Вы находитесь на странице: 1из 39

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

Aula 02 - PANORAMA ECONOMICO

Bem pessoal, na aula demonstrativa abordamos um panorama mais geral de situações políticas e econômicas mundiais, para compreender as transformações que vemos hoje à nossa volta. Como foi dito: para entender a dinâmica do processo é imprescindível que conheçamos o próprio processo, as suas origens e aí então poderemos entender suas consequências. Pois bem, hoje nos determos nas situações econômicas mais atuais que tanto tem causado rebuliço no Brasil e no mundo todo e, para entender essas situações precisaremos compreender, por exemplo, o que é bloco econômico, quais são as principais organizações econômicas no mundo etc. Mas, esses conceitos nem são novidades pra vocês que já estão estudando a muito tempo pra concursos de alto nível como este,ok? Portanto, nem preciso aprofundar demais em determinadas coisas que, certamente, já lhes são bem familiares!

Prof a Virgínia Guimarães

1

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

A GLOBALIZAÇÃO E A ECONOMIA

Bem, queridos, agora que já relembramos os principais pontos sobre globalização na aula demonstrativa precisamos saber o que isso tem a ver com os fatos econômicos recentes, não é mesmo? Se eu pedisse pra você me dizer o que lhe vem a cabeça quando pensa em fato econômico atual o que você diria? Certamente a crise econômica mundial e suas sérias conseqüências na Europa seria uma das primeiras lembranças, acertei? Pois então, como poderemos compreender essa crise sem ter uma boa compreensão do fenômeno que permite com que um “erro econômico” ocorrido nos EUA atinja todo o mundo? Ou ainda que uma crise na economia grega desestabilize toda zona do euro? Aliás, você sabe como se formou essa zona?

BLOCOS REGIONAIS - Generalidades

Conforme já vimos, a integração econômica e política é uma consequência da globalização. Após a Segunda Guerra Mundial, os países se deram conta de que se unissem forças, eles teriam muito maior voz no cenário internacional do que se agissem isoladamente. Concomitante a isso, começam a proliferar organizações internacionais, as quais materializam a idéia de que problemas em comum da humanidade deveriam ser enfrentados pela cooperação internacional.

Prof a Virgínia Guimarães

2

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

E por que estou falando isso agora? Porque é ai que se encontra a sementinha que possibilitou o surgimento dos blocos econômicos que conhecemos hoje. Se a integração e cooperação entre os países tiveram início por motivações eminentemente políticas, podemos estar certo de que depois também se evidenciaram no campo econômico. Deste modo, surgiram os blocos regionais, que tiveram seu embrião na Europa e depois se espalharam às outras regiões do planeta. E foi essa expansão que originou o que hoje conhecemos como acordos preferenciais e blocos regionais, dentre os quais destacamos a União Europeia, o NAFTA e o MERCOSUL. Pessoal, quando falo de blocos regionais, há uma tendência de vocês pensarem que são todos uma coisa só, não é mesmo? Entretanto, eles possuem diferentes estágios de integração. Segundo Bela Balassa, criador da teoria da integração regional, existem os seguintes estágios de integração econômica:

Área de Livre Comércio: caracteriza-se pela livre circulação de mercadorias e serviços. Dizer que há livre circulação de mercadorias significa que o substancial do comércio (a maior parte do fluxo de mercadorias) circula sem pagar impostos de importação (direitos aduaneiros) entre os países do bloco. A livre circulação de serviços, por sua vez, fica caracterizada quando não há restrições à prestação de serviços dentro do bloco. Nesse sentido, um médico do país A poderia fazer consultas normalmente no país B, sem qualquer restrição. Ou então, uma empresa de A poderia instalar-se e prestar serviços de extração de petróleo no país B. Tudo isso, é claro, se A e B fossem integrantes da área de livre comércio.

Prof a Virgínia Guimarães

3

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

Na prática, o que se verifica é que a completa liberalização do comércio de mercadorias e serviços é algo muito difícil de ser alcançado. Como exemplo de área de livre comércio, citamos o NAFTA. União Aduaneira: Na união aduaneira, além da livre circulação de mercadorias e serviços, haveria harmonização da política comercial em relação a terceiros países. Assim, os países-membros desse bloco comercial estabeleceriam as mesmas regras alfandegárias em relação aos não-membros. Em outras palavras, as normas de comércio exterior seriam essencialmente as mesmas em todos os países, aplicando-se, inclusive, uma Tarifa Externa Comum (TEC). A Tarifa Externa Comum (TEC) é uma tabela que estabelece as alíquotas do imposto de importação para os produtos importados de terceiros países. Imagine que o país A, B e C forme uma união aduaneira. Nesse caso, há livre circulação de mercadorias entre eles (no comércio regional não incide imposto de importação) e, ainda, cobram o mesmo imposto de importação em relação a terceiros países. Como exemplos de uniões aduaneiras citamos, o MERCOSUL e a Comunidade Andina. Mercado Comum: possui, cumulativamente, as características da união aduaneira somadas à livre circulação dos fatores de produção. Assim, não há restrições ao movimento de capitais e de pessoas. Para que seja possível a livre circulação de fatores de produção, é necessário, todavia, a harmonização das políticas previdenciária, trabalhista e de capitais entre os integrantes do bloco. Vale ressaltar que, no mercado comum, existirá, assim como na união aduaneira, uma harmonização da política comercial intrabloco (comércio livre de barreiras entre seus integrantes) e extrabloco (regras de comércio exterior unificadas, incluindo tributação).

Prof a Virgínia Guimarães

4

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

União Econômica: caracteriza-se pela harmonização das políticas econômicas dos países-membros. Integração Econômica Total: caracteriza-se pela equalização das políticas econômicas. “Mas, professora, qual a diferença entre harmonização e equalização de políticas econômicas?” Para ficar bem fácil de visualizar, pensemos num quadro. Nesse quadro, foi pintada uma imagem cuja simples admiração lhe traz uma sensação de bem estar. Muito provavelmente, essa tela está repleta de cores que se harmonizam, ou seja, possui cores que combinam entre si. Apesar de diferentes, uma vez juntas num mesmo contexto, elas não interferem uma na outra, resultando numa diversidade que se combina, que se harmoniza. Por outro lado, se pretendermos que essa tela fique equalizada, usaríamos uma cor só e ela estaria preenchida totalmente por apenas uma cor, ou seja, em qualquer ponto da tela, as cores utilizadas seriam exatamente iguais, tal como um quadro negro. Assim, elas também não se agrediriam, pelo simples fato de serem absolutamente iguais. No caso das políticas econômicas é a mesma coisa! Elas estarão em harmonia quando, apesar de diferentes, não ferirem ou influenciarem negativamente uma na atuação da outra. Em contrapartida, elas estarão equalizadas quando a política adotada em um país for também adotada em outra. Pra ficar mais claro fiz um esqueminha que permite vocês visualizarem bem melhor a diferença entre essas organizações que confundem tanto a cabecinha de vocês rs

Prof a Virgínia Guimarães

5

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

1. Área de livre comércio:

serviços;
serviços;

livre circulação de mercadorias e

2. União aduaneira:

livre circulação de mercadorias e serviços

+

política comum de comércio internacional em relação a terceiros

países com TEC;

