Вы находитесь на странице: 1из 45
MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS 1. figura mostra a área de lazer de um prédio, na
MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS
MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

1. figura mostra a área de lazer de um prédio, na forma de um hexágono regular.

A

de lazer de um prédio, na forma de um hexágono regular. A A ponto D à

A

ponto D à diagonal AC é 30 metros.

Assim, pode-se afirmar que a área da região ABC mede, aproximadamente, em m 2 :

região triangular ABC será destinada à construção da piscina do prédio e sabe-se que a distância do

a) 173

b) 88

c) 261

d) 193

e) 213

Gabarito: A

RESOLUÇÃO:

a) 173 b) 88 c) 261 d) 193 e) 213 Gabarito: A RESOLUÇÃO : Se a

Se a distância de D a AC é 30 o Raio da circunferência é 20 assim como o lado do hexágono, logo, a

área

···

20

1m

120º

pedida é 20

 

173

 

2

2. Em uma região perfeitamente plana existe uma área de mata fechada que pode ser considerada como um círculo de raio 600 metros. Admitindo-se que tal círculo possua centro num dos vértices de um terreno quadrado de lado 900 metros, pode-se afirmar que a área do terreno não interceptada pela região de mata é, em m 2 :

a) 9000(9 – π )

b) 900 (90 – π )

c) 90000(9 –

d) 30000(9 – π )

e) 3000(9 – π )

Gabarito: C RESOLUÇÃO: A área comum ao círculo e ao quadrado é 1/4 da área do círculo (quadrante).

π )

2 π (600)

2

4

Assim,

900

=

90000(9 –

π

)

1

3. Um mosquito voa em trajetória retilínea do ponto M, médio da aresta AE do
3. Um mosquito voa em trajetória retilínea do ponto M, médio da aresta AE do
3.
Um mosquito voa em trajetória retilínea do ponto M, médio da aresta AE do cubo ABCDEFGH, até o
centro do quadrado ABCD. Se a aresta do cubo mede "a", a distância percorrida pelo mosquito, em
unidades de comprimento, é:
a
3
a)
5
a
3
b)
3
a
3
c)
2
d)
a
3
3
e)
a
4
Gabarito: C
RESOLUÇÃO:
⎜ ⎝
2
⎟ ⎠
2
2
⎜ ⎝
⎟ ⎟ ⎠
4. A figura mostra a janela de uma casa. A parte superior é limitada por um arco de circunferência de
centro O, cujo raio é igual a:
a) 66 cm.
b) 70 cm.
c) 75 cm.
d) 78 cm.
e) 80 cm.

Temos d 2 =

a

2

+


a 2
a
2

2

daí

d =

a 3
a
3

2

Gabarito: C RESOLUÇÃO: por Pitágoras, r 2 = 60 2 + (r – 30) 2

Gabarito: C

RESOLUÇÃO:

Gabarito: C RESOLUÇÃO: por Pitágoras, r 2 = 60 2 + (r – 30) 2 •

por Pitágoras, r 2 = 60 2 + (r – 30) 2

Para as questões de número 5 e 6 use:

Área círculo = π R 2 .

daí

r = 75

5. Um cavalo deve pastar amarrado pelo pescoço por uma corda presa a um dos vértices do pasto, que é um quadrado de 20 m de lado. Se o animal só deve ter acesso a 20% da área do pasto, o comprimento da corda que o prende será: (usar π = 3,2).

a) 18 m.

b) 8 m.

c) 12 m.

d) 9,5 m.

e) 10 m.

Gabarito: E RESOLUÇÃO:

Solução: Sendo “x” o comprimento da corda, o cavalo só poderá pastar um quadrante de raio x;

4

2

x = 10 m.

6. A, B e C são quadrados congruentes de lados iguais a 1, em um mesmo plano. Na situação inicial, eles estão dispostos de forma que dois adjacentes possuem um lado em comum e outro sobre a reta “r”.

possuem um lado em comum e outro sobre a reta “r”. Na situação final, os quadrados

Na situação final, os quadrados B e C permanecem na situação inicial e o quadrado B é reposicionado, como mostra a figura abaixo.

o quadrado B é reposicionado, como mostra a figura abaixo. A menor distância de um vértice

A menor distância de um vértice do quadrado à reta “r” é :

assim

π x

= 20/100 (20) 2

ou

3

2– 3 a) 4
2–
3
a)
4
4– 3 b) 4 3– 3 c) 4 3– 3 d) 2 4– 3 e)
4–
3
b)
4
3–
3
c)
4
3–
3
d)
2
4–
3
e)
2
Gabarito: B
RESOLUÇÃO:
4–
3
No triângulo retângulo inferior temos sen 30º = 1– x
e daí,
x =
3
4
2
7.
Uma folha de papel ABCD de formato retangular é dobrada em torno do segmento EF , de maneira que
o ponto A ocupe a posição G, como mostra a figura. Se AE = 3 e BG = 1, então a medida do segmento
AF é igual a:
3
5
a)
2
7
5
b)
8
3
5
c)
4
3
5
d)
5
5
e)
3

4

Gabarito: D RESOLUÇÃO: Pitágoras no BGF fornece BF = 2 x –1 Daí, notando que

Gabarito: D

RESOLUÇÃO:

Pitágoras no BGF fornece BF =

2 x –1
2
x
–1

Daí, notando que os triângulos BGF e EGH são semelhantes, vem

e daí,

x =

3 5
3
5

5

3 x + x 2 –1 = x 1
3
x
+ x
2 –1
=
x
1

8. Um menino tem como passatempo construir triângulos com palitos de fósforos idênticos, como o mostrado na figura abaixo. Observe que, para formar cada lado do triângulo, os palitos (considerados com comprimento unitário) são colocados alinhados, com suas extremidades se tocando. Além disso, ele sempre usa um número inteiro de palitos em cada lado. Se quiser usar exatamente 8 palitos para construir um triângulo nessas condições, a área dele medirá:

a) 2 3 b) 3 2 c) 3 3 d) 2 e) 2 2
a)
2
3
b)
3
2
c)
3
3
d)
2
e)
2
2

Gabarito: E

RESOLUÇÃO:

· 22 Daí, Área = 2 2
·
22
Daí, Área = 2
2

= 2

dele medirá: a) 2 3 b) 3 2 c) 3 3 d) 2 e) 2 2
2
2

5

9. A figura abaixo representa um retângulo ABCD, com AB = 5 e AD =

9.

A figura abaixo representa um retângulo ABCD, com AB = 5 e AD = 3. O ponto E está no segmento CD

de maneira que CE = 1, e F é o ponto de intersecção da diagonal AC com o segmento BE . Então a área do triângulo BCF vale:

6

5

5

4

4

3

7

5

3

2

a)

b)

c)

d)

e)

Gabarito: B

RESOLUÇÃO:

7 5 3 2 a) b) c) d) e) Gabarito: B RESOLUÇÃO: Notando que os triângulos
7 5 3 2 a) b) c) d) e) Gabarito: B RESOLUÇÃO: Notando que os triângulos

Notando que os triângulos CEF e ABF são semelhantes, vem 1/5 = FG/(3-FG) ou FG =1/2. Assim, a área BCF = área BCE – área CEF = 3/2 – 1/4 = 5/4.

10. (UFG – GO adaptada) O gráfico abaixo representa, em porcentagem, os domicílios com telefone, em relação ao total de domicílios no Brasil.

telefone, em relação ao total de domicílios no Brasil. FOLHA DE SÃO PAULO, São Paulo, 16

FOLHA DE SÃO PAULO, São Paulo, 16 set. 2006, p.B19

De acordo com os dados desse gráfico, em 2005, os domicílios com telefone fixo representavam, em relação ao total de domicílios:

a) 12,5%.

b) 36,3%.

c) 48,8%.

d) 49,6%.

e) 76,4%.

Gabarito: C Comentário: Pela interpretação do gráfico, basta que somemos os percentuais, em 2005, correspondentes a “Só com fixo” (12,5%) e a “Com fixo e celular juntos” (36,3%), ou seja, um total de 48,8%

6

11. (FME–IEZZI) O gráfico seguinte mostra o número de clientes que uma churrascaria atendeu durante
11. (FME–IEZZI) O gráfico seguinte mostra o número de clientes que uma churrascaria atendeu durante
certa semana.
Os preços praticados por esse estabelecimento são:
de 2ª a 6ª feira
R$ 13,00
Almoço
Sábado e domingo
R$ 18,00
Jantar
todos os dias
R$ 12,00
Qual foi o faturamento da churrascaria nessa semana?
a) R$ 15.345,00.
c) R$ 14.356,00.
e)
R$ 13.850,00.
b) R$ 14.793,00.
d) R$ 13.937,00.
Gabarito: B
RESOLUÇÃO:
Quant.
Preço (R$)
Faturamento (R$)
Almoço (2ª a 6ª feira)
387
13,00
5.031,00
Almoço (Sábado e Domingo)
289
18,00
5.202,00
Jantar
380
12,00
4.560,00
TOTAL
14.793,00
12. (PUCCAMP–SP) A análise do biotipo de cada um dos atletas que integraram a delegação brasileira na
última olimpíada permitiu que se calculasse, certo dia, a média de pesos das 122 mulheres
participantes: 62 kg. Supondo-se que uma dessas atletas fosse excluída do grupo, a média de “pesos”
das 121 restantes passaria a ser 61,9 kg. Nessas condições, o “peso”, em quilogramas, da atleta
excluída seria:
a)
75,5
b)
75,2
c)
74,6
d)
74,1
e)
73,8
Gabarito: D
RESOLUÇÃO:
Considerando:
S
Soma dos “pesos” das 122 mulheres participantes;
122
S
Soma dos “pesos” das 121 mulheres restantes;
121
" x"
“Peso” da atleta excluída.
S
+
x
S 122
121
= 62 ⇒
= 62
( 1 )
122
122
S
121
= 61,9 ⇒ S
= 121⋅ 61,9 ⇒
( 2 )
121
121
7489,9 +
( 2 ) → ( 1 ) :
x =
62
x
=
62 122
7489,9
122
7489,9 + x
=
62
x
=
62 122
7489,9
(alternativa D).
122
7
13. (UNEB – modificada) Em um curso de inglês, as notas atribuídas variam de 0

13. (UNEB – modificada) Em um curso de inglês, as notas atribuídas variam de 0 a 5. A tabela abaixo mostra a distribuição das notas da avaliação de uma turma de 20 alunos.

Notas

0 2

1 3

4

5

Frequência

1 2

2 8

3

4

Com base nessas informações, pode-se afirmar:

a) A média aritmética das notas é menor que a mediana.

b) A média aritmética das notas é igual à mediana.

c) A média aritmética das notas é menor que a moda.

d) A mediana das notas é igual à moda.

e) A moda das notas é igual à média aritmética.

Gabarito: D

RESOLUÇÃO:

Cálculo da Média Aritmética (Ma) das Notas:

Ma =

0

(1)

+

1 (2)

+

2

(2)

+

3

(8)

+

4

(3)

+

5

(4)

=

62

Ma = 3,1
Ma = 3,1
 
 

20

 

20

Determinação da Moda (Mo) das Notas:

Mo = 3
Mo = 3

Cálculo da Mediana (Me) das Notas:

Me

3 + 3

=

2

(nota com maior frequencia)

Me = 3
Me = 3
Notas: Me 3 + 3 = 2 (nota com maior frequencia) ⇒ Me = 3 ATENÇÃO:

ATENÇÃO: O texto seguinte (DESVIO PADRÃO) integra a questão 14.

DESVIO PADRÃO

Professor Marcelo Renato M. Baptista

É um parâmetro muito usado em estatística que indica o grau de variação de um conjunto de elementos.

Exemplificando: Se medirmos a temperatura máxima durante três dias em uma cidade e obtivermos os seguintes valores, 28°, 29° e 30°, podemos dizer que a média desses três dias foi 29°. Em outra cidade, as temperaturas máximas nesses mesmos dias podem ter sido 22°, 29° e 35°. No segundo caso, a média dos três dias também foi de 29°. As médias têm o mesmo valor, mas os moradores da primeira cidade viveram três dias de calor, enquanto os da segunda tiveram dois dias de calor e um de frio.

