Вы находитесь на странице: 1из 12

05/09/2012

Ciência dos Materiais – Antonio Ribeiro Ciência dos Materiais Estrutura Atômica Prof. Antonio Ribeiro
Ciência dos Materiais – Antonio Ribeiro
Ciência dos Materiais
Estrutura Atômica
Prof. Antonio Ribeiro
Algumas regras • Regra de Aufbau – Os subníveis são preenchidos sucessivamente, na ordem crescente
Algumas regras
• Regra de Aufbau
– Os subníveis são preenchidos sucessivamente, na ordem crescente de energia,
com o número máximo de elétrons possível em cada subnível.
• Princípio da exclusão de Pauli
– Em um mesmo átomo, não existem dois elétrons com quatro números
quânticos iguais.
– Como conseqüência desse princípio, dois elétrons de um mesmo orbital têm
spins opostos.
– Um orbital semicheio contém um elétron desemparelhado; um orbital cheio
contém dois elétrons emparelhados (de spins opostos).
• Regra de Hund
– Ao ser preenchido um subnível, cada orbital desse subnível recebe
inicialmente apenas um elétron; somente depois de o último orbital desse
subnível ter recebido seu primeiro elétron começa o preenchimento de cada
orbital semicheio com o segundo elétron.

05/09/2012

Distribuição eletrônica l=0 l=1 l=2 l=3 n (s) (p) (d) (f) 1 (K) 2 2
Distribuição eletrônica
l=0
l=1
l=2
l=3
n
(s)
(p)
(d)
(f)
1
(K)
2
2 (L)
2
6
3 (M)
2
6
10
4 (N)
2
6
10
14
5 (0)
2
6
10
14
6 (P)
2
6
10
14
© 2003 Brooks/Cole Publishing / Thomson Learning™ Distribuição eletrônica
© 2003 Brooks/Cole Publishing / Thomson Learning™
Distribuição eletrônica

05/09/2012

Distribuição eletrônica • Na: 1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 • Mg: 1s
Distribuição eletrônica
• Na: 1s 2 2s 2 2p 6 3s 1
• Mg: 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2
• Al: 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 1
• Ge: 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 3d 10 4s 2 4p 2
• He: 1s 2 2s 2
• Ne: 1s 2 2s 2 2p 6
• Ar: 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6
• Kr: 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 3d 10 4s 2 4p 6
• Xe: [Kr] 4d 10 5s 2 5p 6
• Rn: [Xe] 4f 14 5d 10 6s 2 6p 6
Tabela Periódica Eletronegativos Eletropositivos
Tabela Periódica
Eletronegativos
Eletropositivos

05/09/2012

Ligações Químicas • Ligações Iônicas
Ligações Químicas
• Ligações Iônicas
Ligações Químicas • Ligações Iônicas © 2003 Brooks/Cole Publishing / Thomson Learning™
Ligações Químicas
• Ligações Iônicas
© 2003 Brooks/Cole Publishing / Thomson
Learning™

05/09/2012

Ligações Químicas • Ligações Covalentes – Simples: Cada átomo contribui com um elétron. – Dativas:
Ligações Químicas
• Ligações Covalentes
– Simples: Cada átomo
contribui com um
elétron.
– Dativas: Um átomo
contribui com dois
elétrons.
© 2003 Brooks/Cole Publishing / Thomson Learning™ Ligações Químicas • Ligações Covalentes – Posições
© 2003 Brooks/Cole Publishing / Thomson Learning™
Ligações Químicas
• Ligações Covalentes
– Posições fixas no espaço (orientação).

05/09/2012

Ligações Químicas • Ligações metálicas – Interações fortes entre núcleos positivos. Núcleo dos íons Mar
Ligações Químicas
• Ligações metálicas
– Interações fortes entre núcleos positivos.
Núcleo dos íons
Mar de elétrons de valência
© 2003 Brooks/Cole Publishing / Thomson Learning™ Ligações Químicas • Ligações metálicas – Elétrons
© 2003 Brooks/Cole Publishing / Thomson Learning™
Ligações Químicas
• Ligações metálicas
– Elétrons livres.

05/09/2012

Ligações mistas • Cerâmicas e semicondutores 2 – Fração Covalente = e -0,25ΔE • ΔE
Ligações mistas
• Cerâmicas e semicondutores
2
– Fração Covalente = e -0,25ΔE
• ΔE = diferença de eletronegatividade
• Ex. SiO 2
Fração Covalente = e -0,25(3,5-1,8)^2
=e -0,25(2,89)
= 0,486
Forças de ligação e módulo de Elasticidade • Ligações mais fortes suportam maiores pressões. ©
Forças de ligação e módulo de Elasticidade
• Ligações mais fortes
suportam maiores
pressões.
© 2003 Brooks/Cole Publishing / Thomson
Learning™

05/09/2012

Forças de ligação e Coeficiente de expansão térmica • Ligações mais fortes: Material dilata menos.
Forças de ligação e Coeficiente de
expansão térmica
• Ligações mais fortes:
Material dilata
menos.
© 2003 Brooks/Cole Publishing /
Thomson Learning™
Forças Intermoleculares • São forças de atração que ocorrem entre as moléculas, mantendo-as unidas. •
Forças Intermoleculares
• São forças de atração que ocorrem entre as moléculas,
mantendo-as unidas.
• São bem mais fracas, quando comparadas às forças
intramoleculares (ligação iônica e covalente),
encontradas entre íons e átomos, que formam as
substâncias.
• São essencialmente de natureza eletrostática.
• Ficam mais fortes com a diminuição da distância entre
as moléculas.

05/09/2012

Tipos de Forças Intermoleculares: • Forças de Van Der Waals – Dipolo induzido/dipolo induzido: •
Tipos de Forças Intermoleculares:
• Forças de Van Der Waals
– Dipolo induzido/dipolo induzido:
• Forças de Dispersão de London
– Dipolo Permanente/dipolo induzido:
• Forças de Debye
– Dipolo permanente/dipolo permanente:
• Forças de Keeson
• Pontes de Hidrogênio
Dipolo induzido/dipolo induzido
Dipolo induzido/dipolo induzido

05/09/2012

Dipolo permanente /dipolo induzido
Dipolo permanente /dipolo induzido
Dipolo permanente/dipolo permanente
Dipolo permanente/dipolo permanente

05/09/2012

Dipolo permanente/dipolo permanente PVC © 2003 Brooks/Cole Publishing / Thomson Learning™
Dipolo permanente/dipolo permanente
PVC
© 2003 Brooks/Cole Publishing / Thomson
Learning™
Ligações de Hidrogênio
Ligações de Hidrogênio

05/09/2012

05/09/2012 Forças Intermoleculares:Ponto de Ebulição • Moléculas com massas próximas e diferentes tipos de
Forças Intermoleculares:Ponto de Ebulição • Moléculas com massas próximas e diferentes tipos de interação: –
Forças Intermoleculares:Ponto de Ebulição
• Moléculas com massas próximas e diferentes
tipos de interação:
– Quanto mais forte interação, maior será o P.E.
Ex: Água ( MM: 18 g/mol ), PE: 100°C
Metano ( MM: 16 g/mol ), PE: -164°C
• Moléculas com massas diferentes e mesmo tipo
de interação:
– Quanto maior a massa, maior será o P.E.
Ex: Propano, PE: - 42°C
Octano PE: 126°C