Вы находитесь на странице: 1из 47
Gestão de Compras e Estoques

Gestão de Compras e Estoques

2 SENAC - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Conselho Regional José Evaristo dos Santos Presidente

2

SENAC - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

Conselho Regional José Evaristo dos Santos Presidente

Departamento Regional de Goiás Felicidade Maria de Faria Melo Diretora Regional

Maria de Lourdes Martins Narciso Diretora de Educação Profissional

Maria Cândida Rodrigues Diretora Financeira

Girsei Severino de Paula Diretor Administrativo

Coordenação de Apoio Técnico Amália Cardoso da Silva Aguiar Angélica Cristina Pereira Carla Baylão de Carvalho Cláudia Márcia Alencar Costa Pereira Délcio Marques da Costa Kátia de Araújo Jaime Márcia Neves Rocha de Oliveira Rômulo Criston Gomes Nascimento Veronízia Theodoro Luz

Elaboração Luz Magdalena Láscar Alarcón

Diagramação Tatiane Aquino de Sousa

ÍNDICE GESTÃO DE COMPRAS E ESTOQUES CONCEITO DE ESTOQUES TIPOS DE ESTOQUES CUSTOS DE ESTOQUE

ÍNDICE

GESTÃO DE COMPRAS E ESTOQUES

CONCEITO DE ESTOQUES

TIPOS DE ESTOQUES

CUSTOS DE ESTOQUE

TIPOS DE DEMANDA

SISTEMA DE COMPRAS

SINAL DE DEMANDA

ORGANIZAÇÃO DE COMPRAS

CARACTERÍSTICAS DE UM BOM NEGOCIADOR

CUIDADOS E ESTRATÉGIAS BÁSICAS PARA O ÊXITO DE UMA NEGOCIAÇÃO

MODALIDADES DE COMPRAS

CONDIÇÕES DE COMPRA

CONDIÇÕES DE PAGAMENTO E DESCONTOS

GRÁFICO DENTE DE SERRA

TEMPO DE REPOSIÇÃO OU DE RESSUPRIMENTO (TR)

PONTO DE PEDIDO (PP) OU REPOSIÇÃO (PR) OU ENCOMENDA (PE)

CLASSIFICAÇÃO ABC

ANÁLISE DOS ESTOQUES

TIPOS DE INVENTÁRIO:

ACURÁCIA DOS CONTROLES

NÍVEL DE SERVIÇO OU NÍVEL DE ATENDIMENTO

GIRO DE ESTOQUES

SISTEMA JUST IN TIME

FILOSOFIA DO “JIT”

3

5

6

7

9

11

16

17

18

19

20

22

23

23

24

26

26

28

29

30

31

32

32

34

34

4

4

LOGÍSTICA

39

FASES DA EVOLUÇÃO LOGÍSTICA

40

MRP MATERIALS REQUIREMENT PLANNING ou PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS

41

OBJETIVOS DO MRP

42

POSTPONEMENT

43

ESTOCAGEM: SELETIVIDADE + OCUPAÇÃO

45

PEPS/UEPs

46

BIBLIOGRAFIA

47

GESTÃO DE COMPRAS E ESTOQUES 5 A Administração de materiais é parte fu ndamental de

GESTÃO DE COMPRAS E ESTOQUES

5

A Administração de materiais é parte fundamental de qualquer organização que produza itens ou serviços de valor econômico, sendo essencial não só ao setor industrial como ao comercial, existindo tanto em empresas dos setores públicos e privados.

Regular estoques, transportá-los e guardá-los está arraizado na humanidade há muito tempo. Conta a bíblia que José do Egito por motivos próprios iniciou, naquela época, uma grande movimentação de bens (alimentos) para estocagem. Registrando quantidades e regulando, de forma muito sabia, conseguiu graças a suas “previsões” que o povo do Egito conseguisse passar ileso por uma grande crise de alimentos e em conseqüência disso o país teve um forte diferencial entre os demais.

Com o decorrer dos séculos, a gestão dos recursos materiais não chamou a atenção dos administradores. Tais recursos eram apenas observados nas questões de almoxarifado. Por vários anos, a grande preocupação estava voltada apenas para: Venda Produção e Serviços. Porém, com os problemas que o mundo atravessou a partir da década de 80, inflação, mão-de-obra especializada, custos de transporte etc. as empresas tiveram que focar seus esforços nas reduções de seus recursos. E como grande parte do ativo das empresas está depositada na conta de estoque, almoxarifado e patrimônio, a atenção se volta para a redução destes recursos.

As organizações trabalham num ambiente complexo, afetado por muitos fatores, entre os mais importantes temos:

Governo: regulamentação de negócio pelos vários níveis de governo constitui algo extensivo. A regulamentação aplica-se a áreas como ambiente, segurança, confiabilidade de produtos e tributação.

Economia: as condições econômicas gerais influenciam a demanda por produtos ou serviços de empresas, bem como a disponibilidade de insumos.

6 Durante uma recessão econômica, a dem anda por diversos produtos diminui, enquanto a de

6

Durante uma recessão econômica, a demanda por diversos produtos diminui, enquanto a de outros pode crescer.

Concorrência: hoje a concorrência é intensa, empresar fabricantes enfrentam competição do mundo todo.

Clientes: os clientes estão cada vez mais exigentes e os fornecedores tem respondido melhorando a gama de características que oferecem. Algumas das características que os clientes esperam encontrar nos produtos e serviços que comparam são:

Preço justo;

Maior qualidade de produtos e serviços;

Lead time de entrega;

Serviços de pré e pós-venda melhores;

Flexibilidade em tipos e volumes de produtos.

CONCEITO DE ESTOQUES

“São materiais e suprimentos que uma empresa ou instituição mantém, seja para vender ou para fornecer insumos ou suprimentos para o processo de produção”.

“Quaisquer quantidades de bens físicos mantidos de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo.”

Outras definições:

Estoque físico: é o estoque existente fisicamente na empresa, utilizado para a venda ou para a industrialização.

Estoque contábil: é o estoque utilizado para contabilidade, como referência, para o fechamento do balanço. Este estoque pode apresentar resultados diferentes ao estoque físico, devido a erros de movimentação de estoque.

O estoque pode existir em determinados lugares, e esses lugares possuem uma definição específica.

Armazém: lugar usado para receber e conservar mercadorias, provisões, geralmente usadas para armazenar produtos de secos e molhados.

7 • Almoxarifado : depósito de materiais e objetos necessários a todos os demais setores

7

Almoxarifado: depósito de materiais e objetos necessários a todos os demais

setores de um estabelecimento. Normalmente este setor armazena pequenas

quantidades de produtos e esses produtos são de grande rotatividade.

Depósito: lugar que é utilizado para armazenar mercadorias/produtos de grande quantidade de produtos acabados ou matérias-primas.

As principais funções do estoque são:

Garantir o abastecimento de materiais a empresa, neutralizando os

efeitos de:

a) Demora ou atraso no fornecimento de materiais;

b) Sazonalidade no suprimento;

c) Riscos de dificuldades de fornecimento.

Proporcionar economias de escala:

a) através da compra ou produção de lotes econômicos;

b) pela flexibilidade do processo produtivo;

c) pela rapidez e eficiência no atendimento às necessidades.

A Administração de estoques é responsável pelo planejamento e controle do

estoque, desde o estágio de matéria-prima até o produto acabado entregue aos

clientes. Como o estoque resulta da produção ou a apóia, os dois não podem ser

administrados separadamente.

TIPOS DE ESTOQUES

Hoje todas as empresas procuram de uma forma ou de outra, a obtenção de uma

vantagem competitiva em relação a seus concorrentes, e a oportunidade de

atendê-los prontamente, no momento e na quantidade desejada, é grandemente

facilitada com a administração eficaz dos estoques.

Como os estoques constituem uma parcela considerável dos ativos das empresas,

eles recebem um tratamento contábil minucioso. São classificados em cinco

grandes categorias:

Estoques de matérias-primas: são todos os itens utilizados nos processos de

transformação em produtos acabados. Todos os materiais armazenados que a

8 empresa compra para usar no proce sso produtivo fazem parte do estoque matérias-primas, independentemente

8

empresa compra para usar no processo produtivo fazem parte do estoque matérias-primas, independentemente de serem materiais diretos, que se incorporam ao produto final, ou indiretos, que não se incorporam ao produto final.

Estoques de produtos em processo: correspondem a todos os itens que já entraram no processo produtivo, mas que ainda não são produtos acabados. São os materiais que começam a sofrer alterações, sem, contudo, estar finalizados.

Estoques de produtos acabados: são todos os itens que já estão prontos para serem entregues aos consumidores finais. São os produtos finais da empresa. Os produtos acabados são bem conhecidos por nós em nosso dia-a- dia, e itens como os de revenda enquadram-se nesta categoria.

Estoques

foram

despachados de uma unidade fabril para outra, normalmente da mesma

em

trânsito:

correspondem

a

todos

os

itens

que

empresa, e que ainda não chegaram a seu destino final.

