Вы находитесь на странице: 1из 3

Universidade Paulista_UNIP

Profº Márcio Maia

ABORDAGEM DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

ORIGEM

A - Crescimento acelerado e desorganizado das empresas, motivado pela

segunda Revolução Industrial;

B - A necessidade de aumentar a eficiência e a competição, das organizações

para enfrentar a competição, criando-se métodos científicos em substituição à improvisação;

FREDERICK WINSLOW TAYLOR

Fundador da administração Científica, nasceu na Pensilvânia, Estados Unidos, iniciou sua carreira profissional como operário em pequenas oficinas e mais tarde tornou-se engenheiro, publicou 5 livros e deu inicio aos seus estudos, sobre os problemas da produção e pagamento.

O PRIMEIRO PERÍDO DE TAYLOR

Início dos estudos, feito de baixo para cima, ou seja, das partes para o topo, tentou aplicar suas conclusões em 1.889. vencendo enormes resistências às suas idéias. Neste mesmo período é publicado seu livro "Administração de Oficinas", preocupou-se exclusivamente com as Técnicas de Racionalização do Trabalho, através de estudos de tempos e movimentos.

Destacou

três

Elementar, que são:

princípios

as

Funções

de

Supervisores,

ou

Supervisão

1º. - Seleção Científica do Trabalhador : atribuir ao trabalhador a tarefa mais elevada possível, de acordo com aptidão pessoal de cada um;

2º. Tempo Padrão: solicitar ao trabalhador uma produção nunca inferior ao padrão estabelecido;

3º. Plano de Incentivo Salarial: atribuído ao trabalhador tarifas remuneradas, por unidade produzida, sendo satisfatório àqueles que alcançassem o padrão, e muito mais satisfatório para aqueles que ultrapassassem o padrão.

TAYLOR

fundamentada:

destacava

com

seus

métodos

as

seguintes

características

A - A Ciência em lugar da improvisação;

B - Seleção e treinamento de trabalhadores;

C - Divisão do trabalho e das responsabilidades, sendo: o planejamento a

cargo da gerência, e a execução a cargo dos operários.

Universidade Paulista_UNIP

O SEGUNDO PERÍODO DE TAYLOR

Profº Márcio Maia

Corresponde a publicação do seu livro "Princípios de Administração Científica" (1.911). No desenvolvimento de seus estudos sobre a Administração Geral. TAYLOR visualizava o operário como preguiçoso (vadiagem sistemática), dizendo que o operário reduzia a produção propositadamente com a finalidade de equilibrar ou evitar a redução do seu salário, e o desemprego, o trabalhador pensava que quanto mais se produzisse, haveria desemprego.

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

Reduzida em três aspectos:

1º. - Objetivo principal - dar a máxima prosperidade para o patrão e também ao empregado;

2º. - Identidade de Interesse de Empregados e Empregadores - a prosperidade do empregador deve estar sempre acompanhada com a do empregado e vice-versa, para que ela resista por muito tempo. Portanto o que é bom para o patrão é bom para o empregado, ou seja, o patrão deseja alta produção e baixos custos, para o empregado altos salários;

3º. - Sistemática Iniciativa e Incentiva - esse sistema não levava a qualquer resultado, se o incentivo fosse dado ao operário e a iniciativa deixada por sua conta. O operário não possuía capacidade nem meios de analisar cientificamente o trabalho, nem estabelecer qual o processo ou método mais eficiente.

PRINCÍPIOS DA ADMISTRAÇÃO CIENTÍFICA

Neste mesmo período TAYLOR elabora quatro princípios, onde a atribuição e a responsabilidade ficam a cargo da gerência;

1º. - Planejamento - substituir um trabalho à improvisação individual por métodos de procedimentos científicos;

2º. - Preparo - selecionar e preparar cientificamente os trabalhadores, pois no passado o trabalhador é que escolhia o seu trabalho e o modo de executá-lo, e treinava a si próprio;

3º. - Controle - acompanhar e controlar o trabalho, verificando se a execução estava de acordo com as normas e planos estabelecidos;

4º. - Execução - as atribuições e as responsabilidades, eram distribuídas distintamente, para que a execução do trabalho fosse mais disciplinada.

Universidade Paulista_UNIP

Profº Márcio Maia

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

Entre

as

características

mais

marcantes

sa

administração

Científica

de

TAYLOR e de seus seguidores, podemos destacar as seguintes:

ADMINISTRAÇÃO COMO CIÊNCIA:

Devemos a TAYLOR o mérito de ser o iniciador dos estudos, como um sistemático estudo de uma organização, dizendo que tanto a empresa como a Administração deveriam ser estudados e tratados cientificamente. Criou as análises completas de trabalho, fazendo estudos de tempo e movimentos, treinou e especializou o operário, criando também salas de planejamento;

Para TAYLOR os elementos para aplicação da Administração Científica são:

- estudo de tempo;

- supervisão funcional;

- padronização de ferramentas ou instrumentos;

- princípios da exceção;

- criação de fichas com instrução de serviços;

- idéia da tarefa está associada a prêmios e gratificações.

SUPERVISÃO FUNCIONAL

A divisão do trabalho, leva a descentralização da autoridade e a uma especialização da supervisão funcional, é portanto a especialização em determinadas áreas da autoridade funcional sobre os mesmos subordinados. Conforme TAYLOR cada empregado pode receber ordens de até oito supervisores, cada um desempenhando a sua própria função particular, sendo que quatro ficaria na oficina ou nas funções de execução;

CONCEITO DE "HOMO ECONOMICUS"

Os autores da Administração Científica, presumiram que o homem era influenciado por recompensas e sanções, motivados pelo medo da fome e pela busca do dinheiro, por esse motivo o pagamento era feito por peça (produção), ficando diretamente relacionado com a qualidade real produzida.

O PRINCÍPIO DA EXCEÇÃO:

Para TAYLOR o sistema de controle era bastante simples e com base nas exceções ou desvios dos padrões normais. Quanto maior o desvio, maior a necessidade de intervenção dos superiores. Os desvios que se aproximava da média poderiam ser resolvidos pelos próprios subordinados, transformando-se em rotina. Essa informação é fornecida somente quando os resultados práticos, destorcem os previstos, Este princípio é fundamental na apresentação dos relatórios, sejam os desvios positivos ou negativos, não havendo necessidades de relatar as ocorrências normais.