Вы находитесь на странице: 1из 10

N-442 REV.

M MAR / 2006

CONTEC SC-14 PINTURA EXTERNA DE TUBULAÇÕES EM


Pintura e Revestimentos
Anticorrosivos
INSTALAÇÕES TERRESTRES

1a Emenda

Esta é a 1a Emenda da Norma PETROBRAS N-442 REV. M e se destina a modificar o seu


texto na parte indicada a seguir.

- Item 4.6

Alteração no texto.

Nota: A nova página da alteração efetuada está localizada na página originai


correspondente.

_____________

PROPRIEDADE DA PETROBRAS 1 página


N-442 REV. M NOV / 2005

PINTURA EXTERNA DE TUBULAÇÃO EM


INSTALAÇÕES TERRESTRES

Procedimento
Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.
Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do
texto desta Norma. O Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma é o
responsável pela adoção e aplicação dos seus itens.

Requisito Técnico: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que


CONTEC deve ser utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma
eventual resolução de não segui-la ("não-conformidade" com esta Norma) deve
Comissão de Normalização ter fundamentos técnico-gerenciais e deve ser aprovada e registrada pelo
Técnica Órgão da PETROBRAS usuário desta Norma. É caracterizada pelos verbos:
“dever”, “ser”, “exigir”, “determinar” e outros verbos de caráter impositivo.

Prática Recomendada: Prescrição que pode ser utilizada nas condições


previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade de
alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A
alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pelo Órgão da
PETROBRAS usuário desta Norma. É caracterizada pelos verbos:
“recomendar”, “poder”, “sugerir” e “aconselhar” (verbos de caráter
não-impositivo). É indicada pela expressão: [Prática Recomendada].
Cópias dos registros das “não-conformidades” com esta Norma, que possam
contribuir para o seu aprimoramento, devem ser enviadas para a
SC - 14 CONTEC - Subcomissão Autora.

Pintura e Revestimentos
As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC -
Anticorrosivos
Subcomissão Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, o
item a ser revisado, a proposta de redação e a justificativa técnico-econômica.
As propostas são apreciadas durante os trabalhos para alteração desta Norma.

“A presente Norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO


S.A. - PETROBRAS, de uso interno na Companhia, e qualquer reprodução
para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização
da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente,
através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A
circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e
Confidencialidade, nos termos do direito intelectual e propriedade
industrial.”

Apresentação
As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho
- GTs (formados por especialistas da Companhia e das suas Subsidiárias), são comentadas pelas
Unidades da Companhia e das suas Subsidiárias, são aprovadas pelas Subcomissões Autoras - SCs
(formadas por técnicos de uma mesma especialidade, representando as Unidades da Companhia e
as suas Subsidiárias) e homologadas pelo Núcleo Executivo (formado pelos representantes das
Unidades da Companhia e das suas Subsidiárias). Uma Norma Técnica PETROBRAS está sujeita a
revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser reanalisada a cada 5 anos para
ser revalidada, revisada ou cancelada. As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas em
conformidade com a norma PETROBRAS N-1. Para informações completas sobre as Normas
Técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.

PROPRIEDADE DA PETROBRAS 6 páginas, Índice de Revisões e GT


N-442 REV. M NOV / 2005

1 OBJETIVO

1.1 Esta Norma tem por objetivo fixar o procedimento para a seleção do esquema de
pintura externa de tubulações, inclusive flanges, válvulas, tês, reduções e demais
acessórios, em instalações terrestres.

1.2 Esta Norma se aplica a pinturas iniciadas a partir da data de sua edição.

1.3 Esta Norma contém Requisitos Técnicos e Práticas Recomendadas.

2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Os documentos relacionados a seguir contêm prescrições válidas para a presente Norma.

