Вы находитесь на странице: 1из 3

Do que a sociedade se queixa senão das consequências de suas próprias ações e

omissões como titular do Poder?

TRATA-SE DE UMA CARTA À SOCIEDADE BRASILEIRA

Palavras-chave: política, segurança pública, polícia, violência, sociedade, ação conjunta, vontade
política.

FATOS QUE EXIGEM UMA REFLEXÃO

A realidade violenta de muitos bairros brasileiros é vista diariamente nas manchetes de jornais, o
que só vem a confirmar, as denúncias feitas pelo ex-integrante do BOPE da Polícia Militar do Rio
de Janeiro, Cap Rodrigo Pimentel [retratado no filme "Tropa de Elite" por meio do personagem
"Cap Nascimento"].

Uma realidade em que jovens são constantemente seduzidos pelo poderio que as armas do
tráfico pode lhes proporcionar e, com isso, a vida vai se tornando a cada dia mais banalizada.
Uma realidade em que crianças veem no traficante a figura do respeito e, a possibilidade de
sendo um dia como eles, serem também respeitados, revelando assim, uma busca por igualdade
de possibilidades, o que significa, além do respeito desejado, a ambição de poderem um dia, usar
roupas de marca, carros caros e etc [uma sociedade em que se valoriza o outro por aquilo que
tem e não por aquilo que é, por certo, resulta na fabricação desses tipos de anseios]. Assim, para
estas crianças, a brincadeira mais divertida é fingir que é o traficante com sua força representada
no poderio das armas. E, se não houver vontade política de corrigir esse quadro, grande parte
destas crianças de hoje serão os marginais de amanhã.

O documentário "Notícias de uma guerra particular" e o filme "Tropa de Elite" só veio a tornar
notória uma batalha constante dentro de um País que se diz pacífico. Um mundo em que jovens e
policiais se armam para lutar diariamente numa guerra em que não há vencedores. Isso exige de
nós uma reflexão!!! Afinal, que tipo de sociedade queremos ter? É preciso que sejamos a
mudança que queremos ver acontecer.

Embora, eu discorde veementemente dos métodos demonstrados no filme nesse combate diário
ao crime, entendo o sentimento de homens como, no caso específico, o Cap Rodrigo Pimentel. E,
como ele mesmo nos lembra: policiais também têm família e, também têm medo de morrer, até
por que, nessa inegável guerra diária, o bandido joga com sua própria vida, como se nada tivesse
a perder. Então, as possibilidades de um policial empregado nesse tipo de ação, tornam-se
questão de vida ou de morte, por que o bandido não pensa duas vezes antes de atirar e de fazer
valer a lei de seu fuzil AR15. Entendo, mas, é inadmissível que seja assim e, a sociedade
precisa refletir até que ponto colaborou para que tal situação tenha chegado a tal extremo.

O fato é que muitos policiais anseiam por terem a mesma oportunidade de treinamento e
aperfeiçoamento constante que tem um policial do BOPE/BME/ROTAM [e, obviamente, não me
refiro aqui a comer comidas estragadas, tapas na cara, ou coisas do tipo]. São policiais
"convencionais" que amam o que fazem e que não se conformam com o descaso que sofrem
diariamente e, que também não estão dispostos a se corromperem.

Mas, na prática, esse anseio não se realiza, até por que, a comunidade quer seu policiamento a
pé, montado, ciclístico e motorizado e, muitas são as solicitações nesse sentido. Com isso, umas
das grandes dificuldades da PM hoje, é conciliar a demanda diária de pedidos de policiamentos
com a necessidade de um efetivo aperfeiçoamento constante de seu policial. E esta não é uma
realidade apenas da Polícia Militar de um determinado estado. É, sem dúvida, uma realidade de
todas as Polícias Militares em todo o Brasil, ou de grande parte delas! Uma realidade que está
retratada no filme "Tropa de Elite" com todas as suas mesmas e inegáveis deficiências.
Infelizmente, porém, não se pode negar a existência de policiais militares corruptos, até por que, a
mídia, vez ou outra, faze-nos lembrar desta vergonhosa verdade. Mas, francamente, isso não
reflete o caráter da grande maioria dos Militares Estaduais.