Para diferenciar uma média da outra, foi criada a noção de desvio padrão, que serve para dizer o quanto os valores dos quais se extraiu a média são próximos ou distantes da própria média. No exemplo acima, o desvio padrão da segunda cidade é muito maior que o da primeira.

O desvio padrão " σ" (sigma) baseia-se nos desvios em torno da média aritmética e a sua fórmula básica pode ser traduzida como a raiz quadrada da variância (média aritmética dos quadrados dos desvios).

O desvio padrão indica a dispersão dos dados dentro do conjunto de elementos (ou amostra), isto é, o quanto os dados em geral diferem da média.

Quanto menor o desvio padrão, mais parecidos (homogêneos) são os valores da série estatística.

Quanto maior o desvio-padrão, maior a variabilidade dos dados.

8

14. (UFCG-PB) O histograma de frequências ao lado mostra as vendas de um determinado produto

14. (UFCG-PB) O histograma de frequências ao lado mostra as vendas de um determinado produto ao longo de 20 meses em uma loja A.

Após um estudo sobre as vendas desse produto, no mesmo período, em duas lojas B e C, observou-se que a variância na loja B é 9 e o desvio padrão na loja C é 4. Pode-se concluir que a (o):

a) variância na loja A é 15.

b) produto tem uma venda mais regular na loja B.

c) quantidade de vendas do produto na loja A, ao longo do período, foi de 18 unidades.

d) desvio padrão na loja B é 81.

e) produto tem uma venda mais regular na loja C.

Gabarito: B

RESOLUÇÃO:

uma venda mais regular na loja C. Gabarito: B RESOLUÇÃO: Média das vendas na loja A

Média das vendas na loja A

       
   

2

2

+

6

6

+

8

10

+

3

14

+

1 18

 
x 9 A =
x
9
A =
 
 

=

x A

20

 

Variância na loja A

 

(

σ

A

)

2

=

2

|2

9|

2

+

6

|6

9|

2

+

8

|10

9|

2

+

3

|14

9|

2

+

1 |18

0|

2

= 15,8

 

20

Desvio Padrão na loja A

 
σ 15,8 ⇒ A =

σ 15,8

A

=

 
σ ≅ 3,9 A
σ
≅ 3,9
A
 

Desvio Padrão na loja B

 
σ = 9 ⇒ B σ = 3 B

σ = 9

B

σ = 3 B
σ
= 3
B
 

Desvio Padrão na loja C

σ = 4 C
σ
= 4
C
 

Conclusão

Como o desvio padrão da loja B foi menor que os das lojas A e C, o produto tem uma venda mais regular na loja B (alternativa B).

15. (Cetet-MG adaptada) Em um campeonato de tênis de mesa, com dez participantes, em que todos jogam contra todos, um dos participantes vence todas as partidas, as classificações possíveis para os três primeiros colocados é:

a) 72

b) 78

Gabarito: A RESOLUÇÃO:

Como já foi informado o vencedor do campeonato, ou seja, se um dos dez participantes venceu todas as partidas, significa que o primeiro lugar do campeonato já está definido. Os três primeiros colocados serão obtidos com o princípio fundamental da contagem abaixo apresentado:

c) 82

d) 90

e)

720

Total de Maneiras:

T = (1) ( 9 ) ( 8 )

T = 72
T = 72

1

9

8

(alternativa A).

9

16. (Faap-SP) Quantas motos podem ser licenciadas se cada placa tiver 2 vogais (podendo haver

16. (Faap-SP) Quantas motos podem ser licenciadas se cada placa tiver 2 vogais (podendo haver vogais repetidas) e 3 algarismos distintos?

a) 25.000

b) 120

c) 120.000

d) 18.000

e) 32.000

Gabarito: D RESOLUÇÃO:

Vogais:

A – E – I – O – U

Algarismos:

0 – 1 – 2 – 3 – 4 – 5 – 6 – 7 – 8 – 9

Pelo princípio fundamental da contagem:

VOGAIS

ALGARISMOS

5

5

10

9

8

Total de Motos: T = ( 5 ) ( 5 ) (10 ) ( 9 ) ( 8 )

(alternativa D).

Total de Motos: T = ( 5 ) ⋅ ( 5 ) ⋅ (10 ) ⋅

17. (UNESP) Dois rapazes e duas moças irão viajar de ônibus, ocupando as poltronas de números 1 a 4, com 1 e 2 juntas e 3 e 4 juntas, conforme o esquema.

1 a 4, com 1 e 2 juntas e 3 e 4 juntas, conforme o esquema.

O número de maneiras de ocupação dessas quatro poltronas, garantindo que, em duas poltronas juntas, ao lado de uma moça sempre viaje um rapaz, é

a) 4.

b) 6.

Gabarito: E RESOLUÇÃO:

c) 8.

d) 12.

e)

16

Para a ocupação da 1ª poltrona temos 4 opções de pessoas;

Estando a 1ª poltrona ocupada, a pessoa que ocupará a 2ª poltrona deverá ser de sexo oposto da pessoa que ocupou a 1ª poltrona, ou seja, teremos 2 opções de pessoas para a ocupação da 2ª poltrona;

Com a ocupação das duas primeiras poltronas, temos duas pessoas, de sexos opostos, para ocuparem a 3ª poltrona;

Por último restará apenas uma pessoa para ocupar a 4ª poltrona.

Pelo princípio fundamental da contagem, o número total “T” de ocupação das quatro poltronas, nas condições impostas no enunciado, será: T = ( 4 ) ( 2 ) ( 2 ) (1) T = 16 (alternativa E).

1ª p

2ª p

3ª p

4ª p

4

2

2

1

18. (UFU-MG adaptada) Para gerar sua senha de acesso, o usuário de uma biblioteca deve selecionar cinco algarismos de 0 a 9, permitindo-se repetições e importando a ordem, em que eles foram escolhidos. Por questões de segurança, senhas que não tenham nenhum algarismo repetido são consideradas inválidas. Por exemplo, as senhas 09391 e 90391 são válidas e diferentes, enquanto que a senha 90381 é inválida. O número total de senhas válidas que podem ser geradas é igual a:

a) 69.760.

b) 30.240.

c) 50.000.

d) 19.760.

e) 62.784.

10

Gabarito: A RESOLUÇÃO: Vamos utilizar a Técnica do Recipiente (by MR©): N 1 = (10

Gabarito: A

RESOLUÇÃO:

Vamos utilizar a Técnica do Recipiente (by MR©):

Vamos utilizar a Técnica do Recipiente (by MR©): N 1 = (10 ⋅ 10 ⋅ 10

N

1

= (10 10 10 10 10)

100.000
1

N =

x = 100.000 30.240

N

2

= (10 9 8 7 6)

N

30.240
2

=

 

(alternativa A).

19. Uma pequena empresa fabrica camisas de um único modelo e as vende por R$ 80,00 a unidade. Devido ao aluguel e a outras despesas fixas que não dependem da quantidade produzida, a empresa

tem um custo fixo anual de R$ 96 000,00. Além do custo fixo, a empresa tem que arcar com custos que dependem da quantidade produzida, chamados custos variáveis, tais como matéria-prima, por exemplo; o custo variável por camisa é R$ 40,00. Em 2009, a empresa lucrou R$ 60 000,00. Para dobrar o lucro em 2010, em relação ao lucro de 2009, a quantidade vendida em 2010 terá de ser x% maior que a de 2009. O valor mais próximo de x é:

a) 120

b) 100

Gabarito: E RESOLUÇÃO:

QTDE VENDIDA EM:

c) 80

d) 60

e)

40

i) 60000 = 80q - (96000 + 40q)

2009:

Q

= 3900

ii) 120000 = 80Q - (96000 + 40Q)

2010:

Q = 5400

X = (5400 - 3900)/3900 = 38,4%

20. Qual é o conjunto das soluções reais de

x

+ 2

x +

3

0?

a)

(–, –3] (2, )

b)

(–, –3] (–2, )

c)

(–, 2] (3, )

d)

(–2,3)

e)

(–, –2] (3, )

Gabarito: E

RESOLUÇÃO:

(– ∞ , 2] ∪ (3, ∞ ) d) (–2,3) e) (– ∞ , –2] ∪

11

21. A frequência cardíaca de uma pessoa, FC, é detectada pela palpação das artérias radial

21.

A

frequência cardíaca de uma pessoa, FC, é detectada pela palpação das artérias radial ou carótida. A

palpação é realizada pressionando-se levemente a artéria com o dedo médio e o indicador. Conta-se o número de pulsações (batimentos cardíacos) que ocorrem no intervalo de um minuto (bpm).

A

frequência de repouso, FCRep, é a frequência obtida, em geral pela manhã, assim que despertamos,

ainda na cama. A frequência cardíaca máxima, FCMax, é o número mais alto de batimentos capaz de ser atingido por uma pessoa durante um minuto e é estimada pela fórmula FCMax = (220 – x), na qual x

indica a idade do indivíduo em anos. A frequência de reserva (ou de trabalho), FCRes, é, aproximadamente, a diferença entre FCMax e FCRep. Vamos denotar por FCT a frequência cardíaca de treinamento de um indivíduo em uma determinada atividade física. É recomendável que essa frequência esteja no intervalo

50%FCRes + FCRep ≤≤FCT

85%FCRes + FCRep .

Carlos tem 18 anos e sua freqüência cardíaca de repouso obtida foi FCRep = 65 bpm. Com base nos dados apresentados, calcule o intervalo da FCT de Carlos.

a)

133,3 FCT 181, 45

b)

13 FCT 192

c)

180 FCT 192,45

d)

80,5 FCT 105,55

e)

87 FCT 168

Gabarito: A RESOLUÇÃO:

FCMax = (220 – x) FCMax = (220 – 18) FCMax = 202

FCRes = FCMax – FCRep FCRes = 202 – 65 FCRes = 137

50%FCRe s + FCRe p ≤≤FCT 85%FCRe s + FCRe p

0,5 *137 +≤65

FCT 0,85 *137 + 65

133,3 FCT 181, 45

22. Numa pesquisa sobre uma determinada doença, os médicos identificaram relações entre a presença de três substâncias no sangue de uma pessoa e a pessoa estar com a doença. As conclusões dos estudos foram as seguintes:

Toda pessoa com a substância A no sangue está com a doença. Se a pessoa está com a doença, então a substância B está em seu sangue. A substância C está presente no sangue de 90% das pessoas que estão com a doença e no sangue de 10% das pessoas que não estão. Uma pessoa certamente não está com a doença se:

a) a substância A não estiver em seu sangue.

b) a substância B não estiver em seu sangue.

c) a substância C não estiver em seu sangue.

d) a substância C estiver em seu sangue e a substância B também.

e) a substância C não estiver em seu sangue e a substância A estiver.

Gabarito: B Comentário: A resposta correta só pode ser a letra B, pois se a pessoa estiver doente ela terá a substância B em seu sangue, se a pessoa não tiver essa substância significa que ela não está doente.

23.

O consumo médio de oxigênio em ml/min por quilograma de massa (ml/min.kg) de um atleta na prática

de algumas modalidades de esporte é dado na tabela seguinte:

Esporte

Consumo médio de

O

2

em ml/min.kg

Natação

 

75

Tênis

65

Marcha atlética

80

12

Dois atletas, Paulo e João, de mesma massa, praticam todos os dias exatam ente duas

Dois atletas, Paulo e João, de mesma massa, praticam todos os dias exatamente duas modalidades de esporte cada um. Paulo pratica diariamente 35 minutos de natação e depois t minutos de tênis. João pratica 30 minutos de tênis e depois t minutos de marcha atlética. O valor máximo de t para que João não consuma, em ml/kg, mais oxigênio que Paulo, ao final da prática diária desses esportes, é:

a) 45.

b) 35.

c) 30.

d) 25.

e) 20.

