Вы находитесь на странице: 1из 3

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA CHARNECA DE CAPARICA

Ano lectivo 2008 / 2009


Ficha de Trabalho – Influência de K e b na representação gráfica de

y = kx + b

8º Ano

Definições:

• Função afim : é uma função do tipo y = kx + b.


Exemplos : y = 2x + 1 ( k = 2 e b = 1) ; y = 8 – 5x ( k = - 5 e b = 8)

• Função linear: é uma função do tipo y = kx ( k é constante e b = 0).


Esta função é um caso particular da função afim (b = 0).
Exemplos: y = - 0,5x ( k = - 0,5) ; y = 7x ( k = 7).

• Função constante : é uma função afim especial, pois é do tipo y = b ( b = constante e K = 0).
Exemplos : y = - 6 ( k = 0 e b = - 6) ; y = 8 ( k= 0 e b =8)

• Ordenada na origem : é o termo independente ( representa-se por b).

• Declive da recta : é a inclinação da recta relativamente ao eixo das abcissas ( representa-se por k ).
Nota: O declive também pode ser representado por m.

Exemplos :

Classifica cada uma das seguintes funções e indica o declive e a ordenada na origem de cada
uma.

Resolução:

1. y = 5x +2 Função Afim com K=5 e b=2


2. Y = - 3x + 0,5 Função Afim com K= - 3 e b=0,5
3. Y = -2 – x é equivalente a y = - x - 2 , é pois uma Função Afim com k = - 1 e b = - 2
4. Y = 8 é uma Função Constante , k = 0 e b = 8
4x − 6
5. Y = esta expressão analítica pode e deve ser simplificada para melhor
2
identificarmos os valores de k e b.
4x − 6 4x 6
y= ⇔ y= − ⇔ y = 2 x − 3 que já está na forma pretendida. É uma
2 2 2
Função Afim com k = 2 e b = - 3.

Nota: nenhuma das funções anteriores corresponde a uma função linear (ou de
proporcionalidade directa).
Exemplos de funções lineares, seriam por exemplo:
Y = 8x (K=8 e b=0)
Y = - 7x (k=-7 e b=0)
2 2
y= x ( k = e b=0)
3 3
Influência de K e b na representação gráfica de y = kx + b

1. Esboça o gráfico y = 2x + 6 utilizando o programa Graphmatica.

2. Descreve o gráfico obtido referindo-te aos seguintes aspectos:


 Aspecto do gráfico;
 Intersecção do gráfico com o eixo das abcissas ( xx);
 Intersecção do gráfico com o eixo das ordenadas ( yy);
 Monotonia.
Descrição: O gráfico da função é uma recta que não passa na origem (logo não é de proporcionalidade
directa). Intersecta o eixo das abcissas no ponto (-3;0) e intersecta o eixo das ordenadas no ponto (0;6).
Repara que a ordenada na origem é 6 (b=6) e, como verificarás no estudo destas funções a intersecção
dos gráficos com o eixo das ordenadas é sempre no ponto (0;b).
Quanto á monotonia é uma função crescente. Concluirás mais à frente que sempre que K é positivo (e
neste caso K=2, logo positivo) a função é crescente.

4. Inventa várias funções com diferentes valores de K ( valores positivos, negativos e zero), sendo y = kx+ 4
e esboça-as no mesmo referencial.
Representando por exemplo as funções:
Y = 2x + 4 ; Y = 3x + 4 (funções com k positivo, 2 e 3 respectivamente)
Y = 0x + 4 que é equivalente a y = 4 (função com k=0, logo uma função constante)
Y = - 2x + 4 ; y = - 5x +4 (funções com k negativo, - 2 e – 5 respectivamente)
Observemos os seus gráficos

4.1 Explica de que forma K influencia o gráfico e desenha cada um deles.


Palavras chave: Valores positivos; valores negativos; zero; monotonia; declive e posição relativa das
rectas.
Resposta: Observamos que quando k é positivo a função é crescente. Quando k é negativo a função é
decrescente. Se K=0 a função é constante (recta horizontal). Reparemos que as rectas são concorrentes
no ponto (0;4), o que não podia deixar de ser, pois se todas têm a mesma ordenada na origem (b=4),
intersectam o eixo das ordenadas no mesmo ponto (0;4).
6. Inventa várias funções com diferentes valores de b ( valores positivos, negativos e zero), sendo
y = 2x + b e esboça-as no mesmo referencial.
Representando por exemplo as funções:
Y = 2x + 1 ; Y = 2x + 5 (funções com b = 1 e b =5, respectivamente)
Y = 2x + 0 que é equivalente a y = 2x (função com b=0, logo uma função de proporcionalidade
directa)
Y = 2x - 1 ; y = 2x - 3 (funções com = - 1 e b = – 3, respectivamente)

6.1. Explica de que forma b influencia o gráfico.

Resposta: conforme já foi referido b é a ordenada na origem e indica o ponto onde o gráfico (a
recta) intersecta o eixo das ordenadas – sempre no ponto (0;b). Basta verificar-mos o valor de b
em cada uma das rectas e observar onde as mesmas intersectam o eixo das ordenadas.
A função y = 2x , que é de proporcionalidade directa, intersecta os dois eixos, na origem, isto é,
no ponto (0;0), uma vez que b = 0.

6.2. Explica de que forma k influencia os gráficos sendo igual.

Resposta: Sendo o declive igual (nos exemplos k é sempre 2), os gráficos das funções (rectas)têm
a mesma inclinação relativamente ao eixo das abcissas. Assim são todas (as rectas) paralelas.
Rectas com o mesmo declive são paralelas entre si.