Вы находитесь на странице: 1из 32

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

2 a Quinzena de Outubro de 2009


Ano XXX - No. 1073 Modesto, California
$1.50 / $40.00 Anual

Igreja de Santa Isabel


TELEVISÃO

RTA vai mais longe


c e l e b r o u 10 0 a n o s
Rádio Televisão Ar-
tesia acaba de realizar
o seu maior sonho
de sempre. Precisa-
mente a sua expansão
para outras localidades e outras cidades (Cerritos,
Lakewood, Norwalk, Long Beach, Bellflower). Fi-
nalmente e após várias tentativas, o sonho tornou-se
realidade. Esperaram-se dezoito anos mas valeu a
pena. O que parecia uma miragem acabou por acon-
tecer e esta Estação Televisiva acabou por alcançar
os seus objectivos. Óbviamente que este enorme
aumento de telespectadores quase instantâneo, fo-
menta uma maior responsabilidade a todos aqueles
que geram este meio de comunicação.

SOCIEDADE

Foi fundada no Estado de Virginia uma nova orga-


nização cuja missão é a seguinte:
“The National Organization of Portuguese-Amer-
icans (NOPA) is a national non-profit organization
that supports and works with communities and orga-
nizations to advocate for and empower Portuguese-
Americans.”
Na próxima edição publicaremos mais informações.

TAUROMAQUIA Pág. 24

Forcados de Turlock na
Playboy de Portugal

A Revista Playboy editada em Portugal, publicou


uma excelente reportagem de dez páginas, de Sandra
Nobre, com fotos de Gonçalo Santos, sobre a partici-
pação dos Forcados de Turlock no dia 20 de Agosto
SACRAMENTO - 100 anos da Igreja de Santa Isabel, fundada por portugueses
na Corrida realizada na Praça do Campo Pequeno. Páginas 14,16,17,19,27
É a visão de uma jornalista sobre o sentimento destes
jovens americanos que durante um ano inteiro per-
correm as nossas praças com amor e arte. Faleceu Padre
RECORDAÇÃO Carlos Macedo
Amália Chamava-se Carlos Borges Pacheco Amaral Macedo, nasceu

10 anos de Saudade no dia 30 de Novembro de 1924 em Ponta Delgada, São Mi-


guel, Açores.
Disse-te adeus e morri Começou os seus estudos na escola Oficial de São José, Ponta
E o cais vazio de ti Delgada. Depois de acabar os seus estudos primários, foi ad-
Aceitou novas marés. mitido no Seminário Episcopal de Angra do Heroísmo, Tercei-
Gritos de buzios perdidos ra, até 1946.
Roubaram dos meus sentidos Veio para a California como estudante e foi para o Seminário
A gaivota que tu és. St. Patrick em Menlo Park. No dia 18 de Dezembro de 1948
foi ordenado Padre para a Arquidiocese de San Francisco, pelo
do fado “Disse-te adeus e morri” Arcebispo John J. Mitty, na Catedral de St. Mary em San Fran-
de Vasco de Lima Couto cisco. Em Dezembro de 2008 celebrou o seu 60ª aniversário da
sus ordenação.
A saudade da nossa maior artista de sempre continu- Faleceu no dia 1 de Outubro de 2009, em New Bethany Skilled
ará forever. Viva Amália. Nursing, Los Banos. Paz à sua alma. Pág. 9, 28

www.portuguesetribune.com www.tribunaportuguesa.com portuguesetribune@sbcglobal.net


2 SEGUNDA PÁGINA 15 de Outubro de 2009

Crónicas do Perrexil
J. B. Castro Avila
EDITORIAL
E agora...
Podiam São Jorge e Pico viver sem o José
As eleições nos Açores foram muito positivas para o Par-
tido Socialista. Ganhou 12 das 19 Câmaras Municipais em
disputa, com relevo para Santa Cruz da Graciosa, Velas e
Lajes do Pico (as três pela primeira vez).
d’Almeida? Podiam, mas não era a mesma coisa!
Só podemos esperar que estes novos autarcas trabalhem Eu adoro taxistas. Não sei se muitos preendeu isso.”
para aqueles que votaram neles e não sejam “paus man- de vós sabem que os taxistas foram (Ultima hora: a Presidente das Lajes O Pico impressiona pelas novas
dados” do partido a que pertencem, como já se tem visto os percursores do GOOGLE. Mes- perdeu as eleiçõs e até houve fogue- contruções. Se um turista viesse de
no passado. mo assim, penso que são melhores, tes na Vila). outro País, sem perceber o que tem
Em geral ficámos muito contente por todos os “paraque- porque, além de definirem situações, Pessoalmente pude verificar que a acontecido naquela ilha, poderia
distas” terem perdido, porque o povo é mais esperto do dão sentimento a elas, o que não estrada que dá acesso ao maior em- pensar que o Pico só foi povoado
que os partidos pensam. acontece no Google. preendimento turístico do Pico, na há menos de quarenta anos, tal é a
Googlar com um taxista é a melhor Silveira (Aldeia da Fonte), está mui- enorme percentagem de novas cons-
coisa que nos pode acontecer. Os ta- to mal tratada. Como é que uma Pre- truções, no lugar das velhas.
A Embaixada de Portugal em Washington teve a brilhan- xistas são mesmo uma relíquia. sidente de Câmara não comprendeu Impressionante, mas a custo de mui-
te ideia de fazer um encontro entre políticos americanos Por exemplo, se eu perguntar ao isso? Será que ela sabe o que é que tos sustos, com abalos de terra e
de raíz portuguesas e empresários portugueses residentes Google sobre a Doca da Vila da Ma- quer dizer turismo? outros fenómenos naturais, que têm
neste País. dalena, o Google é capaz de me dar assustado 14,000 habitantes que lá
O grande problema que tem havido no passado com este o comprimento, a largura, a localiza- O táxi lá seguia o seu caminho. A vivem.
tipo de ideias, é que depois são esquecidas, ninguém pro- ção, a profundade do mar. meio da viagem perguntei: E o José
cura resultados e daqui a dez anos poderá haver mais um Por sua vez, quanto eu pergunto ao d’Almeida **? Já agora um desabafo ao José
embaixador que tente fazer a mesms coisa. taxista da Madalena, ele responde Éh senhor, o Jose d’Almeida foi a me- d’Almeida, dono do Hotel Caravela
Esperemos que desta vez tudo corra bem e que tenhamos assim: “A Doca da Madalena é o lhor lotaria que saíu à gente. À gente da Madalena.
resultados visíves e encorajadores para todos nós. maior aborto da engenharia portu- e a São Jorge. Podiam São Jorge e Pagar $159.00 dólares por uma noite,
Compreendemos que Portugal, como pequeno País que é, guesa. Razão tinham os pescadores Pico viver sem o José d’Almeida? em meados de Setembro, é carote,
atravessando uma crise mais profunda do que outros mais em serem contrários àquela cons- Podiam, mas não era a mesma coi- não acha?
ricos, não tenha tempo de pensar na America, mas se o trução. Mas, os pescadores só tem a sa. Em Lisboa e ao pé do Campo Pe-
fizer só tem a ganhar. Continuamos muito atrasados em quarta classe e os nossos engenhei- Isto é como aquele anúncio da SIC. queno, no Hotel Berna, pagámos
compreender os benefícios que poderíamos ter, se as re- ros têm muitos estudos.” É giro, não é, ria-se o nosso amigo $85.00.
lações entre os dois Países, a todos os níveis, fossem me- Se querem turismo nos Açores, não
Estão ver a diferença? taxista?”
lhores. penso que será assim o caminho.
E as estradas do Pico? Resposta: No outro dia conhecemos outro ta-
Portugal, futebolísticamente falando, continua a dar sus- ** José d’Almeida é o maior indus-
“As estradas principais do Pico es- xista. Uma senhora. trial das Ilhas do Triângulo. Nasceu
tos a todos aqueles que gostam do desporto-rei. Estamos tão impecáveis, as secundárias dos As mesmas opiniões do seu colega. em Portugal Continental e veio para
sempre com as “calças na mão” a depender de outros e a Concelhos da Madalena e de São E mais disse: “Eu só faço compras São Jorge depois do 25 de Abril,
esperar até à ultima hora pela qualificação do Mundial. Roque estão muita boas, mas as das no hipermercado do Sr. Almeida, após o seu regesso de Angola.
O meio milhão de portugueses residentes na África do Sul Lajes são uma miséria. A Presidente porque é ele que investe no Pico, e
merecem ver a nossa Selecção. da Câmara das Lajes ainda não com- não os senhores de São Miguel.”
jose avila

Year XXX, Number 1073, Oct 15, 2009


COLABORAÇÃO 3

Tribuna da Saudade
Contando um conto
Ferreira Moreno

C
om a devida vénia, embora em dford, mas arreliado com o clima e traba- quiserem p’ràs famílias. O que por aqui há porque se viessem e quisessem talvez eu
formato assaz conciso atenden- lho na fábrica de tecidos, decidira embar- de bom é tudo da América. cá ficasse de vez, p’ra descansar e morrer
do às limitações do espaço em car p’rà Califórnia, onde, eventualmente, Cigarros finos, meias de vidro, macarrão descansado”.
reserva p’ra estas ligeiras cróni- havia enriquecido como excelente vaquei- asseado! Aqui só os ricos é que compram Mr. Joe disse ainda: “Na América só quem
cas semanais, tenciono transcrever o con- ro cheio de ranchos. Até que um dia, após coisas assim. Pois na América, é toda a é muito rico é que pode morrer descansa-
to Mr. Joe veio às Ilhas, extraído do livro a Segunda Guerra Mundial, Dinis da Luz gente. Veja como o dinheiro português é do, sem trabalhar. Tenho muita dor é de
Destinos no Mar, do saudoso padre Dinis encontrou-se com ele em Ponta Delgada. amarelo, até parece tuberculoso. Veja ago- ver os outros a fazer pouco da gente, lá
da Luz (1915-1987). Na troca de impressões, Mr. Joe desaba- ra este dólar: isto é outra coisa, é verde e porque somos pobres de espírito e ricos de
“Eu gosto do Mr. Joe. Há quem se ria dele, fou: “O senhor não vê como eles se riem como até que tem saúde”. dinheiro”.
talvez com uma pontinha de despeito, tal- dum home que vem da América? Vão meia A conversa continuou animada, junto aos No post scriptum, adicionado ao conto,
vez por um sentimento de inveja, talvez Arcos das Por- lê-se: “Ontem, recebi carta do Mr. Joe a
devido a um excesso de ridículo, talvez tas da Cidade, dizer que não há terra no mundo como S.
(quem sabe?) pelos benefícios demasiado na companhia Miguel. Mais ano menos ano está de novo
extensivos que ele traz à terra e os favores dumas cane- na ilha”.
nem sempre são agradecidos, antes pelo cas de cerveja.
contrário. Quando Dinis Minha terra, minha terra,
Mr. Joe embarcou p’rà América em 1920. da Luz pergun- Mais doce do que o mel,
Deixou casado o irmão mais velho e nos tou que motivo, Quem voltasse àquela terra
braços da mãe o mais novo. Fez uma pro- sabendo que a Do meu rico S. Miguel.
messa ao Senhor Santo Cristo: se Deus lhe ilha não valia
desse vida, saúde e fortuna, quando um nada, teria le- A América, com ser América,
dia regressasse, mandaria cantar missa e vado o Mr. Joe É só a fama que tem;
daria cem dólares p’rà festa do padroeiro e a fazer aquela Não há terra c’má nossa
padrinho dos emigrantes ilhéus. Aos rapa- visita, ele con- P’ra amar e querer bem.
zes da aldeia prometeu: se tudo correr bem fessou a custo,
contem comigo p’ra comprar o tambor, o mas com since- Já fui à terra d’América,
cornetim e a requinta p’rà banda. hora com os olhos em riba duma pessoa. O ridade, quase de lágrimas nos olhos: Já fui uma, já fui duas;
Disse adeus aos parentes e aos amigos, fa- que eles queriam todos era ir p’ra lá, mas “Vim porque não podia deixar de vir. Ti- Nada me ia matando,
lou pela última vez à Maria num domingo como não podem ir, vingam-se em quem nha de ser. Se não viesse, morria. Senão as saudades tuas.
à tarde, sorriu antecipando a vitória certa, foi e quem vem. Eu tinho tido argumen- Há vinte e tal anos que trabalho p’rós meus
e uma bela manhã abalou de casa com uma tos com poderios de pessoas por via dis- filhos, mas sempre pensando nesta ilha, na Califórnia, ó Califórnia,
saca de retalhos quadriculados ao ombro so. Que não há terra c’má América, que lá minha freguesia, nos meus parentes, nos Terra de tanta riqueza,
e uma viola desafinada na mão. Depois, todos vivem c’ma homens e c’ma irmãos, meus amigos. Mas devia ter vindo mais Tenho lá tudo o qu’eu amo,
passaram anos e anos. E nunca mais se ou- que lá tanto respeito tem o rico c’ma tem cedo. Já não tenho pai nem mãe vivos, os Aqui só tenho tristeza.
viu falar dele ao certo. Vagamente, sabia- o pobre, que lá só não trabalha quem não meus irmãos estão casados e não parecem
se que estava na Califórnia, que casara lá, pode, qu’até os ricos trabalham, mas que os mesmos, os meus amigos estão casados
que tinha um farm, que tivera sorte”. todos vivem bem. e parecem outros. A minha mulher e os
Como fora tudo isso? Diz-nos a narrativa Só eu pago aos meus vaqueiros 280 dóla- meus filhos estão longe. Não quiseram vir.
que Mr. Joe havia aportado a New Be- res, com cama, roupa lavada e o leite que Quem mos dera cá! É melhor não virem,
4 COLABORAÇÃO 15 de Outubro de 2009

Traços do Quotidiano A Outra Voz


Margarida da Silva Goretti Silveira
santamarense67@yahoo.com goretti@domdinis.com

Saudade advém de solidão


A Casa da Tia Vieira
A
Wikipédia, a enciclo- fiança e pouca força...os com- a oportunidade de visitar outros
pédia livre, define a portamentos que envergonham, países ou de melhor conhecer a
palavra saudade como ou até mesmo o fechar-se na sua grande nação que os recebera. O

