Вы находитесь на странице: 1из 60

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO


1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Coordenação Geral do Evento


João Ernesto Escosteguy Castro

Equipe Organizadora:
Silvana Márcia Zíliotto Bomfá
Erick Meneghini Martins
Eduardo Kazmierczak Neto
Luis Felipe Tocchetto Castro

Organização do Roteiro de Trabalho


Silvana Márcia Ziliotto Bomfá

Supervisão Pedagógica e Revisão Textual


Cláudia Regina Ziliotto Bomfá

Editoração para Impressão


Erick Meneghini Martins

© Direitos autorais reservados aos autores.

Sinceros agradecimentos a toda equipe que prestou apoio ao evento.

2
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

ÍNDICE
____________________________________________________________________________________

TERMOS INICIAIS 6

PREFÁCIO 6
OBJETIVO GERAL DO TREINAMENTO 7
OBJETIVOS ESPECÍFICOS DO TREINAMENTO 7
COMO O MATERIAL É ORGANIZADO 7
CONVENÇÕES USADAS NESTA MANUAL 8

CAPÍTULO 1 - CONCEITOS BÁSICOS 9

O QUE É UM PROJETO? 9
O QUE É GESTÃO DE PROJETOS? 9
A MUDANÇA ALIADA À GESTÃO DE PROJETOS 9

CAPÍTULO 2 - APRESENTAÇÃO DO MS PROJECT 2000 10

O QUE HÁ DE NOVO NO MS PROJECT 2000? 10

CAPÍTULO 3 - OPERAÇÕES BÁSICAS NO PROJECT 2000 11

OBJETIVO 11
BENEFÍCIOS PARA O TREINANDO 11
PRINCIPAIS CONCEITOS 12
PROCEDIMENTOS 13
A. INICIANDO O PROGRAMA 13
B. ABRINDO UM PROJETO EXISTENTE 13
C. SALVANDO UM PROJETO 13
D. EXCLUINDO UM PROJETO 14
E. CONHECENDO A BARRA DE FERRAMENTAS 14
F. CONHECENDO OS MODOS DE EXIBIÇÃO 15
v Gráfico de Gantt 16
v Calendário 17
v Diagrama de rede 18
v Gantt de controle 19
v Uso da tarefa 20
v Gráficos de recursos 21
v Planilha de recursos 22
v Uso do recurso 23

3
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

CAPÍTULO 4 - PLANEJANDO O PROJETO 24

OBJETIVO 24
BENEFÍCIOS PARA O TREINANDO 24
PRINCIPAIS CONCEITOS 25
PROCEDIMENTOS 26
A. CRIANDO UM NOVO PROJETO 26
B. INSERINDO INFORMAÇÕES DO PROJETO 27
C. OPÇÕES DE CALENDÁRIO PARA O PROJETO 27
D. CRIANDO ATIVIDADES EM UM PROJETO 28
v Estruturação do projeto 28
v Entrada de dados no Project 29
v Excluindo tarefas 29
v Movendo tarefas 29
v Desfazendo ações 30
E. CRIANDO RELACIONAMENTOS ENTRE AS ATIVIDADES (INDENTANDO) 30
v Inserindo marcos 31
F. VISUALIZANDO A ESTRUTURA DE TÓPICOS CRIADA 31
G. CRIANDO INTER-RELAÇÕES ENTRE AS TAREFAS 32
v Alterando as inter-relações entre as tarefas 33
v Excluindo inter-relacionamentos 33
H. INSERINDO DURAÇÃO DAS TAREFAS 34
I. DETERMINANDO O CAMINHO CRÍTICO 35
J. RECURSOS DO PROJETO 36
Ø CRIANDO RECURSOS PARA UM PROJETO 36
Ø ATRIBUINDO UM RECURSO DE TRABALHO A UMA ATIVIDADE 37
Ø ATRIBUINDO UM RECURSO MATERIAL A UMA ATIVIDADE 39
Ø ENTENDENDO COMO O MS PROJECT CALCULA A DURAÇÃO DE UMA ATIVIDADE 40

CAPÍTULO 5 – CONTROLANDO O PROJETO 44

OBJETIVO 44
BENEFÍCIOS PARA O TREINANDO 44
PRINCIPAIS CONCEITOS 45
PROCEDIMENTOS 46
A. LINHA DE BASE 46
Ø GRAVANDO A LINHA DE BASE DO PROJETO 46
B. ACOMPANHANDO O ANDAMENTO DAS TAREFAS 47
Ø ACOMPANHAMENTO PELO PERCENTUAL DE CONCLUSÃO 47
Ø FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO 48
Ø TABELA DE ACOMPANHAMENTO 48

CAPÍTULO 6 - RELATÓRIOS, IMPRESSÃO E PUBLICAÇÃO NA WEB 50

OBJETIVO 50
BENEFÍCIOS PARA O TREINANDO 50
PROCEDIMENTOS 51
A. EXIBINDO RELATÓRIOS 51

4
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Ø RELATÓRIO VISÃO GERAL 51


Ø RELATÓRIO ATIVIDADES ATUAIS 52
Ø RELATÓRIO CUSTOS 52
Ø RELATÓRIO ATRIBUIÇÕES 53
Ø RELATÓRIO CARGA DE TRABALHO 53
Ø RELATÓRIOS PERSONALIZADOS 54
B. IMPRESSÃO 55
Ø CONFIGURAÇÃO DA PÁGINA 55
Ø VISUALIZAÇÃO DA IMPRESSÃO 56
Ø IMPRESSÃO 57
C. PUBLICAÇÃO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO VIA WEB 58

BIBLIOGRAFIA 60

5
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Termos Iniciais

Prefácio

Este manual foi elaborado com base em uma metodologia que visa o exercício teórico e prático do
tema gerenciamento de projetos.

O conteúdo deste manual é segmentado em capítulos, facilitando seu uso durante o treinamento e
também a consulta rápida quando estiver colocando em prática os conceitos obtidos.

Cada capítulo apresenta objetivos e benefícios para o treinando e para o sucesso deste trabalho, é
preciso que estes pontos sejam alcançados, daí a importância de sua participação.

6
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Objetivo geral do treinamento

Capacitar o treinando para o uso e domínio das funções básicas do software MS Project 2000.

Objetivos específicos do treinamento

Depois de concluído o treinamento, o treinando deverá estar apto a:


• Elaborar um projeto
• Executar o controle deste projeto
• Emitir relatórios, imprimir e publicar na Web

Como o material é organizado

Este manual é desenvolvido em capítulos. No primeiro capítulo será feito um estudo teórico sobre
gestão de projetos, visando o entendimento das regras de negócio. Nos próximos capítulos serão
avaliadas as principais funcionalidades do MS Project 2000, com enfoque nas funções básicas.

Cada capítulo será apresentado segundo a seguinte estrutura:

NOME DO CAPÍTULO

• Objetivo do capítulo
• Benefícios para o treinando
• Principais conceitos: Quando necessário serão apresentadas as palavras técnicas que necessitam de
explicação.
• Fluxograma: Se houver necessidade, será apresentada a visualização dos procedimentos (seqüência
de operações) que o treinando deverá seguir para cumprir as atividades no MS Project 2000.
• Procedimentos: Descrição teórica da seqüência correta de entrada de dados no programa, indicando
quais caminhos devem ser seguidos;
• Visualização das telas do programa: Representação dos principais campos do programa.
• Faça você mesmo: Desenvolvimento de exercícios durante o estudo do capítulo com a função de
fixação.
• Mãos à Obra: Ao final de cada capítulo será apresentado um exercício com o intuito de exercitar o
conteúdo apresentado. O objetivo é utilizar um projeto pronto como guia, uma construção
residencial, por se tratar de um tema bastante comum. Este exemplo será citado em todos os estudos
de caso para que haja a percepção da evolução através dos capítulos.

