Вы находитесь на странице: 1из 15

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA

Departamento de Ciências Aplicadas


Coordenação de Física

Disciplina: Física Professor: Esdras Santos

“Partindo destes princípios... Newton conseguiu explicar os movimentos


dos planetas, luas e cometas até os mínimos detalhes, assim como as
marés e o movimento de precessão da Terra – uma realização dedutiva de
magnificência única”. Albert Einstein

Lista de Exercícios - II Unidade


Dinâmica

1) (Mackenzie-SP) Uma força horizontal F = 10N é


aplicada ao bloco A de 6 kg, o qual por sua vez
está apoiado em um bloco B de 4 kg. Se os blocos
deslizam sobre o plano horizontal sem atrito, qual
a força, em newtons, que um bloco exerce sobre o
outro?

2) Três blocos A, B e C, de massa mA = 5 kg, mB = 2


kg, mc = 3 kg, estão numa superfície horizontal
sem atrito. Aplica-se ao bloco A uma força de
20N, constante, como indica a figura. Determine:

a) a aceleração do conjunto;
b) a intensidade da força que B exerce em C;
c) a intensidade da força que A exerce em B.

3) (FCC-SP) Quatro blocos M, N, P e Q, deslizam


sobre uma superfície horizontal, empurrados por
uma força F conforme o esquema. A força de
atrito entre os blocos e a superfície é desprezível e
a massa de cada bloco vale 3,0 kg. Sabendo-se que a aceleração escalar dos blocos vale 2,0
m/s2, a força do bloco M sobre o bloco N é, em newtons, igual a:

a) zero b) 6,0 c) 12 d) 18 e) 24

4) Dois blocos de massas 5 kg e 3 kg estão numa


superfície horizontal sem atrito e ligados por um
fio de massa desprezível. A força horizontal F tem
intensidade constante igual a 4N. Determine a
tração no fio que liga os corpos.
5) (FMIT-MG) Três blocos são atados por fios
ideais e puxados no espaço interestelar, onde
inexiste gravidade, com uma aceleração a de
módulo 10 m/s2. Quais as intensidades T1, T2 e T3
das forças tensoras nos fios?

6) (Fatec-SP) No arranjo da figura, M = 4 kg e m = 2


kg. Os fios e a polia têm massa desprezível.
Admitindo-se g = 10m/s2, pede-se:

a) a aceleração do conjunto;
b) a tração no fio durante o movimento.

7) No arranjo experimental da figura não há nenhum


atrito e o fio tem massa desprezível. Adote g =
10m/s2. Determine:

a) a aceleração do corpo A;
b) a tração no fio.
c) a força exercida pelo fio sobre a polia.

8) Na situação indicada na figura os fios têm inércia


desprezível e passam pelas polias sem atrito.
Adote g = 10 m/s2. Determine:

a) a aceleração do conjunto;
b) a tração no fio que liga A e B;
c) a tração no fio que liga B e C;
d) a força exercida pelo fio que liga B e C,
sobre a polia.

9) Os corpos A e B têm massas mA = 1 kg e mB = 3


kg. O corpo C, pendurado pelo fio, tem massa mc
= 1 kg. O fio é inextensível e tem massa
desprezível. Adote g = 10 m/s e suponha que A e
B deslizam sem atrito sobre o plano horizontal.
Calcule:

a) a aceleração do corpo C;
b) a intensidade da força que o corpo B exerce em A;
c) a força exercida pelo fio sobre a polia.
10) No sistema da figura (máquina de Atwood)
mostre que a aceleração a da massa M (M > m) e
a tensão na corda T (desprezando a massa da
corda e da polia) são dados por

M −m 2mM
a= g, T= g
M +m M +m

11) No sistema representado na figura as massas dos


blocos A, B e C são iguais a 3,0 kg, 2,0 kg e 5, 0
kg, respectivamente. Os fios e as polias são ideais
e não há atrito. Sabendo que g = 10 m/s2, calcule:

a) o módulo da aceleração do bloco A;


b) o módulo da tração no fio ligado ao bloco A;
c) o módulo da tração no fio ligado ao bloco C;