Gabarito: A RESOLUÇÃO:

35*75 + T*65 >= 30*65 + T * 80 15T<= 2625-1950 T< = 45

24. Nos últimos anos, o salário mínimo tem crescido mais rapidamente que o valor da cesta básica, contribuindo para o aumento do poder aquisitivo da população. O gráfico abaixo ilustra o crescimento do salário mínimo e do valor da cesta básica na região Nordeste, a partir de 2005. Suponha que, a partir de 2005, as evoluções anuais dos valores do salário mínimo e dos preços da cesta básica, na região Nordeste, possam ser aproximados mediante funções polinomiais do 1º grau, f(x) = ax + b , em que x representa o número de anos transcorridos após 2005. Em que ano, aproximadamente, um salário mínimo poderá adquirir cerca de três cestas básicas, na região Nordeste? Dê a resposta aproximando o número de anos, após 2005, ao inteiro mais próximo.

o número de anos, após 2005, ao inteiro mais próximo. a) aproximadamente 7 anos.No ano 2012.

a) aproximadamente 7 anos.No ano 2012.

b) aproximadamente 11 anos. No ano 2016.

c) aproximadamente 5 anos. No ano 2010.

d) aproximadamente 12 anos. No ano 2017.

e) aproximadamente 10 anos. No ano 2015.

Gabarito: A RESOLUÇÃO:

Salário mínimo f(x) = 42x + 300 Cesta básica f(x) = 6x + 154 42x + 300 = 3(6x + 154) x = 6,75 ; aproximadamente 7 anos. No ano 2012.

25. Uma pessoa dispõe de certa quantia para fazer uma aplicação financeira. Consultou o banco de sua

preferência e foi informada de que, decorridos n anos sem retiradas, o lucro seria L(n) = 200 (–n 2 + 20n) reais. Então, se esta pessoa não fizer retiradas, terá lucro crescente:

a) nos 10 primeiros anos.

b) no período entre o 5º e o 13º ano.

c) no período entre o 10º e o 20º ano.

d) em qualquer período.

e) nunca.

13

Gabarito: A RESOLUÇÃO: 26. O lucro de vendas de x unidades mensais de certo produto

Gabarito: A

RESOLUÇÃO:

Gabarito: A RESOLUÇÃO: 26. O lucro de vendas de x unidades mensais de certo produto é

26. O lucro de vendas de x unidades mensais de certo produto é descrito por uma função quadrática representada pela figura a seguir:

uma função quadrática representada pela figura a seguir: Podemos afirmar que o lucro máximo de vendas,

Podemos afirmar que o lucro máximo de vendas, em reais, é de:

a) R$ 63.000,00

b) R$ 62.500,00

c) R$ 62.000,00

d) R$ 62,50

e) R$ 62,00

Gabarito: B

RESOLUÇÃO:

Y = ax 2 + bx + c

Substituindo as coordenadas dos pontos (2, 40), (4, 60) e (6, 0), conseguirmos o seguinte sistema:

(2, 40), (4, 60) e (6, 0), conseguirmos o seguinte sistema: C = -60 A =-10

C

= -60

A

=-10

B

=70

Y

= -10x 2 + 70x - 60

Y V = 62,5 milhares de Reais = 62500 reais

14

27. Um jogador de futebol ao bater uma falta com barreira, chuta a bola de

27. Um jogador de futebol ao bater uma falta com barreira, chuta a bola de forma a encobri-la. A trajetória percorrida pela bola descreve uma parábola para chegar ao gol.

pela bola descreve uma parábola para chegar ao gol. Sabendo-se que a bola estava parada no

Sabendo-se que a bola estava parada no local da falta no momento do chute, isto é, com tempo e altura iguais a zero. Sabendo-se ainda, que no primeiro segundo após o chute, a bola atingiu uma altura de 6 metros e, cinco segundos após o chute, ela atingiu altura de 10 metros. Pode-se afirmar que após o chute a bola atingiu a altura máxima no tempo igual a:

a) 3 segundos

b) 3,5 segundos

c) 4 segundos

d) 4,5 segundos

e) 5 segundos

Gabarito: B

RESOLUÇÃO:

Y = ax 2 + bx + c

Substituindo as coordenadas dos pontos (0, 0), (1, 6) e (5, 10), conseguinmos o seguinte sistema:

(0, 0), (1 , 6) e (5, 10), conseguinmos o seguinte sistema: C = 0 A

C

= 0

A

= -1

B

=7

Y

= -x 2 + 7x

X V = -B/2ª = 3,5

28.

A

soma dos algarismos que compõem a idade de Pedro é 8. Invertendo-se a posição de tais algarismos

obtém-se a idade de seu filho João, que é 36 anos mais novo que ele. A soma das idades de Pedro e João, em anos, é

a)

82

b)

88

c)

94

d)

96

e)

98

Gabarito: B RESOLUÇÃO:

Idade de Pedro xy

Idade de João: yx xy = yx + 36

Então:

10x + y = 10y + x + 36 9x – 9y = 36

x

x

Resolvendo, encontramos x = 6 e y = 2

62 + 26 = 88

x + y = 8

– y = 4

+ y = 8

15

29. Considere o seguinte problema: "Achar um número que, somando com 1, seja igual ao
29. Considere o seguinte problema: "Achar um número que, somando com 1, seja igual ao
29. Considere o seguinte problema: "Achar um número que, somando com 1, seja igual ao seu inverso.
Qual das equações representa este problema?
a) x 2 – x + 1 = 0
c) x 2 – x – 1 = 0
e) x 2 – x – 2 = 0
b) x 2 + x – 1 = 0
d) x 2 + x + 2 = 0
Gabarito: B
RESOLUÇÃO:
Número procurado: x
x + 1 = 1/x
x 2 + x – 1 = 0
30. Uma prova com duas questões foi dada a uma classe de quarenta alunos. Dez alunos acertaram as
duas questões, 25 acertaram a primeira questão e 20 acertaram a segunda questão. Quantos alunos
erraram as duas questões.
a) 5
b) 6
c) 7
d) 8
e) 9
Gabarito: A
RESOLUÇÃO:
15 + 10 + 10 + x = 40
x = 5
31. Numa pesquisa feita com 1.000 famílias para verificar a audiência dos programas de televisão, os
seguintes resultados foram encontrados: 510 famílias assistem ao programa A, 305 assistem ao
programa B e 386 assistem ao programa C. Sabe-se, ainda, que 180 famílias assistem aos programas
A e B, 60 assistem aos programas B e C, 25 assistem a A e C, e 10 famílias aos três programas.
Quantas famílias não assistem nem ao programa A nem ao programa B?
a) 365
c) 367
e)
369
b) 366
d) 368
Gabarito: A
RESOLUÇÃO:
Resposta: 1000 – 510 – 125 = 365 famílias

16

32. Um dos métodos para saber se uma pessoa é cons iderada gorda, obesa ou

32. Um dos métodos para saber se uma pessoa é considerada gorda, obesa ou normal consiste em tomar o

seu peso em quilogramas e dividi-lo pelo quadrado de sua altura em metros. Se o quociente for maior

do que 30, é "obesa"; de 25 a 30 é "gorda" e, entre 20 e 25, é "normal". O peso de uma pessoa que tem

2 m de altura, para ser considerada "normal", deve estar entre:

a) 110 e 120

b) 100 e 110

c) e 100

d) e 80.

e) 100 e 120

Gabarito: C RESOLUÇÃO:

80

70

x- peso da pessoa para:

1)

x/4 = 20, x = 80kg

2) x/4 = 25, x = 100kg portanto:

80 x 100 kg

33. Uma pesquisa com três marcas concorrentes de refrigerantes, A, B e C, mostrou que 60% das pessoas entrevistadas gostam de A, 50% gostam de B, 57% gostam de C, 35% gostam de A e C, 18% gostam

de A e B, 24% gostam de B e C, 2% gostam das três marcas e o restante das pessoas não gosta de

nenhuma das três. Sorteando-se aleatoriamente uma dessas pessoas entrevistada, a probabilidade de que ela goste de uma única marca de refrigerante ou não goste de marca alguma é de:

a) 16%

b) 17%

c) 20%

d) 25%

e) 27%

Gabarito: E

RESOLUÇÃO:

a) 16% b) 17% c) 20% d) 25% e) 27% Gabarito: E RESOLUÇÃO: Resposta: (9 +

Resposta: (9 + 0 + 10 + 8)% = 27%

34. Visando evitar o desperdício de água, uma Companhia de Saneamento estipulou várias faixas de consumo para cobrar do usuário. Vejamos

O cálculo do valor a ser pago é efetuado

distribuindo-se o volume de água gasto por faixa

de

consumo.

Os

primeiros 10 m 3 são calculados segundo a 1 a

faixa. O excedente, ou seja, os próximos 10 m 3 são cobrados pela segunda faixa, o excedente pela 3ª faixa e assim sucessivamente. Se uma

família consumir 30 m 3 , vai pagar:

R$

a) 22,07

R$

b) 29,77

R$

c) 42,32

R$

d) 53,85

Se uma família consumir 30 m 3 , vai pagar: R$ a) 22,07 R$ b) 29,77

R$

e) 77,10

17

Gabarito: C RESOLUÇÃO: 30 m 3 ficarão assim distribuídos: i) 10 m 3 R$ 6,32

Gabarito: C RESOLUÇÃO:

30 m 3 ficarão assim distribuídos:

i) 10 m 3

R$

6,32

ii) 10 m 3

1,03 · 10 = R$ 10,30

iii) 10 m 3

2,57

· 10 = R$ 25,70

Total: R$ 6,32 + R$ 10,30 + R$ 25,70 = R$ 42,32

35. O desenvolvimento do comércio e o surgimento da burguesia impulsionaram de forma expressiva o progresso das ciências. No campo da Matemática, destacou-se a figura de Leonhard Euler (1707-1783) pelas importantes contribuições que seus estudos forneceram a diversos temas. Esse grande matemático gostava de ilustrar a aplicação de conhecimentos algébricos resolvendo problemas curiosos, um dos quais apresenta-se, a seguir, convenientemente adaptado. "Duas camponesas levaram um total de 100 ovos ao mercado. Embora uma levasse mais ovos do que a outra, uma vez tudo vendido, ambas receberam a mesma quantia em dinheiro. Em seguida, a primeira camponesa disse à segunda:

Se eu tivesse levado a mesma quantidade de ovos que tu, teria recebido 15 reais.

A segunda retrucou, dizendo:

Se fosse eu que tivesse vendido os ovos que trazias, eu teria conseguido apenas 6 + (2/3) de reais."

Resolvendo o problema de Euler, pode-se afirmar que a diferença entre a quantidade de ovos que uma e outra trazia era:

a) 10

b)

16

c)

20

d)

24

e)

30

Gabarito: C

RESOLUÇÃO:

Sendo:

a

= Número de ovos trazidos pela primeira camponesa

b

= Número de ovos trazidos pela segunda camponesa

p

1 = preço de cada ovo vendido pela primeira camponesa

p 2 = preço de cada ovo vendido pela segunda camponesa

q = o total arrecadado por cada uma delas.

temos:

I. p 1 · a = q

II. p 2 · b = q

III. p 1 · b = 15

IV. p 2 · a = 6 + 2/3 = 20/3

V. a + b = 100

Então:

p 1 · a =

p 2 · b (1)

p 1 = 15/b (2)

p 2 = 20/3a (3)

Substituindo (2) e (3) em (1), temos:

15

20

a

⋅=

b

3a

b

45 ⋅=⋅a

2

20

b

2

Simplificando vem

9a

2

=⋅4b

2

Extraindo a raiz quadrada de ambos os membros:

3a⋅=⋅2b

18

Como a + b = 100, Então b = 100 − a Daí vem que

Como

a + b = 100,

Então b = 100 a Daí vem que

2 (100 a)

Resolvendo, encontramos:

3 ⋅=⋅a

a = 40 e b = 60

A diferença entre as quantidades (b a) é igual a 20.

36. O Sudoku (palavra que significa "número sozinho" em japonês) é um "quebra-cabeças" formado por algarismos de 1 a 9 dispostos em nove quadrados 3 x 3. As regras para montar o Sudoku são as seguintes:

Em cada quadrado 3 × 3 deve-se utilizar todos os algarismos de 1 a 9, uma única vez.

Cada linha ou coluna do Sudoku (quadrado 9 × 9) deve utilizar os algarismos de 1 a 9 uma única vez.

