Вы находитесь на странице: 1из 17

AB Câncer www.abcancer.org.

br
revista da associação brasileira do câncer Ano 8 – N.º 44 – MARÇO 08 – DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Saudável?
Como outros embutidos e processados, o peito de
peru light pode estar associado ao aparecimento
de doenças como o câncer
nesta edição
Março de 2008

4 EDITORIAL 16 CAPA
Só a informação pode nos Mais do que a predisposição
ajudar a mudar (maus) hábitos genética, uma dieta rica em
alimentares. O conhecimento é gorduras, carnes processadas
o começo de uma vida e embutidos, pode aumentar o
saudável em todos os sentidos risco de câncer

8 HUMANIZAÇÃO 22 FIQUE DE OLHO


Recuperar a dimensão humana Em nome da qualidade de
nos tratamentos hospitalares é vida, 30% dos pacientes com Istockphoto
a tendência mundial em câncer de próstata são 27 NOTAS
saúde, nas últimas décadas candidatos a um Exposição O Soutién, no Tuca,
acompanhamento da reúne arte e conscientização
11 EM DEBATE doença em vez de para a prevenção do câncer de
Decisão judicial que suspende radioterapia ou cirurgia mama. Evento tem o apoio da
a ortotanásia divide a opinião ABCâncer
de especialistas 24 EU PERTENÇO
A cirurgiã-dentista e 28 POLÍTICAS PÚBLICAS
12 TABAGISMO pesquisadora Virgínia Circhia Projeto que transfere a gestão
Enquanto o mundo se mobiliza Pinto conta como sua própria da Saúde para fundações
na luta contra o fumo o Brasil vida virou objeto de estudos estatais de direito privado,

anuncio segue devagar, ainda sem uma


legislação capaz de proteger a
sobre o câncer aprovado em três estados
brasileiros, tramita no
população dos males do 26 SITE Congresso Nacional
cigarro O debate sobre câncer de
mama, com a psicóloga clínica
15 MODA ANTITABAGISTA Claudia Sofia Ferrão Baroni
O estilista Alexandre está disponível na seção Confira mais
Herchcovitch lançou, na São Comunidade ABCâncer (www. conteúdo
on-line informações
Paulo Fashion Week, coleção abcancer.org.br) no nosso site.
especial para incentivar a
www.abcancer.org.br
luta contra o fumo

AB Câncer
CONSELHO EDITORIAL* REPORTAGEM
Para anunciar entre em contato com Celina Martins
— tel: 3032-5335 ou celina@abcancer.org.br
ABCâncer é uma publicação O conteúdo editorial da
Vitória Verônica Herzberg Cristiane Gonçalves bimestral da Associação revista ABCâncer é de
Ricardo Caponero Eduardo Campos Lima Brasileira do Câncer, dirigida inteira responsabilidade
José Cláudio Casali da Rocha Eduardo Cosomano a pacientes oncológicos e da Associação
Julia Garcez seus familiares e amigos, Brasileira do Câncer.
COORDENAÇÃO GERAL Moura Leite Netto profissionais de saúde e As matérias refletem,
Marília Casseb Paulo Paladino público em geral. ABCâncer exclusivamente, a
é distribuída gratuitamente opinião da Diretoria e
SUPERVISÃO EDITORIAL DIAGRAMAÇÃO nos principais hospitais e do Conselho Editorial
Celina Rosa Martins Infografe centros oncológicos do país e nada têm a ver
e, em São Paulo, na rede de com os anúncios aqui
DIREÇÃO DE REDAÇÃO TRATAMENTO DE IMAGENS supermercados Pão de Açúcar vendidos. É permitida
Paulo Alves - Mtb: 36.917 Wantuhir Lopes Junior e nas lojas de roupas femininas a reprodução ou cópia
Marie Claire. Para receber de notícias, desde que
EDIÇÃO IMPRESSÃO a revista pelo correio, no citada a fonte. Para
Andréa Oliveira Plural/Grupo Folha endereço de sua preferência, utilização de fotos e
Março de 2008

Março de 2008
por um ano, é cobrado apenas ilustrações, é exigida
TIRAGEM DESTA EDIÇÃO o envio postal. autorização prévia.
21.000 exemplares

*O jurista Dalmo de Abreu Dallari fará parte do nosso Conselho Editoral a partir da próxima edição
 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 
editorial

Alimentação na balança

o
Marília Casseb • Superintendente Executiva • Associação Brasileira do Câncer

s benefícios da ali- estes maus hábitos alimentares,


mentação balancea- aliados ao sedentarismo, aumen-
da são conhecidos e tam ainda mais os riscos.
propalados em algu- As pesquisas ainda não conse-

FOTO: Ricardo Thomazini


mas camadas sociais. guem relacionar alimentos espe-
Além dos benefícios cíficos aos tipos de tumores, mas
à saúde, muitos as- asseguram que a dieta rica em
sociam uma alimentação rica à verduras, legumes, frutas e grãos
base de legumes, frutas e pouca ajudam a diminuir as chances de
gordura somente a um corpo es- se contrair o câncer.
belto e pele jovem, estampados Para alguns leitores o tema mação. Num mundo repleto de
em várias capas de revistas. de nossa matéria de capa pode informações poucos confiáveis e
Mas nossos hábitos alimenta- parecer óbvio, mas o fato é que contraditórias a revista ABCân-
res repercutem em todo o fun- em enquetes realizadas pelo Inca cer procura, insistentemente,
cionamento de nosso organismo. detectou-se que a população não ouvir especialistas e mostrar
Cada vez mais cientistas relacio- relaciona hábitos alimentares e todos os lados da questão para
nam o câncer ao tipo de alimen- câncer. oferecer aos seus leitores infor-
tação corrente em nossos dias. Sabemos o quanto é difícil a mações fidedignas que possam anuncio
De acordo com estudos recen- mudança de hábitos alimenta- ajudá-lo a, de fato, melhorar a
tes, no caso dos cânceres do trato res arraigados desde nossa in- qualidade de vida de cada um.
digestivo, uma dieta não balan- fância, mas antes de mudarmos Se é verdade que “só o conheci-
ceada aumenta mais os riscos de nossos (maus) hábitos, precisa- mento nos liberta”, é bem verda-
se contrair a doença do que pre- mos de INFORMAÇÃO. É a de também que o conhecimento
disposição genética. Já em casos partir dela que teremos oportu- é o começo de uma vida mais
de câncer de mama e próstata nidade de escolha e de transfor- saudável, em todos os sentidos.

A Associação Brasileira do Câncer é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), sem fins lucrativos,
com a missão de informar, educar e mobilizar a sociedade para a prevenção, detecção precoce e diminuição do sofrimento
das pessoas tocadas pelo câncer. Para tais cumprimentos, a entidade visa ser facilitadora na elaboração de políticas públicas
para o câncer, a fim de garantir acesso ao tratamento e à melhor assistência no Brasil, bem como educar a população brasileira
a respeito de hábitos saudáveis, contribuindo para que não se desenvolva câncer por causas evitáveis.
ASSOCIADOS FUNDADORES CONSELHO FISCAL Dra. Beatriz de Camargo Dr. Marcelo Aisen
Vitória Verônica Herzberg, Mário Heloísa Bonciani Nader di Cunto Oncologista Pediátrica Oncologista clínico
Herzberg, Jayme Serebrenic, Silvia Marcelo Santoro di Cunto Dr. Benedito Mauro Rossi Dr. José Cláudio Casali da Rocha
Herzberg Gorski, Roberto Faldini, Daniel Borger Cirurgião oncológico Oncologista e Geneticista
Katalin Elvira Borger, Paulo Roberto Carla Gonçalves Dias Dra. Maria Inês Gonçalves
Ghirotti, Heloisa Bonciani Nader Di DIRETORIA EXECUTIVA Enfermeira Oncologista Fonoaudióloga
Cunto, Marcelo Santoro Di Cunto, Presidente Executiva Dr. Carlos Frederico Pinto Dra. Nydia S. Bacal
Daniel Borger, Fábio Borger, Alberto Vitória Verônica Herzberg Oncologista Clínico Hematologista
D. Ihering Azevedo, Helena Bonciani Superintendente Executiva Dr. Císio Brandão Dr. Reynaldo André Brandt
Nader, Ignez Zsigmond, Charles Marília Casseb Oncologista-Medicina Paliativa Neurocirurgião
Rothschild. Cláudia Ferrão Baroni Dr. Ricardo Caponero
Conselho Científico Psicóloga Oncologista Clínico
Conselho de Administração Dr. Ademar Lopes Dr. Cláudio Lottenberg Dr. Roberto de Almeida Gil
Presidente Cirurgião Oftalmologista Oncologista Clínico
Vitória Verônica Herzberg Adriana Marques da Silva Dr. Eduardo Weltman Dr. Silvio Bromberg
Vice-Presidente Enfermeira oncologista Radioterapeuta Mastologista
Gisele Brandt Dr. Antônio Luiz V.Macedo Dra. Eliana Maria Monteiro Caran Dra. Virginia Maria Círchia Pinto
Conselheiros Cirurgião Gastroenterologista Oncologista Clínico Cirurgiã-Dentista
Mário Herzberg Oncológico Elide Leyla Martinez Moscatello Prof. Dr. Waldir Muniz Oliva Filho
Dr. Reynaldo André Brandt Dr. Artur Katz Enfermeira oncologista Mastologista
Março de 2008

Março de 2008
Dr. Carlos Frederico Pinto Oncologista Clínico Dra. Gilda D´Agostino Eugui Wellington Mendes
André Jánszky Dr. Auro del Giglio Pediatra e Endocrinologista Pediátrica Oncologista Pediátrico
Valter Vallone Bonani Oncologista Clínico Dr. João Victor Salvajoli
Eduardo de Paula Ribeiro Radioterapeuta

 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 
fale conosco
Cartas para a redação: Av. Brig. Faria Lima, 2.523, cj. 23 - São Paulo/SP – CEP 01452-000 Email: revista@abcancer.org.br

Este espaço está aberto para esclarecer suas dúvidas e também para receber
sugestões ou críticas. Seja por carta ou email, participe!