12) Consideremos uma balança de molas fixa no piso


de um elevador, numa região em que g = 10 m/s2.
Sobre a balança está um indivíduo de massa 50kg.
Determine a marcação da balança nos seguintes
casos:

a) o elevador está em repouso;


b) o elevador está descendo com movimento uniforme;
c) o elevador está subindo com movimento acelerado, cuja aceleração tem módulo a = 2
m/s2.
d) o elevador está descendo com movimento acelerado, cuja aceleração tem módulo a =
4 m/s2.
e) o elevador está subindo com movimento retardado, cuja aceleração tem módulo a = 3
m/s2.
f) o elevador está descendo com movimento retardado, cuja aceleração tem módulo a =
6 m/s2.

13) (UFRJ) Uma pessoa idosa, de 68 kg, ao se pesar,


o faz apoiada em uma bengala como mostra a
figura a seguir. Com a pessoa em repouso a leitura
da balança é de 650N. Considere g= 10 m/s2.

a) Supondo que a força exercida pela bengala


sobre a pessoa seja vertical, calcule o seu
módulo e determine o seu sentido.
b) Calcule o módulo da força que a balança exerce sobre a pessoa e determine a sua
direção e o seu sentido.
14) O esquema representa dois corpos A e B, de pesos
respectivamente iguais a 40N e 15N, presos ás
extremidades de um fio ideal f que passa por uma
polia também ideal. O corpo A está apoiado sobre
uma plataforma horizontal. Calcule o módulo da
força exercida pela plataforma sobre o corpo A.

15) No arranjo experimental da figura os fios e a polia


têm massas desprezíveis. O fio é inextensível e
passa sem atrito pela polia. Adote g = 10 m/s2.
Determine:

a) a aceleração dos corpos;


b) as trações T1 e T2.

16) (Fuvest-SP) As figuras mostram dois arranjos (A e B) de polias, construídos para erguer um
corpo de massa m = 8 kg. Despreze as massas das polias e das cordas, bem como os atritos.
Calcule FA e FB, em newtons, necessárias para manter o corpo suspenso e em repouso nos
dois casos. Dados: g = 10 m/s2.

17) Consideremos um elevador de massa mE e um


passageiro de massa mP, com mP > mE. O
elevador está suspenso por uma corda ideal que
passa por uma polia ideal e é puxada pelo
passageiro de modo que este sobe juntamente com
o elevador em movimento acelerado, de
aceleração cujo módulo é a. Sendo g o módulo da
aceleração da gravidade, determine, em função de
mE, mP, a e g, os módulos:

a) da tração no fio;
b) da força exercida pelo piso do elevador sobre o passageiro.
18) Um bloco de massa M = 80 kg está preso em uma
das extremidades de um fio ideal que passa por
uma polia também ideal e é puxada, conforme a
figura, por um indivíduo de massa 60kg, de modo
que tanto o indivíduo como o bloco sobem em
movimento acelerado. Sabendo que g = 10 m/s2 e
que o módulo da aceleração do indivíduo é 4 m/s2,
calcule o módulo da aceleração do bloco.

19) Abandona-se em repouso o sistema representado


na figura. Os fios e as polias são ideais. Sabendo
que a massa de B é 100 kg, calcule a massa de A,
de modo que o sistema fique em equilíbrio.

20) Considere o sistema representado na figura, onde


os fios e as polias são ideais. e as massas A e B
são respectivamente iguais a 3,0 kg e 2,0 kg.
Sendo aA e aB os módulos das acelerações dos
blocos A e B, determine:

a) a relação entre aA e aB;


b) os valores de aA e aB;
c) o módulo da tração no fio ligado ao bloco A.

