Вы находитесь на странице: 1из 17

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 DIÁLOGOS NO TEXTO POÉTICO

Para começo de conversa

Páginas 3 - 4

Respostas pessoais, mas avalie as associações que os alunos estabelecem entre o título da música, o provável conteúdo da letra e as percepções sobre ordem, política e sociedade.

Discussão oral

Página 4

Respostas pessoais, porém é preciso observar se há coerência nas respostas e na associação entre poesia, política e sociedade. Incentive-os a compartilhar exemplos pessoais e experiências literárias.

compartilhar exemplos pessoais e experiências literárias. Página 5 Respostas pessoais. Coloque as diferentes

Página 5

Respostas pessoais. Coloque as diferentes respostas em discussão. Considere todas, mas ressalte as que apresentam consistência.

Roteiro de estudo do poema

Página 6

1 a 5. Verifique as orientações presentes no “Para você, professor!”, do Caderno do Professor, página 12. Particularmente no que se refere à questão 4, como já explicado, observe que se trata de um soneto em que se respeitam (e valorizam) a rima e o ritmo próprios desse gênero poético.

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

6. De certo modo, o poema ilustra bem a decepção do poeta diante da vida: seus fracassos pessoais e profissionais, sua doença.

vida: seus fracassos pessoais e profissionais, sua doença. Página 6 “O poeta é para Álvares de

Página 6

“O poeta é para Álvares de Azevedo um ser marginal ao mundo, voltado para dentro de si, para seu universo particular de desejos e sonhos. Já para Castro Alves, o poeta é um ser de compromisso social empenhado em transformar, por meio da palavra a sociedade em que vive”.

Poesia contemporânea

Páginas 6 - 7

1. Alternativa a. Observe que as alternativas “b”, “c” e “e” são falsas e reproduzem um juízo de valor contrário ao pensamento aqui desenvolvido, mas originado em certo senso comum. Já a alternativa “d” é o oposto da alternativa “a”.

2. Alternativa a.

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

Estudando Parnasianismo e Simbolismo

Página 8

IInníícciioo//TTéérrmmiinnoo PPrriinncciippaaiiss CCaarraacctteerrííssttiiccaass aauuttoorreess
IInníícciioo//TTéérrmmiinnoo
PPrriinncciippaaiiss
CCaarraacctteerrííssttiiccaass
aauuttoorreess
Cronologicamente, durou
de 1880 a 1893. A
influência do
movimento, no entanto,
Alberto de Oliveira
Francisca Júlia da
Silva
Martins Fontes
Olavo Bilac
Raimundo Correia
Vicente de
Carvalho
Objetivismo
Impessoalidade
Culto da forma
Culto da arte pela arte
Temática greco-romana
estendeu-se até a
primeira década do
século XX, coexistindo
com o Simbolismo.
A primeira obra foi Sonetos
e Rimas (1880), de Luís
Guimarães Júnior.
Não se verifica o movimento em Portugal.
De 1893, com a publicação
Alphonsus de
de Missal e de Broquéis,
Guimaraens
Graça Aranha
de Cruz e Sousa, a 1902,
com a publicação de
Canaã, de Graça
Aranha.
Da publicação de Oaristos
(1890), de Eugénio de
António Nobre
Eugénio de Castro
Conteúdos místicos e
sentimentais
Linguagem pessimista e
musical com forte carga
emotiva
Valorização dos estados de
sonho e devaneio
Recorrência a sinestesias e
aliterações
Castro,
a
1915, com a
publicação
da
revista
Orpheu.
SimbolismoSimbolismo
ParnasianismoParnasianismo
PortugalPortugal
BrasilBrasil
PortugalPortugal
BrasilBrasil

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

GABARITO Caderno do Aluno Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

Página 9

Supervisione a correção da lição de casa.

Observe se os trechos sobre parnasianismo e simbolismo encontrados sustentam a resposta à questão.

A leitura da poesia pós-romântica se transforma em arte

Páginas 9 - 10

1.

(a) a (e) Siga atentamente as orientações dadas no Caderno do Professor, página 16. Destaque (item g) como a poesia, de um modo geral, alicerça-se na articulação entre um “eu” que mergulha nas suas inquietações e um “outro”, o leitor, a quem ele se dirige. 2. Observe as orientações do Caderno do Professor, páginas 16 e 17.