FALHAS NO DIAGNÓSTICO

S
obre a reportagem ‘Falhas no Diagnóstico’, edição 42, de dezembro de
2007, o Instituto Nacional do Câncer enviou a seguinte nota técnica:
1. O percentual de mamógrafos na região Sudeste é de 47% do total
de mamógrafos no país e não 67% conforme a revista afirma. Esta con-
centração no Sudeste é natural e acompanha a distribuição da população
feminina do país (cerca de 45% se concentra no Sudeste);
2. Dados do Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde de 2007
revelam cerca de 3.300 mamógrafos em 2007 no país (SUS e não SUS), o
que determina uma capacidade de produzir quase 3 vezes a necessidade de
mamografias de rastreamento e diagnóstico (segundo análise do INCA);
3. O SISMAMA é mais do que um software, é uma estratégia de geren-
ciamento das ações de controle do câncer que envolve todos os serviços
diretamente relacionados às ações de rastreamento do câncer de mama,
os gestores municipais, estaduais e federais e a população brasileira ;
4. O INCA não fiscaliza os mamógrafos. Em conjunto com o CBR e a ANVISA e apoio das secretarias
de saúde e órgãos de vigilância sanitária regionais, o INCA implementou um Projeto Piloto de Qua-
lidade das Mamografias nos Serviços do SUS no Estado da Paraíba, em Goiânia, Porto Alegre e Belo
Horizonte. As vigilâncias sanitárias municipais e/ou estaduais são as responsáveis legais pela vigilân-
cia dos serviços de mamografia;
5. As ações de controle do câncer de mama visam reduzir prioritariamente a mortalidade e não a in-
anuncio
cidência como está escrito na revista.

RONALDO CORRÊA FERREIRA DA SILVA e CLAUDIO NORONHA, do INCA

Nossa resposta:
1. A reportagem usou dados do Datasus (2006) divulgados pelo Inca, que afirma existirem no Brasil
1.223 mamógrafos em uso (SUS). O cálculo da percentagem é que está errado: 67% (quando o correto
é 45%). Os 67%, na verdade, correspondem à percentagem das regiões Sul e Sudeste juntas;
2. A reportagem utiliza um número total (SUS e não SUS) de 2.700 mamógrafos, dado que consta
em pesquisa da Unesp publicada em 2006 no site do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico
por Imagem (CBR);
3. Embora o termo software não tenha sido empregado da forma mais correta, a reportagem, ao
explicar o sistema, deixa clara a sua amplitude e importância.
4. A repórter informa ter compreendido, após entrevistar o titular da Coordenação de Prevenção e
Vigilância/INCA, Cláudio Noronha, que o INCA participa – também – da fiscalização, em parceria
com as demais instituições, todas citadas no texto. Porém, admite que possa ter havido aí um mal-
entendido.
5. A repórter errou ao concluir que as ações de controle visam reduzir a incidência, quando preten-
dem, prioritariamente, reduzir a mortalidade. Entretanto, vale ressaltar que é controverso em todo o
mundo que a detecção precoce do câncer de mama – mesmo com seus benefícios indiscutíveis – leve
a uma queda da mortalidade.
Março de 2008

Março de 2008
Para a nossa próxima edição estamos preparando uma ampla reportagem sobre câncer de
mama com números atualizados.

 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 
humanização
Eduardo Campos Lima meio da narração de histórias.
Estabelecida essa diretriz, todas
as etapas de um tratamento são
influenciadas, desde o momen-
to do agendamento da consulta,
passando pela comunicação do
diagnóstico, pela terapia e pelos
processos cirúrgicos, até a rein-
serção do paciente em sua roti-
na normal.
“As pessoas envolvidas em to-
das as fases do processo devem
Divulgação/Associação Viva e Deixe Viver

pautar seu trabalho pela aten-


ção e personalização no atendi-
mento ao paciente, mostrando
que respeitam seus direitos”, diz
Luciana, para quem o respeito à
pessoa em tratamento começa
com a adequação do ambiente
hospitalar.
“O hospital carrega um con-

A humanização no
junto de símbolos negativos e
é um ambiente opressivo. O
trabalho de humanização deve
procurar amenizar esse aspecto,
tanto no que diz respeito à parte
física, estrutural, quanto no que

tratamento oncológico

o
se refere à equipe de trabalho”,
afirma Luciana. Recepcionistas,
atendentes, enfermeiros, psicó-
logos e médicos devem estar en-
de ser operada prioritariamen- de, nas últimas décadas, tem sido volvidos em uma dinâmica de
te por religiosos e profissiona- a de recuperar a dimensão hu- trabalho personalizado, em que
O cuidado com a liza-se, tornando-se o médico mana nos tratamentos hospita- o paciente é chamado pelo nome
um trabalhador remunerado e lares, com o objetivo principal — e não identificado de acordo
câncer coloca o dimensão humana quimioterapia e retornos não especializado. De um lado, os de salientar a necessidade de com seu quadro clínico.
paciente dian- do paciente conta definitivos para casa. O doente avanços tecno-biocientíficos re- cuidar do paciente e não ape- Médicos e enfermeiros são
te de questões de câncer, até então um indiví- alizados neste processo trouxe- nas de sua doença. figuras-chave neste processo.
fundamentais de tanto quanto o duo soberano de suas decisões ram inúmeras possibilidades de Uma de suas principais atri-
sua existência. tratamento físico e de seu destino, torna-se um cura, impensáveis até então. A Paciente como ser integral buições, nesse sentido, é infor-
Ao adoecer, ele paciente, submetido a uma es- contrapartida foi a “desumani- “O esforço deve ser o de res- mar paciente e familiares, a todo
se defronta com
da doença trutura ultra-especializada de zação” do atendimento. “As- saltar que o paciente é um ser momento, sobre as condições
um panorama de cuidados de saúde, em um con- sim, aquele que deveria cuidar integral, com necessidades, an- clínicas e os procedimentos te-
profundas mu- Chiattone, presidente da As- texto no qual freqüentemente foi se transformando cada vez seios e possibilidades de esco- rapêuticos, em uma linguagem
danças em suas sociação Latino-americana de ele passa a ser visto a partir de mais em um técnico, um espe- lha, e não apenas um doente, o que leigos possam compreender.
perspectivas. “É real a presen- Psicologia da Saúde (Alapsa sua doença e não de sua indi- cialista, profundo conhecedor que é uma percepção parcial de Assim, a ansiedade gerada pelas
ça de uma situação de crise no Brasil). vidualidade. de exames e condutas de alta sua pessoa”, acredita Luciana dúvidas que cercam a doença e
que diz respeito à própria vida O diagnóstico dá início a um Essa coisificação do paciente complexidade, porém distante Bernardo, presidente da Asso- o tratamento é reduzida e au-
e suas transformações, e sobre processo muitas vezes penoso surgiu com a onda de transfor- dos aspectos humanos presen- ciação Viva e Deixe Viver, orga- menta a confiança no profissio-
Março de 2008

Março de 2008
a doença, que também causa de tratamento, surgindo uma mações provocada pelo nasci- tes nos pacientes e familiares”, nização que procura tornar mais nal de saúde e nas possibilidades
intensas repercussões”, avalia rotina de internações, proce- mento da medicina científica, aponta Heloísa. humana a internação hospitalar de cura.
a psico-oncologista Heloísa dimentos cirúrgicos, sessões de quando a área de saúde deixa A tendência mundial em saú- de crianças e adolescentes, por “Tratar o paciente de manei-
 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 
>>
em debate
ra humanizada é estabelecer um condições para investir em me- Moura Leite Netto
“Cidadãos e empresas

