Вы находитесь на странице: 1из 150

1)O que é programação ? ..................................................................................

2
2)Apresentando o Visual Basic......................................................................... 3
3)Usando Forms, objetos e controles.............................................................. 5
4)Propridades...................................................................................................... 6
5)O que são Forms(Formulários)........................................................................7
5)Métodos.......................................................................................................... ..7
6)Eventos............................................................................................................. 7
7)Controles........................................................................................................ . 8
Conhecendo melhor o formulário.................................................................. ..11
Botão de Comando..........................................................................................14
Label...............................................................................................................17
TextBox...........................................................................................................18
Option Button..................................................................................................22
Frame..............................................................................................................22
CheckBox........................................................................................................24
ListBox.............................................................................................................25
ComboBox.................................................................................................... ..30
MaskedBox......................................................................................................32
8)Contruindo um Sistema.................................................................................35
19)Menus............................................................................................................37
10)Menus Dinâmicos.........................................................................................39
11)O Código........................................................................................................40
12)Variáveis........................................................................................................41
13)Modifcadores de Acesso.............................................................................48
14)Constantes....................................................................................................49
15)Operadores...................................................................................................50
16)Comandos Condicionais e Loops..............................................................52
17)Contadores...................................................................................................58
18)SubProcedimentos......................................................................................60
19)Funções........................................................................................................62
20)Matrizes........................................................................................................63
21)Lógica de programação..............................................................................67
22)As Bibliotecas..............................................................................................68
23)Comandos, Funções e Objetos Nativos....................................................69
24)Funções Internas.........................................................................................74
Funções Numéricas........................................................................................74
Funções de String.......................................................................................... 75
Funções de Data e Hora.................................................................................78
Funções de Conversão...................................................................................81
Funções para Gerenciamento de Matrizes.....................................................83
Funções Lógicas.............................................................................................84
Funções de Disco.............................................................................................85
Funções de Escolha..........................................................................................88
Formatação de Dados.......................................................................................91
25)Banco de Dados
Criando um Banco de Dados............................................................................99
O que são tabelas?...........................................................................................100
Criando uma Tabela......................................................................................101
Criando Índices..............................................................................................106
Definindo a Chave Primária..........................................................................107
Acessando o Banco de Dados através do Visual Basic.................................108
26)Objetos de dados
Data Control...................................................................................................118
Data Grid........................................................................................................120
27)Impressão
Printer.............................................................................................................122
Crystal Reports...............................................................................................129
Noções de Linguagem SQL............................................................................145
O que é Programação ?
Se você nunca teve contato direto com programação na vida, talvez esteja se
perguntando, o que é afinal, programação. Embora talvez, você nunca tenha programado,
tudo que usamos, foi de alguma forma programado. Isso não acontece só no mundo da
informática, mas acontece também no mundo real. Por exemplo:
- Nas indústrias, já faz muito tempo que as máquinas vem sendo programadas para fazer
determinadas tarefas.
- Na sua casa, Você com certeza já programou o rádio-relógio para despertar de manhã, já
deve ter programado o vídeo-cassete e agora o DVD.
- Um automóvel, por exemplo, pode ser programado para limitar a velocidade máxima
através de um chip e para injetar mais gasolina depois que ele atingir uma velocidade X.

Como você pode ver, quase tudo a nossa volta foi de uma certea forma programado e
com a informática é assim também. OS famosos softwares que todo mundo usa (Windows,
Word, Excel, etc..) só existem por que foram programados.

Como programamos um software?

Através de instruções em conjunto, que formarão o código fonte


dele.

Exempo de um código :

Public Sub Main()


Msgbox “Hello, World”
End
End sub

Claro, que neste exemplo estou usando comandos do Visual Basic, que talvez alguns de
vocês não conheçam. Não se preocupe em entender esse código agora. Vamos agora usar
comandos fictícios para ilustrar o que fizemos neste exempo:

Ao iniciar()
Mostrarmensagem “Hello,World”
Fim
FinalDoEvento

Não é necessário ser nenhum gênio para entender o que “msgbox” e “end” do exemplo
anterior faziam. Pois se olharmos o último exemplo , notamos que no lugar de “msgbox”
colocamos “mostrarmensagem” e no lugar do “end” usamos “fim”. O Interpretador irá ler a
primeira instrução(msgbox) e irá exibir uma mensagem dizendo:”Hello,World” e, logo após
encerrará o programa com o “End”.
O interpretador sempre segue uma ordem lógica para ler as intruções, então não podemos
colocar tudo de forma desordenada no código do programa, devemos colocar uma a uma,

2
na ordem que precisamos que ele leia primeiro. Mais tarde veremos comandos condicionais
e de laço para manipular essa execução.
Um bom programador tem que ser curioso. Deve gostar de saber como as coisas
funcionam debaixo da capô, não deve se preocupar em travar a máquina com “loops
infinitos”(se você não sabe o que é loop, veremos mais tarde) ou de qualquer outra forma.
Programação é uma arte. Envolve criatividade, análise , dedicação e muita paciência.

Apresentando o ambiente do Visual Basic 6


Ao abrirmos o Visual Basic, ele abrirá uma janela nos perguntando o tipo de projeto a qual
desejamos criar.

No momento nos limitaremos somente a usar o padrão “Standard Exe”, que é o que
usualmente usamos na maioria dos casos. Ele abrirá um projeto vazio, com os controles
nativos do Visual Basic á esquerda, um formulário e suas respectivas propriedades a direita.

3
Vejamos na figura:

Figura 1
Form(Formulário)

Esta é caixa de ferramentas onde temos Esta é caixa de propriedades, onde definimos
os controles disponíveis, Para usá-los , as propriedades do objeto selecionado
basta clicarmos e arrastarmos eles até o
Form(Formulário)

4
Usando Forms, Objetos e Controles
Objetos – Começaremos pelos Objetos já que os demais(Forms e Controles) Também se
enquadram como objetos. Devemos nos acostumar com os objetos, pois estaremos sempre
cercado deles. Qualquer Botão, Form, Relatório, Controles, entre outros se enquadram
como objetos.

Na figura abaixo temos exemplos de objetos :

Figura 1

Todos os objetos tem propriedades, eventos e métodos a eles associados. Veremos mais
tarde o que são métodos, eventos e propriedades dos objetos. No entanto o que é necessário
saber agora é o que são objetos. Vemos que objeto é tudo aquilo que contem métodos,
eventos e propriedades.

O que são Forms (Formulários)?

Na verdade, quase todas as janelas que vemos nos aplicativos são Forms(Formulários).
Ele serve de base para colocarmos nossos controles.

5
Na figura 1 (Exemplo anterior), vemos que existe um formulário, no nosso caso(Form1),
com controles dentro dele(Caixa de texto, Lista e Botão).
Os forms(Formulários), como qualquer objeto, possuem métodos, eventos e propriedades
a qual veremos mais tarde.

O que são Propriedades?


Propriedades, como o próprio nome sugere, são os atributos que podemos definir para
cada objeto, seja um formulário , controle, etc...
Quando selecionamos um objeto, no Visual Basic, aparecerá no canto direito da tela uma
janela onde poderemos definir as propriedades para esse objeto. Podemos definir a cor, o
nome e muitas outras propriedades. Nesta caixa aparece no canto direito o nome
dado pelo usuário ao Objeto selecionado, e no
canto direito o tipo de Objeto. No exemplo
mostramos o objeto de nome Form1 tipo
Form (formulário). Podemos também
selecionar outro objeto que existe em nosso
formulário nesta caixa, clicando na seta para
baixo, e selecionando outro objeto que ali
esteja disponível para seleção.

Nesta coluna aparece o nome das


Propriedades. Cada Objeto possui uma
quantidade diversa de propriedade para vários
aspectos diferentse. Como por exemplo, a
Propriedade “BorderStyler” que especifica o
tipo de borda que o Objeto terá. A Propriedade
“Caption” que da um título ao Objeto,
Propriedade “BackColor” onde se escolhe a
cor de fundo que o objeto terá. Lembrando que
essas propriedades atuam somente no Objeto
selecionado. Se queremos mudar uma
determinada propriedade de um Botão de
Comando por exemplo, precisamos selecioná-
lo na forma, e depois levar o mouse até a
propriedade que se quer mudar.

Esta coluna é onde modificamos a


propriedade escolhida, seja através de uma
lista de opções (ComboBox), ou digitada
diretamente.

Algumas propriedades de alguns objetos podem ser definidas em tempo de execução,


outras porém são somente leitura, ou seja, podemos verificar os valores de tais
propriedades, mas não podemos modicá-los. Para atribuir um valor de propriedade a um
objeto em tempo de execução usamos o nome do objeto , seguido de ponto, o nome da
propriedade, o sinal de igual e o valor que você quer atribuir.
Exemplo :

ObjetoTal.Cor=”Azul”

6
Claro, que o “ObjetoTal” e a propriedade “Cor” desse objeto são fictícios. Um Exemplo
real seria :

Text1.Text=”Exemplo”

Não se preocupe em entender o que quer dizer a propriedade “Text”, mas sim em
entender apenas como se faz para definir as propriedades em tempo de execução.
É importante ressaltar que cada objeto tem propriedades diferentes. Claro que todos tem
propriedades em comum, mas um tipo de objeto sempre terá propriedades diferentes de
outro tipo.

Métodos

Métodos são ações que agem sobre os objetos, por exempo, se temos um objeto carro,
teríamos a propriedade “Cor” semdo como Azul. Poderámos ter um método chamado
“Acelerar” e outro “Freiar”. Poderíamos também ter um método “abastecer”.
Em exempo prático seria termos um formulário chamado “Form1”. Existe um método
chamado “Show” que agem sobre formulário e outros objetos. Ele serve para exibir um
formulário. Como faríamos para exibir o nosso formulário(Form1)?

Form1.Show

Será exibido o formulário. Este é o procedimento para se aplicar os métodos. Assim como
as propriedades, cada objeto tem vários métodos diferentes. Podemos também passar
parâmetros para esses métodos. Veremos isso mais tarde

Eventos
Vamos tomar um exemplo prático. Voltaremos ao nosso exemplo do automóvel. Assim
como podemos atribuir sua propriedade cor para Azul, executar um método “Acelerar”,
podemos ter um evento
“Ao Bater”.
Um evento é gerado quando acontece algo com o objeto, por exemplo, se tivermos um
Caixa De Texto e clicarmos em cima dela o Objeto TextBox(Caixa de Texto) vai gerar um
evento chamado “Click()”. Dentro deste evento colocaríamos um bloco de código com as
instruções que queremos que o programa faça cada vez eu o usuário clicar na Caixa de
Texto. Assim como este , exitem muitos outros eventos e cada objeto tem seus eventos em
comum, assim como tem eventos próprios de cada objeto.
Veremos mais tarde detalhadamente vários tipos de eventos.

7
Nesta caixa podemos selecionar qualquer Neste outra caixa selecionamos os eventos
objeto existente no formulário correspondentes ao objeto selecionado

Os Controles

Ao abrirmos o ambiente do Visual Basic, podemos ver á esquerda a Caixa de Ferramentas.

Para inserirmos os controles no formulário,


selecionamos eles dentro da Caixa de
Ferramentas e os arrastamos para dentro do
formulário, onde devemos dimensioná-lo.

8
Esses controles que você está vendo na figura são os controles nativos do Visual Basic.
Podemos adicionar mais controles a esta Caixa de Ferramentas. Veja como :

Acesse o menu
Project e
selecione
Components

9
Irá aparecer uma lista com todos os controles disponíveis. Para que eles apareçam na nossa
Caixa de Ferramentas devemos selecion-alos nessa lista. Um controle, na verdade, é
representado por um Arquivo com extensão “OCX”. Podemos ver nessa janela que o Visual
Basic
Mostra o local onde determinado componente, ou seja , o arquivo OCX, se encontra. Se o
controle que você procura não se encontra nessa lista, basta você saber onde o arquivo
OCX dele se encontra, podendo assim adicioná-lo a lista.

Com este botão podemos


procurar por um
determinado controle que
não esteja na lista

Sempre que selecionamos


um controle, aqui
aparecerá o nome do
arquivo correspondente.

10
Conhecendo melhor o Form(Formulário)
Veremos agora as principais propriedades, métodos e eventos do Form. Começremos com
as principais propriedades. São elas:

Name – Define o nome do formulário. Um nome de objeto deve começar obrigatoriamente


com uma letra, mas também pode conter números . Espaços em branco e caracteres
como(#$&+-^) não são permitidos.

Caption – É a título do formulário que aparece no seu topo. Podemos colocar qualquer
valor nessa propriedade.

Appearence – Define se o mode de exibião será 3D ou Normal.

BakColor- Muda a cor de fundo do formulário.

Como você pode ver, você pode optar entre 2 sistemas de cores.

O Palette e o System , sendo que o System mostra o sistema de cores do Windows, no caso
de você querer fazer uma aplicação bem padrão Windows, enquanto o Palette irá lhe
mostrar várias outras cores e você pode personalizar suas próprias cores também.

BorderStyle: Muda o tipo de borda do formulário. None: sem borda, sem barra de titulo,
sem menu de controle, sem botão maximizar e sem botão minimizar, e não pode
redimensionar a janela.

11
Fixed Single: Borda fixa. Aceita o Menu de Controle, Maximizar, Minimizar, barra de
título, mas não pode ser redimensionado.
(Default) Sizable: Borda comum. Possui o Menu de Controle, Maximizar, Minimizar,
barra de título e pode ser redimensionada.
Fixed Dialog: Muito usada para janelas que vão manter um dialogo com o usuário. Ela
pode ter Menu de controle e a barra de título, mas não terá os botões de maximizar e
Minimizar. Não pode ser redimensionada.
Fixed ToolWindow: Não possui o menu de controle, o botão Maximizar e o botão
minimizar. Também não pode ser redimensionada. Aparecerá somente a barra de título e o
botão Fechar próprio do Windows 95. Este tipo de formulário não aparece na barra de
tarefas do Windows.
Sizable ToolWindow: Não possui o menu de controle, o botão Maximizar e o botão
minimizar. Pode ser redimensionada. Aparecerá somente a barra de título e o botão Fechar
próprio do Windows 95. Este tipo de formulário não aparece na barra de tarefas do
Windows.

ControlBox: Retira ou coloca o menu de controle e os botões maximizar, minimizar e


fechar da janela.
Enabled: Se esta opção estiver com False, ou seja, estando o Enabled desabilitado, isto
indicará que nenhum objeto desta janela, e nem a própria

janela, poderá responder a eventos gerados pelo usuário, como clicar do mouse,
pressionamento de teclas, etc.
Font: Escolhe a fonte de letra padrão que será usada para todos objetos inseridos neste
formulário.
Icon: Nesta propriedade escolhemos um arquivo de ícone para associar a esse formulário.
Esse ícone é o que vai aparecer quando a janela for minimizada e no lado esquerda da barra
de título ( Menu de Controle ).
KeyPreview: determina se os eventos do teclado no formulário serão executados antes dos
eventos correspondentes aos Objetos inseridos no formulário.
MaxButton: Habilita ou não o botão de maximização.
MDIChild: Determina se a janela será uma janela filha. Ou seja, terá uma outra janela
mestre que agrupara o Form que se esta criando.

12
MinButton: Habilita ou não o botão de minimizar.
MouseIcon: Sempre que o mouse for movido em cima do formulário, o ícone associado a
esta propriedade aparecerá (desde que a propriedade MousePointer esteja customizada).
MousePointer: Nesta propriedade especificamos o tipo de ponteiro que o mouse terá
quando se mover sobre o formulário. Veja os tipos existentes:

0 (Default) Ponteiro padrão.


1 Ponteiro em forma de seta
2 Ponteiro de seleção exata
3 Seleção de escrita
4 Ícone
5 Seleção de Mover Objetos
6 Redimensionamento na diagonal
7 Redimensionamento na vertical
8 Redimensionamento na diagonal
9 Redimensionamento na horizontal
10 Seleção alternada
11 Sinal de ocupado.
12 Não disponível ( Ocupado )
13 Trabalhando em segundo plano ( Somente 32-bit Visual Basic.)
14 Seleção de Ajuda. (Somente 32-bit Visual Basic.)
15 Todos os Tamanhos. (Somente 32-bit Visual Basic.)
99 Aparece o ícone escolhido na propriedade MouseIcon

13
Picture: Inseri uma figura em nosso formulário como papel de parede.
ShowInTaskbar: Habilita ou não a possibilidade da janela aparecer na barra de tarefas do
Windows.
Visible: Determina se quando executarmos o programa essa janela irá ficar visivel ou
invisível.
WindowState: Determina se, quando executarmos o programa, a janela irá aparecer na
tela do computador Normal, Maximizada ou Minimizada.

Bem, agora que você já conhece as principais propriedades do Form, vamos “Brincar um
pouco”.

Abra o Visual Basic e crie um projeto padrão. Você verá que por padrão o Visual Basic já
coloca um Form no projeto. Então modificaremos este Form. Altera as seguintes
propriedades:

Name = “FrmCadastro”
Caption=”Cadastro De Clientes”
BorderStyle = 1 – Fixed Single

Altere a cor de fundo do formulário. Associe um ícone ao formulário e coloque uma


imagem de fundo.
Feito isso, rode o programa teclando <F5>. Feito isso, veja o que acontece. Depois altere
as propriedades, até mesmo as que não conhece. Procure conhecer todas, mude-as , execute
o programa e veja o que acontece.

CommandButton ( Botão de Comando)

O Botão de Comando é utilizado pelo usuário para executar determinadas ações.


Quem determina essas ações é o programador através de instruções associadas aos eventos
do CommandButton. Existe um padrão para se utilizar os botões de comando. Por exemplo.
Em um Form(Formulário), com vários botões procure sempre deixá-los do mesmo
tamanho, mesmo que o texto deles seja de tamanhos diferentes.

Errado Certo

Vamos as propriedades do CommandButton ou Botão de Comando:

Cancel: Se esta opção for ajustada como verdadeira, o botão será associado a tecla ESC, e
sempre que pressionarmos esta tecla será como se tivéssemos apertado o botão.

14
Caption: O título que será exibido dentro do botão.
Default: Estando o botão com essa propriedade como True indica que este botão será o
Padrão da janela, e sempre que apertarmos a tecla Enter será como se tivéssemos apertado o
botão.
Enabled: Determina se o botão será habilitado para pressionamento por parte do usuário ou
não.
Font: Escolhe a fonte de letra que o Caption terá.
Name: O nome que daremos para o Objeto botão de comando.
Visible: Determina se o botão será visível para o usuário quando o programa estiver em
execução.
Style: Escolhe se o botão terá elemento gráfico em seu interior. Se escolher Style do tipo
"Graphical" o CommandButton aceitará figuras, e elas devem ser inseridas na propriedade
Picture do objeto CommandButton.
TabStop: Quando temos um formulário com diversos controles, podemos nos mover
através desses controles usando o teclado, através da tecla TAB ou através de outras teclas,
como veremos mais tarde. Quando a propriedade TabStop está desabilitada, ou seja com o
valor “False” então, ao nos movermos através dos controles o Botão será ignorado e o foco
movido ao controle seguinte.
TabIndex: o Movimento de troca de foco, que vimos na propriedade TabStop tem uma
ordem, e essa ordem é seguida pela propriedade TabIndex do botão, a qual devemos
atribuir um numero, esse número será usado como a ordem que o foco é percorrido pelos
controles, ou seja, se tivermos um controle com a propriedade TabIndex definido como 1, e
outro com a propriedade TabIndex definido como 2, o que tem o número 1, receberá o foco
primeiro do que tem o número 2 na propriedade TabIndex.
ToolTipText – A não muito usada, mas não menos importante propriedade ToolTipText,
quando não está vazia exibe uma pequena ajuda sobre o controle, quando o usuário passa o
mouse em cima do respectivo controle. O texto que aparecerá será o definido na
propriedade ToolTipText.

Vamos agora á um exemplo prático envolvendo Botões de Comando:


- Crie um Form e com as seguintes propriedades:
Caption = “Exemplo do CommandButton”
Name = “FrmExemplo”

- Insira neste Form 3 botões de Comando com as seguintes propriedades:

Botão 1:
Name = “CmdOk”
Caption = “OK”

Botão 2:
Name = “CmdCancelar”
Caption = “Cancelar”

Botão 3:
Name = “CmdSair”
Caption = “Sair”

15
Feito isso, dê um duplo click no objeto CmdOk. Você verá que ao clicar nesse botão abrirá
uma janela de código, correpondente ao evento Click() do botão. Esse evento é acionado
toda vez que o usuário clicar no botão.

Dentro deste evento vamos inserir a seguinte linha:


Msgbox “Você Clicou OK”

Faça o mesmo processo com os demais botões. Apenas troque o texto que exiet dentro
das aspas pelo texto de sua preferência. Ao fazer esse processo com o botão “CmdSair”,
insira uma linha a mais:
Unload me
Execute o projeto e veja o que acontece. Você viu que criar a interface e fazer com que as
coisas “funcionem” não é nada difícil. Basta conhecer bem as propriedades, eventos e
métodos dos objetos.
Vamos agora conhecer os principais eventos do objeto CommandButton. Devo lembrar que
muitos desses eventos e até mesmo propriedades, dependo do caso até métodos, não são

16
exclusivo do CommandButton , ou seja, outros objetos também tem as mesmas
particularidades.

Eventos do CommandButton
A maioria dos eventos do CommandButton não são usados, por isso, vamos nos reter
apenas nos mais importantes. São eles:

Click() – Esse é o mais importante de todos os eventos do CommandButton. Acontece


sempre que o botão é clicado.
GotFocus() – Um evento que acontece sempre que o CommandButton recebe o foco.
LostFocus() – Esse evento é chamado sempre que o CommandButton perde o foco.
MouseMove() – É chamado toda vez que o usuário mover o mouse por cima do
CommandButton. Na prática isso não é muito usado, sendo que na maioria das vezes, um
evento desses seria útil apenas quando quiséssemos que o evento informasse a função do
botão ao usuário, mas isso pode ser feito facilmente usando a propriedade “ToolTipText” do
botão.

Métodos
O CommandButton tem 7 métodos, mas na prática, dificilmente usamos todos. Na
verdade, usamos quase sempre apenas um deles:
SetFocus - Este método que não só é usado por CommandButtons, mas na verdade, é
usado por quase todos os controles, tem a função de passar o foco para o objeto que
quisermos. Exemplo:

CmdOk.SetFocus

Irá passar o foco para o objeto CmdOk.

O Label
Não há muito segredo para se trabalhar com Labels. O Label na verdade, não passa de
uma legenda que inserimos no Form. Sua finalidade é inserir um texto no formulário. Isto
nos será útil quando precisarmos fazer um cadastro ou coisa parecida. Vamos as suas
principais propriedades:

Name – O nome que será usado pelo Label.


Caption – Essa é a propriedade principal do Label. A legenda que o Label terá.
Alignment: Determina o alinhamento que o texto terá dentro do label.

17
AutoSize: Com esta propriedade habilitada indicamos ao Controle para automaticamente
dimensionar seu tamanho ao tamanho do texto do label.
Note na figura que, quando o AutoSize foi passado para True, as marcas de seleção do label
foi ajustado para o tamanho do texto “label1”.
BackColor: Escolhe a cor de fundo que envolverá o label.
BackStyle: Escolhe entre o fundo Transparente ou Opaco para o label.
BorderStyle: Escolhe entre colocar uma moldura envolvendo o label ou não.
Enabled: Habilita ou desabilita o objeto. Quando esta em False fica com a cor de seu
conteúdo acinzentada.
Font: Escolhe a fonte de letra que terá o texto digitado na propriedade Caption.
ForeColor: Escolhe a cor da fonte de letra
Name: Nomeia o Objeto label. Como já foi dito é importante que todos os objetos seja
nomeado. A inicial do label é “lbl”.
Visible: Indica se o objeto será visível ou não para o usuário.
WordWrap: Quando o AutoSize esta em true, não é possível expandir o texto digitado na
propriedade Caption em outras linhas. Mas se passarmos essa propriedade WordWrap para
True isto poderá ser feito, bastando para isto dimensionarmos o label.

O TextBox
O TextBox é, com certeza, um dos controles mais importantes que você vai usar.
Formulários de cadastro, entradas de dados e até mesmo consultas necessitam que você
entre com os dados. Claro que temos outros controles disponíveis para isso, mas na maioria
dois casos, usamos o TextBox. Vamos as suas principais propriedades:

18
BackColor: Escolhe a cor de fundo da Caixa de Texto. Geralmente é branco.
BorderSytle: Tipo da borda: Fixa e simples, ou sem borda.
Enabled: Estando False o objeto não estará habilitado para interagir com o usuário.
Font: Escolhe a fonte de letra que será mostrada dentro da caixa de texto.
ForeColor: Escolhe a cor da fonte de letra.
Locked: Estando em false trava qualquer digitação na caixa de texto
MaxLength: Quantidade máxima de caracteres dentro da caixa de texto.
MultiLine: Habilita a possibilidade de se digitar mais de uma linha na caixa de texto.
Name: Nomeia o objeto TextBox. Geralmente com a inicial txt. Exemplo: Se formos usar
essa caixa de texto para que o usuário digite o nome do paciente, poderíamos abreviar
assim: txtNomePaciente.
PasswordChar: Se durante a digitação de qualquer dado na caixa de texto, quisermos que
o Visual Basic mostre outro caractere no lugar do caractere digitado, é só especificarmos
aqui qual queremos que seja mostrado. Muito usado para digitação de senhas.
ScrollBars: Estando a propriedade MultiLine habilitada, é interessante colocarmos um
ScrollBars na caixa de texto, pois ele acrescentará uma barra de rolagem que poderá ser:
rolagem que poderá ser:
1 - Horizontal

2 - Vertical

3 - Both:
Horizontal e
Vertical juntos.
Text: A propriedade Text é a mais importante deste Objeto. Todo o texto digitado pelo
usuário dentro da caixa de texto é incorporado nesta propriedade.

Eventos do TextBox
Irei citar aqui alguns dos principais eventos relacionados a caixa de texto.
Lembramos que todos os Eventos ocorre quando o usuário faz alguma ação. Por exemplo:
se ele aperta um botão aciona o Evento Click, se ele digita algo numa caixa de texto, aciona
o evento Change e KeyPress, se ele movimento o mouse sobre um objeto, aciona o evento
MouseMove.
Vamos explicar esses eventos aqui, mas antes é importante entendermos que cada
movimento ou ação do usuário dispara um evento no programa. Mas esses eventos somente
terão alguma reação se programarmos isto na janela de codificação.
Change: Ocorre sempre que o usuário altera o valor contido na caixa de texto.
Click: Ocorre quando o usuário pressiona o botão esquerdo do mouse sobre a caixa de
texto.
DlbClick: Se o usuário apertar duas vezes o botão esquerdo do mouse sobre a caixa de
texto
KeyDown: Ocorre quando o usuário aperta uma tecla no teclado.
KeyUp: Ocorre quando o usuário solta a tecla apertada.
KeyPress: Ocorre quando uma tecla é pressionada e solta. Como argumento possui uma
variável cujo conteúdo é a tecla pressionada (código correspondente na tabela ASCII).

19
Cod. Cod. Cod. Cod.
0 · 32 Espaço 64 @ 96 `
1 · 33 ! 65 A 97 a
2 · 34 " 66 B 98 b
3 · 35 # 67 C 99 c
4 · 36 $ 68 D 100 d
5 · 37 % 69 E 101 e
6 · 38 & 70 F 102 f
7 · 39 ' 71 G 103 g
8 Backsp 40 ( 72 H 104 h
ace
9 Tab 41 ) 73 I 105 i
10 42 * 74 J 106 j
11 · 43 + 75 K 107 k
12 · 44 , 76 L 108 l
13 Enter 45 - 77 M 109 m
14 · 46 . 78 N 110 n
15 · 47 / 79 O 111 o
16 · 48 0 80 P 112 p
17 · 49 1 81 Q 113 q
18 · 50 2 82 R 114 r
19 · 51 3 83 S 115 s
20 · 52 4 84 T 116 t
21 · 53 5 85 U 117 u
22 · 54 6 86 V 118 v
23 · 55 7 87 W 119 w
24 · 56 8 88 X 120 x
25 · 57 9 89 Y 121 y
26 · 58 : 90 Z 122 z
27 Esc· 59 ; 91 [ 123 {
28 · 60 < 92 \ 124 |
29 · 61 = 93 ] 125 }
30 · 62 > 94 ^ 126 ~
31 · 63 ? 95 _ 127 ·
· Estes caracteres não são aceitos pelo Microsoft Windows.

MouseMove: Ocorre quando movemos o ponteiro do mouse sobre a caixa de texto.


MouseDown: Ocorre quando o usuário aperta o botão do mouse (seja da direita ou da
esquerda) sobre a caixa de texto.
MouseUp: Ocorre quando o usuário solta o botão do mouse (seja da direita ou da esquerda)
sobre a caixa de texto.,

Bem, agora que você já conhece as propriedades do TextBox, assim como os seus
eventos, vamos colocar em prática tudo isso. Que tal um exemplo envolvendo Labels,
TextBoxs e CommandButtons ?

20
Lembra-se daquele formulário que fizemos como exemplo do CommandButton ?
Vamos melhorá-lo:
Quanto aos botões, você pode deixar todos. Apenas os arraste para o canto direito do
formulário. Coloque 3 Labels. Você verá que ao colocar a Label dentro do formulário ela
tem a propriedade Caption
Definida como o nome do Label. Você deve trocá-la. Coloque uma com o Caption =
“Código”, outra =”Nome” outra = “Endereço”. O formulário deve ficar assim :

Agora coloque 3 TextBoxs na seguinte ordem, de cima pra baixo:


TxtCodigo
Text=””

TxtNome
Text=””

TxtEndereco
Text=””

Defina para que a TxtCodigo aceita no máximo 5 caracteres e txtnome no máximo 20.
Defina para que ao pressionarmos a tecla <TAB> o foco passe primeiro pelas caixas de
texto, de cima para baixo, e depois pelos botões, novamente, de cima para baixo. Veremos
mais tarde como fazer as TextBoxs aceitarem somente números, ou fazer o inverso(fazem
com que elas não aceitem números) através do evento keypress ou keydown.

