Вы находитесь на странице: 1из 5

©AREAL EDITORES

BIOLOGIABIOLOGIA EE GEOLOGIAGEOLOGIA 1010

BIOLOGIABIOLOGIA EE GEOLOGIAGEOLOGIA 1010

Guerner Dias | Paula Guimarães | Paulo Rocha

Guerner Dias | Paula Guimarães | Paulo Rocha

PROPOSTA DE EXERCÍCIO | 10.º ANO

a a

Nome

Turma

N.º

Data

O mapa e o gráfico da figura 1 reúnem dados relativos aos maiores sismos do nosso planeta, desde

1900 até 2012, com localização epicentral (figura 1A) e indicação da respetiva magnitude (figura 1B). Os dados são atualizados no início de cada ano, integrando os maiores sismos ocorridos no ano ante- rior, com magnitude igual ou superior a 8.

De entre esses sismos destacam-se, no conjunto dos cinco maiores terramotos, os sismos de Sumatra, Indonésia, ocorrido no dia 26 de dezembro de 2004, e o que afetou a costa de Honshu, no Japão, no dia 11 de março de 2011. Estes dois sismos, ambos seguidos de um violento tsunami, foram responsáveis por um ele- vado número de vítimas mortais e de desaparecidos e por uma destruição severa no parque edificado, o que se refletiu nas respetivas sociedades e economias. No caso do Japão, o impacte dos danos provocados pela explosão de um reator da central nuclear de Fukushima só no futuro poderão ser devidamente avaliados.

A figura 2 representa a localização do epicentro do sismo que afetou Honshu e o mapa da sua inten-

sidade, avaliada por referência à escala de Mercalli Modificada (tabela I).

USGS National Information Center, www.usgs.gov (adaptado) (Consultado em 14 de janeiro de 2013)

Oc ea c O no e a n A o tl ân P tic a
Oc
ea
c
O
no
e
a
n
A
o
tl
ân
P
tic
a
c
o
í
f
i
c
o
N
Equador
0 2400 km
40 E
60 E
80 E
100 E
120 E
140 E
160 E
180
160 W
140 W
120 W
100 W
80 W
60 W
40 W

A. Localização

epicentral dos sismos

com M 8,5.

9,6 Chile (1960) 9,4 9 Sumatra (2004) Alaska (1964) 8,8 Rússia (1952) Japão (2011) Equador
9,6
Chile (1960)
9,4
9
Sumatra (2004)
Alaska (1964)
8,8
Rússia (1952)
Japão (2011)
Equador (1906)
8,6
Chile (2010)
Alaska (1965)
8,4
8,2
8
7,8
Magnitude

B. Sismos com M 8,0

1900

1920

1940

1960

1980

2000

2020

 

Ano

Figura 1. Maiores sismos registados entre 1900 e 2012.

©AREAL EDITORES

BIOLOGIABIOLOGIA EE GEOLOGIAGEOLOGIA 1010

BIOLOGIABIOLOGIA EE GEOLOGIAGEOLOGIA 1010

Guerner Dias | Paula Guimarães | Paulo Rocha

Guerner Dias | Paula Guimarães | Paulo Rocha

a

128º 132º 136º 140º 144º 44º Placa Norte-americana V Placa VI Euro-asiática 40º VI I
128º
132º
136º
140º
144º
44º
Placa
Norte-americana
V
Placa
VI
Euro-asiática
40º
VI I
Akita
Mar do Japã o
Sendai
Niigata
Fukushima
Nagano
Utsunomya
Kanazawa
36º
Fossa
Tokyo
Choshi
do
Gifu
Fuji
Kyoto
Japão
Nagoya
Yokosuka
VI I
Osaka
VI
Placa do
V
Pacífico
OCEANO PA C ÍFI C O
32º
Placa das
Filipinas
0 200 km

Figura 2. Localização do epicentro e mapa de intensidades do sismo de Honshu.

