Вы находитесь на странице: 1из 12
 

PROCEDIMENTO

N.º: PGCORP 002

 

Qualidade

GENÉRICO REV: 00 X Meio Ambiente

GENÉRICO

REV: 00

X

Meio Ambiente

CORPORATIVO

DATA: 04/03/2009

X

Saúde e Segurança

TÍTULO:

METODOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS E PERIGOS E DANOS

OBJETIVO:

Estabelecer o procedimento para identificação contínua dos aspectos e impactos ambientais e perigos e danos e a determinação das ações e medidas de controle.

ÁREAS ENVOLVIDAS:

 

Todas as áreas

EXECUTANTE:

EPI & CUIDADOS

 

Técnicos de Segurança, supervisores, técnicos de processos, analistas, operadores e gerentes.

N/A

DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

ISO 14001:2004 OHSAS 18001:2007

CONCEITOS

a) MEIO AMBIENTE: "Circunvizinhança em que uma organização opera, incluindo ar, água, solo, recursos naturais,

flora, fauna, seres humanos e suas inter-relações." (NBR IS0 14001/2004)

b) ATIVIDADE: Parte de um processo que pode ser considerada e, descrita individualmente.

c) ASPECTO AMBIENTAL: Elemento das atividades, produtos ou serviços de uma organização que pode interagir

com o meio ambiente."(NBR ISO 14001/2004).

d) IMPACTO AMBIENTAL: Qualquer modificação do meio ambiente, adversa ou benéfica, que resulte no todo ou em

parte, das atividades, produtos ou serviços de uma organização "(NBR ISO 14001/2004)

e) PERIGO: Fonte ou situação potencialmente capaz de causar perdas em termos de danos a saúde, prejuízos a

propriedade, prejuízos ao ambiente do local de trabalho ou uma combinação entre eles.

f) DANO: Combinação da freqüência ou probabilidade e da conseqüência da ocorrência de uma situação de perigo específica.

g) ACIDENTE: Evento não planejado que resulta em morte, doença, lesão, dano ou perda

h) INCIDENTE: Evento não planejado que tem o potencial de levar a um acidente

PROCEDIMENTO

O processo de Levantamento de Aspectos e Impactos / Perigos e Riscos deve ser feito usando a metodologia FMEA (Failure Mode and Effect Analysis) – Análises do Modo e Efeitos de Falha, através da utilização do formulário

O&M_CORP001.

1.

IDENTIFICAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO DA TAREFA

1.1 Equipe de Trabalho

O Levantamento de Aspectos e Impactos / Perigos e Riscos deve ser realizada por equipe multidisciplinar

incluindo no mínimo:

Especialista no processo (técnico de produção, supervisor de produção, etc);

Responsável técnico pela área Segurança do Trabalho;

Responsável técnico pela área de Meio Ambiente;

1.2

Inventário de Processos

Listar os processos de trabalho, incluindo:

a) áreas dentro e fora dos limites da organização.

b) estágios no processo de produção ou no fornecimento de utilidades.

c) processos administrativos e fornecimento de serviços.

1.3 Inventário de Tarefas

Listar todas as tarefas que são realizadas em cada processo, indicando se são rotineiras ou não e identificando os passos que compõem essa tarefa.

2. AVALIAÇÃO DO RISCO ASSOCIADO À EXECUÇÃO DA TAREFA E PRIORIZAÇÃO

2.1 Identificação de Perigos / Aspectos e Danos / Impactos

Observar detalhadamente todas as características de cada atividade, atentando para tudo que possa interagir com o meio ambiente ou que tenha potencial de influir na segurança e/ou saúde dos funcionários. Feitas as observações acima, identifique os perigos / aspectos que estão presentes em cada tarefa, correlacionando com seu provável impacto / dano. Para cada passo da tarefa podem corresponder vários aspectos e perigos. Todos os aspectos ambientais e perigos identificados devem ser listados, mesmo já sendo controlados ou que apresentem baixa severidade e pequena ocorrência. Avaliar todos os possíveis modos de falhas no processo que possam gerar impactos ambientais ou danos físicos. Para permitir a padronização da nomenclatura dos aspectos ambientais e perigos relacionados aos processos desenvolvidos na Rexam, deve-se utilizar a listagem abaixo. Identificando também a categoria no impacto e o agente no dano.

PERIGO

AGENTE

DANO

Ruído

 

Perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR), Irritabilidade.

Exposição a Vibrações

Inflamação de articulações, tendão ou músculo.

Radiação ionizante

Queimadura, alterações hematológicas

Radiação não ionizante

Físicos

Queimadura

Exposição ao frio

Desconforto físico

Exposição a Carga Térmica (calor)

Queimadura, desgaste físico, desidratação, insolação

Atmosfera inerte

Asfixia

PERIGO

AGENTE

DANO

Emissão de poeira (Aerodispersóides).