Estoques em consignação: são os materiais que continuam sendo propriedade do fornecedor até que sejam vendidos. Em caso contrário são devolvidos sem ônus.

Os materiais como recursos que são, recebem as seguintes denominações:

Materiais diretos: também denominados materiais produtivos ou matérias- primas, são aqueles que se agregam ao produto final, isto é, saem como produto final. Exemplo: pneus de automóvel e o copo de um liquidificador.

Materiais indiretos: também denominados materiais não produtivos ou materiais auxiliares, são aqueles que não se agregam, isto é não saem com o produto final. Exemplos: óleos de corte das máquinas ferramentas que são utilizados na usinagem de um material direto.

9 Outra classificação de Estoques de acordo com a função: • Estoque de Antecipação :

9

Outra classificação de Estoques de acordo com a função:

Estoque de Antecipação: são criados antecipando-se uma demanda futura.

Estoque de flutuação (de segurança): cobre flutuações aleatórias e imprevisíveis de suprimentos, da demanda ou do lead time.

Estoque do tamanho do lote: itens comprados ou fabricados em quantidades maiores que o necessário, para tirar vantagem dos descontos sobre a quantidade, reduzir despesa de transporte e custos de pedido.

Estoque hedge: devido às altas oscilações de mercado, muitos compradores tem uma expectativa de que os preços irão subir, adquirem o estoque hedge, quando os preços estão baixos, na expectativa de uma futura valorização.

CUSTOS DE ESTOQUE

Todos podem ser agrupados em diversas modalidades:

1. Custos de capital: juros e depreciação

2. Custos com pessoal: salários e encargos sociais

3. Custos com edificação: aluguel, impostos, energia, água, conservação etc

4. Custos de manutenção: deteriorização, obsolescência e equipamento.

Existem duas variáveis que aumentam estes custos, que são a quantidade em estoque e o tempo de permanência em estoque.

Terminologia empregada no sistema

Tornam-se bastante interessantes às definições e emprego de termos empregados na área da organização, pois obteremos uma melhor forma de entendimento entre os planejadores de material.

As colocações abaixo apresentadas são as mais usuais nas organizações, porém existem variações por regionalismo ou adaptações a programas informatizados.

Como define a Norma ISO 9001, os termos devem ser definidos em Manuais e Procedimentos da Qualidade.

10 Estoque – quando se está falando dos materiais em geral, armazenados pela empresa. Material

10

Estoque – quando se está falando dos materiais em geral, armazenados pela empresa.

Material – quando se está falando sobre determinado item ou pequeno grupo (família) de item.

Demanda (D) – em alguns casos é utilizada a letra “C”. - é a quantidade consumida ou requisitada de estoque para uso em um determinado período.

Demanda Média Mensal (D) – é a quantidade média de material consumida em um determinado período.

Demanda Reprimida – é quando se está falando do não atendimento a solicitações de material. Na realidade está relacionada a falta de estoque ( materiais zerados em quantidades)

Tempo de Ressuprimento/Reposição (TR) – é o espaço de tempo decorrido entre a data da emissão da requisição para compra e aquela em que o material é recebido pelo almoxarifado, podendo ser considerados: tempo de processo de compra e entrega pelo fornecedor.

Lote de Compra (LC) – é a quantidade de material solicitada em cada ressuprimento de estoque.

Ressuprimento – processo de suprir as quantidades faltantes, quer dizer, reabastecer o estoque com quantidades, comprar mais material.

Ponto de Ressuprimento (PR) ou Ponto de Encomenda (PE) ou Ponto de Pedido (PP) – corresponde ao nível de estoque que ao ser atingido indica a necessidade de ressuprimento.

Estoque Máximo (EM) – é a quantidade máxima de material a ser mantida em estoque.

Estoque Mínimo (Em) – é a quantidade mínima a ser estabelecida ao atendimento da organização.

Lista de Material ou Relatórios de Estoque – é a relação de todos os itens de materiais controlados pela empresa. Devido a expansão dos processos, as Listas de Material estão sendo classificadas por famílias de material ou por classificação

11 ABC ou por tipo de equipamento aplicado, como forma de redução de custo na

11

ABC ou por tipo de equipamento aplicado, como forma de redução de custo na impressão das mesmas.

Lead Time – é o tempo de ressuprimento ou o número de frações de tempo entre a liberação do pedido até o recebimento de determinado item de material. O Lead Time pode ser encontrado com a terminologia Tempo de atendimento.

Inventário – é a contagem física a ser confrontada com os controles definidos pela empresa, podendo ser estes controles manuais ou informatizados.

TIPOS DE DEMANDA

Segundo a ciência das economias, demanda é: “Disposição de comprar determinada mercadoria ou serviço, por parte dos consumidores”. Porém, na Administração de Recursos Materiais, demanda é a saída média estimada de uma determinada mercadoria em certo espaço de tempo. A demanda visa “formatar” graficamente uma tendência característica do objeto em estudo que, por muitas vezes pode até aparentemente se comportar de forma inconstante, contudo sempre haverá uma característica (perfil) da movimentação deste produto.

Se os dados históricos referentes à demanda são contrapostos a uma escala de tempo, o gráfico mostrará formatos ou padrões consistentes. Padrão é o formato geral de uma série temporal. A variação do padrão de demanda pode variar por quatro motivos bem distintos:

Sazonalidade: Caracteriza-se por uma repetição constante e proporcionalmente com a mesma intensidade de uma flutuação da demanda. Isso ocorre como conseqüência de fatores externos a empresa tais como:

clima, período de férias, eventos particulares e etc. A sazonalidade geralmente é considerada em bases anuais, mas também podem acontecer em uma base semanal, ou até diária.

Tendência: Mostra um crescimento ou decréscimo do padrão de demanda de forma constante. Esta tendência pode se mostrar no formato linear, geométrico ou exponencial. Exemplo: Um produto que saiu de moda.

12 • Variação Aleatória : Muitos fatores podem afetar a demanda durante períodos específicos, sendo

12

Variação Aleatória: Muitos fatores podem afetar a demanda durante períodos específicos, sendo que ocorrem em uma base aleatória. Essa demanda pode ser pequena, com a demanda real chegando perto do padrão, ou pode ser grande, com os pontos espalhados pelo gráfico.

Cíclica: Em vários anos ou até mesmo em décadas, aumentos e diminuições ondulatórias na economia influenciam a demanda. O estudo e previsão dos ciclos ficam a nível macro economistas.

Um estoque pode assumir varias características ao longo do tempo. O seu comportamento sofre influencia internas e externas. É necessário identificar as características mais claras que os itens assumem, para poder desenvolver uma política de reposição que não prejudique as vendas, nem sobrecarregue financeiramente a empresa.

A quantidade por si só, não é a característica dominante para se definir em que estagio se encontra um item, mas sim a dinâmica de suas demandas e os fatores internos e esternos que o influenciaram.

Para uma melhor visualização dos tipos de demandas que um estoque pode apresentar, demonstraremos em gráfico de tendências, ainda que sem demonstrar suas influências, as possíveis características básicas, fazendo comentários de suas peculiaridades e possíveis influências internas e externas.

DEMANDA NORMAL:

básicas, fazendo comentários de suas peculiaridades e possíveis influ ências internas e externas. DEMANDA NORMAL:
13 A característica básica que predefi ne um item de demanda normal, é que sua

13

A característica básica que predefine um item de demanda normal, é que sua movimentação e uma mediam de si mesmo, dentro de qualquer quantidade considerada. Ou seja, um item que considerada sua demanda media em 55 unidades, como de um ano entre 10 a 20% sobre a sua media, tanto para mais como para menos. Outra característica é a da não sazonalidade. Tanto sobe como desce em qualquer dos meses do ano.

DEMANDA SAZONAL

como desce em qualquer dos meses do ano. DEMANDA SAZONAL A característica básica de um item

A característica básica de um item sazonal é em primeiro lugar, que não existe uma media confiável durante o período de um ano. Nota-se que em determinados períodos, ele tem uma demanda que chega a 50 e 60% maior ou menor que a media sempre no mesmo período do ano. Tem quase sempre um fator externo a influenciá-lo. Pode não acontecer a sazonalidade positiva quando não nos preparamos para ele.

DEMANDA CRESCENTE

DEMANDA CRESCENTE 14 A característica básica do item de demand a crescente é a de estar

14

DEMANDA CRESCENTE 14 A característica básica do item de demand a crescente é a de estar

A característica básica do item de demanda crescente é a de estar sempre acima da media anterior. No mês a mês, mostra um aumento sempre que o estoque disponível permite. Cai ou mantêm sua media somente por falta de produto. Tendo mais, vende mais. Sua tendência é sempre crescente. Após um período variável, tem tendência a estabilizar-se como demanda normal ou assumir queda livre. Requer muita atenção e conhecimento dos principais fatores a influencia-lo. É um grande causador dos excessos de estoque.

