Вы находитесь на странице: 1из 24

27-11-2010

NCRFNCRF 2222 EstaEsta normanorma temtem porpor basebase aa IASIAS 2020 CCONTABILIZAÇÃOONTABILIZAÇÃO DOSDOS
NCRFNCRF 2222
EstaEsta normanorma temtem porpor basebase aa IASIAS 2020
CCONTABILIZAÇÃOONTABILIZAÇÃO DOSDOS SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS
DODO GGOVERNOOVERNO EE DDIVULGAÇÃOIVULGAÇÃO DEDE
AAPOIOSPOIOS DODO GGOVERNOOVERNO
Trabalho Elaborado por:
Gabi Almeida, N.º 58094
Sofia Figueiredo, N.º 58137
Joaquim Costa, N.º 61843
Joana Puga, N.º 61844
OOBJECTIVOBJECTIVO ((§§1)1) Determinar os procedimentos que uma entidade deve aplicar na contabilização e
OOBJECTIVOBJECTIVO ((§§1)1)
Determinar os procedimentos que uma entidade deve
aplicar na contabilização e divulgação de subsídios e
apoios do Governo.
AAPLICABILIDADEPLICABILIDADE ((§§2)2)
Contabilização e divulgação de Subsídios do Governo
Divulgação de outras formas de apoio do Governo.
2

27-11-2010

FFORAORA DODO ÂMBITOÂMBITO DESTADESTA NORMANORMA ((§§3)3) Problemas especiais que surgem da contabilização
FFORAORA DODO ÂMBITOÂMBITO DESTADESTA NORMANORMA ((§§3)3)
Problemas
especiais
que
surgem
da
contabilização
dos
subsídios do Governo em demonstrações financeiras;
Isenções temporárias do imposto sobre o rendimento;
Créditos de impostos por investimentos;
Permissão de depreciações aceleradas;
3
FFORAORA DODO ÂMBITOÂMBITO DESTADESTA NORMANORMA ((§§3)3) Taxas reduzidas de impostos sobre o rendimento; A
FFORAORA DODO ÂMBITOÂMBITO DESTADESTA NORMANORMA ((§§3)3)
Taxas reduzidas de impostos sobre o rendimento;
A participação do Governo no capital das entidades;
Os subsídios do Governo cobertos pela NCRF 17 - Agricultura.
4

27-11-2010

CCONCEITOSONCEITOS BBÁSICOSÁSICOS Apoio do Governo: São benefícios económicos específicos atribuídos a uma
CCONCEITOSONCEITOS BBÁSICOSÁSICOS
Apoio do Governo:
São benefícios económicos específicos atribuídos a uma
entidade ou a uma categoria de entidades que a eles se
propõem segundo certos critérios.
O propósito pode ser o de encorajar uma entidade a seguir
um certo rumo que ela normalmente não teria tomado se o
apoio não fosse proporcionado.
Podem ainda ser dominados de dotações, subvenções ou
prémios.
5
CCONCEITOSONCEITOS BBÁSICOSÁSICOS Não são apoios do Governo (§4): O fornecimento de infra-estruturas em
CCONCEITOSONCEITOS BBÁSICOSÁSICOS
Não são apoios do Governo (§4):
O
fornecimento
de
infra-estruturas
em
áreas
de
desenvolvimento.
Exemplo:
Melhoria da rede de transportes e das comunicações gerais;
Melhoramento ou implementação de redes de águas em
benefício de toda uma comunidade local.
Constrangimentos de restrições comerciais sobre concorrentes.
6

27-11-2010

CCONCEITOSONCEITOS BBÁSICOSÁSICOS Não são apoios do Governo (§4): Formas de apoio que não conseguem ter
CCONCEITOSONCEITOS BBÁSICOSÁSICOS
Não são apoios do Governo (§4):
Formas de apoio que não conseguem ter um valor
razoavelmente atribuído (§26).
Exemplo:
Conselhos técnicos e de comercialização gratuitos;
Concessão de garantias;
7
CCONCEITOSONCEITOS BBÁSICOSÁSICOS Subsídios do Governo: São auxílios do Governo na forma de transferências de
CCONCEITOSONCEITOS BBÁSICOSÁSICOS
Subsídios do Governo:
São auxílios do Governo na forma de transferências de
recursos para uma entidade em troca do cumprimento
passado ou futuro de certas condições relacionadas
com as actividades operacionais da entidade.
8

