Вы находитесь на странице: 1из 81

Introdução Manual Kubark

13 jun 2004

Um manual da CIA sobre os métodos de interrogatório coercitivos, produzido há 40 anos durante


a Guerra do Vietnã, mostra que as técnicas, tais como aqueles usados no Iraque, Afeganistão e
em Guantánamo Bay, Cuba, têm uma longa história com os EUA inteligência e foram baseadas
na experiência de pesquisa e de campo.
Desclassificados 10 anos atrás, o manual de treinamento traz em seu título a palavra-código
utilizados para a CIA no Vietnã ", KUBARK Contra Interrogatório - Julho 1963. "Usado para
treinar novos interrogadores, o manual apresenta" básico informações sobre técnicas coercivas
disponíveis para uso em interrogatórios situação. "
Os métodos específicos coercitiva descreve eco histórias de hoje da notícia sobre Guantánamo e
na prisão de Abu Ghraib, no Iraque. Em Abu Ghraib, por exemplo,fotografias e documentos que
demonstraram que os presos estavam encapuzados,vendados, vestido com roupas de desleixado e
forçado a ir nu.
O manual KUBARK sugere que, para "resistente" presos, as "circunstâncias de detenção estão
dispostos a melhorar no âmbito da disciplina seus sentimentos de ser cortado a partir do
conhecido e reconfortante e de estar mergulhado no estranho."
O manual de 1963 descreve as vantagens e desvantagens das técnicas
semelhantes aos autorizados para uso em Abu Ghraib, como forçar os presos a em pé ou sentar-
se em "posições de stress", cortar as fontes de luz, atrapalhando o seu sono e manipulando sua
dieta.
E, entre as conclusões do manual: A ameaça da dor é muito mais eficaz
ferramenta de interrogatório que realmente infligir dor, mas as ameaças de morte não ajudam.
Como a lista de métodos de interrogatório aprovadas para o Iraque e em Guantánamo, o manual
KUBARK oferece um menu de opções para confundir e enfraquecer detentos. Um indivíduo
puro ou orgulho era para ser dada uma roupa um ou dois tamanhos muito grande sem o cinto
"para que ele deve segurar as calças", diz o manual.
muda forçada no padrão de alimentação e do sono deve ser feito "para que o sujeito torna-se
desorientado [e] é muito susceptível de criar sentimentos de medo e desamparo. "
Táticas privativas dos locais acostumados, sons, gostos, cheiros e
sensações táteis foram apresentados como principais métodos para a produção de estresse, e
espelho das técnicas vistas em Abu Ghraib. O tenente-general Ricardo S. Sanchez, o topo EUA
oficial militar no Iraque, aprovada em Setembro de uma lista de métodos que
incluídos "privação sensorial", "pão e água mínima", "controle luz",
executada silêncio e gritar prisioneiros. Estes métodos já foram barrados
no Iraque. O manual KUBARK citou uma pesquisa de apoio à eficácia das
privações. "Os resultados produzidos somente depois de semanas ou meses de prisão em uma
célula normal pode ser repetido em horas ou dias em uma cela que não tem luz e luz artificial
fraca, que não varia, o que é à prova de som, e em que odores são eliminados ", disse o manual.
Um experimento que se refere o manual foi feito na década de 1950 e envolveu
condições destinadas a produzir o esforço antes de um interrogatório - semelhantes àquelas
aplicado a John Walker Lindh, após sua captura no Afeganistão. Lindh foi amarrada a uma maca,
nua e depois por longos períodos em um recipiente de metal.
No experimento feito cerca de 50 anos antes, os voluntários foram "colocadas em um tipo
tanque respirador ", com aberturas abertas para que os sujeitos puderam respirar, mas a sua
braços e pernas foram fechados em "cilindros rígidos para inibir o movimento e tátil contato.
"Mentir em suas costas na luz artificial mínimo, os indivíduos não podem vê o próprio corpo, eo
motor respirador foi o único som.
Apenas seis dos 17 voluntários completaram as 36 horas do experimento, os outros 11 pediram a
libertação antecipada - quatro, por causa da ansiedade e pânico, e os outros por causa do
desconforto físico.
A conclusão a que chegou, o manual dizia, era que "o efeito inicial de um tal
ambiente mais é a ansiedade "e que" o estresse torna-se insuportável para
assuntos ", alguns dos quais" perder o contato com a realidade [e] o foco para o interior. "
O pagamento de tais técnicas, o manual diz, é que quando o interrogador
aparece, ele ou ela aparece como uma recompensa "de ansiedade diminui... proporcionando
alívio para o cultivo de desconforto ", e que, por vezes, como um resultado", pergunta o assume
um papel benevolente ".
Quando se trata de tortura, no entanto, o manual informou que "a ameaça de
infligir dor. . . pode desencadear medos mais prejudicial do que a sensação imediata de dor ".
"Em geral, a brutalidade física directa apenas cria ressentimento, hostilidade e outras desafio ",
disse o manual.
Dor intensa, os interrogadores foram ensinados ", é bastante provável para produzir falsos
confissões forjadas como um meio de escapar do perigo. "
Enquanto a dor infligida por outros tende a criar uma resistência em um assunto, o manual disse,
"a resistência é mais provável a ser solapada pela dor que ele parece infligir sobre si mesmo. "
Relatórios do Iraque e Afeganistão indicam que os detidos foram instruídos a
estar na atenção por longos períodos ou sentar-se em "posições de stress". Em um dos fotografias
de Abu Ghraib, um detento de capuz é mostrado sendo obrigado a ficar em uma caixa com fios
ligados ao seu corpo. Foi-lhe dito que ele iria ficar um elétrico choque se ele se moveu. Sete
soldados policiais militares foram acusados de conexão com o abuso mostrado em fotografias
que e outros. Investigações continuar no interrogadores papel militar desempenhado nesses
incidentes.
Em tais situações, o referido manual, a origem da dor "não é o interrogador, mas a própria
vítima." E quando o assunto permanece nessa posição desconfortável ou doloroso, ele deve ser
feito a pensar que seu captor poderia fazer algo pior com ele, criando nele o stress e ansiedade, o
interrogador procura.
Ameaças de morte, no entanto, foram descritos como "pior do que inútil", porque pode deixar o
pensamento prisioneiro ", que ele é tão susceptível de ser condenado após conformidade como
antes. "
Experiências nesse momento também mostrou que a criação de fraqueza física através esforço
prolongado, extremos de calor, frio ou umidade, ou por meio de drásticas redução da
alimentação ou o sono não funcionam.
"A evidência disponível sugere que a resistência é solapada principalmente pela pressões
psicológicas do que físicas ", o manual recomendado.
CIA "KUBARK: Contra Interrogatório" Manual (1963)
Desclassificados pelo Pentágono em 1996 e lançado para a Segurança Nacional Archives (NSA),
porque a invocação de Baltimore organização de notícias da Sun a Lei de Liberdade de
Informação (FOIA). Partes deste documento foram suprimidas antes de o Pentágono permitiu a
sua libertação.V
V
V
KUBARK INTERROGAÇÃO CONTRA- ESPIONAGEM
Julho 1963

ÍNDICE

I. INTRODUÇÃO 1-3
A. Explicação dos Objetivos 1-2
B. Explicação de Organização 3
II. DEFINIÇÕES 4-5
III. JURÍDICA E POLÍTICA CONSIDERAÇÕES 6-9
IV. O Interrogator 14/10
V. 15-29 INTERROGATEE
A. Tipos de Fontes: Categorias de Inteligência 15-19
B. Tipos de Fontes: Categorias Personalidade 19-28
C. Outras pistas 28-29
VI. Triagem e outras preliminares 30-37
A. Screening 30-33
B. Outros procedimentos preliminares 33-37
C. Resumo 37
VII. PLANEJAMENTO DA INTERROGAÇÃO CONTRA-38-51
A. A natureza da interrogação Contra 38-42
Plano B. O Interrogatório 42-44
C. A 44-51 Especificidades
VIII. O Interrogatório CONTRA-não-coercitiva 52-81
Observações A. Geral 52-53
B. A estrutura do interrogatório 53-65
1. A abertura 53-59
2. O reconhecimento 59-60
3. O questionário pormenorizado 60-64
4. A conclusão 64-65
C. Técnicas de interrogatório não-coercitiva de fontes de resistência 65-81
IX. O Interrogatório CONTRA-coercitivo de RESISTENTE
FONTES 82-104
Restrições A. 82
B. A Teoria da Coerção 82-85
C. Prisão 85-86
D. Detenção 86-87
E. A privação de estímulos sensoriais 87-90
Ameaças e F. Medo 90-92
G. debilidade 92-93
H. Dor 93-95
I. sugestibilidade aumentada e Hipnose 95-98
J. Narcosis 98-100
K. detecção de Simulação 101-102
L. Conclusão 103-104
LISTA X. INTERROGADOR 'CHECK S 105-109
XI. DESCRITIVA BILIOGRAPHY 110-122
XII. ÍNDICE 123-128

Introdução
A. Explicação de Propósito
Este manual não pode ensinar a alguém como ser, ou tornar-se, um interrogador bom. Em
melhor forma de ajudar os leitores a fim de evitar os erros típicos de pobres
interrogadores.
Seu objetivo é fornecer orientações para interrogatório KUBARK e, em particular
o contra-interrogatório de fontes de resistência. Concebida como uma ajuda para
interrogadores e outros imediatamente em causa, que se baseia em grande parte da
publicaram os resultados de extensa pesquisa, incluindo as investigações científicas realizadas
por especialistas em assuntos intimamente relacionados.
Não há nada misterioso sobre o interrogatório. Consiste em não mais do que
obtenção de informações necessárias através de respostas a perguntas. Como acontece em todos
os artesãos, alguns interrogadores são mais capazes do que outros, e alguns de seus
superioridade pode ser inata. Mas o interrogatório de som, no entanto, repousa sobre uma
conhecimento do assunto e sobre certos princípios gerais, principalmente
psicológica, que não são difíceis de entender. O sucesso da boa interrogadores depende, em
grande medida de sua utilização, consciente ou não, de estes princípios e de processos e técnicas
que deles derivam. Conhecimento do assunto e dos princípios básicos não cria por si só um bem-
sucedido interrogatório, mas ele vai fazer o possível para evitar erros que são característica do
interrogatório pobres. O objetivo, então, não é ensinar o leitor
como ser um bom inquisidor, mas sim para dizer-lhe que ele deve aprender a fim
para se tornar um bom interrogador.
O interrogatório de uma fonte de resistência, que é um funcionário ou agente de um
Orbit inteligência ou serviço de segurança ou de uma organização clandestina comunista
é um dos mais exigentes tarefas profissionais. Normalmente, as chances ainda favorecem a
interrogador, mas são fortemente cortada pela formação, experiência, paciência e
tenacidade do interrogatee. Em tais circunstâncias, o interrogador todas as necessidades
a ajuda que puder conseguir. E a principal fonte de ajuda hoje é descobertas científicas.
O serviço de inteligência que é capaz de trazer conhecimento, pertinentes à moderna
recair sobre os seus problemas desfruta enormes vantagens sobre um serviço que realiza
seus negócios clandestinos da moda do século XVIII. É verdade que a American
Os psicólogos têm dedicado atenção um pouco mais de comunista
técnicas de interrogatório, sobretudo "lavagem cerebral", do que para as práticas dos EUA. No
entanto, que têm conduzido investigações científicas em muitos assuntos que estão intimamente
relacionadas com a interrogação: os efeitos da debilidade e isolamento, o polígrafo, reações à dor
e ao medo, a hipnose e sugestibilidade aumentada, narcose, etc
Este trabalho é de importância suficiente e relevante que não é mais possível
discutir interrogatório significativamente sem referência à investigação psicológica
realizados na última década. Por isso, o principal objetivo deste estudo é
foco descobertas científicas sobre o interrogatório do IC. Todo o esforço tem sido
feitas para relatar e interpretar esses achados em nossa própria língua, no lugar do
terminologia utilizada pelos psicólogos.
Este estudo não é de forma limitada a um resumo e interpretação dos
constatações psicológicas. A abordagem dos psicólogos é costumeiramente
manipuladora, ou seja, eles sugerem métodos de impor controles ou alterações
sobre o interrogatee de fora. Exceto no quadro Comunista da referência, que pagaram menos
atenção para a criação de controles internos - isto é, conversão da fonte, para que os resultados
da cooperação voluntária. Moral Considerações à parte, a imposição de técnicas de manipulação
externa pessoas carrega consigo o grave risco de ações judiciais depois de publicidade negativa,
ou outros tenta contra-atacar.

B. Explicação da Organização
Este estudo se move a partir do tema geral do interrogatório, por si só (Partes I, II, III,
IV, V e VI) para o planejamento da contra-interrogatório (Parte VII) para a
CI interrogatório de fontes de resistência (Partes VIII, IX e X). As definições legais,
considerações e discussões de interrogadores e fontes, bem como a Seção
VI, sobre o rastreio e outras preliminares, são relevantes para todos os tipos de
interrogatórios. Uma vez estabelecido que a fonte é provavelmente um
contra-alvo (em outras palavras, é provavelmente um membro de um estrangeiro
inteligência ou serviço de segurança, um comunista, ou uma parte de qualquer outro grupo
envolvidos em actividades clandestinas contra a segurança nacional), o
interrogatório é planejado e conduzido em conformidade. O interrogatório CI
técnicas são discutidas em uma ordem crescente de intensidade como o foco no
Resistência cresce mais nítidas. A última seção, sobre o que fazer eo que não pode fazer, é um
retorno à visão mais ampla das partes abertura, como um check-list, é colocado por último
apenas por conveniência.

Definições
A maior parte da inteligência terminologia utilizada aqui, que pode ter sido uma vez
ambíguo foi esclarecida através do uso ou através de instruções KUBARK. Para
razão disso, as definições foram omitidos para termos como Burn Notice,
desertor, fugitivo, e dos refugiados. Outras definições foram incluídas, apesar de uma
comum acordo sobre o significado, se o significado é sombreada pelo contexto.
1. Avaliação: análise e síntese de informação, geralmente sobre uma pessoa ou pessoas, para fins
de avaliação. A avaliação dos indivíduos é baseada na compilação e utilização de psicológica,
bem como detalhes biográficos.
2. bona fides: provas ou informações fiáveis sobre a identidade pessoal (incluindo
história de inteligência), e as intenções ou de boa fé.
3. Controle: a capacidade de gerar, alterar ou interromper o comportamento humano implicando,
citando, ou através de meios físicos ou psicológicos para garantir o cumprimento direção. A
conformidade pode ser voluntária ou involuntária. Controle de um interrogatee raramente pode
ser estabelecida sem o controle de seu ambiente.
4. Contra-interrogatório: uma interrogação (ver # 7) projetado para obter
informações sobre atividades clandestinas hostil e as pessoas ou grupos envolvidos
nele. interrogatórios KUBARK CI são concebidos, quase invariavelmente, a ceder
informações sobre serviços de inteligência estrangeiros e de segurança ou comunista
organizações. Como a segurança é um elemento de contra-espionagem,
interrogatórios realizados para obter confissões de planos clandestinos ou atividades
contra KUBARK ou de segurança também são PBPRIME interrogatórios CI. Mas
ao contrário de um interrogatório policial, o interrogatório CI não visa a causar o
interrogatee a incriminar-se como um meio de trazê-lo a julgamento.
Admissões de cumplicidade não são, a um serviço de IC, um fim em si, mas apenas
prelúdios para a aquisição de mais informações.
5. Avaliação: a obtenção de informações por questionar um ambiente controlado e witting
fonte que normalmente é uma vontade.
6. Eliciando: obtenção de informações, sem intenção de revelar ou excepcionais
interesse, através de um intercâmbio verbal ou escrito com uma pessoa que pode estar disposto
ou não quiseram fornecer o que é pedido e que podem ou não ser controlado.
7. Interrogatório: obtenção de informações pelo questionamento direto de uma pessoa ou
pessoas em condições que sejam parcial ou totalmente controlados pelo questionador ou são
acreditados por inquiridos sujeitas ao seu controlo.
Porque a entrevista, de balanço, e obtendo são métodos mais simples de obtenção de
informações de assuntos de cooperação, o interrogatório é geralmente reservado para
fontes que são suspeitos, resistente, ou ambos.
8. Inteligência entrevista: obter informação, que não costumam ser, em condições controladas,
por questionar uma pessoa que está consciente da natureza e, talvez, da importância de suas
respostas, mas que é normalmente desconhece os efeitos e as afiliações de informações
específicas do entrevistador.

Considerações Legais e Política


A legislação que fundou KUBARK especificamente negou qualquer aplicação da lei
ou poder de polícia. No entanto, a detenção em um ambiente controlado e, talvez, para um longo
período é freqüentemente essencial para um bem-sucedido contra-
interrogatório de uma fonte de recalcitrantes. [Aprox. três linhas suprimido] Este
necessidade, obviamente, devem ser determinadas tão cedo quanto possível.
A legalidade da detenção e interrogatório de uma pessoa, e dos métodos
empregados, [Aprox. 10 linhas suprimido]
Detenção representa o mais comum dos problemas jurídicos. KUBARK não tem
entidade jurídica independente para deter qualquer pessoa contra sua vontade, [aprox. 4 linhas ]
Excluído A pressa em que alguns interrogatórios foram conduzidos KUBARK
nem sempre tem sido o produto de impaciência. Alguns serviços de segurança,
especialmente os do Bloco Sino-Soviética, pode trabalhar no lazer, dependendo
tempo, bem como os seus próprios métodos para derreter recalcitrância. KUBARK geralmente
não pode.
Assim, salvo se for considerado que a perspectiva é interrogatee cooperativa e assim
permanecerá indefinidamente, o primeiro passo no planejamento de uma
interrogatório é determinar quanto tempo a fonte pode ser realizada. A escolha da
métodos depende em parte da resposta a esta pergunta.
[Aprox. 15 linhas suprimido]
A manipulação e questionamento de desertores são sujeitas às disposições de [um
ou duas palavras suprimidas] Directiva n º 4: a sua relacionados Chefe / KUBARK directivas,
principalmente [aprox. 02/01 linha suprimido] Livro Dispatch [uma ou duas palavras suprimidas]
e pertinentes [uma ou duas palavras suprimidas]. Aqueles que se preocupam com o interrogatório
de desertores, fugitivos, refugiados, repatriados ou deveria saber que essas referências.
Os tipos de contra-informação a ser procurada em um interrogatório CI
são apresentados geralmente em-Chefe / KUBARK directiva e, em maior detalhe no livro
Despacho [aprox. 1 / 3 da linha suprimido].
O interrogatório dos cidadãos PBPRIME apresenta problemas especiais. Em primeiro lugar, tal
interrogatórios não devem ser realizados por razões alheias à esfera da
KUBARK 's responsabilidades. Por exemplo, o [aprox. 03/02 linha excluído], mas
normalmente não devem se envolver diretamente. Clandestino atividade realizada
no exterior em nome de uma potência estrangeira por um cidadão privado PBPRIME cai
dentro das responsabilidades de investigação e interrogativa KUBARK's. No entanto, qualquer
inquérito, interrogatório ou entrevista de um cidadão PBPRIME que é realizada
no estrangeiro, porque ser conhecida ou suspeita que ele está envolvido em clandestinos
actividades dirigidas contra interesses de segurança PBPRIME requer autorização prévia e
aprovação pessoal do Chefe / KUDESK ou de seu substituto.
Desde 04 de outubro de 1961, a aplicação extraterritorial tem sido dada à
Espionagem Lei, tornando-se, doravante, possível processar na Justiça Federal
qualquer cidadão PBPRIME que viola os estatutos da presente lei em países estrangeiros.
ODENVY solicitou que seja informado, com antecedência, se o tempo permitir, se for o caso
diligências de investigação são realizados nestes casos. Desde que os empregados KUBARK não
podem ser testemunhas em tribunal, cada inquérito deve ser conduzido de tal forma que as
provas obtidas podem ser devidamente introduzidas, se o caso trata de
julgamento. [Aprox. Uma linha excluída a política dos Estados] e os procedimentos para a
realização de investigações dos cidadãos PBPRIME no exterior.
Interrogatórios conduzidos sob compulsão ou coacção são particularmente susceptíveis de
envolvem ilegalidade e de ter consequências nefastas para KUBARK. Por isso
Sede da aprovação prévia em nível KUDOVE deve ser obtido para o
interrogatório de qualquer origem contra a sua vontade e em qualquer das seguintes
circunstâncias:
1. Se a lesão corporal deve ser infligida.
2. Se os métodos químicos, médicos, ou elétrica ou de materiais que devem ser utilizados para
induzir a aquiescência.
3. [Aprox. 3 linhas suprimido]
O interrogador CI lidando com um interrogatee uncooperative que tenha sido
bem-informado por um serviço hostil sobre as restrições legais ao abrigo do qual ODYOKE
serviços operam deve esperar algumas táticas eficazes atrasar. O interrogatee
foi dito que KUBARK não vai segurar ele por muito tempo, que ele só precisa resistir por um
tempo. Nikolay Khokhlov, por exemplo, relatou que antes de partir para Frankfurt
am Main, em sua missão de assassinato, os seguintes pensamentos percorria
sua cabeça: "Se eu deveria ficar nas mãos das autoridades ocidentais, que pode tornar-se
reticente, em silêncio, e negar a minha visita voluntário para Okolovich. Eu sei que não será
torturado e que, sob os procedimentos do direito ocidental que eu possa me conduzir
corajosamente. "(17) [Os numerais nota neste texto são introduzidos ao numeradas
bibliografia no final.] O interrogador que encontra a resistência do especialista
não deve crescer imprensa atordoado e, se ele faz, ele é mais chances de cometer atos ilegais
qual a fonte pode usar mais tarde contra ele. Lembrando que o tempo está do seu
lado, o interrogador deve providenciar para obter o máximo dele como ele precisa.

O interrogador
Uma série de estudos de interrogatório discutir qualidades seriam desejáveis em um
interrogador. A lista é quase infindável - de forma profissional, brutalidade,
compreensão e simpatia, a amplitude de conhecimentos gerais, conhecimento da área ", um
conhecimento prático da "psicologia, habilidade nos truques do comércio, alerta,
perseverança, integridade, paciência, discrição, uma experiência de alto QI, extensa,
flexibilidade, etc, etc Alguns textos até discutir maneiras do interrogador e
preparação, e um prescritas as características consideradas desejáveis em sua secretária.
A repetição deste catálogo não serviria aqui, especialmente porque quase todas as características
mencionadas também são desejáveis em agentes de caso,
agentes, policiais, vendedores, lenhadores, e todos os outros. A busca da
a literatura científica pertinente divulgada há relatos de estudos baseados em
traços denominador comum dos interrogadores de sucesso ou qualquer outra controlada
indagações que iria investir nestas listas com qualquer validade objetiva.

Talvez as quatro títulos de maior importância para o interrogador são


(1) treinamento operacional e experiência suficientes para permitir o reconhecimento de
charlatão leva;
(2) real familiaridade com a linguagem a ser utilizada;
(3) extensa experiência conhecimento sobre o país natal do interrogatee (e serviço de
inteligência, se empregados por um)
(4) um entendimento genuíno da fonte como uma pessoa.
[Aprox. 02/01 linha suprimido] estações, e até mesmo algumas bases pode chamar um ou
interrogadores deverão fornecer a esses pré-requisitos, individualmente ou em equipe.
Sempre que um número de interrogadores estiver disponível, o percentual de acertos é
aumentou cuidadosa combinação de interlocutores e as fontes, garantindo que
pré-agendamento rígido não impede que tal correspondência. Das quatro características
mencionadas anteriormente, introspecção genuína natureza da fonte e motivos é talvez mais
importante, mas menos comuns. Posteriormente partes deste manual explorar este tema em
detalhes. Uma observação geral é introduzida agora, no entanto, porque é
consideradas básicas para o estabelecimento de rapport, em que o sucesso da não-
interrogatórios coercivos depende.
O interrogador deve se lembrar que ele eo interrogatee são frequentemente
trabalho com objetivos não porque a interroga é malevolamente retenção ou enganosa, mas
simplesmente porque o que ele quer que a situação da frente não é o que o interrogador quer. O
objetivo do interrogador é obter útil informações - fatos sobre os quais a interrogatee
presumivelmente adquiridos da informação. Mas no início do interrogatório, e talvez por um
longo tempo depois, a pessoa que está sendo questionado não é muito preocupado com
comunicando o seu corpo de informação especializada à sua pergunta, ele é respeito à colocação
da sua melhor pé em frente. A questão mais alto em sua mente, no início, não é susceptível de ser
"Como posso ajudar PBPRIME?" mas sim
"Que tipo de impressão que estou fazendo?" e, quase imediatamente depois,
"O que vai acontecer comigo agora?" (Uma exceção é o agente de penetração ou
provocador enviado para um campo de instalação KUBARK após o treino em suportar
interrogatório. Tal agente pode se sentir confiante o suficiente para não ser grave
preocupado com ele próprio. Seu principal interesse, desde o início, pode ser a
aquisição de informações sobre o interrogador e seu serviço.)
O interrogador experiente pode salvar uma grande quantidade de tempo através da compreensão
da necessidades emocionais do interroga. A maioria das pessoas diante de um funcionário - e
vagamente poderoso - o representante de uma potência estrangeira vai começar a casos muito
mais rápido se feito sentir, desde o início, que estão sendo tratados como indivíduos.
Assunto tão simples como uma saudação interrogatee por seu nome na abertura da
sessão estabelece em sua mente a consciência de conforto que ele é considerado
como uma pessoa, e não uma esponja squeezable. Isso não quer dizer que tipos de egoísta
devem ser autorizados a gozar longamente no calor do reconhecimento individual. Mas
é importante para amenizar o medo de difamação que aflige muitas pessoas
quando pela primeira vez interrogado, tornando claro que a individualidade do
interrogatee é reconhecido. Com esse entendimento estabelecido, o
interrogatório pode passar a matéria impessoal e não vai ser mais tarde frustrada
ou interrompido - ou pelo menos não com tanta freqüência - pelas respostas irrelevantes
projetado para não fornecer fatos, mas para provar que o interrogatee é um membro respeitável
da raça humana.
Embora seja muitas vezes necessário para enganar as pessoas para dizer o que precisamos saber,
especialmente nos interrogatórios do IC, a pergunta inicial que o interrogador pede
mesmo deve ser, "Como eu posso fazer ele quer me dizer o que ele sabe?" vez
que "Como eu posso prendê-lo a revelar o que sabe?" Se a pessoa que está sendo
questionado é realmente hostil por razões ideológicas, técnicas de manipulação estão em ordem.
Mas a suposição de hostilidade - ou pelo menos o uso de táticas de pressão no primeiro encontro
- pode fazer de temas difíceis, mesmo fora de aqueles que respondem ao reconhecimento da
individualidade e uma suposição inicial de boa vontade.
Outra observação preliminar sobre o interrogador é que normalmente ele deve
não personalizar. Ou seja, ele não deve estar satisfeito, lisonjeado, frustrado, incitando,
ou emocionalmente e pessoalmente atingidas pela interrogação. A exposição calculada de
sentimento empregado para uma finalidade específica é uma exceção, mas mesmo nestas
circunstâncias, o interrogador está em pleno controle. A situação de interrogatório é
intensamente inter-pessoal, pelo que é ainda mais necessário encontrar um contrapeso por uma
atitude que o sujeito claramente reconhece como sendo essencialmente justa e objetiva. O tipo de
pessoa que não pode ajudar personalização, que torna-se envolvido emocionalmente com a
situação de interrogatório, pode ter chance (e mesmo espetacular) sucessos como um
interrogador, mas é quase certo que uma média de rebatidas pobres.
Diz-se frequentemente que o interrogador deve ser "um bom juiz dos direitos humanos
a natureza. "Na verdade [aprox. 3 linhas suprimido], (3) Este estudo posterior (página" Grande
atenção tem sido dada para o grau em que as pessoas são capazes de fazer
decisões a partir de observações casuais sobre as características da personalidade de
o outro. O consenso da pesquisa é que, com relação a vários tipos de julgamentos, pelo menos,
alguns juízes desempenho confiável melhor que o acaso ...."
No entanto, "... o nível de confiabilidade nos julgamentos é tão baixa que a investigação
encontra dificuldades quando se tenta determinar quem faz melhor juízos ...." (3) Em breve, o
interrogador é mais provável a superestimar sua capacidade de julgar os outros do que a
subestimar, especialmente se ele teve pouco ou nenhum treinamento
na psicologia moderna. Daqui resulta que os erros na avaliação e no tratamento são
propensos a resultar de julgamentos baseados na suposição de habilidade inata
Ao julgar os outros do que de exploração tais decisões em suspenso até que o suficiente
factos são conhecidos.
Tem havido uma boa parte da discussão de especialistas em interrogatórios contra-sujeito
especialistas no assunto. Tais fatos que estão disponíveis sugerem que estes possam ter uma
ligeira vantagem. Mas para fins de contra o debate acadêmico. [Aprox.
5 linhas suprimido] É uma boa prática para atribuir interrogadores inexperientes
dever de guarda ou para outras tarefas suplementares directamente relacionadas com o
interrogatório, para que eles podem ver de perto o processo antes de tomar a carga. O uso de
início interrogadores como screeners (ver parte VI) também é recomendado.
Embora haja alguma validade limitado na visão, frequentemente expressa em
primers interrogatório, que o interrogatório é essencialmente uma batalha de inteligência, a IC
interrogador que encontra um interrogatee qualificados e resistentes devem
lembre-se que uma ampla -----
* O interrogador deve ser apoiada, sempre que possível por analistas qualificados "
revisão de seu "tomar" diário, a experiência tem mostrado que essa revisão vai aumentar
perguntas a fazer e pontos a serem esclarecidos e levar a uma cobertura completa da
o assunto em mãos.
Uma variedade de ajudas podem ser disponibilizados no campo ou da sede. (Esses
são discutidos na Parte VIII). A natureza intensamente pessoal do interrogatório
situação torna ainda mais necessário que o entrevistador deve procurar KUBARK
não por um triunfo pessoal, mas para sua verdadeira meta - a aquisição de todos os necessários
informação por qualquer meio autorizado.
O Interrogatee
A. Tipos de fontes: Categorias de Inteligência
Do ponto de vista do serviço de inteligência das categorias de pessoas que
mais freqüentemente fornecem informações úteis em resposta a questionamento são
viajantes; repatriados; desertores, fugitivos e refugiados; transferidos fontes;
agentes, incluindo os provocadores, agentes duplos, e agentes de penetração e
vigaristas e fabricantes.
1. Os viajantes são geralmente entrevistados, interrogados, ou consultadas através de eliciar
técnicas. Se forem interrogados, o motivo é que eles são conhecidos ou
Acredita-se que se enquadram em uma das seguintes categorias.
2. Repatriados às vezes são interrogados, embora outras técnicas são utilizadas
com mais freqüência. Os interesses de propriedade do governo local com freqüência
ditar interrogatório por um serviço de ligação em vez de KUBARK. Se KUBARK
interroga, as seguintes etapas preliminares são tomadas:

a. A seleção de registros, incluindo traços locais e Sede.


