Вы находитесь на странице: 1из 13

Conade Informa

Ano III - Nº 6
Dezembro de 2009

Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência


Contato (61) 2025-3673

DESTAQUES DO MÊS

EM FOCO

Banco do Brasil, Tribunal de Contas da União e diversas personalidades


assinam o Termo de Adesão à Campanha da Acessibilidade

NOTÍCIAS

Ministérios prestam conta das ações de 2009 e mostram seus planos para
2010

Conselheiros do Conade participam de seminário no Supremo Tribunal


Federal (STF)

Plenário aprova Nota de Exigibilidade da Audiodescrição

Conade avalia 2009 e faz planos para 2010

Conade comemora 10 anos com grande evento em Brasília

Nas comemorações do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, dia 3


de dezembro, o Conade comemorou 10 anos de sua criação em evento que
contou com a presença de muitas personalidades ligadas à área. A Bateria
Mirim e a Ala Nós Podemos, da Escola de Samba Portela, do Rio de
Janeiro/RJ, animaram a festa e emocionaram a platéia. Página 4

Na foto: da esquerda para a direita Denise Granja, Presidente do Conade,


Ministro Weber de Oliveira, representando o Tribunal de Contas da União,
Wagner de Siqueira Pinto, representando o Banco do Brasil, Da Ghama, ex-
guitarrista da Cidade Negra, Shelda e Adriana Samuel, jogadoras de vôlei
de praia e Noca da Portela. Fotografia de Augusto Coelho, durante o ato
de adesão à Campanha da Acessibilidade.

Uma nova luz é lançada sobre o mundo


Estamos chegando ao fim de mais um ciclo. E como sempre fazemos quando
terminamos uma jornada, seja ela de um dia, uma semana, um mês ou um ano,
paramos para refletir, avaliar o que foi feito e planejar o futuro. É
isto que o Natal nos inspira a fazer. E é isso que o Conade fez,
contaminado pelo espírito natalino.

Prezados (as) Amigos (as),


A escolha do dia 25 de dezembro para se comemorar o nascimento de Jesus
tem a ver com a celebração do dia mais curto do ano no hemisfério norte e
do “Novo Sol”. Quando ocorre o solstício de inverno, no dia 21 ou 23 de
dezembro, todo dia seguinte uma nova luz é acrescentada ao dia. Por isto
escolheu-se este período para comemorar o nascimento de Jesus, a nova luz
do mundo.
E contaminado pelo espírito natalino, o Plenário do Conade, reunido em
sua 2ª Reunião Extraordinária, com a presença de conselheiros titulares e
suplentes, apreciou o relatório de Atividades de 2009 e o Plano de Ação
para 2010 elaborados pelas comissões permanentes. Quando paramos para
fazer um balanço do ano e planejar o seguinte, verificamos que muito foi
feito, mas que ainda temos muita estrada para percorrer.
Em fevereiro, por ocasião da elaboração do Planejamento 2009/2010,
estabelecemos os principais marcos referenciais para a gestão que se
iniciava, com a elaboração da Missão do Conade e da nossa Visão Futura do
Conselho.
Durante todo o ano, a Campanha da Acessibilidade foi fortalecida com
adesões de peso. Entidades de abrangência nacional assinaram o Termo de
Adesão e estão levando o tema para todo o território nacional. Cada vez
mais, a acessibilidade ganha espaço no cotidiano das pessoas.
Em julho convocamos a 1ª Reunião Extraordinária com o objetivo de
promover a capacitação interna dos conselheiros, tendo como tema
principal a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, da
ONU, visando à realização dos Seminários Regionais. Estes foram
realizados nas cinco regiões do País para discutir os Projetos de Lei
(PL) 7.699/2006 e 3.638/2000.
No dia 3 de dezembro, Dia Internacional das Pessoas com Deficiência,
comemoramos 10 anos de criação do Conade e 20 anos da promulgação da Lei
7.853/1989 que criou as normas gerais para assegurar o pleno exercício
dos direitos individuais e sociais das pessoas com deficiência. Neste
evento e nas Reuniões Plenárias do Conade contamos com o serviço de
legenda em tempo real, recurso de fundamental importância para as pessoas
com deficiência auditiva e bastante útil em ambientes onde o barulho
dificulta a compreensão das falas.
E para fechar o ano com chave de ouro, a Coordenadoria Nacional para
Integração da Pessoa Portadora de Deficiência (Corde) foi elevada de
status e passou a ser a Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos
da Pessoa com Deficiência. Embora o nome seja “subsecretaria”, por fazer
parte da Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SEDH) da Presidência
da República, a nova estrutura corresponde a uma “secretaria”. No embalo,
o Presidente Lula lançou o 3º Programa Nacional de Direitos Humanos, no
dia 21 de dezembro, reafirmando o seu compromisso com as pessoas com
deficiência.
Neste ano, o segmento de pessoas com deficiência comemorou muitas
conquistas que tiveram a participação direta ou indireta do Conade.
Esperamos que no próximo ano o Conade participe ainda mais de novas
conquistas e que a luz que ilumina o Natal possa permanecer acessa todos
os dias de 2010.
Feliz Natal e Boas Festas e Boa leitura!
Denise Costa Granja, Presidente do Conade