27-11-2010

CCONCEITOSONCEITOS BBÁSICOSÁSICOS Não são considerados subsídios do Governo (§4): As transacções com o Governo
CCONCEITOSONCEITOS BBÁSICOSÁSICOS
Não são considerados subsídios do Governo (§4):
As transacções com o Governo que não possam ser
distinguidas das operações comerciais normais da
entidade (§27).
Exemplo:
Política
de
aquisições
do
Governo
a
qual
seja
responsável por parte das vendas da entidade.
9
RRECONHECIMENTOECONHECIMENTO ((§§8)8) Pelo justo valor após existir segurança de que: A entidade cumprirá as
RRECONHECIMENTOECONHECIMENTO ((§§8)8)
Pelo justo valor após existir segurança de que:
A entidade cumprirá as condições a eles associadas;
Os subsídios serão recebidos
Nota: O recebimento de um subsídio não prova que as
condições associadas tenham sido ou serão cumpridas. A
entidade beneficiada pode ter que proceder ao reembolso
total ou parcial.
10

27-11-2010

OOSS SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS PODEMPODEM SERSER:: Não Monetários (§21): Exemplo: AFT - Equipamento Básico AI -
OOSS SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS PODEMPODEM SERSER::
Não Monetários (§21):
Exemplo:
AFT - Equipamento Básico
AI - Patentes e Marcas
Monetários
11
OOSS SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS PODEMPODEM SERSER:: Não Reembolsáveis Reembolsáveis: é mais frequente aquando do
OOSS SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS PODEMPODEM SERSER::
Não Reembolsáveis
Reembolsáveis:
é
mais
frequente
aquando
do
incumprimento dos pressupostos que deram origem à
sua atribuição.
Exemplo:
Exercício 5
12

27-11-2010

TTIPOSIPOS DEDE SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS Subsídios relacionados com Activos ou ao Investimento Inicialmente
TTIPOSIPOS DEDE SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS
Subsídios
relacionados com
Activos ou ao
Investimento
Inicialmente
reconhecidos no Capital
Próprio e posteriormente
como Rendimento
durante os períodos
necessários para
balanceá-los com os
gastos relacionados que
se pretende que eles
compensem.
Activos Fixos
Tangíveis
Depreciáveis e
Intangíveis com
Vida Útil Definida
Activos Fixos
Tangíveis não
Depreciáveis e
Intangíveis com
Vida Útil Indefinida
Reconhecidos no
Capital Próprio,
excepto se a respectiva
quantia for necessária
para compensar uma
Perda por Imparidade.
Excepção: § 16
13
RREEMBOLSOSEEMBOLSOS Relacionados com Activos: Deverá ser efectuado por contrapartida do crédito diferido não
RREEMBOLSOSEEMBOLSOS
Relacionados com Activos:
Deverá ser efectuado por contrapartida do crédito
diferido não amortizado (debitar a 593 e creditar a
conta de disponibilidades).
Nos casos em que o reembolso é superior ao crédito
diferido (ou se este não existir), o reembolso deverá
ser registado como um gasto.
14

27-11-2010

Subsídios relacionados com Rendimentos ou à Exploração TTIPOSIPOS DEDE SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS Recebidos como
Subsídios relacionados
com Rendimentos ou à
Exploração
TTIPOSIPOS DEDE SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS
Recebidos como
compensação por
gastos ou perdas
incorridos em períodos
anteriores
Devem ser
reconhecidos como
Rendimentos no
período em que se
tornar recebível.
§18 e §19 e §20
Recebidos para dar
suporte financeiro
imediato e sem qualquer
custo futuro relacionado
Recebidos para deficits
de exploração de
períodos futuros
Devem ser
reconhecidos como
Rendimentos nos
períodos a que
dizem respeito.
15
§24
RREEMBOLSOSEEMBOLSOS Relacionados com Rendimentos: Deve ser efectuado por contrapartida dos rendimentos diferidos,
RREEMBOLSOSEEMBOLSOS
Relacionados com Rendimentos:
Deve
ser
efectuado por contrapartida dos
rendimentos diferidos, ou na insuficiência dos
mesmos, deverá ser contabilizado como um gasto.
16

