You are on page 1of 10

Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social

Universidade Federal de Santa Catarina

A VIOLÊNCIA NO CONTEXTO CONJUGAL:

POLÍTICAS E INTERVENÇÕES NO QUEBEC (CANADÁ)

Professores responsáveis:

Sonia Gauthier, professora, Escola de Serviço Social, Universidade de


Montreal

Lyse Montminy, professora, Diretora do Criviff - Centro de Pesquisa


Interdisciplinar sobre a Violência Familiar e a Violência contra a Mulher,
Escola de Serviço social, Universidade de Montreal

Théophilos Rifiotis, professor, Departamento de Antropologia,


Coordenador do Levis - Laboratório de Estudos das Violências
.

Florianópolis - Brasil
11 a 22 de Agosto de 2008

Centro de Filosofia e Ciências Humanas - CFH


Caixa Postal 476 - Campus Universitário - Trindade - CEP 88040-900
Florianópolis - SC - Brasil
Fone/Fax: +55 (48) 331-9714 - Fax: +55 (48) 331-9751
E-mail: antropos@cfh.ufsc.br - Http://www.antropologia.ufsc.br
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social
Universidade Federal de Santa Catarina

INTRODUÇÃO

A violência conjugal é um problema social importante, que tem mobilizado há vários


anos a intervenção social em diversos níveis: comunitário, institucional e
governamental. Um grande número de pesquisadores de diferentes disciplinas está
envolvido no esforço para compreender este fenômeno e tentar reduzir a sua
ocorrência. As teorias são muitas, assim como as soluções propostas e executadas.

A intervenção neste campo recobre múltiplas visões: seja pela atuação junto às
mulheres, homens e crianças; individual e em grupos; psicossocial e sócio-judicial;
entre outras. Ela se adapta a grupos específicos tais como: os idosos, as mulheres;
pessoas membros de comunidades culturais, etc. Os esforços não se limitam
evidentemente à intervenção, eles também orientam a uma conscientização,
prevenção e rastreamento. Em suma, estamos perante um fenômeno generalizado,
envolvendo vários intervenientes em diferentes níveis com diferentes olhares, junto a
diversos usuários.

Os conhecimentos a esse respeito não para de crescer, e à medida que a


compreensão e a expertise se desenvolvem, uma inegável realidade aparece: o
problema é complexo e as soluções para reduzir o impacto devem levar em conta
essa complexidade. Cada um de nossos respectivos países é confrontado com essa
complexidade, realidades com semelhanças e diferenças.

Neste contexto, a troca de experiências são essenciais para o desenvolvimento de


novos conhecimentos, para consolidar os já existentes, e representam a possibilidade
de um novo olhar para o futuro.

OBJETIVOS

O objetivo do seminário é o intercâmbio em torno das múltiplas facetas do problema


da violência conjugal, no que diz respeito ao fenômeno que se relaciona com a
intervenção, no Canadá e no Brasil. Assim, objetivamos:

• Compartilhar a nossa compreensão do fenômeno da violência conjugal;


• Alimentar as reflexões teóricas utilizadas no Brasil e no Canadá;
• Realizar trocas em torno das diferentes práticas de intervenção psicossociais e
judiciais com homens, mulheres e crianças afetados pela violência conjugal;
• Identificar questões teóricas e práticas em torno do problema da violência
conjugal;
• Trocar experiências sobre temas que atingem os nossos interesses respectivos
e fomentar o intercâmbio entre os grupos nossos grupos de pesquisa.

No final do seminário, esperamos ter criado laços que nos permitam dar seguimento a
reflexões conjuntas sobre a problemática da violência conjugal e dar continuidade à
colaboração entre professores, pesquisadores e estudantes das nossas universidades.

Centro de Filosofia e Ciências Humanas - CFH


Caixa Postal 476 - Campus Universitário - Trindade - CEP 88040-900
Florianópolis - SC - Brasil
Fone/Fax: +55 (48) 331-9714 - Fax: +55 (48) 331-9751
E-mail: antropos@cfh.ufsc.br - Http://www.antropologia.ufsc.br
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social
Universidade Federal de Santa Catarina

ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA

Para atingir os objetivos mencionados, utilizaremos diferentes estratégias


pedagógicas. Inicialmente, em cada aula serão apresentados os conteúdos sob a
forma de aulas expositivas, seguindo-se de debates sobre os conteúdos ministrados.
Haverá também debates a partir de artigos científicos, de situações específicas de
intervenção e visualização de vídeos.

