Вы находитесь на странице: 1из 1

Todo ser vivo é formado por células. Alguns por uma única célula.

São os chamados seres unicelulares, como


por exemplo os protozoários, as bactérias, alguns fungos e algas. Outros são formados por mais células, os
seres pluricelulares ou multicelulares.

O ser humano é pluricelular. Em nosso corpo, há diferentes tipos de células e estima-se que tenhamos cerca de
3 trilhões delas. O formato e a função das células e como elas se agrupam são algumas das questões que
vamos responder ao longo deste artigo.

O formato de nossas células é extremamente variado. Existem células discóides, que têm o formato de um
disco, como é o caso do glóbulo vermelho ou hemácia. Há células que lembram uma estrela, como os neurônios
(células nervosas), e ainda há células alongada, como as musculares, por exemplo.

Hemácias e oxigênio
De qualquer modo, todas as células são de extrema importância para nossa sobrevivência e a para a
integridade de nosso corpo. Se ocorrer a morte de um grupo de células, como no caso da necrose de uma
perna, em função de uma picada de uma cobra, ou devido à falta de circulação sanguínea nas extremidades de
nossos membros, por causa das baixas temperaturas na escalada de uma montanha muito alta, a amputação
do membro em questão pode ser necessária.

Há algumas células que podem ser destacadas sobre as demais, como as hemácias, por exemplo. Elas são
responsáveis pelo transporte do oxigênio para todo o nosso corpo, garantindo, assim, a nossa sobrevivência.
Contudo, se são tão importantes, porque morrem 2,4 milhões, de hemácias aproximadamente a cada segundo?

Calcula-se que haja 5 milhões de hemácias por milímetro cúbico de sangue em um homem e, numa mulher,
4,5 milhões. Portanto, cada pessoa tem cerca de 30 trilhões de hemácias em sua circulação. A sobrevida de
uma hemácia gira em torno de 120 dias, pois, nos mamíferos, estas são bicôncavas e anucleadas (não têm
núcleo). Desse modo, não possuem material genético e não conseguem se auto-duplicar.

Leucócitos
Os glóbulos brancos, ou leucócitos, também se encontram no sangue. São classificados em granulosos
(basófilo, eosinófilo e neutrófilo) e agranulosos (linfócito e monócito) e apresentam formas e funções variadas.
Os linfócitos são de suma importância, pois garantem a defesa de nosso organismo contra corpos estranhos,
combatendo vírus, bactérias e outros agentes invasores.

Neurônios
Outras células de grande importância são os neurônios, que compõem o sitema nervoso. Eles são responsáveis
por quase tudo que ocorre em nosso corpo, desde a inteligência, o raciocínio, e a coordenação dos movimentos,
até a recepção de todas as sensações e informações do ambiente em que vivemos, a fim de traduzi-las e
verificar se nos trazem riscos ou benefícios.

Reprodução
O espermatozóide e o óvulo são as células específicas para a reprodução. A cada ejaculação, o homem elimina
cerca 400 milhões de espermatozóides a fim de que 100 cheguem próximo ao óvulo e apenas um consiga
entrar, ocorrendo assim a fecundação (encontro do óvulo com o espermatozóide), que garante a perpetuação
da espécie.

Energia
Existem ainda as células de gordura (ou adiposas), que constituem um terror para a sociedade atual, cujos
padrões de beleza valorizam os corpos esguios e esbeltos. Apesar de incomodarem e assustarem,
principalmente as mulheres, as células adiposas são de grande valia, pois ajudam a dissolver as vitaminas
lipossolúveis (A, D, E e K), ajudam a controlar a temperatura do corpo e funcionam como reserva de energia.

Ou seja, até as células mais "abomináveis" têm sua razão de ser e é isso que permite o bom funcionamento do
organismo.