• Negros e brancos têm direito à cidadania. Esse enunciado só faz sentido por se contrapor a um discurso racista que considera a etnia branca superior às demais. Ele atesta a existência de racismo na sociedade.

• As mulheres têm a mesma capacidade intelectual que os homens. Esse enunciado só faz sentido por se contrapor a um discurso machista que considera os homens superiores às mulheres. Ele atesta a existência de machismo na sociedade.

• A união entre homossexuais é um direito civil. Esse enunciado só faz sentido por se contrapor a um discurso homofóbico que considera os homossexuais inferiores aos heterossexuais e sem os mesmos direitos civis. Ele atesta a existência de intolerância sexual na sociedade.

• Nenhuma crença religiosa deve ser desprezada. Esse enunciado só faz sentido por se contrapor a um discurso de intolerância religiosa que considera algumas religiões superiores a outras. Ele atesta a existência de intolerância religiosa na sociedade.

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

GABARITO Caderno do Aluno Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

Página 10

1. Todo texto, ao entrar em circulação social, revela um autor e uma posição perante o mundo, que mantém uma relação com os outros textos que já se produziram sobre o mesmo assunto.

2. Em uma sociedade em que não houvesse nenhum desrespeito aos idosos.

3. As relações entre os textos podem ser de concordância ou de polêmica, de aceitação ou de recusa.

ou de pol êmica, de aceitação ou de recusa. Página 11 O artista brasileiro cola imagens

Página 11

O artista brasileiro cola imagens do Homem-Aranha atualizando e problematizando a obra de grandes mestres do passado.

e problematizando a obra de grandes mestres do passado. Página 12 Para orientar a atividade sugerida,

Página 12

Para orientar a atividade sugerida, siga as explicações das páginas 17 e 18 do Caderno do Professor.

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 REPORTAGEM: O MOMENTO PRESENTE

Para começo de conversa

Páginas 12 - 13

Conforme os diferentes gêneros textuais forem citados (tais como reportagem, entrevista, notícia, gráficos, editorial etc.), pergunte aos alunos de que se trata, quais as suas características e, principalmente, qual a finalidade desse gênero.

e, principalmen te, qual a finalidade desse gênero. Páginas 14 - 15 2. A associação correta

Páginas 14 - 15

2. A associação correta é I (a) e II (d).

3. Estão corretas as alternativas (c), (e), (f), (g), (i), (j) e (k).

as alternativas (c), (e), (f), (g), (i), (j) e (k). Página 16 1. O manual de

Página 16

1. O manual de orientação para voluntários dos Jogos de Pequim será refeito por conter “linguagem inapropriada” ao falar sobre deficientes.

2. Lembre-se de que a hipótese de trabalho é sempre um risco assumido pelo jornalista. Para isso ele deve contar com seu conhecimento dos fatos, sua reflexão e até com sua intuição.

GABARITO

Caderno do Aluno

O estatuto social do poeta

Páginas 16 - 18

1.

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

a) Acepção 3: condição de um indivíduo em uma sociedade, em uma hierarquia;

status.

b) Promova uma discussão sobre o que é ser poeta hoje em dia. Procure, pelo

diálogo, superar a visão “melosa” que muitos ainda têm da poesia e que é herdeira do Romantismo. 2. Professor, observe a forma criativa de trabalhar Literatura, de um modo que cria uma interface com o universo próprio do leitor do século XXI.

3.

a) Valorizar a visão do leitor.

b) Valorizar a imaginação do leitor.

c) Valorizar a audição do leitor.

imaginação do leitor. c) Valorizar a audição do leitor. Página 19 “A Literatura é a arte

Página 19

“A Literatura é a arte da palavra. Podemos dizer que a literatura, assim como a língua que ela utiliza, é um instrumento de comunicação e de interação social. Ela cumpre o papel de transmitir os conhecimentos e a cultura de uma comunidade.

A literatura está vinculada à sociedade em que se origina, assim como todo tipo de arte, pois (ou porque) o artista não consegue ser indiferente à realidade.

A obra literária é resultado das relações dinâmicas entre escritor, público e sociedade, porque (ou pois) através de suas obras o artista transmite seus sentimentos e ideias do mundo, levando seu leitor à reflexão, e até mesmo à mudança de posição perante a realidade, assim a literatura auxilia no processo de transformação social.”

