Вы находитесь на странице: 1из 4

O Autor de Confusão

por

Vincent Cheung

(O que se segue é uma correspondência de email editada. Esta


mensagem de um pastor me forneceu o contexto para discutir 1
Coríntios 14:33, que também é usada às vezes para apoiar a idéia
de que Deus não pode ser o autor do pecado ou do mal).

Eu aprendi muito com o artigo “O Autor do Pecado”.


Eu comecei a lê-lo pensando, “Sim, mas o que dizer
daquela passagem que declara, ‘Deus não é o autor do
pecado?' Certamente deve haver um contexto para ela. Eu
quero ver o contexto e com o que se parece a relação
metafísica-prática ali”.

Até então eu pensei que iria achá-la. Uau, fale sobre ser
condicionado! A coisa mais próxima parece ser onde a New
King James Version traduz 1 Coríntios 14:33 como “Deus
não é o autor de confusão”.

Por causa da leitura das opiniões de outras pessoas durante


anos e por ver a frase sendo repetida por todos os lados
como fato, eu pensei que deveria haver uma passagem, em
algum lugar na Bíblia, e que por alguma estranha razão eu
nunca pensei que precisaria encontrá-la depois. O ponto
principal é que ela simplesmente não está lá.

Grande artigo e perspicaz insight. Eu aprendi muito.

Obrigado pelos seus comentários.

Sim, este assunto sobre o autor do pecado é apenas tradição,


nada mais. Embora eu pense que não devemos nos focar em
afirmar ou negar se Deus é ou não o autor do pecado (visto que
este não é o foco da própria Bíblia), mas antes nos focar
positivamente na soberania e majestade de Deus, quando
descemos para este assunto, não há nada biblicamente ou
racionalmente errado em dizer que Deus é o autor do pecado. A
expressão tem sido tão falsificada que ela soa automaticamente
errada ou até mesmo blasfema para as pessoas, mas nós podemos
afirmá-la de uma maneira reverente, isto é, afirmar que Deus
deveras governa sobre tudo, não de uma forma remota ou
secundária, mas de uma poderosa e direta, fazendo tudo o que
Lhe apraz.

Até mesmo 1 Coríntios 14:33 é facilmente explicado.


Primeiro, nós sabemos à partir de muitas passagens bíblicas que
Deus causa confusão às vezes, tal como quando Ele agiu contra os
inimigos de Israel em batalha. Assim, isto significa que “autor de
confusão” não poder ser entendido superficialmente, mas deve
ser verdadeiramente entendido dentro do seu contexto.

O contexto é o versículo 40, que diz, “Faça-se tudo decentemente


e com ordem”. Isto é o ponto da passagem e o contexto para o
versículo 33. Note que, seja na ordem ou na confusão, Paulo está
dando instruções aos coríntios, não a Deus.

Como Tiago, Paulo está falando sobre como os cristãos deveriam


se comportar, antes do que sobre a metafísica por detrás do seu
comportamento. A declaração, então, tem mais a ver com a
aprovação ou desaprovação da situação por Deus, do que sobre a
causa metafísica.
Mas há uma resposta direta à declaração, e esta é apontar que,
antes de tudo, a palavra “autor” não está no texto! Se você
verificar sua Bíblia interlinear, lemos assim a declaração: “Deus
não é de confusão, mas de paz”. Não há nenhuma dica da palavra
ou conceito de “autor” na passagem, mas ela foi inserida pelos
tradutores.
Assim, a NIV traduz: “Porque Deus não é um Deus de desordem,
mas de paz”, e outras traduções como a NASB e ESV são similares
também. Certamente, até mesmo as palavras “um Deus” foram
inseridas aqui, mas é melhor do que inserir “autor”, que implica
algo que não está realmente na declaração. Uma tradução mais
literal poderia ser, “Porque Deus não é de desordem, mas de
paz”, o que é verdade com respeito ao contexto imediato de
ordem na igreja, e até mesmo quando Deus decreta o mal
(incluindo a confusão), Ele assim o faz de acordo com um plano
ordenado e racional.
Novamente, obrigado por sua atenção e seus comentários.

LEITURA RECOMENDADA:
The Author of Sin - [tradução]
Compatibilist Freedom - [tradução]

Augustine and Compatibilism - [tradução]


“Soft” Determinism - [tradução]

Determinism vs. Fatalism - [tradução]


“Forced to Believe” (1) - [tradução]

“Forced to Believe” (2) - [tradução]


“Forced to Believe” (3) - [tradução]

“Forced to Believe” (4) - [tradução]


Vincent Cheung, “Chosen in Christ”

Vincent Cheung, “The Problem of Evil” - [tradução]


Vincent Cheung, “Arguing by Intuition” - [tradução]

Vincent Cheung, Ultimate Questions


Vincent Cheung, Apologetics in Conversation

Martin Luther, The Bondage of the Will


Gordon Clark, Predestination

Gordon Clark, God and Evil


Jay E. Adams, The Grand Demonstration

Nota sobre o autor: Vincent Cheung é o presidente da


Reformation Ministries International [Ministério Reformado
Internacional]. Ele é o autor de mais de vinte livros e centenas de
palestras sobre uma vasta gama de tópicos na teologia, filosofia,
apologética e espiritualidade. Através dos seus livros e palestras,
ele está treinando cristãos para entender, proclamar, defender e
praticar a cosmovisão bíblica como um sistema de pensamento
compreensivo e coerente, revelado por Deus na Escritura. Ele e
sua esposa, Denise, residem em Boston, Massachusetts.
http://www.rmiweb.org/

Traduzido por: Felipe Sabino de Araújo Neto


Cuiabá-MT, 02 de Junho de 2005.

http://www.monergismo.com/
Este site da web é uma realização de
Felipe Sabino de Araújo Neto®
Proclamando o Evangelho Genuíno de CRISTO JESUS, que é o poder de DEUS para salvação de todo
aquele que crê.

TOPO DA PÁGINA

Estamos às ordens para comentários e sugestões.

Livros Recomendados

Recomendamos os sites abaixo:

Monergism/Arquivo Spurgeon/ Arthur Pink / IPCB / Solano Portela / Spurgeon em Espanhol / Thirdmill
Editora Cultura Cristã /Editora Fiel / Editora Os Puritanos / Editora PES / Editora Vida Nova