DEMANDA DECRESCENTE

e conhecimento dos principais fatores a influencia-lo. É um grande causador dos excessos de estoque. DEMANDA
15 A característica básica do item de dem anda decrescente é a de estar sempre

15

A característica básica do item de demanda decrescente é a de estar sempre abaixo da media anterior. No mês a mês, mostra uma diminuição da demanda independente do estoque disponível. Cai e não mantêm sua media. Tendo ou não, vende sempre menos. Sua tendência é sempre decrescente. Geralmente essa tendência esta relacionada, por exemplo, com substituição por outro produto, competitividade, custo-benefício de seu emprego, etc. É também um grande causador dos excessos de estoque. Merecem muita atenção e agilidade de decisão.

DEMANDA COMPULSÓRIA

QUANT.

100 90 80 70 60 50
100
90
80
70
60
50

A característica de demanda compulsória ocorre em itens que, pelo fato principal de representar uma marca ou fabricante, a empresa ter de mantê-lo em estoque para garantir o nível de atendimento ao produto principal. Sua saída é esporádica, se é que ocorre. No entanto, deve se levar em conta que o mesmo pode assumir outras características quando o produto principal já existe em maior quantidade no território de venda da empresa, ou ainda, torna-se um item sem giro ou obsoleto com grande facilidade. O período de um ano a um ano e meio praticamente dirá suas possibilidades futuras. É um grande candidato a item obsoleto ou Sem Giro.

SEM DEMANDA

SEM DEMANDA 16 QUANT. 50 40 30 20 Sua característica já é a descrita pelo pr

16

QUANT.

50

40

30

20

QUANT. 50 40 30 20

Sua característica já é a descrita pelo próprio nome. Não há movimentação para o item. Não pode afirmar, sem maiores análises, trata-se de um item obsoleto. Tem que ser verificado se o item e parte de um produto ou e de venda casada (só e vendido juntamente com outro item), e se seu par esta faltando no estoque, no período verificado.

SISTEMA DE COMPRAS

Notar a real importância da função Compras como potencial fonte de competitividade é fundamental para a empresa que deseja estar participando eficazmente de seu mercado no presente e no futuro. Considerando a totalidade do valor econômico de seu produto, as Compras devem ser devidamente focadas dentro de sua estratégia de competitividade, considerando o real peso do que está a montante dela. Na estrutura de custos de uma empresa, segundo Rafael Herrera da Prodix, economizar 5% na função Compras pode representar um acréscimo de até 30% do resultado líquido, de acordo com o segmento (e de acordo com a margem de contribuição do produto).

Ainda hoje se foca a produtividade interna da empresa como principal fonte de ganhos econômicos. Mesmo organizações que levaram à exaustão seus processos produtivos e administrativos ainda permanecem com grande atenção nessas áreas.

No entanto, existem sérias razões para integrar a função de Compras na concepção da competitividade.

áreas. No entanto, existem sérias razões para in tegrar a função de Compras na concepção da
17 Na Nova Economia, ser competitivo não é, predominantement e, somente uma questão de preço

17

Na Nova Economia, ser competitivo não é, predominantemente, somente uma questão de preço dos produtos no ponto de venda. São fatores tão importantes quanto preço e serviços agregados ao produto: a capacidade de diferenciação dos produtos e a velocidade em que ocorre a inovação.

Avanços decisivos em qualidade e novos meios de comercialização também são fatores mais percebidos hoje do que no passado.

Uma empresa que busca melhorar sua performance de mercado tem na sua cadeia de fornecimento, um importante aliado que pode favorecer, acelerar ou, ao contrário, vir a representar obstáculos ao sucesso de sua estratégia.

Nos setores de consumo (alimentos, bebidas e cosméticos, por exemplo), criatividade e inovação tecnológica têm sido bastante usados para trazer maior competitividade às empresas.

A função compras, segundo DIAS (1993) “tem por finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços, planejá-las quantitativamente e satisfazê-las no momento certo com as quantidades corretas, verificar se recebeu efetivamente o que foi comprado e providenciar armazenamento.”

SINAL DE DEMANDA

O sinal de demanda é a forma sob a qual a informação chega à área de compras para desencadear o processo de aquisição de bem material ou patrimonial. No caso de bens patrimoniais, o sinal pode vir, por exemplo, de um estudo de viabilidade ou de uma necessidade de expansão. Já no caso de obras públicas, ele pode ser resultado, entre outros, de um estudo de mercado ou de necessidades sociais.

Os objetivos básicos de uma seção de compras são:

Obter um fluxo contínuo de suprimentos a fim de atender aos programas de produção;

um mínimo de

Coordenar

esse fluxo de maneira

que seja aplicado

investimento que afete a operacionalidade da empresa;

Comprar materiais e insumos aos menores preços, obedecendo a padrões de quantidade e qualidade definidos;

18 • Procurar sempre dentro de uma negoc iação justa e honesta as melhores condições

18

Procurar sempre dentro de uma negociação justa e honesta as melhores condições para a empresa, principalmente condições de pagamento.

ORGANIZAÇÃO DE COMPRAS

As atividades típicas da seção de compras são:

1. Pesquisa dos fornecedores

Estudo do mercado

Estudo dos materiais

Análise dos custos

Investigação das fontes de fornecimento

Inspeção das fábricas dos fornecedores

Desenvolvimento de fontes de fornecimento

Desenvolvimento de fontes de materiais alternativos.

2. Aquisição

Conferência de requisições

Análise das cotações

Decidir comprar por meios de contratos ou no mercado aberto

Entrevistar vendedores

Negociar contratos

Efetuar as encomendas de compras

Acompanhar o recebimento de materiais.

3. Administração

Manutenção de estoques mínimos

Transferências de materiais

Evitar excessos e obsolescência de estoque

Padronizar o que for possível.

4. Diversos

4. Diversos 19 • Fazer estimativa de custo • Dispor de materiais desnecessários, obsoletos ou excedentes.

19

Fazer estimativa de custo

Dispor de materiais desnecessários, obsoletos ou excedentes.

Cuidar das relações comerciais recíprocas.

CARACTERÍSTICAS DE UM BOM NEGOCIADOR

a) Ver a negociação como um processo contínuo, no qual nenhum item é imutável, mesmo fechado o acordo e assinado o contrato;

b) Ter mente aberta;

c) Estar alerta para suas necessidades pessoais e de seu negócio, sem se descuidar das necessidades de seu oponente;

d) Ser flexível e capaz de, rapidamente, definir metas e interesses mútuos;

e) Não tentar convencer o oponente de que o ponto de vista dele está errado e deve ser mudado;

f) Desenvolver alternativas criativas que vão ao encontro das necessidades de seu oponente;

g) Ser cooperativo porque a cooperação possibilita clima propício à solução de problemas, em harmonia;

h) Ser competitivo, o que estimula as duas partes a serem mais eficientes na procura de benefícios mútuos desejados;

i) Compreender que a manipulação de pessoas é incompatível com as metas de harmonia resultantes da cooperação e competição;

j) Atingir os próprios objetivos e, ao mesmo tempo, fazer contribuições significativas para alcançar as metas da organização.

20 CUIDADOS E ESTRATÉGIAS BÁSICAS PA RA O ÊXITO DE UMA NEGOCIAÇÃO a) Comece sempre

20

CUIDADOS E ESTRATÉGIAS BÁSICAS PARA O ÊXITO DE UMA NEGOCIAÇÃO

a) Comece sempre a negociação, fornecendo e solicitando informações, fatos, deixando opiniões, julgamentos e valores para depois.

b) Procure “vestir a pele” do outro negociador, o que o ajudará a compreender melhor a argumentação e as idéias dele;

c) Nunca esqueça que um bom negócio só é bom quando é bom para ambas as partes; logo, as idéias só serão aceitas, se forem boas para ambas as partes;

d) Procure sempre fazer perguntas que demandem respostas além do simples sim ou não;

e) A dimensão confiança é importantíssima no processo de negociação; procure ter atitudes geradoras de confiança em relação ao outro negociador;

f) Evite fazer colocações definitivas ou radicais;

g) Nunca encurrale ou pressione o outro negociador, deixando sempre uma saída honrosa.

h) Toda pessoa tem seu estilo de negociação e determinado tipo de necessidade e motivação; ao negociar lembre-se dessas diferenças;

i) Saiba ouvir e procure não atropelar verbalmente o outro negociador;

j) Procure sempre olhar os aspectos positivos do outro negociador; observe suas forças, evite concentrar-se em suas características negativas de comportamento e em suas fraquezas, porque ele pode perceber.

Um dos instrumentos mais eficazes no relacionamento do comprador e seus fornecedores é a confiança mútua. Quanto mais aberta e clara a negociação, maiores são as chances de uma boa compra. As informações de ambas as partes devem circular abertamente, a fim de que distorções eventualmente detectadas sejam corrigidas por meio de um diálogo construtivo. Da mesma forma que o comprador quer estar seguro de receber seus produtos pelo melhor preço e da melhor qualidade no prazo determinado, o fornecedor quer ter garantia de clientes fiéis e satisfeitos.