21) Na figura ao lado os fios e as polias são ideais e


não há atrito entre o corpo B e o plano horizontal.
Os corpos A, B e C, de massas mA, mB e mC,
respectivamente, são abandonados do repouso.
Sabendo que mC > mA, mostre que os módulos da
aceleração de C e da tração no fio ligado a B pela
esquerda são expressos por:

mc − m A m A mC + 2 m A m B
a= g, T= g.
m A + 4 m B + mC m A + 4 m B + mC
22) Considere o sistema representado na figura, onde os
fios e as polias são ideais. A aceleração da
gravidade tem módulo g e as massas dos blocos A
(que desce) e B são respectivamente iguais a m e M.
Sendo aA e aB os módulos das acelerações dos
blocos A e B, determine:

a) a relação entre aA e aB;


b) aA e aB em função de m, M e g;
c) o módulo da tração no fio ligado ao bloco A.

23) No sistema da figura, m1 = 1 kg, m2 = 3 kg e m3 =


2 kg, e as massas das polias e das cordas são
desprezíveis. Calcule as acelerações a1, a2, a3 e a
tensão na corda T.

24) Consideremos um bloco de massa m = 20 kg,


inicialmente em repouso sobre uma superfície
plana e horizontal sem atrito, num local em que g
= 10 m/s2. A partir de determinado instante,
aplica-se ao bloco uma força constante F, como
mostra a figura (senθ = 0,6 e cosθ = 0,8), cuja
intensidade é F = 100N. A partir do instante em
que F é aplicada, calcule:

a) o módulo da força normal exercida pela superfície horizontal sobre o bloco;


b) o módulo da aceleração do bloco.

25) Os blocos A e B da figura têm massas


respectivamente iguais a 6,0 kg e 4,0kg. Aplicam-
se aos blocos as forças constantes F1 e F2 de
intensidades respectivamente iguais a 300N e
100N, como mostra a figura. São dados g = 10
m/s2, cosα = 0,30 e cosβ = 0,70. Desprezando os
atritos, calcule as intensidades:

a) da aceleração do sistema;
b) da força exercida pelo bloco A sobre o bloco B.
26) No sistema esquematizado na figura, os blocos A
e B têm massas respectivamente iguais a 20 kg e
40 kg. O fio é ideal e não há atrito. São dados: g =
10 m/s2, F = 240N, senθ = 0,6 e cosθ = 0,8.
Calcule as intensidades:

a) da aceleração do sistema;
b) da tração no fio;
c) das forças normais exercidas pela superfície horizontal, sobre os blocos A e B.

27) Um pêndulo simples está preso ao teto de um


vagão que se move com aceleração constante a,
como mostra a figura. O pêndulo matém-se em
repouso em relação ao vagão, formando um
ângulo de θ = 30o com a vertical. Sabendo que g =
10 m/s2, calcule o módulo de a.

28) Um bloco de massa 5,0 kg é abandonado sobre


um plano inclinado sem atrito, como mostra
figura, numa região em que a aceleração da
gravidade tem módulo igual a 10 m/s2. Sabendo
que senθ = 0,6 e cosθ = 0,8, determine:

a) a intensidade da força normal exercida pelo


plano inclinado sobre o bloco;
b) o módulo da aceleração adquirida pelo
bloco.

29) No sistema representado na figura, o fio e a polia


são ideais e não há atrito. Os blocos A e B têm
massas respectivamente iguais a 6,0 kg e 4,0 kg.
Adotando g = 10 m/s2 e supondo que o sistema foi
abandonado em repouso, determine:

1) o módulo da aceleração do bloco B;


2) o módulo da tração no fio;
3) o módulo da força que o fio exerce na polia.

30) No sistema representado na figura, os blocos A e


B têm massas respectivamente iguais a 7,0 kg e
3,0 kg. O fio e a polia são ideais e a aceleração da
gravidade tem módulo g = 10 m/s2. Desprezando
o atrito, calcule:

1) o módulo da aceleração do bloco A;


2) o módulo da tração no fio.
31) (MACK-SP) Num local onde a aceleração
gravitacional tem módulo 10 m/s2, dispõe-se o
conjunto abaixo, no qual o atrito é desprezível, a
polia e o fio são ideais. Nessas condições, a
intensidade da força que o bloco A exerce no
bloco B é igual a quantos newtons?