Conade comemora 10 anos da sua criação

D
ia Internacional das Pessoas com Deficiência. Este Dia foi marcado pela
comemoração aos 10 anos do Conade, 20 anos da promulgação da Lei 7.853,
um ano da ratificação da Convenção da ONU e por várias adesões à Campanha
da Acessibilidade.
Em solenidade que contou com a presença de várias autoridades,
personalidades, representantes de entidades de classe e da sociedade
civil, o Conselho Nacional de Defesa da Pessoa com Deficiência (Conade)
comemorou os seus 10 anos de existência. O evento aconteceu durante a
solenidade de comemoração do Dia Internacional das Pessoas com
Deficiência, no dia 3 de dezembro de 2009, realizada no espaço da Pixy
Club, em Brasília. A solenidade foi organizada em conjunto com a
Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SEDH), da Presidência da
República, que também comemorou os 20 anos da Lei 7.853/1989 e um ano de
ratificação da Convenção da ONU. O Pixy Clube é um espaço em Brasília
totalmente adaptado para pessoas com deficiência.
Compuseram a mesa de abertura o Ministro Paulo Vannuchi, da SEDH; a
Subsecretária de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Izabel
Maior; a Presidente do Conade, Denise Granja; o Secretário de Cultura do
GDF, Silvestre Gorgulho, representando o Governador do Distrito Federal,
José Roberto Arruda; o Ministro Weber de Oliveira, representando o
presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Ministro Ubiratan
Aguiar; e o Gerente Executivo da Unidade de Desenvolvimento Sustentável
do Banco do Brasil, Wagner de Siqueira Pinto, representando o presidente
Aldemir Bendine. O Banco do Brasil, o TCU, a Escola de Samba Portela e
personalidades públicas fizeram a adesão formal à Campanha da
Acessibilidade.

Na foto: Ministro Paulo Vannuchi durante seu pronunciamento na abertura


das comemorações do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência.

Durante a abertura do evento, o ministro Paulo Vannuchi anunciou


oficialmente a nova estrutura da SEDH e a criação da Subsecretaria
Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, em
substituição à Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa com
Deficiência (Corde).
Na foto: Denise Granja, Presidente do Conade, e Noca da Portela durante a
assinatura do Termo de Adesão à Campanha da Acessibilidade.

