Вы находитесь на странице: 1из 1

c c 


 c
 c   
   c

De acordo com dados do Banco de Portugal, em 2010 (Janeiro a Agosto), as


exportações portuguesas de Serviços ascenderam a 11,5 mil milhões de euros, que representa um
aumento de 6,9% face a igual período de 2009.
De acordo com dados do Banco de Portugal, em 2010 (Janeiro a Agosto), as
exportações portuguesas de Serviços ascenderam a 11,5 mil milhões de euros, que representa um
aumento de 6,9% face a igual período de 2009.
A rubrica ͞Viagens e turismo͟ constituíram a principal fonte de receitas (43,9% do total), seguindo -
se os ͞Transportes͟ com 26,2% do total, e ͞Outros serviços fornecidos por empresas͟ (18,8%).
A rubrica ͞Viagens e Turismo͟ foi a que registou o contributo positivo mais influente no
crescimento global (4,1 pontos percentuais), em contraste com os serviços de ͞Direitos de
utilização͟, que proporcionaram a maior contribuição negativa para o resultado global (-0,7 pontos
percentuais).
Por grandes zonas geoeconómicas, as exportações portuguesas de serviços para a União Europeia
(72,1% do total) cresceram 4,0%, enquanto que as vendas para os Países Terceiros aumentaram
15,1%.

O crescimento das exportações portuguesas em 15% no último trimestre, com o consequente


aumento do PIB nacional para 1,5% apanhou de surpresa muito bom economista da praça.

E conforme se pode verificar pelas , não são vendas de queijo da serra e


chouriço, mas fornecimentos industriais (máquinas, aparelhos, veículos, metais͙), ou seja, bens com
maior intensidade tecnológica e valor acrescentado. Paulatinamente, há tecido industrial que está a
subir na cadeia de valor da economia global ʹ estamos a ver os primeiros frutos agora.

Ou seja, há mais do que indícios de que muita da nossa elite de economistas não conhece a economia
do país onde vive, nem se apercebe que há realmente uma mudança estrutural no nosso padrão de
especialização económica, e que as únicas coisas que sabem fazer bem é desempenhar o seu papel como
cassandras profissionais nos media, com apelos à putativa salvação do FMI.

O país é resiliente e está a reagir, à medida do possível, adaptando-se à reconfiguração dos equilíbrios
de poder no sistema económico global.

Os políticos têm de ajudar esse país a trabalhar e gerar riqueza, e não se portarem como miúdos
reguilas num jardim-escola ou como boxeurs derrotados a jogarem a toalha no chão.

Fonte: Site aicep