Вы находитесь на странице: 1из 10

UM PONTO DE PARTIDA PARA O DIÁLOGO

A melhor forma de explicar a conferência Upload Lisboa é descrevê-la como um evento que tem como objectivo reunir profissio-
nais e estudantes de comunicação, nas suas várias vertentes, com interesse pela comunicação online e especificamente em tor-
no do conceito de Web 2.0.

A Upload Lisboa é de facto esse ponto de encontro e local de diálogo entre pessoas de perfis bastante diferentes mas com um
interesse em comum.

Este documento surge assim apenas como um ponto de partida para o diálogo que pretende gerar. Como tal, o texto não tem a
pretensão de querer reunir toda a área de comunicação online ou de ser indiscutível, pretende apenas apresentar alguns concei-
tos e noções de modo a facilitar o diálogo e o confronto de ideias. Qualquer um dos temas que foram abordados poderia ser alvo
de uma reflexão mais extensa e de uma descrição mais pormenorizada sobre o efeito que a Internet teve na nossa forma de co-
municar em sociedade.

Da mesma forma, foram apresentados os desafios de transparência, participação e de gestão da comunicação que as empresas
e outras instituições enfrentam. A resposta a estes desafios pode surgir de recorrendo a um leque bastante vasto de alternativas,
cada uma com os seus benefícios e contra-partidas. É importante que sejam compreendidas as diferentes perspectivas, razão
pela qual é importante criar espaços de diálogo e de reflexão.

Por existirem várias respostas válidas aos desafios que as empresas enfrentam hoje em dia, é importante que o diálogo vá além
da discussão sobre a utilização das plataformas de social media por parte das organizações. É crucial que a comunicação online
seja guiada por mais do que pelo entusiasmo e apelo que rodeiam o aparecimento de novas plataformas, devendo para isso ser
guiada por uma estratégia e uma metodologia cientifica. É pela criação de estratégias de comunicação sólidas que as empresas
têm de facto sucesso, e hoje mais do que nunca , a comunicação online deve ser um componente central dessa estratégia.

BRUNO AMARAL

www.uploadlisboa.com 2009
“(…)eu não previ o lado poderoso da comunidade da Internet e
seu impacto em cada aspecto da nossa sociedade. A minha
visão original era que a rede teria o propósito de uma interac-
ção computador-computador ou pessoa-computador; mas o
seu principal uso passou a ser a interacção pessoas-pessoas.”

Leonard Kleinrock em Entrevista à SIC

INTERNET
O que começou como um projecto da A internet evoluiu, passou a ser usada conteúdos, interagir com indivíduos e
Advanced Research Projects Agency em universidades e mais tarde grupos, ou colaborar à distância.
(ARPA) veio a tornar-se muito mais do comercializada. Hoje, a Internet possui
que uma simples rede entre máquinas. formas de interacção cada vez mais Aquilo a que chamamos hoje Internet é
O objectivo era aproveitar as infra- diversificadas e velocidades de um conjunto de tecnologias de
estruturas que já existiam e ter forma de transmissão de conteúdos cada vez comunicação que interagem de modos
aceder a informação militar guardada mais rápidas, pode ser usada através de cada vez mais versáteis para permitir
uma comunicação cada vez mais rica e
em localizações remotas e mais uma série de plataformas
seguras. Mas pela forma como foi (computadores, telemóveis, netbooks e interactiva.
desenvolvida a Internet veio a permitir mesmo consolas de jogos), para
uma série de outras aplicações, das transmitir e receber dados por linhas de
quais o email e as páginas de web são cobre, satélite, ou redes 3G e serve para
apenas um dos exemplos mais antigos. que qualquer pessoa possa publicar
“The power of tags shows that the way to manage information overload is more
information. That's what the doomsayers of the 90's — Information Anxiety! In-
formation Tidal Wave! — didn't foresee.”
David Weinberger,
Co-Autor do “Cluetrain Manifesto”; Autor de “Everything is Miscellaneous:
The Power of the New Digital Disorder”