27-11-2010

DDIVULGAÇÕESIVULGAÇÕES A política contabilística adoptada para os subsídios, incluindo os métodos de
DDIVULGAÇÕESIVULGAÇÕES
A política contabilística adoptada para os subsídios, incluindo
os métodos de apresentação adoptados nas DF’s;
A natureza e extensão dos subsídios reconhecidos nas DF’s
e indicação de outras formas de apoio do Governo de que a
entidade tenha directamente beneficiado;
Condições não satisfeitas e outras contingências ligadas ao
apoio do Governo que tenham sido reconhecidas.
17
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 1:1: AFTAFT DDEPRECIÁVEISEPRECIÁVEIS Uma determinada sociedade candidatou-se à obtenção de
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 1:1:
AFTAFT DDEPRECIÁVEISEPRECIÁVEIS
Uma determinada sociedade candidatou-se à obtenção de
um subsídio governamental não reembolsável com vista à
aquisição de um equipamento de produção:
Valor de aquisição - 420.000,00€ (acresce IVA à taxa
normal 20%)
Atribuição do Subsídio (11 Jun. 2010) - 210.000,00€
(recebido de imediato)
Aquisição da máquina - 11 Jun. 2010
18

27-11-2010

EEXERCÍCIOXERCÍCIO 1:1: AFTAFT DDEPRECIÁVEISEPRECIÁVEIS Entrada em funcionamento - 1 Jul. 2010 Vida útil - 8
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 1:1:
AFTAFT DDEPRECIÁVEISEPRECIÁVEIS
Entrada em funcionamento - 1 Jul. 2010
Vida útil - 8 anos
Método de depreciação - linha recta.
Problemática:
Esta resolução implica o reconhecimento: do subsídio; da
aquisição do AFT; da depreciação do activo; da imputação
do subsídio a rendimentos nos períodos subsequentes.
19
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 1:1: NCRF especialmente aplicáveis NCRF NCRF - PE NCRF 22 - §§ 12 §
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 1:1:
NCRF especialmente aplicáveis
NCRF
NCRF - PE
NCRF 22 - §§ 12
§ 14.5
11 Junho 2010 (1) – Recebimento do Subsídio
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
12
Depósitos à ordem
210.000,00€
593
Outras variações no capital próprio - Subsídios
210.000,00€
11 Junho 2010 (2) – Aquisição do equipamento de produção
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
433
Activos fixos tangíveis / Equipamento básico
420.000,00€
2432
Estado e outros entes públicos / IVA dedutível
84.000,00€
2711
Fornecedores de investimentos – contas gerais
504.000,00€
20

27-11-2010

RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 1:1: Cálculo da depreciação Depreciação anual = 420.000,00€ / 8 = 52.500,00€
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 1:1:
Cálculo da depreciação
Depreciação anual = 420.000,00€ / 8 = 52.500,00€
Depreciação referente aos 6 meses de uso =
52.500,00€ / 12*6 = 26.250,00€
31 Dezembro 2010 (3) – Depreciação anual
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
642
Gastos de depreciação e de amortização / AFT
26.250,00€
438
AFT / Depreciações acumuladas
26.250,00€
21
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 1:1: Cálculo do subsídio a reconhecer em 2010: Relação entre o valor do subsídio
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 1:1:
Cálculo do subsídio a reconhecer em 2010:
Relação entre o valor do subsídio e o valor da
aquisição = 210.000,00€ / 420.000,00€ * 100 = 50%
Parcela do subsídio a reconhecer como rendimento
26.250,00€*50% = 13.125,00€
31 Dezembro 2010 (4) – Imputação do subsídio a rendimentos
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
593
Outras variações no capital próprio - Subsídios
13.125,00€
7883
Outros Rendimentos e Ganhos – Imputação de
Subsídios para Investimentos
13.125,00€
22

