Вы находитесь на странице: 1из 18
ISSN 2179-1619 Economia Criativa e métodos para dar uma mão ao futuro Creative Economy and

ISSN 2179-1619

Economia Criativa e métodos para dar uma mão ao futuro Creative Economy and methods to give a little hand to the future

Lala Deheinzelin

Assessora em economia criativa e sustentabilidade pela Enthusiasmo Cultural

Resumo

A Economia Criativa, como aqui proposta, pode ser uma das principais estratégias para o

desenvolvimento sustentável, desde que mudemos nosso modelo mental, adotando uma perspectiva de futuro. Neste ensaio, compartilhamos alguns conceitos básicos e metodologias desenvolvidas em nosso trabalho, que se diferencia primeiro por considerar economia criativa como toda aquela que tem nos intangíveis sua matéria-prima e depois por fazer seu cruzamento

com sustentabilidade e visão de futuro. Os métodos originam-se de práticas realizadas pela autora em âmbitos tão distintos quanto o desenvolvimento local e a cooperação internacional e o trabalho com instituições de fomento ou governamentais como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, Federações das Indústrias ou a cooperação internacional. Uma vez que o tema

já é complexo, as metodologias são muito simples e apoiam-se em analogias. Neste sentido,

conhecer, gerir e medir o valor dos intangíveis são aspectos fundamentais não apenas para a economia criativa como também para uma necessária mudança na própria economia. O documento também fez emergir os principais desafios no presente para a compreensão total do tema. Por fim, são apresentadas as premissas que norteiam escolhas no presente na construção de futuros desejáveis.

Palavras- chave: Economia Criativa. Intangíveis. Sustentabilidade. Desenvolvimento. Futuro.

Novas Tecnologias.

Abstract

Creative Economy, as proposed here, can be one of the main strategies for sustainable development provided that we change our mindsets, adopting a perspective of the future. In this article, we share some basic concepts and methodologies developed in our work, which is singular first because it views the creative economy as that whose “raw materials” are the intangibles assets and second because of its link with sustainability and a vision for the future. The methods stem from practices conducted by the author in areas as diverse as local development and international cooperation, moreover working with governments In Brazil and abroad and development institutions such as BNDES - (National Bank for Social and Economic Development), federations of industries and international cooperation. Although the topic is quite complex, the methods are very simple and rely on analogies. In this sense, it is crucial to understand, manage and measure the value of intangibles, not only for creative economy but also for a necessary change in the economy itself. The paper also stresses the main challenges for the better

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

343

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

understanding of the subject. Finally, we present the assumptions that may guide the choices of the present regarding the designing of desirable futures.

Keywords: Creative economy. Intangible assets. Sustainability. Development. Future. New

technologies.

1 Sobre definições

Uma

economia baseada em recursos intangíveis

Confessando a princípio que nunca chegaremos a uma definição fechada e estaremos sempre numa “versão Beta”, em processo, gostaria inicialmente de compartilhar minhas reflexões sobre o próprio conceito do que é Economia Criativa. Penso que ela inclui a

Economia da Cultura, com os setores predominantemente ligados às artes e à cultura popular (artes cênicas, música, artes visuais, artesanato, etc). Inclui a Indústria Criativa, com os setores ligados à indústria de conteúdo (TV, cinema, editorial, novas mídia etc) e aos serviços criativos (design, moda, arquitetura etc). Mas a prática de trabalho com o tema acaba levando à percepção de que estamos falando de algo maior que isso e hoje , quando discuto sobre Economia Criativa, acredito que estamos nos referindo ao conjunto

de atividades que tem como valor ou matéria-prima os recursos intangíveis que, além de

cultura, conhecimento e criatividade, englobam os ativos intangíveis, a experiência, a diversidade cultural. Tudo aquilo que qualifica e diferencia pessoas, empreendimentos, comunidades.

A progressiva centralidade do intangível é talvez o ponto central desta época que

estamos vivendo e um contraponto à economia tradicional baseada em recursos naturais, tangíveis. Estes intangíveis podem ser a diversidade cultural de uma comunidade; o design de uma indústria; os atributos de marca de uma empresa; as tecnologias socioculturais de uma ONG. O que há de comum é que o valor é gerado a partir de recursos intangíveis, razão pela qual a Economia Criativa é tão estratégica para o futuro. Enquanto os recursos naturais, tangíveis, são escassos e consumidos com o uso, os recursos intangíveis são abundantes, renovam-se, multiplicam-se com o uso, sendo, portanto, uma chave importante para a sustentabilidade. Afinal, é bastante lógico que aquilo que é abundante e não se consome, mas se multiplica com o uso, seja convertido em prioridade estratégica para empresas e governos.

1.1 A farinha é o bolo? A pérola é o colar?

Que mais poderia explicar a Economia Criativa? Tenho usado metáforas por ser uma maneira simples de falar deste tema que é muito novo, portanto desconhecido e complexo. A primeira delas é gastronômica: os elementos que têm potencial para gerar economia criativa - um design inovador, um produto cultural, uma comunidade com potencial turístico ou um atributo de marca único - seriam a farinha, o ponto de partida. Mas a farinha não é o bolo: necessitamos de outros ingredientes - como gestão e financiamento; divulgação; capacitação etc. - razão pela qual a Economia Criativa é um processo transdisciplinar e multissetorial, que não pode ser abarcado por uma única área, ministério, instituição ou carreira universitária. E, mesmo quando temos todos os

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

344

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

ingredientes, eles ainda não são o bolo: falta a receita e faltam as pessoas

instrumentos para realizá-la. Isso parece tão óbvio, mas não é. Grande parte dos

processos é feita como se a farinha já fosse o bolo, ou, usando outra metáfora, como se

a pérola fosse o colar.

e

A metáfora do colar ressalta uma característica fundamental da Economia Criativa: por

