Вы находитесь на странице: 1из 11

A INVASÃO VERTICAL DOS BÁRBAROS - de Mário Ferreira dos Santos

"A INVASÃO VERTICAL DOS BÁRBAROS" (RESUMO)

Resumo do livro "A Invasão Vertical dos Bárbaros", de Mário Ferreira dos Santos, originalmente publicado em Maio de 1967, inaugurando a colecção “Uma Nova Consciência”, pela Editora Matese, SP.

RESUMO A INVASÃO VERTICAL DOS BÁRBAROS de Mário Ferreira dos Santos por Mauro Ventura Alves (adaptação para português de Portugal por Orlando Braga) ÍNDICE I - Esquema-resumo de cada capítulo II - Resumo da linha de argumentação do livro

I – ESQUEMA-RESUMO

PREFÁCIO

Bárbaros – povos não civilizados; entre os gregos, todos os estrangeiros que não falassem o grego ou o latim; entre os romanos, todos os que não se encontravam sob seu domínio. Horizontal – Invasão por meio territorial Vertical – Invasão por meio cultural

A civilização ainda não actualizou toda a capacidade de realização do actual ciclo cultural. No

entanto, o carácter entrópico dos elementos corruptores deste ciclo é o que prevalece em nossos dias.

Devido ao viés contingente da cultura, não é possível aos seus rumos encarar de forma determinista ou absoluta. Por este motivo, é preciso entender as inteligências que, aproveitando-

se do barbarismo, minam os alicerces da cultura.

1ª PARTE

INVASÃO VERTICAL DOS BÁRBAROS NA SENSIBILIDADE E NA AFECTIVIDADE

- Cosmovisão da cultura ocidental cristã

a) O universo é criatura, inclusive o homem;

b) Os povos irmanizam-se pela mesma fé, e todos são iguais perante Deus;

c) A divindade é providencial; ou seja, providência (tem uma vidência pro, vê, dispõe com antecedência o que pode acontecer, o possível histórico);

e) Contudo, pode salvar-se, graças a um mediador (Cristo), e pela livre escolha da salvação, ou por

uma graça divina (gratuita ou não);

f) A paz reinará quando a boa vontade dominar entre os homens, a vontade sadia, liberta dos

vícios, que a condenam ao erro.

- Elementos da invasão vertical bárbara

Valorização de tudo quanto em nós afirme a animalidade: tentativa de desmerecer a inteligência nos seus aspectos mais elevados. Uso de processos requintados de propaganda subliminal, para influir no subconsciente humano, colocando os mais elevados padrões da inteligência sob um escudo malicioso de desconfiança e calúnia.

Procedimentos:

a) Exaltação da força

b) Supervalorização da força

c) Valorização acentuada da agilidade e da capacidade meramente física

d) Valorização exagerada do corpo em detrimento da mente

Lutadores, homens de grande força e resistência, que batem recordes e de grande habilidade física, são tidos como o máximo da natureza humana, valorizados desproporcionalmente e tidos como exemplos pela juventude.

e) Valorização do visual sobre o auditivo

Apesar do sentido auditivo se sobrepor em importância cognitiva, é a visão que é privilegiada por

necessitar de menor nível de atenção. Por isso a valorização dos média visuais em detrimento da leitura que é mais auditiva, que a maioria dos média privilegiam actualmente. Não é bárbaro utilizar-se da visão, mas sim privilegiá-la em função do embotamento da audição.

f) Acentuada supervalorização romântica da intuição, da sensibilidade e da sem-razão Valorização da sensibilidade sobre a intelectualidade. Equívoco de atribuir à razão apenas a função rotuladora enquanto a sensibilidade é criadora. Bem como o engano de considerar a arte como superior ao pensamento especulativo. Nesta visão distorcida da realidade, a sem-razão supera os esquemas mecânicos e geométricos da racionalidade, e é muito mais rica de intuições e de descobertas que aquela.

g) A superioridade da força sobre o Direito

A força de quem ocupa o Poder detém privilégio sobre o Direito. A lei tem um valor secundário. É apenas a vontade do legislador que ela expressa, e não é mais uma manifestação do direito natural nem da justiça.