7
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Convenções usadas nesta manual

Este ícone atenta o treinando para algum perigo durante o


Perigo trabalho, como ações que podem provocar algum dano ao
processo.
Este ícone traz informações úteis associando a teoria da gestão de
Comentário projetos ao Project 2000.

Este ícone traz informações adicionais que facilitam a


Dica pão quente operacionalização do Project 2000.

Este ícone enfatiza as operações que são de extrema importância


Importante para o processo.

Ao longo do desenvolvimento das atividades serão lançados


Faça você mesmo exercícios para serem desenvolvidos.

Ao final de cada capítulo será apresentado um exercício


Mãos à obra relacionando o tema abordado.

Tabela 1- Simbologia utilizada neste manual

8
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Capítulo 1 - Conceitos Básicos


____________________________________________________________________________________

O que é um projeto?

“Projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma
organização transitória, ao qual são alocados os insumos necessários para, em um dado prazo, atingir um
objetivo. Sendo este objetivo geralmente especificado em termos de custos, tempo e desempenho. Um
projeto é único, tem objetivo definido e mensurável e tem um ciclo de vida.” Sandro Giovanni Valeri e
Prof. Rozenfeld.
Toda a atividade que você possa imaginar e que tenha início e final definidos é um projeto. Ou
seja, a construção de uma casa, a criação e desenvolvimento de um software, a elaboração de um
treinamento, todos são exemplos de projetos.
A maioria dos projetos compartilha atividades comuns, incluindo o detalhamento do projeto em
tarefas facilmente gerenciáveis, agendamento das tarefas, comunicação com a equipe e controle das
tarefas à medida em que o trabalho for sendo concluído. E todos os projetos consistem em três fases
principais:
1 Criar o plano
2 Controlar e gerenciar o projeto
3 Fechar o projeto

O que é gestão de projetos?

No início da década de 90 a gestão de projetos não representava grande atratividade nas empresas.
Contudo, com o advento da nova economia, este tema tornou-se de extrema importância. O motivo
desta mudança justifica-se pelo fato de que mais do que nunca o trabalho está se realizando em etapas
bem definidas, que se cumprem e dão lugar a uma nova etapa, a um novo projeto.
A gestão de projetos, propriamente dita, engloba desde a definição, o uso de recurso e técnicas, o
gerenciamento e o controle.

A mudança aliada à gestão de projetos

As atuais perspectivas do mercado relatam uma nova fase: o emprego é incerto e a única constante
é a mudança. A mudança por sua vez requer reflexões sobre como chegar a um consenso sobre os
objetivos e como alcançá-los, como agregar os membros da equipe, como negociar prazos e orçamentos,
e como reduzir os riscos e aumentar as chances de sucesso.
Essa ênfase sobre as mudanças aumenta a importância da gestão de projetos, pois quanto maior a
mudança, mais inovações e mais projetos surgem.

Desde 1990 o Project Managment Insitute, uma associação profissional de gerentes de


projetos (www.pmi.org) , viu o número de membros aumentar de 7700 para mais de 36000 em
1998. Durante o lançamento do Project 98, a Microsoft afirmou ter mais de 2 milhões de
usuários de seu software de gestão de projetos.

9
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Capítulo 2 - Apresentação do MS Project 2000


____________________________________________________________________________________

O Microsoft Project é uma ferramenta de gerenciamento de projetos poderosa e flexível que pode
ser usada para controlar projetos simples ou complexos. Ele ajuda a programar e controlar todas as suas
atividades para que você possa acompanhar de perto os seus progressos.

O que há de novo no MS Project 2000?

O Microsoft Project apresenta diversas melhorias se comparado à versão 98.


As principais novidades podem ser classificadas conforme tabela a seguir, baseada no Guia de
Melhorias do Produto, divulgado pela Microsoft no lançamento do Project 2000.

Usuário
Menus adaptáveis Somente os itens que os usuários usam com mais freqüência são
destacados no menu. Menus são facilmente expansíveis para revelar
todos os comandos e também se expandem automaticamente com
base nas regras da tecnologia Intellisense.
Modelos Modelos do Microsoft Project são fáceis de criar e acessar.
Altura de linha variável Usuários podem arrastar a linha entre tarefas para configurar linhas
individuais com alturas de linhas diferentes.
Edição na célula Usuários podem ver o contexto de uma tarefa durante sua edição.
Fill Handle Usuários podem selecionar as células que eles querem popular, e a
funcionalidade fill handle facilita as operações de preenchimento.
Auto-salvamento O Microsoft Project pode salvar automaticamente o trabalho dos
usuários em um determinado intervalo de tempo para que eles não
percam dados valiosos se seus computadores, inadvertidamente, são
desligados.
Formato e caminho padrão para a Usuários podem especificar um formato e um caminho padrão para a
operação de salvar operação de salvar, para salvar dados de projeto facilmente onde e
como eles desejarem.
Instalação sob demanda O Microsoft Project 2000 instala somente os componentes de que os
usuários precisam, quando eles precisam deles.
Suporte a Windows Terminal O Microsoft Project pode executar o Terminal Server.
Server
Linguagem de interface de Um único executável no mundo todo torna fácil a implantação em
usuário adaptável empresas multinacionais.
Add-ins COM Suporta Add-ins COM para estender a funcionalidade do Microsoft
Project.
Tabela 2 - O que há de novo - Usuário

10
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Capítulo 3 - Operações Básicas no Project 2000

____________________________________________________________________________________

Objetivo

Apresentar e exercitar de forma gradual e interativa as primeiras atividades no Project 2000.

Benefícios para o treinando

Pretende-se que, ao final deste capítulo, o treinando esteja apto a:

• Inicializar, abrir, salvar e excluir programas;


• Utilizar o recurso ajuda do sistema;
• Operar os modos de exibição do Project 2000.

11
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Principais conceitos

• “Rede Pert (Program Evaluation and review Technique)

Criada em 1956 pela Cia. E. I. Dupont de Nemours para o


cálculo de prazos em lançamento de novos produtos, esta técnica
recebeu inicialmente a denominação de Kelley-Walkers.
Em 1958 a Marinha Americana contratou a empresa de
consultoria Bozz-Allen and Hamilton para desenvolver um sistema de
planejamento e controle na construção de um foguete. O programa foi
intitulado de Projeto Polaris.
Por se mostrar muito extenso (3000 empreiteiros e subempreteiros e 70000 peças que deveriam
ser fabricadas) e como era de vital importância o cumprimento dos prazos estabelecidos, foi criado um
grupo de pesquisa para implantar uma ferramenta de organização e controle denominada posteriormente
de PERT, Técnica de Avaliação e Controle de Projetos. A representação gráfica do sistema PERT é
composta por setas orientadas que representam as atividades e círculos ou nós que representam os
eventos.

• CPM (Critical Path Method)

Em 1957, através da associação com a Remington-Rand, a técnica CPM (Método do Caminho


Crítico) foi convertida para o uso em computadores Univac. Surgia o primeiro software de
gerenciamento de projetos. Referindo-se ao caminho crítico como fator determinante da duração do
projeto, a CPM introduzia um novo conceito em gerenciamento de projetos.
O método francês CPM é representado por uma rede composta por setas orientadas que mostram
as interdependências e retângulos em que são descritas as atividades do projeto. As durações são
normalmente colocadas dentro dos retângulos.