Dor
vínculo com ele”, define Cecília lhoriasno espaço físico e em trei-
da Costa, diretora da Oncologia operam diversas namento do pessoal.
Pediátrica do Hospital A.C. Ca- transformações, mas Organizações da sociedade
margo. Centro de referência no cabe ao governo fazer civil, como a Associação

prolongada?
tratamento do câncer, o hospital sua parte” Viva e Deixe Viver, acabam
pôs em prática uma série de me- desempenhando um papel
didas para amenizar o sofrimen- Luciana Bernardo, presidente da de sistematização de uma
to das pessoas em tratamento. Associação Viva e Deixe Viver estrutura de humanização
As iniciativas para a humani- que seria de responsabilida-
zação da internação de crian- deral em 2001, com o estabe- de do Estado. Atualmente, a
ças exemplificam bem o tipo de lecimento da Política Nacional organização já atua em 70 hospi- Suspensão da
atenção que é dispensado aos pa- de Humanização (PNH) e do tais e conta com 1.400 membros ortotanásia por

o
cientes. “Procuramos deixar bem HumanizaSUS, que estabelece- ativos, organizando, além disso,
claro para as crianças e suas fa- ram parâmetros para programas fóruns e congressos que envol-
decisão judicial
mílias, desde o começo, que o tra- no Brasil inteiro. Mas ainda há vem médicos, estudantes, pro- divide opiniões
tamento não deixará o paciente muito em que avançar — mui- fissionais e voluntários para
inválido. Incentivamos a todo o tos dos atributos básicos de um discussão da humanização no
tempo que ele mantenha suas ati- tratamento hospitalar huma- sistema de saúde. “Cidadãos
Lalo de Almeida/A.C.Camargo
vidades rotineiras, tanto quanto nizado dependem de recursos e empresas operam diversas ORTOTANÁSIA:
possível”, explica Cecília. financeiros. Hospitais com di- transformações, mas cabe ao Suspensão de procedimentos
A humanização em hospitais ficuldades orçamentárias e a governo fazer sua parte”, conclui tema ortotaná- — vários deles invasivos e dro Caruso, professor da Univer-
tornou-se política pública fe- rede pública geralmente não têm Luciana Bernardo. sia tem gerado dolorosos — que prolonguem sidade de São Paulo e diretor da
muitos debates a vida de um paciente Unidade de Terapia Intensiva do
desde que, em terminal e sem possibilidade Hospital A.C.Camargo, a proibi-
novembro passa- de cura, desde que ele ou sua ção da ortotanásia inibe ainda
Cuidado em todas as etapas do, o juiz Roberto família concordem mais a adoção do método. “Em-
O Hospital A.C.Camargo com uma equipe de qualidade de vida”, afirma Luis Luchi Demo, bora no Brasil nunca tenha ocor-
EUTANÁSIA:
fundou de forma pioneira no professores que auxilia no Eliana Caran, oncologista da Justiça Federal Procedimento ilegal, no qual
rido uma condenação médica por
país, em 1987, uma escola processo de aprendizado e pediatra do Instituto de do Distrito Fede- causa de ortotanásia, a cassação
há uma ação efetiva - uma
interna voltada às crianças e acompanhamento escolar. Oncologia Pediátrica do ral, suspendeu a desencoraja a prática”, afirma.
injeção letal, por exemplo
adolescentes em tratamento, Além da escola, as crianças em GRAAC. resolução do Conselho Federal - que antecipa a morte do O médico intensivista e coorde-
com o objetivo de impedir a tratamento têm à disposição Etapas mais complicadas da de Medicina que permitia a sua paciente nador da UTI do Hospital San-
defasagem aguda de ensino uma brinquedoteca, um terapia oncológica, como prática. A resolução vigorava ta Rita, do Centro de Câncer
que costuma estar envolvida cantinho da paz — espaço procedimentos dolorosos desde novembro de 2006, per- da Santa Casa de Porto Alegre,
no longo processo para meditação e orações — envolvendo introdução de
mitindo o procedimento desde seja analisado de maneira mais André Torelly, afirma que dian-
terapêutico do câncer e também uma quimioteca — catéter, retirada de líquor
que o próprio paciente ou sua profunda e será constatado que te da morte inevitável é melhor
pediátrico. Lá, os pacientes local destinado à aplicação de para análise ou cirurgias,
família concordassem com a de- proibir a ortotanásia é um ato que ela ocorra da melhor forma
podem fazer suas tarefas de quimioterapia adaptado com devem ser amenizados com o
casa e avaliações escolares, uso de anestésicos e o
cisão. Atualmente, há um proje- que apenas prolonga a dor do possível. “A ortotanásia é a mor-
brinquedos e jogos
com auxílio de professores da estímulo ao lúdico. “A equipe to de lei do senador Gerson Ca- paciente”, afirma. te normal, sem sofrimento. Mas
eletrônicos.
rede municipal e estadual, de psicologia e de mata (PMDB-ES), que prevê a O que ocorre no Brasil, infor- isso nem sempre ocorre. Temos
Para o Graacc, tratamento
que se comunicam com as humanizado significa enfermagem do hospital do regularização da ortotanásia no ma Oselka, é que muitos médicos aqui um paciente que está sem
escolas de origem para que o proporcionar qualidade de Graacc utiliza bonecas Brasil, mas está parado há cerca adotam métodos de prolonga- expectativa de vida, com corpo
acompanhamento do aluno vida e tornar o tratamento o especiais para informar à de oito anos no Senado. mento da vida sem ao mesmo mantido sedado, sem nenhum de
seja adequado. mais próximo possível da criança sobre os exames e De acordo com o professor solicitar a opinião do paciente. seus sentidos e somente com o
Projeto semelhante é rotina normal do paciente. terapias a que será associado do Departamento “Eles sabem que o uso de um coração batendo. Mas a família
desenvolvido no hospital do “Sabemos que é possível aliar submetida. Essa é uma de Ética Médica da Faculdade aparelho de ventilação mecâni- insiste pelo prolongamento de
Grupo de Apoio ao padrão científico às medidas maneira de reduzir a de Medicina da Universidade ca em nada ajudará o paciente, tratamentos, que em nada adian-
Adolescente e à Criança com de humanização, dando ao ansiedade e os mitos sobre de São Paulo, Gabriel Oselka, mas não desligam por receio de tarão”, contou.
Março de 2008

Março de 2008
Câncer (Graacc), onde paciente o direito de alcançar estes procedimentos”, explica a decisão do juiz não represen- serem acusados de ter permitido A ortotanásia é regularizada
funciona uma escola móvel todas as chances de cura com Eliana. ta a opinião dos juristas brasi- a morte de uma pessoa.” em grandes países da Europa e
leiros em geral. “Creio que isso Segundo o pneumologista Pe- nos Estados Unidos.
10 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 11
tabagismo
Eduardo Cosomano

A moda acabou
istockphoto

Planeta se mobiliza na luta contra o fumo. No


Brasil, medidas importantes foram tomadas,
mas legislação ainda não é capaz de proteger

d
os não-fumantes dos males do tabaco

uas décadas de- vos da fumaça comprovadamen- demoradas, estão sendo toma-
pois de sua eclo- te nociva do tabaco, não permitir das. “Já estão terminantemente
são, impulsiona- que os jovens experimentem ou proibidas as veiculações na mí-
da pelos Estados se tornem viciados e fazer com dia de propagandas de cigarro,
Unidos, o anti-ta- que aqueles que fumam deixem além da restrição total de patro-
bagismo não dá de fumar. Uma tarefa nada fácil, cínio a eventos culturais e espor-
sinais de trégua contam os números. tivos pela indústria do tabaco
e a conscienti- Segundo a última pesquisa rea- em território nacional”, informa
zação da socie- lizada pelo Ministério da Saúde, o médico do Departamento de do Canadá. A União Européia, do Inca. Nos Estados Unidos o mento. O número total de unida-
dade em todo o em 2003, o Brasil tem 27,5 mi- Controle ao Tabagismo do Insti- vanguarda em saúde pública, número de cigarros consumidos des credenciadas é desconhecido
mundo mostra- lhões de fumantes. Especialistas tuto Nacional do Câncer (Inca), só tornou obrigatória a veicu- reduziu-se à metade dos anos pelo próprio SUS porque muda
se irreversível. afirmam que cerca de 50% tipos Ricardo Meirelles, citando uma lação das fotos em 2004”, infor- 80 para cá. a cada três meses, quando são
Com a imprensa dos tumores são gerados direta conquista prestes a completar ma Meirelles. realizados os repasses de verba
fazendo seu papel ao difundir ou indiretamente pelo cigarro. uma década. Não há, no entanto, nenhu- Na rede pública e de medicamentos para os mu-
os males causados pelo fumo e Dentre os tumores de pulmão, Outra ação de impacto é a in- ma pesquisa atual que mensu- Outro passo do governo brasi- nicípios. Além de profissionais
com a sociedade em pé de guer- mais de 95% têm relação com serção de imagens de pessoas re quantas pessoas deixaram de leiro foi a inclusão do tratamen- aptos, a unidade deve ter equi-
ra contra a fumaça, governos de o tabaco. E nada menos que 200 vítimas do cigarro nos maços. fumar ou não experimentaram to para doenças associadas ao pamentos adequados e deve ter
países como a França, Espanha, mil pessoas morrem por ano no “As fotos foram adotadas em cigarro por conta das novas leis. uso do tabaco no Sistema Úni- o fumo completamente proibido
Argentina, Canadá e até o Irã, país por causa do cigarro, segun- 2002. No ano seguinte, as ima- “A última pesquisa apontou que- co de Saúde (SUS). O programa em suas dependências.
intensificaram ações de comba- do a Organização Mundial de gens ficaram maiores e mais cho- da de 35% no número dos fu- existe desde 2004 e, nos últimos “O fumante deve procurar a
Março de 2008

