Вы находитесь на странице: 1из 27
Compreender a Estrutura e Dinâmica da Geosfera

Compreender a Estrutura e Dinâmica

da Geosfera

Compreender a Estrutura e Dinâmica da Geosfera

2

Estudar e compreender a Os Açores são um local privilegiado para o estudo do interior
Estudar e compreender a
Os Açores são um local
privilegiado para o
estudo do interior da
Açores – porquê um
laboratório de
Geologia dos Açores contribui,
juntamente com outras
investigações realizadas noutros
pontos do mundo, para um
melhor conhecimento do interior
Terra
do nosso planeta
Métodos para o
Geociências?
estudo do interior
Estrutura Interna da
Geosfera
da Geosfera
do interior Estrutura Interna da Geosfera da Geosfera A natureza vulcânica da maior parte do arquipélago
do interior Estrutura Interna da Geosfera da Geosfera A natureza vulcânica da maior parte do arquipélago

A natureza vulcânica da maior parte do arquipélago açoriano e a

possibilidade de ocorrência de

erupções vulcânicas no seu território tornam-no um excelente laboratório

geológico

Vulcanologia

O arquipélago dos Açores é uma região afectada por frequentes crises sísmicas

resultantes do seu enquadramento

tectónico, o que implica a necessidade de prevenção e protecção permanentes

Sismologia

Métodos para o estudo do interior da

Geosfera

3

Métodos para o estudo do interior da Geosfera 3 Baseiam-se na recolha e análise de elementos

Baseiam-se na recolha e análise de elementos e no seu estudo directo

Estudo dos materiais que

afloram

Sondagens e escavações

Estudo dos materiais

expelidos pelos vulcões

Biologia e Geologia 10º

?
?
expelidos pelos vulcões Biologia e Geologia 10º ? Os dados obtidos são essencialmente de natureza geofísica

Os dados obtidos são

essencialmente de natureza geofísica e fornecem a

maioria das informações

referente ao interior da Terra

Geotermia

Geomagnetismo

Gravimetria

Densidade

Sismologia

Planetologia e

Astrogeologia

Geofísica

Métodos Directos Biologia e Geologia 10º

Métodos Directos

5

Exploração de Afloramentos

Permite o conhecimento mais ou menos completo das rochas e outros

materiais que afloram (expostos pela meteorização e erosão das rochas)

ou que é possível ver em cortes de estradas, de túneis, etc.

Este estudo pode ser complementado em laboratório.

 Este estudo pode ser complementado em laboratório.  Restringe-se a uma parte muito superficial da
 Este estudo pode ser complementado em laboratório.  Restringe-se a uma parte muito superficial da

Restringe-se a uma

parte muito

superficial da crosta terrestre.

Exploração de Afloramentos

6

Os movimentos tectónicos

contribuem para o conhecimento

de rochas às quais não poderíamos chegar

Nos limites convergentes de placas,

as forças de compressão, actuando durante dezenas de milhões de anos, são capazes de criar

deformações da litosfera tão

intensas, que vestígios de um fundo oceânico e rochas formadas em profundidade podem surgir no alto

de uma montanha, a milhares de

metros de altitude.

formadas em profundidade podem surgir no alto de uma montanha, a milhares de metros de altitude.

Sondagens e Escavações

7

As Sondagens são perfurações envolvendo

equipamento apropriado que permitem retirar

colunas de rochas, os tarolos ou testemunhos de sondagens ou carotes; (até 12km nos continentes; até 2 Km nos oceanos)

A mineração (escavações em minas) tem como objectivo a extracção de substâncias minerais a partir de depósitos minerais, que são usados

como matéria prima de muitas indústrias (até 4

KM);

como matéria prima de muitas indústrias (até 4 KM); Máquina de perfuração Máquina de escavação em

Máquina de perfuração

de muitas indústrias (até 4 KM); Máquina de perfuração Máquina de escavação em minas Biologia e

Máquina de escavação em minas

Sondagens e Escavações

8

Plataforma de perfuração
Plataforma de perfuração

Biologia e Geologia 10º

8 Plataforma de perfuração Biologia e Geologia 10º Tarolo, carote ou testemunho de sondagem Trabalhadores a
8 Plataforma de perfuração Biologia e Geologia 10º Tarolo, carote ou testemunho de sondagem Trabalhadores a

Tarolo, carote ou testemunho de sondagem

Trabalhadores a encaixar broca de perfuração

de sondagem Trabalhadores a encaixar broca de perfuração Brocas de perfuração  Permitem conhecer as rochas
de sondagem Trabalhadores a encaixar broca de perfuração Brocas de perfuração  Permitem conhecer as rochas

Brocas de perfuração

Permitem conhecer as rochas que constituem a crusta, temperatura a que se encontram, presença de fósseis, presença de águas mineralizadas, etc.

9

Sondagens e Escavações

Navio de investigação japonês Chikyu, pretende realizar, entre outras, uma

sondagem ultra-profunda no oceano pacífico. Objectivos recolher amostras do manto e estudar a zona sismogénica no limite entre as placas tectónicas

a zona sismogénica no limite entre as placas tectónicas O programa de perfuração integrado do Oceano

O programa de perfuração integrado do Oceano (Integrated Ocean Drilling Program-IODP) é um programa de pesquisa marinho internacional dedicado à compreensão científica da Terra.