h) A propaganda desenfreada e tendenciosa

Predomínio da propagação do inferior e do primitivo, do crime violento. Exaltação do criminoso habilidoso, do corrupto sagaz, do fraudulento intelectual. Ridicularização e diminuição do honesto

e escrupuloso e a ingenuidade é tida como causa indesculpável do de um crime.

i) A valorização da memória mecânica

Valoriza-se a memória mecânica, mesmo que desprovida de um intelecto culto ou mesmo pertencente a um débil mental. A memória culta não é mecânica; é a eidética, é a das ideias. Mas esta é tida como uma afronta, uma exibição sem justificação.

j) Valorização da horda, do tribalismo

O renascer do tribalismo é um dos sinais mais evidentes do desenvolvimento bárbaro. A tribo, por suas condições, exige uma coerência mais afectiva e emocional do que racional. Uma ofensa a um membro é como uma ofensa a toda a tribo. O membro da corporação A, que ofendeu o membro da corporação B, ofendeu a honra tribal desta. E não faltarão aqueles da corporação B, que resolvam vingar-se violentamente sobre alguns da corporação A. Essa é uma das manifestações bárbaras mais inferiores que se conhece, e a sua presença, na sociedade, segundo o grau que apresenta, indica o grau de barbarismo que a domina.

l) A exploração sobre a sensualidade

Exploração sem freios da sensualidade, que conta com a concupiscência do homem para obter o seu lugar privilegiado através de costumes introduzidos e de uma publicidade sem limites morais cujo índice de progresso supera todos os índices de qualquer aspecto positivo, seja por meio de revistas, jornais, rádios, televisões, no cinema e no teatro. Consequência desta escalada da sensualidade: a própria sensibilidade humana.

m) A disseminação do mau-gosto Sem a preocupação da busca de conhecimento, cultura, distinção de aspectos e aptidão em separar o que é realmente valioso do que não é, resta o apelo ao gosto vulgar e a depreciação e caracterização de tudo o que é de de valor elevado, de feição delicada e de modos cultos. Exploram-se o temas mórbidos no teatro, televisão e literatura. Com a disseminação deste mau- gosto, incentiva-se cada vez mais a produção de produtos que satisfaçam esta demanda de um público de gosto cada vez mais embotado.

n) Os credos primitivos

Volta a um primitivismo romantizado revelador de uma infantilização do homem moderno e de sua dificuldade em adquirir maturidade existencial. Acarretando a exaltação e culto de religiões dos ciclos culturais inferiores, o retorno aos modos primários de concepção da divindade, a prática de rituais primitivos com o apoio e condescendência de multidões e até de pessoas

julgadas cultas. Este fenómeno não é exclusivo de cultos menos expressivos e, na verdade, vem a contaminar comunidades cristãs e o próprio catolicismo, fazendo este alinhar-se até mesmo com doutrinas de pensamento anti-religiosas como o comunismo.

o) A acentuação da repetição à custa da criação

Em nossa actual sociedade são praticados, como nas sociedades primitivas, a perenização de modos de vida, desde as técnicas a esquematização cultural. No entanto, essas características têm uma função clara de sobrevivência na sociedade primitiva, servem como um elemento de

sustentação do modo e meio de vida. Já na nossa sociedade, esta condição é embotadora de todo o potencial criador e renovador de nossa cultura, refreando – e até mesmo paralisando – o desenvolvimento natural de actualização de nossas possibilidades superiores. Uma cultura,

enquanto criadora, é uma cultura viva, em ascensão; porém quando a cultura deixa de criar, petrifica-se. Esse estancamento do potencial criativo é o terreno fértil para a invasão bárbara vertical. Um dos sinais mais típicos da barbarização, está no crescente desenvolvimento da repetição, como acontece nos ritmos padronizados nos diversos estilos de música, nos temas e enredos dos programas televisivos, nos abstractismos de várias vertentes das artes. Desta forma o imitativo substitui o criador.

p) A Razão e o Caos

Falsa afirmação que a Razão nos leva ao Caos.