 

Doenças respiratórias

Inalação de névoas de óleo

Intoxicação, alergia, doenças respiratórias

Gases e Vapores

Químicos

Queimadura química / intoxicação, doenças do aparelho respiratório.

Contato com agentes químicos através da pele.

Contaminação, queimaduras. irritação da pele ou mucosa

Contaminação de alimentos

 

Intoxicações, gastrenterites

Presença de roedores e insetos

Biológicos

Doenças Infecto-Contagiosas

Microbiológicos (vírus, fungos, bactérias, parasitas, etc.)

Doenças infectocontagiosas e irritação das mucosas

Esforço físico intenso

 

Distensão Muscular, fadiga física

Deficiência Ergonômica nas atividades

Doenças Osteomuscular Relacionada ao Trabalho - DORT

Levantamento e transporte manual de peso

Lombalgia, dores musculares

Postura Inadequada

Ergonômicos

Lombalgia, dores musculares

Trabalho em turno e noturno

Desgaste físico e / ou psíquico

Monotonia e / ou repetitividade

 

Desgaste físico e / ou psíquico

Iluminação inadequada

Fadiga visual

Inadequações físicas e posturas incorretas para Trabalhos em Terminais de Microcomputador

DORT, fadiga visual e problemas vasculares

Acidente com veículos automotores.

 

Lesões traumatológicas.

Queda de mesmo nível.

Lesões traumatológicas.

Exposição do corpo à máquina em movimento.

Lesões traumatológicas.

Batida contra equipamentos / peças.

Lesões traumatológicas

Prensagem de partes do corpo.

Lesões traumatológicas

Projeção de partículas / peças

Lesões traumatológicas

Ferramentas inadequadas ou defeituosas

Lesões traumatológicas

Queda de ferramentas, materiais ou equipamentos.

Lesões traumatológicas

Contato com eletricidade.

Queimadura/ Lesão física Parada Cardiorespiratória / Morte

Contato com superfície aquecida.

Queimaduras.

Atividades em espaço confinado.

Acidentes/ condições de trabalho

Asfixia, mau súbito

Mordida/Picada de Animal Peçonhento

Intoxicação,envenamento

Armazenamento inadequado

 

Lesões traumatológicas.

Queda de nível diferente.

Lesões traumatológicas.

Arranjo físico inadequado.

Lesões traumatológicas.

Incêndio ou explosão.

Queimadura/intoxicação

Corpo estranho nos olhos.

Traumatismo no globo ocular Perda ou redução da capacidade de visão.

Equipamentos de elevação (guindaste, empilhadeiras, elevadores, etc.)

Lesões traumatológicas

Contato com Material Cortante / Perfurante

Lesões traumatológicas

Acidente de Trajeto e acidente a serviço da empresa

Lesões traumatológicas

Desconexão da mangueira

Ferimentos, contusão

PERIGO

AGENTE

DANO

Exposição à doenças infectocontagiosas (gripe, conjuntivite)

Epidemias

(dengue, febre amarela)

Perigos externos

Redução temporária da capacidade laborativa.

Redução temporária da capacidade laborativa / morte.

ASPECTO

CATEGORIA

IMPACTO

Emissão de fumaça (ex.: veículos, caldeiras, Incêndio);

   

Emissão de fumos metálicos ( ex.:

soldas);

Emissão de gases de combustão (Sox, Nox.,CO);

Emissão de compostos clorados (ex.:

Alteração na qualidade do ar:

cloretos, clorofluorcarbonados - CFC's);

Emissão de compostos orgânicos voláteis - VOC's (ex.: solventes, tintas, desengraxantes);

Emissões Atmosféricas (EA)

Alteração na camada de ozônio; Geração de Chuva ácida; Formação do efeito estufa.

Geração de odor; Emissão de outros gases (ex.: inertes, oxidantes, amônia, fotoquímicos, gases ácidos/alcalinos). (Especificar).

Vazamento de gases (ex.: tóxicos, inflamáveis, explosivos, inertes, CFC`s

Geração de efluentes líquidos contendo óleos e graxas; Geração de efluentes líquidos inorgânicos (ex.: ácidos, bases, cianetos, metais pesados); Geração de efluentes orgânicos não oleosos (ex.: solventes, organoclorados, detergentes, fenóis); Geração de outros efluentes líquidos - Especificar Derramamento de líquidos (ex.:

Efluentes Líquidos (EL)

Alteração na qualidade da água (superficial ou subterrânea); Assoreamentos de cursos de água;

reagentes químicos, óleos, combustíveis) Transbordamento de tanques

ASPECTO

CATEGORIA

IMPACTO

Descarte de Lâmpadas fluorescentes; Geração de resíduos oleosos (ex.:

   