b. Teste de bona fides.
c. Determinação de repatriar o tipo e nível de acesso, enquanto fora do seu próprio
país.
d. Avaliação preliminar da motivação (incluindo a orientação política),
fiabilidade e capacidade, como observador e repórter.
e. Determinação de todas as relações inteligência ou comunista, seja com um
serviço ou parte do país repatriar seu próprio país, de detenção, ou de outra.
Pleno indicações são necessárias.
3. Desertores, fugitivos e refugiados são normalmente interrogado no suficientes
comprimento para permitir, pelo menos, um teste preliminar de bona fides. A experiência da os
anos do pós-guerra tem demonstrado que os desertores soviéticos (1) quase nunca
defeito exclusiva ou principalmente por causa do incentivo por um serviço Ocidental, (2)
costumam deixar a URSS, por razões pessoais e não ideológico, e (3) são
muitas vezes RIS agentes.
[Aprox. 9 linhas suprimido]
Todas as análises do fluxo de refugiados desertor têm mostrado que os serviços são Orbit
bem cientes das vantagens oferecidas por esse canal como um meio de plantio
os seus agentes nos países de destino.
[Aprox. 14 linhas suprimido]
4. Transferido fontes referidas KUBARK por outro serviço para interrogatório
geralmente são suficientemente conhecidos para o serviço de transferência de modo que um
arquivo possui foi aberto. Sempre que possível, KUBARK devem assegurar uma cópia do
arquivo ou dos seus equivalente informativo completo antes de aceitar a custódia.
5. Os agentes são mais freqüentemente informados de interrogados. [Aprox. 3 linhas
suprimido] como uma ferramenta analítica. Se é então estabelecida ou fortemente suspeita de que
o agente pertence a uma das seguintes categorias, uma investigação mais aprofundada e,
eventualmente, o interrogatório normalmente seguem.

a. Provocateur. Muitos são os agentes de provocação walk-ins posando como fugitivos,


refugiados ou desertores, a fim de penetrar em grupos emigrados, inteligência ODYOKE,
ou outros alvos designados pelos serviços hostil. Apesar de denúncias por verdadeiros
refugiados e outros títulos de informações obtidas a partir de documentos, locais
funcionários, e outras fontes, como pode resultar em exposição, a detecção de provocação
freqüentemente depende de interrogatórios qualificados. A seção posterior deste manual
lida com os testes preliminares de bona fides. Mas os resultados preliminares
testes são muitas vezes inconclusivos, e interrogatório detalhado é freqüentemente essencial para
confissão e revelação completa. Posteriormente, o provocador pode ser questionado por
informações operacionais e positivos, bem como contra-inteligência, desde que é bom tomar
conhecimento de seu estado durante o interrogatório e, mais tarde, quando elaboração dos
relatórios.

b. Double Agent. O interrogatório dos DA's freqüentemente segue uma determinação ou


forte suspeita de que o casal está "dando margem" para o serviço do adversário. Como
também é verdadeiro para o interrogatório de provocadores, completa preliminar
investigação irá pagar dividendos bonito quando questionado se a caminho. Em
verdade, é um princípio básico de interrogatório que o entrevistador deve ter em sua
eliminação, antes de consultar começa, como a informação pertinente quanto pode ser
recolhidas sem o conhecimento do interrogatee prospectivo.
[2 / 3 da página suprimido]

d. Vigaristas e os fabricantes são geralmente interrogados por motivos profiláticos, mas nãopara
contra-informações. O objetivo é a prevenção ou a anulação
de danos KUBARK, para outros serviços ODYOKE Swindlers e os fabricantes têm
pouco do significado de CI para comunicar, mas são vagabundos notoriamente hábil.
Interrogatório deles geralmente é inconclusivo e, se prolongada, não gratificante. A
mascate profissional com vários contatos IS pode revelar-se uma exceção, mas ele vai
costumam dar margem a um serviço de segurança do host, caso contrário ele não pode
função com a impunidade.

B. Tipos de Fontes: Categorias Personalidade


O número de sistemas concebidos para a categorização dos seres humanos é grande, e mais deles
são de validade duvidosa. Vários esquemas categóricas são descritas em
tratados sobre o interrogatório. As duas categorias mais freqüentes são preconizadas
psicológica-emocional e geográfico-cultural. Aqueles que defendem o ex-
argumentam que os padrões básicos emocionais e psicológicos não variou significativamente
com o tempo, lugar ou cultura. A última escola mantém a existência de um caráter nacional e as
categorias sub-nacional, e guias de interrogatório com base
neste princípio recomendar abordagens adaptadas às culturas geográficas.
É manifestamente verdade que a fonte de interrogatório não pode ser compreendida em um
vácuo, isoladas do contexto social. É igualmente verdade que alguns dos mais flagrantes erros
nos interrogatórios (e outros processos operacionais) resultaram de
ignorando fundo da fonte. Além disso, emocional e psicológico
esquematizações apresentam às vezes extremos atípicos, em vez de os tipos de
as pessoas comumente encontradas pelos interrogadores. Essas tipologias também causar
divergências até mesmo entre profissionais psiquiatras e psicólogos.
Interrogadores que adotá-los e que nota em uma interrogatee um ou dois dos
características do "tipo A" pode erroneamente atribuir a fonte das categorias A e
assumir os traços remanescentes.
Por outro lado, existem objecções válidas para a adopção de-cultural
categorias geográficas para fins de interrogatório (no entanto, podem ser válidos como
conceitos KUCAGE). As armadilhas da ignorância da cultura distinta da
origem têm "[aprox. 4 linhas suprimido] [aprox. 8 linhas suprimido]." (3)
A solução ideal seria evitar todas as categorizar. Basicamente, todos os regimes de
rotular as pessoas estão erradas, por si só, aplicadas de forma arbitrária, eles sempre produzem
distorções. Cada interrogador sabe que uma real compreensão do indivíduo
vale muito mais do que um profundo conhecimento deste ou daquele pombo-buraco para o qual
ele foi expedido. E para fins de interrogatório as maneiras pelas quais ele
difere do tipo abstrato pode ser mais significativa do que as maneiras pelas quais ele
conforma.
Mas KUBARK não dispõe de tempo ou de pessoal para sondar as profundezas do
individualidade de cada fonte. Nas fases de abertura do interrogatório, ou em uma rápida
interrogatório, somos obrigados a fazer algum uso da taquigrafia da
categorizar, apesar de distorções. Assim como outros assessores de interrogatório, um regime de
categorias é útil somente se reconhecido por aquilo que é - um conjunto de etiquetas que
facilitem a comunicação, mas não são as mesmas que as pessoas assim rotuladas. Se um
interrogatee está persistentemente, um interrogador pode relatar e descartá-lo como um
"Mentiroso patológico". No entanto, essas pessoas podem possuir contra-espionagem (ou outro)
informações bastante valor igual ao que realizou por outras fontes, e os provável interrogador
para chegar a ele é o homem que não se contenta com a rotulagem mas está tão interessado em
saber por que o assunto está em como o que fica a cerca.
Com todas estas reservas, então, e com a observação adicional que os
que acham destas categorias psicológica-emocional pragmaticamente valiosos devem
usá-los e quem não deve deixá-los sozinhos, os nove tipos são descritos. As categorias são
baseadas no fato de que o passado de uma pessoa é sempre se traduz, no entanto dimily, em sua
ética e comportamento presente. Cães velhos podem aprender truques novos, mas não novas
formas de aprendizagem deles. As pessoas mudam, mas o que parece ser um comportamento
novo ou um novo padrão psicológico geralmente é apenas um
variante do velho tema.
Não se afirma que o sistema de classificação aqui apresentada está completa, alguns
interrogatees não se encaixam em qualquer um dos grupos. E como todos os outros
tipologias, o sistema é atormentado por sobreposições, de modo que alguns vão interrogatees
apresentam características de mais de um grupo. Acima de tudo, o interrogador deve lembre-se
que encontrar algumas das características do grupo em uma única fonte não garante uma
conclusão imediata de que a fonte "pertence ao"
grupo, e ainda que a rotulagem correta não é o equivalente a compreensão
pessoas, mas apenas uma ajuda para a compreensão.

Os nove grandes grupos dentro da categoria psicológica-emocional adotado para


deste manual são os seguintes.

1. O caráter ordeiro, obstinado. Pessoas nesta categoria são caracteristicamente


sóbrio, ordeiro e frio; freqüentemente eles são muito intelectual. Eles não são
impulsiva no comportamento. Eles tendem a pensar sobre as coisas de forma lógica e agir
deliberadamente. Eles geralmente tomam decisões muito lentamente. Eles são muito menos
propensos a tornar real sacrifícios pessoais para uma causa que para usá-los como um meio
temporário de obter um ganho pessoal permanente. Eles são misteriosos e relutantes em confiar
em ninguém seus planos e tramas, que se referem freqüentemente a
derrubada de alguma forma de autoridade. Eles também são mais difíceis, embora possam
cooperação ou mesmo fingir acreditar que eles estão cooperando. Eles enfermeira
rancores.
O caráter ordeiro, teimoso se considera superior a outras pessoas.
Às vezes seu senso de superioridade é entrelaçada com uma espécie de pensamento mágico que
inclui todos os tipos de superstições e fantasias sobre como controlar o seu
ambiente. Ele pode até ter um sistema de moralidade que é todo seu. Ele
às vezes gratifica o seu sentimento de superioridade secreta provocando injusta
o tratamento. Ele também tenta, caracteristicamente, para manter aberta uma linha de fuga por
evitando qualquer compromisso real para qualquer coisa. Ele é - e sempre foi -
intensamente preocupados com seus bens pessoais. Ele geralmente é um pão-duro que
salva tudo, tem um forte senso de decoro, e é pontual e arrumado. Sua
dinheiro e outros bens têm para ele uma qualidade e personalizado, pois eles são peças
de si mesmo. Muitas vezes ele leva em torno de moedas brilhantes, lembranças, um molho de
chaves, e outros objectos, tendo para si um valor real ou simbólico.
Normalmente, o caráter ordeiro, teimoso tem uma história de rebelião em
infância, da persistência fazendo exatamente o oposto do que é dito para fazer. Como um
adulto, ele pode ter aprendido a disfarçar sua resistência e tornar-se passiva-
agressivo, mas sua determinação para conseguir o seu próprio caminho não é alterada. Ele
limitou-se a aprenderam como proceder indiretamente, se necessário. O medo eo ódio profundo
de autoridade, que persiste desde a infância, é muitas vezes bem escondido na idade adulta, em
exemplo, uma pessoa pode confessar com facilidade e rapidez no interrogatório, mesmo aos atos
que não cometeu, a fim de lançar o interrogador fora da fuga de um descoberta significativa (ou,
mais raramente, por causa dos sentimentos de culpa).
O interrogador que está lidando com um personagem regular-obstinada deve evitar
o papel da entidade hostil. Ameaças e gestos ameaçadores, murros na mesa,
pulando em cima de subterfúgios ou mentiras, e todas as táticas da mesma forma autoritária só
despertar em um assunto tão velho suas ansiedades e mecanismos de defesa habitual. Para
alcançar a harmonia, o interrogador deve ser amigável. Ele provavelmente irá provar gratificante
se o quarto eo olhar interrogador excepcionalmente pura. Ordenada- interrogatees obstinada
freqüentemente coletam moedas ou outros objectos, como um hobby, o tempo gasto em
compartilhar os seus interesses possam descongelar um pouco do gelo. Estabelecer uma relação é
extremamente importante quando se lida com esse tipo. [cerca de 3 linhas suprimido] (3)

2. O caráter otimista. Este tipo de fonte é quase sempre happy-go-


sorte, impulsivo, incoerente e pouco confiável. Ele parece gostar de uma
continuando estado de bem-estar. Ele pode ser generoso a uma falha, dando aos outros como ele
quer ser enviados. Ele pode se tornar um viciado em álcool ou drogas. Ele não é
capazes de resistir a uma pressão muito grande, ele não reage a um desafio, aumentando
seus esforços, mas por fugir para evitar o conflito. Suas convicções que
"Alguma coisa vai aparecer", que "tudo vai dar tudo certo", é baseada em sua
necessidade de evitar a sua própria responsabilidade, para eventos e dependem de um destino
amável.
Essa pessoa normalmente tem um grande excesso de indulgência no início da vida. Ele é
às vezes, mais jovem membro de uma família grande o filho de um meia-idade
mulher (a chamada "mudança de vida do bebê"). Se ele se reuniu frustrações grave em
depois da infância, ele pode ser petulante, vingativo e sempre exigente.
Como fontes de interrogatório, os personagens optimistas respondem melhor a uma gentileza,
parental abordagem. Se a retenção na fonte, que muitas vezes pode ser tratado eficazmente pelo
Mutt-e- técnica Jeff discutido mais adiante neste artigo. táticas de pressão ou hostilidade fará
lhes retiro dentro de si, enquanto confiança irá levá-los para fora. Eles tendem a procurar
promessas, para lançar o interrogador no papel de protetor e
solucionador de problemas, e é importante que o interrogador evitar fazer qualquer
promessas específicas que não podem ser cumpridas, porque o otimismo voltou vingativa é
provavelmente será problemático.
3. Os gananciosos, exigindo personagem. Este tipo de pessoa que apõe-se a
outros como uma sanguessuga e se apega obsessivamente. Embora extremamente dependente e
passiva, ele exige constantemente que os outros cuidar dele e satisfazer os seus desejos. Se ele se
considera injustiçado, ele não procurar reparação através de seu
próprios esforços, mas tenta convencer o outro para pegar os porretes em seu nome -
"Vamos lutar contra você e ele." Sua lealdade é susceptível de mudar quando ele sente que o
promotor a quem ele escolheu tem decepcioná-lo. Desertores deste tipo se sentir
prejudicada porque seus desejos não estavam satisfeitos em seus países de origem, mas
logo eles se sintam igualmente necessitadas da terra segundo turno e contra seu governo
ou representantes da mesma maneira. O caráter ambicioso e exigente é
sujeita a depressões mais freqüentes. Ele pode dirigir um desejo de vingança
interior, sobre si mesmo, em casos extremos, o suicídio pode resultar.
O caráter, ganancioso exigindo muitas vezes sofria de privação muito precoce da
afeto ou segurança. Quando adulto, ele continua a procurar os pais substitutos, que serão
cuidar dele como se fosse sua, ele se sente, não o fez.
O interrogador lidando com um personagem, gananciosos exigentes não deve ser cuidadosa a
rejeição dele, caso contrário rapport serão destruídos. Por outro lado, o
interrogador não deve ceder às reivindicações que não podem ou não devem ser cumpridas.
Adotando o tom de um pai ou irmão mais velho, o entendimento é susceptível de tornar o
assunto sensível. Se ele faz pedidos exorbitantes, um favor sem importância pode
fornecer um substituto satisfatório porque a demanda não decorre de uma específica
precisa, mas como uma expressão da necessidade do sujeito de segurança. Ele é susceptível de
encontrar reconfortante qualquer manifestação de preocupação com seu bem-estar.
Ao lidar com este tipo - e em grande medida para lidar com qualquer um dos
os tipos listados aqui - o interrogador deve estar consciente dos limites e armadilhas
da persuasão racional. Se ele pretende induzir a cooperação por um apelo à lógica,
ele deve primeiro determinar se a resistência da fonte é baseada na lógica. A
olhar de apelação fora ineficaz se a resistência é totalmente ou principalmente emocional
ao invés de racional. resistência emocional pode ser dissipada apenas pelo emocional
manipulação.

4. O personagem, ansioso egocêntrica. Embora esta pessoa está com medo, ele é
engajados em uma luta constante para esconder seus medos. Ele é freqüentemente um temerário
que compensa sua ansiedade fingindo que não existe tal coisa como
perigo. Ele pode ser um inseto ou truque artista de circo que "prova" a si mesmo antes de
multidões. Ele também pode ser um Don Juan. Ele tende a vangloriar-se e, muitas vezes através
de mentiras fome por aprovação ou louvor. Como um soldado ou oficial pode ter sido
condecorado por bravura, mas se assim for, seus companheiros podem suspeitar que suas
façanhas resultou de um prazer em se expor ao perigo e ao antecipado
delícias da recompensa, aprovação e aplausos. A ansiedade, auto-centrada
personagem é geralmente intensa vaidoso e igualmente sensíveis.
Pessoas que apresentam essas características são realmente incomum medo. As causas de
ansiedade intensa escondida são demasiado complexas e sutis para permitir a discussão do
assunto neste artigo.
De maior importância para o interrogador que as causas é a oportunidade
fornecidas pela ansiedade oculta para a manipulação bem sucedida da fonte. Sua
desejo de impressionar geralmente será rapidamente evidente. Ele é susceptível de ser volúvel.
Ignorar ou ridicularizar sua ostentação, ou cortar-lhe a palavra com uma demanda que
discutir os casos, é provável que fazê-lo ressentido e para parar o fluxo. Jogando
sobre sua vaidade, especialmente elogiando sua coragem, geralmente será um sucesso
tática se empregadas com habilidade. Ansioso, interrogatees egocêntricos que estão
retenção de fatos significativos, tais como o contacto com um serviço hostil, são mais prováveis
divulgar, se sentir que a verdade não será usada para prejudicá-los e se a
interrogador salienta também a insensibilidade e estupidez do adversário
enviar uma pessoa tão valente em cima de tão mal preparada uma missão. Há pouco a ser
adquirida e muito a perder, expondo as mentiras menos importantes deste tipo de
fonte. Gross mentiras sobre atos de bravura, ousadia sexual, ou outras "provas" da
coragem e virilidade são melhor atendidas com o silêncio ou com amigável, mas
respostas evasiva, a menos que consome uma quantidade excessiva de tempo. Se
uso operacional é contemplado, o recrutamento pode às vezes ser efectuadas
através de consultas, tais como, "Eu me pergunto se você estaria disposto a realizar uma
missão perigosa. "

5. O caráter de culpa. Esse tipo de pessoa tem um forte cruel, realista


consciência. Toda a sua vida parece dedicada a reviver os seus sentimentos de culpa.
Às vezes ele parece determinado a reparar, em outros momentos ele insiste que
o que deu errado é culpa de alguém. Em qualquer caso, ele procura
constantemente alguma prova ou indicação externa que a culpa dos outros é maior
que a sua própria. Ele é muitas vezes apanhados completamente em esforços para provar que ele
tem sido tratados injustamente. Na verdade, ele pode provocar um tratamento injusto, a fim de
aplacar a sua consciência através da punição. Jogadores compulsivos que não encontram prazer
em ganhar, mas não encontram alívio na perda de pertencer a esta classe. Então faça pessoas que
falsamente confessar crimes. Às vezes, essas pessoas realmente cometer crimes, a fim de
confessar e ser punido. Masoquistas também pertencem a esta categoria.
As causas da maioria dos complexos de culpa são erros reais ou imaginárias feito para os pais ou
outros que o sujeito achava que devia amor e honra. Como essas crianças
pessoas podem ter sido freqüentemente repreendido ou punido. Ou eles podem ter sido
"Modelo" de crianças que reprimiu todas as hostilidades naturais.
O caráter de culpa é difícil de interrogar. Ele pode "confessar" hostil
atividade clandestina, ou outros atos de interesse para KUBARK, no qual ele não foi
envolvidas. As acusações feitas contra ele pelo interrogador são susceptíveis de desencadear tais
confissões falsas. Ou ele pode permanecer em silêncio quando acusado, apreciando o "Castigo".
Ele é um sujeito pobre para LCFLUTTER. A complexidade de lidar com interrogatees
consciência-montado variam tanto de um caso para que seja
quase impossível listar som princípios gerais.
Talvez o melhor conselho é que o interrogador, uma vez alertados por informações
do processo de triagem (ver parte VI) ou pela excessiva do sujeito
preocupação com os juízos morais, deve ser tratada como suspeita e subjetivas
qualquer informação fornecida pelo interrogatee sobre qualquer assunto que seja de moral
preocupação para ele. Pessoas com intensos sentimentos de culpa pode deixar de resistência e
cooperar, se punido de alguma maneira, por causa da gratificação induzida por punição.

6. O caráter destruído pelo sucesso está intimamente relacionado com o sentimento de culpa
personagem. Esse tipo de pessoa não tolera o sucesso e atravessa a vida
falhando em pontos críticos. Ele muitas vezes é propenso a acidentes. Normalmente ele tem uma
longa história de ser promissor e de quase completar um trabalho significativo, ou conquista, mas
não trazê-lo fora. O personagem que não pode ficar sucesso
goza de suas ambições enquanto eles permanecem fantasias, mas garante que de alguma forma
eles não vão ser cumpridas na realidade. Conhecidos muitas vezes sentem que seu sucesso é ao
virar da esquina, mas algo sempre intervém. Na realidade este
algo é um sentimento de culpa, do tipo descrito acima. A pessoa que
evita o sucesso tem a consciência que proíbe os prazeres da realização
e reconhecimento. Ele freqüentemente projetos de seus sentimentos de culpa e sente que todos os
seus falhas foram culpa de alguém. Ele pode ter uma forte necessidade de sofrer e pode procurar
perigo ou lesão.
Como interrogatees essas pessoas que "não pode ficar prosperidade" não representam especiais
problema a menos que o interrogatório colide com os seus sentimentos de culpa ou a razões para
os seus fracassos passados. Em seguida, as distorções subjetivas, não em fatos, será o resultado.
O interrogador sucesso irá isolar essa área de instabilidade.

7. O esquizóide ou estranho personagem vive em um mundo de fantasia muito do tempo.


Às vezes ele parece ser incapaz de distinguir a realidade do reino de sua própria
criando. O mundo real lhe parece vazia e sem sentido, em contraste com
o mundo misteriosamente significativo que ele tenha feito. Ele é extremamente intolerante
qualquer frustração que ocorre no mundo externo e trata-lo com a retirada em
o reino interior.
Ele não tem nenhum apego genuíno aos outros, embora ele possa anexar simbólico e
significados particulares ou valores a outras pessoas.
As crianças criadas em lares carentes de afeto e atenção ordinária ou
orfanatos ou comunas estatais podem se tornar adultos que pertencem a esta
categoria. Desapontado em primeiros esforços para se unir a outro, tornam-se
desconfiados de anexos e voltar para dentro. Qualquer ligação a um grupo ou país será
inconfiável e, como regra, transitório. Ao mesmo tempo, o caráter esquizóide
precisa de aprovação externa. Embora ele se retira da realidade, ele não quer
sentem-se abandonadas.
Como interrogatee o caráter esquizóide é provável que caia rapidamente para conseguir a
aprovação.
Ele vai dizer o interrogador que ele acha que o interrogador quer ouvir em
Para ganhar o prêmio de ver um sorriso no rosto do interrogador. Porque ele é
nem sempre é capaz de distinguir entre realidade e fantasia, ele pode ser
conhecimento de mentir. O desejo de aprovação prevê que o interrogador com um
punho. Considerando que as acusações de mentir ou outras indicações de depreciação será
provocar a retirada da situação, provocando a verdade fora do esquizóide
assunto não pode ser difícil, se ele está convencido de que ele não irá incorrer em favor
através de declarações inexactas ou favorecido pelas dizendo a verdade.
Como o personagem de culpa, o caráter esquizóide pode ser um pouco fiáveis
sujeito ao controlo de LCFLUTTER porque suas necessidades internas levam a confundir
realidade com fantasia. Ele também é susceptível de contribuir para um agente confiável por
causa de sua incapacidade de lidar com os fatos e formar relacionamentos reais.

8. A exceção acredita que o mundo lhe deve muito. Ele sente que
sofreu uma injustiça, geralmente no início da vida, e deve ser reembolsado. Às vezes
a injustiça foi dispensado de forma impessoal, pelo destino, como uma deformidade física, um
extremamente dolorosa enfermidade ou operação na infância, ou a perda precoce de um dos pais
ou ambos. Sentindo que estas desgraças foram imerecida, as excepções em conta los como as
injustiças que alguém ou algo deve corrigir. Portanto, eles afirmam
como seus privilégios direito não é permitido outros. Quando o pedido é ignorado ou
negada, as exceções se tornam rebeldes, como os adolescentes costumam fazer. Eles são
convencido de que a justiça da reivindicação é clara para que todos possam ver e que qualquer
decisão de recusa conceder-se voluntariamente maligno.
Quando interrogado, as exceções são propensos a fazer exigências de dinheiro,
auxílio, reinstalação e outros favores - demandas que estão completamente fora de
proporcionalmente ao valor de suas contribuições. Todas as respostas ambíguas para tal
demandas será interpretado como aquiescência. De todos os tipos aqui considerados,
a exceção é mais provável para realizar uma suposta injustiça lhe dado por KUBARK ao
jornais ou nos tribunais.
A melhor linha geral a seguir no tratamento daqueles que acreditam que eles são
exceções é ouvir atentamente (dentro de prazos razoáveis) aos seus
agravos e ao assumir compromissos que não podem ser completamente descarregada.
Desertores dos serviços de inteligência hostis, duplos, provocadores e outros
que tiveram mais do que passar o contato com um serviço sino-soviética poderão, se
pertencem a esta categoria, revelar invulgarmente sensível às sugestões da
interrogador que tenham sido tratados injustamente pelo outro serviço. Qualquer
uso operacional prevista para essas pessoas devem ter em conta o fato de que
eles não têm senso de lealdade a uma causa comum e é provável que por sua vez
aggrievedly contra superiores hierárquicos.

9. O personagem médio ou normal não é uma pessoa totalmente carente no


características dos outros tipos. Ele pode, de fato mostra, a maioria ou todos eles
de vez em quando. Mas nenhum deles é persistente dominante, a média
qualidades do homem de obstinação, o otimismo irrealista, ansiedade, eo resto não são
imperiosa ou imperiosa exceto para intervalos relativamente curtos. Além disso, sua
reações ao mundo ao seu redor são mais dependentes de eventos em que o mundo
e menos o produto de rígida, padrões subjetivos do que acontece com os outros tipos
discutidos.

Outras pistas C.
[Aprox. 4 linhas suprimido]
O desertor verdade (como distinguido do agente hostil em disfarce desertor) é
susceptíveis de ter um histórico de oposição à autoridade. O fato triste é que os desertores
que deixou sua terra natal porque não poderiam se dar bem com sua imediata
ou superiores final também são susceptíveis de se rebelar contra as autoridades dos novos
ambiente (um fato que normalmente desempenha um papel importante na redefection).
Portanto desertores são susceptíveis de serem encontradas nas fileiras da ordem, obstinado, os
gananciosos e ridicularizando, o esquizóides, e as exceções.
Experiências e análises estatísticas realizadas na Universidade de Minnesota em causa as
relações entre ansiedade e as tendências de filiação (desejo de estar com outras pessoas), por um
lado, e à posição ordinal (posição na sequência do nascimento), por outro. Algumas das
conclusões, embora necessariamente provisória e
especulativa, tem alguma relevância para interrogatório. (30). Como é observado na
bibliografia, os investigadores concluíram que o isolamento normalmente cria ansiedade,
que a ansiedade se intensifica o desejo de estar com pessoas que compartilham o mesmo medo, e
que filhos únicos e primogênitos são mais ansiosos e menos dispostos ou capazes de suportar a
dor do que as crianças mais tarde-nascidos. Outras hipóteses são de que aplicável o medo
aumenta as necessidades de filiação das crianças primogênito e só muito mais do que os da tarde-
nascidos. Essas diferenças são mais pronunciadas em pessoas
de famílias pequenas, em seguida, aqueles que cresceram em famílias grandes. Por último,
apenas as crianças são muito mais propensos a se manterem juntos e persistem em ansiedade
produzindo situações que são os primeiros-nascidos, que mais freqüentemente tenta recuar.
Em outros aspectos importantes - a intensidade da ansiedade e da necessidade emocional de filial
- não houve diferenças significativas entre os "primeiros" e "onlies" foram descobertos.
Daqui resulta que a determinação "a posição ordinal" o assunto antes de questionar
começa pode ser útil para o interrogador. Mas dois cuidados estão em ordem. O primeiro
é que os resultados são, nesta fase, apenas hipóteses levantadas. A segunda é
que, mesmo se eles se confirmarem para grandes grupos, os dados são como aqueles em
tabelas atuariais, pois eles não têm valor preditivo para indivíduos específicos.