q) A valorização do inferior

Inversão de valores estabelecendo os de mais alto vulto ao mesmo nível dos mais vis. Os baixos

valores – através de práticas que acentuam as formas viciosas, as acções criminosas e a baixa literatura – são, então, travestidos de roupagem culta.

r) A influência do negativo

Recusa à positividade e ao construtivo. Nega-se o valor real para exalçar-se o desvalor transvertido de roupagens que não as suas. A invasão vertical dos bárbaros, ao lado da acção corruptora dos que desejam destruir nosso ciclo cultural, actuam terrivelmente, quase sem peias. Mas elas levam dentro de si também as suas posições, prontas a irromperem exigentes, e nós ainda dispomos de inesgotáveis recursos para a resistência e para a recuperação do terreno perdido. À acção negativista é preciso contrapor a acção positiva.

s)

Exploração viciosa do desporto

O

desvirtuamento dos fundamentos e finalidades do desporto. Como resultado, actualizam-se

práticas degradantes objectivando fins financeiros e comerciais, também travestido-as com os

mais altos valores e conceitos.

t) Acusações ao Cristianismo

Permitidas pela desídia dos cristãos que usam a religião para esconder seu egoísmo; pela traição

de outros que mal o defendem (por vezes mal intencionados) para acobertarem seus erros e defeitos; e pelo equívoco apologético cristão de apelo aos sentimentos em detrimento da razão. A

escolástica encarrega-se dessa função, mas sua sofisticação e grandiosidade a impede de alcançar

as

multidões.

u)

Os blasfemadores

Torna-se comum o despudor e o desrespeito em relação às crenças. O bárbaro blasfema contra os deuses de seus rivais, profanam templos e desrespeitam a dignidade humana através de sacrilégios, revelando a baixeza da alma de quem os pratica.

v) O problema ético

A ética culta e civilizada é fundamentada na moderação, no equilíbrio entre os excessos

contrários, na manutenção de um meio termo justo e bom. Mesmo uma virtude, tomada em excesso, pode se desdobrar em vício. Este engenho exige uma demanda de coragem, prudência e ânimo forte para enfrentar os riscos exigidos pela prática do bem e manter os seus actos na dose certa. O bárbaro, ao contrário do homem culto, tomado pelo excesso da coragem recai em temeridade; pelo excesso de prudência tornando-se ardiloso; ao desviar-se da justiça, torna-se

cruel e inclemente; e, ao não atentar à necessidade de moderação, se encoleriza e converte-se em destrutivo.

x)

O sectarismo e o exclusivismo

O

sectarismo pode ser constatado, por exemplo, em grupos que se fecham em torno de uma

opinião, doutrina ou crença, e não admitem a participação de outros grupos, mesmo semelhantes, não tolerando debate ou diálogo amigável aos seus opositores. Este tipo de grupo caracteriza uma seita, que contém em si os mesmos defeitos do tribalismo, constituindo-se um tribalismo nas

ideias. Este tipo de barbarismo, de carácter sectário, é presente deste os tempos mais remotos das civilizações, e é muito provável que continue existindo indefinidamente, em maior ou menor grau.

O exclusivismo é o passo seguinte, pois os membros de uma seita se considerarem os “donos da

verdade”, não admitem e até desprezam a verdade de outrem. Mesmo que, em geral, não consigam demonstrar apodicticamente suas convicções e crenças, seja através de uma filosofia especulativa ou prática.

z) A valorização do criminoso

Visão dúplice do criminoso: prejudica ou não a tribo, sendo punido na sua maioria apenas no primeiro caso. A lesão em si torna-se elemento secundário, assim como o objecto da lesão; em primeiro plano: o criminoso. Esse protagonismo coloca-o em posição de não ser responsável pelos seus actos e, muitas vezes, sendo considerado como um doente mental. Desta forma, o criminoso passa a ser foco de um olhar benevolente que transcende os limites justos, transformando-o de responsável em vítima, num ciclo demagógico que estimula a sua multiplicação. Aqui podemos constatar o problema ético manifestado no exagero da benevolência, o que recai em barbarismo.

