Вы находитесь на странице: 1из 70
Sistema Urinário
Sistema Urinário
Sistema Urinário Definição: conjunto de órgãos responsáveis pela formação e eliminação da urina. A urina

Definição: conjunto de órgãos responsáveis

pela formação e eliminação da urina. A urina

corresponde a um fluído produzido durante a

filtração do sangue, e representa o principal meio utilizado pelo organismo para excreção de resíduos originados pelo metabolismo das células.

Sistema Urinário Divisão Anatômica
Sistema Urinário
Divisão Anatômica
Sistema Urinário Divisão Anatômica Rins Vias urinárias: Cálices renais Pelve renal Ureteres Bexiga Uretra
Rins
Rins
Sistema Urinário Divisão Anatômica Rins Vias urinárias: Cálices renais Pelve renal Ureteres Bexiga Uretra
Vias urinárias:
Vias urinárias:
Cálices renais
Cálices renais
Pelve renal
Pelve renal
Ureteres
Ureteres
Bexiga
Bexiga
Vias urinárias: Cálices renais Pelve renal Ureteres Bexiga Uretra

Uretra

Cálices renais Pelve renal Ureteres Bexiga Uretra
Sistema Urinário
Sistema Urinário

Rins

Sistema Urinário Rins Definição: órgãos pares e retroperitoniais, responsável pela filtração do sangue e
Sistema Urinário Rins Definição: órgãos pares e retroperitoniais, responsável pela filtração do sangue e

Definição: órgãos pares e retroperitoniais, responsável pela filtração do sangue e formação da

urina.

pela filtração do sangue e formação da urina. (PUTZ; PABST, 2000.) Importância Funcional: 
pela filtração do sangue e formação da urina. (PUTZ; PABST, 2000.) Importância Funcional: 

(PUTZ; PABST, 2000.)

do sangue e formação da urina. (PUTZ; PABST, 2000.) Importância Funcional:  Homeostase 

Importância Funcional:

Homeostase

Eliminação de excretas

(urina).

(PUTZ; PABST, 2000.)

Sistema Urinário Rins - Localização anatômica:
Sistema Urinário
Rins - Localização anatômica:

Situados no abdome, a

cada lado da coluna

vertebral, ocupando a Região Lombar, estando o rim direito mais caudal

em relação ao rim

esquerdo.

(PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)
(PUTZ; PABST, 2000.)
Sistema Urinário Rins – Unidade funcional: Néfrons Definição: Representam as unidades anátomo-funcionais dos
Sistema Urinário
Rins – Unidade funcional: Néfrons
Definição: Representam as
unidades anátomo-funcionais
dos rins, sendo responsáveis
pela elaboração da urina.
Constituição
Glomérulo
Túbulo contorcido proximal 1
Alça Renal (Henle) 2
Túbulo contorcido distal 3
Túbulo coletor 4

(NETTER,2002)

Sistema Urinário Rins - Divisão Anatômica:
Sistema Urinário
Rins - Divisão Anatômica:
Sistema Urinário Rins - Divisão Anatômica: Configuração externa (PUTZ; PABST, 2000.) Configuração interna
Configuração externa
Configuração externa
Configuração externa (PUTZ; PABST, 2000.) Configuração interna (NETTER,2002)

(PUTZ; PABST, 2000.)

Configuração interna
Configuração interna
Configuração externa (PUTZ; PABST, 2000.) Configuração interna (NETTER,2002)

(NETTER,2002)

Sistema Urinário Rins - Configuração externa:
Sistema Urinário
Rins - Configuração externa:
Sistema Urinário Rins - Configuração externa: FACES Face anterior Face posterior Pólo superior: aloja a
FACES
FACES
FACES Face anterior Face posterior
Face anterior
Face anterior
FACES Face anterior Face posterior
Face posterior
Face posterior
Pólo superior: aloja a Glândula Supra-renal
Pólo superior:
aloja a Glândula
Supra-renal
posterior Pólo superior: aloja a Glândula Supra-renal Pólo inferior MARGENS Margem medial: côncava em sua

Pólo inferior

MARGENS

Margem medial:

côncava em sua

porção média,

sendo

concavidade o hilo renal.

essa

Margem

lateral:

convexa

sendo concavidade o hilo renal. essa Margem lateral: convexa (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)

Sistema Urinário Rins - Configuração externa: Hilo Renal: corresponde a porta do rim. Pedículo renal:

Sistema Urinário

Rins - Configuração externa:

Sistema Urinário Rins - Configuração externa: Hilo Renal: corresponde a porta do rim. Pedículo renal: conjunto

Hilo Renal: corresponde

a porta do rim.

Pedículo renal: conjunto de elementos anatômicos que atravessam o hilo renal, sendo constituído das seguintes estruturas:

Artéria Renal
Artéria Renal
Veia Renal
Veia Renal
o hilo renal, sendo constituído das seguintes estruturas: Artéria Renal Veia Renal Ureter (PUTZ; PABST, 2000.)

Ureter

(PUTZ; PABST, 2000.)
(PUTZ; PABST, 2000.)
Sistema Urinário Rins - Configuração interna: Seio renal: extensão do hilo para o interior do

Sistema Urinário

Rins - Configuração interna:

Sistema Urinário Rins - Configuração interna: Seio renal: extensão do hilo para o interior do rim,

Seio renal: extensão do hilo para o

interior do rim, o qual aloja a pelve

renal.

iniciam as vias urinárias se articulando com a papila renal para receber a urina produzida pelo Néfron (CÁLICES MENORES) são constituídos pela reunião dos cálices menores, conduzem a urina para a pelve renal(CÁLICES

MAIORES)

Estrutura infundibular constituída pela reunião dos cálices, sua extremidade afilada e continuada pelo ureter. (PELVE RENAL)

(NETTER,2002)

Sistema Urinário Rins - Configuração interna: CÁLCULOS RENAIS são formações sólidas compostas de sais minerais

Sistema Urinário

Rins - Configuração interna:

CÁLCULOS RENAIS são formações sólidas compostas de sais minerais e uma série de outras substâncias,

como oxalato de cálcio e o ácido

úrico. O cálculo renal é também chamado de litíase urinária e, popularmente, de pedra no rim.

(NETTER,2002)
(NETTER,2002)
Sistema Urinário Glândula Supra-renal : Glândula responsável pela produção de hormônios. Anatômica: encontra-se

Sistema Urinário Glândula Supra-renal :

Glândula responsável pela produção de

hormônios. Anatômica:

encontra-se em posição retroperitonial, ajustadas sobre o pólo superior dos rins.

Córtex (Corticosteróides) Medula (Adrenalina e Noradrenalina)
Córtex (Corticosteróides)
Medula (Adrenalina e
Noradrenalina)
(NETTER,2002)
(NETTER,2002)

(PUTZ; PABST, 2000.)

Sistema Urinário Hemodiálise :
Sistema Urinário
Hemodiálise :
Sistema Urinário Hemodiálise : O que é a hemodiálise? É um procedimento que filtra o sangue
O que é a hemodiálise? É um procedimento que filtra o sangue através de um
O
que
é
a
hemodiálise?
É um procedimento que
filtra o sangue através de
um dialisador, em pacientes
com insuficiência renal,
devido a falência dos
mecanismos secretores dos
rins, sendo retiradas do
sangue substâncias que
quando em excesso trazem
prejuízos ao corpo, como a
uréia e creatinina.
sendo retiradas do sangue substâncias que quando em excesso trazem prejuízos ao corpo, como a uréia
Sistema Urinário Hemodiálise : Na hemodiálise, o sangue é obtido de um acesso vascular (cateter

Sistema Urinário Hemodiálise:

Na hemodiálise, o sangue é obtido de um acesso vascular (cateter venoso central ou fístula
Na hemodiálise, o sangue é
obtido de um acesso vascular
(cateter venoso central ou fístula
artério-venosa) e impulsionado
por uma bomba até o filtro de
diálise,. No dialisador, o sangue é
exposto à solução de diálise
através de uma membrana
semipermeável, permitindo
assim, as trocas de substâncias
entre o sangue e a solução. Após
ser retirado do paciente e
passado através do dialisador, o
sangue “filtrado” é então
devolvido ao paciente pelo acesso
vascular.
e passado através do dialisador, o sangue “filtrado” é então devolvido ao paciente pelo acesso vascular.
Sistema Urinário Diálise Peritonial : Como é feita a diálise peritoneal? Um cateter é instalado

Sistema Urinário Diálise Peritonial:

Como é feita a diálise peritoneal?
Como é feita a diálise
peritoneal?