), são

necessários elos para encadeá-los e formar o colar. Estes elos são, primeiramente, profissionais que possam atuar como conectores entre as várias partes envolvidas. Estes profissionais, de perfil transdisciplinar, não existem ainda e deveriam ser formados:

agentes locais de nível técnico; intermediários que possam mediar negociações; consultores capazes de lidar com as várias áreas ligadas à economia criativa (economia, comércio, cultura, relações internacionais, novas tecnologias). Depois, necessitamos do envolvimento de instituições que tenham perfil de conectores e atuem como ativadores de seus entornos. A rede composta pelo Sistema S (SENAI, SESI, SESC, SEBRAE) tem

esse perfil, os organismos multilaterais também, pois conectam o setor público, o privado

e a sociedade civil. Finalmente, para que nossas pérolas e gemas se transformem em

colar, necessitamos instrumentos de trabalho ou instâncias de governança que possam atuar como elos conectores, juntando tudo isso. Aqui entra a grande diversidade de ferramentas digitais, onde a construção colaborativa de conhecimento cria a convergência de informações - exemplos recentes são os muitos sites para financiamento colaborativo (crowdsourcing). Além disso, a falta de instâncias de governança para a

economia criativa é um dos nossos maiores gargalos, e muito tempo, conhecimento e recursos são perdidos pela falta de órgãos que integrem e criem interfaces entre as várias áreas ligadas à economia criativa. O sucesso da atuação em economia criativa do Reino Unido, China ou Barcelona está bastante vinculado ao fato de criarem as instituições que vão atuar como gestores e ativadores do processo.

ser um processo multissetorial (os parceiros são as outras gemas de nossa jóia

2. Alguns métodos e suas analogias

2. 1 Primeiro passo: um hardware funciona sem software?

Os temas a seguir fazem parte de alguns dos métodos que utilizamos para trabalhar a identificação de oportunidades de futuro que a economia criativa oferece para diversos setores. O primeiro serve como uma espécie de diagnóstico: entender qual é a parte hardware e qual a parte software em cada instituição ou processo. Isso ajuda a identificar desequilíbrios que devem ser sanados, potências não percebidas e oportunidades que delas podem surgir.

Algumas razões pelas quais isso é importante: consideramos como inovação as tecnologias de fazer coisas, produtos (na China usam o termo hard technologies) mas não as soft technologies, tecnologias de processos, aprendizado, gestão, criatividade; a maioria das políticas de fomento é para fazer hardwares: fomentamos a produção de audiovisuais e estes produtos (o hardware) não tem um processo (o software) que faça

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

345

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

com que circulem (distribuição) e se saiba de sua existência (divulgação) para que finalmente possam ser assistidos – o gargalo da circulação e visibilidade é uma questão para todos os setores da economia criativa. Para os grandes eventos esportivos a ênfase está em construir estádios, hotéis, estradas (hardware) mas onde estão os softwares (gestão, educação, conteúdo) para que estes funcionem? Infelizmente há desequilíbrio

entre investir em muitas estruturas e não oferecer processo de gestão e autossuficiência,

o que é recorrente em nossas políticas.

2.2 Negócios software ou mesh

Pensar em termos de hardware e software já nos mostra algumas oportunidades que surgem a partir da economia criativa, ou seja, do foco nos intangíveis. Cada vez mais os

produtos e serviços serão semelhantes, e aquilo que vai distingui-los é intangível. Indústrias, por exemplo, terão valor, diferencial e longevidade a partir de seus softwares:

design, reputação, atributos da marca, relacionamento com clientes e comunidade e outros ativos intangíveis. Isso significa, por exemplo, que poderão ser mais sustentáveis e ter melhores resultados através do compartilhamento da parte hardware: espaço, equipamentos, insumos. Esse mesmo raciocínio gera um novo tipo de negócios, que por serem colaborativos também serão chave para futuros sustentáveis, os negócios “Mesh” (GANSKY, 2010) - que significa “trama”. São negócios que criam “tramas” unindo potenciais pré-existentes, ou, usando nossa metáfora acima, aproveitam os hardwares existentes (como equipamentos, casas ou carros que podem ser compartilhados durante períodos) e criam processos (os softwares) que permitem este compartilhamento ou encontram uma nova função para os produtos pré-existentes. O interessante deste conceito é a percepção de que na verdade necessitamos a função (transportar-se) e não

a forma (o carro), ou, dito de outra maneira, que podemos passar do “ter” ao “usar”.

Em suma, percebo (1) que trabalhar com Economia Criativa é o processo que vai fazer com que potenciais (nossa farinha ou pérola, os patrimônios intangíveis) possam se converter em algo (o bolo, ou colar) que possa ser distribuído, desfrutado e gerar renda e qualidade de vida e (2) que a primeira premissa é a necessidade de profissionais, instrumentos e instituições que vão atuar como conectores, criando a ação convergente e integrada em nosso processo e (3) verificar se temos o hardware (a parte tangível, estrutural, que dá suporte) e o software (a parte intangível, o processo que vai fazer com que essa estrutura funcione) e quais as oportunidades que surgem a partir da identificação dos hardwares disponíveis para os quais podemos criar negócios mesh, outros softwares para otimizar seu uso, nesta lógica do “ ter” ao “usar”.

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

346

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

2.3 Santo de Casa faz Milagres

Considerar os potenciais pré-existentes é outro dos caminhos importantes no trabalho com Economia Criativa. Infelizmente fomos treinados a enxergar as carências, ver o que

falta, e não o que temos, quais as potências disponíveis. Em nosso trabalho muitas vezes chegamos a uma comunidade ou instituição e perguntamos: “O que existe de especial

aqui?” e a resposta é: “nada

Aí começa o exercício de identificar potências, de ver

quais os ingredientes que poderão compor nosso colar ou a receita única que vai distinguir e qualificar.

”.

É por isso que estamos desenvolvendo um método, muito simples, que faz uma releitura do trágico ditado brasileiro - “O santo de casa não faz milagres”, transformando-o em “Santo de Casa faz Milagres”. Identificamos as potências (os Santos de Casa); as alianças e parceiros (quem faz) e os futuros desejáveis compartilhados (os Milagres). A partir daí podemos traçar caminhos de ação. Para os Santos de Casa (as potências, os ingredientes do bolo e gemas do colar), trabalhamos com um conceito multidimensional de riqueza: patrimônios nas quatro dimensões da sustentabilidade (econômico, social, ambiental e cultural) como detalharemos mais adiante.