21 Negociação não é uma disputa em q ue uma das partes ganha e a

21

Negociação não é uma disputa em que uma das partes ganha e a outra tem prejuízo. Embora elementos de competição estejam obviamente ligados ao processo, ela é bem mais do que isso. Uma boa negociação ocorre quando ambas as partes saem ganhando. Daí porque saber negociar é um importante requisito para um bom comprador.

Basicamente qualquer processo de negociação obedece a cinco etapas que precisam ser cumpridas com igual cuidado, para que se tenha um resultado final positivo.

Preparação: onde se estabelecem os objetivos que devem ser alcançados de forma ideal e os que a realidade permitirá atingir. Aqui, reflete-se sobre o comportamento presumível do outro negociador.

Abertura: serve para reduzir a tensão, consolidar o objetivo, destacar um objetivo mútuo e criar um clima de aceitação.

Apresentação: como é feito o relacionamento dos objetivos e expectativas iniciais com as necessidades da outra parte.

Clarificação: consiste em ouvir atentamente as objeções; aceitar não a objeção em si, mas o sentimento ou a lógica existente por detrás dela e mostrar ao outro que a entendemos.

Ação Final: é a procura de um acordo ou decisão. Vale lembrar que as pessoas compram um produto ou uma idéia com ajuda e não com um empurrão, mas isso não quer dizer que ela tome a decisão sozinha. O negociador que faz isso geralmente fracassa.

Operação do Sistema de Compras (Planejamento de Compras):Um sistema adequado de compras tem variações em função da estrutura da empresa e em função da sua política adotada. Periodicamente esse sistema vem sendo aperfeiçoado, acompanhado a evolução das relações comerciais, mas os elementos básicos permanecem os mesmos. Entre essas características destacam-se em:

Sistemas de compras a três cotações: Tem por finalidade partir de um número mínimo de cotações para encorajar novos competidores. A pré- seleção dos concorrentes qualificados evita o dispêndio de tempo com um

22 grande número de fornecedores, dos quais boa parte não teria condição para fazer um

22

grande número de fornecedores, dos quais boa parte não teria condição para fazer um bom negócio.

Sistema de preço objetivo: O conhecimento prévio do preço justo, além de ajudar nas decisões do comprador, proporciona uma verificação dupla no sistema de cotações. Pode ainda ajudar os fornecedores a serem competitivos, mostrando-lhes que suas bases comerciais não são reais e que seus preços estão fora de concorrência.

Duas ou mais aprovações: No mínimo duas pessoas devem estar envolvidas em cada decisão de escolha do fornecedor. Isso estabelece uma defesa dos interesses da empresa pela garantia de um melhor julgamento, protegendo o comprador ao possibilitar revisão de uma decisão individual. Além do que o sistema de duas aprovações permite que os compradores estejam envolvidos pelo processamento da compra, uma vez que a sua decisão está sujeita a um assessoramento ou supervisão.

Documentação escrita: A presença de muito papel pode parecer desnecessária, porém fica evidente que a documentação escrita anexa ao pedido, além de possibilitar o exame de cada fase da negociação, permite a revisão e estará sempre disponível, junto ao processo de compra para esclarecer qualquer dúvida posterior.

MODALIDADES DE COMPRAS

De Emergência: É aquela que se realiza às pressas. Acontece quando a empresa não faz planejamento das compras.

Especulativa: É realizada, antes de se apresentar a necessidade. Destina- se a especular com uma possível alta de preços.

Antecipada: É realizada, a fim de atender às reais necessidades da loja para determinado período. Exige rigorosa previsão das vendas.

Contratada: É aquela que prevê a entrega dos pedidos em épocas pré- determinadas.

23 • Reposição: É aquela para adquirir mercadorias com comportamento estável das vendas. Exemplo: produtos

23

Reposição: É aquela para adquirir mercadorias com comportamento estável das vendas.

Exemplo: produtos de higiene, limpeza e outros que registram comportamento de vendas equilibrado.

CONDIÇÕES DE COMPRA

Preços: Prever as necessidades de uma empresa consiste em calcular o

que lhe virá a ser necessário durante determinado período, que seja para assegurar o funcionamento da linha de produção quer seja para o funcionamento de toda a empresa. A definição dos prazos necessários para

que os materiais estejam na empresa e a previsão de possíveis atrasos, é fundamental, exigindo esforço máximo no sentido de seu alcance.

Frete: Representando em alguns casos parcela significativa no preço do

produto, as condições mais freqüentes para o frete são para preços FOB, no qual o transporte do fornecedor até a empresa não está incluso, ou CIF, em que no preço está incluída a entrega. É importante avaliar entre as duas situações. É interessante ainda verificar as modalidades de transporte disponíveis para a escolha da alternativa mais viável.

Embalagem: O tipo de embalagem em que vem acondicionada a mercadoria

constitui fator preponderante no seu preço de aquisição. Torna-se necessário verificar se não existe elevação no preço da mercadoria em função da embalagem utilizada. A embalagem com que o Setor de Compra deve preocupar-se é com a de transporte, que trará a mercadoria até à empresa, dando a ela total proteção, sem excessos ou sofisticação.

CONDIÇÕES DE PAGAMENTO E DESCONTOS

Um dos objetivos de uma boa compra é conseguir as melhores condições de pagamento. Em função da padronização de condições de pagamento pelos fornecedores, a ação do comprador neste sentido fica dificultada, exigindo maior habilidade na tentativa de obter maiores e melhores prazos.

24 É de grande importância para a empresa considerar ainda o custo financeiro em vigor

24

É de grande importância para a empresa considerar ainda o custo financeiro em

vigor e que havendo atraso das entregas nos prazos determinados, todos os benefícios das condições obtidas podem ser perdidos.

Já os descontos para pagamentos à vista já estão incluídos normalmente em qualquer negociação, por todos os fornecedores. O que deve ser considerado é o diferencial em percentual do preço à vista e do preço faturado em número determinado de dias. Podem ocorrer situações em que o pagamento à vista seja mais vantajoso do que o parcelado e vice-versa.

Quando o oferecimento de desconto está simplesmente vinculado à alteração das condições de pagamento, como regra simples de análise, deve-se verificar se o percentual oferecido de desconto é maior que as taxas de juros, em aplicações no mercado financeiro para remuneração de capital.

Os descontos para quantidades constituem as reduções de preços em função de um aumento da quantidade comprada. São de difícil análise por envolver todo o dimensionamento dos estoques da empresa. Corre-se o risco neste caso da elevação demasiada dos estoques em alguns períodos.

GRÁFICO DENTE DE SERRA

A representação da movimentação (entrada e saída) de uma peça dentro de um

sistema de estoque pode ser feita por um gráfico, em que a abscissa é o tempo decorrido (t) para o consumo, normalmente em meses, e a ordenada é a quantidade em unidades desta peça em estoque num intervalo de tempo. Este gráfico é chamado dente de serra devido a sua característica visual geralmente se assemelhar a tal objeto.

Este gráfico é chamado dente de serra devido a sua cara cterística visual geralmente se assemelhar
25 O ciclo acima representado será sempre repetitivo e constante se: a) não existir alteração

25

O ciclo acima representado será sempre repetitivo e constante se:

a) não existir alteração de consumo durante o tempo T;

b) não existirem falhas administrativas que provoquem um esquecimento ao solicitar

compra;

c) o fornecedor nunca atrasar;

d) nenhuma entrega do fornecedor for rejeitada pelo controle de qualidade.

Como sabemos essa condição realmente não ocorre para isso devemos prever essas possíveis falhas na operação como representado abaixo:

possíveis falhas na operação como representado abaixo: No gráfico acima podemos notar, que durante os meses

No gráfico acima podemos notar, que durante os meses de junho, julho e agosto e setembro, o estoque esteve a zero e deixou de atender a uma quantidade de 80 peças.

A partir dessa análise concluímos que deveríamos então estabelecer um estoque

de segurança.

de 80 peças. A partir dessa análise concluímos que deve ríamos então estabelecer um estoque de
26 TEMPO DE REPOSIÇÃO OU DE RESSUPRIMENTO (TR) O tempo de reposição é um dos

26

TEMPO DE REPOSIÇÃO OU DE RESSUPRIMENTO (TR)

O tempo de reposição é um dos cálculos simples e importantíssimo a ser analisado,

pois a não observância desse fator poderá acarretar a falta do item, pois entre

vários fatores envolve:

Emissão da Requisição de Compra/ pedido/ verificação de orçamento – tempo

previsto até a definição para chegar o pedido ao fornecedor selecionado.

Preparação do pedido – tempo que leva do fornecedor fabricar/ embalar/

faturar e deixá-lo em condições de ser transportado.

Transporte – tempo que leva para sair do fornecedor até o recebimento do

solicitante.

para sair do fornecedor até o recebimento do solicitante. Então o ponto de pedido de reposição,

Então o ponto de pedido de reposição, será definido quando o saldo de estoque

estiver abaixo ou igual à determinada quantidade chamada ponto de pedido.

