Вы находитесь на странице: 1из 2

ESPOROFAR BIOINDICADOR - CALOR ÚMIDO

(Geobacillus stearothermophilus - CCCD B004)

INTRODUÇÃO:

Foram Joseph Lister (1867) e Ignaz Semelweis (1874) os primeiros cirurgiões a desinfetarem as

mãos, o instrumental e campo operatório de modo a evitar a infecção da ferida cirúrgica, surgindo daí a cirurgia antisséptica, que nos dias atuais deu lugar à cirurgia asséptica, a qual se alcança, graças à esterilização por meios físicos e químicos de áreas, instrumentais e campos operatórios. Esterilização, portanto, é o ato ou processo físico ou químico que destrói ou elimina todas as formas de vida, especialmente microorganismos. A qualidade desta esterilização é hoje aferida através de indicadores químicos e biológicos de preferência aos últimos.

O Geobacillus stearothermophilus, organismo gram-positivo esporulado, não patogênico, graças

à sua termofilia é utilizado no monitoramento e validação de ciclos de esterilização por calor úmido, realizados em equipamentos específicos denominados autoclaves.

FINALIDADE DO PRODUTO:

O produto tem como objetivo acompanhar o grau de esterilização obtido de um lote ou carga

submetida ao processo de esterilização por calor úmido (em autoclaves) e tendo como indicador um organismo vivo de alta resistência térmica (esporos de Geobacillus stearothermophilus), sendo seu uso indicado em monitoria periódica de ciclos de esterilização e na validação de autoclaves. Estudos indicam que os esporos de Geobacillus stearothermophilus são os mais indicados para o uso como indicadores biológicos em ciclos de esterilização por vapor de peróxido de hidrogênio (VPHP).

OBTENÇÃO DO PRODUTO:

Esporos bacterianos são obtidos através do crescimento em meio de cultivo apropriado, e após, diluídos e contados, são incorporados a fitas (6x25mm) de papel de filtro. As linhagens do organismo usado na obtenção de bioindicadores são derivadas da CCCD (Coleção de Cultura Cefar Diagnóstica), sendo compatíveis as cepas padrão internacionalmente reconhecidas. As especificação do organismo utilizado como bioindicador em processos de esterilização por calor úmido são:

TABELA I

Esporos

Processo de Esterilização Valor "D" aproximado

Geobacillus stearothermophilus - CCCD B004

Vaporsaturado à 121ºC

1,5 minuto

55-57ºC - Por 7 dias/incubação

INSTRUÇÃO DE USO:

1. Distribuir os envelopes ou frascos-ampola no equipamento de esterilização, obedecendo a TABELA I, quanto ao organismo e processo de esterilização recomendados.

2. FITAS - Recomenda-se posicionar uma unidade (envelope com fita) em cada canto da câmara

interna do equipamento esterilizador, uma unidade no "ponto frio" da mesma, isto é, local onde a

temperatura não alcança sua plenitude, verificado por testes de avaliação feitos anteriormente e 1 unidade no meio da carga a ser esterilizada. Após a esterilização, retirar assepticamente as fitas contidas nos envelopes com auxilio de uma pinça estéril (ou flambada) e, em seguida, colocá-las em meio de cultivo ESPOROFAR CONTROLE 10mL, que é um meio com indicador de azul de bromotimol, usando um frasco de meio para cada fita. Proceder da mesma forma com a fita controle (não esterilizada). Outro meio de cultivo recomendado é o Peptona Caseína Soja Caldo (TSB) 10mL em tubo ou frasco. Incubar as fitas conforme especificado na TABELA I. Meios contendo indicador, no caso o azul de bromotimol, facilitam a visualização do resultado.

3. FRASCO-AMPOLA - Bioindicador completo, contendo em cada frasco, indicador azul de

6

bromotimol em meio de cultivo especial, mais G.stearothermophilus na concentração de 10 esporos impregnados em fita. O meio de cultivo e a fita são separados por um aditivo isolante

(OPASIL). Para validação do ciclo de esterilização, posicionar 1 frasco contendo a fita de papel de filtro em cada canto da câmara interna da autoclave, 1 frasco no “ponto frio” da mesma e 1 frasco no meio da carga a ser esterilizada. Após a esterilização, os frascos-ampolas são agitados suavemente para o contato do meio com a fita de papel e levados imediatamente à incubadora por tempo e temperatura especificados na TABELA I. NOTAS: a) O produto Esporofar - Bioindicador frasco - ampola não resiste a temperaturas superiores à 130ºC, portanto, não deve ser utilizado para monitoramento de estufas e/ou fornos de esterilização. b) A indicação do uso de esporos de Geobacillus stearothermophilus para validação de ciclos de esterilização por vapor de peróxido de hidrogênio é resultado de pesquisa bibliográfica, não tendo

a Cefar Diagnóstica resultado de validação por este processo. A responsabilidade pelos

parâmetros de validação por este método é do usuário. c) Todas as apresentações Geobacillus stearothermophilus apresentam contagem entre 1 e 3 x10

6 UFC.

4. SUSPENSÃO - A suspensão salina de esporos de G. stearothermophilus, com contagem

7

padronizada em 10 UFC/mL destina-se à confecção de indicadores biológicos, conforme padronização do usuário. Para impregnação de fitas de papel de filtro, recomenda-se a inoculação, com auxílio de pipeta microlítrica, de 0,1mL de suspensão em cada fita de forma a

resultar em uma população de 10 esporos / fita. Para padronização de bioindicadores em forma

líquida, sugere-se o uso de salina ou meio de cultivo em caldo (p. ex. Peptona Caseína Soja Caldo), observando-se a diluição requerida para a padronização da população de esporos. Variações na padronização da população por unidade de bioindicador podem ser feitas a critério

do usuário, de acordo com a metodologia de validação adotada.