óleos usados, trapos / estopa com óleo, borras oleosas); Geração de sucatas metálicas recicláveis; Geração de sucatas metálicas contaminadas (ex.: com óleos e graxas); Geração de resíduos recicláveis de papel / papelão; Geração de resíduos recicláveis de plásticos; Geração de resíduos recicláveis de vidros; Geração de resíduos recicláveis de borrachas; Geração de lixo ambulatorial / hospitalar; Geração de lixo doméstico / escritório; Geração de resíduos de tratamento superficial de materiais (ex.:borras de tinta, solventes usados); Geração de resíduos com asbestos; Geração de baterias / pilhas usadas; Geração de entulhos da construção civil; Geração de resíduos florestais (podas e desmatamento); Geração de resíduos químicos (ex.:

Resíduos Sólidos (RS)

Alteração na qualidade do solo

mercúrio, reagentes); Geração de outros resíduos - Especificar

Derramamento de produtos perigosos Derramamento de tanques com produtos perigosos Vazamentos de gases ( tóxicos, inflamáveis,explosivos )

ACIDENTE AMBIENTAL (AA)

Alteração na qualidade do ar; Alteração na qualidade do solo; Alteração na qualidade da água

Uso de água Uso de energia elétrica Consumo de combustíveis

Recursos Naturais (RN)

Redução dos recursos Naturais

2.2 Abrangência

Feito o inventário de tarefas, para cada um dos passos identificados deve ser indicado a abrangência local de exposição ao impacto ou o número de pessoas expostas ao perigo. A tabela abaixo indica o fator multiplicador usado de acordo com o número de pessoas expostas ao perigo ou abrangência de exposição local em relação ao impacto.

ABRANGÊNCIA

Nº DE PESSOAS

ABRANGÊNCIA LOCAL DE EXPOSIÇÃO AO IMPACTO

FATOR MULTIPLICADOR DO NPR

 

(A)

EXPOSTAS AO PERIGO

N

= 1

1

Local

1

N

= 5

1 - 5

Outras áreas dentro da fábrica

1,3

N

=10

> 5

Áreas externas

1,5

2.3 Temporariedade

A temporariedade do Impacto / Dano deve ser descrita, descrevendo se ocorreu no passado, se ainda ocorre ou se tem potencial de ocorrer no futuro.

2.4

Severidade do Impacto / Dano

Se o dano / impacto acontecer, qual a severidade (gravidade) do efeito que irá provocar a saúde do trabalhador ou ao Meio ambiente. Este índice será pontuado conforme tabela abaixo:

Severidade do Dano / Impacto - SEV

Índice

Sem alterações no meio ambiente/ materiais. Sem dano (lesão corporal ou perturbação funcional). Não severo

1

Gera um efeito não conforme com a política ambiental/ Dano (lesão corporal ou perturbação funcional) sem afastamento. Pouco severo

4

Não conforme com os requisitos legais e normativos. Gera dano (lesão corporal ou perturbação funcional) com afastamento temporário. Severo

7

Provoca sérias alterações ao meio ambiente/ Dano (lesão corporal ou perturbação funcional) permanente ou morte. Muito severo

10

2.5 Causa Potencial

As causas potencias de cada Dano / Impacto deve ser indicada com seu respectivo fator (Humano ou Condições Ambientais). Fator Humano está relacionado ao trabalhador ou executante da tarefa. Condição Ambiental está relacionada ao local de trabalho ou equipamento onde a tarefa é realizada.

2.6 Ocorrência

Este índice deve ser avaliado levando em consideração a freqüência de ocorrência do cenário como um todo. A Ocorrência avalia a periodicidade em que o Dano / Impacto ocorre, devido à causa citada, durante a realização da tarefa analisada.

Ocorrência - OCR

Índice

IMPACTO/ DANO

PERIODICIDADE

 

É altamente improvável que ocorra. Remota.

Ocorre com periodicidade maior que um ano.

1

Probabilidade baixa. Ocorre em casos isolados. Baixa.

Ocorre em períodos maiores que um mês e menor que um ano. Baixa

4

Ocorre com regularidade. Alta.

Ocorre maior que um dia e menor que um mês. Alta

7

Ocorre durante as condições operacionais normais. Muito alta.

10

2.7 Controles Existentes

Os controles existentes são determinados através das medidas mitigadoras previstas no gerenciamento da

rotina, que visa assegurar não ocorrência ou ocorrência em níveis aceitáveis dos impactos/ danos associados aos modos de falha. Podem ser determinados através de procedimentos, controles operacionais, monitoramentos, treinamentos, etc. Os controles devem ser estabelecidos seguindo a seguinte hierarquia:

a) Eliminação;

b) Substituição;

c) Controles de engenharia;

d) Sinalização, avisos e controles administrativos;

e) EPI’s – equipamentos de proteção individual;

2.8

Detecção

Este índice está interligado ao controle existente no aspecto ambiental/ perigo, e que possibilita identificar a causa ou modo de falha do Dano / Impacto ambiental, prevenindo sua ocorrência.