2ª PARTE

O BARBARISMO E A INTELECTUALIDADE Pseudomorfoses (pseudos = falsos e morphósis = formas) Formações aparentemente cultas e civilizadas porém de causa eficiente, material e final bárbara.

Manifestações de pseudomorfoses:

a)

Desvalorização da Inteligência

O

excesso em considerar as possibilidades da nossa inteligência, sem considerar os limites que

lhe são opostos, levaram a muitos à posição contrária, que consiste em negar essas possibilidades, e reduzir a nossa inteligência às condições meramente materiais corpóreas, seja

ela pela fisiologia (behaviourismo e reflexologismo) ou pela mecânica dos sentidos (sensualistas,

et cetera). Essa concepção da filosofia decorre do julgamento de que para realizar-se alguma coisa

de notável na filosofia, basta apenas deixar o pensamento divagar apoiando-se em argumentos, sem a preocupação de demonstração apodíctica. E, é justamente a Aporética, que nos faz seguir

as linhas mestras dos gregos. Nos dias de hoje, estamos em plena aporia, imersos no maior caos

aporético que conhecemos, à semelhança do que ocorreu na Grécia, nos séculos finais da decadência. A desvalorização da inteligência e a dúvida excessiva que lhe emprestam, tem levado os intelectuais modernos a tenderem para a mecanização do saber, para o protocolário, para o cibernético etc., com graves prejuízos para o melhor desenvolvimento da capacidade intelectual

do homem.

b) A Desvalorização da Vontade

A intelectualidade actualiza a filosofia especulativa e a vontade, da mesma forma, a ciência

prática. Essa vontade, no homem, não é um mero apetite animal, pois é uma vontade derivada de uma oréxis (acção de tender para algo) já intelectualizada. A vontade é uma deliberação intelectual e não um impulso cego. O bárbaro não compreende assim, porque a sua vontade ainda não se desabrochou a ponto de alcançar a liberdade. Para o bárbaro, liberdade é apenas a isenção de

vínculos, e não a capacidade de escolher entre futuros contingentes, capacidade que cabe à vontade assistida pelo intelecto.

c) Ridicularização do inteligente

Observa-se, na actualidade, uma caricaturização do sábio, do mesmo modo que os senhores da nobreza, outrora, caricaturavam o homem de negócios, o mercador, o banqueiro ou o industrial

de

origem plebeia.

d)

Barbarização da Ciência e da Técnica

O

sábio, desvinculado das filosofias seriamente construídas, desliga-se da universalidade e,

entregue à sua especialidade, passa a ver tudo segundo a estreita visão que esta última lhe permite, erguendo-se portanto à fronteira do barbarismo. E, em consequência disto, vemo-nos diante de uma grande ameaça sem precedentes na nossa História: homens de ciência, sem o devido domínio sobre a própria especialidade, com acesso a toda a sofisticada tecnologia disponível e ocupando postos que lhes conferem a autoridade de sábios.

d) A luta contra a universalização do conhecimento

Enquanto permanecem os cientistas e técnicos apenas na especialidade, estes continuarão sendo apenas servidores dos senhores do kratos (poder) político. No entanto a possibilidade de que estes últimos se unam aos primeiros para dividirem o poder entre si e adquiram, por consequência, um poder ainda maior sobre as massas, é um perigo real e iminente. As ideias científicas, mesmo não-verdadeiras, tornam-se ideias socialmente válidas e, como o vulgo (e mesmo os cientistas especializados) não detêm o conhecimento e capacidade crítica para aferir sua veracidade, torna-se ainda mais vulnerável às intenções dos cesariocratas. Sendo assim, a universalização do conhecimento, passa a ser uma ameaça a esta casta e a valorização desenfreada da especialização é a melhor forma dela combater esta ameaça ao seu poder irrestrito.

e) A valorização do especialismo

Argumento (1): “com o avanço da ciência, torna-se impossível conhecer tudo a respeito de uma delas, portanto julga-se inevitável a especialização em uma de suas inúmeras divisões”.