27-11-2010

EEXERCÍCIOXERCÍCIO 2:2: AAII COMCOM VVIDAIDA ÚÚTILTIL IINDEFINIDANDEFINIDA Uma determinada entidade obteve um apoio
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 2:2:
AAII COMCOM VVIDAIDA ÚÚTILTIL IINDEFINIDANDEFINIDA
Uma determinada entidade obteve um apoio do Governo, no
intuito de subsidiar a aquisição de uma marca com direito de
utilização perpétuo:
Custo - 75.000,00€ (acresce IVA à taxa normal 20%)
Subsídio não reembolsável - 37.500,00€
Recebimento do Subsídio - 15 Abr. 2010, data em que
efectuou a aquisição da referida marca.
Quantia Recuperável em 31 Dez. 2010 - 60.000,00€.
23
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 2:2: AAII COMCOM VVIDAIDA ÚÚTILTIL IINDEFINIDANDEFINIDA Problemática: Esta resolução implica
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 2:2:
AAII COMCOM VVIDAIDA ÚÚTILTIL IINDEFINIDANDEFINIDA
Problemática:
Esta resolução implica o reconhecimento: do subsídio
recebido; da aquisição do activo; da perda por imparidade
(caso exista); da imputação do subsídio a rendimentos nos
períodos subsequentes.
24

27-11-2010

RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 2:2: NCRF especialmente aplicáveis NCRF NCRF - PE NCRF 22 - §§ 12 §
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 2:2:
NCRF especialmente aplicáveis
NCRF
NCRF - PE
NCRF 22 - §§ 12
§ 14.5
15 Abril 2010 (1) – Recebimento do subsídio
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
12
Depósitos à Ordem
37.500,00€
593
Outras Variações no Capital Próprio/Subsídios
37.500,00€
15 Abril 2010 (2) – Aquisição da marca
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
446
Outros activos intangíveis
75.000,00€
2432
Estado e outros entes públicos / IVA dedutível
15.000,00€
2711
Fornecedores de investimentos – contas gerais
90.000,00€
25
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 2:2: Cálculo da perda por imparidade: Quantia escriturada – 75.000,00€ Quantia
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 2:2:
Cálculo da perda por imparidade:
Quantia escriturada – 75.000,00€
Quantia recuperável – 60.000,00€
Perda
por
imparidade
15.000,00€
(75.000,00€ - 60.000,00€)
31 Dezembro 2010 (3) – Reconhecimento da perda por imparidade
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
656
Perdas por imparidade / Activos intangíveis
15.000,00€
449
AI / Perdas por imparidade acumuladas
15.000,00€
26

27-11-2010

RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 2:2: Cálculo da quantia do subsídio a imputar como rendimento do período: Valor do
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 2:2:
Cálculo
da
quantia
do
subsídio
a
imputar
como
rendimento do período:
Valor do subsídio – 37.500,00€
Custo de aquisição – 75.000,00€
Perda por imparidade – 15.000,00€
Perda por imparidade correspondente a 20% do
valor do activo
Parcela do subsídio a imputar a rendimento =
7.500,00€ (15.000,00€ *50%)
27
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 2:2: 31 Dezembro 2010 (4) – Imputação do subsídio a rendimentos Nº Conta Nome
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 2:2:
31 Dezembro 2010 (4) – Imputação do subsídio a rendimentos
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
593
Outras variações no capital próprio - Subsídios
7.500,00€
7883
Outros rendimentos e ganhos / Imputação do
subsídio para investimentos
7.500,00€
28

27-11-2010

EEXERCÍCIOXERCÍCIO 3:3: AAII COMCOM VVIDAIDA ÚÚTILTIL IINDEFINIDANDEFINIDA A sociedade Ideias e Negócios, SA
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 3:3:
AAII COMCOM VVIDAIDA ÚÚTILTIL IINDEFINIDANDEFINIDA
A sociedade Ideias e Negócios, SA pretende adquirir uma
fórmula que possibilita a produção de uma bebida natural, de
grande benefício para os doentes de diabetes.
Um estudo de mercado permitiu verificar que a aquisição da
referida patente, negociada para a sua utilização a título
perpétuo, apenas seria viável se apoiada em 50% por um
subsídio não reembolsável.
29
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 3:3: AAII COMCOM VVIDAIDA ÚÚTILTIL IINDEFINIDANDEFINIDA Valor Aquisição (1 Jul. 2010) -
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 3:3:
AAII COMCOM VVIDAIDA ÚÚTILTIL IINDEFINIDANDEFINIDA
Valor Aquisição (1 Jul. 2010) - 100.000,00€ (PP)
Retenção na fonte de IRC - 15% (isento de IVA)
Recebimento do subsídio – 1 Jul. 2010
Problemática:
Esta resolução implica o tratamento contabilístico relativo à
aquisição de direitos de utilização de uma patente em
associação com a atribuição de um subsídio
governamental.
30