O EXCESSO DE INFORMAÇÃO
Um documento publicado online está também coloca em causa a qualidade com a sua actividade, as empresas
imediatamente acessível a milhões de da informação disponível. vêm-se assim forçadas a uma
pessoas com acesso à internet. Quer transparência cada vez maior de modo
seja através da criação de uma página, Dado o ritmo com que publicamos a evitar falhas de comunicação e
perfis em redes sociais ou comentários informação online, torna-se impossível proteger a sua reputação.
em blogs, toda a nossa acção online categorizar os conteúdos, garantir a
passa pela publicação e partilha de veracidade e precisão do que é
disponibilizado e por vezes torna-se
informação. Se antes da Internet a
informação e o conhecimento estavam difícil averiguar a credibilidade das
limitados aos livros e às enciclopédias, fontes de informação.
hoje a informação é distribuída sem
Quer seja pela acção de públicos
restrições. Isto faz da Internet a maior e
interessados ou como forma de garantir
mais acessível fonte de informação mas a qualidade da informação relacionada
PUBLICAR PRIMEIRO, FILTRAR DEPOIS
Para responder aos desafios causados atribuída recorrendo a uma formula Contudo, o excesso de informação não
pelo excesso de informação surgiram matemática. implica apenas uma necessidade de
uma série de novos mecanismos para organização, inclui ainda a necessidade
reunir e organizar o que é publicado Apesar da sua utilidade os motores de de actualização constante da
online. busca não respondem a todas as informação. Os wikis, dos quais a
necessidades de organização de wikipédia3 é um exemplo, são uma das
A primeira resposta surge através dos informação. Razão pela qual surgiram ferramentas de colaboração que
motores de busca que indexam e grupos de utilizadores, redes sociais
permite a manutenção da informação
apresentam toda a informação que como o Digg 1 e o Delicious 2, que em de modo simples e rápido, novamente
encontram sobre um dado termo de conjunto se encarregam de organizar e relegando para a comunidade o dever
pesquisa, organizando-a consoante a categorizar a informação que de garantir a qualidade do que é
credibilidade, que por sua vez é consideram valiosa. publicado.

1 http://www.digg.com

2 http://www.delicious.com

3 http://wikipedia.org/
NOVAS FORMAS DE COMUNICAR
Há muito que a internet não se limita à mesmo empresas. Estes canais princípios de ética. A variedade
troca de emails ou à visualização de permitem que se formem públicos de crescente de canais de comunicação
páginas estáticas. Com a evolução da modo mais fácil, e dado que a agrava estes desafios, não basta saber
tecnologia e o avanço de linguagens de comunicação se processa em tempo de que modo se deve participar no
programação mais dinâmicas foi real, estes públicos têm forma de agir diálogo, é importante saber qual dos
possível fazer da Internet uma base para influenciar empresas e outras diferentes canais de social media usar
para novas formas de comunicação. instituições. para chegar aos diferentes públicos.

O termo social media tende a ser usado Estas organizações enfrentam uma série
para referir a variedade de formas de de novos desafios, precisam de saber
comunicação que temos à nossa como escutar o diálogo online, de que
disposição para chegar a amigos, modo podem obter o direito de
familiares, colegas de trabalho ou participação no diálogo e sob que
“Web 2.0 é um conceito comunicado por muitos como sendo algo de novo, quando de
facto se trata apenas de uma evolução.”