Ao completar o Sudoku, a soma x + y será:

uma única vez. Ao completar o Sudoku, a soma x + y será: a) 8 b)

a) 8

b) 10

c) 12

d) 14

e) 15

Gabarito: B

37. Em um jogo de computador, idealizado na tela por um plano cartesiano, o herói encontra-se no ponto

(–3,2) e precisa salvar a princesa no castelo, representada pelo ponto (2,5), do outro lado de um estreito rio, de trajetória retilínea, representado pelo eixo das ordenadas. O objetivo do jogo é fazer esse caminho o mais rápido possível. Nessas condições, em que ponto do plano deverá cruzar o rio a fim de minimizar o tempo de viagem?

a) (0;19/5)

b) (0;16/7)

c) (0;4)

d) (0;7/2)

e) (0;5)

Gabarito: A

RESOLUÇÃO:

Como os pontos H, Q e P estão alinhados, temos

que:

c) (0;4) d) (0;7/2) e) (0;5) Gabarito: A RESOLUÇÃO: Como os pontos H, Q e P
c) (0;4) d) (0;7/2) e) (0;5) Gabarito: A RESOLUÇÃO: Como os pontos H, Q e P
c) (0;4) d) (0;7/2) e) (0;5) Gabarito: A RESOLUÇÃO: Como os pontos H, Q e P

Logo Q(0;19/5)

19

38. Dados A(4;5), B(1;1) e C(x;4), o valor de x para que o triângulo seja

38. Dados A(4;5), B(1;1) e C(x;4), o valor de x para que o triângulo seja retângulo em B, é:

a) 3

b) 2

c) 0

d) –3

e) –2

Gabarito: D

RESOLUÇÃO:

Como o triângulo é retângulo em B, através do teorema de Pitágoras temos:

é retângulo em B, através do teorema de Pitágoras temos: 39. Um triângulo equilátero de lado
é retângulo em B, através do teorema de Pitágoras temos: 39. Um triângulo equilátero de lado
é retângulo em B, através do teorema de Pitágoras temos: 39. Um triângulo equilátero de lado
é retângulo em B, através do teorema de Pitágoras temos: 39. Um triângulo equilátero de lado
é retângulo em B, através do teorema de Pitágoras temos: 39. Um triângulo equilátero de lado

39. Um triângulo equilátero de lado igual a 4 unidades, tem um de seus vértices na origem do sistema cartesiano e outro vértice situado no semi-eixo positivo das abscissas. Sabendo que o terceiro vértice está situado no primeiro quadrante, calcule o comprimento da circunferência gerada pelo baricentro desse triângulo, quando esse gira 360° em torno do eixo x.

desse triângulo, quando esse gira 360° em torno do eixo x. a) b) c) d) e
desse triângulo, quando esse gira 360° em torno do eixo x. a) b) c) d) e

a)

b)

c)

d)

e)

Gabarito: C

RESOLUÇÃO:

torno do eixo x. a) b) c) d) e ) Gabarito: C RESOLUÇÃO: A coordenada x

A coordenada x c encontra-se no ponto médio entre A e B, logo, x c = 2.

A coordenada yc pode ser obtida através do teorema de Pitágoras

4 2 = 2 2 + y c 2

y c 2 = 12

y c =

4 2 = 2 2 + y c 2 y c 2 = 12 y c

Sendo assim, as coordenadas do baricentro do triângulo são:

20

Concluímos então que a distância entre os pontos G e O representam o raio da
Concluímos então que a distância entre os pontos G e O representam o raio da
Concluímos então que a distância entre os pontos G e O representam o raio da

Concluímos então que a distância entre os pontos G e O representam o raio da circunferência que será

gerada. Logo,

Então, o comprimento da circunferência é dado por:

Logo, Então, o comprimento da circunferência é dado por: 40. Num plano cartesiano ortogonal, seja o
Logo, Então, o comprimento da circunferência é dado por: 40. Num plano cartesiano ortogonal, seja o

40. Num plano cartesiano ortogonal, seja o triângulo ABC, em que A, B e C são as intersecções das retas de equações:

que A, B e C são as intersecções das retas de equações: O sólido geométrico gerado

O sólido geométrico gerado pela rotação do triângulo ABC em torno do eixo das ordenadas é um cone de raio da base igual a:

a) 1m

b) 2m

c) 3m

d) 4m

e) 5m

Gabarito: B

Solução:

a: a) 1m b) 2m c) 3m d) 4m e) 5m Gabarito: B Solução: O sólido

O sólido gerado através da rotação do triângulo em torno do eixo das coordenadas será um cone como mostra a figura abaixo.

em torno do eixo das coordenadas será um cone como mostra a figura abaixo. Logo, o

Logo, o raio da base é igual a 2 metros.

21

41. Três pontos turísticos de uma cidade estão representados pelos pontos A, B e C

41. Três pontos turísticos de uma cidade estão representados pelos pontos A, B e C do plano cartesiano abaixo. A equação da reta que representa uma rua “r”, nesse plano cartesiano é dada por:

uma rua “r”, nesse plano cartesiano é dada por: a) 6x – 7y + 24 b)

a) 6x – 7y + 24

b) 12x – 13y + 48 = 0

c) 7x – 8y + 28 = 0

d) 9x – 11y + 36 = 0

e) 13x – 14y + 52 = 0

Gabarito: E

RESOLUÇÃO:

+ 36 = 0 e) 13x – 14y + 52 = 0 Gabarito: E RESOLUÇÃO: Sendo

Sendo assim, a equação da reta r pode ser obtida por:

36 = 0 e) 13x – 14y + 52 = 0 Gabarito: E RESOLUÇÃO: Sendo assim,
36 = 0 e) 13x – 14y + 52 = 0 Gabarito: E RESOLUÇÃO: Sendo assim,

Resposta:

Resposta:

22

42. Até o ano de 2000, a inflação num certo país manteve-se em 4% ao

42. Até o ano de 2000, a inflação num certo país manteve-se em 4% ao ano, aproximadamente. A partir daí sofreu aumentos sucessivos de 2% ao ano, até 2002, declinando novamente em 2003, conforme mostra o gráfico abaixo. Segundo previsões otimistas de que esse declínio se manterá constante pelos próximos anos, pode-se esperar que a inflação volte ao patamar de 4% no ano de:.

esperar que a inflação volte ao patamar de 4% no ano de:. a) 2008. b) 2009

a) 2008.

b) 2009

c) 2011

d) 2010

e) 2012.

Gabarito: D

RESOLUÇÃO:

Podemos representar o gráfico num plano cartesiano (com eixos modificados) sob a forma:

o gráfico num plano cartesiano (com eixos modificados) sob a forma: Como o triângulo é retângulo

Como o triângulo é retângulo em B, temos que:

o gráfico num plano cartesiano (com eixos modificados) sob a forma: Como o triângulo é retângulo
o gráfico num plano cartesiano (com eixos modificados) sob a forma: Como o triângulo é retângulo
o gráfico num plano cartesiano (com eixos modificados) sob a forma: Como o triângulo é retângulo

23

43. Uma elipse, de equação e a reta y = 2x + 1, do plano

43.

Uma elipse, de equação

e a reta y = 2x + 1, do plano cartesiano, se interceptam nos

e a reta y = 2x + 1, do plano cartesiano, se interceptam nos

pontos A e B. Podemos afirmar que o ponto médio do segmento é:

pontos A e B. Podemos afirmar que o ponto médio do segmento é:

a)

a)

b)

b)

c)

c)

d)

d)

e)

e)

Gabarito: D

RESOLUÇÃO:

Pontos de intersecção são obtidos a partir da resolução do sistema de equações da elipse e da reta.

Substituindo a equação da reta na equação da elipse, temos:

a equação da reta na equação da elipse, temos: Sendo assim o ponto médio do segmento
a equação da reta na equação da elipse, temos: Sendo assim o ponto médio do segmento
a equação da reta na equação da elipse, temos: Sendo assim o ponto médio do segmento
a equação da reta na equação da elipse, temos: Sendo assim o ponto médio do segmento

Sendo assim o ponto médio do segmento AB é:

elipse, temos: Sendo assim o ponto médio do segmento AB é: 44. Seja A a intersecção
elipse, temos: Sendo assim o ponto médio do segmento AB é: 44. Seja A a intersecção

44. Seja A a intersecção das retas r, de equação y = 2x, e s, de equação y = 4x – 2. Se B e C são as intersecções respectivas dessas retas com o eixo das abscissas, a área do triângulo ABC é:

a) 1/2

b) 1

c) 2

d) 3

e) 4

Gabarito: A

RESOLUÇÃO:

Resolvendo o sistema formado pelas equações de r e s, temos:

ABC é: a) 1/2 b) 1 c) 2 d) 3 e) 4 Gabarito: A RESOLUÇÃO: Resolvendo

24

Da figura temos um triângulo de base b = ½ e altura h = 2.
Da figura temos um triângulo de base b = ½ e altura h = 2.

Da figura temos um triângulo de base b = ½ e altura h = 2. Sendo assim a área do triângulo ABC é:

½ e altura h = 2. Sendo assim a área do triângulo ABC é: 45. A

45. A equação da reta que passa pelo baricentro do triângulo ABC, de vértices A(3, 1), B(–2, 4) e C(2, –2) e é paralela ao lado BC é dada por:

a) 2x – 3y + 5 = 0

b) 3x – 2y – 5 = 0

c) 3x – 2y +5 = 0

d) 2x + 3y – 5 = 0

e) 3x + 2y – 5 = 0

Gabarito: E

RESOLUÇÃO:

As coordenadas do baricentro do triângulo são dadas por:

As coordenadas do baricentro do triângulo são dadas por: A reta que passa por BC pode
As coordenadas do baricentro do triângulo são dadas por: A reta que passa por BC pode

A reta que passa por BC pode ser obtida por:

são dadas por: A reta que passa por BC pode ser obtida por: A reta, paralela

A reta, paralela á reta BC e que passa pelo baricentro é:

são dadas por: A reta que passa por BC pode ser obtida por: A reta, paralela
são dadas por: A reta que passa por BC pode ser obtida por: A reta, paralela
são dadas por: A reta que passa por BC pode ser obtida por: A reta, paralela

25

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Leia o texto e responda às questões de números 46
LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS
LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

Leia o texto e responda às questões de números 46 a 48.

MARATONA PARA FAZER O BEM

O processo é longo e pode envolver entrevista, dinâmica de grupo, cursos, estágio supervisionado,

prova de conhecimentos gerais e formatura no final. Em muitos casos, quem falta é eliminado.

A maratona, quem diria, não é para conseguir um emprego ou uma bolsa de estudos: é para fazer

trabalho voluntário. Se antes bastava querer para doar seu tempo em prol de crianças pobres, pessoas doentes, deficientes ou das florestas do planeta, hoje não é bem assim. Organizações não governamentais estão profissionalizando o recrutamento de voluntários, promovendo seleções e cursos de capacitação que podem durar quase um ano. Os motivos para a mudança são muitos. A necessidade de preparar o voluntário para lidar com a metodologia da ONG, com o público atendido e com o ambiente de atuação é um deles. Outras razões são

a tentativa de torná-lo mais comprometido – “um voluntário descompromissado e despreparado mais

atrapalha do que ajuda”, dizem alguns – e a inevitabilidade de ter que selecionar diante de uma procura maior do que a demanda. Para Sílvia Naccache, coordenadora do CVSP (Centro de Voluntariado de São Paulo), trata-se de uma tendência, principalmente nas ONGs de São Paulo. “As pessoas vinham cheias de boa vontade, mas queriam fazer do jeito delas, a qualquer hora.” Segundo ela, o perfil dos voluntários vem mudando. “Antes era coisa de mulher, mais velha, aposentada. Hoje vemos muitos homens, jovens, pessoas que estão no mercado de trabalho.” Uma preocupação de ONGs que atuam em hospitais, por exemplo, é com a segurança em relação

à

contaminação. A palestra de segurança hospitalar é uma das que compõem a seleção da associação Viva

e

Deixe Viver, que atua com contação de histórias para crianças doentes. São todas aos sábados e, no fim,

o candidato acompanha um contador mais experiente. É preciso pagar R$ 70 para cobrir as despesas. Entre a inscrição e o fim do processo, passa quase um ano. Cerca de um quinto dos 500 inscritos ficam até o final. “Na primeira palestra, o número já diminui pela metade. As pessoas têm o desejo genuíno de ajudar, mas, quando se exige dedicação, muitas desistem”, afirma Valdir Cimino, presidente da associação. Nos treinamentos, há respostas a questões como: E se uma criança no hospital pedir água? Você deve dar? Pois um voluntário que fez isso atrapalhou o jejum para um exame. Se ela quiser saber sobre a doença? Não, o papel é dos médicos. Enfim, não basta um exército de pessoas com boa vontade que não saibam lidar com situações tão delicadas.