27-11-2010

RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 3:3: NCRF especialmente aplicáveis NCRF NCRF - PE NCRF 06 - §§ 27 §
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 3:3:
NCRF especialmente aplicáveis
NCRF
NCRF - PE
NCRF 06 - §§ 27
§ 8.4 (com remissão para o §7.6)
NCRF 22 - §§ 8 e 12
§ 14.1 e 14.5
01 Julho 2010 – (1) Custo de aquisição do activo intangível
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
444
Propriedade industrial
100.000,00€
2711
Fornecedores de Investimento – contas gerais
100.000,00€
31
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 3:3: 01 Julho 2010 – (2) Recebimento do subsídio relacionado com a aquisição do
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 3:3:
01 Julho 2010 – (2) Recebimento do subsídio relacionado com a aquisição do
activo intangível (50% dos custos suportados pela empresa)
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
12
Depósitos à ordem
50.000,00€
593
Outras variações no capital próprio - Subsídios
50.000,00€
Subsídio Atribuído = 50% do custo de aquisição do activo = 50%*100.000,00€ = 50.000,00€
31 Julho 2010 – (3) Pagamento ao fornecedor
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
2711
Fornecedores de Investimento – contas gerais
100.000,00€
242
Retenção de impostos sobre o rendimento
15.000.00€
12
Depósitos à ordem
85.000,00€
32

27-11-2010

EEXERCÍCIOXERCÍCIO 4:4: SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS ÀÀ EEXPLORAÇÃOXPLORAÇÃO A sociedade de Educação e Formação
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 4:4:
SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS ÀÀ EEXPLORAÇÃOXPLORAÇÃO
A sociedade de Educação e Formação Profissional, Lda.
promove, de entre outros projectos, cursos de
desenvolvimento profissional para pessoas abrangidas
pelo rendimento social de inserção. O Estado, através de
um organismo ligado ao MTSS, suportou em 70% o valor
da inscrição de cada aluno, tendo como base o valor de
referência do mesmo curso oferecido para o público em
geral.
33
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 4:4: SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS ÀÀ EEXPLORAÇÃOXPLORAÇÃO Curso oferecido para o público em geral -
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 4:4:
SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS ÀÀ EEXPLORAÇÃOXPLORAÇÃO
Curso oferecido para o público em geral - 500,00€
(duração de 2 meses, com início em 1 Dez. 2010)
Aprovação do início do curso (numeros clausus) - 30
Nov. 2010
Recebimento do subsídio - 5 Jan. 2011.
Do total das inscrições, 40 foram efectuadas por pessoas
abrangidas pelo RSI.
34

27-11-2010

EEXERCÍCIOXERCÍCIO 4:4: SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS ÀÀ EEXPLORAÇÃOXPLORAÇÃO Problemática: Na base desta
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 4:4:
SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS ÀÀ EEXPLORAÇÃOXPLORAÇÃO
Problemática:
Na
base
desta
resolução está o
reconhecimento
de
rendimentos associados a um subsídio à exploração
concedido por um organismo público.
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 4:4:
NCRF especialmente aplicáveis
NCRF
NCRF - PE
NCRF 22 - §§ 14 e 15
Aplicação não comtemplados. Aplicação supletiva do § 2.3
NCRF 22 - §§ 24
§ 14.10
35
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 4:4: 30 Nov. 2010 – (1) Reconhecimento do Subsídio a reconhecer do Estado Nº
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 4:4:
30 Nov. 2010 – (1) Reconhecimento do Subsídio a reconhecer do Estado
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
278
Outros Devedores e Credores
14.000,00€
282
Rendimentos a Reconhecer
14.000,00€
500€ * 40 inscritos * 0,7 subsídio =14.000,00€
31 Dez. 2010 – (2) Imputação do Subsídio a rendimento do período (1º mês
do desenvolvimento do curso)
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
282
Rendimentos a Reconhecer
7.000,00€
751
Subsídios do EOEP
7.000,00€
Subsídios a imputar durante o 1º mês do desenvolvimento do curso = (total do subsídios
reconhecido) / número de períodos de desenvolvimento do custo = 14.000,00€ / 2 =
7.000,00€
36