• Rede Pert CPM (Rede de Planejamento)

É um método que divide as operações de um projeto em atividades necessárias à execução, onde


as atividades são apresentadas em suas interdependências e durações com o objetivo de analisar prazos,
custos e otimização de calendários.
As redes PERT/CPM dão ênfase aos objetivos, visam a otimização política, da performance, do
prazo, do preço e do risco (indicadores presentes em qualquer projeto), são uma ferramenta
interdisciplinar e de comunicação e estabelecem de forma clara as relações entre clientes e fornecedores.
Cabe notar que o modelo PERT/CPM não cria situações, mas revela situações, evitando ou
minimizando os efeitos oriundos de ocorrências não previstas ao longo do projeto. Por isso, ele ajuda a
decidir, mas não é a decisão. O método não pode evitar chuvas ou atrasos de fornecedores, mas irá
revelar ou até mesmo prevenir contra tais ocorrências: o que fazer, onde e como atuar, quando agir e
com que recursos, tendo em vista a ocorrência de eventos estranhos ao planejamento inicial ou base”.

___________________________________________________________________________________
(1)Hirschfeld, Henrique, /Planejando com PERT-CPM ©CPBAHIA - 1998-2002. Administração de
Henrique Hirschfeld - 1. ed., SP: Projetos. Todos os direitos reservados.
Editora Atlas S.A./1969. Administração: Hugo Barbosa Ferreira /
Alexinaldo Esteves
hugobarbosa@uol.com.br
12
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Procedimentos

A. Iniciando o programa

1. Ao ser instalado, o Microsoft é inserido na barra de tarefas do Windows e acionado através do


comando Iniciar / Programas / Microsoft Project.
2. Será apresentada automaticamente a tela da área de trabalho, que é similar à dos programas da
família Office. Além da barra de menu e ferramentas há três partes distintas:
• Barra de modos: está no lado esquerdo da tela e permite alterar os modos de exibição, através
de ícones;
• Tabelas: Fornecem informações em linhas e colunas sobre o projeto;
• Gráfico de Gantt: Permite exibir graficamente as durações das tarefas e as datas de início e
término de uma escala de tempo. A posição relativa das barras de Gantt mostra a seqüência
na qual as atividades do projeto estão agendadas para ocorrer;
• Barras de rolagem: A barra de rolagem horizontal se divide em duas, uma para a tabela e
outra para o gráfico, além de conter uma barra vertical para que se possa navegar entre as
linhas do projeto.

B. Abrindo um projeto existente

1. Acesse o menu Arquivo / abrir ou clique no ícone da barra de ferramentas;


2. Selecione o arquivo a ser aberto;
3. Clique no botão abrir.

C. Salvando um projeto
1. Acesse o menu Arquivo / salvar ou clique no ícone da barra de ferramentas;
2. Digite um nome para o projeto;
3. Escolha o formato Projeto;
4. Clique no botão salvar.

Figura 1 - Salvando um arquivo

13
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

D. Excluindo um projeto

1. Acesse o menu Arquivo / fechar, pois o arquivo a ser excluído não pode estar em uso;
2. Acesse o menu Arquivo / abrir ou clique em ;
3. Digite no arquivo a ser excluído com o botão direito do mouse ou clice na tecla delete do teclado;
4. Confirme a exclusão do arquivo.

Figura 2 - Excluindo um arquivo

E. Conhecendo a barra de ferramentas

Figura 3 -Barra de ferramentas

• Recurso agrupar por: agrupa os dados no projeto conforme especificado. Os grupos


combinam ou reorganizam os dados do projeto, facilitando a visualização e busca rápida.

Figura 4 - Recurso agrupar por

14
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

• Zoom: O ícone auxilia no aumento e redução da imagem de forma rápida e fácil.


• Ir para tarefa selecionada: Este ícone auxilia na visualização da escala de tempo
associada à tarefa que se deseja avaliar.
• Salvar figura: Recurso útil para envio de imagens via web. Pode ser salvo todo o projeto
ou partes dele. Basta clicar em e escolher a opção desejada.

Figura 5 - Filtro para

• Filtro para: Este recurso é de grande valia principalmente em se tratando de grandes


projetos. Ele permite exibir apenas tipos específicos de informações em seu projeto. Por
exemplo, convém exibir apenas as etapas do projeto ou ver as tarefas que não começaram.
• Auto Filtro: Seleciona rapidamente as linhas que se deseja ver. Basta clicar em e
escolher a opção que melhor lhe convier.
• Assistente do Gráfico de Gantt: É um conjunto de caixas de diálogo que você seleciona
para ajudar a formatar o Gráfico de Gantt. Na barra de ferramentas clique no ícone
.

F. Conhecendo os modos de exibição

O Microsoft Project 2000 é capaz de armazenar muitas informações, o que pode atrapalhar a
compreensão do usuário. Desta forma, este sistema utiliza vários modos de exibição, são eles:

• Gráfico de Gantt
• Calendário
• Diagrama de rede
• Gantt de controle
• Uso da tarefa
• Gráfico de recursos
• Planilha de recursos
• Uso do recurso

Figura 6 - Barra de modos

15
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Gráfico de Gantt

Esta visualização é composta de uma planilha de entrada e um gráfico de barras ao longo do


tempo. É a visualização mais convencional e utilizada do Project, pois é nela que são inseridas e
agendadas as tarefas.

Figura 7 - Modo de exibição Calendário

Este é a primeira tela com a qual você terá contato, então vale detalharmos as funções existentes
na barra de ferramentas que auxiliarão neste trabalho.

A seguir será apresentada a barra de ferramentas, semelhante a dos demais aplicativos do Office,
mas que possui ícones específicos e que devem ser conhecidos.

Alguns destes ícones podem ser utilizados também nos demais modos de exibição que
estudaremos logo a seguir.

16
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Calendário

Apresenta as atividades abrangendo os dias e as semanas em que cada atividade está agendada. É
útil para ver, adicionar e editar tarefas do projeto em formato de calendário. As barras de tarefas do
calendário abrangem os dias ou as semanas nos quais as tarefas são agendadas.

Figura 8 - Modo de exibição Calendário


É ideal para projetos pequenos porque apresenta limitações para ser utilizado em grandes projetos.
O seu limite de exibição é de 4000 tarefas e, no caso de tarefas que acontecem ao mesmo tempo,
somente as primeiras são exibidas.
Quando o limite de dados for superado, a indicação irá aparecer, conforme figura abaixo. Dê
um duplo clique nesta indicação e as demais atividades irão aparecer.

Figura 9 - Exibição de atividades no calendário

17
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Diagrama de rede

Este modo apresenta as tarefas e as dependências entre tarefas em um gráfico de fluxo ou de rede
(fluxograma). Uma caixa (às vezes chamada de nó) representa cada tarefa, e uma linha conectando duas
caixas representa a dependência entre as duas tarefas.

Figura 10 - Modo de exibição Diagrama de Rede

Na maioria das vezes, você provavelmente utilizará o modo de exibição Diagrama de rede
para ver o maior número possível de caixas Diagrama de rede ao mesmo tempo. O sistema
possibilita a formatação dos dados e do modo de apresentação, novidade implantada nesta nova
versão.

Por padrão, o modo de exibição Diagrama de rede exibe uma linha diagonal sobre uma
tarefa que está em andamento e linhas diagonais cruzadas sobre uma tarefa concluída. Quando
não há linhas significa que a tarefa não está em andamento.

18
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Gantt de controle

É o Gráfico de Gantt que auxilia no acompanhamento do andamento das atividades mostrando os


percentuais de conclusão. Pode ser usado para inserir e agendar uma lista de tarefas.

Figura 11 -Modo exibição Gantt de Controle

Observe que há diferenciação em azul e em vermelho para o desenvolvimento das


atividades, conforme figura abaixo. Isto ocorre devido ao fato de algumas atividades serem de
fundamental importância para a conclusão do trabalho. Depois de inseridas as atividades e suas
relações com as demais, o sistema identifica automaticamente em vermelho as atividades de
fundamental importância, denominas críticas.