Um cateter é instalado na cavidade peritoneal e através deste é introduzido cerca de dois litros de líquido de diálise, já preparado e estéril, este líquido permanece de 6 a 8 horas no abdome e será trocado de 3 a 4 ou mais vezes por dia, todos os dias.

estéril, este líquido permanece de 6 a 8 horas no abdome e será trocado de 3
Sistema Urinário Urografia Excretora : É um exame radiográfico capaz de evidenciar a Representação dos

Sistema Urinário Urografia Excretora:

É um exame radiográfico capaz de evidenciar a Representação dos rins, pelve renal, ureteres e
É
um exame
radiográfico capaz de
evidenciar
a
Representação
dos
rins, pelve renal,
ureteres e bexiga,
por injeção de um
meio de contraste
positivo ( iodo ) que é
eliminado pelos rins
e bexiga, por injeção de um meio de contraste positivo ( iodo ) que é eliminado

(PUTZ; PABST, 2000.)

Vias Urinárias
Vias Urinárias
Vias Urinárias (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ; PABST, 2000.)
Vias Urinárias (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ; PABST, 2000.)
Vias Urinárias (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)

Vias Urinárias (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ; PABST, 2000.)
Vias Urinárias (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ; PABST, 2000.)
Vias Urinárias (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)

Vias Urinárias (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ; PABST, 2000.)
Vias Urinárias (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ; PABST, 2000.)
Vias Urinárias Ureter: Definição: Tubo muscular, que une a pelve renal à bexiga urinária. Recebe

Vias Urinárias Ureter:

Vias Urinárias Ureter: Definição: Tubo muscular, que une a pelve renal à bexiga urinária. Recebe a
Definição: Tubo muscular, que une a pelve renal à bexiga urinária. Recebe a urina da
Definição: Tubo
muscular, que une a
pelve renal à bexiga
urinária. Recebe a urina
da pelve e conduz para a
bexiga onde desemboca
através do óstio ureteral.
para a bexiga onde desemboca através do óstio ureteral. Divisão: – Parte Abdominal – – Parte

Divisão:

Parte Abdominal Parte Pélvica Parte Intramural

(NETTER,2002)

do óstio ureteral. Divisão: – Parte Abdominal – – Parte Pélvica Parte Intramural (NETTER,2002)
do óstio ureteral. Divisão: – Parte Abdominal – – Parte Pélvica Parte Intramural (NETTER,2002)
do óstio ureteral. Divisão: – Parte Abdominal – – Parte Pélvica Parte Intramural (NETTER,2002)
do óstio ureteral. Divisão: – Parte Abdominal – – Parte Pélvica Parte Intramural (NETTER,2002)
Vias Urinárias Ureter – Estreitamento: Colo : junção do ureter com a pelve renal. Ilíaco:

Vias Urinárias Ureter Estreitamento:

Vias Urinárias Ureter – Estreitamento: Colo : junção do ureter com a pelve renal. Ilíaco: quando

Colo : junção do ureter com a

pelve renal.

Colo : junção do ureter com a pelve renal. Ilíaco: quando cruza os vasos ilíacos. Intramural

Ilíaco: quando cruza os vasos

ilíacos.

Intramural : ao atravessar a parede da bexiga.

Intramural : ao atravessar a parede da bexiga.

renal. Ilíaco: quando cruza os vasos ilíacos. Intramural : ao atravessar a parede da bexiga. (PUTZ;
renal. Ilíaco: quando cruza os vasos ilíacos. Intramural : ao atravessar a parede da bexiga. (PUTZ;
renal. Ilíaco: quando cruza os vasos ilíacos. Intramural : ao atravessar a parede da bexiga. (PUTZ;

(PUTZ; PABST, 2000.)

Vias Urinárias Bexiga Urinária:
Vias Urinárias
Bexiga Urinária:
Vias Urinárias Bexiga Urinária: Definição: órgão muscular e vesiculoso, responsável por receber a urina e
Definição: órgão muscular e vesiculoso, responsável por receber a urina e armazená- la temporariamente. Sua

Definição: órgão muscular e

vesiculoso, responsável por receber a urina e armazená- la temporariamente. Sua forma e localização é variável de acordo com a quantidade de urina armazenada.

Armazenamento:
Armazenamento:
acordo com a quantidade de urina armazenada. Armazenamento: A capacidade média de armazenamento pela bexiga é
A capacidade média de armazenamento pela bexiga é de 300 a 400 ml de urina
A capacidade média de
armazenamento pela bexiga
é de 300 a 400 ml de urina

(NETTER,2002)

A capacidade média de armazenamento pela bexiga é de 300 a 400 ml de urina (NETTER,2002)
(NETTER,2002)
(NETTER,2002)
A capacidade média de armazenamento pela bexiga é de 300 a 400 ml de urina (NETTER,2002)
A capacidade média de armazenamento pela bexiga é de 300 a 400 ml de urina (NETTER,2002)
(NETTER,2002)
(NETTER,2002)
A capacidade média de armazenamento pela bexiga é de 300 a 400 ml de urina (NETTER,2002)
Vias Urinárias Bexiga Urinária:
Vias Urinárias
Bexiga Urinária:
Vias Urinárias Bexiga Urinária: FORMA Vazia : pirâmide achatada Plenitude : globosa (PUTZ; PABST, 2000.)
FORMA
FORMA
Vazia : pirâmide achatada
Vazia :
pirâmide
achatada
Plenitude : globosa
Plenitude :
globosa
(PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)

LOCALIZAÇÃO
LOCALIZAÇÃO
Vazia: cavidade pélvica
Vazia:
cavidade
pélvica
Plenitude: abdome
Plenitude:
abdome
Relações: varia de acordo com o sexo.
Relações:
varia de acordo com o
sexo.

Vias Urinárias Bexiga Urinária:

Homem: Está situada por trás do espaço retropúbico e por diante do reto.
Homem:
Está situada por trás
do espaço retropúbico
e por diante do reto.
Mulher: Está situada por trás do espaço retropúbico e por diante do útero.
Mulher:
Está situada por trás do
espaço retropúbico e
por diante do útero.
diante do reto. Mulher: Está situada por trás do espaço retropúbico e por diante do útero.

(PUTZ; PABST, 2000.)

diante do reto. Mulher: Está situada por trás do espaço retropúbico e por diante do útero.
Vias Urinárias Bexiga Urinária – Configuração externa:
Vias Urinárias
Bexiga Urinária – Configuração externa:
Vias Urinárias Bexiga Urinária – Configuração externa: Faces •Superior •Inferolaterais •Posterior Ápice:
Faces
Faces
•Superior
•Superior
Urinária – Configuração externa: Faces •Superior •Inferolaterais •Posterior Ápice: Constituído pela
•Inferolaterais •Posterior
•Inferolaterais
•Posterior

Ápice: Constituído pela união, anterior, das faces ínferolaterais com a face superior. Se continua com o ligamento umbilical mediano.