27-11-2010

RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 4:4: 5 Jan. 2011 – (3) Recebimento do subsídio: Nº Conta Nome da Conta
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 4:4:
5 Jan. 2011 – (3) Recebimento do subsídio:
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
12
Depósitos à Ordem
14.000,00€
278
Outros Devedores e Credores
14.000,00€
31 Jan. 2011 – (4) Imputação do subsídio a rendimento do período (2º mês
do desenvolvimento do curso):
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
282
Rendimentos a Reconhecer
7.000,00€
751
Subsídios do EOEP
7.000,00€
Subsídios a imputar durante o 2º mês do desenvolvimento do curso = (total do subsídios
reconhecido) / número de períodos de desenvolvimento do custo = 14.000,00€ / 2 = 7.000,00€
37
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 55:: SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS ÀÀ EEXPLORAÇÃOXPLORAÇÃO Em Nov. 2010 a empresa EXPLORAÇÃO, Lda.
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 55::
SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS ÀÀ EEXPLORAÇÃOXPLORAÇÃO
Em Nov. 2010 a empresa EXPLORAÇÃO, Lda. viu
aprovado pelo IEFP a atribuição de um subsídio de
45.000,00€ contingente à criação de 5 novos postos de
trabalho e à sua manutenção por 3 anos.
Pagamento em três parcelas anuais, com início em 31
Dez. 2010
O recrutamento foi efectuado em 2010 com um custo de
20.000,00€.
38

27-11-2010

EEXERCÍCIOXERCÍCIO 55:: SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS ÀÀ EEXPLORAÇÃOXPLORAÇÃO Estima-se que os gastos salariais ascendam
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 55::
SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS ÀÀ EEXPLORAÇÃOXPLORAÇÃO
Estima-se que os gastos salariais ascendam a
55.000,00€ em 2010 e aumentem 6.000,00€ em cada ano
subsequente.
Em 2012 verificou-se o incumprimento da manutenção de
2 postos de trabalho, tendo sido a empresa obrigada a
reembolsar 8.000,00€.
Problemática:
Reconhecimento
exploração.
e
mensuração
dos
subsídios
à
39
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 5:5: NCRF especialmente aplicáveis NCRF NCRF - PE NCRF 22 NCRF 4 Tratamento contabilístico
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 5:5:
NCRF especialmente aplicáveis
NCRF
NCRF - PE
NCRF 22
NCRF 4
Tratamento contabilístico similar.
Exigências de divulgação de informação menores .
Cálculos Auxiliares:
Gastos com Pessoal:
Ano 2010 = 55.000,00€ + 20.000,00€ = 75.000,00€
Ano 2011 = 55.000,00€ + 6.000,00€ = 61.000,00€
Ano 2012 = 61.000,00€ + 6.000,00€ = 67.000,00€
Total = 203.000,00€
Percentagens:
Ano 2010 = 75.000,00€ / 203.000,00€ = 36,95%
Ano 2011 = 61.000,00€ / 203.000,00€ = 30,05%
Ano 2012 = 67.000,00€ / 203.000,00€ = 33%
40

27-11-2010

RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 5:5: Reconhecimento anual do Subsídio: Ano 2010 = 45.000,00€ x 36,95% = 16.627,50€ Ano
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 5:5:
Reconhecimento anual do Subsídio:
Ano 2010 = 45.000,00€ x 36,95% = 16.627,50€
Ano 2011 = 45.000,00€ x 30,05% = 13.522,50€
Ano 2012 = 45.000,00€ x 33% = 14.850,00€
Total = 45.000,00€
Nov. 2010 – (1) Reconhecimento do subsídio:
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
278
Outros Devedores e Credores
45.000,00€
282
Rendimentos a Reconhecer
45.000,00€
Dez. 2010 – (2) Recebimento da 1ª parcela do subsídio:
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
12
Depósitos à Ordem
15.000,00€
41
278
Outros Devedores e Credores
15.000,00€
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 5:5: Dez. 2010 – (3) Reconhecimento parcial do subsídio em Resultados: Nº Conta Nome
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 5:5:
Dez. 2010 – (3) Reconhecimento parcial do subsídio em Resultados:
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
282
Rendimentos a Reconhecer
16.627,50€
752
Subsídios de Outras Entidades
16.627,50€
Dez. 2011 – (4) Recebimento da 2ª parcela do subsídio:
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
12
Depósitos à Ordem
15.000,00€
278
Outros Devedores e Credores
15.000,00€
Dez. 2011 – (5) Reconhecimento parcial do subsídio em resultados:
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
282
Rendimentos a Reconhecer
13.522,50€
752
Subsídios de Outras Entidades
13.522,50€
42