Março de 2008
te ao fumo. Saúde (OMS). No planeta são cantes. O Brasil foi o segundo mantes de 1989 a 2003. Mas é anos, o Ministério da Saúde ha- Secretaria Municipal de Saúde
As medidas têm três objetivos 4,9 milhões. país do mundo a usar esse tipo evidente que os índices ainda são bilitou profissionais e credenciou da cidade onde mora para sa-
claros: poupar os fumantes passi- As medidas nacionais, embora de contrapropaganda, depois altíssimos”, pondera o médico unidades para oferecer o trata- ber em que unidade de saúde é
12 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 13
>>
na moda
O QUE QUEREM OS FUMANTES?
O tabagismo é considerado feminina no mundo fumam.
Herchcovitch
pela Organização Mundial
da Saúde (OMS) a principal
causa de morte evitável em
Enquanto nos países em
desenvolvimento os fumantes
constituem 48% da população
lança coleção especial para

infografe / marcelo camacho


todo o mundo. O órgão
estima que um terço da
população mundial adulta
masculina e 7% da população
feminina, nos países
desenvolvidos o número de as pessoas, mas não há nada
campanha antitabagista
— 1 bilhão e 200 milhões mulheres mais do que triplica: no ato de fumar que impeça
de pessoas (entre as quais 42% dos homens e 24% das as pessoas de pararem, desde
200 milhões de mulheres) mulheres têm o hábito de que estejam determinadas e Parte da venda de peças produzidas pelo estilista e apresentados
— seja fumante. Dados da fumar. tenham motivação”. Pesquisa na São Paulo Fashion Week será revertida para a ABCâncer
Organização afirmam que No site de uma das maiores Datafolha de 2007, porém,
aproximadamente 47% de empresas de tabaco do conclui que 88% dos fumantes
toda a população masculina mundo, há a informação de querem parar, mas não A campanha “Eu Quero Pa- centivar a luta contra o fumo, irá capital paulista —, realizada de
e 12% da população que “existem diferenças entre conseguem. rar”, desenvolvida pelo laborató- arrecadar recursos e colaborar 16 a 21 de janeiro.
rio farmacêutico Pfizer, ganhou com a Associação Brasileira As peças relativas à campa-
as passarelas da moda. O estilista do Câncer. nha estarão disponíveis para
Alexandre Herchcovitch (foto) A coleção “Eu quero Parar” venda na loja Herchcovitch a
oferecido o atendimento. Pode “Deveríamos igualar os preços [do cigarro] aos produziu uma coleção especial foi lançada na 24ª edição da São partir de março, junto com a
ser um posto de saúde, um hos- de camisetas (masculina e femi- Paulo Fashion Week (inverno coleção outono-inverno 2008
pital-geral, um hospital universi- padrões internacionais. Essa medida evitaria nina) e bonés que, além de in- 2008) — a semana de moda da do estilista.
tário ou até o Programa de Saú- que os jovens se aproximassem do cigarro.
de da Família”, explica o médico Seria um freio de mão”
Ricardo Meirelles.
Daniel Deheizelin, Pneumologista do Hospital Sírio-Libanês
Perfil do fumante
“É evidente um esforço do cionais. Essa medida evitaria Quadro para controle de tabaco,
governo para reduzir os danos que os jovens se aproximassem integrada por 192 países mem-
do tabaco, mas medidas funda- do cigarro”, avalia Deheinzelin. bros da OMS que se mobilizam
mentais ainda não foram toma- Para os que já fumam, segundo para reduzir os níveis de tabagis-
das”, afirma o pneumologista do o pneumologista, o preço não mo pelo planeta. “Faz parte do
Núcleo Avançado do Tórax do importa muito. “Temos casos de nosso projeto encontrar nichos
Hospital Sírio-Libanês, Daniel pessoas que deixam de comprar de mercado para migrar os fumi-
Deheinzelin. O cigarro do Bra- alimentos para sustentar o ví- cultores para outras atividades.
sil é o 6º mais barato do mundo. cio”, afirma. E isso é complexo, pois 80% do
Um maço com vinte unidades A indústria do tabaco movi- fumo produzido em território
custa, em média, R$ 2,00, pouco menta cerca de R$ 8,5 bilhões nacional é voltado para expor-
mais de 1 dólar. O mesmo maço por ano no Brasil, gerando uma tação. Além disso, temos o gra-
nos Estados Unidos não sai por arrecadação de impostos que ve problema do contrabando”,
menos de US$ 7, o equivalente chega a 70% do mercado le- informa Ricardo Meirelles.
a R$ 13,00. É uma diferença de gal, ou R$ 4,6 bilhões, de acordo Segundo Deheinzelin, a po-
mais de 500%. com a Associação Brasileira da pulação deve pressionar os
“O cigarro é muito barato e é Indústria do Fumo (Abifumo). políticos. “Os principais países
Divulgação/Pfizer

óbvio que isso torna o consumo O comércio clandestino respon- do mundo já implantaram as
mais fácil. Deveríamos igualar de por R$ 1,9 bilhão. medidas. O governo precisa ter
Março de 2008

Março de 2008
os preços aos padrões interna- O Brasil integra a Convenção bom senso.”

14 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 15
capa
Julia Garcez
Cuidado com

Mudança de
fórmulas mágicas!
Embora uma boa nutrição
possa ajudar a diminuir
o risco de um câncer, é

hábitos
preciso tomar cuidado
com alguns exageros.
“Há alguns alimentos que
são mais promovidos do
que deveriam, e têm suas
propriedades ‘anticâncer’
exaltadas quando apenas
um estudo foi feito sobre o
assunto”, diz o nutricionista
Fábio Gomes, analista
de programas nacionais
para controle do câncer
do Instituto Nacional do
Câncer (Inca).
Um exemplo é a linhaça.
A semente é considerada
uma grande aliada contra
a doença, mas conforme
a nutricionista ainda há
poucas evidências sobre
sua real eficácia. O mesmo
se deu com a pimenta
e a graviola, também
Para prevenir o câncer é preciso mais do que evitar incensadas antes da hora.

e
cigarro e bebida alcoólica em excesso. Uma dieta Outro problema comum
é achar que o consumo
balanceada, com pouca gordura e sem conservantes, é específico de algum tipo
fundamental para evitar determinados tipos da doença de alimento é uma fórmula
mágica capaz de eliminar
inteiramente o risco da
Istockphoto doença. Embora uma
dieta balanceada tenha
benefícios incontestáveis
m novembro para prevenir ou combater a do- “O câncer tem relação estreita contrário do que ocorreu com o boca, faringe, esôfago, estômago para a saúde, o câncer
de 2007 o livro ença: praticar exercícios físicos, com os hábitos alimentares, e os sol e o cigarro, claramente iden- e intestino), por exemplo, está também pode acometer
Anti-câncer: pre- evitar o estresse e, principalmen- alimentos podem tanto aumen- tificados.” demonstrado que uma dieta pessoas adeptas da nutrição
venir e lutar por te, ter uma alimentação saudá- tar o risco da doença quanto ser No entanto, o tema alimenta- desregulada pode aumentar o saudável e dos exercícios
meio de nossas vel e balanceada. Embora não um fator de proteção”, afirma ção e sua relação com o câncer risco de câncer, mais do que a físicos. “A alimentação
defesas naturais, apresente grandes novidades e o nutricionista Fábio Gomes, vem ganhando cada vez mais predisposição genética”, afirma funciona quase como
um escudo, mas com
do neuropsi- possivelmente erre a mão em analista de programas nacionais destaque nos últimos anos. o oncologista Benedito Mauro
alguns buracos”, diz
quiatra francês não poucos momentos — quan- para controle do câncer do Inca Embora ainda não se possa fa- Rossi, do Departamento de Gomes. “Quem tem uma
David Servan- do superestima o caráter profi- (Instituto Nacional do Câncer). lar, a exemplo do que propõe Cirurgia Pélvica do Hospital dieta saudável está mais
Schreiber, cau- lático de alguns alimentos — o “Porém, muita gente ainda não Schrieber, em “café da manhã A.C.Camargo. protegido do que quem
sou furor na Europa e vendeu livro tem o mérito de discutir está ciente disso. Em algumas que evita o câncer”, várias pes- E o risco não se restringe so- se alimenta mal, mas
mais de 250 mil exemplares em com o público não-especializado enquetes feitas pelo Inca, os en- quisas indicam o tipo de papel mente aos órgãos que entram inteiramente livre do risco
Março de 2008