6

INTERPRETAÇÃO DO RESULTADO:

1. No meio com indicador, a viragem da cor verde para o amarelo, indica um resultado POSITIVO

(crescimento bacteriano), e a esterilização será considerada NÃO SATISFATÓRIA. Considera-se

o resultado SATISFATÓRIO ou NEGATIVO se em até 7 dias de incubação na temperatura

recomendada, o meio de cultivo não apresentar qualquer tipo de alteração visual, conforme determina compêndios oficiais.

2. No meio sem indicador, o resultado positivo é evidenciado pela turvação do mesmo. A

esterilização será considerada SATISFATÓRIA, quando, até o 7o dia, o meio se mostrar transparente ou sem crescimento bacteriano.

PRECAUÇÕES TÉCNICAS:

Todo laboratório de microbiologia deve funcionar sob égide de normas bem estabelecidas que possam prevenir não só os que trabalham nas áreas de risco, como também aqueles que indiretamente a elas estejam relacionados. Cada área da microbiologia deve ter o seu manual de boas práticas laboratoriais (BPL).

DESCARTE Autoclavar à 121ºC por 30 minutos todo o material usado no manuseio microbiológico.

CONTROLE DE QUALIDADE:

Cada lote de bioindicador recebido e dentro do prazo de validade deve ser submetido a ensaios de

controle de qualidade (esterilidade e eficiência). Para isto, deve o técnico proceder da seguinte

maneira:

FITAS: Colocar uma fita no meio de ESPOROFAR CONTROLE ou TSB e incubar na temperatura recomendada. A viragem da cor do meio, no caso do ESPOROFAR CONTROLE, ou a turvação do meio de TSB, que poderá se dar nas primeiras 24 horas indica a presença de organismos na fita. Recomenda-se ainda uma coloração pelo gram e contagem específicas.

FRASCOS-AMPOLA: Incubar 1 frasco-ampola na temperatura de 55-57ºC (G.stearothermophilus). A viragem da cor do meio, que poderá se dar nas primeiras 24 horas indica presença de organismos no meio. Recomenda-se ainda uma coloração pelo gram e contagens específicas.

Para avaliação da eficiência, realiza-se o teste de SOBREVIVÊNCIA E MORTE, e os resultados médios a serem obtidos são especificados na TABELA II. Para os ensaios de controle de qualidade, a Cefar poderá fornecer metodologia mediante solicitação.

TABELA II

FITAS:

Esterilização:

Vapor saturado à 121ºC.

Organismo:

Esporos de Geobacillus stearothermophilus.

Meio de Cultivo:

ESPOROFAR CONTROLE ou TSB.

Incubação:

55-57ºC.

Sobrevivência:

5 minutos.

Morte:

15 minutos.

FRASCOS-AMPOLA:

Esterilização:

Vapor saturado à 121ºC. Esporos de G. stearothermophilus.

Organismo:

Incubação:

55-57ºC.

Sobrevivência:

5 minutos.

Morte:

15 minutos.

CONCEITOS PARA VALIDAÇÃO:

Esterilização: Processo de eliminação de 99,9999% da população de microorganismos viáveis (esporos e formas vegetativas) de objetos de vidro, metal, tecidos, líquidos e produtos farmacêuticos.

Valor D (resistência térmica dos esporos): É o tempo, em minutos, sob condições específicas, necessário para conseguir uma redução logarítmica (90%) na população de microorganismos viáveis.

Método de Spearman-Kaber:

D = T/logNo. + 0,2507 T = tk – d/2 – (d/n. r n)

Onde:

a) N°: número inicial de esporos em cada amostra

b) T: tempo médio de esterilização (tempo de morte)

c) d: intervalo entre os tempos de aquecimento

d) tk: primeiro intervalo de tempo onde todas as amostras apresentam crescimento negativo

e) r: número

aquecimento em t1 e tk.

f)

de

amostras

que

não

apresentam

crescimento

a

cada

tempo de

n: número total de amostras a cada tempo

O

cálculo do tempo de esterilização define-se por:

x 6 - Tempo de ciclo mínimo para obtenção de população residual de 99,9999% (100).

D

D x 12 - Tempo de ciclo mínimo para obtenção de população residual

Garantia de Esterilidade).

6

de 10 (NGE: Nível de

NOTA: o valor D de cada lote de bioindicador éinformado no “Certificado de Performance” que acompanha o produto.