A elevação do status da Corde representa um marco nas conquistas do


segmento, uma vez que desde a sua criação este é o seu mais alto nível
hierárquico. Nunca é demais lembrar que no Brasil, segundo o Censo 2000
do IBGE, 14,5 % da população de brasileiros, correspondendo a 24,6
milhões de pessoas, vivem com algum tipo de deficiência.
Na foto: passistas da Ala Nós Podemos, da Escola de Samba Portela. Em
destaque a jornalista Fernanda Honorato.
Um momento de muita emoção foi a entrada da Bateria Mirim da Escola de
Samba Portela, acompanhada pela ala de passistas Nós Podemos, formada por
pessoas com deficiência. As pessoas que estavam assistindo, com
deficiência ou não, não resistiram e caíram no passo! Ou melhor, no
samba! Ao final do evento, vários depoimentos emocionados de pessoas com
deficiência que há muitos anos não se divertiam, atestaram que é possível
mudar o mundo e mudar o modo como encaramos as diferenças.
3 de dezembro
O Dia Internacional das Pessoas com Deficiência foi criado pela
Organização das Nações Unidas (ONU) em 1992, com o objetivo de tornar
perenes as ações de conscientização dos direitos das pessoas com
deficiência no mundo. O objetivo foi o de marcar os bons resultados da
Década das Nações Unidas das Pessoas com Deficiência que aconteceu de
1983 a 1992, instituída após o lendário AIPD (Ano Internacional das
Pessoas Deficientes), celebrado em 1981
A cada ano é escolhido um tema para ser tratado neste Dia, com base no
objetivo do exercício pleno dos direitos humanos e da participação na
sociedade, estabelecido pelo Programa Mundial de Ação Relativo às Pessoas
com Deficiência, adotado pela Assembléia Geral da ONU em 1982. Em 2009,
sob o lema “Tornando Inclusivos os Objetivos de Desenvolvimento do
Milênio: Empoderamento de Pessoas com Deficiência e Suas Organizações ao
Redor do Mundo”, se pretende chamar a atenção ao fato de que os Objetivos
de Desenvolvimento do Milênio (ODM) internacionalmente acordados podem
ser atingidos. Para isso, será necessário que as pessoas com deficiência
e suas organizações sejam, também, incluídas em cada um desses objetivos.
Ratificação da Convenção da ONU e de seu Protocolo Facultativo completa
um ano.
No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, o aniversário de um ano
da ratificação da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com
Deficiência, da ONU, também foi motivo de comemoração. O Brasil incluiu a
Convenção no ordenamento jurídico com força de equivalência
constitucional através do Decreto Legislativo nº 186, de 9/7/08, assinado
pelo Presidente do Senado Federal, e promulgada pelo Decreto nº 6.949, de
25/8/09, assinado pelo Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva.
Como Estado Parte da Convenção, o Brasil tem por obrigação legal e moral
divulgar o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência e promover os
direitos do segmento.

Na foto: salão da Pixy Club completamente lotado.


Na foto: Bateria Mirim da Escola de Samba Portela e de passistas fazendo
evoluções em cadeiras de rodas.
Durante o evento, diversas instituições e personalidades assinaram o
Termo de Adesão à Campanha Nacional da Acessibilidade
O Instituto Marista de Solidariedade, o Grêmio Recreativo Escola de Samba
Portela, as atletas de vôlei de praia Adriana Samuel e Shelda Kelly Bede,
o empresário e produtor cultural e de entretenimento Ronald Carvalho, o
ex-guitarrista da banda Cidade Negra, Paulo Roberto Gama (Da Gama), e
Osvaldo Alvares Pereira (Noca da Portela), estavam presentes
especialmente para a assinatura do Termo de Adesão à Campanha da
Acessibilidade. A campanha tem como objetivo sensibilizar e mobilizar a
sociedade para a eliminação das barreiras atitudinais, de informação,
arquitetônicas, dentre outras, que impedem as pessoas com deficiência ou
com mobilidade reduzida de participarem ativamente da vida em sociedade.
O Banco do Brasil também aderiu à Campanha e presenteou o Conade com uma
campanha publicitária através de uma peça que está sendo divulgado em
âmbito nacional.

20 anos de políticas públicas voltadas para as pessoas com deficiência


Durante a cerimônia, outro momento de muita emoção ficou reservado para
rememorar os 20 anos de vigência da Lei 7.853 de 1989, responsável pela
criação da primeira estrutura de governo no âmbito federal para tratar
das políticas públicas voltadas às pessoas com deficiência. Várias
pessoas que fizeram a história do Conade e da Corde foram homenageadas.
Muitas falaram aos presentes sobre as suas experiências e conquistas
adquiridas na militância em prol da causa das pessoas com deficiência,
dentre as quais, Teresa d’Amaral, que foi a primeira coordenadora da
Corde, e outros conselheiros, ex-conselheiros e funcionários do Conade.
As conselheiras Lizair Guarino (Fenasp) e Niusarete Lima (SEDH) foram
homenageadas como representantes da sociedade civil e do Governo,
respectivamente.
A Lei 7.853 foi assinada em 24 de outubro de 1989 pelo então Presidente
da Republica José Sarney com o objetivo de criar normas gerais para
assegurar o pleno exercício dos direitos individuais e sociais das
pessoas com deficiência, e sua efetiva participação social, considerando
os valores básicos de igualdade de tratamento e oportunidade, da justiça
social, do respeito à dignidade da pessoa humana, do bem-estar, e outros,
indicados na Constituição Federal de 1988.
Ministérios prestam conta ao Conade e apresentam planos para 2010