21
OptionButton
O OptionButton ou botão de opção serve para escolhermos entre várias opções dentro do
formulário. Podemos ter vários dentro do formulário, mas apenas um poderá ser marcado,
pois quando marcamos um, o outro é automaticamente desmarcado. Para usarmos vários
grupos de opções dentro do mesmo formulário, teríamos que usar um Frame, Objeto que

veremos mais tarde.


Na figura acima você pode ver dos grupos de OptionButtons operando independentemente,
fazendo uso dos Frames. Se eles estivessem soltos no formulário, só poderíamos marcar
uma opção, ou seja, ou marcaríamos o Estado Civil ou marcaríamos o Sexo.
Vejamos agora as principais propriedades do Frame:

Alignment: Determina se o texto ficará do lado direito ou esquerdo do botão de opção.


Caption: O texto que será anexado ao Objeto.
Enabled: Habilita ou não o objeto. Estando desabilitado o usuário não poderá selecionar a
opção, e a cor do texto será acinzentado.
Name: O nomeia o Objeto. A inicial abreviada que se usa é “opt”.
Value: True para quando a opção esta selecionada e False para quando a opção não esta
selecionada.

Eventos do OptionButton
Os eventos do OptionButton são praticamente os mesmo usados pelas TextBox, sendo
que não há nenhum em especial.

O Frame
É claro que, depois do exemplo anterior não poderíamos deixar de conhecer o Frame.
Esse controle, como você viu anteriormente serve para organizarmos melhor os controles

22
dentro do formulário. Todos os controles existentes dentro do Frame podem ser
desabilitados ou habilitados definindo a propriedade Enabled de Frame como True ou
False. Além desses recursos de aninhar controles, o Frame também traz uma interface mais
limpa para o usuário. Vamos conhecer algumas de suas propriedades:

Caption: Coloca um texto no topo da moldura. Não é obrigatório.

Caption com texto digitado. Caption sem nenhum texto.

Enabled: Determina se todos todos os objetos colocados no interior da moldura estará ou


não disponível para o usuário.
Name: Nome dado ao objeto. A inicial abreviada é “fra”. Cuidado para não colocar “frm” é
a abreviatura do Objeto Form.

Um exemplo de Frame com a propriedade Enabled definida como False:

Como você pode ver o Frame da esquerda está com a propriedade Enabled definida como
False. Estando assim não conseguiremos acessar nem mesmo os controles que estão dentro
do Frame.
Esse recurso é muito útil quando queremos restringir ao usuário o acesso a certas opções.
O frame, assim como o OptionButton, também não possui nenhum evento em especial,
sendo a maioria idênticos aos do OptionButton.

23
CheckBox
A CheckBox ou Caixa de checagem é utilizado para marcar opções. Não funciona igual
ao OptioButton, pois com a CheckBox podemos marcar várias opções, uma, ou nenhuma
opção, sendo que com o OptionButton, podemos selecionar apenas uma.

Alignment: Especifica se o texto ficara do lado esquerdo da caixa.

Caption: O texto anexado ao Objeto CheckBox.


Enabled: Habilita ou não esse Objeto. Estando desabilitado não aceitará que o usuário faça
evento com a caixa de checagem.
Font: Escolhe uma fonte de letra para o texto digitado no Caption
Name: Nomeia o Objeto. A inicial abreviada para este tipo de controle é “chk”.
Value: Determina o estado o objeto: 0 - Unchecked, 1 - Checked e 2 - Grayed.

Value esta com


Value está com valor valor 0, de
1, de selecionado ou desmarcado, ou não
checado. foi escolhido.

Eventos
O CheckBox tem praticamente os mesmo eventos do OptionButton.

Bem, agora que já conhecemos vários controles, assim como suas respectivas propriedades,
métodos e eventos, vamos criar um Form utilizando vários desses objetos. Faremos o
seguinte:

Primeiro – Crie um Form com as fontes, cores e ícones de sua preferência. Será um
cadastro de clientes. Nesse cadastro será necessário:
Nome, endereço, bairro e cidade. Para isso serão necessárias 4 TextBoxs e 4 Labels, Certo ?
Nomeia-as e defina as suas propriedades de acordo com o que você acha necessário(Não
esqueça que você vai se referir aos controles dentro do código através dos seus respectivos
nomes, por isso siga a regra de nomenclatura adequada ou utilize um nome que você tem
certeza de que não irá esquecer).

Segundo – Insira 2 Frames: Um que terá um grupo de opções com OptionButtons e se


referirá ao sexo do cliente, que obviamente terá 2 opções(Masculino ou Feminino). O outro
Frame se referirá ao estado civil do cliente. Teremos as seguintes opções:
1- Solteiro

24
2- Casado
3- Divorciado
4- Viúvo
Todas essas opções serão representadas pelos OptionButtons que você vai inserir dentro
do respectivo Frame. Siga as regras de nomenclatura padrão para atribuir os nomes aos
Frames e Optionbuttons.

Terceiro – Insira 3 botões no formulário, um botão de Ok, um botão de Cancelar e um


botão de Sair. Defina as suas propriedades (nomes, fontes, legendas, ícones, etc...).

Quarto – Insira um CheckBox, que vai ser utilizado para saber se o cliente reside em
Cachoeira do Sul. A legenda desse CheckBox poderia ser “Reside em Cachoeira do Sul” ou
qualquer outra de sua preferência desde que pergunte se o cliente mora ou não em
Cachoeira do Sul.

Quinto – Deixe todos os controles de modo que o foco passe primeiro pelas TextBoxs, de
cima para baixo, depois pelas opções, da esquerda para direita, e depois pelos botões, de
cima para baixo.

No evento Click() do Botão OK coloque o seguinte código:

MsgBox “OK”

Prossiga com os demais da mesma forma, trocando apenas o “OK” pelo nome do botão.

Sexto - Bem, agora que já criamos a interface vamos fazer com que as coisas funcionem.
Se você observar no Form, poderemos ver que existe uma Caixa de Texto, onde é
perguntado ao usuário a cidade do cliente. No entanto, existe um CheckBox ou caixa de
checagem que pergunta ao usuário se o cliente reside em Cachoeira do Sul. Ora, se
soubermos que o cliente reside em Cachoeira do Sul não seria necessário informar a
cidade.Para isso, será necessário associar a um evento do CheckBox, uma instrução que
limpasse a caixa de texto, para caso já tivéssemos digitado alguma valor como Cidade, e
desabilitasse a mesma para que não colocássemos nenhum valor, sendo que o cliente reside
em Cachoeira do Sul. Mãos a obra.

O ListBox
O ListBox ou caixa de listagem é uma caixa a qual podemos adicionar itens, removê-los
ou selecioná-los.

25
Caixa de Lista Caixa de Lista
Vazia, sem Vazia com
nenhum texto vários nomes
digitado em seu inseridos na
interior. propriedade
List

O ListBox cria um índice com o número do item selecionado. Este índice sempre inicia
pelo zero, ou seja, se selecionarmos o primeiro item, o número dele será zero. Se
selecionarmos o segundo, ele retornará um. Este índice é visível através de uma
propriedade em tempo de execução que veremos mais tarde.

O ListBox é útil para selecionamos nomes ou outro tipos de dados, removê-los ou


adicioná-los de acordo com a nossa necessidade.
Vamos conhecer agora as suas propriedades:
Columns: Determina a quantidade de colunas que a caixa de lista terá. Quando esta com 0
(zero) significa que terá somente uma coluna e a barra de rolagem será vertical. Se o valor
desta propriedade for 1 será formado também somente uma coluna mas a barra de rolagem
será horizontal. Valor 2 significa que os itens inseridos no ListBox serão ajustados em 2
colunas, e assim por diante.

Columns ajustado para 0. Os Columns ajustado para 1. Os Columns igual a 2. Os nomes


nomes ficam em 1 coluna de nomes ficam e 1 coluna de ficam dispostos em duas
forma vertical. forma horizontal. colunas de forma horizontal.

Enabled: Habilita ou não o ListBox para o usuário selecionar algum item no objeto.
IntegralHeight: Determina a possibilidade dos itens dentro da caixa de lista ser exibido de
forma parcial.
IntegralHeight
com TRUE

IntegralHeight
com FALSE

List: é o Local onde digitamos os itens que estarão dentro do ListBox.

26
Os nomes digitados nesta
propriedade em tempo de
projeto são automaticamente
inseridos dentro do ListBox,
mas existe outro processo de
se incluir dados no objeto em
tempo de execução.

MultiSelect: Quando esta propriedade esta habilitada significa que a caixa de lista aceitará
múltiplas seleções, ou seja, poderá ser selecionado mais de um ítem. As opções são 0 -
None para seleção somente de 1 ítem. 1 - Simple para seleção de vários itens usando apenas
o clicar do mouse ou barra de espaço. 2 - Extended é o padrão do Windows para multiplas
seleções. Para selecionar mais de 1 item usa-se a combinação de tecla CTRL + Click do
mouse ou barra de espaço.
Name: Nome que o Objeto ListBox terá. A abreviação padrão é “lst”.
Sorted: Classifica os itens existentes dentro do ListBox em ordem alfabética ou numérica
ascendente. Esta propriedade em tempo de execução tem a finalidade de informar o estado
que se encontra o Sorted.

Style: CheckBox Style: Standard


Style: O Estilo
Standard é o padrão, a partir do Visual Basic 5 acrescentou-se o Estilo CheckBox, onde os
itens existentes no ListBox são acompanhados de um quadradinho do lado esquerdo para se
fazer a seleção dos itens. Para multiplas seleções esse tipo de ListBox é mais intuitivo para
o usuário.

Vamos agora conhecer as propriedades em tempo de execução. Essas propriedades são de


extrema importância para manipularmos os dados existentes no ListBox, pois nos permitem
saber o texto do itemselecionado, número do índice do itemselecionado, número de itens
existente no ListBox,etc...
São elas:
ListCount: Retorna a quantidade de itens existente dentro de um ListBox.
ListIndex: Retorna o número correspondente ao índice do item selecionado.
NewIndex: Retorna o número correspondente ao índice do ultimo item inserido no
ListBox.
SelCount: Quando a propriedade MultiSelect esta ativada, possibilitando a seleção de
vários itens dentro da caixa de lista, o SelCount retorna a quantidade de itens que foi
selecionado.
Selected: Retorna True ou False sinalizando se algum item foi selecionado. É necessário
informar o índice correspondente. Exemplo: Selected(2): Se o item que possui o índice 2
for selecionado retornará True, se qualquer outro for selecionado retornará False.
Text: Retorna o texto do item selecionado. Não necessita de índice.

27
List: Retorna o texto do item especificado no índice. Exemplo: List(2) irá mostrar o texto
existendo na lista referente ao índice 2.

Eventos do ListBox
De novo aqui só temos o evento DblClick(), que é gerado toda vez que dermos um duplo
clique sobre um item do ListBox.
Procure usar sempre o DblClick(), e não o evento Click(). Pois para o usuário é mais
intuitivo dar dois cliques numa caixa de listagem para abrir um certo item do que apenas
um.

Métodos do ListBox
AddItem – Usamos este método sempre que queremos adicionar um item ao ListBox. A
sintaxe usada é a seguinte:

ListBoxTal.AddItem “Texto a ser adicionado”

RemoveItem – Este outro método é usado para removermos um item do ListBox. A sintaxe
á seguinte:

ListBoxTal.RemoveItem <número do índice a ser removido>

Você pode notar que é necessário informar o índice do item que se deseja remover.
Geralmente para remover um certo item que encontra-se selecionado pelo usuário usamos:

ListBoxTal.RemoveItem ListBoxTal.ListIndex

Usamos “ListBoxTal.ListIndex”. Usando a propriedade listindex da nossa ListBox


conseguimos automaticamente o número do índice selecionado, necessário para podermos
remover o item que precisamos.

Clear – O mais simples de todos os métodos do ListBox. Serve para limparmos


completamente a nossa caixa de listagem. Sua sintaxe também é muito simples:

ListBoxTal.Clear

Agora que já conhecemos as principais propriedades, métodos e eventos dos ListBox,


vamos fazer algo que “funcione” usando-os.
Crie um formulário, com uma caixa de listagem, uma caixa de texto e 3 botões. Altere as
propriedades dessa caixa para que esteja vazia sempre que abrirmos o formulário. Agora
selecione todas as propriedades necessárias para os botões(legenda,nome,etc...) e codifique
os seus eventos, de forma que um botão servirá para adicionar item, outro para excluir item
e outro para limpar a caixa de listagem. Ao clicarmos no botão de AdicionarItem este botão
pegaria o texto existente na Caixa de Texto e o adicionaria na Caixa de Listagem. Quando

28
isso fosse feito, a caixa de texto deveria ser limpa para que um novo texto pudesse ser
digitado nessa caixa de texto. A interface do formulário poderia ficar assim:

Claro que você pode incrementar com algumas legendas para facilitar para o usuário.
Por se tratar de um exemplo, vamos padronizar os nomes dos controles existentes no
formulário:
O botão de AdicionarItem irá se chamar “CmdAdd”
O botão de RemoverItem irá se chamar “CmdRemove”
O botão de Limpar irá se chamar “CmdLimpa”
A Caixa de Texto irá se chamar “TxtItem”
A Caixa de listagem simplesmente “Lista”

Bem, vamos ao que interessa. Começaremos primeiramente codificando o botão de


AdicionarItem. Para isso, demos um duplo clique no botão de AdicionarItem. Abrirá então
a janela de código referente ao evento Click() do respectivo botão. O que precisamos fazer
então?
Fazer com que cada vez que clicarmos neste botão ele limpe a caixa de texto.
Primeiro devemos adicionar o texto existente na caixa de texto, para depois limpá-lo.
Faríamos assim:

Esta linha adiciona para a


caixa de listagem(Lista) o
texto existente na caixa de
texto, no nosso exemplo
“TxtItem”, através da sua
propriedade “Text”, que
retorna o texto em tempo
de execução

Esta outra linha simplesmente atribui que a


propriedade “Text” da caixa de texto(TxtItem) seja
igual a “”, o que quer dizer que a seu texto será nulo
29
ou em branco, ficando livre assim para que possamos
digitar outro texto.
Vamos agora ao botão de “RemoverItem”, a qual usaremos o mesmo evento click() para
usar as instruções que farão que o item selecionado seja excluído caixa de listagem ao
clicarmos na mesma. Para isso usaremos o método “RemoveItem” do ListBox. Como você
sabe, quando usamos o método “RemoveItem” é necessário que informemos o número do
índice para isso usaríamos a propriedades ListIndex do ListBox, a qual retorna em tempo
de execução o índice do item selecionado. Ficaria assim:

Bem, já codificamos o botão de “AdicionarItem”, o de “RemoverItem”, resta apenas o de


“Limpar” a caixa de listagem. O mais fácil de todos. Basta colocar no evento Click() do
respectivo botão a linha que usa o método Clear do ListBox:

Você vai notar que ao tentarmos remover um item sem ter selecionado nada na lista o
sistema vai gerar um erro, pois o valor da propriedade ListIndex, que deveria se referir ao
índice do item selecionado estará como “-1”, isso por quê não há nenhum item selecionado.
Logo mais veremos comandos condicionais, a qual poderemos manipulá-los para que não
deixem esses tipos de erros acontecerem.

O objeto ComboBox
O ComboBox ou caixa de combinação é uma combinação de um TextBox(caixa de
texto) com um ListBox(caixa de listagem). Podemos digitar caracteres dentro dela, além de
podermos teclar na seta que existe á sua direita e selecionarmos dados previamente
inseridos em sua lista.

Objeto ComboBox com sua caixa de


Lista recolhida. Ela somente é acessada
ao darmos um click com o mouse na
seta para baixo do lado direito. Da
forma em que esta podemos digitar na
caixa de texto apresentada.

30
ComboBox com a caixa de lista
expandida. Pode-se escolher um nome
qualquer na lista que ele será
automaticamente levado até a caixa de
texto.

O ComboBox é de ampla utilização, pois poupa o tempo do usuário em precisar digitar


dados, assim como pode evitar que o usuário digite dados incorretos também, além de
ocupar pouco espaço no formulário. Imagine um formulário enorme com vários controles e
tivéssemos que colocar uma lista de nomes para o usuário escolher, uma lista de cidades e
uma lista de bairros, ao invés de colocarmos três ListBox que ocupariam um espaço maior
poderíamos colocar três ComboBox . Vamos conhecer agora as suas propriedades:

O ComboBox usa as mesmas propriedades que aprendemos para o ListBox. A diferença


esta somente em duas que veremos agora.

Style: Aqui escolhemos o tipo de Caixa de Combinação iremos colocar no formulário:

0 - Dropdown Combo: é a opção padrão do Objeto. Aqui pode-se digitar qualquer nome na
área de digitação, clicar a seta para baixo e escolher qualquer um dos itens que ele será
automaticamente inserido na área de texto.
1 - Simple Combo: Caixa de Combinação simples. Aparece em destaque a área de edição
de texto, onde podemos digitar algum item; ou selecionar qualquer um que esteja na caixa
de lista, que será inserido na área de texto. O botão em forma de seta para baixo não existe
neste tipo de ComboBox. Se aumentarmos o tamanho da Caixa de Combinação na vertical,
aparecerá a lista e esta ficará fixa. Caso deixamos ela somente do tamanho da área de texto,
então a lista não aparecerá, e se quisermos saber quais nomes existe teremos que apertar no
teclado a seta para baixo ou para cima, para que os itens existentes dentro da Lista
apareçam.

31
2 - Dropdown List: Neste tipo de Caixa de Combinação o usuário pode somente escolher
um item relacionado na lista, não podendo digitar nada. A área de texto não aceitará
digitação.
Text: Nesta propriedade digita-se um texto que ficará, como padrão, fixo na área de texto
na caixa de combinação. Geralmente deixa-se em branco. Podemos usar essa propriedade
também, em tempo de execução, para saber qual texto o usuário digitou ou selecionou.

Métodos do ComboBox
Os métodos usados pelo ComboBox são os mesmo usados pelo ListBox(AddItem,
RemoveItem e Clear).

MaskedBox
O MaskedBox aparenta ser uma caixa de texto. A diferença é que ele tem vários recursos
adicionais. Ele tem recursos que possibilitam a colocação de uma máscara onde ele só vai
aceitar caracteres digitados de acordo com a máscara. Por exemplo, se quisermos que ele
aceite apenas números, basta colocar a máscara correspondente que todos os caracteres que
não são números serão ignorados automaticamente. Vamos agora conhecer as propriedades:

Este objeto é semelhante a uma caixa de texto, entretanto ele possui alguns recursos
adicionais, como a possibilidade de colocar uma máscara para o texto que irá ser digitado e
validar a digitação automaticamente.
Veja as principais propriedades:

AllowPrompt : Determina se o caractere informado como prompt é válido durante a


digitação.
AutoTab : Determina se quando o usuário terminar de preencher a mascara do
objeto o foco é automaticamente passado para o objeto seguinte, sem necessidade do
usuário apertar TAB ou o mouse.
ClipMode : Determina se, diante de um evento de copiar ou recortar dados do
objeto Maskedit para a área de transferência, devem ser enviados os dados digitados com os
caracteres que compõem a máscara ou não.

32
* ClipText : Retorna o texto digitado no objeto sem os caracteres que compõem a
máscara.
Format : Determina o formato que os dados serão exibidos.
Use a propriedade Format para exibir dados em um formato consistente, ou seja, os
dados serão exibidos neste formato, mesmo que o usuário digite os dados diferentemente do
formato. Por exemplo, se você definir a propriedade Format para “dd/mmm/yyyy”, todas as
datas digitadas serão exibidas no formato 18/Set/1995. Se o usuário digitar a data como
18/09/95 (ou qualquer outro formato de data válido), o Visual Basic converterá a exibição
para o formato estabelecido, que é dia / mês-por-extenso-abreviado / ano-com-4-digitos.

A propriedade Format afeta apenas a maneira como um valor é exibido e não como
ele é armazenado. Da mesma forma, um formato de exibição não é aplicado até que o
usuário termine a digitação e o controle perca o foco.
Nada é exibido no campo para sugerir ou controlar o formato no qual os dados são
inseridos.
Se você precisar controlar a maneira como os dados são digitados, use uma máscara de
entrada além de ou ao invés de um formato de exibição de dados. Se você quiser que os
dados sejam exibidos exatamente como foram inseridos, não defina a propriedade Format.
* FormattedText : Retorna o texto digitado, incluindo os caracteres que compõem a
máscara.
Mask : Máscara que moldará o controle.
O Visual Basic fornece duas propriedades que produzem resultados parecidos: a
propriedade Format e o Mask.
Use a propriedade Mask para exibir caracteres de exibição literais no campo com
espaços em branco a serem preenchidos. Por exemplo, se todos os números de telefones
que inserir em um campo tiverem o mesmo formato, você poderá criar uma máscara de
entrada:

(###) ###-####  (___) ___ -____  (062) 621-3862

Uma máscara de entrada garante que os dados se ajustem ao formato definido e


você poderá especificar os tipos de valores que poderão ser inseridos em cada espaço em

33
branco. Por exemplo, a máscara de entrada anterior solicita que todas as entradas
contenham exatamente os dígitos necessários para completar um código de área e número
de telefone, e que somente dígitos possam ser inseridos em cada espaço em branco.

Você pode definir uma máscara de entrada usando os seguintes caracteres.

0 Dígito (de 0 a 9, entrada requerida, sinais de mais (+) e menos


(-) não permitidos).
9 Dígito ou espaço (entrada não requerida, sinais de (+) e menos
(-) não permitidos).
# Dígito ou espaço (entrada não requerida, os espaços são exibidos
como vazios enquanto os dados são editados, mas são removidos
quando perde o foco, sinais de mais e menos permitidos).
L Letra (de A a Z, entrada requerida).
? Letra (de A a Z, entrada opcional).
A Letra ou dígito (entrada requerida).
a Letra ou dígito (entrada opcional).
& Qualquer caractere ou espaço (entrada requerida).
C Qualquer caractere ou um espaço (entrada opcional).
, . : ; - / Marcador de posição decimal e separadores de milhares, de data
e de hora. (O caractere realmente usado depende das
configurações do Painel de Controle do Windows).
< Faz com que todos os caracteres sejam convertidos para
minúsculos.
> Faz com que todos os caracteres sejam convertidos para
maiúsculos.
\ Faz com que o caractere seguinte seja exibido literalmente (por
exemplo, \A é exibido simplesmente como A).

Quando você define uma máscara de entrada e a propriedade Format para o mesmo objeto,
a propriedade Format tem precedência quando os dados são exibidos. Isso significa que
mesmo você tendo salvo uma máscara de entrada, ela é ignorada quando os dados são
formatados. O dado original como foi digitado não é alterado; a propriedade Format só
afeta a maneira como os dados são exibidos.
MaxLength : Determina a quantidade máxima de caracteres que o MaskEdBox
pode ter.
Name: Nomeia o objeto. Geralmente inicia o nome com “msk”
PromptChar : Escolhe o caractere padrão que será exibido simbolizando o estado
vazio. Por default possui o caractere “_”, e aconselho a substituir pelo caractere de espaço.
Esta propriedade não aceita vazio.
PromptInclude : Determina se o caractere inserido na propriedade PromptChar será
incluído na propriedade Text.
* Text : Contém o texto digitado pelo usuário no objeto.
Evento ValidationError : Este evento ocorre sempre que o usuário digita alguma
entrada que não corresponde a máscara estabelecida.

34
Construindo um sistema
Um sistema em VB é constituído por vários componentes e dividido em várias partes.
Nós já conhecemos os formulários(Forms), mas num sistema podem conter vários outros
componentes:

- MDI Forms
- Módulos(Módule)
- Módulos classe(Class Module)
- Relatórios (Data Report)
- User Controls

Estes são os principais componentes. Existem muitos outros que fogem ao objetivo do
nosso curso. Alguns, como o Módulo Classe
E o User Control também não serão abordados neste curso, apenas você terá uma noção do
que é e para que serve.

MdiForms – O MdiForm na verdade é um Form que suporta vários outras


Forms dentro dele. Ele tem a função de ser o formulário principal numa aplicação. Numa
aplicação média ou grande, sempre vamos ter que adicioná-lo no projeto.

Módulos – Os módulos são usados a todo momento no Visual Basic. Qualquer


projeto seja ele médio ou grande tem vários deles. Dentro desses módulos, existirá um
código que poderá se dividir em subprocedimentos e funções de usuário. Veremos logo a
seguir o que são subprocedimentos e funções.

Módulos Classe – Módulos classes são na verdade, blocos de código que


agem como objetos. Nosso curso não vai abordar a construção de objetos, no entanto
aprenderemos a usá-los.

Relatórios – São relatórios gerados por uma ferramenta. Existem para facilitar o
nosso trabalho de gerar relatórios. Tem várias funções úteis a quais veremos mais tarde. Há
outros geradores de relatório além do Data Report. Trataremos disso na seção Impressão.

User Controls – São controles construídos pelo próprio programador de


acordo com alguma necessidade específica a qual os controles normais não poderiam
suprir.

DataEnvironment – Este componente é muito útil para tratarmos com banco de dados.
Facilita muito o acesso aos dados e nos possibilita manipular o Banco de Dados com
poucas linhas de código.

35
Para adicionar um componente, acesse o menu Project e selecione qual componente você
deseja adicionar.

Antes de nos aprofundarmos em alguns componentes, principalmente nos módulos, vamos


aprender a manipular as propriedades do projeto. Quando você inicia um projeto, ele por
padrão sempre coloca um objeto Form dentro do projeto. De nada for alterado nas
propriedades do projeto, o interpretador sempre inicia por esse Form, o abrindo. Existem
alguns eventos do Form que talvez você ainda não conheça e são de extrema importância
quando começamos a trabalhar com o código. São eles:

Initialize – Este evento ocorre quando o Form é chamado, seja pelo Visual Basic, ou por
um módulo onde definimos uma instrução para chamá-lo.

Load – Ocorre sempre que o Form é carregado na memória. Poderámos dizer que é o
ponto de entrada em qualquer formulário. Quando o formulário é chamado, antes mesmo de
podermos visualizar ele na tela, o evento Load já está ocorrendo.

Activate – Este evento ocorre logo após o evento Load. Quando este evento ocorre já
podemos ver o Formulário.

Unload – Ocorre quando o formulário é descarregado da memória. È o oposto do evento


Unload .

Terminate – Este evento ocorre após o evento Unload . Quando ele ocorre o formulário já
não está mais na memória, e muito menos podemos visualizá-lo.

Bem, é fácil deduzir que se criarmos um projeto, não alterarmos nada, e colocarmos esse
projeto pra rodar, o interpretador primeiro percorreria o evento Initialize do formulário,
depois o evento Load e depois o evento Activate. Ao fecharmos ele percorreria o evento
Unload e depois o evento Terminate.

36
No entanto, um projeto pode iniciar também por um módulo. Existe um evento chamado
Main que o Visual basic sempre procura nos módulos do seu projeto, caso você defina para
que ele procure. Podemos optar entre 2 pontos de entrada em sua aplicação:

- Um formulário que você mesmo define qual é


OU
- Um módulo que tem um procedimento chamado “Main”.

Vamos conhecer as propriedades de projeto onde podemos definir isso. Acesse o menu
“Project” e selecione “Properties”. No caso de você ter um projeto com o nome de
“Exemplo” aparecerá “Exemplo Properties”. Aparecerá a seguinte janela:

Aqui definimos o tipo de


projeto. O padrão é
“Standard EXE”.

Aqui definimos o ponto de


entrada no nosso projeto.
Ou seja se vai começar por
um formulário ou “Sub
Main”, que seria o método
“Main” de um de nossos
módulos.

Nome do projeto

Nome do arquivo de ajuda,


caso exista.

Descrição do projeto.
Também é opcional.
Um projeto médio ou grande sempre começa em um módulo, através do
subprocedimento Main .

Menus
Até agora vimos como inserir botões e muitos outros controles em um formulário. Mas e
se quiséssemos inserir menus.
O Visual Basic oferece um editor de menus muito simples. Acessando o menu Tools,
Menu Editor ou teclando <F2> você abrirá o Menu Editor.

37
A propriedade Caption
mostra a legenda que será
exibida no menu.

A propriedade Name é o
nome do menu, para que
possamos nos referenciar a ele
no código.

A propriedade ShortCut
permite escolhermos um
atalho pelo teclado para o
menu em uma lista.

Nos permite criar uma matriz


com os menus se os mesmos
tiverem o mesmo nome.

A propriedade A propriedade WindowList


Enabled do menu A propriedade Visible cria automaticamente um
determina se o menu do menu determina se menu gerenciador de janelas
estará ativado ou o item estará visível ou em aplicações com várias
não. não. janelas, onde é exibido as
A propriedade Checked nos janelas recentemente abertas.
possibilita colocar um “” ao lado do Muito útil para criarmos um
item de menu. Isto é útil em menus menu “Janela”
onde existem dois estados: Ligado e
Desligado.
Agora que já conhecemos as propriedades, vamos aprender a criar os menus.
Primeiramente, você define o Caption e o Name do item de menu. Devo lembrar que o
Name é obrigatório.
Note que podemos criar submenus dentro dos menus. Usando e , sendo que
avança um nível e recua um nível.
Menus que são antecipados com “....” representam submenus. Quanto mais “....” tiver na
frente do submenu, mais avançado é o seu nível.

38
O botão Delete deleta o
item de menu
selecionado

Avança em um nível o
item selecionado,
transformando-o assim
em um submenu.

Recua em um nível o
item selecionado.

Move o item
selecionado uma posição
abaixo

Move o item
selecionado uma posição
acima
O botão Next passa para O botão Insert insere um
o item de menu seguinte. menu na posição
selecionada.
Exemplo de submenus.
Todos são antecipados
Por “....”