3. Mercado comum:

livre circulação de mercadorias e serviços

+

política comum de comércio internacional em relação a terceiros

países com TEC

+

livre circulação dos fatores de produção

4. União Econômica:

livre circulação de mercadorias e serviços

+

política comum de comércio internacional em relação a terceiros

países com TEC

+

HARMONIZAÇÃO

membros

livre circulação dos fatores de produção

+

das

políticas

econômicas

entre

os

países

5. Integração econômica total:

livre circulação de mercadorias e

serviços
serviços

+

política comum de comércio internacional em relação a

terceiros países com TEC

+

livre circulação dos fatores de produção

+

EQUALIZAÇÃO

membros

das

políticas

econômicas

entre

os

países

Agora acho que ficou mais claro, né??Caso contrário voltem ao fórum ok? Mas já que falamos em blocos econômicos vamos entender um pouco mais do bloco econômico mais famoso do momento: a União européia

União Européia Bem, para compreender esse bloco que não sai dos telejornais devido a crise que o acomete precisamos compreender um pouco mais o que é e como se originou esse bloco, não é mesmo? Para isso, vamos

6

Prof a Virgínia Guimarães

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

fazer uma pequena regressão histórica? Por favor, não se assustem, eu juro que é pequena mesmo!!!rsrs Bem, a origem do fenômeno integracionista no continente europeu remonta ao período pós-guerra e à constituição de uma união aduaneira formada por Bélgica, Holanda e Luxemburgo, que ficou conhecida como BENELUX. Passados alguns anos, surgiu a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA), cujo objetivo era a integração das indústrias do carvão e do aço dos países europeus ocidentais. Em 1957, esse bloco evoluiu para a Comunidade Econômica Européia (CEE), também chamada de Mercado Comum Europeu. No ano de 1992, as ambições integracionistas européias deram origem ao Tratado de Maastricht, constitutivo da União Européia. Dentre todos os blocos regionais, a UE é o que se encontra atualmente no estágio mais avançado de integração. Como grande pilares do Tratado de Maastricht podemos citar a união econômica e monetária dos Estados-membros (moeda única), a definição e a execução de uma política externa e de segurança comum, a cooperação em matéria jurídica e a criação de uma cidadania europeia. A moeda única (euro) é uma das grandes marcas da União Europeia, concretizando a ideia de uma união monetária. Diante da atual crise de crédito levanta-se dúvidas sobre a viabilidade de uma moeda única para economias tão diferentes. Pois é necessário que haja uma estabilidade de preços – baixo índice de inflação – sustentabilidade das finanças públicas – inexistência de déficits fiscais excessivos – flutuações da taxa de câmbio dentro de margens normais e baixas taxas de juros de longo prazo. O euro (€) é provavelmente a realização mais tangível da União Européia, já que a moeda única é partilhada por 16 países (2009), que

Prof a Virgínia Guimarães

7

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

representam mais de dois terços da população da União. E outros ainda irão adotar o Euro, assim que as suas economias estejam preparadas. Todas as notas e moedas em euros podem ser usadas nos países onde o euro é aceite. Enquanto as notas são sempre iguais, as moedas têm uma face comum e outra que ostenta um símbolo nacional do país emissor. Países da União Européia que usam o euro: Alemanha, Áustria, Bélgica, Chipre, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Malta, Países Baixos e Portugal. Atualmente, fazem parte da União Europeia 27 membros, havendo ainda três outros Estados em processo de adesão: Macedônia,

Turquia e Croácia. O processo de adesão à União Européia consiste em preparar os países candidatos para cumprirem as obrigações decorrentes da qualidade de Estado membro. Assim, para a adesão ao bloco, exige-se

o cumprimento dos requisitos conhecidos como critérios de Copenhague,

que consistem em requisitos políticos, econômicos e de aplicação da legislação européia.

Quando a União Européia foi efetivamente criada pelo Tratado

de Maastricht em 1992, ela era integrada por apenas 12 membros. Hoje

é mais de 27 membros, o que reclama um aperfeiçoamento da estrutura

dessa instituição. Dessa forma, o Tratado de Lisboa foi assinado em dezembro de 2007 pelos 27 Estados-membros da União Européia com vistas a dotar a União Européia de uma estrutura institucional e jurídica que lhe permita fazer frente aos desafios atuais. Dentre as principais mudanças a serem introduzidas pelo Tratado de Lisboa podemos citar:

Melhoria do processo de tomada de decisão no âmbito da União Européia;

Prof a Virgínia Guimarães

8

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

Reforça a democracia através da atribuição de um papel mais importante ao Parlamento Europeu (maior número de matérias sujeitas ao processo de co-decisão) e aos parlamentos nacionais; Criação da figura de um presidente estável da União, eleito por um período de dois anos e meio, renovável uma vez; Criação do cargo de Alto Representante da União para Relações Exteriores e a Política de Segurança, que será simultaneamente vice-presidente da Comissão Européia; Possibilidade de que um grupo de 1 milhão de cidadãos da União Européia, de um número significativo de Estados dirija-se diretamente à Comissão Européia para solicitar a apresentação de uma proposta legislativa (iniciativa popular); Possibilidade dos Estados de abandonar a União. Em 1º de dezembro de 2009, o Tratado de Lisboa entrou em vigor, após a ratificação por todos os 27 membros da União Européia. Esse processo de ratificação não foi, todavia, realizado de forma tranqüila. As maiores dificuldades foram na ratificação pela Irlanda, que em virtude de especificidades de sua legislação, teve que submeter o Tratado de Lisboa a referendo popular. Na primeira vez em que ele foi submetido a esse processo, os irlandeses responderam de forma negativa. Somente em uma segunda oportunidade o Tratado de Lisboa foi aceito pela população irlandesa. A União Européia, apesar de ser um bloco que atingiu elevado nível de integração, ainda apresenta fortes assimetrias internas. Isso ficou particularmente evidente com o ingresso em 2004 e 2007 de 12 (doze) novos membros à União. Dentre estes, 10 (dez) são países do

Prof a Virgínia Guimarães

9

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

Leste Europeu, oriundos do antigo bloco socialista, o que evidencia uma significativa mudança política nos destinos da região. Recentemente, o fato que mais chama a atenção e que tem aparecido como objeto de cobrança em provas de Atualidades/Conhecimentos Gerais é a crise financeira atravessada por países europeus, pois apesar de fazerem de tudo para ter o melhor sistema econômico possível, a união européia foi duramente atingida pela crise e somente na Espanha, 52,9% dos jovens não têm emprego. Portanto o mercado de trabalho na zona do euro atingiu, em julho, um recorde negativo. Os dois países que registraram as piores taxas de desemprego na zona do euro foram Grécia e Espanha, ambos duramente atingidos pela crise da dívida. Vejamos a seguir algumas questões sobre a União Européia! 1 - (ESAF/ MI-2012)A formação de blocos de países é uma característica marcante da ordem global contemporânea. A União Européia (UE) é, provavelmente, o melhor exemplo de superação de históricas divergências para o êxito do projeto integracionista. No que se refere à UE e aos seus mais recentes problemas, assinale a opção correta a) Ao liderarem o processo de criação da UE, Alemanha e França reafirmou os laços da histórica aliança que os une, fato decisivo para assegurar o isolamento do Reino Unido no contexto continental. b) A atual crise a envolver a UE é essencialmente financeira, colocando em sério risco a estabilidade do euro, moeda única adotada por todos os países integrantes do bloco. c) Com o objetivo de superar a atual crise e depois de difíceis negociações, os países da UE decidiram que as respectivas Constituições nacionais deverão incluir a obrigatoriedade de orçamentos equilibrados.