J
a palavra mais usa- própria dimensão. Por exemplo meu pai, por exemplo, todos os
ulgo que muitos dos estimados leitores recordam algum tem- da na poesia de amor da língua (alguns referiram) estar no es- anos ia aos Açores “matar sauda-
po de criança passado em casa dos seus vizinhos, pois, quase portuguesa e também na música trangeiro mas manter hábitos da des”. Enquanto ele gastava todas
sempre, havia um local onde a malta convergia para as suas popular. E cito “Uma visão mais terra natal, tal como comer cro- as suas férias nos Açores, os seus
brincadeiras. No meu caso, era a casa da Tia Vieira que ficava específica aponta que o termo quetes, se calhar de qualidade amigos que não tinham emigra-
abaixo da residência dos meus avós paternos com quem passei os saudade advém de solidão e sau- duvidosa, quando há tanta coisa do, passavam as suas visitando o
primeiros anos da minha infância. dar, onde quem sofre é o que fica boa para comer...”O embaixador resto do mundo ou então rindo-se
A casa tinha um grande pátio e uma enorme figueira que não servia a esperar o retorno de quem par- termina com a pergunta: “Mas dos seus anglicismos.
só para dar figos. Como a casa era terreira, a chaminé ficava um tiu, e não o individuo que se foi, será que as saudades fazem parte Acho que será mutuamente van-
pouco mais alta do que o balcão da casa dos meus avós que era o o qual nutriria nostalgia.” Quan- da Portugalidade, ou o Portugue- tajoso o facto que a fonte do tal
lugar ideal para se atirar pequenas pedras que caíam dentro da fri- do os meus pais e eu emigrámos, sismo—ou, como os croquetes, turismo da saudade nos Açores
gideira em que a Tia Vieira fritava o peixe. Ela , pequena, franzina deixámos família e amigos. Sem tudo depende do contexto?” se está a esgotar. Talvez assim os
e irrequieta saía logo para a rua a barafustar e a amaldiçoar os res- dúvida que tiveram saudades ao Achei imensa graça a dos cro- açorianos se sintam obrigados a
ponsáveis que logo se escondiam para não serem apanhados. Mas, sentir a nossa falta. Mais tarde, quetes e, terminado o riso, pensei aprender como se recebe, como
quase sempre, eram os mesmos autores que ela bem conhecia e de um grande número deles imi- que a analogia acertara no alvo. se acolhe um grupo de turistas
quem fazia queixa. graram também para os Estados Antes não compreendia porque que tanto contribuiu e contribui
O seu filho, Amaro, pedreiro de profissão, quando construiu a sua Unidos e Canadá. Escusado será às vezes me irritava ouvir as len- para a economia dos Açores. Em
casa adjacente à casa dos seus pais, deixava-nos cimentar e caiar dizer que a vida que vivi e as galengas de muitas pessoas que contrapartida, a minha geração,
as paredes, pois ele era muito pachorrento e afável com as crianças. pessoas com quem convivi nos estão sempre a falar das sauda- que decerto não necessita ir as
Lembro-me que ele tinha uma pequena colher de pedreiro que eu Açores já não existem — cresce- des que têm do seu rico Portugal Açores pagar promessas ou ma-
julgava, por direito, ser minha e que usava para estender e alisar ram, envelheceram, emigraram, e das suas ilhas de encanto. Ao tar saudades, mas sim levar os
o cimento. Portanto, no dia que eu ajudava o vizinho Amaro, mais morreram. ouvir estes arrebates, pensava seus filhos e amigos a visitar as
ninguém podia usar aquela ferramenta. O embaixador da Inglaterra Ale- com os meus botões que se me suas raízes, exigirá dos Açores
O esposo da Tia Vieira, o Ti João Inácio, pessoa calma e de poucas xander Ellis, quando pelas co- sentisse assim tão desconsolada, o que já está acostumada a en-
palavras, era pedreiro, pincelador, retelhador de profissão e pes- memorações do Dia de Portugal, decerto que descobriria a manei- contrar por outros lados onde faz
cador nas suas horas livres. Estou a vê-lo, descalço, de cócoras, Camões e das Comunidades Por- ra de fazer a viagem ao contrá- turismo: passar umas boas férias;
limpando as telhas e repondo as quebradas para que o tecto ficasse tuguesas, compara dois conceitos rio e, permanente. Estas pessoas, admirar lindas paisagens; comer
vedante, ou, ainda, sobre uma escada pincelando as casas com um nas suas Crónicas de um Embai- sem o saberem, trabalham para o comida de qualidade e bem con-
pincel feito de bracéu que ele apanhava na costa. xador: Portugalidade e Portugue- turismo da emigração, chamado feccionada; pernoitar em hotéis
Quando o Ti João Inácio ia à pesca, muitas vezes à noite, depois sismo. Ele escreve que, depois de ultimamente “turismo da sauda- de qualidade; preços competiti-
de um dia de árduo trabalho, apanhava sempre peixe para o gasto falar com colegas portugueses de”. Tentei nunca falar da minha vos, incluindo as passagem de ida
de casa. Porém, um dia não teve sorte e chegou a casa só com o sobre estes dois conceitos, chegou irritação, não fosse mal interpre- e volta e entre-ilhas; e, muito em
caniço. O peixe tinha ficado a dar ao rabinho contente por não ter à conclusão que “Portugalidade” tada e acusada de traição e falta especial, respeito e gratidão pela
sido apanhado... representa “o melhor de Portugal de “Portuguesismo”. sua presença.
A Tia Vieira, que já tinha o caldeirão ao lume com a água e os e dos portugueses; uma abertura Penso que a realidade desta sau- Ora gostar e comer croquetes
temperos para o desejado caldo de peixe para a ceia, ficou tão cha- ao mundo, uma universalidade de dade necessita ser demitizada. simplesmente porque são portu-
teada com a falhada pescaria que o seu ralho chegou até aos ouvi- correr o mundo e acolher o mun- Não vamos agora sentir sauda- gueses é tomar o risco de comer
dos dos vizinhos que, é claro, ficaram com muita pena do Ti João do; é um conceito dum Portugal des precisamente daquilo que uma mistura de ingredientes de
Inácio. Afinal, não tinha sido culpa sua o peixe não ter pegado na que tem peso no mundo, por cau- antes considerávamos detestável origens duvidosas — quiçá, os
isca naquele dia. Mas, que eu saiba, não foi ninguém para a cama sa da sua língua e da sua atitude, ou insuportável. Seria bom defi- restos que outros deitaram fora.
com fome. e até da diáspora que prospera nir a palavra saudade. Afinal de Atenção, não vá a “desconfian-
Ainda agora, quando alguém na família vai pescar ou à peixaria, em todos os continentes.” (http:// que é que sinto saudades? Qual é ça e pouca força” mascarar-se de
costumamos falar no caldo da Tia Vieira. Por isso, é preferível aeiou.expresso.pt/10-de-junho) o mecanismo por detrás de toda saudade para assim melhor nos
esperar que cheguem primeiro a casa com o peixe antes de se co- Enquanto que “Portuguesismo” esta ideologia? Muitos emigrados isolar numa Décima ilha rodea-
meçar a preparar o caldo. representa o que a “Portugalida- açorianos passaram as suas fé- da de desconfiança por todos os
Ao recordar com saudade estes bons vizinhos da minha infância, de” não é; .”atitudes de descon- rias indo aos Açores e perderam lados.
lembro-me do que me contava a minha avó paterna quando havia
alguma desavença na vizinhança.
Um dia Jesus perguntou a São Pedro o que ele mais desejava e este
disse que o seu maior desejo era ter um bom vizinho. Jesus, então,
respondeu: “Muito me pedes, Pedro!”

Português para
Crianças
A Escola JARDIM INFANTIL Chame já e reserve um espaço
DOM DINIS apresenta Portu- para a sua criança para Setembro.
guês Para Crianças, que terá iní- Para mais informações chame
cio em Setembro. Este programa para o número
tem como objectivo assistir fa- (408) 993-0383
mílias que tentam ensinar as suas
crianças a manter e desenvolver ou visite
a língua portuguesa durante a in-
fância. www.domdinis.com
Crianças entre os três e os seis
anos de idade:

Segundas-feiras e/ou Quintas-


feiras das 9.30h às 11.00h

Crianças entre os cinco e os


nove anos de idade:

Segundas-feiras e/ou Quintas-


feiras das 15:30h às 17.00h
COLABORAÇÃO 5

Muito Bons Somos Nós Bem-vindos de volta às cavernas


Joel Neto um vegetariano, para poder sobreviver, tem de andar a tomar comprimidos (cha-
...
mam-lhes “suplementos”, ao que sei) com doses cavalares de ferro, zinco, magnésio,
neto.joel@gmail.com sódio e potássio, entre outros nutrientes em que a carne é rica. Não me parece lá
muito (como é que se diz agora?) biológico.

J
uro-vos: eu não queria es- riano, para poder sobreviver, tem outro bafinho em dia de festa, a dizer, sempre hão-de querer dizer para gatos já há comida vegeta-
crever esta crónica. Não de andar a tomar comprimidos uma ou outra cigarrilha em mo- alguma coisa, estes inquéritos. riana. Entretanto, porém, fiquei
agora. Malhar nos vegeta- (chamam-lhes “suplementos”, ao mento de maior loucura – e, no E os resultados, apoiados em 589 com uma dúvida. Perdão, duas.
rianos é tão fácil que che- que sei) com doses cavalares de entanto, faço questão de conti- respostas de portugueses e por- Primeira: se ninguém comesse
ga a ser cobardia – e um homem ferro, zinco, magnésio, sódio e nuar a contar como não fumador tuguesas, trazem-nos algumas carne, será que continuaríamos a
precisa de ter uma ou duas cró- potássio, entre outros nutrientes (ou, vá lá, pixo-não fumador). conclusões expectáveis e outras criar vacas, ou deixaríamos sim-
nicas cobardes de molho para a em que a carne é rica. Não me De qualquer maneira, não é ape- tantas (rufem os tambores) im- plesmente extinguir a espécie?
eventualidade de, em semana de parece lá muito (como é que se nas por dedução que se diz que pressionantes. Motivos ético-filo- Segunda: e, se ninguém comes-
maior aflição, todas as demais fa- diz agora?) biológico. Quer di- os vegetarianos têm aumentado sóficos, motivos de saúde, mesmo se carne e a criação continuasse,
lharem. Mas não resisto. Jornais zer: um comprimido com uma entre nós. De facto, Portugal está simples motivos económicos – as não se tornariam as vacas tantas
e televisões, rádios e sites, redes dose de vitaminas do complexo B um rectangulozinho cada vez razões que levam as pessoas ao (e, aliás, tão pouca a relva, ainda
sociais e spamming: toda a gente equivalente à de 37 bifes do lom- mais tonto – e, portanto, o mais vegetarianismo são da mais di- por cima disputada connosco)
se esforçou, nos últimos dias, por bo – parece-lhe natural, isso? natural é que tenha mais vegeta- versa ordem. Mas eu permito-me que não lhes restaria outra solu-
recordar-me a passagem de mais Entretanto, e a acreditar no triun- rianos também. Mas há igualmen- destacar um dado: aquele que diz ção senão tornarem-se carnívo-
uma Semana Mundial Vegeta- falismo com que foi assinalado te dados estatísticos. Segundo um que, em cada 100 portugueses ras, acabando, então sim, por se-
riana, incluindo o Dia Mundial mais um dia mundial da dita re- inquérito online conduzido pelo vegetarianos, 26 são-no por “ra- rem elas a devorarem-nos a nós?
do Vegetarianismo. E, portanto, ligiãozinha, “há cada vez mais insuspeito Centro Vegetariano, zões espirituais”. É um número Bom, nesse caso, não será boa
aqui vai. Quem vier atrás que fe- portugueses” (é o que leio por aliás, os devoradores de vegetal inesperado – e que, tanto quanto ideia deixar amaricar os gatos:
che a porta. Na verdade, eu esta- todo lado, ipsis verbis) vegetaria- podem mesmo atingir, por esta sei, surpreendeu o próprio Centro vamos precisar de tantos aliados
va desertinho. nos. Vegetarianos ou semi-vege- altura, cerca de 40% da popula- Vegetariano. Mas, enfim, talvez quanto pudermos arranjar , que a
Assim por alto, devo dizer que tarianos (também ditos pixo-ve- ção portuguesa. Pronto, pronto, não tenha sido muito sensato des- guerra prevê-se dura.
acho o vegetarianismo (qual é getarianos), que são aqueles que não devemos acreditar em todas pachar o inquérito quase todo nas
aquela palavra?) uma idiotice. admitem o consumo esporádico os inquéritos online. Da última lojas de mobiliário da Almirante
Tanto quanto sei, a maior parte de peixe ou marisco – mas que vez que levámos em linha de con- Reis (sobretudo sem o cuidado de
dos vegetarianos aderiu à moda também contam para o campeo- ta um inquérito online, já andá- sublinhar que estavam em causa
por razões de natureza (passe a nato. Acho bem que contem: para vamos a apregoar que a taróloga todos os tipos de carne, não ape-
redundância) naturalista. Ora, mim, não fica ninguém de fora. Maya (que saudades eu tinha de nas a de vaca).
Deus (ou o Big Bang, ou o demó- Não vale a pena sermos funda- citar a taróloga Maya) era a por- E, pronto, assim se passou mais
nio, que sei eu?) fez-nos omnívo- mentalistas. Sei-o por experiên- tuguesa mais sexy, esquecendo- um dia mundial: o dia mundial
ros, com necessidade de comer cia própria: não é por ter deixado nos de que ainda existe a senhora que recordarei para sempre como
um tanto de tudo – e um vegeta- de fumar que me furto a um ou dona Júlia Pinheiro. Mas, quer aquele em que descobri que até

As alegrias do Cinema Crónicas Terceirenses


Victor Rui Dores
victor.dores@sapo.pt

F
oi através da 7ª arte que despertei lente exercia em mim um imenso fascínio. afligia-se com as minhas frequentes “esca- costas brilhava o sol ou a lua e uma or-
para o conhecimento das coisas, Era então que eu subia para um banco para padelas” às fitas… questra de cordas e sopros fazia ouvir mú-
da vida e do mundo. chegar ao postigo e, deslumbrado, regala- Era mais forte do que eu: o cinema, sen- sica lânguida.
A viver nos estreitos limites de va-me com os murros do John Whayne, do a minha curiosidade maior, fora a mi- Eu não resistia aos “westerns” (em que
uma pequena ilha (Graciosa), sem acesso à os tiros do Humphrey Bogart, os sorrisos nha iniciação. Com o passar do tempo, a os índios eram quase sempre os maus da
televisão, eu era uma criança bisonha para de Clark Gable, os músculos de Charlton inocência do meu olhar foi dando lugar fita), pois nesse tempo o mau era sempre
quem o cinema era o fascínio e o sortilégio Heston, os olhos de Kim Novak, os beijos a sorrisinhos marotos, sobretudo quando vencido pelo bom e pagava os seus crimes
que me restavam. Recordo, com nostalgia de Ingrid Bergman… no écran apareciam aqueles perversos e com a morte ou com a prisão. Eu e o Ar-
profundamente sentida, esses tempos em deliciosos beijos na naldo, meu amigo de infância, tornámo-
que, de calção, me entregava às cinefilias e boca… Às vezes eu nos irmãos de sangue: um dia ferimos os
descurava os trabalhos da escola… saía sub-repticia- pulsos com um canivete, atando-os depois
O cinema era, então, uma experiência de mente da cabina e, um contra o outro, com um lenço, como
sonho, uma entrada no reino da fantasia, no escuro, escondia- os índios nos filmes. Eu era o “cow boy”,
que não residia apenas nas histórias que me nas pregas de re- Arnaldo, o apache…
via no écran, mas nos próprios instrumen- posteiros sorumbá- E depois havia os filmes de Charlot que
tos que davam vida às imagens. E quem ticos, para acariciar, despertava o riso e o choro. E havia o Bus-
me ajudou a cimentar esse amor pelas fitas com dedos sonhado- ter Keaton, os Três Estarolas, o Bucha &
foi o sr. Belchior, projeccionista da velha res, partes baixas em Estica…
casa de espectáculos da vila da minha in- ebulição… E foi assim, empoleirado numa cabine
fância. Havia, entre nós, uma grande cum- Na catequese, o se- de projecção, que aprendi a descobrir e
plicidade e uma estima profunda e recípro- nhor padre Genuíno a inventar o mundo. Um dia percebi que,
ca. Eu faltava à escola só para o ver, na sua Madruga alertava- afinal, a vida não era como o cinema.
oficina, enredado em fitas e bobines, a re- nos para os inimi- Nesse dia chorei perdidamente, mas em
bobinar o filme que havia passado na noite gos da alma e para mim nunca mais se perdeu o encanto do
anterior. De vez em quando a fita reben- os perigos do cine- celulóide. Fiz-me homem e alguns filmes
tava e era preciso cortar e depois colar os ma… Era preciso mudaram a minha vida (incluindo um em
fotogramas. Eu guardava, religiosamente, rezar muito. E todos que me revi como protagonista: Cinema
os que caíam no chão, coleccionando-os éramos obrigados Paraíso, de Giuseppe Tornatore…).
numa caixinha de supositórios da minha a decorar as quatro Continuo a lançar muitos e múltiplos olha-
avó. virtudes: prudência, res às cinefilias com o mesmo gozo com
Homem generoso, que fazia do seu ofício justiça, fortaleza e que, de calção, espreitava pelo postigo da
um apostolado, o sr. Belchior, em noites de temperança… cabine de projecção da velha casa de es-
cinema, deixava-me entrar na cabine de O celulóide enleva- pectáculos da minha infância. Ou seja,
projecção. Aquele era um espaço sagrado, va-me. Os filmes de continuo a acreditar no cinema – essa po-
onde se destacava a valiosíssima máquina aventuras, de capa e derosíssima máquina dos sonhos. E saio
de projectar, cujas entranhas causavam em espada, enchiam-me dos filmes reconciliado com a vida, mes-
mim um profundo espanto. O sr. Belchior, a vida, transporta- mo que o real da rua me devolva o sentido
com gestos meticulosos, fazia deslizar a vam-me para uma da realidade.
fita por labirintos de prismas, espelhos, outra dimensão; por Todos os sábados vou ao cinema. Por ca-
lentes, obturadores, diafragmas, rodas e A maior parte desses filmes não era para a umas duas horas transformava-me no Zor- tarse: pois preciso de um écran que pro-
rodinhas… Depois fechava a portinhola e minha idade. O sr. Pacheco polícia andava ro ou no Cavaleiro Solitário, cumpriam-se jecte quase tudo o que me falta para tornar
ouvia-se o trac-trac do movimento circular de olho em mim... Mas eu, beneficiando todos os meus sonhos: por arte de magia, ilusoriamente plena a minha vida sem his-
da fita. Apagavam-se as luzes, rompia um da cumplicidade do sr. Belchior, enfiava- o bom recuperava-se da mazela e das feri- tória, sem glória e sem mérito.
sururu na sala. Com truques de mágico, me na cabine de projecção uma hora antes das, soltava-se das amarras e dos cepos e
o sr. Belchior caprichava na focagem. E do filme começar… O meu pai fazia vis- ficava com a rapariga, os dois a beijarem-
aquele tremelicante feixe de luz que saía da ta grossa a tais desmandos. A minha mãe se em primeiro plano enquanto nas suas
6 PATROCINADORES 15 de Outubro de 2009

CASAL OFERECE-SE PARA TRABALHAR


em limpesas, quer em casas particulares
ou em escritórios.
Contactar 209-664-0352

LÍDER DO FUTEBOL

AGORA PODE VER A LIGA


ESPANHOLA NO ESPN
LIGA PORTUGUESA
NA RTP E SPT NO PACOTE
LUSO $24.99
RTP $4.00+100 CANAIS TURBO BRONZE $19.99 AO MÊS
Especial válido por 12 meses
Instalamos de 1 a 4 Tv’s com contrato de 2 anos
ANTENA ESPECIAL SÓ PARA A RTP E RADIO E
CANÇÃO NOVA
COMPRE A ANTENA E NÃO PAGA NADA POR MÊS
LIGUE AGORA MESMO PARA LUCIANO COSTA
1-559-435-1276 CELL 1-559-347-8257
Falamos Português
COSTA ELECTRONICS
DEALER AUTORIZADO DO DISH NETWORK