Figura 12 - Diferenciação de atividades

Á medida em que as atividades críticas forem sendo realizadas, o sistema muda


automaticamente de vermelho para azul.
Atividade crítica: Tarefa que deve ser concluída de acordo com a agenda para que o projeto
termine no prazo final determinado. Se uma tarefa crítica for atrasada, é possível que a data
final do projeto também atrase. A série de tarefas críticas constitui o caminho critico do projeto.

19
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Uso da tarefa

Este modo de exibição apresenta as tarefas do projeto com seus recursos atribuídos O painel
esquerdo mostra uma lista de tarefas e recursos atribuídos por tarefa. O painel direito exibe uma escala
de tempo das horas agendadas.

Figura 13 - Modo de exibição Uso da Tarefa

Figura 14 - Detalhe tarefa e alocação de recursos

20
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Gráficos de recursos

Apresenta uma análise gráfica dos recursos avaliando se estão superalocados ao longo do tempo
para o projeto, a partir de informações cedidas pelo usuário para a capacidade mensal do recurso.
Quando a barra estiver em vermelho, significa que o recurso está superalocado e que é preciso reavaliar
suas atividades alocadas.

Figura 15 - Modo de exibição Gráfico de Recursos

21
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Planilha de recursos

Este modo é usado para analisar, adicionar ou editar informações sobre recursos em um formato
de planilha eletrônica. Pode-se criar rapidamente uma lista de recursos, com funcionários, empreiteiras,
cargos e outros recursos.

Figura 16 - Modo de exibição Planilha de Recursos

Observe que há recursos destacados em vermelho, o que significa que o sistema está
alertando para a superalocação. Este alerta é enfatizado pelo símbolo que traz a seguinte
anotação: “Este recurso deve ser redistribuído”.

22
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Uso do recurso

Este modo relaciona os recursos às atividades e o período em que estão alocados. Na verdade é o
oposto do modo Uso da Tarefa, sendo uma útil ferramenta para o gerenciamento de recursos.

Figura 17 - Modo de exibição Uso do Recurso

Revise todos os modos de exibição no arquivo Residência Unifamiliar. Observe os detalhes


apontados durante a explicação deste capítulo.

23
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Capítulo 4 - Planejando o projeto

____________________________________________________________________________________

Após ter sido concluída a definição do projeto (estabelecimento da base) pelos gerentes do projeto,
passa-se ao detalhamento do modo como se cumprem as metas do projeto, dadas as limitações. Esta fase
é denominada planejamento do projeto.
Nesta fase, será definida a quantidade de trabalho incluída no projeto, quem irá fazer o trabalho,
quando ele será completado e quanto irá custar. No decorrer do processo, as atividades de
gerenciamento dos riscos irão identificar as áreas de maior incerteza e criar estratégias para gerenciá-las.
A estratégia detalhada apresentada no planejamento transforma-se na verificação da viabilidade do
equilíbrio entre custos, cronograma e qualidade desenvolvido durante a definição do projeto.

Objetivo

Inserir todos os dados do projeto necessários à operacionalização do MS Project 2000.

Benefícios para o treinando

Após este capítulo, o treinando irá estar preparado para:

• Criar um novo projeto;


• Gerar calendários para o projeto e para os recursos;
• Inserir as atividades do projeto;
• Criar relacionamentos entre as atividades;
• Visualizar a estrutura gerada;
• Inserir a duração das tarefas;
• Visualizar o caminho crítico;
• Criar e inserir recursos;
• Cadastrar custos do projeto e das atividades.

24
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Principais conceitos

• Recurso: Pessoas, equipamentos e materiais utilizados para desenvolver trabalhos em um projeto.

• Indentar: Gerar uma estrutura de tópicos através de diferenciação por níveis.

• Antecipação: Recurso do sistema que permite a sobreposição de atividades vinculadas para


reduzir a duração.

• Retardo: Período de defasagem (ociosidade) entre atividades vinculadas.

o Obs.: As antecipações e os retardos facilitam o inter-relacionamento entre as atividades,


permitindo maior flexibilidade nas durações.

• Caminho crítico: É o conjunto de atividades inter-relacionadas que precisam ser concluídas no


tempo programado para que o projeto seja finalizado no prazo definido. Ou seja, quando a última
tarefa do caminho crítico for concluída, o projeto estará concluído.

• Tarefa crítica: É a tarefa que precisa ser concluída de acordo com a agenda para que o projeto
termine no prazo final determinado. A série de tarefas críticas constitui o caminho crítico do
projeto. Á medida em que as tarefas vão sendo concluídas, elas deixam de ser críticas.

• Recurso de trabalho: são as pessoas e equipamentos que realizam as tarefas dedicando tempo a
elas. Ex.: supervisor, gerente, retro-escavadeira, caminhão.

• Recurso de material: são suprimentos, estoques ou outros itens consumidos durante as


atividades. Ex.: cimento, combustível, água.

• Acumulação de custos: É a determinação de como o custo será analisado do ponto de vista de


pagamento do recurso. O programa oferece 3 opções: início, rateado, fim, sempre em relação à
tarefa. A acumulação de custos está diretamente ligada ao fluxo de caixa do projeto.

• Custo de linha de base: É o custo original do projeto, é uma amostra do custo na ocasião em eu o
plano de linha de base foi salvo. O controle e a comparação dos custos de linha de base com os
custos reais podem ser úteis para o controle do desempenho dos custos e o cálculo de valores
acumulados.

• Custo por uso: É uma taxa definida para o uso de um recurso. Pode substituir ou complementar
uma variável ou custo de recurso por hora.

25
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Procedimentos

A. Criando um novo projeto


1. Acesse o menu Arquivo / Novo ou clique no ícone na barra de ferramentas;
2. Você deverá escolher entre Projeto Vazio ou Modelos do Project:
• Projeto Vazio: Abre um arquivo em branco;
• Modelos do Project: Você pode optar por um dos projetos prontos oferecidos pelo sistema,
facilitando a estruturação de seu projeto. Basta selecionar o modelo mais adaptável aos seus
objetivos e realizar as alterações necessárias.

Figura 18 - Informações do projeto

• Agendar a partir de: Este campo oferece duas opções:


Ø Data de início do projeto: Mais utilizado. O ponto de partida é a data de início do projeto, ou
seja, você estará agendando o projeto do início para o fim. Optando por este recurso, será
habilitado o campo Data de início;
Ø Data de término do projeto: O ponto de partida é a data final do projeto, do fim para o início.
Optando por este recurso, será habilitado o campo Data de término.

Lembre-se de que não é possível optar pelas datas de início e término ao mesmo tempo.
Você determina uma das datas limite do projeto e o programa a outra.

Ø Data atual e data de status;


Ø Calendário: será discutido posteriormente;
Ø Prioridade: este campo é de extrema utilidade quando se trabalha com múltiplos projetos e
compartilhamento de recursos.

Você pode alterar as informações clicando em Projeto/Informações sobre o projeto.

26
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

B. Inserindo informações do projeto

1. Acesse o menu Arquivo / Propriedades;


2. Escolha o folder resumo;
3. Preencha os dados e clique em OK.

Figura 19 - Propriedades do projeto

C. Opções de calendário para o projeto

Calendário do Projeto: Mostra a agenda de trabalho padrão para todos os recursos do projeto,
indicando o período de trabalho, as folgas e feriados.
Ao iniciar um projeto, pode-se optar por um dos três tipos de calendário-base oferecidos pelo
Project:

1. Calendário Padrão: Apresenta uma jornada de trabalho tradicional: de segunda a sexta-feira,


das 9 às 18h, com uma hora de intervalo;
2. Calendário 24 horas: Não há período de folga. Por exemplo, quando os recursos forem
alocados para diferentes turnos do dia ou da noite ou quando há trabalho contínuo, o
funcionamento de uma caldeira, por exemplo;
3. Calendário Turno da Noite: Esta agenda é de turno noturno de segunda à noite até sábado de
manhã, das 23 às 8 h, com uma hora de intervalo.