Prof a Virgínia Guimarães

10

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

d) A exclusão da zona do euro de países com economia em crise, como Grécia, Itália, Portugal e Espanha, foi uma saída radical entendida como necessária para salvar o projeto integracionista europeu. e) Demonstrando absoluta maturidade política e compreensão acerca da gravidade da situação, a opinião pública dos países em crise econômica, a exemplo da grega e da portuguesa, apoiou as medidas de austeridade propostas. Resposta: Letra C

Comentários: Vejam que essa questão caiu agorinha, a muito pouco tempo. Bem, amigos, vejamos o que está errada em cada uma das

questões, já que apenas uma está correta, como afirma o enunciado A letra A está errada, pois o Reino Unido faz parte SIM da União Européia, mas muita gente confunde isso pelo fato deles não terem adotado o euro como moeda.

A letra B também está errada, pois como vimos no caso do

Reino Unido (que ainda possui a libra esterlina) nem todos os países do

bloco adotaram o Euro como prática monetária oficial.

A letra C é a alternativa correta, pois no mês de Abril de 2012

os líderes europeus adotaram numa reunião extraordinário da Comissão Européia, um novo tratado orçamentário para reforçar a disciplina comum, implementando a "regra de ouro", que impõe o equilíbrio das contas. Essa regra nada mais é do que os países se comprometendo a ter orçamentos equilibrados ou com superávit, ou seja, chegar a médio prazo a um déficit estrutural (fora de elementos excepcionais e do serviço da dívida) de um máximo de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Os países que tiverem uma dívida global moderada, abaixo de 60% do PIB, terão direito a um déficit estrutural tolerado de 1%.

Prof a Virgínia Guimarães

11

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

O tratado orçamentário prevê uma correção automática em caso

de desvio da meta, com a obrigação de adotar medidas corretivas durante certo tempo. Deste modo, pessoal, um país que violar esta regra ficará mais facilmente exposto a sanções quase automáticas. Mas o

importante mesmo é saber que a regra de ouro deverá ficar preferencialmente inscrita na Constituição de cada país, ainda que não seja uma obrigação. Um texto de lei basta se seu valor jurídico garantir que não será questionada de forma recorrente.

A letra D está errada, pois não houve nenhuma exclusão de país

da Zona do Euro.

A letra E está errada. Há muitos protestos contra as medidas de

austeridade, principalmente na Grécia.

2 - (CESPE/Câmara dos Deputados/2012) A ampliação dos mercados é uma das características definidoras do estágio atual da economia mundial, o que pressupõe a livre circulação de bens e de capitais. Nesse sentido, medidas protecionistas saíram de cena, em larga medida, por imposição dos países economicamente mais poderosos. Marque certo ou errado

Comentários: Cuidado! O primeiro comentário está correto e isso pode levar ao erro. Realmente a ampliação dos mercados é uma realidade crescente da economia mundial. Entretanto, isso não significa que as medidas protecionistas sairão de cena. Vamos explicar como isso acontece. Os governos têm que tomar medidas para combater a crise, com dinheiro público, e enfrentam pressões dos diversos agentes nacionais para privilegiar o produtor nacional que, afinal, é quem dá empregos aos seus trabalhadores, recolhe impostos e faz girar a economia interna. Isso já gera um reflexo protecionista imediato, nem

12

Prof a Virgínia Guimarães

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

sempre na forma de barreiras clássicas, de tarifas, quotas, proibições. Ou seja, há um tipo de protecionismo que sempre irá existir por questões econômicas óbvias, portanto a assertiva está errada.

3 – (BRDE/-2012) A chamada “crise do Euro” é, na verdade, uma crise econômica do capitalismo e particularmente européia. São muitos os motivos e os problemas que afetam os países do Euro. Assinale a alternativa correta a respeito dessa crise na economia de países europeus.

a) O Euro unificou as economias dos países que aderiram ao mesmo, uniformizando os investimentos na produção e no consumo de bens, havendo consenso entre os países membros sobre o assunto. A zona do euro substituiu, com vantagens, o antigo pacto da União Européia, que deixou de existir.

b) Os bancos, com seus financiamentos e taxas de juros, constituem um elemento importante da crise européia que pode ser entendida, também, como uma crise do sistema financeiro, visto que cobram dos países aos quais fizeram empréstimos, juros e/ou dividendos que não condizem com os lucros da economia desses países devedores. Ocorre que os juros, por exemplo, estabelecidos pelos credores crescem mais do que os dividendos ou lucros reais das empresas devedoras.

c) A crise do Euro manifestou-se principalmente em países da Europa

Oriental, como a Grécia. Mas em vista do isolamento dessas nações, vem afetando pouco os países mais desenvolvidos da Europa Ocidental, como França e Espanha. d) A crise do Euro não envolve problemas de liquidez ou de falta de dinheiro no mercado europeu. Portanto, a inflação não é uma ameaça ao sistema. Igualmente, o princípio do socorro mútuo e da partilha das dívidas de

Prof a Virgínia Guimarães

13

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

forma igualitária entre todos os países membros, afasta o risco de uma economia ruir. e) Apesar de a crise européia estar ameaçada pela recessão e/ou pelo endividamento de alguns países, como a Itália, a Alemanha e a Grécia, há um entendimento entre os países do Euro que o bloco deve permanecer unido e que o setor público é o único que ainda não foi atingido e não apresentou déficit, constituindo o principal suporte da crise RESPOSTA: LETRA “B” Comentários:

Letra A: existem várias construções incorretas, pois está uniformizando os investimentos na produção e no consumo de bens; “consenso entre os países membros”; “antigo pacto da União Européia”. Letra b; CORRETO. Bom amigos, sabemos que a crise do Euro é uma crise de crédito e do sistema financeiro, assim como a crise de 2008, portanto os bancos são os pilares dessa crise. Letra C: INCORRETO: Pois, afirmar que a crise afeta menos a França e a Espanha, logo que afeta mais os PIGS (Portugal, Itália, Grécia, e Espanha), e a França teve sua nota de risco rebaixada recentemente; nota risco rebaixada recentemente. Letra D: INCORRETO: o erro é que um dos problemas da crise é exatamente a falta de liquidez dos investimentos; e na alternativa “e”, o problema é que o setor público fora muito atingido sendo um dos baluartes da crise.