Assine o Tribune e fique informado


do que se passa na Comunidade
COLABORAÇÃO 7

Rasgos d’Alma
Luciano Cardoso
O meu pecadilho
lucianoac@comcast.net

T
alento único, pessoa por razões que eu ca sei, antes aproxima um pouco melhor das repetindo com sucesso em cada
íntegra, artista multifa- José Henrique não imigrou mas fosse. Talvez beneficiássemos to- suas raízes culturais. promoção da PHPC e que muito
cetado – até hoje – não viu a família imigrar. dos um pouco mais do muito que nos apraz registar. Iniciativas do
creio que a ilha tenha A sós, lá na ilha, sentiu-se im- tem para nos oferecer. Tem sido notável e mais do que género devem merecer-nos sem-
parido algum como ele. pelido a vir cá amiúde matar as Confidenciava-me ele há dias à louvável o formidável esforço de pre o mais amplo apoio.
É poeta consagrado, dramaturgo saudades. Paralelamente, os con- mesa dum informal almoço a três divulgação da Portuguese Heri- O nosso legado cultural não pode
de renome, escritor de nomeada tactos anuais com os amigos em num luso cantinho local do tre- tage Publications Of California ficar por mãos alheias.
e, acima de tudo, amigo dos ami- oportunos convites de benéfico mendo orgulho que sente quando neste sentido.
gos, que muito o estimam e des- intercâmbio cultural abriram-lhe cá vem e tem a oportunidade de Presenceei, na UPEC em San Foi mais ou menos isso que me
culpam perfeitamente por “já não os olhos, amadureceram-lhe as dialogar por aí com alguns dos Leandro, ao recente lançamento deu a entender o nosso consagra-
gostar de chocolates”. ideias e acabaram por lhe fecun- seus jovens leitores bilingues. da edição bilingue do livro de do poeta e particular amigo, Ála-
Quantos poemas já esculpiu, dar a veia inspiradora. O moço, cá nascido e educado poesia de Vasco Pereira da Cos- mo Oliveira, por quem sempre
quantas peças ensaiou, quantos “Já Não Gosto De Chocolates” com a sua formação académi- ta, “My Californian Friends”, em nutri profunda admiração mas de
enredos concebeu, quantas mar- é o titulo feliz dum romance de- ca galardoada em inglês, havia conjunto com a versão em inglês quem ainda me retraio, incapaz
chas coreografou, quantos corais licioso cuja posterior tradução gostosamente lido e saboreado da magnífica obra de Eduardo de confessar-lhe o meu guloso
dirigiu, quantas almas sensibili- para inglês e japonês acaba por “I No Longer Like Chocolates” Mayone Dias, “The Portuguese pecadilho.
zou, francamente, não faço a mí- oferecer uma dimensão extra de – dispensando-lhe largos elogios. Presence In California”. Con- É que, apesar de me continuar a
nima ideia. prestígio mais do que merecido Porem, após ter amadurecido e fesso que gostei. À semelhanca deliciar com a adocicada temáti-
Quantos livros já publicou, bem pelo carismático autor, que a ilha aperfeiçoado mais tarde por ini- do que já acontecera em sessão ca da sua elogiada obra (ensan-
ao certo, tambem desconheço. adora e a diáspora lusa tem muita ciativa própria o seu elogiável similar no PAC em San José, foi duichado entre a fição e a realida-
O que eu sei e reconheço é que, necessidade de ler. Se o fizes- português, ao ler confortável- bonito ver um muito apreciável de), não o posso negar: “cada vez
do seu fértil talento e da sua pro- se atempadamente, não tenho a mente “Já Não Gosto De Cho- numero de pessoas a comprarem gosto mais de chocolates”.
saica inspiração, desfrutei dos mínima dúvida que tambem iria colates”, os elogios duplicaram: livros para lerem ou simplesmen-
mais ternos e descontraídos mo- adorar. “Em português ainda cai melhor, te para oferecerem a amigos e fa-
mentos que uma boa leitura nos “I No Longer Like Chocolates”, a sr. Álamo.” miliares.
pode oferecer cá nos longínquos autorizada tradução para inglês, A moça, tambem lusoamericana, É um saudável hábito que se vem
confins da diáspora imensa, onde rubricada por Dinis Borges e Ka- se calhar doida por chocolates,
não é nada fácil lermos com lu- therine Baker, é uma alternativa confessou-lhe com a voz a vibrar
síada avidez ácerca do que nos- de peso a reconsiderar e a repro- de emoção que aquilo nunca lhe
tálgicamente nos corrói a alma. mover entre nós. Em geral, por havia acontecido antes: “Mal
O nosso melodramático percur- motivos de força maior, cada vez levei o livro para casa, agarrei-
so imigrante, nas suas múltiplas mais afastados do nosso mimoso me a ele de tal forma que não o
componentes, não é fácilmente idioma de berço, os nossos filhos larguei mais até conseguir lê-lo
sentido por quem não teve a co- e netos bem precisam que lhe por completo. Consolei-me, sr.
ragem de dar “o salto”. ofertamos essa prenda. Álamo.”
Romanceá-lo com requinte e É pena a generalidade dos moços
muito bom gosto ao seu mais alto E José Henrique Álamo Oliveira e moças das nossas comunidades
nível literário não está ao alcance bem o merece. locais não terem mais fácil aces-
de qualquer um. Não é um escritor vaidoso mas, so a este tipo de leitura que os
8 ENTREVISTA 15 de Outubro de 2009

Joe Amaral, Mestre da BPSJ


Ensaiar todos os dias, respeitar a música, os
compositores, a comunidade e os colegas
Desde quando é que a música foi a tua positores do mundo inteiro. Finalmente,
paixão? trabalhar juntos para continuar esta linda
tradição.
Na casa dos meus pais, nos rádios dos car-
ros, a música de filarmónica e fados foi Como é que se define uma boa Filarmó-
sempre muito apreciada. O meu pai tem nica? Qual o número mínimo de execu-
uma grande admiração pelas filarmónicas tantes numa banda?
e pelo fado. Eu desde que me lembro sem-
pre gostei de apreciar a mesma coisa. Foi Eu nunca me preocupei com quantidade de
assim que criei a paixão para a música. músicos que uma banda tem. O mais im-
portante é os músicos que aparecem para
Tinhas algum familiar músico? tocar no dia da tocata e dos ensaios. A
filarmónica para ser boa tem que ter mú-
O meu pai aprendeu a tocar trompete e foi sicos que respeitam a música e o mestre
músico da Filarmonica da Ribeira Seca. O é ainda mais importante. Um mestre que
irmão mais novo do meu pai, e meu padri- respeita a música e os músicos.
nho e grande amigo Fernando Amaral, foi
músico na Filarmónica da Ribeira Seca O que é que pensas do Festival das Ban-
e na Banda Portuguesa de San José. Era das?
um músico sério e muito dedicado ao seu
instrumento (Tuba). Estas duas pessoas O Festival das Bandas foi uma belíssima
foram os meus primeiros exemplos no in- ideia que o Mestre David Costa, da Fi-
teresse que tive pela música. larmonica Artesia teve. É um dia que as
Filarmónicas de California juntam-se para
Conta-nos como é que tudo começou e celebrar a música e a amizade. É sincera-
que passos é que deste para prosseguir o mente um dos dias mais especiais do ano
teu sonho? Estudos? inteiro. O festival é também o dia onde to-
das as Filarmónicas se esmeram para apre-
Eu tive muita sorte de ter bons professores. sentar músicas bem executadas.
O primeiro foi o senhor Trajano Teixeira,
da Banda Portuguesa de San José. Ele en- Quantos Californianos é que temos a es-
sinou-me a ler música e tocar trompete. Era crever música para Filarmónicas?
uma pessoa que tinha muito interesse em
continuar a tradição das filarmónicas para O Julio Matos, Mestre da Filarmónica de
o futuro. Ele ensinou-me muitas lições Santa Clara, tem composto várias marchas
importantes mas a melhor delas era quado de parada e de concerto, belíssimas. O
ele dizia que “A banda tem que sempre ser David Costa, da Filarmonica da Artesia e
unida como uma família”. O próximo pro- o Abel Martins, Mestre da União Popular
fessor que ainda é um grande amigo, foi têm composto várias marchas de Carnaval
o Bill Nicholosi. O Nicholosi é um gran- e de São João também muito bem feitas.
de trompetista, e um grande professor de O Mestre Manuel Monteiro, que regeu a
música no Distrito Escolar de Alum Rock, União Popular e a Nova Aliança, também
em San José. Professores como ele há pou- tem várias composições suas.
cos. A educação que ele me deu, foi a ra-
zão que decidi estudar música. O próximo Porque não fazer Concertos públicos
professor que teve um grande impacto na quando as bandas estão livres de Festas
minha vida foi o Dr. Vernon Reed, Mestre e responsabilidades?
de Bandas da Universidade de San José.
Quando eu assumi a responsabilidade de Isso é uma grande ideia. A nossa Filar-
Mestre na PBSJ, o Dr. Reed foi o professor moica faz pelo menos 3 a 4 concertos por
que me ensinou a ler partituras, regência ano, onde convidamos outra filarmónica,
e a lição mais importante: “O respeito dos vários grupos de metais, cantores, para
músicos não é dado, é merecido”. Com o uma noite de música. Todos os concertos
Dr. Reed também aprendi a estudar e a têm sido um sucesso, porque as pessoas
apreciar a música dos grandes composito- que assistem a estes concertos vem para
res, Mozart, Beethoven, Berlioz, Chopin, ouvir música e não fazem barulho durante
Stravinski, Tchaikovski, Mahler, Rossini, as actuações. Estes concertos são geral-
Shostakovich, Strauss, etc... Toquei trom- mente às sexta-feiras. Nestes concertos
pete de baixo da regência do Dr. Reed por nós explicamos o sentido de cada peça,
4 anos. Todos os ensaios eram uma lição informação de quando e quem compôs as
na execução da música. várias peças. Mas o melhor de tudo é o
Estudei com professores de trompete, Jim silêncio e a atenção que os ouvintes ofere-
Dooley (Trompetista na Orquestra Sinfó- cem aos músicos.
nica de San José), Rich Armstrong (Trom- Quais são os passos necessários para ou- e mais velhos, às pessoas que assistem às
petista de Jazz de San Francisco), Donald Como serão as nossas Bandas daqui a 25 tros jovens serem iguais a Joe Amaral? tocatas, e muito respeito ao seu instrumen-
Rhineberg, Laurie Mcgaw e Glen Fischthal anos? to, porque o instrumento não perdoa.
da Orquestra Sinfónica de San Francisco. Ensair todos os dias sem falta, respeito à
O futuro das Bandas está nas mãos daque- música, aos compositores, à comunidade,
Qual foi a primeira Filarmónica em que les que se interessam bastante para conti- muito respeito aos músicos, colegas novos
emprestaste todo o teu valor e toda a tua nuar a ensinar e desenvolver os músicos
ideia de fazer música? actuais. E oxalá que daqui a 25 anos, nós
que estamos à frente das bandas, sejamos
Eu comecei como Mestre na PBSJ há 18 bons exemplos para outros continuarem
anos e até hoje aquí estou. E enquanto as no nosso lugar, para isto nunca morrer.
Direcções me quiserem, eu vou continuar
a fazer o melhor possível. O apoio da juventude tem sido funda-
mental no sucesso de todas as bandas.
No tempo que vai passando, como é que Podes comentar?
deve ser uma Filarmónica hoje? Quais
devem ser os seus interesses? Sem dúvida. É formidável ver as filarmó-
nicas recheadas de juventude. Mas temos
As Filarmónicas de hoje tem que ser como que agradecer àqueles mais velhos que fo-
sempre. Temos que continuar a ensinar ram instrumentais em ensinar a juventude
música à malta nova. Temos que respeitar a ter prazer de fazer parte de uma filarmó-
os músicos mais velhos que fundaram e nica.
mantiveram as várias filarmónicas. Temos
que executar as músicas dos grandes com-
CONVENÇÃO 9

Igreja Nacional das Cinco Chagas


Tomada de posse do novo Pastor

Falecimento
Aspecto da Missa Solene da tomada de posse do novo Pastor da Igreja
Nacional das Cinco Chagas, Donald Morgan, presidida pelo Bispo dioce-
sano Patrick McGrath. Pag. 13 foto de Filomena Rocha

Carlos Borges Pacheco Amaral assigned to St. Louis Bertrand in year, he moved to St. Joseph Re-
Macedo was born on November
30, 2924 in Ponta Delgada, Sāo
Oakland. At the same time, he
attended St. Mary’s College in
tirement House in Cupertino.
Father Macedo opted to move to
TRAIÇÃO
Miguel, in the Azores Islands. Moraga. Bethany Nursing Facility in Los A mágoa da traição é tão profunda
His parents were Carlos Pacheco In 1953, he moved to Tucson, Banos where he died on Thurs- que me roi as entranhas do espírito.
dos Santos Macedo and Efigenia Arizona where he worked as day, October 1, 2009. Pessoa errou ao afirmar
tudo vale a pena”!
Estefania Borges. chaplain of St. Mary’s Hospital
Não valeu, não,
For his elementary education, in that city. Fr. Macedo loved nem vale,
Carlos attended the Escuela Ofi- working in hospital ministry. He pois há HÁBITOS que incorporam
cial de San Jose in Ponta Delga- was subsequently transferred to almas bem pequenas,
da. After finishing his elemen- Nogales, Arizona as chaplain of mesquinhas,
tary education, he entered the St. Joseph Hospital while also ornamentadas com falsa ingenuidade,
Seminario Episcopal de Angra do caring for the missions of Tubac lobas vestidas de cordeiras,
Heroismo, Terceira in the Azores and Amado in Arizona. capazes de tudo
until 1946. In 1963, he returned to San Fran- para satisfazerem suas ambições.
He came to California as a student cisco and took assignment at Five Sinto-me deprimido,
and entered St. Patrick’s Semina- Wounds Portuguese National Pa- humilhado,
perante este cenário aviltante.
ry in Menlo Park. On Decem- rish, first as the associate pastor
Apunhalaram a minha dignidade,
ber 18, 1948, he was ordained a from 1963 to 1971. On June 22, destruiram a minha fé em Deus e nos homens.
priest for the Archdiocese of San 1971, he assumed the role of pas- Pensar que se é, sem o ser,
Francisco by the Most Reverend tor of Five Wounds Parish until melhor esquecer, ignorar,
John J. Mitty, then archbishop of his retirement on June 1, 1986 jogar tudo ao abandono dos Deuses,
San Francisco at St. Mary’s Ca- due to health reasons. ao cinismo da crença,
thedral. Last December 2008, After his retirement, he took up à camuflagem da verdade,
he celebrated 60 years of faithful residence at St. Albert the Gre- e ao rosto da hipocrisia religiosa.
ministry as priest. at Rectory in Palo Alto, where
Following ordination, he was he lived until 2008. Earlier this Outubro 12, 2009 M.R
10 COLABORAÇÃO 15 de Outubro de 2009

Reflexos do Dia–a–Dia
Barack Obama e a nova
Diniz Borges
d.borges@comcast.net
maneira de vermos o mundo


Barack Obama, no poder há menos depois talvez se possa conversar, para uma O prémio Nobel da Paz, Barack Obama
de um ano, transformou a forma política de auscultar os outros, de aceitar recebeu felicitações de todo o mundo.
de nos vermos a nós próprios e de as diferenças, de respeitar todas as vidas, Houve até quem dissesse que este pré-
vermos o mundo em que vivemos e quer elas sejam americanas, quer sejam mio “consagra o regresso da América
criou a esperança de um mundo em paz de outros países. O Comité soube, mui- ao coração de todos os povos.” É que
consigo mesmo.” Estas foram as palavras to bem, que estes são apenas os primeiros o baluarte da democracia, esta ideia
do Comité do Nobel ao atribuir o Nobel passos. Mas é do conhecimento geral, e única da América, tinha ficado esfran-
da Paz ao presidente dos Estados Unidos, dos princípios mais rudimentares, que os galhada com a “cowboiada” de George
Barack Obama. Esta é indubitavlemente primeiros passos são sempre imprescindí- W. Bush e o seu nefasto vice-presiden-
uma escolha interessante. É que mais uma veis para o caminho da paz, do respeito te Dick Chenney. É que se o mundo
vez, o comité norueguês tomou uma deci- mútuo, do entendimento entre as nações, perdeu com os 8 anos de Bush filho, a
são audaz. Mais uma vez, o comité teve América perdeu muito mais.
a visão de ver neste líder americano, uma Mas toda esta euforia é mais do que
esperança para o mundo. Um mundo que suficiente para que colocar as forças
tem sido vítima do cinismo, da descon- conservadoras do Partido Republica-
fiança, do medo e da guerra. no numa esquizofrenia total. É que
“Ao atribuir-lhe o seu prémio mais pres- como não sabem reagir a um mun-
tigiado, o Comité recompensa o seu do que respeita a América, as forças
compromisso determinado para com os mais retrógradas deste país têm utili-
direitos humanos, a justiça e a propaga- zado este prémio para a sua contínua
ção da paz através do mundo. Ele faz difamação do presidente americano.
também justiça à sua visão de tolerância Desde os “faladores”da rádio da ultra
para o Nobel da Paz, são tão responsáveis
e de diálogo entre os Estados, as culturas direita, até à classe política, a resposta foi
como os que nas ondas hertzianas da rádio
e as civilizações.” De facto, para quem igual, desprestigiar a presidência america-
e nos pequenos ecrãs semeiam a intolerân-
pergunta: mas que fez o presidente para na, exautorar o chefe de estado deste país,
cia, o pavor e o racismo.
merecer tal prémio? Há que relembrar com os mais repugnantes comentários.
Como se diz às crianças: shame on you!
que no mesmo dia em que tomou posse da É que se fosse Republicano (mas graças
presidência dos EUA, assinou um decreto aos deuses que não sou) sentir-me-ia en-
Por sinal, e como ponto final, relembro a
exigindo que Guantanamo (a famosa pri- vergonhado das forças vivas do meu par-
quem tem paciência de ler estes rabiscos,
são em Cuba onde se cometeram as piores os povos e até mesmo entre as religiões. tido estarem a denegrir num prémio que
que esta é a centésima edição destes re-
atrocidades de tortura) fosse encerrado o Segundo o Comité o presidente americano vem, apenas pela segunda vez na história
flexos. Já lá vão cem edições do Tribuna
mais breve possível; começou uma retira- “demonstrou uma liderança extraordiná- do Nobel da Paz, para um chefe de estado
em que começámos este pequeno espaço
da gradual das tropas americanas no Ira- ria ao propor um mundo desnuclearizado norte-americano, em pleno exercício das
de reflexão. Depois deste jornal publicar
que; fez um discurso brilhante dizendo ao e um compromisso inabalável para com a suas funções. Claro que já ouvi que há
centenas de crónicas minhas sobre o mun-
mundo árabe que os Estados Unidos não diplomacia, o respeito mútuo e o diálogo republicanos que não concordam com a
do norte-americano e as nossas comunida-
estavam em guerra contra o Islão; iniciou como principais meios para a resolução de vituperação e os discursos aleivosos que des, algumas das mesmas extremamente
conversações com o Irão, entre outras me- conflitos.” Este chefe de estado america- se tem feito contra Barack Obama, antes académicas e publicadas em outras publi-
didas. Aliás, se olharmos objectivamente no compreende, quer pela sua intelectuali- e depois do anúncio do Nobel da Paz. Po- cações, desde jornais a revistas, decidi que
aos últimos 9 meses desta administração, dade, quer pelo seu temperamento, que o rém, não se esqueçam que “quem cala con- seria mais oportuno estar aqui com uns re-
podemos concluir, sem qualquer dúvi- mundo só poderá estar em paz quando os sente.” É que os republicanos que “metem flexos menos formais. Daí que aqui esta-
da que fez-se mais pela construção dum seres humanos se respeitarem e abandona- o rabo entre as pernas” e permitem que as mos há cem edições, muito informalmen-
mundo em paz, desde Janeiro de 2009, do rem o fanatismo, quer nacionalista, quer vozes viperinas dos seus “faladores da rá- te, a reflectir sobre o mundo americano, as
que nos últimos 8 anos. É que passou-se religioso que tem sido a praga da huma- dio e televisão” pronunciem as frases mais nossas comunidades e as nossas vivências
da política de invadir e disparar primeiro e nidade. abomináveis sobre a escolha do Presidente neste mundo entre dois mundos.