PETROBRAS N-4 - Uso da Cor em Instalação Terrestre;


PETROBRAS N-5 - Limpeza de Superfícies de Aço por Ação
Físico-Química;
PETROBRAS N-6 - Tratamento de Superfícies de Aço com Ferramentas
Manuais e Mecânicas;
PETROBRAS N-9 - Tratamento de Superfícies de Aço com Jato Abrasivo
e Hidrojateamento;
PETROBRAS N-13 - Aplicação de Tinta;
PETROBRAS N-1021 - Pintura de Superfície Galvanizada;
PETROBRAS N-1202 - Tinta Epóxi-Óxido de Ferro;
PETROBRAS N-1204 - Inspeção Visual de Superfícies de Aço para Pintura;
PETROBRAS N-1219 - Cores;
PETROBRAS N-1259 - Tinta de Alumínio Fenólica;
PETROBRAS N-1277 - Tinta de Fundo Epóxi-Pó de Zinco Amida Curada;
PETROBRAS N-1661 - Tinta de Zinco Etil-Silicato;
PETROBRAS N-1841 - “Shop Primer” de Zinco Etil-Silicato;
PETROBRAS N-2198 - Tinta de Aderência Epóxi-Isocianato-Óxido de Ferro;
PETROBRAS N-2231 - Tinta de Etil - Silicato de Zinco - Alumínio;
PETROBRAS N-2288 - Tinta de Fundo Epóxi Pigmentada com Alumínio;
PETROBRAS N-2628 - Tinta Epóxi Poliamida de Alta Espessura;
PETROBRAS N-2630 - Tinta Epóxi Fosfato de Zinco de Alta Espessura;
PETROBRAS N-2677 - Tinta de Poliuretano Acrílico;
ISO 8501-1 - Preparation of Steel Substrates Before Application of
Paints and Related Products;
NACE No. 5/SSPC-SP 12 - Surface Preparation and Cleaning of Steel and Other
Hard Materials by High and Ultrahigh-Pressure Water
Jetting Prior to Recoating.

3 CONDIÇÕES GERAIS

3.1 Os esquemas de pintura descritos nesta Norma são estabelecidos levando-se em


consideração as condições específicas a que estão sujeitos, a existência ou não de
isolamento térmico e a temperatura de operação.

2
N-442 REV. M NOV / 2005

3.2 Aconselha-se não pintar os tubos na fábrica. Nos casos em que for necessário o
fornecimento com algum tipo de pintura executada na fábrica, a pintura deve ter o seu
procedimento de execução previamente aprovado pela PETROBRAS. [Prática
Recomendada]

3.3 No caso de retoque de pintura existente, deve ser repetido o esquema original. Caso
haja impossibilidade de efetuar-se jateamento abrasivo, preparar a superfície segundo a
norma PETROBRAS N-6, até os graus St 2 e St 3. Para o caso de retoques em serviços de
pintura de manutenção, utilizar a tinta de fundo epóxi pigmentada com alumínio, conforme
norma PETROBRAS N-2288. Para a condição 7 o retoque deve ser feito com a tinta de
fundo epóxi pó de zinco amida curada, conforme norma PETROBRAS N-1277.

Nota: Atentar para os aspectos de compatibilidade entre as tintas usadas no retoque


com as tintas anteriormente utilizadas.

3.4 No caso de tintas epóxi, quando os intervalos para repintura forem ultrapassados, a
demão anterior deve receber um lixamento leve (quebra de brilho) seguida de limpeza com
solventes não oleosos para permitir a ancoragem da demão subseqüente. As superfícies
pintadas com tintas ricas em zinco devem ser lavadas com água doce. Para tintas cujo
mecanismo de formação de película seja por evaporação de solvente, deve ser feita uma
limpeza com pano umedecido em solvente recomendado pelo fabricante. No caso de tinta
de base óleo resinosa (ver norma PETROBRAS N-1259), recomenda-se fazer uma limpeza
superficial com aguarrás mineral isenta de contaminantes. [Prática Recomendada]

3.5 No caso de pintura de tubulações galvanizadas, deve ser feito tratamento e


condicionamento da superfície conforme a norma PETROBRAS N-1021.

3.6 Antes do preparo da superfície a ser pintada, fazer inspeção visual em toda a superfície,
segundo a norma PETROBRAS N-1204. Identificar os pontos que apresentem vestígios de
óleo, graxa ou gordura e outros contaminantes, o grau de corrosão em que se encontra a
superfície (A, B, C ou D), de acordo com a norma ISO 8501-1, assim como os pontos em
que a pintura, se existente, estiver danificada.