4 – (CESPE - 2012 - Banco da Amazônia ) Na Comunidade Européia, os países que adotaram o euro passam por sérias dificuldades econômicas, enquanto aqueles que não optaram pela

Prof a Virgínia Guimarães

14

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

moeda única conseguiram resistir aos efeitos da crise, como é o caso da Espanha. VERDADEIRA OU FALSA? Resposta: FALSA Comentários: Bom pessoal, de acordo com os economistas, países da UE que não adotaram o euro também vêm se beneficiando disso e têm passado até aqui quase incólumes na onda de perda de confiança entre os investidores. Temos como exemplo a Suécia, a Grã-Bretanha e a Dinamarca faz parte do grupo no bloco que optou por manter sua própria moeda, é vista como uma “ilha de prosperidade” na região, pois esses países certamente têm uma maior flexibilidade em políticas monetárias do que os países da zona do euro individualmente. Até aí a resposta está correta. Mas vejamos: Uma leitura atenta na aula e hoje e veremos que a Espanha adotou o euro como moeda, e como se sabe, (em 06/12), 100 bilhões de euros (250 bilhões de reais) foram direcionados, a conta- gotas, ao abalado sistema bancário da Espanha, o quer dizer que o país em questão não conseguiu resistir aos efeitos da crise. Portanto logo de esta questão está incorreta por citar a Espanha como exemplo como não optante pelo euro e resistente à crise. Portanto esta assertiva está

ERRADA. http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/11/111122_euro_gra_bretanha_crise_rw.shtml

Bem, pessoal, agora que já compreendemos bem o que é essa tal União Européia já podemos entender bem melhor como a crise que acomete um país da zona do euro acaba afetando praticamente todos os outros, não é mesmo? Mas, pra ficar ainda mais claro é preciso, vamos precisar compreender a origem de toda essa crise, pois, ainda que poucas pessoas se lembrem em 2008 tivemos uma das piores crises econômicas já vivenciadas.

Prof a Virgínia Guimarães

15

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

CRISE FINANCEIRA MUNDIAL

Hoje em dia, sempre quando ligamos a TV só ouvimos falar em crise financeira, não é mesmo? Portanto, esse é um assunto fatalmente importante pra nossa disciplina e, por isso, vamos analisar as últimas que balaram – e ainda abalam – tanto a economia mundial, ok? A economia mundial atingiu meados de 2009 afundada na pior crise desde o fim da Segunda Guerra Mundial, afetando de uma só vez os Estados Unidos, a Europa Ocidental e o Japão. Em outras palavras, a crise econômica afetou os principais pólos econômicos mundiais, os quais sofreram redução drástica em suas atividades produtivas. Nos países da União Européia, onde a moeda utilizada é o euro, os principais índices econômicos mostraram que a queda nas atividades econômicas foi acima de 20%, o que resultou em dolorosos meses de retração econômica. Do mesmo modo, os EUA cruzam a mais extensa depressão em 64 anos. Ora, num mundo economicamente integrado como o nosso, a queda das atividades nos países da União Européia certamente afetará o Brasil, que deixará de exportar laranjas, ou a Argentina, que perderá a venda de carne, por exemplo. Tudo bem! Que a crise afetou o mundo inteiro, não é novidade pra ninguém. Mas afinal, como ela começou? A grande responsável pelo desencadeamento desta crise econômica foi a falência do mercado imobiliário dos EUA, que ficou conhecida como o estouro da “bolha imobiliária”. Em agosto de 2007, duas grandes companhias de financiamento de imóveis norte-americanas quebraram e foi ai que tudo começou. Essas empresas faliram porque a maioria das pessoas que haviam tomado

Prof a Virgínia Guimarães

16

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

empréstimos para comprar casas não estava conseguindo arcar com os custos das prestações, que encareciam a cada dia devido ao aumento da taxa de juros. Aproximadamente um ano depois, diversos bancos norte- americanos, que possuíam boa parte de seu patrimônio composto de papéis baseados nesses empréstimos que não estavam sendo pagos foram arruinados também. Atravessando sérias dificuldades financeiras, esses bancos pararam de contribuir para a execução de atividades em- presariais, o que atacou diretamente a economia dos EUA. E ai vocês podem querer saber: como uma forte crise lá pode ter tanta força no restante do mundo? Vocês se lembram que eu tinha falado antes da hegemonia capitalista americana? Pois bem, como os EUA são responsáveis por pelo menos um quarto da produção mundial, todo o mercado internacional sofreu as conseqüências de sua crise. Mas, pessoal, é claro que isso foi só uma descrição sumária de alguns dos principais elementos da crise mundial em questão que, como todas as anteriores, possuem muitas peculiaridades. Essa, por exemplo, pouco tempo depois de seu início, começou a ser comparada à crise de 1929 devido, justamente, ao aspecto global da turbulência financeira. Pensem agora sobre alguns dados da crise de 1929. É claro que os detalhes daquela crise possivelmente não nos venha à mente nesse momento, mas com certeza nos lembramos do choque mundial proporcionado por ela, não é mesmo? Naquela ocasião, mais de 9 mil bancos e 85 mil empresas faliram e a cotação de suas ações despencou. Além disso, os salários se reduziram e o desemprego atingiu os maiores índices da História. A situação só começou a melhorar quando o presidente Franklin Roosevelt assumiu a presidência dos EUA e colocou em prática, como vimos acima,

Prof a Virgínia Guimarães

17

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

um plano de reformas econômicas e sociais que intervieram diretamente na economia americana. Só para melhor exemplificar, Roosevelt criou: frentes de trabalho, mecanismos de controle de crédito, um banco para financiar as exportações, fixou salários mínimos, limitou a jornada de trabalho e ampliou o sistema de previdência social. E só a partir da intervenção do Estado na Economia, ao contrário do que prega o neoliberalismo, é que o mundo foi gradualmente se recuperando daquela crise mundial. Se naquela época, quando as economias do mundo nem estavam ainda tão interligadas como atualmente, já houve caos mundial, imagina agora, não é? E o Brasil, como fica nossa economia diante desta crise?

Em outros tempos, certamente o Brasil seria muito mais castigado do que foi agora, quando esteve relativamente preservado. Isso se deu porque, atualmente, as exportações brasileiras para o mercado dos Estados Unidos representam menos de 20% do nosso total de exportações. Todavia, o que num primeiro momento pode parecer vantagem não é exatamente uma! Mas, por que não? Vocês poderiam dizer: “Ora, ainda restam 80% das exportações para serem vendidas para diferentes países do mundo, então dos males o menor!” Essa lógica seria perfeita se os outros países do mundo não estivessem fortemente vinculados à economia norte-americana! Mas vocês sabem que essa não é a realidade! Dessa forma, pessoal, tal como um dominó enfileirado, a queda da primeira peça leva à queda seqüencial das outras que se posicionam atrás dela. “Ué, mas então eu não entendi! Os EUA em crise, os outros países exportadores em crise, como o Brasil pode não ter sido afetado tão fortemente pela recessão?”

Prof a Virgínia Guimarães

18

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

Pra não ficarmos falando de números e nos atermos ao que é mais importante, precisamos compreender que o nosso sistema financeiro é bem regulamentado e suas regras de financiamento são muito mais rígidas do que as existentes em outros países. Pensem em como é complicado e burocrático financiar uma casa própria no Brasil! Toda essa burocracia existe para contribuir com as financeiras, que exigem todo tipo de documentação para comprovar que o cidadão é capaz de arcar com aquela despesa, para evitar ao máximo o número de calotes – ao contrário dos EUA onde o crédito imobiliário é extremamente fácil.