David Phillips e Philip Young em “Online Public Relations — A Practical Guide to Developing
an Online Strategy in the World of Social Media”

WEB 2.0
“In less than five years, a movement has Ao falar de Web 2.0 estamos social. Fosse pelas salas de conversa,
taken hold that is having a profound simplesmente a mencionar um ponto de grupos de discussão e outros forums, a
effect on public relations. Called Web evolução da Internet caracterizado pela Internet foi sempre composta por
2.0 by Tim O'Reilly, of O'Reilly Media in comunicação em tempo real e por uma tecnologia que tinha como objectivo a
2003, it heralds the evolution of the web interacção cada vez maior entre interacção social, a colaboração e a
from a repository of information and pessoas, grupos e organizações. criação de comunidades ou
communication technologies into a Mesmo que se recorra a canais de organizações.
space for symmetrical communication; a social media como o Flickr, Twitter e o
platform which aids the transfer of Facebook para exemplificar as
knowledge and conversations and a características do conceito Web 2.0 e o
place where people can easily mix and colocar como se tratando de uma
match both.” (Phillips e Young) “nova” Web Social, a verdade é que a
Internet sempre teve uma componente
BLOGS MICROBLOGS WIKIS
Inicialmente usados como diários públicos, O twitter surgiu como a plataforma de micro- Os wikis surgiram como resposta à necessi-
os blogs caracterizam-se essencialmente blogging por excelência, caracterizado pela dade de alterar uma página de internet de
pela publicação de artigos (posts) em ordem simples introdução de mensagens com 140 modo rápido e eficaz, sem que isso implicas-
cronológica inversa e pela possibilidade de caracteres em resposta à pergunta “what are se possuir conhecimento técnico. A wikipédia
comentar esses mesmos artigos. Algumas you doing?”. A grande vantagem das plata- surge como o principal exemplo de um wiki,
das plataformas de blog mais conhecidas formas de microblogging está na possibilida- utilizado para manter um repositório de co-
incluem: livejournal.com; wordpress.com; de de comunicar de 1 para 1, de 1 para mui- nhecimento em mais de 260 línguas diferen-
blogger.com; bem como blogs.sapo.pt tos e mesmo de muitos para muitos. tes.

REDES SOCIAIS REDES DE PARTILHA DE CONTEÚDOS MUNDOS VIRTUAIS


As redes sociais online são autênticas ferra- Tratam-se de sites como o Digg e o Delicious Quer se tratem de mundos interactivos em 3D
mentas de comunicação para grupos de onde além de partilhar conteúdos os utiliza- como o Second Life ou World of Warcraft, ou
familiares, amigos ou colegas de trabalho. dores se ocupam de o organizar de modo a plataformas de interacção online mais estáti-
Quer seja através do facebook, linkedin ou que possa ser descoberto mais facilmente cas como o Habbo, os mundos virtuais são
myspace, as redes sociais atribuem uma por alguém que partilhe o interesse pelo locais de interacção e diálogo.
página de perfil a cada utilizador, à qual ele tema.
acrescenta a indicação dos seus contactos
dentro da mesma rede. A interacção nestas
redes surge de várias formas, quer seja pela
participação em grupos de discussão, co-
mentários a perfis ou aplicações e jogos.

MOTORES DE BUSCA RSS (REAL SIMPLE SYNDICATION) TAGS OU ETIQUETAS


O propósito dos motores de busca é simples, Trata-se de uma tecnologia de distribuição de Dado que as categorias hierárquicas se mos-
reunir e organizar a informação que encon- conteúdos, um ficheiro de RSS pode ser lido traram insuficientes para a quantidade de
tram na internet. Existem mesmo motores de por uma série de dispositivos e permite rece- informação disponível online, surgiram as
busca que se focam em temas muito especí- ber de modo automático as actualizações de Tags ou Etiquetas. Podemos classificar um
ficos, como conteúdos académicos, fotogra- informação que forem publicadas. mesmo conteúdo com uma ou mais etiquetas
fias ou comparação de preços. para que mais tarde o possamos encontrar e
reunir outros conteúdos relacionados.
CREATIVE COMMONS PODCASTS WIDGETS
Este nome designa um conjunto de licenças Baseados na tecnologia de RSS, os podcasts Uma widget pode ser descrita como um pro-
de copyright destinadas a permitir a disponi- são programas de rádio a que podemos grama que recolhe e apresenta informação
bilização de conteúdo original pela internet subscrever e que podem ser ouvidos através em tempo real. As widgets podem ser aplica-
sem limitar a sua distribuição e adaptação de qualquer dispositivo capaz de interpretar das em páginas de web, copiadas e distribuí-
enquanto que ao mesmo tempo protege o um ficheiro de audio em MP3 ou formato das de modo fácil, podendo ser usadas em
autor. equivalente. computadores, telemóveis ou qualquer outra
plataforma.