Março de 2008
um mês. O autor, que tratou um um assunto que muita gente des- trevistados não classificaram a que a comida desempenha no em contato direto com a co- não se pode dizer
câncer no cérebro 15 anos atrás, conhece: o papel dos alimentos comida como algo que pudesse surgimento da doença. “Nos tu- mida. “Pesquisas demonstram que está.”
ofereceu ao público sua receita no surgimento de um câncer. provocar ou evitar um câncer, ao mores do trato digestivo (como que uma dieta rica em gordu-
16 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 17
>>

Dieta inteligente
ra, aliada ao sedentarismo, pode Apesar da imagem de saudável, o peito de peru light tem mais calorias, gordura,
aumentar a susceptibilidade ao sódio e colesterol que o presunto, além dos conservantes presentes nos embutidos
– nitrato e nitrito, também associados ao aparecimento do câncer. Veja as
câncer de mama e de próstata”,
propriedades de alguns alimentos:
diz o oncologista. Portanto, quem
deseja diminuir o risco de ter
Embutidos: Favorecem o surgimento de câncer Mundial de Saúde, mostrou que cada 160g de
câncer precisa ficar bem atento de intestino e devem ser banidos da dieta, carne vermelha/dia na dieta, em um ano,
ao que põe no prato. mesmo nas versões blanquet e light (caso do aumenta em 40% o risco de câncer no intestino.
peito de peru fatiado, defumado ou não). A Um nível seguro de consumo são dois pequenos
Fatores de prevenção, legislação brasileira determina limite máximo de bifes por semana, no máximo. Frango tem risco
fatores de risco 0,015 g/100 g e 0,03 g/100 g, respectivamente neutro e peixe pode até proteger contra alguns
E quais são os hábitos alimen- para nitrito e nitrato de sódio em carnes e tipos de câncer, como próstata, mama e
tares que favorecem ou previ- produtos cárneos (embutidos elaborados a intestino.
nem o surgimento de um câncer? partir de carne de suínos, bovinos ou aves). Esses
Embora ainda não seja possível conservantes – usados para impedir o Álcool: Grande vilão do combate ao câncer. O
apontar, de forma definitiva, o desenvolvimento de consumo excessivo pode causar
tipo de tumor que cada alimento microorganismos, tumores em órgãos que têm
eventualmente causa ou evita, já especialmente o contato direto com a
existem algumas conclusões bas- Clostridium bebida – boca, faringe,
tante sólidas a esse respeito. botulinum, laringe,
A primeira delas é que uma responsável esôfago – e
dieta rica em frutas, verduras, pelo botulismo também no
legumes, fibras, grãos e cereais – podem ser cólon e no reto.
integrais, como farinha de trigo transformadas,
e arroz, ajuda a diminuir o risco dentro do estômago, Frutas, legumes e
de câncer (ver box). “Sobre as em nitrosaminas, que verduras: Os benefícios
frutas e vegetais, especificamente, são compostos cancerígenos. Segundo Benedito vão desde a regulação celular até a proteção do
Lalo de Almeida/A.C.Camargo Rossi, não existem estudos que estabeleçam DNA, passando pela apoptose celular, um
não há nenhuma divergência”,
níveis seguros de consumo de nitrito e nitrato. processo no qual os alimentos estimulam a
diz Fábio Gomes. “Mais de 250 alimentos defumados ou ricos em ta Benedito. “Quando a pessoa
“A questão é simples: quanto maior o consumo, morte de células cancerígenas.
estudos internacionais atestam sal aumenta significativamente o ingere muitas calorias e gasta maior o risco.”
a importância deles.” Segundo risco de câncer, especialmente de poucas, há um desequilíbrio no Fibras e cereais integrais: Auxiliam o bom
o nutricionista, “a cada dia se estômago, intestino e pâncreas. que chamamos de balanço ener- Carne vermelha: O problema pode começar no funcionamento do intestino e dificultam a
descobrem coisas novas a esse Alguns estudos também já come- gético do organismo, alterando preparo. Carnes submetidas a temperaturas absorção de gordura pelo organismo.
respeito — e cada um desses ali- çam a estabelecer uma relação nosso metabolismo, incluindo as muito altas têm um potencial cancerígeno maior
mentos parece ter um compos- entre alimentação rica em gor- taxas de insulina, e isso pode au- — o ideal é consumir cozida ou assada. Estudo Soja: Vários estudos a identificam como fator de
to com ação protetora contra o dura e o aparecimento de tumo- mentar o risco do aparecimento da Agência Internacional para a Pesquisa em proteção contra vários tumores, como o de
câncer”. res de mama e de próstata. “Isso de câncer.” Câncer (IARC, em inglês), ligada à Organização mama, cólon, reto, estômago e próstata.
Em contrapartida, uma dieta pode estar relacionado ao balan- Fontes: Benedito Mauro Rossi, Departamento de Cirurgia Pélvica do Hospital A.C.Camargo; George Guimarães, nutricionista especializado em alimentação
rica em gordura, carnes proces- ço energético, entre a quantidade Ao estilo de cada um vegetariana; Sidney Federmann, médico da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo; Fábio Gomes, analista de programas nacionais para controle do câncer do Inca
sadas, embutidos (como salsicha, de comida que o corpo recebe Ao contrário do que às vezes (Instituto Nacional do Câncer); Ricardo Ghelman, médico antroposófico.

salame, presunto, entre outros) e e o que gasta de energia”, con- se imagina, não é preciso banir
o consumo de alimentos de ori-
gem animal e adotar linhas de de vegetarianismo, que não ne- excesso, por exemplo, pode es- que os adeptos da alimentação
“Quando a pessoa ingere muitas calorias alimentação normalmente en- cessariamente são eficazes contra tar exposta ao risco do câncer da vegetariana largam na frente: o
e gasta poucas, há um desequilíbrio no tendidas como “mais saudáveis”, o câncer”, afirma Sidney Feder- mesma forma. Se não consumir estilo de vida. “A opção pela die-
que chamamos de balanço energético do a exemplo da vegetariana ou a mann, médico da Secretaria Es- quaisquer alimentos de origem ta vegetariana é uma opção por
organismo, alterando nosso metabolismo, macrobiótica, para ter sucesso na tadual de Saúde de São Paulo e animal, há a questão da falta da um modo de vida mais saudável”,
incluindo as taxas de insulina, e isso pode prevenção ao câncer. autor do livro Alimentação que vitamina B12. Não é preciso vi- diz George Guimarães, nutricio-
Março de 2008

Março de 2008
“Pesquisas demonstram que os evita o câncer e outras doenças. rar vegetariano para prevenir o nista especializado em alimenta-
aumentar o risco do aparecimento de câncer.” vegetarianos são menos propen- “Se uma pessoa não comer car- câncer.” ção vegetariana. “Um ‘vegano’
Fábio Gomes, nutricionista do Inca sos ao infarto, mas há vários tipos ne, mas comer queijo e ovos em No entanto, há um ponto em sempre presta muita atenção ao
18 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 19
>>