Menus dinâmicos
Menus dinâmicos são aqueles menus que aparecem quando clicamos com o botão direito
do mouse em cima de algum item.
O comando que chama esses menus é o PopUpMenu e sua sintaxe é a seguinte:

PopUpMenu <Nome do menu a chamar>

Claro que ainda temos que saber quando usar esse comando. Podemos usá-lo então no
evento MouseUp do objeto que vai ter o menu. Como sabemos, o evento MouseUp
acontece toda vez que clicamos o botão do mouse em cima do objeto. Vamos conhecer
melhor o evento MouseUp :

MouseUp (Button as Integer, Shift As Integer, X as Single, Y as Single)

39
Como você pode ver, o evento MouseUp nos passa parâmetros dizendo que botão foi
pressionado, que tecla estava pressionada no momento em que pressionamos o botão do
mouse, a linha e a coluna onde foi pressionado o botão.

Button : retorna um número inteiro que informa qual dos botões foram apertados:
1 Botão esquerdo pressionado. vbLeftButton
2 Botão direito pressionado. vbRightButton
4 Botão do centro pressionado. vbMiddleButton

Shift : retorna um número inteiro que informa qual tecla estava pressionada no
momento em que algum botão do mouse também foi pressionado.
1 SHIFT pressionado. vbShiftMask
2 CTRL pressionado. vbCtrlMask
4 ALT pressionado vbAltMask
X : Coordenada para linha
Y : Coordenada para Coluna

Exemplo:

Private Sub List1_MouseUp(Button As Integer, Shift As Integer, X As Single, Y As


Single)
If Button = 2 then
PopUpMenu MenuLista
End if
End Sub

No código acima usamos o evento MouseUp do objeto List1 e depois verificamos se o


botão do mouse que foi pressionado é o direito. Caso seja, usamos o comando
PopUpMenu para chamar o menu com o nome de MenuLista.

O código
Já falamos várias vezes sobre código aqui, no entanto nosso código se resumiu a atribuir
propriedades em tempo de execução a alguns objetos. Não iríamos muito longe apenas com
isso. Precisaríamos de comandos, funções e muitos outros.
Antes de vermos cada um desses itens detalhadamente, seria necessário dividir o código
em:
- SubProcedimentos
- Funções de Usuário
- Propriedades
- Eventos

Nosso curso tratará apenas subprocedimentos e funções de usuário. Propriedades e


eventos, na maioria dos casos não são muito usados. Antes de vermos esses itens

40
detalhadamente, assim como o método de declará-los no código, vamos conhecer a nossa
amiga “Janela de Código”. É nela que estaremos trabalhando a maior parte do tempo.

Sempre que Botão de Esta janela é o “Project Note que o Visual


clicarmos em um “Exibir Explorer” e nos mostra Basic separa
objeto ou clicarmos Código” todos os componentes automaticamente
em “exibir código” do projeto e podemos com uma linha os
ela se abrirá. selecionar qual eventos ou
quisermos. subprocedimentos

Vamos tratar primeiramente sobre os subprocedimentos. Um subprocedimento são blocos


de código com tarefas específicas. Tem uma série de instruções dentro dele que devem
fazer alguma coisa. Dentro de um subprocedimento podemos ter comandos e funções. Além
disso, um subprocedimento também pode receber parâmetros que especificam os valores
que serão tratados pelo respectivo subprocedimento. Os subprocedimentos existem para
facilitar a organização de nosso projeto. Imagine um projeto enorme com milhares de linhas
de código. Seria difícil organizar tudo isso. Não é mesmo? Então foram criados os
subprocedimentos para que cada tarefa em nosso projeto pudesse ser dividida, organizando
assim o código. Veremos exemplo mais tarde e vamos aprender a declará-los também.
Quanto as Funções de Usuário , serão vistas logo mais, sendo que vamos precisar
conhecer primeiro o que faz uma função para que depois aprendemos a construí-la.
Devemos agora primeiramente ter uma noção boa sobre variáveis, comandos e funções
de depois mergulharemos em subprocedimentos e funções de usuário.

Variáveis
Você já deve conhecê-las da matemática, onde geralmente tínhamos a variável X ou
variável Y.

41
Em programação, ela tem a mesma função com vários recursos adicionais.
Na matemática, só tínhamos a variável numérica. Na programação temos vários tipos de
variáveis. Vamos conhecê-las:

Nome Descrição Abrangência


Integer Numérico Inteiro -32.768 a 32.767
Long Numérico Inteiro -2.147.483.648 a 2.147.483.648
Byte Numérico Inteiro 0 a 255
Single Numérico real -3,402823E38 a -1,401298E-45
1,401298E-45 a 3,402823E38
Double Numérico real -1,79769313486232E308 a
4,94065645841247E-324
4,94065645841247E-324 a
1,79769313486232E308
Currency Numérico - -922.337.203.685.477,5808 a
Valores monetários 922.337.203.685.477,5807
String Texto 2.147.483.648 de caracteres nos sistemas 32
bits
65.536 de caracteres nos sistemas 16 bits
Date Data e Hora entre 01/01/100 a 31/12/9999
Boolean True (verdadeiro) False (falso)
Object Contém um objeto
Variant Pode ser numérico, string, objeto ou valor
nulo.

Quando atribuímos um determinado valor a uma variável esse valor fica armazenado na
memória e quando nos referenciamos a essa variável novamente esse valor é lido na
memória. Portanto, devemos pensar bem antes de escolher qual variável usaremos para
o nosso valor.
Você viu que existem cinco tipos de variáveis apenas para tratar com números. A Integer
abrange um certo valor, a Long outro, a Single outro, a Double outro e a Currency é a mais
adequada para tratarmos com valores monetários .
Devemos usar exatamente o tipo de variável que precisamos. No caso de você precisar
colocar o número 100 numa variável, o tipo Integer se enquadra perfeitamente. Já se
usarmos Long para um valor desse porte, estaríamos desperdiçando memória.
O tipo Variant, por exemplo, permite-nos, de antemão, atribuí-lo com um valor a qual não
sabemos qual é. No entanto, devemos usar o tipo Variant com muito cuidado, pois tem um
consumo de memória bem superior aos outros tipos de variáveis.
O Visual Basic nos permite atribuir um valor a uma variável sem precisarmos declarar o
seu tipo. No entanto essa prática apesar de facilitar o trabalho, não é recomendada. Você
deve estar se perguntando por quê:
Bem, em primeiro lugar, imagine você um sistema com milhares de linhas de código. E
nessas linhas você tivesse a seguinte linha:

Nome = “Maria Da Silva”

42
Digamos que você se distraia e digite:

Nomex = “Maria Da Silva”

O que irá acontecer é que o compilador não vai dar nenhum aviso de erro, por quê assim
como existe a variável “Nome” pode existir também a variável “Nomex”. Tudo bem, o
programa irá compilar sem problema o seu código. Mas e, quando você precisasse desse
valor dentro da variável “Nome”?
Resposta: Ela não estaria lá!
E seu código?
Se quebraria.
Daria erro em um certo ponto. Talvez você demoraria para notar o erro, mas cedo ou
tarde, em determinada parte, iria ver que o valor não estava sendo gravado ou qualquer
outro tipo de erro.
Esse tipo de problema é comum se você não optar que o Visual Basic exija
obrigatoriamente a Declaração de Variáveis. Para isso, acessamos o Tools, Options e
selecionamos “Require Variable Declaration”, como mostra a figura.

Marcamos esta caixa


para forçar a
declaração de
variáveis.

Podemos também usar a instrução Option Explicit na seção General-Declarations do


módulo em que deverá ser forçada a declaração de variáveis.

43
Com este procedimento, se uma variável não for declarada o Visual Basic vai gerar um
erro dizendo que a variável não foi declarada.
Você deve estar se perguntando onde, e, como se declara uma variável. Há várias
palavras chave para se declarar uma variável. Trataremos primeiro do comando Dim. Sua
sintaxe é a seguinte:

Dim VariávelTal as <TipodaVariável>

Exemplo:
Dim Nome as string

Declaramos a variável “Nome” como sendo do tipo “String”

Dim Numero as Integer

Declaramos a variável “Número” como sendo do tipo “Integer”

Dim Valor as Currency


Valor = “58,34”

Declaramos a variável “Valor” como sendo do tipo “Currency”, que é o tipo que usamos
para valores monetários, e, logo após atribuímos a ela o valor de “58,34”
Vamos tratar agora os diferentes tipos de variáveis que se dividem em numéricas, string,
lógicas, datas , objects e variants.

Variáveis numéricas
Uma variável numérica pode ser do tipo Integer, Long, Single ou Double como já vimos
anteriormente. Você escolhe a variável de acordo com as suas necessidades. Procure sempre
utilizar o tipo de variável de acordo com o que você precisa. Por exemplo, se você irá
armazenar um número entre zero e 100 em uma variável numérica do tipo Long, você
estaria utilizando mais recursos do que seu valor necessita. Pois numa caso destes, a
variável Single seria totalmente cabível. É muito importante que o programador leve em

44
consideração casos como este. Pois em um programa grande o gerenciamento de recursos é
de extrema importância.
Procure usar as variáveis numéricas apenas quando estas forem objetos de cálculos, ou
seja, use-as apenas quando for realizar operações matemáticas com os seus valores. Por
exemplo, você não precisa utilizar um tipo numérico para uma variável numérica que vai
conter um “Cpf” ou um “número de identidade”.

Variáveis Lógicas(Boolean)
Permitem somente dois valores: True or False. Ou seja, verdadeiro ou falso.
Este tipo de variável parece não nos prometer nada, mas são de extrema importância
dentro de um programa. Quando declaramos uma variável do tipo Boolean, ele é definida
automaticamente como False(Falso) e só passa a ser True(Verdadeiro) quando assim for
definida. Exemplo:

Dim Nome as String


Dim NomeIgual as Boolean
Nome = “Maria da Silva”
NomeIgual = (Nome = “Maria”)

A variável lógica “NomeIgual” retornaria False

Declaramos duas variáveis, uma do tipo String, e outra do tipo lógica(Boolean). A variável
lógica “NomeIgual” tem a função de analisar a comparação entre a variável nome e uma
string qualquer. Se essa comparação for verdadeira, ele retornará true, e vice-versa. No
nosso exemplo acima, temos a variável “Nome” com o conteúdo “Maria da Silva”. A
comparamos com a string “Maria” e o resultado que a variável “NomeIgual” dará é False,
por quê a comparação não é verdadeira. Vejamos agora como a variável “NomeIgual”
poderia retornar True:

Dim Nome as String


Dim NomeIgual as Boolean
Nome = “Maria da Silva”
NomeIgual = (Nome = “Maria da Silva”)

“NomeIgual” retornaria True

Convém observar que se trocássemos uma letra que fosse, de maiúscula para minúscula a
variável lógica “NomeIgual” já retornaria False.

Dim Nome as String


Dim NomeIgual as Boolean
Nome = “Maria da Silva”
NomeIgual = (Nome = “Maria da silva”)

“NomeIgual” retornaria False Observe o “s” minúsculo

45
Variável String
Ao tratarmos sobre as variáveis lógicas falamos sobre “String”. Uma string na verdade
pode ser o conteúdo de uma variável do tipo “String” ou qualquer conteúdo delimitado por
“” aspas. Uma string aceita caracteres alfanuméricos, símbolos, etc. Podemos fazer
concatenação com essas strings, assim como extrair uma parte de seu conteúdo e até fazer
comparações.
Concatenação seria juntarmos duas strings em uma só. Podemos usar para isso o
operador “+” ou o “&”. Exemplo:
“Visual “ + “Basic” resultaria “Visual Basic”
“13” + “12” resultaria “1312”
“Visual ” & “Basic” resultaria “Visual Basic”
“13” & “12” resultaria “1312”

Bem, olhando assim parece que o operador “+” e operador “&” são iguais, mas na
verdade não. A diferença está que o operador “+” força a soma e operador “&” força a
concatenação. Vejamos:

12 + ”13” resultaria 25

Note que ao tentarmos concatenar com o operador “+” uma string e um dado numérico ele
somou e transformou o resultado em um valor numérico.

12 & “13” resultaria “1213”

Agora ficou bem claro que o operador “+” ao encontrar 2 tipos diferentes, ou seja, um
valor numérico e uma string, ele os somará e irá transformá-los em um valor numérico,
enquanto que o operador “&”, ao encontrar 2 tipos diferentes irá forçar a concatenação,
pegando o valor numérico e concatenando com a string, transformando assim o resultado
em uma string.
Resumindo, podemos usar tanto o operador “+” quanto o operador “&” para concatenar
strings, apesar de que geralmente é mais usado o “&”.

Variável Date
A variável Date nos possibilita o armazenamento de datas, porém, também podemos
armazenar horas. Quando atribuímos uma data a uma variável devemos usar o operador #.
Exemplo:

Data = #01/01/2001#

Se tentarmos atribuir uma variável data assim:

Data = 01/01/2001

46
Ou assim:
Data = ”01/01/2001”

Se a variável foi já foi declarada como Date, o programa retornará um erro dizendo que o
que estamos tentando passar não é uma data. Se a variável ainda não foi declarada, no
primeiro exemplo, ele pensará que estamos tentando dividir 01 por 01 por 2001 e colocará
o resultado na variável. No segundo ele armazenará uma string na variável tornando assim
uma variável do tipo String.
A variável Date nos possibilita fazer alguns cálculos:

a = #15/07/96#
b = #30/07/96#
b - a = 15 (Uma data menos outra retorna o intervalo em dias)
a + 3 = #18/07/96# ( uma data mais um valor numérico soma a quantidade de dias na data)
a - 3 = #12/07/96# ( uma data menos um valor numérico subtrai a quantidade de dias na
data.

Variável Variant
A variável do tipo Variant como o próprio nome sugere é uma variável que se transforma
em qualquer tipo, dependendo do conteúdo que lhe é atribuído. Por exemplo, se tivermos
uma variável “A” e atribuímos A=”José”, A será do tipo String, já se atribuirmos A = 1, A
será do tipo Integer.
A uso desse tipo de variável só é aconselhado quando não temos a menor idéia do
conteúdo que será atribuído a ela, pois uma variável do tipo VARIANT utiliza mais
recursos do que os outros tipos.

Variável Object e instanciação


A variável Object representa um objeto. Podemos atribuir objetos ás variáveis, caso
precisarmos. Essa prática é chamada de instanciação.
Como o Visual Basic trabalha com objetos, é bom se acostumar a instanciar objetos a
todo o momento. O que acontece, na verdade, no momento em que instanciamos o objeto é
que a variável que contém a variável passará a se comportar como o objeto. Podemos
definir um tipo de variável como sendo TextBox, ComboBox, Form ou qualquer outro
objeto. O Tipo Object aceita qualquer um desses objetos. Seria como a variável Variant dos
objetos.Podemos instanciar qualquer objeto existente em nosso projeto. Para instanciar um
objeto, temos de usar a palavra chave SET antes da variável. Exemplo:

Dim Objeto as Object


Set Objeto = Text1
Objeto.text=”olá”

47
Crie um projeto novo no VB. Insira um TextBox no formulário. Agora coloque o código
acima no evento LOAD do Form e rode o projeto. Você verá que aparecerá a caixa de texto
com o texto “olá” em seu interior. Bem, vejamos como isso aconteceu.
Primeiro, criamos uma variável chamada Objeto, como sendo do tipo OBJECT.

Dim Objeto as Object

Depois á instanciamos. Imagine o ato de instanciar como estar apontando para objeto.
Como tornar a variável um espelho do objeto.

Set Objeto = Text1

Depois de instanciarmos a variável Objeto, fazendo que ela aponte para “Text1”(nossa
TextBox), podemos modificar as suas propriedades através da variável:

Objeto.text=”olá”

Simples, não é mesmo. Note que, ao declarar a variável, poderíamos usar diretamente o
tipo TEXTBOX. Pois como já falamos anteriormente, o Tipo Object seria como o Tipo
VARIANT, só que para objetos. Este exemplo usou um TextBox, mas poderíamos usar com
qualquer outro objeto existente no projeto.
Veremos instanciação com maiores detalhes mais adiante.

Declaração de Variáveis
O Visual Basic nos permite declarar variáveis em qualquer parte do código, no entanto,
existem algumas observações a serem feitas:

- Para que uma variável seja vista por todo o módulo, formulário, ou qualquer outro objeto
que a contém, a mesma deve ser declarada na seção General, Declarations do módulo.

Se a declararmos dentro de um procedimento qualquer, ela será válida apenas dentro


desse procedimento.

- Para que a variável seja vista pelo projeto inteiro, devemos declará-la como Public, no
módulo principal. Veremos agora o que significa Public , assim como os demais
modificadores de acesso.

Modificadores de acesso

48
Os modificadores de acesso mudam a forma como o programa enxerga as variáveis. Se
declararmos uma variável usando no lugar de DIM a palavra chave PUBLIC na seção
General-Declarations do módulo principal, esta variável poderá ser usada em qualquer parte
do projeto.

Public Nome as String

Esta variável poderá ser usada dentro de qualquer formulário sem problemas. Já se
declararmos uma variável pública dentro de um formnulário, também poderíamos usá-la em
qualquer parte do projeto, no entanto devemos antecipá-la com o nome do formulário e um
ponto. Exemplo:

FormularioTal.Nome

Além do modificador de acesso PUBLIC, temos o PRIVATE, que funciona exatamente o


oposto do PUBLIC. O usamos para evitar que as variáveis internas de um módulo entre em
conflitos com variáveis de mesmo nome de outros módulos. Sua sintaxe é a mesma usada
no comando PUBLIC.

Constantes
Uma constante é uma variável que terá um valor somente leitura, ou seja, poderemos
apenas ler o seu valor, mas não poderemos modificá-la. É útil quando temos um
determinado valor que é referenciado várias vezes dentro do projeto, e queremos uma
variável para representar esse valor, de forma que não precisemos mais digitar toda vez esse
valor.
Para declararem constantes, usamos a instrução CONST. Exemplo:

Const Numero as Integer = 3

O tipo da constante não é obrigatório, de forma que a linha acima poderia ficar assim:

Const Numero = 3

No lugar do número 3 poderíamos usar qualquer expressão, seja ela uma string, ou uma
operação matemática, ou qualquer outra expressão válida envolvendo outras constantes.
As constantes são declaradas como Private por padrão, no entanto podemos usar os
modificadores de acesso Public antecipando a declaração. Exemplo:

Public Const Data = #20/09/1979#

Se colocarmos essa linha na seção General-Declarations de um módulo, esta constante


poderá ser acessada por qualquer parte do projeto. Se a colocarmos na seção General-
Declarations de um formulário também, mas da mesma maneira que acessamos as
variáveis, ou seja, antecipando com o nome do formulário:

49
FormularioTal.Data

Operadores
Agora que já aprendemos a trabalhar com variáveis, vamos conhecer os operadores, que
serão essências para a manipulação dos valores de nossas variáveis. Com eles, poderemos
realizar operações matemáticas, lógicas, etc. Os operadores se dividem em:

- Matemáticos
- Relacionais
- Lógicos
- String

Matemáticos – Os operadores matemáticos já são conhecido de todos. Com eles


poderemos somar, dividir, subtrair,etc. São eles:

Operador Descrição Exemplo


+ Soma Var = 18+5
- Subtração Var = 18-5
* Multiplicação Var = 18*5
/ Divisão Var = 18/5
\ Divisão. Resultado será um número Var = 18\5
inteiro
^ Exponenciação Var = 18^5
Mod Resto da Divisão Var = 18 Mod
5

Assim como na matemática, esses operadores sempre respeitam uma ordem para realizar os
cálculos:

1ª. Exponenciação
2ª. Multiplicação e Divisão
3ª. Adição e Subtração

Se tivermos o seguinte cálculo a ser feito:

7+3*2-4^2/2

Resultaria 5.
O programa primeiro calcularia as operações de exponenciação, depois de multiplicação
e divisão, e depois sim, irá realizar as operações de soma e subtração.
Caso quiséssemos que ele primeiro somasse, bastaria colocarmos a soma entre
parênteses:

50
(7+3)*2-4^2/2

Resultaria 12.

Operadores Relacionais – Realizam comparações entre valores ou variáveis e retornam o


resultado da comparação, sendo True se a comparação for verdadeira, e False, se a
comparação for falsa. São eles:
Operador Descrição Exemplo
> Menor 3<5
< Maior 5>3
<= Menor ou 3 <= 5
Igual
>= Maior ou 5 >= 3
Igual
= Igual 5=5
<> Diferente 3 <> 5

Operadores Lógicos – Realizam operações lógicas usando operadores que representam a


palavra NÃO, E, OU, EQUIVALENTE, IMPLICAÇÃO E PRECISÃO. Veremos os
mais importantes. São eles:

And – O mais usado de todos os operadores. Representa a palavra “E” em uma expressão.
Por exemplo:

A = 5 and b = 7

Significa a igual a 5 e b = 7

OR- Representa a palavra “OU” numa operação lógica.

A = 5 or B = 7

Significa a igual a 5 ou B = 7

NOT – Representa a expressão “NÃO É” numa expressão lógica. Por exemplo:


A = 5 AND NOT (A = B)

A igual a 5 e A não é igual a B

Para facilitar o entendimento, imagine o operador NOT antes da expressão como se fosse a
palavra NÂO.

Operadores de String

51
Como já vimos anteriormente, são representados pelo “+” e pelo “&”, sendo que o “+”
força o cálculo, no caso de termos uma das expressões sendo numérica, enquanto o “&”
força a concatenação, no caso de termos uma das partes sendo string e outra numérica. Para
maiores detalhes, consulte a seção anterior.

Comandos condicionais e Loops


È chegada à hora de conhecermos alguns comandos, e vamos começar por alguns que já
estão nos fazendo falta. Começaremos primeiro com os comandos condicionais.
Os comandos condicionais, como o próprio nome diz são comandos que nos permitem
executar blocos de código, apenas quando certas condições forem verdadeiras, ou falsas,
dependendo do caso. Por exemplo, se tivermos um TextBox numa tela de cadastro.
Digamos que esse TextBox servirá para o usuário entrar com o nome do cliente, e
porventura o usuário esqueceu de digitar o nome do cliente no TextBox. Imagina-se que
nesse cadastro tem um botão para que possamos gravar os dados. No momento que o
usuário clicar no botão de Gravar, o nome seria gravado em branco. Para isso deveríamos,
colocar, no evento Click do botão de gravar um código que exiba uma mensagem dizendo
que o usuário esqueceu de digitar o nome do cliente, e após isso, mover o foco para o
TextBox correspondente.
Mas o que acontecerá se fizermos isso? Toda vez que clicarmos no botão de gravar,
mesmo que o usuário tenha preenchido a TextBox, a mensagem seria exibida. Para resolver
esse problema, teríamos que usar os comandos condicionais. Vamos conhecê-los:

IF, Then, Elseif, Else, Endif


Testa uma condição e executa determinado código se esta condição for verdadeira. Sua
sintaxe é a seguinte:

If <Condição> then

< Código a ser executado se a condição for verdadeira>

Else

<Código a ser executado caso a condição de IF não for verdadeira>

Endif

O Endif encerra o bloco condicional IF.

Onde If representa a palavra SE


Then = ENTÂO
Else = SENÂO

52
Endif =Fim Do Comando SE

Vejamos um exemplo:

Dim Numero as integer


Numero = 3
If Numero > 2 then
Msgbox “Número é maior que 2”
Else
Msgbox “Número é menor que 2”
End if

No caso da condição especificada no comando If, ou seja que 0o número seja maior que
2, então o bloco de código entre If e Else será executado. No caso da condição ser falsa,
será executado o bloco de código entre Else e Endif.
Além do If, Then, Else e Endif, temos também o ElseIf. Vejamos a sua sintaxe:

If <Condição> then

< Código a ser executado se a condição for verdadeira>

Elseif <Condição> then

<Código a ser executado, caso a condição especificada no bloco If seja falsa e, a condição
do comando ElseIf seja verdadeira>

Else

<Código a ser executado caso nenhuma das condições forem verdadeiras>

Endif

Como você pode ver, o comando ElseIf, nos permite inserirmos mais opções condicionais
no comando IF. Quando a condição do comando If for falsa, o programa procura pelo
comando ElseIf, se ele existir. Sendo a condição do bloco ElseIf verdadeira, ele executa o
bloco do ElseIf. Podemos colocar quantos comandos ElseIf quisermos em um Bloco IF.
No caso de nenhuma das condições forem verdadeiras, será executado o Bloco Else, se ele
existir. É importante lembrar, que, por todo o bloco IF, o bloco de código que será lido
será o primeiro que a condição for verdadeira, sendo as demais ignoradas, e o programa
passando a executar a partir de Endif.

Dim Numero as Integer

53
Numero = 4
If Numero = 1 then
Msgbox “Numero igual a 1”
Elseif Numero > 5 then
Msgbox “Numero maior que 5”
Else
Msgbox “Numero não é igual a 1 e não é maior que 5”
End if

No código acima, o comando If testa a variável Numero, que tem seu valor como 4. A
condição do comando If é caso a variável Numero seja igual a 1. Como ela não é, o
programa passa automaticamente para a próxima condição, ou seja, a do comando ElseIf,
que testa a variável, pra ver se ela é maior do que 5. Como o valor da variável é 4, no caso,
não é maior que 5, o programa passa novamente para a próxima condição. No nosso
exemplo, não temos mais nenhuma condição. Como nenhuma das condições foi verdadeira,
ele executará o bloco Else, que sempre é executado quando nenhumas das condições forem
verdadeiras.
Note que podemos ter quantos ElseIf quisermos em um bloco If, mas apenas um Else,
pois só ele será executado quando nenhuma das condições forem verdadeiras.
Lembram-se daquele nosso problema do cadastro com o nome do cliente em branco?
O nosso maior problema seria verificar se o TextBox estava vazio, e informar ao usuário
somente quando tivermos certeza que o TextBox está vazio. Vejamos como fazer isso:

Digamos que você tenha um TextBox chamado TxtCli e Um botão de comando chamado
CmdGravar.
Vamos usar o evento Click do botão. Ficaria assim:

Primeiro, verificamos se o TextBox está vazio, através da propriedade Text:

If TxtCli.Text = “” then

onde “” representa uma string vazia. Poderíamos usar a constante Empty do VB também:

If TxtCli.Text = Empty then

54
Se a condição for verdadeira, ou seja, se TxtCli estiver vazia, o bloco de código existente
entre If e Else, no caso do nosso exemplo, será executado.

MsgBox "Nome do cliente não foi informado"


TxtCli.SetFocus

Exibirá uma mensagem ao usuário dizendo que o código do cliente não foi informado,
depois moverá o foco para o TextBox.
Em caso da condição de IF não ser verdadeira, executará o bloco ELSE.

Msgbox “Cadastro Ok”

Informando ao usuário que o cadastro está ok. Por este exemplo podemos notar o quanto os
comandos condicionais facilitam nossa vida. Em continuidade aos comandos condicionais,
veremos mais um.

Select Case
O Select Case funciona de forma semelhante ao IF, mas é uma alternativa mais usada no
caso de termos um número de opções maiores.

Opção = 3

Select Case Opcao

Case 1
<Bloco de código a ser executado, no caso da variável opção ser igual a 1>

Case 2
<Bloco de código a ser executado, no caso da variável opção ser igual a 1>

Case 3

<Bloco de código a ser executado, no caso da variável opção ser igual a 1>

Case Else

<Bloco de código a ser executado, no caso da variável opção não se enquadrar em nenhum
dos casos>

End Select

Primeiro, escolhemos que condição iremos testar:

55
Select case Opção

No nosso caso, foi a variável Opção. Depois, testamos os casos:

Case 1

Note que não é necessário usarmos o nome da variável no caso. Isso por quê quando
iniciamos o SELECT CASE, já definimos que a expressão que iríamos testar seria a
variável Opção. Então a linha Case 1 testa se a variável Opção é igual a 1.
Se a variável Opção não for igual a 1, ela passará para o próximo caso:

Case 2

Não sendo a variável Opção igual a 2, ela passará para o próximo caso, e assim
sucessivamente até chegarmos no CASE ELSE, se ele existir. O CASE ELSE funciona
como o ELSE, do comando IF. Ele será executado quando nenhum dos casos for
verdadeiro.
O comando END SELECT encerra o SELECT CASE.

Comandos de Laço(Loops)
Os comandos de laço ou loopings são extremamente usados na programação. Fazem que
determinado bloco de código se repita até que uma condição seja ou se torne verdadeira.
Podem ser usados de várias maneiras. Veremos as formas mais usadas.

Do While, Loop
Este comando executa os comandos existentes entre Do While e Loop enquanto as
condições estabelecidas no comando Do While forem verdadeiras. Sua sintaxe é a seguinte.

Do While <Condição>

<Comandos a serem executados no Looping

Loop

Quando o programa encontra o LOOP, ele retorna a linha de DO WHILE, que é


reavaliado. No caso da condição não ser mais verdadeira, o programa passa
automaticamente a linha após o comando LOOP.

Dim Contador as Integer


Contador = 0
Do While Contador < 11
Print Contador
Contador=contador + 1
Loop

56
No código acima, temos uma variável Contador, que é igual a 0, o comando Do While
pede que o Loop se execute até que a variável contador seja menor que 11. A cada Loop
que se passa a variável Contador aumenta seu valor em 1. Quanto ela chegar a 11, O
comando Do While avaliará a condição e no caso dela não ser mais menor que 11, o
programa passará automaticamente a próxima linha após o comando Loop.

Do, Loop While


Neste caso, o comando Do não testa nenhuma condição. Quem vai testar as condições
neste caso é o comando Loop. O que quer dizer que após o comando DO e antes do
comando LOOP, o código será executado pelo menos uma vez, sendo que somente o
comando LOOP fará um teste de condição.

Do

<bloco de código a ser executado>

Loop <Condição>

Do Until, Loop
O Do Until funciona da maneira inversa ao comando Do While. Enquanto o comando
Do While repete o laço(looping) , enquanto determinada condição for verdadeira, o
comando Do Until, repete o looping até que essa condição se torne verdadeira, ou seja, ele
repete a condição enquanto ela não for verdadeira.