27-11-2010

RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 5:5: Dez. 2012 – (6) Recebimento da 3ª parcela do subsídio: Nº Conta Nome
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 5:5:
Dez. 2012 – (6) Recebimento da 3ª parcela do subsídio:
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
12
Depósitos à Ordem
15.000,00€
278
Outros Devedores e Credores
15.000,00€
Dez. 2012 – (7) Reconhecimento parcial do subsídio em Resultados:
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
282
Rendimentos a Reconhecer
8.650,00€
752
Subsídios de Outras Entidades
8.650,00€
C.A. – 14.850,00€ - 8.000,00€ = 6.850,00€
Dez. 2012 – (8) Reembolso Parcial do Subsídio:
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
282
Rendimentos a Reconhecer
8.000,00€
43
12
Depósitos à Ordem
8.000,00€
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 6:6: SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS TTOTALMENTEOTALMENTE RREEMBOLSÁVEISEEMBOLSÁVEIS A sociedade AMARGURA
EEXERCÍCIOXERCÍCIO 6:6:
SSUBSÍDIOSUBSÍDIOS TTOTALMENTEOTALMENTE RREEMBOLSÁVEISEEMBOLSÁVEIS
A sociedade AMARGURA teve uma queda de %50 nas
suas vendas nos últimos anos devido a uma crise
financeira que se instalou a nível mundial. Para fazer face
a este defit de exploração, a empresa candidatou-se em
2009 a um subsídio, tendo-o recebido em 01 de Junho
do decorrente ano, 500.000,00€ a reembolsar em duas
prestações anuais ignorando a NCRF 27 (actualizações
Obrigatórias porque estamos a diferir).
44

27-11-2010

RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 6:6: NCRF especialmente aplicáveis NCRF NCRF - PE NCRF 22 - §§ 12, 13
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 6:6:
NCRF especialmente aplicáveis
NCRF
NCRF - PE
NCRF 22 - §§ 12, 13 e 25
14.11
NCRF 4
01 Jun. 2009 - Recebimento do Subsídio :
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
12
Depósitos à ordem
500.000,00€
258
258 Outros financiadores
500.000,00€
45
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 6:6: 01 Jun. 2010 – Reembolso da 1ª prestação do Subsídio Nº Conta Nome
RRESOLUÇÃOESOLUÇÃO 6:6:
01 Jun. 2010 – Reembolso da 1ª prestação do Subsídio
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
271
Fornecedores de investimentos
50.000,00€
12
Depósitos à ordem
50.000,00€
500.000,00€ / 2 Anos = 250.000,00€
01 Jun. 2011 – Reembolso da 2ª prestação do Subsídio
Nº Conta
Nome da Conta
Débito
Crédito
271
Fornecedores de investimentos
50.000,00€
12
Depósitos à ordem
50.000,00€
A conta 258 encontra-se saldada!
46

27-11-2010

EENQUADRAMENTONQUADRAMENTO FFISCALISCAL Os subsídios ao investimento, embora sendo enquadrados como uma variação
EENQUADRAMENTONQUADRAMENTO FFISCALISCAL
Os subsídios ao investimento, embora sendo
enquadrados como uma variação patrimonial positiva e
não excepcionada, como tal tributável, são contudo
imputados ao Lucro Tributável de forma faseada, como
preconizado no art. 22º do CIRC.
47
CCONCLUSÃOONCLUSÃO A contabilização dos subsídios relacionados com os AFT e AI permite melhorar alguns indicadores
CCONCLUSÃOONCLUSÃO
A contabilização dos subsídios relacionados com os AFT e
AI permite melhorar alguns indicadores financeiros das
empresas, nomeadamente o rácio da Autonomia
Financeira (CP/A), sendo este um dos rácios privilegiados
pela banca para a atribuição de crédito.
A contabilização de ambos os tipos de subsídios aumenta
o Resultado do Período, uma vez que o valor dos
subsídios é transferido faseadamente para rendimentos.
48