Dois efeitos colaterais importantes dessa metodologia: (1) Se considerarmos que há várias formas de capital (social, ambiental, cultural, financeiro), o capital social - a capacidade de ação convergente e integrada - é o catalisador para os demais capitais. Mas, para que alguém se disponha a agir de forma integrada com outro é necessário confiar nesse outro. E isso não é possível quando não temos noção do próprio valor e capacidades. Assim, ao identificar as potências, os Santos de Casa, evidenciamos o valor daquilo que está em questão e criamos as bases para confiança e construção de capital social. (2) A parte dos Milagres, da visão de futuro desejável compartilhada, traz outro resultado muito interessante: na maioria das vezes percebemos que todas desejamos um futuro semelhante e isto cria um senso de pertencimento e um consenso que facilita todos os processos que possam conduzir ao futuro desejável, por exemplo a elaboração de critérios – já que todos estarão de acordo que o eixo que vai orientá-los é o fato de atenderem ou não à visão de futuro criada coletivamente.

2.4 Sete fases da economia criativa.

Farinha, bolo, receita, software, santos de casa, milagres. O uso de metáforas propõe de maneira simples como tratar estes temas complexos da economia criativa, para que possam também ser adequados à aplicação para públicos, contextos e escalas muito distintos, como é o caso de nosso trabalho. E outra metáfora que tem se revelado muito prática é estruturar os processos ligados à economia criativa a partir de sete fases ligadas ao cultivo. Esse paralelo se originou de anos tentando entender o que seria uma “cadeia produtiva da economia criativa”. Acabei por concluir que a imagem linear da

mas

cadeia produtiva se aplica bem ao que é tangível (o algodão que vira camiseta

não aos negócios baseados em intangíveis, porque estes são multidimensionais. Também

),

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

347

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

ficava evidente que existem etapas antes e depois do momento em que o produto está pronto, em que se colhem resultados, e que estas etapas muitas vezes não são consideradas e fortalecidas. Já que aquilo que desejamos é que nossos empreendimentos deem frutos, a maçã pode ser uma boa metáfora para nosso paralelo

2.4.1 As sementes: o potencial que vai dar origem ao nosso empreendimento

O que são as sementes? A ideia ou o potencial pré-existente que vai frutificar ao longo

do nosso processo de Economia Criativa. Sementes podem ser a educação para o empreendedorismo e a criatividade, algo que deveria estar presente tanto na educação básica quanto na educação continuada, já que há necessidade contínua de reconhecer talentos. Ou “sementários”: o tempo e o espaço adequados para que as ideias floresçam,

que podem ser estruturados, como incubadoras, ou casuais como o tempo de lazer e

contemplação, o ócio criativo. Sementes são a matriz a partir da qual algo será gerado, como uma ideia inovadora, um plano diretor, um planejamento estratégico. Ou mesmo o sonho, o futuro desejável que possa fertilizar o imaginário e alimentar o futuro.

que

Sementes são as potências, atributos e diferenciais (os tais santos de casa

existem em cada pessoa, instituição, comunidade, país e necessitam contextos e métodos para serem identificados e terem seu valor reconhecido. Um ponto importante:

muitas vezes pensamos que “penso, logo existo!”, que a boa ideia é tudo. Mas a semente não é a torta de maçã, da mesma maneira que a criatividade não é inovação: inovação existirá ao final do processo.

)

O pensamento prospectivo, pensar o futuro, é chave para alimentar a “inovação da

inovação” e pensando nisso criamos o movimento Crie Futuros que parte da percepção de que a inovação de fato só é possível quando nos desligamos do campo do possível e plausível e ousamos entrar no campo do desejável, da imaginação e do sonho. O plausível está sempre baseado em projeções a partir do presente, e este é reflexo de pensamentos do passado. Para criar futuros inovadores é preciso muitas vezes romper com o presente. Exemplo: futuros plausíveis seriam carros elétricos ou menores – mantém o modelo, não há ruptura. Mas o que queremos, a forma (carro) ou a função (transporte)? Pensando assim podemos romper modelos e pensar que em vez de construir calçadas + ruas + carros (ufa!) podemos simplesmente fazer calçadas que andam, o que aliás já está numa imagem de futuro de 1929.

A visão de futuro é importante, pois a semente mais poderosa é o Propósito – a função, o “porquê” e “para quê” daquilo que vamos desenvolver. O propósito é o elemento agregador que vai imantar todas as outras ações. Propósito que faz sentido, que está no imaginário do coletivo e que, preferentemente, colabora para o bem-estar da maioria é garantia de maior engajamento de todos e, portanto, de maior êxito no processo.

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

348

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

2.4.2 Preparar terreno: criando o ambiente favorável.

Esta é uma fase essencial e, muitas vezes, subestimada. Nesta fase se inclui toda a advocacy, tornar pública e defender a ideia, alimentar a mudança de mentalidade em relação ao tema. Podemos ter a semente mais fabulosa do mundo, mas se o terreno não estiver preparado ela vai morrer, nossa macieira não brotará. A advocacy pode ser feita para grupos estratégicos (como temos feito nos últimos anos em relação à importância da economia criativa para o desenvolvimento sustentável) ou através de mídia e instrumentos de comunicação. Essa é uma etapa fundamental e que pode ser feita enquanto ainda não há estrutura operacional ou recursos para atuação direta com o tema ou ideia que queremos trabalhar.

Aqui se incluem também os instrumentos legais que criam as condições para que nossa ideia floresça: políticas de fomento e subsídio; políticas tributárias; arcabouço jurídico e operacional adequados. Nos últimos anos temos verificado uma crescente necessidade de revisão de normas e procedimentos: os eixos prioritários de trabalho mudaram, a velocidade com que temos que realizar coisas aumentou e as normas e procedimentos de empresas e instituições estão obsoletas. As normas de contratação e prestação de contas merecem revisão, sobretudo em órgãos que operam com dinheiro público, por exemplo, ao tratar de maneira similar a contratação de uma empreiteira ou de um consultor. O resultado da extrema burocracia e dificuldade de processos é que muitos desses órgãos (talvez a maioria) não conseguem gastar todo seu orçamento anual e vemos técnicos de alto nível que gastam mais tempo tentando encontrar as maneiras de contratar o que necessitam do que em seu trabalho técnico.