27
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

D. Criando atividades em um projeto

v Estruturação do projeto

O primeiro passo na elaboração de qualquer projeto é a estruturação do projeto, ou seja, a


definição clara do objetivo do projeto e das atividades que o compõem. Esta estrutura pode ser tão
detralhada quanto necessário, dependendo da necessidade e do feeling do profissional que a elabora.

Em um projeto há a atividade-macro, as atividades-mãe, as atividades-filha e os marcos. Esta


hierarquia apresenta-se da seguinte forma:
• Atividade macro: é a atividade que dá nome ao projeto;
• Atividade-mãe: é a subdivisão da atividade macro em grupos de atividades;
• Atividade-filha: cada grupo é composto por pequenas atividades, denominadas filhas;
• Marco: atividade que determina um controle (medição de desempenho) durante o trabalho.

Um exemplo : Construção de uma piscina

Necessidade:
Piscina PROJETO Piscina
pronta

CONTRUÇÃO DE UMA PISCINA Atividade-macro


Escavação
Atividade-mãe
Demarcar o local para escavação
Escavar Atividade-filha

Término da escavação Marco


Revestimento
Concretar laterais e fundo
Colocar azulejo
Término do revestimento

Instalação elétrica
Instalar bombas
Instalar iluminação
Término da instalação elétrica

Término da piscina

Figura 20 - Exemplo de estruturação de projeto – Construção de uma piscina

28
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Entrada de dados no Project

Tendo a estruturação do projeto em mãos, parte-se para a entrada de dados no Project:

1. Posicione o cursos sobre a primeira célula da coluna Nome da Tarefa e digite as tarefas
seguindo a ordem definida na estruturação do projeto. Tecle Enter para passar de uma
linha para outra;
2. A atividade será criada automaticamente a partir da data atual do sistema e sua duração
será de 1 dia (padrão).

Figura 21 - Digitação das tarefas do projeto

v Excluindo tarefas

As atividades podem ser excluídas da seguinte forma:


1. Selecione a tarefa a ser excluída;
2. Pressione a tecla Delete ou no menu Editar / Excluir tarefa.

Quando a tecla Delete é acionada, toda a atividade será excluída. Para se apagar apenas um
campo da tabela, posicione o cursor sobre o campo e utilize a tecla Backspace.

v Movendo tarefas
Se desejar mover uma atividade ou um grupo de atividades, proceda da seguinte forma:
1. Selecione as tarefas clicando sobre os números de identificação das tarefas;
2. Arraste-as ao local desejado com o auxílio do mouse;
3. Solte a tecla do mouse.

Figura 22 - Movendo tarefas

29
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Desfazendo ações

Se houver a necessidade de desfazer alguma ação indevida, realize o seguinte procedimento:


1. Clique no ícone ou acesse o menu Editar / Desfazer.

Este recurso permite voltar apenas uma ação! Portanto tenha atenção para não perder seus
dados. Habilite a função salvamento automático no menu Ferramentas / opções / salvar, clique
no campo auto-salvamento e determine o intervalo de tempo.

Utilizando o exemplo da Construção de uma Piscina, crie um arquivo, insira as informações


sobre o projeto e formate o calendário. A seguir, digite as atividades, respeitando a ordem
hierárquica das atividades. Para praticar, exclua, mova e desfaça as ações, conforme visto nos
passos anteriores.

E. Criando relacionamentos entre as atividades (Indentando)

Após inserir as atividades no Project, este é o momento de criar os relacionamentos entre


atividades macro, mãe, filha e marco.

1. Selecione todas as atividades logo abaixo da atividade mãe, clicando e arrastando o cursor
do mouse sobre as tarefas;
2. Clique em .

Figura 23 - Indentando atividades

Para remover uma estrutura de tópicos criada, basta clicar em .

30
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Inserindo marcos

Um marco é um objeto ou ponto de verificação intermediário do projeto. Para inserir um marco:

1. Digite a tarefa;
2. Clique na coluna duração e digite 0.

Figura 24 - Inserindo marcos

Observe o exemplo da figura acima, onde a tarefa TÉRMINO ETAPA ESTRUTURAL tem
duração de 0 dias e o sistema automaticamente compreende como marco e insere o símbolo
com a respectiva data.

F. Visualizando a estrutura de tópicos criada

É possível optar pelas formas de visualização da estrutura através do seguinte recurso na barra de
ferramentas:

Figura 25 - Visualização de estrutura de tópicos

Mostra as sub-tarefas de uma tarefa selecionada (expande a estrutura);


Oculta as sub-tarefas de uma tarefa selecionada (contrai a estrutura);
Permite selecionar os níveis da estrutura de acordo com a necessidade do usuário.

31
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Para exercitar o que vimos nos itens anteriores, crie relacionamentos entre as atividades para
o projeto Construção de uma Piscina, conforme a figura abaixo. Evidenciando a atividade-
macro, as atividades-mãe, as atividades-filha e os marcos.
Aproveite também para visualizar a estrutura de tópicos.

Figura 26 - Atividades Indentadas - Projeto Construção de uma Piscina

G. Criando inter-relações entre as tarefas

Para que o programa assimile as relações de interdependência entre as atividades, é preciso criar
links. Para isso há as seguintes opções:

v Término – Início: Quando a primeira atividade for concluída, dá-se início à segunda;

v Início – Início: Ambas as atividades iniciam ao mesmo tempo;

v Término –Término: Ambas as atividades terminam ao mesmo tempo;

v Início – Término: É a menos comum. Pode ocorrer quando o término de uma tarefa
depende do início da tarefa seguinte.
As inter-relações podem ser criadas de várias maneiras, porém a mais prática e usual é a seguinte:

1. Selecione com o mouse as atividades que deseja vincular;


2. Clique no botão na barra de ferramentas.

Se precisar vincular tarefas não subseqüentes, você pode clicar com o mouse e pressionar a
tecla CTRL ao mesmo tempo, enquanto escolhe as tarefas.

32
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

v Alterando as inter-relações entre as tarefas

Para alterar o tipo de relacionamento entre as tarefas:


1. Dê um duplo clique sobre a seta criada ao vincular as atividades;
2. Na janela que aparecerá, escolha no campo Tipo o relacionamento desejado;
3. Confirme a operação.

Figura 27 - Alteração de inter-relacionamento

v Excluindo inter-relacionamentos

Para deletar um relacionamento:


1. Você pode selecionar novamente as tarefas e clicar em ou dê um duplo clique sobre a
seta criada ao vincular as atividades;
2. Na janela que aparecerá, clique em excluir;
3. Confirme a operação.

Figura 28 -Excluindo inter-relacionamentos

Exercite a criação, alteração e exclusão de inter-relacionamentos utilizando o projeto


Construção de uma Piscina.

33
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

H. Inserindo duração das tarefas

A duração das atividades no Project pode ser:

PERÍODO ABREVIATURA
Meses me, mês
Semanas s, sem, semana
Dias d, di, dia
Horas h, hr, hora
Minutos m, min, minuto
Tabela 3 - Abreviatura dos períodos de duração
Quando criada a atividade, o Project oferece como padrão a duração em dias. Dessa forma,
se não for informada, a duração ficará em dias.

Para alterar a duração, basta clicar sobre o campo de duração da tarefa e digitar o período
seguido da abreviatura, conforme exemplo a seguir:

Figura 29 - Inserindo duração das atividades

Outra forma de alterar a duração da tarefa:

1. Dê um duplo clique sobre a tarefa ou acione o ícone na barra de ferramentas;


2. No folder Geral insira a data de início e fim da atividade ou a data de início e a duração,
assim o Project calculará automaticamente a data de término.