3.7 Em quaisquer dos esquemas de pintura previstos nesta Norma, submeter à superfície a
ser pintada a processo de limpeza por ação físico-química, segundo a norma PETROBRAS
N-5, apenas nas regiões em que, durante a inspeção, constatou-se vestígio de óleo, graxa
ou gordura. O procedimento de tratamento de superfície deve ser conforme a TABELA 1.

TABELA 1 - MÉTODO DE TRATAMENTO DA SUPERFÍCIE

Condições Grau de Grau de


Procedimento para
Específicas Acabamento para o Acabamento para o
Tratamento da
(Capítulo 4 desta Jato Abrasivo Hidrojateamento
Superfície
Norma) (norma ISO 8501-1) (norma NACE No. 5)
Tratar com jato
abrasivo ou
1, 2, 3, 5, 6 e 7 hidrojateamento Grau SA 2 1/2 Grau WJ-2
conforme norma
PETROBRAS N-9

3
N-442 REV. M NOV / 2005

3.8 Na aplicação dos esquemas de pintura devem ser seguidas as recomendações da


norma PETROBRAS N-13.

3.9 Nas tubulações cuja temperatura de operação é inferior à 120 °C, mas para as quais se
prevê a realização de “steam-out”, deve ser usado o esquema de pintura previsto na
Condição 5, quando a tubulação for isolada. No caso de tubulação não isolada, aplicar a
Condição 6.

3.10 Nos cordões de solda e nos trechos em que a tubulação se apóia nos suportes, a
aplicação deve ser obrigatoriamente à trincha, exceto para as tinta de zinco etil-silicato,
norma PETROBRAS N-1661 e tinta de etil silicato de zinco-alumínio, norma
PETROBRAS N-2231.

3.11 As cores das tubulações devem atender à norma PETROBRAS N-4.

4 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

4.1 Condição 1

Ambiente: seco ou úmido, com ou sem salinidade, contendo ou não gases derivados de
enxofre. Tubulação com ou sem isolamento térmico. Temperatura de operação: de -45 °C a
15 °C.

4.1.1 Tinta de Fundo

Aplicar 1 demão de tinta epóxi-fosfato de zinco de alta espessura, norma PETROBRAS


N-2630, por meio de rolo, trincha ou pistola. A espessura mínima de película seca deve ser
de 100 µm. O intervalo entre demãos deve ser de, no mínimo, 16 horas e, no máximo,
48 horas.

4.1.2 Tinta de Acabamento

Aplicar 1 demão de tinta epóxi poliamida alta espessura, conforme norma PETROBRAS
N-2628, por meio de rolo/trincha ou pistola sem ar, com espessura mínima de película seca
de 100 µm.

4.2 Condição 2

Ambiente: seco ou úmido, contendo ou não gases derivados de enxofre, com ou sem
salinidade. Tubulação de utilidades, de processo e de transferência, sem isolamento
térmico. Temperatura de operação: da temperatura ambiente até 120 °C.

4.2.1 Tinta de Fundo

Aplicar 1 demão de tinta epóxi-fosfato de zinco de alta espessura, norma


PETROBRAS N-2630, por meio de rolo, trincha ou pistola. A espessura mínima de película
seca deve ser de 100 µm. O intervalo entre as demãos deve ser de, no mínimo, 16 horas e,
no máximo, 48 horas.

4
N-442 REV. M NOV / 2005

4.2.2 Tinta de Acabamento

Aplicar 2 demãos de tinta de alumínio fenólica, conforme norma PETROBRAS N-1259, na


cor alumínio (0170), segundo a norma PETROBRAS N-1219, com espessura mínima de
película seca de 25 µm por demão, aplicadas por meio de rolo ou pistola. O intervalo entre
demãos deve ser de, no mínimo, 24 horas e, no máximo, 72 horas. No caso de outras cores
serem es tabelecidas pela norma PETROBRAS N-4, deve ser aplicada 1 demão de tinta de
poliuretano acrílico, conforme norma PETROBRAS N-2677, por meio de trincha, rolo ou
pistola convencional, com espessura mínima de película seca de 70 µm por demão.