PONTO DE PEDIDO (PP) OU REPOSIÇÃO (PR) OU ENCOMENDA (PE)

Será calculado com a fórmula:

PP = Emi + (C x Tr)

Sendo: PP = Ponto de Pedido

Tr

= Tempo de reposição

C

= Consumo Médio Mensal

(empresas usam D referente a

demanda) Em = Estoque mínimo

27 Estoque mínimo (Em). Usa-se o modelo para cálculo de estoque mínimo: a – fórmula

27

Estoque mínimo (Em). Usa-se o modelo para cálculo de estoque mínimo:

a – fórmula simples Em = C x K Onde: C = consumo médio mensal K = fator de segurança No fator de segurança, caso queiramos ter uma falha de apenas 10 % em nossos estoques usaremos 0,90. Isso quer dizer que queremos uma garantia de que somente em 10% das vezes o estoque desta peça esteja zero.

b – fórmula da raiz quadrada

Usa-se quando ;

O consumo durante o tempo de reposição for pequeno, menor que 20 unidades.

O consumo for irregular.

A quantidade requisitada ao almoxarifado for igual a 1.

Em = C x Tr

Exemplo: uma peça é consumida a uma razão de 30 unidades por mês, e seu tempo de reposição é de dois meses. Qual é o ponto de pedido, uma vez que o estoque mínimo deve ser de um mês de consumo? PP = Em + (C x Tr) PP = (30 x 2) + 30 PP = 90 unidades. Quer dizer quando o Estoque virtual chegar a 90 unidades, deverá ser emitido um novo pedido de compra.

Estoque Máximo

É a quantidade máxima permitida em estoque. Será o valor encontrado da soma do

Estoque Mínimo (Em) com a Quantidade de pedido (PP). Emáx = Em + Quantidade pedida.

Estoque Médio:

O estoque médio irá fazer uma previsão de demanda para o próximo período, existem várias formas de se calcular:

Método do último período: consiste em utilizar como previsão para o período seguinte o valor ocorrido no período anterior.

Método da média móvel: a previsão para o próximo período é obtida calculando-se

a média dos valores de consumo no n períodos anteriores.

CM = C 1 + C 2 + C 3 +

+ Cn

n

CM= Consumo médio

CM= Consumo médio C = Consumo nos períodos anteriores n = Número de períodos 28 Desvantagens

C

= Consumo nos períodos anteriores

n

= Número de períodos

28

Desvantagens deste método:

- As médias móveis são afetadas por valores extremos isso pode ser superado utilizando-se a média móvel ponderada com pesos apropriados; - As observações mais antigas tem o mesmo peso que as atuais.

Método da média móvel ponderada: este método é uma variação do método anterior em que os valores dos períodos mais próximos recebem peso maior que os valores correspondentes aos períodos mais antigos X i = C i . X i

. Ci

Xi = previsão de consumo

Ci

= peso ou fator de importância

Xi

= Consumo de estoque de cada período

CLASSIFICAÇÃO ABC

A curva ABC é um importante instrumento para o administrador; ela permite identificar aqueles itens que justificam atenção e tratamento adequados quanto à sua administração. Obtém-se a curva ABC através da ordenação dos itens conforme a sua importância relativa.

A curva ABC tem sido usada para a administração de estoques, para definição de

políticas de vendas, estabelecimento de prioridades para a programação da

produção e uma série de outros problemas usuais na empresa.

Após os itens terem sido ordenados pela importância relativa, às classes da curva ABC podem ser definidas das seguintes maneiras:

29 Classe A : Grupo de itens mais importante que devem ser trabalhados com uma

29

Classe A: Grupo de itens mais importante que devem ser trabalhados com uma atenção especial pela administração.

Classe B: Grupo intermediário.

Classe C: Grupo de itens menos importantes em termos de movimentação,

No entanto, requerem atenção pelo fato de gerarem custo de manter estoque.

atenção pelo fato de gerarem custo de manter estoque. A classe “A” são os itens que

A classe “A” são os itens que nesse caso dão à sustentação de vendas, podemos perceber que apenas 5% a 20% dos itens correspondem a 80% do faturamento (alta rotatividade).

A

classe

“B” responde

por

25%

a

40% dos

itens em

estoque e

15% do

faturamento.(rotatividade média).

 

A

classe

“C”

compreende

a

sozinha

50%

a

70%

dos

itens

em

estoque,

respondendo por apenas 5% do faturamento.

ANÁLISE DOS ESTOQUES

Os estoques representam uma parcela substancial dos ativos das empresas, por isso devem ser encarados como um fator potencial de geração de negócios e de lucros. Assim, cabe ao gestor verificar se estão tendo a utilidade adequada ou sendo um “peso morto”, não apresentando o retorno sobre o capital neles investidos. A gestão de estoques constitui uma série de ações que permitem ao

30 administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos

30

administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se utilizam, bem manuseados e bem controlados. Existem vários indicadores de produtividade na análise e controle dos estoques, sendo os mais usuais: diferenças entre o inventário físico e contábil, acurácia dos controles, nível de serviço e giro de estoques.

TIPOS DE INVENTÁRIO:

Inventário Físico

O inventário físico é a contagem física dos itens de estoque. Caso haja

diferenças entre o inventário físico e os registros do controle de estoques, devem ser feitos os ajustes conforme recomendações contábeis e tributárias.O grande controle pode ser feito em qualquer organização para auxiliar o fluxo de caixa, é o referente aos inventários. Estoque em excesso significa gastar dinheiro à toa, arcar com um custo que não traz benefício nenhum. Qualquer custo, seja ele relacionado à produção, à administração de materiais ou simplesmente ao estoque, pode ser reduzido se for bem gerenciado. Mudanças excessivas em ordens de produção, implicando parada das máquinas e aumento dos estoques em processo, acabam por gerar retrabalho, e é uma forma clara de desperdício, fazendo com que os gastos com produção subam e, conseqüentemente, impactem no custo do produto. Mas como descobrir se uma fábrica está trabalhando com excesso

de estoque? O inventário físico é geralmente efetuado de dois modos:

periódico ou rotativo.

Inventário periódico: é realizado em determinados períodos, normalmente no encerramento dos exercícios fiscais, ou duas vezes por ano, faz-se a contagem física de todos os itens em estoque. Nessas ocasiões coloca-se um número bem maior de pessoas com a função específica de

contar os itens. É uma força tarefa designada exclusivamente para esse fim,

já tal contagem deve ser feita no menor espaço de tempo possível

(geralmente de 1 a 3 dias).

31 Inventário rotativo: é quando permanentemente se contam os itens em estoque. Nesse caso se

31

Inventário rotativo: é quando permanentemente se contam os itens em

estoque. Nesse caso se faz um programa de trabalho de tal forma que todos

os itens sejam contados dentro do período fiscal. Essa política exigirá um

certo número de pessoas exclusivamente dedicadas à contagem, em período

integral, o ano todo.

ACURÁCIA DOS CONTROLES

Uma vez determinado o inventário, pode-se calcular a acurácia dos controles,

que mede a porcentagem de itens corretos, tanto em quantidade quanto em

valor, ou seja:

Acurácia = Número de itens com registros corretos Número total de itens

Acurácia = Valor dos itens com registros corretos Valor total de itens

Exemplo:

Calcule a acurácia do controle, sabendo-se que após os três primeiros meses, foram encontradas as seguintes divergências entre o número de unidades contadas por item e o número indicado pelo controle.

Classe

itens

Nº itens contados em %

Nº itens

Acurácia

 

contados

com

 

divergências

A

4.910

4.910/16.915=29,03%

268

(4.910-268)

/

4.910

 

=

0,9454

B

9.125

9.125/16.915=53,95%

438

(9.125-438)

/

9.125

 

=

0,9520

C

2.880

2.880/16.915=17,02%

55

(2.880-55)

/

2.880

 

=

0,9809

Total

16.915

     

Solução (0,2903) x (0,9454) + (0,5395) x (0,9520) + (0,1702) x (0,9809) Acurácia do controle = 95,50%

32 NÍVEL DE SERVIÇO OU NÍVEL DE ATENDIMENTO Nível de serviço ou de atendimento é

32

NÍVEL DE SERVIÇO OU NÍVEL DE ATENDIMENTO

Nível de serviço ou de atendimento é o indicador de quão eficaz foi o estoque para atender às solicitações dos usuários. Assim, quanto mais requisições forem atendidas, nas quantidades e especificações solicitadas, tanto maior será o nível de serviço.

Nível de serviço = Número de requisições atendidas

Número de requisições efetuadas

Exemplo:

No almoxarifado da empresa VendeTudo, durante um período de 6 meses, foram apresentadas 3.100 requisições de materiais, com um número médio de 1,45 item por requisição. Foram entregues 4.400 dos itens solicitados. Qual o nível de atendimento do almoxarifado?

Nível de serviço = 4.400 = 97,88%

4.495

GIRO DE ESTOQUES

O giro de estoques mede quantas vezes, por unidade de tempo, o estoque se renovou ou girou.