Preparar terreno é também identificar os parceiros e alianças necessários para que as outras fases do processo possam acontecer. Cada vez fica mais evidente que o modelo de competição está sendo substituído por um modelo de cooperação, ou até desta nova palavra híbrida: “coopetição”- ganhar competitividade através da cooperação. O único recurso que de fato não é renovável é o tempo e a melhor maneira de ganhar tempo é através da colaboração, da soma dos recursos e conhecimentos de cada um, do uso compartilhado de equipamentos e espaços. Quando não há colaboração, tempo, energia e recursos se escoam no constante “reinventar a roda”: muitas vezes estamos ao lado de alguém que já tem a solução para nosso problema, mas – se estamos isolados - nunca saberemos que a “roda” que necessitamos está logo ali

2.4.3 Manejo: os cuidados até ter o produto

Na seção 2.3.2 identificamos os parceiros, as alianças cuja combinação de recursos, estruturas e conhecimento (ou seja, de hardwares e softwares) vai alimentar nossa macieira até que ela dê frutos. Mas para alcançar a sinergia e ação concertada entre os parceiros são necessárias os “elos da cadeia” citados anteriormente, os profissionais, instrumentos, instituições e instâncias de governança que serão os conectores e ativadores de nosso processo para que ele de fato possa ser multissetorial.

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

349

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

Instâncias de governança são fundamentais, sobretudo porque um dos maiores desafios

da etapa de manejo é a continuidade: soluções para o desenvolvimento sustentável são sistêmicas e de médio/longo prazo. Nem mesmo uma macieira dá fruto em quatro

anos

Não é possível ter políticas – públicas ou privadas – que mudem quando muda a

gestão. Esse, aliás, é um dos maiores desperdícios do país e segundo Abrantes (2008),

desperdiçamos 150% do nosso PIB.

Outros elementos necessários aqui são novas formas de financiamento necessárias para fomentar a economia criativa. Primeiro, que possam ter garantias diferentes das

tradicionais - algumas máquinas velhas podem ser garantia para uma editora, mas ter o

Paulo Coelho como autor, não

colar exista esta pedra mais do que preciosa que é o investidor, o profissional de negócios ou empresa que tem capital, enfrenta riscos e conhece gestão (pois não cabe aos criativos ter também as competências de negócios). Finalmente na capilarização do acesso ao crédito: a economia criativa é uma economia de nicho, economia da diversidade: de muitos e diversos empreendedores para muitos e diversos nichos de consumidores. Essa, aliás, é uma das razões pelas quais é tão estratégica, já que as pequenas e médias empresas são as maiores responsáveis por geração de emprego.

Depois, na necessidade de que em nossa receita ou

2.4.4 A colheita: os resultados

A fase anterior e esta são normalmente aquelas às quais estão dirigidas a maior parte das políticas: são as fases de produção. Mas, como estamos percebendo, as etapas que vêm antes e depois da produção - e a viabilizam e tornam rentáveis - seguem invisíveis ou em segundo plano. Na colheita temos o resultado, as maçãs estão maduras.

Um elemento chave aqui é o timing: perdeu o momento, maçãs estragadas; demorou para pegar a onda, ela passou - daí a enorme importância de mecanismos ágeis, especialmente no que se refere à inovação e ainda mais se estamos falando de atividades ligadas às novas tecnologias, sempre em extraordinária velocidade de mudança.

Como aproveitar a hora certa? Mais uma vez a questão da colaboração – ninguém consegue colher um pomar de maçãs sozinho. Já existem muitas formas criativas de empreender, de arranjos produtivos a coletivos informais e organizados em rede. Um dos modelos mais fascinantes e completos que conheço é o Circuito Fora do Eixo 1 , formado por centenas de jovens organizados em mais de setenta coletivos que inova na forma de gestão, no uso de dupla moeda complementar (moeda social + moeda “tempo”), na linguagem. Eles nos dão uma pista importante: para ter uma boa colheita é bom juntar as diferenças: gerações diferentes, conhecimento formal e informal, presencial e virtual, criatividade e participação cidadã.

1 http://foradoeixo.org.br

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

350

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

O que queremos colher, qual o tamanho e as consequências de nossos resultados são também questões cruciais e que fazem mais uma ponte com o tema da sustentabilidade:

pois esta vai implicar uma revisão do conceito de “crescimento”, já que o planeta não cresce e, portanto, tampouco nós e nosso consumo podemos crescer indefinidamente. Como tampouco queremos a estagnação ou o retrocesso. A palavra de nosso desenvolvimento sustentável talvez não seja “crescimento”, mas sim aprimoramento ou evolução.

Colher nossas maçãs é uma solução e um problema: elas são iguais – da mesma maneira que os produtos e serviços serão cada vez mais iguais, em tempos de globalização. Isso leva para a fase seguinte: temos que usar a diversidade e os atributos intangíveis para diferenciar nossas maçãs e otimizar seu uso.

2.4.5 Processamento – diferenciando, agregando valor

Essa fase é aquela em que os ativos intangíveis (FINGERL, 2004) têm ainda mais importância, pois qualificam e diferenciam as maçãs : frutas selecionadas, geleia orgânica e sem açúcar, torta da padaria, torta de luxo, etc. Marca, marketing, reputação, design, relacionamento são alguns dos elementos que vão agregar valor à nossa ideia, tema ou empreendimento.

Esse valor se constrói apoiado na diversidade cultural, que é uma espécie de galinha de ovos de ouro, pois é dela que podem derivar a qualidade e multiplicidade de experiências que podemos oferecer com nossas maçãs, ideias e projetos. E cada experiência diversa conduz a uma possibilidade de nicho de negócios. O século XX foi o século da homogeneização, da produção em escala, da uniformidade. O século XXI marca a percepção da importância da diversidade, não apenas da biológica, mas da diversidade cultural - esse tema ainda pouco compreendido. Valorizar a diversidade cultural é muito mais do que um gesto simpático com culturas exóticas, é evitar fazer canja com preciosa galinha de ovos de ouro

Para garantir a diversidade de experiências e de nichos necessitamos design, muito design e num conceito mais amplo: design de produtos e processos e, principalmente, design de ideias. Bruce Mau (2004) considera que designers são todos aqueles que estão desenhando e planejando nossa relação com o entorno, e gosto particularmente de uma frase sua que diz: “Não se trata do mundo do design, mas do design do mundo [

2.4.6 Distribuição e visibilidade: tornando acessível

Essa fase é o problema crônico de todos os setores da Economia Criativa. Isso fica claro quando verificamos que detém o poder e o mercado quem detém a distribuição: os EUA não são os maiores produtores de audiovisual do mundo, mas como dominam os mecanismos de distribuição e visibilidade, seus filmes dominam o mercado. Produzir e não ter como circular e tornar acessível é o caso clássico de hardware sem software (não

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

351

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

e infelizmente a maioria de nós - governo, empresas, empreendedores

criativos - ainda dedicamos a maior parte de nosso tempo, recursos e energia para

funciona

)

produzir e não para circular. E o curioso é que, se tivéssemos mecanismos de distribuição

e visibilidade, viabilizar a produção já seria quase uma consequência.