4.3 Condição 3

Ambiente: seco ou úmido, com ou sem salinidade, contendo ou não gases derivados de
enxofre. Tubulação com isolamento térmico. Temperatura de operação de 15 °C até 80 °C
em serviço contínuo ou de 60 °C até 120 °C em serviço intermitente. Neste caso, utilizar
revestimento único aplicando 1 demão de tinta epóxi-fosfato de zinco de alta espessura,
norma PETROBRAS N-2630, por meio de rolo, trincha ou pistola. A espessura mínima de
película seca deve ser de 100 µm.

4.4 Condição 4

Ambiente: seco ou úmido, com ou sem salinidade, contendo ou não gases derivados de
enxofre. Tubulação com isolamento térmico, em serviço contínuo. Temperatura de operação
acima de 80 °C até 500 °C. Neste caso a tubulação não recebe esquema de pintura.

4.5 Condição 5

Ambiente: seco ou úmido, com ou sem salinidade, contendo ou não gases derivados de
enxofre. Tubulação com isolamento térmico, em serviço não contínuo (intermitente).
Temperatura de operação acima de 120 °C até 500 °C. Neste caso utilizar revestimento
único aplicando 1 demão de tinta de zinco etil silicato, conforme norma
PETROBRAS N-1661, por meio de pistola convencional (com agitação mecânica) ou pistola
sem ar (com agitação mecânica), com espessura mínima de película seca de 75 µm.

4.6 Condição 6

Ambiente: seco ou úmido, com ou sem salinidade, contendo ou não gases derivados de
enxofre. Tubulação sem isolamento térmico. Temperatura de operação acima de 120 °C até
500 °C. Neste caso utilizar revestimento único aplicando 1 demão de tinta de etil silicato de
zinco e alumínio, conforme norma PETROBRAS N-2231, por meio de pistola convencional
(com agitação mecânica) ou pistola sem ar (com agitação mecânica), com espessura
mínima de película seca de 75 µm.

4.7 Condição 7

Tubulações situadas na orla marítima ou sobre píer. Temperatura de operação: da


temperatura ambiente até 60 °C.

Nota: Aplicável a condições especialmente agressivas, causadas por ventos fortes em


presença de alta salinidade do ar (névoa salina). Deve-se proceder a uma limpeza
entre demãos com água doce.

5
N-442 REV. M NOV / 2005

4.7.1 Tinta de Fundo

Aplicar 1 demão de tinta de zinco etil silicato, conforme norma PETROBRAS N-1661, por
meio de pistola convencional (com agitação mecânica) ou pistola sem ar (com agitação
mecânica), com espessura mínima de película seca de 75 µm. O intervalo para aplicação da
tinta intermediária deve ser de, no mínimo, 30 horas e, no máximo, 48 horas. Caso seja
ultrapassado o prazo máximo para a aplicação de tinta intermediária deve ser efetuada
limpeza com jato de água doce ou com pano umedecido em água doce em toda a superfície
a pintar.

4.7.2 Tinta Intermediária

Aplicar 1 demão de tinta de fundo epóxi óxido de ferro, conforme norma


PETROBRAS N-1202, por meio de rolo ou pistola sem ar, com espessura mínima de
película seca 30 µm. O intervalo entre demão, a demão da tinta intermediária e a demão da
tinta de acabamento, deve ser de, no mínimo, 8 horas e, no máximo, 72 horas.

4.7.3 Tinta de Acabamento

Aplicar 1 demão de tinta epóxi poliamida de alta espessura, conforme norma


PETROBRAS N-2628, com espessura mínima de película seca de 200 µm por demão,
aplicadas por meio de rolo ou de pistola.

_____________

6
N-442 REV. M NOV / 2005

ÍNDICE DE REVISÕES

REV. A, B, C, D, E, F, G, H, J e K
Não existe índice de revisões.