Dim Contador as Integer


Contador = 1
Do Until Contador > 11
Print Contador
Contador = Contador + 1
Loop

No exemplo acima, o laço se repetirá até que a variável Contador satisfaça a condição
especificada em Do Until. Ou seja, quando a variável Contador for maior que 11, ou seja,
quando a variável
Contador for 12, o ciclo se encerrará.

Do, Loop Until


Quanto a avaliação das condições, o comando Loop Until funciona da mesma maneira
que o Do Until. A diferença está que a condição só é testada no comando Loop. Ou seja, o
código existente entre DO e Loop Until é obrigatoriamente executado pelo menos uma
vez.

57
Dim Contador as Integer
Contador = 1
Do
Print Contador
Contador = Contador + 1
Loop Until Contador > 11

Contadores
Agora que já vimos os comandos condicionais, passaremos aos contadores. Os
contadores tem inúmeras aplicações em programação. Vamos ao principal comando usado
como contador:

For, Next
O comando For realiza uma contagem entre um intervalo de números especificados.

For <Variável> = <númeroinicial> to <numerofinal>

<Bloco de código>

Next

Necessitamos de uma variável numérica para usarmos o comando For, Next


Dim Contador as Integer
Contador=0
For Contador = 1 to 10
Print Contador
Next

Podemos pedir ao comando FOR que conte de forma diferente através do comando STEP.
O comando STEP modifica a forma com que o contador é incrementado. Por padrão, ele
será incrementado de 1 em 1. Com o comando STEP podemos configurar do modo que
quisermos.

Dim Contador as Integer


Contador=0
For Contador = 1 to 12 Step 3
Print Contador
Next

No código acima, o contador irá contar até 12, de 3 em 3.

EXIT DO e EXIT FOR

58
Os comandos EXIT DO e EXIT FOR, forçam a saída de um loop ou de um contador,
respectivamente.
O comando EXIT DO nos permite forçarmos a saída de um loop criado através do
comando DO.
Dim Numero as Integer
Numero=0
Do While Numero<10
Print Numero
Numero = Numero +1
If Contador = 5 then
Exit Do
End if
Loop
O código acima sem o comando Exit Do iria contar até 9. Entretanto, temos um desvio
condicional que nos diz que se o número for igual a 5, o comando EXIT DO será
executado, e no entanto, o loop será quebrado.
O comando EXIT FOR força a saída de um contador. Vejamos um exemplo com a
mesma função do código anterior, porém usando um contador:

Dim Contador as Integer


Contador = 1
For Contador = 1 to 9
Print Contador
If Contador = 5 then
Exit For
End if
Next

Bem, já conhecemos o suficiente sobre contadores para podermos colocar tudo isso em
prática. Então vamos fazer o seguinte:

- Crie um ListBox com 10 nomes diferentes

- Insira um Botão que servirá para procurar determinado nome na lista e dizer se ele
existe ou não

- Sinalize através do programa se a pesquisa obteve sucesso ou não.

Atenção:
O exercício deve ser feito utilizando um contador.

Solução:
Dim Contador As Integer

59
Dim NaoEncontrado As Boolean
For Contador = 0 To Lista.ListCount - 1
If Lista.List(Contador) = "NomeTal" Then
MsgBox "Encontrado"
NaoEncontrado = False
Exit For
End If
NaoEncontrado = True
Next

If NaoEncontrado = True Then


MsgBox "Não Encontrado"
End If

SubProcedimentos
Também podem ser chamados de subrotinas, procedimentos ou simplesmente rotinas.
Tem uma função específica dentro do projeto. Ou seja, em um projeto podemos ter uma
rotina de cadastro, uma de consulta, impressão, etc.
Um projeto médio ou grande que não fosse dividido em rotinas seria um verdadeiro
inferno para o programador, e para o usuário também. Em vista dos problemas que
acarretaria devido à demora na manutenção.
Além de organizar melhor o projeto, as subprocedimentos podem oferecer o
reaproveitamento de código, muito importante nos dias atuais quando se está sempre
correndo contra o relógio. Os subprocedimentos aceitam parâmetros, o que significa que
podemos tratar diferentes valores usando apenas um subprocedimento. Vejamos um
exemplo prático do que eu estou dizendo.
No nosso exercício anterior, utilizamos um contador que verificava se determinado nome
existia na lista. Digamos que quiséssemos mudar esse nome. Poderíamos criar um
subprocedimento passando para ele toda vez que o chamarmos o nome que queremos
procurar. Estaríamos passando um parâmetro para ele. Podemos colocar vários parâmetros
em um procedimento. Sejam eles variáveis, valores ou objetos.
Na verdade, já estamos trabalhando com subprocedimentos desde o início. Ao codificar
um evento Click de um botão de comando, você já está trabalhando em um
subprocedimento. A diferença é que este já é um subprocedimento padrão do botão.
Para criarmos um subprocedimento usamos a seguinte sintaxe:

Private Sub <NomeDoProcedimento>(Parâmetros)

<Blocos de código do procedimento>

End Sub

60
A palavra Private pode ser substituída por Public, caso precisarmos que o nosso
subprocedimento possa ser acessado por um módulo externo.
Quanto aos parâmetros podem ser passados da mesma forma que declaramos variáveis,
com a diferença que não precisamos usar o comando DIM. Esses parâmetros funcionam
como variáveis dentro do procedimento.
Poderíamos criar um subprocedimento para resolver aquele nosso problema anterior:

Public Sub ProcuraNaLista(Nome as String)


Dim Contador As Integer
Dim NaoEncontrado As Boolean
For Contador = 0 To Lista.ListCount - 1
If Lista.List(Contador) = Nome Then
MsgBox "Encontrado"
NaoEncontrado = False
Exit For
End If
NaoEncontrado = True
Next

If NaoEncontrado = True Then


MsgBox "Não Encontrado"
End If

End Sub

Note que o único trabalho que tivemos na alteração do código foi trocar o nome que
procuraríamos pela variável Nome, que ao chamarmos o subprocedimento, terá o nome a
qual informamos no parâmetro.
Para chamarmos um subprocedimento, bastar chamá-lo pelo nome, com os seus
respectivos parâmetros:

ProcurarNaLista(“Maria da Silva”)

No caso de não existirem parâmetros, use apenas o nome do procedimento.


Subprocedimentos criados com o comando Public dentro de um módulo podem ser
acessados por todo o projeto. Se forem criados com a palavra Private podem ser acessados
somente dentro do módulo que os criou. Quando me refiro a “módulo que os criou”, posso
estar me referindo tanto a um módulo de código, quanto ao módulo classe, um formulário
ou qualquer outro objeto a qual podemos codificar.
Para sairmos de um subprocedimento sem executar os comandos restantes, usamos o
comando Exit Sub:

Public Sub ProcuraNaLista(Nome as String)


Dim Contador As Integer
Dim NaoEncontrado As Boolean
Exit Sub
For Contador = 0 To Lista.ListCount - 1

61
If Lista.List(Contador) = Nome Then
MsgBox "Encontrado"
NaoEncontrado = False
Exit For
End If
NaoEncontrado = True
Next

If NaoEncontrado = True Then


MsgBox "Não Encontrado"
End If

End Sub

No código acima, o contador nem chega a ser inciado e o comando Exit Sub já termina a
execução do subprocedimento, fazendo que todos os comandos do subprocedimento que
estiverem após o Exit Sub sejam ignorados.

Funções
Sua finalidade é retornar um valor, mas também podem executar operações. Temos
várias funções nativas do Visual Basic, a qual veremos logo mais, mas também podemos
construir nossas próprias funções. As funções são declaradas da mesma maneira que os
subprocedimentos, com a diferença que usaremos a palavra FUNCTION no lugar da
palavra SUB.

Private Function <NomeDaFunção>(Parâmetros)

<Blocos de código da Função>

End Function

Assim como os subprocedimentos, podemos usar a palavra Public no lugar de Private


da mesma forma que usamos com os subprocedimentos.
Para facilitar o entendimento das funções, digamos que você precise de uma função que
retorne a soma de dois números. Um exemplo muito simples, mas que permite entender
como funcionam as funções de usuário. O código seria o seguinte:

Private Function Soma(Num1 as Integer, Num2 as Integer)


Soma = Num1 + Num2

62
End Function

Primeiro, declaramos a função com duas variáveis(parâmetros) que representarão so


números(Num1 e Num2):

Private Function Soma(Num1 as Integer, Num2 as Integer)

Depois, atribuímos que Soma será igual a soma de Num1 e Num2.

Soma = Num1 + Num2

Ao Criarmos uma função, você pode automaticamente atribuir qualquer valor a ela, desde
que seja dentro da função. O Tipo de valor que a Function Soma terá vai depender do
valor que a ela for atribuído. Entretanto, podemos definir esse tipo na declaração da função:

Private Function Soma(Num1 as Integer, Num2 as Integer) as Integer


Isso fará com que a Function Soma aceite apenas valores numéricos. Caso seja a ela
atribuído uma string, o Visual Basic gerará um erro em tempo de execução.
O comando End Function encerra um bloco de função. O uso das funções em Visual
Basic é extremamente útil e o limite para o uso de funções é a imaginação de cada um. Em
breve, veremos aplicações práticas e funções mais sofisticadas.

Matrizes
Uma matriz nos possibilita o armazenamento de vários valores em uma única variável.
Isso porque ele possui níveis dentro dela. Para declararmos uma matriz usamos a seguinte
sintaxe:

Dim <NomeMatriz>(<Número do maior nível que existirá na matriz>) as <tipo da


variável

Por exemplo, se quisermos ter uma variável chamada Nome armazenarmos 3 nomes
diferentes, faríamos o seguinte:

Dim Nome(2) as String


Nome(0) = ”Maria Da Silva”
Nome(1) = ”José dos Santos”
Nome(2) = ”Roberto Carlos”

É importante lembrar que o número que vai entre parênteses quando declaramos a matriz
não é o número de níveis que existirá na matriz, pois a matriz por padrão sempre inicia com
o número zero. Por padrão, o número de níveis que existirá na matriz será o número que
colocarmos entre parênteses menos 1. Entretanto, podemos mudar isso definindo um nível
inicial e um nível final dentro da matriz. Para isso fazemos o seguinte:

63
Dim Matriz(1 to 10) as Integer

Como você pode ver, ao invés de usarmos somente um número que será o nível máximo
dentro da matriz, especificamos que os níveis existentes serão entre 1 e 10. Ou seja, o
primeiro nível será 1 e o último 10. Podemos especificar qualquer número inicial e a matriz
sempre existirá a partir daquele número. Por exemplo, se você definir para que a matriz
inicie por 2, se tentar usar a matriz como se o nível 1 existisse, o Visual Basic irá gerar um
erro em tempo de execução.
No nosso exemplo anterior usamos Dim Nome(2) as String
para declararmos uma matriz de 3 níveis, que terá Nome(0) como primeiro nível e
Nome(2) como o último nível.
Existe outra forma de fazer com que o primeiro nível de uma matriz não seja zero, que é
usando o comando Option Base. Com ele podemos definir um valor para ser um valor
inicial de todas as matrizes que forem criadas. O comando Option Base deve ser
adicionado á seção General-Declarations:

Se quisermos que todas as matrizes no módulo que o Option Base for declarado, usaremos
Option Base 1. Se quisermos que iniciem com 2, Option Base 2, e assim sucessivamente.
Todos os níveis dentro da matriz deverão ter valores de acordo com o tipo que foi
declarado, a menos que você declare uma matriz como sendo do tipo Variant.
No lugar do número que define o nível da matriz podemos usar também variáveis. Essa
prática é muito utilizada para iterar por todos os níveis da matriz, preenchendo-a com
valores. Veja um exemplo:

Dim Matriz(10) as Integer


Dim Contador as Integer
For Contador = 0 to 10
Matriz(Contador) = Contador
Print Matriz(Contador)
Next

No código acima, usamos um contador para iterar pelos níveis da matriz. À medida que a
variável Contador é incrementada, é atribuído um valor diferente ao próximo nível. O
comando Print imprime o valor de Matriz(Contador) no formulário.

64
Matrizes dinâmicas
Eu disse aqui que existiam níveis dentro da matriz. Chamei de níveis para facilitar o
entendimento. A partir de agora chamaremos de elementos.
Ás vezes nós precisamos de uma matriz, mas não sabemos o número exato de elemesntos
que ela terá até determinado momento. O Visual Basic nos permite declarar a matriz
omitindo o número de elementos que ela terá:

Dim Matriz() as Integer

No entanto, na linha acima declaramos a matriz, mas não criamos nenhum elemesnto
dentro dela. Para criarmos os elementos teríamos de usar o comando Redim:

Redim Matriz(10)

O comando Redim funciona de forma semelhante ao comando Dim, porém ele não declara
a variável, somente especifica o número de elementos que ela terá.
Podemos mudar o número de elementos quantas vezes quisermos através do comando
Redim, entretanto, todos os valores dos elementos existentes serão perdidos:

Dim Matriz() as String


Redim Matriz(2)
Matriz(0) = ”Carlos”
Matriz(1) = ”Helena”
Matriz(2) = “José”
Redim Matriz(3)
Print Matriz(0)
Print Matriz(1)
Print Matriz(2)

O código seguinte primeiro declara a matriz através do comando Dim:

Dim Matriz() as String

Depois especifica que a matriz deverá ter 2 elementos, através do comando Redim:

Redim Matriz(2)

Depois, definimos valores para esses elementos:

Matriz(0) = ”Carlos”
Matriz(1) = ”Helena”
Matriz(2) = “José”

Depois, redimensionamos a matriz novamente, para que tenha um elemento a mais:

65
Redim Matriz(3)

E mandamos inprimir:

Print Matriz(0)
Print Matriz(1)
Print Matriz(2)

Crie um projeto e coloque esse código no evento Activate do formulário e rode o


projeto. Você verá que nada foi impresso. Você deve estar se perguntando por quê o
programa não imprimiu nada sendo que definimos valores para esses elementos:

Matriz(0) = ”Carlos”
Matriz(1) = ”Helena”
Matriz(2) = “José”

A resposta é:

O comando Redim redimensiona a matriz, mas apaga todos os valores existentes nos
elementos:

Redim Matriz(3)

No nosso caso, nós definimos os valores e depois redimensionamos a matriz para que tenha
mais um elemento. Foi aí que os valores existentes nos elementos se perderam. Porém,
existe um meio de redimensionar a matriz preservando os valores dos elementos anteriores,
e esse meio é usando a cláusula Preserve junto com o comando Redim:

Redim Preserve Matriz(3)

Troque a linha Redim Matriz(3) no projeto pela linha acima. Rode o projeto. Você verá
que dessa vez os valores foram preservados, graças à cláusula Preserve.

Matrizes Muldimensionais
Matriz multidimensional é na verdade uma matriz dentro de outra.
Usaremos no exemplo a seguir o comando Option Base para forçar as matrizes a iniciarem
com 1, facilitando assim o entendimento.

Option Base 1
Dim Caixa(3,2) as String
Caixa(0,0)=”Segunda-Feira”

66
Caixa(1,0)=”Terça-Feira”
Caixa(2,0)=”Quarta Feira”
Caixa(0,1)=”R$ 100,00”
Caixa(1,1)=”R$ 50,00”
Caixa(2,1)=”R$ 200,00”

Á primeira vista, isso complica um pouco a cabeça, no entanto, pode ser bem mais simples
se, ao criarmos a matriz imaginarmos uma tabela:

Coluna 1 Coluna 2
Linha 1 Segunda-Feira (1,1) R$ 100,00 (1,2)
Linha 2 Terça-Feira (2,1) R$ 50,00 (2,2)
Linha 3 Quarta-Feira (3,1) R$ 200,00 (3,2)

Essa é a representação gráfica da matriz Caixa. Como você pode ver, adicionamos 3
elementos e esses elementos, que são representados pelas linhas, e esses elementos foram
divididos em 2, representados pelas colunas. Entretanto, podemos ter muito mais
subdivisões do que isso. Por exemplo:

Option Base 1
Dim Matriz(3,2,5) as String

No exemplo acima, temos 3 elementos, que se subdividem em 2, e cada um desses 2, se


subdivide em 5 elementos.

Lógica de programação
Eu diria que lógica de programação é a essência da programação. Um programador
poderia conhecer inúmeros comandos, funções e objetos, mas se não tivesse lógica de
programação nada adiantaria. Já usamos uma certa lógica de programação em vários
exemplos anteriores, no entanto, agora vamos nos aprofundar mais nela.
A lógica de programação é maneira que usamos os comandos, funções, variáveis,
operadores e os demais recursos da linguagem visando resolver os problemas. Pois os
comandos e funções não fazem nada sozinho. É você que vai criar toda estrutura. Cada
programador desenvolve seu próprio estilo. Alguns fazem uma determinada tarefa de uma
maneira mais fácil, outros fazem de uma maneira mais complicada. Isso depende da lógica
de cada um.
São muitos os caminhos para realizar a mesma tarefa. Um professor uma vez me disse
que, o programador deve sempre, escolher o caminho mais difícil. Eu diria o
seguinte.Escolha o caminho que ofereça:

- Menor número de linhas de código


- Melhor desempenho na execução

67
- Melhor reaproveitamento do código

Porém, nenhum desses fatores deverá influenciar no perfeito funcionamento do programa.


O por quê do menor número de linhas possível como citei acima é que, quanto menos
linhas tiverem o programa, menos linhas o programa terá de ler, e mais rápido ficará.
O melhor desempenho também é uma conseqüência do número de linhas existentes no
programa, mas também tem a ver com certos comandos, funções ou objetos que tem
diferentes desempenhos.
Por melhor reaproveitamento do código seria criar funções e subprocedimentos que
possam ser usados por outros programas no futuro.
Usar a lógica de programação é resolver problemas de forma rápida e eficaz, indo
diretamente a raiz do problema.

As bibliotecas
As bibliotecas, também chamadas de referências, são representadas por um arquivo de
sistema(um arquivo com extensão dll,old,tlb,ocx,etc). Ao anexarmos uma biblioteca em
nosso sistema teremos a nossa disposição o conjunto de objetos pertencentes a essa
biblioteca. Vá no menu Projects e selecione References. Irá abrir a seguinte janela:

Nesta lista existe uma


variedade de bibliotecas
diferentes. Para adicionarmos
ao projeto, é só marcar a caixa
de seleção ao lado
O botão Browse nos
possibilita adicionar mais
bibliotecas procurando por um
arquivo de sistema.
Note que ao abrirmos essa janela, já existem quatro bibliotecas selecionadas:
Aqui é exibido o nome e
caminho do arquivo de
- Visual Basic For Aplications sistema responsável pela
- Visual Basic Runtime and Procedures biblioteca selecionada
- Visual Basic Objects ans Procedures
- Ole Automation

Todas elas representam os comandos, funções e objetos nativos do Visual Basic e não
devem ser retiradas do projeto.
Com as bibliotecas podemos fazer quase tudo que imaginarmos. Existem bibliotecas que
nos possibilitam a conexão com diferentes bancos de dados, bibliotecas que nos
possibilitam executar vídeo, música, etc...
Ao declarar uma variável ou objeto, você já deve ter notado que depois da palavra da
palavra chave AS sempre abre uma lista com os tipos de variáveis e tipos de objetos

68
acessíveis ao projeto. Quando adicionamos uma nova biblioteca, novos objetos serão
adicionados a essa lista, e novos objetos poderão ser usados pelo projeto.

Entretanto, também podemos visualizar todos os objetos acessíveis ao sistema usando o


Object Browser. Tecle F2.
Abrirá uma janela como a da figura abaixo.

O Object Browser exibe todos os objetos, módulos, e conjunto de constantes acessíveis


ao projeto; assim como seus respectivos métodos, funções e constantes.
Ele também exibe uma breve descrição (em inglês) sobre a função do item selecionado.
Podemos usar qualquer um desses itens que aparecem no Object Browser. Se algum
item que quisermos não estiver aí, devemos adicionar a respectiva biblioteca como vimos
anteriormente.

Comandos, funções e objetos nativos


Seria impossível fazer uma apostila de um tamanho médio que contenha todos os
comandos, métodos e objetos nativos do Visual Basic. Pois temos módulos financeiros, de
sistema, gráficos e muitos outros com comandos e funções. Além disso, temos uma

69
variedade de objetos para as mais diferentes funções. Tentarei aqui descrever as funções
mais importantes que são usadas com freqüência em aplicativos comerciais.
Quanto aos comandos, gostaria de abordar aqui apenas mais um, que se refere á abertura,
leitura e gravação em arquivos e, embora este comando não seja usado com muita
freqüência, pode nos fazer falta e, possivelmente poderemos fazer manutenção em um
sistema que tenha esse comando. Além disso, em muitos aplicativos é usado um arquivo de
registro (.INI” ) que deve ser lido com o comando Open.

Comando Open
Com a evolução dos bancos de dados praticamente não se usa mais o comando Open
para armazenar dados em arquivos. O comando Open serve para abrirmos um arquivo ou
até mesmo criá-lo. Sua sintaxe é a seguinte:

Open <caminho e nome do arquivo.> For <Tipo> <tipo de bloqueio> <as <Número de
arquivo>

Caminho e nome de arquivo - Obrigatório. É um caminho válido seguido do nome do


arquivo. Exemplo:

C:\Arquivos\Teste.Txt

Tipo – Palavra chave que definirá o tipo de abertura de arquivo que estamos fazendo:
Append, Binary, Random, Input e OutPut. Se esta palavra chave for omitida o arquivo
será aberto no modo randômico(Random).

Tipo de Bloqueio- Opcional. Determina o tipo de bloqueio em que será aberto o arquivo.
Shared, Lock Read, Lock Write e Lock Read Write.

Número de arquivo - Um número de arquivo disponível no intervalo de 1 a 511. Podemos


usar a função Freefile para obter o próximo número disponível.

Vamos agora ver alguns exemplos:

O código a seguir abre o arquivo TESTFILE no modo de entrada seqüencial.

Open "TESTFILE" For Input As #1


' Fecha antes de reabrir em outro modo.
Close #1

Este exemplo abre o arquivo no modo Binary somente para operações de gravação.

Open "TESTFILE" For Binary Access Write As #1


' Fecha antes de reabrir em outro modo.
Close #1

70
O exemplo a seguir abre o arquivo no modo Random. O arquivo contém registros do tipo
Record definido pelo usuário.

Type Record ' Define o tipo definido pelo usuário.


ID As Integer
Name As String * 20
End Type

Dim MyRecord As Record ' Declara a variável.


Open "TESTFILE" For Random As #1 Len = Len(MyRecord)

' Fecha antes de reabrir em outro modo.


Close #1

Este exemplo de código abre o arquivo para saída seqüencial; qualquer processo pode ler
ou gravar no arquivo.

Open "TESTFILE" For Output Shared As #1


' Fecha antes de reabrir em outro modo.
Close #1

Este exemplo de código abre o arquivo no modo Binary para leitura; outros processos não
conseguem ler o arquivo.

Open "TESTFILE" For Binary Access Read Lock Read As #1

Close #1

Este exemplo abre o arquivo para entrada seqüencial usando a função Freefile para retornar
o próximo número de arquivo disponível

Open “Teste.txt” For Input as Freefile

Close Freefile

Como você deve ter notado no código acima temos um comando que você não conhece:
o Close. Usamos para fechar um arquivo informando apenas o número antecipado por um
“#”.
Até agora vimos apenas como abrir os arquivos e fechá-los. Vamos agora conhecer
comandos que nos permitem gravar e ler dados de arquivos. Não vamos nos aprofundar
muito nesta parte devido ao pouco uso que faremos desses recursos. No entanto vamos
aprender o que precisamos: Gravar e ler dados de um arquivo.

Input – O comando Input nos possibilita ler dados de um arquivo aberto como seqüencial
e jogar os dados em uma variável. Exemplo:

71
Input #1, Nome

A linha acima irá ler uma linha do arquivo de número 1 aberto como seqüencial e jogará
o conteúdo da respectiva linha para a variável Nome. No caso de querermos que ele leia a
próxima linha, devemos usar novamente a instrução Input. Se não existir próxima linha e a
instrução Input for encontrada, o Visual Basic retornará um erro dizendo que foi
encontrado o fim do arquivo.
Vamos colocar um pouco do que aprendemos em prática. Primeiramente crie um arquivo
no bloco de notas. Insira qualquer texto na primeira linha desse arquivo e o salve-o com o
nome “Teste.Txt” no drive C.
Depois crie um formulário e insira um TextBox com o nome de “TxtLinha”. No evento
Load do formulário coloque o seguinte código:

Dim A As String
Open "c:\Teste.txt" For Input As #1
Input #1, A
TxtLinha.Text = A
Close #1

Rode o projeto.

Note que o TextBox do formulário obteve o conteúdo da primeira linha do arquivo texto
que criamos. Analisando o código acima, vejamos o que fizemos:

Declaramos uma variável do tipo string denominada A.

Dim A As String

Abrirmos o arquivo “Teste.Txt” no modo seqüencial e usamos o número 1 para referenciá-


lo.

Open "c:\Teste.txt" For Input As #1

Lemos uma linha do nosso arquivo e jogamos seu conteúdo para a variável A. Como o
arquivo recém foi aberto, ele vai ler a primeira linha.

Input #1, A

Atribuímos o valor da variável A á nossa TextBox.

Fechamos o arquivo.

Close #1

Conseguimos o que precisamos. Lemos os dados de um arquivo e o bicho nem foi tão
feio como parece. Devo lembrar que há várias outras maneiras de fazer isso que ilustrei

72
aqui e maneiras bem mais complicadas inclusive. No entanto, essa resolve a maioria dos
nossos problemas. No caso de termos que ler mais linhas de um arquivo basta repetir a
instrução Input para que ele leia automaticamente a próxima linha desde que o arquivo
ainda não tenha sido fechado.
O exemplo a seguir ilustra um eficaz processo para lermos todas as linhas de forma
seqüencial e jogar os dados para um TextBox.

Dim A As String

Dim Texto As String

Open "c:\teste.txt" For Input As #1 'Abre o arquivo para entrada.

Do While Not EOF(1) ' Faz o loop até o fim do arquivo.

Input #1, A

Texto = Texto & A ‘ Concatena a variável Texto com a última linha lida

Loop

TxtLinha.Text = Texto ‘ Joga o conteúdo da variável Texto para o TextBox

Close #1 ' Fecha o arquivo.

Gravando dados em um arquivo


Há vários modos de gravarmos dados em um arquivo. Veremos 2. O primeiro que
veremos é abrindo o arquivo como OutPut, e usando o comando Print # para gravar os
dados no arquivo. Esta prática é a mais usada quando o nosso arquivo tiver apenas uma
linha e funciona assim:

Open "c:\teste.txt" For Output As #1


Print #1, "Dados a serem gravados"
Close #1

Simples, não?
Porém quando temos mais de uma linha em um arquivo e usamos o comando Print # todas
as outras linhas são apagadas.
No caso de termos mais de uma linha em um arquivo devemos abrir o arquivo como
Random e usar o comando Put # para gravar os dados, como o exemplo a seguir:
Open "c:\teste.txt" For Random As #1
Put #1, 5, "Testando o comando Put"
Close #1

73
get
A novidade no código acima é o comando Put #. A esse comando devemos fornecer
primeiramente o número do arquivo, depois o número do registro, ou seja, a linha onde será
inserido os dados, e depois os dados que serão inseridos.
Bem, já sabemos como ler dados de um arquivo e gravar dados em um arquivo. O meu
objetivo em abordar esses comandos era o de passar ao aluno, meios para isso ser feito. No
entanto, não tratei aqui alguns comandos que julgo totalmente desnecessário e fogem do
objetivo do nosso curso. Além disso, existem muitos objetos do Visual Basic que fazem
essas tarefas com muito mais simplicidade e clareza.
Caso o aluno ainda tenha curiosidade em saber mais sobre comandos de leitura e
gravação de arquivos pode consultar o Help do Visual Basic.

Funções Internas
Representam todas as funções nativas do Visual Basic. Temos funções de manipulação de
strings, números, datas, objetos, tratamento de erros e muitas outras. Temos um número
muito grande de funções internas.
Tentarei aqui abordar as mais úteis e mais usadas.

Funções numéricas
ABS: Retorna o valor absoluto de um número(positivo).

Abs(Expressão numérica)
Print Abs(-30)
retornará 30

ATN: Retorna o arco-tangente de um número.


Atn(Expressão numérica)

COS: Calcula o cosseno de um ângulo


Cos(<expressãoNumérica>)

FIX: Retorna a parte inteira de um número, ignorando as casas decimais, se houver.


Não faz arredondamento
Fix(<expressãoNumérica>)
Print (10.2)
Retornará 10

HEX: Retorna a representação hexadecimal de um número decimal.


Hex(<expressãoNumérica>)

INT: Retorna a parte inteira de um número, ignorando as casas decimais, se houver.


Não faz arredondamento. Se o argumento for um número negativo será incrementado em
um.

74
INT(<expressãoNumérica>)

Print Int(10.2)
Retornará 10

Print Int(-10.2)
Retornará -11

LOG: Calcula o logaritmo natural de um número


LOG(<expressãoNumérica>)

RND: Retorna um número randômico, ou seja, escolhe um número aleatoriamente.


Rnd[(<expressãoNumérica>)]

SGN: Retorna -1 se o argumento for um número negativo, e 1 se for um número


positivo.
Sgn(<expressãoNumérica>)

SIN: Calcula o seno de um ângulo.


Sin(<expressãoNumérica>)

SQR: Calcula a raiz quadrada de um número.


Sqr(<expressãoNumérica>)

TAN: Calcula a tangente de um ângulo.


Tan(<expressãoNumérica>)

Funções de String
INSTR: Retorna a posição da primeira ocorrência de uma seqüência de caracteres
dentro de outra
Variável = InStr ({<posiçãoInicial>,] <string>,
<SubStringAPesquisar>[, <MétodoDeComparação])

Posição Inicial: Expressão numérica que define a posição inicial de cada


pesquisa. Se omitido, a pesquisa começa na posição do primeiro caractere.. Este argumento
é necessário se o Método de Comparação for especificado.
String : Expressão de seqüência de caracteres que está sendo pesquisada.
SubStringAPesquisar : Expressão de seqüência de caracteres procurada.
MétodoDeComparação : Especifica o tipo comparação de seqüências de
caracteres. Este argumento pode ser omitido, pode ser 0 ou 1. Especifique 0 (padrão) para
realizar uma comparação binária. Especifique 1 para realizar uma comparação textual que
desconsidere maiúsculas/minúsculas. Se este argumento for omitido, a configuração de
Option Compare determinará o tipo de comparação.