Giro de estoques = Valor consumido no período

Valor do estoque médio do período

LISTA DE EXERCÍCIOS

1. Um gerente decidiu trabalhar com uma margem de segurança de 0,7% para um produto que tinha venda de 328 unidades por mês. Calcule o estoque mínimo necessário para que não falte estoque durante o mês e o estoque máximo que pode ser armazenado.

2. Calcule o estoque mínimo para uma empresa que vendeu 22, 35, 28 e 31 peças nos últimos 4 meses a um fator de segurança de 0,5.

33 3. Calcule o Ponto de Pedido PP de um a lanchonete que possuí um

33

3. Calcule o Ponto de Pedido PP de uma lanchonete que possuí um consumo

mensal de 2.556 polpas de fruta com tempo de reposição para 3 meses e um

fator de segurança de 0,9.

4. Uma empresa tem em seu estoque aproximadamente 25.000 itens

diferentes. No inventário do ano anterior verificou-se que havia em média 20

unidades de cada item. Supondo que uma pessoa possa contar, em média

90 itens por minuto, quantas pessoas serão necessárias para contar todos os

itens em 3 dias de trabalho?

5. De janeiro a julho, o estoque de uma empresa apresentou a seguinte

movimentação em reais. Obtenha o giro de estoque para os dados abaixo.

Mês

Estoque

Entradas

Saídas

Estoque final

Inicial

Jan

224.437,38

437.986,00

182.756,35

 

Fev

 

348.122,56

262.675,33

 

Mar

 

182.544,90

274.655,88

 

Abr

 

303.499,01

395.903,55

 

Maio

 

268.999,00

302.945,12

 

Jun

 

345.965,00

248.205,56

 

Total

       

6. O consumo dos itens de estoque da empresa Galvão Ltda, de janeiro a junho de 1998 foi de:

Item

Consumo

Valor

P55

2.455

0,50

P22

381

12,55

P28

12.499

0,07

P06

831

5,44

R18

26.811

1,25

R49

155

2,46

T98

15.991

0,03

T12

3.888

0,05

Faça uma classificação ABC da tabela.

7. Calcule a acurácia do controle, sabendo-se que após os três primeiros meses, foram encontradas as seguintes divergências entre o número de unidades contadas por item e o número indicado no controle.

Classe

Nº de Itens

de

Itens

de

itens

34     contados em % com divergências   A 4.910   268   B

34

   

contados em %

com

divergências

 

A 4.910

 

268

 

B 9.125

 

438

 

C 2.880

 

55

Total

16.915

   

8. Por que uma alta acurácia é imprescindível para o bom funcionamento de um

sistema informatizado de controle de estoques?

9. Porque as empresas procuram ter um alto giro de seus estoques? Quais são

as vantagens e desvantagens dessa política?

SISTEMA JUST IN TIME

Na transição para o século XXI, o modelo japonês, uma versão sensivelmente

melhorada das técnicas e proposições ocidentais sobre a administração, tornou-se

um modelo universal, e um dos principais pilares que sustentam a competitividade

na economia global.

O método Just in Time, é uma expressão em inglês que significa bem na hora, no

momento certo ou na hora certa, procura reduzir ao mínimo o tempo de fabricação e

o volume de estoques. O princípio é estabelecer um fluxo contínuo de materiais,

sincronizado com a programação do processo produtivo, para minimizar a

necessidade de estoques. Para isso, o fornecedor deve comprometer-se a entregar

os suprimentos no momento exato.

Na linha de produção, o Just in Time funciona como um supermercado. O operador

que precisa de peças entrega um cartão especificando o que deseja e leva outro,

que acompanha o material que recebeu. O cartão chamado kanban, é o sinalizador

da movimentação de suprimentos.

FILOSOFIA DO “JIT”

Operar um sistema de manufatura simples e eficiente, capaz de otimizar o uso dos

recursos de capital, equipamento e mão-de-obra. Um sistema de produção capaz

35 de atender ás exigências de qualidade e de entr ega de um cliente ao

35

de atender ás exigências de qualidade e de entrega de um cliente ao menor custo, via eliminação de qualquer função desnecessária no sistema de manufatura que traga custos indiretos, que não acrescente valor para a empresa, e que impeça melhor produtividade ou agregue despesas desnecessárias no sistema operacional do cliente.

Princípios básicos do “JIT”

1. Cada funcionário ou posto de trabalho é tanto um cliente como um fornecedor;

de

constituem

2. Clientes

e

fornecedores

extensão

do

processo

manufatura;

3. Procurar continuamente simplificar;

4. É mais importante prevenir problemas do que resolvê-los;

5. Obter ou produzir algo somente quando for necessário (“Just-in-Time).

Metas do “JIT”

1. Projetar para otimização da qualidade/custo e facilidade de fabricação;

2. Minimizar a quantidade de recursos despendida no projeto e manufatura de um produto;

3. Entender e responder às necessidades do cliente;

4. Desenvolver a confiança e relações abertas com fornecedores e clientes;

5. Desenvolver o comprometimento de melhorar todo o sistema de manufatura.

Vantagens do “JIT”

1. Redução do custo de materiais;

2. Diminuição dos custos de produção, via sua otimização;

3. Redução do custo das vendas (fim da inspeção e teste entre fabricante e cliente).

A PRIMEIRA EMPRESA A ADOTAR O JIT 36 A Toyota foi a empresa pioneira a

A PRIMEIRA EMPRESA A ADOTAR O JIT

36

A Toyota foi a empresa pioneira a adotar este sistema de gestão, o que a levou a trabalhar com poucos fornecedores, aumentando assim a relação de parceria e o fortalecimento da cadeia de suprimentos.

Um dos grandes princípios adotados, segundos os manuais da Toyota, foi o da eliminação total de desperdícios, que foram classificados em sete tipos principais:

Tempo perdido em conserto ou refugo.

Produção além do volume necessário ou antes do momento necessário.

Operações desnecessárias no processo de manufatura.

Transporte.

Estoque.

Movimento humano.

Espera.

ESTUDO DE CASO: OHNO-SAN VAI AO SUPERMERCADO

Por volta de 1950, a economia japonesa estava debilitada. A Toyota tinha um programa de produção de menos de 1.000 carros por mês. Se fabricasse mais, não conseguiria vendê-los. Bem diferente da situação no final dos anos 80, quando a Toyota fabricava 1.000 carros em poucos minutos.

Em 1956, Taiichi Ohno, criador do sistema Toyota de produção, foi aos Estados Unidos visitar fábricas de automóveis. “Finalmente”, ele escreveu, “pude realizar o desejo de conhecer um supermercado de perto”. Ohno conhecia o supermercado por referência e já havia observado que é a loja onde, em geral, se compra de acordo com a necessidade.

Do supermercado, Ohno havia tirado as idéias de enxergar cada processo de uma linha de produção como uma espécie de loja que fornece peças para o processo seguinte. No entanto, a linha como um todo é administrada do fim ao começo. O processo seguinte (cliente) vai ao processo anterior (supermercado) para obter as peças necessárias (mercadorias) na hora certa e na quantidade necessária. O

37 processo anterior imediatamente pr oduz a quantidade que acabou de sair (reposição de mercadoria

37

processo anterior imediatamente produz a quantidade que acabou de sair (reposição de mercadoria nas prateleiras). Escreveu ele mais tarde:

- Nós esperávamos que essa idéia nos ajudasse a realizar o objetivo do Just in

time, de fabricar apenas o necessário. Em 1953, nós de fato aplicamos o sistema em nossa oficina de máquina da fábrica principal. Para fazer funcionar o sistema do supermercado, usamos pedaços de papel em que escrevíamos informações sobre

o trabalho a ser realizado. Nós chamávamos isso de kanban.

- O kanban, um cartão envelopado em plástico, tornou-se a ferramenta que faz funcionar o sistema Toyota.

- Suponham que levássemos o kanban ao supermercado. Como funcionaria? As

mercadorias compradas pelos clientes passam pelo caixa. Cartões contendo informações sobre essas mercadorias seriam então enviados ao departamento de compras. Com essa informação, as mercadorias que saíam seriam imediatamente repostas. Esses cartões correspondem ao kanban de retirada do sistema Toyota. No supermercado, as mercadorias expostas correspondem ao estoque de fábrica. Se o supermercado tivesse sua fábrica de mercadorias, enviaria para ela um kanban de produtos. Com as informações desta kanban, a fábrica produziria as mercadorias para repor as que tivessem sido vendidas.

Nos anos 80, quando funcionários da Daihatsu procuraram a Toyota para aprender seus métodos de eficiência, Ohno recomendou-lhes que fabricassem apenas o necessário.

- Mas não é melhor idéia continuar produzindo, enquanto houver tempo e materiais?

– perguntou um dos visitantes.

- Acho que não – respondeu Ohno. – Façam apenas o que for necessário. Pode ser

que vocês fiquem com materiais sobrando, mas a empresa não ganha nada se fizer 120 itens quando precisa apenas de 100. Se você precisa de 100, faça apenas 100.

Ohno também recomendou que o ritmo de trabalho fosse calibrado para que a produção dos 100 itens ocupasse o dia todo.