A falta de circulação e visibilidade cria uma falsa impressão de escassez e isso vale tanto

para questões básicas – há alimento, dinheiro, energia e água suficientes, o que não há é uma distribuição – quanto para os vários produtos da economia criativa. A ideia da falta, da escassez leva de novo a enfatizar a produção em detrimento da distribuição, e eis-nos presos num círculo vicioso. Criar círculos virtuosos pode ser possível, se otimizarmos o uso do que já existe, criando circuitos e unindo os pontos e nos dedicarmos mais a torná- los visíveis e acessíveis. Aqui, novamente, o exemplo dos negócios Mesh, citados na

Seção 2.2, traz uma chave.

Distribuição pressupõe capilaridade e para que essa capilaridade seja alcançada um bom caminho é criar alianças. Exemplo: um grande banco como o BNDES não tem como atender à diversidade de pequenos empreendedores locais que fazem a riqueza da economia criativa. Mas podem se associar a instituições, como o SEBRAE ou bancos comerciais, que tenham a capilaridade necessária.

Quanto a tornar visível, as ferramentas são muitas: os já conhecidos elementos da mídia

e as infinitas formas de comunicação, mais diretas e seletivas, que as novas tecnologias

permitem. Mas de toda maneira, aqui entra em cena aquilo que será talvez O atributo do futuro, quem sabe até convertido em moeda: a Reputação. Dela depende a capacidade de atrair; a afinidade com públicos; a confiança e credibilidade que garantem longevidade. Reputação é a única coisa que não pode ser copiada e é o que pode garantir que, num mar de opções similares, você ou seu negócio sejam visíveis, desejados e escolhidos. Ainda mais em um momento em que o público sabe o que quer e o que não quer, é cada vez menos consumidor, passivo, e mais prosumer (produtor + consumidor), ativo.

2.4.7 Sistematização e indicadores: aprender com a experiência

Essa fase tanto marca o fim de um ciclo quanto o início de outro, pois dela dependem a replicabilidade e o aprimoramento dos processos. Aqui nos ocupamos da gestão do conhecimento produzido nas etapas anteriores, esse patrimônio importantíssimo e não tão valorizado quanto deveria. Empresas começam a se dar conta que reduzir custos, trocando seus colaboradores de muito tempo e experiência por aqueles mais jovens, pode ser uma “des–economia” – o conhecimento e confiança perdidos custam mais que o dinheiro “economizado”. Uma experiência não sistematizada é um grande desperdício e o terceiro setor – com sua necessidade de fazer o máximo com o mínimo – tem nos mostrado o quanto isso é importante.

Os indicadores, relatórios e quadros lógicos de resultados são importantes para avaliar, monitorar e reorientar nossas atividades. Se nosso objetivo é a melhoria contínua, a

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

352

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

evolução vai depender de constante adaptação em função do que mostram nossa sistematização e indicadores.

Nesta fase estão também as novas métricas, os indicadores e formas de avaliar resultado, que provavelmente vão mudar muito nos próximos anos, passando a incluir outros tipos de capitais. Quanto mais volátil e inseguro o capital financeiro com suas bolhas, tanto maior a ênfase nos capitais das outras dimensões: social, ambiental e cultural, por sua solidez e lastro. Podemos mesmo acreditar que seguiremos tendo frutos deixando de lado os indicadores que qualificam e seguir medindo intangíveis com a métrica linear e unidimensional da quantidade?

a

sustentabilidade

Uma das razões pelas quais a Economia Criativa é estratégica para o desenvolvimento sustentável e pode representar uma Economia da Abundância (e não da Escassez como aquela baseada principalmente em recursos naturais, finitos) é o fato de que ela talvez envolva não apenas um infinito (os recursos intangíveis), mas três!

3.

Três

infinitos:

por

que

a

Economia

Criativa

é

solução

para

Um infinito potencializando o outro

como dissemos não apenas não se esgotam como se renovam e multiplicam com o uso. Só este fato já deveria fazer com que a economia criativa fosse prioridade estratégica - num momento em que o grande impasse é como seguir com ampliação de qualidade de vida e geração de renda se o planeta é um só. Mas, se os átomos da Terra são finitos, os bits das novas tecnologias são nosso segundo infinito. Com eles podemos criar muitos mundos virtuais e infinitas formas de potencializar, conectar, recriar e interagir. E isso gera nosso terceiro infinito: as infinitas formas com as quais a sociedade em rede se organiza, produz, reinventa e todas as possibilidade de novas maneiras de produzir e fazer negócios que derivam destas associações.

O primeiro é esse dos recursos intangíveis, que

O fascinante desta época é que cada um destes “infinitos” ativa o outro, permite que ele

se potencialize, deixe de ser potencial e converta-se em realidade. O infinito 1, dos recursos intangíveis (cultura, conhecimento, criatividade, experiências) sempre existiu, claro. Mas as novas tecnologias do infinito 2 criaram as associações com outras áreas e parceiros que permitem que o potencial se concretize e fizeram com que se tornassem

mais visíveis e acessíveis, “tangibilizando os intangíveis”. A combinação dos dois infinitos gera o terceiro, aquele das novas formas de organizar pessoas, relações, negócios, enfim

a tal “sociedade em rede”. Mas, para que estes infinitos se combinem, necessitamos

daqueles elos do colar, os “ativadores” que vão atuar como “modems” ou catalisadores, integrando setores e linguagens, gerando a convergência necessária para uma ação sistêmica. Se tivermos a coragem de deixar para trás muitos dos modelos (conhecidos e confortáveis, apesar de equivocados) do século XX, e fizermos as escolhas certas, esse “trio de infinitos” pode trazer a possibilidade de criar o outro mundo sustentável e justo que desejamos (e é possível