32) Dois blocos de massas iguais são ligados


conforme a figura. O plano inclinado é
perfeitamente liso. A polia e o fio são ideais.
Sendo g a aceleração gravitacional, prove que o
módulo da aceleração dos blocos é:

1 + sen θ
a=g
2

33) No sistema da figura, m1 = 20 kg, m2 = 40 kg e m3


= 60 kg. Desprezando as massas da polia, dos fios
e o atrito, calcule a aceleração do sistema e as
tensões nos fios. (Adote g = 9,8 m/s2)

34) O carrinho da figura desliza no plano horizontal


com aceleração de módulo a. O corpo A possui
massa m e não há atrito entre o corpo e os planos
de apoio. O plano de apoio não vertical está
inclinado de um ângulo θ em relação à horizontal.
Considerando g como o módulo da aceleração
gravitacional, determine, a força horizontal que a
parede vertical exerce no corpo, em termos de a, θ
e g.

35) Que força horizontal deve ser constantemente


aplicada a M para que m1 não se movimente em
relação à m2? Despreze os atritos e adote g para o
módulo da aceleração gravitacional.

36) Dois blocos A e B estão em repouso, encostados um no outro e apoiados sobre uma
superfície plana horizontal, numa região em que g = 10 m/s2. As massas de A e B são
respectivamente iguais a 14 kg e 6,0 kg e o coeficiente de atrito dinâmico entre cada bloco
e a superfície é µd = 0,50. A partir de determinado instante aplica-se ao bloco A (como
mostra a figura) uma força horizontal F, de módulo F = 160N. Iniciado o movimento,
calcule os módulos:

a) da força de atrito exercida sobre o bloco A;


b) da força de atrito exercida sobre o bloco B;
c) da aceleração do conjunto;
d) da força exercida pelo bloco A sobre o bloco B.

37) Dois móveis M e N ligados por uma corda de peso desprezível deslocam-se sobre um
plano, sob a ação de uma força de 15N aplicada na direção do deslocamento. Não há atrito
entre M e o plano, porém o coeficiente de atrito de escorregamento entre o corpo N e o
plano vale 0,2. As massas de Me N são respectivamente 1 kg e 3 kg. Adote g = 10 m/s2. A
aceleração do sistema é igual, em m/s2, a:

a) 3,75 d) 0,15
b) 1,25 e) 4,05
c) 2,25

38) (U. Mackenzie-SP) Um corpo de massa m2, está


num plano inclinado ligado por uma corda fina,
flexível, inextensível e sem peso a um corpo de
massa m1. A corda passa por uma roldana sem
peso e sem atrito. O coeficiente de atrito entre m2
e o plano é 0,2 e a massa m2 vale 4 vezes a massa
m1. (Dados: g = 10 m/s2, senθ = 0,6 e cosθ = 0,8,
onde θ é o ângulo de inclinação do plano com a
horizontal.)

a) O sistema permanecerá em repouso ou entrará em movimento?


b) Se houver movimento, que sentido terá a aceleração de m1 e qual o seu valor?

39) (UFBA) O corpo A pesa 100N e está em repouso


sobre o corpo B, que pesa 200N. O corpo A está
ligado por uma corda ao anteparo C, enquanto o
corpo B está sendo solicitado por uma força
horizontal F de 125N. O coeficiente de atrito de
escorregamento entre os blocos A e B é 0,25. Determine o coeficiente de atrito entre o
corpo B e a superfície de apoio e a tração na corda, considerando o corpo B em movimento
iminente.

40) (ITA-SP) Os blocos A e B da figura têm massa m. O coeficiente de atrito em todas as


superfícies é µ. A força F1 imprime ao bloco B da figura (I) velocidade uniforme. Calcule
as relações F2/F1 e F3/F1, onde F2 é a força indicada na figura (II) e F3 é a força indicada na
figura (III), para que o bloco B nessas figuras tenha velocidade constante.
41) O sistema esquematizado na figura está
inicialmente em repouso. O fio e a polia são
ideais, g = 10 m/s2, a massa de A é 4,0 kg e a de B
16 kg. Existe atrito entre A e B e entre B e a
superfície de apoio, sendo o coeficiente de atrito
dinâmico igual a 0,2 em ambos os casos. A partir
de determinado instante, aplica-se ao bloco B uma
força horizontal F, como mostra a figura. Calcule
o módulo de F nos seguintes casos:

a) os blocos passam a mover-se com velocidade constante;


b) os blocos passam a mover-se com aceleração constante de módulo 3 m/s2.