Triagem e outras preliminares


A. Screening
[Aprox. 03/02 linha suprimido] algumas grandes estações são capazes de realizar preliminar
exames psicológicos antes de iniciar o interrogatório. O objectivo do rastreio é
para fornecer o interrogador, antecipadamente, com uma leitura sobre o tipo e
características do interrogatee. Recomenda-se que a triagem seja
realizado, sempre que o pessoal e as instalações o permitam, salvo se for razoavelmente
certeza de que o interrogatório será de menor importância ou que o interrogatee
é totalmente cooperativo.
A seleção deve ser conduzida pelos entrevistadores, não interrogadores; ou pelo menos a
assuntos não devem ser rastreados pelo mesmo pessoal que vai KUBARK
interrogá-los mais tarde.
[Aprox. 10 linhas suprimido]
Outras ajudas testes psicológicos são melhores administradas por uma psicóloga treinada.
Testes conduzidos pela American POW retornou à jurisdição dos EUA na Coréia
durante o Big e Little Switch sugerem que interrogatees prospectivos que mostram
resposta emocional normal no Rorschach e testes relacionados são mais prováveis
para provar cooperação no âmbito do interrogatório do que aqueles cujas respostas
indicar que eles estão apáticos e emocionalmente retraídas ou estéril. Extreme
resistentes, no entanto, compartilham as características de resposta dos colaboradores, pois eles
diferem a natureza ea intensidade de motivação em vez de emoções. "Uma análise dos registros
de teste objetivo e informação biográfica é uma amostra de 759 Big Switch repatria revelou que
os homens que tinham colaborado diferente de homens que tinham não das seguintes maneiras:
os colaboradores eram mais velhos, tinha completado mais anos de escola, pontuaram mais em
testes de inteligência administrada após
repatriamento, já tinha servido no Exército antes da captura, e teve maior
na escala de psicopatas Deviate - pd .... No entanto, os 5 por cento do
amostra noncollaborator que resistiram ativamente - que eram decorados pelo
Exército ou considerados "reacionários" pelos chineses - diferente do
restante do grupo, precisamente na mesma direção que o grupo de colaboradores e
não pode ser separado deste grupo sobre qualquer variável, exceto a idade, o
resistentes eram mais velhos do que os colaboradores. "(33)
Mesmo uma estimativa aproximada preliminar, se válido, pode ser uma bênção para o
interrogador porque vai permitir-lhe começar com a tática geral de som do
início - táticas adaptado à personalidade da fonte. Moloney Dr. tem
expressou a opinião, que podemos usar como exemplo disto, que o AVH
era capaz de conseguir o que queria do cardeal Mindszenty, porque o húngaro
serviço adaptado os seus métodos de interrogatório a sua personalidade. "Não pode haver
dúvida de que a preocupação Mindszenty com o conceito de tornar-se seguro e
poderosas através da entrega de si ao maior poder de todos eles - a sua
Deus ideia - o predispunha a resposta atingida em sua experiência com o
inteligência comunista. Para ele, a entrega do sistema de auto-autoritário
sistema foi natural, como foi o próprio princípio do martírio. "(28)
A tarefa de seleção é facilitado pelo fato de que o visualizador está interessado em
o assunto, não nas informações que ele possa possuir. A maioria das pessoas - mesmo
agentes de provocação muitos que têm sido treinados para recitar uma lenda - vai falar
com alguma liberdade sobre os acontecimentos da infância e relações familiares. E mesmo
o provocador que substitui uma pessoa fictícia de seu verdadeiro pai divulgará
alguns de seus sentimentos sobre seu pai, no decurso de detalhamento sobre a sua história
substituto imaginário. Se o visualizador aprendeu a colocar a fonte potencial de
facilidade, sentir o seu caminho ao longo de cada caso, a fonte é pouco provável que consideram
que um conversa informal sobre si mesmo se perigoso.
O visualizador está interessado em começar o assunto para falar sobre si mesmo. Uma vez que o
começa a fluir, o visualizador não deve tentar pará-lo com perguntas, gestos ou outros
interrupções até que a informação foi revelado suficientes para permitir uma áspera
determinação do tipo. O assunto é mais provável para falar livremente, se o visualizador de
forma simpática e paciente. Sua expressão facial não devem revelar especial
interesse em qualquer um comunicado, ele deve apenas parecer simpático e
compreensão. Dentro de pouco tempo a maioria das pessoas que começaram a falar
se voltar para as primeiras experiências, de modo que apenas ouvindo e
ocasionalmente, fazer uma observação, calmo incentivando o screener pode aprender um grande
negócio. perguntas de rotina sobre os professores da escola, empregadores e líderes de grupo,
para exemplo, vai levar o sujeito para revelar uma boa dose de como ele se sente sobre a sua
pais, superiores e outros de conseqüência emocional para ele por causa de vínculos associativos
em sua mente.
É muito útil se o screener pode colocar-se na imaginação do sujeito
posição. Quanto mais o screener sabe sobre área de vegetação nativa do sujeito e
background cultural, menos provável é que ele está a perturbar o assunto por um incongruente
observação. Comentários como: "Isso deve ter sido um momento ruim para você e sua família ",
ou" Sim, eu posso ver porque você estava com raiva ", ou" Parece excitante "são suficientemente
inócuo para não desviar o assunto, mas fornecer provas adequadas de interesse simpático.
Tasking lado do sujeito contra seus inimigos serve o
mesmo propósito, e comentários como "Isso é injusto, pois eles não tinham direito de
tratá-lo dessa forma "ajudará rapport e estimular novas revelações.
É importante que as anomalias ser vistos durante o processo de triagem.
Pessoas que sofrem de doença mental grave irá mostrar as principais distorções,
delírios ou alucinações e geralmente fornecem explicações bizarras para o seu
comportamento. Demissão ou encaminhamento rápido de doentes mentais com profissionais
especialistas poderão poupar tempo e dinheiro.
O segundo objectivo do rastreio e afins é permitir um palpite
sobre a atitude provável da fonte para o interrogatório. Uma estimativa do
se o interrogatee serão cooperativas ou recalcitrante é essencial para
planejamento, pois diferentes métodos são usados para lidar com esses dois
tipos.
Nas estações ou bases que não podem realizar o rastreamento em sentido formal, ainda é
vale a pena, enquanto o prefácio qualquer interrogatório importante, com uma entrevista do
fonte, conduzido por alguém que não o interrogador e projetado para
fornecer o máximo de informações de avaliação antes do início de interrogatório.
A menos que um efeito de choque é desejada, a transição da entrevista de triagem para
a situação de interrogatório não deve ser abrupta. Na primeira reunião com o
interrogatee é geralmente uma boa idéia para o interrogador passar algum tempo em
o mesmo tipo de intercâmbio, calmo amigável que caracteriza a seleção
entrevista. Mesmo que o interrogador tem agora o produto de rastreio, o
classificação em bruto, tipo, ele precisa compreender o assunto em suas próprias
termos. Se ele é imediatamente agressiva, ele impõe ao primeiro interrogatório
sessão (e de forma decrescente em sessões subsequentes) também arbitrária um
padrão. Como um perito disse: "Quem procede sem consideração
o poder disjuntiva de ansiedade nas relações humanas nunca vai aprender
entrevistar. "(34)

B. Outros procedimentos preliminares


[Aprox. 2 linhas suprimido] O tratamento preliminar dos outros tipos de interrogatório
fontes geralmente é menos difícil. Basta para o efeito apresentar a lista
os seguintes princípios:

1. Todas as informações pertinentes devem ser reunidos e estudados antes


o interrogatório em si é planejado, muito menos realizado. Uma onça de
investigação pode valer a pena uma libra de perguntas.
2. Uma distinção deve ser feita o mais cedo possível entre as fontes que vão
ser enviadas para [aprox. 02/01 linha excluída site organizado e equipado para interrogatório e
aqueles cujos interrogatórios serão concluídas até a base ou estação com
qual o contato é estabelecido pela primeira vez.
3. O procedimento sugerido para chegar a uma avaliação preliminar do walk-ins
continua a ser o [aprox mesmo. 4 linhas suprimido]
Os pontos-chave são repetidas aqui para facilidade de referência. Estes testes preliminares
se destinam a completar a análise técnica de um pé-no de documentos,
questões de fundo sobre o alegado pátria ou ocupação, e outros
inquéritos padrão. As perguntas a seguir, se solicitado, deve ser colocada logo
possível após o contato inicial, enquanto o walk-in ainda está sob estresse, e antes

Ele adaptou-se uma rotina.


a. O walk-in podem ser convidados a identificar todos os parentes e amigos na área, ou
mesmo país, em que PBPRIME asilo é solicitada pela primeira vez. Traços deve ser
executar rapidamente. agentes de provocação às vezes são dirigidas ao "defeito" em seus
áreas-alvo, e os amigos ou familiares que já estão no local podem ser activos hostil.
b. Na primeira entrevista o entrevistador deve estar atento às frases ou
conceitos característicos da atividade de inteligência ou CP e deve registrar leva tais
se está prevista a segui-los por cerca de interrogação sobre a [local. 1 linha
suprimido]
c. LCFLUTTER deve ser usado se for viável. Se não, o walk-in podem ser solicitados a realizar
tais testes em uma data posterior. As recusas devem ser registradas, bem como indicações de que
o walk-in foi informada sobre a técnica por outro serviço. A maneira como a natureza do walk-in
é a reação à proposta devem ser observados.
d. Se a seleção LCFLUTTER. inquérito, ou quaisquer outros métodos permitem estabelecer uma
história prévia de inteligência, as seguintes informações mínimas devem ser obtidos:
[Aprox. 1 / 3 de página] excluído (7
[Aprox. 1 / 2 página foi eliminada]
h. [Aprox. 3 linhas suprimido]
[Página inteira redigida, com exceção de "4". cerca de três quartos do caminho para baixo da
página]
[Aprox. 4 linhas suprimido]
5. Todos os documentos que tenham relação com o estudo planeado interrogatório de mérito.
Documentos do bloco de países, ou que estejam em qualquer aspecto incomum ou
desconhecidos, são normalmente enviados para o campo próprio ou sede componente
para a análise técnica.
6. Se durante a seleção ou em qualquer fase de interrogatório pré-outros se verificar que
a fonte tenha sido interrogado antes, este fato deve ser comunicado ao
interrogador. Agentes, por exemplo, estão acostumados a ser questionados
repetidamente e profissionalmente. Então são pessoas que foram presas várias
tempos. Pessoas que tiveram uma formação prática em ser interrogado se
temas sofisticados, capazes de detectar a incerteza, os truques óbvios, e outros
fraquezas.
C. Resumo
Triagem e outros procedimentos preliminares ajudará o interrogador - e
sua base, a estação, [uma ou duas palavras suprimidas] para decidir se o potencial
fonte (1) é provável que possuem contra-útil por causa da associação
com um serviço de estrangeiros ou do Partido Comunista e (2) é provável que cooperam
voluntariamente ou não. Armado com estas estimativas e com o que insights
triagem tem fornecido à personalidade da fonte, o interrogador é
pronto o plano.
Planejamento Contra o interrogatório

A. A natureza da interrogação Counterintelligence


O objetivo de longo alcance de interrogatório CI é obter da fonte de todos os
contra-informação útil que ele tem. O objetivo de curto alcance é pedir sua colaboração para este
fim, ou, se ele é resistente, para destruir sua capacidade de resistência e substituí-lo com uma
atitude cooperativa. As técnicas utilizadas em anulando a resistência, induzindo o respeito e,
eventualmente, provocando voluntária cooperação são discutidos na Parte VIII deste manual.
Não há dois interrogatórios são os mesmos. Todo o interrogatório é um formato definitivo pelo a
personalidade do código-fonte - e do interrogador, porque o interrogatório é um
um processo intensamente interpessoal. Todo o propósito de triagem e um maior
objetivo da primeira fase do interrogatório é sondar os pontos fortes e fraquezas do sujeito. Só
quando estas foram criadas e entendido é que se torna possível planejar de forma realista.
Planejamento interrogatório do IC de uma fonte de resistência requer uma compreensão
(Seja formalizada ou não) da dinâmica da confissão. Aqui estudo Horowitz
da natureza da confissão é pertinente. Ele começa perguntando por confissões
ocorrer em todos. "Por que nem sempre descaramento quando confrontado com a acusação? Por
uma pessoa condenar-se através de uma confissão, quando, na pior das hipóteses, não confissão
iria deixá-lo, pelo menos, tão bem (e possivelmente melhor )...?" Ele respostas que as confissões
obtidas sem coação são geralmente o produto da
nas seguintes condições:

1. A pessoa é acusada, explícita ou implicitamente, e se sente acusado.


2. Como resultado da sua liberdade psicológica - na medida em que ele se sente capaz de fazer o
que ele quer - é limitada. Este sentimento não precisa corresponder ao confinamento ou a
qualquer outra realidade externa.
3. O acusado se sente defensivo porque ele está no terreno incerto. Ele não
sabe o quanto o acusador sabe. Como resultado, o arguido "não tem nenhuma fórmula para
comportamento adequado, sem papel, se você quiser, que ele pode utilizar nesta situação. "
4. Ele percebe o acusador que representa a autoridade. A menos que ele acredita que
poderes do acusador excedem em muito seu, é improvável que ele se sente encurralado e
defensiva. E se ele "percebe que a acusação é apoiada pelas evidências 'real',
a relação de forças externas à sua própria força é aumentada e da pessoa
posição psicológica é agora mais precária. É interessante notar que, em
tais situações, o arguido tende mais resposta, ou exagerada resposta, à hostilidade e exibir
emocional; a auto-justiça, para combater acusação, a defesa .... "
5. Ele deve acreditar que ele é cortado de amistoso ou forças de apoio. Se ele
faz, ele próprio se torna a única fonte de sua "salvação".
6. "Outra condição, que é provavelmente necessário, embora não seja suficiente
para a confissão, é que o arguido se sente culpado. Uma possível razão é que um
sentimento de culpa promove a auto-hostilidade. "Deve ser igualmente claro que se o
pessoa não sente culpa que ele não está na sua própria mente culpada e não confessar
um ato que os outros podem considerar como um mal ou errado e ele, de fato, considera
correta. Confissão em tal caso, só pode vir com a coação, mesmo quando todos os
outras condições mencionadas anteriormente pode prevalecer. "
7. O acusado, por fim, é empurrado para longe o suficiente ao longo do caminho em direção à
confissão que é mais fácil para ele continuar a girar para trás. Ele percebe a confissão como a
única saída para sua situação e para a liberdade. (15)
Horowitz foi citado e resumido em alguma extensão, pois é
considerou que o precede é uma conta, basicamente, o som dos processos que
evocam confissões a partir de fontes cuja resistência não é forte no início,
que não tenham anteriormente sido confrontados com a detenção e interrogatório, e
que não tenham sido treinados por um adversário de inteligência ou serviço de segurança em
técnicas de resistência. Um jovem comunista ou desafeto ou agente, para
exemplo, pode ser levado à confissão e à cooperação sem o uso de qualquer
outras forças coercitivas externas do que a situação de interrogatório em si, através da
acima descritos progressão dos acontecimentos subjetivos.
É importante entender que o interrogatório, como situação e do processo,
faz por si só exercer uma pressão externa significativo sobre o interrogatee enquanto
ele não é permitido em se acostumar a isso. Alguns psicólogos traçar esta
efeito de volta para as relações infantis. Meerlo, por exemplo, diz que cada verbal
relação se repete em algum grau o padrão de início de relações verbais
entre pais e filhos. (27) Um interrogatee, em particular, é provável que vejamos a
interrogador como um pai ou mãe-símbolo, um objeto de suspeita e resistência
ou de aceitação submissa. Se o interrogador desconhece essa unconcsious
processo, o resultado pode ser uma batalha confusa de atitudes submerso, na qual o
palavras são muitas vezes apenas um disfarce para a luta a ser travada na independentes
níveis mais baixos de ambas as personalidades. Por outro lado, o interrogador que faz
compreender esses fatos e que sabe como transformá-los em seu benefício pode
não precisa de recorrer a quaisquer pressões maiores do que aquelas que decorrem directamente
do definição de interrogatório e função.
Obviamente, muitos indivíduos resistentes do contra-interrogatório não pode ser
trouxe para a cooperação, ou mesmo para o cumprimento, mas apenas através de pressões que
que geram dentro de si ou através do efeito unreinforced do situação de interrogatório. técnicas
manipulativas - ainda marcados para o indivíduo, mas
exercida sobre ele, fora de si - tornam-se então necessário. É um hipótese fundamental deste
manual que estas técnicas, o que pode bem sucedida, mesmo com fontes de alta resistência, são a
essência dos métodos de induzir regressão da personalidade a qualquer nível anterior e mais
fraco é necessária para a dissolução da resistência e da inculcação de dependência. Todos os
técnicas empregadas para romper um bloqueio de interrogatório, todo o espectro de isolamento
simples de hipnose e anestesia, são essencialmente formas de acelerar o processo de regressão.
Como o interrogatee desliza para trás do
maturidade para um estado mais infantil, seu aprendeu ou estruturados traços de personalidade
cair em uma ordem cronológica invertida, de modo que as características mais recentemente
adquirida - que são também as características desenhadas em cima do
interrogatee em sua própria defesa - são os primeiros a ir. Como Gill e Brenman têm
apontou, a regressão é basicamente uma perda de autonomia. (13)
Outra chave para o sucesso de interrogatório da fonte de resistência é o
prestação de uma racionalização aceitável para ceder. Como produto de regressão,
quase todos os opositores sentem a crescente tensão interna que resulta da vontade
simultaneamente, para ocultar e divulgar. Para escapar da crescente tensão, a
fonte pode agarrar qualquer razão para salvar a face de cumprimento - qualquer explicação que
irá aplacar tanto a consciência própria e da ira do ex-possível
superiores e colegas, se ele for devolvido ao controle comunista. É o
negócios do interrogador para fornecer a racionalização certo na hora certa.
Aqui também a importância do entendimento do interrogatee é evidente, o direito
racionalização deve ser um pretexto ou motivo que está adaptado à fonte de
personalidade.
O processo de interrogação é um continuum, e tudo o que acontece no
continuum influencia todos os acontecimentos posteriores. O processo contínuo, sendo
interpessoais, não é reversível. Portanto, é errado para abrir uma
contra-interrogatório, experimentalmente, com a intenção de abandonar infrutífera
abordagens, um por um até que um método de som é descoberto por acaso. A
falhas do interrogador, seus retiros dolorosa de becos sem saída, reforçar o
confiança da fonte e aumentar sua capacidade de resistir. Enquanto o interrogador
está se esforçando para aprender o assunto dos fatos que deveriam ter sido
estabelecidos antes de iniciado o interrogatório, o assunto é aprender mais e mais
sobre o interrogador.

Plano B. O Interrogatório
Planejamento para a interrogação é mais importante que os detalhes do plano.
Porque não há dois interrogatórios são iguais, o interrogatório não pode ser realisticamente
planejado de A a Z, em todas as suas indicações, desde o início. Mas pode e deve ser planejado
de A a F ou A M. As chances de falha em um CI não planejada
interrogatórios são inaceitavelmente elevado. Ainda pior, um "traço-de-independente"
abordagem pode arruinar as perspectivas de sucesso, mesmo se os métodos de som são utilizados
mais tarde.
A categoria de inteligência no qual a pessoa pertence, embora não determinante
para fins de planejamento, ainda é de alguma importância. O plano para o interrogatório
de um viajante que difere de outros tipos, porque o tempo disponível para questionamento é
geralmente breve. O exame de sua boa fé, portanto, é muitas vezes menor procura. Ele é
geralmente considerado como razoavelmente confiável que a sua identidade
e liberdade de associações de inteligência foram estabelecidos outros, se
verifica os registros não produzem informação depreciativa, se sua conta de sua
fundo é livre de omissões ou discrepâncias significativas sugerindo
retido na fonte, se ele não tentam obter informações sobre a pergunta ou
seu patrocinador, e se ele voluntariamente fornece informações detalhadas que aparece
confiável ou é estabelecida como tal.
[Aprox. 2 linhas suprimido]
[Aprox. 5 linhas suprimido]
Desertores geralmente podem ser interrogados de forma unilateral, pelo menos por um tempo.
Pressão para a participação geralmente vêm [aprox. 02/01 linha suprimido] de um ODYOKE
inteligência componente. O tempo disponível para o teste unilateral e exploração devem ser
calculados desde o início, com uma relação justa para os direitos e interesses de outros membros
da comunidade de inteligência. O fato mais significativo único ser mantido em mente ao planejar
o interrogatório de desertores soviéticos é que um
determinada percentagem deles revelaram-se agentes de controle; estimativas de
esse percentual esteja na faixa de como [uma ou duas palavras suprimidas] durante um
período de vários anos após 1955. (22)
KUBARK falta de poderes executivos é especialmente importante se o interrogatório de
um agente suspeito ou de qualquer outro assunto que deverá resistir está sob
consideração. Como regra geral, é difícil conseguir o interrogatório do CI
uma fonte de resistência a menos que o serviço pode controlar interrogar o sujeito e seu
ambiente durante o tempo que for necessário.
[Aprox. 20 linhas suprimido]
[1 / 3 da página suprimido]

C. as especificidades

1. A Propósito Específico
Antes do interrogatório é iniciado, o interrogador tem claramente em mente o que ele quer
aprender, porque ele acha que a fonte tem a informação, o quanto é importante, e
como ele pode ser melhor obtido. Qualquer confusão aqui, ou qualquer questionamento com
base no a premissa de que o efeito vai tomar forma após o interrogatório está sob
Assim, é quase certo de provocar desorientação e fracasso final. Se o específico
objetivos não pode ser discernido claramente, mais estudos são necessários antes de consultar
começa.
2. Resistência
O tipo ea intensidade da resistência antecipada é estimado. É útil
reconhecer, antecipadamente, se a informação desejada seria ameaçador ou
danificar de alguma forma aos interesses do interroga. Se assim for, o interrogador
deve considerar se a mesma informação, ou a confirmação do mesmo, pode ser
adquirida de outra fonte. Questionando suspeitos de imediato, em frágeis
base factual, que geralmente causam desperdício de tempo, e não salvá-lo. Por outro lado, se as
informações necessárias não é sensível do ponto de vista do sujeito, apenas
pedindo por isso é preferível a tentar enganá-lo para internações e, assim,
criando uma batalha desnecessária de inteligência.
A análise preliminar psicológica do sujeito torna mais fácil decidir
se ele é susceptível de resistir e, nesse caso, se a sua resistência será o produto
medo de que seus interesses pessoais serão danificadas ou o resultado da não-
natureza cooperativa do tipo ordenada, obstinada e afins. A escolha dos métodos
para ser usado em superar a resistência também é determinado pelas características do
o interrogatee.
3. O Interrogatório Ambiente
A sala em que o interrogatório deve ser realizado deve ser livre de
distrações. As cores das paredes, teto, tapetes e móveis não devem ser
surpreendentes. As imagens devem estar em falta ou maçante. Seja o mobiliário deve incluir uma
mesa não depende da conveniência do interrogador, mas sim o
reação antecipada sujeito a conotação de superioridade e funcionalismo. A
tabela simples pode ser preferível. Uma cadeira estofada para o uso da
interrogatee às vezes é preferível a uma cadeira de costas retas, de madeira, pois
se ele é feito para ficar por um longo período ou que se encontra privado de física
conforto, o contraste é intensificado e aumentado resultados desorientação. Alguns
tratados sobre interrogatórios são enfáticos sobre o valor de organizar a iluminação
de modo que sua origem está por trás do interrogador e brilhos diretamente no assunto.
Aqui, também, uma regra simples é irrealista. O efeito de uma fonte cooperativa é
inibitório, e por efeito de uma fonte de retenção na fonte pode ser a de torná-lo mais
teimoso. Como todos os outros detalhes, este depende da personalidade do
interrogatee.
Um bom planejamento irá evitar interrupções. Se a sala é usada também para fins
além de interrogatório, um "Não Perturbe" sinal ou o seu equivalente deve pendurar
a porta ao questionamento está em curso. O efeito de alguém vagando
porque ele se esqueceu sua pena ou quer convidar para almoçar o interrogador pode ser
devastador. Pela mesma razão, não deve haver um telefone no quarto, mas
é certo para tocar exatamente no momento errado. Além disso, é uma ligação visível para
o exterior, sua presença faz um sujeito se sentir menos de corte, mais capazes de resistir.
A sala de interrogatório proporciona condições ideais para fotografar o
interrogatee sem o seu conhecimento, escondendo uma câmera por trás de uma imagem ou em
outros lugares.
Se um novo esconderijo para ser usado como o local de interrogatório, ela deve ser estudada
cuidadosamente para ter certeza de que o ambiente total pode ser manipulado como desejado.
Por exemplo, a corrente elétrica deve ser conhecida com antecedência, para que
transformadores ou outros dispositivos modificando estará na mão, se necessário.
Os arranjos são feitos geralmente para gravar o interrogatório, transmiti-la aos
outra sala, ou ambos. A maioria dos interrogadores experientes não gostam de tomar
notas. Não sendo confrontados com esta tarefa deixa-los livres para se concentrar em
o que dizem as fontes, como dizem, eo que mais eles fazem ao falar ou Acesse. Outra razão para
evitar tomar notas é que ela distrai e às vezes, preocupa o interrogatee. No decorrer de várias
sessões realizadas sem anotações, o sujeito é susceptível de cair na ilusão confortável que ele não
está falando para o registro. Outra vantagem da fita é que ela pode ser reproduzidos
posteriormente. Após alguns assuntos o choque de ouvir sua própria voz inesperadamente é
enervante. O registro também impede que mais tarde torções ou recusas de admissões. [Aprox. 6
linhas suprimido] A gravação também é um auxílio valioso treinamento para os interrogadores,
que por este meio pode estudar seus erros e as suas mais técnicas eficazes. Excepcionalmente
interrogatórios instructuve, ou selecionado partes dos mesmos, também podem ser usados na
formação de outros.
Se o equipamento de áudio possível também deve ser usado para transmitir o processo a
outra sala, utilizada como posto de escuta. A principal vantagem da transmissão é
que ele permite que a pessoa encarregada do interrogatório notar pontos cruciais
e mapa estratégico ainda, a substituição de um interrogador com o outro, um tempo
interrupção dramática corretamente, etc É também útil para instalar uma pequena lâmpada pisca-
pisca por trás do assunto ou para arranjar algum outro método de sinalização da
interrogador, sem o conhecimento da fonte, que o entrevistador deve deixar
a sala de consulta ou de que alguém está prestes a entrar.
4. Os Participantes
Interrogatees normalmente são interrogados separadamente. Separação permite o uso de
uma série de técnicas que não seria possível de outra maneira. Ele também se intensifica
na origem do sentimento de ser cortado de uma ajuda amigável. O confronto de dois
ou suspeitos de mais uns com os outros, a fim de produzir ou recriminações
internações é especialmente perigoso se não for precedida de interrogatório separadas
sessões que têm suscitado o cumprimento de um dos interrogatees, ou em
menos admissões significativa envolvendo tanto. Técnicas para separar o
interrogatórios de fontes ligadas são discutidos na Parte IX.
O número de interrogadores usado para um único caso de interrogatório varia de um
homem para uma grande equipe. O tamanho da equipe depende de várias considerações,
principalmente a importância do caso e da intensidade da resistência da fonte.
Embora a maioria das sessões consistem de um inquisidor e um interrogatee, alguns
das técnicas descritas posteriormente solicitar a presença de dois, três, ou quatro
interrogadores. A equipe de dois homens, em particular, está sujeita a indesejada
antipatias e conflitos não exigido pela atribuídos papéis. Planejamento e
tramitação deveria eliminar tais correntes cruzadas antes que eles se desenvolvem,
principalmente porque a fonte buscará transformá-los em seu benefício.
melhores membros da equipe que não estiverem engajados podem ser empregadas para
vantagem para o posto de escuta. interrogadores inexperientes acham que ouvir
o interrogatório, enquanto ela estiver em andamento podem ser altamente educativo.
Uma vez iniciada a interrogatório, o interrogador é chamado a funcionar em dois níveis.
Ele está tentando fazer duas coisas aparentemente contraditórias ao mesmo tempo: conseguir
rapport com o assunto, mas permanecem essencialmente um observador independente. Ou ele
pode projetar se ao interrogatee resistentes tão poderoso e ameaçador (para erradicar a resistência
e criar as condições necessárias para o rapport), enquanto restantes totalmente confirmadas no
nível mais profundo, observando a importância da assuntos reações e à eficácia do seu próprio
desempenho. Pobres
interrogadores muitas vezes confundem esse funcionamento bi-nível com RPG, mas não há uma
diferença fundamental. O interrogador que apenas finge, em sua superfície
desempenho, para sentir uma emoção dada ou a realização de uma determinada atitude em
direção à fonte é susceptível de ser convincente, a fonte de sentidos rapidamente a decepção.
Mesmo as crianças são muito rápidos a sentir esse tipo de pretensão. Para ser persuasivo, a a
simpatia ou a raiva deve ser verdadeira, mas para ser útil, não deve interferir
o nível mais profundo de observação, precisa afetados. funcionamento Bi-nível não é
difícil ou até mesmo incomum, a maioria das pessoas agem às vezes como intérprete e
observador menos que suas emoções estão tão profundamente envolvidos na situação que o
faculdade crítica se desintegra. Através da experiência torna-se o interrogador adepto
neste dualismo. O interrogador que acha que ele tornou-se emocionalmente
envolvidos e não é mais capaz de objetividade perfeita deve relatar o
fatos para que a substituição pode ser feita. Apesar de todos os esforços de planejamento para
selecionar um interrogador cuja idade, antecedentes, habilidades, personalidade e experiência
fazem dele a melhor escolha para o trabalho, às vezes acontece que tanto o entrevistador e sentir
sujeito, quando eles se encontram, uma atração imediata ou antipatia que é tão forte que uma
mudança de interrogadores rapidamente se torna essencial. Não
interrogador deve ser relutante em comunicar o seu superior hierárquico, quando emocional
participação torna-se evidente. Não é a reação, mas a falta de relatório seria
evidencia uma falta de profissionalismo.
Outras razões para alterar os interrogadores devem ser antecipados e evitados desde o início.
Durante a primeira parte do interrogatório do desenvolvimento da relação entre a pergunta ea
fonte inicialmente não cooperativos é mais importante que as informações obtidas, quando essa
relação é destruído por uma mudança dos interrogadores, a substituição deve começar quase do
zero. Na verdade, ele começa com um handicap, porque a exposição ao interrogatório terá feito o
uma fonte resister mais eficaz. Portanto, a base, a estação, [uma ou duas palavras ] Excluído não
deve atribuir como interrogador-chefe uma pessoa cuja disponibilidade será final antes da
conclusão estimado do caso.
5. O sincronismo
Antes de iniciar o interrogatório, a quantidade de tempo provavelmente necessário e,
provavelmente, disponíveis para ambos os interrogador e interrogatee deve ser calculado. Se o
assunto não é estar sob detenção, a sua programação normal é apurado em
antecedência, para que ele não terá que ser liberado em um ponto crítico, porque ele
tem um compromisso, ou tem de ir trabalhar.
Porque puxar informações de um sujeito recalcitrante é a maneira mais difícil de fazer
negócios, o interrogatório não deve começar até que todos os fatos pertinentes disponíveis
ostensiva e de fontes de cooperação foram montados.
sessões de interrogatórios com uma fonte de resistência que esteja sob a detenção não deve ser
realizada em um horário invariável. A capacidade de resistência é diminuída pela
desorientação. O sujeito pode ser deixado sozinho por dias, e ele pode ser devolvido
à sua cela, permissão para dormir durante cinco minutos, e trouxe de volta a um
interrogatório, que é conduzida como se tivesse oito horas interveio. A princípio é que as sessões
devem ser planejadas de modo a perturbar o sentido de fonte de em ordem cronológica.
6. A Rescisão
O fim de um interrogatório devem ser planejadas antes de questionar começa. A
tipos de perguntas, os métodos utilizados, e mesmo os objetivos buscados
pode ser moldada pelo que vai acontecer quando o fim é alcançado. [Aprox. 3 linhas
suprimido] Se ele for para ser liberado na economia local, talvez na lista negra como uma
suspeita do agente hostil, mas não sujeitas a contra-posterior vigilância, é importante para evitar
um final inconclusivo que alertou o interroga as nossas dúvidas, mas criou nada. Os mais pobres
interrogatórios são aqueles que terminam em um vazio inconclusivos.
Uma série de detalhes práticos terminal também devem ser consideradas com antecedência. São
documentos da fonte a ser devolvido a ele, e eles estarão disponíveis em tempo? Será que ele
deve ser pago? Se ele é um agente construtor ou hostil, ele tem sido fotografado e as impressões
digitais? São contactos posteriores necessário ou desejável, e disposições recontact sido
arranjado? Tem uma saia-afirmação foi obtida?
Como foi referido no início desta seção, o interrogatório de um bem-sucedido
fortemente resistentes fonte normalmente envolve dois processos fundamentais: o calculado
regressão do interrogatee e da prestação de uma racionalização aceitável.
Se estas duas medidas foram tomadas, torna-se muito importante para conquistar novos
tratabilidade, por meio da conversão. Em outras palavras, um sujeito que, finalmente,
divulgadas as informações solicitadas e que tenha sido dada uma razão para a divulgação
que salves a sua auto-estima, sua consciência, ou ambos, muitas vezes, estar em um modo de dar
o último passo de aceitar os valores do interrogador, tornar comum
causa com ele. Se o uso operacional é agora contemplada, a conversão é
imperativa. Mas mesmo se a fonte não tem mais valor após o seu fundo de
informação tenha sido extraído, passar algum tempo extra com ele, a fim de
substituir o seu novo senso de vazio com novos valores podem ser um bom seguro. Todos
serviços não-comunistas são incomodados por vezes, até exinterrogatees descontentes
que prima demandas e ameaçar ou tomar uma ação hostil se as exigências não são
satisfeito. Desertores, em particular, porque são muitas vezes hostil a qualquer tipo
de autoridade, ameaçando causar problemas ou trazendo fatos nos tribunais locais,
organizar a publicação de histórias de vingança, ou ir à polícia local. O ex-
interrogatee é especialmente provável que seja um futuro arruaceiro se durante
interrogatório, ele foi submetido a uma forma de coacção impostas de fora
si mesmo. Tempo gasto, após o interrogatório termina, no sentido de fortalecer a fonte de
de aceitação no mundo do interrogador pode ser apenas uma fração do tempo
obrigado a garrafa até suas tentativas de se vingar. Além disso, a conversão pode
criar um recurso útil e duradouro. (Veja também as observações no VIII B 4).