Quando criada, a atividade apresenta como padrão de duração 1 d?. O símbolo “?” significa
que o valor não é definitivo. Isso permite ao usuário retornar e cadastrar o valor correto, quando
for possível.

Se quiser fazer com que a tarefa ocorra em dias corridos, basta digitar a letra d após a
unidade de duração, ex.: 5 dias corridos – 5dd, 24 horas corridas-24hd.

Crie períodos de duração para as atividades do projeto Construção de uma Piscina.

34
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

I. Determinando o caminho crítico

O recurso caminho crítico facilita o controle do andamento do projeto, como ferramenta de apoio
fundamental ao gerente de projetos, pois permite visualizar atividades de baixo, médio e forte impacto
sobre o cronograma final do projeto.
Há dois tipos de caminho crítico: caminho crítico simples e múltiplos caminhos críticos.

• Caminho crítico simples: É o caminho crítico geral padrão do Project que afeta a data de
término do plano.
É determinado através do Assistente de gráficos de Gantt, conforme as descrições a seguir:
1. Clique sobre o ícone (assistente Gráfico de Gantt) ou escolha o caminho Formatar /
Assistente de Gráficos de Gantt, na barra de ferramentas;
2. Clique em avançar;

Figura 30 -Assistente Gráfico Gantt tela 1

3. Selecione o campo caminho crítico e clique em avançar .

Figura 31 - Assistente Gráfico Gantt tela 2

35
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

J. Recursos do projeto

RECURSOS

Recursos de Recursos de
trabalho material

Pessoas Equipamento Materiais


s

Figura 32 Esquema representativo dos recursos

Ø Criando recursos para um projeto

Para criar um recurso:


1. Acesse a barra de modos de exibição ou e escolha a planilha de recursos;

Figura 33 - Planilha de recursos

36
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

2. Digite diretamente na planilha ou dê um duplo clique sobre a célula para preencher


os seguintes dados:
a. Nome do recurso: nome completo do recurso
b. Tipo: material ou trabalho
c. Rótulo do material: unidade de medida (ton, kg, m3,...)
d. Iniciais: iniciais do nome do recurso
e. Grupo: se o recurso pertence a um setor, grupo ou sua localização em um
estoque, por exemplo.
f. Unidade máxima: número máximo de recursos disponíveis ao mesmo tempo.
(Somente válido para recursos de trabalho).
g. * Taxa padrão
h. * Taxa hora extra
i. * Custo/uso
j. * Acumular
k. Calendário-base: calendário do recurso (folga, férias,...) somente válido para
recurso do tipo trabalho.
l. Código: informação sobre o recurso, números de registro.

Para excluir um recurso pressione delete sobre sua célula no modo de exibição planilha de
recursos.

Ø Atribuindo um recurso de trabalho a uma atividade

É preciso atribuir recursos às atividades para evidenciar as responsabilidades por sua condução e
término.
Os recursos também auxiliam na determinação do tempo de conclusão da atividade e também o
custo de cada atividade e do projeto, caso tenham sido estipulados os custos.
Quando atribuirmos um recurso de trabalho a uma atividade, estamos informando a parcela do
tempo do recurso disponível para ela. O recurso pode ser atribuído em período integral (1 ou 100%) ou
outra parcela de tempo (0,2 ou 20%, restando 80% para dedicar-se a outras atividades). Pode-se também
atribuir vários recursos com, por exemplo, 200% para dois pedreiros atribuídos a uma tarefa.
Procedimento:
1. Escolha o modo de exibição Gráfico de Gantt;
2. Clique sobre a tarefa que desejar atribuir um recurso;
3. Clique no ícone na barra de ferramentas;

Figura 34 - Atribuindo recursos de trabalho

37
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

4. No campo Nome clique sobre o recurso que deseja e clique em Atribuir. Neste caso,
o sistema atribui automaticamente 100% e, se desejar outro valor, clique sobre o
campo Unidades e digite o valor desejado;
5. Uma marcação aparecerá ao lado do recurso assim que for atribuído;
6. Você pode manter a janela aberta até finalizar as atribuições a todo o projeto.
Quando concluir, clique em para fechar a janela.

A quantidade de recursos de trabalho pode ser dada em valores unitários ou


porcentagem. Para optar, acesse no menu Ferramentas Opções / Agenda clique em
decimal ou porcentagem no campo Mostrar unidades de atribuição como.

Figura 35 - Exibir porcentagem ou decimal

38
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Ø Atribuindo um recurso material a uma atividade

Quando atribuímos um recurso material a uma atividade, temos a opção de estabelecer se o uso do
material se baseia no tempo (consumo de material variável) ou não (consumo fixo):
• Consumo variável: a quantidade é especificada por unidade de tempo. Ex.: 10 m3 de areia
por dia de trabalho;
• Consumo fixo: a quantidade de material independe da duração da atividade. Ex.: 10 m3 de
areia para a concretagem da piscina.
Para atribuir um recurso material a uma tarefa:
1. Escolha o modo de exibição Gráfico de Gantt;
2. Clique sobre a tarefa que deseja atribuir um recurso;
3. Clique no ícone ;
4. No campo Nome clique sobre o recurso material que deseja e clique em Atribuir. No
caso de recursos alocados de modo fixo, digite a quantidade do recurso para toda a
tarefa. No caso de materiais não consumidos no tempo, digite a quantidade por unidade
de tempo, como;
5. Uma marcação aparecerá ao lado do recurso assim que for atribuído;
6. Você pode manter a janela aberta até finalizar as atribuições a todo o projeto. Quando
concluir, clique em para fechar a janela.

Figura 36 -Atribuindo recursos materiais

39
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Ø Entendendo como o MS Project calcula a duração de uma atividade

Os tipos de controle disponíveis são:


• Unidades fixas ,Trabalho fixo e Duração fixa.

Para optar por um destes controles:

1. Dê um duplo clique sobre a atividade;


2. Selecione o folder Avançado e escolha o tipo de controle no campo Tipo de tarefa.

Figura 37 - Tipos de controle

Para saber qual das opções você deve escolher, é preciso entender como é calculada a duração de
uma atividade.
Na primeira vez em que são inseridos os recursos, é gravada a seguinte relação:

Duração = Trabalho
Unidades

Quando se altera a quantidade de recursos (unidades), a duração e a quantidade de horas


trabalhadas (trabalho) se ajustarão para manterem o equilíbrio entre os fatores.

Para compreender como o Project trata os dados, utilizaremos o seguinte exemplo:

Figura 38 – Exemplo - Revestimento da piscina

40
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

• Unidades fixas: Ao dobrar a atribuição (Trabalho), será dobrada a duração mantendo a


quantidade de recursos fixa (Unidades).

Unidades = Trabalho
Duração

Para alterar a atribuição (Trabalho), entre no modo de exibição Uso da tarefa e altere o
valor, conforme figura abaixo. Neste caso vamos alterar a carga horária, do Pedreiro e do
Servente, de 16 para 32 hrs.

Figura 39 - Alteração da carga de trabalho

Figura 40 - Exemplo - Revestimento da piscina / Unidades Fixas

Perceba que a duração passou de 2 para 4 dias e que os recursos pemaneceram inalterados.
Se dobrarmos a carga de trabalho é preciso dobrar a duração para que sejam mantidos os mesmos
operários.

41
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

• Trabalho fixo: Quando dobramos a quantidade de recursos, o programa reduz a duração


pela metade para comportar esta nova quantidade de trabalho.

Trabalho = Duração * Unidades

Para alterar a quantidade de recursos, entre no modo de exibição Gráfico de Gantt, clique
sobre a tarefa e selecione o ícone .