GABARITO

Caderno do Aluno

Estudando conectivos

Página 20

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

1. A gramática nos ensina que o conectivo é a forma linguística que estabelece ligação entre dois termos de uma oração, ou entre orações em um período.

2 e 3.

a) Lucas chegou a casa enquanto Margarida terminava a lição.Tempo.

b) João estudou muito para a prova, por isso teve uma nota tão alta. Conclusão.

c) Leonor queria ir passear, mas não conseguiu. Oposição.

d) Paula vai viajar, se conseguir passar nos exames. Condição.

e) Quanto mais estudo, mais aprendo. Proporção.

m a i s aprendo. P r o p o r ç ã o . Página

Página 20

4. A leitura de um poema torna-se interessante quando nos damos conta da importância da poesia em nossas vidas.

nos damos conta da importância da poesia em nossas vidas. Páginas 20 - 21 P a

Páginas 20 - 21

Parágrafo 1. Para escrevermos bem, precisamos saber em quantas partes os períodos elas se dividem, pois cada parte deve se conectar com a outra. Inicialmente, devemos localizar os verbos e seus respectivos sujeitos, para identificar as partes principais de uma frase. Definindo, no período, o verbo (e seus complementos) e o sujeito, localizamos os segmentos da frase. Parágrafo 2. É necessário estabelecer uma conexão entre eles, e o elemento que vai fazer isso é o conectivo (ou conector). Para esse fim, é preciso saber qual a relação que se estabelece entre os dois segmentos: Causa? Explicação? Oposição? Tempo? Parágrafo 3. Ao expandir os segmentos das frases e os articular entre si, criamos o período. A coesão e a coerência de um período são o resultado da conexão adequada entre as orações. Na construção de um texto, a conexão ocorre também entre os períodos que formam parágrafos, e até entre estes parágrafos.

GABARITO

Caderno do Aluno

Elaborando reportagem

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

Páginas 21 - 22

1. Siga de perto as orientações fornecidas. Não deixe de consultar o Caderno do Professor, Situação de Aprendizagem 2. 2. Promova a ideia de uma revista cultural que reúna o material jornalístico produzido pelos alunos ao longo do ano.

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 O QUE SERÁ QUE SERÁ

Volume 3 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 O QUE SERÁ QUE SERÁ Páginas 23 - 24 1.

Páginas 23 - 24

1.

 

a)

Siga as orientações do Caderno do Professor, nas páginas 26 e 27, com relação

às possíveis respostas dos alunos: vida, amor e sexo.

b) Sugestões: “embriagados, meretrizes, bandidos, não tem decência”.

c) Siga as orientações do Caderno do Professor, nas páginas 26 e 27, com relação

às possíveis respostas dos alunos.

2.

O que será (À flor da terra) enfatiza não apenas o aspecto da sexualidade (tema que se baseia na satisfação do desejo sexual na versão de Àflor da pele), mas também da liberdade de expressão oprimida pela sociedade.

3.

Enquanto na música de Chico Buarque (À flor da pele) se realiza o amor e o sexo, no soneto de Camões, eles aparecem apenas platonicamente.

A preposição

Páginas 24 - 27

1. Alternativa b.

2. As duas palavras são preposições.

3. Alternativa a.

4. Alternativa b.

5. Observe as orientações do Caderno do Professor, página 27.

6.

Sequência: (a), (d), (b) e (c).

7.

 

(a)

II

(b)

I

8.

“Que andam suspirando pelas alcovas” indica um movimento que parte de uma alcova até chegar a outra, ou seja, “Que andam suspirando de alcova em alcova”. Já

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

“Que andam suspirando nas alcovas” indicaria algo como “Que andam suspirando dentro das alcovas”.

9. “Que andam combinando no breu das tocas” indica que as combinações são feitas dentro do breu (escuro) das tocas, nos lugares escondidos, e não de breu em breu.

das tocas, nos l ugares escondidos, e não de breu em breu. Página 27 2. Utilize

Página 27

2. Utilize essa síntese produzida pelos alunos para identificar as dificuldades de aprendizagem que eles apresentam.

Mais um pouco de preposição

Páginas 27 - 28

1.