O Interrogatório Contra-não-coercitiva

Observações A. Geral
O termo não-coercitiva é usado acima para designar os métodos de interrogatório que estão não
com base na coerção de um sujeito sem vontade através do emprego de
força superior originários fora de si. No entanto, o não-coercitiva
interrogatório não é realizado sem pressão. Pelo contrário, o objetivo é
gerar uma pressão máxima, ou pelo menos tanto quanto é necessário para induzir
cumprimento. A diferença é que a pressão é gerada dentro do
interrogatee. Sua resistência é solapada, seu desejo de rendimento é fortificada, até que no
final, ele vence a si mesmo.
Manipulando o indivíduo psicologicamente até ele se tornar complacente, sem
aplicação de métodos externos de forçá-lo a apresentar, mais difícil do que parece é. A
vantagem inicial encontra-se com o interrogador. Desde o início, ele sabe que um grande
lidar de forma mais sobre a origem do que a fonte sabe sobre ele. E ele pode criar
e amplificar o efeito da onisciência de várias maneiras. Por exemplo, ele pode
mostrar o interrogatee um arquivo de espessura que leva seu próprio nome. Mesmo que o
arquivo contém papel pouco ou nada, mas em branco, o ar de familiaridade com o qual o
interrogador refere-se a fundo o assunto pode convencer algumas fontes que tudo é conhecido e
que a resistência é inútil.
Se o interrogatee está sob prisão, o interrogador pode também manipular o seu
ambiente. Simplesmente cortando todos os outros contatos humanos ", o interrogador
monopoliza o ambiente social de origem. "(3) Ele exerce os poderes
de um pai todo-poderoso, que determina quando a fonte será enviado para a cama, quando eo que
ele vai comer, se ele vai ser recompensado por bom comportamento ou punido por ser má. O
interrogador pode e faz o mundo do sujeito não só
ao contrário do mundo ao qual ele estava acostumado, mas também estranho em si mesma -
mundo em que padrões familiares de tempo, espaço e percepção sensorial são
derrubado. Ele pode mudar o ambiente de forma abrupta. Por exemplo, uma fonte que
se recusa a falar em tudo pode ser colocado em uma solitária por um tempo desagradável.
Então uma alma simpática trata-lo a um passeio inesperado na floresta.
Com alívio e alegria, o sujeito encontrará geralmente não é impossível
para responder a comentários inócuos sobre o clima e as flores. Estes são
expandido para incluir reminiscências, e logo um precedente de troca verbal
foi estabelecida. Ambos os alemães e os chineses usaram o truque eficazmente.
O interrogador também escolhe a chave emocional ou chaves em que o
interrogatório ou qualquer parte dela será reproduzido.
Devido a essas e outras vantagens, "[aprox. 6 linhas suprimido]." (3)

B. A estrutura do interrogatório
Um contra-interrogatório consiste em quatro partes: a abertura, o reconhecimento, o
questionamento e detalhada a conclusão.
1. A Abertura
A maioria interrogatees resistentes bloquear o acesso a contra-significativa no
sua posse, para um ou mais dos quatro razões. A primeira é uma negativa específica
reação ao interrogador. Pobre movimentação inicial ou uma antipatia fundamental pode
fazer um pouco cooperante fonte, mesmo que ele não tem nada importante ou prejudicial para a
esconder. A segunda causa é que algumas fontes são resistentes "por natureza" - ou seja, pelo
condicionamento precoce - a qualquer acordo com a autoridade. A terceira é que o sujeito
acredita que as informações solicitadas serão prejudiciais ou de acusação para ele pessoalmente
que a cooperação com o interrogador que terá consequências
mais doloroso para ele do que os resultados de não-colaboração. O quarto é
resistência ideológica. A fonte identificou-se com uma causa, um político
movimento ou organização, ou um serviço de inteligência da oposição. Independentemente da a
sua atitude para o interrogador, a sua própria personalidade, e seus temores para o Futuramente, a
pessoa que está profundamente dedicado a uma causa hostil á ordinariamente provar fortemente
resistentes sob interrogatório.
A meta principal durante a fase de abertura é para confirmar a personalidade
avaliação obtida através da seleção e para permitir que o interrogador para ganhar uma
compreensão mais profunda da fonte como um indivíduo. A menos que o tempo é crucial, a
interrogador não deve tornar-se impaciente se a vaga interrogatee da fins de interrogatório e
reverte para interesses pessoais. Fatos importantes não produzidos durante a triagem pode ser
revelado. O relatório de avaliação em si é trouxe para a vida, o tipo se torna um indivíduo, como
as conversações assunto. E por vezes aparentemente desconexa monólogos sobre assuntos
pessoais são prelúdios internações significativa. Algumas pessoas não conseguem pôr-se a
fornecer informação que os coloca sob uma luz desfavorável, até que, através de uma longa
racionalização prefacial, eles sentem que eles criaram as condições que o interrogador agora
entendo por que eles agiram como agiram. Se salvar a face é necessárias para a interrogatee será
um desperdício de tempo para tentar forçá-lo a cortar as preliminares de curto e descer para os
casos. Na sua opinião, ele está lidando com a tema importante, o porquê. Ele vai ficar ofendido e
podem se tornar totalmente uncooperative se fossem confrontados com pedidos insistentes para
que o nu.
Há outra vantagem em deixar falar o assunto livremente e até mesmo ramblingly
na primeira fase de interrogatório. O interrogador é livre para observar. Homem
seres comunicar uma grande quantidade de meios não-verbais. interrogadores qualificados, para
exemplo, ouvir atentamente a voz e aprender muito com eles. Um
interrogatório não é meramente um desempenho verbal, é uma performance vocal e
a voz projetos de tensão, medo, a aversão a determinados temas, e outras informações úteis peças
de informação. Também é útil para assistir a boca do sujeito, que é tão
uma regra muito mais reveladoras do que os olhos. Gestos e posturas também contar uma
história. Se um objeto normalmente gesticula amplamente às vezes e às vezes é demais
relaxado fisicamente, mas em algum momento fica dura, imóvel, sua postura é provável que ser a
imagem física da sua tensão mental. O interrogador deve fazer uma
nota mental sobre o assunto que causou tal reação.

Um livro sobre interrogatório lista os seguintes indicadores físicos de emoções e recomenda que
os interrogadores nota-los, não como provas conclusivas, mas como auxiliares de avaliação:

(1) Um rosto corado ou liberados é um indício de raiva ou vergonha, mas não


necessariamente de culpa.
(2) A "suor frio" é um forte sinal de medo e choque.
(3) Um rosto pálido indica medo e, normalmente, mostra que o interrogador está batendo
perto da marca.
(4) A boca seca, nervosismo denota.
(5) A tensão nervosa também é indicado pelo torcer um lenço ou apertar o
mãos firmemente.
(6) de tensão emocional ou a tensão pode causar um bombeamento do coração, que
torna-se visível no pulso e na garganta.
(7) Um ligeiro suspiro, segurando a respiração, ou uma voz instável pode trair o
tema.
(8) Remexer pode assumir muitas formas, que são boas indicações de
nervosismo.
(9) Um homem sob tensão emocional ou a tensão nervosa que involuntariamente chamar a sua
cotovelos para os lados. É um mecanismo de defesa de proteção.
(10) O movimento do pé quando uma perna atravessada sobre o joelho da outra pode servir como
um indicador. A circulação do sangue para a perna é parcialmente cortada, causando uma
elevação discreta ou movimento do pé livre com cada batimento cardíaco. Isto torna-se mais
pronunciada e observável à medida que aumenta a frequência cardíaca.
As pausas são igualmente significativos. Sempre que uma pessoa está falando sobre um assunto
de conseqüência para si mesmo, ele passa por um processo de avanço de auto-monitoramento,
realizada em velocidade relâmpago. Esta auto-monitoramento é mais intenso se a pessoa está
conversando com um estranho e especialmente intenso, se ele está respondendo o estranho
perguntas. Sua finalidade é manter do autor da pergunta culpado ou qualquer informação
informação que seria prejudicial para a auto-falante próprio. Sempre perguntas ou respostas
chegar perto de áreas sensíveis, o pré-digitalização é susceptível de criar bloqueios mentais.
Estes, por sua vez, produzem uma pausa natural, sem sentido sons destinados a conferir o orador
mais tempo, ou outras interrupções. Não é fácil distinguir entre os blocos de inocentes - coisas
retida por motivos de prestígio pessoal - e blocos culpado - coisas que o interrogador precisa
saber.
Mas o sucesso do estabelecimento de relacionamento tenderá a eliminar inocentes
blocos, ou pelo menos mantê-los ao mínimo.
O estabelecimento de rapport é o segundo objetivo principal da abertura
fase do interrogatório. Às vezes, o interrogador sabe de antemão, como uma
resultado da seleção, que o assunto vai ser pouco cooperativos. Em outras vezes o
probabilidade de resistência é criada sem rastreio: detectado hostil agentes, por exemplo,
normalmente não têm apenas a vontade de resistir, mas também os meios, através de uma
reportagem de capa ou outra explicação. Mas a antecipação de retenção na fonte
aumenta, em vez de diminuir, o valor do relacionamento. Em outras palavras, a falta de
rapport pode causar um interrogatee reter informações que ele de outro tipo de liberdade, que a
existência de relacionamento pode induzir uma interrogatee que é determinada inicialmente a
reter a mudar a sua atitude.
Portanto, o interrogador não deve tornar-se hostil, se confrontado com inicial
hostilidade, ou de qualquer outra forma confirmar tais atitudes negativas como ele pode
encontro desde o início. Durante esta primeira fase de sua atitude deve permanecer
business-like, mas também em silêncio (não ostensiva), simpático e acolhedor. Tais
abertura por temas como: "Eu sei que você assim e assim são depois, e eu
Pode dizer-lhe agora que você não vai conseguir nada de mim "são melhor tratados
por um imperturbável "Por que você não me diga o que te fez raiva?" Neste
fase, o interrogador deve evitar ser arrastado para o conflito, não importa quão
provocatórias pode ser a atitude ou a língua do interrogatee. Se ele encontra
truculência com protestos nem hipócrita que ele é "amigo" do sujeito, nem
uma raiva igual, mas sim um interesse calma naquilo que tem despertado o assunto, o
interrogador ganhou duas vantagens logo no início. Ele estabeleceu o superioridade que ele vai
precisar mais tarde, como o questionamento se desenvolve, e ele tem aumentaram as chances de
estabelecer o rapport.
Quanto tempo a fase de abertura continua depende de quanto tempo leva para
estabelecer o rapport ou para determinar que a cooperação voluntária é inalcançável. É
pode ser literalmente uma questão de segundos, ou pode ser uma prolongada, a batalha morro
acima.
Mesmo que o custo em tempo e paciência às vezes é alto, o esforço para fazer
o sujeito sente que sua pergunta é uma figura simpática não deve ser abandonados até que todos
os recursos razoáveis tenham sido esgotadas (a não ser, Naturalmente, o interrogatório não
merece muito tempo). Caso contrário, as chances são
que o interrogatório não irá produzir os melhores resultados. Na verdade, é provável que seja um
fracasso, e que o interrogador não deve ser dissuadido de o esforço para estabelecer rapport por
uma íntima convicção de que ninguém no seu perfeito juízo iria incriminar se por fornecer o tipo
de informação que é solicitada. A história da
interrogatório está cheia de confissões e outras medidas de auto-incriminação que estavam em
essência o resultado de uma substituição do mundo interrogatório para o mundo
fora. Em outras palavras, como as vistas e sons de um mundo exterior desaparece,
seu significado para a interrogatee tende a fazer o mesmo. Esse mundo é substituído
pela sala de interrogatório, os seus dois ocupantes, assim como a relação dinâmica
entre eles. No interrogatório prossegue, o assunto tende cada vez mais
divulgar ou reter em conformidade com os valores do mundo interrogatório
melhor do que as do mundo exterior (a menos que os períodos de questionamento são apenas
breves interrupções na sua vida normal). Neste pequeno mundo de dois habitantes de uma
choque de personalidades - como distinto de um conflito de propósitos - assume
força exagerada, como um furacão em um túnel de vento. A auto-estima do
interrogatee e do interrogador se envolve, e o interrogatee luta para manter seus segredos de seu
oponente por razões subjetivas, porque ele é severamente determinado a não ser o perdedor, o
inferior. Se por outro lado, o interrogador estabelece rapport, o sujeito pode recusar por causa de
outros razões, mas a sua resistência, muitas vezes não tem a intensidade, amarga a última
trincheira que os resultados se a competição torna-se personalizado.
O interrogador, que determina os sentidos ou na fase de abertura que o que está
auditiva é uma legenda deve resistir ao impulso, em primeiro lugar natural para demonstrar a sua
falsidade. Em alguns interrogatees o ego demandas, a necessidade de salvar a face, são tão
entrelaçada com a preservação da história de capa que chamar o homem um mentiroso apenas
intensificar a resistência. É melhor deixar uma via de escape, uma brecha que permita a fonte
para corrigir a sua história sem parecer tolo.
Se for decidido, muito mais tarde no interrogatório, para enfrentar o interrogatee com
prova de mentir, o seguinte conselho sobre legais relacionadas interrogatório pode
ser útil.
"Muito depende da seqüência em que se realiza o interrogatório de uma testemunha desonesta.
Você nunca deve perigo a pergunta mais importante até que você
lançaram as bases para ele, de tal forma que, quando confrontado com o fato,
a testemunha não pode nem negar nem explicar. Um freqüentemente vê a mais prejudicial
provas documentais, sob a forma de cartas ou depoimentos, a queda absolutamente plana como
traidores da mentira, simplesmente por causa da maneira inábil em que são
manipulados. Se você tiver em sua posse uma carta escrita pela testemunha, em que
ele toma uma posição oposta em alguma parte do processo a que ele acaba
jurado, evitar o erro comum de mostrar a testemunha a carta de identificação e, em seguida lê-lo
para ele com o inquérito, 'O que você tem a dizer para que? Durante a leitura de sua carta o
testemunho será sua recolha pensamentos e preparando as suas explicações em antecipação à
pergunta que é a seguir, eo efeito da carta prejudiciais serão perdidos .... O método correto de
usar essa carta é levar a testemunha silenciosamente para repetir as declarações ele fez em seu
testemunho direto, e que contradiz a carta. Em seguida, leia
fora dele. A testemunha não tem explicação. Ele declarou que o fato, não há
nada para se qualificar. "(41)
2. O Reconhecimento
Se o interrogatee é cooperativa desde o início ou se o relacionamento é estabelecido durante a
fase de abertura e se torna a fonte de cooperação, o reconhecimento
etapa é desnecessária, o interrogador receitas detalhadas diretamente para interrogatório. Mas se
o interrogatee é retido na fonte, um período de exploração é necessário.
Hipóteses têm sido normalmente já realizados, como o que ele está a reter: a de que
ele é um construtor, ou um agente RIS, ou qualquer outra coisa que ele considera importante
esconder. Ou a hipótese pode ser que ele tinha conhecimento de tais actividades realizado por
outra pessoa. De qualquer forma, o objetivo do reconhecimento é a fornecer um teste rápido do
pressuposto e, mais importante, para sondar a
causas, a extensão ea intensidade da resistência.
Durante a fase de abertura do interrogador fará com que mapeou as áreas prováveis
de resistência, observando os temas que causaram emocional ou físico
reações, blocos de discurso, ou outros indicadores. Ele agora começa a sondar esses
áreas. Cada interrogador experiente notou que, se um é interrogatee
retido na fonte, aumenta a sua ansiedade, o questionamento se aproxima da marca. O mais
seguro o assunto, o mais volúvel a fonte. Mas como as questões fazê-lo
cada vez mais desconfortável, o interrogatee torna-se menos comunicativa ou
talvez até mesmo hostis. Durante a fase de abertura do interrogador passou ao longo
com este mecanismo de proteção. Agora, porém, ele continua a voltar a cada
zona de sensibilidade, até que tenha determinado a localização de cada um e da intensidade das
defesas. Se a resistência é pequena, mera persistência pode superá-lo, e
detalhada questionamento pode seguir imediatamente. Mas se a resistência é forte, uma nova
tema deve ser introduzido, e detalhada questionamento reservado para a terceira fase.
Dois riscos são particularmente susceptíveis de aparecer durante o reconhecimento. Até o
interrogador ponto de não se manteve uma linha de questionamento quando a resistência
foi encontrado. Agora, porém, ele o faz, e de relacionamento pode ser esticado.
Alguns interrogatees terá essa mudança pessoalmente e tendem a personalizar o
conflito. O interrogador deve resistir a essa tendência. Se ele sucumbe a ele, e
torna-se envolvido em uma batalha de inteligência, ele pode não ser capaz de realizar a tarefa na
mão. A segunda tentação a evitar é a inclinação natural para recorrer
prematuramente ardis ou técnicas coercitivas, a fim de resolver a questão, em seguida,
e ali. A finalidade básica do reconhecimento é para determinar o tipo ea
grau de pressão que serão necessários na terceira fase. O interrogador deve
reserva de seu poder de fogo até ele sabe o que é contra.

3. O questionário pormenorizado
a. Se o relacionamento é estabelecido e se a interrogatee tem nada de significativo para se
esconder, detalhada apresenta questionamento apenas problemas de rotina. A principal rotina
considerações são as seguintes:

O interrogador deve saber exatamente o que ele quer saber. Ele deve ter em
papel ou em mente todas as perguntas para as quais ele procura respostas. É usuall
Acontece que a fonte tem um corpo relativamente grande de informações que tem pouco
ou nenhum valor inteligência e apenas uma coleção de pequenas pepitas. Ele naturalmente irá
tendem a falar sobre o que ele sabe melhor. O interrogador não deve apresentar rápida
impaciência, mas nem ele deve permitir que os resultados para sair de foco. A
determinante continua sendo o que nós precisamos, e não o que o interrogatee pode mais
facilmente fornecer.
Ao mesmo tempo, é necessário fazer todos os esforços para manter o assunto a partir de
aprendizagem através do processo de interrogatório exactamente onde o nosso informativo
lacunas mentira. Este princípio é especialmente importante se o interrogatee está seguindo a sua
vida normal, indo para casa todas as noites e aparecendo apenas uma ou duas vezes por semana
para interrogatório, ou se a sua boa fé permanece em dúvida. Sob quase todos os circunstâncias,
no entanto, uma revelação clara do nosso interesse e do conhecimento deverá ser evitado.
Normalmente é uma má prática para a mão aos mais cooperativa interrogatee uma lista ordenada
de perguntas e pedir-lhe para escrever as respostas. (Este crítica não se aplica à escrita de
autobiografias ou em informativos
matéria não é objecto de controvérsia com a fonte.) Algum tempo é normalmente
gasto em assuntos de pouco ou nenhum interesse de inteligência para fins de dissimulação.
O interrogador pode estimular o processo de tomada de notas ocasionais - ou
pretendendo fazê-lo - em itens que me parecem importantes para a interrogatee mas são
não tem valor de inteligência. Deste ponto de vista de um interrogatório pode ser considerada
bem sucedida se uma fonte que na verdade é um agente hostil pode denunciar para a oposição
apenas os campos gerais do nosso interesse, mas não pode identificar, sem detalhes incluindo
informações enganosas.
É uma boa prática para escrever cada relatório de interrogatório no dia da
questionamento ou, pelo menos, antes da próxima sessão, para que os defeitos podem ser
prontamente sanadas e as lacunas ou contradições assinaladas no tempo.
É também um expediente bom ter o interrogatee fazer anotações dos tópicos que
devem ser cobertos, o que lhe ocorreu enquanto discutia as questões imediatas na
problema. O ato de registrar o item vadios ou pensamento no papel fixa na
mente interrogatee's. Geralmente os tópicos aparecendo no decorrer de um interrogatório
são esquecidas, se não observado, pois eles tendem a interromper o plano de interrogatório que
se encontrem cobertas por meio de digressão sobre o local.
Debriefing perguntas geralmente deve ser redigida de provocar uma resposta positiva e deve ser
específico. O interrogador não deve aceitar um cobertor negativo sem sondagem. Por exemplo, a
pergunta "Você sabe alguma coisa sobre o Planeta X?" é mais provável para desenhar uma
resposta negativa, em seguida, "Você tem amigos que trabalham na Fábrica de X?" ou "Você
pode descrever o seu exterior?"
É importante para determinar se o conhecimento do sujeito de qualquer assunto foi
adquiridos em primeira mão, aprenderam indiretamente, ou representa apenas uma suposição. Se
A informação foi obtida indiretamente, as identidades das sub-fontes e afins
informações sobre o canal são necessários. Se as declarações de descanso em suposições,
fatos sobre os quais as conclusões são baseadas são necessárias para avaliação.
Conforme detalhado receitas questionamento, além de dados biográficos será revelado. Tais itens
devem ser inseridos no registro, mas normalmente é preferível não
afastar-se um assunto impessoal, a fim de seguir a liderança biográfico. Tal leva
pode ser retomada mais tarde a menos que eles levantam novas dúvidas sobre a boa-fé.
No interrogatório detalhado continua e, especialmente, na metade do caminho, o
desejo interrogador para completar a tarefa pode levá-lo a ser cada vez mais
negócios similares ou até mesmo rude. Ele tende a reduzir ou descartar as investigações habituais
sobre o tema do bem-estar com o qual ele abriu sessões anteriores. Ele pode
sentir de uma forma mais abrupta, com reminiscências ou digressões. Sua
interesse deslocou-se do interrogatee próprio, que projetam um tempo atrás era um
pessoa interessante, ao atsk de conseguir o que ele sabe. Mas se tem afinidade
sido estabelecida, a interrogatee serão rápidos em sentir e ressentir-se esta mudança
de atitude. Este ponto é particularmente importante se o interrogatee é um desertor
confrontados com alterações e desconcertante em um estado altamente emocional. Qualquer
interrogatee tem seus altos e baixos, momentos em que ele está cansado ou meio-tratos,
momentos em que seu pessoal problemas deixaram seus nervos desgastados. A intimidade
peculiar do interrogatório situação e do fato de que o interrogador deliberadamente promovida
rapport muitas vezes levará o assunto para falar sobre suas dúvidas, medos e outro pessoal
reações. O interrogador não deve cortar esse fluxo de forma abrupta, que não apresentam
impaciência, a menos que ocupa uma enorme quantidade de tempo ou a menos parece provável
que toda a conversa sobre assuntos pessoais está sendo usada deliberadamente como uma cortina
de fumaça para manter o interrogador de fazer seu trabalho. Se o interrogatee é Acredita
cooperativa, então, desde o início até o fim do processo ele deve sentir que o interesse do
interrogador nele se manteve constante. Salvo o interrogatório é logo mais, a atitude do
interrogatee em relação a seu interlocutor é não é provável que se mantenha constante. Ele vai se
sentir mais atraídos para o questionador ou cada vez mais antagônicas. Como regra geral, a
melhor maneira para o interrogador para manter o relacionamento em um mesmo quilha é manter
o mesmo atitude calma, relaxada e aberta do início ao fim.
Interrogatório detalhado só termina quando:
(1) todos os contra-útil informação foi obtida,
(2) retornos decrescentes e ainda mais premente compromissos obrigam a cessação
(3) a estação de base, [uma ou duas palavras ] Excluído admite a derrota total ou parcial.
Rescisão por qualquer outra razão que o primeiro é apenas temporária. É um erro profundo para
amortizar um sucesso interrogatee resistentes ou aquele cujo interrogatório foi encerrado antes de
seu potencial Estava exausto. KUBARK deve manter o controle dessas pessoas, porque as
pessoas e as circunstâncias mudam. Até que a fonte de morrer ou nos diz tudo o que sabe que é
pertinente para nossos propósitos, o interrogatório pode ser interrompido, talvez anos - mas não
foi concluída.