CROWDSOURCING SEARCH ENGINE OPTIMIZATION (SEO) SOCIAL MEDIA OPTIMIZATION


O termo crowdsourcing refere-se à possibili- Trata-se de um conjunto de técnicas que têm Conjunto de técnicas que se destinam a faci-
dade de delegar a um grupo ou a uma comu- como objectivo facilitar a indexação de con- litar a partilha de conteúdos através dos dife-
nidade online a execução de uma tarefa. Um teúdos pelos motores de busca. Estas técni- rentes canais de social media. Trata-se de um
exemplo comum de crowdsourcing surge cas passam pela programação, criação dos termo que foi inicialmente cunhado por Rohit
quando se coloca uma pergunta num website conteúdos, e até troca de hiperligações. Bhargava.
de microblogging para receber a informação
que se procura vinda de alguém na nossa
rede de contactos.
PARA IR MAIS LONGE A lista não é exaustiva, no entanto serve
como ponto de partida para estudar a
Apesar de todo o impacto que a Web
área da comunicação online, quer seja
teve na nossa forma de comunicar e de
na perspectiva das organizações ou
distribuir conteúdo, os livros ainda se
para compreender melhor o impacto no
mostram como um elemento fundamen-
dia a dia de cada um.
tal da partilha de conhecimento. Por
essa razão pareceu-nos que seria indi-
cado incluir neste documento a referen-
cia a alguns livros e autores que defini-
ram as bases dos conceitos que foram
abordados.

TÍTULO AUTOR ISBN

Wikinomics: How Mass Collaboration Changes Everything Tapscott, Don 1591841380

Here Comes Everybody Shirky, Clay 713999896

The New Rules of Marketing and PR: How to Use News Releases, Blogs, Scott, David Meerman 470113456
Podcasting, Viral Marketing and Online Media to Reach Buyers Directly

Naked Conversations: How Blogs are Changing the Way Businesses Talk Scoble, Robert 9538
with Customers

PR in Practice: Online Public Relations: A Practical Guide to Developing Phillips, David G. H. 749449683
an Online Strategy in the World of Social Media

What Is E-Business?: How the Internet Transforms Organizations Li, Feng 1405125586

The Cluetrain Manifesto: 10th Anniversary Edition Levine, Rick 465018653

The Cult of the Amateur: How today's Internet is killing our culture Keen, Andrew 385520808

Public Relations on the Net: Winning Strategies to Inform and Influence Holtz, Shel 814479871
the Media, the Investment Community, the Government, the Public, and
More!

The Tipping Point Gladwell, Malcolm 316346624

The Wealth of Networks: How Social Production Transforms Markets and Benkler, Yochai 300110561
Freedom
CREATIVE COMMONS
As fotografias usadas neste documento foram encontradas através da pesquisa online por uma série de fontes, tais como a wikipédia e o website
flickr.com. Na ordem em que foram usadas, as versões originais e informações adicionais podem ser encontradas nos seguintes endereços:

FOTÓGRAFO PÁGINA ORIGINAL

Carrierdetect http://www.flickr.com/photos/carrierdetect/3598454141/

Nick Wheeler http://www.flickr.com/photos/nickwheeleroz/2669814012/

Ozyman http://www.flickr.com/photos/ozyman/443545349/

Tomasz Sienicki http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Telefon_VHM_ubt.jpeg

Evan Leeson http://www.flickr.com/photos/ecstaticist/1340787730/

De modo a corresponder às condições expressas pelas diferentes licenças de utilização; este documento é assim disponibilizado sob uma licença
de Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Partilha nos termos da mesma, tal como descrito em
http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.5/pt/