AVALIAÇÕES

Ao final de cada unidade, os/as alunos/as deverão fazer comparações Brasil/Canadá


sobre os temas abordados nos encontros de sala de aula. Estas atividades servirão
de base para a composição de uma monografia no final da disciplina.

Ao final da disciplina, será solicitada uma monografia sobre os temas desenvolvidos


pelos/as alunos/as ao longo da disciplina, a qual será desenvolvida após o término das
aulas.

LEITURAS SUGERIDAS

Para cada sessão, serão indicados textos que estão sob a forma de artigos científicos,
livros ou capítulos de livros, documentos oficiais (leis, artigo da lei, políticas
governamentais, estatísticas, etc.) e guia de intervenção.

Centro de Filosofia e Ciências Humanas - CFH


Caixa Postal 476 - Campus Universitário - Trindade - CEP 88040-900
Florianópolis - SC - Brasil
Fone/Fax: +55 (48) 331-9714 - Fax: +55 (48) 331-9751
E-mail: antropos@cfh.ufsc.br - Http://www.antropologia.ufsc.br
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social
Universidade Federal de Santa Catarina

PROGRAMAÇÃO

Bloco Preliminar (11 de agosto)

— Distribuição do programa
— Organização dos trabalhos
— Visão geral sobre a questão da violência conjugal em contexto brasileiro e
canadense

BIBLIOGRAFIA

Brucker, P. (1997). A Tentação da inocência. Rio de Janeiro : Rocco.

Rifiotis, T. (1997) Nos campos da violência: diferença e positividade. Antropologia em


Primeira Mão, PPAS/UFSC (19).

Rifiotis, T. (2006). Alice do outro lado do espelho: revisitando as matrizes do campo


das violências e dos conflitos sociais. Revista de Ciências Sociais, UFC, 37(2).

Katz, J. (1988). The Seductions of Crime. New York : Basic Books.

Bloco 1 Introdução (12 de agosto)

— Apresentação e expectativas dos/as alunos/as


— Apresentação do CRI-VIFF
— Apresentação do plano de seminário
— Questões preliminares:
• Marco teórico da "violência" e dos conflitos
• Judiciarização dos problemas sociais: questão global-local
— A violência conjugal, o que é? Definições e estatísticas.

Temas e questões para discussão

A violência conjugal, uma questão de gênero


O grau de violência conjugal, a guerra de valores (análises estatísticas)

BIBLIOGRAFIA

Bélanger, S. (1998). Une approche multifactorielle de la violence conjugale.


Intervention, (106), 73-78.

Gravel, S., Beaulieu, M., & Lithwick, M. (1997). Quand vieillir ensemble fait mal: les
mauvais traitements entre conjoints âgés. Criminologie, (2), 567-585

Centro de Filosofia e Ciências Humanas - CFH


Caixa Postal 476 - Campus Universitário - Trindade - CEP 88040-900
Florianópolis - SC - Brasil
Fone/Fax: +55 (48) 331-9714 - Fax: +55 (48) 331-9751
E-mail: antropos@cfh.ufsc.br - Http://www.antropologia.ufsc.br
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social
Universidade Federal de Santa Catarina

Kilpatrick, D.J. (2004). What is Violence Against Women ? Defining and Measuring the
Problem. Journal of Interpersonal Violence, 19(11), 1209-1234.

Laroche, D. (2003). La violence conjugale envers les hommes et les femmes, au


Québec et au Canada, 1999. Québec: Institut de la statistique du Québec.
http://www.stat.gouv.qc.ca/publications/conditions/violence_h-f99.htm

Montminy, L. (2005). Older Women’s Experiences of Psychological Violence in their


Marital Relationships. Journal of Gerontological Social Work, 46(2), 3-22

Bloco 2 História, Política e Intervenção (13 de agosto)

— Evolução das representações da violência contra as mulheres


— Alguns dados
— Conseqüências
— Reconhecimento da violência contra as mulheres como um problema social
— Implementação de políticas governamentais

Temas e questões para discussão

O rastreamento sistemático da violência doméstica: protocolo de rastreamento


As campanhas de sensibilização contra a violência doméstica: Quem é o público
destas? A população, as vítimas, seus autores, as agências governamentais, os
interventores?
Como se concretiza o reconhecimento de violência conjugal no Brasil?

