Вы находитесь на странице: 1из 12

Seminário Anpocs: GT 24 (Marxismo e Ciências Sociais)

Nicos Poulantzas e a Sociologia Política Norte-Americana

N. Poulantzas em maio de 1968


Fonte: http://www.poulantzas-lesen.de/ 1
Sumário:
 (1) Objetivos do “paper”;
 (2) A problemática teórica da
“sociologia política norte-
americana;
 (3) Críticas de Poulantzas;
 (4) Comentários e conclusões.

2
(1) Objetivos do “paper”:
 Analisar os termos do “diálogo” entre
Poulantzas e a “sociologia política norte-
americana”;
 Mostrar e enfatizar a conexão lógica entre
alguns dos principais elementos teóricos
deste diálogo;
 Sociologia política norte-americana =
conjunto de autores que influenciados pela
problemática estrutural-funcionalista
sistematizada por Talcott Parsons;
 Sustentar a hipótese de que o recalque
desse diálogo gerou perdas analíticas em
Poulantzas; 3
4
Algumas questões gerais subjacentes à exposição:

 O conceito de sistema político é compatível


com a problemática estrutural-marxista?
 O que é o Estado para Poulantzas? Como ele
justifica ou fundamenta o privilegiamento
deste ator como objeto de estudo nas várias
formações sociais?
 Por que é necessário restaurar o diálogo de
Poulantzas com a teoria política não-
marxista, especialmente a sociologia política
funcionalista? [implicações]

5
(2) Problemática teórica da sociologia
política “norte-americana”:

 Preocupação em definir conceitos gerais


aplicáveis e operacionalizáveis em vários
tipo de comunidade política (macro-micro);
 Sistema político X Estado. Microfísica do
poder empiricamente orientada;
 “Governo” como entidade neutra e
pressionada por uma pluralidade de elites e
grupos de intervenção política;
 Gradiente dos vários sistemas políticos
conforme o grau de distribuição do poder;
6
(3) Posicionamento/avaliação de Poulantzas
sobre cada um destes pontos:

3.1) Conceitos gerais de poder e de


política:
 Política = prática que tem por objeto
estratégico as estruturas do Estado;
 Poder = capacidade de uma classe ou
grupo social de realizar seus interesses
objetivos;
 Relações sociais que se formam não a
partir de vínculos interpessoais, mas a
partir da vigência de um ordenamento
normativo que sanciona a distribuição dos
seres humanos em relações assimetrícas
de imposição de comandos ou objetivos;
7
(3) Posicionamento/avaliação de Poulantzas
sobre cada um destes pontos:

3.2) Estado X sistema político:


 Estado = sistema específico e hierarquizado de
instituições que desempenha uma função
específica [perseguir determinados objetivos
globais autorizados por uma coletividade territorial
em sociedades de “classe”]
 Estado = detém determinados atributos em
relação a outras instituições políticas;
 Estado [sistema hierarquizado de instituições] ≠
estrutura [=valores e normas latentes (habitus)
que organizam de forma latente as práticas
reprodutivas de longa duração];
 Pode existir uma estrutura jurídico-política sem
Estado para Poulantzas [≠ de Kelsen que é
ambíguo em relação a este ponto];
8
(3) Posicionamento/avaliação de Poulantzas
sobre cada um destes pontos:

3.3) Sociologia dos grupos de


intervenção política (classes, grupos
e elites):
 Crítica à noção de elites plurais;

 Obs.: É falsa a idéia de que Poulantzas


tenha uma visão “objetivista” dos
processos decisórios que desconsidere a
subjetividade dos atores (estratégias;
alternativas de ação etc.);

9
(3) Posicionamento/avaliação de Poulantzas
sobre cada um destes pontos:

3.4) “Formas de governo” X “Poliarquias”:


• O Estado [formado essencialmente por um
corpo administrativo auto-recrutado] é uma
instituição central de poder;
• A democracia passa a existir quando esse
“monopólio” de um copo auto-recrutado é
rompido ou eliminado;
• Há assim uma ruptura institucional entre
formas de governo e de gestão das
organizações autoritárias e democráticas;
• Modelo geral de processo decisório que pode
ser aplicado a nível micro e macro; 10
(4) Conclusões: trazendo o conceito de
sistema político para dentro da sociologia
política estrutural-marxista:

 Insuficiência das definições gerais de poder e de


política esboçadas em PPCS;
 Natureza imaginária da oposição irredutível entre os
conceitos de “Estado” e “Sistema Político” [trata-se
de uma armadilha que os marxistas não devem
embarcar];
 Pero, isso não implica dissolver o Estado em outras
instituições que fazem parte do sistema político
mais amplo;
 Dentre outros motívos, porque essa operação
analítica permite conservar a meta comunista de
restauração das democracias comunitárias
primitivas postas por Engels no final do século XIX.

11
Grato pela atenção.

Sérgio Soares Braga


Departamento de Ciências Sociais (DECISO)
Universidade Federal do Paraná (UFPR)
E-mail: ssbraga@uol.com.br

12