A
tendendo o convite feito pelo Conade, diversos Ministérios apresentaram
no Plenário da 2ª Reunião Extraordinária, balanço de suas ações em 2009 e
mostraran seus planos para 2010 voltados para as pessoas com deficiência.
Todas as apresentações foram seguidas de debates, quando os Conselheiros
puderam questionar e tirar suas dúvidas. O convite foi enviado para todos
os órgãos federais que fazem parte do Conade.
Ministério das Cidades
Através da Secretaria Nacional de Transportes e da Mobililidade Urbana, o
Ministério das Cidades apresentou o acompanhamento e a avaliação das
Políticas Públicas na Área das Pessoas com Deficiência. A apresentação
foi feita pela Conselheira Titular do Conade, Magda Hennes, Gerente de
Projetos do Ministério das Cidades, que mostrou as ações feitas em 2009 e
a proposta de orçamento na área para 2010.
Ministério da Cultura
A Conselheira Titular do Conade, Thais Werneck, do Departamento de
Assuntos Culturais do Ministério da Cultura, apresentou as ações do
Ministério relacionadas às pessoas com deficiência em 2009 e os projetos
para 2010. Destaque para a Oficina Nacional para Indicação de Políticas
Publicas Culturais para Pessoas com Deficiência, ocorrida em outubro de
2008, tendo em vista que boa parte das propostas que foram produzidas na
Oficina foi implantada em 2009. Thais concluiu sua apresentação com o
vídeo contendo imagens e depoimentos feitos durante a realização da
oficina. O vídeo contava com audiodescrição e janela com intérprete da
Libras (Língua de Sinais Brasileira).
Nas fotos, de cima para abaixo: Magda Hennes (MCidades), Thais Werneck
(MinC), Maurício Chaves (ME) e Martinha Clarete dos Santos (MEC).
Nas fotos, de cima para abaixo: Erika Pisaneschi (MS), Ana Beatriz Serpa
(MTur) e Hermelinda de Paula (MPS).
Ministério do Esporte
Maurício Melo Chaves, Coordenador de Orçamento do Ministério do Esporte,
apresentou os detalhes do orçamento de 2009, com destaque para os
convênios voltados para o público de para-atletas de alto rendimento,
firmados durante a ano. Maurício também apresentou a relação de projetos
aprovados pela Lei de Incentivos ao Esporte, específicos para pessoas com
deficiência, e com recursos já captados pelas instituiçõe beneficiadas e
detalhou como funciona este mecanismo de incentivo ao esporte.
Ministério da Educação
A apresentação do Ministério da Educação foi feita pela Conselheira do
Conade Martinha Clarete dos Santos, que apresentou as ações e os números
dos programas desenvolvidos pelo MEC em assuntos de pessoas com
deficiência.
Ministério da Saúde
O Ministério da Saúde, através do Departamento de Ações Programáticas
Estratégicas, vinculado à Secretaria de Atenção à Saúde, apresentou a
“Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência: Avanços e
Desafios”. A apresentação foi conduzida pela Conselheira Titular do
Conade, Erika Pisaneschi, Coordenadora da Área Técnica da Saúde da Pessoa
com Deficiência. A apresentação abordou as características do Sistema
Único de Saúde (SUS), a atenção básica, de média e de alta complexidade e
concluiu com relato das ações vinculadas à Agenda Social.
Ministério do Turismo
A Conselheira Titular do Conade, Ana Beatriz Serpa, técnica de nível
superior do Ministério do Turismo, apresentou programas e ações do MTur
para pessoas com deficiência, com o título “Plano Nacional de Turismo
2007/2010: Uma viagem de inclusão”. A apresentação foi focada no turismo
social, acessibilidade no turismo, as ações desenvolvidas e as em
desenvolvimento, e as ações que serão desenvolvidas pelo Ministério,
voltadas para o segmento.
Ministério da Previdência Social
Hermelinda de Paula, assistente social do MPS e Conselheira Titular do
Conade, apresentou as informações acerca da execução das políticas
públicas dirigidas às pessoas com deficiência implantadas pelo
Ministério da Previdência Social. Na sua apresentação, ela detalhou o
Programa de Qualidade dos Serviços Previdenciarios, o Programa
Previdência Social Básica, e a Proteção Social às Pessoas com
Deficiência.

Conselheiros do Conade participam de seminário no STF

Na foto: platéia no STF, com parte dos Conselheiros do Conade.