Dos policiais militares "convencionais" que não se corrompem, uns acabam se omitindo, como diz
o Cap Nascimento; outros acabam por se desgatarem tentando mudar o sistema, para no final
das contas, perceberem que não adiantou muita coisa e, muitos levam tempo pra perceber isso.
Realmente, é um verdadeiro "dar murros em ponta de faca". Mas ainda assim, muitos optam por
não se corromperem. Mas, não são estes que são retratados na mídia! Até por que, policial
honesto não dá ibope! Por outro lado, o que dá ibope são manchetes do tipo: "Policial é preso por
envolvimento com traficantes".E, injustamente, a ideia que fica é a de que todos policiais são
corruptos.

Contudo, devo dizer, que concordo com aqueles que defendem a necessidade de uma
corregedoria forte e independente, isto por que, o policial bandido é o pior dos bandidos e, não
merece a farda que veste! Por conta de sua ambição desenfreada coloca em risco a vida de
outros colegas policiais, quando, por exemplo, entrega uma arma nas mãos de um preso; ou
policiais que se envolvem com o tráfico. Tipos como esses envergonham todos aqueles que não
concordam com tais práticas.

É, portanto, preciso que esse tipo de policial seja, por meio de um devido processo legal, excluído
[porém, cada caso é um caso e, deve ser analisado com cuidado, imparcialidade e
responsabilidade a fim de não que não se cometa mais uma injustiça].

Mas, é preciso também que os policiais militares honestos e que amam sua profissão sejam mais
valorizados e mais reconhecidos, o que por sua vez, implica em salários mais condizentes [a
aprovação e aplicação do Projeto de Emenda Constitucional/PEC 300 possibilitaria isso], cursos
de especialização e aperfeiçoamento constantes [além de incentivo efetivo à graduação, pós e,
etc], e, além disso, disponibilização de fardamento adequado e padronizado [até por que, o militar
estadual representa o estado], melhores condições de trabalho e, etc..

Quero ressaltar, que a aprovação e aplicação da PEC 300 possibilitaria aos militares estaduais de
todo País, condições de terem moradia mais digna e em locais mais adequados [pois, é
inadmissível que um policial militar vá para as ruas defender a sociedade, arriscando sua própria
vida no confronto diário com a marginalidade, sabendo que sua família não está em segurança].
Talvez, seja necessário esclarecer que a PEC 300 visa a equiparação salarial entre os Bombeiros
e Polícias Militares de todo o Brasil, com a Polícia Militar do Distrito Federal. O que, sem dúvida, é
uma questão de justiça, levando-se em consideração o tipo de atividade exercida.

O fato é que o aperfeiçoamento constante requer verbas, materiais logísticos [que haja previsão
anual orçamentária que possibilite melhores recursos e a manutenção destes, sob pena de
responsabilidade] e, disponibilidade do policial. Mas, o policial "convencional" está muito ocupado
oferecendo um paliativo à sociedade; paliativo este, que mais cedo ou mais tarde, acaba se
revelando insatisfatório, por que não resolve o problema da criminalidade. E é paliativo por que
não leva em consideração a necessidade de um aperfeiçoamento constante [prático e teórico]
desse policial, que está em contato diário com uma sociedade que por ser dinâmica, está em
constante transformação e, por que não leva em consideração que a criminalidade para ser
combatida exige que ela seja tratada em sua base [desigualdade social, falta de saneamento
básico, desemprego, número de insuficiente de cursos técnicos/profissionalizantes voltados à
classe de mais baixa renda, etc] e que, por esta razão, exige uma efetiva ação conjunta
[falaremos mais dessa ação conjunta mais adiante].