(Revista da Folha de S. Paulo. Adaptado)

46.

O

texto apresenta como tema central:

a)

as dificuldades das ONGs paulistas em serem aceitas em instituições hospitalares.

b)

as exigências para selecionar pessoas interessadas em trabalhar como voluntários.

c)

o processo de contratação de pessoas para trabalharem em empresas sustentáveis.

d)

a importância de ONGs para complementar o trabalho oferecido pelo governo.

e)

a contribuição do trabalho voluntário para a inclusão social de pessoas carentes.

Gabarito: B Comentário: O tema central está evidente nos parágrafos 1 e 2.

47.

Segundo as informações do texto, o processo de seleção permite perceber que:

a)

o

público que se dispõe a realizar o trabalho voluntário é limitado a mulheres já aposentadas.

b)

as pessoas querem se passar por generosas, mas na verdade não têm boa vontade para ser voluntárias.

c)

a

maioria dos candidatos a voluntários são pessoas desempregadas procurando uma ocupação.

d)

muitas pessoas querem ajudar, mas não estão dispostas a atender às cobranças das ONGs.

e)

as pessoas que procuram as ONGs oferecendo trabalho voluntário só estão em busca de status.

Gabarito: D Comentário: Esta opção encontra respaldo no 4º parágrafo.

48. Leia a frase do penúltimo parágrafo: Cerca de um quinto dos 500 inscritos ficam até o final.

A expressão destacada – Cerca de – pode ser substituída, sem alteração de sentido, por:

a) Aproximadamente

b) Exatamente

Gabarito: A Comentário: esta expressão é utilizada quando se deseja uma aproximação.

c) Propositalmente

d) Consequentemente

e)

Comprovadamente

26

Provérbio O seguro morreu de guarda-chuva. ( Sapato Florido ) 49. A palavra seguro no

Provérbio

O seguro morreu de guarda-chuva.

(Sapato Florido)

49. A palavra seguro no verso acima – assim como no provérbio O seguro morreu de velho – faz referência a uma pessoa

a) fraca, covarde.

b) aventureira, ousada.

Gabarito: C

Comentário: As pessoas seguras são sempre prudentes e cautelosas, ou seja, nada inesperado as surpreende.

c) prudente, cautelosa.

d) charmosa, elegante.

e) ambiciosa, interesseira.

50. Observe as frases:

I. Ao empregar a palavra guarda-chuva no lugar de velho, o poeta chama a atenção para o caráter imprevisível e inevitável da morte.

II. O uso da palavra guarda-chuva, em comparação com velho, dá ao poema um efeito cômico, apesar de trágico.

III. A máxima O seguro morreu de velho ensina que a velhice traz segurança para a vida das pessoas.

Está correto o que se afirma apenas em

a) I.

b) I e II.

Gabarito: B Comentário: em “o seguro morreu de velho” há referência ao fato de que as pessoas seguras estão preparadas para qualquer situação.

c) III.

d) I e III.

e) II e III.

51. O humor da tira se constrói a partir do uso da polissemia das palavras. Considerando a parte verbal e visual da tira infere-se que:

Considerando a parte verbal e visual da tira infere-se que: a) As placas de trânsito do
Considerando a parte verbal e visual da tira infere-se que: a) As placas de trânsito do

a) As placas de trânsito do 1º e 2º quadrinhos não possuem uma coerência com a mensagem do quadrinho final.

b) A atitude do motorista demonstra que ele possui o conhecimento do significado assumido, no último quadrinho, pela palavra “reduza” desde o 1º quadrinho.

c) A palavra “reduza” assume um novo sentido no último quadrinho que muda a perspectiva do motorista.

d) Apenas a placa do 1º quadrinho possui uma coerência com a placa do quadrinho final.

e) O motorista demonstra ser imprudente não seguindo corretamente o indicado pela sinalização.

Gabarito: C Comentário: Nos 3 primeiros quadrinhos entende-se “reduza” como verbo. tratar do nome da cidade.

No último é que se percebe

27

52. Considerando slogan e imagem anteriores, depreende-se que tal campanha comunitária tem por finalidade: a)
52. Considerando slogan e imagem anteriores, depreende-se que tal campanha comunitária tem por finalidade: a)

52. Considerando slogan e imagem anteriores, depreende-se que tal campanha comunitária tem por finalidade:

a) Esclarecer, orientar e persuadir a população em geral, habilitada à direção, sobre a segurança no trânsito.

b) Esclarecer sobre as leis de trânsito já existentes e seu devido cumprimento.

c) Reduzir os congestionamentos de trânsito, principalmente nas grandes cidades.

d) Orientar a população em geral, acerca do uso exclusivo de peças originais nos veículos.

e) Alertar a população sobre os perigos do trânsito nas grandes cidades.

Gabarito: A Comentário: Na opção “A” estão evidentes os objetivos da campanha.

53. O Slogan “Para o corpo humano não existem peças originais” associado à parte visual do banner, indica:

a) A consequência do uso de peças não originais nos automóveis.

b) A evolução da tecnologia no tratamento de pessoas com necessidades especiais.

c) Uma oposição entre o slogan e a parte visual do banner.

d) Uma comparação entre o corpo humano e o automóvel.

e) A imprudência de grande parte dos motoristas atualmente.

Gabarito: D Comentário:Diferentemente do automóvel, o corpo não admite reposições das peças danificadas.

54. Leia a charge.

reposições das peças danificadas. 54. Leia a charge. Os espaços da frase devem ser preenchidos, correta

Os espaços da frase devem ser preenchidos, correta e respectivamente, com:

a) planeta habitável

iminente

b) lugares novos

eminente

c) planetas habitável

d) novos sistema solar

e) novos planetas

Gabarito: A Comentário: O vocábulo “iminente” significa “próximo a ocorrer”.

iminente

eminente

eminente

28

55. Leia a charge. Na charge, de acordo com a norma culta, o pronome “mim”

55. Leia a charge.

55. Leia a charge. Na charge, de acordo com a norma culta, o pronome “mim” está

Na charge, de acordo com a norma culta, o pronome “mim” está empregado incorretamente, devendo-se utilizar o pronome “eu” em seu lugar. Esses dois pronomes estão corretamente empregados em:

a) Entre eu e você só há alegrias. Acho que você gosta de mim.

b) Todos pediram para mim fazer o trabalho, pois assim eu aprendo mais.

c) O que disseram sobre eu não faz sentido. Vocês acreditam em mim?

d) Ela pediu para eu ajudá-la na lição. O que seria dela sem mim.

e) Agiu mal contra eu, só há más palavras suas em relação a mim

Gabarito: D Comentário: As formas retas não admitem vir regidas por preposição.

Leia o texto para responder às questões de números 56 a 57.

Zelosa com sua imagem, a empresa multinacional Gillette retirou a bola da mão, em uma das suas publicidades, do atacante francês Thierry Henry, garoto-propaganda da marca com quem tem um contrato de 8,4 milhões de dólares anuais. A jogada previne os efeitos desastrosos para vendas de seus produtos, depois que o jogador trapaceou, tocando e controlando a bola com a mão, para ajudar no gol que classificou a França

para a Copa do Mundo de 2010. (

Na França, onde 8 em cada dez franceses reprovam o gesto irregular, Thierry aparece com a mão no bolso. Os publicitários franceses acham que o gato subiu no telhado. A Gillette prepara o rompimento do contrato. O serviço de comunicação da gigante Procter & Gamble, proprietária da Gillette, diz que não. Em todo caso, a empresa gostaria que o jogo fosse refeito, que a trapaça não tivesse acontecido. Na impossibilidade, refez o que está ao seu alcance, sua publicidade. Segundo lista da revista Forbes, Thierry Henry é o terceiro jogador de futebol que mais lucra com a publicidade – seus contratos somam 28 milhões de dólares anuais. ( )

)

seus contratos somam 28 milhões de dó lares anuais. ( ) ) (Veja, 02.11.2009. Adaptado) 56.

(Veja, 02.11.2009. Adaptado)

56. A palavra jogada, em – A jogada previne os efeitos desastrosos para venda de seus produtos – refere-se ao fato de:

a) Thierry Henry ter dado um passe com a mão para o gol da França.

b) a Gillette ter modificado a publicidade do futebolista francês.

c) a Gillete não concordar com que a França dispute a Copa do Mundo.

d) Thierry Henry ganhar 8,4 milhões de dólares anuais com a propaganda.

e) a FIFA não ter cancelado o jogo em que a França se classificou.

Gabarito: B Comentário: A “jogada” é uma referência de Gillete ter literalmente tirado a bola da mão do jogador.

29

57. A expressão “ o gato subiu no telhado ” é parte de uma conhecida

57. A expressão “o gato subiu no telhado” é parte de uma conhecida anedota em que uma mulher, depois de contar abruptamente ao marido que seu gato tinha morrido, é advertida de que deveria ter dito isso aos poucos: primeiramente, que o gato tinha subido no telhado, depois, que tinha caído e, depois, que tinha morrido. No texto em questão, a expressão pode ser interpretada da seguinte maneira:

a) foi com a “mão do gato” que Thierry assegurou a classificação da França.

b) Thierry era um bom jogador antes de ter agido com má fé.

c) a Gillette já cortou, de fato, o contrato com o jogador francês.

d) a Fifa reprovou amplamente a atitude antiesportiva de Thierry Henry.

e) a situação de Thierry, como garoto-propaganda da Gillette, ficou instável

Gabarito: E Comentário: a situação ficou instável, ou seja, quase que o acidente acontece.

58. A palavra empresa é um sinônimo genérico de Proter & Gamble, no texto. A alternativa que apresenta, também, esse tipo de sinonímia, é:

a) automóvel – veículo.

b) automóvel – carro.

c) geladeira – refrigerador.

d) fotografia – foto.

e) motocicleta – moto.

Gabarito: A Comentário: Dentro da generalização “veículo” observa-se a especificação automóvel.

59.

"Os mensaleiros, os sanguessugas, os corruptos de todas as grandezas continuam aí, expondo suas 'caras-de-pau' envernizadas, afrontando os que pensam e agem honestamente. Tudo isso, entretanto, não é motivo para anular o voto ou votar em branco."

(Sergio Blattes, "Diário de snata Maria", 03 de agosto de 2006)

Assinale a frase em que os substantivos compostos também estão flexionados corretamente.

a) As autoridades desconsideraram os abaixos-assinados dos cirurgiões-desntistas.

b) Os vice-diretores foram chamados pelos alto-falantes.

c) Trouxe-lhe um ramalhete com sempre-vivas e amor-perfeitos.

d) Alguns populares ouviram os bate-bocas entre os guardas-costas do Presidente.

e) Alguns boias-frias comiam pés-de-moleques.

Gabarito: B

60.

Vera, Sílvia e Emília saíram para passear pela chácara com Irene.

— A senhora tem um jardim deslumbrante, dona Irene! — comenta Sílvia, maravilhada diante

dos canteiros de rosas e hortênsias.

— Para começar, deixe o “senhora” de lado e esqueça o “dona” também — diz Irene, sorrindo.

— Já é um custo aguentar a Vera me chamando de “tia” o tempo todo. Meu nome é Irene. Todas sorriem. Irene prossegue:

— Agradeço os elogios para o jardim, só que você vai ter de fazê-los para a Eulália, que é quem cuida das flores. Eu sou um fracasso na jardinagem.

BAGNO, M. A língua de Eulália: Novela Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2003 (adaptado).