Sustentado por um consórcio europeu composto por 17 países e da República Popular da China.

10

Sondagens e Escavações

Problemas das sondagens:

a nível económico: são muito dispendiosas;

a nível técnico: as elevadas pressões e temperaturas do interior da Terra põem em causa a integridade dos equipamentos de perfuração.

Problemas das escavações:

quando se fazem escavações em minas subterrâneas, os mineiros deparam-se com problemas de temperatura e

ventilação;

Vulcanismo

11

Sempre que um vulcão entra em

actividade, lança para o exterior

materiais que se encontram no interior da Terra, oriundos de profundidades entre os 100 e os 200 Km.

A análise desses materiais (lavas, cinzas, gases) permite-nos conhecer a composição da parte superior da

litosfera terrestre.

cinzas, gases) permite-nos conhecer a composição da parte superior da litosfera terrestre. Biologia e Geologia 10º

Vulcanismo

12

Um vulcão não nos fornece apenas a sua lava como fonte de estudo, mas

fornece-nos, também, fragmentos da chaminé e da câmara magmática - os

xenólitos.

estudo, mas fornece-nos, também, fragmentos da chaminé e da câmara magmática - os xenólitos. Biologia e
Métodos Indirectos Biologia e Geologia 10º

Métodos Indirectos

14

Geotermia

Estudo da formação e desenvolvimento

da energia interna da Terra;

Admite-se que a temperatura, no interior da Terra, aumenta com a profundidade;

Gradiente Geotérmico corresponde à variação da temperatura com a profundidade; é expresso em ºC/Km;

Grau Geotérmico corresponde à

profundidade (m) que é preciso descer

para que a temperatura aumente 1ºC; é expresso em m/ºC;

profundidade (m) que é preciso descer para que a temperatura aumente 1ºC; é expresso em m/ºC;

15

Geotermia

O calor interno da Terra é o motor da actividade do nosso planeta e vai-se libertando continuamente à superfície;

Fluxo Térmico é a transferência do

calor interno da Terra do interior para o exterior;

Zonas quentes - o fluxo geotérmico

é maior - zonas tectonicamente

activas;

Zonas frias - o fluxo geotérmico é menor - zonas tectonicamente

estáveis;

activas;  Zonas frias - o fluxo geotérmico é menor - zonas tectonicamente estáveis; Biologia e

Geotermia

16

Geotermia 16  Zonas quentes: Reduzido grau geotérmico – é preciso aprofundar menos Km para que

Zonas quentes:

Reduzido grau geotérmico é preciso

aprofundar menos Km para que a T

aumente 1ºC

Maior gradiente geotérmico a T aumenta muito por cada Km de

profundidade

Zonas frias:

Elevado grau geotérmico é preciso

aprofundar mais Km para que a T

aumente 1ºC

Menor gradiente geotérmico a T aumenta pouco por cada Km de

profundidade

17

Geomagnetismo

A Terra tem um campo magnético

natural campo de forças magnéticas

que envolve a Terra;

Qualquer objecto magnético livre orienta-se segundo a direcção dos pólos

magnéticos N-S;

Magnetosfera corresponde à região em torno da Terra ocupada pelo seu campo magnético;

Magnetosfera protege o planeta de

radiações ionizantes e dos ventos solares que transportam partículas carregadas electricamente;

ionizantes e dos ventos solares que transportam partículas carregadas electricamente; Biologia e Geologia 10º

Geomagnetismo

18

Origem do campo magnético:

núcleo externo encontra-se em fusão e as altas temperaturas geram um movimento de rotação; o movimento do ferro líquido é responsável por criar uma corrente eléctrica que, por sua vez, estará na origem do campo magnético.

por criar uma corrente eléctrica que, por sua vez, estará na origem do campo magnético. Biologia

19

Geomagnetismo

O campo magnético terrestre encontra-se

registado nas rochas;

Certas rochas, como o basalto, são ricas em minerais ferromagnéticos, como a magnetite (óxido de ferro);

Durante o arrefecimento do magma, quando

a temperatura desce abaixo do ponto de

Curie, os átomos de ferro da magnetite orientam-se paralelamente ao campo magnético terrestre;

Assim, a magnetite passa a registar

permanentemente a polaridade do campo

magnético terrestre presente no momento da sua formação;

Ponto de Curie temperatura acima da qual as substâncias perdem as suas propriedades

magnéticas, devido ao desarranjo na

disposição das partículas;

perdem as suas propriedades magnéticas, devido ao desarranjo na disposição das partículas; Biologia e Geologia 10º

Geomagnetismo

20

As rochas sedimentares também podem registar o campo magnético

terrestres, pois os minerais que as

formam podem possuir propriedades magnéticas e,

aquando da deposição, orientar-se

de acordo com o campo magnético

terrestre.

magnéticas e, aquando da deposição, orientar-se de acordo com o campo magnético terrestre. Biologia e Geologia

