Вы находитесь на странице: 1из 2

LUTERO (DE 1483 A 1512):

1512): UMA INTRODUÇÃO enviado às escolas de latim de Magdeburg (1497) e Eisenach (1498-1501).” 14 Hans que-
Heber Ramos Bertucci ria que seu filho fosse advogado, e por isso, na primavera 15 (isto é, em abril) de
INTRODUÇÃO 1501, 16 quando Lutero tinha 18 anos, ele o enviou à mais famosa universidade
1. Este mês de outubro é conhecido como o “mês da Reforma Protestante” alemã, Erfurt, para estudar Direito 17 na Faculdade de Artes. 18 Lá o jovem levou 4
que começou no dia 31 de outubro de 1517. Por isso farei neste texto uma síntese anos em estudos preliminares de sua futura carreira, realizando “... primeiramente,
dos principais acontecimentos da vida do Reformador Martinho Lutero (1483- os estudos filosóficos, tornando-se, em 1502, bacharel...” 19 em Artes, 20 curso que nas
1546) entre 1483 até 1512. Universidades medievais “... correspondia às ‘Artes Liberais’ (Artes libero dignae);
I – NASCIMENTO, VIDA RELIGIOSA E ACADÊMICA isto é: Histórica, Retórica, Lógica, aritmética, Música, Astronomia e Geometria”. 21 Três
2. Nascimento e infância - Lutero nasceu em 10.11.1483 1 em Eisleben, na Sa- anos depois, Lutero “... concluiu com sucesso seus exames de mestrado a 7 de janeiro de
xônia, no leste da Alemanha. 2 Ele era o segundo filho 3 de Hans e Margaretha 1505”, 22 tornando-se mestre em Artes, 23 sendo, em sua vida acadêmica, “... mui-
Lutero. Hans, “um aldeão” 4 e “agricultor”, 5 era, na infância de Lutero, de parcos to estudioso, orador fluente e polemista, gostava de música e era muito sociável.” 24
recursos, mas depois foi um sócio 6 e “proprietário de uma mina de cobre”. 7 Marga- II – LUTERO: MONGE E ORDENAÇÃO SACERDOTAL
retha “era muito religiosa e supersticiosa.” 8 Quando Hans melhorou de situação, ele 3. Vida monástica – “Depois de obter o grau de Mestre em Artes, Lutero começou a
deu a Lutero a melhor educação que podia. Vida religiosa - “O preparo religioso de
estudar direito e a lecionar, ao mesmo tempo, na Faculdade de Artes.” 25 Mas, algo ines-
Lutero teve como base aquela piedade simples da família alemã na Idade Média, de mistu-
perado ocorreu e mudou o curso de sua vida: “Em muitos fins de semana, ia a pé
ra com a superstição característica da época medieval.” 9 Esse preparo incluía uma dis-
[de Erfurt] até sua cidade natal. Numa tarde de verão, [em 2 de julho de 1505] 26 quase
ciplina rigorosa, 10 “... mas sem exageros, revelando alegria de viver.” 11 Vida acadê-
foi atingido por um raio durante uma tempestade [o temporal em Stotternheim]. 27
mica - O estudo elementar de Lutero se deu em Mansfeld, 12 onde sua família
havia se mudado em 1494, 13 e lá ele se mostrou um bom aluno. Dali ele foi “...
14 Lutero. In: Russel N. CHAMPLIN. Enciclopédia de Bíblia teologia e filosofia. v. 3 (H - L),

p. 926.
1 15 Cf.: Karl BIHLMEYER; Hermann TUECHLE. História da Igreja. v. 3: Idade Moderna, p. 23.
Cf.: Lutero. In: Russel N. CHAMPLIN. Enciclopédia de Bíblia teologia e filosofia. v. 3 (H - L),
p. 926; Karl BIHLMEYER; Hermann TUECHLE. História da Igreja. v. 3: Idade Moderna, p. 23. 16Cf.: Lutero. In: Russel N. CHAMPLIN. Enciclopédia de Bíblia teologia e filosofia. v. 3 (H -
2 Cf.: Alderi S. de MATOS, Fundamentos da teologia histórica, p. 141. L), p. 926.
3 17 Cf.: Robert H. NICHOLS, História da Igreja cristã, p. 156.