4. A Conclusão
O fim de um interrogatório não é o fim da responsabilidades do interrogador. Desde o início do
planejamento para o final do interrogatório, foi necessário para compreender e proteger contra os
diversos problemas que a vingativa ex-source pode causar. Como foi apontado anteriormente, a
falta KUBARK de autoridade executiva no exterior e sua necessidade operacional de ausência de
rosto tornam particularmente vulneráveis a
ataque nos tribunais ou na imprensa. A melhor defesa contra tais ataques é
prevenção, através da inscrição ou da imposição de cumprimento. No entanto real
cooperação é alcançada, a sua existência parece agir como um impedimento à tarde
hostilidade. O sujeito inicialmente resistentes podem tornar-se cooperativa por causa de um
identificação parcial com o interrogador e seus interesses, ou a fonte pode
fazer essa identificação por causa da sua cooperação. Em qualquer caso, ele é
susceptíveis de causar sérios problemas no futuro. dificuldades reais são mais
freqüentemente criado por interrogatees que tiveram sucesso na retenção na fonte.
Os passos seguintes são normalmente parte da rotina da conclusão:
a. [Aprox. 10 linhas suprimido]
d. [Aprox. 7 linhas suprimido]
e. [Aprox. 7 linhas suprimido]
f. [Aprox. 4 linhas suprimido]

C. Técnicas de interrogatório não-coercitiva de fontes de resistência


Se a resistência da fonte é encontrado durante a triagem ou durante a abertura ou
fases de reconhecimento do interrogatório, os métodos não-coercitiva do solapamento
oposição e de reforçar a tendência de produção e de cooperação pode ser
aplicada. Embora estes métodos aparecem aqui em ordem aproximada de
aumento da pressão, não deve-se inferir que cada um deve ser julgado até que a chave
se encaixa na fechadura. Pelo contrário, uma grande parte da habilidade e do sucesso da
interrogador experiente reside na sua capacidade de corresponder ao método de origem. O uso de
técnicas falharam, por si só aumentar o interrogatee vai habilidade e
resistir.
Este princípio também afeta a decisão de recorrer a técnicas coercitivas e
determina a escolha desses métodos. Se, na opinião do interrogador um
totalmente resistentes fonte tem a habilidade e determinação para resistir a qualquer con-
método coercitivo ou combinação de métodos, é melhor evitá-los completamente.
A eficácia da maioria das técnicas não-coercitiva depende da sua efeito perturbador. A situação
de interrogatório é, em si perturbador para a maioria das pessoas
encontro com ele pela primeira vez. O objetivo é contribuir para esse efeito, a perturbar
radicalmente as associações familiares emocional e psicológica do sujeito.
Quando este objectivo for atingido, a resistência é seriamente prejudicada. Há um intervalo - que
pode ser extremamente breve - de animação suspensa, um tipo de violência psicológica choque
ou paralisia. É causada por uma experiência traumática ou sub-traumático, que explode, por
assim dizer, o mundo que está familiarizado com o assunto, bem como a sua imagem de si
mesmo dentro desse mundo. interrogadores experientes reconhecem esse efeito quando ele
aparece e sei que neste momento a fonte é muito mais aberto a sugestão, bem mais propensos a
cumprir, do que era antes, ele experimentou a
choque.
Outro efeito freqüentemente produzidos por não-coercitiva (assim como coercitiva)
métodos é a evocação dentro do interrogatee de sentimentos de culpa. A maioria dos
pessoas que têm áreas de culpa em suas topografias emocionais, e um interrogador
muitas vezes pode registrar estes domínios apenas observando a recusa de seguir certas linhas de
questionamento. Se o sentimento de culpa tem causas reais ou imaginárias não
afetar o resultado da intensificação de sentimentos de culpa. Fazendo uma pessoa se sentir mais e
mais culpados normalmente aumenta a sua ansiedade e sua vontade de cooperar como uma
meios de evacuação.
Em resumo, as técnicas que se seguem devem corresponder a personalidade do indivíduo
interrogatee, e sua eficácia é intensificada pelo tempo bom e rápido exploração do momento do
choque. (Alguns dos itens a seguir são desenhados de Sheehan.) (32)

1. Indo Next Door


Ocasionalmente as informações necessárias a partir de um interrogatee recalcitrantes é
obtenção de uma fonte dispostos. O interrogador deve decidir se uma
confissão é essencial para a sua finalidade ou se as informações que podem ser detidos
por outros, assim como a fonte de vontade é realmente o seu objetivo. O trabalho de extração a
verdade interrogatees vontade deve ser realizada apenas se o mesmo
informação não é mais facilmente obtida em outro lugar ou se operacional
considerações exigem a auto-incriminação.

2. Nobody Loves You


Um interrogatee que é retido na fonte itens de nenhuma conseqüência grave para si mesmo às
vezes podem ser persuadidos a falar pelo simples tática de apontar que a
data todas as informações sobre o caso veio de pessoas que não si mesmo. O interrogador quer
ser justo. Ele reconhece que alguns dos denunciantes pode ter sido tendenciosa ou mal-
intencionado. Em qualquer caso, não é obrigado a ser alguns dos factos inclinada a menos que o
interrogatee corrige o equilíbrio. A fonte deve a si mesmo para ter certeza de que o interrogador
ouve os dois lados da história.

3. O Olho Que Tudo Vê (ou Confissão é bom para a alma)


O interrogador que já conhece uma parte da história explica a origem que a finalidade do
interrogatório não é obter informação, o interrogador sabe tudo já. Seu verdadeiro objetivo é
testar a sinceridade (confiabilidade, a honra, etc) da fonte. O interrogador, em seguida, faz
algumas perguntas a que ele sabe as respostas. Se o sujeito se encontra, ele é informado de forma
firme e desapaixonadamente que ele mentiu. Por manipulação hábil do conhecido, o
entrevistador pode convencer um sujeito ingênuo que todos os seus segredos estão fora e que a
resistência ainda não seria apenas inútil, mas perigosa. Se esta técnica não funciona muito
rapidamente, ele deve ser descartado antes da interrogatee aprende os verdadeiros limites da
conhecimento questionador.

4. The Informer
Detenção faz uma série de truques possíveis. Uma delas, a plantação de um informante como
companheiro de cela a fonte, é tão conhecida, especialmente na Comunista
países, que a sua utilidade fica prejudicada se não for destruído. Menos conhecido é o
truque de plantio de duas informantes na célula. Um deles, A, tenta agora e depois
bisbilhotar um pouco de informação da fonte; B permanece quieto. No momento adequado, e
Uma durante a ausência, B avisa a fonte para não dizer nada, porque um B suspeitos o de ser um
informante plantado pelas autoridades.
Suspeita contra um companheiro de cela única às vezes pode ser discriminado, se ele mostra a
fonte de um microfone escondido que ele tenha "encontrado" e sugere que eles falam apenas em
sussurros, no outro extremo da sala.

5. News from Home


Permitindo uma interrogatee a receber cartas cuidadosamente selecionadas a partir de casa pode
contribuir para os efeitos desejados pelo interrogador. Permitir que a fonte para escrever cartas,
especialmente se ele pode ser levado a acreditar que eles vão ser contrabandeado para fora sem o
conhecimento das autoridades, pode produzir informações que são difíceis de extrair por
questionamento direto.

6. A Testemunha
Se os outros têm acusado a interrogatee de espionagem para um serviço de hostil ou de outros
atividade que ele nega, há uma tentação de enfrentar a fonte recalcitrantes
com seu acusador ou acusadores. Mas um rápido confronto tem dois pontos fracos: é
susceptível de intensificar a dureza das recusas, e estraga a chance de usar
métodos mais sutis.
Um deles é colocar o interrogatee em um gabinete externo e escolta passou por ele, e no
escritório interior, um acusador que ele conhece pessoalmente, ou, na verdade, qualquer pessoa -
mesmo aquele que é simpático à fonte e não cooperativos com o interrogadores - que se acredita
saber alguma coisa sobre o que o interrogatee está escondendo. É também essencial que o
interrogatee sabe ou Suspeito que a testemunha pode estar em posse das informações
incriminatórias.
A testemunha é levada para o passado interrogatee; os dois não estão autorizados a falar
uns aos outros. Um guarda e um estenógrafo permanecer no escritório externo com o
interrogatee. Após cerca de uma hora o interrogador que foi questionar a interrogatee em sessões
passadas abre a porta e pede para vir a estenógrafa no, com bloco de estenografia e lápis. Depois
de um tempo, ela ressurge e tipos de material de sua almofada, fazendo vários carbonos. Ela faz
uma pausa, aponta para a interrogatee, e pede a guarda como seu nome está escrito. Ela também
pode pedir a interrogatee diretamente para a grafia correta de uma rua, uma prisão, o nome de
um comunista oficial de inteligência, ou qualquer outro fator intimamente ligado à atividade da
qual ele é acusado. Ela leva seu trabalho concluído no escritório interior, volta para fora, e
telefones de um pedido para que alguém venha a agir como testemunhas legais. Outro homem
aparece e entra no escritório de interior. O elenco pessoa no papel de informante pode ter sido
soltou uma porta dos fundos no início do presente processo, ou se cooperativa, ele pode
continuar o seu papel. Em qualquer caso, um par de interrogadores,com ou sem o "informante",
que agora emergem do interior do escritório. Em contraste com seu comportamento anterior, são
agora relaxado e sorridente. O interrogador em responsável diz o guarda, "OK, Tom, levá-lo de
volta. Nós não precisamos dele qualquer mais. "Mesmo se o interrogatee agora insiste em contar
seu lado da história, ele é disse para relaxar, pois o interrogador vai dar a volta a ele amanhã ou
no dia seguinte.
Uma sessão com a testemunha poderá ser gravado. Se a testemunha denuncia a
interrogatee não há nenhum problema. Se ele não o interrogador faz um esforço
para tirá-lo sobre um agente hostil recentemente condenado em juízo ou fora dele
conhecido à testemunha. Durante a sessão de interrogatório junto com a fonte, uma
parte da denúncia gravada pode ser jogado de volta para ele, se necessário. Ou a
observações de testemunhas sobre o espião conhecido, editado sempre que necessário, pode ser
tão jogado volta que o interrogatee está convencida de que ele é o sujeito das observações.
testemunhas de cooperação podem ser treinados para exagerar, para que se o registro está jogou
para o interrogatee ou um confronto é organizado, a fonte - para
exemplo, um passador suspeita - encontra a testemunha exagerar sua importância. A
alega que a testemunha interrogatee é apenas incidentalmente um mensageiro, que na verdade ele
é o chefe de um bando de seqüestradores RIS. O interrogador finge espanto
e diz para o gravador: "Eu achava que ele era apenas um mensageiro, e se ele tivesse dito
nos a verdade, eu planejei deixá-lo ir. Mas isso é muito mais grave. Com base
das taxas como estas que eu vou ter que entregá-lo à polícia local para o julgamento. "On
ouvindo estas observações, o interrogatee pode confessar a verdade sobre o menor
culpa, a fim de evitar punição pesada. Se ele continuar a reter, a interrogador pode ter seu lado
dizendo: "Você sabe, eu não estou de todo convencido que fulano e sicrano contou uma história
em linha reta. Sinto-me, pessoalmente, que ele estava exagerando
um ótimo negócio. Não era ele? Qual é a história verdadeira? "
7. Misto Suspeitos
Se duas ou mais fontes de interrogatório são suspeitos de cumplicidade em atos conjuntos
dirigido contra a segurança dos EUA, eles devem ser separados imediatamente. Se o tempo
permite, pode ser uma boa idéia (dependendo da avaliação psicológica do
ambos) para adiar o interrogatório de cerca de uma semana. Quaisquer perguntas ansiosas de
tanto podem ser atendidas por um sorriso maroto e algumas respostas, tais como, "Nós vamos
chegar até você em devido tempo. Não há pressa agora. "Se os documentos, testemunhas ou
outras fontes fornecem informação sobre interrogatee Um observações, como "B diz que foi em
Smolensk, que denunciou tal e assim a polícia secreta. É mesmo? Foi em 1937? "ajudar a
estabelecer em uma mente a impressão de que B está falando.
Se o interrogador está absolutamente certo dos fatos, no caso, mas não pode garantir um
admissão de A ou B, uma confissão por escrito podem ser preparados e R's
assinatura pode ser reproduzida sobre ele. (É útil se pode reconhecer um B da assinatura,
mas não essencial.) A confissão contém os factos mais marcantes, mas são
distorcida, a confissão mostra que um está tentando jogar toda a responsabilidade sobre
gravações B. Editado som, que como se um tivesse denunciado B também pode ser usado para o
efeito, separadamente ou em conjunto com a "confissão". escritas Se A está se sentindo um
pouco doente ou desanimado, ele também pode ser levado
além de uma janela ou outra forma indicado para B sem criar uma chance para
conversa, B é provável que interpretam Um olhar de pendurar-cão como prova de confissão e
denúncia. (É importante que em todas essas jogadas, Um ser a mais fraca de
os dois, emocionalmente e psicologicamente.) B, em seguida, lê (ou ouve) de A
"Confissão". Se persistir B na retenção, o interrogador deve demiti-lo prontamente, afirmando
que a confissão assinada Um é suficiente para o efeito e que não importa se B confirma ou não.
Na sessão seguinte com B, o interrogador seleciona alguma questão menor, e não materialmente
prejudicial para a B mas, no entanto, exagerou, e diz: "Eu não tenho certeza que foi realmente
justo para você aqui. Gostaria de me contar seu lado da história? "Se B sobe para esta isca, o
interrogador se move para áreas de maior significância.
A rotina do escritório exterior e do interior também podem ser empregadas. Um, o mais fraco, é
trazidos para o escritório interior, ea porta fica entreaberta ou o painel de popa
aberto. B é mais tarde levado para o escritório exterior por um guarda e colocadas em locais onde
ele pode ouvir, embora não muito claramente. O interrogador começa questionamento rotineiro
da A, em vez de falar baixinho e induzindo um seguir o terno. Outra pessoa no interior escritório,
por acordo prévio, em seguida, leva um fora em silêncio por outra porta. Qualquer barulho de
partida são abrangidos pelo interrogador, que balança o cinzeiro ou move uma mesa ou cadeira
grande. Assim que a segunda porta é fechada novamente e A saia da sala, o interrogador retoma
o seu questionamento. Sua voz cresce mais alto e mais bravo. Ele conta uma para falar, que ele
dificilmente pode ouvi-lo. Ele cresce abusiva, atinge um clímax e, em seguida diz: "Bem, isso é
melhor. Porque é que não você diz assim, em primeiro lugar? "O resto do monólogo é projetado
para dar B a impressão de que já começou a dizer a verdade. De repente o interrogador
aparece a cabeça pela porta e está com raiva ao ver B e guarda.
"Você idiota!" ele diz ao guarda: "O que você está fazendo aqui?" Ele cavalga o baixo
tentativa resmungou guarda para explicar o erro, gritando: "Tirem-no daqui!
Eu vou cuidar de você mais tarde! "
Quando, no julgamento do interrogador, B é bastante convencido de que A tem
discriminadas e contou sua história, o interrogador pode optar por dizer a B: "Agora que
Um veio limpa com a gente, eu gostaria de deixá-lo ir. Mas eu odeio a liberar um de vocês
antes do outro, você deveria sair ao mesmo tempo. Um parece ser bastante
com raiva de você - sente que o levou a ter essa geléia. Ele pode até voltar ao
o oficial do caso Soviética e dizer que você não tenha retornado porque você concordou em ficar
aqui e trabalhar para nós. Não seria melhor para você se eu te quer livre
juntos? Não seria melhor dizer-me o seu lado da história? "

8. Ivan é um narcótico
Pode ser útil para indicar a um agente hostil que a reportagem de capa foi mal
planejado, que o outro serviço malfeito o trabalho, que é típico dos outros
serviço para ignorar o bem-estar dos seus agentes. O interrogador pode personalizar este
passo, explicando que ele ficou impressionado com a coragem do agente e
inteligência. Ele vende o agente a idéia de que o interrogador, não o seu serviço de idade,
representa um verdadeiro amigo, que o entende e vai cuidar de seu bem-estar.

9. Misto Interrogadores
A mais comum das técnicas interrogador comum é o Mutt e Jeff-rotina:
brutal, tipo raiva dominadora contrastava com o tipo simpático e tranquilo. Este
trabalhos de rotina melhor com as mulheres, adolescentes e homens tímidos. Se o interrogador
que fez a maior parte do questionamento até este ponto estabeleceu um
medida de afinidade, ele deve jogar o papel simpático. Se o rapport é ausente, e
especialmente se o antagonismo tem desenvolvido, o interrogador pode assumir a principal outra
parte. O interrogador irritado fala alto desde o princípio, e salvo
o interrogatee indica claramente que ele está pronto para contar sua história, a raiva
interrogador mensagens para baixo suas respostas e corta-lo fora. Ele bate na mesa. A
interrogador tranquila, não deve assistir ao show impassível, mas dar sutil
indícios de que ele também é um pouco receoso de seu colega. A raiva
interrogador acusa o assunto de outros delitos, todas as infracções, especialmente aqueles
que são considerados hediondos ou degradante. Ele deixa claro que ele, pessoalmente, considera
o interrogatee o mais vil pessoa na Terra. Durante a arenga do amistoso,
quebra silêncio interrogador para dizer: "Espere um minuto, Jim. Take it easy". A raiva
interrogador mensagens de volta, "Shut up! eu estou lidando com isso. Eu quebrei migalha-
vagabundos antes, e eu vou quebrar esse, bem abertos. "Ele expressa o seu desgosto por cuspir
no chão ou segurando seu nariz ou qualquer gesto bruto. Finalmente, com o rosto vermelho e
Furioso, ele diz: "Eu vou fazer uma pausa, tenho um par de bebidas fortes. Mas eu vou estar de
volta em dois - e você, vagabundo, é melhor você estar pronto para falar "Quando a porta. bate
atrás dele, o interrogador segundo informa o tema como desculpa que ele é, como ele odeia a
trabalhar com um homem como esse, mas não tem escolha, como se talvez brutos como o que
ficar quieto e dar a um homem uma oportunidade justa para contar seu lado da história, etc, etc
Um interrogador trabalhar sozinho também pode usar a técnica de Mutt e Jeff,. Depois de um
número de sessões tenso e hostil a interrogatee é introduzido em diferentes
ou remodelados, sala com mobiliário confortável, cigarros, etc O interrogador
convida-o a sentar-se e explica o seu pesar, que a origem do ex- teimosia obrigou o interrogador
de usar tais táticas. Agora tudo vai ser diferentes. O interrogador fala de homem para homem.
Um prisioneiro de guerra americano, informados sobre
seu interrogatório por um serviço hostil que utilizou essa abordagem, descreveu a
resultado: "Bem, eu entrei e lá estava um homem, um oficial que estava ... - ele me perguntou
sentar-se e foi muito amigável .... Foi muito incrível. Eu, bem, eu quase me senti como se tinha
um amigo sentado ali. Eu tive que parar de vez em quando e perceber que esta homem não era
um amigo meu .... Eu também me senti como se eu não podia ser rude com ele ....Era muito mais
difícil para mim - bem, quase me senti como se tivesse tanto responsabilidade de falar com ele eo
motivo e justificação como eu tenho que falar com você agora mesmo. "(18)
Outra técnica comum lança dois interrogadores em papéis amigável. Mas, enquanto
o interrogador responsável é sincero, o modo segundo o interrogador ea voz
transmitir a impressão de que ele está apenas fingindo simpatia, a fim de interceptar o
interrogado. Ele desliza num perguntas capciosas alguns dos "When-se-lhe-stop-
batendo a sua mulher? "da categoria. O interrogador responsável alerta para o seu colega
desistir. Quando ele repete a tática, o interrogador responsável diz que, com uma ligeira
demonstração de raiva, "Não estamos aqui para aprisionar as pessoas, mas para chegar à verdade.
sugiro que você sair agora. Eu vou lidar com isso. "
É geralmente improdutivas para lançar dois interrogadores em papéis hostil.

Idioma
Se o sujeito recalcitrante fala mais de uma língua, é melhor a questão
ele na língua com a qual ele é, pelo menos familiar, enquanto a finalidade de
interrogatório é obter uma confissão. Após a interrogatee admite hostil
dolo ou atividade, a mudança para a língua mais conhecida irá facilitar o acompanhamento.
Uma mudança abrupta de línguas pode enganar uma fonte de resistência. Se um interrogatee tem
resistido a uma enxurrada de perguntas em alemão ou coreano, por exemplo, um mudança
repentina de "Quem é o seu gestor de caso?" em russo pode desencadear a resposta antes da fonte
pode parar.
Um interrogador completamente em casa na língua a ser usada, no entanto, pode eleger
de usar um intérprete, se interrogatee não conhece o idioma a ser utilizado
entre o interrogador e intérprete e também não sabe que o interrogador sabe sua própria língua. A
principal vantagem aqui é que a audição tudo duas vezes ajuda o interrogador a nota de voz,
expressão, gestos e outros indicadores mais atenção. Essa jogada é, obviamente, impróprio para
qualquer forma de fogo-rápido interrogatório, e, em qualquer caso, tem a desvantagem de levar
o sujeito a se recompor depois de cada consulta. Ele deve ser usado apenas com um intérprete
que foi treinado na técnica.
É de fundamental importância que não o interrogador usando um interpretador de ser adepto no
idioma selecionado para o uso. Se ele não for, se desliza da gramática ou um forte sotaque mar o
seu discurso, a fonte de resistência normalmente irá se sentir fortalecida. Quase todos as pessoas
foram condicionadas a relacionar habilidade verbal para a educação, inteligência status social,
etc Erros ou erros de pronúncia também para permitir a interrogatee a incompreensão ou a fingir
mal-entendidos e assim ganhar tempo. Ele também pode recorrer a mistificações polissilábico ao
perceber as limitações do interrogador do vocabulário.

Spinoza e Snerd Mortimer


Se não houver razão para suspeitar que possui uma fonte de retenção na fonte útil
contra-informação, mas não teve acesso ao curso superior de das organizações alvo, o nível de
política e de comando, continuou questionando sobre temas elevados que a fonte não sabe nada
sobre pode pavimentar o caminho para a extração de informações em níveis inferiores. O
interrogatee é questionado sobre KGB política, por exemplo: a relação do serviço a seu governo,
sua ligação arranjos, etc, etc Suas queixas que ele não sabe nada sobre esses assuntos são
satisfeitas por insistência apartamento que ele sabe, ele teria que saber que, mesmo os homens
mais estúpidos em sua posição sabe. interrogadores comunista que costumavam essa tática
contra prisioneiros de guerra americanos junto com a punição para "não sei" respostas -
geralmente obrigando o prisioneiro a ficar em alerta até que ele deu alguma resposta positiva.
Depois que o processo tinha sido levada suficientemente longe, a fonte foi feita uma pergunta
para a qual ele sabia a resposta. Números de Os americanos têm mencionado "... a tremenda
sensação de alívio que você começa quando ele finalmente, pede-lhe algo que você pode
responder. "disse," Eu sei que parece estranho agora, mas fiquei positivamente grato a eles
quando se mudou para um tópico que eu sabia alguma coisa. "(3)

O Lobo em pele de cordeiro


Tem sido sugerido que uma fonte de sucesso na fonte pode ser enganado
em conformidade, se levado a acreditar que ele está lidando com a oposição. A
sucesso do ardil depende de uma imitação bem sucedida da oposição. Um caso
gestor até então desconhecido para a fonte e hábil na linguagem apropriada
conversações com a fonte, em tais circunstâncias que este último está convencido de que
ele está lidando com a oposição. A fonte é interrogado sobre o que ele disse
os americanos e que ele não contou a eles. O truque é mais chances de êxito se
o interrogatee não tenha sido em confinamento, mas um palco de "escape", projetado
por um pombo-fezes, pode atingir o mesmo fim. Normalmente, o truque é tão
complicado e arriscado que o seu emprego não é recomendado.

Alice no País das Maravilhas


O objetivo do Alice no País das Maravilhas ou técnica de confusão é para confundir o
expectativas e reações condicionadas do interrogatee. Ele está acostumado a
um mundo que faz algum sentido, pelo menos para ele: um mundo de continuidade e lógica, um
mundo previsível. Ele se apega a este mundo para reforçar sua identidade e poderes de
resistência.
A técnica da confusão é concebida não apenas para obliterar a familiar, mas a
substituí-lo com o estranho. Embora este método pode ser empregado por uma única
interrogador, é melhor adaptado à utilização por dois ou três. Quando o sujeito entra
a sala, o interrogador primeiro faz uma pergunta doubletalk - uma que parece simples, mas é
essencialmente sem sentido. Se o interrogatee tenta resposta ou não, o interrogador segundo
seguimento (interrompendo qualquer tentativa de resposta) com uma consulta de estranhos e
igualmente ilógicas. Às vezes, dois ou mais perguntas são solicitados simultaneamente. Volume,
tom e volume da vozes interrogadores não estão relacionados com a importação das perguntas.
Nenhum padrão de perguntas e respostas é permitido desenvolver, nem as próprias questões
relacionam logicamente uns aos outros. Nesta atmosfera estranha o sujeito descobre que o padrão
de expressão e de pensamento que ele tem aprendido a considerar normal ter foi substituída por
uma estranha falta de sentido. O interrogatee pode começar a rir ou se recusar a levar a situação a
sério. Mas como o processo continua, dia após dia, se necessário, o sujeito começa a tentar fazer
sentido da situação, que torna-se mentalmente insuportável. Agora ele é susceptível de fazer
admissões significativo, ou mesmo a derramar sua história, apenas para parar o fluxo do cavaco
que assalta. Este técnica pode ser especialmente eficaz com o tipo, ordenada obstinado.

Regressão
Há uma série de técnicas não-coercitiva para induzir regressão, todos os dependem de controle
do interrogador do ambiente e, como sempre, um correspondência adequada do método a fonte.
Alguns interrogatees pode ser reprimida por persistente manipulação do tempo, por retardar o
avanço e relógios e servir refeições em horários estranhos - dez minutos ou dez horas após o
último alimento foi dada. Dia ea noite são confusas. sessões de interrogatório são igualmente
unpatterned o assunto pode ser trazido de volta para mais questionamentos poucos minutos
depois de ter sido julgado para a noite. esforços indiferentes para cooperar pode ser ignorado, e
Inversamente, ele pode ser recompensado por não-cooperação. (Por exemplo, um
sucessoresistindo a fonte pode ser perturbada se dado alguma recompensa para o valor "
contribuição "que ele fez.) A Alice no País das Maravilhas técnica pode reforçar o efeito. Dois
ou mais interrogadores, questionando como uma equipe e em relés (e completamente jumbling o
momento de ambos os métodos) podem fazer perguntas o que torna impossível para o
interrogatee dar sensível, significativa respostas. Um sujeito que é cortado a partir do mundo que
ele conhece procura recriá-lo, em alguma medida, no ambiente novo e estranho. Ele pode tentar
manter o controle de tempo, para viver no passado familiar, se apegar a velhos conceitos de
lealdade, para estabelecer - Com um ou mais interrogadores - relações interpessoais que se
assemelham às que ele teve anteriormente com outras pessoas, e construir outras pontes de volta
para o conhecido. Frustrando as suas tentativas de fazê-lo é provável que levá-lo mais e mais em
si mesmo, até que ele já não é capaz de controlar suas respostas na forma adulta.
A técnica placebo também é usado para induzir a regressão é a interrogatee
receberam um placebo (uma pílula de açúcar inofensivo). Mais tarde, ele é informado de que ele
tenha absorvido um drogas, um soro da verdade, o que fará com que ele queira falar e que
também impedir a sua mentira. O desejo do sujeito para encontrar uma desculpa para que o
cumprimento representa o seu único caminho de fuga da sua situação angustiante pode fazer ele
quer acreditar que ele tenha sido drogado e que ninguém poderia culpá-lo para contar a sua
história agora. Gottschelk observa, "os indivíduos sob estresse aumentaram são mais propensos a
responder a placebos. "(7)
Orne discutiu uma extensão do conceito de placebo em explicar o que ele
os termos "a magia do quarto" técnica. "Um exemplo ... seria ... o prisioneiro que
é dada uma sugestão hipnótica que sua mão está crescendo quente. No entanto, neste
exemplo, a mão do prisioneiro, na verdade se torna quente, um problema facilmente
resolvido pelo uso de uma máquina de diatermia escondido. Ou pode ser Sugere ... que ... um
cigarro que gosto amargo. Aqui, novamente, ele poderia ser dado um cigarro preparado para ter
um ligeiro sabor amargo, mas visivelmente. "Discutindo estados de sugestionabilidade
aumentada (que não são, no entanto, os estados de transe)
Orne diz: "Tanto a hipnose e algumas das drogas que induzem estados hipnótico são
popularmente visto como situações em que o indivíduo não é mais senhor de seu
próprio destino e, portanto, não responsável por seus atos. Parece possível, então
que a situação hipnótica, como distinguido de hipnose em si, possam ser utilizadas
para aliviar o indivíduo de um sentimento de responsabilidade por suas próprias ações e, assim,
levá-lo a revelar a informação. "(7)
Em outras palavras, uma fonte psicologicamente imaturo, ou alguém que tenha sido
regressão, poderia adotar uma implicação ou sugestão de que ele foi drogado,
hipnotizado, ou incapazes de resistência, mesmo que ele reconhece em algum nível que a
sugestão é falsa, por causa de seu forte desejo de fugir do estresse da situação, capitulando. Essas
técnicas fornecem o fonte com a racionalização que ele precisa.
Se a regressão ocorre espontaneamente sob detenção ou interrogatório, e
se é induzido por uma técnica de coerção ou de não-coercitiva, não deve ser
permissão para continuar além do ponto necessário para obter a conformidade. Grave
técnicas de regressão são os melhores empregados na presença de um psiquiatra, para
garantir a reversão completa mais tarde. Assim que puder, o interrogador apresenta o tema com a
saída, a razão para salvar a face para escapar de seu dilema doloroso
cedendo. Agora, torna-se o interrogador paternal. Se a desculpa é que outros já confessou ("todos
os outros meninos estão fazendo isso"), que o interrogatee teve a chance de se redimir ("você é
realmente um menino bom coração "), ou que ele não pode ajudar a si mesmo (" fizeram-lhe a
fazê-lo "), o efetivo racionalização, a única fonte a vontade de saltar, é provável que seja
fundamental. É um versão adulta de desculpas de infância.