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

353

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

4. Uma mão para o futuro

Para que isso acontecesse, quais seriam algumas premissas, pontos de partida na elaboração de políticas, processos e produtos? A seguir, aprofundaremos alguns dos tópicos descritos anteriormente e, como o logotipo do nosso movimento Crie Futuros é uma mão, listaremos cinco premissas, ou “dedos” de uma mão que empurra o futuro

4.1 Um ecossistema socioambiental

É importante perceber que vivemos em um ecossistema composto de partes interdependentes. Esta interdependência se dá entre o ambiente, o hardware, que depende da biodiversidade, e a sociedade, o software que depende da diversidade cultural. Inclusive, é provável que neste século vejamos surgir uma nova disciplina (ecologia sociocultural?) que irá trabalhar de forma integrada e sistêmica todas as demais que se relacionem com o humano - assim como no século XX a ecologia ambiental avançou como uma maneira de integrar as disciplinas que lidavam com a natureza.

As duas diversidades – Biológica e Cultural – são patrimônios igualmente importantes e delas dependem as duas formas de lidar com a economia cuja importância já enfatizamos - a Economia da Experiência e a Economia de Nicho. Sobre Economia da Experiência: nossa história teve fases em que o motor da economia estava em matérias- primas, depois produtos, serviços e hoje setores que crescem seis vezes mais que outros, como turismo ou entretenimento, e têm a experiência como eixo de negócio – não há consumo ou posse de algo, mas sim o uso, o desfrute. Isso muda tudo e traz inúmeras oportunidades de sustentabilidade, lembrando que o que diferencia são os elementos intangíveis: o tipo de experiência que oferece e seus atributos e valores .

Se até o século XX o modelo desejado foi o da Economia de Escala com sua centralização e homogeneização (poucos, produzindo muito, para muitos) agora vemos que a solução sustentável está mais no modelo descentralizado, diversificado, a economia de nicho

(muitos, produzindo um pouco, para muitos). Não mais a fábrica fazendo mil bolos iguais e concentrando poder a quem distribui, mas a padaria da comunidade assando cem, a confeitaria de luxo produzindo cem, minha tia fazendo mais cem e distribuindo de bicicleta, os meninos da confeitaria vegan fornecendo mais cem, e por aí adiante. Nesta passagem da “massa” para o “diverso”, a sociedade em rede traz mudanças estruturais

tão grandes que ainda nem podemos imaginar o alcance

traz desenvolvimento, teremos o território com seu mix peculiar e próprio. Em vez de ter “O resort” teremos multiplicidade de formas de hospedagem, até solidária. Até em relação a moedas, no futuro é provável que tenhamos várias moedas e não apenas uma por nação. Todas as novas “economias” – verde, criativa, de nicho, da experiência, da informação etc – têm na diversidade o seu eixo central , e já nos dão uma pista de que a economia vai passar por um profundo processo de transformação.

Em vez de ter “O setor” que

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

354

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

4.2 Duas coordenadas para se localizar, duas pernas para avançar

Para atuar neste ecossistema socioambiental, produtos e processos deveriam sempre considerar o tangível e o intangível; o hardware (o que dá suporte) e o software (o que faz com que o suporte funcione). Exemplo: Olimpíadas e Copa do Mundo. Quase tudo o que está sendo feito é hardware, estrutura – como os estádios ou estradas. Pouco está sendo feito de software: gestão, empreendedorismo. Aliás, fazendo o exercício de classificar as coisas como hardware/estrutura ou software/processo, podemos identificar desperdício e oportunidades. Uma das razões do avanço da China é o fato de que consideram as Soft Technologies (processo, gestão, aprendizado) tanto quanto as Hard Technologies (a tecnologia para fazer coisas). O Brasil tem muitas Soft Technologies ainda pouco reconhecidas como inovação e patrimônios; exemplos são nossa capacidade de adaptação e as tecnologias socioculturais desenvolvidas pelo terceiro setor.

Considerando que há sempre uma interdependência entre as coordenadas tangível e intangível, podemos buscar sempre o equivalente, a “tradução” de uma mesma ideia na outra coordenada. Exemplos: sustentável seria fazer uma gestão limpa e renovável tanto do patrimônio tangível (biodiversidade, recursos naturais) quanto do patrimônio intangível (diversidade cultural, recursos humanos e sociais). Quem emite muito carbono pode pagar um crédito para compensar a emissão. Será que não é o caso, quando se tem, por exemplo, um filme que está passando em 75% das salas de cinema da cidade, que seja pago um crédito à Diversidade Cultural? Damos muita atenção a não desperdiçar energia tangível, mas não consideramos o intangível: o “custo desconfiança”

é altíssimo, e ambiente e processos sem confiança resultam em enorme desperdício de tempo, dinheiro, conhecimento.

Quando caminhamos, uma perna nos apoia e a outra avança. Ao pensar produtos e processos sustentáveis a perna de apoio está no presente (os modelos e jeitos de fazer atuais, que já conhecemos e dominamos bem) e outra perna no futuro (ousar, experimentar, desenvolver novos modelos e maneiras de atuar). Basear-se apenas no presente como referência é andar para trás, já que o presente é a materialização das ideias e conceitos do passado - os prédios “futuristas” de hoje são a concretização dos sonhos de futuro dos anos 20 a 70. A perna que avança para o futuro considera como modelo a cooperação e não a competição; sabe que no futuro os limites entre linguagens

e setores serão cada vez mais fluídos e, portanto, não podemos atuar e pensar políticas e projetos só a partir de setores, como acontece nos modelos tradicionais de Indústria Criativa.

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

355

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

4.3 Três fases do tempo: passado, presente e futuro

Algo que a economia tradicional tem deixado de considerar, como aponta Veiga (2010), é que qualquer produto ou processo sempre existe a partir de um legado recebido do passado - e isso vale tanto para patrimônios e recursos naturais (como petróleo ou água) quanto para os intangíveis (como os saberes e fazeres). Assim como todo processo ou produto deixa um legado para o futuro, seja ele positivo ou negativo, tangível (como resíduos sólidos) ou intangível (como conhecimento a ser sistematizado). Que escolha faremos no presente para equilibrar o uso do legado recebido do passado e o legado deixado para o futuro? O que tem acontecido é que nossa visão tem sido imediatista, de curto prazo, com foco apenas no presente.