Cf.: Lutero. In: Russel N. CHAMPLIN. Enciclopédia de Bíblia teologia e filosofia. v. 3 (H - L),
p. 926. 18 Cf.: Bengt HÄGGLUND, História da teologia, p. 180.
4 Lutero. In: Ibid., p. 926. 19 Karl BIHLMEYER; Hermann TUECHLE. História da Igreja. v. 3: Idade Moderna, p. 23.
5 Karl BIHLMEYER; Hermann TUECHLE. História da Igreja. v. 3: Idade Moderna, p. 23. 20Cf.: Lutero. In: Russel N. CHAMPLIN. Enciclopédia de Bíblia teologia e filosofia. v. 3 (H -
6 Cf.: Ibid., p. 23. L), p. 926.
7 21 Hermisten COSTA, Raízes da teologia contemporânea, p. 47.
Alderi S. de MATOS, Fundamentos da teologia histórica, p. 141.
8 Ibid., p. 141. 22 Bengt HÄGGLUND, História da teologia, p. 180.
9 Robert H. NICHOLS, História da Igreja cristã, p. 156. 23Cf.: Lutero. In: Russel N. CHAMPLIN. Enciclopédia de Bíblia teologia e filosofia. v. 3 (H -
10
Cf.: Alderi S. de MATOS, Fundamentos da teologia histórica, p. 141; Karl BIHLMEYER; Her- L), p. 926.
24 Robert H. NICHOLS, História da Igreja cristã, p. 156.
mann TUECHLE. História da Igreja. v. 3: Idade Moderna, p. 23.
11 Robert H. NICHOLS, História da Igreja cristã, p. 156. 25 Bengt HÄGGLUND, História da teologia, p. 180.
12 Cf.: Karl BIHLMEYER; Hermann TUECHLE. História da Igreja. v. 3: Idade Moderna, p. 23. 26Cf.: Bengt HÄGGLUND, História da teologia, p. 180; Karl BIHLMEYER; Hermann TUECHLE.
13 Cf.: Wilhelm Wachholz. Martim Lutero, o pai. In: Revista Novolhar. Disponível em: História da Igreja. v. 3: Idade Moderna, p. 24.
http://www.novolhar.com.br/noticia_edicoes.php?id=5011. Acesso em: 02.10.09. 27 Cf.: Bengt HÄGGLUND, História da teologia, p. 180.
Tomado de pavor, invocou sua padroeira: ‘Santa Ana, proteja-me e me tornarei monge!’ o aconselharam a moderar a sua austeridade e confessar-se menos vezes.” 37 Foi isso
Vendeu os livros de Direito e entrou para o mosteiro agostiniano de Erfurt [em julho que fez João Staupitz, o Vigário Geral da Ordem dos Agostinianos. Ele “... havia
de] 28 (1505).” 29 Essa decisão é claro não agradou ao seu pai e amigos. 30 Ordena- sido influenciado pelos místicos alemães, procurou ajudá-lo e recomendou que ele medi-
ção a sacerdote – Lutero prosseguiu seus estudos religiosos no mosteiro e foi or- tasse na cruz de Cristo.” 38 Esse conselho, juntamente com as inquietações já exis-
denado sacerdote (padre) em 1507. 31 tentes no coração de Lutero, o fizeram chegar à conclusão que os ensinos sobre a
III – CRISES E VISÃO DA GRAÇA DE DEUS salvação adotados pela Igreja Medieval não eram bíblicos e que precisavam ser
revistos.