Figura 41 - Alteração da quantidade de recursos

Figura 42 - Exemplo- Revestimento da piscina / Duração fixa

Figura 43 – A carga de trabalho permanece inalterada

Observe que a quantidade de recursos foi dobrada e a duração foi reduzida à metade, contudo a
carga de trabalho permanece inalterada.

42
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

• Duração fixa: Ao dobrar a quantidade de recursos, o programa dobra a quantidade de


trabalho a ser atribuída, mantendo a duração fixa.

Duração = Trabalho
Unidades

Da mesma forma que no caso anterior (Unidades fixas), vamos alterar a carga horária, do Pedreiro
e do Servente, de 16 para 32 hrs.

Figura 44 - Exemplo- Revestimento da piscina / Duração fixa

Observe que a duração manteve-se inalterada porém a atribuição dos recursos passou de 100 para
200%.Se dobrarmos a carga de trabalho, é preciso dobrar a alocação dos recursos para manter a mesma
duração.

43
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Capítulo 5 – Controlando o projeto

____________________________________________________________________________________

O controle do projeto inclui todas as atividades que o mantém em andamento em direção à meta.
Essas atividades incluem:

• Medição de progresso: Geralmente, a medição de progresso logo identifica qualquer


problema, facilitando sua solução. Também é um mecanismo de retorno, validando as
estimativas de planejamento e do equilíbrio entre custo, cronograma e qualidade;
• Comunicação: A comunicação é fundamental no controle do projeto, já que mantém
todos os participantes coordenados e cientes do progresso e de suas alterações;
• Intervenção corretiva: Consiste nas respostas do dia-a-dia a todos os obstáculos e aos
problemas que um projeto poderá vir a ter.

Com o acompanhamento, pode-se determinar as atividades iniciadas antes ou depois do


planejamento, as que ultrapassaram o orçamento original, as que demoraram mais tempo do que o
previsto, e assim por diante. Este procedimento é realizado paralelamente ao planejamento e à execução
do projeto.

Objetivo

Acompanhar e controlar o que está sendo realizado pelo projeto, propor ações corretivas e
comparar com o status atual do projeto do MS Project 2000.

Benefícios para o treinando

Após este capítulo, o usuário poderá:

• Criar linhas de base;


• Acompanhar o andamento do projeto:
o pelo percentual de conclusão
o pelo formulário de acompanhamento
o pela tabela de acompanhamento
o pelo conjunto de tarefas simultaneamente
• Criar linhas de andamento do projeto.

44
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Principais conceitos

• Linha de base: É um conjunto de estimativas-chaves originais sobre o projeto. Esse conjunto


consiste nas estimativas originais sobre tarefas, recursos, atribuições e custos inseridos no plano
do projeto. A linha de base permite comparar o plano original do projeto com o verdadeiro
andamento, resultando no progresso real do projeto.
o Por que criar a linha de base?
v As estimativas originais que a linha de base contém são pontos de referência
permanentes, com base nos quais você poderá comparar as informações
atualizadas. Por exemplo, se você estimar o custo de uma tarefa em R$50,00, mas
registrar um custo agendado de R$60,00, a variação de custo será de R$10,00.
Monitorando as variações regularmente, você poderá tomar medidas para garantir
que o projeto não se afaste de suas estimativas originais. No entanto, observe que
você só poderá exibir as variações dos itens para os quais inseriu estimativas da
linha de base. Por exemplo, se você não inserir os custos dos recursos antes de
salvar uma linha de base, não poderá exibir as variações de custo dos recursos.
o Quais informações do projeto são salvas?

v Datas de início e término, durações, trabalho dos recursos e das tarefas, custos dos
recursos e das tarefas, tarefas divididas, trabalho dividido em fases, custos
divididos em fases.

o Quando criar uma base?


v Após concluir o processo inicial de criação de uma agenda (inserir tarefas,
estabelecer dependências, atribuir recursos e custos) e antes de controlar a agenda,
convém salvar um plano de linha de base. Como a linha de base fornece pontos
de referência com base nos quais você compara o andamento real do projeto, ela
deve incluir suas melhores estimativas.
o Quando não criar uma base?
v Em determinadas situações ela não será muito útil. Por exemplo, talvez você não
tenha motivo nem tempo para comparar o plano agendado com o plano da linha
de base. O número de tarefas do projeto poderá ser tão pequeno que você poderá
controlar o seu andamento sem qualquer ajuda. Ou, ainda, a duração do projeto
poderá ser tão curta que talvez você tenha pouco tempo ou necessidade de
controlar as tarefas.

• Linha de andamento: É uma representação visual do andamento do projeto, exibida no modo


Gráfico de Gantt. Para determinada data de andamento, o Project desenha uma linha que conecta
tarefas em andamento. Deste modo, ele cria um gráfico com picos apontando para a esquerda
para o trabalho que está atrasado e picos apontando para a direita para o trabalho que está
adiantado. A distância de um pico a partir da linha vertical indica em que grau a tarefa está
adiantada ou atrasada em relação à data do andamento.

45
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Procedimentos

A. Linha de Base

Ø Gravando a linha de base do projeto

1. Escolha o modo de exibição Gantt de Controle;


2. Acesse o menu Ferramentas / controle / salvar linha de base;
3. Escolha a opção Salvar linha de base;

Figura 45 - Salvando uma linha de base

Observe que surgiu uma barra estática sobre cada atividade. Essa barra é a linha de base.

Figura 46 - Visualização linha de base

Quando salvamos a linha de base. O Project salva os dados como parte do arquivo, ou seja,
a linha de base não é um arquivo separado.

46
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

B. Acompanhando o andamento das tarefas

Para facilitar o acompanhamento dos projetos, o Project 2000 possui uma barra de ferramentas
específica, para exibir a barra de ferramentas de controle:

1. Clique com o botão direito sobre qualquer ferramenta do programa;


2. Escolha Controle na caixa de seleção apresentada.

Atualizar como Reagendar Adicionar linha Percentual de


agendado trabalho de andamento conclusão

Estatísticas do
projeto
Figura 47 - Barra de ferramentas Controle

Barra de
ferramentas do
grupo de trabalho
Atualizar
tarefas

Esta barra permite as seguintes formas de acompanhamento:

• Acompanhamento pelo percentual de conclusão


• Formulário de acompanhamento
• Tabela de acompanhamento
• Acompanhamento de um conjunto de tarefas simultaneamente

A seguir descreveremos brevemente cada uma delas:

Ø Acompanhamento pelo percentual de conclusão

A atualização é rápida porém não muito precisa, pois não é possível (neste caso) optar por valores
intermediários aos apresentados pela barra.
Para registrar o status do seu projeto, selecione a tarefa e clique sobre um dos valores da tabela:
0%, 25%, 50%, 75% ou 100% . Grave a linha de base se julgar necessário.

47
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Ø Formulário de acompanhamento

1. Escolha o modo de exibição Gantt de Controle;


2. Clique sobre a tarefa que deseja atualizar;
3. Acesse o menu Ferramentas / Controle / Atualizar atividades ou clique no botão ,
localizado na barra de controle, próximo ao controle por percentual.
4. Grave a linha de base, se necessário, como foi visto anteriormente;
5. Digite a porcentagem concluída ou as novas datas caso tenham mudado.

Figura 48 - Formulário de acompanhamento

Ø Tabela de acompanhamento

A tabela de controle ou acompanhamento é a mais usual forma de acompanhar um conjunto de


atividades.
1. Escolha o modo de exibição Gantt de Controle;
2. Selecione Exibir / Tabela / Controle, caso a mesma não esteja habilitada;
3. Grave a linha de base, se necessário, como foi visto anteriormente;
4. Clique sobre a tarefa que deseja atualizar;
5. Preencha os campos da tabela conforme os dados reais do projeto para cada linha de
atividade.

