Вы находитесь на странице: 1из 4
1 DIREITO CONSTITUCIONAL

1

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO

CONSTITUCIONAL

PONTO 1: CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

PONTO 2: a) CONTROL DIFUSO/CONCRETO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

- CONTROLE DIFUSO/CONCRETO:

*HISTÓRICO: a 1ª via surge em 1891 na CF, na CF 1824 não havia instrumento de controle de constitucionalidade onde preponderava o controle legislativo, se alguma norma fosse inconstitucional o próprio legislativo revogava. Na CF 1891 que trouxe tal instituto trazendo do Dir. Norte Americano (jurisprudência de 1803). Controle incidental de constitucionalidade (concreto, ou seja, em determinado caso concreto).

Na CF 1934 surge um mecanismo para transformar uma decisão ‘iter partes’ em ‘erga omnes’.art. 52, inc. X 1 CF. Surge o princípio da reserva de plenário art. 57 2 da CF. Surge também a ação interventiva.

Na CF 1937 desaparece a ação interventiva e também de o Senado suspender a ação de inconstitucionalidade.

Na CF de 1946 volta a ação de inconstitucionalidade interventiva sendo representada pelo procurador da república e o STF requisita o decreto de intervenção art. 36 3 CF. Através da EC 16/65, fazendo surgir a ADI (denominada REPRESENTAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE) atribuída pelo procurador geral da república que detinha o monopólio desta ação.

1 Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal: X - suspender a execução, no todo ou em parte, de lei declarada inconstitucional por decisão definitiva do Supremo Tribunal Federal;

2 Art. 57. O Congresso Nacional reunir-se-á, anualmente, na Capital Federal, de 2 de fevereiro a 17 de julho e de

1º de agosto a 22 de dezembro. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 50, de 2006)

3 Art. 36. A decretação da intervenção dependerá:

I - no caso do art. 34, IV, de solicitação do Poder Legislativo ou do Poder Executivo coacto ou impedido, ou de requisição do Supremo Tribunal Federal, se a coação for exercida contra o Poder Judiciário;

II - no caso de desobediência a ordem ou decisão judiciária, de requisição do Supremo Tribunal Federal, do

Superior Tribunal de Justiça ou do Tribunal Superior Eleitoral;

III de provimento, pelo Supremo Tribunal Federal, de representação do Procurador-Geral da República, na hipótese do art. 34, VII, e no caso de recusa à execução de lei federal. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004)

§ 1º - O decreto de intervenção, que especificará a amplitude, o prazo e as condições de execução e que, se

couber, nomeará o interventor, será submetido à apreciação do Congresso Nacional ou da Assembléia Legislativa

do Estado, no prazo de vinte e quatro horas.

§ 2º - Se não estiver funcionando o Congresso Nacional ou a Assembléia Legislativa, far-se-á convocação extraordinária, no mesmo prazo de vinte e quatro horas.

2 DIREITO CONSTITUCIONAL A CF de 1988 traz a ADI a pluralidade de legitimados (democratizando

2

DIREITO CONSTITUCIONAL

A CF de 1988 traz a ADI a pluralidade de legitimados (democratizando esta ação).

Surgem mecanismos da inconstitucionalidade pela omissão (mandado de injunção). Em 1993 a EC 03 que cria a ADC (ação direta de constitucionalidade) art. 102, §2º CF (redação originária, antes da alteração da emenda) produzindo efeito vinculante.

Em 1999 foram editadas a lei 9868 regulamentando a ADI e ADC. Em dezembro de 1999 foi promulgada a lei 9882 regulamentando a ADPF(argüição de descumprimento de preceito fundamental).

Ingressou-se com duas ações diretas de inconstitucionalidade – sendo apensadas estas. Lei 9882 art. 11 4 .

A EC 45 trazendo novidades: altera dispositivos da ADI e institui a súmula vinculante

(instrumento do controle concreto de constitucionalidade). Exige do REXT (RECURSO EXTRAORDINÁRIO) a repercussão geral.

Em 2009 - L 12063 acrescenta um capítulo novo 2º-A que vem regulamentar a ADI por omissão (L 9868).