Print InStr(1,”Visual Basic”,”a”)

75
Imprimirá 5

Caso a função InStr não encontre nenhuma ocorrência da substring que estamos
pesquisando ela retornará 0.

LCASE: Converte todas as letras maiúsculas de uma string para minúsculas.


Lcase (<string>)

Print Lcase(“VISUAL BASIC”)


Imprimirá “visual basic”

LEFT: Retorna uma quantidade de caracteres que se encontra da esquerda para a


direita.
VariávelString = Left(<string>, <QuantidadeDeCaracteres>)

Print Left(“Visual Basic”,3)


Imprimirá “Vis”

LEN: Retorna o número de caracteres de uma expressão String ou número de bytes


requerido para armazenar uma variável.
VariávelNumérica = Len (ExpressãoCaractere>)
Print Len(“Maria”)
Imprimirá 5

LTRIM: Remove os espaços em branco à esquerda de uma String.


VariávelString = Ltrim (<ExpressãoString>)

MID: Retorna uma Substring de uma String, ou seja, retorna um número


especificado de caracteres de uma seqüência de caracteres.
SubString=Mid(<string>,<posiçãoInicial>[, <quantidadeDeCaracteres>])

String : Expressão de seqüência de caracteres a partir da qual os caracteres


são retornados.
PosiçãoInicial: Posição de caractere em String na qual a parte a ser
considerada inicia. Se Posição Inicial for maior do que o número de caracteres em String,
Mid retorna uma seqüência de caracteres de comprimento zero.
QuantidadeDeCaracteres: Número de caracteres a serem retornados. Se omitidos ou
se o número de caracteres do texto for inferior ao QuantidadeDeCaracteres (inclusive o
caractere em PosiçãoIncial), serão retornados todos os caracteres desde a PosiçãoInicial até
o final da seqüência de caracteres.

Print Mid("José da Silva Santos",6,8)


Valor Impresso: da Silva
Na string “José da Silva Santos” a partir da 6º posição com um comprimento de 8
caracteres.

76
RIGHT: Retorna uma substring com os caracteres que se encontram da direita para
a esquerda dentro de uma expressão String.
VariávelNumérica=Right([<ExpressãoString>, <QuantidadeDeCaracteres>)
Print Right(“José Da Silva”,5)
Valor Impresso:Silva

RTRIM: Remove os espaços à direita em uma String.


Rtrim(<string>)

SPACE: Retorna uma String com uma determinada quantidade de espaços vázios.
Space(<quantidadeDeCaracteres>)

STR: Retorna a representação de um número como uma String.


Str (<ExpressãoNumérica>)

STRCOMP: Compara duas expressões Strings como se fosse números.


StrComp(<string>,<string>[,Comparação>])

Comparação: Especifica o tipo de comparação de seqüências de caracteres. Este


argumento pode ser omitido, pode ser 0 ou 1. Especifique 0 (padrão) para fazer uma
comparação binária. Especifique 1 para fazer uma comparação de texto.
Valores de retorno da função: -1 quando a primeira String for menor que a Segunda,
0 quando forem iguais e 1 quando a primeira String for maior que a segunda.
Print StrComp("1", "2")
Retornará -1

Print StrComp("2", "1")


Retornará 1

Print StrComp("2", "2")


Retornará 0

STRING: Repete um determinado caractere a quantidade de vezes estabelecido na


função.
String = String (<QuantidadeDeCaracteres>, <caracteres>)
Print String(30,"*")
Valor Impresso: ***************

TRIM: Remove os espaços à esquerda e à direita de uma string.


VariávelString = Trim(<String>)

UCASE: Converte uma expressão String para maiúsculas.


Ucase (<string>)
Print Ucase(“Visual Basic”)
Valor Impresso: VISUAL BASIC

77
Funções de Data e Hora

DATE: Retorna a data corrente do sistema operacional.


VariávelData = Date

DATEADD: Incrementa uma data nos dias, meses ou anos especificados.


DateAdd(<Intervalo>, <Incremento>,<ExpressãoData>)
Retorna uma Variant que contém uma data à qual foi adicionado um determinado
intervalo de tempo.

<Intervalo> Expressão de seqüência de caracteres que é o intervalo de tempo que


você quer adicionar. Tipos de caracteres usados:
yyyy Ano
q Trimestre
m Mês
y Dia do ano
d Dia
w Dia da semana
ww Semana
h Hora
n Minuto
s Segundo

<Incremento> Expressão numérica que é o número de intervalos que você


quer adicionar. Pode ser positivo (para obter datas no futuro) ou negativo (para obter datas
no passado).
<ExpressãoData> Data que está sendo adicionada.

Print DateAdd("d", 2, "28/2/2006")


Imprimirá 02/03/2006

DATEDIFF: Calcula o intervalo entre duas datas e retorna um número


representando esse intervalo.
VariávelData=DateDiff(<intervalo>, <expressãoData1>, <expressãoData2>)

<Intervalo> Expressão de seqüência de caracteres, que é o intervalo de tempo que


você usa para calcular a diferença entre uma data e outra.
O argumento intervalo tem estas configurações:
yyyy Ano
q Trimestre
m Mês
y Dia do ano
d Dia
w Dia da semana

78
ww Semana
h Hora
n Minuto
s Segundo

<ExpressãoData1 e 2> Duas datas que você quer usar no cálculo.

Print DateDiff("d", "01/01/2001", "10/01/2001")


Imprimirá 9

A função DateDiff sempre calcula o intervalo com base na configuração que você
escolher em <Intervalo>. No exemplo acima, escolhemos “d”, o que fará que a função
calcule a diferença com base nos dias.
Se a expressão Data1 for uma data posterior a Data2 a função retornará um
número negativo.

DATEPART: extrai de uma determinada data uma parte dela relativo a dia, mês,
semana, quinzena, etc.
DatePart(<intervalo>, <expressãoData>)
Intervalo pode ser:
yyyy Ano
q Trimestre
m Mês
y Dia do ano
d Dia
w Dia da semana
ww Semana
h Hora
n Minuto
s Segundo

Print DatePart("d", "24/02/2006")


Imprimirá 24

DATESERIAL: Retorna uma data para um dia, mês e ano especificados, ou seja,
monta a data com base nos argumentos especificados.
VariavelData = DateSerial(<ano>, <mês>, <dia>)
Print DateSerial("06", "02", "24")
Valor Impresso: 24/02/2006

DATEVALUE: Retorna a data especificada numa string, ou seja, converte uma


variável String para o tipo Data.
DateValue(<VariávelStringDeData>)
Print DateValue("01/01/2001")
Valor Impresso: 01/01/2001

DAY: Retorna o dia do mês referente a uma data.

79
Day(<expressãoData>)
Print Day("01/01/2001")
Valor Impresso: 1

HOUR: Retorna a hora de uma expressão de data e hora.


Hour(<ExpressãoHora>)
Print Hour("11:33:02")
Valor Impresso: 11

MINUTE: Retorna o minuto de uma expressão de data e hora.


Minute(<ExpressãoHora>)

MONTH: Retorna o mês de uma data.


Month(<ExpressãoData>)

NOW: Retorna a data e a hora correntes do sistema operacional.


Now

Print Now
Imprimirá a date e hora corrente no momento em que foi executada a função.

SECOND: Retorna os segundos de uma expressão de data e hora.


VariávelNumérica = Second(<ExpressãoHora>)

TIME: Retorna a hora corrente do sistema operacional.


Time
Print Time
Imprimirá a hora corrente no momento em que foi executada a função.

TIMER: Calcula a quantidade de segundos passados desde a meia noite.


Timer

TIMEVALUE: Retorna a hora especificada numa string, ou seja, converte uma


String cujo conteúdo esta no formato de hora para uma variável tipo Data e Hora.
TimeValue(<ExpressãoStringDeHora>)

WEEKDAY: Retorna o dia da semana de uma data, ou seja, seu numero


correspondente: 1 para Domingo até 7 para Sábado.
WeekDay(<ExpressãoData>)

YEAR: Retorna o ano de uma data.


Year(<ExpressãoData>)

Funções de conversão

80
CBOOL: Converte uma expressão para um valor lógico (True ou false). Se o
argumento for um zero, retornará False, caso contrário será True.
CBool(<expressão>)
Cbool(1)
Retornará True
Cbool(0)
Retornará False
Cbool(1 = 2)
Retornará False. Pois 1 não é igual a 2.

Dim A as Integer
Dim B as Integer
A=5
B=5
Print Cbool(A=B)

Imprimirá True. Pois o valor da variável A é igual o valor da variável B. Portanto, a


comparação é verdadeira.
CBYTE: Converte uma expressão para um tipo Byte.
cbyte(<expressão>)
Print CByte(100.32)
Valor Impresso: 100

Print Cbyte(450)
O Visual Basic retornará um erro porquê expressões byte não podem ser maiores
que 255.

CCUR: Converte uma expressão numérica para um tipo-moeda.


Ccur(<expressão numérica>)

CDATE: Converte uma expressão para um tipo Data. Entretanto, esta conversão se
concretizará desde que a expressão usada como argumento seja mesmo no formato de uma
data, ou seja, dia/mês/Ano. Se pedirmos para fazer conversão da palavra “teste” para data
será retornado um erro.
Cdate(<expressão>)

81
Print Cdate(“01/01/2001”)
Valor Impresso: 01/01/2001

A função CDate retornará erro sempre que informarmos uma expressão que não
resulte em uma data válida.

CDBL: Converte uma expressão numérica em um número de ponto flutuante de


precisão dupla. Um número de ponto flutuante de precisão dupla é um dado do tipo
Double.
Cdbl(<expressão numérica>)

CINT: converte uma expressão numérica em um número inteiro(Integer). Faz


arredondamento.
CInt(<expressão numérica>)
Print CInt(32.30)
Valor Impresso: 32

CLNG: Converte uma expressão numérica em um número inteiro longo(Long).


CLng(<expressão numérica>)
Print CInt(32.30)
Valor Impresso: 32

CSNG: Converte uma expressão numérica em um número de ponto flutuante de


precisão simples(Single).
CSng(<expressão >)

CSTR: Converte uma expressão numérica, data ou outra em uma string (texto).
CStr(<expressão>)
Cstr(33)
Retornará “33”

CVAR: Converte uma expressão de qualquer tipo para o tipo variante.


Cvar(<expressão>)

STR: Converte um valor numérico para o tipo String (texto). Valido somente para
argumentos numéricos.
Str(<expressãoNumérica>)
Str(45)
Retornará “45”

STRCONV: Retorna uma string convertida de acordo com o tipo de conversão


especificado.
Strconv(<ExpressãoString>, <TipoDeConversão>)

Tipos de conversão mais importantes que podemos usar:

82
vbUpperCaseConverte toda a expressão em letras maiúsculas.
vbLowerCase Converte toda a expressão em letras minúsculas.
vbProperCase Converte somente a primeira letra em maiúscula e o restante
em minúsculo.

Print StrConv("visual basic", vbUpperCase)


Imprimirá VISUAL BASIC

Print StrConv("visual basic", vbLowerCase)


Imprimirá visual basic

Print StrConv("visual basic", vbProperCase)


Imprimirá Visual Basic

ASC: Retorna o código ANSI do primeiro caractere de uma String.


Asc(<string>)
Print Asc("A")
Valor Impresso: 65 (Numero correspondente na tabela ASCII da letra A.)

CHR: Retorna o caractere correspondente ao código na tabela ASCII


Chr(<códigoDoCaractere>)
Print Chr(65)
Valor Impresso: A

VAL: Converte uma String com caracteres numéricos em uma variável númerica.
Val(<stringNumérica>)

Val(“33”)
Retornará 33

Funções para gerenciamento de matrizes

ARRAY: Retorna um Array do tipo Variant.


ArrayVariant = Array (<ValoresDosElementos>)

Quando me refiro á Array, estou me referindo a uma matriz propriamente dita. O


que podemos dizer sobre o comando Array é que ele transforma uma variável em uma
matriz.

ValoresDosElementos: consiste de uma lista delimitada por vírgulas, separando


assim os valores dos elementos. O número de elementos que a matriz terá é determinado
pelo número de valores que ela terá.

83
Dim Dias as Variant
Dias = Array("Dom", "Seg", "Ter", "Qua", "Qui", "Sex", "Sáb")
Print Dias(2)
Print Dias(4)
Valor Impresso: Ter
Valor Impresso: Qui

A função Array segue as mesmas regras de declaração de matrizes e obedece os


argumentos selecionados em Option Base.

LBOUND: Retorna o menor índice de uma matriz.


Lbound(<NomeDaMatriz>)

Dim Dias As Variant


Dias = Array("Dom", "Seg", "Ter", "Qua", "Qui", "Sex", "Sáb")
Print LBound(Array)
Imprimirá 0

UBOUND: Retorna o maior índice de uma matriz.


VariávelMatriz = Ubound(<NomeDaMatriz>])

Dim Dias As Variant


Dias = Array("Dom", "Seg", "Ter", "Qua", "Qui", "Sex", "Sáb")
Print UBound(Dias)
Imprimirá 6

Funções lógicas
IIF: Analisa uma expressão lógica, e retorna valores para quando for falso ou
verdadeiro.
IIF (<ExpressãoLógica>,<ExpressãoParaVerdadeiro>, <ExpressãoParaFalso>)

Print IIf(2 > 1, "2 é maior que 1", "1 é maior que 2")
Imprimirá “2 é maior que 1”

A função Iff analisa a expressão lógica informada em <ExpressãoLógica> e caso a


expressão seja verdadeira, retorna o valor contido em <ExpressãoParaVerdadeiro>, caso
contrário retorna o valor contido em <ExpressãoParaFalso>.

SWITCH: Avalia uma lista de expressões e retorna o valor associado àquela


primeira avaliada como verdadeira.

Switch(Expr1, Valor1[, Expr2, Valor2 , Expretc, Valoretc])

84
Expr : Expressão variant que você quer avaliar.
Valor : Valor ou expressão que é retornado se a expressão correspondente for
True.

Print Switch(1 > 2, "1>2", 3 > 3, "3>3", 2 > 1, "2>1",5.3,”5>3”)


Imprimirá 2>1

A função Switch analisa cada uma das expressões e retorna o valor contido em
<Valor> da primeira expressão correspondente que seja verdadeira . A função Switch deve
ser composta por pares de expressões e valores de retorno. Portanto não podemos passar
expressões sem informar os respectivos valores de retorno. Se isso for feito, o Visual Basic
retornará um erro em tempo de execução.

Funções de Disco
CURDIR: Retorna o diretório corrente.
CurDir[(<drive>)]
Print CurDir("C:")
Imprimirá o caminho completo do diretório corrente

DIR: Procura por um arquivo especificado e retorna seu nome caso o mesmo seja
encontrado. Caso não encontre retorna Null(Nulo). Podemos procurar arquivos por
atributos também.
Dir[(Nomedocaminho[, Atributos])]

Nomedocaminho(Obrigatório) :Expressão de seqüência de caracteres que


especifica um nome de arquivo e pode incluir diretório ou pasta e unidade de disco. Se o
nome do caminho ou o arquivo especificado não for encontrado é retornado uma string
vazia “”(Empty).
Atributos(Opcional) :Constante ou expressão numérica que especifica atributos de
arquivo. Se omitido, todos os arquivos normais que tiverem Nomedocaminho
correspondente são retornados.
As configurações do argumento Atributos são:
vbNormal 0 Normal.
vbHidden 2 Oculto.
vbSystem 4 Arquivo de sistema,.
vbVolume 8 Etiqueta de volume; se especificada, todos os outros atributos são
ignorados.
vbDirectory 16 Diretório ou pasta.

Exemplo:

If Dir("c:\tesste.txt") = "" Then


MsgBox "Arquivo não existe"
End If

85
O exemplo acima funcionaria da mesma forma se usássemos a palavra Empty, que
representa vazio no lugar de “”:

If Dir("c:\teste.txt") = Empty Then


MsgBox "Arquivo não existe"
End If

Use a função Dir para verificar se determinados arquivos, vitais para ao


funcionamento do sistema, existem.

FILEDATETIME: Retorna a data e a hora da última atualização do arquivo.


FileDateTime(<NomeArquivo>)

FILELEN: Retorna o tamanho do arquivo em bytes.


FileLen(<NomeArquivo>)

GETATTR: Verifica os atributos de um arquivo ou diretório.


GetAttr(<NomeArquivo>)
Veja os valores de retorno desta função:

0 vbNormal Normal.
1 vbReadOnly Somente Leitura.
2 vbHidden Oculto.
4 vbSystem Arquivo de sistema
16 vbDirectory Diretório ou pasta.
32 vbArchive O arquivo foi modificado desde o último backup.

Print GetAttr("C:\windows\system32\kernel32.dll")
Imprimirá 32

Funções de Teste
ISARRAY: Testa se uma variável é uma matriz
IsArray(<variável>)

ISDATE: Testa se o argumento pode ser convertido para uma data. Esta data deve
estar dentro dos padrões de data.
IsDate(<expressão>)

ISEMPTY: Verifica se uma variável string já foi iniciada.


IsEmpty retornará True se a variável estiver iniciada; caso contrário retornará
False. Se a expressão contiver mais de uma variável, o retorno será sempre False.
IsEmpty(<expressão>)

ISERROR: Testa se uma expressão é um valor de erro.


IsError(<expressão>)

86
ISMISSING: Testa se um argumento opcional foi passado como parâmetro para
uma procedure ou função.
IsMissing(<NomedoArgumento>)

ISNULL: Testa se uma variável possui valor nulo.


IsNull(<Expressão>)

ISNUMERIC: Testa se o argumento pode ser convertido para um número.


IsNumeric(<Expressão>)

Print IsNumeric(“AB”)
Imprimirá False
Print IsNumeric(“10”)
Imprimirá True

ISOBJECT: Testa se uma expressão referencia a um objeto válido.


IsObject(<Expressão>)

VARTYPE: Retorna o tipo de variável especificada como argumento:


VarType(<Variável>)
Retorna os valores abaixo:
0 Empty (Não iniciada).
1 Null Nenhum dado válido.
2 Inteiro (Integer).
3 Inteiro por extenso (Long)
4 Número de ponto flutuante de precisão simples (Single).
5 Número de ponto flutuante de precisão dupla (Double).
6 Moeda (Currency).
7 Data (Date).
8 Seqüência de caracteres textos (String).
9 objeto de Automação OLE (Object).
10 Erro (Error).
11 Booleano Boolean).
12 Variant (usada somente com matrizes de Variantes).
13 Um objeto que não seja de Automação OLE (DataObject).
17 Byte
8192 Matriz (Array).

Exemplo:

Dim A As Integer
A = 220
If VarType(A) = 2 Then
MsgBox "Variável A é Do Tipo Integer"
Else
MsgBox "Variável A não é do tipo Integer"

87
End If

TYPENAME: Retorna o nome descritivo do tipo de uma variável.


TypeName(<Variável>
Vamos aos nomes de retorno da função:
Byte Um byte.
Integer Um inteiro.
Long Um inteiro por extenso.
Single Um número de ponto flutuante de precisão simples.
Double Um número de ponto flutuante de precisão dupla.
Currency Um valor de moeda.
Date Uma data.
String Uma seqüência de caracteres.
Boolean Um valor Booleano.
Error Um valor de erro.
Empty Não iniciado.
Null Nenhum dado válido.
Object Um objeto que suporta Automação OLE.

A função TypeName funciona da mesma maneira que a VarType. A diferença é que


enquanto a VarType retorna números que representam os tipos das variáveis, a função
TypeName retorna diretamente os nomes dos tipos da varáveis.

Funções de Escolha
CHOOSE: Seleciona um valor de uma lista de argumentos.
Choose (<índice>, <Valor>[, <Valor>]...)

Índice : Expressão numérica ou campo que resulta num valor entre 1 e o


número de opções disponíveis.
Valor : Expressão Variant que contém um dos possíveis valores a serem retornados.

A função Choose retorna um valor de uma lista de valores separada por vírgula, com
base no número informado em <Índice>.

Print Choose(3,"Segunda-Feira","Terça-Feira","Quarta-Feira","Quinta-
Feira")
Imprimirá Quarta-Feira

MSGBOX: Exibe uma caixa de diálogo durante a execução do programa. Essa


caixa de diálogo poderá informar algo ou perguntar algo ao usuário, dependendo da
configuração especificada no comando. Pode ser usada como uma função para retornar
valores de resposta ou como comando para enviar informações ao usuário.
MsgBox (<ExpressãoPrompt>,<Estilo>, <BarraDeTítulo>)

88
ExpressãoPrompt : Expressão de seqüência de caracteres exibida como a
mensagem numa caixa de diálogo. O tamanho máximo de ExpressãoPrompt é de
aproximadamente 1024 caracteres, dependendo da largura dos caracteres usados. Se
ExpressãoPrompt for composto por mais de uma linha, você poderá separar as linhas
usando um caractere de retorno de carro (Chr(13)), um caractere de alimentação de linha
(Chr(10)) ou uma combinação de caracteres de retorno de carro e alimentação de linha
(Chr(13) & Chr(10)) entre cada linha.

Estilo: Um número ou uma soma de números que representará o estilo da caixa de


diálogo. Por exemplo, se é uma caixa de diálogo de informação, de pergunta, exclamação,
erro, etc...
Abaixo temos uma tabela com os estilos de caixa de diálogo que podemos usar:

Constante Valor Descrição


vbOKOnly 0 Exibe apenas o botão "OK".
VbOKCancel 1 Exibe os botões "OK" e "Cancelar".
VbAbortRetryIgnore 2 Exibe os botões "Anular", "Repetir" e
"Ignorar".
VbYesNoCancel 3 Exibe os botões "Sim", "Não" e
"Cancelar".
VbYesNo 4 Exibe os botões "Sim" e "Não".
VbRetryCancel 5 Exibe os botões "Repetir" e "Cancelar".
VbCritical 16 Exibe o ícone "Mensagem crítica".
VbQuestion 32 Exibe o ícone "Consulta de
advertência".
VbExclamation 48 Exibe o ícone "Mensagem de
advertência".
VbInformation 64 Exibe o ícone "Mensagem de
informação".
VbDefaultButton1 0 O botão "Primeiro" é o padrão.
VbDefaultButton2 256 O botão "Segundo" é o padrão.
VbDefaultButton3 512 O botão "Terceiro" é o padrão.
VbApplicationModal 0 Janela restrita do aplicativo; o usuário
deve responder à caixa de mensagem
antes de continuar seu trabalho no
aplicativo atual.
VbSystemModal 4096 Janela restrita do sistema; todos os
aplicativos são suspensos até que o
usuário responda à caixa de mensagem.

O primeiro grupo de valores (05) descreve o número e tipo de botões exibidos na


caixa de diálogo; o segundo grupo (16, 32, 48, 64) descreve o estilo de ícone; o terceiro
grupo (0, 256, 512) determina qual botão é o padrão; e o quarto grupo (0, 4096) determina

89
modalidade da caixa de mensagem. Quando adicionar números para criar um valor final
para o argumento buttons, use somente um número de cada grupo.
Durante a digitação da função, quando formos escolher o estilo da mensagem, o
Visual Basic automaticamente apresenta uma lista com vários estilos:

Podemos selecionar qualquer um item da lista, pois na verdade, cada um desses itens,
são constantes que representam os números de estilos que vimos na tabela. Entretanto,
podemos substituir esses itens por uma soma resultante de um estilo personalizado que
possamos querer.
Observação Estas constantes são especificadas pelo Visual Basic para aplicativos.
Assim, os nomes podem ser usados em qualquer lugar do código em lugar dos valores
reais.

BarraDeTítulo : Expressão de seqüência exibida na barra de títulos da caixa de


diálogo. Se você omitir BarraDeTítulo, o nome do aplicativo será incluído na barra de
títulos.
Estes são os valores que esta função retorna, para informar qual foi à ação do
usuário:

Constante Valor de Retorno Botão escolhido


vbOK 1 "OK"
vbCancel 2 "Cancelar"
vbAbort 3 "Anular"
vbRetry 4 "Repetir"
vbIgnore 5 "Ignorar"
vbYes 6 "Sim"
vbNo 7 "Não"

Se a caixa de diálogo exibir um botão "Cancelar", pressionar a tecla ESC terá o


mesmo efeito que escolher "Cancelar".
Se quiser especificar mais do que o primeiro argumento nomeado, você deverá usar
MsgBox em uma expressão. Se quiser omitir alguns argumentos de posição, você deverá
incluir o delimitador de vírgula correspondente.
Já usamos bastante a função MsgBox como comando em vários exemplos do nosso
curso.
Vejamos agora um modo de usá-la para retornar valores:

90
If MsgBox("Teste de Mensagem", vbOKCancel) = vbOK Then
MsgBox "Você clicou OK"
End If

A função MsgBox retorna um número dizendo qual foi o botão que o usuário
pressionou. No nosso exemplo acima, usamos a constante vbOK que representa o número
correspondente ao botão OK, para verificar se ele foi pressionado ou clicado. Caso seja,
usaremos novamente a função MsgBox como comando, apenas para informar ao usuário o
botão que ele clicou.
Note que ao usarmos a função MsgBox para retornar valores devemos colocar os seus
argumentos entre parênteses. E quando usarmos a função MsgBox apenas para exibir
mensagens, o uso dos parênteses não é necessário.

Formatação de Dados

Podemos formatar os dados a serem exibidos em caixas de texto, formulário, etc...


Para isso fazemos uso da função Format. A função Format tem vastos recursos
para formatação de dados numéricos, string, moeda, data, etc.
Sua sintaxe é a seguinte:
Format(<expressão>[, <Formato>)

<Expressão>: Seria a nossa expressão a ser formatada. Os dados que queremos formatar.
Pode ser uma string, uma expressão numérica, data, etc. ou qualquer variável dos tipos
citados.
<Formato>: O formato pode ser determinado pelas máscaras de formatação, que
veremos a seguir, ou ainda, por uma palavra-chave que determina para que tipo de dados
estamos formatando a <Expressão>.

Formatação de Expressões Numéricas


Para formatar qualquer expressão numérica usamos “#” para representar um digito
de 0 a 9, “,” para representar os milhares e “.” para representar as casas decimais. Como o
padrão brasileiro para milhares e casas decimais é exatamente o contrário, o Visual Basic
automaticamente irá colocar no nosso padrão, pois irá verificar qual o formato usado para o
pais de acordo com o que foi estabelecido no painel de controle.
Print Format(12345.3,”##,###.##”)
Valor Impresso: 12.345,3
Usamos o simbolo “#” para representar a disposição dos números. Não há
necessidade de colocar a mesma quantidade de números e “#”. Se tivessesmos colocado
Print Format(12345.3,”#,###,###.##”), ainda assim seria impresso somente “12.345,3”.
Entretanto, se colocarmos:
Print Format(12345.3, "###.##")
Valor Impresso: 12345,3

91
Perceba que não podemos colocar uma formatação menor que os números que serão
impressos, pois senão a formatação não irá alcançar toda a extensão dos números.
O símbolo “#” é substituído por números quando existir número para ser
substituído. Note que o número decimal é “.3” e apesar de termos usado uma formatação
para casas decimais com dois símbolos “##”, não apareceu as duas casas decimais. Se
quisermos forçar o aparecimento de zeros quando não tiver número para ser impresso,
usados “0” no lugar de “#”. Veja:
Print Format(12345.3,”##,###.00”)
Valor Impresso: 12.345,30
Print Format(12345,”##,###.00”)
Valor Impresso: 12.345,00
Isto vale também para formatação de números sem casas decimais:
Print Format(45,”0000”)
Valor Impresso: 0045
Se quisermos uma formatação diferente para números negativos, basta colocar essa
formatação após o ponto-e-virgula.
Print Format(12345,”##,###.00; (-)##,###.00”)
Valor Impresso: 12.345,00
Print Format(-12345,”##,###.00; (-)##,###.00”)
Valor Impresso: (-)12.345,00

Veja abaixo os caracteres que podem ser usados na formatação de valores


numéricos:

0 Exibe um dígito ou um zero. Se a expressão tiver um dígito na posição em


que o 0 aparece na seqüência de caracteres de formato, ele será exibido; caso contrário, é
exibido um zero nessa posição.
Se o número possui um número de dígitos inferior ao de zeros (em qualquer lado da
casa decimal) na expressão de formato, exibe zeros à esquerda ou à direita. Se o número
tiver mais dígitos à direita do separador decimal do que zeros à direita do separador
decimal na expressão de formato, arredonda o número para tantas casas decimais quantos
forem os zeros existentes. Se o número tiver mais dígitos à esquerda do separador decimal
do que zeros à esquerda do separador decimal na expressão de formato, exibe os dígitos a
mais sem modificações.
# Exibe um dígito ou nada. Se a expressão tiver um dígito na posição em que o
símbolo # aparece na seqüência de caracteres de formato, ele será exibido; caso contrário,
nada será exibido nessa posição.
Este símbolo funciona como o espaço reservado para o dígito 0, mas os zeros à
esquerda e à direita não são exibidos se o número tiver a mesma quantidade ou menos
dígitos do que existem # caracteres em qualquer um dos lados do separador decimal na
expressão de formato.

. Espaço reservado para decimal


Para algumas localidades, é usada uma vírgula como separador decimal. O espaço
reservado para decimal determina quantos dígitos são exibidos à esquerda e à direita do
separador decimal. Se a expressão de formato contiver apenas sinais de números à esquerda
deste símbolo, os números inferiores a 1 começam com um separador decimal. Se você

92
quiser que um zero à esquerda seja sempre exibido com números fracionários, use 0 como o
primeiro espaço reservado para dígito à esquerda do separador decimal. O caractere real
utilizado como espaço reservado para decimal na saída formatada depende do Formato
Numérico reconhecido pelo sistema.