Figura 49 - Planilha de controle do andamento

48
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Para desbloquear o campo custo real, acesse o menu Ferramentas / Opções guia Cálculo e
desabilite a função sempre calcula os custos reais.

Para atrelar o trabalho ao percentual concluído, ou seja, ao informar 50% do andamento de


uma atividade, o Project colocará imediatamente a metade de todo o trabalho como já realizado
e vice-versa, proceda da seguinte forma:
• No menu Ferramentas / Opções na guia Cálculo e habilite a opção a atualização da
tarefa atualiza o status do recurso.

49
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Capítulo 6 - Relatórios, Impressão e Publicação na Web

____________________________________________________________________________________

O Microsoft Project inclui vinte e nove relatórios pré-definidos em 4 modelos: tarefas, recursos e
tabelas de referência cruzada. Contudo, se nenhum dos relatórios pré-definidos atenderem às suas
necessidades, você poderá criar um relatório personalizado. Estes relatórios são úteis para o controle do
projeto e apresentação em reuniões visto que traz as informações resumidas.
Quanto à impressão, o software permite imprimir modos de exibição e relatórios que atendam às
necessidades de uma determinada pessoa ou grupo. Também é possível imprimir calendários, redes Pert,
caminhos críticos, etc.
O Project 2000 permite também a publicação de projetos, sendo a Internet o meio mais usual. O
projeto é gravado de maneira estática e publicado em formato HTML.

Objetivo

Gerar relatórios, imprimir e publicar projetos na Internet.

Benefícios para o treinando

Neste capítulo, o usuário estará apto a:

• Exibir os diversos relatórios disponibilizados pelo MS Project 2000;


• Configurar as páginas de impressão;
• Visualizar a impressão;
• Imprimir;
• Disponibilizar informações na Internet.

50
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Procedimentos

A. Exibindo relatórios

1. Acesse o menu Exibir / Relatórios;


2. Escolha o tipo de relatório desejado:Visão geral ,Atividades atuais, Custos, Atribuições ou
Carga de trabalho;
3. Clique em selecionar.

Figura 50 - Exibindo relatórios

Ø Relatório Visão Geral

Esta opção apresenta os seguintes relatórios genéricos do projeto:


• Resumo do projeto
• Tarefas de nível superior
• Tarefas críticas
• Etapas
• Dias úteis

Figura 51 - Relatórios tipo Visão Geral

51
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Ø Relatório Atividades Atuais

São relatórios que auxiliam no acompanhamento e controle do projeto, identificando atividades


pendentes, atrasadas, concluídas e em andamento, são eles:
• Tarefas não iniciadas
• Tarefas com início breve
• Tarefas em andamento
• Tarefas concluídas
• Tarefas que já deveriam ter iniciado
• Tarefas adiadas

Figura 52 - Relatório Atividades Atuais

Ø Relatório Custos

São os relatórios que fornecem informações financeiras sobre o projeto:


• Fluxo de caixa
• Orçamento
• Tarefas com orçamento estourado
• Recursos com orçamento estourado
• Valor acumulado

Figura 53 - Relatório Custos

52
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Ø Relatório Atribuições

São os relatórios que apresentam as atribuições dos recursos:


• Funções
• Funções e prazos
• Lista de tarefas pendentes
• Recursos superalocados

Figura 54 - Relatório Atribuições

Ø Relatório Carga de Trabalho

São os relatórios que distribuem os recurso e as atividades ao longo do tempo, com suas
respectivas cargas de trabalho.
• Uso da tarefa
• Uso do recurso

Figura 55 - Relatório Carga de Trabalho

53
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Ø Relatórios Personalizados

Se nenhum dos relatórios pré-definidos atenderem às suas necessidades, você poderá criar um
relatório personalizado. Para isso você poderá editar um relatório existente ou criar um novo.

• Para editar um relatório existente:

1. Clique no botão Editar da janela Relatórios Personalizados;

Figura 56 - Edição de Relatórios Personalizados

2. Preencha as informações solicitadas, incluindo definição, detalhes e classificação,


conforme figura abaixo:

Figura 57 - Editando um relatório

54
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

B. Impressão

O Project 2000 permite a impressão de modos de exibição, relatórios, calendários, redes Pert,
caminhos críticos, etc. com a finalidade de atender às necessidades de uma determinada pessoa ou grupo.
Normalmente, o processo de impressão passa por três etapas:
• Configuração da página
• Visualização da impressão
• Impressão.

Ø Configuração da página

Para configurar uma página de modo de exibição ou de relatório, siga os seguintes passos:

1. Selecione o material a ser impresso;


2. Acesse o menu Arquivo / Configurar página;
3. Na guia Página escolha a orientação, a escala, o tamanho do papel e a numeração das páginas.

Figura 58 - Configurar página

4. Na guia Margens, defina o tamanho das margens e as bordas da impressão;


5. Na guia Cabeçalho e Rodapé, escreva os dados que deverão estar referenciados em todas as
páginas, tais como: data, responsável,etc.;
6. Na guia Legenda, defina o estilo legenda e a forma de apresentação;
7. Na guia Modo de exibição, configure os parâmetros especiais de impressão, como o número de
colunas impressas, a repetição de colunas de cada página, a impressão de folhas em branco,etc.
8. Confirme as alterações.

55
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Ø Visualização da impressão

Para evitar erros, é importante visualizar a impressão antes de ativá-la:

1. Acesse o menu Arquivo / Visualizar impressão ou clique em na barra de ferramentas;


2. Para visualizar outras páginas clique nas setas no canto superior esquerdo;
3. Para visualizar todas as páginas ao mesmo tempo, clique no botão ;
4. Para alterar o zoom da página, clique com o mouse sobre a área que desejar ampliar (aparecerá
este símbolo ) clique novamente para voltar ao normal;
5. Se ainda desejar alterar a página, clique no botão configurar página;
6. Para confirmar clique em Fechar.

Figura 59 - Visualização de impressão

No Project 2000, as definições de impressão e configuração de páginas são gravadas


juntamente com o arquivo do projeto, facilitando o trabalho.

Se desejar aumentar ainda mais a área de impressão, retire a legenda clicando em


Configurar página / Legenda e escolha a opção nenhuma legenda.

56
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

Ø Impressão

1. Acesse o menu Arquivo / Imprimir;


2. Escolha a impressora desejada;
3. Selecione o intervalo de impressão e o período de tempo;
4. Escolha o número de cópias;
5. Confirme a operação.

Figura 60 - Impressão

57
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

C. Publicação de informações do projeto via WEB

Para salvar um projeto no formato de publicação World Wide Web:


1. Acesse o menu Arquivo / Salvar com página da web;
2. Digite o nome do arquivo a ser exportado;
3. Clique em Salvar;
4. Selecione o mapa a ser usado para exportar os dados, na lista importar / exportar mapas;
5. Clique em Salvar.

Figura 61 - Publicação via web

58
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

O Project 2000 traz modelos HTML pré-definidos para a Internet. Para isso:

• Escolha Novo mapa;


• Selecione os dados a exportar: tarefas, recursos, atribuições;
• Escolha basear a exportação do modelo HTML e insira o caminho do arquivo
modelo de exportação (os modelos do Project estão arquivados na pasta Microsoft
Project / Templates / Microsoft Project Web, no diretório Modelos do Office);
• Preencha os dados do mapeamento de tarefas, recursos e/ou atribuições;
• Clique em OK.

Figura 62 - Modelos pré-definidos

59
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO
1O CILCO DE OFICINAS E PALESTRAS DO LABSAD

BIBLIOGRAFIA

I. VERZU, Erick. Gestão de Projetos – MBA Compacto. Campus


II. VARGAS, Ricardo Viana. .Microsoft Project 2000 – Trasnformando Projetos em Resultados de
Negócios. Brasport

60