Memorandum
João-Luís de Medeiros
O arraial da memória
jlmedeiros@aol.com “Lira de São Roque” - celebra 100 anos

É
comum dizer-se que a distância açoriana... São Roque” eram realizados no interior José Balagaio, Jacinto Lampanha, Car-
geográfica e o rodopiar do tem- Como estamos em vésperas de eleições da “desafortunada” ermida de Santa Ma- los Manica, Manuel Germano, ti Jaquim
po são considerados cúmplices autárquicas, decidimos adiar a tentação de ria Madalena, ali mesmo no canto sul do Côco, o saxofonista António Madeira, o
inocentes do silencioso latejar da falar do arraial politico em curso. Vamo- Bêco Pedro Júlio, onde a familia Medeiros soloísta Francisco “tornista”... (sem des-
nostalgia. Os sons do infindável diálogo nos cingir ao arraial da memória colectiva possui (desde 1946) a singela mas inegoci- primor para aqueles cujos nomes foram
marítimo com a pobreza à beira-mar plan- da comunidade de Rosto do Cão: embora à ável moradia. embaciados pelo nevoeiro do tempo) –
tada, a simplicidade rural do toque das distância de 6.000 milhas, decidimos cele- Os ouvidos da memória não esquecem as todos aprumados sob a batuta camarada
trindades (que servia de aviso às mulheres brar uma efeméride singular na vida duma ressonâncias musicais daqueles rústicos mas exigente do maestro A. Mendonça –
para aligeirar a fervura das couves para freguesia com cerca de 470 anos de exis- ensaios preparativos para a tradicional saudoso sargento-músico da banda militar
“sossegar” o estômago camponês de quem tência (curiosamente, nascida no tempo procissão comemorativa do “16 de Agos- dos Açores.
em que Luís de Camões era ainda rapazote to”. Alguns dos mais antigos executantes Para quem (como é o nosso caso pessoal)
chegava a casa depois duma eternidade a
de quinze anos). Vamos, portanto, integrar falavam-me amiúde da presença do nosso permanece há cerca de três décadas ausen-
cavar terra alheia), continuam a fazer parte
o cortejo (imaginário) dos celebrantes da futuro pai (mais conhecido pela alcunha de te da sua ilha natal, não seria prudente ar-
do memorial da nossa própria meninice.
riscar comentários actualizados àcerca do
Atrevo-me a exercer a saudável provoca-
percurso “triunfante” da “Lira de São Ro-
cão de sugerir que, de há meio século a
que”. Assim, o nosso propósito limita-se
esta parte, a freguesia de São Roque tem
a enaltecer a tenacidade das prestimosas
sido gradualmente “(des)promovida” à
gerações de dirigentes e executantes que
condição de fronteira oriental da capital
souberam manter vivo o entusiasmo ru-
micaelense. Rosto de Cão foi em tempos
ral pela arte músical (estou agora mesmo
o maior laranjal da ilha, chegando a ser
a recordar a dedicação pastoral do padre
agraciado como “presépio” politico do fa-
Jacinto Monteiro).
moso Prior do Crato, mercê da clarividen-
Finalmente, gostaria de dirigir efusivas
te hospitalidade do morgado Jorge Nunes
saudações aos actuais dirigentes associa-
Botelho, neto do “grande” Goncalo Vaz
tivos da “nossa” Filarmónica, presidente
Botelho...
João M. Moniz Costa e vice-presidente
Mas não será por aí que a “causa democrá-
Raul Medeiros, e bem assim à valiosa
tiva vai à praça”...
fundação da Banda Filarmónica “Lira de Manuel “Cabrinha”) no elenco efectivo da equipa de actuais executantes musicais,
Em pleno contra-relógio da globalização,
São Roque”. Já lá vão 110 anos! filarmónica: na época – diziam – ele era que oferecem a garantia da perenidade da
o projecto da união açoreana não depende
Creio que o estorial do aparecimento da ainda um rapagão jovem, mas inseparával missão cívica e artística da já centenária
do cómico pundonor de antigas rivalidades
Filarmónica está bem conservado, com da sua trompa de harmonia, que estimava “Lira de São Roque”.
bairristas baseadas no ciúme brejeiro das
algumas referências credíveis, na impren- como “sacho” artístico para conviver de-
toiradas à corda; nem se baseia no delírio
sa micaelense (vidé Diário dos Açores, pois das cavações...
comparativo da percentagem da prata que
27 de Setembro de 1899). Pessoalmente, Entretanto, parece que ainda estou a ver e
aformoseia as coroas do Espírito Santo; e
estou vivamente recordado do tempo em a ouvir alguns dos saudosos e briosos exe-
muito menos na partitura musical da pro-
que os “ensaios” da filarmónica “Lira de cutantes musicais de épocas transactas:
núncia dos falares típicos da insularidade
COLABORAÇÃO 11

Temas de Agropecuária
Produtores de leite precisam de
Egídio Almeida
egidioisilda@charter.net ajuda finaceira imediata

E
ste e outros cabeçalhos seme- fácil de resolver.
lhantes têm ornamentado a im- Desde 1990, inventários de água Estadual
prensa agrária, e não só, nos e Federal têm sido reduzidos, como resul-
ultimos 10 meses, não faltando tado de acções reguladoras que têm trans-
acusações e mal entendidos, procurando ferido essas águas para usos ambientais.
elucidar produtores e criadores de gado Resultando em que mesmo anos de chuvas
leiteiro, para que estes possam compreen- normais a California reduz as entregas de
der a dura realidade de uma mudança tão água, causando uma crise a longo prazo
rápida, cujos resultados financeiros se es- com esta (seca regulada) que piorou recen-
tão fazendo sentir nesta e outras indústrias temente com a decisão de dois tribunais,
de uma forma ou outra relacionadas com que ordenaram que duas bombas gigantes,
esta. Neste momento, uma imensidade de que tranportam água do San Joaquin Del- O Reservatório de San Luis ainda tinha este aspecto em Março de 2008 foto de jose avila
grupos e entidades ligadas à agropecuária ta, fossem fechadas, restringindo a água
estão pressionando o sistema corrente, re- aos agricultores do Vale de San Joaquin,
sultado de uma fórmula mal concebida do num esforco de protejer o “Delta smelt” e centemente uma proposta de lei, da legis- esta lei aumentará o número de candidatos
Departamento da Agricultura do Estados salmão. Estas decisões baseadas no “En- ladora Cathleen Galgiani (D-Livingston) numa centena anual aqui na California,
Unidos (USDA) estabelecida em 2000, dangered Species Act” (ESA) foram re- e Connie Coway (R-Tulare) que vem faci- Esta como tantas outras é uma nobre pro-
que veio empurrar os produtores de leite centemente implementadas por U.S. Fish litar transferências, de licenças de outros fissão.
para uma posicao desvantajosa quanto à and Wildlife Service. Estados para a Califorrnia, e oferecer exa-
fixação dos preços do leite. Uma série de Estas opiniões biológicas que não conside- mes duas vezes por ano. Segundo a análise
propostas estão a ser analizadas para a dis- ram adequadamente o impacto ambiental da Comissão de Apropriações do Senado,
tribuição de auxílio financeiro, muito em- na produção agrícola e vidas humanas, são
bora a realidade seja que não há solução um exemplo da necessidade de uma pro-
viável, a curto prazo, quando a realidade funda reforma na (ESA) baseada no sen-
presente é de sobrevivência. No entanto so comum, como a que o ex-congressista
esta indústria tem provado no passado que Richard Pombo, o congressista Dennis
é capaz da recuperar financeiramente das Cardoza e outros advogaram, infelizmente
piores situações. sem resultado. Esta situação está presente-
mente agravada devido a três anos de seca
Um outro assunto importante para a agri- na California.
cultura e todos nós, são as presente reser-
vas de água na California. Aqui juntinho de Já no passada abordámos o assunto e enco-
nós, o reservatório de São Luís, a principal rajamos todos aqueles estudantes que te-
fonte de água para muitas explorações no nham vocação para Medicina Veterinária,
“west side” do Vale de San Joaquin, está a completarem os seus cursos para pode-
apenas a 20% da sua capacidade; entregas rem preencher muitas vagas que existem
à agricultura nesta região foram apenas no departamento da agricultura animal.
10% do normal, eis algumas das realida- Apraz-nos mencionar que o Governador
des políticas desta situação que não parece Schwarzenegger da California, assinou re-

SJGI tem o prazer


de apresentar

Eduardo da
Silveira, M.D.
Diplomado em
Gastroenterologia.
Especialista em Doenças
do Fígado e do Aparelho
Digestivo.

O Dr. Eduardo da Silveira


fala múltiplas línguas
incluindo o Português,
Inglês, Espanhol e Francês.

Bem-vindos a San Jose Gastroenterology (SJGI)


Agradecemos a oportunidade de
oferecer os melhores cuidados médicos em
Gastroenterologia e Endoscopia Digestiva.

Dois escritórios para o servir em San Jose


MONTPELIER OFFICE: 2340 Montpelier Dr., Suite A
O'CONNOR OFFICE: 231 O'Connor Dr.

Telefone: (408) 347-9001


12 COMUNIDADE 15 de Outubro de 2009

Apontamentos da Diáspora A Cuada e a Ponta nas Flores


Caetano Valadão Serpa
v.serpa@verizon.net
- um passado transformado

A
Cuada, o pequeno povoado ilha já há alguns anos a esta parte.)
adormecido no alto de um ou- Um quilometro e meio mais adiante, entre
teiro, entre a Fajã Grande e a a Fajã Grande e o curato da Ponta, quando
Fajãzinha, na ilha das Flores, a Ribeira das Casas chega à planície em
desabitado com o grande êxodo migratório salto gigantesco e espectacular, o Poço do
das décadas de 60 e 70, goza agora do esta- Bacalhau, que melhor se chamaria Poço
tuto de destino preferido da ilha e, entre o das Enguias, espera-nos e surpreende-nos.
turismo de elite, um dos mais selecciona- Fica mesmo no coração da rocha, numa
dos nos Açores. Um lugar recluso, fechado crosta de basalto negro, pouco acessível a
ao progresso da máquina, que nunca co- quem o pretende visitar, envolvo em silên-
nhecera a luz eléctrica nem tão pouco uma cio quase perfeito, quebrado apenas pela
estrada betumada, renasceu e continua a queda precipitada da água, já um pouco
crescer na plena companhia de primevas rarefeita, que bem poderia servir de bate-
pedras e árvores aromáticas, ornado de ar- ria a qualquer trecho de música concreta.
tefactos de uma época que já não existe. Barómetro de pluviosidade, que se mostra
A visão grátis do mar e do céu, no regaço na face da rocha durante o percurso da sua
da cordilheira montanhosa da rocha altiva descida de várias centenas de metros de al-
das fajãs que se estende dos Terreiros ao tura e onde o arco-íris mais vezes aparece
Risco da Rocha da Ponta, com dezenas de e desaparece em reflexos de magia e sím-
graciosas e imponentes quedas de água, bolo de aliança com a mãe natura. Ali, até A Ribeira das Casas considerada histo- tia Ribeira, está a ser reabilitada por mão
sempre ofereceram às povoações das fajãs ao sol é permitido chegar atrasado. O neto ricamente um marco de divisão entre a estrangeira com gosto de artista e respeito
um fascínio único. de três anos e meio, grandemente impres- Ponta e a Fajã, fronteira de rivalidades e pelo meio ambiente. Antes de lá chegar, à
A alguns metros da estrada principal, sionado, absorveu tudo o que a sua mente preconceitos, hoje, é um oásis de encanto direita, depois de passar a pequena igreja,
encontra-se o aldeamento da Cuada, com tenra conseguiu assimilar; a neta, essa, e descontracção que merece percorrer a olho sempre a minha antiga escola, vazia
as boas-vindas em antiga residência rural com apenas dezasseis meses, ficou um pé pelo Vale do Linho e da respectiva baía e abandonada, onde aprendi as primeiras
adaptada a sala de recepção, devidamente pouco intimidade enrolando-se nos braços até ao fim da aldeia, passando à sombra letras e números. De lá, até podíamos es-
decorada com ar de acolhimento simples e e pescoço da mãe. da montanha que não deixa o sol ‘nascer’ preitar o Monchique que desconhecia ser o
franco como nos tempos idos quando não A vereda pela margem direita da ribeira antes das dez da manhã e permite a água ‘território’ mais ocidental da Europa. Éra-
se preanunciava a chegada. Mesmo que que lá nos conduz é difícil, mesmo, de cristalina saltar rocha abaixo em queda mos cerca de vinte estudantes de ambos os
ninguém estivesse em casa, era só entrar certo modo, perigosa para as pessoas mais livre e beleza invulgar. Por aqui não é sexos, a Ponta, nesse tempo, contava com
e esperar. Uma sala sem recepcionista, idosas e crianças, que bem mereceria um possível passar indiferente ao que nos ro- cerca de 200 habitantes, mais que a maior
acolhedora e franqueada, um computador pouco mais de atenção por parte da edi- deia. Não é apenas a beleza das flores nas parte das actuais freguesias da ilha.
sobre o leito de um carro de bois servindo lidade ou da junta de freguesia, com um bermas da estrada ou o cantar dos pássa- Felizmente, a Cuada e a Ponta, quais Fénix
de secretária, brochuras alusivas ao alde- orçamento mais modesto para festas, con- ros e das águas, é o perfil de conjunto de Renascidas, reconstroem-se, tornando-se
amento, várias cadeiras que não sabem a vidados e fogos de artificio, até seria possí- um todo perfeito em jorros irresistíveis de acessíveis, procuradas e novamente dese-
idade e, sem pretensões, uma viola afinada vel reabilitar alguns dos moinhos de água, elegância. Algo imponente e grandioso jadas e visitadas. Sem dúvida, dos mais
que a Lourdes dedilhou e cantou ao sabor antigas azenhas da ribeira, ao abandono, que transcende a pequena aldeia da Ponta, belos recantos das Flores e dos Açores,
da ocasião. (Mesmo nessa altura, discreto, desfeitas por longos anos de inactividade. mesmo para além do imaginário, sem lhe hoje, óptimos cartazes da ilha e do arqui-
por lá andava o alto comissário das Nações Exemplo do que se pode fazer, ao lado, a podermos escapar e resistir. pélago.
Unidas, António Guterres, com a esposa e estrada do ramal da Ponta e a electrifica- Até a última casa do povoado, a casa da
um filho, que nos disse ser veraneante da ção do percurso estão primorosas.

Casamento elegante
Realizou-se no dia 25 de Julho de 2009, o casamento de Orlando Cos-
ta e Debbie Rosa, filhos de João e Maria de Lourdes Costa, de Dublin,
e de José e Honória Rosa, residentes em Gilroy. Na foto também se po-
dem ver as avós dos nubentes, que vão residir em Dublin, California.

Tribuna Portuguesa congratula os jovens Orlando e Debbie.