O
s Conselheiros do Conade participaram no dia 2 de dezembro do Seminário
“Poder Judiciário e Acessibilidade: Novo Paradigma de Inclusão da Pessoa
com Deficiência”, realizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em
Brasília. O evento aconteceu na Sala de Sessões da Primeira Turma, no
Anexo II-B do STF, e faz parte da programação “STF Sem Barreiras”,
projeto de inclusão social da pessoa com deficiência no Tribunal.
A abertura do seminário foi feita pelo Presidente do STF, Ministro Gilmar
Mendes, que disse que “já passa da hora de garantir à pessoa com
deficiência a efetiva participação nos benefícios da vida em sociedade,
mediante a possibilidade de acesso ao trabalho, à escola, à saúde, à
reabilitação, e aos transportes e aos demais serviços públicos, tudo isso
em igualdade de tratamente e de oportunidade”.
Presidente Gilmar Mendes
Em seu discurso, Gilmar Mendes fez referência aos dados do Censo 2000 do
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), segundo os quais
perto de 25 milhões de brasileiros declararam possuir algum tipo de
limitação, algum tipo de deficiência. Destes, 27% vivem em situação de
pobreza extrema e 53% são pobres, o que, segundo o ministro, reflete os
altos índices de desemprego nesse segmento. “Essa combinação de fatores
se torna mais grave ainda diante da constatação de que são essas pessoas
que precisam de mais assistência e, portanto, de mais recursos para
sobreviver. Em outras palavras, por serem mais vulneráveis a situações de
discriminação, sentem de forma mais cruel os efeitos da pobreza e da
exclusão social”, avaliou o presidente do STF.
Mas, na visão de Gilmar Mendes, que falou a uma platéia repleta de
servidores do Judiciário, magistrados, Conselheiros do Conade e
jornalistas, felizmente, hoje o tratamento dado à pessoa com deficiência
“não mais se cuida de mera tolerância, mas de obrigatoriedade de
inclusão”. “Hoje não se admite mais a hipócrita política da
invisibilidade, uma forma perversa de condenar pessoas com alguma
limitação ao ostracismo social. Hoje, nem ao Estado, nem aos cidadãos, se
permite tamanha e tão prejudicial indiferença. Ao contrário, bem longe do
tempo das falsas indulgências, o que se impõe é o reconhecimento da
limitação como simples e normal alternativa à diversidade humana”,
ressaltou.

Na foto acima: Denise Granja, Presidente do Conade, ao lado do Ministro


Gilmar Mendes, Presidente do STF. Na foto abaixo: mesa de abertura. Da
esq. para a dir. Ricardo Tadeu Fonseca, Desembargador do TRT da 9ª
Região, Jirair Meguerian, Presidente do TRF da 1ª Região, Ari Pargendler,
Ministro do STJ, Gilmar Mendes, Presidente do STF, Ministro Dias Toffoli,
do STF, Cezar Britto, Presidente do Conselho Federal da OAB e Denise
Granja, Presidente do Conade.
O presidente do STF também falou sobre o importante papel dos órgãos
públicos na promoção de políticas públicas que assegurem o amplo acesso
aos serviços. Segundo ele, por meio do projeto “STF Sem Barreiras”, a
Corte já tem lidado de forma exemplar com essa questão, sendo, inclusive,
reconhecida como um dos órgãos mais atuantes no que diz respeito à
acessibilidade: “Hoje, o que se exige do Estado são ações proativas que
avancem no tocante ao processo de inclusão e valorização da pessoa com
deficiência, e são os órgãos públicos que devem estar à frente desse
movimento, de maneira a sinalizar à comunidade os procedimentos, as
posturas corretas diante desses cidadãos”.
Denise Granja participa da mesa de abertura
Também participaram da mesa de abertura do seminário, o Ministro Dias
Toffoli, do STF, o ministro Ari Pargendler, do Superior Tribunal de
Justiça (STJ), o Presidente Jirair Meguerian, do Tribunal Regional
Federal da 1ª Região, o Presidente Cezar Britto, do Conselho Federal da
Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o Desembargador Ricardo Tadeu
Marques da Fonseca, do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, o
primeiro juiz cego do Brasil, e a Presidente Denise Granja, do Conselho
Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conade.
De acordo com a Presidente do Conade, “o Supremo tem sido um exemplo de
órgão que realmente abraçou a causa com o projeto “STF Sem Barreiras”,
que, em 2007, formalizou a sua adesão à Campanha da Acessibilidade”.
Desembargador Ricardo Tadeu
O desembargador Ricardo Tadeu Marques da Fonseca, do Tribunal Regional do
Trabalho da 9ª Região (TRT-9), discorreu sobre sua experiência por ser o
primeiro cego a ocupar a magistratura do Brasil. Ele falou sobre a
participação de pessoas com deficiência na vida pública e política e
afirmou que os órgãos públicos precisam se municiar para atender as
pessoas com limitações física, intelectual, visual, auditiva ou múltipla.
Ele deu como exemplo o caso de um juiz do trabalho no Paraná que parou o
andamento de um processo porque nem mesmo o advogado entendia o empregado
que recorria contra uma empresa. Ele era deficiente auditivo e então o
juiz convocou um intérprete da Língua de Sinais Brasileira (Libras).
Assim, descobriu-se que não era apenas um pedido de demissão, mas uma
reclamação por sofrer preconceito, uma vez que estava há quatro anos na
empresa sem receber nenhum trabalho em razão de sua limitação.
Para o desembargador, “é muito importante que o Judiciário brasileiro se
municie com essas ferramentas”.
Ele falou também da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com
Deficiência, aprovada pela ONU, que se tornou eficiente por contar com
participação intensa da sociedade civil no seu processo de elaboração.
Foi um diálogo entre diplomatas e a sociedade civil organizada de todo o
mundo, com cerca de 800 pessoas indicadas por organizações não-
governamentais (ONG) e que tiveram voz no processo de discussão.
O desembargador afirmou, por fim, que “na medida em que a sociedade impõe
barreiras, gera deficiência. E, na medida em que elimina barreiras,
elimina a deficiência”. Para ele, a deficiência não é um problema
clínico, tampouco um problema da pessoa que tem esses atributos, e sim um
problema social.

