Вы находитесь на странице: 1из 2

Estudo – 17

47

O NASCIMENTO DE ESAÚ E JACÓ. ESAÚ VENDE O SEU DIREITO DE PRIMOGENITURA.

Gênesis 25.19-34

Introdução:

No contexto do texto proposto para esta lição, vemos nos versículos anteriores que Abraão viveu cento e setenta e cinco anos e morreu. A Bíblia nos afirma que ele “morreu em ditosa velhice, avançado em anos; e foi reunido ao seu povo.” (Cap. 25.8)

A maravilhosa promessa de Deus estava agora se cumprindo na vida de seu

filho Isaque e Rebeca.

I – Observações importantes acerca do nascimento de Esaú e Jacó.

Rebeca era estéril.

Imagine o grande conflito que foi vivido por Isaque e Rebeca. Ambos sabiam da promessa de Deus que havia sido feita a Abraão; contudo, eles estavam diante de um grande obstáculo: Rebeca era estéril. A Bíblia nos mostra que Isaque orou ao Senhor pela esposa e Deus ouviu a sua oração. Vemos de forma maravilhosa mais uma vez o Senhor manifestando a sua glória e fazendo cumprir seu maravilhoso plano.

Duas nações no ventre de Rebeca.

A Palavra de Deus nos mostra a realidade de gêmeos que lutavam no ventre da

mãe. Vemos de forma maravilhosa o Senhor de forma soberana, declarando a Rebeca mais uma vez os seus intentos: “Duas nações há no teu ventre, dois povos, nascidos de ti, se dividirão: um povo será mais forte que o outro, e o mais velho servirá ao mais moço”.

O suplantador

O nome Jacó significa: “suplantador ou enganador”. A palavra no sentido literal

quer dizer: “aquele que segura o calcanhar”. O nome foi dado ao filho em razão da

forma do parto. Os filhos lutavam no ventre e ao nascer Esaú saiu primeiro tendo agarrado ao seu calcanhar o irmão.

II – Esaú vende o seu direito de primogenitura.

No contexto cultural da época, o valor dado ao primogênito era muito grande. O sistema era patriarcal. Naturalmente em razão da morte do pai, o filho primogênito assumia todas as responsabilidades em lugar do pai. Além do direito de

48

primogenitura o filho mais velho recebia também a bênção do pai antes de sua morte.

Escolhas diferentes.

“Esaú saiu perito caçador, homem do campo; Jacó, porém, homem pacato, habitava em tendas.” (Cap. 25.27)

Isaque amava a Esaú e Rebeca amava a Jacó. (Cap. 25.28)

Vemos de forma clara um conflito familiar instaurado. Isaque tinha a autoridade de patriarca para abençoar a Esaú. Ele amava o filho. Contudo, diante de tal realidade vemos Deus agindo de forma soberana fazendo cumprir os seus planos para que a promessa feita a Abraão fosse cumprida.

Esaú vende o seu direito de primogenitura por um prato de guisado. (Cap.

25.29-34)

- Esaú um homem impulsivo. (v.30)

No texto em hebraico a indicação é de um pedido apressado e impulsivo. Um pedido de alguém vive para o momento. A realidade da impulsividade de Esaú é também revelada no versículo 32. Com toda a certeza, o viver de Esaú não indicava a realidade de alguém que estivesse preocupado com as coisas do Senhor.

- Jacó aproveita o momento de fraqueza do irmão para propor a compra do direito de primogenitura e consegue comprá-lo (v. 31-34)

Conclusão:

Muito se tem questionado acerca das atitudes de Jacó e a relação delas com os valores de Deus. O que vemos era que Esaú era um homem profano, um impulsivo homem do campo que com visão curta, preferiu optar por satisfazer seu apetite a primar pela herança futura da família. Jacó mesmo sendo desonesto tinha uma visão ampla do valor da herança. Deus em sua onisciência já sabia que Jacó estaria sendo moldado e trabalhado por sua vontade. Ele o Senhor soberano sabia que Jacó um dia se transformaria em Israel.

Bibliografia:

- Bíblia de Estudo de Genebra.

Pastor Waldyr Silva do Carmo

IGREJA CRISTÃ EVANGÉLICA “CASA DE ORAÇÃO” Rua Avelino Honório de Miranda, 65. B. Cehab. Itaperuna. RJ.