Colo: Representa a

inferiormente, das faces inferolaterais entre si. É perfurado pelo óstio interno da uretra.

união,

(PUTZ; PABST, 2000.)

Vias Urinárias Bexiga Urinária – Configuração interna: Mucosa: apresenta, quando vazia, aspecto rugoso em

Vias Urinárias

Bexiga Urinária Configuração interna:

Mucosa: apresenta, quando vazia, aspecto rugoso em relação de sua má adesão ao m. Detrusor
Mucosa: apresenta, quando
vazia, aspecto rugoso em
relação de sua má adesão ao m.
Detrusor da bexiga.
Trígono da Bexiga: região triangular, onde a mucosa é lisa, delimitada superior e posteriormente, pelos
Trígono
da
Bexiga:
região
triangular, onde a mucosa é
lisa, delimitada superior e
posteriormente, pelos óstios
ureterais, e anterior e
inferiormente , pelo óstio
interno da uretra:
- Óstios ureterais
- Óstio interno da uretra

(PUTZ; PABST, 2000.)

Vias Urinárias Bexiga Urinária – Configuração interna:
Vias Urinárias
Bexiga Urinária – Configuração interna:
Vias Urinárias Bexiga Urinária – Configuração interna: Óstios ureterais (1) Orifícios de desembocadura dos
Óstios ureterais (1) Orifícios de desembocadura dos ureteres na bexiga, formam a base do trígono
Óstios ureterais (1)
Orifícios de desembocadura
dos ureteres na bexiga,
formam a base do trígono
vesical
Prega interuretérica (2) Prega de mucosa entre os óstios ureterais.
Prega interuretérica (2)
Prega de mucosa entre os
óstios ureterais.
Óstio interno da uretra (3) Representa o início da uretra, forma o ápice do trígono,
Óstio interno da uretra (3)
Representa o início da uretra,
forma o ápice do trígono,
neste nível encontramos uma
elevação mediana a úvula.

(PUTZ; PABST, 2000.)

Vias Urinárias Uretra:

Órgão tubular ímpar, que liga a bexiga ao meio externo.
Órgão tubular ímpar,
que liga a bexiga ao
meio externo.
Função/diferenças:
Função/diferenças:
Feminina: conduzir a urina da bexiga para o meio externo. É curta e retilínea
Feminina: conduzir a urina
da bexiga para o meio
externo. É curta e retilínea

Masculina: conduz a urina e o sêmen. Apresenta curvaturas que devem ser respeitadas durante passagem das sondas vesicais.

(PUTZ; PABST, 2000.)

Vias Urinárias Uretra Masculina: Divisões: Prostática (1): inicia no óstio interno da uretra, em nível

Vias Urinárias Uretra Masculina:

Divisões:
Divisões:
Prostática (1): inicia no óstio interno da uretra, em nível do colo da bexiga, atravessando
Prostática (1): inicia no óstio
interno da uretra, em nível
do colo da bexiga,
atravessando toda a
próstata da base ao ápice.
Membranosa (2): é a menor porção da uretra, ligando a uretra prostática e esponjosa entre
Membranosa (2): é a menor
porção da uretra, ligando a
uretra prostática e
esponjosa entre si.
Esponjosa (3): é a maior porção da uretra, atravessa o corpo esponjoso do pênis.
Esponjosa (3): é a maior
porção da uretra, atravessa o
corpo esponjoso do pênis.
entre si. Esponjosa (3): é a maior porção da uretra, atravessa o corpo esponjoso do pênis.

(PUTZ; PABST, 2000.)

Vias Urinárias Uretra Masculina – Porção Prostática:
Vias Urinárias
Uretra Masculina – Porção Prostática:
Vias Urinárias Uretra Masculina – Porção Prostática: Prostática (4cm): Em nível dessa porção identificamos
Prostática (4cm):
Prostática (4cm):

Em nível dessa porção identificamos uma elevação mediana, a crista uretral 1,

sendo que, em sua parte

média identificamos o colículo seminal 2 onde desembocam os ductos ejaculatórios. A cada lado da

crista e do colículo identificamos um sulco, o seio prostático 3, no qual desembocam os ductos das

glândulas prostáticas.

identificamos um sulco, o seio prostático 3 , no qual desembocam os ductos das glândulas prostáticas

(NETTER,2002)

Sistema Urinário

Sistema Urinário Membranosa (1cm): Além de menor, é também o segmento mais estreitado da uretra. Atravessa
Membranosa (1cm): Além de menor, é também o segmento mais estreitado da uretra. Atravessa o
Membranosa (1cm):
Além de menor, é também o
segmento mais estreitado da
uretra. Atravessa o diafragma
pélvico, sendo circundada pelo
M. esfíncter da uretra 1. Curva-
se anteriormente para
penetrar no corpo esponjoso
do pênis. Esta curvatura
associada a sua pouca
espessura faz com que seja
suscetível a ruptura, como por
exemplo na passagem de uma
sonda sem a necessária
habilidade.
suscetível a ruptura, como por exemplo na passagem de uma sonda sem a necessária habilidade. (PUTZ;

(PUTZ; PABST, 2000.)

Sistema Urinário

Sistema Urinário Esponjosa (15cm): Atravessa o bulbo, corpo, e glande do corpo esponjoso do pênis. Em
Sistema Urinário Esponjosa (15cm): Atravessa o bulbo, corpo, e glande do corpo esponjoso do pênis. Em
Esponjosa (15cm):
Esponjosa (15cm):
Esponjosa (15cm): Atravessa o bulbo, corpo, e glande do corpo esponjoso do pênis. Em sua passagem

Atravessa o bulbo, corpo, e glande do corpo esponjoso do pênis. Em sua passagem pelo bulbo desembocam os ductos das glândulas bulbo-uretrais 1 .

Na glande apresenta uma dilatação, a fossa navicular 2 . Na glande abre- se para o meio externo através do óstio externo da uretra.

Normalmente curva, torna-se

retilínea na ereção.

externo através do óstio externo da uretra. Normalmente curva, torna-se retilínea na ereção. (PUTZ; PABST, 2000.)
externo através do óstio externo da uretra. Normalmente curva, torna-se retilínea na ereção. (PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)

Sistema Urinário Ao contrário da masculina é retilínea e curta ( 4cm ), estende-se do
Sistema Urinário Ao contrário da masculina é retilínea e curta ( 4cm ), estende-se do
Sistema Urinário Ao contrário da masculina é retilínea e curta ( 4cm ), estende-se do
Sistema Urinário

Sistema Urinário

Sistema Urinário
Ao contrário da masculina é retilínea e curta ( 4cm ), estende-se do óstio interno,
Ao contrário da masculina é
retilínea e curta ( 4cm ),
estende-se do óstio interno,
em nível do colo da bexiga,
ao óstio externo 1, o qual
abre-se para o meio externo
em nível do vestíbulo da
vagina, por diante do óstio
da vagina. Em seu trajeto
atravessa o diafragma
pélvico, sendo circundada
pelo M. esfíncter externo da
uretra 2

(PUTZ; PABST, 2000.)