Além disso, o governo brasileiro tomou medidas que estimulassem o consumo interno, como por exemplo, a redução de IPI em uma série de produtos. Tenho certeza que todos vocês se cansaram de ver propagandas na TV sobre vendas de carros e de toda a linha branca (fogões, geladeiras, etc.) com redução de IPI, não é? Essa foi justamente uma das estratégias adotadas pelo Brasil para diminuir o impacto da crise no mercado interno, o que, de certa forma, deu certo! Infelizmente, essas medidas não foram suficientes para evitar que a crise mundial chegasse ao Brasil. Elas diminuíram sua força, mas não conseguiram impedir totalmente que seu impacto fosse sentido por aqui.

Por possuir como uma das bases da economia nacional a exportação de mercadorias, principalmente para países ricos, não poderia ser diferente e também tivemos nossas vendas afetadas. Vamos dar uma olhada em como esse assunto já foi cobrado em prova.

5 -(CESPE / IRB / 2010) Acerca da atual crise econômica internacional, julgue C ou E.

Prof a Virgínia Guimarães

19

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

I – Além de envolver grandes bancos e o sistema financeiro internacional, a crise atual tem sido considerada uma crise de paradigmas, em particular da certeza de que os mercados podem autorregular-se e recuperar o equilíbrio automaticamente,

dispensando a intervenção do Estado. II – Diante da crise, as instituições de Bretton Woods não conseguiram propor soluções concretas por ocasião da reunião de Cúpula do G 20 realizada em Londres em 2009.

III – Como membro do G-20, o Brasil insistiu na necessidade de

se prover a economia mundial com créditos para o desenvolvimento, incrementar a regulação financeira,

desenvolver políticas anticíclicas e combater os paraísos fiscais.

IV – Apesar de discordar da resistência de países ricos em

realizar reformas nos organismos multilaterais, como o FMI e o

Banco Mundial, o Brasil comprou títulos emitidos pelo Fundo em

2009.

Marque a alternativa

a) se todos os itens estiverem corretos.

b) se todos os itens estiverem errados.

c) se somente os itens II, III e IV estiverem corretos.

d) se somente os itens I, II e IV estiverem corretos.

e) se somente o item I estiver correto.

Resposta. Letra A

Pessoal, apesar de essa questão ser de 2010, achei interessante colocá-la. Observem como ela continua atual! E isso se explica sido justamente por ter sido o estopim de tudo o que ainda hoje vemos na

Prof a Virgínia Guimarães

20

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

Europa, e acredito que os comentários abaixo irão contribuir mais um pouco nessa compreensão sobre o assunto.

Comentários: A primeira assertiva está correta. Que a recente crise econômica envolveu grandes bancos e o sistema financeiro internacional nós já temos certeza, não é mesmo? Todavia, para entender o porquê essa crise representou também uma quebra de paradigmas, é preciso saber qual era a crença econômica dominante. Desde o Consenso de Washington, as políticas neoliberais são preponderantes e, com elas, a crença de que o mercado tem capacidade para autorregular-se. Todavia, diante da crise, economistas e governos

se viram diante de um beco sem saída. Eles perceberam que o Estado não poderia ficar inerte e deveria intervir para estimular a economia, o que representou uma quebra dos paradigmas neoliberais. Dessa forma, o que a crise mostrou empiricamente? Ela mostrou que, mesmo no capitalismo financeiro, que se baseia no poder das empresas e capitais privados, a economia ainda precisa da ajuda do Estado pra não entrar em colapso. Deste modo, a certeza de que os mercados podiam se autorregular independentemente da intervenção do Estado se evapora, desembocando sim numa crise do paradigma liberal. Voltamos, portanto, às ideias keynesianas de intervenção estatal. Comentários: A segunda assertiva está correta. Para

compreendermos

devemos saber:

este

item,

três

informações

importantes

que

1 – O que é Bretton Woods?

2 – O que é o G20?

3 – O que foi estabelecido no último encontro do G20 em 2009?

Prof a Virgínia Guimarães

21

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

Bem, amigos, no início de nossa aula, já vimos que Bretton Woods foi o nome dado a uma conferência realizada quase ao final da Segunda Guerra com o objetivo de conduzir a política econômica mundial. Por ter sido o primeiro modelo de uma ordem econômica totalmente negociada para reger as relações entre Estados ele foi responsável pela criação de instituições que regulassem seus objetivos:

FMI e BIRD. Bom, outro ponto importante para que respondêssemos corretamente essa pergunta era compreender o que é o G20. O G20 foi criado em 1999 ao término de uma década marcada por agitações econômicas na Ásia, México e Rússia. Ele foi instituído como forma dos países ricos reconhecerem a importância dos países emergentes, que se apresentaram capazes de colocar os mercados em risco com suas inconstâncias. Assim, pessoal, a verdade é que não há regras formais para se adentrar no G20, mas é nítida a intenção de se reunir num mesmo grupo os países mais desenvolvidos e os que estão em desenvolvimento. “Ok, professora! Mas esses países se juntam e fazem o quê,

afinal?”

Então, quando se reúnem os representantes da equipe que compõem o G20, seus dirigentes debatem os mais diversos temas de interesse comum, como assuntos orçamentários, monetários, comerciais, energéticos, soluções para o crescimento e formas de combater o financiamento ao terrorismo. Por exemplo, na reunião do G20 ocorrida em abril de 2009, em Londres, o foco principal foi a crise financeira. Durante o encontro, representantes de vários países solicitaram medidas que respondessem à depressão econômica global. Isso significou que todos os países do G20

Prof a Virgínia Guimarães

22

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

se dispuseram a se empenhar em estabilizar o sistema financeiro e difundir os fundamentos de uma economia sustentável. Para isso seria necessário resguardar o livre comércio e evitar o aumento do protecionismo, ponto em que todos os países se manifestaram a favor e se propuseram a tomar medidas concretas. Apesar dessa decisão, não foram adotadas medidas concretas pelas instituições de Bretton Woods, ou seja, a assertiva está correta. Comentários: A terceira assertiva está correta. Como membro do G20, o Brasil esteve na presidência rotativa da organização e, em 2008, apresentou como pontos de discussão a competição nos mercados financeiros, desenvolvimento econômico e elementos fiscais de crescimento e desenvolvimento. Assim, é correto afirmar que o Brasil insistiu sim na necessidade de prover a economia mundial com créditos para seu desenvolvimento. O Brasil também se posicionou a favor do aumento da rigidez na regulação financeira. Conforme o próprio ministro da fazenda Guido Mantega afirmou, a falta de regulação no mercado financeiro dos EUA foi a raiz da crise econômica global. Comentários: A quarta assertiva está correta. Muito se noticiou na mídia no ano passado que o Brasil havia, pela primeira vez, emprestado dinheiro ao FMI, vocês se lembram? Na verdade, o Brasil se tornou um credor do FMI ao comprar US$10 bilhões em notas dessa organização internacional. É como se o Brasil tivesse dado dinheiro ao FMI e em troca recebeu essas notas, que nada mais são do que papéis que dão direito ao recebimento de valores! Portanto a resposta correta é a Letra A

CRISE EUROPEIA

Prof a Virgínia Guimarães

23

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

Creio que, justamente por ser a mais atual, essa é a crise que mais nos interessa por ter maior probabilidade de ser cobrada, já que quando se fala em Europa vem logo à mente a crise financeira e a turbulências de mercado pela qual a maioria dos países daquele continente está passando. Mas, daí vem a pergunta: por que a Europa passa por uma crise? Bem, pessoal, o fato é que a crise tem um caráter tão sério que líderes das maiores economias mundiais deram início em novembro do ano passado - em Cannes, na França - à tentativa de resolver uma das crises mais profundas do capitalismo.