Verifique as orientações dadas no Caderno do Professor, página 29, sobre a resposta

a

esta questão.

2.

 

“Um mover de olhos brando e piedoso, Sem ver de quê; um riso brando e honesto, Quase forçado; um doce e humilde gesto,

De qualquer alegria duvidoso”

3.

Verifique as orientações dadas no Caderno do Professor, página 29, sobre a resposta

a

esta questão.

4.

Alternativa c.

5.

Alternativa e.

6.

Sugestão: um doce e humilde gesto que nos deixa dúvidas se manifesta alguma alegria.

GABARITO

Caderno do Aluno

Parafraseando Camões

Página 29

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

Um mover brando e piedoso que pertence aos olhos, mesmo sem que nada vejam; um riso brando e honesto, mas quase forçado; um doce e humilde gesto que nos deixa dúvidas se manifesta alguma alegria.

Uma desenvoltura quieta e envergonhada, um repouso sério e modesto; uma pura bondade, que manifesta de modo limpo e gracioso a alma.

Um tímido ousar, uma brandura, um medo ausente de culpas, um ar sereno, um longo e obediente sofrimento:

Esta foi a celeste formosura da minha Circe e o mágico veneno que transformou meu pensamento.

Observação: Circe era uma deusa grega considerada a rainha das feiticeiras.

era uma deusa grega consid erada a rainha das feiticeiras. Página 29 Sugestões de respostas: Semelhanças

Página 29

Sugestões de respostas:

Semelhanças de forma: ambos os textos aparecem em versos e apresentam rimas.

Diferenças no gênero: “O que será

mover brando

Semelhanças de tema: o amor que encanta e desperta o desejo. Diferenças no tema: a música celebra a conquista do prazer do amor e critica sua opressão. O soneto, por sua vez, apresenta o amor de uma forma abstrata e idealizada.

pertence ao gênero “letra de música” e “Um

é um “soneto”.

Uma crônica jornalística

Página 29

Esta atividade funciona como exercício de pré-leitura e deve ser realizada antes da leitura do texto, de modo informal.

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

GABARITO Caderno do Aluno Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

Páginas 30 - 31

1.

a) Referência à “adolescente”: tranquilona, descolava, pretê, manda bem, baladas,

roubada. Referência à “sexualidade”: apaixonou, pretê, caiu de amores, vida amorosa, amor impossível.

b) Para atender ao que se pede na questão b, os alunos deverão sintetizar o

aprendido na Situação 3. A carta para o cisne deve relacionar a letra da música, o soneto e a crônica jornalística, mantendo os elementos do gênero epistolar.

jornalística, mante ndo os elementos do gênero epistolar. Página 32 1.   a) De. b) Em.

Página 32

1.

 

a) De.

b) Em.

c) Por.

d) Em/com.

e) Pelo.

f) De.

2.

Alternativas (b) e (a).

e) Pelo. f) De. 2. Alternativas (b) e (a). Página 32 2. Professor, verifique se a

Página 32

2. Professor, verifique se a preposição (conceito e – principalmente – uso na produção e interpretação textual) é compreendida pro seus alunos. Recapitule o que for necessário.

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 VOCÊ TEM MORAL PARA ME CONTAR ALGO?

DE APRENDIZAGEM 4 VOCÊ TEM MORAL PARA ME CONTAR ALGO? Páginas 33 - 34 1. Não

Páginas 33 - 34

1. Não se trata de acertar as questões, mas de promover a pré-leitura do texto.

2.

I. Sugestão de resposta: a moral espelha as diferenças que há entre fantasiar o outro ao longe e vê-lo de perto. II. Alternativa c. III. A árvore representa o mundo isolado em que vive Melissa, que não conhece efetivamente os outros e, quando pensa conhecer (o rapaz), logo descobre que prefere continuar sonhando com o impossível.

O texto alegórico e a moral

Páginas 34 - 35

1. Alternativa (a). Siga as orientações do Caderno do Professor, página 34, com relação às possíveis respostas dos alunos.

2. Alguns alunos conhecem esses gêneros dos trabalhos de EF. Outros, contudo, necessitarão que tais conteúdos sejam pacientemente explicados.