Na foto: Da esq. para a dir.: Joelson Dias (Ministro do TRE), Denise


Granja (Presidente do Conade), Ana Paula Crosara, (OAB), Roberto Tiné
(Apabb), Dias Toffoli (Ministro do STF), Lais Lopes (OAB), Lizair Guarino
(Fenasp) e Silvana Almeida (Ampid).
Ricardo Tadeu aproveitou a oportunidade para falar sobre a Resolução 975,
do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que determina que o Poder
Judiciário deve abrir vaga para pessoa com deficiência nos concursos
públicos. Ele elogiou a resolução, mas disse que o seu artigo 75 comete
um equívoco ao criar uma comissão multidisciplinar que deve avaliar as
pessoas com deficiência inscritas no concurso para magistratura para
certificar a própria deficiência alegada. Isso porque estabelece que a
comissão deve dizer antes das provas sobre a compatibilidade da
deficiência com a função a ser exercida. Para ele, essa é uma forma de
discriminação que deve ser corrigida.
Na foto: Plenário do STF durante a cerimônia de abertura do Seminário.
“Se todo candidato no Brasil tem o direito de ser avaliado no concurso
pelas provas e depois pelo estágio probatório, deve-se assegurar o mesmo
direito às pessoas com deficiência sob pena de se cometer preconceito”,
afirmou.
Ministro Dias Toffoli
O Ministro do STF, Dias Toffoli, também falou sobre sua experiência
pessoal por ter um irmão com síndrome de Down. Ele disse que a
convivência ensinou “que todos nós somos limitados, todos nós temos
deficiências”. O Ministro definiu esse aprendizado como “alteridade”, que
nada mais é que “se colocar no lugar do outro e sentir o que é ser o
outro”.
“Esse aprendizado da diferença e de estar convivendo com o Du (Eduardo)
me mostrou que todos nós temos de ter outra postura diante da vida. Temos
de ter outro olhar sobre a maneira como a sociedade se organiza, como a
sociedade convive e os valores nos quais a sociedade é fundada”, afirmou.
Para ele, a segregação de pessoas com deficiência é um problema cultural
de uma sociedade que define os seres humanos como os mais fracos e os
mais fortes.
Conselheira Lais Lopes
O seminário continuou com programação ao longo da tarde, quando Laís
Lopes, Conselheira Titular do Conade representante da OAB, preferiu
palestra com o tema “Construção de Políticas Públicas Inclusivas:
Releitura dos Direitos Humanos a partir da Acessibilidade”. O seminário
realizado pela Corde se insere nas comemorações do Dia Internacional das
Pessoas com Deficiência (3 de dezembro), em todo o mundo.