Argumento improcedente, já que confunde o conhecimento de tudo com o conhecimento da essência. Por exemplo, na astronomia, é impossível conhecer cada objecto passível de investigação, o que não impede que se conheça a Cosmologia científica, a Cosmologia Especulativa e a Ontologia, que o permita investigar, com autoridade e capacidade crítica, qualquer um desses objectos. E negar- se a conhecer isto, é negar-se a conhecer tudo o que já foi feito. A especialização só é válida, mediante uma prévia fundamentação do conhecimento na universalidade. o filósofo, que realmente o é, está devidamente capacitado para tratar universalmente de diversas matérias. Não o está o especialista que não tiver a vinculação

necessária.

Argumento (2): “o especialista não tem tempo mais para estes estudos”. Argumento improcedente,

tendo em vista que estes estudos não são necessários em carácter extensivo, e sim, intensivo. Não

é necessário ler toda a obra de Aristóteles, Pitágoras, Aristarco de Samos, Santo Agostinho, Tomás de Aquino, Duns Escoto, Suarez, Benedito Pereira, Pedro da Fonseca, Baltazar Álvares, Santo Alberto, Raimundo Lúllio e tantos outros de valor inestimável, mas poderá dedicar-se ao estudo das bases fundamentais de um conhecimento concreto da universalidade.

f) Desvirtuamento da Universidade

A universidade, por se colocar do lado de teses bárbaras, passa a servir o barbarismo. Por propagar o especialismo e negar uma base universalista, desvirtua-se de sua função original e verdadeira missão e objectivos.

g) Silêncio sobre os que sabem pensar

A conspiração do silêncio paira sobre os grandes homens que ergueram o pensamento humano a

elevados níveis intelectuais. Os altos postos, infestados de medíocres, sempre mantiveram o

cuidado de acobertar o vulto dos grandes, por defesa de sua própria mediocridade. Valores como

o de Dante, Camões, Cervantes e de inúmeros filósofos só puderam ser reconhecidos ante uma

verdadeira avalanche de factos que, por não haver como contê-los, tornaram pública sua obra — muitas vezes, no fim das suas vidas, ou mesmo post mortem. Esta conspiração do silêncio, incapaz da humildade cristã, é uma obra bárbara que contaminou até mesmo muitos génios que não prestaram o devido reconhecimento e tributo a outros génios, seus contemporâneos.

h) A tendência em separar a Religião da Filosofia e esta da Ciência

Observa-se esta tendência à proporção que o período sacerdotal é substituído pelo aristocrático e, sobretudo, no período de domínio político e crítico do empresário utilitário. Esta barbarização substancia-se através de um mecanismo cooperante da corrupção do ciclo cultural. Esse mecanismo evidencia-se através do falso conceito de que a religião baseia-se em afectividade e se contrapõe à razão. Na verdade, mesmo que não se perceba, existe um elemento racional estruturante na religião. Mesmo em religiões primitivas, onde se concebe um Deus criador que

dispões todas as coisas segundo uma ordem e lei, este elemento estrutural está evidentemente presente. Sendo assim, o desligamento total da religião com a filosofia é uma violência em relação

a ambas, e daí o mecanismo cooperante.

A ciência, por sua vez, necessita da filosofia para tornar-se criadora. Isto dá-se justamente pelo

facto de a primeira não poder penetrar pelas propriedades de maior grau e pelas espécies e géneros, alcançar os transcendentais e preparar-se para atingir logoi arkhai dos pitagóricos, que

são o objecto de estudo da Máthesis Megiste (A Suprema Instrução). No entanto, a ciência eleva- se a patamares autónomos, desvinculando-se da Filosofia e considerando a sua matéria algo

como “curiosidade meramente académica”, passando a considerar por argumentos válidos qualquer proposta improvisada de título altissonante, justamente por ignorar tudo aquilo que os pensadores do passado já realizaram.

É mister uma reaproximação e um novo entrosamento da Religião, Filosofia e Ciência através de mentes fortes e criadoras.

i) A luta contra o criador

Característico de nossa época, a negação e desconfiança do criador em detrimento de algum valor abstracto integrante da totalidade e exagerado, e de tal modo que se julgue que isso é o criador.