Sonda Vesical Feminina

Sonda Vesical Feminina (PUTZ; PABST, 2000.)
Sonda Vesical Feminina (PUTZ; PABST, 2000.)
Sonda Vesical Feminina (PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)

Sonda Vesical Masculina

Sonda Vesical Masculina (PUTZ; PABST, 2000.)
Sonda Vesical Masculina (PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)

Sistema Genital Masculino www.uropediatria.com.br (NETTER,2002)
Sistema Genital Masculino www.uropediatria.com.br (NETTER,2002)
Sistema Genital Masculino
Sistema Genital Masculino
www.uropediatria.com.br
www.uropediatria.com.br
Sistema Genital Masculino www.uropediatria.com.br (NETTER,2002)

(NETTER,2002)

Sistema Genital Masculino:

Testículo
Testículo
Sistema Genital Masculino: Testículo (NETTER,2002) Definição: Órgão par ovóide, responsável pela

(NETTER,2002)

Sistema Genital Masculino: Testículo (NETTER,2002) Definição: Órgão par ovóide, responsável pela

Definição: Órgão par

ovóide,

responsável pela espermatogênese.

de

forma

Localizado, ao

nascimento, em uma bolsa músculo-cutânea denominada escroto,

presa à região anterior

do períneo, logo por trás

do pênis.

Sistema Genital Masculino:

Sistema Genital Masculino: (PUTZ; PABST, 2000.) Testículo • Funções:  Espermatogênese: produção das células

(PUTZ; PABST, 2000.)

Sistema Genital Masculino: (PUTZ; PABST, 2000.) Testículo • Funções:  Espermatogênese: produção das células
Testículo • Funções:  Espermatogênese: produção das células reprodutivas masculinas, os espermatozóides.
Testículo
• Funções:
 Espermatogênese: produção
das células reprodutivas
masculinas, os
espermatozóides.
Temperatura requerida 35 graus.
Endócrina: produz e secreta
para o sangue o hormônio
testosterona, responsável pelo
desenvolvimento dos caracteres
sexuais secundários.
pelo desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários. Cor branco nacarado: Produzida pela cápsula conjuntiva

Cor branco nacarado:

Produzida pela cápsula conjuntiva que o reveste, denominada túnica albugínea.

Sistema Genital Masculino: Vias espermáticas – Epidídimo: Definição: Órgão tubular localizado sobre a margem
Sistema Genital Masculino:
Vias espermáticas – Epidídimo:
Definição: Órgão tubular
localizado sobre a margem
superior do testículo com
função de armazenar os
espermatozóides até o
momento da ejaculação.
os espermatozóides até o momento da ejaculação. • Divisão Anatômica:  Cabeça 1: porção dilatada
os espermatozóides até o momento da ejaculação. • Divisão Anatômica:  Cabeça 1: porção dilatada
• Divisão Anatômica:  Cabeça 1: porção dilatada do órgão, recebe os dúctulos eferentes trazendo
• Divisão Anatômica:
 Cabeça 1: porção dilatada
do órgão, recebe os
dúctulos eferentes trazendo
os espermatozóides
produzidos no testículo.
 Corpo 2
 Cauda 3: parte afilada do
órgão e responsável por
sua função.
(PUTZ; PABST, 2000.)
(PUTZ; PABST, 2000.)
Sistema Genital Masculino: Vias espermáticas – Ducto deferente:
Sistema Genital Masculino:
Vias espermáticas – Ducto deferente:
Definição: Longo e fino ducto, de paredes espessas, o qual continua a cauda do epidídimo,
Definição: Longo e fino ducto,
de paredes espessas, o qual
continua a cauda do
epidídimo, conduzindo os
espermatozóides em direção à
cavidade pélvica para
desembocá-los no ducto
ejaculatório.
pélvica para desembocá-los no ducto ejaculatório. (NETTER,2002) Comprimento: 30 cm, podendo ser facilmente

(NETTER,2002)

Comprimento: 30 cm, podendo ser facilmente palpado, compondo o funículo espermático, antes de penetrar através
Comprimento: 30 cm,
podendo ser facilmente
palpado, compondo o
funículo espermático, antes
de penetrar através do anel
inguinal superficial, no canal
inguinal através do qual
alcançará à pelve.

Sistema Genital Masculino

Funículo espermático:

Funículo espermático:

Funículo espermático:
Sistema Genital Masculino Funículo espermático: Definição: Conjunto de estruturas anatômicas e seus envoltórios
Definição: Conjunto de estruturas anatômicas e seus envoltórios relacionadas ao testículo, os quais atravessam o
Definição: Conjunto de
estruturas anatômicas e seus
envoltórios relacionadas ao
testículo, os quais
atravessam o canal inguinal.
• Componentes:  Ducto deferente  A. testicular  A. do ducto deferente  A.
• Componentes:
 Ducto deferente
 A. testicular
 A. do ducto deferente
 A. cremastérica
 Plexo venoso anterior
( pampiniforme )
varicocele
 Plexo venoso posterior
Ramo genital do N.
Gênitofemoral
pampiniforme ) varicocele   Plexo venoso posterior Ramo genital do N.  Gênitofemoral (PUTZ; PABST,
pampiniforme ) varicocele   Plexo venoso posterior Ramo genital do N.  Gênitofemoral (PUTZ; PABST,

(PUTZ; PABST, 2000.)

pampiniforme ) varicocele   Plexo venoso posterior Ramo genital do N.  Gênitofemoral (PUTZ; PABST,
pampiniforme ) varicocele   Plexo venoso posterior Ramo genital do N.  Gênitofemoral (PUTZ; PABST,
pampiniforme ) varicocele   Plexo venoso posterior Ramo genital do N.  Gênitofemoral (PUTZ; PABST,
pampiniforme ) varicocele   Plexo venoso posterior Ramo genital do N.  Gênitofemoral (PUTZ; PABST,
Sistema Genital Masculino:
Sistema Genital Masculino:
Sistema Genital Masculino: Vias espermáticas – Ducto Ejaculatório: Definição: Curto ducto de 2cm de comprimento
Vias espermáticas – Ducto Ejaculatório: Definição: Curto ducto de 2cm de comprimento constituído pela fusão
Vias espermáticas – Ducto Ejaculatório:
Definição: Curto ducto de 2cm
de comprimento constituído
pela fusão entre o ducto
deferente e o ducto da glândula
seminal. Começa na base da
próstata e terminam ao
desembocar o sêmen na porção
(PUTZ; PABST, 2000.)
prostática da uretra a cada lado
(NETTER,2002)
do utrículo, em uma dilatação
da crista uretral denominada de
colículo seminal.
(PUTZ; PABST, 2000.)
Sistema Genital Masculino Prostática 1 Membranosa 2 Esponjosa 3 Via espermática – Uretra: • Divisão
Sistema Genital Masculino
Sistema Genital Masculino
Prostática 1 Membranosa 2 Esponjosa 3
Prostática 1
Membranosa 2
Esponjosa 3
Via espermática – Uretra: • Divisão Anatômica: apresenta três porções para estudo:
Via espermática – Uretra:
• Divisão Anatômica:
apresenta três porções para
estudo:

(PUTZ; PABST, 2000.)

• Glândulas Seminais 1 • Próstata 2 • Glândulas bulbouretrais 3 (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ;
• Glândulas Seminais 1 • Próstata 2 • Glândulas bulbouretrais 3 (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ;
• Glândulas Seminais 1 • Próstata 2 • Glândulas bulbouretrais 3 (PUTZ; PABST, 2000.) (PUTZ;
• Glândulas Seminais 1 • Próstata 2 • Glândulas bulbouretrais 3
• Glândulas Seminais 1
• Próstata 2
• Glândulas bulbouretrais 3

(PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.) (NETTER,2002) (PUTZ; PABST, 2000.)
(PUTZ; PABST, 2000.)
(NETTER,2002)
(PUTZ; PABST, 2000.)
Sistema Genital Masculino: Glândulas Anexas – Glândulas Seminais:
Sistema Genital Masculino:
Glândulas Anexas – Glândulas Seminais:
Definição: Órgão membranoso, par, com fundo cego voltado superiormente, e sua extremidade inferior afilada para
Definição: Órgão membranoso,
par, com fundo cego voltado
superiormente, e sua extremidade
inferior afilada para constituir o
seu ducto. Cada vesícula
apresenta em média 7,5cm de
comprimento.
• Localização: Entre o fundo da
bexiga e o reto, com sua
extremidade superior divergente
em relação com o ducto
deferente, e as extremidades
inferiores para a base da
próstata.