*CONCEITO: surge uma questão incidental entre constitucionalidade ou inconstitucionalidade de um determinado caso concreto. É dada aos juízes de ofício, afastando a incidência da norma se entender inconstitucional (por isso difuso).

Princípio da reserva de plenário: art. 97 5 CF. com a finalidade de proteger a segurança jurídica.

A decisão de inconstitucionalidade do pleno vincula todos os demais membros deste

tribunal os outros não estarão vinculados.

Súm. Vinculante 10 6 STF.

§ 3º - Nos casos do art. 34, VI e VII, ou do art. 35, IV, dispensada a apreciação pelo Congresso Nacional ou pela Assembléia Legislativa, o decreto limitar-se-á a suspender a execução do ato impugnado, se essa medida bastar ao restabelecimento da normalidade.

§ 4º - Cessados os motivos da intervenção, as autoridades afastadas de seus cargos a estes voltarão, salvo impedimento legal.

4 Art. 11. Ao declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, no processo de argüição de descumprimento de preceito fundamental, e tendo em vista razões de segurança jurídica ou de excepcional interesse social, poderá o Supremo Tribunal Federal, por maioria de dois terços de seus membros, restringir os efeitos daquela declaração ou decidir que ela só tenha eficácia a partir de seu trânsito em julgado ou de outro momento que venha a ser fixado.

5 Art. 97. Somente pelo voto da maioria absoluta de seus membros ou dos membros do respectivo órgão especial poderão os tribunais declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do Poder Público.

6 S VINCULANTE Nº 10 - VIOLA A CLÁUSULA DE RESERVA DE PLENÁRIO (CF, ARTIGO 97) A DECISÃO DE ÓRGÃO FRACIONÁRIO DE TRIBUNAL QUE, EMBORA NÃO DECLARE EXPRESSAMENTE A INCONSTITUCIONALIDADE DE LEI OU ATO NORMATIVO DO PODER PÚBLICO, AFASTA SUA INCIDÊNCIA, NO TODO OU EM PARTE.

3 DIREITO CONSTITUCIONAL Instrumentos de vinculação à suas decisões. Órgão fracionário poderá vincular-se à

3

DIREITO CONSTITUCIONAL

Instrumentos de vinculação à suas decisões. Órgão fracionário poderá vincular-se à decisão do pleno. parágrafo único art. 481 7 CPC. (abranda reserva de plenário). Art. 557 8 do CPC – (o próprio relator monocraticamente poderá negar seguimento ou deferir ao recurso se a decisão estiver de acordo/desacordo respectivamente, com a decisão do STF).

EFEITOS DA DECISÃO INCIDENTAL DE INCONSTITUCIONALIDADE:

‘iter partes’ (eficaz para as partes). A decisão produz efeitos ‘ex tunc’ para as partes do caso concreto produzindo efeitos desde sempre, vício congênito.

Art. 52, inc. X 9 CF. Esse mecanismo só vale para o controle difuso de constitucionalidade. (maioria absoluta – reserva de plenário). Com efeito ‘ex nunc’. (e quando existir efeitos pretéritos não afasta o grave problema da multiplicação dos processos, pois o contribuinte que pagou poderá ingressar com ação cobrando). O Senado Federal não está obrigado a editar a norma suspensiva sob pena de ferir a independência dos 3 poderes.

Art. 103-A 10 CF acrescentado pela EC 45 (institui a súmula vinculante) produz efeitos vinculantes. Através do efeito vinculante o Supremo se impõe como corte superior que é. A súmula vinculante se perfaz após reiteradas decisões semelhantes. Não há EFEITO VINCULANTE PARA O LEGISLATIVO.

7 Art. 481. Se a alegação for rejeitada, prosseguirá o julgamento; se for acolhida, será lavrado o acórdão, a fim de ser submetida a questão ao tribunal pleno.