Atesta-se isto em situações práticas como no ensino, em que o aluno é exortado a copiar e repetir fórmulas em lugar de criar suas próprias argumentações a cerca de determinada matéria. A luta contra a criação estanca a capacidade criadora. O que o bárbaro quer é a horizontalidade tribal, a homogeneidade plana, o vale, o pântano, onde há lugar para todos os sapos e vermes.

j) A luta contra a criação

Tem como fruto a notória esterilidade de nossa época. Nota-se, por exemplo, que os autodidactas na nossa época têm mais valor do que os homens de escolaridade rígida. E isso se deve pois, como na matéria a que se dedica é senhor da sua vontade – não há nenhum professor ou “mestre” que o alerte do perigo ou da audácia de se criar – ele é senhor da sua criação sem impedimentos que o limitem. Não lhe custa experimentar, tentar, errar e até acertar. Mas estes, são poucos e já não são suficientes para levar avante a criação cultural.

k) O Conceito de Deus

Um ateu não se dedica ao estudo da Teologia para refutá-la de forma embasada e com argumentação crítica. O que ele combate é a forma caricaturada que ele mesmo construiu para Deus e, desta forma, seus argumentos são restritos a esta caricatura e não aos fundamentos essenciais teológicos. O bárbaro é religioso também. Mas a sua religião caracteriza-se pela visão

mais deformada possível da divindade.

l) O fetichismo

O fetichismo é caracterizado por retornos a uma esquemática infantil, eles estão profusamente

presentes no pensamento moderno. Nominalistas, materialistas, evolucionistas padecem de um preconceito bárbaro que abstraem e separam, enquanto o culto une e concretiza. Assim como também é fetichismo transformar o conhecimento sensível em fundamento de todo o conhecer e que nada há fora dele. E o mesmo acontece ao alienado que afirma, de forma reducionista, reducionistamente que tudo é ilusão e que a verdade é a ausência de realidade.

m) A incompreensão sobre a diferença entre a Ética e a Moral Não há sociedade que se sustente somente com acções policiais repressivas para substituir os efeitos de uma vida social que se fundamente na ética e a moral. O relativismo moral cria um ambiente em que ninguém se consegue rever no seu próximo, onde a satisfação de desejos e das demandas concupiscentes tornam a juventude facilmente manipulável que não consegue conceber a própria imortalidade e, por isso, não se preocupa em manter-se um eixo plausível e saudável de acções. Só o bárbaro pode julgar que somos apenas anelantes de desejos sensuais, e que não anima o homem nenhuma oréxis superior.

n) A juventude transviada

Apesar de em todas as épocas existir o extravio de parcelas da juventude, a situação actual de avolumamento e universalização insustentável deste fenómeno, nos faz reafirmar o papel dos princípios morais tradicionais. O aumento corruptivo da moral em muitas partes do mundo, a confusão no campo das ideias, a insegurança quanto ao destino da humanidade, e avultamento a todas os defeitos pedagógicos potencializam as consequências do fenómeno. Devemos refrear as experiências pedagógicas modernas e dedicar-nos à pedagogia construtiva, positiva e concreta,

alheia às normas precipitadas de certos pedagogos, que pouco conhecem a alma infantil.

o) Diálogo de surdos

Vivemos uma época de incompreensão, em que dois interlocutores apesar de, muitas vezes, estarem explicitando os mesmos termos, o conteúdo semântico é totalmente distinto um do outro. Então o diálogo entre pessoas de posições distintas é um verdadeiro diálogo de surdos.

p)

Nominalismo e realismo

O

nominalismo, apesar de totalmente derrotado através da longa e extraordinária polémica dos

universais, é apresentado actualmente como a última palavra criadora da filosofia moderna. O que

é de se lamentar, pois algo que é um retorno a um primitivismo pueril da intelectualidade humana

é tratado como uma evolução do conhecimento na modernidade. E o pior é, à partir deste equívoco bárbaro, proclamar a derrota do realismo das ideias, quando na verdade, nem sequer conseguem distinguir realismo moderado e realismo dogmático.