42) Um bloco A, apoiado em uma superfície plana


horizontal sem atrito, move-se com aceleração a,
empurrado por uma força F. O bloco A por sua
vez empurra um bloco B, como mostra a figura,
de modo que B não caia. Adote g = 10 m/s2 e
suponha que o coeficiente de atrito estático entre
os blocos A e B seja igual a µ.

a) Supondo µ = 0,40, determine os valores possíveis para o módulo da de a;


b) Supondo µ = 0,40 e que as massas de A e B sejam mA = 8 kg e mB = 2 kg, calcule os
valores possíveis para a intensidade de F.
c) Supondo a = 20 m/s2, calcule os valores possíveis de µ.

43) O sistema representado na figura é abandonado


em repouso. Os blocos A e B têm massas
respectivamente iguais a 3,0 kg e 7,0 Kg. Os fios
e a mola são ideais, a aceleração da gravidade tem
módulo g = 10 m/s2 e a constante elástica da mola
é k = 210 N/m. Calcule a deformação da mola
durante o movimento.

44) (FEI-SP) Na figura temos: o fio AB é inextensível


e horizontal, a massa do corpo 1 é m1 = 5 kg, a
massa do corpo 2 é m2 = 10 kg, a mola tem
constante elástica k = 1000 N/m, o coeficiente de
atrito entre os corpos 1 e 2 e entre o corpo 2 e a
pista é µ = 0,1. Se a mola é deformada de 10 cm, a
aceleração adquirida pelo corpo 2 é, em m/s2
(adotar aceleração da gravidade g = 10 m/s2):

a) 5,7 b) 8,0 c) 5,0 d) 4,5 e) nula


45) (Cesgranrio- RJ) O sistema representado na figura
(carrinhos de mesma massa ligados a molas
idênticas) está inicialmente em repouso, podendo
mover-se com atritos desprezíveis sobre trilhos
horizontais. Aplica-se à extremidade livre da mola
(3) uma força constante, paralela aos trilhos e dirigida para a direita. Depois de as
oscilações iniciais terem sido amortecidas, o conjunto se desloca em bloco para a direita.
Nessa situação, sendo l1, l2, l3 os comprimentos respectivos das molas (1), (2) e (3), pode-se
afirmar que:

a) l1 > l2 > l3 b) l1 = l2 = l3 c) l1 < l2 < l3 d) l1 = l2 < l3 e) l1 = l2 > l3

46) (Mack-SP) Para a verificação experimental das


leis da Dinâmica, foi montado o sistema abaixo.
Nele o atrito é desprezado, o fio e a polia são
ideais. Os corpos A e B encontram-se em
equilíbrio quando a mola “ultraleve” M está
distendida de 5,0 cm. A constante elástica desta
mola é:

a) 3,0 . 102 N/m d) 1,0 . 102 N/m


b) 2,0 . 102 N/m e) 5,0 . 103 N/m
c) 1,5 . 102 N/m

47) (Fuvest-SP) Um corpo C de massa igual a 3 kg


está em equilíbrio estático sobre um plano
inclinado, suspenso por um fio de massa
desprezível preso a uma mola fixa ao solo, como
mostra a figura. O comprimento natural da mola
(sem carga) é Lo = 1,2 m e ao sustentar
estaticamente o corpo ela se distende, atingindo o
comprimento L = 1,5 m. Os possíveis atritos podem ser desprezados. A constante elástica
da mola, em N/m, vale então

a) 10 b) 30 c) 50 d) 90 e) 100
48) Na figura, as molas M1 e M2 têm massa
desprezível, o mesmo comprimento relaxado lo e
constantes elásticas de mola k1 e k2,
respectivamente. Mostre que se pode substituir o
par de molas por uma mola única equivalente
constante de mola K, e calcule K nos casos (a) e (b).