3. Consideramos moral como o conjunto de condutas apropriadas a certa cultura. Uma pessoa é moral quando age conforme os costumes e valores da comunidade em que vive, até mesmo se não acreditar neles. Ética é o conjunto de condutas e valores em que efetivamente acreditamos e praticamos.

4. Siga as orientações do Caderno do Professor, páginas 34 e 35, para ajudá-lo na análise das possíveis respostas dos alunos.

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

GABARITO Caderno do Aluno Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

Página 35

A moral da história é “também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária”. Ou seja, a conclusão é que nem sempre abrir caminho a alguém resultará em bom proveito.

sempre abrir caminho a alguém resultará em bom proveito. Páginas 36 - 37 1. Conduza a

Páginas 36 - 37

1. Conduza a discussão para a realidade cotidiana do aluno: quantos deles já se decepcionaram por “ficar” com alguém que parecia ser o parceiro ideal, perfeito e se revelou uma grande frustração.

2. Os dois textos falam da idealização do amor, que acaba frustrando o ser humano quando este se depara com a realidade. No primeiro texto, o amor idealizado acontece somente por parte de Melissa.

o amor idealizado acontece somente por parte de Melissa. Página 37 Resposta pessoal. Entretanto, você deve

Página 37

Resposta pessoal. Entretanto, você deve encontrar orientações para a correção dentro do corpo do texto desta Situação de Aprendizagem.

GABARITO

O Naturalismo

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

Página 38 1. RReeaalliissmmoo // NNaattuurraalliissmmoo LLooccaall IInníícciioo//TTéérrmmiinnoo
Página 38
1.
RReeaalliissmmoo // NNaattuurraalliissmmoo
LLooccaall
IInníícciioo//TTéérrmmiinnoo
PPrriinncciippaaiiss aauuttoorreess
CCaarraacctteerrííssttiiccaass
De 1881, ano em
que Aluísio
Azevedo publica O
mulato (primeiro
romance
naturalista
brasileiro) e
Machado de Assis
publica Memórias
póstumas de Brás
Cubas (primeiro
romance realista
brasileiro), a 1893.
 Adolfo
►Objetivismo: o
BBrraassiill
Caminha
homem volta-se para
 Aluísio
a
razão, a sociedade
Azevedo
e
a ciência.
 Machado de
Assis
 Raul
Pompeia
►Universalismo,
superando a visão
pessoal.
►Materialismo, que
leva à negação do
sentimentalismo e da
Inicia em 1865,
com a Questão
Coimbrã e as
Conferências do
 Antero de
PPoorrttuuggaall
Quental
religiosidade.
►Defesa de ideais
 Eça de
políticos,
Queirós
Cassino de Lisboa,
e dura até por volta
de 1890.
principalmente
republicanos.
►Valorização do
momento presente.
►Influência do
determinismo: o ser
humano é visto
como resultado do
meio, do momento
histórico e da raça
(hereditariedade).
►Amor e outros
interesses
subordinados aos
interesses sociais.

GABARITO

Caderno do Aluno

Língua Portuguesa – 2 a série – Volume 3

2. Sugestão de resposta:

Característica: “Objetivismo, o homem volta-se para a razão”.

Trecho: “– Não te queria falar, mas

mudar de roupa

corpo sempre lavado, que, ao se não, cheira-se mal!

sabes? deves tomar banho todos os dias e

Isto aqui não é como lá! Isto aqui sua-se muito! É preciso trazer o

Tem paciência!”

aqui sua-se muito! É preciso trazer o Tem paciência!” Páginas 38 Professor, certifique-se de que os

Páginas 38

Professor, certifique-se de que os alunos compreendam as características principais do Realismo/Naturalismo. Faça uso do livro didático.

Mais uma alegoria

Páginas 38 - 39

Verifique maiores informações no exercício 1 da página 34 do Caderno do Aluno.

no exercí cio 1 da página 34 do Caderno do Aluno. Página 39 Siga detidamente os

Página 39

Siga detidamente os passos sugeridos. Utilize essa atividade para recapitular os conteúdos.

Utilize essa atividade para recapitular os conteúdos. Página 40 Vale destacar que, na televisão, cinema, teatro

Página 40

Vale destacar que, na televisão, cinema, teatro etc há muito do imaginário naturalista, procurando dar relevo a problemas mais doentios da sociedade de modo, muitas vezes, tão ficcional como qualquer obra do Romantismo.