O Polígrafo
O polígrafo pode ser usado para outros fins que não a avaliação da veracidade.
Por exemplo, ele pode ser usado como adjuvante no teste a variedade de línguas
falada por um interrogatee ou sua sofisticação em matéria de inteligência, para uma rápida
triagem para determinar áreas amplas de cognoscibilidade, e como um auxílio na
avaliação psicológica das fontes. A sua principal função em um contra- interrogatório, no
entanto, é proporcionar mais um meio de ensaios de artifício ou retido na fonte.
Uma fonte resistentes suspeitos de associação com um clandestino hostil organização deve ser
testado polygraphically pelo menos uma vez. Vários exames pode ser necessária. Como regra
geral, o polígrafo não deve ser empregado como um medida de último recurso. leituras mais
confiáveis serão obtidos se o instrumento está usado antes que o assunto tenha sido colocado sob
pressão intensa, se tal pressão é coercitivo ou não. Informações suficientes para que o propósito é
normalmente disponíveis após a triagem e uma ou duas sessões de interrogatório.
Embora o polígrafo tem sido uma ajuda valiosa, não interrogador deve sentir que
pode levar a sua responsabilidade para ele. [Aprox. 7 linhas suprimido] (9)
Os melhores resultados são obtidos quando o interrogador da CI e do polígrafo
trabalho do operador em conjunto na definição das bases técnicas para exame. O operador
precisa todas as informações disponíveis sobre a personalidade da fonte, bem como o contexto
operacional e os motivos de suspeita.
O interrogador CI, por sua vez podem cooperar de forma mais eficaz e pode caber os resultados
da análise técnica mais precisa para a totalidade de suas descobertas se ele tem
uma compreensão básica do instrumento e seu funcionamento.
A discussão a seguir baseia-se R.C. "Davis" Respostas Fisiológicas como
Meios de Informação Avaliação ". (7) Embora as melhorias parecem estar na
iminente, o instrumento das medidas hoje difundido o uso de respiração, pressão arterial sistólica
pressão arterial e resposta galvânica da pele (GSR). "Uma desvantagem no uso de
respiração como um indicador ", de acordo com Davis," é a sua suscetibilidade ao voluntariado
controle. "Além disso, se a fonte" sabe que mudanças na respiração perturba todos variáveis
fisiológicas sob o controle da divisão autônoma do sistema nervoso
sistema e, possivelmente, alguns outros, uma certa quantidade de cooperação ou de um
certo grau de ignorância é necessária para a detecção de mentiras por meio de métodos
fisiológicos para o trabalho. "Em geral," ... respiração durante o engano é menor e mais lento que
em dizer a verdade ... a inibição da respiração parece bastante característico da
antecipação de um estímulo. "
A medição da pressão arterial sistólica fornece uma leitura em um
fenômeno normalmente não sujeitas ao controle voluntário. A pressão "... será
normalmente aumento de poucos milímetros de mercúrio, em resposta a uma pergunta, se
é respondida com sinceridade ou não. A evidência é que o aumento será em geral
maior quando (o sujeito) está mentindo. "Entretanto, a discriminação entre verdade
contar e mentir sobre a base de ambos respiração e pressão arterial "... é pobre
(Quase nulo) no início da sessão e melhora de um ponto alto depois. "
A resposta galvânica da pele é uma das reações mais facilmente acionado, mas
recuperação após a reação é lenta, e "... em um exame de rotina nos próximos
causa é susceptível de ser introduzido antes que a recuperação está completa. Em parte devido à
este fato, há uma tendência de adaptação do GSR com estímulos repetidos a cada poucos
minutos, a resposta fica menor, outras coisas sendo iguais ".
Davis analisa três teorias sobre o polígrafo. A resposta condicionada
teoria sustenta que o indivíduo reage às questões que atingem áreas sensíveis,
independentemente de que ele está dizendo a verdade ou não. Experimentação não tem sub-
stantiated esta teoria. A teoria do conflito pressupõe que uma grande fisiológicas
distúrbio ocorre quando o sujeito é preso entre a sua inclinação habitual para
dizer a verdade e seu forte desejo de não divulgar um determinado conjunto de fatos. Davis
sugere que, se esse conceito é válido, se e somente se o conflito é intenso. A
ameaça de punição teoria sustenta que uma resposta fisiológica grande acompanha mentindo,
porque o sujeito teme a consequência da falta de enganar. "Na linguagem comum pode-se dizer
que ele não consegue enganar o operador de máquinas pela simples razão de que ele teme que
ele irá falhar. O "medo" que ser a reação muito detectada. "Esta terceira teoria é a mais difundida
do que a outros dois. Os interrogadores devem observar a inferência de que uma fonte de
resistência que não teme que a detecção da mentira irá resultar em uma punição da qual ele é
medo não, de acordo com esta teoria, produzir respostas significativas.

Grafologia
A validade das técnicas para a análise grafológica da personalidade dos
interrogatees resistente não foi estabelecida. Há algumas evidências de que
A grafologia é uma ajuda útil na detecção precoce do câncer e de certos mental
doenças. Se o interrogador ou sua unidade decide ter uma fonte de letra analisadas, as amostras
devem ser submetidos a sede o mais rapidamente possível, porque a análise é mais útil na
avaliação preliminar da fonte que no interrogatório posterior. Grafologia tem a vantagem de ser
um das técnicas muito poucos que não requerem a assistência ou mesmo a consciência da o
interrogatee. Como acontece com qualquer outro auxílio, o interrogador é livre para determinar a
de determinar se a análise fornece-lhe novas perspectivas e válida, confirma outras observações,
não é útil, ou é enganosa.
Contra interrogatórios coercivos de fontes de resistência
Restrições A.

O objetivo desta parte do manual é apresentar informações básicas sobre


métodos coercitivos disponíveis para uso em situação de interrogatório. É vital que
esta discussão não pode ser interpretado como constituindo uma autorização para o uso de
coerção, a critério do campo. Como foi dito anteriormente, não há como cobertor
autorização.
[Aprox. 10 linhas suprimido]
Por razões éticas e pragmáticas não interrogador pode tomar sobre si
a responsabilidade unilateral por utilizar métodos coercivos. Escondendo a partir do
superiores interrogador a intenção de recorrer à coerção, ou a sua não aprovados
emprego, não protegê-los. Ele coloca-los, e KUBARK, em considerado perigo.
B. A Teoria da Coerção
procedimentos coercivos são concebidos não só para explorar a fonte de resistência
conflitos internos e induzi-lo a lutar com ele, mas também para trazer um força externa superior
a suportar a resistência do sujeito. Não-coercitiva métodos não são susceptíveis de ter êxito se a
sua selecção e utilização não é predicado em uma avaliação psicológica precisa da fonte. Em
contrapartida, o mesmo método coercitivo pode ter sucesso contra as pessoas que são muito
diferentes uns dos outros.
As mudanças de sucesso íngreme subida, no entanto, se a técnica como meio de coerção
combinado com a personalidade da fonte. Os indivíduos reagem diferentemente a esses
estímulos, mesmo aparentemente não discriminatórias como as drogas. Além disso, é um
desperdício de tempo e energia para aplicar uma forte pressão sobre um hit-or-miss base se um
toque na jugular psicológica irá produzir o cumprimento.
Todas as técnicas coercivas são projetados para induzir a regressão. Como observa em Hinkle "O
estado fisiológico do sujeito da interrogação, uma vez que afeta cérebro
Função "(7), o resultado de pressões externas de intensidade suficiente é a perda de
as defesas mais recentemente adquiridos pelo homem civilizado: "... a capacidade de transportar
as maiores taxas de actividades criativas, para atender às novas, desafiadoras e complexas
situações, para tentar lidar com as relações interpessoais, e para lidar com repetidas frustrações.
Relativamente pequenos graus de perturbação homeostática, fadiga, dor, perda de sono ou
ansiedade pode prejudicar a essas funções. "Como resultado," a maioria das pessoas que estão
expostos a procedimentos coercitivos vai falar e, geralmente, revelam algumas informações que
não poderia ter revelado o contrário. "
Uma reação subjetiva, muitas vezes evocada por coerção é um sentimento de culpa. Meltzer
observa: "Em alguns longos interrogatórios, o interrogador pode, em virtude de sua papel como o
único fornecedor de satisfação e de punição, assumir a estatura ea
importância de uma figura parental no sentimento do prisioneiro e de pensar. Embora
pode haver ódio intenso para o interrogador, não é incomum para aquecer sentimentos também
se desenvolver. Essa ambivalência é a base para as reações de culpa, e se
o interrogador nutre esses sentimentos, a culpa pode ser forte o suficiente para
influenciar o comportamento do preso .... A culpa torna mais provável o cumprimento ...."( 7).
Farber diz que a resposta à coerção normalmente contém "... pelo menos três
elementos importantes: dependência, debilidade, e pavor "Presos" .... ter viabilidade reduzida,
estão irremediavelmente dependente de seus captores para a satisfação das
suas muitas necessidades básicas, ea experiência das reações emocionais e motivacionais
de medo intenso e ansiedade .... Entre os [americano] POW's pressionados pela
Os comunistas chineses, a síndrome de DDD na sua forma full-blown constituía uma
estado de desconforto que era quase intolerável. "(11). Se a debilidade- Estado dread-
dependência é excessivamente prolongado, entretanto, o detido pode afundar em uma apatia
defensiva de que é difícil despertá-lo. Psicólogos e outros que escrevem sobre coação física ou
psicológica freqüentemente objeto que, sob pressão suficiente indivíduos geralmente rendimento,
mas que sua habilidade de recordar e transmitir informações com precisão é tão incapacitados
quanto a vontade de resistir. Essa objeção pragmática tanto a validade do mesmo para um contra-
interrogatório como qualquer outro. Mas há uma significativa diferença. A confissão é um
prelúdio necessário para o interrogatório de um IC, até agora fonte de responder ou dissimulação.
E o uso de técnicas coercivas raramente
ou nunca confundir um interrogatee tão completamente que ele não sabe se sua própria confissão
é verdadeira ou falsa. Ele não precisa de domínio pleno de todas as suas
poderes de resistência e discernimento para saber se ele é um espião ou não. Só
indivíduos que tenham atingido um ponto onde eles estão sob os delírios são susceptíveis de
fazer falsas confissões que eles acreditam. Depois de uma verdadeira confissão é obtida, o
clássico cuidados se aplicam. As pressões são elevadas, pelo menos o suficiente para que o
assunto pode fornecer informações de contra mais exata possível. Em
fato, o relevo concedido o assunto neste momento se encaixa perfeitamente no interrogatório
plano. Ele é informado de que o tratamento mudou é uma recompensa para a verdade e um
evidência que o tratamento amigável irá continuar enquanto ele coopera.
A objeção moral profunda coação a aplicar após o ponto do irreversível
dano psicológico tem sido afirmado. Julgar a validade das outras éticas
argumentos sobre a coerção ultrapassa o escopo deste artigo. O que é totalmente clara,
No entanto, é que a manipulação controlada coercivo de um interrogatee pode prejudicar
sua capacidade de fazer distinções sutis, mas não vai alterar sua capacidade de responder
corretamente questões tão bruto como "Você é um agente soviético? Qual é a sua missão agora?
Quem é o seu gestor presente caso? "
Quando um interrogador sentidos que a resistência do sujeito é vacilante, que o seu
desejo de rendimento está crescendo mais forte do que seu desejo de continuar sua resistência, o
chegou a hora de conferir-lhe a racionalização aceitável: um rosto de poupança razão ou
desculpa para o seu cumprimento. interrogadores Iniciante pode ser tentado a aproveitar sobre o
rendimento inicial triunfalmente e para personalizar a vitória. Tal tentação deve ser rejeitada
imediatamente. O interrogatório não é um jogo jogado
por duas pessoas, uma para se tornar o vencedor e um vencido. É simplesmente uma
método de obtenção de informação correta e útil. Portanto, o interrogador devem intensificar o
desejo do sujeito para parar de lutar, mostrando como ele pode fazê-lo sem parecer que
abandonar princípio, auto-proteção, ou outras inicial causas da resistência. Se, ao invés de
proporcionar a racionalização direito à direita tempo, o interrogador aproveita maldosamente
sobre oscilando o assunto, a oposição vai endurecer novamente.
A seguir estão as principais técnicas de interrogatório coercitivas: detenção, detenção, a privação
de estímulos sensoriais através de confinamento solitário ou similar métodos, ameaças e do
medo, fraqueza, dor de sugestibilidade, reforçado e hipnose, narcose, e regressão induzida. Esta
seção também discute a detecção de simulação por interrogatees e da prestação de justificativas
adequadas para capitulando e cooperando.

Prisão C.
A forma eo tempo de prisão pode contribuir substancialmente para fins do interrogador. "O que
nós pretendemos fazer é garantir que a forma de prisão atinge, se possível, surpresa, e ao
montante máximo de desconforto mental a fim de capturar o suspeito fora de equilíbrio e de
privá-lo da iniciativa. Deve-se prendê-lo, portanto, num momento em que ele menos espera e
quando seu mental e resistência física é o nível mais baixo. O tempo ideal em que para prender
uma pessoa é nas primeiras horas da manhã, pois a surpresa é alcançado, então, e porque a
resistência de uma pessoa fisiologicamente como psicologicamente está em seu menor .... Se
uma pessoa não pode ser preso na madrugada ..., então a melhor opção tempo é à noite
....[Aprox. 10 linhas suprimido] "(1)

D. Detenção
Se, através da cooperação de um serviço de ligação ou por meio unilateral, foram tomadas
medidas para o confinamento de uma fonte de resistência, a condições de detenção estão
dispostos a melhorar no âmbito da disciplina sua sentimentos de ser cortado a partir do
conhecido e reconfortante, e de ser mergulhou no estranho. Normalmente suas roupas são
imediatamente retirados, porque o vestuário familiar reforça a identidade e, portanto, a
capacidade de resistência.
(Prisões dar cortes de cabelo estreita e uniforme da prisão questão, pelo mesmo motivo.) Se o
interrogatee é especialmente orgulhoso ou puro, ele pode ser útil para dar a ele uma roupa que é
um ou dois tamanhos muito grandes e não fornecem um cinto, de modo que ele deve segurar as
calças.
O ponto é que o homem sentido de identidade depende de uma continuidade em sua
ambiente, os hábitos, aparência, ações, relações com os outros, etc Detenção permite que o
interrogador para cortar esses laços e lançar a interrogatee de volta para seu próprio nu recursos
internos.
Pouco se ganha, se o confinamento apenas substitui uma rotina com o outro.
Presos que levam uma vida monótona invariável "... deixar de cuidar de sua enunciados,
vestuário e higiene. Tornam-se embotada, apático e deprimido. "(7) e apatia pode ser uma defesa
muito eficaz contra os interrogatórios.
Controle do ambiente da fonte permite o interrogador para determinar a sua dieta, padrão de
sono, e outros fundamentos. Manipulando estes em irregularidades, de modo que o sujeito torna-
se desorientado, é muito provável a criação de sentimentos de medo e desamparo. Hinkle
salienta: "As pessoas que entram na prisão com as atitudes de mau agouro, apreensão e
desespero geral, fazer menos bem do que aqueles que entram com a garantia ea convicção de que
eles podem lidar com qualquer coisa que eles podem encontrar .... Algumas pessoas que têm
medo de perder dormir, ou que não querem perder o sono, logo sucumbem à perda de sono ...."
(7)
Em suma, o preso não deve ser fornecida uma rotina para que ele possa se adaptar
e da qual ele pode tirar algum conforto - ou pelo menos um senso de sua própria
identidade. Todo mundo já leu de prisioneiros que estavam relutantes em deixar suas celas
após o encarceramento prolongado. Pouco se sabe sobre a duração do confinamento
calculado para fazer uma mudança de assunto a partir de ansiedade, juntamente com um desejo
de sensoriais estímulos e convivência humana, a uma aceitação passiva, apática de isolamento e
um prazer no final deste estado negativo. Sem dúvida, a taxa de variação
é determinado quase inteiramente pelas características psicológicas do individual. Em qualquer
caso, é aconselhável manter a virada por objecto constante rupturas de padrões.
Por esta razão, é útil para determinar se o interrogattee foi preso antes, quantas vezes, em que
circunstâncias, por quanto tempo, e se ele foi submetido a interrogatórios anteriores.
Familiaridade com o confinamento e até mesmo com isolamento reduz o efeito.

E. A privação de estímulos sensoriais


O efeito principal da prisão e detenção, e especialmente em confinamento solitário,
é privar o sujeito de muitos ou a maioria das vistas, sons, sabores, cheiros, e sensações táteis para
que ele se habituou. John C. Lilly examinados dezoito relatos autobiográficos escritos por
exploradores polares e solitária marítimos. Ele achou "... que o isolamento de atos por si só na
maioria das pessoas como um poderoso stress .... Em todos os casos de sobreviventes de
isolamento no mar ou no meio da noite polar, que foi a primeira exposição que causou os
maiores medos e, portanto, o maior perigo de dar forma aos sintomas, a experiência anterior é
um poderoso auxílio na ir adiante, apesar dos sintomas. "Os sintomas mais comumente
produzido pelo isolamento são amor superstição, intenso de qualquer outro ser vivo, percebendo
objetos inanimados, como vivo, alucinações e delírios. "(26) A razão aparente para estes efeitos é
que uma pessoa isolada externa
estímulos volta sua consciência para dentro, para si, e, em seguida, projeta o conteúdo
fora de seu próprio inconsciente, de modo que dota o seu ambiente sem rosto
com seus próprios atributos, medos e lembranças esquecidas. Lilly observa: "É óbvio
que fatores internos na mente tendem a ser projetada para fora, que alguns dos
atividade mental, que geralmente é ligado a realidade torna-se agora livre para girar para
fantasia e, finalmente, à alucinação e ilusão. "
Uma série de experimentos conduzidos na Universidade McGill, do Instituto Nacional de
Saúde Mental, e outros sites têm tentado chegar o mais perto possível a eliminação dos estímulos
sensoriais, ou para mascarar estímulos restantes, principalmente sons, através de um overlay
mais forte, mas completamente monótono. Os resultados dessas experimentos têm pouca
aplicabilidade para interrogatório, porque as circunstâncias são diferentes. Alguns dos achados
apontam para hipóteses que parecem relevantes para interrogatório, mas como as condições de
detenção para efeitos de contra-interrogatório não foram duplicados para a experimentação.
No Instituto Nacional de Saúde Mental dois temas foram "... suspenso com
o corpo e tudo, mas o topo da cabeça imersa em um tanque contendo lentamente
água corrente em 34,5 [degrees] C (94.5 [degrees] F )...." Ambos indivíduos usavam
black-out, máscaras, à qual se juntava toda a cabeça, mas permitia a respiração e
nada mais. O nível de som era extremamente baixa, o sujeito ouviu apenas a sua própria
respiração e alguns sons fracos de água da tubulação. Nem o assunto esteve no tanque de mais de
três horas. Ambos passaram rapidamente de normalmente pensamento dirigido através de uma
tensão resultante da fome não satisfeita de sensoriais estímulos e sensações sobre a concentração
de alguns disponíveis para devaneios privada e fantasias e, eventualmente, a imagem visual que
se assemelha alucinações.
"Em nossos experimentos, observamos que após o dia de imersão, aparentemente, é iniciado
mais, i. e., o sujeito se sente como se ele tivesse ressuscitado de novo leito, sendo este efeito
persiste, eo sujeito descobre que ele está fora de sintonia com o relógio para o resto do dia ".
Drs. Wexler, Mendelson, Leiderman, ea Salomão, realizado um pouco semelhante experiência
em dezessete voluntários pagos. Estes temas foram "... colocado em um tipo tanque com um
respirador especialmente construídas colchão .... Os orifícios de ventilação do respirador foram
deixadas em aberto, de modo que o indivíduo respirava por si próprio. Seus braços e pernas
fechado em garrafas confortável, mas rígida para inibir o movimento e tátil contato. O sujeito
estava deitado de costas e foi incapaz de ver qualquer parte de seu corpo.
O motor do respirador foi executado constantemente, produzindo um chato, repetitivo
estímulo auditivo. A sala não admitia a luz natural ea luz artificial mínimo e constante. "(42)
Embora o prazo estabelecido foi de 36 horas e apesar de todas as necessidades físicas foram
atendidas, apenas 6 dos 17 completaram o stint. Os outros onze logo pediu para ser liberado.
Quatro destes encerrou o experimento por causa da ansiedade e pânico, sete fizeram por causa de
física desconforto. Os resultados confirmaram conclusões anteriores de que (1) a privação de
mais (2) o estresse torna-se insuportável para; estímulos sensoriais induz estresse indivíduos, (3)
o sujeito tem uma necessidade crescente de estímulos físicos e sociais; (4) alguns assuntos
progressivamente perder o contato com a realidade, o foco no interior, e produzir delírios,
alucinações e outros efeitos patológicos.
Resumindo alguns relatórios científicos sobre a privação sensorial e perceptual,
Kubzansky oferece as seguintes observações:
"Três estudos sugerem que os mais bem ajustados ou" normal "é o assunto, o
mais ele é afetado pela privação de estímulos sensoriais. Neuróticos e psicóticos
indivíduos são diminuições quer relativamente inalterada ou show na ansiedade,
alucinações, etc "(7) Estes resultados sugerem - mas nem por isso prova - o
seguintes teorias sobre confinamento solitário e do isolamento:

1. Quanto mais completamente o lugar de confinamento elimina os estímulos sensoriais, a


mais rápida e profundamente irá interrogatee a ser afetado. Resultados produzidos apenas
depois de semanas ou meses de prisão em uma cela comum pode ser repetido em
horas ou dias em uma cela que não tem luz (ou à luz artificial fraca, que nunca
varia), que é à prova de som, no qual são eliminados os odores, etc Um ambiente ainda mais
sujeitos a controlo, tal como o tanque de água ou pulmão de ferro, é ainda mais eficaz.
2. Um efeito precoce desse tipo de ambiente é a ansiedade. Como logo ele aparece e
como ela é forte depende das características psicológicas do indivíduo.
3. O interrogador pode se beneficiar de ansiedade do sujeito. Como o interrogador
torna-se ligados na mente do sujeito com a recompensa de ansiedade diminuiu, humanos
contato, e uma atividade significativa e, portanto, com o fornecimento de ajuda para crescer
desconforto, o entrevistador assume um papel benevolente. (7)
4. A privação de estímulos induz a regressão privando mente do sujeito
de contato com um mundo exterior e, assim, forçá-la em si mesmo. Ao mesmo tempo,
tempo, a prestação calculada de estímulos durante o interrogatório tende a tornar o
regrediram vista o sujeito interrogador como uma figura paterna. O resultado, normalmente, é
um reforço das tendências do sujeito em relação à conformidade.

F.Ameaças e Medo
A ameaça de coerção normalmente enfraquece ou destrói resistência mais eficazmente
do que a coerção em si. A ameaça de infligir dor, por exemplo, pode desencadear medos mais
prejudiciais do que a sensação imediata de dor. Na verdade, a maioria das pessoas
subestimar a sua capacidade de suportar a dor. O mesmo princípio vale para
outros medos: sustentado por muito tempo, um forte medo de nada vago ou desconhecido
induz a regressão, enquanto que a materialização do medo, a imposição de algumas
forma de punição, é provável vir como um alívio. O sujeito descobre que pode
resisti, e suas resistências são reforçadas. "Em geral, físico direto brutalidade apenas cria
ressentimento, hostilidade e desconfiança ainda. "(18)
A eficácia de uma ameaça depende não só sobre o tipo de pessoa interrogatee é e se ele acredita
que a sua pergunta pode e vai levar o a ameaça, mas também sobre os motivos do interrogador
para ameaçar. Se o interrogador ameaça, porque ele está com raiva, o sujeito freqüentemente os
sentidos do medo do fracasso subjacentes a raiva e é reforçado na sua própria resolução de
resistir. Ameaças entregues friamente são mais eficazes do que os gritos de raiva. É
especialmente importante que uma ameaça, não se pronunciou em resposta ao interrogatee
próprias expressões de hostilidade. Estes, se ignorada, pode induzir sentimentos de culpa,
enquanto réplicas em espécie aliviar os sentimentos do sujeito.
Outra razão pela qual as ameaças não induzir o cumprimento evocado pela inflexão da
coação é a ameaça que concede o tempo interrogatee para o cumprimento. Não é
suficiente para que uma fonte de resistência devem ser postas sob a tensão do medo, ele deve
também discernir uma rota de fuga aceitável. Biderman observa: "Não só a
vergonha ou culpa da derrota no encontro com o interrogador estar envolvida, mas
também a liminar mais fundamental para proteger a autonomia de uma auto-ou "vai'.... A
simples defesa contra as ameaças ao self de antecipação de serem obrigados a
cumprir, é claro, de respeitar 'deliberadamente' ou 'voluntariamente'.... Na medida em que
A interpretação acima, tem, mais intensamente motivado a [Interrogatee] é resistir, mais intensa
é a pressão para início cumprimento de tais ansiedades, para a maior é a ameaça à auto-estima
que está envolvido em contemplar a possibilidade de ser "obrigado a" respeitar ...." (6) Em breve,
a ameaça é como todas as outras técnicas coercitivas em ser mais eficaz quando utilizadas de
forma a promover a regressão e, quando se juntou com uma saída sugerida do dilema, a
racionalização aceitável para a interrogatee.
A ameaça de morte tem sido muitas vezes considerado pior do que inútil. Ele "tem o
posição mais alta na lei como uma defesa, mas em situações de interrogatório muitos, é um
altamente ineficiente ameaça. Muitos prisioneiros, na verdade, têm se recusado a ceder em face
de tais ameaças, que foram posteriormente "quebrado" por outros procedimentos.
A principal razão é que a ameaça principal é susceptível de induzir pura
desesperança se o interrogatee não acredita que é um truque, ele sente que
ele é tão susceptível de ser condenado após o cumprimento de antes. A ameaça de morte
também é ineficaz quando usado contra os tipos cabeça-dura que percebem que
silenciá-los sempre que derrotar os propósitos do interrogador. Se a ameaça é
reconhecido como um blefe, não só não, mas também abrir caminho a uma falha para posterior
artimanhas coercitivos utilizados pelo interrogador.
G. debilidade
Não há relato de investigação científica do efeito da debilidade sobre a interrogatee poderes de
resistência tem sido descobertos. Durante séculos interrogadores empregaram vários métodos de
indução de debilidade física: restrição prolongada; esforço prolongado, extremos de calor, frio ou
umidade; ea redução drástica de privação ou de comer ou dormir. Aparentemente, o pressuposto
da é que a redução da resistência fisiológica da fonte vai diminuir o seu psicológico capacidade
para a oposição. Se este conceito fosse válido, no entanto, pode ser razoavelmenteesperar que
aqueles indivíduos que são fisicamente mais fracos no início de um interrogatório seria mais
rápida a capitular, um conceito não é suportado pelo experiência. A evidência disponível sugere
que a resistência é solapada principalmente por pressões psicológicas do que físicas. A ameaça
de debilidade - para exemplo, um breve privação de alimentos - podem induzir a ansiedade muito
mais do que fome prolongada, o que resultará depois de um tempo na apatia e, talvez, delírios ou
alucinações eventual. Em resumo, parece provável que a
técnicas de indução de debilidade torna-se improdutivo, numa fase inicial. A
desconforto, a tensão ea busca incessante de uma via de escape são seguidos por
sintomas de abstinência, um afastamento de estímulos externos, e uma lenta
apatia.
Outra objeção à indução deliberada de debilidade que é prolongada
perda de esforço, de sono, etc, tornam-se padrões para os quais o sujeito
ajusta através de apatia. O interrogador deve usar seu poder sobre os resistentes
ambiente físico do sujeito para romper padrões de resposta, para não criar
elas. Refeições e dormir concedidos irregularmente, em mais de abundância ou menos
adequação, as mudanças que ocorrem em nenhum padrão discernível de tempo, normalmente
interrogatee um desorientar e seiva sua vontade de resistir de forma mais eficaz do que um
sofrido privação levando à debilidade.