Pensar nas três fases do tempo não apenas é parte intrínseca da sustentabilidade como conduz a modelos de atuação em economia criativa. Nossa metodologia “Santo de Casa faz Milagres” considera (1) o legado do passado (os patrimônios ou Santos de Casa) (2) os Milagres – o legado que queremos deixar para o futuro e (3) quem FAZ: os parceiros e alianças que fazem as escolhas do presente. Vale esclarecer que considerar o passado é não apenas pensar em inovação mas pensar também em “envelhação”: porque existem produtos e processos que devem ser mantidos simplesmente por já serem suficientemente bons.

4. 4 Quatro dimensões da sustentabilidade

Este é um tema que merece aprofundamento, pois, considerando as quatro dimensões da sustentabilidade, podemos desenvolver produtos e processos sistêmicos, mais eficientes e sustentáveis, na sua estruturação, resultados, forma de avaliar. Na coordenada do tangível, temos as dimensões econômica e ambiental e na coordenada do intangível temos as dimensões cultural/simbólica e a social. Normalmente achamos que patrimônio se refere apenas ao econômico, como investimento, financiamento, mercados, permutas, banco de horas, moedas complementares. Mas, também existe patrimônio na dimensão social: o tecido social, as redes, a representação política, articulação, lideranças, ação coordenada. Patrimônios na dimensão cultural:

conhecimento, saberes, reputação, marca, história, linguagens artísticas. E patrimônios ambientais: não apenas o ambiente natural (biodiversidade, as matérias-primas, nosso corpo e saúde), mas também o ambiente tecnológico (os espaços, estruturas e equipamento).

Ao atuar nas quatro dimensões da sustentabilidade e seus patrimônios é interessante também notar que estamos falando de várias formas de capital: capital humano, capital

intelectual, capital social, capital cultural, capital ambiental. Usamos todo o tempo estas expressões, mas ainda não reconhecemos que “valor” é mais do que o econômico.

Reputação por exemplo, é um valor que tende a ser dos mais importantes

centralidade do intangível provavelmente trará a necessidade de desenvolver indicadores

A crescente

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

356

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

multidimensionais de riqueza e resultados, que considerem estes múltiplos capitais, nas quatro dimensões da sustentabilidade.

4.5 Cinco elementos da (provável) re-invenção da economia

Nestes sete anos trabalhando no desenvolvimento de um modelo de atuação em economia criativa + sustentabilidade + futuro e observando como os três infinitos citados na Seção 3 podem de fato ser ativados e cumprir seu potencial de transformação, concluí que só poderemos de fato avançar quando houver uma espécie de reinvenção da economia. Como os intangíveis e a sociedade em rede poderão assumir sua centralidade como catalisadores de um mundo sustentável, se nossas métricas são exclusivamente quantitativas e econômicas? Adotar como parâmetros exclusivamente o econômico e quantitativo é como tentar medir litros com régua. Impossível. Não se pode medir de forma linear o que é multidimensional, sistêmico. Um tema central para que não fiquemos presos a modelos do passado é a necessidade de mudar os indicadores de riqueza e as formas de mensuração e avaliação.

(a) Novas formas de medir riqueza

Da mesma forma que ao nível micro do desenvolvimento local, produtos e processos (e suas formas de avaliação e mensuração) deveriam ser multidimensionais e ter “capitais” e “moedas” que correspondam a estas dimensões, o mesmo acontece no nível macro dos indicadores de riqueza e desenvolvimento que avaliam estados e nações. Já está bastante claro que o PIB é uma maneira ineficiente de medir riqueza, por exemplo, porque grandes desastres ecológicos ou guerras contribuem para seu crescimento. Indicadores que de fato mereçam este nome devem incluir os patrimônios da diversidade natural e cultural e aqueles ligados ao capital social, como ética, solidariedade e confiança. Existem muitas propostas, e um exemplo é o já tão conhecido FIB - Felicidade Interna Bruta, a alternativa do Butão ao PIB.

(b) Valores além da dimensão econômica

Mensurar o intangível é também passar de uma visão exclusivamente quantitativa para uma visão que inclui o qualitativo. O foco em resultados deve ser ampliado para incluir avaliação de impactos: verificar o que mudou, que benefícios foram gerados nas outras dimensões além da econômica. Avaliar resultados de programas de música em comunidades, como os do Afroreggae, pelo número de músicos que se profissionalizou é como medir litros com régua. Quanto vale a autoestima de uma comunidade? Quanto valem as vidas poupadas? Quanto vale acreditar que há futuro? Num Seminário De Crie Futuros, com tema Novos Bancos e Moedas, a economista e futurista Hazel Henderson (2009) trouxe dados que ajudam a visualizar melhor o que significam “recursos” nas quatro dimensões da sustentabilidade. Na dimensão social, ela fez um estudo para mensurar a Economia da Solidariedade (quanto “valem” os mutirões ou as vizinhas que

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

357

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

cuidam de nossos filhos enquanto trabalhamos?) e chegou a Us$ 17 trilhões/ano, no mundo. Na dimensão ambiental, no Green Economy Report, estudo feito para a ONU (quanto valem os “serviços” prestados pela Terra?) o valor chega a Us$ 34 trilhões/ ano no mundo. Estes valores somados já ultrapassam a dimensão econômica: são maiores que o PIB mundial. E isso porque ainda não temos mecanismos para mensurar o “valor” da dimensão simbólico/cultural com seus enormes patrimônios intangíveis

(c) Ciclo da água, semelhante ao ciclo do valor?