A reunião do G20, o grupo dos países mais desenvolvidos

ocorreu num contexto em que União Europeia e Estados Unidos se viram novamente afetados pelo baixo crescimento, um problema iniciado em 2008 e que ganhou novos contornos. Se na crise de 2008 os bancos estavam no centro do impasse,

agora o problema é outro

suas dívidas soberanas é que foi colocada em questão. Deste modo, podemos dizer que é a origem dos recursos que outrora socorreram as instituições financeiras e ajudaram a reaquecer a economia que, neste momento, concentra as maiores preocupações. Assim, podemos entender que formação da crise na zona do euro aconteceu, fundamentalmente, por problemas fiscais. Alguns países, como a Grécia, gastaram mais dinheiro do conseguiram arrecadar por meio de impostos nos últimos anos. Para se financiar, passaram, então, a acumular dívidas. Assim, a relação do endividamento sobre PIB de muitas nações do continente ultrapassou significativamente o limite de 60% estabelecido no Tratado de Maastricht, de 1992, que criou a zona do euro (veremos isso mais à frente, ok?).

Agora, a capacidade dos Estados pagarem

Prof a Virgínia Guimarães

24

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

No caso da economia grega, a razão dívida/PIB é mais que o dobro deste limite. A desconfiança de que os governos da região teriam dificuldade para honrar suas dívidas fez com que os investidores passassem a temer possuir ações, bem como títulos públicos e privados europeus. Os principais países que enfrentam a situação de crise são:

Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha – que formam o chamado grupo dos PIIGS. Estes países são os que se encontram em posição mais delicada dentro da zona do euro, exatamente porque foram os que atuaram de forma mais indisciplinada nos gastos públicos e se endividaram excessivamente. Além de possuírem elevada relação dívida/PIB, estes países possuem pesados déficits orçamentários ante o tamanho de suas economias. Como não possuem sobras de recursos (chamado superávit), entraram no radar da desconfiança dos investidores. Outro dia tive uma pergunta interessante no fórum sobre essa crise que gostaria de partilhar com vocês. A aluna perguntou por que a crise na Grécia era a que tinha mais visibilidade na mídia já que não era o único país que enfrentava dificuldade? Já pensaram sobre isso? Acho que vou deixar vocês curiosos e só respondo no fórum de novo rsrsrs

Vejamos como esses assuntos aparecem nas provas!

6 - (CESGRANRIO/ Escriturário- BB / 2012 ) Em novembro de 2011, o governo da Grécia desistiu de convocar um referendo popular, cedendo à pressão dos líderes europeus preocupados

Prof a Virgínia Guimarães

25

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

com o futuro do continente. Esse referendo popular decidiria sobre a(o)

(A)

presença das forças militares da OTAN na Europa

(B)

pacote de socorro financeiro do resto da Europa

(C)

efeito político da Primavera Árabe na economia grega

(D)

aliança estratégica com os países dos Bálcãs

(E)

ajuda humanitária oferecida pelas Nações Unidas

Resposta: Letra B

Comentários: Bem, pessoal essa questão aqui é bem recente, portanto, está bem fresquinha. No último dia do mês de outubro do ano passado, o primeiro- ministro da Grécia, George Papandreou, surpreendeu a todos anunciando que iria convocar um referendo sobre a adoção das medidas anticrise aprovadas pelos líderes da União Européia. Papandreou, no entanto, defendia a necessidade do referendo afirmando que este era um assunto que determinava o futuro do país e, portanto, o cidadão tem a primeira palavra. O último referendo realizado na Grécia tinha ocorrido em 1974, quando a monarquia foi abolida, meses depois do colapso da ditadura militar. Todavia, após forte pressão da União Européia, o referendo popular foi cancelado e o pacote de medidas de austeridade fiscal para combater a crise econômica que afeta o país foi aprovado depois de intensos debates entre os países da zona do euro. Assertiva correta:

Letra B

7 - (CESGRANRIO/CEF/2012-Técnico Bancário Novo) Em 2011, um dos países da União Européia (EU) passou a enfrentar um de

Prof a Virgínia Guimarães

26

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

seus momentos econômicos mais difíceis, com redução de salários, criação de novos tributos – como o imposto da solidariedade – e muitos assalariados trabalhando sem receber. Estima-se que, em decorrência desse momento, até 2015, 120 mil assalariados com mais de 53 anos devem deixar o emprego. Um programa de ajuda financeira foi, então, colocado em prática pela EU, liderado pela Alemanha, a fim de recuperar a situação do país em crise.

O país europeu que, ao longo de 2011 e 2012, vive a crise descrita é a

(A)

Suécia

(B)

Holanda

(C)

Grécia

(D)

França

(E)

Finlândia

Resposta: Letra C.

Comentários: Esta notícia também foi bastante vinculada na mídia. A Grécia gastou bem mais do que podia com empréstimos pesados e gastos no setor público e salários. Em 2010 a Grécia aceitou o primeiro pacote de ajuda dos países europeus e do Fundo Monetário Internacional (FMI). Bem, pessoal, depois de falar tanto da Grécia acho que nem precisaremos esperar o fórum para saber que ela tem maior visibilidade porque além da crise econômica que se instalou no país, temos ali também uma grave crise política e social o que torna qualquer medida “anticrise” mais difícil de ser efetivada, não é mesmo? Por isso ela causa

Prof a Virgínia Guimarães

27

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

maior medo aos órgãos internacionais e repercutem tanto na imprensa, entenderam?

MERCOSUL

Bem, meus amigos, não podíamos encerrar essa aula sem falar de um dos maiores rebuliços econômicos deste ano: a entrada da Venezuela no MERCOSUL, não é mesmo? Ainda que estejamos num estágio muito diferente da União européia já demos alguns passos importantes para, quem sabe um dia, atingir o nível de liberalização e homogeneização econômica que eles possuem. Portanto, não podemos esquecer que temos, aqui bem pertinho de nós, um importante mercado do qual fazemos parte e que assume, cada vez mais, uma enorme importância pra todos nós: o MERCOSUL.

O MERCOSUL é um bloco regional constituído por Brasil,

Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela (desde 31 de julho de 2012) que tem por objetivo formar um mercado comum. Esse estágio de

integração pressupõe a livre circulação de mercadorias e serviços entre seus membros, uma política comercial comum em relação a terceiros países e a livre circulação dos fatores de produção.

As origens do MERCOSUL estão na Declaração de Iguaçu, que

formalizou a cooperação econômica entre Brasil e Argentina no ano de 1985. Posteriormente, Fernando Collor de Melo e Carlos Menem assinaram em 1990 a Ata de Buenos Aires, visando à integração econômica entre esses dois países. Em 1991, com a assinatura do Tratado de Assunção e a entrada de Uruguai e Paraguai no bloco, surge o MERCOSUL.