ESCALA DE MERCALLI MODIFICADA

I-IV

V

VI

VII

VIII

IX

X-XII

 

Estruturas

       

Moderado a

   

DANOS NO

resistentes

Nenhum

Muito fraco

Fraco

Moderado

forte

Forte

Muito forte

PARQUE

               
               

EDIFICADO

Estruturas

Nenhum

Fraco

Moderado

Moderado a

Forte

Muito forte

Muito forte

vulneráveis

forte

2

©AREAL EDITORES

BIOLOGIA E GEOLOGIA 10

BIOLOGIABIOLOGIA EE GEOLOGIAGEOLOGIA 1010

Guerner Dias | Paula Guimarães | Paulo Rocha

Questões de exploração

a

1. O Japão localiza-se numa zona sismogenética caracterizada predominantemente por

(A)

limites tectónicos construtivos associados a estados de deformação dúctil

(B)

tensões distensivas associadas a estados de deformação frágil

(C)

limites tectónicos destrutivos associados a estados de deformação frágil

(D)

tensões compressivas associadas a estados de deformação dúctil

2. No sismo de 11 de março de 2011, função do aumento da distância a Sendai, verificou-se um aumento

(A)

do intervalo (S-P)

(B)

da magnitude

(C)

da profundidade focal

(D)

da amplitude das ondas sísmicas

3. O sismo de Honshu provocou danos

.

(A)

moderados nas estruturas vulneráveis da cidade de Fukushima

(B)

moderados nas estruturas resistentes da cidade de Tokyo

(C)

fracos nas estruturas vulneráveis da cidade de Fuji

(D)

fracos nas estruturas resistentes da cidade de Sendai

4. Em Niigata sentiram-se primeiro as ondas P e, posteriormente, as ondas S porque a velocidade de propagação das ondas .

(A)

S depende inversamente da compressibilidade do meio

(B)

P depende diretamente da compressibilidade do meio

(C)

internas depende da elasticidade do meio

(D)

internas depende do tipo de deformação que provocam no meio

©AREAL EDITORES

BIOLOGIABIOLOGIA EE GEOLOGIAGEOLOGIA 1010

Guerner Dias | Paula Guimarães | Paulo Rocha

a

5. As ondas sísmicas internas são um importante método de estudo da geosfera. A tabela seguinte regista valores de velocidade de ondas P e S ( V P e V S ) para alguns tipos de materiais terrestres.

Material

Velocidade (m/s)

 

terrestre

V

P

V

S

I

330

0

II

1450

0

III

300 – 800

100 – 500

IV

4600 – 7000

2500 – 5000

Os materiais I, II, III e IV representam, respetivamente,

(A) água, ar, granito e areia

(B) ar, água, areia e granito

(C)

granito, areia, água e ar

(D)

areia, ar, granito e água

.

6. O mapa da figura 1A identifica a localização epicentral dos maiores sismos do planeta, regista- dos entre 1900 e 2012, com magnitude igual ou superior a 8,5. Explique, com base na Teoria da Tectónica de Placas e aludindo à teoria do ressalto elástico, a localização geográfica destes sismos.

©AREAL EDITORES

BIOLOGIABIOLOGIA EE GEOLOGIAGEOLOGIA 1010

Guerner Dias | Paula Guimarães | Paulo Rocha

Proposta de soluções

1. (C).

2. (A).

3. (B).

4. (D).

5. (B).

6. A resposta deve abordar os seguintes tópicos:

a

– a localização geográfica destes sismos é circum-pacífica a qual, tectonicamente, corresponde à zona de subducção da placa litosférica pacífica;

– o regime compressivo associado a este limite destrutivo gera estados de tensão que permitem a acumulação de energia neste limite tectónico;

– quando as rochas ultrapassam o seu limite de resistência ocorre a libertação súbita da energia sísmica acumulada por fratura rochosa com formação de uma falha/ativação do movimento de falhas já existentes, ocorrendo um sismo.