Pomar das Castanhas


Amaral Chestnut Orchard
Serafim (Sam) & Maria
(Zita) Amaral
1009 Timbell Road,
Falecimento delas.
Compunha as suas próprias mú- P.O.Box 1248
FRANK R. SANTOS sicas e tinha o condão de saber
escrever música para uma or- Waterford, CA 95386
Dez 16, 1925 - Set 27, 2009 questra de quantos instrumentos
fosse preciso, mal ouvisse uma Phone 209-874-3237
Frank Rocha Santos, de Ceres, canção que gostasse. Era capaz
faleceu a 27 de Setembro com 83 de tocar qualquer instrumento pomardascastanhas.com
anos. Nasceu na Ilha Terceira e lá mesmo sem nunca o ter tocado.
casou com Maria Santos em 1952. O saxofone era o seu favorito. info@pomardascastanhas.com
Emigraram para a California em Deixa a chorar a sua morte, sua
1955. Trabalhou em leitarias, mas esposa de 57 anos, Maria, seus fi-
o melhor que gostava de fazer era lhos Rui Santos e esposa Richie, A venda começou na primeira semana
ser músico. Durante alguns anos Fernando Santos e esposa An-
drea e Lubelia (Santos) Martin. seu irmão Isalino Santos e irmã de Setembro
teve um conjunto musical com a
Seis netos, Joey, Timmy, Tanya Diamantina Linhares. Sales began the first week of September
esposa, o irmão Isalino e o filho
mais velho à bateria. Também to- (Nicholson, marido David), De- Foi a enterrar no St. Stanislaus
vin, Aaron and Willie (Martin). Catholic Cemetery em Modesto.
cou em várias filarmónicas e foi
mesmo director/mestre de uma 8 bisnetos, uma trineta, além de Paz á sua alma. WE SHIP ANYWHERE IN THE USA
COLABORAÇÃO 13

Agua Viva
1-800 fez Pergunte a Judite
Judite Teixeira
20 anos
Filomena Rocha
filomenarocha@sbcglobal.net judy.teixeira@ssa.gov

Colocar o Homem Se tem uma pessoa da sua família, amigo,


ou vizinho que recebe pagamentos do Se-
os benefícios de crianças. car para o beneficio do seu espo-
so/esposa também, pode escolher
no lugar da dignidade humana guro Social como reforma, SSI, e não pode
tomar conta dos seus casos financeiros,
Não se esqueça que pode aplicar
para os seus benefícios de refor-
para receber o benefício de espo-
so/esposa para continuar a rece-
você pode considerar ser o representante, ma por meio da internet: www. ber créditos de reforma atrasados
Entrou Outubro… Já com o sabor de Outono, sorratei- “Representative Payee”, para essa pessoa. socialsecurity.gov. Mas você de baixo do seu numero. Depois
ro, melancólico, agreste, frio, sem tempero certo e como Vamos talvez pedir informação ao médico sabe que o seu esposo/esposa pode aplicar para benefícios mais
quem não quer a coisa, a pedir chuva que não chega à para confirmar que esta pessoa não pode também pode aplicar por meio da tarde e receber mais baseado nos
Terra bem necessitada nalgumas partes, quando demasia- tomar conta dos seus negócios por causa internet? créditos de reforma atrasados.
do abundante e até desastrosamente inundante noutras. da condição mental ou fisica. O represen- Para aprender mais pode visi-
Dizem os cientistas que a Natureza está desiquilibrada, tante não é a mesma coisa que o poder de É muito fácil! Talvez não saiba tar: www.socialsecurity.gov/
Acredito que sim, sinais dos tempos provocados pela mão advogado, power of attorney. Você pode que pode receber beneficios do pubs/10035.htm.
ambiciosa do Homem, que agora se desdobra em progra- ter o poder de advogado mas não pode seu esposo ou esposa. Se está Aplicar para a sua reforma ago-
mas e cuidados de maneira a emendar o que estragou, não ajudar-lhe com o seu caso do seguro so- casado e nunca trabalhou ou tra- ra? www.socialsecurity.gov/ap-
se sabendo se chegará a tempo do reparo. cial. Quando o seguro social é informado balhou mas ganhou pouco, pode plyonline.
Tempo é sempre o que nos falta quando já não vamos a que uma pessoa não pode fazer os seus receber um benefício igual ou
tempo de realizar coisas mais importantes, sobretudo se pagamentos, por causa da sua condicao metade do beneficio do seu espo- Serviço do seguro social
já perdemos demasiado tempo com as que não valiam física ou mental, nós podemos investigar so/esposa. Se você é divorciado, por meio do telefone.
nada. Até mesmo no falar se perde tempo. Para mim, que o caso. O dever do “representante” é para talvez possareceber benefícios do
se encarregue a chuva, pois já não há palavra mole que receber o pagamento do seguro social seu esposo. Para receber benefi- Milhões de pessoas usam a inter-
fure tanta pedra que tenho encontrado no caminho. Cami- para essa pessoa e pagar todas as contas: cios do seu esposo, você tem que net para saber do seguro social.
nho é o que devíamos todos fazer, ainda que diferente dos como renda, comida, luz, etc. O represen- ter 62 anos de idade ou ter uma Também oferecemos serviço de
que já percorremos, sobretudo se não queremos tropeçar tante pode telefonar e fazer todo o negócio criança com menos de 16 anos telefone, 24 horas por dia 7 dias
de novo com a mesma pedra. Para isso é preciso mudar de com o seguro social. Todos anos o seguro a viver consigo, ou que recebe por semana e recebemos serviços
vida, deixar de ser-se obstinado, ter fé, ter confiança. social vai mandar uma carta para pedir in- benefícios de incapacidade. A automáticos.
É também de Fé, de Esperança e muita Caridade, que o formação sobre o dinheiro. Mais de sete quantidade da sua reforma como Pode telefonar: 1-800-772-1213 e
Mundo de hoje precisa, pois apesar da tão avançada tec- milhões de pessoas que recebem o seguro esposo/esposa depende na idade falar com um representante entre
nologia, nem tudo se resolve à velocidade do foguetão en- social ou SSI têm representantes. Pode da sua reforma. Se receber be- as 7 da manhã até às 7 da noite,
viado para outros planetas para averiguar o que se passa aprender mais através da internet: www. nefícios antes do máximo ano de de segunda a sexta-feira.
no desconhecido ou de um míssil para destruir o amigo ou socialsecurity.gov/pubs/10076.html ou reforma 66 ou 67 anos de idade, o
inimigo. Nem tudo se resolve à velocidade da internete, visitar o escritorio do seguro social. seu beneficio vai ser reduzido. 1-800 com 20 anos
por mais lindas e agradáveis que sejam as mensagens que
todos os dias enchem o espaço cibernético. Sabe qual foi o nome mais Pode receber benefícios debaixo O serviço do 1-800 celebra 20
Que lindo é podermos comunicar com os amigos e conhe- popular? do seu numero do seguro social anos de serviço, e ja atendeu
cidos no mesmo tempo e espaço, em vez de esperar horas, como trabalhou no passado. Se mais de um bilião de chamadas.
semanas, meses para saber novas e mandadas da outra Emma é o nome mais popular em meni- o beneficio é mais do que o seu Este ano já atendeu mais de 60
ilha assente no mesmo Mar ou pior ainda, do outro lado nas nascidas nos Estados Unidos. O se- esposo/esposa, o seguro social milhões de chamadas! O serviço
do Oceano. Mas se para umas coisas esta velocidade nos gundo nome mais popular foi Isabella, e paga o beneficio mais alto. Com- é mais ocupado durante a primei-
aproxima e faz bem, por outro lado tornou-se uma com- depois Emily. O nome mais popular para paramos os dois benefícios para ra semana do mês. Deve telefo-
petição para a mão-de-obra que passou a ser substituída meninos nos últimos dez anos, foi Jacob, ver qual é o que lhe dá maiores nar mais tarde no mês para ter
pela máquina. Agora há que reinventar um processo que depois Michael e Ethan. Pode ver a lista beneficios. um serviço mais rápido. Temos
de novo coloque o Homem no lugar da dignidade humana, de nomes: www.socialsecurity.gov/ba- representantes que falam portu-
de forma que todos tenham a oportunidade a que têm di- bynames. Também pode saber informa- Se já tem a máxima idade de re- guês.
reito: Trabalho para ganhar o pão de cada dia, em vez do ção sobre os números do seguro social e forma 66/67 anos, e pode qualifi-
pão que o Diabo amassou.
Bem que muitos tentam fugir desse e será por isso que
ainda se refugiam nas igrejas, templos onde mais se prega
a Caridade e nem sempre esta corresponde às necessida-
des actuais.
Que tudo afinal chegue a concenso, apesar do mundo
Assine este jornal e partilhe com
controverso em que vivemos. Que a Esperança se reno-
ve na comunidade em que cada um vive, nesta época de
eleições. Que as pessoas com novos cargos os saibam de-
sempenhar pelo conhecimento, justiça e lealdade, onde
a família as nossas festas
a soberba e a vaidade não cegue os valores de cada ser
humano à sua mercê.
Também na Igreja Nacional Portuguesa das Cinco Cha-
gas, deu-se finalmente a instalação do actual Pastor, Fa-
ther Donald Morgan, presidida pelo Bispo diocesano Pa-
trick McGrath, em Missa de Festa, seguida de recepção,
momentos a que já os paroquianos se vão habituando,
depois da partida amarga e triste do Padre Leonel Noia,
por quem já só a Saudade reza no coração dos que sin-
ceramente o amaram e acreditaram ter sido uma pessoa
inteira, o sacerdote que fez falta com as suas homilias, o
timoneiro que soube dirigir e levar a bom porto a Escola
das Cinco Chagas. Agora, o silêncio das suas salas, ouve-
se mais alto do que as vozes alegres das crianças. Que
pena! - Felicidades Padre Morgan!.

Oração
Espírito Santo, Vós que me esclareceis tudo, Vós que
me iluminais todos os caminhos para que eu atinja o
meu ideal, Vós que me dais o Dom Divino de perdoar
e esquecer o mal que me fazem, e que em todos os
instantes da minha vida estás comigo, eu quero, neste
curto diálogo, agradecer-vos por tudo, e, confirmar
mais uma vez, que nunca me quero separar de Vós, por
maior que seja a ilusão material, não haverá o míni-
mo de um dia sem estar convosco e todos os os meus
irmãos na glória perpétua.
Obrigado mais uma vez.

A pessoa deve fazer esta Oração três dias seguidos sem


dizer o pedido. 1600 Colorado Avenue
Dentro de três dias será alcançada a graça por mais
difícil que seja.
Turlock, CA 95382
Publicar assim que receber a graça. FR Telefone 209-634-9069
14 COMEMORAÇÃO 15 de Outubro de 2009

Igreja de Santa Isabel, Sac. - 100 anos

Dia Grande em Sacramento - 100 anos da Igreja Portuguesa de Santa Isabel e Festa dedicada a Nossa Senhora de Fátima

100 anos é sempre uma data 1947, Bispo Armstrong reconheceu


para recordar. a Paróquia nomeando o seu Pároco,
A nossa comunidade é rica em datas Monsenhor. Em 1955, Monsenhor
Azevedo aposentou-se e o Padre V.M.
destas. Já são mais que muitas aquelas
Fagundes foi nomeado seu sucessor.
organizações que passaram um cente-
Em 1957, uma linda reitoria foi cons-
nário de muito trabalho, de muito amor
truída completando assim as planos
e de muita comunidade. Sem estes ele- iniciados em 1909. Sob a liderança do
mentos não poderão haver centenários já Monsenhor Fagundes foi levada a
de espécie alguma. E é isto que nos dá efeito uma completa remodelação da
orgulho. Igreja, terminando em 1982.
A história simples desta tão bela Igre- Em 1985, Monsenhor Fagundes apo-
ja, está neste programa que passamos sentou-se por motivos de saúde.
a transcrever, e que foi distribuido pe- Padre José F. Ribeiro, S.J. estava a
las pessoas que participaram na festa servir a comunidade Portuguesa de
de Nossa Senhora de Fátima na sua Sta Clara quando foi nomeado Pároco
Igreja: de St. Elizabeth. Padre Ribeiro serviu
a Paróquia durante 9 anos aposentan-
“Em 1902, João V. Azevedo veio de do-se em 1991.
Portugal afim de completar os seus es- Em 1991, Bispo Francis Quinn trans-
tudos no seminário de S. Patrick em feriu o Padre Eduino Silveira do Igreja
Menlo Park, Ca. Foi ordenado Padre de Our Lady of Assumption, em Car-
em 1904 pela Diocese de Sacramen- michael, Ca, para a Igreja de St. Eliza-
to. Foi, como Pároco assistente, para beth. Padre Eduino é natural da llha
Yreka e depois nomeado Pároco e en- de S. Miguel, Acores.
viado para Fort Jones. Em Janeiro de 2005, Bispo William
Em 1909, a já numerosa comunidade Weigand transferiu o Padre Silveira
Portuguesa na área de Sacramento, para a comunidade de Redding, Ca.
pediu ao Bispo Grace para nomear o Padre Januário Rodrigues serviu a
Padre J.V. Azevedo como seu Pároco. nossa paróquia desde Janeiro 2005 até
A lgreja de St. Stephen na rua 3 e O, Julho 2005.
foi usada no início pela nova Paró- Desde Julho 2005 a Paróquia de St.
quia Portuguesa. O Mercado de M. S. Elizabeth tem estado aos cuidados
Williams serviu como lugar de encon- da Congregação dos Sagrados Estig-
tro para os fundadores da nova Igreja mas representada por Padre Giancarlo
a ser construída. Foi o início duma ta- Mittempergher, CSS e dos vigários
refa difícil para o jovem e energético paroquiais Padre António dos Santos,
Padre Azevedo para os seus colegas e CSS e Padre Edwin Limpiado, que em
para a comunidade Portuguesa, mas Abril partiu para a Diocese de Mon-
eles tinham a vontade e o grande de- terey.
sejo para entrentarem o trabalho. O Unamo-nos em espírito de fraterni-
senhor e senhora Williams, donos do dade neste centenário da fundação da
Mercado Williams na rua 11 e Q, ofe- Paróquia de St. Elizabeth, uma Paró-
receram generosamente o local para a quia dedicada ao culto Divino e a pre-
construcão da Igreja. servação das tradições Portuguesas,
A igreja foi construída e a 2 de Feve- para as futuras gerações.”
reiro de 1913 St. Elizabeth (Sta Isabel)
foi dedicada pelo Bispo Grace. Em
PATROCINADORES 15
16 FESTA EM SACRAMENTO 15 de Outubro de 2009

A presença do Youth Council # 4 de Sacramento

Os Três Pastorinhos estiveram sempre muito bem dispostos, quer na Missa quer na Procissão

Nova Artista Açoriana de Tracy sob a Direcção do Mestre Frank Silva

Durante a Comunhão

José Ornelas, Lurdes Ornelas, Stephanie Ornelas, Maria Ornelas, José Carlos da
Silva (Presidente), Maria Ornelas e Deodata Silva
Rainha Selena Dorothy e aias Isabela Machado e Alissa

Padres Giancarlo Mittempergher (italiano, tendo vivido 40 anos na África do Sul


e Botswana), e António Luis dos Santos (brasileiro). Ambos os padres pertencem
Veja a reportagem da sua Festa
à Congregação dos Sagrados Estigmas.
sempre que anuncie no Tribuna
FESTA EM SACRAMENTO 17

A Imagem de Nossa Senhora de Fátima desfilhando em frente à centenária Igreja de Santa Isabel em Sacramento

Aspectos da Missa Solene e da Procissão que percorreu algumas ruas de Sacramento, Capital da California

Rainha Pequena Laila acompanhada pelas suas aias Riana e Sofia


18 COMUNIDADE 15 de Outubro de 2009

A ternura dos 80’s Quinta de Castanhas

SAN JOSÉ - Em pé: Alexandria Moules, Tiago Moules, Maria de Fátima e Raul Moules
e Amanda Moules. Sentados: Luís e Maria dos Santos Toste

Também têm abóboras para venda.


Boas para sopas, doces, paios ou mesmo para
assar no forno.
ESCALON - Olivia, David,André, João e Bernardete Martins, Frank Jr, Briana, Frank
e Nancy Martins
FESTAS 19

Festa de Nossa Senhora de Fátima

Parede lateral esquerda da Igreja de Santa Isabel em Sacramento

Grupo Coral da Igreja teve uma excelente actuação

Altar de Nossa Senhora de Fátima no Salão de Festas O novo Cônsul Geral de Portugal em San Francisco Antonio Costa Moura (terceiro na
segunda fila) assistiu às Festas em comemoração dos 100 anos da Igreja de
Santa Isabel em Sacramento bem como participou nos festejos em honra
de Nossa Senhora de Fátima.