H. REAÇÃO A DOR
Todo mundo está consciente da dor que as pessoas reagem de forma muito diferente à dor. O
motivo, aparentemente, não é uma diferença física na intensidade da sensação em si. Lawrence
E. Hinkle observa: "A sensação de dor parece ser aproximadamente igual
em todos os homens, isto é, todas as pessoas têm aproximadamente o mesmo no limite
que eles começam a sentir dor, e quando cuidadosamente estímulos classificados são aplicadas a
eles, as suas estimativas de gravidade são aproximadamente os mesmos .... Yet ... quando os
homens estão muito motivados ... eles foram conhecidos para realizar bastante complexa tarefas,
mesmo suportando a dor mais intensa. "Ele também afirma:" Em geral, parece que tudo o que
pode ser o papel da investidura constitucional em
determinar a reação à dor, é um determinante muito menos importante do que é
a atitude do homem que vivencia a dor. "(7)
A grande variedade de reações individuais à dor pode ser parcialmente explicado em
termos de condicionamento inicial. A pessoa cujo primeiro encontro com a dor foram
assustador e intenso pode ser mais violentamente afectada pela sua imposição até
uma cujas experiências iniciais foram leves. Ou o inverso pode ser verdadeiro, e os
homem cuja infância familiarizar-lo com a dor pode temer-lo menos, e reagir
menos, do que aquele cujo sofrimento é agravado pelo medo do desconhecido. A
individual continua a ser determinante.
Tem sido sugerido que plausível, visto que a dor infligida a uma pessoa
fora de si mesmo pode, na verdade o foco ou intensificar a sua vontade de resistir, sua resistência
é propensos a se esvair pela dor que ele parece infligir a si mesmo. "Na
simples tortura a situação do concurso é um entre o indivíduo e sua (.... torturador e ele pode
suportar freqüência). Quando o indivíduo é orientado a estar na atenção por longos períodos, um
fator interveniente é introduzido. A fonte imediata de dor não é o interrogador, mas a própria
vítima. A força motivacional do indivíduo é susceptível de se esgotar neste interna encontro ....
Enquanto o assunto permanece em pé, ele está atribuindo à sua captor o poder de fazer algo pior
com ele, mas na verdade não há
confronto da habilidade do interrogador a fazê-lo. "(4)
Interrogatees que estão na fonte, mas que sentem receio de culpa e um segredo
desejo de rendimento tendem a se tornar insolúvel se for feita para suportar a dor. A
razão é que eles podem interpretar a dor como punição e, portanto, como
expiação. Há também pessoas que apreciam a dor e sua antecipação e que
vai manter para trás a informação de que eles poderiam revelar se forem dadas
razão para esperar que a retenção terá como resultado a punição que eles querem.
Pessoas de baixa estatura moral ou intelectual considerável encontrar muitas vezes na dor
infligida por outros uma confirmação da crença de que eles estão nas mãos dos inferiores, e a sua
determinação de não apresentar é reforçada.
Dor intensa é bastante susceptível de produzir confissões falsas, inventadas, como meio de
escapando da angústia. Um time-consuming resultados atraso, enquanto a investigação é
realizados e as admissões são comprovadamente falsas. Durante esta pausa do
interrogatee pode se recompor. Ele pode até mesmo usar o tempo para pensar em
novos e mais complexos "internações" que levam mais tempo ainda para desmentir. KUBARK é
especialmente vulneráveis a essas táticas, pois o interrogatório é realizado para a título de
informação, e não para fins policiais.
Se um interrogatee é causado a sofrer dor e no final do processo de interrogatório
e depois de outras táticas falharam, ele está quase certo para concluir que o
interrogador está desesperada. Ele pode então decidir se ele pode apenas realizar
contra esse assalto final, ele vai ganhar a luta e sua liberdade. E ele é probabilidade de estar
certo. Interrogatees que têm resistido a dor é mais difícil manipular por outros métodos. O efeito
tem sido o de não reprimir o assunto, mas a restabelecer a sua confiança e maturidade.

I. Sugestibilidade aumentada e Hipnose


Nos últimos anos uma série de hipóteses sobre a hipnose têm sido avançadas por psicólogos e
outros sob o disfarce de princípios comprovados. Entre elas estão as afirmações apartamento que
um connot pessoa ser hipnotizado contra sua vontade, que enquanto hipnotizado, ele não pode
ser induzido a divulgação de informações que ele quer urgência para esconder, e que ele não vai
realizar, em transe ou através da sugestão pós-hipnótica, as ações a que normalmente teria sérias
objeções morais ou éticos. Se essas e outras alegações foram comprovadas válidas, a hipnose
teria um valor escasso para o interrogador.
Mas apesar do fato de que a hipnose tem sido objeto de investigação científica para um
muito tempo, nenhuma dessas teorias ainda não foram testados adequadamente. Cada um dos
deles está em conflito com algumas observações do fato. Em qualquer caso, uma interrogação
manual não pode e não precisa incluir uma longa discussão sobre a hipnose. A necessidades
oficial do caso ou interrogador saber o suficiente sobre o assunto para
compreender as circunstâncias em que a hipnose pode ser uma ferramenta útil, para que
ele pode solicitar a assistência de peritos de forma adequada. com pessoal, incluindo os
interrogadores, que chance de ter alguns leigos experiência ou habilidade em hipnotismo não
deve-se usar técnicas hipnóticas para interrogatório ou para outros fins operacionais. Há duas
razões para isso posição. A primeira é que o hipnotismo utilizado como um instrumento
operacional por um médico que não é um psicólogo, nem psiquiatra ou médico pode produzir
irreversível danos psicológicos. O praticante leigo não sabe o suficiente para usar o técnica de
segurança. A segunda razão é que uma tentativa frustrada de hipnotizar um assunto para fins de
interrogatório ou uma tentativa bem sucedida não são adequadamente abrangidas pela amnésia
pós-hipnótica ou outra proteção, pode facilmente levar a lúgubre e publicidade embaraçosa ou
encargos legais.
A hipnose é frequentemente chamado de um estado de sugestibilidade aumentada, mas a frase é
uma descrição do que uma definição. Merton Gill M. e Margaret Brenman
estado, "A teoria psicanalítica da hipnose implica claramente, onde não
explicitamente, que a hipnose é uma forma de regressão. "E acrescentam:" ... a indução
[Da hipnose] é o processo de conduzir a uma regressão, enquanto o hipnótico
Estado é o de regressão estabelecidas. "(13) Sugere-se que o interrogador se
encontrar essa definição o mais útil. O problema da superação da resistência dos
um interrogatee uncooperative é essencialmente um problema de induzir regressão a uma
nível em que a resistência não pode mais ser sustentada. A hipnose é uma forma de
regredindo pessoas.
Martin T. Orne tem escrito longamente sobre a hipnose e interrogatório.
Quase todas as suas conclusões são tentativamente negativo. Quanto ao papel
pela vontade ou atitude do interroga, Orne diz: "Embora o crucial
experimento ainda não foi feito, há pouca ou nenhuma evidência para indicar que
transe pode ser induzido contra os desejos de uma pessoa. "E acrescenta:" ... o real
ocorrência do estado de transe está relacionado com o desejo do sujeito para entrar
hipnose. "E ele também observa," ... se um assunto será ou não entrar
transe depende de sua relação com o hyponotist ao invés do
procedimento técnico de indução de transe. "Essas visões são provavelmente
representante dos muitos psicólogos, mas eles não são definitivos. Como
Orne-se mais tarde referiu, o interrogatee "... poderia ser dado um medicamento hipnótico
com as devidas sugestões verbais para falar sobre um determinado tópico. Eventualmente
suficiente da droga seria entregue para causar um curto período de inconsciência.
Quando o sujeito acorda, o interrogador pode então ler a partir de sua "nota" do
entrevista hipnótica a informação supostamente disse a ele. "(Orne anteriormente
salientar que esta técnica requer que o interrogador possuem significativa
informações sobre o assunto sem o conhecimento do assunto.) "Pode facilmente
ser visto como este ... manobra ... facilitaria o levantamento de informações em
entrevistas subseqüentes. "(7) Técnicas de indução ao transe em indivíduos resistentes
através da administração prévia de drogas ditas em silêncio (drogas que o
sujeito não sabe que ele tomou) ou através de outros métodos não-rotineiras de indução ainda
estão sob investigação. Até que mais fatos forem conhecidos, a questão de se um resistente pode
ser hipnotizado involuntariamente deve ficar sem resposta.
Orne também afirma que mesmo se um resistente pode ser hipnotizada, sua resistência não
cessar. Ele postula "... que só em raros indivíduos interrogatório seria um
suficientemente profundo transe ser obtida até mesmo tentativa de induzir o sujeito a
discutir o material do qual ele não está disposto a discutir, no estado de vigília. O tipo de
informações que podem ser obtidos nesses raros casos ainda é um sem resposta
questão ". Ele acrescenta que é duvidoso que um sujeito em transe poderia ser feito para
revelar informações que ele desejava proteger. Mas também aqui parece Orne
um pouco cauteloso demais ou pessimistas. Uma vez que um interrogatee está em um hipnótico
trance, sua compreensão da realidade torna-se sujeito à manipulação. Para
exemplo, um interrogador KUBARK poderia dizer a um agente suspeito de duplo em transe que
KGB está conduzindo o interrogatório, e assim inverter toda a estrutura da
referência. Em outras palavras, Orne provavelmente está certo ao considerar que mais
recalcitrantes indivíduos continuarão resistência efetiva, enquanto o quadro de referência é
não perturbadas. Mas uma vez que o assunto é levado a acreditar que ele está falando
amigo do que inimigo, ou que a divulgação da verdade é a melhor maneira de servir o seu
próprios propósitos, sua resistência será substituída pela cooperação. O valor da
transe hipnótico não é que ela permite o interrogador de impor sua vontade, mas
sim que ele pode ser usado para convencer o interrogatee que não há válida
razão para não estar próxima.
Uma terceira objeção levantada por Orne e outras é que o material provocada durante o transe
não é confiável. Orne diz: "... tem sido demonstrado que a exactidão de tais
informações ... não seria garantida desde assuntos em hipnose são totalmente
. Capazes de mentir "Novamente, a observação é correta, não se conhece de manipulação
veracidade método garante. Mas se a hipnose não é empregado como um imediato
instrumento para cavar a verdade, mas sim como uma forma de tornar o assunto
deseja alinhar-se com seus interrogadores, a objeção se evapora.
A hipnose oferece uma vantagem, não inerentes às técnicas de interrogatório ou outros
AIDS: a sugestão pós-hipnótica. Em circunstâncias favoráveis, deve ser
possível administrar uma droga silenciosa a uma fonte de resistência, persuadi-lo como o
droga faz efeito que ele está deslizando em um transe hipnótico, colocá-lo sob
hipnose real como a consciência está voltando, mudança de seu quadro de referência para que
suas razões, por razões de resistência tornam-se por cooperar, interrogá-lo, e
concluir a sessão, a implantação da sugestão de que quando ele emerge da
transe, ele não vai se lembrar de nada sobre o que aconteceu.
Este esboço esquemático das possíveis utilizações da hipnose no interrogatório de resistência
fontes não tem objetivo mais elevado do que para lembrar que o pessoal operacional técnica
pode fornecer a resposta a um problema de outra forma não solúvel. Para Repetindo: a hipnose
não é claramente um projeto do do-it-yourself. Portanto, o
interrogador, base, ou o centro que está a ponderar a sua utilização deve antecipar o calendário
suficiente não só para garantir a permissão sede obrigatória, mas também para
permitir que um especialista de viagens e informação.

J. Narcosis
Assim como a ameaça de dor pode induzir ao cumprimento mais eficaz do que a sua
imposição, de modo a crença equivocada de um interrogatee que ele foi drogado pode
torná-lo um assunto de interrogatório mais útil do que ele estaria sob narcose.
Louis A. Gottschalk cita um grupo de estudos, indicando que "30 a 50 por cento
dos indivíduos são reatores com placebo, ou seja, respondem com alívio sintomático
tendo uma substância inerte. "(7) Na situação de interrogatório, aliás, a
eficácia de um placebo pode ser reforçada por causa de sua habilidade para aplacar a
consciência. O assunto principal fonte de resistência à confissão ou
divulgação pode ser orgulho, patriotismo, lealdade pessoal para com os superiores, ou medo de
retribuição, se ele é retornado para suas mãos. Sob tais circunstâncias, a sua natural desejo de
escapar do estresse através do cumprimento com os desejos do interrogador pode tornar-se
decisivo se ele é fornecida uma racionalização aceitáveis para cumprimento. "Eu estava drogado
"é uma das melhores desculpas.
Drogas não são mais a resposta à oração do interrogador que o polígrafo,
hipnose, ou outras ajudas. Estudos e relatórios de "lidar com a validade do material
extraídos de informantes relutante ... indicam que não existe uma droga que pode
força de cada informante para relatar todas as informações que ele tem. Não só o
mentira psicopata inveterado penal sob a influência de drogas que tenham sido
testados, mas a pessoa relativamente normal e bem ajustado pode também sucesso disfarçar
dados factuais. "(3) Gottschalk reforça esta observação em que citam um experimento
envolvendo drogas que indicou que "O mais normal, os indivíduos bem integrados poderia estar
melhor do que a culpa montado, os indivíduos neuróticos. "(7)
No entanto, as drogas podem ser eficazes em superar a resistência não dissolvidos por
outras técnicas. Como já foi referido, a droga chamada silenciosa (a farmacologicamente potente
substância dada a uma pessoa inconsciente de sua administração) podem tornar possível a
indução do transe hipnótico em um anteriormente dispostos assunto. Gottschalk diz: "A escolha
criteriosa de um medicamento com efeitos colaterais mínimos, a sua correspondência com a
personalidade do sujeito, o cuidado aferição de dosagem, e um senso de timing ... [Fazer] a
administração em silêncio por um hard- aliado para-igual com o propósito de hipnotizador na
produção de auto-realização e inescapável sugestões ... os efeitos das drogas deve provar ...
atraente para o assunto desde as sensações percebidas origem inteiramente dentro de si mesmo.
"(7)
Particularmente importante é a referência à correspondência entre a droga para a personalidade
de o interrogatee. O efeito da maioria das drogas depende mais da personalidade do o assunto do
que sobre as características físicas do uso dessas drogas. Se o aprovação da sede foi obtido e se
um médico está à mão para administração, uma das mais importantes funções do interrogador é
fornecer ao médico com uma descrição completa e precisa do psicológico make-up da
interrogatee, para facilitar a melhor escolha possível de um medicamento.
As pessoas sobrecarregadas com sentimentos de vergonha ou culpa provavelmente para
desafogar se quando drogada, especialmente se esses sentimentos foram reforçados por
o interrogador. E como o placebo, a droga proporciona uma excelente racionalização do
desamparo para o interrogatee que quer ceder, mas tem até agora foi incapaz de violar seus
próprios valores e lealdades.
Como outros meios coercitivos, as drogas podem afetar o conteúdo do que um interrogatee
divulga. Gottschalk observa que certas drogas "pode dar origem a psicóticos
manifestações, tais como alucinações, ilusões, delírios, ou "desorientação, assim
que "o material verbal obtido nem sempre pode ser considerada válida." (7) Para
esta razão, as drogas (e outras ajudas discutidas nesta seção) não deve ser utilizado
persistentemente para facilitar o esclarecimento interrogativa que se segue capitulação. Sua
função é fazer com que a capitulação, para ajudar na mudança de resistência à cooperação. Uma
vez que esta mudança tenha sido realizada, coercitiva técnicas deve ser abandonada tanto por
razões morais e porque eles são desnecessária e até contraproducente.
Essa discussão não inclui uma lista de medicamentos que têm sido empregadas para
fins de interrogatório ou uma discussão de suas propriedades, pois estas são
considerações médicas da província de um médico ao invés de um interogator.

K. A detecção de Simulação
A detecção de simulação não é, obviamente, uma técnica de interrogatório,
coercitivas ou de outra forma. Mas a história do interrogatório é repleta de histórias
de pessoas que tentaram, muitas vezes com sucesso, para iludir a montagem
pressões de interrogatório, fingindo uma doença física ou mental. KUBARK
Os interrogadores podem encontrar interrogatees aparentemente doentes ou irracional, às vezes e
locais que dificultam ou próximo-a-impossível convocar médicos ou
assistência outro profissional. Porque algumas dicas podem tornar possível para o
interrogador distinguir entre o golpista ea pessoa que é verdadeiramente doente, e porque tanto a
doença e simulação são, por vezes produzidos pelo interrogatório coercivo, uma breve discussão
sobre o tema foi incluído aqui. A maioria das pessoas que fingem uma doença física ou mental
não sei o suficiente sobre o assunto para enganar o bem-informado. Malcolm L. Meltzer diz: "A
detecção de simulação depende em grande medida, em caso de falha do simulador para entender
adequadamente as características do papel que ele está fingindo .... Muitas vezes, ele apresenta
sintomas, que são extremamente raros, existentes principalmente na fantasia do leigo. Um dos
sintomas é a ilusão dos erros de identificação, caracterizada por o ... crença de que ele é um
personagem poderoso ou histórico. Este sintoma é muito incomuns na psicose verdadeira, mas é
usado por uma série de simuladores. Em esquizofrenia, o início tende a ser gradual, delírios não
surgem completo fundido durante a noite, em distúrbios simuladas, o início é geralmente rápida e
delírios podem ser prontamente disponíveis. A psicose fingida geralmente contém muitos
sintomas contraditórios e inconsistentes, raramente existentes em conjunto. A malingerer tende a
ir aos extremos em sua interpretação de seus sintomas, ele exagera, dramatiza, caretas,
mensagens, é muito bizarro, e solicita atenção para si mesmo de outras formas .... "Outra
característica do golpista é que ele geralmente procuram evitar ou adiar o exame. Um estudo do
comportamento dos indivíduos detector de mentiras, para exemplo, mostrou que as pessoas que
mais tarde "provada a culpa" mostrou algumas semelhanças de comportamento. Os culpados
foram relutantes em fazer o teste, e eles tentaram nos várias formas de adiar ou atrasar-lo. Eles
apareceram frequentemente muito ansioso e por vezes, tomou uma atitude hostil com o teste eo
examinador. Evasivo táticas, por vezes, apareceu, como um suspiro, bocejo, movendo-se, tudo
de folha que o examinador obscurecendo a gravação. Antes do exame,
sentiram a necessidade de explicar por que suas respostas possam enganar o examinador em
pensando que eles estavam mentindo. Assim, o procedimento de submeter um suspeito
malingerer a um detector de mentiras poderia evocar comportamentos que reforcem a
suspeita de fraude. "(7)
Meltzer também observa que simuladores que não são psicólogos, profissionais podem
normalmente ser expostos por meio de testes de Rorschach.
Um elemento importante na simulação é o estado de espírito do examinador. A
pessoa acorda fingindo loucura em um examinador de profissionais não só suspeita, mas também
o desejo de desmascarar a fraude, ao passo que uma pessoa assim que
finge estar escondendo a doença mental e que permite apenas um sintoma menor
ou dois para peep through é muito mais propensos a criar no especialista o desejo de expor a
doença escondida.
Meltzer salienta que mutismo simulados e amnésia pode geralmente ser distinguir os estados
verdadeiro por narcoanalysis. O motivo, porém, é o reverso da crença popular. Sob a influência
de medicamentos apropriados o golpista vai persistir em não falar ou não lembrar, enquanto o
sintomas da genuinamente aflitos vai desaparecer temporariamente. Outro técnica é fingir ter o
engano sério, expressa profunda preocupação, e dizer o "paciente" que o único remédio para sua
doença é uma série de electrodomésticos
tratamentos de choque ou uma lobotomia frontal.

L. Conclusão
Um breve resumo do que precede pode ajudar a puxar os principais conceitos de coacção
interrogatório junto:
1. As principais técnicas coercivas, prisão, detenção, a privação de estímulos sensoriais, ameaças
e medo, fraqueza, dor, aumento da sugestibilidade e hipnose e drogas.
2. Se uma técnica coercitiva é para ser usado, ou se dois ou mais devem ser empregados em
conjunto, eles devem ser escolhidos pelos seus efeitos sobre o indivíduo e cuidadosamente
selecionados para coincidir com a sua personalidade.
3. O habitual efeito de coerção é a regressão. As defesas maduras interrogatee de
desmorona quando ele se torna mais infantil. Durante o processo de regressão
sujeito pode experimentar sentimentos de culpa, e é geralmente útil para intensificar
estes.
4. Quando regressão avançou o suficiente para que o desejo do sujeito para
produção começa a desequilibrar sua resistência, o interrogador deve fornecer uma cara
poupança de racionalização. Como a técnica coercitiva, a racionalização deve ser
cuidadosamente escolhidos para caber a personalidade do sujeito.
5. As pressões de coação deve ser afrouxado ou tem levantado após o cumprimento
foram obtidos, de forma que a cooperação voluntária, o interrogatee não será impedido.

Nenhuma menção foi feita sobre o que é frequentemente a última etapa em uma entrevista
conduzida por um serviço comunista: a tentativa de conversão. No Western vista o objetivo do
questionamento é a informação, uma vez que um grau suficiente de
a cooperação foi obtida para permitir o acesso ao interrogador informação que ele procura, ele
não é normalmente preocupados com as atitudes dos fonte. Em algumas circunstâncias, no
entanto, esta indiferença pragmática pode ser míope. Se o interrogatee permanece semi-hostis ou
remorso após uma interrogatório de sucesso acabou, menos tempo será necessário para
completar a sua conversão (e possivelmente para criar um activo duradouro) que podem ser
necessárias para lidar com o seu antagonismo, se ele é apenas espremidos e esquecidos.

Lista interrogador Check


As perguntas que se seguem são destinados como lembretes para o interrogador e sua
superiores.
1. Ter local (federal ou outras) leis que afetam o comportamento de KUBARK unilateral
ou interrogatório conjunta foi compilado e aprendido?
2. Se o interrogatee está a ser realizada, quanto tempo ele pode ser detida?
3. São interrogatórios conduzidos por outros departamentos e agências ODYOKE
com responsabilidades de contra-espionagem estrangeira a ser coordenado com KUBARK se
sujeitos às disposições do Chefe do KUBARK Directiva [supressão de uma palavra] ou
Chefe / KUBARK Directiva [supressão de uma palavra]? Tem um KUBARK planejada
objecto de interrogatório às mesmas disposições que foram devidamente coordenados?
4. Já os regulamentos aplicáveis e das directivas KUBARK foi observado? Estes
incluir [aprox. 02/01 linha suprimido], o Chefe relacionados / KUBARK directivas, [aprox.02/01
linha suprimido] pertinentes [uma ou duas palavras suprimidas], e as disposições regem o
constrangimento que aparecem em vários pontos deste manual.
5. É a perspectiva de um cidadão interrogatee PBPRIME? Se assim for, temos o adicionou
considerações listadas em vários pontos foram devidamente anotados?
6. Será que os interrogadores selecionados para a tarefa de cumprir os quatro critérios do (a)
formação adequada e experiência de familiaridade, (b) real com a língua a ser
conhecimento utilizado, © da área geográfica e / ou cultural em questão, e (d)
compreensão psicológica do interrogatee?
7. Tem o interrogatee prospectivo foram rastreados? Quais são as suas principais
características psicológicas? Será que ele pertence a uma das nove categorias principais
enumerados no pp 19-28? Qual?
8. Contém todas as informações disponíveis e pertinentes sobre o assunto foram reunidos
e estudou?
9. É a aproximadamente [fonte. 03/02 linha suprimido], ou vai questionar ser concluída
em outro lugar? Se em uma base ou estação, será o interrogador interrogatee, e
instalações estarão disponíveis para o tempo considerado necessário para a conclusão do
o processo? Se ele está a ser enviado para um centro, tem a aprovação do centro ou da
Sede foram obtidas?
10. Ter todos os documentos adequados realizados pela interrogatee prospectivo foi
submetidos à análise técnica?
11. Tem uma seleção de fontes abertas lógico foram realizados? É o interrogatório
necessária?
12. traços têm o campo ea sede foi executado no interrogatee potencial e pessoas intimamente
associado a ele por laços familiares, emocionais, ou relações comerciais?
13. Tem uma avaliação preliminar da bona fides foi realizado? Com o resultados?
14. Se uma admissão de associação anterior com um ou mais inteligência estrangeira
serviços ou partidos comunistas ou frentes tem sido obtidos, têm informações completas
foram adquiridos e relatados?
15. LCFLUTTER tem sido administrada? Tão cedo quanto possível? Mais do que
uma vez? Quando?
16. É estimado que o interrogatee prospectivo é susceptível de provar cooperativa
ou recalcitrantes? Se a resistência é esperado, que é sua fonte antecipado: o medo,
patriotismo, considerações pessoais, convicções políticas, teimosia, outros?
17. Qual é a finalidade do interrogatório?
18. Contém um plano de interrogatório foram preparados?
19. [Aprox. 5 linhas suprimido]
20. É um ambiente apropriado para interrogatório disponíveis?
21. Será que as sessões de interrogatório sejam gravadas? O equipamento está disponível?
Instalado?
22. Foram tomadas medidas para se alimentar, cama e guarda o sujeito como necessária?
23. Será que o plano de interrogatório chamada para mais de um interrogador? Em caso
afirmativo, papéis foram atribuídos e horários preparado?
24. O ambiente é totalmente interrogational sujeitas ao interrogador
manipulação e controle?
25. Que disposição está prevista para o interrogatee após o interrogatório termina?
26. É possível, no início do interrogatório, para determinar o assunto é pessoal resposta ao
interrogador ou interrogadores? Qual é a reação do interrogador ao assunto? Há uma reação
emocional forte o suficiente para distorcer os resultados? Se assim, o interrogador pode ser
substituído?
27. Se a fonte é resistente, se não coercitivo ou coerção técnicas podem ser usados?
Qual é o motivo da escolha?
28. Foi o tema interrogado antes? Será que ele sofisticados sobre técnicas de interrogatório?
29. A impressão feita pelo interrogatee durante a fase de abertura de o interrogatório confirmar
ou conflito com a avaliação preliminar formado antes do interrogatório começou? Se existem
diferenças significativas, o que são e como eles afetam o plano para o restante do
questionamento?
30. Durante a fase de abertura, tem a voz do sujeito, olhos, boca, os gestos, silêncios, ou outros
indícios visíveis sugeriu áreas de sensibilidade? Se assim for, o que tópicos?
31. Tem afinidade sido estabelecido durante a fase inicial?
32. Tem a fase de abertura foi seguido por um reconhecimento? Quais são os principais
áreas de resistência? Que táticas e quanta pressão será necessária para superar a resistência? Caso
a duração estimada de interrogatório ser revistos? Se assim for, são outras disposições
necessárias para a continuidade da detenção, suporte de ligação, de guarda, ou para outros fins?
33. Na opinião do interrogador, qual é a reação emocional do sujeito para o interrogador? Por
quê?
34. Os relatórios de interrogatórios a ser preparado após cada sessão, a partir de notas ou
fitas?
35. Que disposição dos interrogatee está a ser feita após questionamento acaba? Se o sujeito é
suspeito de ser um agente hostil e se o interrogatório não confissão produzida, que medidas serão
tomadas para garantir que ele não é da esquerda para a
operar como antes, sem obstáculos e sem controle?
36. São todas as promessas feitas ao interrogatee insatisfeito quando questionado
termina? É o sujeito vingativo? Propensos a tentar contra-atacar? Como?
37. Se uma ou mais das técnicas não-coercitiva discutidos nas páginas 52-81 têm
foi selecionado para uso, como é que eles correspondem a personalidade do sujeito?
38. São técnicas coercivas para ser empregado? Se assim for, tem todo o pessoal de campo na
corrente direta interrogador de comando foi notificado? Têm aprovado?
39. Sede tem permissão prévia foram obtidas?
40. [Aprox. 4 linhas suprimido]
41. Como dito acima, para o confinamento. Se o interroga se a ficar confinado, pode KUBARK
controlar o seu ambiente totalmente? Pode a rotina normal ser interrompidos por fins de
interrogatório?
42. É solitária para ser usado? Por quê? Será que o lugar de confinamento
permitir a eliminação prática dos estímulos sensoriais?
43. São ameaças a ser empregado? Como parte de um plano? Tem a natureza da ameaça
foi acompanhado ao do interrogatee?
44. Se a hipnose ou drogas são consideradas necessárias, tem sede foi dada
antecedência suficiente? Contém prestação adequada foram feitos durante o tempo de viagem e
outras preliminares?
45. É o interrogatee suspeita de simulação? Se o interrogador é incerto,
são os serviços de um perito disponível?
46. Ao final do interrogatório, tem um amplo relatório de síntese foram preparados?
47. [Aprox. 4 linhas suprimido]
48. [Aprox. 4 linhas suprimido]
49. Foi um sucesso o interrogatório? Por quê?
50. Uma falha? Por quê?