Função: Elaborar o líquido

seminal para ser adicionado aos

espermatozóides.

Função: Elaborar o líquido seminal para ser adicionado aos espermatozóides. (NETTER,2002) (NETTER,2002)
(NETTER,2002) (NETTER,2002)
(NETTER,2002)
(NETTER,2002)
Sistema Genital Masculino: • Definição: Órgão impar e mediano, de natureza mista, parte glandular e
Sistema Genital Masculino:
Sistema Genital Masculino:
• Definição: Órgão impar e mediano, de natureza mista, parte glandular e parte muscular. No
• Definição: Órgão impar e
mediano, de natureza mista,
parte glandular e parte
muscular. No adulto a próstata
mede 30mm de altura, 40mm
de largura e 25mm de
espessura. Seu peso
corresponde à 20g.

Forma: assemelha-se a um cone

curto, achatado no sentido ântero-posterior e apresentando seu ápice arredondado. Sua base

está voltado para cima em

relação direta com o colo da bexiga, e seu ápice está voltado para baixo em contato com o diafragma urogenital.

em relação direta com o colo da bexiga, e seu ápice está voltado para baixo em
em relação direta com o colo da bexiga, e seu ápice está voltado para baixo em
seu ápice está voltado para baixo em contato com o diafragma urogenital. Glândulas Anexas – Próstata:
Glândulas Anexas – Próstata:
Glândulas Anexas – Próstata:

(NETTER,2002)

Sistema Genital Masculino: Glândulas Anexas – Próstata: • Função: A secreção prostática corresponde a 20%
Sistema Genital Masculino:
Sistema Genital Masculino:
Glândulas Anexas – Próstata:
Glândulas Anexas – Próstata:
• Função: A secreção prostática corresponde a 20% do volume do sêmen, é responsável por

Função: A secreção prostática corresponde a 20% do volume do

sêmen, é responsável por ativar os

espermatozóides, neutralizar a acidez, presente na uretra masculina e na vagina, dar a aparência láctea ao sêmen e também lhe conferir o

odor característico, semelhante ao

odor de castanhas frescas.

• Localização: Está localizada na cavidade pélvica, por baixo da bexiga, por cima do diafragma
• Localização: Está localizada na
cavidade pélvica, por baixo da
bexiga, por cima do diafragma
pélvico, por trás da sínfise púbica,
por diante do reto, através do qual
pode ser facilmente palpada.
envolve a uretra prostática e o ducto

ejaculatório.

(PUTZ; PABST, 2000.)

através do qual pode ser facilmente palpada. envolve a uretra prostática e o ducto ejaculatório. (PUTZ;
através do qual pode ser facilmente palpada. envolve a uretra prostática e o ducto ejaculatório. (PUTZ;

Sistema Genital Masculino:

Glândulas Anexas – Glândulas Bulbouretrais: (PUTZ; PABST, 2000.) • Glândulas Bulbouretrais 1 - Definição:
Glândulas Anexas – Glândulas Bulbouretrais:
(PUTZ; PABST, 2000.)
• Glândulas Bulbouretrais 1 -
Definição: Órgãos glandulares,
pares, arredondados, semelhante a
um grão de ervilha, apresentando
consistência firme e coloração
amarelada.
• Localização: Estão associadas à
parte esponjosa da uretra, acima do
bulbo do pênis, envolvidas por
fibras do M. esfíncter da uretra.
Seus ductos 2, relativamente
longos atravessam junto com a
uretra o diafragma urogenital para
desembocar na porção proximal da
uretra esponjosa.
• Função: Elaboram um líquido
viscoso, transparente e alcalino,
que antecede a ejaculação, o qual
lubrifica e neutraliza a acidez da
uretra.
viscoso, transparente e alcalino, que antecede a ejaculação, o qual lubrifica e neutraliza a acidez da
viscoso, transparente e alcalino, que antecede a ejaculação, o qual lubrifica e neutraliza a acidez da
Sistema Genital Masculino: Pênis Definição: Órgão de cópula • masculino, ímpar, de aspecto cilíndrico em
Sistema Genital Masculino:
Pênis
Definição: Órgão de cópula
masculino, ímpar, de aspecto
cilíndrico em estado de flacidez,
porém durante a ereção torna-
se prismático triangular.
Representa órgão comum para
saída do sêmen e urina.
(PUTZ; PABST, 2000.)
Constituição: É formado por
três cilindros de tecido erétil –
corpo esponjoso 1 e os corpos
cavernosos 2 - delimitados por
tecido fibroso, e revestidos por
pele, fina, pigmentada, e
distensível.
Localização : Está localizado
por cima do escroto, entre a
sínfise púbica e o ânus
(PUTZ; PABST, 2000.)
(NETTER,2002)

Sistema Genital Masculino:

Sistema Genital Masculino: (NETTER,2002) Pênis • Divisão Anatômica: Apresenta para estudo anatômico uma raiz e
Sistema Genital Masculino: (NETTER,2002) Pênis • Divisão Anatômica: Apresenta para estudo anatômico uma raiz e
Sistema Genital Masculino: (NETTER,2002) Pênis • Divisão Anatômica: Apresenta para estudo anatômico uma raiz e
(NETTER,2002)
(NETTER,2002)
Sistema Genital Masculino: (NETTER,2002) Pênis • Divisão Anatômica: Apresenta para estudo anatômico uma raiz e
Pênis • Divisão Anatômica: Apresenta para estudo anatômico uma raiz e um corpo. • Raiz:
Pênis
Divisão Anatômica: Apresenta
para estudo anatômico uma
raiz e um corpo.
• Raiz: é representada pelo bulbo
e pelos ramos do pênis,
formações correspondentes as
extremidades posteriores das
estruturas eréteis do pênis. Está
fixa pelos ramos aos ossos da
pelve, e através do bulbo ao
diafragma pélvico.

Corpo: corresponde a parte

livre, pendente do pênis,

sendo constituída pela demais porções dos corpos cavernosos e esponjoso, e recoberta por pele.

Sistema Genital Masculino:

Sistema Genital Masculino: (NETTER,2002) Pênis Tecidos Eréteis: São formações lacunares as quais se enchem de
(NETTER,2002)

(NETTER,2002)

Sistema Genital Masculino: (NETTER,2002) Pênis Tecidos Eréteis: São formações lacunares as quais se enchem de
Sistema Genital Masculino: (NETTER,2002) Pênis Tecidos Eréteis: São formações lacunares as quais se enchem de
Pênis
Pênis
Tecidos Eréteis: São formações lacunares as quais se enchem de sangue durante a ereção, e
Tecidos Eréteis: São formações
lacunares as quais se enchem de
sangue durante a ereção, e assim
conferem ao pênis a rigidez exigida
para a cópula. É representado pelos
corpos cavernosos e esponjoso.