BIBLIOGRAFIA

Arcand, S., Damant,D., Gravel, S., Harper, E. (2008) Violences faites aux
femmes. Sainte-Foy: Presses de l'Université du Québec

Chamberland, C. (2003). Violence parentale et violence conjugale. Des réalités


plurielles, multidimensionnelles et interreliées. Sainte-Foy: Presses de
l'Université du Québec

Dauvergne, M., & Johnson, H. (2001). Les enfants témoins de violence


familiale. Juristat, 21(6).

Greaves, L., Hankivski, O., Kingston-Riechers, J. (1995) Selected estimates of


the cost of Violence against Women, London (Ontario) : Centre for Research
on Violence against Women and Children.

Rodgers, K. (1994). Résultats d’une enquête nationale sur l’agression contre la


conjointe. Juristat, Bulletin de service du centre canadien de la statistique
juridique, Statistique Canada, 14(9), 1-22.

Centro de Filosofia e Ciências Humanas - CFH


Caixa Postal 476 - Campus Universitário - Trindade - CEP 88040-900
Florianópolis - SC - Brasil
Fone/Fax: +55 (48) 331-9714 - Fax: +55 (48) 331-9751
E-mail: antropos@cfh.ufsc.br - Http://www.antropologia.ufsc.br
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social
Universidade Federal de Santa Catarina

Bloco 3 Abordagem da intervenção junto às mulheres (14 de agosto)

— Teoria Feminista
— Teoria Sistêmica
— A intervenção na violência conjugal

Temas e questões para discussão

Que modelo de intervenção junto às mulheres é privilegiado no Brasil? Qual o modelo


que deve ser privilegiado?
O que você acha do conceito sistêmico de causalidade circular e, por conseguinte, da
idéia de co-responsabilidade na interação violenta?
Qual é seu ponto de vista sobre a utilização da técnica de intervenção dentro do casal
e da intervenção familiar quando há violência conjugal no casal?

BIBLIOGRAFIA

Goldner, V. (1999). Morality and multiplicity: perspectives on the treatment of violence


in intimate life. Journal of Marital and Family Therapy, 25(3), p.325-336.

Greene, K., & Bogo, M. (2002). The different faces of intimate partner violence :
implications for assessment and treatment. Journal of Marital and Family Therapy,
28(4), p.455-466.

McPhail, B.A., Busch, N.B., Kulkarni, S., & Rice, G. (2007). An integrative feminist
model. The evolving feminist perspective on intimate partner violence. Violence
Against Women, 13(8), 817-841.

Rivett, M. (2001). Comments- Working systemically with family violence : controversy,


context and accountability. Journal of Family Therapy, 23, p.397-404.

Rondeau, G., Brodeur, N., & Carrier, N. (2001). L'intervention systémique et familiale
en violence conjugale : fondements, modalités, efficacité et controverses (Études et
analyses No. 16). Montréal : CRI-VIFF.

Vetere, A., & Cooper, J. (2001). Working systematically with family violence : risk,
responsibility and collaboration. Journal of Family Therapy, 23, p.378-396.

Bloco 4 Intervenção junto às mulheres vítimas (15 de agosto)

— Casas abrigo
— Centros locais de serviços comunitários
— Centro de mulheres; Centros de assistência às vítimas de crime
— Tribunais laterais
— SOS Violência conjugal
— Mesa de discussão
— Protocolo de colaboração

Centro de Filosofia e Ciências Humanas - CFH


Caixa Postal 476 - Campus Universitário - Trindade - CEP 88040-900
Florianópolis - SC - Brasil
Fone/Fax: +55 (48) 331-9714 - Fax: +55 (48) 331-9751
E-mail: antropos@cfh.ufsc.br - Http://www.antropologia.ufsc.br
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social
Universidade Federal de Santa Catarina

Temas e questões para discussão

Quais são as questões relacionadas para a criação de casas abrigo no Brasil?


Quais são os recursos disponíveis para as mulheres vítimas de violência? E para as
crianças expostas a essa violência?
A violência doméstica é um assunto para quem?
As melhores estratégias para ajudar as mulheres e as crianças?
Até onde a ajuda para as mulheres pode chegar?

BIBLIOGRAFIA

Beaudry, M. (1984). Les Maisons des femmes battues au Québec. Montréal : Saint-
Martin

Locke, D., & Code, R. (2001). Les refuges pour femmes violentées au Canada, 1999-
2000. Juristat, 21(1).