Bibliografia Descritiva

Esta bibliografia é seletiva, a maioria dos livros e artigos consultados durante a elaboração deste
estudo não foram incluídos aqui. Aqueles que não têm real incidência sobre a contra-
interrogatório de fontes de resistência foram deixado de fora. Também omitiu algumas fontes
consideradas elementares, inferiores, ou insalubre. Não se afirma que o que resta é abrangente,
bem como seletivo, para o número de trabalhos publicados com alguma relevância até o assunto
restrito é mais de mil. Mas acredita-se que todos os itens listados aqui o mérito de leitura por
pessoal KUBARK preocupado com o interrogatório.
1. Anónimo [aprox. 1 / 3 da linha suprimido], o interrogatório, sem data. Este artigo é um
palestra de uma hora sobre o assunto. É atencioso, sincero, e com base experiência. Trata-se
apenas com interrogatório após a detenção e detenção. Porque o espaço é amplo, no entanto, a
discussão é viva, mas necessariamente menor do que profunda.
2. Barioux, Max, "Um Método para Seleção, Treinamento e Avaliação de Entrevistadores,
"Public Opinion Quarterly, Primavera 1952, vol. 16, N º 1. Este artigo
lida com os problemas dos entrevistadores realizar pesquisas de opinião pública. É da
apenas um valor pequeno para os interrogadores, embora ela sugere armadilhas produzidas por
perguntas que sugerem suas próprias respostas.
3. Biderman, D. Alberto, Um Estudo para o Desenvolvimento do interrogatório aprimorado
Técnicas: Estudo SR 177-D (U), Secret, o relatório final do contrato em 18 (600) 1797 Mesa, da
Social Science Research Inc., Washington, DC, Março de 1959.
Embora este livro (207 páginas de texto) se preocupa principalmente com aulas
derivado do interrogatório de prisioneiros de guerra americanos pelos serviços Comunista e com
o problema de resistir a interrogatórios, ele também lida com o interrogatório de
indivíduos resistentes. Tem a vantagem de incorporar as descobertas e
vistas de um certo número de estudiosos e especialistas em questões estreitamente relacionadas
com interrogatório. Como a freqüência de citação indica, este livro foi um dos a maioria das
obras consultadas útil; interrogadores poucos KUBARK deixaria de lucrar lê-lo. Ele também
contém uma bibliografia descriminating mas não descritas de 343
itens.
4. Biderman, Albert D., "Tentativas Comunistas de eliciar Falso Confissão de Ar
Presos Força de "Guerra", Boletim da Academia de Medicina de Nova York,
Setembro de 1957, vol. 33. Uma excelente análise das pressões psicológicas
aplicada pelos chineses comunistas americanos prisioneiros de guerra para obter "confissões"
para fins de propaganda.
5. Biderman, D. Alberto, "Técnicas Comunista do interrogatório coercivo", Ar
Inteligência, Julho de 1955, vol. 8, n º 7. Este pequeno artigo não é discutir os detalhes.
O seu tema está intimamente relacionada com a do item 4 acima, mas o foco está na
interrogação ao invés do levantamento das "confissões".
6. Biderman, D. Alberto, "Social necessidades psicológicas e de comportamento" involuntário ",
como Ilustrado por Conformidade de interrogatório ", a sociometria, junho de 1960, Vol. 23..
Esta artigo interessante é diretamente relevante. Ele fornece uma visão útil para o interação entre
o interrogador e interrogatee. Deve ser comparada com
s Melton W. Horowitz "Psicologia da Confissão" (veja abaixo).
7. Biderman, D. Alberto e Herbert Zimmer, a manipulação dos Direitos Humanos
Comportamento, John Wiley e Sons Inc., de Nova York e Londres, 1961. Este livro de
304 páginas é composto por uma introdução por editores e sete capítulos do
seguintes especialistas: Dr. Lawrence E. Hinkle Jr., "o estado fisiológico do
Assunto interrogatório, uma vez que afeta a função cerebral ", o Dr. Philip E. Kubzansky," O
Efeitos da estimulação ambiental reduzido sobre o comportamento humano: uma revisão "; Dr.
Luís A. Gottschalk, "O Uso de Drogas no interrogatório"; Dr. Davis RC, "Respostas Fisiológicas
como um meio de avaliar Informação" (este capítulo
lida com o polígrafo), Dr. Martin T. Orne, "Os usos potenciais da hipnose em
Interrogatório ";. Drs. Robert R. Blake e Jane S. Mouton," The Experimental
Investigação da influência interpessoal ", e Dr. Meltzer L. Malcolm,
"Contramanipulação através de Simulação". Apesar de os editores preliminar
anúncio de que o livro tem "um quadro específico de referência, o interrogatório de um sujeito
sem vontade ", a ênfase está na enumerados psicológica especialidades, e começa o
interrogatório shrift relativamente curto. No entanto, o interrogador KUBARK deve ler este
livro, especialmente os capítulos pelos drs. Orne e Meltzer. Ele vai achar que o livro é de
cientistas para cientistas e que o contribuições demonstrar consistentemente muito teórico um
entendimento de interrogatório, por si só. Ele também vai descobrir que praticamente nenhuma
experiência válida, a cujos resultados foram classificados e disponíveis para os autores tem sido
conduzido em condições de interrogatório. As conclusões são sugeridas, quase invariavelmente,
com base na extrapolação. Mas o livro contém muito útil informações, como referências
freqüentes neste estudo mostram. O combinado bibliografias contêm um total de 771 itens.
8. [Aprox. 14 linhas suprimido]
10. [Aprox. 9 linhas suprimido]
11. [Aprox. 3 linhas suprimido]
[Aprox. 3 linhas suprimido]
12. [Aprox. 9 linhas suprimido]
13. Gill, Merton, Inc., e Margaret Brenman, Hipnose e os Estados-relacionados:
Estudos Psicanalíticos de Regressão, Universidades International Press Inc., de NovaYork, 1959.
Este livro é uma análise erudita e abrangente de hipnose.
A abordagem é essencialmente freudiano, mas os autores não são nem estreito, nem
doutrinário. O livro discute a indução da hipnose, o estado hipnótico, teorias da indução e do
estado hipnótico, o conceito de regressão como um elemento básico na hipnose, as relações entre
hipnose e drogas, sono, fuga, etc, e do uso da hipnose na psicoterapia. Os interrogadores podem
encontrar a comparação entre hipnose e "lavagem cerebral" no capítulo 9 mais relevante do que
outras partes. O livro é recomendado, entretanto, não porque ele contém qualquer discussão
sobre o emprego da hipnose no interrogatório (não), mas porque fornece o interrogador com boa
informação sobre o que a hipnose
pode e não pode fazer.
14. Hinkle Lawrence, E. Jr. Wolff e Harold G., "Interrogatório Comunista e
Doutrinação dos inimigos do Estado ", Arquivos de Neurologia e AMA
Psychiatry, agosto de 1956, vol. 76, No. 2. Este artigo resume as reações fisiológicas e
psicológicas de prisioneiros americano a comunista detenção e interrogatório. Ele merece ser
estudado leitura, mas não, principalmente por causa da as enormes diferenças entre interrogatório
Comunista da América prisioneiros de guerra e KUBARK interrogatório do pessoal conhecida
ou suspeita de comunista ou serviços as partes.
15. Horowitz, W. Milton, "Psicologia da confissão." Revista de Direito Penal,
Criminologia e Ciências Policiais, julho e agosto de 1956, vol. 47. O autor enumera as
seguindo os princípios da confissão: (1) o sujeito se sente acusado; (2) ele é
confrontado pela autoridade exercendo o poder maior do que seu próprio, (3) ele acredita
que indícios de danos a ele está disponível ou possuído pela autoridade (4);
o acusado é cortado de amistoso de apoio, (5) auto-hostilidade é gerada e
(6) a confissão para alívio promessas autoridade. Embora o artigo é essencialmente um
especulação ao invés de um relatório dos fatos verificados, que merece uma leitura atenta.
16. Inbau, Fred E. e E. John Reid, Lie Detecção e Investigação Criminal,
Williams e Wilkin Co., 1953. A primeira parte deste livro consiste em uma discussão
do polígrafo. Será mais útil para o interrogador KUBARK que o segunda, que lida com os
elementos do interrogatório criminal.
17. Khokhlov, Nicolai, em nome da consciência, David McKay Co., em Nova York, 1959. Esta
entrada está incluída principalmente por causa da cotação citados. Ele faz fornecer, no entanto,
alguns insights interessantes sobre as atitudes de um interrogatee.
18. KUBARK, métodos de controle comunista, apêndice 1: "A utilização doconhecimento
científico
Design e Drogas de Orientação e Hipnose na Interrogatório Comunista e Procedimentos
doutrinação. "Secret, sem data. O apêndice apresenta um estudo de se os métodos de
interrogatório Comunista incluídos auxiliares, tais como a hipnose e drogas. Embora a
experimentação nessas áreas, é claro, realizado em países comunistas, o estudo não encontrou
nenhuma evidência de que tais métodos são utilizados em interrogatórios comunista - ou que
seria necessário.
19. KUBARK (KUSODA), técnicas de controle comunista, Segredo, 02 de abril de 1956.
Este estudo é uma análise dos métodos utilizados pela polícia comunista no Estado
detenção, interrogatório e doutrinação de pessoas consideradas como inimigos da
Estado. Este artigo, como outros que tratam de interrogatório Comunista técnicas, pode ser útil a
qualquer interrogador KUBARK acusado de questionamento um ex-membro de uma inteligência
Orbit ou serviço de segurança, mas não se trata com o interrogatório realizado sem poderes de
polícia.
20. KUBARK, Hostile Control e Técnicas de Interrogatório, Secret, sem data.
Este documento consiste em 28 páginas e dois anexos. Ele fornece conselhos para KUBARK
pessoal sobre a forma de resistir ao interrogatório conduzido por um serviço hostil. Embora que
inclui conselhos sobre a resistência, ela não apresenta qualquer nova informação sobre as teorias
ou práticas de interrogatório.
21. [Aprox. 15 linhas suprimido]
23. Laycock, Keith, "Análise de manuscrito como um auxílio de avaliação," Estudos em
Inteligência, Verão 1959, vol. 3, No. 3. A defesa da grafologia por um "Educados amador."
Embora o artigo é interessante, ela não apresenta testada evidência de que a análise da caligrafia
de um sujeito seria uma ajuda útil para uma interrogador. Recomendado, no entanto, que os
interrogadores não familiarizados com a tema.
24. Lefton, Jay Robert "," Reforma do Pensamento. "Comunista Chinês: Confissão e
Reeducação dos civis ocidentais ", Boletim da Academia de Medicina de Nova York
, Vol. Setembro de 1957,. 33. Um artigo sobre o som ChiCom lavagem cerebral técnicas. A
informação foi compilada a partir de entrevistas em primeira mão com prisioneiros que haviam
sido submetidos ao processo. Recomendado como pano de fundo leitura.
115 [quebra de página]
25. Levenson Bernardo, e Wiggins Lee, Um Guia para a Inteligência de Entrevistas
Fontes voluntárias estrangeiras, usamos Oficial Apenas, Diretor de Pesquisa em Educação
Laboratório, ARDC, Base da Força Aérea Maxwell (Memorando Técnico OERL-TM-
54-4). Uma boa, embora generalizada tratado, sobre técnicas de entrevista. À medida que o
mostra o título, o assunto é diferente do presente estudo.
26. Lilly, John C., "Efeitos Mental da redução dos níveis ordinários de Física
Estímulos em pessoas saudáveis intactas. "Relatório de Pesquisa Psicológica # 5, Americana
Psychiatric Association, 1956. Após apresentar um breve resumo de alguns
relatos autobiográficos escritos sobre o isolamento em relação ao mar (em pequenas
embarcações) ou as regiões polares, o autor descreve dois experimentos que visam a máscara ou
reduzir drasticamente o maior estimulação sensorial. O efeito foi o de acelerar o resultados da
classificação mais usual de isolamento (por exemplo, o isolamento).
Delírios e alucinações, precedido por outros sintomas, apareceu após uma curta períodos. O autor
não discute a eventual relevância de seus resultados para interrogatório.
27. Meerlo, Joost AM, The Rape of the Mind, Publishing Co. Mundial, Cleveland,
1956. principal valor deste livro para o interrogador é que ele vai se tornar conhecimento de um
número de elementos nas respostas de um interrogatee que são não directamente relacionadas
com as perguntas ou a definição de interrogatório, mas são ao invés do produto (ou pelo menos
influenciado por) todos os questionamentos que o assunto foi submetido anteriormente,
especialmente como uma criança. Para muitos, a interrogatees
interrogador se torna, para melhor ou pior, o pai ou símbolo de autoridade.
Se o sujeito é submisso ou agressivo pode ser determinada em parte pelo suas relações de
infância com seus pais. Porque as mesmas forças estão no trabalho na interrogador, o
interrogatório pode ser principalmente uma cobertura para uma camada mais profunda da troca
ou conflito entre os dois. Para o interrogador um valor principal de este livro (e de muito trabalho
psicológico relacionado e psicanalítica) é que ele pode dar-lhe um conhecimento mais profundo
em si mesmo.
28. Moloney, James Clark, "Psychic auto-abandono e extorsão de confissões,"
Revista Internacional de Psicanálise, Janeiro / Fevereiro de 1955, vol. 36. Este
breve artigo relata a libertação psicológica obtida através da confissão (ou seja,
a sensação de bem-estar de entrega a seguir como uma solução para um outro modo
conflito insolúvel), com a experiência religiosa em geral e cerca de dez budista
práticas em particular. O interrogador encontrará pouco aqui que não é mais
proveitosamente discutido em outras fontes, incluindo hipnose Gill e Brenman e
Estados relacionados. Marginal.
29. Oatis, William N. "Por que eu confesso," Vida, 21 de setembro de 1953, vol. 35. De
algum valor marginal, porque combina a profissão de escritor de inocência ("Eu Não sou um
espião e nunca foi ") com um relato de como ele foi trazido para "Confessar" a espionagem
dentro de três dias de sua prisão. Embora Oatis foi periodicamente, privados de sono (uma vez
por 42 horas) e obrigado a ficar até cansados, os tchecos obtidas as "confissões", sem tortura ou
de fome e sem técnicas sofisticadas.
30. Rundquist, EA, "A avaliação de Grafologia", Estudos em Inteligência,
Segredo, Verão 1959, vol. 3, No. 3. O autor conclui que os testes científicos
da grafologia é necessária para permitir uma avaliação objectiva das afirmações feitas na
seu nome. Este artigo deve ser conjugado com o n º 23, acima.
31. Schachter, Stanley, A Psicologia da Instituição: Estudos Experimentais da Fontes de
sociabilidade, Imprensa da Universidade de Stanford, Stanford, Califórnia, 1959.
Um relatório de 133 páginas, principalmente preocupados com experimentos e estatística
análises realizadas na Universidade de Minnesota e pelo Dr. Schachter colegas. As principais
conclusões dizem respeito as relações entre a ansiedade, a força das tendências de filiação, e à
posição ordinal (ou seja, classificar em ordem de nascimento entre irmãos). Algumas conclusões
preliminares de significância para os interrogadores são atingido, o seguinte entre eles:

a. "Uma das conseqüências do isolamento parece ser um estado psicológico


que em sua forma extrema se assemelha a um ataque de ansiedade full-blown. "(p. 12).
b. A ansiedade aumenta o desejo de estar com pessoas que compartilham o mesmo temor.
c. As pessoas que são filhos primogênitos ou apenas são tipicamente mais nervosa ou com medo
do que os nascidos mais tarde. Primogênitos e onlies também são "consideravelmente menos
dispostos ou capaz de suportar a dor do que os filhos mais tarde-nascido. "(p. 49). Em resumo,
este livro apresenta hipóteses de interesse para os interrogadores, mas é muito mais pesquisas
necessários para testar a validade e aplicabilidade.
32. Sheehan, Robert, Entrevista Polícia e interrogatórios e Preparação e assinatura de
declarações. Um folheto de 23 páginas, não classificados e sem data, que discute algumas
técnicas e truques que podem ser utilizados em contra- interrogatório. O estilo é enérgico, mas a
maioria do material é apenas ligeiramente relacionada a problemas KUBARK de interrogatório.
Recomendado como pano de fundo leitura.
33. Singer, Margaret Thaler e Edgar H. Schein, "Respostas do teste projetivo
Prisioneiros de Guerra, após o repatriamento. "Psiquiatria, 1958, Vol. 21.. Os testes
realizado no American ex-prisioneiros de guerra retornou durante o Big e Little Switches em
Coréia mostrou diferenças nas características entre os não-colaboradores e
corroborators. Este último mostrou mais típico e humanamente reações responsivas
a testes psicológicos que o anterior, que tendia a ser mais apático e emocionalmente estéril ou
retirados. Active opositores, no entanto, muitas vezes, mostrou uma padrão de reação ou de
resposta como o de colaboradores. testes de Rorschach pistas fornecidas, com uma incidência
boa estatística de confiabilidade, para a diferenciação entre colaboradores e não colaboradores.
Os testes e os resultados são descritos notar em conjunto com os procedimentos de triagem
recomendado neste de papel.
34. Sullivan, Harry Stack, a entrevista psiquiátrica, WW Norton and Co., em Nova
York, 1954. Qualquer interrogador ler este livro vai ser atingido por um paralelo entre a
entrevista psiquiátrica e do interrogatório. O livro também é valiosa, porque o autor, um
psiquiatra de renome considerável, obviamente, tinha uma profunda compreensão da natureza
das relações inter-pessoais e de resistência.
35. Exército dos EUA, Escritório do Chefe de História Militar, Métodos russa de
Interrogando Pessoal Capturado em II Guerra Mundial, em Washington, Segredo, de 1951. A
tratado global sobre inteligência russa e sistemas policiais e na história de tratamento dos
prisioneiros russos, militares e civis, durante e após a Segunda Guerra Mundial. O apêndice
contém alguns resumos caso específico da tortura física pela polícia secreta. Apenas uma
pequena parte do livro trata interrogatório. leitura de fundo.
36. Exército dos EUA, 7707 Centro Europeu de Inteligência de comando, Guia para
Interrogadores de Inteligência de Processos de Leste, Segredo, Abril de 1958. Este
especializados estudo é de um valor marginal para os interrogadores KUBARK lidar com os
russos e outros eslavos.
37. Exército dos EUA, a Escola de Inteligência do Exército, Fort Holabird, Técnicas de
Interrogatório, Instrutores pasta I-6437 / A, 1956 janeiro. Esta pasta é composta
grande parte de um artigo, "Sem a Tortura", por um ex-interrogador alemão, Hans
Joachim Scharff. Tanto a discussão preliminar eo artigo Scharff (primeiro publicado em Argosy,
maio 1950) são exclusivamente preocupada com o interrogatório de prisioneiros de guerra.
Embora as alegações Scharff que os métodos utilizados pelos militares alemães
Inteligência dos EUA capturados contra pessoal da Força Aérea "... foram quase irresistível ", a
técnica básica consistia em impressionar o prisioneiro
falsa convicção de que sua informação já era conhecida pelos alemães na íntegra
detalhes. O sucesso deste método depende de circunstâncias que são normalmente
falta no interrogatório de paz de um agente ou representante de hostil serviço de inteligência. O
artigo merece leitura, no entanto, porque mostra vividamente as vantagens que resultam de um
bom planejamento e organização.
38. Exército dos EUA, Corpo de Contra-Fort Holabird, interrogatórios, Restritos, 5 de setembro
de 1952. A cobertura básica do interrogatório militar. Entre os assuntos discutidos estão o
interrogatório de testemunhas, suspeitos, prisioneiros de guerra, e
refugiados, bem como o emprego de intérpretes e do polígrafo. Embora este texto não se
concentra sobre os problemas básicos enfrentados KUBARK interrogadores, que pagará a
leitura.
39. Exército dos EUA, Corpo de Contra-Fort Holabird, assuntos para pesquisa Departamento de
interrogatórios, Limitada, 01 de maio de 1950. Este livreto 70-gage em
contra-interrogatório é básico, sucinto, prático e de som.
Recomendado para leitura atenta.
40. [Aprox. 5 linhas suprimido]
41. Wellman, Francis L., A arte do contra-interrogatório, Editoras Cidade Jardim
Co. (agora Doubleday), Nova York, originalmente de 1903, 4 ª edição, 1948. A maior parte deste
livro, mas é indiretamente relacionados ao tema deste estudo, que trata principalmente da com
disparo de testemunhas e jurados impressionante. Capítulo VIII, "Falácias da Testemunho ", vale
a pena ler, no entanto, porque alguns de seus avisos são
aplicável.
42. Wexler, Donald, Jack Mendelson, Leiderman Herbert, ea Salomão, Filipe,
"Privação sensorial", A.M.A. Arquivos de Neurologia e Psiquiatria, 1958, 79,
pp 225-233. Este artigo relata uma experiência destinada a testar os resultados de
eliminando os estímulos sensoriais mais e mascarando outros. voluntários pagos gastos
períodos de 1 hora e 38 minutos a 36 horas em um tanque de respirador. Os resultados
incapacidade de se concentrar efetivamente incluídos, devaneios e fantasias, ilusões, delírios e
alucinações. A adequação deste procedimento como meio de acelerar os efeitos do isolamento
sobre assuntos recalcitrantes tem não foram considerados.

OUTRAS BIBLIOGRAFIAS
Os seguintes bibliografias sobre interrogatórios foram observados durante a preparação
deste estudo.
1. Lavagem cerebral, Um Guia para a Literatura, elaborado pela Sociedade para a
Investigação de Ecologia Humana, Inc., Forest Hills, Nova York, dezembro de 1960. A
grande variedade de materiais é representado: relatórios acadêmicos e científicos,
relatórios governamentais e organizacionais, discussões jurídicas, biográficos
contas, o jornalismo, ficção, e miscelânea. O número de itens em cada
categoria é, respectivamente, 139, 28, 7, 75, 10, 14 e 19, um total de 418. Um ou
duas descrições pena acompanhar os títulos. Estas são restritas a uma indicação
de conteúdo e não expressam juízos de valor. A primeira seção contém um
número de referências especialmente útil.
2. Bibliografia abrangente de técnicas de interrogatório, Procedimentos e
Experiências, Ar Informações do Relatório de Inteligência, não classificados, 10 de junho de
1959.
Esta bibliografia de 158 itens de encontros entre 1915 e 1957 compreende "o
monografias sobre este assunto disponíveis na Biblioteca do Congresso e dispostas em
ordem alfabética por autor, ou, na ausência de um autor, por título. "Não
descrições são incluídas, excepto para explicativas sub-títulos. As monografias, em
várias línguas, não estão categorizados. Esta coleção é extremamente
heterogêneos. A maioria dos itens são de valor escasso ou periféricas ao
interrogador.
3. Métodos e Técnicas de Interrogatório, KUPALM, L-3, 024, 941, Julho de 1959,
Secret / NOFORN. Esta bibliografia de 114 itens inclui referências a quatro
categorias: livros e folhetos, artigos de periódicos, documentos sigilosos,
e materiais de periódicos classificados. Nenhuma descrição (exceto sub-títulos) são
incluídos. A gama é ampla, de modo que um número de títulos de quase-irrelevantes são
incluídos (por exemplo, emprego psicologia: a entrevista, em entrevista social
pesquisa, e "se expressou dúvidas, a questão do preconceito em entrevistas", a partir
Journal of Marketing).
4. Levantamento da Literatura sobre técnicas de interrogatório, KUSODA, 01 de março
1957, Confidencial. Embora já um pouco datado, devido ao volume trabalho realizado desde sua
publicação, esta bibliografia continua sendo o melhor dos listados.
Ele agrupa os seus 114 itens em quatro categorias: Basic Leitura recomendada,
Leitura recomendada para leitura, de valor limitado ou Marginal, e leitura de
Nenhum valor. Uma breve descrição de cada item incluído. Embora alguns elementos de
subjetividade, inevitavelmente, reflexos dessas breves, apreciações críticas, elas são razoáveis; e
eles também são em tempo real-poupadores para os interrogadores ocupado demais para arar
através os acres da imprensa sobre a especialidade.

XII. Índice
AAbnormalities, manchando de 32
Agentes 17
Alice no País das Maravilhas técnica 76
Olho Que Tudo Vê técnica 67
Ansioso, egocêntrico personagem 24-25
Detenções 35, 85-86
Avaliação, a definição de quatro
BBi nível de funcionamento do interrogador 48
dados biográficos 62
bona fides, a definição de quatro
CCharacter destruído pelo sucesso, os 26
Interrogatórios coercivos 82-104
Conclusão dos interrogatórios ver
Rescisão
Confissão de 38-41, 67, 84
Confinamento (ver também a privação de estímulos sensoriais) 86-87
Confronto de 47 suspeitos
Controle, definição de quatro
Conversão 51
Coordenação dos interrogatórios 7
Contra-interrogação, definição de 05/04
Cross-exame 58-59
123 [quebra de página]
D
Debilidade 83, 92-93
Debriefing, a definição de 5
Desertores 16, 29, 43, 51, 63
Privação de estímulos sensoriais 87-90
Detalhadas questionamento 60-64
Detenção de interrogatees 6-8, 49, 86-87
Directivas de interrogatório que regem 7
Documentos de 36 desertores
Agente duplo 17-18
Drogas (ver Narcosis)
Coação (ver também interrogatórios coercivos)
EEliciting, a definição de 5
Meio Ambiente, da manipulação de 45-46, 52-53
16 fugitivos
Espionagem Lei 8
Exceção, o, tipo psicológico 27-28
FFabricators 18-19
94 falsas confissões
29 crianças da Primeira
GGalvanic resposta da pele a um polígrafo 80
Em seguida vai técnica Porta 66
Grafologia 81
Greedy exigente personagem 23-24
124 [quebra de página]
A culpa, sentimentos de 39, 66, 83
caráter de culpa 25-26
HHeightened sugestão e hipnose 95-98
I
Indicadores de emoção, 54-56 física
Indireta do Programa de Avaliação 30
técnicas Informer 67-68
Inteligência entrevista, a definição de 5
Intérpretes 74
Interrogatees, necessidades emocionais dos
Interrogatório, a definição de 5
Interrogatório, o planejamento de 42-44
Interrogatório configuração 45-47
Interrogador, características desejáveis de 10
Interrogador lista de verificação 105-109
Isolamento 29
Ivan é um técnica Dope 72
Interrogações JJoint 4, 43
interrogadores comum, técnicas adequadas para 47-48, 72-73
Misto suspeitos 47, 70-72
Julgando a natureza humana, falácias aproximadamente 12-13
KKhokhlov, Nikolai 9
considerações lLanguage 74
125 [quebra de página]
LCFLUTTER 43 Considerações legais que afetam os interrogatórios KUBARK CI 09/06
Ouvindo post para interrogatórios 47
As leis locais, a importância de 6
MMagic técnica quarto 77-78
Simulação, a detecção de 101-102
Comparação de método de interrogatório para a fonte 66
Mindszenty, o Cardeal, o interrogatório de 31 de
Mutt e Jeff técnica 72-73
N
Narcosis 98-100
News from Home técnica 68
Nobody Loves You técnica 67
interrogatório não-coercitiva 52-81
OODENBY, a coordenação com 8
Apenas 29 crianças
Abrindo o interrogatório 53-59
Optimista caráter 22-23
personagem-organizada obstinado 21-22
Posição ordinal 29
Organização do manual, a explicação de 3
Exteriores e interiores técnica do escritório 71
PPain 90, 93-95
Interrompe, a importância de 56
PBPRIME cidadãos, o interrogatório de 7-8
126 [quebra de página]
agentes Penetração 11, 18
Personalidade, as categorias de 19-28
Personalizar evasão, de 12 de
Placebos 77-78
Planejamento do contra-interrogatório 7, 38-44
poderes de polícia, a falta KUBARK de 6-7, 43-44
Considerações sobre as políticas que afectam os interrogatórios KUBARK CI 09/06
Polígrafo 79-81
sugestão pós-hipnótica 98
Sondagem 59-60
Provocateur 11, 17
Propósito do Livro 1-2
RRapport, o estabelecimento de 10-11, 56
Racionalização 41, 78, 85
Reconhecimento 59-60
A gravação dos interrogatórios 46-47
Refugiados 16
Regressão 40-41, 76-78, 96
Relacionamento, interrogatee interrogador-40
Repatriados 15, 42-43
Relatórios de interrogatório 61
Resistência de interrogatees 56-58
Resistência ao interrogatório 44-45
A taxa respiratória ea polígrafo 80
SSchizoid caráter 26-27
Rastreio 13, 30-33
Separação de 47 interrogatees
drogas Silent 97-99
Spinoza e Mortimer técnica Snerd 75
127 [quebra de página]
Estrutura do interrogatório 53-65
Trapaceiros 18-19
A pressão arterial sistólica e 80 do polígrafo
TTechniques de interrogatório não-coercitiva 65-81
Rescisão de interrogatório 50, 63-65
Teoria de interrogatório coercitivas 82-84
Ameaças e medo 90-92
Timing 49-50
Transferência de interroga para hospedar o serviço 50
Transferido fontes 16-17
Trauma 66
15 viajantes
WWalk-ins 34-36
técnicas Testemunha 68-70
Lobo em pele de cordeiro técnica 75

Оценить