 

Detecção - DET

Índice

O

controle existente irá detectar o dano / impacto antes de sua

1

ocorrência. Muito provável detecção

O

controle existente irá detectar o dano / impacto logo após a sua

4

ocorrência. Provável detecção

O

controle existente detectará o dano / impacto após sua ocorrência,

7

investigação. Pouco provável detecção

O

dano / impacto não será identificado em nenhum período. Muito

10

improvável detecção

2.9 Número da Prioridade de Referência (NPR) e Classificação da significância

É obtido através da multiplicação dos valores estimados para cada um dos índices: Severidade, Ocorrência, Detecção e Abrangência, fornecendo uma escala de impacto ambiental ou de dano hierarquizada, segundo a metodologia FMEA, conforme Tabela de avaliação de NPR´s (ANEXO 2). NPR total= Severidade x Ocorrência x Detecção x Abrangência (fator multiplicador). Após a obtenção do NPR (Número de Prioridade de Referência), será identificada a significância do impacto/ dano e respectivas ações necessárias.

SIGNIFICÂNCIA DO IMPACTO/ DANO

AÇÕES NECESSÁRIAS PARA REDUÇÃO DE NPR´s

ACEITÁVEL

Manter controles atuais

MODERADO

Melhoria dos controles atuais

SUBSTANCIAL

Implementação de novos métodos de controle.

INTOLERÁVEL

Intervir no processo e corrigir o problema identificado

2.10 Determinação dos documentos de referência e Legislações aplicáveis

Relacionar procedimentos, requisitos legais ou qualquer outro documento que descrevam ou que tenham alguma relação com a tarefa mesmo que este não contemple qualquer forma de controle do aspecto/perigo ou de mitigação do dano / impacto em análise. Todos os requisitos legais ou normativos relacionados ao aspecto/ perigo ou impacto/ dano deve ser identificado.

3. RECOMENDAÇÕES PARA REDUÇÃO DO RISCO

3.1 Classificação da Criticidade de emergência dos Danos / Impactos

S

- SIM

Sinaliza a existência de cenário no PAE.

N

– NÃO

Não necessária a existência de cenário no PAE.

O foco do controle dos Danos / Impactos significativos é a prevenção, porém a Rexam dispõe de planos de emergência e evacuação, bem como o fornecimento de equipamentos para emergências, conforme os Perigos / Aspectos da organização.

3.2 Ações Recomendadas

São as ações necessárias para reduzir a ocorrência da causa ou modo de falha, ou para melhorar o nível de detecção existente no processo. Será obrigatória ações imediatas para NPR´s intoleráveis e elaboração de plano de ação para substanciais. Recomenda-se uma avaliação das conseqüências dos aspectos/ perigos com NPR´s moderados, e quando necessário prever recursos para implementação de melhorias. Não se faz necessária ação para NPR´s aceitáveis. Para cada ação recomendada deve-se indicar o responsável pelo sua implantação e data prevista para conclusão. Quando aplicável são definidos objetivos e metas para cada item danos/impactos moderados e substanciais. A decisão de se incluir danos/impactos moderados e substanciais nos objetivos e metas depende de vários fatores:

estratégia da empresa, requisitos legais, budget aprovado e outras, necessitando monitoramento das ações, prazos e responsáveis. Independente do grau da significância do dano obtido, todos os itens aos quais são aplicáveis requisitos legais são controlados operacionalmente, monitorados e medidos.

4. REVISÃO DO RISCO APÓS IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES

Sempre que houverem ações concluídas deve-se reclassificar o NPR da atividade e sua significância.

5. ATUALIZAÇÃO DO LEVANTAMENTO

Anualmente, após a conclusão de novos projetos, alterações no processo, instalações de maquinários, ocorrências de acidentes entre outros aspectos, o RD deverá acionar os coordenadores de gestão ambiental e de saúde e segurança que, em conjunto com uma equipe multidisciplinar e outros conforme necessário, conduzirão a revisão do Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais/ Perigos e danos.

Nota 1: As atividades dos terceiros fixos deverão ser contempladas nos Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais/ Perigos e danos.

Nota 2: O levantamento de Perigos / Aspectos decorrentes de serviços de terceiros temporários ou considerados trabalhos especiais são tratados e comunicados nas reuniões de pré-trabalho e na sistemática de Permissão para Trabalhos (PT’s) e Análise Preliminar de Riscos (APR).

Anexo1

Anexo1

ANEXO 2

ANEXO 2
ELABORAÇÃO APROVAÇÃO Técnico de EHS Supervisor de EHS

ELABORAÇÃO

APROVAÇÃO

Técnico de EHS

Supervisor de EHS