Montminy, L., Drouin,C. (2005) La présence des aînées en maison d’hébergement


pour femmes victimes de violence conjugale. Journal international de victimologie,
10 (3)

Montminy, L., Drouin, C. (2004). Les maisons d’hébergement pour femmes victimes de
violence conjugale : une ressource à découvrir... ou à développer pour les femmes
âgées (Études et Analyses No. 30). Montréal : CRI-VIFF.

Rondeau, G., Sirois, G., Jacques, N., Cantin, S. (2000) Les mécanismes de
concertation intersectionnelle en matière de violence conjugale au Québec, (Études
et analyses, No 15). Montréal : CRI-VIFF

Bloco 5 Intervenção com homens de comportamento violento (18 de agosto)

— Os serviços e o cliente
— Modelos de intervenção
o Modelo pró-feminista
o Modelo cognitivo-comportamental ou psico-educativo
o Modelo psicodinâmico
o Abordagens humanistas e masculinas
— O modelo transitório e de mudança
— Dilemas éticos

Temas e questões para discussão

Quais modelos de intervenção com homens são privilegiados no Brasil? Qual o


modelo que deve ser privilegiado?
O que pensa da ajuda psicossocial forçada? Quem deve ser o cliente da intervenção?

Centro de Filosofia e Ciências Humanas - CFH


Caixa Postal 476 - Campus Universitário - Trindade - CEP 88040-900
Florianópolis - SC - Brasil
Fone/Fax: +55 (48) 331-9714 - Fax: +55 (48) 331-9751
E-mail: antropos@cfh.ufsc.br - Http://www.antropologia.ufsc.br
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social
Universidade Federal de Santa Catarina

BIBLIOGRAFIA

Blais, M. & Dupuis-Déry, F. (2008). Le mouvement masculiniste au Québec :


l’antiféminisme démasqué. Montréal : Les Éditions du remue-ménage.

Dankwort, J., Rausch, R. (2000). Men at work to end wife abuse in Quebec. A case
study in claims making. Violence Against Women, 6(9), 936-959.

Prochaska, J.O., & Prochaska, J.M. (1999). Why don't continents move ? Why don't
people change? Journal of Psychotherapy Integration, 9(1), p.83-102.

Rondeau, G., Lindsay, J., Beaudoin, G., & Brodeur, N. (1997). Ethical dimensions of
intervention with violent partners: Priorities in the values and beliefs of practitioners.
In Kantor, G.K. & Jasinski, J.L. (Eds.) Out of darkness: Contemporary perspectives
on family violence. (pp. 282-295). Thousand Oaks, CA, US: Sage Publications.

Rondeau, G., Lindsay, J., Brochu, S. & Brodeur, N. (2006). Application du modèle
transthéorique du changement à une population de conjoints aux comportements
violents (Études et analyses No. 35). Montréal : CRI-VIFF.

Rondeau, G., Lindsay, J., Brodeur, N., & Beaudoin, G. (1995). Exploration des
principaux dilemmes éthiques associés à l'intervention auprès des conjoints violents
et des stratégies pour les résoudre : recension des écrits professionnels et
scientifiques (Études et Analyses No. 2). Montréal : CRI-VIFF.

BLOCO 6 Intervenção com os homens de comportamento violento (19 de agosto)

— Os diferentes tipos de intervenção


— O GAPI, organismo comunitário para os cônjuges de comportamento violento
— A intervenção em grupo, o que é?
— Os grupos de terapia
— A perseverança nos programas
— Um estudo sobre os fatores de auxílio em grupos
— A co-animação em grupos

Temas e questões para discussão

Intervir com os homens, um desafio, uma necessidade.


De que natureza são as intervenções junto aos homens com comportamento violento
no Brasil?
Quais são as questões relevantes na intervenção com os homens com esse
comportamento no Brasil?

Centro de Filosofia e Ciências Humanas - CFH


Caixa Postal 476 - Campus Universitário - Trindade - CEP 88040-900
Florianópolis - SC - Brasil
Fone/Fax: +55 (48) 331-9714 - Fax: +55 (48) 331-9751
E-mail: antropos@cfh.ufsc.br - Http://www.antropologia.ufsc.br
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social
Universidade Federal de Santa Catarina

BIBLIOGRAFIA

Austin, J., & Dankwort, J. (1999). Standards for batterer programs. A review and
analysis. Journal of Interpersonal Violence, 14(2), 152-168.