É de se ressaltar, ainda, que é possível perceber que a insuficiência de um número de efetivo que
possibilite atender a demanda diária por região, é a principal causa da dificuldade em conciliar o
serviço policial com a necessidade de seu aperfeiçoamento constante e, isso precisa ser
resolvido, para que a sociedade seja venha a ser beneficiada com a qualidade de policiamento
que recebe.

É, porém, preciso considerar que uma tropa stressada, definitivamente, não é uma tropa
motivada. Mas, como se não bastasse o stress provocado pela constante preocupação em manter
o necessário bem-estar de sua família (cônjuge, filhos), o policial militar, ainda se vê a cada dia
impossibilitado de se programar e dar a esta, a atenção que tanto necessita. Isso por que, além
da sobrecarga de escalas [extra e ordinária] em razão da falta de um número adequado de efetivo
que seja capaz de atender a demanda diária, na tentativa de poder dar à sua família uma melhor
condição de vida, o militar estadual acaba por se sujeitar a arriscar sua vida em seguranças
privadas [ninguém em sã consciência sacrifica sua folga porque gosta]. Tempo para a família?!?
Que tempo??? E, nessa brincadeira, casamentos de policiais vão sendo destruídos! E é esse
policial stressado e sem um acompanhamento bio-psico-social que vai para as ruas interagir com
a sociedade... Como se esse fosse o único motivo de seu stress.

E, ainda assim, o policial militar "convencional" tem feito milagres nas ruas, onde diariamente é
exposto à dura realidade da falta de recursos e de reconhecimento e, não obstante isso, é de fácil
constatação o seu empenho na luta contra a marginalidade; até por que, o resultado disso, é visto
diariamente nas manchetes dos jornais que noticiam as prisões realizadas, bem como,
apreensões de armas e de drogas.

É sabido, que grandes empresas como é o caso da Vale do Rio Doce, descobriram que quanto
mais investem no seu profissional, mais positivo é o retorno desse seu investimento. Se esta for a
mentalidade dos responsáveis pelas políticas de segurança pública [e sugiro que seja], a
sociedade, certamente, será a primeira a sair ganhando e, inclusive, a própria Corporação PM.
Isto por que, muito melhor do que uns poucos homens bem preparados como é o caso dos
batalhões de policiamento tático especializado é, este número, somado aos policiais
"convencionais" também qualificados e aperfeiçoados, pois, querendo ou não, estes também
fazem parte dessa guerra diária. Até por que, são estes policiais militares "convencionais" que,
diariamente, vão ao encontro de um cidadão que clama por um socorro imediato.

Por outro lado, devo lembrar que mesmo a atuação do BOPE/BME/ROTAM acaba também se
revelando um paliativo, isso por que, sem a tão necessária e efetiva ação conjunta que envolva os
Governos Federal e estaduais, e demais órgãos competentes [Judiciário, Ministério Público, OAB,
Polícias Militar, Civil, Federal e Rodoviária Federal e, Sociedade Civil Organizada, etc], seu
trabalho acaba por também se tornar em vão, visto que, também não soluciona o problema da
criminalidade. E, isso só revela que a solução da criminalidade se encontra não está apenas
nas mãos da Polícia. E, na verdade, a necessidade de atuação repressiva por parte da
Polícia só demonstra que houve uma falha na base que é social.

Princípio a ser observado: "A valorização do profissional de Segurança Pública e a otimização das
condições de trabalho, resultam em benefícios não apenas a este profissional, mas também à
Instituição a que pertence, ao Estado e, à Sociedade a qual serve".

PARA PEDIR PELA APROVAÇÃO DA PEC 300, LIGUE: 0800619619

EM TEMPO: Eu, Jeane Kátia dos Santos Silva, não apoio o motim. O que apoio é um
movimento inteligente que vise a conscientização da sociedade. A conscientização de que
ela será profundamente beneficiada com a valorização do profissional de segurança
pública, visto que, esta valorização resultará em um policiamento de maior qualidade.