% Espaço reservado para porcentagem


A expressão é multiplicada por 100. O caractere de porcentagem (%) é inserido na
posição onde ele aparece na seqüência de caracteres de formato.
, Separador de milhar
Para algumas localidades, é utilizado um ponto como o separador de milhar. O
separador de milhar separa milhar de centena dentro de um número que tenha quatro ou
mais casas à esquerda do separador decimal. O uso padrão do separador de milhar é
especificado no formato que contém um separador de milhar delimitado por espaços
reservados de dígito (0 ou #). Dois separadores de milhar adjacentes ou um separador de
milhar imediatamente à esquerda do separador decimal (sendo ou não especificado um
decimal) significa "aplique uma escala ao número dividindo-o por 1000 e arredonde-o
conforme necessário." Use essa técnica para aplicar escalas a números extensos. Por
exemplo, a seqüência de caracteres de formato "##0,," pode ser usada para representar 100
milhões como 100. Números inferiores a 1 milhão são exibidos como 0. Dois separadores
de milhar adjacentes em qualquer posição que não seja a imediatamente à esquerda do
separador decimal serão considerados apenas como especificação do uso de um separador
de milhar. O caractere real utilizado como o separador de milhar na saída formatada
depende do Formato Numérico reconhecido pelo sistema.

E- E+ e- e+ Formato científico
Se a expressão de formato contiver pelo menos um espaço reservado para dígito (0
ou #) à direita de E-, E+, e- ou e+, o número é exibido em formato científico, sendo E ou e
inserido entre o número e seu expoente. O número de espaços reservados para dígito à
direita determina o número de dígitos do expoente. Use E- ou e- para incluir um sinal de
subtração (-) ao lado de expoentes negativos. Use E+ ou e+ para incluir um sinal de
subtração ao lado de expoentes negativos e um sinal de adição (+) ao lado de expoentes
positivos.

- + $ ( ) space Exibe um caractere literal


Para exibir uma caractere diferente dos listados, preceda-o com uma barra invertida
(\) ou coloque-o entre aspas (" ").

\ Exibe o caractere seguinte da seqüência de caracteres de formato


Muitos caracteres da expressão de formato têm um significado especial e não podem
ser exibidos como caracteres literais a menos que sejam precedidos por uma barra invertida.
A barra propriamente não é exibida. Sua utilização equivale a colocar o caractere seguinte
entre aspas. Para exibir uma barra invertida, use duas barras invertidas (\\).
Exemplos de caracteres que não podem ser exibidos como caracteres literais são
caracteres de formatação de data e hora (a, c, d, h, m, n, p, q, s, t, w, y e /:), caracteres de
formatação numérica (#, 0, %, E, e, vírgula e ponto) e os caracteres de formatação de
seqüências de caracteres (@, &, <, >, e !).
"ABC"Exibe a seqüência de caracteres que está entre aspas.

93
Para incluir uma seqüência de caracteres em Format a partir do código, você deve
usar Chr(34) para delimitar o texto (34 é código de caractere para aspas).

Usamos também como argumento na formatação de expressões numéricas


algumas palavras-chave que correspondem a algum tipo de formato padrão.

General Number : Exibe o número na forma em que se encontra, sem separadores


de milhar.
Print Format(123456.7, "General Number")
Valor Impresso: 123456,7

Currency : Exibe o número com o separador de milhar, se apropriado; exibe dois


dígitos à direita do separador de casa decimal. Note que a saída é baseada nas
configurações do Painel de Controle.
Print Format(123456.7, "Currency")
Valor Impresso: R$123.456,70

Fixed : Exibe pelo menos um dígito à esquerda e dois dígitos à direita do


separador de casa decimal.
Print Format(123456.7, "Fixed")
Valor Impresso: 123456,70
Print Format(1, "Fixed")
Valor Impresso: 1,00

Standard : Exibe o número com o separador de milhar, pelo menos um dígito à


esquerda e dois dígitos à direita do separador de casa decimal.
Print Format(123456.7, "Standard")
Valor Impresso: 123.456,70

Percent : Exibe o número multiplicado por 100 com um sinal de porcentagem (%)
anexado à direita; sempre mostra dois dígitos à direita do separador de casa decimal.
Print Format(123456.7, "Percent")
Valor Impresso: 12345670,00%
Print Format(1, "Percent")
Valor Impresso: 100,00%

Scientific : Usa a notação científica padrão.


Print Format(123456.7, "Scientific")
Valor Impresso: 1,23E+05

Formatação de Expressões Lógicas


Yes/No : Exibe “No” se o número for 0; caso contrário, exibe “Yes”.

94
True/False : Exibe “False” se o número for 0; caso contrário, exibe “True”.
On/Off : Exibe “Off” se o número for 0; caso contrário, exibe “On”.
Print Format(1,”True/False”)
Valor Impresso: True

Formatação de Expressões Data e Hora


Usamos a função Format também para formatar uma data ou hora, configurando
assim o formato que será impresso. Veja os caracteres que podemos usar:

: Separador de hora. Em algumas localidades podem ser usados outros


caracteres para representar o separador de hora. O separador de hora separa horas, minutos
e segundos quando os valores de hora são formatados. O caractere real usado como o
separador de hora na saída formatada é determinado pelas configurações de seu sistema.
/ Separador de data. Em algumas localidades podem ser usados outros
caracteres para representar o separador de data. O separador de data separa o dia, mês e ano
quando os valores de data são formatados. O caractere real usado como o separador de data
na saída formatada é determinado pelas configurações de seu sistema.

c Exibe a data como ddddd e a hora como ttttt, nessa ordem. Exibe apenas
informações de data se não houver parte fracionária para o número de série de data; exibe
apenas informações de hora se não houver parte inteira.
Print Format("01/08/96","c")
Valor Impresso: 01/08/96
Print Format(now,"c")
Valor Impresso: 01/08/96 22:51:11

d Exibe o dia como um número sem zeros à esquerda.


Print Format("05/07/96","d")
Valor Impresso: 5

dd Exibe o dia como um número com zeros à esquerda.


Print Format("05/07/96","dd")
Valor Impresso: 05

ddd Exibe o dia da semana como uma abreviado em 3 letras.


Print Format("01/08/96","ddd")
Valor Impresso: Qui

dddd Exibe o dia da semana como um nome completo.


Print Format("01/08/96","dddd")
Valor Impresso: Quinta-feira

w Exibe o dia da semana como um número (1 para domingo até 7 para sábado).

ww Exibe a semana do ano como um número.


Print Format("01/08/96","ww")
Valor Impresso: 31

95
m Exibe o mês como um número sem zeros à esquerda. Se m vier
imediatamente depois de h ou hh, é exibido o minuto em lugar do mês.
Print Format("01/08/96","m")
Valor Impresso: 8

mm Exibe o mês como um número com zeros à esquerda. Se m vier


imediatamente depois de h ou hh, é exibido o minuto em lugar do mês.
Print Format("01/08/96","mm")
Valor Impresso: 08

mmm Exibe o mês como uma abreviado em três letras.


Print Format("01/08/96","mmm")
Valor Impresso: Ago

mmmm Exibe o mês como um nome completo.


Print Format("01/08/96","mmmm")
Valor Impresso: Agosto

q Exibe o trimestre do ano como um número.


Print Format("01/08/96","q")
Valor Impresso: 3

y Exibe o dia do ano como um número.


Print Format("01/08/96","y")
Valor Impresso: 214

yy Exibe o ano como um número de dois dígitos.


Print Format("01/08/96","yy")
Valor Impresso: 96

yyyy Exibe o ano como um número de quatro dígitos.


Print Format("01/08/96","yy")
Valor Impresso: 1996

h Exibe a hora como um número sem zeros à esquerda.


Print Format("09:13:55","h")
Valor Impresso: 9

hh Exibe a hora como um número com zeros à esquerda.


Print Format("09:13:55","h")
Valor Impresso: 09

n Exibe o minuto como um número sem zeros à esquerda.


nn Exibe o minuto como um número com zeros à esquerda.
s Exibe o segundo como um número sem zeros à esquerda.
ss Exibe o segundo como um número com zeros à esquerda.

96
t t t t t Exibe uma hora como uma hora completa (inclusive hora, minuto e
segundo), formatada usando o separador de hora definido pelo formato de hora reconhecido
pelo sistema.
Print Format(now,"ttttt")
Valor Impresso: 23:17:27

Usando estes caracteres especiais podemos formatar uma data de várias


maneiras, como por exemplo:
Print Format(“01/08/96”,”dd/mmmm/yyyy”)
Valor Impresso: 01/Agosto/1996
Print Format(“01/08/96”,”dd/mmm/yy”)
Valor Impresso: 01/Ago/96

Veja abaixo a relação das palavras-chaves aceita pela função Format para
expressões de data e hora:

General Date : Exibe a data e a hora nos formatos estabelecidos nas configurações
do Windows. Caso a expressão seja somente uma data, será exibido
Print Format(now,"general date")
Valor Impresso: 01/08/96 23:21:25
Print Format("01/08/96","general date")
Valor Impresso: 01/08/96
Print Format("09:24:11","general date")
Valor Impresso: 09:24:11

Long Date : Exibe uma data de acordo com o formato por extenso de data de seu
sistema.
Print Format("01/08/96","Long Date")
Valor Impresso: Quinta-feira, 1 de Agosto de 1996

Medium Date : Exibe uma data usando o formato médio de data apropriado para a
versão de idioma do aplicativo host.
Print Format("01/08/96","Medium Date")
Valor Impresso: 01-Ago-96

Short Date : Exibe uma data usando o formato abreviado de data de seu sistema.
Print Format("01/08/96","Short Date")
Valor Impresso: 01/08/96

Long Time : Exibe uma hora usando o formato por extenso de hora de seu sistema:
inclui horas, minutos, segundos.
Print Format("09:24:11","Long Time")
Valor Impresso: 09:24:11

97
Medium Time : Exibe uma hora no formato 12 horas usando horas e minutos e a
designação AM/PM.
Print Format("09:24:11","Medium Time")
Valor Impresso: 09:24 AM

Short Time : Exibe uma hora usando o formato 24 horas.


Print Format("09:24:11","Short Time")
Valor Impresso: 09:24

Formatação de Expressões String

A manipulação de expressões String podem ser formatados usando os caracteres


especiais abaixo:

@ Exibe um caractere ou um espaço. Se a seqüência de caracteres tem um


caractere na posição em que @ aparece na seqüência de formato, ele será exibido; caso
contrário, um espaço será apresentado nessa posição. Os espaços reservados são
preenchidos da direita para a esquerda a menos que exista um caractere ! na seqüência de
caracteres de formato. Veja abaixo.

& Exibe um caractere ou nada. Se a seqüência de caracteres tem um caractere


na posição em que & aparece, ele será exibido; caso contrário, nada será exibido. Os
espaços reservados são preenchidos da direita para a esquerda a menos que exista um
caractere ! na seqüência de caracteres de formato. Veja abaixo.
! Força preenchimento da esquerda para a direita dos espaços reservados. O
preenchimento padrão é feito da direita para a esquerda.

< Exibe todos os caracteres no formato de minúsculas.

> Exibe todos os caracteres no formato de maiúsculas.

Banco de Dados
Abordarei aqui, o assunto Banco de Dados na forma mais simples possível. O que quero
dizer é que não vamos nos prender a conhecer todos os recursos que um banco de dados
pode nos fornecer. Até mesmo por que esse foge ao objetivo do nosso curso. No entanto,
vamos aprender tudo o que precisamos para criar aplicativos comerciais usando um banco
de dados de uma forma limpa, rápida e simples.
Porém, devo dizer ao aluno que nunca é demais se aprofundar no assunto Banco de
Dados, tentando tirar o máximo de proveito que ele pode nos fornecer. Principalmente, com
tantos tipos novos de bancos de dados surgindo por aí.

98
A biblioteca de conexão, que contém os objetos que vamos usar para nos conectarmos
com os bancos de dados que criaremos, é o Microsoft D.A.O. (Microsoft Data Access
Objects) e nos permite nos conectarmos com banco de dados no formato Access, além de
tipos de bancos de dados mais antigos como Dbase, FoxPro, Paradox, etc.
Durante o nosso curso, trabalharemos com o Microsoft Access. Devo lembrar que a
mudança de um tipo de banco de dados para o outro está na que um tem mais ou menos
recursos que o outro, sendo que todos têm em comum, tabelas, campos, chave primária, etc.
Sempre que for utilizar um banco de dados que você ainda não conheça, consulte a sua
documentação.

O que é um banco de dados?


Várias regras podem ser levadas em consideração no que diz respeito a julgar se temos
um gerenciador banco de dados ou não. O que quero dizer é que o que uns poderão julgar
como um gerenciador de banco de dados, outros considerarão apenas um gerenciador de
arquivos.
No entanto, eu diria que um banco de dados se resume a um conjunto de tabelas,
consultas, relatórios, e demais ferramentas de acesso a dados.
No nosso curso, não chegaremos a usar tudo o que um gerenciador de banco de dados
pode nos oferecer. Mas novamente devo dizer ao aluno para que aprenda o máximo
possível sobre banco de dados e o que eles podem oferecer para simplificar os sistemas que
iremos construir.

Criando um banco de dados


Já citei anteriormente que o banco de dados que utilizaremos no nosso curso é o
Microsoft Access. Poderemos optar entre 2 ferramentas para criar o banco de dados:

Temos o próprio editor do Microsoft Access, caso você tenha o Office instalado:

99
e também o Visual Data Manager, que é uma ferramenta do Visual Basic:

O Visual Data Manager oferece uma interface mais básica e objetiva, porém tem a
desvantagem de ser toda em inglês e não oferece alguns recursos como gerenciamento de
relatórios e formulários. No entanto, como não vamos usar esses recursos de banco de
dados nesse curso, poderíamos usá-lo sem problemas.
Devo dizer que bancos de dados criados com as últimas versões do Microsoft Access
não são reconhecidas pelo Visual Data Manager, não podendo assim serem abertas.

O que são tabelas?

As tabelas são bases de qualquer banco de dados. É delas que virão os dados a serem
processados por consultas, relatórios, formulários e demais objetos de banco de dados. As
tabelas são divididas em campos e registros.
Os campos são definidos quando definimos a estrutura da tabela, já os registros são
adicionados de acordo com a necessidade do usuário. Para ilustrar o que estou dizendo, veja
a tabela a seguir:

Código Nome Endereço Telefone


1 Maria da Silva Rua Silvio Toigo, 432 887-7787
2 João dos Santos Rua das Tulipas, 920 7877-6545
3 José Carlos Av. Brasil, 5555 9877-4544

Registros
Campos

Código, Nome, Endereço e Telefone representam os campos, enquanto os respectivos


dados desses campos representam um registro.
Um registro é um conjunto dos dados de cada campo.Poderíamos também entendê-lo
como uma linha dentro da tabela.

100
Criando uma tabela
Por razão de compatibilidade, vamos criar nossa tabela usando o Visual Data Manager,
lembrando que poderemos abrir o Banco de Dados usando o Microsoft Access
posteriormente, caso quisermos. Nas últimas versões do Access, talvez tenhamos que fazer
uma conversão.
Acesse, dentro do Visual Basic, o menu Add-Ins e selecione Visual Data Manager.
Depois de aberto, selecione a opção New para criar um novo banco de dados, depois
selecione o tipo, que no nosso caso é o Microsoft Access, e depois selecione Version 7.0
MDB, que oferece maior compatibilidade com as últimas versões do Access, podendo
assim ser aberto.

Abrirão 2 janelas, uma para serem executados instruções SQL *, e outra com as
propriedades do banco de dados.

* - Instruções SQL são instruções específicas de banco de dados como criar tabelas,
fazer manutenção dos dados, etc. Como nosso curso irá tratar os bancos de dados na
sua forma mais básica, as instruções SQL fogem do objetivo do nosso curso.

101
Já temos o banco de dados propriamente dito, agora precisamos criar tabelas. Para
criar uma tabela, clique com o botão direito do mouse em cima das propriedades e
selecione a opção New Table.

Abrirá a seguinte janela:

102
Aqui descrevemos
qual deve ser o
nome da tabela

Botão de adicionar
campo

Botão de remover
campo

Este botão serve


para adicionarmos
um índice á tabela.
Veremos mais
tarde o que são
índices e para que
servem

Depois de adicionados Usado para


os campos, usamos este remover um índice
Este é a janela de adicionar tabelas.
botão para confirmar a Podemos aqui definir o nome da
databela,
tabela.assim
como adicionar campos, índices
criação da tabela. e selecionar as suas respectivas propriedades.
Ao clicar no botão de Adicionar Campo, você verá que se abrirá uma janela. È
nessa janela que selecionamos as propriedades do campo.

Aqui definimos o
nome do campo
Aqui escolhemos o tipo
do campo em uma lista.
Segue as mesmas regras
para tipos de variáveis

Tamanho do
campo

Uma expressão que será


usada para verificar se o
campo é válido ou não. Por
exemplo, se utilizarmos
Aqui definimos s o campo irá nessa propriedade a seguinte
aceitar comprimento zero ou não. expressão >10 em um valor
Aqui definimosnumérico,
um valoresse
padrão parasóo
campo
Comprimento zero seria um campo
campo. Por exemplo, se definimos o que
aceitará valores maiores
com número de caracteres
Default Value(valor
10. padrão) de um
preenchidos
Aqui igual
definimos seaozero.
campoOu seja,
campo numérico para zero, quando
vazio.
será ouSe
nãoestá opção estiver
obrigatório. Um 103
A mensagem que
adicionarmos é exibida
um novo quando
registro, esseo
marcadaobrigatório
campo o campo aceitará
não aceita
valor que
campo foi atribuído
já terá esse valoraozero
campo não seja
até que
comprimento
como zero.
valor nulo(Null).
coincidir com a regra de validação
modificado.
Se escolhermos um tipo de campo
como Long poderemos selecionar
esta opção. A propriedade
AutoIncrField nos possibilita criar
um campo autoincrementável, ou
seja um campo que se numera
automaticamente de acordo com os
registros criados

Crie uma tabela com o nome de “Clientes” e adicione os seguintes campos:

Código
Nome
DataNasc
Telefone

Ao campo código, obviamente, você terá que escolher um tipo que aceite números.
O ideal seria usar um campo do tipo Long autoincrementável, fazendo assim que
cada cliente adicionado tenha um novo código automaticamente.
Para o campo Nome poderíamos usar um campo do tipo Text com um tamanho
de 40 caracteres sem problemas.
O campo DataNasc servirá para gravarmos datas de nascimento, portanto o tipo
DateTime seria o apropriado.
Quanto ao Telefone, deve ser do tipo Text por que usaremos sinais como - e * e
se colocarmos números com sinais em um campo numérico o Visual Basic
entenderá que estamos tentando calcular valores e retornará o resultado.
Depois de adicionar todos os campos, feche a janela de adicionar campo e clique
no botão Build the Table para confirmar a criação da tabela. Você vai notar que a
tabela já vai aparecer na janela de banco de dados.

104
Se você clicar 2 vezes com o botão esquerdo do mouse em cima dela, ela é aberta para
inclusão, alteração e edição de dados.
Se clicarmos com o botão direito em cima da tabela aparecem opções como Open, que
abrirá a tabela do mesmo modo como se tivéssemos dado 2 cliques; Design, que serve para
alterarmos a estrutura da tabela, Rename(renomear); Delete(deletar). Além disso, aparecem
outras opções que não nos serão úteis no momento.

Bem, vamos fazer uso da nossa tabela. Insira 5 registros com nomes, telefones e datas de
nascimento diferentes.
Você verá que, a cada novo registro que adicionarmos o campo Código é incrementado
em 1. Notará também que se um valor atribuído á um campo não coincidir com o tipo que
foi definido para o mesmo,a tabela não aceitará. Por exemplo, se você tiver um campo do

105
tipo DateTime, só conseguirá inserir datas. Esse tipo de data obedece à formatação que
você definir no Painel de Controle.

Criando índices
Um índice é usado para indexar registros. Por exemplo, se temos um campo Nome e
quisermos que este campo seja ordenado por ordem alfabética. Devemos criar um índice e
selecionar o campo Nome para que seja a base desse índice.
Um campo do tipo numérico, seja ele Integer, Long ou qualquer outro tipo numérico, ao
ser indexado ficará em ordem crescente. Um campo do tipo DateTime, por ordem
cronológica. Resumindo, um índice organiza os dados da forma mais presumível possível.
Um índice, além de organizar os registros com base em um campo, também torna as
pesquisas pelo campo que tem um índice, bem mais rápidas.
Vamos agora criar alguns índices na nossa tabela de clientes. Clique na tabela com o
botão direito e selecione a opção Design. Após, clique no botão Add Index para adicionar
um novo índice. Abrirá a seguinte janela:

Aqui definimos o nome que


iremos dar ao índice.

Aqui escolhemos o campo que


será a base do índice

Se a propriedade Primary
estiver marcada, significa que
o campo selecionado será a
chave primária. Podemos ter
apenas uma por tabela. Logo,
explicarei o que é chave
primária.
Por padrão, a atribuição de
um valor nulo a um campo Se a propriedade Unique for
indexado, gera um erro. Se a marcada, o campo não
propriedade IgnoreNulls for aceitará valores duplicados,
marcada, o campo passará a ou seja, se tivermos um
aceitar valores nulos. campo Nome com o valor
“Maria”, não poderemos ter
outro registro com um campo
Nome de mesmo valor.

Vamos agora adicionar um índice chamado Nome a tabela que criamos. Esse índice terá
como base o campo Nome. Não irá aceitar valores nulos nem valores iguais.

106
Definindo a chave primária
Uma chave primária é útil quando queremos que uma tabela não aceite valores nulos e
nem valores duplicados. Uma chave primária também é útil para se relacionar com outras
tabelas.
Podemos dizer que uma chave primária é um índice ou um conjunto de índices que não
podem ter valores repetidos ou nulos. Por exemplo, digamos que você defina como chave
primária 2 campos. Um referente ao campo Codigo e outro ao campo Nome. Poderíamos
até ter 2 códigos iguais e 2 nomes iguais, mas uma combinação de nome e código igual não
poderia existir. A chave primária nesse caso, seria um índice que definimos com a
propriedade Primary e definimos que o mesmo teria como base o campo Nome e o campo
Código.
Devo admitir que na teoria isso parece um pouco confuso, mas na prática fica bem mais
simples.

Uma tabela pode ter apenas uma chave primária(também chamada de índice primário),
mas pode ter vários índices. Se você tentar atribuir mais de um índice como Primary, irá
receber uma mensagem de erro dizendo que o índice não pode ser criado.
Como a tabela que criamos é bem mais simples e o índice que criamos(Nome), já dá
conta de não permitir valores nulos e repetidos, uma chave primária é no
momento,desnecessária.

Acessando o banco de dados através do Visual Basic


O Visual Basic oferece objetos que nos permitem interagir de forma completa com o
Banco de Dados. Podemos alterar a estrutura das tabelas, criar tabelas, campos, índices,
inserir registros, alterar registros, excluir registros, etc...
No nosso curso veremos como interagir com as tabelas que criamos no Visual Data
Manager.
Primeiramente, crie um novo projeto. Agora, você deve chamar uma biblioteca que
disponha de objetos para manipulação de banco de dados. Temos várias. No nosso curso
iremos usar o Microsoft DAO 3.6 Object Library.

107
Marque essa biblioteca e selecione OK.
Agora já podemos usar os objetos que essa biblioteca nos oferece.

Abrindo um banco de dados

Vamos agora, realizar algumas operações envolvendo bancos de dados. Primeiro crie
uma pasta de trabalho no diretório c:\ com o nome de Trabalho. Depois crie um banco de
dados com o nome DbCurso dentro dessa mesma pasta.
Crie uma tabela nesse banco de dados chamada clientes com os seguintes campos e
atributos:
Campo Tipo Tamanho
Codigo Long(Autoincrementável)
Nome Text 40
Cpf Text 15
Rg Text 11
DataNascimento DateTime
DataCadastro DateTime
Endereco Text 30
Bairro Text 3
Casado Boolean
Alguns campos aparecem sem seus respectivos tamanhos por quê não são necessários
devido ao tipo do campo selecionado.
Adicione um índice para o nome chamado IndNome, outro para o Código chamado
IndCodigo e uma chave primária com base no campo Nome e no campo Código e se
chamará Chave.

108
Através do Microsoft Access ou do Visual Data Manager, acrescente 5 registros a essa
tabela e grave-a.
Agora que já temos um banco de dados com uma tabela, vamos aprender como abrimos
o banco de dados e lemos os dados da tabela.
O primeiro objeto de banco de dados que vamos conhecer é objeto Database. Um
objeto Database contém propriedades, funções e métodos relativos á banco de dados. Para
abrir um banco de dados usando o objeto Database, devemos usar a função
OpenDatabase. Essa função só é disponível quando a biblioteca do Microsoft DAO foi
selecionada.
Primeiramente, devemos declarar um objeto Database. Vamos declarar uma variável
chamada Banco como sendo um objeto Database:

Dim Banco as Database

Depois, iremos instanciar o objeto Banco que criamos apontando para a função
OpenDatabase que abrirá o banco de dados que desejarmos. A função OpenDatabase tem
a seguinte sintaxe:

OpenDatabase(<Caminho e nome do banco de


dados>,<Opções>,<TipoDeAcesso>,<Conexão>)

<Caminho e nome do banco de dados>- Uma string que representa o caminho completo,
incluindo o nome do banco de dados.

<Opções>(Opcional)- Determina se o banco de dados será aberto em modo exclusivo ou


não. True para exclusivo e False para modo compartilhado. Este recurso é útil quando
iremos criar um sistema que será usado em rede(Multiusuário). Se este argumento for
omitido o padrão será False.

<TipoDeAcesso>(Opcional)- O tipo de acesso deve informar se o banco de dados será


aberto como somente leitura(True) ou para leitura/gravação(False) .

<Conexão>(Opcional)- Uma string que determina várias opções de configuração,


incluindo senhas.

A pergunta que talvez esteja na sua cabeça é “Onde devo declarar um objeto Database?”.
Bem, na verdade um objeto Database, assim como as variáveis no Visual Basic, podem ser
declaradas em qualquer lugar. No entanto, se declararmos o objeto Database em um
subprocedimento, ele será restrito somente ao subprocedimento em que foi declarado. O
ideal é sempre usarmos declará-lo na seção General-Declarations do formulário ou
módulo que formos usá-lo. Se usarmos em um módulo, esteve objeto será visível em todos
os outros módulos e formulários. No nosso exemplo, usaremos na seção General-
Declarations do formulário onde ele será usado.
Vamos voltar a declaração do objeto Database que começamos.

109
Declaramos um objeto Database chamado Banco na seção General-Declarations do
nosso formulário.
Agora, para usarmos esse objeto, temos de instanciá-lo apontando para a função
OpenDatabase, como vimos anteriormente. O local ideal para fazer essa instanciação é no
evento Load do formulário. Teremos assim desta forma, o objeto instanciado durante todo
o tempo que o código estiver sendo executado no formulário.
A sintaxe da função OpenDataBase já vimos anteriormente. Veremos agora como
ficaria se usássemos o banco de dados que criamos na nossa pasta de trabalho.

Usamos apenas o primeiro argumento que representa o caminho e o nome do banco de


dados. Como você pode ver, os banco de dados do tipo Access terminam com a extensão
“.mdb”, sendo portanto, necessário que especifiquemos o nome completo do banco de
dados. Os outros argumentos são opcionais.
Agora que já temos o objeto Database instanciado, podemos usar os seus recursos a
qualquer momento.
O primeiro recurso do objeto Database que iremos conhecer é o método
OpenRecordset. Este método serve para abrirmos um RecordSet. Claro que antes de usá-
lo você precisa saber o que é um RecordSet e para o que serve.

O que é um Recordset?
Recordset é um objeto que representa uma tabela. Assim como o objeto Database
representa o banco de dados, o objeto Recordset representa uma tabela. Com ele, podemos
efetuar todas as operações em tabelas que fazíamos via Access ou Visual Data Manager.
Agora que já sabemos pra que serve um Recordset vamos aprender a declará-lo e
instanciá-lo. Primeiro, vá na seção General-Declarations, onde já declaramos um objeto
Database, e declare lá também um objeto Recordset com o nome de Tabela.

110
Depois de declarar o objeto Recordset, será necessário instanciá-lo. É aí que entra o
método OpenRecordset do objeto Database. Veremos agora a sintaxe do método
OpenRecordset:

OpenRecordset(<NomeDaTabela>,<Tipo>,<Opções>,<SomenteLeitura>)

<NomeDaTabela>- Uma string contendo o nome da tabela que desejamos abrir.Na


verdade, esse argumento não precisa ser necessariamente um nome de tabela. Pode também
ser uma consulta ou uma instrução SQL. No nosso curso usaremos somente atribuí-lo com
o nome da tabela.

<Tipo>- Ao abrirmos um objeto recordset, poderemos escolher entre vários tipos de


aberturas diferentes. Esse argumento pode ser um número ou uma constante interna que
determina o tipo de abertura. Veremos agora os tipos mais usados:

DbOpenTable – Ao usar a contante DbOpenTable, estamos abrindo um objeto


RecordSet do tipo Table como se ele fosse uma tabela normal. Podemos consultar
registros, adicionar registros, excluir registros, atualizar registros e todas as operações que
podemos fazer via Access ou Visual Data Manager.

DbOpenSnapShot – Esta outra contante nos permite abrir um objeto recordset como sendo
do tipo SnapShot. Um recordset do tipo SnapShot pode ser visto como uma cópia virtual
dos dados. Ou seja, é uma cópia da tabela no exato momento em que for criado o objeto
recordset tipo SnapShot. Não podem ser atulizados. Seu uso se restringe a consultas.

DbOpenDynaset – Essa constante cria um objeto RecordSet tipo Dynaset. Um Dynaset é


muito semelhante a um SnapShot. A diferença é que os Dynaset podem ser atualizados.