Fé na boa
alimentação

que come, e normalmente não Os adventistas do sétimo dia acreditam que o corpo
fuma e nem bebe em excesso, humano é o templo do Espírito Santo e por isso deve ser
comportamento nem sempre cuidado de maneira inteligente e responsável. A religião
presente entre os onívoros.” aconselha que os seus fiéis tenham alimentação e estilo de
Os adeptos da antroposofia vida saudáveis, que combine a prática de exercícios físicos e
a abstenção de substâncias como álcool, narcóticos e cigarro.
também podem assumir a dian-
teira quando o assunto é vida
saudável. Na teoria antroposó- “A igreja adventista incentiva o consumo
fica, conforme conta o médico de alimentos naturais, muitas frutas,
especialista Ricardo Ghelman, verduras, legumes, sementes, grãos e
existe uma correlação entre par- cereais integrais”,
tes da planta e regiões e siste- afirma a educadora Elisa de Biazzi, praticante da religião
mas orgânicos. “Neste sentido e autora de vários livros sobre saúde e qualidade de vida.
os legumes, frutas e flores (bró- Recomenda-se também muito cuidado com gorduras e a
colis, couve flor, por exemplo) substituição da carne — até mesmo a do peixe — por algum
possuem maior atuação sobre outro alimento sempre que possível.
o sistema metabólico-motor, as
verduras (folhas) sobre o siste- “É difícil ter um caráter amoroso e obter o
ma rítmico (cardio-respiratório) aperfeiçoamento cristão se nosso corpo estiver carregado
e as raízes e tubérculos sobre o
sistema neuro-sensorial”, conta
de toxinas e alimentos nocivos ou estimulantes”, diz Elisa.
Segundo ela, o estilo de vida que a igreja recomenda anuncio
“facilita o cumprimento das exigências da vida cristã e ajuda
ele. A antroposofia recomenda
as pessoas a perceberem mais seu lado espiritual”.
uma alimentação orgânica, e de
preferência biodinâmica e não Para disseminar suas recomendações, a igreja adventista
congelada, com predominância promove palestras e eventos e mantém alguns projetos
de fonte vegetal integral sem como SPAs, centros de convivência e hospitais, onde seus
preconceito ao uso moderado preceitos são seguidos à risca. Um desses espaços é o Espaço
de fonte animal, também de pre- de Vida Natural, próximo a São Roque (SP). “É um lugar
ferência orgânica, ou seja, sem integrado para promover a melhor qualidade de vida, onde
agrotóxicos e organismos gene- não se consome nada de origem animal”, diz Elisa. Há outros
ticamente modificados. espaços semelhantes no País — dois dos mais conhecidos
estão próximos de Ibiúna e Campinas.
Mudar é fundamental
Independentemente da linha
de alimentação escolhida, aten- tado!”, completa Sidney Feder- balanceada por um preço justo.
tar para o estilo da vida que mann. Quem cozinha em casa pode, por
se leva é uma questão crucial. Porém, no cotidiano atribulado exemplo, aproveitar as feiras
“Não se trata apenas de mudar das grandes cidades, em que as livres, que oferecem frutas e
o cardápio; é preciso mudar os pessoas têm pouco tempo para vegetais por um preço muito
hábitos como um todo”, afirma cuidar de si, como seguir esses mais acessível que os alimen-
Benedito Mauro Rossi. “A uma preceitos? tos processados do supermer-
dieta balanceada é preciso aliar “Não há soluções prontas, a cado”, diz. Importante é mudar
a prática de exercícios físicos, que questão é mudar os hábitos da e, mais importante, é ser coeren-
tanto ajudam na prevenção do vida mesmo”, afirma Benedito. te. “Adianta pouco alimentar-se
Março de 2008

Março de 2008
câncer como melhoram o prog- “Quem trabalha tem a opção corretamente, mas ser sedentá-
nóstico de quem tem a doença. dos restaurantes por quilo, que rio, fumar e beber em excesso,
O sedentarismo tem de ser evi- permitem fazer uma refeição por exemplo.”
20 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 21
fique de olho
Cristiane Gonçalves com expectativa de vida prejudi- um desconforto de 20 segundos
cada por outras doenças. Álvaro “Mais vale o do que passar anos sofrendo por
indivíduo suportar

Observar é o
Sarkis reitera que essa conduta causa de um câncer que não foi
preserva o paciente do tratamen- um desconforto descoberto na hora certa”.
to radical e, especialmente, de
efeitos colaterais como incon-
de 20 segundos do Prevenção

melhor remédio
tinência urinária e diminuição que passar anos Como o diagnóstico precoce
da potência sexual. sofrendo por causa tem um impacto enorme sobre
O urologista Miguel Srougi, de um câncer que os resultados do tratamento, as
professor da Universidade Fe- não foi descoberto informações abaixo indicam
deral de São Paulo (Unifesp), na hora certa” quando se deve começar a pre-
escreveu o livro Próstata: isso venção (PSA e o exame de toque
30% dos pacientes com câncer de é com você (Publifolha) para
Miguel Srougi
retal, que deve ser feito uma vez
próstata podem contar com um orientar homens e mulheres so- Urologista, autor do livro
por ano).
bre a importância do diagnóstico Grupo de risco (pessoas com

e
Próstata: isso é com você
acompanhamento da doença em lugar precoce. Para mulheres também predisposição): Negros e pacien-
de radioterapia ou cirurgia. O ganho? porque elas são grandes parcei- tes com histórico familiar (avós,
ras no combate à doença. pais, tios) devem começar a re-
Mais qualidade de vida Srougi afirma que dois terços esposas. Sobre o medo que al- alizar exames regulares a partir
dos homens procuram o médi- guns homens têm do exame de dos 40 anos de idade.
co para fazer exame da prósta- toque retal, ele é incontestável: Grupo sem predisposição: A
ta porque são obrigados pelas “Mais vale o indivíduo suportar partir dos 45 anos

mbora o trata- Segundo Sarkis, os 30% de pa- grama intensivo de acompanha-


mento do câncer cientes candidatos ao acompa- mento da doença, com a realiza-
de próstata conte nhamento é um dado da litera- ção de exames clínicos e físicos
hoje com os mais tura estrangeira, mas o mesmo a cada três meses e avaliação se-
modernos méto- percentual pode ser estimado vera da progressão da doença.
dos terapêuticos, aos casos brasileiros. “Para esses No entanto, diante de qualquer
nem sempre ra- pacientes indicamos a observa- alteração do quadro a cirurgia
dioterapia ou ci- ção, em vez de uma intervenção pode se tornar a melhor alterna-
rurgia são os pro- cirúrgica, por exemplo.” tiva de tratamento”, afirma.
cedimentos mais Entretanto, é importante deixar A técnica de observação é ado-
recomendados. Há uma parcela bem claro que isso não significa tada nos consultórios há pelo
de cerca de 30% dos pacientes fugir do médico. “A alternativa menos dois anos, em especial
para os quais o melhor remédio pela observação inclui um pro- para os pacientes mais idosos ou
é acompanhar a progressão da
doença, sem intervenções radi-
cais.
Nas estatísticas como a segunda
causa de morte por câncer entre
homens no Brasil (a primeira é
o câncer de pulmão), o câncer
de próstata pode ser curável — e
isso vale para a maioria dos tipos
de tumor — se for diagnosticado
no início. “Não existe cura para
doença avançada metastática”,
explica o oncologista Álvaro Sa-
Março de 2008

Março de 2008
rkis, professor livre-docente da
Faculdade de Medicina da Uni-
versidade de São Paulo. infografe

22 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 23
eu pertenço
Paulo Paladino cuidados com a saúde bucal.

>> O custo representa um

Ciência para problema na questão do


acesso?
O tratamento odontológico exi-

vencer o câncer
ge estrutura e material específi-
co para sua execução e por isso
tem custo alto (considerando a
renda da população brasileira)
Virgínia Maria Circhia Pinto - além do próprio conhecimen-

a
to e da complexidade do traba-
lho do especialista. As próprias
seguradoras de saúde têm difi-
culdade de incluir tais serviços
lguns anos depois de se estavam em boas condições de >> O que pode ser feito em seus planos, devido ao cus-
formar pela Faculda- vida, o seu medo não foi menor. com o conhecimento dessas to adicional que acarretaria nas
de de Odontologia da “Fiquei bastante abalada, a pon- seqüelas? mensalidades.
Universidade Estadual to de preparar minhas filhas para É importante que seja realiza-
Paulista (Unesp), a ci- o pior. Também parei o mestrado do um trabalho multidisciplinar >> Qual seria uma solução
rurgiã-dentista Virgínia momentaneamente para poder para avaliar as drogas que poten- viável para esse problema?
Maria Circhia Pinto, que direcionar todas as forças para cialmente poderiam prejudicar o Ações governamentais preven-