Seria possível compreender o ciclo da água observando apenas a água liquida? Pois de forma análoga a prática mostra que talvez exista um ciclo de geração de valor, e a equação do desenvolvimento sustentável não é apenas econômica. Se cada dimensão

tem seus próprios capitais: capital humano, capital cultural, capital social, capital ambiental, isso leva a um intercâmbio de moedas ainda pouco reconhecido e estudado. O investimento feito em capital financeiro (uma bolsa de pesquisa) pode gerar capital humano (especialização), que por sua vez gera capital tecnológico (uma inovação), que gera capital ambiental (melhor aproveitamento de recursos) que finalmente se converte em capital financeiro, fechando um ciclo onde diversas formas de riqueza foram criadas. Exemplos como os da música no Pará ou audiovisual na Nigéria mostram essa conversão de “moedas”: a chave do sucesso destes modelos está na distribuição, pois quem vende os produtos são os camelôs. Neste processo, deixa-se de receber a moeda/dinheiro dos direitos autorais, mas recebe-se em moeda/reputação, que torna os autores conhecidos

e desejados, ampliando o mercado, que por sua vez gera moeda - inovação constante e tudo isso cria um processo amplo e dinâmico que ao final gera moeda-dinheiro.

(d)Novas formas de medir e avaliar

Avaliar e medir atividades criativas e culturais requer parâmetros que ainda não foram desenvolvidos. Por exemplo: a economia da dança é pequena, talvez pela parca soma de bailarinos, coreógrafos e espetáculos. Mas a economia do “dançar” é muito grande, pois inclui as festas populares (como o carnaval); as celebrações (como festas e casamentos); a vida noturna e toda a fitness e seus respectivos equipamentos, espaços, conteúdos, adereços e etc. Além disso, mapear e mensurar o intangível usando instrumentos e métodos de medir “coisas” é pouco eficiente. Criando uma analogia, não mapeamos nuvens da mesma forma que mapeamos montanhas, mas sim estudando seu comportamento. Para medir o intangível, talvez devêssemos adotar formas mais semelhantes ao cálculo e estudo do clima – onde se estudam interações e dinâmicas.

(e) O tempo e a produção colaborativa

É interessante perceber que muito do que fizemos como humanidade, até agora, esteve

focado na conquista do Espaço. E, de fato, nós ganhamos o Espaço - mas perdemos o Tempo. E isso é insustentável. E se o Tempo é o único recurso de fato não renovável,

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

358

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

como fazer para não perdê-lo ou até ganhar? A produção colaborativa, o criar e trabalhar a partir daquilo que já existe (potências), os novos modelos que a sociedade em rede permite são as chaves para multiplicação de tempo, conhecimentos, recursos, qualidade de vida. O conceito de “excedente cognitivo” de Clay Shirky (2010) mostra o gigantesco recurso representado pela combinação de horas dedicadas à colaboração. Se a Wikipédia foi criada com aproximadamente cem milhões de horas de colaboração na Web e temos um excedente cognitivo de um trilhão de horas/ ano (!!) gastos pelo mundo passivamente vendo TV, isso representaria a possibilidade de criar 1.000.000 de wikipedias por ano !!! Imagine quantas coisas poderemos resolver ”pensando” juntos?

5 Conclusão

Concluindo, a decisão de construir um futuro sustentável a partir da Economia Criativa implica mudar de modelo mental. Temos operado com visão de curto prazo, resultados imediatos, e aí de fato os resultados vêm principalmente dos números, da quantidade, do tangível. Mas em médio e longo prazo, os frutos são garantidos pelo intangível, qualitativo, justamente por sua capacidade de atrair, consolidar reputação, gerar inovação, engajar, fidelizar, oferecer estratégias sustentáveis. Esperemos que a combinação de Economia Criativa e Sustentabilidade possa orientar escolhas do presente que nos conduzam a futuros desejáveis já que, pela primeira vez na história da humanidade, temos conhecimento, recursos e pessoas para torná-los possíveis.

Referências

ABRANTES, José. Brasil, o país do desperdício. Entrevistadora: Rita Casaro. Jornal da Federação Nacional dos Engenheiros, Brasília, DF, ed. 70, mar. 2008. Disponível em:

<http://www.fne.org.br/fne/index.php/fne/jornal/edicao_70_mar_08/brasil_o_pais_dos_desperdici

os>. Acesso em: 09 ago 2011.

CRIE FUTUROS. Crie futuros, 2011. Disponível em: <http://www.criefuturos.com>. Acesso em:

09 ago 2011.

FINGERL, Eduardo Rath. Considerando os intangíveis: Brasil e BNDES. 2004. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). - COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro, 2004.

GANSKY, Liza. Mesh: network of sharing, 2010. Disponível em: <http://meshing.it>. Acesso em:

09 ago 2011.

HENDERSON, Hazel. CF Novos Bancos e Moedas, 2009. Disponível em:

<http://criefuturos.com/futuros_criados/C.F_Novos_Bancos_e_Moedas_Hazel_Henderson>. Acesso em: 09 ago 2011

MAU, Bruce; LEONARD, Jennifer. Massive change. London: Phaidon, 2004.

PALEOFUTURE, 2011. Disponível em: <http://www.paleofuture.com>. Acesso em: 09 ago 2011.

PORTAL FORA DO EIXO. Circuito fora do eixo, 2011. Disponível em: <http://foradoeixo.org.br>. Acesso em: 09 ago 2011.

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

359

Lala Deheinzelin

REDIGE v. 2, n. 02, ago. 2011

SHIRKY, Clay. A cultura da participação: criatividade e generosidade no mundo conectado. São Paulo: ZAHAR, 2010

VEIGA, José Eli da. Mundo em transe: do aquecimento global ao ecodesenvolvimento. São Paulo:

Autores Associados, 2009

Currículo Resumido da autora

Lala Deheizelin

Assessora e palestrante internacional, especialista em Economia Criativa e

Desenvolvimento Sustentável, com foco em futuro. Atende instituições e

empresas que liderem processos de desenvolvimento como o BNDES, as

Federações das Indústrias, o SEBRAE e o CENPEC; organismos

multilaterais como UNCTAD, PNUD, UNESCO e AECID; governos nacionais

e locais no Brasil e exterior. Proprietária da Enthusiasmo Cultural; criadora

do movimento Crie Futuros; Senior Advisor da Special Unit on South-

South Cooperation /UNDP; Membro Executivo do Conselho do Instituto

Nacional de Moda e Design; Fundadora do Núcleo de Estudos do Futuro da

PUC.

Email: lala@enthusiasmo.com

www.cetiqt.senai.br/redige

Ensaios

360