Na língua portuguesa, a escolha por “você” ou “senhor(a)” denota o grau de liberdade ou de respeito que deve haver entre os interlocutores. No diálogo apresentado acima, observa-se o emprego dessas formas. A personagem Sílvia emprega a forma “senhora” ao se referir à Irene. Na situação apresentada no texto, o emprego de “senhora” ao se referir à interlocutora ocorre porque Sílvia:

a) pensa que Irene é a jardineira da casa.

b) acredita que Irene gosta de todos que a visitam.

c) observa que Irene e Eulália são pessoas que vivem em área rural.

d) deseja expressar por meio de sua fala o fato de sua família conhecer Irene.

e) considera que Irene é uma pessoa mais velha, com a qual não tem intimidade.

Gabarito: E

Comentário: O pronome de tratamento senhora é usado na língua portuguesa como sinal de respeito. “Pode-se mesmo dizer que para a imensa maioria dos brasileiros só há dois tratamentos de 2ª. pessoa realmente vivos: você, como forma de intimidade; o senhor, a senhora, como forma de respeito ou cortesia. Neste caso, se se trata de moça solteira, usa-se a forma senhorita”.

(CUNHA, Celso. Pronomes de tratamento in Gramática da Língua Portuguesa.2ª.ed.Rio de Janeiro: 1975).

As expressões “dona Irene” (dita por Sílvia) e “tia”, normalmente pronunciada por Vera já balizam o leitor para a ideia - Irene é mais velha.

30

61. (Ita 2011) O poema abaixo, "Gioconda ( Da Vinci )", de Carlos Drummond de

61. (Ita 2011) O poema abaixo, "Gioconda (Da Vinci)", de Carlos Drummond de Andrade, refere-se a uma célebre tela renascentista:

O ardiloso sorriso

alonga-se em silêncio para contemporâneos e pósteros ansiosos, em vão, por decifrá-lo. Não há decifração. Há o sorriso.

(Em: Farewell. Rio de Janeiro: Record, 1996.)

NÃO se pode afirmar que o poema

a) faz uso de metalinguagem num sentido amplo, pois é uma obra de arte que fala de outra.

b) procura se inserir no debate que a tela Gioconda provoca desde a Renascença.

c) mostra que são inúmeros os significados do sorriso da Gioconda.

d) garante não haver razão alguma para a polêmica, como diz o último verso.

e) ilustra a polissemia de obras de arte, inclusive do próprio poema.

Gabarito: D

Comentário: A palavra “sorriso” consta no primeiro e último versos como a enfatizar o mistério, o enigma subjacente de quem o expressa e cuja decifração se torna impossível (“ansiosos, em vão, por decifrá-lo”), ou polêmica ao longo do tempo (“alonga-se em silêncio para contemporâneos e pósteros”). Assim, a opção d) está incorreta.

62. (Ita 2011) Considere o poema abaixo, "A cantiga", de Adélia Prado:

“Ai cigana, ciganinha, ciganinha, meu amor”. Quando escutei essa cantiga

era hora do almoço, há muitos anos.

A

voz da mulher cantando vinha de uma cozinha,

ai

ciganinha, a voz de bambu rachado

continua tinindo, esganiçada, linda, viaja pra dentro de mim, o meu ouvido cada vez melhor. Canta, canta, mulher, vai polindo o cristal, canta mais, canta que eu acho minha mãe, meu vestido estampado, meu pai tirando boia da panela, canta que eu acho minha vida.

(Em: Bagagem. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.)

Acerca desse poema, é incorreto afirmar que

a) a poeta tem consciência de que seu passado é irremediavelmente perdido.

b) existe um tom nostálgico, é um saudosismo de raiz romântica.

c) cantiga faz com que a poeta reviva uma série de lembranças afetivas.

d) predomina o tom confessional e o caráter autobiográfico.

e) valoriza os elementos da cultura popular, também uma herança romântica.

Gabarito: A

Comentário: O eu lírico desenvolve nostalgicamente o tema do saudosismo de raiz romântica ao evocar sensações do passado (“Quando escutei essa cantiga/ era hora do almoço, há muitos anos”). A ambientação reproduz a cultura popular de onde emergem as lembranças (“A voz da mulher cantando vinha de uma cozinha,/ai ciganinha, a voz de bambu rachado/continua tinindo, esganiçada, linda”), característica frequentre na estética romântica. O tom confessional advém sobretudo dos verbos e pronomes em 1ª. pessoa do singular (“escutei”, “acho”, “meu”, “mim”, “minha”) que denotam a subjetividade da descrição do passado. Assim, é inválida a opção a).

63. (IFSP 2011) Considere as afirmações sobre a tirinha.

da descrição do passado. Assim, é inválida a opção a). 63. (IFSP 2011) Considere as afirmações

31

I. Parte do humor presente na tirinha decorre da inversão dos papéis sociais, pois o

I.

Parte do humor presente na tirinha decorre da inversão dos papéis sociais, pois o pai é que deveria estar ajudando o filho com as tarefas escolares.

II.

A

artista se utilizou da figura de linguagem antítese, pois as personagens são seres não humanos

aos quais ela atribuiu reações próprias de humanos.

III.

Obedecendo às regras da língua culta, o filho deveria dizer:

ou você precisa ainda que eu o ajude

a fazer minha lição de casa?

É correto o que se afirma em

a) I, apenas.

b) II, apenas.

Gabarito: C

Comentário: A antítese ocorre quando há aproximação de palavras ou expressões de sentidos opostos, o que não se verifica na tirinha em questão, o que exclui a opção II. Existe inversão de papéis sociais e imprecisão linguística, típica da linguagem coloquial, nas formas de tratamento usados pelo filho, pois a frase deveria, segundo a gramática normativa, adotar o pronome em 3ª pessoa ( você precisa, eu te ajude) como sugerido em III.

c) I e III, apenas.

d) II e III, apenas.

e) I, II e III.

64. (IFSP 2011) Considere um trecho do poema “O apanhador de desperdícios”, de Manoel de Barros.

Uso a palavra para compor meus silêncios. Não gosto das palavras fatigadas de informar. Dou mais respeito às que vivem de barriga no chão tipo água pedra sapo. Entendo bem o sotaque das águas dou respeito às coisas desimportantes

e aos seres desimportantes.

Prezo insetos mais que aviões. Prezo a velocidade Das tartarugas mais que a dos mísseis.

(PINTO, Manuel da Costa. Antologia comentada da poesia brasileira do século 21. São Paulo: Publifolha, 2006.)

Pela leitura dos versos, pode-se concluir que o poeta

a) exalta a velocidade e a rapidez associadas aos avanços tecnológicos próprios do século XXI.

b) usa a linguagem para expressar as angústias e frustrações que sente diante da vida.

c) prefere o ambiente urbano, embora afirme precisar de momentos de silêncio e de contemplação.

d) reflete sobre o papel que as palavras desempenham como veículo para a expressão do eu lírico.

e) sente necessidade de educar e de informar os leitores, usando termos arcaicos e incomuns.

Gabarito: D

Comentário: O primeiro verso do poema antecipa a preferência do eu-lírico em usar palavras para exteriorizar os seus sentimentos e emoções, traduzindo os silêncios que muitas vezes resultam de reflexões

profundas, aparentemente “desimportantes” dentro de um contexto dominado pela exaltação da velocidade

e da tecnologia (“aviões”, “mísseis”), mas essenciais para o entendimento do seu mundo interior.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

"Tá lá o corpo estendido no chão

Em vez de rosto uma foto de um gol Em vez de reza uma praga de alguém

E um silêncio servindo de amém

O bar mais perto depressa lotou Malandro junto com trabalhador Um homem subiu na mesa do bar

De frente pro crime

Baixou um santo na porta bandeira E a moçada resolveu Parar, e então

Tá lá o corpo estendido no chão Em vez de rosto uma foto de um gol Em vez de reza uma praga de alguém E um silêncio servindo de amém

E

fez discurso pra vereador

Depressa foi cada um pro seu lado

"

E

veio o camelô vender

Pensando numa mulher ou no time

Anel, cordão, perfume barato Baiana pra fazer pastel

Olhei o corpo no chão e fechei Minha janela de frente pro crime

E um bom churrasco de gato

Quatro horas da manhã

(BLANC, Aldir; BOSCO, João. Caça à Raposa. Rio de Janeiro: Gravadora RCA Victor, 1975, L.A.)

32

65. (Uel 2003) Ao traçar um paralelo entre os substantivos "rosto", "reza" e "amém", de

65. (Uel 2003) Ao traçar um paralelo entre os substantivos "rosto", "reza" e "amém", de um lado, e "foto", "praga" e "silêncio", de outro, o estribilho relaciona a crueza da realidade à:

a) decepção amorosa que está atormentando o poeta.

b) perda do espírito de resignação na família brasileira.

c) difusão da filantropia que caracteriza as relações humanas na cidade grande.

d) emoção coletiva que sempre acaba unindo as pessoas em face da morte.

e) ausência de solidariedade entre os moradores das grandes cidades.

Gabarito: E

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

I. Aproveite o Dia Mundial da Aids e faça um cheque ao portador. Bradesco, Ag. 093-0, C/C 076095-1. (Agência Norton)

II. Bi Bi - General Motors: duas vezes bicampeã do carro do ano. (Agência Colucci e Associados)

66. (Ita 2003) Nos anúncios, os publicitários utilizaram recursos gramaticais diferentes para possibilitar, ao menos, duas leituras. Aponte o tipo de recurso utilizado em cada um desses anúncios, respectivamente,

a) SINTÁTICO, pela função de adjunto adnominal de "ao portador", e FONÉTICO, pela exploração da repetição de som.

b) SEMÂNTICO, pela polissemia do termo "cheque", e SINTÁTICO, pela elipse do verbo de ligação "ser".

c) MORFOLÓGICO, pela utilização de sigla, e FONÉTICO, pela exploração da repetição de som.

d) SEMÂNTICO, pela polissemia de "portador", e MORFOLÓGICO, pela formação de palavra por prefixação.

e) SINTÁTICO, pela elipse de um termo, e MORFOLÓGICO, pela exploração de um prefixo latino.

Gabarito: D

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

A CIÊNCIA DO PALAVRÃO

é palavrão? Aliás, por que a palavra diabos, indizível décadas atrás, deixou de

ser um? Outra: você já deve ter tropeçado numa pedra e, para revidar, xingou-a de algo como filha da mesmo sabendo que a dita nem mãe tem. Pois é: há mais mistérios no universo dos palavrões do que o senso comum imagina. Mas a ciência ajuda a desvendá-los. Pesquisas recentes mostram que as palavras sujas nascem em um mundo à parte dentro do cérebro. Enquanto a linguagem comum e o pensamento consciente ficam a cargo da parte mais sofisticada da massa cinzenta, o neocórtex, os palavrões moram nos porões da cabeça. Mais exatamente no sistema límbico. Nossa parte animal fica lá. E sai de vez em quando, na forma de palavrões. A medicina ajuda a entender isso. Veja o caso da síndrome de Tourette. Essa doença acomete pessoas que sofreram danos no gânglio basal, a parte do cérebro cuja função é manter o sistema límbico comportado. E os palavrões saem como se fossem tiques nervosos na forma de palavras. Mas você não precisa ter lesão nenhuma para se descontrolar de vez em quando, claro. Justamente por não pensar, quando essa parte animal do cérebro fala, ela consegue traduzir certas emoções com uma intensidade inigualável. Os palavrões, por esse ponto de vista, são poesia no sentido mais profundo da palavra. Duvida? Então pense em uma palavra forte. Paixão, por exemplo. Ela tem substância, sim, mas está longe de transmitir toda a carga emocional da paixão propriamente dita. Mas com um grande e gordo p.q.p. a história é outra. Ele vai direto ao ponto, transmite a emoção do sistema límbico de quem fala diretamente para o de quem ouve. Por isso mesmo, alguns pesquisadores consideram o palavrão até mais sofisticado que a linguagem comum.

(www.super.abril.com.br/revista/. Adaptado.)