Ricardo Thomazini
sempre se interessou em o tratamento.” sistema odontológico das crian- tivas são de menor custo, incluin-
estudar tumores na boca, teve Após a recuperação, a impor- ças. Com uma simples avaliação do-se o câncer de boca. Investir
o primeiro contato íntimo com tância de estudar as necessidades clínica do paciente, consegue-se em prevenção torna-se essencial
a doença: sua mãe passou por de pacientes com câncer envol- prevenir em torno de 70% as em meio à realidade do país. Or-
um longo tratamento de câncer vendo tratamentos odontológi- complicações e diminuir as se- ganizações odontológicas e pri-
(mieloma múltiplo). “Ela se quei- cos levou Vírginia a um novo qüelas do tratamento do câncer “Como pesquisadora e profissional de vadas vêm realizando esse tipo
xava constantemente de dores na projeto de pesquisa: Osteonecro- infantil. Além disso, integração saúde, quero, por meio da ABCâncer, de trabalho, no entanto, o campo
boca e me pedia para pesquisar se da mandíbula ou maxilas em social, prevenção, detecção de se- atingido por suas ações ainda é
sobre o assunto e, assim, ajudá- pacientes submetidos à terapia gundo câncer e aconselhamento colaborar como agente multiplicadora restrito. Ações efetivas e de mas-
la”, contou. com bisfosfonatos, previsto para genético sempre foram os obje- de opinião e orientação” sa só seriam possíveis se estives-
Após a morte de sua mãe, Virgí- ser concluído até 2010. tivos que caracterizam a missão sem disponíveis pelo Governo
nia procurou a pós-graduação do do grupo Gepetto. Federal ou estadual.
Hospital A.C.Camargo, em São >> Por que analisar as
Paulo. Na época, estava sendo seqüelas de pessoas que >> Que tipos de seqüelas lectual, ou ainda complicações regular ao dentista é deixada em >> Diante da falta de
formado o Gepetto (Grupo de passaram por tratamento de foram evidenciadas durante envolvendo risco de morte, como segundo plano. Durante a minha campanhas públicas e de
Estudos Pediátricos dos Efeitos câncer na infância? o estudo? o desenvolvimento de neopla- tese de mestrado, fiquei impres- assistência odontológica
Tardios do Tratamento Oncoló- O câncer pediátrico é raro, cor- Os medicamentos quimioterá- sias secundárias ao tratamento. A sionada com os dados que mos- adequada, o que cada um
gico) e ela foi convidada a parti- respondendo aproximadamente picos com freqüência alteram a questão é que tais seqüelas, além travam que 15,9% da população pode fazer por si para se
cipar do estudo com o intuito de a entre 1% e 2% da incidência coloração dos dentes e a radiote- de prejudicarem a qualidade de brasileira nunca tinha ido a um preservar de doenças?
avaliar os efeitos dentais tardios de todos os tipos de câncer. O rapia na área de cabeça e pesco- vida do paciente, podem gerar dentista (IBGE). Individualmente, é importante
nos pacientes sobreviventes de conhecimento de sua incidên- ço é capaz de provocar alterações conseqüências psicológicas. que cada pessoa tenha consci-
câncer da infância. cia, prevalência, mortalidade e do desenvolvimento crânio-fa- >> Quais são os principais ência de que existem fatores de
Durante o mestrado Virgínia sobrevida é importante indica- cial, provocando desarmonia no >> Considerando os dados problemas que originam a risco que a predispõem a desen-
viu-se dentro de sua própria área dor do sistema de saúde. Atual- crescimento da face e dos dentes. levantados na pesquisa, situação? volver doenças bucais, como um
de pesquisa, quando diagnosti- mente, 70% a 80% das crianças Ainda é possível destacar o nas- qual a sua análise da área Nosso país peca em dois aspec- tumor maligno, por exemplo. Hi-
cada com um câncer de tireóide. com diagnóstico de câncer são cimento de microdentes, a falta odontológica no Brasil? tos: a condição educacional e fi- giene e hábitos como tabagismo
Ainda que o trabalho no Gepet- curadas e os efeitos tardios da de dentes e o comprometimento Infelizmente, a maior parte da nanceira precária de maior parte e alcoolismo provocam mais vul-
Março de 2008

Março de 2008
to tivesse oferecido a oportuni- tratamento com quimio e radio- da raiz. Podem ocorrer também população se encontra em condi- de nossa população e a ausência nerabilidade dos tecidos da cavi-
dade de observar pessoas que terapia podem ter implicações deficiência de crescimento e pre- ções de vida bastante inferiores de campanhas governamentais dade bucal e aumentam as chan-
tinham passado pela doença e variáveis. juízo do desenvolvimento inte- ao adequado e, por isso, a visita divulgando a importância dos ces de desenvolver a doença.
24 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 25
no site notas
Paulo Paladino

www.abcancer.org.br Exposição alerta sobre o


câncer de mama
A mostra O Soutién, que re- espaço e o tema da mostra para
úne obras conceituais criadas realizar um trabalho de cons-
Debate virtual: por diversos artistas plásticos cientização da prevenção do
aspectos baseadas na peça que tantas ve-
zes foi causa de polêmica na
câncer de mama, uma das
variedades mais recorrentes
psicológicos do luta pelos direitos das mulhe- no País.
câncer de mama res, está em cartaz no hall do Depois do Tuca, a exposição
teatro Tuca, da Pontifícia Uni- irá, ainda em março, para o
Apesar dos avanços na área versidade Católica de São Pau- Centro da Cidadania da Mu-

Divulgação/ Sheila Oliveira


oncológica, o câncer continua lo (PUC-SP), até 2 de março. lher e, a partir de abril, estará
sendo uma doença estigmatiza- Promovida pela ABAPC em várias estações do Metrô de
da e carregada de preconceitos (Associação Brasileira dos São Paulo. O Tuca fica na Rua
e seu diagnóstico afeta não só Artistas Plásticos de Cola- Monte Alegre, 1.024 e a mos-
o paciente, mas também aque- gem), com curadoria de Ro- tra pode ser visitada de 2ª a 5ª
les que se relacionam com ele. bert Richard, a exposição tem e domingo, das 10h às 18h, e 6ª
Para falar sobre o assunto, em o apoio da Associação Brasi- e sábado, das 10h às 20h. A en-
dezembro passado a psicóloga Peça que integra a leira do Câncer, que utiliza o trada é gratuita.
exposição O Soutién, em
clínica Claudia Sofia Ferrão Ba-
cartaz até dia 2, no Tuca
roni, especializada em psico-on-
cologia e membro do Conselho
Científico da ABCâncer, con-
versou com pacientes de câncer Enquete:
de mama, familiares, cuidado- Medicamentos de acesso aos medicamentos que
res e interessados. As principais
questões levantadas nos diálo-
gos foram as dificuldades de li-
alto custo
Entre as pessoas que votaram
não estão na lista os pacientes
buscam a ajuda da Justiça, fi-
cando vulneráveis ao agrava-
Sem a CPMF
dar com a doença e situações na enquete online do site da As- mento das doenças durante a O ministro da Saúde, José de pronto-atendimento 24 ho- flete um dilema que é falso,
a serem enfrentadas durante e sociação Brasileira do Câncer espera pelas decisões judiciais Gomes Temporão, afirmou que ras, a retomada das obras em pois a questão maior na saú-
após o tratamento. sobre medicamentos de alto e do seu cumprimento pelo Mi- a derrubada da Contribuição hospitais, a compra de equipa- de — que ocupa o primeiro
O conteúdo integral do debate custo, 95% não concordam nistério da Saúde. Provisória sobre Movimenta- mentos e a ampliação do aten- lugar na insatisfação dos bra-
está disponível na Comunidade com o teor da proposta do se- No site da ABCâncer você ção Financeira (CPMF) fará dimento oncológico. sileiros — não é dinheiro, mas
ABCâncer do portal da asso- nador Tião Viana (PT/AC) que pode acessar conteúdo sobre desaparecer o Plano de Ace- Em artigo publicado no jor- gestão, e um sistema público
ciação. Neste espaço também visa restringir a oferta de pro- o andamento desse projeto de leração do Crescimento (PAC) nal Correio Braziliense, dia 24 precário é a maior propaganda
estão acessíveis o artigo “Com cedimentos terapêuticos ambu- lei na seção Especiais, além de da Saúde, que injetaria R$ 4 de janeiro, o deputado federal para os planos de saúde que
o apoio da psico-oncologia”, as- latoriais e hospitalares e o for- ver um vídeo com o discurso de bilhões no setor: “Sem os re- (DEM-SP), professor emérito fazem parte desse neocapitalis-
sinado por Claudia Sofia Ferrão necimento de medicamentos de Marília Casseb, Superintenden- cursos adicionais, ficam adia- da USP e da Unicamp e presi- mo globalizante, mal digerido
Baroni, além de debates ante- alto custo que tratam de doen- te Executiva da ABCâncer (no dos os reajustes das tabelas do dente do Instituto Metropoli- e acrítico, mas dominante, que
riores, sobre câncer de pulmão, ças crônicas e que não constam Senado Federal, em 3/7/2007), Sistema Único de Saúde (SUS) tano de Altos Estudos (Imae), temos”, argumentou.
câncer colorretal, acesso a me- em lista elaborada pelo gestor defendendo os direitos dos e o aumento do teto financeiro José Aristodemo Pinotti, con-
dicamentos e ambiente livre de federal do SUS. pacientes ao acesso a medi- dos estados e municípios”. Se- testou o destino da CPMF e
Março de 2008

Março de 2008
fumo (tabagismo). Atualmente, a oferta de medi- camentos e tratamento dig- gundo ele, também ficarão sus- criticou a gestão dos recursos. Fontes: Agência Câmara e
Acesse e cadastre-se gratuita- camentos é regulamentada pela no pelo Sistema Único de pensas a criação de unidades “Essa conversa apoucada re- Correio Braziliense
mente na seção Comunidade! Portaria 2577/06/GM. Para ter Saúde(SUS).
26 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 27
políticas públicas
Stella Galvão “Queremos que sejam públicas
(as fundações), pois atenderão