Devo lembrar que cada um desses tipos de RecordSet contem várias particularidades não
mencionadas aqui, sendo estas que citei, portanto, as mais importantes.
Voltando a abertura do nosso banco de dados, usaremos um objeto recordset do tipo
Table, pelo fato desse tipo de recordset ter as mesmas características de uma tabela. Dessa
forma, poderemos efetuar todas as operações que
precisamos(Inclusão,Alteração,Consulta,Exclusão).
Já que temos o objeto Database instanciado e o objeto RecordSet declarado, vamos
agora instanciar o objeto RecordSet, apontando para o método OpenRecordset do objeto
Database. Ficaria assim:

111
Instanciamos o objeto tipo Recordset apontando para o método OpenRecordset do
objeto DataBase. Como usamos no argumento <Tipo> do método OpenRecordset ,a
contante DbOpenTable, o objeto tipo RecordSet aberto, será do tipo Table. Ou seja, se
comportará como se fosse uma tabela normal.
Pronto! Agora a variável Tabela tem todas as características de um objeto recordset do
tipo Table e têm também todos os registros existentes na tabela Clientes.

Consultando Registros

Desde que já tenhamos um objeto Recordset aberto, poderemos facilmente consultar


seus registros. Há dois tipos de sintaxes que podemos utilizar para retornar valores de
registros:

<RecordSet>(<StringNomeCampo>)

ou

<RecordSet>!<NomeCampo>

Exemplo:

TxtNome.Text = Tabela(“Nome”)

Ou

TxtNome.Text = Tabela!Nome

No projeto que criamos, adicione um TextBox chamado TxtNome e utilize o exemplo


anterior para preencher o TextBox com o valor do campo Nome. Você pode adicionar mais
TextBoxs ao formulário e fazer com que os demais campos sejam exibidos. Rode o
programa.
Você deve ter notado que os dados exibidos no formulário são referentes ao primeiro
registro. Isso por quê quando abrimos um recordset, ele aponta primeiramente para o
primeiro registro. Como se tivéssemos aberto uma tabela no Access ou no Visual Data
Manager. É como se existisse um ponteiro virtual que sempre está apontando para um
registro X.
Na prática, consultar apenas o primeiro registro não nos adiantaria. È ai que entram os
métodos de navegação que veremos agora.

Navegação através dos registros

MoveNext –Este método moverá o ponteiro para o próximo registro.

MovePrevious – Move o ponteiro para o registro anterior

112
MoveFirst – Move o ponteiro para o primeiro registro.

MoveLast – Move o ponteiro para o último registro.

Move – Move o ponteiro N registros á frente.

Exemplo:

Tabela.Move 3

Moverá o ponteiro 3 registros á frente.

Exemplos:
Tabela.MoveNext
Tabela.MoveLast
Tabela.MovePrevious

Métodos de procura

Um Recordset oferece alguns métodos para realizarmos operações de busca através das
tabelas. Veremos agora os métodos de busca e as suas particularidades.

FindFirst- É o método de procura mais usado. Ele procura um registro com base em uma
condição, a partir do primeiro registro. Sua sintaxe é a seguinte:

Recordset.FindFirst(StringComCondição)

O argumento StringComCondição representa uma string, onde deverá ser informada a


condição. Por exemplo, se você desejar procurar um registro que contenha um campo
Nome igual á “João”, então irá usar uma string assim:”Nome = ‘Joao’”. Vejamos como
ficaria usando o método FindFirst:

Tabela.FindFirst(“Nome = ‘Joao’”)

Note que quando procuramos um campo do tipo Texto(Text), o texto a procurar deve ser
delimitados por aspas simples ‘’. Caso for um campo do tipo numérico(Integer,Long, etc...)
as aspas não são necessárias:

Tabela.FindFirst(“Código = 3”)

FindNext – O método FindNext funciona de forma semelhante ao FindFisrt. A diferença é


que enquanto o método FindFirst procura um registro a partir do primeiro, o FindNext
procura a partir do registro corrente, sendo os anteriores ignorados. A sintaxe usada é a
mesma nos dois métodos.

113
FindPrevious – A partir da atual posição do ponteiro no recordset, localiza o registro
anterior que satisfaça o critério. Segue a mesma sintaxe dos métodos anteriores.

FindLast – A partir do primeiro registro, procura pelo último registro que satisfaça o
critério estabelecido, no caso de termos mais de um registro encontrado. Segue a mesma
sintaxe dos métodos anteriores.

O método Seek
O método Seek oferece um meio de pesquisa mais rápido quando procuramos um
registro com um campo indexado. O método Seek só pode ser usado em um RecordSet do
tipo Table e é necessário que especifiquemos um índice corrente antes de fazermos a
pesquisa. Para especificar um índice corrente, usamos a propriedade Index do RecordSet.
Digamos que vamos usar o Recordset que já criamos q que se chama Tabela. Como você
lembra, quando criamos a tabela “Clientes” adicionamos um índice chamado Nome e é
este índice que iremos usar.

Tabela.Index =”Nome”

Feito isso, já poderemos usar o método Seek que tem a seguinte sintaxe:

<RecordSet>.Seek <Método de Comparação>,<Chave1>,<Chave2>,<Chave3>,Etc...

<Método de Comparação> - Uma string que determina os métodos de comparação pra


quando buscarmos pelo registro especificado em qualquer uma das <Chaves>. Os métodos
de comparação são representados pelos operadores <, <=, =, >= ou >.

<Chave1>,<Chave2>,<Chave3>,Etc... – Um ou mais valores que representam os campos


existentes no índice definido atrabés da propriedade Index. Podemos colocar até 13 chaves.

Exemplo:
Tabela.Index =”Nome”
Tabela.Seek “=”, “João”

Após utilizarmos um método de procura, seja ele Seek ou qualquer um dos que vimos
anteriormente, o ponteiro de moverá para o registro que satisfaça as condições
estabelecidas nas opções de critério. Caso o registro não seja encontrado, o ponteiro
continuará no registro atual.
Quando uma operação de procura não obter sucesso, a propriedade NoMatch do objeto
Recordset passar a ter o valor True. Essa propriedade é útil para sabermos se o registro
que procuramos foi encontrado.

Exemplo:

Dim Banco as Database


Dim Tabela as Recordset

114
Set Banco = Opendatabase(“C:\Trabalho\Dbcurso.mdb”)
Set Tabela = Banco.OpenRecordset(“Clientes”,Dbopentable)
Tabela.FindFirst(“Nome = ‘Maria’”)
If Tabela.Nomatch = True Then
MsgBox “Nome não foi encontrado”
Else
MsgBox “Nome foi encontrado”
Endif

Adidionando Registros

Para adicionarmos registros usamos o método AddNew de um objeto RecordSet.

<Recordset>.AddNew

Depois de usarmos AddNew, devemos atribuir os valores aos campos do Recordset:

<RecordSet>(<Campo>) = <Valor a ser atribuído ao campo>

Feito isso, ainda precisamos usar o método Update do objeto Recordset para finalizar a
adição do novo registro. Este método trabalha em conjunto com o método AddNew.
Lembre-se de sempre usá-lo quando a adição do registro estiver OK.

<Recordset>.Update

Vamos ao exemplo prático para ilustrar esse processo, partindo do RecordSet que
criamos chamado Tabela
Tabela.AddNew
Tabela(“Nome”) = “Vanessa Martins Vargas”
Tabela(“Endereço”) = “João Borges Fortes, 2000”
Tabela(“DataNasc”) = # 15/09/1980 #
Tabela.Update

Na pratica, estes valores provavelmente viriam de TextBoxs. Mas no exemplo acima


adicionamos os valores diretamente aos campos da tabela para ilustrar o processo. Note que
ao nos referirmos aos campos da tabela usamos, por exemplo Tabela(“Nome”), mas
também poderíamos usar Tabela!Nome. Cabe ao aluno avaliar qual é a sintaxe mais
intuitiva.

115
Atualizando Registros

A atualização de registros é bem semelhante á adição. A diferença é que no lugar de


usarmos o método AddNew, usamos o método Edit. Retomando o exemplo anterior,
digamos que foi gravado o endereço do cliente errado. Usaríamos o seguinte código para
consertar isso:

Tabela.MoveLast ‘ Move o ponteiro para o último registro


Tabela.Edit ‘ Abre a edição do registro
Tabela(“Endereço”)=”José Joaquim Da Mota,211” ‘Atribui o novo endereço
Tabela.Update ‘Grava o novo endereço

Excluindo registros

Esta é a mais simples das operações envolvendo manipulação de registros. Para excluir
um registro, aponte para o registro que deseja excluir e use o método Delete do objeto
RecordSet. Exemplo:

Tabela.MoveLast
Tabela.Delete

Fechando um RecordSet e um Database

É muito importante se atentar para o fato de precisar fechar a conexão dos objetos com a
tabela e o banco de dados quando não estivermos mais usando os dados provenientes deles.
Pois isto evitará que o banco de dados possa estar corrompindo futuramente. Para fechar
um Database, objeto que representa o banco de dados, devemos primeiramente fechar os
RecordSets baseados nesse Database. Se tentarmos fechar o Database primeiro sem
termos fechado o(s) Recordsets bseados nele, teremos um erro em tempo de execução.
Para fechar um RecordSet ou um DataBase, usamos o método Close.

Tabela.Close
Banco.Close

O exemplo acima fecha primeiramente o RecordSet chamado Tabela e depois o


Database chamado Banco.

Conhecendo algumas propriedades úteis

Vamos conhecer agora algumas propriedades úteis do objeto RecordSet :

116
AbsolutePosition : Indica o numero do registro corrente da tabela em uso. Não podemos
consultar essa propriedade em um objeto Recordset do tipo Table. Somente SnapShot ou
Dynaset.

BOF : Retorna True quando foi feita uma tentativa de ir para um registro anterior ao
primeiro. Quando isto aontecer, om ponteiro não apontará para nenhum registro, tendo o
programador ter que fazer com que ele aponte para um registro novamente.

DateCreated : Retorna a data de criação da tabela manipulada pelo Recordset.

EOF : Retorna True quando for feita uma tentativa de ir para um registro superior ao
último.

Index : Especificamos o nome do índice que será associado a tabela.

NoMatch : Retorna True se uma pesquisa efetuada dentro da tabela foi bem-sucedida.

PercentPosition : Retorna um percentual referente a posição que a tabela se encontra com


comparação com o total de registros da tabela.

RecordCount : Retorna a quantidade de registros que uma tabela possui.

Com base nos métodos, propriedades e funções aprendidas, crie um cadastro com base na
tabela Clientes que criamos no banco de dados DbCurso. O cadastro deverá ter botões de
adicionar registros, um botão para ir para o próximo registro, anterior, primeiro e último.
Deverá ter também um botão de excluir registros e um para alterar.

Conhecendo alguns objetos de banco de dados

Iremos conhecer agora alguns objetos que facilitam a nossa vida, quando precisamos
manipular dados de um banco de dados. O primeiro dos objetos que conheceremos é um
controle:

Data – Este objeto automatiza tarefas como a do nosso exemplo anterior,


economizando código. Vejamos como usá-lo.
Crie um formulário e seleciona na caixa de ferramentas um objeto Data. Nomei-o como
Data. Agora insira 5 Labels e 5 Textboxs nesse formulário, como se fosse fazer um
cadastro para a nossa tebela de clientes, como no exemplo anterior. Deixe o formulário
semelhante ao formulário da figura abaixo:

117
Não é nexessário nomear os TextBoxs. Vamos agora configurar o objeto Data. Sem mais
rodeios, vamos diretamente á propriedade que nos interessa e ela é a DatabaseName. Nela
escolheremos o banco de dados que tém a tabela que iremos usar.

Clicando no botão ao lado <...>, uma janela se abrirá para que possamos procurar pelo
banco de dados.

Depois de selecionado o banco de dados, já podemos selecionar uma tabela, através da


propriedade RecordSource do objeto Data.

Note também que na propriedade RecordsetType, podemos escolher entre os 3 tipos de


recordsets que vimos anteriormente.

118
Bem, agora vamos conhecer o que o objeto Data tem a nos oferece. Primeiramente,
configure a opção DataSource dos TextBoxs. Note que quando adicionamos um objeto
Data ao formulário, o mesmo irá aparecer na lista da propriedade RecordSource das
TextBoxs existentes no formulário.

Selecione este objeto para todas as TextBoxs. Agora que já selecionamos o objeto Data
para a propriedade RecordSource de todos os TextBoxs, configure a propriedade DataField
das mesmas, uma por vez.
Note que se tudo estiver configurado de forma adequada, você pode escolher os campos
em uma lista na propriedade DataField de cada TextBox.

Selecione um a um, os respectivos campos para cada TextBox. Depois disso feito, rode o
projeto.
Você vai ver que podemos navegar através dos registros. Como você notou, a economia
de código foi de 100 %.
Tudo o que for digitado ou trocado nas TextBoxs vai ser alterado diretamente no banco
de dados, sem necessidade nenhuma de usar métodos Edit ou Update.
Devo dizer que é um excelente recurso para consultar dados. Na prática, naum se usa
muito esse tipo de controle. Pois na maioria dos aplicativos, temos que fazer validação do
que o usuário digita nas caixas de texto, limitar algumas delas, validar dados, etc. Além
disso, funções como excluir registros, adicionar registros, devem ser feitas manualmente.

O Controle DataGrid(DbGrid)

O controle DbGrid oferece um sofisticado meio de consultarmos dados. Para usar o


DbGrid, você deve marcá-lo na caixa de componentes. Há mais de um tipo de DataGrid, no
entanto o que vamos estudar é o “Microsoft Data Bound Grid Control 5.0(SP3)”.

119
Depois de feito isso e o controle já estar visível na caixa de ferramentas, clique nele e o
arraste-o para o mesmo formulário onde criamos o nosso cadastro de clientes.

Vá na propriedade DataSource da DataGrid. Você verá que aparecerá o nosso objeto Data
na lista. Selecione-o. De fato, para usarmos o objeto DataGrid, temos que ter um objeto
Data já configurado, no mesmo formulário.

Feito isso, já preenchemos o DataGrid com os dados existentes no objeto Data. Rode o
projeto e confira o resultado.

120
Note que ao mudarmos de registro no DataGrid, o registro também troca no objeto Data
e vice-versa.
O Datagrid funciona de forma bem semelehante ao objeto Data. Quando alteramos um
campo via DataGrid, estamos alterando diretamente no banco de dados, sem necessidade de
algum comando adicional. No entanto existem propriedades que nos permitem bloquear
esse tipo de alteração direta. Vejamos algumas propriedades do DataGrid:

AllowAddNew: Habilita a possibilidade de se poder acrescentar registros na tabela.


Quando esta propriedade está habilitada. O DataGrid oferece um registro em branco no
final para que possamos inserir um novo registro.
AllowDelete : Habilita a possibilidade de apagar registros. Quando habilitamos essa
propriedade, podemos excluir registros selecionando toda uma linha e pressionando a tecla
<Del>.
AllowUpdate : Habilita a possibilidade de alterar os registros existentes diretamente.
ColumnHeaders : Determina se o cabeçalho de cada coluna será exibido.
RecordSelectors : Determina se no DBGrid irá aparecer um seletor de registros
AllowRowSizing : Habilita a possibilidade do usuário mudar o tamanho das colunas.
Enabled : Habilita ou não a interação do DBGrid com o usuário.
Columns : Seleciona em qual coluna de dados do DBGrid que terá as propriedades abaixo
disponível para serem configuradas.
Caption : Título da Coluna selecionada.
DataField : Campo da tabela que terá seus dados exibidos na coluna selecionada.
DefaultValue : Valor padrão para um determinado campo.
NumberFormat : Determina o formato com que os dados da coluna serão mostrados no
vídeo. Usa as mesmas regras da função FORMAT.
Locked : Trava os dados contido nas colunas.
AllowSizing : Habilitada a possibilidade de mudar o tamanho da coluna
Visible : Indica se a coluna será visível ou não.

121
Alignment : Alinha dos dados na coluna na forma determinada nesta propriedade.

Impressão

Atualmente existem várias ferramentas para facilitar a impressão de relatórios.


Estudaremos 2 delas:
O objeto Printer, que é um objeto nativo do Visual Basic, e a ferramenta Crystal
Reports, que é um programa separado, mas que gera relatórios que podem ser acessados
através do Visual Basic. A versão do Crystal Reports que estudaremos é o “Crystal
Reports Report Design Component”, que permite projetarmos relatórios dentro do nosso
próprio projeto do Visual Basic.

O objeto Printer

O objeto Printer nos permite obter um total controle sobre as tarefas de impressão. Tem
propriedades que nos possibilitam alterar a fonte do que será impresso, alterar a impressora
padrão, alternar para fonte em negrito, etc. Tem métodos que nos possibilitam saltar para a
próxima página, terminar a impressão, imprimir na linha x, coluna x,etc. Veremos agora as
principais propriedades do Printer:
ColorMode: Determina ou mostra a capacidade de impressão colorida do dispositivo.
Copies: Especifica a quantidade de cópias de uma página que deve ser impressa.
CurrentX: Determina a coordenada horizontal que a impressora irá imprimir.
CurrentY: Determina a coordenada vertical que a impressora irá imprimir.
DeviceName: Mostra o nome da impressora padrão suportada pelo dispositivo
FontName: Determina qual fonte de letra a impressora usará para impressão.
FontBold: Determina se a fonte será em negrito.
FontItalic: Determina se a fonte será em itálico.
Fonts: Fornece uma lista de todas as fontes disponíveis para impressão.
FontSize: Determina o tamanho que a fonte de letra escolhida usará.
FontUnderline: Determina se a fonte será sublinhada.
Orientation: Determina a orientação do papel: Retrato ou Paisagem. Usamos as constantes
para definir o tipo escolhido:
vbPRORPortrait 1 Retrato
vbPRORLandscape 2 Paisagem
Page : Retorna o número da página que esta sendo impressa.
PaperSize: Determinamos o tamanho do papel. Podemos usamos as seguintes constantes:
vbPRPSLetter 1 Letter, 8 1/2 x 11 in.
VbPRPSLetterSmall 2 Letter Small, 8 1/2 x 11 in.
VbPRPSTabloid 3 Tabloid, 11 x 17 in.
VbPRPSLedger 4 Ledger, 17 x 11 in.
VbPRPSLegal 5 Legal, 8 1/2 x 14 in.
VbPRPSStatement 6 Statement, 5 1/2 x 8 1/2 in.
VbPRPSExecutive 7 Executive, 7 1/2 x 10 1/2 in.

122
vbPRPSA3 8 A3, 297 x 420 mm
vbPRPSA4 9 A4, 210 x 297 mm
vbPRPSA4Small 10 A4 Small, 210 x 297 mm
vbPRPSA5 11 A5, 148 x 210 mm
vbPRPSB4 12 B4, 250 x 354 mm
vbPRPSB5 13 B5, 182 x 257 mm
vbPRPSFolio 14 Folio, 8 1/2 x 13 in.
VbPRPSQuarto 15 Quarto, 215 x 275 mm
vbPRPS10x14 16 10 x 14 in.
vbPRPS11x17 17 11 x 17 in.
VbPRPSNote 18 Note, 8 1/2 x 11 in.
vbPRPSEnv9 19 Envelope #9, 3 7/8 x 8 7/8 in.
vbPRPSEnv10 20 Envelope #10, 4 1/8 x 9 1/2 in.
vbPRPSEnv11 21 Envelope #11, 4 1/2 x 10 3/8 in.
vbPRPSEnv12 22 Envelope #12, 4 1/2 x 11 in.
vbPRPSEnv14 23 Envelope #14, 5 x 11 1/2 in.
VbPRPSCSheet 24 C size sheet
vbPRPSDSheet 25 D size sheet
vbPRPSESheet 26 E size sheet
vbPRPSEnvDL 27 Envelope DL, 110 x 220 mm
vbPRPSEnvC3 29 Envelope C3, 324 x 458 mm
vbPRPSEnvC4 30 Envelope C4, 229 x 324 mm
vbPRPSEnvC5 28 Envelope C5, 162 x 229 mm
vbPRPSEnvC6 31 Envelope C6, 114 x 162 mm
vbPRPSEnvC65 32 Envelope C65, 114 x 229 mm
vbPRPSEnvB4 33 Envelope B4, 250 x 353 mm
vbPRPSEnvB5 34 Envelope B5, 176 x 250 mm
vbPRPSEnvB6 35 Envelope B6, 176 x 125 mm
vbPRPSEnvItaly 36 Envelope, 110 x 230 mm
vbPRPSEnvMonarch 37 Envelope Monarch, 3 7/8 x 7 1/2 in.
vbPRPSEnvPersonal 38 Envelope, 3 5/8 x 6 1/2 in.
vbPRPSFanfoldUS 39 U.S. Standard Fanfold, 14 7/8 x 11 in.
vbPRPSFanfoldStdGerma 40 German Standard Fanfold, 8 1/2 x 12
n in.
vbPRPSFanfoldLglGerma 41 German Legal Fanfold, 8 1/2 x 13 in.
n
vbPRPSUser 256 User-defined

Port: Retorna o nome da porta de impressão que será usada pela impressora padrão.
PrintQuality: Determina ou seta a resolução que a impressora irá usar.
VbPRPQDraft -1 Resolução Draft
vbPRPQLow -2 Baixa Resolução
vbPRPQMediu -3 Média Resolução
m
vbPRPQHigh -4 Alta Resolução

123
Vejamos agora, os principais métodos:

EndDoc: Finaliza a impressão de um relatório


KillDoc: Termina imediatamente a impressão
Line: Imprime uma linha horizontal, de acordo com as coordenadas especificadas.
NewPage: Força a impressão passar para a próxima página.
Print <expressão> : Imprime uma expressão ou variável especificada.

Quando usamos o objeto Printer, será de extrema necessidade o uso de uma função
auxiliar que só pode ser usado com o método Print ou com a instrução Print #. Esta função
é a função Tab e é usada para posicinar a saída. Imagine que estamos imprimindo alguma
coisa com o método Print. Queremos imprimir o título do relatório bem no centro da folha.
Se usássemos o método Print assim:

Printer.Print “Título do Relatório”

O título sairia no início da folha, agora usando a função Tab associada com o método
Print, podemos definir em qual coluna irá começar a impressão feita pelo método Print.

Printer.Print Tab(35); “Título do Relatório”

Deverá existir um ; (ponto e vírgula) entre a função Tab e o que queremos imprimir.
Mas se você não digitar não tem problema, pois o editor do Visual Basic se encarrega de
corrigir esse erro de sintaxe.
Vejamos agora, um exemplo de como poderia ser feito um relatório dos clientes na tabela
que criamos.
Primeiramente, abre o último projeto que criamos. No formulário que criamos, adicione
um botão de Imprimir e nomei-o como “CmdImprimir”.

124
No evento Load do botão, adicione o seguinte código:

Dim Banco As Database


Dim Tabela As Recordset
Dim Linha As Integer

Set Banco = OpenDatabase("C:\trabalho\dbcurso.mdb")


Set Tabela = Banco.OpenRecordset("Clientes", dbOpenTable)

Linha = 1

Do While Not Tabela.EOF


If Linha = 1 Then
Cabecalho
End If
Linha = Linha + 1
Printer.Print Tab(5); Tabela!codigo;
Printer.Print Tab(15); Tabela!nome;
Printer.Print Tab(45); Tabela!endereco;
Printer.Print Tab(65); Tabela!datanasc;
Printer.Print Tab(93); Tabela!rg;
Printer.Print
If Linha = 50 Then
Printer.NewPage
Linha = 1
End If
Tabela.MoveNext
Loop

125
Printer.EndDoc

Agora, crie um subprocedimento denominado Cabeçalho, que terá a funçãop de


imprimir o cabeçalho do relatório toda vez que uma nova página começar a ser impressa.
Neste subprocedimento, insira o seguinte código:

Printer.Font = "Arial"
Printer.FontBold = True
Printer.FontSize = 11

Printer.Print Tab(35); "Relatório de Clientes"


Printer.Print
Printer.Print Tab(5); "Código";
Printer.Print Tab(15); "Nome";
Printer.Print Tab(40); "Endereço";
Printer.Print Tab(60); "Data de Nascimento";
Printer.Print Tab(85); "RG";
Printer.FontBold = False

Bem, vamos começar pelo evento Load do botão CmdImprimir.Primeiramente,


declaramos as variáveris:

Dim Banco As Database


Dim Tabela As Recordset
Dim Linha As Integer

Uma para o banco de dados, outra para a tabela, e outra é referente a um contador de
linhas que criamos para limitarmos o número de linhas impressas por página em 50, quando
exceder, o programa irá passar para uma nova página.
Depois disto, instanciamos as variáveis do banco de dados e da tabela:

Set Banco = OpenDatabase("C:\trabalho\dbcurso.mdb")


Set Tabela = Banco.OpenRecordset("Clientes", dbOpenTable)

E dizemos que a linha inicial será a 1, atribuindo o valor 1 a variável Linha.

Linha = 1

Feito isso, iniciará um ciclio, a qual imprimirá um registro da tabela por vez, enquando a
tabela não chegar no final. Assim que tentarmos nos mover para um registro maior que o
último, o ciclio é interrompido e a impressão encerrará:

Do While Not Tabela.EOF

126
Na linha seguinte, verificamos se a variável Linha tem o valor 1, o que quer dizer que
estamos começando uma nova página, se tiver ela irá chamar o subprocedimento
Cabeçalho:

If Linha = 1 Then
Cabecalho
End If

Vejamos agora o código existente no subprocedimento chamado Cabeçalho.

Printer.Font = "Arial"
Printer.FontBold = True
Printer.FontSize = 11

Printer.Print Tab(35); "Relatório de Clientes"


Printer.Print
Printer.Print Tab(5); "Código";
Printer.Print Tab(15); "Nome";
Printer.Print Tab(40); "Endereço";
Printer.Print Tab(60); "Data de Nascimento";
Printer.Print Tab(85); "RG";
Printer.FontBold = False

As 3 primeiras linhas se referem ao tipo, estilo e tamanho da fonte, Font, FontBold e


FontSize; que se referem nessa ordem á Nome da Fonte, Fonte em negrito e tamanho da
fonte. Sendo assim, escolhemos para o cabeçalho a fonte “Arial”, que será em negrito, já
que estamos escolhendo a propriedade FontBold como True. O tamanho da fonte será
igual a 11, já que definimos a propriedade FontSize com 11.
As próximas linhas se referem a impressão do cabeçalho em si, onde usamos a função
auxiliar Tab para posicionar a impressão na coluna desejada.
Uma observação que tenho que fazer aqui é quanto á linha que tem um Print.Print sem
nada á imprimir. Isto seria um modo de deixar uma linha em branco após o título do
relatório. Outra é o ;(Ponto e Vírgula) no final de todas as linhas de impressão. Colocando
esse ; (Ponto e Vírgula) fazemos com que a impressão continue na mesma linha. Ou seja, a
próxima instrução Print que usarmos após o ; (Ponto e Vírgula) será impressa na mesma
linha. A impressão só passará para a linha seguinte, quando usarmos o método Print sem o
; (Ponto e Vírgula).
Terminamos o subprocedimento do cabeçalho, fazendo com que a fonte passe do negrito
para o normal, já que terminamos a impressão do relatório e precisamos que os registros
não sejam impressos em negrito:

Printer.FontBold = False

Retornando so evento Load do botão CmdImprimir, temos o restante do código:

Linha = Linha + 1
Printer.Print Tab(5); Tabela!codigo;

127
Printer.Print Tab(15); Tabela!nome;
Printer.Print Tab(45); Tabela!endereco;
Printer.Print Tab(65); Tabela!datanasc;
Printer.Print Tab(93); Tabela!rg;
Printer.Print
If Linha = 50 Then
Printer.NewPage
Linha = 1
End If
Tabela.MoveNext

Incrementamos a variável Linha em 1, já que á cada ciclo será impressa uma linha:

Linha = Linha + 1

As próximas linhas se referm á impressão da linha(registro) em si:

Printer.Print Tab(5); Tabela!codigo;


Printer.Print Tab(15); Tabela!nome;
Printer.Print Tab(45); Tabela!endereco;
Printer.Print Tab(65); Tabela!datanasc;
Printer.Print Tab(93); Tabela!rg;
Printer.Print

Depois delas, temos a seguinte verificação:

If Linha = 50 Then
Printer.NewPage
Linha = 1
End If

Se a linha for igual á 50, então usamos o método NewPage para passarmos para uma
nova página, e conseqüentemente, deveremos atribuir o Valor 1 a variável Linha. Pois
começaremos novamente a contar as linhas a partir de 1.
Depois de impresso o registro, passaremos para o próximo registro na tabela:

Tabela.MoveNext

O próximo comando é o Loop e encerra o ciclo Do While:

Loop

Após encerrado o ciclo, e todos os registros serem impressos, precisamos dizer a


impressora que a impressão encerrou. Para isso, usamos o método EndDoc.

Printer.EndDoc

128
É necessário usar esse método para encerrar a impressão, pois se não usássemos o
programa ficaria se comunicando com o Spool da impressora e os dados só seriam
impressos quando o programa fosse encerrado.

Criando relatórios com o Crystal Reports

A ferramenta Crystal Reports, da Seagate, é sem dúvida a ferramenta preferida pelos


desenvolvedores da atualidade para desenvolver relatórios. Isso por quê ele automatiza
várias tarefas que o programador teria de fazer manualmente, caso fosse usar o Printer.
Você pode selecionar um banco de dados de forma interativa e escolher quais campos
devem aparecer no relatório, que ele monta automaticamente o relatório pra você.
Possui ainda um assistente que faz todo o trabalho “pesado” pra você. Você terá apenas
que arrumar alguns detalhes, se necessário, no relatório.