Corpos Cavernosos: Estruturas pares, unidas anteriormente para formar o corpo do pênis, posteriormente divergem entre si constituindo os ramos do pênis, através dos quais fixam o órgão as partes do ilíaco( ísquio e púbis). Sua extremidade anterior é arredondada e se ajusta à base da glande.

o órgão as partes do ilíaco( ísquio e púbis). Sua extremidade anterior é arredondada e se
o órgão as partes do ilíaco( ísquio e púbis). Sua extremidade anterior é arredondada e se
(PUTZ; PABST, 2000.) Fimose o acentuado, sendo impossibilitado de fazendo com que a mesma permaneça
(PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.) Fimose o acentuado, sendo impossibilitado de fazendo com que a mesma permaneça a
Fimose o acentuado, sendo impossibilitado de fazendo com que a mesma permaneça a higiene, e
Fimose
o
acentuado, sendo impossibilitado de
fazendo com que a mesma permaneça
a higiene, e normalmente causa

prepúcio apresenta um estreitamento

deslizar posteriormente sobre a glande,

Prepúcio: Corresponde a uma dupla camada de pele, a qual recobre a glande em toda sua extensão. O Frênulo do prepúcio é uma prega mediana que parte da porção inferior da camada profunda do prepúcio para a glande, fixando-se nas proximidades do óstio da uretra.

a glande, fixando-se nas proximidades do óstio da uretra. Fimose : é uma condição verificada quando

Fimose: é uma condição verificada quando

da uretra. Fimose : é uma condição verificada quando www.uropediatria.com.br sempre recoberta. Essa alteração

www.uropediatria.com.br

sempre recoberta. Essa alteração dificulta

desconforto durante a cópula. A correção

da fimose se dá através de um processo cirúrgico, com anestesia local, denominado postectomia.

Sistema Genital Masculino:

(NETTER,2002)

Sistema Genital Masculino: (NETTER,2002) Escroto Definição: Bolsa músculo- cutânea, ímpar e mediana, responsável
Escroto Definição: Bolsa músculo- cutânea, ímpar e mediana, responsável por conter, os testículos 1, os
Escroto
Definição: Bolsa músculo-
cutânea, ímpar e mediana,
responsável por conter, os
testículos 1, os epidídimos 2, e a
porção inicial dos ductos
deferentes 3.
Localização Anatômica:
Dorsalmente ao pênis,

ventroinferiormente à sínfise púbica. Está aderido à região púbica, ao períneo, região inguinal, e pênis.

(PUTZ; PABST, 2000.) Sistema Genital Feminino (PUTZ; PABST, 2000.)
(PUTZ; PABST, 2000.) Sistema Genital Feminino (PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)

Sistema Genital Feminino
Sistema Genital Feminino

(PUTZ; PABST, 2000.)

Sistema Genital Feminino (PUTZ; PABST, 2000.) Divisão Órgãos Genitais Femininos Internos - Ovários (1) -
Sistema Genital Feminino
(PUTZ; PABST, 2000.)
Divisão
Órgãos Genitais Femininos Internos
- Ovários (1)
- Tubas Uterinas (2)
- Útero (3)
- Vagina (4)
Órgãos Genitais Femininos Externos
-
Pudendo Feminino
Órgãos Genitais Femininos Internos
Órgãos Genitais Femininos Internos
Órgãos Genitais Femininos Internos

Ovários / Generalidades

Ovários / Generalidades Apresenta forma comparável a uma amêndoa. Definição: órgãos pares, com 3cm de comprimento;
Apresenta forma comparável a uma amêndoa.
Apresenta forma comparável a uma
amêndoa.
/ Generalidades Apresenta forma comparável a uma amêndoa. Definição: órgãos pares, com 3cm de comprimento; 2cm

Definição: órgãos pares, com 3cm de comprimento; 2cm de largura; e 1,5cm de espessura

(PUTZ; PABST, 2000.)

2cm de largura; e 1,5cm de espessura (PUTZ; PABST, 2000.) (NETTER,2002) Coloração e Textura Superficial: Antes
(NETTER,2002)
(NETTER,2002)
e 1,5cm de espessura (PUTZ; PABST, 2000.) (NETTER,2002) Coloração e Textura Superficial: Antes da Ovulação:
e 1,5cm de espessura (PUTZ; PABST, 2000.) (NETTER,2002) Coloração e Textura Superficial: Antes da Ovulação:

Coloração e Textura Superficial:

Antes da Ovulação: cor rosada e aspecto liso.

Após Sucessivas Ovulações: cor acinzentada e aspecto rugoso.

Corpo Lúteo

Corpo Albicans

regressão do corpo Lúteo.

se origina após a ovulação.

cicatriz fibrosa resultado da

Funções:

Produção dos Óvulos

Produção e Secreção dos Hormônios:

Estrogênios e Progesterona.

resultado da Funções: Produção dos Óvulos Produção e Secreção dos Hormônios: Estrogênios e Progesterona.
Ovários / Divisão Anatômica Apresenta para Estudo Anatômico: 02 Faces; 02 Margens; e 02 Extremidades.
Ovários / Divisão Anatômica
Ovários / Divisão Anatômica
Apresenta para Estudo Anatômico: 02 Faces; 02 Margens; e 02 Extremidades. Face Medial Face Lateral
Apresenta para Estudo Anatômico: 02
Faces; 02 Margens; e 02 Extremidades.
Face Medial
Face Lateral
Margem Livre
Margem Mesovárica (1)
presa a uma
expansão do Lig. Largo do Útero,
o
Mesovário. Está margem representa o Hilo
do Ovário, por onde passam as Aa. e Vv.
Ováricas.
Extremidade Tubária (2): voltada para cima,
está dirigida para Tuba Uterina.

Extremidade Uterina (3): Voltada para baixo, está dirigida para o Útero.

(NETTER,2002)

Ovários / Localização e Meios de Fixação

Ovários / Localização e Meios de Fixação Está localizado na cavidade pélvica, por trás do ligamento
Está localizado na cavidade pélvica, por trás do ligamento largo do útero, e logo abaixo
Está localizado na cavidade pélvica,
por trás do ligamento largo do útero,
e logo abaixo da tuba uterina.
Meios de fixação
Lig. Suspensor do Ovário (1): une
o Ovário a parede da Pelve.
Lig. Útero-Ovárico (2): Une o
Ovário ao Útero.
Os
Ovários
não
apresentam
(PUTZ; PABST, 2000.) revestimento Peritonial.

(PUTZ; PABST, 2000.)

revestimento Peritonial.

revestimento Peritonial.
(PUTZ; PABST, 2000.) revestimento Peritonial.

Tubas Uterinas / Generalidades

Tubas Uterinas / Generalidades Definição: órgãos pares, de forma tubular, implantadas no ângulo látero- superior
Definição: órgãos pares, de forma tubular, implantadas no ângulo látero- superior do Útero, e do
Definição: órgãos pares, de forma
tubular, implantadas no ângulo látero-
superior do Útero, e do ponto de
Implantação, se estendem lateralmente
em direção às paredes da Pelve.
Apresentam um calibre irregular, e
10cm de extensão.
Além de sua ligação ao Útero, as Tubas
Uterinas apresentam como meio de
fixação uma prega do Ligamento Largo
do Útero, a MESOSALPINGE (1).
Comunicações:
Com a Cavidade Uterina: através do
Óstio Uterino da Tuba (2).
(NETTER,2002) (NETTER,2002) Com a Cavidade Peritonial: através do Óstio Abdominal da Tuba (3).

(NETTER,2002)

(NETTER,2002)

Com a Cavidade Peritonial: através do Óstio Abdominal da Tuba (3).

(NETTER,2002) (NETTER,2002) Com a Cavidade Peritonial: através do Óstio Abdominal da Tuba (3).
Tubas Uterinas / Divisão Está dividida para estudo Anatômico e 04 porções. Uterina: constitui o
Tubas Uterinas / Divisão Está dividida para estudo Anatômico e 04 porções. Uterina: constitui o
Tubas Uterinas / Divisão
Está dividida para estudo Anatômico e 04
porções.
Uterina: constitui o segmento da Tuba, que
está ligada ao Útero.
Istmo (1): continua a parte uterina em direção
à Ampola. Corresponde a porção mais
estreitada do órgão.
(NETTER,2002)
Ampola (2): corresponde a dilatação que se
segue ao Istmo. É considerada como sendo a região da Tuba onde ocorre a Fecundação.

segue ao Istmo. É considerada como sendo a

região da Tuba onde ocorre a Fecundação.