Temporão e seu novo


unicamente aos interesses do
cidadão brasileiro e, portanto,
do Sistema Único de Saúde”

modelo para a Saúde


José Gomes Temporão,
ministro da Saúde

Aprovação do projeto de fundações estatais de


direito privado no Rio de Janeiro, Bahia e Sergipe
dá força política ao ministro da Saúde. A proposta,
porém, não conta com o aval da sociedade civil: foi
rejeitada pela 13ª Conferência Nacional de Saúde

o
Divulgação/ Ministério da Saúde

projeto de transferir a foi aprovado pela Assembléia de mais de 5 mil representantes transparência da administração que notam que o modelo não tos com superfaturamento ou
gestão de nove áreas do Legislativa de cada um desses da sociedade civil e especialistas pública, sendo fiscalizada pelos responde às suas necessidades contratações de serviços com
serviço público, incluindo Estados no final do ano passa- ligados ao setor. órgãos competentes”, afirmou como administradores de recur- valores acima do mercado.
a saúde, para fundações do. Encaminhado pelo Governo A Conferência é um fórum de Temporão. sos públicos”. Segundo o representante do
estatais de direito privado, Federal ao Congresso em julho participação popular criado sob No mesmo espaço de artigos CNS, órgão consultor do Minis-
proposto pelo ministro da último, atualmente está em dis- respaldo dos artigos 1º e 198 da da Folha de S. Paulo, no dia 27 tério, vários setores da Saúde
Saúde, José Gomes Tem- cussão na Comissão de Trabalho Constituição de 1988, que pre- de agosto, o presidente do Con- temem que se aprovado o pro-
porão, já é realidade em da Câmara dos Deputados. De vêem a participação da comu- Discussão pública selho Nacional de Saúde, Fran- jeto, o risco seja o de dificultar
três estados brasileiros: Rio de acordo com o ministro, o de- nidade nas decisões pertinentes Em artigo publicado na Fo- cisco Batista Júnior, citou trecho ainda mais o controle social so-
Janeiro, Bahia e Sergipe. putado Pepe Vargas (PT/RS) às ações e serviços de saúde. Ela lha de S. Paulo em 12 de agosto, do artigo do ministro sobre a bre o gerenciamento das insti-
No final de fevereiro Tempo- vai incluir ao texto original um tem o poder de propor altera- Temporão defendeu o sistema proliferação, na década de 1990, tuições financiadas com dinhei-
rão esteve em Salvador para as substitutivo com as modifica- ções e fiscalizar questões rela- único, ao qual atribui função so- de “fundações privadas de apoio ro público.
comemorações dos 200 anos ções propostas pelos Conselhos cionadas ao sistema público de cial inegável demonstrada pelo que acabaram por desempenhar “Se, por um lado, a não-su-
da Faculdade de Medicina da de Saúde e outros representan- saúde. volume de procedimentos ofe- funções administrativas ao lado jeição das fundações estatais à
Universidade Federal da Bahia tes da população. Sobre isso, ainda em Salvador, recidos à população sem meios da administração de hospitais, Lei de Responsabilidade Fiscal
– a primeira da área no Brasil O plano de aplicar o modelo o ministro reafirmou seu com- para dispor de outra forma de utilizando dinheiro público do agiliza a prestação de serviços,
– onde comentou: “É uma vi- à gestão da rede hospitalar do promisso de que essas funda- assistência. SUS”. segundo o argumento dos de-
tória política que representa Sistema Único de Saúde (SUS), ções sejam plenamente públicas. O ministro argumenta que o O que o artigo do ministro não fensores do projeto, por outro,
um avanço na administração embora tenha chegado a 2008 “Queremos que sejam públicas, modo atual de administração diz, segundo Batista Júnior, é facilita o uso inadequado dos
das instituições de saúde. Ga- com significativo avanço, teve pois atenderão unicamente aos do SUS não atende às expec- que várias dessas gestões são recursos públicos, cuja origem
nhamos assim um reforço para durante o ano de 2007 uma tra- interesses do cidadão brasilei- tativas da população por um atualmente objeto de auditorias e repasses também não estarão
dar apoio ao projeto que o Go- jetória marcada por reações pú- ro e, portanto, do Sistema Úni- atendimento de qualidade e do Ministério Público, das se- assegurados no orçamento fis-
verno Federal encaminhou ao blicas antagônicas até ser rejei- co de Saúde. Sob essa condição nem dos profissionais de saú- cretarias estaduais e do próprio cal. Que conceito de autono-
Março de 2008

Março de 2008
Congresso”. tado, em novembro, pela 13a também temos a certeza de que de, desmotivados e com salários Ministério da Saúde, apontadas mia administrativa se pretende
O Projeto de Lei (nº 92/2007) Conferência Nacional de Saúde, cumprirão as determinações dos baixos. E, finalmente, “não aten- por denúncias de irregularida- com essa proposta?”, questiona
que trata das fundações estatais que contou com a participação gestores públicos e as normas de de aos interesses dos gestores, des na compra de equipamen- Batista Júnior.
28 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 29
capazes de enfrentar os pro-
blemas afetos à sua pasta pro-
“As fundações receberiam recursos pondo soluções compatíveis
públicos e cumpririam metas com os conceitos jurídico-ad-
governamentais. Como são ministrativos já consagrados
fundações privadas, poderão
ou que, se forem inovadores,
contratar com terceiros a execução
dos serviços, sem estarem não deixem dúvidas quanto à
obrigadas a fazer licitação” constitucionalidade e ao res-
peito aos preceitos da legisla-
Dalmo de Abreu ção vigente.”
Dallari, jurista Para o jurista, que é professor
emérito da Faculdade de Direito
da Universidade de São Paulo,
a proposta de criar fundações
estatais de direito privado con-
divulgação

traria o fundamento primeiro de


uma fundação nesses moldes.
“As fundações receberiam re-
cursos públicos e cumpririam
metas governamentais. Como
Exemplo paulista tão entre o governo e entida- são fundações privadas, pode-
O debate teve prosseguimen- des filantrópicas para adminis- rão contratar com terceiros a
to com a publicação de artigo tração de unidades de saúde. execução dos serviços, sem es-
em 14 de setembro, ainda na
Folha de S. Paulo, do secretá-
Atualmente, 19 hospitais são ge-
renciados pelas chamadas OSs
tarem obrigadas a fazer licita-
ção, ou seja, o dinheiro públi- anuncio
rio da Saúde do Estado de São (Organizações Sociais). co vai ser usado para contratar
Paulo, Luiz Roberto Barradas “Não se trata de burlar leis, serviços com particulares livre-
Barata. Ele relembrou a decisão mas de, modificando e moder- mente escolhidos pelos adminis-
tomada há mais de uma déca- nizando a legislação existente, tradores das fundações. A par
da, na administração da saúde criar novas formas de bem aten- disso, os empregados das fun-
paulista, de incentivar fundações der o cidadão”, afirmou o secre- dações serão livremente esco-
privadas a gerir serviços públi- tário. Trata-se, afinal, de afastar lhidos pelos seus dirigentes, sem
cos no setor. o Estado da prerrogativa direta a necessidade de concurso pú-
São exemplos dessas parcerias, de controlador dos serviços, pre- blico, podendo ser demitidos a
segundo o secretário, o Hospi- servando-se, porém, a condição qualquer momento, como nas
tal das Clínicas de São Paulo, de mantenedor. empresas privadas.”
o InCor, o Dante Pazzanese, Dallari critica a resistência
o HC de Ribeirão Preto e o Questão de competência do ministro em acatar decisões
Instituto Nacional de Câncer Em artigo veiculado pelo Jor- que contrariem seus planos, a
(INCA), no Rio, entre outros. nal do Brasil em 24 de novem- exemplo do fato de a propos-
O ministro Temporão, aliás, foi bro, o jurista Dalmo de Abreu ta haver sido rejeitada pela
diretor geral do Instituto entre Dallari questiona a competên- 13a Conferência Nacional de
2003 e 2005. cia do ministro como signatá- Saúde. “Se a Conferência rejeitar
Barradas Barata afirmou que rio da proposta. “No Estado De- a fundação estatal, o pro-
já estava na secretaria quan- mocrático de Direito espera-se jeto será mantido no Con-
do foi implantado um mode- que os ministros de Estado se- gresso Nacional”, manifes-
lo de gerenciamento de hos- jam exemplares no respeito aos tou-se o ministro Temporão
pitais públicos, há nove anos, princípios e normas constitucio- pouco antes da decisão
baseado em contratos de ges- nais e, além disso, que sejam da Conferência.
Março de 2008

Março de 2008
30 abcâncer revista da associação brasileira do câncer revista da associação brasileira do câncer abcâncer 31
nesta edição

anuncio
Março de 2008

32 abcâncer revista da associação brasileira do câncer

Похожие интересы