Criando um relatório no Crystal Reports usando o assistente

Existem várias versões do Crystal Reports espalhadas por aí. A versão que iremos usar é o
“Crystal Reports Report Design Component” .
Em outras versões do “Crystal Reports”, ele funciona como um programa separado onde
criamos os relatórios dentro dele mesmo. Esses relatórios, contituem um arquivo separado,
que terá de ser chamado pelo Visual Basic.
Com o “Crystal Reports Report Design Component” , você cria os relatórios dentro do
próprio Visual Basic, e não há necessidade nenhuma de ter um arquivo separado para cada
relatório. Esta é, na minha opinião, a granda vantagem de usar essa versão.
Bem, deixando de rodeios e indo ao que interessa, o que primeiramente precisamos para
criar um relatório usando o Crystal é ter ele instalado. Feito isso, ele já irá aparecer nos
menus do Visual Basic.
Para não termos problemas com o uso do assistente, devemos adicionar um componente
ao projeto. Vá no menu Project, selecione Components e marque o controle “Crystal
Report View Control”. Este controle é requerido pelo assistente quando ele cria o relatório e
se você não adicioná-lo terá problemas sérios ao encerrar o assistente. Esses “problemas
sérios” incluem o Visual Basic fechar e você perder tudo o que não foi salvo. Portanto, não
esqueça de marcar tal componente.

129
Para adicionarmos um novo relatório usando o Crystal Reports, acessamos o menu
Project e escolhemos a opção Add Crystal Reports 8.5.
Abrirá então uma janela perguntando se queremos criar o novo relatório usando o
assintente, se queremos criar um relatório vazio ou criar um relatório a partie de outro
existente.
Além disso, existe uma lista abaixo com vários tipos de relatórios predefinidos para que
possamos escolher.

Criar um novo relatório usando o assistente

Criar um novo relatório em branco

Criar um novo relatório a partir de um


relatório já existente

Aqui temos uma lista de tipos de relatórios


predefinidos

Aqui é exibido o LayOut do relatório


predefinido escolhido na lista.

Como vamos criar nosso relatório usando o assistente, marque a primeira opção e clique
em OK.
Feito isso, o assistente iniciará o processo:

130
Primeiramente, deveremos selecionar um banco de dados, de onde virão os dados do
relatório. Para fazer isso, clicamos no botão Project. Após clicarmos nesse botão, irá abrir
uma janela com várias opções para nos conectarmos com diferentes bancos de dados.

Como estamos utilizando conexão com banco de dados via DAO, marque a opção DAO
e clique no botão Browse para selecionar um banco de dados ou digite o caminho do banco
de dados na caixa de texto.

131
Note ainda que existe uma caixa abaixo, onde podemos selecionar para abrir vários tipos de
banco de dados diferentes. Como o banco de dados que iremos abrir é Access, então não
precisamos alterar.

132
Estando o nome do banco de dados e o tipo selecionado, podemos clicar no botão OK
para proseguirmos. Feito isso, abrirá uma janela onde podemos selecionar o objeto do
banco de dados que desejamos, no nosso caso, a tabela “Clientes”.
Atenção: Neste exemplo selecionamos a tabela “Clientes”. No entanto, podemos
selecionar mais de uma tabela sem problemas. O ato de adicionar mais de uma tabela ao
relatório não obriga o relatório a ser baseado em todas as tabelas. Mas por sua vez, mantém
essas tabelas disponíveis para usarmos no relatório.

Estando esta tabela selecionada, já podemos clicar no botão OK. O assistente retornará
novamente para a primeira tela.
Para proseguir, clicamos no botão Next.

133
O assistente então passará para o guia Fields, onde definimos quais campos aparecerão
no relatório:

Nesta lista estão


todos os campos que
podemos adicionar ao
relatório. Para
adicionar um campo,
basta selecioná-lo
nesta lista e clicar no
botão Add ->

O botão Add All->


coloca todos os
campos no relatório
sem a necessidade de
termos que inserir um
por um.

É nessa lista que


ficam os campos que
escolhemos para
exibir no relatório
O botão Remove <-
O botão <- Remove All
remove o campo Nesta caixa, podemos
remove todos os campos
selecionado na lista de selecionar
da lista de campos a
campos a exibir no individualmente o
exibir no relatório.
rerlatório cabeçalho que será
exibido134
para cada
campo.
Depois de adicionados os campos necessários para o nosso relatório e caso ele seja um
relatório simples, já podemos finalizar, clicando no botão Finish. Veremos mais tarde ao
que se destinam os próximos passos do assintente.
Se você já adicionou os campos que precisa no relatório e não usará nenhum recurso
especial no seu relatório, deverá clicar no botão Finish. Feito isso, aparecerá a seguinte
janela:

Aqui ele pergunta se


queremos que o assistente
crie um formuilário que
servirá como visualização de
impressão. Caso você queira
visualizar o relatório antes de
imprimir, marque a opção
Yes.

Aqui ele pergunta se você


que o assistente modifique as
propriedades de projeto para
que o formulário de
visualização de impressão
seja o objeto inicial do
projeto(StartUp Object).
Caso você queira, marque
Yes. Geralmente usamos No.

Depois que você selecionar as opções que você deseja, clique em OK.

135
Veja que o assistente criou um Relatório(Report) com o nome “CrystalReports1”.
Nomeio-o como “RptClientes”. Caso já tivéssemos um relatório com o nome de
“CrystalReports1”, ele nomearia como “CrystalReports2”, e assim sucessivamente.
Note também que ele criou um formulário como o nome “Form1”. Se já tivéssemos um
formulário com esse nome, ele criaria um com o nome de “Form2” e assim sucessivamente.
Nome-o para “FrmRelCli”. Veja que esse formulário funciona como visualização dos
relatórios. Assim, quando precisarmos imprimir um relatório criado a partir do Crystal,
basta chamar o formulário que o assistente criou para esse relatório através do método
Show. O formulário fará toda a parte de imprimir o relatório para nós.
A janela abaixo mostra uma pré-visualização que foi criada pelo assistente do “Crystal”
em um formulário. Ela oferece recursos de Zoom, mudança de página, pesquisa e ainda
oferece recursos para alternarmos entre os grupos, caso estejamos trabalhando com
relatórios que contenham grupos.

Depois de renomear o nome do relatório e o do formulário que o assistente criou, você


também deve renomear o nome no código do formulário que o assistente criou. Nesse
código ele faz referência ao relatório que o assistente criou. Como
Aqui modificamos o nome
a declaração está apontando
desse relatório, também temos de fazer o mesmo no código. Apara única linha que
o objeto teremos de que
CrystalReports1,
foi criado pelo assistente. Como
modificamos o nome, faça com que
136 no
ela aponte para o novo objeto,
nosso caso, RptCli.(Dim Report as
RptCli).
alterar é na declaração, onde é declarado um objeto do tipo Report(relatório). Altere o nome
para o novo nome que você atribuiu ao relatório.

Essa é única linha que teremos de alterar nesse código para que ele funcione
perfeitamente. Essa mudança só é necessária por que alteramos o nome do objeto Report.
Feito essa modificação, talvez você queira fazer alguns ajustes no Layout do relatório.
Um relatório é dividido em várias seções. Veremos agora a função de cada uma delas.

A seção Report Header é o cabeçalho do relatório. Não confunda cabeçalho do relatório


com cabeçalho da página. Pois o cabeçalho da página é impresso sempre antes de uma

137
página ser impressa. Já o cabeçalho do relatório será impresso somente uma vez, antes de
qualquer página ser impressa.

A seção Page Header é o cabeçalho de página e como já falamos anteriormente é impressa


sempre que é iniciada uma nova página. Usamos esta seção para colocar os cabeçalhos para
os campos, além de outras informações.

A seção Details(detalhe) é a mais importante do relatório. É nela que irão os dados que
compõem o relatório. Como por exemplo, os campos nome, endereço, etc.

A seção Report Footer é o rodapé do relatório. Ou seja, é o que será impresso, no final do
relatório, após todas as páginas serem impressas.

A seção Page Footer é o rodapé da pagina. É o que será impresso no fim de cada página.
Usamos esta seção para imprimir, por exemplo, os números de página. Ao criar um
relatório pelo assistente, o Crystal automaticamente insere uma função, para retornar o
número de página nesta seção.

Na caixa de ferramentas a esquerda podemos ver os controles disponíveis para inserir


nos relatórios criados pelo Crystal

Os controles mais importantes são:

Text Objext – Um simples objeto de texto que tem a mesma função do objeto Label
nos formulários.

Line Object – Serve para traçarmos uma linha reta no relatório.

Além desses recursos, o Crystal ainda nos oferece recursos de poder inserir campos
especiais, como hora, data, etc. Vejamos alguns:

138
Exibe a data
Exibe a hora
Exibe a data de modificação
Exibe a hora da modificação
Exibe o número de registro
Exibe o número da página
Exibe o numero total de páginas

Trabalhando com filtros no Crystal Reports

É comum as vezes o programador se deparar com um relatório em que a aplicação de um


filtro é necessária. Com o objeto Printer, temos a liberdade de imprimir somente os dados
que nos interessam. Digamos que você precise imprimir um relatório com nomes, em que a
impressão do registro se baseará em um nome que será digitado em um TextBox. Serão
aceitos nomes que iniciem com a string digitada na Textbox. Por exemplo, se você digitar a
string “JO” na TextBox, poderão ser impressos no relatório nomes como “JOAO”, “JOSÉ”,
“JOVANA” e todos outros nomes que comecem com “JO”. Crie um formulário com a
aparência da figura abaixo:

Nomeie a TextBox com o nome de “TxtFiltro”, o botão de impressão com o nome de


“CmdImprimir”. Crie um subprocedimento denominado Cabeçalho e insira o seguinte
código:

Printer.Font = "Arial"
Printer.FontBold = True
Printer.FontSize = 11

Printer.Print Tab(35); "Relatório de Clientes"


Printer.Print
Printer.Print Tab(5); "Código";
Printer.Print Tab(15); "Nome";
Printer.Print Tab(40); "Endereço";
Printer.Print Tab(60); "Data de Nascimento";
Printer.Print Tab(85); "RG";
Printer.FontBold = False

139
No evento Load do botão “CmdImprimir”, insira o seguinte código:

Dim Banco As Database


Dim Tabela As Recordset
Dim Linha As Integer

Set Banco = OpenDatabase("C:\trabalho\dbcurso.mdb")


Set Tabela = Banco.OpenRecordset("Clientes", dbOpenTable)

Linha = 1

Do While Not Tabela.EOF


If Mid(Tabela!nome, 1, Len(TxtFiltro.Text)) = TxtFiltro.Text Then

If Linha = 1 Then
cabecalho
End If
Linha = Linha + 1
Printer.Print Tab(5); Tabela!codigo;
Printer.Print Tab(15); Tabela!nome;
Printer.Print Tab(45); Tabela!endereco;
Printer.Print Tab(65); Tabela!datanasc;
Printer.Print Tab(93); Tabela!rg;
Printer.Print
If Linha = 50 Then
Printer.NewPage
Linha = 1
End If
End If
Tabela.MoveNext
Loop

Printer.EndDoc

O código acima oferece um modo para filtrarmos alguma string com base no que for
digitado na TextBox.. Antes de o registro ser impresso, verificamos se a string inicial do
campo Nome do registro atual bate com o que foi digitado na Textbox.

If Mid(Tabela!nome, 1, Len(TxtFiltro.Text)) = TxtFiltro.Text Then

Através da função Mid, que retorna uma substring de uma string, pegamos uma substring
inicial do campo Nome, com o tamanho da string que foi digitada em TxtFiltro. Se a
condição for verdadeira, tudo o que estiver no bloco If será executado e o registro será
impresso. Caso contrário, o programa passará ao próximo registro através do método

140
MoveNext do objeto Recordset “Tabela”. Depois disso, é encontrado o comando Loop e o
ciclo é reiniciado, passando o próximo registro agora pela verificação. Desta forma, só os
registros que coincidirem serão impressos. Rode o projeto e veja o resultado.
Como você pode confirmar, com o objeto Printer podemos controlar registro á registro o
que está sendo impresso. A questão então é: Como podemos criar relatórios com filtros no
Cystal?
Bem, na verdade existem muitas maneiras de se fazer isso. Algumas delas são até mesmo
bem complexas.
Ao definir uma tabela para um relatório, quando você o cria, seja pelo assistente ou outro
método, o relatório terá os dados da tabela naquele exato momento. Portanto, modificações
feitas na tabela após termos definido os dados no relatório, não serão refletidas no relatório.
Muitas pessoas usam uma tabela temporária (embora muita gente não aconselhe) para
filtrar somente os dados que se deseja em uma tabela (tabela temporária) e atribuem essa
tabela ao relatório. Alguns problemas com que você vai se deparar, são:

1º - A tabela deve ser atribuída dinamicamente, ou seja, em tempo de execução.


2º - Uma vez atribuído a tabela ao relatório, ela deverá ser atribuída novamente cada vez
que o filtro for modificado. Caso contrário, ficará com os dados existentes da primeira vez
que você atribuiu a tabela ao relatório.
3º - O uso de um relatório com uma tabela temporária pode tornar-se lento em relatórios
com muitos registros.

O uso de tabelas temporárias não é aconselhado por oferecer um desempenho baixo


(baixa velocidade) em impressão de relatórios com muitos registros. No entanto, talvez
você se depare com alguma situação em que você não vê outra saída. Por exemplo. Você
quer criar uma planilha sobre o controle de vendas mensal, no Crystal. Uma solução seria
criar uma tabela exatamente como seria a planilha com os dados que você que e jogar essa
tabela para o Crystal. Vejamos como poderíamos fazer isso. Primeiramente, crie a tabela
temporária que você irá usar para imprimir os dados da planilha. Depois, utilize o assistente
do Crystal para adicionar essa tabela ao relatório. Supondo que você criou uma tabela com
o nome TabTemp, e criou um relatório com o nome RptPlan, poderiámos usar o seguinte
código:

Dim Banco as Database


Dim Tabela as RecordSet

Set Banco = OpenDatabase(“C:\Trabalho\Dbcurso.mdb”)


Set Tabela = Banco.OpenRecordset(“TabTemp”,Dbopentable)

<

Aqui poderiam ser utilizados comandos


para efetuar o filtro na tabela. Mas isto
é você quem vai avaliar, e através do método
Delete do objeto RecordSet, deletar os registros
que não devem aparecer no relatório.

141
>

RptPlan.Database.SetDataSource Tabela
RptPlan.PrintOut

Esse código tem dois métodos do objeto Crystal Report que ainda não conhecemos. Um
deles é o método SetDataSource do objeto Database, que é membro do objeto Crystal
Report, ou seja, do relatório que criamos .
O objeto SetDataSource tem a função de atribuir uma origem de dados ao Crystal
Reports. Uma origem de dados pode ser uma tabela ou uma instrução SQL. Podemos, por
exemplo, criar um objeto RecordSet, instanciá-lo e atribuir ao relatório. Foi o que fizemos
no exemplo acima. Criamos um objeto Recordset chamado Tabela, instanciamos esse
objeto com a tabela que queremos usar no relatório. Como essa tabela é temporária,
efetuamos as possíveis operações de exclusão para deixar na tabela somente os dados que
nos interessam. Após isso, utilizamos o método SetDataSource, que, como você pode ver,
oferece uma sintaxe muito simples:

RptPlan.Database.SetDataSource Tabela

No nosso caso, Tabela é o objeto RecordSet que representa a tabela “TabTemp”.

Depois disso, entra outro método que ainda não conhecemos, mas que também é muito
simples. É o método PrintOut do objeto Crystal Report. Este método envia diretamente o
relatório para a impressora.
Uma observação a ser feita e um problema bem comum é a de que quando você *chama
um relatório , fica armazenado nele o que foi impresso pela primeira vez. Então se você
voltar a imprimir esse relatório sem decarregá-lo da memória, e aplicar outro filtro, vai ver
que os dados impressos são iguais ao que você imprimiu na primeira vez.
Claro que se você aplicar o filtro, chamar o relatório, imprimir, fechar a aplicação e
voltar a imprimir o relatório, tudo funcionará perfeitamente. Mas, imagine que você tem um
formulário com um TextBox de filtro e um botão de impressão. Então você cria uma rotina
para visualizar a impressão. Provavelmente, você irá dar ao usuário a alternativa de digitar
um filtro e clicar no botão de impressão para ver o resultado, para depois imprimir. Então o
usuário poderia testar várias vezes o filtro selecionado que ele quer. O que acontece aqui é
que assim que ele atribuir uma origem de dados ao relatório pela primeira vez, os dados do
primeiro filtro que ele atribuir ao relatório, serão sempre os exibidos quando ele for acessar
o relatório novamente. Para contornar esse problema, devemos sempre descarregar o
relatório da memória, através do comando Unload, depois que ele foi usado. Exemplo:

Unload RptCli

Isso descarrega imediatamente o relatório da memória. Atenção: Você deve apenas


decarregar o relatório da memória, após o termino de seu uso. Se o relatório estiver sendo
exibido ou um objeto CRViewer, que é o objeto que o assistente cria para podermos

142
visualizar os dados antes de imprimir, estiver exibindo dados do relatório e você
descarregar o relatório da memória, não haverá visualização dos dados. Uma dica: No
formulário de visualização (aquele que o assistente cria pra você e que possibilita visualizar
os dados), descarregue o relatório da memória no evento Unload. Exemplo:

Private Sub Form_Unload(Cancel As Integer)


Unload RptCli
End Sub

*chamar um relatório – O ato de chamar um relatório não está necessariamente ligado ao


comando Load. Podemos também chamar um relatório através do comando Load, mas o
que acontece na verdade é que todos os objetos do projeto são automaticamente carregados,
quando o programa é iniciado. Assim, todo objeto fica na memória para um acesso mais
rápido quando precisarmos desse objeto. No caso do relatório, temos a necessidade de
descarregá-lo da memória para que os dados impressos da última vez sejam substituídos
pelos novos. No entanto, ele é automaticamente carregado quando fizermos qualquer
referência a ele, usando um método ou propriedade.
Continuando, veremos como criar um relatório com filtro sem precisar utilizar uma
tabela temporária. O que se torna mais simples, rápido e organizado. Primeiramente, crie
um novo projeto e adicione um formulário como o que já criamos anteriormente com a
aparência semelhante ao da figura abaixo.

Nomeie a TextBox com o nome de “TxtFiltro”, o botão de impressão com o nome de


“CmdImprimir”.
Depois, adicione o relatório “RptCli”, já criado anteriormente, ao projeto. Feito isso,
codifique o evento Load do botão CmdImprimir da seguinte maneira:

Dim Banco as Database


Dim Tabela as RecordSet

Set Banco = OpenDatabase(“C:\Trabalho\Dbcurso.mdb”)

If TxtFiltro.Text<>”” then
Set Tabela = Banco.OpenRecordset(“Select * from Clientes Where Nome Like ‘ “
& TxtFiltro.Text & “*’” )
Else
Set Tabela = Banco.OpenRecordset(“Clientes”)
End if

RptPlan.Database.SetDataSource Tabela
RptPlan.PrintOut

143
Primeiro, declaramos 2 variáveis. Um objeto Database e outro RecordSet.

Dim Banco as Database


Dim Tabela as RecordSet

Abrimos o banco de dados:

Set Banco = OpenDatabase(“C:\Trabalho\Dbcurso.mdb”)

Depois disso, verificamos de a TextBox “TxtFiltro” não está vazia:

If TxtFiltro.Text<>”” then

Se ela não estiver vazia, abrimos a tabela usando uma instrução SQL(Explicarei logo
após) que abre a tabela já com o filtro aplicado. Este filtro é feito com base nos primeiros
caracteres digitados em “TxtFiltro”:

Set Tabela = Banco.OpenRecordset(“Select * from Clientes Where Nome Like ‘ “


& TxtFiltro.Text & “*’” )

Caso contrário:
Else
Set Tabela = Banco.OpenRecordset(“Clientes”)

Abrirá a tabela normalmente, sem nenhum filtro a aplicar, o que quer dizer que se não
difitarmos nada na TextBox, todos os registros serão exibidos no relatório.
Feito essa verificação, o bloco If é encerrado:

End if

Depois disso, atribuímos a tabela com ou sem o filtro ao nosso relatório e jogamos tudo
para a impressora:

RptPlan.Database.SetDataSource Tabela
RptPlan.PrintOut

Como você pode ver é um código bem simples e a única parte do código desconhecida
pelo aluno é o uso de uma instrução SQL para abrir e filtrar a tabela. Não é propósito do
nosso curso abordar sobre instruções SQL, no entanto, irei abordar ela sobre a questão de
filtros, sendo que é um recurso que não é complexo, mas ao mesmo tempo é um recurso
muito poderoso.

Utilizando instruções SQL para aplicar filtros

144
Para entender como funciona uma instrução SQL, primeiramente olhe para a linha a
seguir:

Select * From Clientes Where Nome = ‘joao’

Veremos o que querem dizer cada uma dessas palavras:

Select – Quer dizer que estamos selecionando campos de uma tabela. O * existente depois
da palavra Select quer dizer que todos os campos foram selecionados. Poderíamos escolher
somente Nome e Código, caso quiséssemos. Neste caso, o farámos demilitando os campos
por vírgula. Exemplo:

Select Código, Nome From Clientes

No nosso curso utilizaremos apenas o *.

From – Especifica a origem de dados. O que virá após From é o nome da tabela de onde
virão os dados.

Where – Esta cláusula é o motivo pela qual fizemos esse superficial estudo sobre
instruções SQL . A cláusula Where nos permite aplicar um filtro à tabela com base no
critério especificado. O que irá após á cláusula Where é o critério de filtro. Olhamos
novamente para esta linha:

Select * From Clientes Where Nome = ‘joao’

O que podemos concluir é que:


Selecionamos todos os campos da tabela “Clientes” e filtramos a tabela, de forma que só o
registro com nome = ’joao’ será exibido.
Quando estamos especificando critérios para um campo do tipo String, o valor deve estar
entre ‘’(aspas simples). No caso de um valor numérico, não são necessárias as
aspas.Exemplo:

Select * From Clientes Where Código = 2

Um recurso muito útil que a linguagem SQL nos oferece é a possibilidade de procurar
registros pelos seus caracteres iniciais ou finais, ou, até mesmo, por uma Substring dentro
de uma string. Esse recurso é muito simples de usar. Utilizando o operador LIKE no lugar
do sinal de igual, com um * no início ou no final da string a procurar, podemos pesquisar
pelos caracteres iniciais ou finais, respectivamente. Podemos também, inserir um * no
início e outro no final da string. Estaremos desta forma, pesquisando qualquer registro que
contenha a string especificada. Para esclarecer um pouco sobre isso, dê uma olhada nos
exemplo á seguir:

Select * From Clientes Where Nome Like ‘Jo*’

145
Irá selecionar todos os registros que tiverem no campo nome nomes que comecem com
“Jô”:”João”, “José”,”Jovana”, etc...
O * no final da string indica que estamos ignorando os últimos caracteres.

Select * From Clientes Where Nome Like ‘*ão’

O exemplo acima irá selecionar todos os registros em que o campo Nome termina com
“ao”. “João”, “Estevão”, etc. Ignorando desta forma, os primeiros caracteres.

Select * from Clientes Where Nome Like ‘*ar*’

O exemplo acima procura um registro em que o campo Nome contenha a string “ar”,
ignorando os primeiros e os últimos caracteres.

Associar a linguagem SQL aos nossos programas para filtrar dados oferece economia de
código e eficência. Nosso curso não se destina á abordar sobre a linguagem SQL, no
entanto achei importante abordar sobre a questão de filtros.
Você também pode, ao usar uma instrução SQL, utilizar todos os outros operadores do
Visual Basic para especificar opções de critério:

Select * from Clientes Where Codigo > 2 And Codigo < 4

O exemplo acima retornará o registro que tenha no campo Codigo um valor igual a 3.

Além disso, Muitas funções do Visual Basic também funcionam dentro de uma instrução
SQL. A única diferença será que o aluno deverá substituir as aspas duplas “” pelas aspas
simples ‘’.
A forma como usamos as instruções SQL dentro do Visual Basic é muito simples. Basta
você a usar aonde colocaria o nome da tabela. Por exemplo:

Set Tabela = Banco.OpenRecordset(“Select * From Clientes Where Nome =


‘Maria’”)

Agora que já temos uma noção sobre instruções SQL, iremos analisar, áquela linha do
código que usamos para filtrar o relatório:

Set Tabela = Banco.OpenRecordset(“Select * from Clientes Where Nome = ‘ “ & TxtFiltro.Text &
“*’” )
É uma instrução SQL simples. O único fato que merece um esclarecimento é a concatenação
g que usamos para a instrução SQL.
Como temos um Textbox e o filtro será com base nesse Textbox, logo teremos que
concatenar a instrução SQL com o conteúdo de “TxtFiltro”, através da propriedade Text.
(“Select * from Clientes Where Nome = ‘ “ & TxtFiltro.Text
Após o sinal de igual(=), usamos uma ‘ (aspas simples), pois o campo a qual estamos
filtrando a tabela é Text, que funciona como se fosse uma variável String, por isso a
necessidade das ‘’(aspas simples). Como ainda iremos concatenar a instrução SQL com o

146
valor contido em “TxtFiltro”, apenas abrimos as aspas simples, deixando para fechar logo
após a concatenação com a Textbox “TxtFiltro”.
Depois da ‘(aspas simples), utilizamos a aspas duplas para fechar a string, e,
concatenamos, através do operador &, com o texto contido em “TxtFiltro”:

“ & TxtFiltro.Text

Para facilitar o entendimento, digamos que o usuário tenha digitado na Textbox, o string
“ma”. Essa string será concatenada com a string á esquerda dela através do operador &.
Isso resultará na seguinte String:

Select * from Clientes Where Nome Like ‘ma

Como você viu, ainda faltam o * e uma aspa simples no final da expressão para que a
instrução SQL funcione. É isto que faz o restante da expressão:

& “*’ ”

Como resultado final, tudo o que for digitado na Textbox será pesquisado no campo
nome da tabela “Clientes”. Se os primeiros caracteres coincidirem, o registro será aceito.

Visualizando os dados antes de imprimir

Em um relatório mais profissional, temos a necessidade de visualizar os dados antes de


imprimi-los. E o Crystal nos primite isso, através do objeto Crviewer. No nosso curso,
iremos aprender a visualizar os dados, através do formulário que o assistente cria para
podermos visualizar os dados. Desta forma, aplicaremos o filtro que precisamos no código
desse formulário e, bastando apenas, a alteração de uma propriedade, conseguimos o
resultado esperado.
Voltando áquele nosso exemplo do filtro anterior. Crie um novo projeto. Crie um novo
relatório no Crystal(não se esqueça de adicionar o controle crviewer na caixa de
componentes). Este formulário deve ter como base a tabela “Clientes”, existente no banco
de dados “bCurso”. Quando o assistente perguntar se você quer criar um formulário de
visualização, selecione a opção Yes.

Nomeie o relatório como “RptCli” e o formulário como “FrmRelCli”. Agora observe o


código criado pelo assistente no formulário “FrmRelCli”:

147
Bem, a primeira coisa que devemos fazer nesse código, é retirar a linha existente na
seção General-Declarations do formulário, já que renomeamos o nome do formulário e
agora essa declaração não aponta para lugar algum.
Analisando o código, onde podemos nesse código aplicar o nosso filtro?
A resposta é: No evento Load.
Claro que colocar Um Textbox nesse formulário para digitar o filtro não seria o correto,
já que esse é um formulário próprio para a visualização. Como esse é um exemplo prático,
façamos o seguinte.
Criamos um novo formulário, como o que já criamos anteriormente para aplicar filtros,
com a seguinte aparência:

Nomeie o formulário como FrmFiltro.O Textbox como “TxtFiltro” e o botão de


visualização de impressão como “CmdVisualizar”.
Usaremos esse formulário apenas para informar o filtro ao relatório. Sendo assim, a
única coisa que teremos de fazer é codificar o evento Click do botão “CmdVisualizar” para
que chame o formulário de visualização(“FrmRelCli”):

Agora que já chamamos o formulário de visualização, vamos aplicar o filtro no evento


Load desse formulário, com base no que foi digitado pelo usuário no objeto “TxtFiltro” do
formulário “FrmFiltro”. Aplicamos o filtro da mesma maneira como já fizemos
anteriormente, quando mandamos os dados direto para a impressora.(Não se esqueça de
marcar a biblioteca do D.A.O., na caixa de referências).

148
Dim Banco as Database
Dim Tabela as RecordSet

Set Banco = OpenDatabase(“C:\Trabalho\Dbcurso.mdb”)

If FrmFiltro.TxtFiltro.Text<>”” then
Set Tabela = Banco.OpenRecordset(“Select * from Clientes Where Nome like ‘ “ &
FrmFiltro.TxtFiltro.Text & “*’” )
Else
Set Tabela = Banco.OpenRecordset(“Clientes”)
End if

RptCli.Database.SetDataSource Tabela

A única diferença está em 2 linhas nesse código, onde fizemos referência ao objeto
“TxtFiltro” do formulário “FrmFiltro”. O Visual Basic trata os objetos de um formulário
como variáveis públicas. Então podemos acessa-los de qualquer parte do projeto, bastando
anteceder seu nome pelo nome do formulário seguido de .(ponto).

FrmFiltro.TxtFiltro.Text

Enfim, com esse código acima, já conseguimos obter o filtro que precisamos. Com isso,
já podemos jogar os dados para a impressora. Mas não é isso que queremos agora. O que
queremos é visualizar os dados antes de imprimir. Olhando para o restante do código do
evento, só temos que alterar uma propriedade:

Screen.MousePointer = vbHourglass
CRViewer1.ReportSource = Report
CRViewer1.ViewReport
Screen.MousePointer = vbDefault

Aqui você troca pelo nome do formulário que irá usar

Alterando, ficará:

Screen.MousePointer = vbHourglass
CRViewer1.ReportSource = RptCli
CRViewer1.ViewReport
Screen.MousePointer = vbDefault

Agora altera a propriedade WindowsState do formulário atual para 2 - Maximized para


dar uma aparência mais profissional á visualização de impressão.
Não podemos nos esquecer de descarregar o relatório da memória. Podemos fazer isso,
no evento Unload do relatório de visualização:

149
Rode o projeto e confira o resultado.

1
Autor:Dieimes Viana Corrêa
Email:dieimes_c@yahoo.com.br
Fone: (051) 91538814

150