- A fórmula básica da Toyota, de fazer o que for necessário, apenas na quantidade

necessária, no momento necessário, tem outro elemento: tão eficientemente quanto

38 possível. Ou seja, gastando o mínimo. Há mu itas formas de gastar o mínimo

38

possível. Ou seja, gastando o mínimo. Há muitas formas de gastar o mínimo para

produzir. Uma delas é produzir apenas 100 se você precisa apenas de 100, mesmo

que você possa produzir 110 antes do final do expediente.

Continuou Ohno:

- A parte mais difícil do Sistema Toyota de Produção é aprender a fazer os 100 itens

gastando o mínimo. Para isso, todos devem aprender o Just in time. Se a prioridade

for dada apenas para a minimização de gastos, podem-se obter diversos resultados

indesejáveis. Porém, se esse objetivo for negligenciado, o produto poderá custar

terrivelmente caro.

Essa idéia tem seus adversários. Eles dizem que não se deve restringir a produção.

É melhor tentar reduzir preços por meio da produção em massa. Ou então, se você

tiver cinco trabalhadores disponíveis, é melhor fazer 200 itens ao invés de 100.

Bibliografia: MAXIMINIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração: da revolução urbana à revolução digital. São Paulo: Atlas, 2008.

LISTA DE EXERCÍCIOS

1. Qual a relação entre o funcionamento do supermercado e o Sistema Toyota

de Produção?

2. Quais as diferenças entre o Sistema Toyota de Produção e o sistema

tradicional?

3. Quais as vantagens de fabricar apenas o necessário? Há desvantagens?

4. Considere os argumentos dos adversários do sistema Toyota. Você

concorda? Se tivesse que escolher entre o sistema Toyota e seus

adversários, qual escolheria? Por quê?

5. Você já viu o pátio de uma fábrica de veículos em períodos de recessão? Se

o diretor da fábrica lhe mostrasse o pátio cheio de veículos não vendidos e

lhe pedisse uma solução, o que você recomendaria?

6. Quais os resultados indesejáveis de se pensar apenas na minimização dos

gastos?

7. Quais os resultados indesejáveis de não se pensar na minimização de

gastos?

LOGÍSTICA

LOGÍSTICA 39 A logística é uma área que é considerad a antiga e moderna simultaneamente. Desde

39

A logística é uma área que é considerada antiga e moderna simultaneamente. Desde os primórdios, o homem realizava a caça para sobreviver naquele mundo considerado selvagem. Logo após a vitória na empreitada, levava o alimento para seu local de habitação, guardando-o para assegurar-lhe condições mínimas para sua subsistência. Certamente, a próxima caça ocorreria quando aquele alimento estivesse próximo de acabar. Nessa trajetória, percebemos, em termos comparativos, algumas atividades logísticas. Na caça, a aquisição de insumos - compras; o ato de levar o alimento - o transporte; a guarda do alimento - armazenagem; a decisão pela próxima caça - a gestão de estoques.

Segundo Novaes 2003, Logística é o processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do consumidor.

Nesta definição, o termo produto compreende também os bens e serviços. Portanto, a logística empresarial vem agrupar diversas atribuições nas organizações de modo que possa suprir as demandas internas a fim de satisfazer os consumidores. Nesse contexto, o processamento de pedido, que inicializa a movimentação de material, envolve a função de transporte e a manutenção de estoques, cujo exemplo anterior do homem da antiguidade é semelhante à partida para nova caçada, a fim de que não falte alimento para sua sobrevivência. A importância dessa última atividade é ressaltada por Ballou (1993:24): “Para se atingir um grau razoável de disponibilidade de produto, é necessário manter estoques, que agem como `amortecedores` entre a oferta e a demanda”. As ações anteriormente citadas compreendem as atividades primárias da logística nas empresas, pois sua importância é fundamental para a consecução dos objetivos das organizações, como afirma Pozo (2004:13): “A logística é vital para o sucesso de uma organização. Ela é uma nova visão empresarial que direciona o desempenho das empresas”.

40 Vale ressaltar que a área de logística não compreende somente essas atividades, como ressalta

40

Vale ressaltar que a área de logística não compreende somente essas atividades, como ressalta Christopher (1997:02): “a logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição de modo a poder maximizar a lucratividade presente e futura, através do atendimento dos pedidos a baixo custo”. Com isto, o processo de compras nas organizações é de fundamental importância para a conquista de efetivos resultados nas empresas. Pozo (2004: 147) apresenta uma visão moderna de compras como sendo uma atividade “relacionada com o sistema logístico empresarial, como atividades-pares envolvidas em ações estreitamente homogêneas, e essas atividades estão voltadas para a finalidade comum de operação lucrativa que é manter uma posição competitiva no mercado”. E apresenta os objetivos de compras, dentre os quais (2004:150) “permitir à empresa uma posição competitiva, mediante negociações justas e credibilidade”.

FASES DA EVOLUÇÃO LOGÍSTICA

A logística de hoje, praticada, estudada e aprimorada com o passar do tempo teve por sua vez quatro fases de amadurecimento.

Na primeira fase, conhecida como Atuação Segmentada, o ponto “X” era o estoque. A matéria prima era estocada, o produto acabado era estocado, distribuidores e grandes atacadistas estocavam para abastecer os varejistas e estes por sua vez estocavam para vender ao consumidor final.

Na segunda fase, identificada como Integração Rígida, começou a se pensar mais em flexibilidade, embora muito timidamente, reduzindo os estoques que passaram a ser revistos periodicamente com mais freqüência além do aumento ainda discreto no número de produtos e modelos aumentando e aguçando a curiosidade do consumidor.

Foi também nesta fase onde começou a se pensar em multimodalidade, pois como aumentou o “vai-vem” de transferências com a diminuição de estoque, aumentaram proporcionalmente os congestionamentos e os atrasos nas distribuições. Foi identificado nesta segunda fase uma maior racionalização nos processos, otimização das atividades de planejamento e operação, ainda distinta por causa dos poucos meio, porém, significativa para as demais fases.

41 Na terceira fase , chamada Integração Flexível, houve um avanço tecnológico notável onde a

41

Na terceira fase, chamada Integração Flexível, houve um avanço tecnológico notável onde a “TI” foi a peça chave para uma maior integração dinâmica e flexível tanto dentro da empresa, quanto com fornecedores e clientes.

Esta terceira fase foi marcante por tratar de um assunto que move o meio empresarial como o todo: A preocupação com a satisfação e os interesses do cliente, como uma maior integração com o mesmo em uma relação de comprometimento.

A quarta fase, denominada Integração Estratégica, é caracterizada pela integração entre os vários elos da cadeia de suprimentos de forma estratégica com o surgimento do Supply Chain Management, ou seja, a Logística passou a ser utilizada como elemento diferenciador, de cunho estratégico, na busca de maiores fatias do mercado.Na quarta fase houve o surgimento de itens como Globalização, produtos produzidos e distribuídos em vários pontos do mundo de forma estratégica; Just-in-time, diminuição significativa do estoque; Fixação da Internet e empresas virtuais e Logística Reversa

MRP MATERIALS REQUIREMENT PLANNING ou PLANEJAMENTO DAS

NECESSIDADES DE MATERIAIS

e empresas virtuais e Logística Reversa MRP MATERIALS REQUIREMENT PLANNING ou PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS
42 É uma técnica que permite determinar as necessidades de comp ras dos materiais que

42

É uma técnica que permite determinar as necessidades de compras dos materiais

que serão utilizados na fabricação de certo produto.

Com base na lista de materiais, obtida por meio da estrutura analítica do produto, também conhecida por árvore do produto ou explosão do produto, e em função de uma demanda dada, o computador calcula as necessidades materiais que serão utilizados e verifica se há estoques disponíveis para o atendimento. Se não há material em estoque na quantidade necessária, ele emite uma solicitação de compra – para os itens comprados – ou uma ordem de fabricação – para itens fabricados internamente.

O sistema de planejamento de material permite que as empresas calculem quantos

materiais de determinado tipo são necessários e em que momento, objetivando o cumprimento de entregas de produtos sempre com o mínimo de estoque necessário.

O processo de planejamento do MRP evoluiu, como todo o processo, pela melhoria

continua das organizações, de modo a satisfazer as necessidades e atendimentos da evolução tecnológica.

Ficando então definido como sendo um plano global para o planejamento e monitoramento de todos os recursos de uma empresa de manufatura, marketing, finanças e engenharia, ou seja, é a integração de toda a empresa.

O planejamento dará base de informações ao MRP, quando levarão em consideração além das previsões de vendas (demandas), outros fatores como carteira de pedidos, disponibilidade de material, metas de forma a estabelecer com antecedência a melhor estratégia de produção ou compras.