Valor Z (nível de esterilidade): É o número de graus em temperatura, sob condições específicas, necessárias para conseguir uma redução logarítmica no valor D. A partir do valor D do lote, usar o valor Z para predizer os parâmetros de operação de ciclos com temperaturas diferentes de 121ºC.

Temperatura do ciclo (valor D)

Tempo mínimo do ciclo (D x seis)

 

Tempo mínimo do ciclo (D x 12)

 

D

101º.C :

150min

 

900

min

 

1800

min

D

111º.C :

15min

 

90

min

 

180

min

D

121º.C :

1,5min

 

9 min

   

18 min

 

D

131º.C :

0,15min

 

0,9 min

   

1,8 min

 

Valor F (letalidade):

O

grau

de

letalidade

do

ciclo

é a

sua

duração

efetiva,

em

minutos, monitorado

através

do

termopar (tempo equivalente

a

uma

temperatura

de

referência).

 

1

minuto a 121ºC equivale a 1 minuto a 121ºC

 

1

minuto a 120ºC equivale a 0,794 minuto a 121ºC

1

minuto a 119ºC equivale a 0,630 minuto a 121ºC

NOTA:

a) Três minutos num processo com temperatura oscilante e / ou em queda foram

equivalentes a 2,424 minutos a 121ºC.

b) Para um ciclo teórico de D x 12 (18min), a duração efetiva do ciclo pode ser maior ou menor

que 18 minutos (parâmetro analisado em validação através do uso de termopares).

GARANTIA DE QUALIDADE:

O desempenho dos produtos é garantido pela Cefar Diagnóstica Ltda. No caso do produto não

apresentar o desempenho esperado, entrar em contato com o Serviço de Assessoria Científica Cefar (SACC).

LIMITAÇÕES TÉCNICAS:

O produto perderá sua finalidade se as recomendações aqui especificadas não forem estritamente

seguidas.

ARMAZENAMENTO:

Manter o produto, em qualquer apresentação, sob refrigeração entre temperaturas de 2-8ºC, ao abrigo da luz e umidade. Os produtos não devem ser congelados ( O esporofar ampola pode alterar a sua cor original ). NOTA: O produto, em qualquer apresentação, resiste a uma temperatura até 30ºC por um período de 15 dias, o que facilita seu transporte. Contudo, tão logo tenha chegado a seu destino, manter na temperatura de armazenamento recomendada.

APRESENTAÇÃO:

Fitas: Caixa com 100 unidades envelopadas individualmente. Cada unidade contém 10 esporos viáveis (G. stearothermophilus); Kit: Caixa contendo 25 flaconetes com 3mL de caldo de cultivo e 25 fitas envelopadas individualmente (G. stearothermophilus); Esporofar Controle: Caixa com 10 frascos com 10mL de caldo de cultivo com indicador; Suspensão: Frasco contendo 10mL de suspensão salina com 10 esporos viáveis / mL (G. stearothermophilus); Frascos-ampola: G. stearothermophilus, caixa com 10 unidades. Cada unidade contém 1 fita impregnada com 10 esporos viáveis e 2mL de meio de cultivo em Agar, separados por uma camada de aditivo isolante (OPASIL).

6

7

6

NOTA: Este produto éalterado na sua cor verde a amarelo em temperatura abaixo de 2ºC, contudo ao voltar na sua cor normal, ele não perde sua eficácia.

VALIDADE:

Mantidas as condições ideais de armazenamento, o produto tem validade de 2 anos, a contar da data da fabricação. A apresentação em frasco-ampola possui a validade de 06 meses, a contar da data da fabricação.

SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO “IN VITRO”

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

1. Culture of Biological Indicators of Sterilization Processes, 19-9; Clinical Microbiology Procedures Handbook, ASM, Vol. 2, 1.992.

2. Desinfection, Sterilization, and Preservation, Edited by Seymour S. Block, 4a Ed., USA, 1.991.

3. Farmacopéia Brasileira, 4a Ed. 1a parte, 1.988.

4. Hoover, John E., Dispersing of Medication, Mack Publishing Company, 8a Ed., 1.976, p. 284-

288.

5. U.S. Pharmacopéia, USP XXII, NF XVII, 1.990.

6.U.S. Pharmacopeia, USP XXVIII, NF XVIII, 2005. 7.Vessoni Penna, T.C. et al, Métodos Gerais de Esterilização. Revista de Alimentação e Nutrição, SP, 6 (21): 55-64, 1.985. 8.International Standard – ISO 11138 – Sterilization of health care products. Part 1: Biological indicators, General requirements. 2º ed., 2006-07. 9.International Standard – ISO 11138 – Sterilization of health care products. Part 3: Biological indicators for moist heat sterilization processes. 2º ed., 2006-07.

Cefar Diagnóstica Ltda. Av. Eng. Alberto de Zagottis, 635 – São Paulo – SP CNPJ: 44.562.700/0001-45 Isento de Registro no MS de acordo com a RDC 206/06. Farm.Resp. Dr. Nelson Kioshi Higuti – CRF SP n° 18826 SAC (11) 5521.9244; e-mail: sacc@cefar.com.br Ind. Brasileira.

Dez/10