REV. L
Partes Atingidas Descrição da Alteração
Todas Revisadas

REV. M
Partes Atingidas Descrição da Alteração
Todas Revisadas

_____________

IR 1/1
N-442 REV. M NOV / 2005

GRUPO DE TRABALHO - GT-14-20

Membros

Nome Lotação Telefone Chave


Joaquim Pereira Quintela CENPES/PDP/TMEC 812-8502 BW20
Álvaro Antônio T. M. da Silva UN-BC/ST/EIS 861-7594 KMQ7
Carlos Augusto dos R. Correia AB-LP 811-7627 FPB6
Fernando Gonçalves Enes TRANSPETRO/DT/SUPORTE/SE/CONF 813-6754 TGI4
Francisco Carlos R. Marques E&P-ENGP/IPMI/MI 814-0851 W0C5
Francisco Otávio P. da Silva ENGENHARIA/SL/SEQUI/CI 855-6715 ED4F
José Antônio Lima Viana UN-RNCE/UTPF/MIPF 836-6300 QNF3
Rosângela Colonese REDUC/MI/EE 813-2906 EDZ0
Silvia Regina Correa MATERIAIS/EMAT/DMT 814-1607 SMR6
Pedro Paulo Barbosa Leite ENGENHARIA/SL/NORTEC 819-3071 ED9M
Secretário Técnico
Luiz Carlos Baptista do Lago ENGENHARIA/SL/NORTEC 819-3081 ELZQ

_____________
N-442 REV. M NOV / 2005

4.2.2 Tinta de Acabamento

Aplicar 2 demãos de tinta de alumínio fenólica, conforme norma PETROBRAS N-1259, na


cor alumínio (0170), segundo a norma PETROBRAS N-1219, com espessura mínima de
película seca de 25 µm por demão, aplicadas por meio de rolo ou pistola. O intervalo entre
demãos deve ser de, no mínimo, 24 horas e, no máximo, 72 horas. No caso de outras cores
serem estabelecidas pela norma PETROBRAS N-4, deve ser aplicada 1 demão de tinta de
poliuretano acrílico, conforme norma PETROBRAS N-2677, por meio de trincha, rolo ou
pistola convencional, com espessura mínima de película seca de 70 µm por demão.

4.3 Condição 3

Ambiente: seco ou úmido, com ou sem salinidade, contendo ou não gases derivados de
enxofre. Tubulação com isolamento térmico. Temperatura de operação de 15 °C até 80 °C
em serviço contínuo ou de 60 °C até 120 °C em serviço intermitente. Neste caso, utilizar
revestimento único aplicando 1 demão de tinta epóxi-fosfato de zinco de alta espessura,
norma PETROBRAS N-2630, por meio de rolo, trincha ou pistola. A espessura mínima de
película seca deve ser de 100 µm.

4.4 Condição 4

Ambiente: seco ou úmido, com ou sem salinidade, contendo ou não gases derivados de
enxofre. Tubulação com isolamento térmico, em serviço contínuo. Temperatura de operação
acima de 80 °C até 500 °C. Neste caso a tubulação não recebe esquema de pintura.

4.5 Condição 5

Ambiente: seco ou úmido, com ou sem salinidade, contendo ou não gases derivados de
enxofre. Tubulação com isolamento térmico, em serviço não contínuo (intermitente).
Temperatura de operação acima de 120 °C até 500 °C. Neste caso utilizar revestimento
único aplicando 1 demão de tinta de zinco etil silicato, conforme norma
PETROBRAS N-1661, por meio de pistola convencional (com agitação mecânica) ou pistola
sem ar (com agitação mecânica), com espessura mínima de película seca de 75 µm.

4.6 Condição 6

Ambiente: seco ou úmido, com ou sem salinidade, contendo ou não gases derivados de
enxofre. Tubulação sem isolamento térmico. Temperatura de operação acima de 120 °C até
500 °C. Neste caso utilizar revestimento único aplicando 1 demão de tinta de etil silicato de
zinco e alumínio, conforme norma PETROBRAS N-2231, por meio de pistola convencional
(com agitação mecânica) ou pistola sem ar (com agitação mecânica), com espessura
mínima de película seca de 100 µm.

4.7 Condição 7

Tubulações situadas na orla marítima ou sobre píer. Temperatura de operação: da


temperatura ambiente até 60 °C.

Nota: Aplicável a condições especialmente agressivas, causadas por ventos fortes em


presença de alta salinidade do ar (névoa salina). Deve-se proceder a uma limpeza
entre demãos com água doce.

Похожие интересы