoensinosuperior.pt).

No que diz respeito ao exercício da profissão, começa-se, normalmente, por um


estágio com a duração de 6 ou 12 meses, consoante se trate de empresas ou da
administração pública. Posteriormente, e à medida que às competências técnicas se
aliar a experiência, a evolução na carreira far-se-á gradualmente, podendo estes
profissionais ascender a cargos de direcção ou administração. Todavia, esta
evolução rege-se por parâmetros que variam consoante o tipo de entidade
empregadora. Tratando-se de funcionários da administração central, regional ou
local progridem de acordo com o regime geral aplicável aos técnicos superiores e
aos técnicos (conforme se trate de engenheiros ou engenheiros técnicos), ou seja,
de acordo com o mérito evidenciado, o tempo mínimo de serviço e a existência de
vagas (v. http://www.dgap.gov.pt). Também os que optem pela carreira do ensino
ou da investigação, e que estejam inseridos na função pública, evoluem segundo o
previsto na lei. No âmbito da actividade privada, a evolução na carreira decorre da
política preconizada por cada empresa ou sector.

Condições de Trabalho
As condições físicas em que estes profissionais trabalham podem ser as mais
diversas. Assim, se das suas funções constar a elaboração ou a gestão de
projectos, é natural que o trabalho seja realizado em gabinetes. Já no caso das
suas funções estarem relacionadas com a produção de um qualquer sistema
eléctrico ou electrónico, o trabalho será executado no ambiente próprio de uma
unidade industrial. As condições físicas podem ainda diferir se as funções
consistirem, por exemplo, na instalação de um daqueles sistemas num edifício em
construção, uma vez que neste caso é comum trabalhar-se ao ar livre.
Os horários praticados dependem, sobretudo, do tipo de entidade empregadora.
Assim, se trabalharem na administração pública têm uma carga horária de 35 horas
semanais. Caso estejam inseridos no sector privado o horário é, em regra, de 40
horas semanais. Porém, no sector privado em actividades como a elaboração de
projectos ou a consultadoria é habitual alguma flexibilidade de horário, o que se
traduz na possibilidade de alternar períodos de carga horária bastante superior a 40
horas, com períodos em que o horário é muito reduzido.

Perspectivas
Estas são profissões que têm evoluído extraordinariamente nos últimos anos e cuja
tendência indicia uma permanente evolução no futuro. Uma das justificações para
este cenário encontra-se no facto destas profissões estarem intimamente
relacionadas com tecnologias que são objecto de uma contínua evolução e que têm
permitido criar novas oportunidades de emprego. O desenvolvimento da robótica,
das redes de comunicação de voz, dados e imagem (comunicações multimédia) e
das comunicações via satélite, possibilitará oportunidades de emprego
consideráveis em áreas como telecomunicações, automação e controlo e sistemas
informáticos.
Apesar de serem profissões com futuro e em que as perspectivas de emprego são
bastante boas, convém que os interessados tenham em atenção a necessidade de
assegurar uma formação contínua ao longo da sua vida activa.

Contactos para Informações Adicionais

Existem várias entidades que podem fornecer informações adicionais sobre esta
profissão, nomeadamente:

* Ordem dos Engenheiros - Colégio de Engenharia Electrotécnica, Av. António


Augusto de Aguiar, 3, 1069-030 Lisboa, Tlf. 213562438, C. Electrónico:
ordeng@mail.telepac.pt, Página na Internet: http://www.ordeng.pt

* ANET - Associação Nacional de Engenheiros Técnicos, Pç. D. João da


Câmara, 19-2.º Dt.º, 1200-147 Lisboa, Tlf. 213256327, Fax: 213256334, C.
Electrónico: cdn@anet.pt, Página na Internet: http://www.anet.pt