q) Palavras esvaziadas

Mais uma característica bárbara de nossa época com mais acentuada insistência, é o esvaziamento das palavras dos seus verdadeiros conteúdos etimológicos. Esta prática deletéria representa grave perigo, pois hoje os termos são utilizados mais de forma equívoca do que unívoca ou mesmo análoga.

r) Preconceitos prejudiciais

Do mesmo modo que o moderno não pode ser aceite apenas porque é moderno, também não pode ser desprezado pelo simples facto de ser moderno. Assim como repelir o moderno, incriminando-o de falso, também é um equívoco julgar o antigo admitindo que o moderno é uma superação do antigo. Novamente aqui, as visões extremadas recaem em barbarismo.

s) A desumanização do Homem

A tendência actual de colocar o homem numa situação secundária, a hipovalorizá-lo, a virtualizar

a sua significação, ao mesmo tempo que se valorizam as coisas, não é algo sem paralelo na

História. É uma visão reincidente que provocou as mesmas ênfases opositivas e as mesmas reviravoltas na maneira de o homem apreciar a si mesmo. Grandes desumanizadores estão expostos à posteridade para servir de exemplo: Lenine, Estaline, Hitler, Mussolini e outras figuras

menores, e uma sequela de intelectuais equívocos, que contribuem com o ludíbrio da inteligência.

O artista, que é quase sempre um brincalhão com coisas sérias, também contribui ludicamente

para a desumanização da arte, que se torna quantitativista, e também uma plêiade de pseudo- sábios, de mentes de inteligência postiça põem-se a cooperar pelo cinebertismo da inteligência, a ponto de se convencerem que o homem já não precisa do homem, e pode ser uma “coisa viva”, capaz de gozar dos estupefacientes deliciosos que o seu falso progresso oferece.

t) Os negativistas

Os negativistas opõem o irracionalismo ficcional e puerilidade à racionalidade construtiva e fundamentada. A oposição do nada para desacreditar a existência é frágil e injustificada, uma mera obra da imaginação sem qualquer paralelo com a realidade.

u) Os “ismos

À medida em que a ciência se torna mais especulativa, ela torna-se universal, é entendida por

todos, é admitida por todos, torna-se de todos. Ela vence as fronteiras, ultrapassa as diferenças mesquinhas que os homens estabeleceram para dividir a humanidade, desdenha os marcos políticos, das ideologia, das opiniões, das crenças. A ciência liberta o homem no homem, porque

torna-o não apenas o membro desta ou daquela ideologia, deste ou daquele modo particular de ver as coisas, mas da humanidade. A ciência especulativa é, assim, uma libertadora da humanidade. Ela libertar-nos-á dos ismos que são excrescências de um primário e das pretensiosas posições adversas, que tanto mal nos têm feito.

v) Proletário, tema de exploração ideológica

Em todas as épocas da humanidade, os que apenas são prestadores de serviços foram sempre vítimas de exploradores astuciosos. Assim sempre foi, e assim ainda é. Mas, por acaso, é o proletário apenas vítima? Sim, é vítima da sua ignorância e da sua fome, vítima da urgência das suas necessidades, vítima do seu apetite sôfrego. Mas é culpado, porque ouve a quem não devia ouvir; porque crê em quem não devida crer; porque serve a quem não devia servir; porque segue a quem não devia seguir.

x) A Especulação no abaixamento

Assistimos a uma verdadeira especulação no abaixamento dos valores. Tudo quanto é de menos valia é exaltado; a mediocridade é exaltada, o inferior é erguido. Dizem muitos que tal era inevitável, desde que a aristocracia havia desaparecido, e que a ascensão do homem vulgar se processara. Como desejar que domine o bom gosto, a cultura, as boas maneiras, a acuidade

mental, quando se deu essa enxurrada que levou de roldão tudo quanto havia de nobre e deixou como sedimento os detritos dos esgotos?