Infundíbulo (3): apresenta forma de funil, com a base voltada para os Ovários. na base identificamos as Fímbrias, dentre as quais se destaca uma mais longa que vai até o Ovário, a Fímbria Ovárica.

O Infundíbulo abre-se para a Cavidade Peritonial, através do Óstio Abdominal da Tuba.

(NETTER,2002)
(NETTER,2002)
Fímbria Ovárica. O Infundíbulo abre-se para a Cavidade Peritonial, através do Óstio Abdominal da Tuba. (NETTER,2002)
Ovárica. O Infundíbulo abre-se para a Cavidade Peritonial, através do Óstio Abdominal da Tuba. (NETTER,2002)
Útero Definição: Órgão oco, em forma de pêra, ímpar e mediano. É predominante muscular, o
Útero Definição: Órgão oco, em forma de pêra, ímpar e mediano. É predominante muscular, o
Útero
Útero
Definição: Órgão oco, em forma de pêra, ímpar e mediano. É predominante muscular, o que

Definição: Órgão oco, em forma de pêra, ímpar e mediano. É predominante

muscular, o que favorece a sua função, pois cabe ao mesmo, abrigar e

proteger o zigoto, e ainda acompanhar seu desenvolvimento durante todas as fases de sua evolução, até o nascimento. Durante o parto, o componente muscular ainda exerce importante papel na expulsão do novo ser vivo para o meio externo através do CANAL do PARTO.

Útero Está localizado no centro da Cavidade Pélvica, por trás da Bexiga Urinária, e por
Útero

Útero

Útero
Está localizado no centro da Cavidade Pélvica, por trás da Bexiga Urinária, e por diante
Está localizado no centro da Cavidade Pélvica,
por trás da Bexiga Urinária, e por diante do
Reto.
Face Anterior: plana
Face Posterior: abaulada
Apresenta para estudo Anatômico as seguintes porções: Fundo; Corpo; Istmo; e Colo. Fundo(1) : corresponde
Apresenta para estudo Anatômico as seguintes porções: Fundo; Corpo; Istmo; e Colo. Fundo(1) : corresponde
Apresenta para estudo Anatômico as seguintes porções: Fundo; Corpo; Istmo; e Colo. Fundo(1) : corresponde
Apresenta para estudo Anatômico as seguintes porções: Fundo; Corpo; Istmo; e Colo.

Apresenta para estudo Anatômico as seguintes porções: Fundo; Corpo; Istmo; e Colo.

Apresenta para estudo Anatômico as seguintes porções: Fundo; Corpo; Istmo; e Colo.
Fundo(1) : corresponde a parte do órgão situada acima do ponto de implantação das Tubas

Fundo(1): corresponde a parte do órgão situada acima do ponto de implantação das Tubas Uterinas. Nas mulheres que já engravidaram apresenta aspecto convexo.

situada acima do ponto de implantação das Tubas Uterinas. Nas mulheres que já engravidaram apresenta aspecto
Nas mulheres que já engravidaram apresenta aspecto convexo. Corpo (2): é a principal porção do órgão,

Corpo (2): é a principal porção do órgão, estende-se desde o ponto de implantação das tubas uterinas até

uma região estreitada denominada ISTMO. Apresenta

para estudo 02 faces separadas através de duas margens laterais.

estudo 02 faces separadas através de duas margens laterais. Na porção superior das margens do Útero
estudo 02 faces separadas através de duas margens laterais. Na porção superior das margens do Útero

Na porção superior das margens do Útero se implantam as Tubas Uterinas. Neste nível encontramos os óstios uterinos das Tubas para comunicar a luz da Tuba com a cavidade uterina.

Face Posterior

(PUTZ; PABST, 2000.)

Útero / Meios de Fixação Ligamento Largo (1) Prega de reflexão do Peritônio, que estende
Útero / Meios de Fixação
Útero / Meios de Fixação
Útero / Meios de Fixação Ligamento Largo (1) Prega de reflexão do Peritônio, que estende das
Ligamento Largo (1) Prega de reflexão do Peritônio, que estende das paredes da Cavidade Pélvica

Ligamento Largo (1)

Ligamento Largo (1) Prega de reflexão do Peritônio, que estende das paredes da Cavidade Pélvica até

Prega de reflexão do Peritônio, que estende das paredes da Cavidade Pélvica até as Margens Laterais do Útero

da Cavidade Pélvica até as Margens Laterais do Útero Ligamento Redondo (2) Cordões fibrosos, que partem

Ligamento Redondo (2)

até as Margens Laterais do Útero Ligamento Redondo (2) Cordões fibrosos, que partem de cada lado

Cordões fibrosos, que partem de cada lado da margem lateral do ÚTERO, abaixo da implantação das TUBAS UTERINAS, para, através do CANAL INGUINAL, alcançarem a face profunda dos LÁBIOS MAIORES DA VULVA.

, alcançarem a face profunda dos LÁBIOS MAIORES DA VULVA. LigamentoÚtero-Sacral Partem da região inferior da

LigamentoÚtero-Sacral

dos LÁBIOS MAIORES DA VULVA. LigamentoÚtero-Sacral Partem da região inferior da FACE POSTERIOR do CORPO do

Partem da região inferior da FACE POSTERIOR do CORPO do ÚTERO, até o Osso Sacro.

Partem da região inferior da FACE POSTERIOR do CORPO do ÚTERO, até o Osso Sacro. (NETTER,2002)

(NETTER,2002)

(NETTER,2002)

(NETTER,2002)

Útero / Estratigrafia Perimétrio (1) Camada externa representada pelo Peritônio que reveste o Útero. Miométrio
Útero / Estratigrafia
Perimétrio (1)
Camada externa representada pelo Peritônio
que reveste o Útero.
Miométrio (2)
Camada Média, constituída por Músculo Liso.
Corresponde a mais espessa das camadas que
formam as paredes do Útero. Determina a
elasticidade necessária para o órgão
acompanhar o aumento do feto durante a
gestação.
Endométrio (3)
Camada Interna, mensalmente sofre
modificações (torna-se mais espessa e
vascularizada) para receber o Zigoto. Não
havendo a fecundação essa modificações do
Endométrio descamam e são eliminadas sobre a
(NETTER,2002)
forma de Menstruação.
Vagina

Vagina

Vagina
Vagina (PUTZ; PABST, 2000.) (NETTER,2002) Tubo músculo-mebranoso, ímpar e mediano, o qual Representa o Órgão de
Vagina (PUTZ; PABST, 2000.) (NETTER,2002) Tubo músculo-mebranoso, ímpar e mediano, o qual Representa o Órgão de
(PUTZ; PABST, 2000.) (NETTER,2002) Tubo músculo-mebranoso, ímpar e mediano, o qual Representa o Órgão de
(PUTZ; PABST, 2000.) (NETTER,2002) Tubo músculo-mebranoso, ímpar e mediano, o qual Representa o Órgão de

(PUTZ; PABST, 2000.)

(NETTER,2002)

(PUTZ; PABST, 2000.) (NETTER,2002) Tubo músculo-mebranoso, ímpar e mediano, o qual Representa o Órgão de Cópula
Tubo músculo-mebranoso, ímpar e mediano, o qual Representa o Órgão de Cópula Feminino.

Tubo músculo-mebranoso, ímpar e mediano, o qual Representa o Órgão de Cópula Feminino.