OBJETIVOS DO MRP

O desafio de planejar e controlar os estoques e acarretar a satisfação dos clientes,

sejam internos ou externos, com o menor investimento possível, é o objetivo

primordial deste sistema, onde serão constantemente calculadas as variações através de:

43 · Rotatividade de estoque – na análise de Custo do capital; Custo de manutenção/

43

· Rotatividade de estoque – na análise de Custo do capital; Custo de manutenção/

armazenagem, obsolescência,

· Atendimento ao cliente – nas faltas de material, onde reprogramações para a

eliminação de custos como horas extras e desgastes com os clientes,

· Produtividade – em paralisações de equipamentos e da produção da organização

ou desperdícios em geral.

·

Utilização

da

capacidade

na

utilização

econômica

dos

recursos

das

instalações,

 

· Custo de material – nas decisões de O que?, Como?, Quando? E Onde? Devem

ser avaliadas a fim de evitar custos adicionais.

· Custos do sistema – na eliminação de retrabalhos, em que resultam no

conhecido apagar incêndios.

POSTPONEMENT

Há um velho ditado que diz: "por que deixar para amanhã o que se pode fazer hoje?" Os sistemas de postponement (postergação) mudam este ditado de cabeça para

baixo e perguntam: Qual segmento do meu armazém ou operação de manufatura

posso adiar até amanhã para obter hoje economia de inventário?

Pense nos sistemas de postponement, ou seja, como colocar os toques finais em

um produto praticamente acabado. "Você está mantendo o produto em seu

denominador comum até seu cliente colocar um pedido".O denominador comum

inclui todos os produtos que podem ser fabricados em uma forma genérica e

estocado, aguardando um pedido. A variação dos produtos vem na forma de

embalagem, acabamento, montagem de kit ou produto final (desde que a

montagem final seja simples) atrasando este passo final no processo até o pedido

do cliente estar disponível. Assim, o compromisso com a forma final, não

importando se isto significa aplicar um rótulo de marca da loja ou uma lata usando

um tamanho diferente e na forma de garrafa para uma loção para as mãos, pode

ser adiado até o último momento possível. O postponement pode também ser

referido como a customização de massa.

44 Tradicionalmente, o postponem ent é uma salvação para os produtos de alimentos enlatados, porque

44

Tradicionalmente, o postponement é uma salvação para os produtos de alimentos enlatados, porque a produção deve ser processada logo após a colheita, mesmo se não houver mercado para o produto.

Atualmente, os fabricantes de produtos que tem embalagem própria estão diversificados quanto aos filtros de óleo, material de escritório e carpetes e estão experimentando as estratégias de postponement.

Como se parece o postponement? Veja o exemplo de um fabricante de roupas que produz agasalhos. A demanda geral para este tipo de roupa pode ser prevista meses antes com base nos padrões históricos de pedidos. As cores são outras questões, dependendo da moda. Assim, o fabricante produz o volume de vendas previsto de agasalhos antecipadamente, mas os cortes e montagens de todos eles em tecido branco que poderão ser tingidos segundo os pedidos, posteriormente.

Quais são os benefícios principais do postponement? "A redução de inventário". Isto porque o postponement permite a você reduzir seu volume de inventário de produtos acabados, enquanto que fornecendo um alto nível de serviço. Ao invés de manter um grande estoque de um produto específico com diferentes rótulos e embalagem para uma grande variedade de clientes, o postponement permite a você manter um inventário menor em uma área de estocagem de produto semi elaborado em uma forma genérica logo antes da expedição. Isto reduz a obsolescência em um mercado em rápida transformação, e perda dos perecíveis. Entretanto, ao retardar a montagem final, produzir a partir do pedido colocado, o lote normalmente menor vai provavelmente induzir a uma produtividade, unitária e localizada, maior. Mas a estratégia de postponement não deve ser vista somente como uma forma para reduzir inventário, mas, também, adicionar flexibilidade operacional em sua operação. Os produtos de rápida movimentação são fáceis de estocar e expedir rapidamente. Todavia, os itens de movimentação mais lenta não são tão previsíveis. Para servir a seus clientes, uma indústria farmacêutica sempre manteve estoques de seus produtos de movimentação mais rápida, já embalados e prontos para expedição. Mas, ao invés de rastrear um único SKU, a empresa controla centenas de SKUs do mesmo produto. A solução: estocar o produto, como um SKU em uma forma genérica até a empresa receber um pedido. SKU (Stock

45 Keeping Unit) que significa Unidade Mantida em Estoque. Referência que designa cada item de

45

Keeping Unit) que significa Unidade Mantida em Estoque. Referência que designa cada item de um estoque de acordo com sua particularidade (apresentação, tamanho, cor ou outras características). Cada SKU identifica um código ou uma referência diferente que o catálogo da empresa possui.

ESTOCAGEM: SELETIVIDADE + OCUPAÇÃO

O seu armazém tem problemas de falta de espaço? Os itens que você precisa

separar estão em locais de fácil acesso? O método PEPS (Primeiro que Entra,

Primeiro que Sai) está comprometido em seu armazém? A expedição de seu Centro de Distribuição (CD) transforma-se no gargalo de seu processo por falta de espaço e dificuldade de acesso aos itens no final do mês? Sua produtividade operacional está com um índice baixo em relação à outros processos de armazenagem de natureza semelhante? Se estas questões fazem sentido também para sua empresa, você pode estar diante de um processo de adequação da seletividade e ocupação

do processo de armazenagem.

Seletividade: Indica a capacidade de acessar determinados itens de uma área de estocagem sem ter a necessidade de remanejamento de cargas, ou seja, é a proporção de itens que estão disponíveis para serem acessados no primeiro movimento. Fica evidente que, quando as empresas investem em novas áreas de armazenagem, o que predomina é a grande quantidade de espaço disponível que pode ser utilizada, assegurando assim 100% de seletividade. Em uma estrutura

porta-paletes convencional, por exemplo, que permite o acesso direto a qualquer palete com o auxílio de uma empilhadeira, o índice de seletividade é 100%.

Ocupação: já a ocupação se caracteriza pelo percentual de aproveitamento de um espaço (volume) de estocagem, pelos itens, considerando-se todo o volume disponível. Analisando a mesma estrutura de estocagem (porta-paletes convencional) integrada a um sistema de movimentação, que se caracteriza pela utilização de empilhadeiras e hidráulicos, pode-se identificar um índice de ocupação inferior a 40%.

46 Seletividade + Ocupação: assegurar uma adequada integração da seletividade com a ocupação é um

46

Seletividade + Ocupação: assegurar uma adequada integração da seletividade com a ocupação é um dos desafios de um sistema de armazenagem de classe mundial. É cômodo as pessoas avaliarem superficialmente as alternativas de sistemas de estocagem e movimentação e concluírem que nada podem fazer para melhorar os indicadores de seletividade e ocupação. A escolha dos recursos operacionais de um armazém afeta significativamente estes índices e, portanto, uma adequada análise dos mesmos se faz necessária. Esses sistemas devem ser continuamente avaliados, pois muitas empresas alteram, com o passar do tempo, algumas características de seus SKU (referências distintas mantidas em estoque), tais como: quantidades estocadas por SKU; número de SKU; giro e popularidade por SKU, entre outros. Essas alterações demandam sistemas de armazenagem com diferentes características de seletividade e ocupação.

PEPS/UEPs

PEPS (FIFO): Siglas do Primeiro que Entra, Primeiro que Sai (First In, First Out). A avaliação dos estoques é feita pela ordem cronológica das entradas. Sai o material que entrou antes, isto é, do lote mais antigo e cujo preço está baseado no custo em que ele entrou no estoque. Terminado o lote mais antigo, aplica-se o preço do segundo lote mais antigo. O saldo em estoque é calculado pelo custo das entradas de material. A vantagem deste tipo de avaliação é que o valor dos estoques fica sempre atualizado em relação ao valor da última entrada. Isto significa que o valor dos estoques se aproxima dos preços atuais do mercado. Por outro lado, o custo de produção é calculado em função dos valores dos primeiros lotes de entrada no almoxarifado. Este tipo de análise de custo, aos olhos da legislação brasileira é proibida, pois, coloca o valor dos estoques muito inferior às outras análises, reduzindo assim, os ativos nos balanços e conseqüentemente, a possibilidade da redução dos mesmos nos impostos de renda de pessoa jurídica. UEPS (LIFO): Siglas do Último que Entra, Primeiro que Sai (Last In, First Out), A saída do estoque é feita pelo preço do último lote a entrar no almoxarifado. O valor dos estoques é calculado ao custo do último preço, o qual normalmente é o mais elevado. Provoca com isso a supervalorização do preço do material computado na produção do PA e, ao final do exercício, produz um crédito positivo de materiais.

BIBLIOGRAFIA

BIBLIOGRAFIA 47 ARNOLD, J. R. Tony. Administração de Materiais: uma introdução . Ed. Atlas BOWERSOX, D.

47

ARNOLD, J. R. Tony. Administração de Materiais: uma introdução. Ed. Atlas

BOWERSOX, D. J; CLOSS, D. J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. Ed. Atlas

DIAS, Marco Aurélio P. Administração de Materiais: uma abordagem logística. Ed. Atlas

MARTINS,

Petrônio

G.

Administração

de

Materiais

e

Recursos

Patrimoniais.

Ed.Saraiva