49) Uma curva semicircular horizontal numa estrada tem 30m de raio. Se o coeficiente de
atrito estático entre os pneus e o asfalto é 0,6, qual é a velocidade máxima (em km/h) com
que um carro pode fazer a curva sem derrapar?
50) A figura mostra um sistema de dois corpos de
massas iguais, ligados por fios inextensíveis,
girando num plano horizontal, sem atrito, com
velocidade angular ω, constante, em torno do
ponto fixo O. Determine a razão T2/T1 entre as
intensidades das trações T2 e T1 que atuam,
respectivamente nos fios (2) e (1).

51) Um caminhão transporta em sua carroceria uma


carga de 2,0 toneladas. Determine a intensidade
da força normal exercida pela carga sobre o piso
da carroceria, quando o veículo, a 30 m/s, passa
pelo ponto mais baixo de uma depressão com
300m de raio. É dado g = 10 m/s2.

52) (FEI-SP) Um veículo de massa 1600 kg percorre


um trecho de estrada (desenhada em corte na
figura e contida num plano vertical) em lombada,
com velocidade de 72 km/h. Adote g = 10
m/s2.Determine a intensidade da força que o leito
da estrada exerce no veículo quando este passa
pelo ponto mais alto da lombada.

53) Um pequeno bloco A de massa 1,0 kg gira numa


mesa horizontal sem atrito. O bloco A está ligado
ao bloco B, de massa 3,0 kg, por meio de um fio
que passa por um orifício existente na mesa.
Sabendo que o bloco A descreve um movimento
circular uniforme cujo módulo da velocidade é 6,0
m/s e que o bloco B permanece em repouso,
determine o raio R da trajetória. Considere g = 10
m/s2.

54) Um motociclista realiza um movimento circular,


num plano vertical, no interior de um “globo da
morte” de raio 4,8m. A massa do homem mais a
da moto é de 900 kg. A moto passa pelo ponto
mais baixo A com velocidade cujo módulo é 16
m/s e pelo ponto mais alto B com 8,0 m/s. Sendo
g = 10 m/s2, determine a intensidade da força
normal que o globo aplica na moto nas posições A
e B.

55) Um motociclista percorre uma trajetória circular


vertical de raio 3,6 m no interior de um globo da
morte. Calcule qual deve ser o valor da velocidade
no ponto mais alto que permita ao motociclista
percorrer toda a trajetória circular. É dado g = 10
m/s2.

56) Uma pequena esfera de massa m = 0,30 kg,


suspensa por um fio, de comprimento l = 2,5 m,
descreve um movimento circular uniforme de raio
R = 2,0 m, em um plano horizontal (pêndulo
cônico). Sendo g = 10 m/s2, determine:

a) a intensidade da força que traciona o fio;


b) a velocidade angular da esfera.

57) Uma esfera presa a um fio, de comprimento l = 0,40 m, gira num plano vertical
descrevendo uma circunferência. Determine a menor velocidade que a esfera deve ter no
ponto mais alto para que permaneça em trajetória circular. É dado g = 10 m/s2.

58) Um automóvel numa pista circular, de raio R, movimenta-se com velocidade de módulo
constante e igual a v, num local onde o módulo da aceleração da gravidade é g. Mostre que:

v2
a) µ = , é o menor coeficiente de atrito lateral entre os pneus e a pista horizontal
Rg
para que o carro não derrape.
v2
b) tgθ = , para que o carro possa descrever a curva (agora inclinada de um ângulo θ)
Rg
na ausência de atritos.