Tubo músculo-mebranoso, ímpar e mediano, o qual Representa o Órgão de Cópula Feminino.
Apresenta para estudo Anatômico 02 Paredes: Anterior (curta) e Posterior(longa), justapostas. A parede Anterior da

Apresenta para estudo Anatômico 02 Paredes:

Anterior (curta) e Posterior(longa), justapostas. A

parede Anterior da Vagina é mais curta, em razão de

sua relação com o COLO DO ÚTERO.

Posterior(longa), justapostas. A parede Anterior da Vagina é mais curta, em razão de sua relação com
curta, em razão de sua relação com o COLO DO ÚTERO. A Vagina se comunica superiormente

A Vagina se comunica superiormente com a CAVIDADE DO ÚTERO, através do ÓSTIO do ÚTERO, inferiormente se comunica com o meio externo, através do ÓSTIO da VAGINA.

comunica com o meio externo, através do ÓSTIO da VAGINA. Nas virgens, o ÓSTIO da VAGINA
Nas virgens, o ÓSTIO da VAGINA é parcialmente fechado pela presença de um membrana conjuntiva,

Nas virgens, o ÓSTIO da VAGINA é parcialmente fechado pela presença de um membrana conjuntiva, de pouca espessura, revestida por mucosa, pobremente inervada e vascularizada, o HÍMEN.

de um membrana conjuntiva, de pouca espessura, revestida por mucosa, pobremente inervada e vascularizada, o HÍMEN.
por mucosa, pobremente inervada e vascularizada, o HÍMEN. Após a 1ª relação sexual, o HÍMEN é
por mucosa, pobremente inervada e vascularizada, o HÍMEN. Após a 1ª relação sexual, o HÍMEN é
Após a 1ª relação sexual, o HÍMEN é rompido, restando apenas seus fragmentos, as CARÚNCULAS

Após a 1ª relação sexual, o HÍMEN é rompido, restando apenas seus fragmentos, as CARÚNCULAS HIMENAIS, em sua margem de

inserção.

sexual, o HÍMEN é rompido, restando apenas seus fragmentos, as CARÚNCULAS HIMENAIS, em sua margem de
sexual, o HÍMEN é rompido, restando apenas seus fragmentos, as CARÚNCULAS HIMENAIS, em sua margem de
Órgãos Genitais Femininos Externos
Órgãos Genitais Femininos Externos
Órgãos Genitais Femininos Externos
Pudendo Feminino Está representado pelas seguintes estruturas: MONTE PÚBICO (1): elevação mediana situada por
Pudendo Feminino Está representado pelas seguintes estruturas: MONTE PÚBICO (1): elevação mediana situada por
Pudendo Feminino Está representado pelas seguintes estruturas: MONTE PÚBICO (1): elevação mediana situada por
Pudendo Feminino
Está representado pelas seguintes estruturas:
MONTE PÚBICO (1): elevação mediana
situada por diante da Sínfise Púbica. È
constituída por Tecido adiposo, revestido por
cútis, na qual após a puberdade verifica-s e a
presença de pêlos.
LÁBIOS MAIORES (2): duas pregas cutâneas
alongadas, delimitam entre si uma fenda
mediana, a RIMA DO PUDENDO. Os Lábios
Maiores apresenta uma face medial lisa, e
outra lateral com pêlos após a puberdade.
LÁBIOS MENORES (3): duas pregas cutâneas
lisas, situadas medialmente aos Lábios
Maiores, delimitam entre si o VESTÍBULO DA
VAGINA, onde identificamos: o ÓSTIO da
(PUTZ; PABST, 2000.) URETRA; ÓSTIOS VESTIBULARES. ÓSTIO DA VAGINA DAS OS GLÂNDULAS (4); E DOS

(PUTZ; PABST, 2000.)

URETRA;

ÓSTIOS

VESTIBULARES.

ÓSTIO

DA

VAGINA

DAS

OS

GLÂNDULAS

(4);

E

DOS

DUCTOS

URETRA; ÓSTIOS VESTIBULARES. ÓSTIO DA VAGINA DAS OS GLÂNDULAS (4); E DOS DUCTOS
PABST, 2000.) URETRA; ÓSTIOS VESTIBULARES. ÓSTIO DA VAGINA DAS OS GLÂNDULAS (4); E DOS DUCTOS
Estruturas Eréteis CLITÓRIS (1): órgão erétil feminino, homólogo ao pênis masculino. É constituído, por 02
Estruturas Eréteis CLITÓRIS (1): órgão erétil feminino, homólogo ao pênis masculino. É constituído, por 02
Estruturas Eréteis
Estruturas Eréteis

CLITÓRIS (1): órgão erétil feminino, homólogo ao pênis masculino. É constituído, por 02 RAMOS fixos aos ramos inferiores dos púbis, unindo-se

medianamente para formar o CORPO DO

CLÍTÓRIS, terminando em uma dilatação anterior, a GLANDE DO CLITÓRIS, identificada, no ponto em que se unem superiormente os LÁBIOS MENORES.

BULBO DO VESTÍBULO (2): Formado por duas massas pares de tecido erétil, situados profundamente aos Lábios Menores da Vulva, envolvidos pelo M. Bulbo cavernoso. Quando cheios de sangue, dilatam-se e desta forma proporcionam maior contato entre o pênis e o Óstio da vagina.

(NETTER,2002)

Glândulas Anexas GLÂNDULAS VESTIBULARES MAIORES (1): glândula esférica, par, de tamanho próximo ao de uma
Glândulas Anexas
Glândulas Anexas

GLÂNDULAS VESTIBULARES MAIORES (1):

glândula esférica, par, de tamanho próximo ao de uma ervilha, situadas profundamente no VESTÍBULO DA VAGINA, onde abrem-se seus DUCTOS (2).

GLÂNDULAS VESTIBULARES MENORES:

apresentam-se em número variável, com ductos diminutos, os quais se abrem no VESTÍBULO da VAGINA, entre o ÓSTIO DA

URETRA e o ÓSTIO da VAGINA.

Este conjunto de Glândulas visa promover a lubrificação, tornando úmidos as estruturas associadas à cópula feminina, favorecendo assim a relação sexual.

(PUTZ; PABST, 2000.)

(PUTZ; PABST, 2000.)
(PUTZ; PABST, 2000.)

REFERÊNCIAS

REFERÊNCIAS

CASTRO, S.V. de.Anatomia Fundamental.2.ed. São Paulo: Mc Graw Hill do Brasil,

1985.

COMISSÃO FEDERATIVA DA TERMINOLOGIA ANATÕMICA. Terminologia Anatômica:

terminologia anatômica internacional. São Paulo: Manole, 2001. Corpo Humano. Disponível em:

pagina.htm>. Acesso em: 13/06/2006. DANGELO, J.G.; FATTINI, C.A.Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar para o Estudante de Medicina.2.ed. Belo Horizonte: Atheneu,1998. FRANK, H.; NETTER, M. D. Atlas Interativo de Anatomia Humana. 3. ed. Porto Alegre:

artmed, 2002.

GRAY, H.; GOSS, C.M. Anatomia. 29.ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.

Hemodiálise. Disponível em: http://www.rins-online.com.br. Acesso em:

13/12/2012.

JARVIS, C. Exame Físico e Avaliação de saúde. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara

Koogan,2002

LIBERATO, J.A., DiDio, L.J.A. Tratado de Anatomia Sistêmica Aplicada. 2. ed. Belo

Horizonte: Atheneu, 2002.v.1. MOORE, K.L. Anatomia Orientada para a clínica. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1994. PUTZ, R.; PABST, R. (Ed.). Atlas de Antomia Humana Sobotta. 21.ed. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan, 2000. 2v.

Próstata. Disponível em: <wwwmedizin.de/gesundheit/deutsch/377htm>. Acesso

em: 13/06/2011.