Plenário aprova Nota de Exigibilidade da Audiodescrição

M
ais de 16 milhões de brasileiros que possuem algum tipo de deficiência
visual aguardam ansiosamente providências a respeito da implementação do
recurso da audiodescrição na programação das emissoras de televisão
brasileiras.
Neste sentido, o Plenário da 2ª Reunião Extraordinária de 2009, aprovou
por unanimidade o parecer da Comissão de Atos Normativos (CAN) propondo o
envio de Nota de Exigibilidade da Audiodescrição para a Presidência de
República, exigindo o cumprimento da Convenção sobre os Direitos das
Pessoas com Deficiência, da Organização das Nações Unidas (ONU), que
vigora no Brasil com equivalência de emenda constitucional, foi
ratificada pelo Decreto Legislativo n.º 186/2008 e promulgada pelo
Decreto nº 6.949/2009, constando também na própria Agenda Social da
Presidência da República.
Princípio Constitucional
A Convenção da ONU em nosso ordenamento jurídico determina a
acessibilidade como direito, como princípio constitucional e ainda, ao
tratar da participação na vida cultural, em seu artigo 30, diz que o
Brasil reconhece o direito das pessoas com deficiência de participar na
vida cultural, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas, e que
tomará todas as medidas apropriadas para que as pessoas com deficiência
possam ter acesso a bens culturais, programas de televisão, cinema,
teatro e outras atividades culturais em formatos acessíveis.
O objetivo da Nota de Exigibilidade da Audiodescrição é fazer com que o
Brasil siga a Convenção sobre Direitos das Pessoas com Deficiência, no
que diz respeito ao seu artigo 30. O documento pede ainda que o
Ministério das Comunicações cumpra a Portaria nº 310/2006 em seu inteiro
teor, pondo fim à suspensão da exigibilidade da mesma e garanta, assim, a
audiodescrição para os cidadãos brasileiros, sem mais demoras e sem
supressão de direitos.
Na foto: Plenário do Conade. Em primeiro plano, Domingos Montangna (FCD-
Brasil), Edmando Albuquerque (Abra) e Maria do Carmo Torinho (Abra).
O parecer da CAN recomenda, ainda, que sejam agendadas reuniões ou
audiências com o Ministro Relator do Supremo Tribunal Federal, que é
responsável pela Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF
nº 160), impetrada em conjunto pelo Conselho Nacional dos Centros de Vida
Independente (CVI-Brasil) e pela Federação Brasileira das Associações de
Síndrome de Down (FBASD) e com o Procurador Geral da República a fim de
demonstrar a necessidade de concessão imediata da liminar.
A Comissão de Atos Normativos também sugeriu a realização de audiência
com o Ministro das Comunicações, em uma das reuniões do Conade, para que
sejam explicitados os motivos de tanta protelação da exigibilidade da
audiodescrição e que, ao mesmo tempo, o Ministro possa entender os
argumentos das pessoas com deficiência a favor da efetivação dos direitos
humanos.
Na foto: Conselheiro Suplente da OAB, Ricardo Mesquita, participando da
Reunião Plenária do Conade. Atrás dele, Raimundo José, Conselheiro
Suplente da FCD-Brasil.

Conade avalia 2009 e faz planos para 2010

Conselheiros Efetivos e Suplentes participaram no dia primeiro de


dezembro das reuniões das Comissões Permanentes do Conade. Na pauta de
cada comissão, dois assuntos em comum: o Relatório de Atividades de 2009
e o Plano de Ação para 2010. Cada comissão elaborou o seu relatório e o
plano de ação que foi lido e aprovado pelo Plenário do Conade.
Relatório de Atividades de 2009
A Comissão de Comunicação Social (CCS) destacou em seu relatório o
impulso que a Campanha da Acessibilidade teve em 2009 com a adesão de
empresas e entidades com atuação nacional, levando o conceito da
Acessibilidade para todos os cantos do País.
Plano de Ação para 2010
As deliberações da II Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com
Deficiência (2008) continuam como foco principal das ações do Conade. As
diretrizes que foram elencadas por ocasião da elaboração do Plano de Ação
para 2009 e 2010 durante a 63ª Reunião Ordinária do Conade realizada em
abril de 2009, e que ainda não foram implantadas estão no planejamento
para 2010 de todas as Comissões Permanentes.
O Plano de Ação da Comissão de Comunicação Social prevê que a Campanha da
Acessibilidade vai ganhar uma cara mais profissional, com foco em ações
com potencial viral e na mídia espontânea, garantindo alto impacto de
visibilidade com custo zero.