Blacklock, N. (2003). Gender awareness and the role of the groupworker in


programmes for domestic violence perpetrators. In M. B. Cohen & A. Mullender
(Eds.), Gender and groupwork (pp. 66-79). London: Routledge.

Roy, V., Turcotte, D., Montminy, L., & Lindsay, J. (2005). Therapeutic factors at the
beginning of the intervention process in groups for men who batter. Small Group
Research, 36(1), 106-133.

Wright, M. M. (2002). Co-facilitation: Fashion or function. Social Work with Groups,


25(3), 77-92.

Bloco 7 Políticas e práticas sócio-judiciais no Canadá (20 de agosto)

— Histórico da judiciarização
— A violência conjugal e o código criminal
— Processos judiciais
— Reflexões sobre a judiciarização

Temas e questões para discussão

Como você concebe a intervenção sócio-judicial com os acusados e qual a


importância desse tipo de intervenção aos seus olhos?
O que você pensa sobre a judicialização sistemática?
Será que é possível estabelecer alternativas ao processo de judicialização sistemática
do evento de violência conjugal?

BIBLIOGRAFIA

Buzawa, E.S. and C.G. Buzawa (2003) Domestic Violence: The Criminal Justice
Response [3rd Edition]. Thousand Oaks: Sage.

Damant, D., Paquet, J., Bélanger, J.-A., & Dubé, M. (2001). Le processus
d'empowerment des femmes victimes de violence conjugale à travers le système
judiciaire (Études et analyses No. 14). Montréal : CRI-VIFF.

Dawson, M., & Dinovitzer, R. (2001). Victim cooperation and the prosecution of
domestic violence in a specialized court. Justice Quarterly, 18(3), 593-622.

Gauthier, S., Landreville, P. (2003). Le point de vue des policiers sur la remise en
liberté sous conditions des suspects dans les affaires de violence conjugale. Revue
internationale de criminologie et de police technique et scientifique, LVI(4), 467-482.

Centro de Filosofia e Ciências Humanas - CFH


Caixa Postal 476 - Campus Universitário - Trindade - CEP 88040-900
Florianópolis - SC - Brasil
Fone/Fax: +55 (48) 331-9714 - Fax: +55 (48) 331-9751
E-mail: antropos@cfh.ufsc.br - Http://www.antropologia.ufsc.br
Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social
Universidade Federal de Santa Catarina

Gauthier, S., Laberge, D. (2000) Entre les attentes face à la judiciarisation et l’issue
des procédures; réflexion à partir d’une étude sur le traitement judiciaire des causes
de violence conjugale. Criminologie, 33(2), 31-53.

Hester, M. (2005). Making it through the criminal justice system: Attrition and domestic
violence. Social Policy & Society, 5(1), 79-90.

Bloco 8 Políticas e práticas sócio-judiciais (21 de agosto)

— Judiciarização da violência conjugal no Brasil


— Problemas, dilemas e alternativas teóricas e de intervenção

Debate
e
Avaliação geral da disciplina

BIBLIOGRAFIA

Rifiotis, T. (2007). Direitos Humanos: sujeitos de direitos e direitos do sujeito. In


Silveira, R.M.G. et al. Educação em Direitos Humanos: Fundamentos teórico-
metodológicos (pp. 231-244). João Pessoa : Editora Universitária.

Rifiotis, T. (2004). As delegacias especiais de proteção à mulher no Brasil e a


judicialização dos conflitos conjugais. Revista Sociedade e Estado, Brasília, 19(1).

Rifiotis, T. (2006). Violência, Judiciarização das Relações Sociais e Estratégias de


reconhecimento. Anais VII Reunião de Antropologia do MERCOSUL, Porto Alegre
(CD-ROM).

Rifiotis, T. (2007). Derechos Humanos y otros derechos: aporias sobre el proceso de


judicirisación y la institucionalisación de los movimientos sociales. In Isla, A. En los
márgenes de la ley. Buenos Aires : Paidós.

Centro de Filosofia e Ciências Humanas - CFH


Caixa Postal 476 - Campus Universitário - Trindade - CEP 88040-900
Florianópolis - SC - Brasil
Fone/Fax: +55 (48) 331-9714 - Fax: +55 (48) 331-9751
E-mail: antropos@cfh.ufsc.br - Http://www.antropologia.ufsc.br