Aspecto do Salão durante as Sopas

Isto era mais do que um pelotão, parecia mesmo um batalhão


20 COLABORAÇÃO 15 de Outubro de 2009

Ao Sabor do Vento
José Raposo
Ke vá p’ro karasax
raposo5@comcast.net

U
ltimamente, tenho pen- dox errox que kometia nox ditadox. Portugêx Brazileiro. Ker a jen-
sado no trabalho que va- Ao ler um komentário no meu “fa- te keira, ker não, o Brazil tem
mos ter para reaprender o cebook” e ao ver a maneira komo kuazi 200 milhõex de pesoax
Português, por causa do algunx dox meux amigox do internet ou já ultrapasou iso. Portanto,
acordo ortográfico. exkrevem, pensei: se o meu profesor um paíx komo o noso ke tem,
Em Portugal os políticos votaram fose vivo dar-lhe-ia um atake kardí- sei lá, unx 10 milhõex, nunka
o acordo que resultou do estudo de ako e meu pai lá em kaza não fikaria poderá fazer konkorência em
muitos linguístas. nada satixfeito se me vise exkrever koiza alguma, inkluindo a pró-
Pergunto: se os políticos podem deci- dexta forma. pria língua.
dir sobre a mudança da nossa língua, O interesante é ke sertax palavrax, Quando estava a terminar este
por que não dar ao povo o mesmo di- não importa kual a maneira komo meu artigo, resolvi dá-lo ao meu
reito? se exkreve, a pronúncia é a mexma. filho para ler. Embora ele tenha
Neste caso aí vai a minha sugestão e A minha amiga Elen teve a jentileza menos estudo do que eu em
só espero que os filólogos de plantão de me mandar, komo oferta de anox, Português o que ele sabe, sabe!
não se ofendam com a brincadeira.Eu além de outrax koisax, um livro sobre Valeu-lhe o latim que aprendeu
até sou em favor de suprimir algumas o akordo ortográfico entre ox paísex em Berkeley nas aulas do dis-
letras que existem no alfabeto portu- de língua Portugeza. Kontinuam, ain- tinto professor e nosso amigo
guês. Temos algumas que têm sons da, sertax diverjênciax entre o Portu- Dr. Fernando Silva.
definidos, portanto, para quê usar guêx falado no Brazil e o Portugêx de De uma forma ou outra, em
outras? Portugal e da maneira ke a malta maix poucos anos o Português so-
Se o “Z” têm o som de “Z”, acabem nova extá a uzar ax palavrax, tenho a frerá uma transformação e não
com esses “s” entre as vogais que tem serteza ke podem fazer ox akordox haverá maneira alguma de parar
o som do “Z”; acabem com o “Ch” ke quizerem, vai aver sempre kem isso.
e escrevam xocolate; acabem com o excreva doutra forma kualker. O Português é a língua dos
“Q” nove” e usem o “K”; escrevam Na minha opinião, não averá manei- “XX”. Já agora escrevam Lix-
“arrox” e não “arroz”; escrevam xá- ra alguma de parar exte progreso ou boa.
vena da mesma forma que se escreve retroseso, komo lhe keiram xamar. E O meu filho viu que nesta minha
xícara. ixto akontese kom todax ax línguax. cantilena eu havia eliminado por
E já agora que o Xá da Pérsia não Por ezemplo, a palavra “night”, em completo o ”C” da língua Portugue-
existe, escrevam Xá para a bebida, Inglêx, extá a ser subxtituida por sa e pergunta:
seja ele verde ou preto. “nite”. Klaro ke temox outra pala- Ó pai! E o que vamos fazer com o
E como eu penso desta forma, aqui vra kom a mexma pronúnsia e kuja “C”? Eu respondi:
vai como eu escreveria com as novas ortografia é diferente, ke é o kazo de Ke vá p’ro karasax!
regras. “Knight”. E kualker dia o “enough”
pasará a ser “enouf”.
Kuando extava na excola, levei al- Eu já me pronunsiei váriax vezex
gunx bolox kom a régua por kauza sobre o kazo do noso Portugêx e do

Vende- se Leitaria de Cabras


8.9 acres com irrigação própria
Casa com 3700 pés quadrados, 5 quartos de cama, 3 quar-
tos de banho, toda remodulada.
Perto da auto-estrada e Shopping Center
Fica situada a 1 milha do novo Hospital do Kaiser
Permanente, em Dale Road, Modesto, California
Perto do novo Liceu
Extraordinário investimento de $990K dolares
Os animais existentes não estão incluídos
Contactar AHMAD SHAMA (209) 505-5268
COLABORAÇÃO 21

Sabor Tropical
Brasil, o País do presente
Elen de Moraes
elendemoraes_rj@globo.com

A
Porém, há quem veja com maus É natural, então, que haja rei- tas através de um site que estará ou, ao contemplarem as belezas
o ser escolhido para olhos a realização do Mundial de vindicação e até certo ciúme das aberto a quem queira visitá-lo e naturais da nossa cidade e o en-
sediar as Olimpíadas Futebol e das Olimpíadas no nos- outras cidades brasileiras tão ou conferir. tusiasmo do nosso povo, excla-
de 2016 os olhos do so país por causa dos seus custos mais importantes que o Rio, po- Desejo ardentemente, como já mem como o Papa João Paulo II:
mundo se voltam, de- elevadíssimos. Acham que tanto rém, segundo os organizadores disse, que o sorriso do carioca – e “Deus é brasileiro!”
finitivamente, para o Brasil. De dinheiro teria melhor utilidade se que viabilizaram o projeto, a ci- do brasileiro em geral – em 2014
repente somos o país do presen- fosse investido em educação, na dade foi escolhida levando em e 2016 se abra, luminosamente
te e não mais, como sempre ouvi saúde, em novas frentes de tra- consideração que metade das ins- branco de puro orgulho e felici-
dizer, o do futuro. Pelo menos no balho e de muito mais coisas que talações para os Jogos Olímpicos dade, para o mundo, pela alegria
que diz respeito aos esportes. Ja- necessitamos. Dizem que além e Paraolímpicos já está pronta e de haver cumprido o que
do mais só a cidade do Rio de Ja- tais instalações, segundo eles, se propôs e por entregar
mais pensei que viveria para ver
neiro será beneficiada. são verdadeiras obras-primas, aos visitantes uma cida-
chegar esse dia. Aleluia!
Eles têm lá suas grandes razões, construídas para os Jogos Pana- de que verdadeiramente
Trazer os Jogos para a América
entretanto, a maioria que está a mericanos de 2007. mereça o título de “cida-
do Sul pela primeira vez foi, tal-
favor da realização dos dois even- Há muito que ser feito em sete de maravilhosa”.
vez, o que mais pesou na decisão
tos, argumenta que o povo preci- anos. Unidos, Governos Federal, Que venham os turistas!
dos jurados do Comitê Olímpi-
sa de divertimentos saudáveis e Estadual e Municipal prometem E que ao olharem a cida-
co Internacional. Essa escolha,
importantes como esses. E para que todo projeto terá sido exe- de do alto do Corcovado,
como publicou o Wall Street
não dizer com minhas palavras, cutado até lá. Comprometem-se, digam como o agnóstico
Journal “cristaliza a ascensão do
evoco a letra da música de um ainda, a dar transparência total do Jose Raposo: “Se há
Brasil como poder econômico e
conjunto nosso, os “Titãs”, que aos gastos com as obras e inclusi- Deus, passou por aqui!”
político”. E continua: “Tal con-
diz: “A gente não quer só comi- ve prestar con-
quista chega num momento em
da, a gente quer comida, diver-
que o Brasil se tornou uma força
são e arte... A gente não quer só
econômica com suas recém des-
comer, a gente quer prazer para
cobertas reservas de petróleo e
aliviar a dor... A gente não quer
crescente influência no diálogo
só dinheiro, a gente quer inteiro
internacional sobre comércio”.
e não pela metade”.
Para os brasileiros, a escolha ele-
Segundo estatísticas, nosso país
va a auto-estima do povo, acende
tem 65 milhões de jovens com
novas esperanças e concede o
menos de 18 anos e espera-se
incentivo que precisávamos para
que os Jogos Olímpicos desper-
dar crédito aos nossos políticos –
tem nesses jovens o amor a ou-
os honrados! - de que doravante
tros esportes, além do futebol.
todo empenho há de ser feito para
O Rio de Janeiro - cidade ma-
se colocar o Brasil nos trilhos da
ravilhosa que não me canso de
modernidade e para que se dimi-
celebrar e amar, se bem que me
nua a desigualdade social.
faça derramar muitas lágrimas,
Atualmente, a economia do Bra-
prerrogativa que só às grandes
sil é a décima maior do mundo
paixões e aos amores eternos se
e a previsão é que seja a quinta
permite – sediou os Jogos Pana-
até 2016 e a sua força, mesmo no
mericanos de 2007, será sede do
contexto internacional atual, per-
Mundial de Futebol de 2014 e
mite que o Governo garanta os
com os Jogos Olímpicos de 2016
investimentos necessários para
tornar-se-á, talvez, uma das cida-
os eventos de 2014 e 2016
des mais conhecidas do planeta.

Custo: $150,000.00 dolares.


Aceitam-se ofertas
22 DESPORTO 15 de Outubro de 2009

Mundial 2010
Portugal no “play-off”, após golear Malta

Portugal conhece
opositor no dia 19
Oito equipas vão disputar
4 vagas no “Playoff”
Concluída a fase europeia de qualificação
para o Mundial da África do Sul, oito
selecções ainda terão “trabalho suple-
mentar” para lograr o apuramento para o
certame a ter lugar em 2010.
Assim, para além de Portugal, também
França, Irlanda, Bósnia, Rússia, Ucrânia,
Grécia e Eslovénia estarão em luta pelas
derradeiras 4 vagas para o Velho Conti-
A selecção portuguesa de futebol quali- A formação nórdica já tinha assegurado nente.
ficou-se hoje para o “play-off” de aces- sábado o apuramento para a África do Portugal, Rússia, França e Grécia benefi-
so à fase final do Mundial de 2010, ao Sul, ao bater em casa a Suécia (1-0), re- ciarão do estatuto de cabeças-de-série, ra-
golear Malta (4-0), em Guimarães, e sultado que permitiu a Portugal ascender zão pela qual não poderão defrontar-se nos
assegurar o segundo lugar do Grupo 1 ao segundo posto e afastou, praticamen- embates que terão lugar, em duas mãos,
europeu de apuramento. te, os suecos - terminaram com 18 pontos nos próximos dias 14 e 18 de Novembro.
Nani (13 minutos), Simão (45), Miguel - da fase final. Quer isso dizer que a Selecção Nacional
Veloso (52) e Edinho (90) apontaram Portugal será cabeça-de-série no “play- irá jogar o “tudo por tudo” diante uma
os tentos da formação das “quinas, que off”, tal como França, Rússia e Grécia, e destas quatros equipas: Irlanda, Ucrânia,
concluiu o agrupamento com 19 pontos, poderá defrontar Ucrânia, República da Bósnia ou Eslovénia.
atrás da Dinamarca. Malta acabou no Irlanda, Eslovénia e Bósnia-Herzegovi- O sorteio terá lugar na próxima segunda-
sexto e último posto, sem qualquer golo na, a 14 e 18 de Novembro. feira, em Zurique (Suíça), pelas 13 horas
marcado. (hora de Portugal Continental).

Todos os apurados e os “play-off” Portugal com pior


São já 22 as equipas apuradas para o
Mundial-2010, que esta noite ainda
Chile
registo desde 1998
vai conhecer mais duas. Na Europa e África: África do Sul , Costa do Mar-
na América do Sul está tudo decidido, fim e Gana
com a Suíça, Eslováquia e Argentina a A selecção portuguesa de futebol termi-
garantirem presença na África do Sul. CONCACAF: México e Estados Unidos nou hoje a fase de grupos da qualificação
Quanto ao play-off, também está tudo para o Mundial de 2010 com o pior registo
decidido com Portugal a ser cabeça-de- Apurados para o play-off da Europa: desde o apuramento falhado para o cam-
série. peonato do Mundo de 1998, disputado em
Eis as equipas apuradas para o Campe- Cabeças-de-série: Rússia, França, Por- França.
onato do Mundo: tugal e Grécia Sob o comando de Carlos Queiroz, Portu-
gal repete os números de 1998, com uma
Europa: Dinamarca, Suíça, Eslováquia, Outros: Rep. Irlanda, Bósnia, Eslovénia enorme diferença: então ficou no terceiro
Espanha, Inglaterra, Sérvia, Itália, e Ucrânia lugar, falhandoo “playoff”, o que agora
Alemanha e Holanda não sucedeu, já que a equipa das “quinas”
Apurado para o play-off América do foi segunda.
Ásia: Austrália, Coreia do Sul, Coreia Sul/CONCACAF Ainda assim, este é o pior registo do novo
do Norte e Japão e “jovem” milénio, pelos números e, so-
Uruguai bretudo, porque Portugal tinha consegui-
América do Sul: Brasil, Paraguai e do sempre o apuramento directo, evitando
disputar um sempre perigoso “play-off”.
Na corrida para o Euro2000, o conjunto

Pinto da Costa ganhou


comandado por Humberto Coelho somou
23 pontos em 10 jogos e seguiu para a fase
final como o “rei dos segundos”, já que fi-
700,000 euros em 2008 cou atrás da Roménia, que totalizou mais
um ponto.
No apuramento seguinte, para o Mundial
Pinto da Costa recebeu 700 000 euros o segundo de 2002, o “onze” de António Oliveira
(1015000 dolars) brutos na última época ou terceiro conseguiu sair sem um único desaire de
na qualidade de presidente da FC Porto, lugares me- um grupo de qualificação muito complica-
SAD. Este valor consta no relatório en- recem mais do, com Holanda e República da Irlanda.
viado à Comissão Comissão do Merca- 50 por cen- A selecção lusa venceu o agrupamento
do de Valores Mobiliários (CMVM). to, embora com 24 pontos (sete vitórias e quatro em-
Ao todo, os quatro elementos remunera- na última pates), os mesmos do conjunto irlandês,
dos da administração da SAD portista assembleia- isto depois de vários jogos para a lenda,
auferiram quase dois milhões de euros geral da sobretudo a recepção aos holandeses (0-2
(1,9) entre 1 de julho de 2008 e 30 de SAD a Ad- para 2-2 sobre o fim).
junho de 2009: Pinto da Costa (700 ministração tenha rejeitado os prémios Seguiu-se o apuramento automático para o
000), Adelino Caldeira, Fernando Go- caso a equipa de futebol termine em se- Euro2004, na condição de anfitrião, e uma
mes (cada um 420 000) e Reinaldo Teles gundo ou terceiro lugares. exemplar participação na qualificação
(375 000). Como exerce as funções de A conquista da Taça UEFA, agora Liga para o Mundial de 2006, com nove triun-
administrador não executivo, Jaime Lo- Europa, merece ser premiada com o do- fos e três empates: 30 pontos, contra 23 da
pes não aufere qualquer vencimento. bro do vencimento bruto, enquanto a Eslováquia, segunda.
As contas do exercício da última épo- Liga dos Campeões vale mais 120 por No que respeita ao Euro2008, Portugal
ca clarificam que destes 1,9 milhões de cento. baixou muito, ficando-se pelos 50 por cen-
euros, 1,075 correspondem à remunera- É também explicado no mesmo docu- to de triunfos (sete em 14) e pelo segundo
ção fixa, enquanto 840 000 referem-se à mento que o presidente do Conselho de lugar do agrupamento, que, ao contrário
parte variável (prémios). Administração da SAD tem ainda direi- do que sucede agora, valia o apuramento
Os salários dos administradores excecu- to a dois por cento dos lucros apresen- directo.
tivos da FC Porto SAD são definidos por tados no final da última temporada (5,1
uma Comissão de Vencimentos, que es- milhões de euros), enquanto os restantes
tipulou que o título nacional é premiado administradores executivos recebem um
com mais 75 por cento do valor bruto dos por cento. in Record
In Sapodespor
ganhos dos administradores, enquanto
PATROCINADORES 23

A Revista da Tertúlia Tauromáquica Terceirense “Festa na Ilha” já chegou à Califor-


nia. Custa $4.50 euros ou seja $6.50 dólares.
Estará à venda na Padaria Popular (San José), Rosa Trade Rite Market (San José), Fer-
nandes Linguiça (Tracy), Tribuna Portuguesa (Modesto).
Sao 93 páginas de belas fotos e bons artigos sobre a Festa Brava da Terceira, Graciosa,
São Jorge e até da California. Não perca o melhor das Ilhas.
24 TAUROMAQUIA 15 de Outubro de 2009

João Simões e a sua


Quarto Tércio
José Ávila
Tertúlia
Todos nós temos as nossas manias de coleccionar qualquer quer pessoa fora de si. Uma extraordinária colecção tau- Tiro o meu
josebavila@gmail.com

coisa. Há quarenta anos comecei a coleccionar números rina, merecedora de uma visita de todos os amantes da chapéu à Feira
1’s de revistas, jornais, etc. O meu amigo Helio Cunha Festa Brava. Vou deixar aqui neste espaco, uma pequena de Thorton, por ser a
Melo, da Terceira, é possívelmente o maior colecionador amostra dessa encantadora tertúlia. melhor Feira da Cali-
de selos de Portugal. O Dimas Alves possui a mais com- fornia e que todos nós
pleta colecção de fotografias de toiros antigos e corridas devemos apoiar.
de Toiros nas Praças da Terceira. O António Nunes, de Não faltem!
Merced, é o maior colecionador de chocalhos do mundo.
E muito mais.
Em Almeirim, o ex-cabo de forcados do Grupo de Forca-
dos da Moita, João Simões, tem uma Tertúlia com uma
colecção de artefactos e fotografias taurinas, de pôr qual-

Praça do Campo Pequeno feita em cortiça. Uma pequena maravilha


Aspectos da vasta coleccao de fotografias taurinas, bem com fatos de
toureio e também uma boa colecção de whisky.