Abra Associação Brasileira de Autismo


Abraso Associação Brasileira de Ostomizados
Ampid Associação Nacional dos Membros do Ministério Público de Defesa dos
Direitos das Pessoas Idosas e com Deficiência
Apabb Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Deficiência, de
Funcionários do Banco do Brasil e da Comunidade
CBDC Confederação Brasileira de Desportos para Cegos
CC Casa Civil da Presidência da República
Cedef/CE Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência do
Ceará
CMPPD/BH Conselho Municipal de Pessoas Portadoras de Deficiência de
Belo Horizonte
CNC Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo
Conade Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência
Confea Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia
Corde Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da
Pessoa com Deficiência
CUT Central Única dos Trabalhadores
CVI-Brasil Conselho Nacional dos Centros de Vida Independente
Farbra Federação das Associações de Renais e Transplantados do
Brasil
FBASD Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down
FCD-Brasil Federação das Fraternidades Cristãs de Pessoas com
Deficiência do Brasil
Fenapae Federação Nacional das Apaes
Fenasp Federação Nacional das Associações Pestalozzi
Feneis Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos
MC Ministério das Comunicações
MCidades Ministério das Cidades
MinC Ministério da Cultura
MCT Ministério da Ciência e Tecnologia
MDS Ministério das do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
ME Ministério do Esporte
MEC Ministério da Educação
MJ Ministério da Justiça
Morhan Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela
Hanseníase
MPS Ministério da Previdência Social
MRE Ministério das Relações Exteriores
MS Ministério da Saúde
MT Ministério dos Transportes
MTE Ministério do Trabalho e Emprego
MTur Ministério do Turismo
OAB Ordem dos Advogados do Brasil
ONCB Organização Nacional dos Cegos do Brasil
SEDH Secretaria Especial dos Direitos Humanos
SEPM Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres
Unisert União Brasileira dos Serviços de Referência em Triagem
Neonatal Credenciados

A grafia de siglas obedece às regras ortográficas da lingua portuguesa.


As principais normas são:

1. Sigla com até três letras deve ser grafada em caixa alta. OAB
2. Sigla com quatro ou mais letras e que seja pronunciada como se fosse
uma palavra deve ser grafada em caixa baixa, com exceção da letra inicial
que deve ser maiúscula. Conade
3. Sigla com quatro ou mais letras e que só possa ser pronunciada letra
por letra deve ser grafada em caixa alta. SEDH
4. Toda sigla, independentemente do número de letras, em que algumas
letras não correspondem à letra inicial de cada um dos nomes que a
compõem, deve ser grafada em caixas alta e baixa. UnB
5. No caso de órgãos estrangeiros, deve ser mantida a sigla do idioma
original, porém grafada conforme as regras anteriores. Unesco
6. Sigla de entidade com unidades regionais ou estaduais deve ser grafada
com hífen seguido da sigla do estado ou região. Apae-DF
7. As siglas, assim como as abreviaturas, não admitem a pluralização. As
Apae

Fonte: Romeu Sassaki (2006)

Responsável pelo Informativo


Comissão de Comunicação Social
Composição da Comissão de Comunicação Social
Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Deficiência, de Funcionários do
Banco do Brasil e da Comunidade (Apabb).
Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC)
Conselho Nacional dos Centros de Vida Independente (CVI-Brasil)
Ministério da Cultura (MinC)
Ministério das Comunicações (MC)
Ministério dos Transportes (MT)
União Brasileira dos Serviços de Referência em Triagem Neonatal
Credenciados (Unisert)

Comitê Editorial:
Denise Costa Granja (MC)
Roberto Tiné (Apabb)
Romeu Sassaki (CVI-Brasil)

Revisão:
Niusarete Margarida de Lima (SEDH)

Apoio:
Secretaria Executiva do Conade
Subsecretaria Nacional da Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência
Sistema Nacional de Informações sobre Deficiência (Sicorde)
Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Deficiência, de Funcionários do
Banco do Brasil e da Comunidade (Apabb).

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA


Esplanada dos Ministérios Bloco T, Anexo II do Ministério da Justiça,
sala 211.
Brasília/DF CEP 70064-900 Telefone: (61) 2025-9219 / 2025-3673 / Fax:
(61) 2025-9967
E-mail: conade@sedh.gov.br Página na internet:
www.presidencia.gov.br/sedh/conade