59) (U. Mackenzie-SP) A figura representa a seção transversal de um trecho de rodovia. Os


raios de curvatura dos pontos A e B são iguais e o trecho que contém o ponto C é
horizontal. Um automóvel percorre a rodovia com velocidade escalar constante. Sendo NA ,
NB e NC a reação normal da rodovia sobre o carro nos pontos A, B e C respectivamente,
podemos dizer que:

a) NB > NA > NC d) NA > NB > NC


b) NB > NC > NA e) NA = NB = N
c) NC > NB > NA
60) Um cilindro oco, de raio R = 2,0 m, gira em torno do seu eixo, que é vertical, com
velocidade angular ω =10 rad/s. Um corpo gira juntamente com o cilindro “preso” em sua
superfície interna. Determine o menor coeficiente de atrito necessário, para que não haja
deslizamento do corpo na superfície do cilindro. É dado g = 10 m/s2.

61) (U. Mackenzie-SP) Admitamos que você esteja apoiado, em pé, sobre o fundo de um
cilindro de 4 m de raio, que gira em torno do seu eixo vertical. Admitindo g = 10 m/s2 e o
coeficiente de atrito µ entre a sua roupa e a superfície do cilindro igual a 0,4, a mínima
velocidade tangencial que o cilindro deve ter para que, retirado o fundo do mesmo, você
fique “preso” à parede dele, é:

a) 10 m/s b) 8 m/s c) 9 m/s d) 11 m/s


e) é necessário conhecer sua massa, pois sem ela nada se pode afirmar.

62) (UFMG) Uma pedra é amarrada em um cordão de 40 cm de comprimento e posta a girar


num plano vertical. Qual o módulo da velocidade mínima da pedra, no ponto mais alto da
trajetória, para que ela possa descrever uma trajetória circular? Adotar g = 10 m/s2.

Respostas
1) 4N
2) a) 2m/s b) 6N c) 10N
3) d
4) 2,5 N
5) 60N; 50N e 30N
6) a) 3,33m/s2 b) 26,7 N
7) a) 6m/s 2
b) 12N c) 12 2N
8) a) 2,5m/s 2
b) 150N c) 125 N d) 125 2N
9) a) 2 m/s b) 6 N c) 8 2N
10)
11) a) 7 m/s2 b) 21N c) 15N
12) a) 500N b) 500N c) 600N d) 300N
e) 350N f) 800N
13) a) 30N, para cima b) 650N, verticalmente para cima
14) 25N
15) a) 5 m/s2 b) 15N; 30N
16) FA = 80N e FB = 40N
(m E + m P )(g + a ) (m P − m E )(g + a )
17) a) b)
2 2
18) 0,5 m/s2
19) 50 kg
aA
20) a) =4 b) 8 m/s2; 2 m/s2 c) 6N
aB
21)
aA 8m − M 9mM
22) a) =8 b) a B = g c) T= g
aB 64m + M 64m + M
7 1 5 24
23) a1 = − g; a2 = g; a3 = g; T= g
17 17 17 17
24) a) 140N b) 4m/s2
25) a) 2 m/s2 b) 78N
26) a) 4 m/s2 b) 100N c) 140N; 460N
10 3
27) m/s2
3
28) a) 40N b) 6m/s2
29) a) 1 m/s2 b) 36N c) 36 3N
30) a) 1,7 m/s2 b) 23,1N
31) 32N
32)
33) a = 1,79 m/s2, T1 = 134N T2 = T3 = 402N
34) m(a − g.tgθ )

35) F =
(m1 + m2 + M )m2 g
m12 − m22
36) a) 70N b) 30N c) 3m/s2 d) 48N
37) c
38) a) entrará em movimento b) 1,52 m/s2, para cima
39) 1/3; 25N
F2 F3
40) = 1,5 ; =2
F1 F1
41) a) 56N b) 116N
42) a) a ≥ 25 m/s2 b) F ≥ 250 N c) µ = 0,50
43) 0,20 m
44) a
45) c
46) b
47) c
1 1 1
48) a) = + b) K = k1 + k 2
K k1 k 2
49) 47,8 km/h
50) 3/2
51) 2,6 . 104 N
52) 8000N
53) 1,2 m
54) 5,7 . 104 N; 3 . 103 N
55) 6 m/s
56) a) 5N b) 2,6 rad/s
57) 2 m/s
58)
59) b
60) 5 . 10-2
61) a
62) 2 m/s