Parágrafo único. Os órgãos fracionários dos tribunais não submeterão ao plenário, ou ao órgão especial, a argüição de inconstitucionalidade, quando já houver pronunciamento destes ou do plenário do Supremo Tribunal Federal sobre a questão. (Incluído pela Lei nº 9.756, de 1998)

8 Art. 557. O relator negará seguimento a recurso manifestamente inadmissível, improcedente, prejudicado ou em confronto com súmula ou com jurisprudência dominante do respectivo tribunal, do Supremo Tribunal Federal, ou de Tribunal Superior. (Redação dada pela Lei nº 9.756, de 17.12.1998)

Se a decisão recorrida estiver em manifesto confronto com súmula ou com jurisprudência dominante do

Supremo Tribunal Federal, ou de Tribunal Superior, o relator poderá dar provimento ao recurso. (Incluído pela

§ 1 o -A

Lei nº 9.756, de 17.12.1998)

§ 1 o Da decisão caberá agravo, no prazo de cinco dias, ao órgão competente para o julgamento do recurso, e, se não houver retratação, o relator apresentará o processo em mesa, proferindo voto; provido o agravo, o recurso terá seguimento. (Incluído pela Lei nº 9.756, de 17.12.1998)

Quando manifestamente inadmissível ou infundado o agravo, o tribunal condenará o agravante a pagar ao

agravado multa entre um e dez por cento do valor corrigido da causa, ficando a interposição de qualquer outro

§ 2 o

recurso condicionada ao depósito do respectivo valor. (Incluído pela Lei nº 9.756, de 17.12.1998)

9 Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal: X - suspender a execução, no todo ou em parte, de lei declarada inconstitucional por decisão definitiva do Supremo Tribunal Federal;

10 Art. 103-A. O Supremo Tribunal Federal poderá, de ofício ou por provocação, mediante decisão de dois terços dos seus membros, após reiteradas decisões sobre matéria constitucional, aprovar súmula que, a partir de sua publicação na imprensa oficial, terá efeito vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e à administração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal, bem como proceder à sua revisão

4 DIREITO CONSTITUCIONAL §1º do art. 103-A CF . Decisões contraditórias sobre mesma norma que

4

DIREITO CONSTITUCIONAL

§1º do art. 103-A CF. Decisões contraditórias sobre mesma norma que provoca insegurança jurídica (às vezes entre órgãos judiciais ou administração e judiciário) sendo que a sociedade acaba sendo lesada.

§3º do art. 103-A CF. Surge a Reclamação ao STF por descumprimento de súmula vinculante visando preservar a sua competência.

art. 1º 11 Lei 11417/06 regulamenta a súmula vinculante. É possível a manifestação de um 3º (amicus Curie).

Art. 4º 12 - Lei 11417/06 – veio autorizar o Supremo a modular os efeitos da decisão significando o afastamento da norma em determinada situação.

ou cancelamento, na forma estabelecida em lei. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004) (Vide Lei nº 11.417, de 2006).

§ 1º A súmula terá por objetivo a validade, a interpretação e a eficácia de normas determinadas, acerca das quais haja controvérsia atual entre órgãos judiciários ou entre esses e a administração pública que acarrete grave insegurança jurídica e relevante multiplicação de processos sobre questão idêntica.

§ 2º Sem prejuízo do que vier a ser estabelecido em lei, a aprovação, revisão ou cancelamento de súmula poderá ser provocada por aqueles que podem propor a ação direta de inconstitucionalidade.

§ 3º Do ato administrativo ou decisão judicial que contrariar a súmula aplicável ou que indevidamente a aplicar, caberá reclamação ao Supremo Tribunal Federal que, julgando-a procedente, anulará o ato administrativo ou cassará a decisão judicial reclamada, e determinará que outra seja proferida com ou sem a aplicação da súmula, conforme o caso."

Art. 1 o Esta Lei disciplina a edição, a revisão e o cancelamento de enunciado de súmula vinculante pelo Supremo Tribunal Federal e dá outras providências.

Art. 4 o A súmula com efeito vinculante tem eficácia imediata, mas o Supremo Tribunal Federal, por decisão de 2/3 (dois terços) dos seus membros, poderá restringir os efeitos vinculantes ou decidir que só tenha eficácia a partir de outro momento, tendo em vista razões de segurança jurídica ou de excepcional interesse público.

11

12