Prof a Virgínia Guimarães

28

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

Ainda falta muito para o MERCOSUL atingir objetivo de constituição de um mercado comum, pois há uma série de dificuldades políticas e institucionais que impedem o aprofundamento da integração regional. Em primeiro lugar, os países que integram o MERCOSUL são economicamente muito heterogêneos. Enquanto o Brasil e Argentina possuem economias maduras, o Paraguai ainda é uma economia bem frágil. Em termos políticos, o Brasil goza de maior prestígio no cenário internacional e sua política externa tem objetivos ambiciosos, como conquistar um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU. No que diz respeito às dificuldades institucionais do MERCOSUL, ressalto que não existe nesse bloco regional um órgão supranacional com capacidade legislativa. Isso dificulta a produção normativa no âmbito do MERCOSUL, enfraquecendo, por conseguinte, a segurança jurídica. Para que uma norma tenha vigor no âmbito do MERCOSUL, ela deve ser aprovada pelos seus quatro países-membros. Quanto às práticas protecionistas adotadas entre seus membros, é incontroverso dizer que elas recrudesceram nos últimos tempos. Principalmente no comércio entre Brasil e Argentina, o que se percebe é uma verdadeira “troca de gentilezas” entre esses países. Todavia, apesar de todas essas dificuldades para a consolidação da integração entre os seus integrantes, a corrente de comércio do Brasil com o bloco intensificou-se nos últimos anos. O Brasil tem dado grande prioridade ao fortalecimento do MERCOSUL. Isso se deve, conforme já comentei anteriormente, às ambições da política externa brasileira, cujo objetivo é conseguir um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU. Para isso, o Brasil almeja ser visto pelo mundo como um autêntico líder e promotor da estabilidade regional.

Prof a Virgínia Guimarães

29

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

A criação do FOCEM (Fundo para Convergência Estrutural) e do Parlamento do MERCOSUL foram, nesse sentido, iniciativas apoiadas pelo Brasil. O FOCEM é um fundo destinado a apoiar projetos de infra- estrutura das economias menores e das regiões menos desenvolvidas do MERCOSUL, visando, acima de tudo, a redução das assimetrias regionais. O Parlamento do MERCOSUL, por sua vez, representa um passo no caminho do aprofundamento do processo de integração. Como principais funções, o Parlasul busca agilizar o processo de incorporação de normas do MERCOSUL ao ordenamento jurídico de seus membros bem como fortalecer a cooperação inter-parlamentar. Outra iniciativa que pretende aprofundar a integração no âmbito do MERCOSUL é o Sistema de Pagamentos em Moeda Local (SML), que já permite hoje que Brasil e Argentina utilizem em suas relações comerciais recíprocas o peso e o real. Existe a possibilidade, ainda não transformada em realidade, de que esse sistema seja estendido a todas as relações comerciais entre os países do MERCOSUL. Vamos ver como esse assunto já foi cobrado em concursos anteriores.

8 - (Cespe/TRE-RJ/2012) A respeito do Mercado Comum do Sul (MERCOSUL) e das dificuldades que esse bloco ainda encontra para se consolidar, julgue os próximos itens. Marque a correta.

A) A dependência do Brasil em relação ao MERCOSUL é crescente, haja vista que as exportações para esse bloco mais do que dobraram entre janeiro e junho de 2012, quando comparadas com os mesmos meses de 2011. Resposta: ERRADA

Prof a Virgínia Guimarães

30

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

Comentários: O que ocorreu, na verdade, foi justamente o inverso. No acumulado janeiro-junho de 2012, as exportações apresentaram um valor inferior ao igual período de 2011. As exportações registraram retração de 1,7%, pela média diária. Fiquem atentos! As importações, sim, tiveram um aumento de 3,7% sobre o mesmo período anterior, pela média diária. Portanto essa assertiva é ERRADA

B) A aprovação da entrada da Venezuela no MERCOSUL se deu depois de recente crise política ocorrida no Paraguai. Resposta: VERDADEIRA

Comentários: O Paraguai foi suspenso temporariamente do bloco do MERCOSUL por causa da maneira pouco democrática pela qual foi conduzido o impeachment do presidente Fernando Lugo. Como o Paraguai era contra da participação da Venezuela, a retirada do Paraguai abriu uma brecha para que os demais países aceitassem o ingresso da Venezuela a partir de 31 de julho de 2012. Portanto a assertiva é VERDADEIRA

C) Na mesma reunião em que foi aprovada a entrada da Venezuela no bloco, foi recusada a admissão dos países da Aliança do Pacífico (Chile, Colômbia, Peru e México), sob a argumentação de eles serem considerados neoliberais. Resposta: ERRADA

Comentários: Tenham cuidado com este tipo de questão. Chile, Colômbia e México são países neoliberais, somente o Peru é de esquerda. Corre-se, então, o risco de considerar a questão como certa, por conter um dado verdadeiro. Os países que compõem a Aliança do Pacífico uniram-se com o objetivo de dar plena liberdade às suas empresas e aos seus 215 milhões de habitantes para transitar, estudar, trabalhar, movimentar capitais e fazer negócios sem precisar de licença prévia dos governos locais. Na prática, A Aliança do Pacífico é um novo bloco político

31

Prof a Virgínia Guimarães

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

e econômico capaz de rivalizar com o MERCOSUL, distanciando-se dele. Portanto essa assertiva está ERRADA.

Bem, queridos, acho que por hoje ficaremos por aqui, espero que tudo tenha ficado claro, mas caso fique alguma dúvida não hesitem em consultar o nosso fórum, ok? Abraços e bons estudos

Prof a Virgínia Guimarães

32

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

LISTA DE QUESTÕES

1-(ESAF/ MI/2012)A formação de blocos de países é uma característica marcante da ordem global contemporânea. A União

Européia (UE) é, provavelmente, o melhor exemplo de superação de históricas divergências para o êxito do projeto integracionista. No que se refere à UE e aos seus mais recentes problemas, assinale a opção correta

a) Ao liderarem o processo de criação da UE, Alemanha e França

reafirmou os laços da histórica aliança que os une, fato decisivo para assegurar o isolamento do Reino Unido no contexto continental

b) A atual crise a envolver a UE é essencialmente financeira,

colocando em sério risco a estabilidade do euro, moeda única adotada por todos os países integrantes do bloco.

c) Com o objetivo de superar a atual crise e depois de difíceis

negociações, os países da UE decidiram que as respectivas Constituições

nacionais deverão incluir a obrigatoriedade de orçamentos equilibrados.

d) A exclusão da zona do euro de países com economia em crise,

como Grécia, Itália, Portugal e Espanha, foi uma saída radical entendida como necessária para salvar o projeto integracionista europeu

e) Demonstrando absoluta maturidade política e compreensão acerca

da gravidade da situação, a opinião pública dos países em crise econômica, a exemplo da grega e da portuguesa, apoiou as medidas de austeridade propostas.

2(CESPE/Câmara dos Deputados/2012) A ampliação dos mercados é uma das características definidoras do estágio atual da economia mundial, o que pressupõe a livre circulação de bens

Prof a Virgínia Guimarães

33

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

e de capitais. Nesse sentido, medidas protecionistas saíram de cena, em larga medida, por imposição dos países economicamente mais poderosos.