4. É provável que Lutero não tenha entrado para o monastério apenas pelo
livramento da morte descrito acima: “tal propósito, contudo, tinha certamente raízes IV – A DOCÊNCIA E O ENSINO DAS ESCRITURAS
mais profundas, na ansiosa inquietude que havia tempo atormentava exageradamente o 5. Outro conselho eficaz de Staupitz a Lutero foi o de trabalhar como profes-
jovem, ao pensamento do terrível juízo de Deus, e da necessidade suprema de se sor na Universidade de Wittenberg, organizada em 1502, pelo Eleitor Francisco, o
salvar.” 32 Lutero “Tornou-se ansioso por sua salvação; como ele próprio dizia, duvidava Sábio. 39 Lutero foi para lá no outono de 1508 para ensinar ética e depois exegese
de si mesmo. Para um homem medieval, o caminho mais acertado para a salvação era o da bíblica. 40 Em 1509, volta a Erfurt, agora como professor. “Em 1510, Lutero foi envi-
vida monástica. Esse caminho Lutero seguiu, sacrificando, por causa da salvação da sua ado a Roma para tratar da questão referente a uma disputa dentro da ordem agostiniana, e
alma, tudo o que o mundo lhe podia oferecer.” 33 Essas crises espirituais levaram Lute- ele, como muitos outros que peregrinaram a Roma na época, desiludiu-se com a degene-
ro a não ter paz por achar que Deus não o aceitava e que ele estava debaixo da rescência ali encontrada.” 41 No ano seguinte, em 1511, retornou a Wittenberg para
sua ira. 34 Ele “Buscava um Deus gracioso, mas só encontrava um Ser justiceiro e ira- continuar lecionando ali. 42 Durante esse período (1508-1511) Lutero se aprofun-
do.” 35 Queria encontrar méritos diante de Deus por suas próprias obras, assim dou ainda mais nos ensinos das Escrituras e do patrono de sua ordem, Agosti-
como aprendera no mosteiro. Lá, Lutero aprendeu a crer na doutrina da Graça nho. 43 Em 1512 torna-se doutor em Teologia em Wittenberg, e imediatamente “...
ensinada por um teólogo medieval chamado Guilherme de Occam (1285-1347). foi indicado como professor de estudos bíblicos, na Universidade de Wittenberg, havendo
“Essa doutrina declarava que se alguém fizesse tudo o que estava a seu alcance, usando dado aulas sobre Salmos (1513-15), Romanos (1515-16), Gálatas (1516-17) e Hebreus
seus próprios poderes (...) Deus então também lhe daria sua graça. (...) também supunha (1517-18).” 44
que o homem podia, por seus próprios poderes naturais, amar a Deus sobre todas as coi-
sas.” 36 Por causa dessa compreensão, Lutero “Excedeu-se em jejuns, vigílias, fla-
gelações e procurava no seu confessor a absolvição para os mais leves pecados, até que Dado em Jandira, na Igreja Presbiteriana JMC, no dia 04 de outubro –
Escola Bíblica Dominical – do ano 2009, ano de minha licenciatura.

28 Cf.: Karl BIHLMEYER; Hermann TUECHLE. História da Igreja. v. 3: Idade Moderna, p. 24. 37 Robert H. NICHOLS, História da Igreja cristã, p. 156 – 157.
29 Alderi S. de MATOS, Fundamentos da teologia histórica, p. 141. 38 Alderi S. de MATOS, Fundamentos da teologia histórica, p. 141.
30 Cf.: Robert H. NICHOLS, História da Igreja cristã, p. 156. 39 Cf.: Bengt HÄGGLUND, História da teologia, p. 180.
31Cf.: Bengt HÄGGLUND, História da teologia, p. 180; Lutero. In: Russel N. CHAMPLIN. Enci-
40 Cf.: Karl BIHLMEYER; Hermann TUECHLE. História da Igreja. v. 3: Idade Moderna, p. 24.
clopédia de Bíblia teologia e filosofia. v. 3 (H - L), p. 926.
32 41 Bengt HÄGGLUND, História da teologia, p. 180.
Karl BIHLMEYER; Hermann TUECHLE. História da Igreja. v. 3: Idade Moderna, p. 24.
33 42 Cf.: Robert H. NICHOLS, História da Igreja cristã, p. 157.
Robert H. NICHOLS, História da Igreja cristã, p. 156.
34Cf.: Alderi S. de MATOS, Fundamentos da teologia histórica, p. 141; Robert H. NICHOLS, His- 43Cf.: Ibid., p. 157; Karl BIHLMEYER; Hermann TUECHLE. História da Igreja. v. 3: Idade Moder-
tória da Igreja cristã, p. 156 – 157. na, p. 24.
35 Alderi S. de MATOS, Fundamentos da teologia histórica, p. 141. 44 Alister E. MCGRATH, Teologia sistemática, histórica e filosófica: uma introdução à teologia
36 Bengt HÄGGLUND, História da teologia, p. 180-181. cristã, p. 102.