Em cima: João Simões e Donaldo Mota


PATROCINADORES 25
26 ARTES & LETRAS 15 de Outubro de 2009

Charles Darwin in the Apenas


Duas
Azores - who knew? Palavras

Katharine Baker Diniz Borges

F
clean & tidy little place, containing about first supporters of the present right royal &
10,000 inhabitants, which includes nearly honourable family. d.borges@comcast.net
ebruary 12 marked the bicenten- the fourth part of the total number on the
nial of the birth of not only Pre- island. There are no good shops, & little 21st – The next day the Consul kindly lent
sident Abraham Lincoln but also signs of activity, excepting the intolerable me his horse & furnished me with guides Esta edição da Maré Cheia celebra a pas-
British science pioneer Charles creaking of an occasional bullock waggon. to proceed to a spot, in the centre of the sagem de Charles Darwin pelos Açores
Darwin, who – with the 1859 publication The churches are very respectable, & there island, which was described as an active com um texto introdutório de Kathari-
of On the Origin of Species, based on data were formerly a good many convents: but crater. – Ascending in deep lanes, borde- ne Baker e o texto do próprio Darwin.
he began collecting at age 21 during a Dom Pedro broke up destroyed several; red on each side by high stone walls, for Estes textos são na nossa outra língua,
round-the-world voyage as ship’s scientist he levelled three nunneries to the ground, the three first miles, we passed many hou- inglês. Aliás, cada vez mais a Califór-
aboard the H.M.S. Beagle – revolutionized & gave permission to the nuns to marry, ses and gardens. We then entered on a very nia portuguesa fala inglês. Uma refle-
the way the Earth’s biological and geologi- which, excepting by some of the very old irregular plain country, consisting of more xão que precisamos ter sobre as nossas
cal development are studied. ones, was gladly received. – Angra was recent streams of hummocky basaltic lava. comunidades e a presença da língua
Among the least known facts about this formerly the capital of the whole archipe- The rocks are covered in some parts by a portuguesa na mesma. Não podemos,
trip is that the Beagle made her final stop lago, but it has now only one division of thick brushwood about three feet high, and nem devemos fugir à realidade. Nem
in September 1836 at the Azores Islands the islands under its government, and its in others by heath, fern, & short pasture: a podemos andar por aí a lamentarmo-nos
for six days in order to resupply provisions glory has departed. The city is defended few broken down old stone walls comple- como se ainda estivéssemos nas comuni-
and check for mail before returning to Gre- by a strong castle & line of batteries whi- ted the resemblance with the mountains of dades das décadas de 1970 e 1980. Mas
at Britain. Lamentably, later editions of ch encircle the base of Mount Brazil, an Wales. I saw, moreover, some old English esse debate será para outro momento e
Darwin’s The Voyage of the Beagle (first extinct volcano with sloping sides, which friends amongst the insects, and of birds, outra coluna.
published in 1839, based on his journal) of- overlooks the town. – Terceira was the first the starling, water wagtail, chaffinch and A Maré Cheira deste Outono e Inverno
ten reduce this episode to a half-sentence place that received Dom Pedro, & from blackbird. There are no houses in this de 2009/2010, tem muito para vos ofere-
passing reference. this beginning he conquered the other is- elevated and central part, and the ground cer. Nas próximas edições teremos tra-
In fact, after the Beagle docked at Angra
balhos de Onésimo Almeida, Vamberto
do Heroísmo, Terceira, Darwin called on
Freitas, João-Luís de Medeiros, Victor
the British Consul, who arranged for hor-
ses and guides to provide him a day-tour Rui Dores e Art Coelho, entre outros.
of the island. Considering Darwin was still Abraços
only 27 and had been away from home for diniz
4¾ years, his disappointment over a pro-
mised active crater in the center of the is-
land that proved to be merely small steam their crater-formed summits, and where
jets shooting out of several large fissures is broken down showed a pile of cinders such
understandable. However, based on detai- as those from an iron foundry. – When we
led descriptions of people, agriculture and reached the so called crater, I found it a
nature he observed – in Angra and Praia as slight depression, or rather a short valley
well as the countryside and small villages abutting against a higher range, and wi-
– that he recorded in his journal, he seems thout any exit. The bottom was traversed
to have enjoyed his stay nonetheless. by several large fissures, out of which, in
This September a scientific symposium, nearly a dozen places, small jets of steam
“Setting the record straight: Darwin’s mis- issued, as from the cracks in the boiler of
take and what we are doing to correct it,” a steam engine. The steam close to the ir-
was held at the University of the Azores in regular orifices, is far too hot for the hand
Ponta Delgada, São Miguel, in response to to endure it; – it has but little smell, yet
Darwin’s dismissive 1836 comment. Even from everything made of iron being bla-
Darwin himself later reconsidered his ckened, and from a peculiar rough sensa-
initial judgment of the archipelago in an tion communicated to the skin, the vapour
1881 letter to Azorean mollusk researcher cannot be pure, and I imagine it contains
Francisco Arruda Furtado: “I consider it some muriatic acid gas. – The effect on the
a fortunate event for science, that a man surrounding trachytic lavas is singular, the
like yourself... should inhabit a group of solid stone being entirely converted either
oceanic islands... You have a splendid field into pure, snow white, porcelain clay, or
for observation and I do not doubt but that into a kind of bright red or the two colours
your researches will be very valuable.” marbled together: the steam issued through
Reproduced here is Charles Darwin’s ac- the moist and hot clay. This phenomenon
count of his Azores visit, with original has thus gone on for many years; it is said
spellings and punctuation. Readers fami- that flames once issued from the cracks.
liar with Terceira and São Miguel may still During rain, the water from each bank,
recognize, after 173 years, locations that must flow into these cracks; & it is pro-
he vividly describes. bable that this same water, trickling down
to the neighbourhood of some heated sub-
20th – In the morning we were off the terranean lava, causes this phenomenon. –
East end of the Island of Terceira, and a Throughout the island, the powers below
little after noon reached the town of An- have been unusually active during the last
gra. The island is moderately lofty & has year; shaken off some of their lethargys;
a rounded outline with detached conical their movements have caused a succession
hills evidently of volcanic origin. The several small earthquakes, and during a
land is well cultivated, & is divided into few days a jet of steam issued from a bold
a multitude of rectangular fields by stone precipice overhanging the sea, not far from
walls, extending from the water’s edge the town of Angra.
to high up on the central hills. There are
few or no trees, & the yellow stubble land I enjoyed my day’s ride, though I did not
at this time of year gives a burnt up and see much worth seeing: it was pleasant to
unpleasant character to the scenery. Small lands & finally Portugal. A loan was scra- is only used for the pasture of cattle and meet such a number of fine peasantry; I
hamlets & single whitewashed houses lie ped together in this one island of no less goats. On every side, besides the ridges of do not recollect ever having beheld a set
are scattered in all parts. In the evening a than 400,000 dollars, of which sum not more ancient lavas, there were cones of va- of handsomer young men, with more good
party went on shore; – to the town or rather one farthing has ever been paid to these rious dimensions, which yet partly retained humoured pleasant expressions.
city of Angra. We found the city a very (conclui na página seguinte)
COLABORAÇÃO 27

Charles Darwin
with a network of black lines. 24th – In the morning, we were
off the Western end of St Micha-
The town of Praya is a quiet for- els; to the capital of which we
lorn little place; many years since were bound in quest of letters.
A surprising number of the boys re the contract to which they a large city was here overwhel- A contrary wind detained us the
had white or lightly coloured hair, are bound, differs but little med by an earthquake. It is asser- whole day,
which from its strangeness to our from slavery. It seems a great ted the land subsided, & a wall
eyes made it the more pleasing. pity that so fine a population of a convent now bathed by the 25th – but by the following mor-
The men and boys are all dres- should be compelled to leave a sea is shewn as a proof: the fact ning, we were off the city, & a
sed in a plain jacket & trowsers, land of plenty, where every ar- is probable, but the proof not con- boat was sent on shore. – The Isld
without shoes or stockings; their ticle of food, meat, vegetables vincing. I returned home by ano- of St Michaels is considerably
heads are barely covered by a lit- & fruit, – is exceedingly cheap ther road, which first leads along larger & three times more popu-
tle blue cloth cap with two ears & are most abundant; but the the Northern shore, & then cros- lous & enjoys a more extensive
and a border of red; this they lift labourer finds his labour of ses the central part of the Island. trade than Terceira. – The chief
in the most courteous manner to proportionally little value. – This North Eastern extremity export is the fruit, for which a
each passing stranger. Their clo- is particularly well cultivated, & fleet of vessels annually arrives.
thes although very ragged, appe- 22nd – I staid the greater part produces a large quantity of fine Although several hundred ves-
ared singularly clean, as well as of the day on board. wheat. The square, open fields, & sels are loaded with oranges, the-
their persons; I am told, that in small villages with white washed se trees on neither island appear
almost every cottage, a visitor 23rd – Another day I set out churches, gave to the view as in any great numbers. No one
will sleep in snow white sheets early in the morning to visit seen from the heights, an aspect would guess that this was the
& will dine off a clean napkin. the town of Praya seated on the resembling the less picturesque great market for the numberless
heads of Indian corn, were bound,
Each man carries in his hand a NE end of the island. – The dis- parts of central England. – We oranges imported into England.
for the sake of drying, in large
walking staff about six feet high; tance is about fifteen miles; the soon reached the region of clou- St Michaels has much the same
bundles to the stems of the poplar
by fixing a large knife at each ex- road ran the greater part of the ds, which during our whole visit open, semi-green, cultivated pa-
trees. These seen from a distan-
tremity, they can make this into way not far from the coast. The have hung very low & concealed tchwork appearance as Tercei-
ce, appeared weighed down by
a formidable weapon. – Their ru- country is all cultivated & scat- the tops of the mountains. For a ra. The town is more scattered;
some beautiful fruit, – the very
ddy complexions, bright eyes & tered with houses & small villa- couple of hours we crossed the the houses & churches there &
emblem of fertility. – One part of
erect gait, made them a picture of ges. I noticed in several places, elevated central part, which is throughout the country are white
the road crossed a broad stream
a fine peasantry: How how diffe- from the long traffic of the bullo- not inhabited & bears a desolate washed & look from a distance
of lava, which from its rocky &
rent from the Portugeese of Bra- ck waggons, that the solid lava, appearance. When we descen- neat and pretty. The land behind
black surface, showed itself to be
zil! – The greater number, which which formed in parts the road, ded from the clouds to the city, the town is less elevated than at
of comparatively recent origin;
we this day met, were employed was worn into ruts of the depth I heard the good news that ob- Terceira, but yet rises considera-
indeed the crater whence it had
in the mountains gathering sticks of twelve inches. This circums- servations had been obtained, & bly; it is thickly studded or rather
flowed could be distinguished.
for fire-wood. – A whole family, tance has been noticed with sur- that we should go to sea the same made up of small mammiformed
The industrious inhabitants have
from the father to the least boy, prise, in the ancient pavement of evening. The anchorage is expo- hills, each of which has sometime
turned this space into vineyards,
might be seen, each carrying his Pompeii, as not occurring in any sed to the whole swell of the Sou- been an active Volcano. – In an
but for this purpose it was neces-
bundle on his head to sell in the of the present towns of Italy. At thern ocean, & hence during the hours time the boat returned wi-
sary to clear away the loose frag-
town. Their burthens were very this place the wheels have a tire present boisterous time of year thout any letters, and then getting
ments & pile them into a multitu-
heavy; this hard labour & the surmounted by singularly large is very disagreeable & far from a good offing from the land, we
de of walls, which enclosed little
ragged state of their clothes too & projecting iron knobs, perhaps safe. steered, thanks to God, a direct
patches of ground a few yards
plainly bespoke poverty, yet I am the old Roman wheels were thus course for England.
square; thus covering the country
told, it is not the want of food, but furnished. The country during
of all luxuries, a case parallel to our morning’s ride, was not inte-
that we described of Chiloe. – resting, excepting always the ple-
Hence, although the whole land is asant sight of a happy peasantry.
not cultivated, at the present time The harvest was lately over, &
numbers emigrate to Brazil, whe- near to the houses the fine yellow

Call Today For a Free Consultation

209-545-8727
www.ModestoBacktoNeck.com
28 ENGLISH SECTION 15 de Outubro de 2009
serving the portuguese–american communities since 1979 • ENG L ISH SECTION

Ideiafix
portuguese
Miguel Valle Ávila
miguelvalleavila@tribunaportuguesa.com

Des(Leal)dade das St. Elizabeth Church celebrates


Comunidades? centennial

W
In 1902, João V. Azevedo, a nati- ful new church was dedicated in a of St. Elizabeth’s. In 1977, he was
hen the top two neral terms — a style that PSD ve of the Azorean island of Pico, grand ceremony presided over by given the title Monsignor.
political parties national leader Manuela Ferreira came to California to complete Father Azevedo and Bishop Gra-
in Portugal — Leite copied a few weeks later. his studies at St. Patrick’s Se- ce. It was named Igreja da Santa A rectory, or home for the priests,
Partido Socialis- As for the reasons for his selec- minary in Menlo Park. He was Isabel, or St. Elizabeth’s, after the was built in 1957 in fulfillment of
ta (PS) and Partido Social De- tion to head the list of candidates ordained into the priesthood in beloved queen of Portugal. the original plans made in 1909.
mocrata (PSD) — selected two for the electoral circle outside of 1904 for the Diocese of Sacra- In 1982, a major $140,000 resto-
Azoreans as candidates for the Europe, Leal excused himself on mento, being the first seminarian St. Elizabeth’s is now the oldest ration project, under the leader-
Portuguese National Assembly the Law of Parity that requires to be ordained at the Cathedral. Portuguese National Church west ship of Monsignor Fagundes, was
representing the emigrant elec- no more than two candidates of of New England and the only one completed to repair and restore
toral circle outside of Europe, the same sex on a list of candi-
In 1909, the Portuguese commu- north of San José. the church to its original splen-
it was time to rejoice. PS selec- dates which excluded him from
nity in Sacramento petitioned St. Elizabeth’s has since stood dor, and the church was rededica-
ted the former mayor of Horta, the Azorean electoral circle, that
Faial and member of parliament, he was selected by his “bosses”
Renato Leal, to head its list and at the party, for being flexible,
PSD chose University of Azores and for his executive experien-
professor and former California ce as mayor of Horta. Little, or
resident Rosa Simas as an alter- nothing, on his qualifications in
nate. knowing our Portuguese com-
munities across the world (outsi-
de of Europe).

Was this enough for our Portu-


guese citizens who live outside
Europe to send in their mail-in
ballots? Apparently not. And are
we surprised that over 90.8% of
them didn’t vote? No, we’re not!

According to Portuguese elec-


toral law, a citizen with double
nationality — Portuguese and
another — can be a candidate
to the Portuguese Parliament,
but cannot occupy a seat in that
National Assembly if the candi-
date has a nationality from the
emigration electoral circle he/
she represents. Portuguese go-
vernments in the last few years
have strongly encouraged our then Bishop Grace to appoint Fa- as the religious and cultural cen- ted. In February 1983, the histo-
Portuguese emigrants to beco- ther Azevedo as their pastor. The ter for the Portuguese in North- ric church was placed on the State
me American citizens. Was this Portuguese used the St. Steven’s Central California, and has been Point of Historic Interest list.
to prevent the repatriates? Was Church to start their parish, whi- the scene of countless baptisms,
this to exclude electoral parti- ch began October 24, 1909. That first communions, confirmations, Monsignor Fagundes served as the
cipation? Many reasons can ex- date marked the beginning of the marriages, and funerals. spiritual leader of Sacramento’s
plain this policy, but ultimately Portuguese National Church. In 1916, the basement was enlar- Portuguese community for three
the result is a total disconnect ged to construct a church hall. decades, until his retirement for
between our Portuguese emi- Father Azevedo and the parish The hall has been used consis- reasons of health in 1985. He was
grants and the Portuguese elec- organizers then met at the Willia- tently through the years as a succeeded by Father José F. Re-
While PSD didn’t conduct any toral process. ms Market at 11th and Q Streets, meeting place for Portuguese or- beiro, SJ, who was assigned to
electoral campaign in the most owned by the Portuguese-Ame- ganizations. Portuguese langua- St. Elizabeth’s Church in 1985.
populous American state in ter- And as for our “parachutist,” ricans Mr. and Mrs. Manuel S. ge classes, receptions, dinners, In 1991, Father Eduino Silvei-
ms of Portuguese citizens — Ca- Renato Leal was unable to win Williams, to plan their new chur- countless cultural events, and ra came to serve as pastor of St.
lifornia —, PS sent Renato Leal one of the two seats in the Por- ch on the land at the corner of sometimes for community break- Elizabeth’s for 14 years. Father
in a “parachute visit” to San José tuguese Parliament. PSD’s José 12th and S Streets generously do- fasts when the pleasant smell of Silveira was transferred to St.
to be interviewed on KSQQ/ Cesário of Viseu, Portugal, and nated by Mr. and Mrs. Williams. food in preparation finds its way Joseph’s Parish in Redding, CA
KLBS radio and a presentation Carlos Páscoa Gonçalves of Bra- The church committee consisted to the nostrils of those attending in 2005.
at the Portuguese Athletic Club zil, won reelection. Has anyone
of 8 men in addition to Manuel Sunday mass.
before an audience of 23. But seen these men in California in
Williams. The men would sit on St. Elizabeth’s now has its first
little, very little was understood the last four and a half years? Me
the barrels of sugar and coffee, During the first fifty years, the non-Portuguese pastor, Father
of his political program and neither
how he planned to represent the tea and flour in the Williams’ sto- parish experienced serious finan- Giancarlo Mittempergher, CSS,
Portuguese communities in the re to discuss how to raise funds cial difficulties, collections some- and his assistant parochial vicar,
Portuguese Parliament. He li- for the new church. times averaging only $7 a week. Father António Madeiros, CSS.
mited himself to pointing to the During the Depression, solicitous Both priests are shared with Holy
political manifesto, in very ge- The well-known San Francis- parishioners often left live chi- Cross Parish in West Sacramen-
co church architects Frank Shea ckens on Father Azevedo’s front to.
and John Lofquist were hired to porch. Meanwhile, Father Azeve-
design the building to resemble do had been financing the semina- Source: www.stelizabethsac.org
a church in Angra do Heroismo, ry education in Angra do Herois-
Terceira. One of the first reinfor- mo in Terceira and at St. Patrick’s
ced concrete buildings in Sacra- Seminary in Menlo Park, CA, of
mento, it gained prominence not Valdemiro Machado Fagundes, a
only from its imposing size and young man from Santa Barbara,
Join us in bringing more content and even design, but from its unusual dia- Terceira. Father Fagundes was
gonal setting facing the corner. ordained in 1951 and assigned to
better quality to the oldest Portuguese Many of the local Portuguese St. Elizabeth’s as associated pas-
contractors and individuals dona- tor. Monsignor Azevedo retired
bilingual newspaper on the West Coast. ted their talents and skills to help in 1955, and Father Fagundes was
Subscribe TODAY for only $40/year! build the church. SPRSI Council
No. 12 donated the altar.
appointed administrator of the
parish. Monsignor Azevedo died
in 1957 and that same year Father
On February 2, 1913, the beauti- Fagundes was appointed pastor
ENGLISH SECTION 29