Por que diabos m

,

67. (Unifesp 2009) No texto, o substantivo "palavrão", ainda que se mostre flexionado em grau, não reporta

a ideia de tamanho. Tal emprego também se verifica em:

ANULADA

a) Durante a pesquisa, foi colocada uma "gotícula" do ácido para se definir a reação.

b) Na casa dos sete anões, Branca de Neve encontrou sete minúsculas "caminhas".

c) Para cortar gastos, resolveu confeccionar "livrinhos" que cabem nos bolsos.

d) Não estava satisfeita com aquele "empreguinho" sem graça e sem perspectivas.

e) Teve um "carrinho" de dois lugares, depois um carro de cinco e, hoje, um de sete.

Gabarito: D

33

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: ESTAMOS CRESCENDO DEMAIS? O nosso "complexo de vira-lata" tem múltiplas

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

ESTAMOS CRESCENDO DEMAIS?

O nosso "complexo de vira-lata" tem múltiplas facetas. Uma delas é o medo de crescer. Sempre que

a economia brasileira mostra um pouco mais de vigor, ergue-se, sinistro, um coro de vozes falando em

"excesso de demanda" "retorno da inflação" e pedindo medidas de contenção.

O IBGE divulgou as Contas Nacionais do segundo trimestre de 2007. Não há dúvidas de que a

economia está pegando ritmo. O crescimento foi significativo, embora tenha ficado um pouco abaixo do

esperado. O PIB cresceu 5,4% em relação ao segundo trimestre do ano passado. A expansão do primeiro semestre foi de 4,9% em comparação com igual período de 2006.( )

A turma da bufunfa não pode se queixar. Entre os subsetores do setor serviços, o segmento que

está "bombando" é o de intermediação financeira e seguros - crescimento de 9,6%. O Brasil continua sendo

o paraíso dos bancos e das instituições financeiras.

Não obstante, os porta-vozes da bufunfa financeira, pelo menos alguns deles, parecem razoavelmente inquietos. Há razões para esse medo? É muito duvidoso. Ressalva trivial: é claro que o governo e o Banco Central nunca podem descuidar da inflação. Se eu fosse cunhar uma frase digna de um porta-voz da bufunfa, eu diria (parafraseando uma outra máxima trivializada pela repetição): "O preço da estabilidade é a eterna vigilância". Entretanto, a estabilidade não deve se converter em estagnação. Ou seja, o que queremos é a estabilidade da moeda nacional, mas não a estabilidade dos níveis de produção e de emprego.

A aceleração do crescimento não parece trazer grande risco para o controle da inflação. Ela não

tem nada de excepcional. O Brasil está se recuperando de um longo período de crescimento econômico

quase sempre medíocre, inferior à média mundial e bastante inferior ao de quase todos os principais emergentes.

O Brasil apenas começou a tomar um certo impulso. Não vamos abortá-lo por medo da inflação.

(Folha de S.Paulo, 13.09.2007. Adaptado)

68. (Fgv 2008) Assinale a alternativa em que a mudança da posição do adjetivo no texto altera o sentido da frase.

a) O nosso "complexo de vira-lata" tem múltiplas facetas. (1.0 parágrafo)

b) Se eu fosse cunhar uma frase digna de um porta-voz da bufunfa

c) (parafraseando uma outra máxima trivializada pela repetição). (4.0 parágrafo)

d) O Brasil apenas começou a tomar um certo impulso

e) O Brasil está se recuperando de um longo período de crescimento

Gabarito: D

(4.0 parágrafo)

(7.0 parágrafo)

(6.0 parágrafo)

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

INSTRUÇÃO: As questões seguintes tomam por base a primeira estrofe de O menino da porteira, de Teddy Vieira (1922-1965) e Luís Raimundo (1916 -), o Luisinho, e a letra de Meu bem-querer, de Djavan (1949 -).

O Menino da Porteira

Meu bem querer

Toda a vez que eu viajava

- Toque o berrante, seu moço,

Meu bem-querer

Pela estrada de Ouro Fino,

É

segredo, é sagrado,

De longe eu avistava A figura de um menino, Que corria abri[r] a porteira Depois vinha me pedindo:

Que é p'ra mim ficá[ar] ouvindo.

Está sacramentado Em meu coração. Meu bem-querer Tem um quê de pecado Acariciado pela emoção. Meu bem-querer, meu encanto, Tô sofrendo tanto, amor.

(Luisinho, Limeira e Zezinha, 1955)

E o que é o sofrer

Para mim, que estou Jurado p'ra morrer de amor?

( Djavan. Alumbramento. Emi-Odeon. 1980)

34

69. Na última estrofe de "Meu bem-querer", o personagem pergunta-se: "E o que é o

69. Na última estrofe de "Meu bem-querer", o personagem pergunta-se: "E o que é o sofrer / Para mim, que estou / Jurado p'ra morrer de amor?". Nota-se uma diferença nos sentimentos: o 'sofrimento amoroso', no primeiro verso, e a 'sentença de morte, por amor', no terceiro verso. O sentimento contido no primeiro verso, em relação ao contido no terceiro, é

a) mais intenso, mas não desejado.

b) menos intenso, mas fortemente desejado.

c) mais intenso e fracamente desejado.

d) mais intenso e fortemente desejado.

e) menos intenso, mas não desejado.

Gabarito: E

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Com a sociedade de consumo nasce a figura do contribuinte. Tanto quanto a palavra consumo ou consumidor, a palavra contribuinte está sendo usada aqui numa acepção particular. No capitalismo clássico, os impostos que recaíam sobre os salários o faziam de uma forma sempre indireta. Geralmente, o Estado taxava os gêneros de primeira necessidade, encarecendo-os. Imposto direto sobre o contra-cheque era coisa, salvo engano, inexistente. Com o advento da sociedade de consumo, contudo, criaram-se as condições políticas para que o imposto de renda afetasse uma parcela significativa da classe trabalhadora. Quem pode se dar ao luxo de consumir supérfluos ou mesmo poupar, pode igualmente pagar impostos.

(Fernando Haddad, Trabalho e classes sociais. Em: Tempo Social, outubro de 1997)

70. No plural, a frase - Imposto direto sobre o contra-cheque era coisa, salvo engano, inexistente. - assume a seguinte forma:

a) Impostos direto sobre os contra-cheque eram coisa, salvo engano, inexistente.

b) Impostos diretos sobre os contra-cheques eram coisas, salvo engano, inexistentes.

c) Impostos diretos sobre os contras-cheques eram coisa, salvo engano, inexistentes.

d) Impostos direto sobre os contras-cheque eram coisas salvos enganos, inexistentes.

e) Impostos diretos sobre os contra-cheque era coisas, salvo enganos, inexistente.

Gabarito: B

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO:

Tal como Pigmalião, a minha ideia

Visto na pedra: talho-a, domo-a, bato-a;

E ante os meus olhos e a vaidade fátua

Surge, formosa e nua, Galateia.

Mais um retoque, uns golpes

Digo-lhe: “Fala!”, ao ver em cada veia

Sangue rubro, que a cora e aformoseia

E a estatua não falou, porque era estatua.

e remato-a;

Arte suprema

Bem haja o verso, em cuja enorme escala Falam todas as vozes do universo,

E ao qual também arte nenhuma iguala:

Quer mesquinho e sem cor, quer amplo e

terso,

Em vão não e que eu digo ao verso: “Fala!”

E ele fala-me sempre, porque e verso.

(Júlio César da Silva. Arte de amar. São Paulo:

Companhia Editora Nacional, 1961.)

71. Aponte a alternativa que indica o número do verso em que aparecem dois adjetivos ligados por um conectivo aditivo:

a) Verso 3.

b) Verso 4.

c) Verso 5.

d) Verso 7.

e) Verso 11.

Gabarito: B Comentário: A questão depende de conhecimento de morfologia e sintaxe. O candidato precisa conhecer a classe dos adjetivos e das conjunções. O domínio da nomenclatura referente aos elementos de coesão textual ajuda a pensar, pois a expressão conectivo aditivo, utilizada no enunciado, pode não ser conhecida pelo vestibulando, o que o prejudicaria. No quarto verso do poema - “Surge, formosa e nua, Galateia” – as palavras que caracterizam o substantivo

“Galateia” concordam com ele em gênero e número. Isso demonstra que formosa e nua são adjetivos. Obs.: fátua significa presunçosa, com alta opinião de si própria. Terso: puro, limpo, lustroso.

35

72. É dado o trecho de O POETA É A MÃE DAS ARMAS , de

72. É dado o trecho de O POETA É A MÃE DAS ARMAS, de Torquato Neto:

“(

timanhas de sempre: quent

ura no forno quente do lado de cá, no lar das coisas malditíssimas;

alô poetas: poesia! poesia poesia poesia poesia!

o poeta não se cuida ao ponto

de não se cuidar: quem for cortar meu cabelo

já sabe: não está cortando nada

além de minha bandeira sem aura nem baúra, sem nada mais para contar isso: ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. ar. a

)

A poesia é o pai das ar-

r: em primeiríssimo, o lugar. Poetemos, pois.”

É INCORRETO dizer:

a) que se encontra no texto a função metalinguística.

b) que o poeta faz uso dos jogos de linguagem.

c) que o fazer poético está ao alcance de todos.

d) que o poeta dialoga com o leitor.

e) que o poeta estabelece relações entre o fazer/poeta e o ler/leitor.

Gabarito: C Comentário: O fazer poético está ao alcance daquele capaz de perceber as artimanhas, daquele que está no lar das coisas malditíssimas.

73. Considere o fragmento abaixo:

“Músicas passam, perpassam, finas, diluídas e delas, como se a cor ganhasse ritmos preciosos, parece se desprender, se difundir uma harmonia azul, azul, de tal inalterável azul, que é ao mesmo tempo

E som e cor e cor e som, na mesma

ondulação ritmal, na mesma eterificação de formas e volúpias, conjuntam-se, compõem-se, fundem-se nos corpos aladas, integram-se numa só onda de orquestrações e de cores, que vão assim tecendo as auréolas ”

eternais das Esferas

colorida e sonora, ao mesmo tempo cor e ao mesmo som (

).

No trecho é possível considerar:

a) que a metáfora é centrada na mistura de sensações – ou seja, a sinestesia.

b) que as formas verbais “conjuntam-se”, “compõem-se” e “fundem-se” revelam o ideal barroco de oposição.

c) que o termo “eterificação” conecta-se ao racionalismo realista.

d) que a expressão “auréolas eternais das Esferas” estabelece relações entre a física e a metafísica.

e) que o texto é essencialmente denotativo.

Gabarito: A

Comentário: A sinestesia é a figura que consiste em misturar sensações. “Músicas finas”, por exemplo, indicam algo que mistura a sensação de “ouvir” (audição) com a dimensão “fina”, percebida pela visão.

74. Observe a tirinha de LAERTE:

de “ouvir” (audição) com a dimensão “fina”, percebida pela visão. 74. Observe a tirinha de LAERTE

36

a) O texto acima faz uso da metonímia. b) Típico da linguagem literária, o elemento

a) O texto acima faz uso da metonímia.

b) Típico da linguagem literária, o elemento “trocadilho” denota humor.

c) A linguagem utilizada pelos personagens é basicamente conotativa.

d) A linguagem utilizada pelo “homem de óculos” é típica daquela utilizada no Barroco.

e) O “humor” do texto está centrado no segundo quadrinho.

Gabarito: B Comentário: O trocadilho é centrado na palavra “mexer”, que possui duplo significado.

75. Eis o poema A IDÉIA, de Augusto dos Anjos:

De onde ela vem?! De que matéria bruta Vem essa luz que sobre as nebulosas Cal de incógnitas criptas misteriosas Como as estalactites duma gruta?

Vem da psicogenética e alta luta Do feixe de moléculas nervosas, Que, em desintegrações maravilhosas, Delibera, e depois, quer e executa!

Vem do encéfalo absconso que a constringe, Chega em seguida às cordas da laringe, Tísica, tênue, mínima, raquítica

Quebra a força centrípeta que a amarra, Mas, de repente, e quase morta, esbarra No molambo da língua paralítica!

O poema estabelece:

a) a relação entre a emoção e a razão, fazendo com que a primeira seja vista de forma fundamental à vida humana.

b) a oposição entre o elemento biológico e social, aproximando o texto da estética naturalista.

c) a ironia entre o “ser” e o “viver”, mostrando que este último é mais freqüente na realidade do homem.

d) a relação entre o pensar e o falar e que este último é menos “importante” que o primeiro.

e) o deboche em relação à própria linguagem literária, marcada pela metalinguagem.