3–(BRDE/-2012) A chamada “crise do Euro” é, na verdade, uma crise econômica do capitalismo e particularmente européia. São muitos os motivos e os problemas que afetam os países do Euro. Assinale a alternativa correta a respeito dessa crise na economia de países europeus.

a) O Euro unificou as economias dos países que aderiram ao mesmo, uniformizando os investimentos na produção e no consumo de bens, havendo consenso entre os países membros sobre o assunto. A zona do euro substituiu, com vantagens, o antigo pacto da União Européia, que deixou de existir.

b) Os bancos, com seus financiamentos e taxas de juros, constituem um elemento importante da crise européia que pode ser entendida, também, como uma crise do sistema financeiro, visto que cobram dos países aos quais fizeram empréstimos, juros e/ou dividendos que não condizem com os lucros da economia desses países devedores. Ocorre que os juros, por exemplo, estabelecidos pelos credores crescem mais do que os dividendos ou lucros reais das empresas devedoras.

c) A crise do Euro manifestou-se principalmente em países da Europa

Oriental, como a Grécia. Mas em vista do isolamento dessas nações, vem afetando pouco os países mais desenvolvidos da Europa Ocidental, como França e Espanha. d) A crise do Euro não envolve problemas de liquidez ou de falta de dinheiro no mercado europeu. Portanto, a inflação não é uma ameaça ao sistema. Igualmente, o princípio do socorro mútuo e da partilha das dívidas de

Prof a Virgínia Guimarães

34

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

forma igualitária entre todos os países membros, afasta o risco de uma economia ruir. e) Apesar de a crise européia estar ameaçada pela recessão e/ou pelo endividamento de alguns países, como a Itália, a Alemanha e a Grécia, há um entendimento entre os países do Euro que o bloco deve permanecer unido e que o setor público é o único que ainda não foi atingido e não apresentou déficit, constituindo o principal suporte da crise 4 - (CESPE - 2012 - Banco da Amazônia ) Na Comunidade Européia, os países que adotaram o euro passam por sérias dificuldades econômicas, enquanto aqueles que não optaram pela moeda única conseguiram resistir aos efeitos da crise, como é o caso da Espanha. VERDADEIRA OU FALSA?

5 - (CESPE / IRB / 2010) Acerca da atual crise econômica internacional, julgue C ou E. I – Além de envolver grandes bancos e o sistema financeiro internacional, a crise atual tem sido considerada uma crise de paradigmas, em particular da certeza de que os mercados podem autorregular-se e recuperar o equilíbrio automaticamente, dispensando a intervenção do Estado. (CESPE - 2012 - Banco da Amazônia ) Na Comunidade Européia, os países que adotaram o euro passam por sérias dificuldades econômicas, enquanto aqueles que não optaram pela moeda única conseguiram resistir aos efeitos da crise, como é o caso da Espanha. VERDADEIRA OU FALSA?

Prof a Virgínia Guimarães

35

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

II – Diante da crise, as instituições de Bretton Woods não

conseguiram propor soluções concretas por ocasião da reunião de Cúpula do G 20 realizada em Londres em 2009.

III – Como membro do G-20, o Brasil insistiu na necessidade de

se prover a economia mundial com créditos para o desenvolvimento, incrementar a regulação financeira, desenvolver políticas anticíclicas e combater os paraísos fiscais.

IV – Apesar de discordar da resistência de países ricos em

realizar reformas nos organismos multilaterais, como o FMI e o Banco Mundial, o Brasil comprou títulos emitidos pelo Fundo em

2009.

Marque a alternativa

a) se todos os itens estiverem corretos.

b) se todos os itens estiverem errados.

c) se somente os itens II, III e IV estiverem corretos.

d) se somente os itens I, II e IV estiverem corretos.

e) se somente o item I estiver correto.

6 (CESGRANRIO/ Escriturário- BB / 2012 ) Em novembro de 2011, o governo da Grécia desistiu de convocar um referendo popular, cedendo à pressão dos líderes europeus preocupados com o futuro do continente. Esse referendo popular decidiria sobre a(o)

(A)

presença das forças militares da OTAN na Europa

(B)

pacote de socorro financeiro do resto da Europa

(C)

efeito político da Primavera Árabe na economia grega

(D)

aliança estratégica com os países dos Bálcãs

(E)

ajuda humanitária oferecida pelas Nações Unidas

Prof a Virgínia Guimarães

36

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

b) ECCE

c) ECEC

d) CCCC

e) CCEE

7 - (CESGRANRIO/CEF/2012-Técnico Bancário Novo) Em 2011, um dos países da União Européia (EU) passou a enfrentar um de seus momentos econômicos mais difíceis, com redução de salários, criação de novos tributos – como o imposto da solidariedade – e muitos assalariados trabalhando sem receber. Estima-se que, em decorrência desse momento, até 2015, 120 mil assalariados com mais de 53 anos devem deixar o emprego. Um programa de ajuda financeira foi, então, colocado em prática pela EU, liderado pela Alemanha, a fim de recuperar a situação do país em crise. Marque a correta.

O país europeu que, ao longo de 2011 e 2012, vive a crise descrita é a

(A)

Suécia

(B)

Holanda

(C)

Grécia

(D)

França

(E)

Finlândia

Resposta: Letra C.

Prof a Virgínia Guimarães

37

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

8 - (Cespe/TRE-RJ/2012) A respeito do Mercado Comum do Sul (MERCOSUL) e das dificuldades que esse bloco ainda encontra para se consolidar, julgue os próximos itens.

A) A dependência do Brasil em relação ao MERCOSUL é crescente, haja vista que as exportações para esse bloco mais do que dobraram entre janeiro e junho de 2012, quando comparadas com os mesmos meses de

2011.

B) A aprovação da entrada da Venezuela no MERCOSUL se deu depois de recente crise política ocorrida no Paraguai.

C) Na mesma reunião em que foi aprovada a entrada da Venezuela no bloco, foi recusada a admissão dos países da Aliança do Pacífico (Chile, Colômbia, Peru e México), sob a argumentação de eles serem considerados neoliberais.

Gabarito

1.

C

2.

ERRADO

3.

B

4. FALSA

5.

A

6.

B

7.

C

8. ERRADO

Bibliografia consultada

Prof a Virgínia Guimarães

38

www.pontodosconcursos.com.br

CURSO ONLINE ATUALIDADES PARA O BACEN PROFESSORA VIRGÍNIA GUIMARÃES

GREMAUD, Amaury Patrick. Economia brasileira contemporânea. São Paulo: Atlas, 2009.

MAGNOLI, Demétrio. Geografia para ensino Médio. São Paulo: Atual,

2008.

ROSS, Jurandir Sanches (org). Geografia do Brasil. - 6ª- edição - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009. SANTOS, Milton. Por uma Geografia nova. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008. O Espaço dividido: os dois circuitos da Economia urbana dos países subdesenvolvidos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008. SILVEIRA, Maria Laura (org.). Continente em Chamas. Globalização e

território na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,

2005.

Prof a Virgínia Guimarães

39

www.pontodosconcursos.com.br