Rev. Carlos (Charles)


Macedo passed away
Helen Cunha Kerner conducted a letter stating his interest in going to Ca-
lifornia. John J. Mitty, the Archbishop of
an interview with Rev. Carlos San Francisco, replied to Charles’ letter of
Macedo earlier this summer to be interest informing him that he was accep-
part of the upcoming book The ted at St. Patrick Seminary in Menlo Park,
California where he could remain until he
Power of the Spirit (Portuguese became twenty-four years of age.
Heritage Publications of Califor-
Charles came to California on a student
nia, 2010).
visa and went to Saint Patrick Seminary
as a student and remained until he became
ordained. This arrangement provided him
“Father Charles Borges Macedo was born
an excellent opportunity to learn English
on November 30, 1924 in Ponta Delgada
with his classmates and to learn how the
on Sao Miguel in the Azores Islands, Por-
church in the United States operated. The
tugal.
class that he was put into was ordained on
December 18 of 1948 and he was ordained
He was the second oldest of five children
into the priesthood along with his classma-
born to Carlos Macedo (born in Santo An-
tes in 1948 at St. Mary’s Cathedral in San
tonio Nordestinho, Sao Miguel) and Efige-
Francisco, California by Archbishop John
nia (born in Brazil). At the time of Char-
J. Mitty.
les’ birth his father was the Vice Chief of
Police of Ponta Delgada and his mother
The following day, December 19, at the
was a housewife. His father served as a
age of twenty-four and nineteen days, Fr.
sergeant in the army during World War I.
Macedo said his first mass at St. Louis
Bertrand in Oakland, California where he
From a young age Fr. Macedo knew that he
had gotten to know Monsignor John Sil-
wanted to become a priest. Although his
va who was from the island of Sao Jorge,
father wanted him to become a doctor no
Azores. He was assigned to St Louis Ber-
family member discouraged his decision.
trand Parish for five years. Although there
His grandmother had an uncle that was a
weren’t any masses said in Portuguese Fr.
priest and he had heard of him but he was
Macedo did say confessions in Portuguese
deceased when Charles was born. There
during those five years.
also were distant uncles that were priests
in the family that he had never met.
Once ordained he applied for regular resi-
dency but still had to go to school for two
His family belonged to the parish of Sao
more years to fulfill the residency require-
Jose but his mother and sisters liked to go
ment of the state. He was sent to St. Lou-
to Matriz. It was at Matriz that Charles
is Bertrand in Oakland while commuting
met Father Jose Ferreira who would have
daily for two years to St Mary’s College in
a profound personal impact on his life
Moraga. When the two years ended he ap-
and deepen his desire to want to become a word of Portuguese but I am the Pastor priest. There has been Vatican II. Trai-
plied to become a permanent resident and
a priest. Fr. Ferreira told Charles that he and you are the Associate Pastor but you ning in the seminaries is very different.
was given a choice of going to Portugal,
wanted to become his godfather when he and I are going to run this parish because Attendance has been decreasing and there
Mexico, or Canada. At that time people
became confirmed. Life was liturgical in I can not say a word in Portuguese.” A are less young people in the church; he re-
had to leave the country to reenter. Not
Ponta Delgada during Charles’ childhood few years later Fr. Thomas called the ar- members that when he was a priest there
having money to go to Portugal or Cana-
and religion was woven into the fabric of chbishop requesting another assignment was good attendance. Life in the Azores
da he chose to go to Tijuana to meet with
everyday life and measured in holy days, and eventually he was transferred to San and life in the United States is complete-
the American Consulate. He drove to San
baptisms, masses, and festas. Bruno in 1971. ly different and he is grateful that he went
Diego and rented a hotel which was three
dollar a night at that time. When he got to to St. Patrick Seminary to learn how the
Charles’ birthday was the last day of No- Fr. Macedo remained at Five Wounds from church operates in the United States be-
the border he showed his papers and was
vember and he entered Seminario Episco- 1963 to 1986. In 1981 San Jose became a cause without that information it would
told he couldn’t go in because he had to go
pal of the Diocese of Angra at the age of Diocese independent from San Francisco. have been difficult.
to the Department of Immigration. After
ten and remained there for eleven years In 1986 he became quite ill and required
much bureaucracy he finally became a na-
until the age of twenty-one. He was a de- open heart surgery. The Bishop of San During his time in Sao Miguel, some
turalized citizen in 1956.
dicated and disciplined pupil and his trai- Jose came to visit Fr. Macedo because he priests were home for three or four years
ning included two years of English, two knew of the surgery and Fr. Macedo was after being ordained waiting for a vacancy.
After a five-year residency at St Louis
years of Hebrew, two years of Greek, and asked to be relieved from his responsibili- Today, the situation is completely diffe-
Bertrand Fr. Macedo became Chaplain at
six years of Latin. ties and he was sent to St. Albert the Great rent because there is a shortage of priests.
Saint Mary’s Hospital in Tucson, Arizona.
While there he heard that the Chaplain of in Palo Alto, California to retire at the age With the shortage of priests lay people are
In 1944 he completed his seminary studies of sixty-one. practicing to run the church and the priest
Saint Joseph’s Hospital in Nogales, Ari-
but at the age of twenty-one he was too will only say mass in the future.
zona had died so he asked the Bishop if
young to have a parish and officiate becau- When Fr. Macedo left he had been plan-
he could be transferred to Saint Joseph’s
se to become a priest he had to have been ning to build a gymnasium at Five Wounds Life as a priest has been fruitful for Fr.
in Nogales. The transfer happened and Fr.
twenty-four. The Bishop of Angra, Guil- and he left $283,000 dollars for the gym- Macedo. He has been blessed in his pas-
Macedo became Chaplain and lived in the
lerme Augusto da Cunha Guimaraes, used nasium and $37,000 for the school fund to toral duties. He had the opportunity to
hospital. Since both the town and hospi-
to come to Sao Miguel to confirm and he pay summer school expenses. He wrote a travel throughout Europe and Asia and has
tal was small he was also put in charge of
knew that Charles lived in Ponta Delga- letter to the parishioners with the financial fond memories of his three trips to Rome.
the missions Tubac and Amado and was
da. The Bishop stayed at the College Sena information and it was also was put in the What he liked best about being a priest at
responsible for saying mass in the hospi-
Freitas with Fr. Jose Gomes while he was Church bulletin along with a note that Five Five Wounds were the people who were
tal and at the two missions. He remained,
there and he would go and talk with Char- Wounds was the best parish he had ever good to him and the community and ap-
on loan, Chaplain at Saint Joseph’s for
les asking him to assist him in the role of had and would miss the people because he preciated that he spoke both Portuguese
five years and then in 1963 he received a
secretary in the different parishes where was treated royally. and English.
letter from the Archbishop of San Fran-
he went to confirm. This was during the
cisco informing him that they needed a
summer when Charles was on vacation Among his many accomplishments are: 1) Currently, Fr. Macedo lives in a Diocese
Portuguese-speaking priest in the diocese
and he enjoyed visiting the different pari- he left the church solvent for the incoming of San Jose retirement center behind Saint
to take care of the Portuguese community
shes and assisting the Bishop. priest; 2) in 1971 he worked with Mr. Eleu- Joseph of Cupertino Parish in Cupertino,
in San Jose, California and to please make
arrangements for the move. At the time terio Borba in establishing a Portuguese California. He has had numerous surge-
At the time that Charles was close to fi- band in San Jose; 3) along with three other ries and has convalesced at the retirement
they had a priest who was of Portuguese
nishing his course it happened that Father priests set up the Catholic Association for home in Los Banos with the Sisters that
descent, Fr. Thomas, but he didn’t know a
Mario Cordeiro from San Jose, California Seminary Education (CASE) Foundation used to be at Five Wounds School when
word of Portuguese.
was in Sao Miguel on vacation. Charles to give scholarships to students who are he was the Pastor at Five Wounds Church.
spoke with Fr. Cordeiro and told him of studying to become priests. The scholar- He has a pace maker and macular degene-
Upon arriving at Five Wounds the young
his age situation and expressed an interest ships are for Azorean seminarians and ration so his time is occupied with doctor
Fr. Thomas, who had been at Five Woun-
in going to California. Fr. Cordeiro told Luso-American students in California se- appointments for his ongoing health along
ds for a few months, informed Fr. Macedo
him that he could arrange that and that he minaries; 4) introduced computer classes with daily mass and listening to KGO ra-
that he didn’t speak Portuguese although
would contact the office of the Archdio- at Five Wounds School. dio.
his father was from Flores and his mother
cese of San Francisco in San Francisco,
was from Sao Jorge.
California. The office of the archbishop Fr. Macedo has seen many changes in the
contacted Charles informing him to write church during his thirty-eight years as a
He told Fr. Macedo, “Charlie, I don’t speak
30 ENGLISH SECTION 15 de Outubro de 2009

California Chronicles
Concentration Camp
Ferreira Moreno
in Azores
I
n the first volume of As centration camp was established At the end of the war, the process
Boias de Correio no Mar at the Castelo de São João Baptis- of repatriation began. So, in De-
dos Açores, Portuguese for ta, a mighty 16th century fortress cember of 1919, “it was ordered
Postal Buoys on the Sea of located on Monte Brasil on the that all Germans detained at the
the Azores, (second edition, re- western side of the Bay and City Castelo could leave, once they
vised and updated, Ponta Delga- of Angra, Terceira Island. were ready to pay the expenses
da 2000), Manuel Vieira Gaspar According to Vieira Gaspar, the of transportation to the localities
wrote that “in order to respect the exact number of Germans detai- where they would like to esta-
centuries-old alliance with En- ned at the Castelo for the dura- blish residence.”
gland, Portugal was forced to en- tion of the war is not known. It is The majority left aboard the ship
ter into World War I, after acce- said to have been between five to Lothar Bohien, purposely sent
ding to the British government’s seven hundred, even though it is from Germany. At the wharf of
request, in February of 1916, alleged to be over a thousand. embarcation, a great crowd of
to apprehend all German ships From several accounts published Terceira’s socialites and peasants
found on Portuguese waters and in the local newspaper, A União, gathered to embrace and say goo-
harbors.’ we are informed that the Ger- dbye to the departing Germans.
It is estimated that 72 ships (Ger- mans were always treated with It is worth recalling that only nine
man as well as Austrian) were civility, equally by the military people died during those four ye-
confiscated. Some of them were authorities and by the local po- ars at the concentration camp.
added to the Portuguese fleet of pulation. Actually, the Germans Among several German citizens
military transports, others were were allowed not only to walk who decided to stay and live on
sunk for being defective, and 42 downtown to shop, but also were the island, the following deserve
were delivered to England. able to organize musical concerts mention:
Germany, which at the time con- and theatrical performances ei- Georg Carl Adolf Hans Walter be-
sidered Portugal to be a neutral ther at the Castelo or at Angra. came a merchant, professor of En-
country, demanded the imme- Some Germans passed the time glish at Angra High School and,
diate return of its ships. Portugal practicing various sports or enga- later, Vice Consul of Germany at
building the Castelo started in the Castelo was already under
disregarded the ultimatum, and ging in diverse literary activities, Angra. He married Celeste Au-
1591, whereas Manuel Luis Mal- construction in 1597, when the
Germany dispatched a declara- while others had music classes or rora de Barros Magalhães, had a
donado (1644-1711), in his Fenix British Earl of Essex unsuccess-
tion of war in March of 1916. gave piano and violin lessons. son and two daughters.
Angrense, wrote that it was in fully tried to attack Angra, where
Meanwhile, the crews and pas- They also founded an orchestra, a Augusto Paulus, another former
1601. Cordeiro and Maldonado Spanish Captain Juan Guterres
sengers of the captured ships, as choral group and a theater group. P.O.W., opened a delicatessen at
were priests and historians, both Guarivai had taken refuge and
well as the Austrian and German All detainees enjoyed a variety Pico da Uze, and achieved popu-
natives of Terceira Island. transferred a treasure of millions
citizens residing in Portugal, who of amenities, such as access to a larity as a chef for the social fes-
Further information culled from in gold to the safety of the for-
could not leave the Portuguese library, recreation room, infirma- tivities at the Lawn Tennis Club
another native historian, Fran- tress.
territory, were made prisoners ry, dentist ffice, barbershop, shoe at Angra. He married and raised
cisco Ferreira Drumond (1796-
of war and sent to newly created shop, bakery and fish market. For a family.
1858), in the first of his four vo-
concentration camps in Portugal, those whose pastimes were horti- In closing, António Cordeiro
lumes. Annals of Terceira Island,
Azores and Mozambique. culture and aviculture, there was (1641-1722), in his Historia In-
seems to corroborate the fact that
In the Azores islands, the con- plenty of land at their disposal. sulana, wrote that the work of

Nascimento
No dia 16 de Março de 2009,
nasceu Charles Michael Pren-
ger, com 8 libras, 8 onças e 21
polegadas de comprimento.
Actividades para os meses de
Seus pais são Alena e Joe Pren-
ger (neto de Leocádia Hernan-
Outubro e Novembro 2009
dez).
Charles é neto de Jeanette e Ke-
vin Prenger e bisneto dos nossos
assinantes e amigos de Kansas
City, Leocádia e Richard Her-
nandez.
Para quem tem boa memória
podemos dizer que o Joe Pren-
ger, quando era ainda muito jo-
vem, escreveu um artigo sobre
a avó Leocádia, onde contava
a história da vinda dela para a
America, na nossa edição de 1
de Outubro de 1996.
Parabéns a todos.

COMUNICADO
A Fundação Portuguesa de Educação para o Centro da California leva a efeito o seu
Banquete Anual no Salão Paroquial de Nossa Senhora da Assunção dos Portugueses o State Youth President Ashley da Silva, Supreme President Marie Kelly and Next
dia 20 de Novembro de 2009 com o seguite programa: Generation President Monique Vallance

18 horas – Hora Social (No-host Cocktails)


19 horas – Jantar
October 25 - Council #74 Los Banos in conjunction with
20 hors – Apresentação das Bosas de Estudo e Reconhecimentos Council #169 Dos Palos
22 horas – Sarau Dançante
1 hora – Encerramento
November 7 - Council #110 Visalia
Além da apresentação das bolsas de estudo, serão reconhecidos o estudande, empresá-
rio, professor e cidadão do ano 2009.
November 15 - Council #94 Tulare
O custo do bilhete é de $35.00 por pessoa e os mesmos encontram-se à venda com to-
dos os membros desta Fundação. Reservas poderão ser feitas até ao dia 6 de Novem- November 21 - Council 8 Pleasanton
bro de 2009. Para mais informações poderão ligar para Sergio Pereira (209) 564 6863
ou John Dias (209) 668-9468.
November 22 - Council #21 Selma
Não haverá venda de bilhetes à porta.
VIAGEM 31

Pico, a Ilha Montanha

São Roque ainda mantém muitas características do Pico de antigamente

Esq - Igreja de São Mateus onde se realiza a grande festa ao Senhor Bom Jesus.
Direita e embaixo: a renovada e linda Igreja da Madalena. Só para ver o seu altar e os seus painéis vale mesmo a pena visitar o Pico

A viagem foi rápida de mais porque o mau


tempo inesperadamente caíu sobre a Ilha
Montanha, o que nos obrigou a reduzir a
nossa estadia. Mesmo assim demos a vol-
ta à Ilha e nas Lajes assistimos a um dilú-
vio, tal era a quantidade de chuva que caíu
naquele lado da ilha. Pudemos apreciar as
belezas de algumas das suas Igrejas agora
restauradas em todo o seu esplendor. A da
Madalena é monumento nacional e a de São
Mateus tem uma beleza singela diferente da
generalidade de muitas Igrejas açorianas.
Só mesmo para ver as Igrejas vale a pena
uma visita a esta Ilha, chamada de futuro
desde há mais de um século, mas devido à
sua pouca população nunca poderá crescer
ao ritmo que todos desejavam.
Sempre pensámos que o Pico seria a ilha
ideal para ter a Universidade dos Açores, se
pensássemos na necessidade do crescimen-
to harmónico de todas as ilhas. Infelizmen-
te são os políticos que definem estas coisas
e foi o que se viu. Ponta Delgada tendo uma
Universidade ou não a tendo, seria sempre
uma grande cidade, ao passo que o Pico
com ela seria uma outra Ilha. Convencer
os “senhores doutores” a viver no Pico não
seria fácil. O bem-estar de alguns não se
compadece com o desenvolvimento da ilha.
Uma decisão dessas só poderia ter vindo de
alguém com força política necessária, o que
em 1976 durante o PREC não havia.
O Pico precisa mesmo de crescer em po-
pulação. Que venham ucranianos, russos,
eslovacos, portugueses, até chineses, se
for preciso, para que o Pico seja mesmo a
Ilha do Futuro, porque condições é quantas
queira e estão à vista de todos.
32 ÚLTIMA PÁGINA 15 de Outubro de 2009