y) Contudo, a propaganda desenfreada

que é mau dá-nos a impressão que a maldade dominou totalmente. Não há mais corações

que se exaltem, não há mais gestos de nobreza, não há mais homens que olhem os seus

semelhantes como seus amigos. E isso não é verdade. Mas a mentira organizada em periódicos dá

a impressão do inverso. É uma estimulação constante para que se veja o contrário, para que o

contrário se dê, para que o contrário seja a regra. Poderão dizer que muitos contribuem para isso sem ter consciência do mal que fazem. Não sabem que assim promovem o mal, embora desejem o contrário. O bem também se propaga, embora mais lentamente. Também há desejos por sorrisos francos e por rostos alegres, por manhãs de sol e risos de criança. A humanidade ainda não

desfaleceu totalmente. Se houver um pouco de luz, ela iluminará trevas, e os amantes da luz criarão novas esperanças. É mister que aceitemos as auroras e não apenas os crepúsculos.

do

z) A proliferação das ideias sociais primárias

Outro aspecto bárbaro de nossa época é a proliferação das ideias sociais primárias, que prometeram o impossível aos homens, e só lhe trouxeram, até aqui, as mais desalentadoras experiências. Os resultados não corresponderam às expectativas, e se há ainda, em muitos, algumas esperanças de que possa encontrar nessas promessas o caminho das efectividades

desejadas, deve-se à pobre advertência dos que não sabem já distinguir entre o que é quimérico e

o que tem probabilidade de realização. Uma revisão das ideias sociais, feita com o cuidado que

devem merecer, evitaria a repetição de tantos erros e a perpetuação de tantos malogros. Este mundo precisa ser reformado, sem dúvida, mas cuidemos de não trocar o mau pelo pior. Para

evitar que isso se dê, é mister, desde logo, o exame nas ideias sociais do que elas têm de bárbaro,

e o que elas têm de culto, o que realmente oferecem. É inútil sonhar que “tigres gestem pombas”.

z1) É mister desterrar de vez os erros do cientismo ingénuo A ingenuidade (e soberba) do cientificismo moderno julga-se capaz de explicar tudo nos

laboratórios através de um empirismo vulgar, que submete o mais ao menos; do criticismo agnóstico e até céptico, que nega o valor dos nossos conhecimentos; do positivismo vicioso, que faz afirmações absolutas, fundando-se em premissas meramente contingentes; do ficcionalista que nega porque proclama a sua incapacidade de investigar; do niilismo pessimista, negativo e passivo, que nega porque desfalece ante as dificuldades teóricas, impotente em resolvê-las; do satanismo negro, coroamento final de uma derrota total, que pretende tudo subverter na sem- razão e na loucura, porque malogrou totalmente.

II - RESUMO DA LINHA DE ARGUMENTAÇÃO DO LIVRO

No prefácio, Mário Ferreira dos Santos faz jus a suas prerrogativas de erudito profissional ao levantar o Status Quaestionis do tema, familiarizando o leitor com o tema a partir de suas reverberações ao longo da história. Esse panorama é conduzido por uma análise etimológica dos termos “bárbaro”, “invasão” e “vertical e horizontal”, e das subtilezas que envolvem os seus significados e influência através dos tempos e de diferentes povos e culturas.

A primeira e segunda partes, conversam entre si expondo de forma dupla tanto o desenvolvimento

das questões como as conclusões acerca dos problemas apresentados. O desenvolvimento dialéctico dá-se menos ao longo do discurso e mais pela própria estrutura extrínseca ao mesmo. Na exposição feita na primeira parte, é caracterizado o barbarismo e a sua manifestação na sociedade contemporânea através de suas diversas roupagens. Desenvolve a sua argumentação a partir do Status Quaestionis apresentado no prefácio, e torna-se clara a intenção persuasiva do texto.

Na segunda parte a ênfase é dada na dicotomia existente entre o barbarismo e a intelectualidade,

e de como ambas se articulam na nossa actualidade. Ele elenca as manifestações deste barbarismo

travestido de formação culta e intelectual, e a partir daí prossegue com as suas progressivas conclusões. O discurso final nada mais é que uma resposta aos críticos e comentaristas da obra; neste apêndice à obra original, Mário Ferreira por vezes evidencia ainda mais os pontos apresentados, e

em outras ratifica ou simplesmente repete seus argumentos.