Geomagnetismo

21

Geomagnetismo 21  O estudo das propriedades magnéticas dos minerais, paleomagnetismo , permitiu verificar que o

O estudo das propriedades magnéticas

dos minerais, paleomagnetismo, permitiu

verificar que o campo magnético terrestre sofreu inversões de polaridade;

Polaridade Normal o pólo Norte

magnético corresponde ao pólo Norte

geográfico;

Polaridade Inversa o pólo Norte magnético corresponde ao pólo Sul

geográfico;

Actualmente, a polaridade é normal e os pólos magnéticos encontram-se ligeiramente desfasados dos pólos

geográficos;

Geomagnetismo

22

Percorrendo os fundos oceânicos com um magnetómetro para um e para outro lado do rifte,

verifica-se uma alternância entre rochas com polaridade

normal, anomalia positiva, e outras rochas com polaridade inversa, anomalia negativa.

As anomalias positivas verificam-se nas zonas em que

a

crusta tem polaridade idêntica à do campo magnético

atual, pois nessas zonas é registado o somatório de 2

campos magnéticos, o da Terra nesse momento e o “fossilizado” nas rochas.

As anomalias negativas verificam-se em zonas em que

a

polaridade é inversa.

Ao formarem-se a partir do rifte central, as rochas registam o campo magnético terrestre presente no momento.

A

detecção de um padrão semelhante nas anomalias

magnéticas nos dois lados do rifte comprova a

existência de um mecanismo de expansão dos fundos

oceânicos.

dois lados do rifte comprova a existência de um mecanismo de expansão dos fundos oceânicos. Biologia

23

Gravimetria

Ciência que mede a aceleração da gravidade entre a Terra e uma determinada massa, em diferentes locais da sua superfície;

Gravidade capacidade que um corpo tem de atrair outro devido à sua massa,

isto é:

a gravidade é a aceleração que um corpo produz noutro se este se puder mover livremente;

um corpo produz noutro se este se puder mover livremente;  A gravidade da Terra faz

A gravidade da Terra faz com que todos os corpos na sua proximidade se precipitem em direcção a ela em queda

livre!

A distensão
A distensão
precipitem em direcção a ela em queda livre! A distensão da mola varia segundo a gravidade

da mola varia segundo a gravidade aumenta ou diminui

Gravímetro

Gravimetria

24

Aceleração da gravidade na superfície terrestre

g = 9,81m/s 2

g = G M r 2
g = G M
r 2

Sabendo que

M = 4/3 π r 3 d

a aceleração da gravidade depende do raio terrestre (inversamente proporcional);

Terra é achatada nos pólos raio equatorial é 21 Km maior que o raio polar;

Superfície da terra é irregular cadeias montanhosas,

regiões planas, fundos oceânicos e fossas oceânicas;

g = 4 / 3 G π r d
g = 4 / 3 G π r d

a aceleração da gravidade depende da densidade dos materiais que constituem o interior da Terra;

Mesmo considerando um valor constante para o raio terrestre

(valor médio do raio da Terra), a aceleração da gravidade

não é igual em toda a superfície terreste

25

Gravimetria

Anomalias gravimétricas: variação da aceleração da gravidade num dado

local relativamente ao esperado (0, ao nível médio das águas do mar)

Anomalias gravimétricas negativas:

a variação da aceleração da gravidade

num dado local é inferior a 0.

Anomalias gravimétricas positivas: a

variação da aceleração da gravidade

num dado local é superior a 0.

da gravidade num dado local é superior a 0 . Biologia e Geologia 10º A força

Biologia e Geologia 10º

A força da gravidade é menor em zonas onde existem rochas menos densas

A força da gravidade é maior em zonas onde existem rochas mais densas

26

Gravimetria

Ao nível das cadeias montanhosas, não se verificam anomalias gravimétricas

positivas, uma vez que se admite, que por baixo da montanha visível, existe uma raiz

dessa montanha formada por rochas pouco densas. Essas raízes são muito maiores que a zona saliente e mergulham no manto mais denso.

Há, contudo, anomalias negativas em cadeias montanhosas com raízes muito profundas, devido à quantidade de material pouco denso que fica a ocupar o material mais denso do manto.

denso que fica a ocupar o material mais denso do manto. De um modo geral, as
De um modo geral, as anomalias gravimétricas são:
De um modo geral, as anomalias gravimétricas são:

POSITIVAS NOS OCEANOS e,

NEGATIVAS NOS CONTINENTES

Densidade

Densidade: massa / volume (g/cm 3 )

Gradiente Geobárico: variação da pressão litostática com a profundidade.

variação da pressão litostática com a profundidade. Com o aumento da profundidade, aumenta a pressão

Com o aumento da profundidade, aumenta a

pressão litostática a que as rochas estão sujeitas

a pressão litostática a que as rochas estão sujeitas As rochas são comprimidas Com a profundidade,

As rochas são comprimidas

a que as rochas estão sujeitas As rochas são comprimidas Com a profundidade, as rochas tornam-se

Com a profundidade, as rochas tornam-se mais densas por redução do seu volume