Gabarito: D Comentário: O “falar” é menos importante por conta das últimas estrofes, em que tal ato torna- se decadente.

76. Eis o poema HOMEM LIVRE, de Carlos Drummond de Andrade:

Atanásio nasceu com seis dedos em cada mão. Cortaram-lhe os excedentes. Cortassem mais dois, seria o mesmo admirável oficial de sapateiro, exímio seleiro. Lombilho que ele faz, quem mais faria? Tem prática de animais, grande ferreiro.

Sendo tanta coisa, nasce escravo, o que não é bom para Atanásio e para ninguém. Então foge do Rio Doce. Vai parar, homem livre, no Seminário de Diamantina, onde é cozinheiro, ótimo sempre, esse Atanásio.

Meu parente Manuel Chassim não se conforma. Bota anúncio no Jequitinhonha, explicadinho:

Duzentos mil-réis a quem prender crioulo Atanásio. Mas quem vai prender homem de tantas qualidades?

Afirma-se corretamente:

a) o texto é essencialmente poético, pertencendo, então, ao gênero lírico.

b) o texto baseia-se na conotação, de modo que se pode classificá-lo obrigatoriamente como poético.

c) o texto é narrativo, já que se propõe estabelecer um relato de história.

d) o texto fundamenta sua idéia central no referencial – ou seja, na informação.

e) O texto oscila entre o drama, a poesia e a narração, de modo que pode ser o resumo da

própria literatura. Gabarito: C Comentário: O texto, mesmo poético, é narrado por um narrador externo, que não participa da história.

37

77. É dado o poema PRONOMINAIS , de Oswald de Andrade: Dê-me um cigarro Diz

77. É dado o poema PRONOMINAIS, de Oswald de Andrade:

Dê-me um cigarro Diz a gramática Do professor e do aluno E do mulato sabido Mas o bom negro e o bom branco Da Nação Brasileira Dizem todos os dias Deixa disso camarada Me dá um cigarro

O texto:

a) traz à tona uma discussão típica de oposição ao século XIX: a linguagem poética não deve ser sacralizada.

b) refere-se ao fato de que outras formas de expressão poética não são bem vistas pela elite intelectual.

c) propõe uma oposição lingüística-social entre professor, representado pelo branco dominante, e o aluno, representado pelo bom negro.

d) discute as oposições lingüísticas entre os vários segmentos da nação brasileira – exceto pelo “mulato sabido”.

e) avalia a multiplicidade de discurso entre segmentos raciais e sociais.

Gabarito: A Comentário: A poesia deve estar ao alcance de todos – daí a linguagem ser mais popular, informal, oralizada.

78.

O poema de Augusto de Campos NÃO remete:

a) ao mesmo número de sílabas métricas.

b) à cultura musical popular.

c) à intertextualidade.

d) à oposição ao purismo da linguagem.

e) a rupturas formais.

Gabarito: A Comentário: A metrificação no poema é, simplesmente, descartada. Os versos não possuem isometria.

simplesmente, descartada. Os versos não possuem isometria. 79. A Padilha, encontra oposição fundamental: a) na

79.

A

Padilha, encontra oposição fundamental:

a) na concepção religiosa do homem.

b) no referencial estético do Barroco.

c) na descrição romântica.

d) na ambientação árcade.

e) na concepção fantasiosa do meio.

ilustração

acima,

do

documentário

Garapa,

de

José

Gabarito: C

Comentário:

O Romantismo trabalha, basicamente, a

idealização do ambiente, que não acontece no texto, na ilustração.

O Romantismo trabalha, basicamente, a idealização do ambiente, que não acontece no texto, na ilustração.

38

80. O trecho abaixo pertence ao texto AGORA FALANDO SÉRIO , do compositor e escritor

80. O trecho abaixo pertence ao texto AGORA FALANDO SÉRIO, do compositor e escritor carioca Chico Buarque:

“Agora falando sério Eu queria não cantar

A cantiga bonita

Que se acredita

Que o mal espanta Dou um chute no lirismo Um pega no cachorro

E um tiro no sabiá

Agora falando sério

Eu queria não mentir Não queria enganar Driblar, iludir Tanto desencanto

E você que está me ouvindo

Quer saber o que está havendo

Com as flores do meu quintal?

Dou um fora no violino

O

amor-perfeito, traindo

Faço a mala e corro

A

sempre-viva, morrendo

Pra não ver a banda passar

E

a rosa, cheirando mal (

)”

A abordagem linguística do trecho é a mesma em todos os itens, EXCETO:

a) Eu canto porque o instante existe/ e a minha vida está completa./ Não sou alegre nem sou triste:/ sou poeta. (Cecília Meireles)

b) Lutar com palavras é a luta mais vã. / Entanto lutamos mal rompe a manhã./ São muitas, eu pouco. (Carlos Drummond de Andrade)

c) O meu dia foi bom, pode a noite descer./ (A noite com seus sortilégios.) Encontrará lavrado o campo, a casa limpa,/ A mesa posta,/ Com cada coisa em seu lugar.

d) Catar feijão se limita com escrever:/ jogam-se os grãos na água do alguidar / e as palavras na da folha de papel; / e depois joga-se fora o que boiar. (João Cabral de Melo Neto)

e) a aranha tece teias/ o peixe beija e morde tudo o que vê. /eu escrevo apenas. / tem que ter por quê? (P. Leminski)

Gabarito: C Comentário: Todos os trechos referem-se ao ato de escrever (metalinguagem), exceto o da alternativa indicada.

81. Observe os trechos abaixo:

I –

“podem ficar com a realidade esse baixo astral em que tudo entra pelo cano

eu quero viver de verdade eu fico com o cinema americano”

II –

P. Leminski

“Meu verso é profundamente romântico. Choram cavaquinhos luares se derramam e vai Por aí a longa sombra de rumores e ciganos.

Ai que saudade que eu tenho de meus negros verdes anos!

E com vocês a Modernidade, Cacaso

III –

“Em um ato me envolvo Em dois atos me apavoro Em quatro eu toco fogo Em oito ti devoro!

Ato Múltiplo, J. Genúncio

É ponto comum entre os 3 poemas:

a) a oralidade

b) a exploração da sonoridade

c) a metalinguagem

d) a intertextualidade

e) a psicologia

Gabarito: A Comentário: A linguagem dos três trechos é popular, distante da norma culta.

39

82. Observe as ilustrações: I. II. Caso as ilustrações fossem “transformadas” em textos literários, seria
82. Observe as ilustrações: I. II.
82.
Observe as ilustrações:
I.
II.
82. Observe as ilustrações: I. II. Caso as ilustrações fossem “transformadas” em textos literários, seria

Caso as ilustrações fossem “transformadas” em textos literários, seria correto afirmar:

a) ambas pertenceriam ao Barroco.

b) I pertenceria ao Realismo e II ao Romantismo.

c) I pertenceria ao Neoclassicismo e II ao Barroco

d) ambas pertenceriam ao Realismo.

e) I pertenceria ao Realismo e II ao Barroco.

Gabarito: A Comentário: O contraste – ou a antítese – é a base dos textos, que falam sobre educação e corrompem sua base.

83. Observe os trechos abaixo:

“Não se pode lisonjear muito o Brasil de dever a Portugal sua primeira educação, tão mesquinha foi ela que bem parece ter sido dada por mãos avaras e pobres. No começo do século atual, com as mudanças e reformas que tem experimentado o Brasil, novo aspecto apresenta a sua literatura. Uma só idéia absorve todos os pensamentos, uma idéia até então desconhecida; é a idéia da pátria; ela domina tudo, e tudo se faz por ela, ou em seu nome. Independência, liberdade, instituições sociais, reformas políticas, todas as criações necessárias em uma nova Nação, tais são os objetivos que ocupam as inteligências, que atraem a atenção de todos, e os únicos que ao povo interessam.”

Gonçalves de Magalhães, “Ensaio sobre a história da literatura brasileira”

40

Um índio Um índio descerá De uma estrela colorida e brilhante De uma estrela que

Um índio

Um índio descerá De uma estrela colorida e brilhante De uma estrela que virá Numa velocidade estonteante

E pousará no coração do hemisfério sul na América num claro instante

Depois de exterminada a última nação indígena

E o espírito dos pássaros

Das fontes de água límpida Mais avançado que a mais avançada das mais avançadas tecnologias

Virá

Impávido que nem Muhammad ali

Virá que eu vi Apaixonadamente como Peri Virá que eu vi

Tranquilo e infalível como Bruce Lee Virá que eu vi

O axé do afoxé filhos de Ghandi

Virá

Um índio preservado Em pleno corpo físico Em todo sólido todo Gás e todo líquido

Em átomos palavras cor em gesto em cheiro em sombra em luz em som magnífico Num ponto equidistante Entre o Atlântico e o Pacifico Do objeto sim resplandecente Descerá o índio

E

as coisas que eu sei que ele dirá fará não sei dizer assim de um modo explícito

E

aquilo que nesse momento se revelará aos povos

Surpreenderá a todos não por ser exótico Mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto quando terá sido o óbvio.

Afirma-se:

Caetano Veloso, “Um Índio”

I. O ideal patriótico explicitado no primeiro texto poderia se confirmar no segundo, já que a figura do índio, idealizada na lírica pós-moderna de Caetano Veloso, retoma o ideal heróico romântico, muito comum no início da literatura dita “brasileira”.

II. No texto do compositor baiano pressupõe o ideal barroco ao expor a figura nacionalista do índio aliada a elementos estrangeiros, como “Muhammad Ali” e “Bruce Lee”.

III. Ambos os textos provocam uma discussão acerca do nascimento de uma nova cultura, abrangente

e provinda de uma visão mais “aberta” sobre a realidade que se mostra diante dos olhos da população. É a proposta romântica em sua essência, mais livre, embora calcada nas raízes nacionais.

Está (ão) correta (s):

a) apenas I

b) apenas I e II

c) apenas I e III

d) apenas II e III

e) todas

Gabarito: C Comentário: Não há qualquer relação entre o texto e o Barroco.

41

84. É dado o texto árcade: Quem deixa o trato pastoril, amado, Pela ingrata, civil

84. É dado o texto árcade:

Quem deixa o trato pastoril, amado, Pela ingrata, civil correspondência, Ou desconhece o rosto da violência, Ou do retiro a paz não tem provado.

Que bem é ver nos campos, trasladado No gênio do Pastor, o da inocência! E que mal é no trato, e na aparência Ver sempre o cortesão dissimulado!

Ali respira Amor sinceridade, Aqui sempre a traição seu rosto encobre; Um só trata a mentira, outro a verdade.

Ali não há fortuna que soçobre; Aqui quanto se observa é variedade:

Oh! ventura do rico! oh! bem do pobre!

C. Manoel da Costa, “Soneto XIV”

É INCORRETO afirmar que o poema:

a) Ressalta que a vida campestre é reveladora do estado de alma: se o poeta está triste é porque a natureza se mostra melancólica; se está alegre, é reflexo também da euforia pastoril.

b) Esboça as contradições entre a vida pastoril e a vida urbana – o que, em última análise, expressa, não respectivamente, a contraposição entre o Barroco e o Arcadismo.

c) Expressa que a “verdade” e a “sinceridade” são postulados que intrinsecamente se ligam à poesia árcade. Ou seja, ela é a reveladora de uma poesia que encontrará oposição no Romantismo, já que esta se liga à fantasia e ao escapismo.

d) Objetiva a dicotomia Barroco/Arcadismo por meio da oposição “pastor/cortesão” e “sinceridade/traição”.

e) Reforça a idéia de que todos, quando em contato com a natureza, têm fortuna, como se comprova no primeiro verso da última estrofe.

Gabarito: A Comentário: É típico do Arcadismo essa sensação de cumplicidade com a natureza, mas ela nunca está melancólica – e sim o homem.

85. Observe o texto pós-moderno:

“Quero ficar no teu corpo Feito tatuagem Que é pra te dar coragem Prá seguir viagem Quando a noite vem

E também pra me perpetuar